Problem-Based Learning PBL O protagonismo do estudante

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Problem-Based Learning PBL O protagonismo do estudante"

Transcrição

1 Problem-Based Learning PBL O protagonismo do estudante

2 Introdução O método PBL utilizado pela primeira vez na Mc Master University Medical School no Canadá na década de 1960 Em 1989 oito das 127 escolas de medicina nos EUA possuíam o currículo baseado no PBL

3 A Metodologia do PBL Está baseada na resolução de um problema factual em que o aluno (e não professor) é o cerne das discussões, Diferentemente do Lecture-based learning comum nos currículos tradicionais O PBL é oferecido aos alunos por meio de uma situação real, operacionalizada: Por um artigo de jornal, um comentário, factual ou um pequeno cenário temático a uma certa situação

4 Exemplo O aluno pode lidar com uma situação da vida real em que uma família decide (ou não) internar o avô numa clínica de repouso Os alunos poderiam representar a família, argumentando distintos pontos de vistas sobre o caso, após pesquisa sobre assuntos ligados à: Saúde pública, Sociologia, Direitos e Legislação de idosos, entre outros

5 A Implantação do PBL Deve começar pelo menos um ano antes do programa ser iniciado Deve ainda utilizar material específico e envolver professores, funcionários e administração A implantação do PBL deve seguir as seguintes etapas:

6 Etapas para Implantação do PBL Justificar ser este método apropriado para o curso Os estudantes devem estar envolvidos na implantação e avaliação do método Deve ser decidido se o PBL vai se aplicado em todo currículo ou em parte dele Deve ser providenciado espaço físico adequado Professor, funcionários devem estar envolvidos, tendo comum visão sobre o PBL Os departamentos da universidade devem dividir experiências Criar suportes com worshpos de avaliação e escritório específico sobre o assunto na universidade Deve-se providenciar a formação do departamento de PBL, custeando possíveis gastos nessa formação

7 O Espaço Físico S ã o n e c e s s á r i a s m u d a n ç a s n a s tradicionais salas de aula: Móveis e equipamentos próprios que permitam o desenvolvimento de trabalhos e discussões em grupo O PBL utiliza também espaços fora da sala de aula: Bibliotecas, livrarias, museus, comunidade e setor público

8 Três Sugestões de como Desenvolver o PBL Samford University Alabama EUA Modelo de Fogarty EACH-USP-Leste

9 Samford University Alabama Estados Unidos Características: A discussão em grupo de alunos sintonizados com a realidade que os cerca, Promove a relevante articulação entre universidade e comunidade Cria-se um Ciclo Básico no primeiro ano: Com alunos oriundos de diversos cursos Promove-se uma discussão interdisciplinar sobre o problema abordado São levantadas discussões sobre cidadania, a resolução de problemas sociais e eventualidades do cotidiano

10 Modelo de Fogarty - Tutorial Encontre o problema Defina o problema Reúna os fatos (lista KND) What we know, What we need to know, What we need to do Gere questões Crie hipóteses Pesquise o assunto Aprimore o problema Gere alternativas Defenda uma solução para o problema e a justifique

11 Resolução de Problema - EACH- USP-Leste

12 Temas Gerais Cada semestre há um ou mais temas gerais, que darão origem aos problemas que serão abordados pelas diversas turmas Os temas gerais deverão estar relacionados as temáticas: Fortalecimento da cidadania Resolução de problemas sociais Articulação entre os conhecimentos científicos e os problemas cotidianos

13 Os Problemas A partir do tema geral, cada turma elaborará um problema específico, a ser desenvolvido durante o semestre Problema não precisa ser necessariamente solucionado, mas sim discutido e estudado Deve se, no entanto, almejar uma aproximação: Buscar informações necessárias para resolve los Levantar hipóteses e soluções que permitam seu enfrentamento futuro

14 Divisão dos Alunos Os 300 alunos dos 5 cursos, que formam o Ciclo Básico: São divididos em 5 turmas de aula RP, com 60 alunos por turma Cada turma é subdividida em 5 grupos de 12 alunos do mesmo curso

15 Esquema de Exemplo de Problemas

16 As Aulas de Resolução de Problemas As aulas de RP são alternadas entre encontros coletivos (turma de 60 alunos) e encontros por grupo (12 alunos) Nos encontros coletivos trabalha-se os aspectos gerais do problema, por meio da socialização dos conhecimentos produzidos, das aulas expositiva, de conferências, debates, simpósios, exibição de filmes Os encontros por grupo buscam coletivamente resolução para os problemas estudados e estratégias de ação

17 O Funcionamento dos Grupos Cada grupo, composto por 12 alunos, terá um aluno-coordenador e dois secretários. Compete ao aluno coordenador garantir a discussão do problema e a participação de todos Compete ao primeiro secretário registrar as discussões para a elaboração dos relatórios Compete ao segundo secretário consolidar os registros e disponibiliza-los para os demais alunos Deve haver rodízio dos 12 alunos nas funções a cada encontro do grupo

18 Os Três Momentos Essenciais nas Aulas de RP Aproximação ao tema e elaboração do problema Desenvolvimento de ações que levem á resolução do problema S o c i a l i z a ç ã o d o s c o n h e c i m e n t o s produzidos

19 Tutorial para Desenvolver a RP Aproximação da temática a ser estudada: Proporciona uma visão geral da temática a ser estudada Aulas expositivas, conferências, filmes, etc Elaboração do problema: O bom problema é o que nem alunos ou professores sabem a resposta Gerando novos conhecimentos, evitando a reprodução de trabalhos anteriores Mapeamento e busca de informações sobre o problema: Ações que levem os envolvidos a apontarem seus conhecimentos e experiências sobre o problema

20 Tutorial para Desenvolver a RP Elaboração de hipóteses que auxiliem na compreensão do fenômeno: Antes de partir para os estudos deve-se registrar as hipóteses iniciais, Que podem direcionar os passos seguintes Definição das estratégias para se responder ao problema: planejamento das ações que o grupo adotará para resolver o problemas Desenvolvimento de estudos, pesquisas a intervenções Socialização dos resultados a produção do relatório científico

21 Referências Bibliográficas CICLO BÁSICO. USP Leste. Disponível em acesso em 16/05/2005. DELISLE, R. How to use Problem-based learning in the classroom. Alexandria-USA: ASCD,1997. FOGARTY, R. Problem-based learning and others curriculum models for the multiple intelligences classroom. Melbourne: Hawker Brownlow Education, KRASILCHIK, M.; ARANTES, V.; ARAUJO, U.F. Princípios gerais e o ciclo básico: Manual do estudante da USP leste. São Paulo: USP, 2005, pp OVERVIEW. Problem-based learning. Samford University. Disponivel em Acesso em 16/05/2005. PROBLEM SOLVING TOOLKIT. Griffth Institute for Higher Education. Brisbane AUS: Griffith University, SCHWARTZ, P.; MENNIN, S.; WEBB,G. Problem-based learning: case studies, experience and pratice. London: Kogan Page, UVINHA, R.R. Probleman-based learning. No prelo. 2005

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Acessibilidade Cultural Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013 Responsáveis pela elaboração

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

2015-2016. Mestrado em Educação Especial Desenvolvimento Cognitivo e Motor. Tecnologias de Informação e da Comunicação para NEE.

2015-2016. Mestrado em Educação Especial Desenvolvimento Cognitivo e Motor. Tecnologias de Informação e da Comunicação para NEE. Ano Letivo 2015-2016 Designação do Curso Mestrado em Educação Especial Desenvolvimento Cognitivo e Motor Unidade Curricular Tecnologias de Informação e da Comunicação para NEE Área Científica Informática

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

PLANEJAMENTO DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA: 1º SEMESTRE 2013 1º ANO. DOCENTE: THIAGO SANCHES

PLANEJAMENTO DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA: 1º SEMESTRE 2013 1º ANO. DOCENTE: THIAGO SANCHES Ensino fundamental e Médio PLANEJAMENTO DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA: 1º SEMESTRE 2013 1º ANO. DOCENTE: THIAGO SANCHES APRESENTAÇÃO E OBJETIVOS Nosso propósito é conseguir desenvolver no aluno capacidades

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

A QUEM SE DESTINA? COORDENADOR DO CURSO

A QUEM SE DESTINA? COORDENADOR DO CURSO CBA EM FINANÇAS CBA EM finanças O CBA em Finanças é um programa que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em finanças e liderança. O programa tem o objetivo de preparar executivos para enfrentar

Leia mais

Origem e Histórico do método de ABP

Origem e Histórico do método de ABP Origem e Histórico do método de ABP PERÍODO OCORRÊNCIAS REGISTRADAS NA LITERATURA REFERÊNCIAS 500 a.c. O conceito de aprendizagem autodirigida, um dos pilares do curso de medicina da McMaster, já seencontrava

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Do problema à aprendizagem: inovação pedagógica no ensino em enfermagem

Do problema à aprendizagem: inovação pedagógica no ensino em enfermagem Do problema à aprendizagem: inovação pedagógica no ensino em enfermagem Carla Nascimento (carla.nascimento@esel.pt) Deolinda Antunes da Luz Escola Superior de Enfermagem de Lisboa 300 estudantes do 2º

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual

Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual Silvane Guimarães Silva Gomes, Frederico José Vieira Passos Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Projeto de Capacitação para Defensores de Direitos Humanos

Projeto de Capacitação para Defensores de Direitos Humanos GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTICA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS Projeto de Capacitação para Defensores de Direitos Humanos Proponente: Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO Projetos de orientação educacional Conforme foi caracterizado, o plano anual de ação estabelece as linhas globais da Orientação Educacional para um dado ano e é caracterizado

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES IRATI 2005 RESUMO Dentro do Programa Ética e Cidadania Ensino Médio Construindo Valores na Escola, o Projeto

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

PROJETO 2. 1. Identificação do projeto

PROJETO 2. 1. Identificação do projeto PROJETO 2 1. Identificação do projeto Título:Ensino de bioquímica e biologia molecular a partir de "situações cotidiana" utilizando as tecnologias da informação Responsável:Dr. Carlos Eduardo da Rosa Vínculo

Leia mais

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos REGULAMENTO GERAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Ensino Técnico do Centro Paula Souza CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC constitui-se numa atividade

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT O desenvolvimento do Vale do Ribeira: Dando continuidade aos trabalhos já realizados pelo Núcleo de Assessoria Técnica Psicossocial NAT e, em atendimento

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA LABORATÓRIO DE PSICOLOGIA E PROCESSOS CLÍNICOS JATAÍ 2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA

Leia mais

TRABALHANDO COM PROBLEMAS: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA. Jerusa Vilhena de Moraes 1 Sonia Maria Vanzella Castellar 2

TRABALHANDO COM PROBLEMAS: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA. Jerusa Vilhena de Moraes 1 Sonia Maria Vanzella Castellar 2 TRABALHANDO COM PROBLEMAS: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA Jerusa Vilhena de Moraes 1 Sonia Maria Vanzella Castellar 2 1 Doutoranda da Universidade de São Paulo (Brasil)- Faculdade de Educação.

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 6ª Série Planejamento, Programação e Controle de Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES EMENTA: Caracteriza as atividades complementares, regulamenta as áreas de atuação e os processos de operacionalização e estabelecem normas/critérios de acompanhamento,

Leia mais

Resolução de Exercícios Orientações aos alunos

Resolução de Exercícios Orientações aos alunos 2015 Resolução de Exercícios Orientações aos alunos Área de Concentração: EXATAS Disciplina de Concentração: FÍSICA Professores: Gustavo Castro de Oliveira, Reine Agostinho Ribeiro. UBERABA 2015 Colégio

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR INTERMARKETING DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR INTERMARKETING DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR INTERMARKETING DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Projeto Integrador Intermarketing do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

01 UNINORTE ENADE. Faça também por você.

01 UNINORTE ENADE. Faça também por você. 01 UNINORTE ENADE Faça também por você. 02 ENADE UNINORTE Confira algumas questões e seus significados 03 UNINORTE ENADE O curso propiciou experiências de aprendizagem inovadora? Apesar de ser confuso,

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE PROJETO DE PROFISSIONALIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA ÁREA DE ENFERMAGEM PROFAE CHAMADA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município:CASA BRANCA - SP Área Profissional: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão Estratégica Empresarial 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade.

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade. O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BASEADO EM JOGOS * Cristiano da Silveira Colombo Instituto Federal do Espírito Santo RESUMO: As dificuldades encontradas por alunos no processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 2 Abril 2015 Diagnóstico da Empresa O que somos, onde estamos, e onde queremos chegar. Alguns definem diagnóstico como etapa que antecede um projeto. Em questões

Leia mais

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão Organização de Gerenciamento de Processos Palestrante: Samyra Salomão Contextualização O foco do gerenciamento de processos de negócio pode também modificar a forma como os executivos pensam e estruturam

Leia mais

A INFÂNCIA E SUAS LINGUAGENS

A INFÂNCIA E SUAS LINGUAGENS DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE PIRITUBA PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO 2012 A INFÂNCIA E SUAS LINGUAGENS EMEI PROFESSORA EUNICE DOS SANTOS A criança é feita de cem. A criança tem cem mãos, cem pensamentos,

Leia mais

Tema: Educação do Campo

Tema: Educação do Campo CONSTRUÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PALMAS-TO s Tema: Educação do Campo Alguns Termos: Educação Básica: Entendida conforme a LDB (9394/96) - constituída pela Educação Infantil, Fundamental e Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Matemática CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO

Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO rangelrigo@gmail.com, apaula@inf.ufg.br Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás (UFG)

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS ACADÊMICOS BOLSISTAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SMS/RJ

ORIENTAÇÕES AOS ACADÊMICOS BOLSISTAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SMS/RJ ORIENTAÇÕES AOS ACADÊMICOS BOLSISTAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SMS/RJ OBSERVAÇÕES Todos os estagiários deverão elaborar trabalho de conclusão de estágio (edital processo seletivo da SMS),

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Controladoria Estratégica e Contabilidade Empresarial

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Controladoria Estratégica e Contabilidade Empresarial DESCRITIVO DE CURSO MBA em Controladoria Estratégica e Contabilidade Empresarial 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica,

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

Pós Administração Hospitalar. Módulo. Gestão Estratégica da Informação

Pós Administração Hospitalar. Módulo. Gestão Estratégica da Informação Pós Administração Hospitalar Módulo Gestão Estratégica da Informação PÓS-GRADUAÇÃO 2013 ROTEIRO DE PESQUISA PROFESSOR ANDRÉ LUÍS BELINI DE OLIVEIRA DIREITOS RESERVADOS Proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil ARTIGO Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil AUTORES Vera Lúcia Garcia Dra. em Distúrbios da Comunicação Humana

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

PROJETO CONTESTAÇÃO DIREITO E LETRAS

PROJETO CONTESTAÇÃO DIREITO E LETRAS PROJETO CONTESTAÇÃO DIREITO E LETRAS 2012 PROJETO CONTESTAÇÃO: DIREITO E LETRAS Responsável Hellen Ribeiro - Diretora Acadêmica I - HISTÓRICO DO PROJETO CONTESTAÇÃO Havendo a necessidade de se implementar

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa VI Simpósio Internacional de Enfermagem Projeto QUALISEG: A Segurança do Paciente e a Qualidade em Saúde: Estratégias para a

Leia mais

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327 PROPOSTA DE UMA TURMA DE MESTRADO PROFISSIONAL, PARA UMA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DOS SERVIDORES DO INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL IBRAM (FORMATO MODULAR PRESENCIAL) Cristiana Saddy Martins Coordenadora da

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH)

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) Joana Zylbersztajn 1 Introdução O Centro de Direitos Humanos surgiu em 1998, por iniciativa de professores e estudantes da

Leia mais

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos ADMEST - Administração Estratégica Período Letivo 2013 - Anual Currículo 40032012

Leia mais

O Curso é semestral, com duração de quatro anos e o aluno faz cinco disciplinas por semestre, sendo uma disciplina em cada dia de aula.

O Curso é semestral, com duração de quatro anos e o aluno faz cinco disciplinas por semestre, sendo uma disciplina em cada dia de aula. O curso de graduação em Administração da EBS já na primeira vez em que participou do exame do ENADE (que avalia os alunos formandos e é feito pelo MEC) ficou em primeiro lugar, sendo a única instituição

Leia mais

MBA em gestão de negócios

MBA em gestão de negócios MBA em gestão de negócios MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O MBA Executivo em Gestão de Negócios do Grupo Ibmec foi desenvolvido para responder à demanda do mercado por profissionais cada vez mais qualificados

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos 1 IDENTIFICAÇÃO Abrangência do Projeto: ( ) Estadual ( ) Regional (x) Intermunicipal (no mínimo três municípios): Piraquara, Pinhais e Quatro Barras 1.1 Dados

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA

CURSO DE FISIOTERAPIA CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Gestão e Planejamento de Saúde CÓDIGO: Fisio 119 CH TOTAL: 30 horas PRÉ-REQUISITO:

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) Requer a realização do III Fórum Nacional da Saúde Ocular. Senhor Presidente, Requeiro a Vossa Excelência, ouvido

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL DE FILOSOFIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA CECÍLIA ROSA LOPES AMBIENTE WIKI

BIBLIOTECA VIRTUAL DE FILOSOFIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA CECÍLIA ROSA LOPES AMBIENTE WIKI Universidade Federal do Rio Grande NEAD - Núcleo de Educação à Distância Curso Mídias na Educação Projeto Final do Ciclo Básico Tutora Carolina Larrosa de Oliveira BIBLIOTECA VIRTUAL DE FILOSOFIA DA ESCOLA

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

O Diagrama de Causa e Efeito como instrumento de solução de problemas MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO UNESP ÁGUAS DE LINDÓIA/SP SETEMBRO/2010

O Diagrama de Causa e Efeito como instrumento de solução de problemas MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO UNESP ÁGUAS DE LINDÓIA/SP SETEMBRO/2010 O Diagrama de Causa e Efeito como instrumento de solução de problemas MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO UNESP ÁGUAS DE LINDÓIA/SP SETEMBRO/2010 Desafios gestão Gestão de processos. Gestão de pessoas. Operacionalização

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

Relato de aplicação de PBL em turma de pós-graduação. Disciplina Inteligência Competitiva Prof. Alexandre Salvador.

Relato de aplicação de PBL em turma de pós-graduação. Disciplina Inteligência Competitiva Prof. Alexandre Salvador. Relato de aplicação de PBL em turma de pós-graduação Disciplina Inteligência Competitiva Prof. Alexandre Salvador 1º Semestre 2015 A. Contexto e motivação Em 2014 me juntei à ESPM para lecionar a disciplina

Leia mais