AS INFLUÊNCIAS DO CINEMA NOS RÓTULOS DE CACHAÇA PARANAENSE EM MEADOS DO SÉCULO XX.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS INFLUÊNCIAS DO CINEMA NOS RÓTULOS DE CACHAÇA PARANAENSE EM MEADOS DO SÉCULO XX."

Transcrição

1 AS INFLUÊNCIAS DO CINEMA NOS RÓTULOS DE CACHAÇA PARANAENSE EM MEADOS DO SÉCULO XX. Introdução. Alan Ricardo Witikoski. Me. DADIN/UTFPR. Este artigo faz parte de um estudo amplo realizado durante a dissertação de mestrado. Nas pesquisas realizadas foram encontrados materiais vastos, porém um em especial chamou a atenção, a quantidade de rótulos de Cachaça. Apenas no acervo da Casa da Memória da Fundação Cultural de Curitiba, foram catalogados 109 exemplares, sendo a maioria da cidade de Curitiba, mas contando com outros da região centro-oeste, norte e litoral do estado. Cabe ressaltar que muitos não contam com elementos que possam assegurar uma precisão de sua data de impressão. Os rótulos analisados possuem endereços e quantidade de dígitos de telefone ao qual correspondem entre as décadas de 1950 e Outro fator relevante é o processo de impressão aplicado. Praticamente todos os rótulos são impressos em Cromolitografia, a litografia em cores. Como citado por diversos estudos (PRESAS, 2007; BOGUSZEWSKI, 2007), a litografia impulsionada pelos barões do mate da região de Curitiba deve um papel de destaque na consolidação da indústria paranaense, sobretudo na indústria gráfica. O Paraná apresentava alguns fatores para o desenvolvimento de uma indústria litográfica como: o capital dos barões do mate, a presença massiva de mão de obra especializada, proveniente das imigrações europeias na região (poloneses, alemães, espanhóis, ucranianos etc) e um mercado que necessitava da fabricação de rótulos para a exportação. Com estes elementos favoráveis não tardou a indústria litográfica paranaense ganhar em produtividade e qualidade (PRESAS, 2007). Sobral (2007) comenta que estas oficinas eram administradas de modo familiar, normalmente eram passadas de pai, para filho, para o neto e sucessivamente. Muitas das grandes gráficas brasileiras têm sua origem nestas oficinas. Como ocorreu no Brasil, em Curitiba a ausência de mão de obra era frequente. Para contornar esta deficiência, as litografias contratavam profissionais estrangeiros (Alemanha, Espanha, Suíça e Áustria, no caso da Impressora Paranaense) ou formavam a mão de obra internamente. A formação dos litógrafos consistia em, além de participar de diversas etapas do processo de produção, noções de perspectiva, reprodução de tipos gótico, romano, fantasia entre outros, ampliações e reduções à mão-livre, até finalmente a criação das próprias ilustrações. 23

2 Ao se analisar os rótulos, não somente pelo seu processo de impressão, mas também buscando analisar quem eram as pessoas, os litógrafos, responsáveis pela sua criação e produção, é possível traçar um ponto de vista diferente de como a sociedade brasileira em certo período interpretava e assimilava as influencias de origem externas, promovendo uma hibridização entre ou que é considerado regional, a Cachaça, e o que vem externamente, no caso deste artigo, o cinema. Uma vez estabelecido esta relação da formação de mão de obra e processo de impressão, é necessário situar sobre a importância da Cachaça na história do Brasil, e como sua construção dentro da sociedade passou por diferentes momentos, até a atual, de valorização de uma bebida tipicamente brasileira. Breve histórico da Cachaça. Ao se iniciar uma pesquisa buscando alguns elementos importantes na história da Cachaça em território nacional, nos deparamos com diversas versões que contam e recriam todo um universo de valores e questões culturais, assim com elementos folclóricos. A origem do termo Cachaça é desconhecida, porém acredita-se que tenha sua origem na língua espanhola, do termo chachaza que significava um vinho inferior retirado das borras (resíduo da fermentação do vinho), Outra possibilidade é da origem ser africana. Silveira Bueno (1974), em seu Dicionário da Língua Portuguesa afirma que: Cachaça era sinônimo de porco (cachoço) e da porca (Cachaça). Como a carne era dura, era adicionada aguardente para amaciá-la. Passando assim, o nome de porca (Cachaça) para significar a aguardente utilizada. Cascudo (2005) afirma que são encontrados no Brasil inúmeros registros (anotações de negociações, descrições de religiosos e documentos oficiais da colônia) sobre uma aguardente obtida nos engenhos de açúcar a partir do século XVII que era designada por diferentes nomes, como aguardente da terra, vinho de mel, vinho de borras e aguardente do mel. Esta aguardente da terra era a designação da bebida produzida na própria colônia, enquanto a aguardente do reino designava bebidas de origem externas com um custo elevado e consumida por poucas pessoas. Como a Império pregava o monopólio, logo a aguardente da terra, que também pode ser interpretada como a Cachaça, passa a ter sua produção como ilegal. Tal medida colabora para a expansão da Cachaça pelos mais diferentes lugares do Brasil, tornando sua produção e distribuição um ato clandestino perante o Império. È importante ressaltar que a Cachaça era uma importante moeda de troca na África por escravos, e que potencializa os lucros dos senhores de engenho. Tanto que no momento em 24

3 que o Império tenta uma manobra de taxação e legalização da produção acaba provocando uma Revolta, conhecida como Revolta de Cachaça, ou a Revolta de Barbalho. Além disso, a Cachaça deve um papel importante nas comunidades indígenas brasileiras como um elo de dominação e desarticulação. Carlos Coloma, da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) comenta que o modo de beber é o diferencial mais marcante entre índios e a população em geral. Entre os indígenas, a ingestão é coletiva. Se há uma festa comunitária, todos têm que beber. Se há uma garrafa, duas, dez, mil garrafas, tudo tem que ser bebido. A Cachaça também desempenha um fator religioso, sendo incorporada como um agente capaz de ligação com o mundo dos mortos. Em algumas tribos a Cachaça é usada como uma oferenda para entidades como Exu e também em rituais de despacho (CASCUDO, 2005). Estão relação intima do Brasil e a Cachaça também é representada pela superstição e o folclore em torno da bebida, contando com diversos ritos como o ato de jogar a Cachaça no chão em homenagem ao Santo, ou a toda a diversidade de elixires e simpatias desenvolvidas com a Cachaça, atribuindo como cura para todos os males (KREBS, 1959). Logo após a independência, a Cachaça foi valorizada em brindes e reuniões como um produto da terra, como um ato que representa-se a identidade nacional. Porém tal fato não perdurou, logo devido ao fim da escravidão e a crises econômicas, Bebida barata de fácil compra, tornase a opção escolhida pelos menos favorecidos. As expressões pejorativas como pinguço, cachaceiro, manguaceiro começam a ser citadas, construindo uma nova identificação e deslocando novamente seus significados, de produto nacional apreciado até pela realeza à produto ligado às classes trabalhadoras e marginalizadas (DIAS, 2005). Em meados da década de 1990, o governo com o apoia da ABRABE (Associação Brasileira de Bebidas) e parceria com a APEX (Agência Brasileira de Exportação), ligada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, foi criado em 1997 o PBDAC (Programa Brasileiro de Desenvolvimento da Cachaça) dão inicio a um processo de mudança e valorização da Cachaça, principalmente visando o mercado externo, reforçando assim a identidade da Cachaça como um produto típico brasileiro. Este resumo de algumas das principais passagens da Cachaça na história brasileira pode remeter a observar com atenção os rótulos. Há uma infinidade de nomes e expressões associadas a seu consumo, materializando uma variedade de representações e possibilitando o convívio de diferentes discursos. O estabelecimento da Cachaça como um dos elos na construção de uma identidade brasileira se efetiva em diferentes discursos, vindos de autores como Cascudo (2005), Câmara (2004), Costa (1987), Gilberto Freyre e Mario Souto Maior e etc, todas com um projeto de 25

4 interpretação desta identidade. Este mosaico de diferentes perspectivas de um mesmo produto enriquece as abordagens com que a Cachaça pode ser apresentada dentro da história brasileira. Neste artigo sobre os rótulos de Cachaça optou-se por evidenciar as características ligadas ao cinema e ao rádio e relacionadas a um local, no caso ao estado do Paraná. Destacando que as possibilidades de análise são inúmeras e ainda pouco exploradas. Breve panorama histórico do Brasil nas décadas de 1950 e Com os eventos do final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, o Brasil teve mudanças em diversos aspectos, como culturais, tecnológicos, sociais e econômicos. O mundo foi dividido entre as duas potências, URS e EUA. O Brasil, que participara da guerra ao lado dos aliados, teve uma maior influência econômica, política e ideológica dos EUA, ampliando a entrada e assimilação da cultura norte-americana. Isto aconteceu não só no Brasil como em outros países da América Latina. O confronto mundial favoreceu o desenvolvimento da indústria brasileira, uma vez que os países envolvidos no conflito voltavam sua produção para a guerra, e o país precisava gerar seus próprios produtos para abastecer seu mercado interno (BNDES, 2003). Este quadro favoreceu a vindas de diversas marcasdos EUA reforçando o status do American way of life. As marcas nacionais FIexBril, Fixol, Modonal e Eucalol juntaram-se às marcas americanas como Kolynos, Bendix, Remington, Frigidaire, Walt Disney e Bardhall, entre outras marcas estrangeiras como Nestlé, Facit, Bayer etc. Estas novidades alteraram o consumo e o comportamento de parte da população que habitava os grandes centros urbanos, como aponta Mestriner (2005). Com o final da Segunda Guerra, o surgimento da televisão, a criação dos supermercados e o desenvolvimento das mídias, associado à publicidade, impulsioram a sociedade para uma nova realidade na venda de produtos, tornando o vendedor uma figura secundária, iniciandose um processo de valorização da embalagem, como um canal de venda efetiva do produto. No período do governo Kubitschek, de acordo com Camargo (2003) houve um aumento na produção gráfica de 143%. O que exigiu a formação de novos profissionais na publicidade. A influência da publicidade não se restringiu apenas aos impressos, mas também à outras mídias, como o cinema, o rádio, a televisão, a revista, o teatro e aos eventos culturais. A primeira transmissão de televisão no Brasil ocorre em 19 de setembro de 1951, com a TV Tupi, rede do proprietário de Jornais e Rádios, Assis Chateaubriand, também fundador do MASP. A princípio, devido à falta de equipamentos, pessoal técnico, a programação era restrita a determinadas regiões e horários. O alto custo do aparelho selecionou inicialmente um público com alto poder aquisitivo (CATANI, 1983). 26

5 O cinema brasileiro começou a ganhar maior relevância no final da década de 1940, início da década de Apesar da presença de filmes estrangeiros, existiram as populares chanchadas (comédias musicais produzidas pela Atlântida) criadas nos anos 1930, mas obtendo seu auge nos anos Os atores destes filmes já eram conhecidos do rádio, uma das maiores mídias de massa do período, além de jornais e revistas. O teatro, juntamente com o rádio, também fornecia atores e atrizes para a televisão e o cinema, entre os mais famosos estão o Teatro de Revista e o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) (CATANI, 1983). Estes atores tinham uma grande abrangência de mercado, e não tardou para que seus personagens, transpostos para o cinema, se tornassem populares, ocupando as capas de revistas, anúncios e toda uma indústria baseada nos acontecimentos das celebridades, gerando um efeito semelhante ao star system. Outro estúdio foi o Vera Cruz, criado em São Paulo, no começo da década de 1950, para ter os mesmo moldes da Atlântida carioca (CATANI, 1983). Entre os artistas lançados pela Vera Cruz, Amácio Mazzaropi alcançou expressiva repercussão. A década de 1960 ficou marcada por uma grande turbulência politica e econômica culminando no golpe de 31 de março de 1964 idealizado para livrar o país da corrupção e salvar a democracia. Além de afastar os perigos do comunismo começou a instaurar diversos decretos, chamados de atos institucionais, legitimados com o discurso de serem necessários num período de revolução. O ápice foi o número 5 (AI5) que fechava o congresso decretando estado de sítio, além de suspender diversos direitos legais. A instauração do regime militar, posteriormente ditatorial e autoritário, conduziu a um caminho em que vários artistas, políticos, intelectuais, líderes sindicais/estudantis foram presos/exilados e/ou torturados, pois eram tidos como possuidores de ideais revolucionários (FAUSTO, 1995). Porém, não só a política influenciava a sociedade, mas as novas tecnologias, voltadas a um público de massa, ganhavam força. A televisão, de artigo de luxo, passou a se tornar popular, trazendo inúmeras mudanças no comportamento social. Mazanek (2004) cita que neste período a velocidade de expansão da televisão é surpreendente, levando a um declínio nas salas de cinema, e transformando encontros familiares em encontros para assistir algum programa televisivo. Entre estes programas, a telenovela adquiriu destaque, tendo como fonte precursora e inspirada as radionovelas. Inicialmente a telenovela não possuía exibição diária. Durante a década de 1960 a teledramaturgia torna-se um fenômeno de massa, passando de diálogos 27

6 formais a expressões coloquiais com uso de gírias, criando, assim, uma identificação com realidade e o cotidiano nacional (ORTIZ, 1989). Foi neste período conturbado que em 10 de julho de 1963, no Rio de Janeiro, foi inaugurada a Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI) como instituição de ensino criada pelo governo. Entre seus colaboradores estavam vários nomes importantes no desenvolvimento do design brasileiro como Aloíso Magalhães, Zuenir Ventura, Alexandre Wollner, Décio Pignatari, além da colaboração de Max Bill, Tomás Maldonado, Max Bense, Walter Gropius entre outros (NIEMEYER, 2000). Porém este marco no processo de formação e reconhecimento do design brasileiro, teve como efeito colateral o descrédito de todo um desenvolvimento do design brasileiro anterior a sua implementação. Como aponta Cardoso (2005), criou-se uma consciência mítica em torno da década de 1950 (com a criação de cursos de propaganda e marketing em São Paulo) e na década de 1960 em torno da criação do design brasileiro. Houve uma ruptura, o aparecimento de uma consciência do design como um conceito, profissão e ideologia, antes das suas atividades projetuais relacionadas à produção e ao consumo em escala industrial. Todavia, não se deve ignorar que antes, e até mesmo durante esta ruptura, existiram atividades correspondentes àquilo que hoje entendemos como design. Neste panorama são destacados alguns elementos ligados a construção da televisão, do rádio e da publicidade, que de certa maneira, são auxiliados pela expansão de novas marcas. A vinculação de estrelas de cinema, televisão e do rádio na venda de produtos ou serviços é massificada na sociedade, e pode ter seus reflexos observados por meio dos rótulos de Cachaça, criando um hibridismo de como esta informação é assimilada, processada e retratada na sociedade construindo assim um ponto de vista inusitado para um retrato da sociedade brasileira do período. Posto um panorama sobre alguns dos elementos envolvidos, como um breve resumo sobre a história da Cachaça e um panorama sobre a história do Brasil entre as décadas de 1950 e 1960, focando elementos ligados a televisão, cinema e o rádio. Faz se necessário o desenvolvimento de um método, para analisar os rótulos buscando identificar elementos que se relacionem com o cinema. Se vistas isoladamente apenas pelos aspectos históricos, ou pelos elementos culturais, ou pelas características de impressão, ou por princípios do design (composição, diagramação e teoria da cor) as análises correm o risco de serem superficiais, para estruturar e auxiliar todas estas relações no rótulo, optou-se pela escolha da teoria semiótica, baseada nos estudos de Charles Sanders Peirce. 28

7 Método de análise. O processo de interpretação, segundo Peirce, é um processo ad infinitum, ininterrupto, regredindo infinitamente em direção ao seu objeto e progredindo infinitamente em direção ao seu interpretante (SANTAELLA, 2005, PEIRCE, 1995). A fim de propor uma leitura e análise dos rótulos de Cachaça foi adotada a teoria semiótica, aplicando ferramentas conceituais peirceanas. Considerou-se a imagem do ponto de vista da significação, ou seja, buscando estudar o fenômeno no seu modo de produção de sentido. Um signo só pode ser considerado como tal, se remeter a determinada ideia, provocando na mente de quem percebe uma atitude interpretativa (JOLY, 2005). A semiótica possibilita um olhar próximo do movimento das mensagens, da forma como são produzidas, propagadas e estão sendo empregadas. Não apenas dentro de um contexto imediato, mas sob uma extensão, onde os signos estão impregnados de resíduos provenientes da história, da economia, da tecnologia, das técnicas envolvidas no processo de produção e das questões subjetivas envolvidas no processo de criação e produção dessas mensagens. Por esta razão é importante o resgate histórico sobre a história da Cachaça no Brasil, sobre as tecnologias aplicadas na confecção de seus rótulos, sua origem, evolução, particularidades, qual contexto histórico estão sendo produzidos etc. A consciência destes conhecimentos por quem está realizando as análises é importante, pois colabora para a percepção de vários nuances presentes no objeto, que sem um olhar semiótico passariam despercebidos. Para a implementação de um método é assumido o caráter polissêmico e transacional do signo, Joly (2005) reconhece na imagem uma predominância do estado de ícone. Entretanto, observa que a representação visual atribuída na imagem é heterogênea, reunindo diferentes categorias de signos: a imagem no sentido teórico do termo (icônicos, analógicos); signos plásticos (cores, formas, composição interna, textura) e também os signos lingüísticos (linguagem verbal). Joly (2005) sugere a possibilidade de enumerar sistematicamente numa imagem diversos tipos de significantes co-presentes na imagem e analisar suas relações correspondentes entre os significantes e os significados oriundos de determinadas convenções sociais e vivências de quem realiza as análises. A interpretação de uma versão habitual plausível, ou seja, a mensagem implícita na imagem, normalmente parte de uma construção deliberada num agir com respeito a fins, ou seja, parte de uma visão do senso comum, uma versão espontânea, não menosprezando importância deste tipo de análise. Em sua proposta Joly (2005) propõe que se inicie a análise pelos signos plásticos, pois constituem signos plenos e inteiros e não apenas um material de apoio para os signos 29

8 icônicos. Tal distinção é importante para que se perceba que a significação da imagem tanto é determinada pelos aspectos plásticos como pelo icônico e lingüístico. A mensagem plástica é dividida entre um significado direto entre o signo e o referente, também chamado de denotativo, e um significado indireto, conotativo. O enquadramento, o plano, a composição, a diagramação, a tipografia, as cores, os contrastes, as formas, as texturas, as dimensões, a iluminação, são considerados como elementos da mensagem plástica. Já a mensagem icônica associa-se ao figurativo, como por exemplo, uma representação feminina ou masculina. A última mensagem a ser analisada é a lingüística. Sua própria apresentação por meio da tipografia, cor, forma, tamanho, posicionamento, hierarquia das palavras dentro do rótulo, cria uma espécie de mensagem plástica interna, que busca orientar uma leitura. Com esta estrutura estabelecida é montada uma ficha de análise contendo os seguintes itens: A identificação da amostra por meio da empresa fornecedora e o nome do produto. As mensagens plásticas: enquadramento, composição, cores, formas, formato, suporte, texturas, impressão, planos. Em dois modos: na Denotação, um significado mais direto entre referente e objeto (por exemplo uma cor, o amarelo) e o da Conotação um significado mais indireto entre o referente e o objeto (a cor amarela pode representar, dentro de um aspecto cultural, histórico, social, a sensação de calor, riqueza, alegria, por isso a importância do resgate histórico, social ao que o objeto de estudo esta relacionado). Normalmente os ícones, índices e símbolos são verbalizados durante a descrição das mensagens plásticas. As mensagens icônicas: os ícones previamente descritos são analisados dentro do seu modo de Denotação e Conotação. O processo de semiose presente nos ícones torna esta etapa longa e com várias possibilidades, algumas se complementam ou contrastam com os signos plásticos. Alguns ícones podem ser encarados como índices ou símbolos, esta variação pode apresentar interpretações diferentes, novamente o resgate histórico, cultural, tecnológico, no meio em qual objeto esta inserido poderá fornecer os meios necessários para qual interpretação é a mais indicada para os objetivos traçados para a análise. Porém, pelas características dos rótulos serem representações ilustradas por meio da técnica litográfica, confere a eles, enquanto imagem, uma característica mais icônica do que indicial. Enquanto o simbólico oscila entre suas características icônica, plástica e lingüística. Mensagens Lingüísticas: Todos os textos aplicados nos rótulos, não somente em seu sentido denotativo, o que se refere diretamente à escrita, mas também o Conotativo, ou seja, como a informação está apresentada. 30

9 Observação: Campo destinado a comentários gerais relacionado às mensagens. Com a aplicação da ficha em cada um dos rótulos, foi possível estabelecer vestígios de diferentes origens nos rótulos. Para que os textos se tornassem fluídos, optou-se por transcrever as fichas numa linguagem menos voltada à aplicação de termos semióticos. Esta escolha não corresponde à inexistência das classificações semióticas, uma vez que o texto teve origem nas análises das fichas, sem as quais muitas das questões apresentadas no texto não seriam possíveis. Exemplos de rótulos. Para este artigo foram selecionados os rótulos que dialogam com a influência no cinema, e eventualmente rádio e televisão, uma vez que no período os atores, atrizes, cantores, cantoras não eram fixos em uma única mídia, sendo assim uma mídia acaba por dialogar com a outra. Rótulo Chiquita Bacana. A aguardente Chiquita Bacana era engarrafada por Luiz Cardoso. O rótulo apresenta o rosto de uma mulher, tendo ao fundo uma mancha, semelhante a uma chamada publicitária, com a função de criar um destaque à ilustração. O nome do produto, Chiquita Bacana, pode ser uma referência a uma canção composta por João de Barro e Alberto Ribeiro, em Figura 01: Rótulo Chiquita Bacana. Fonte: Fundação Cultural de Curitiba. Chiquita Bacana lá da Martinica Se veste com casca de banana nanica Não usa vestido, não usa calção Inverno pra ela é pleno verão Existencialista com toda a razão Só faz o que manda o seu coração (BARRO e RIBEIRO) A canção rendeu o prêmio de melhor marchinha de carnaval do ano e tornou se uma composição famosa, sendo gravado em outros países como Estados Unidos, França, Argentina, Holanda, Itália e Inglaterra. A idéia da canção era fazer uma menção ao existencialismo, tema explorado com regularidade pela imprensa da época, como nos versos: 31

10 Existencialista com toda razão ela e Só faz o que manda o seu coração, por isso ela Se veste com casca de banana nanica. Chiquita Bacana pode ser interpretada como uma reprodução de uma determinada identidade brasileira, pois ela é da Martinica (ilha do Caribe, com praia e sol o ano todo), se veste com roupas curtas e com uma casca de banana, uma das frutas mais associadas ao Brasil, conferindo um ar exótico e irreverente. Seu inverno é em pleno verão (o sol e calor referência ao tropical, como acontece nas praias brasileiras, próximas à linha do Equador). No rótulo da Chiquita Bacana há uma proximidade com o cinema e a música. Figura 02: Detalhe ilustração, rótulo Chiquita Bacana. Fonte: Autor, 2008 Figura 03: Atriz Doris Day, anos 1950, com seu cabelo estilo Helmet. Fonte:http://www.adorocinema.com/personalidades/ atores/doris-day/doris-day01.jpg O penteado remete as décadas de 1950 e Naquela época, os filmes americanos tinham grande influência sobre a moda. É possível ver isso comparando o rosto do rótulo com uma foto de Doris Day, atriz norte-americana, por exemplo estilo do penteado entre a ilustração e a imagem da atriz apresenta semelhanças com o ondulado nas pontas e no topete, assim como na maquiagem (o batom e a sombra). Pode-se observar uma reprodução do padrão estético do cinema americano até na expressão insinuando um sorriso discreto. É possível atribuir estas referências à influência do processo do star system, se expandindo em várias direções, inclusive sendo incorporado nas representações de produto tradicionais, como a Cachaça. Se por um lado existe uma certa perda com a reprodução de padrões e referências externas, no caso um padrão de moda oriundo do cinema americano, por outro, ganha-se com a renovação da imagem da Cachaça e sua assimilação a outras referências. Rótulo Gran Fina. Na figura 04 encontra-se o rótulo Gran-Fina, da Destilaria de Bebidas Vitória. O estilo adotado remete aos movimentos Art Nouveau Art Déco com ornamentos em cada um dos cantos, em formato de um quarto de círculo em preto, decorando com forma de pequenas 32

11 gotas em verde escuro, semelhante a uma concha ou um elemento floral. O contorno da uma moldura é dado em vermelho também de forma arredondada. Figura 04: Gran-Fina. Fonte: Fundação Cultural de Curitiba Existe um destaque ao nome do produto, Gran-Fina, oferecido tanto pelo seu posicionamento na diagonal como pelo tamanho dos tipos. As outras informações menos destacadas seriam a superior aguardente e o local de origem, a Destilaria Vitória. Compondo o rótulo em tamanhos menores, o endereço, a origem do produto, graduação e indústria brasileira. A classificação da aguardente também a promove a um status diferenciado, ela é superior. A idéia de superioridade pode dar conotações distintas: apreciado pelas pessoas requintadas, charmosas (assim como a Gran-Fina retratada), por homens que desejam ser superiores a tal ponto de conquistar uma mulher Gran-Fina ou a aguardente ser tão superior que é a Gran- Fina comparada a qualquer concorrente. A aplicação do nome posicionado na diagonal, acompanhando a ilustração, promove a junção e a proximidade dos elementos, contribuindo para a ligação entre o nome do produto e a ilustração. A ilustração representa uma mulher de atitude e reforça a idéia do requinte, o chapéu, os cabelos curtos, o rosto maquiado (batom, blush, sombra e unhas pintadas), o modo de segurar a taça, o ombro erguido: representa-se uma sensualidade semelhante às estrelas de cinema do período. O chapéu era amplamente utilizado pelas grandes atrizes de cinema, influenciando a popularização do seu uso, com a associação à imagem de glamour. Na década de 1950, com o advento de novos materiais sintéticos, novos formatos e formas são criados, com ares mais femininos e românticos, com adornos florais e faixas, auxiliando na construção da imagem da mulher (POLINI, 2007). 33

12 III Encontro Nacional de Estudos da Imagem O modelo representado na ilustração remete a dois modelos da época o Brimmed, com copa baixa e abas longas e o chamado Garbo hat (em referência à atriz Greta Garbo) também com abas longas e sinuosas fixadas acima da base,(pollini, 2007) como nas figuras 05 e 06: Figura 05: Modelo com chapéu do modelo Brimmed, 9 de maio de 1953, no Hide Park, Londres. Fonte: jpg Figura 06: Foto da sueca Greta Lovisa Gustafson (Greta Garbo) com o Garbo hat. Fonte: A expressão do olhar é mais distante, como nas fotografias (figuras 05 e 06), nunca olhando diretamente para a câmera, mas para um outro ponto fixo qualquer, gerando um ar de sedução e mistério. Para onde olhariam estes modelos? Tanto no rótulo Gran Fina como no rótulo Chiquita Bacana a representação feminina sugere uma sensualidade mais presente, entretanto com uma mulher independente, de atitude, com requinte. Rótulo Ligomar Extra. Figura 07: Rótulo Ligomar extra. Fonte: Fundação Cultural de Curitiba. 34

13 Este é um rótulo produzido pela Ligorio & Camargo, no qual existem outros rótulos de mesma engarrafadora, porém com temas diferentes. A representação masculina é de um homem montado num cavalo, em um campo. O traje com calças largas, botas, faixa amarrada na cintura, lenço no pescoço e chapéu, representam um típico homem do campo, da região dos pampas, chamado de gaúcho. A partir do século XIX o termo também passou a designar os nascidos no estado do Rio Grande do Sul. Partindo-se de outras referências, poderiam ser atribuídas as qualidades também refletidas no cowboy, imagem transmitida pelo cinema e televisão, por exemplo. Figura 08: Detalhe da ilustração do rótulo Ligomar extra. Fonte: Autor, Figura 09: Fotografia do final do século XIX de um típico homem do campo da região dos pampas. Fonte: Na ilustração (figura 08) o cavalo está levantado e o homem com um laço na mão na iminência de movimento, de correr atrás de um animal que se desgarrou do bando para laçálo. Associa a idéia de que o produto é como o homem do campo, tradicional, forte, rápido, sempre preparado para entrar em ação. A representação do gaúcho identifica o produto com os descendentes e/ou simpatizantes da cultura dos pampas, enquanto uma comparação com um cowboy refere-se as filmes com temática western (faroeste) comuns produzidos no período. Conclusões. Os produtos consumidos com certa regularidade, ou associados a algum tipo de hábito, adquirem certa invisibilidade. Suas formas, cores, modos de uso, instruções entre outros, projetam uma naturalidade aparente. Nas análises dos rótulos é possível verificar as camadas de significações, os vestígios sociais, culturais e tecnológicos. Infelizmente outros exemplos ficaram excluídos por questões de espaço, sendo escolhidos estes três exemplos. Mesmo assim é possível observar como os hábitos transmitidos pelo 35

14 cinema, como as roupas, chapéus, as próprias poses de fotografia, como no caso do rótulo Gran fina e Ligomar Extra, acabam por reproduzir certo ideal de origem externa. Porém esta influencia não passa completamente imune, mas sofre um processo de reinterpretação, como as feições das personagens, sua aproximação de elementos exclusivos, como no caso da Chiquita Bacana, o cabelo remetendo ao cinema, porém com o nome ligado a uma canção do rádio. Já na Gran Fina, pose e chapéu, mas com um típico copo de Cachaça em mãos. Ligomar Extra assume um caráter ambíguo, uma vez que pode ser interpretado como um gaúcho, como também pela pose do cavalo a um típico cowboy americano. Assim é possível considerar, mesmo com estes poucos exemplos, que as possibilidades de análise dos rótulos de Cachaça devem ser observados como uma nova maneira de entendimento sobre os processos de construção e formação da identidade brasileira Referências. ABRABE. Associação Brasileira de bebidas. <www.abrabe.org.br> Acesso em 11 de maio de AGÊNCIA BRASIL. Consumo de álcool entre indígenas é fenômeno preocupante, avalia especialista. <http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/01/18/materia /view> Acesso em 24 de junho de APEX. Agência Brasileira de Exportação. <http://www.apexbrasil.com.br> Acesso em 11 de maio de BNDES. 50 anos: Histórias Setoriais. Editor Dora and Books BOGUSZEWSKI, Jose Humberto. Uma história cultural da erva-mate : o alimento e suas representações. (dissertação). Universidade Federal do Paraná CÂMARA, Marcelo. Cachaça Prazer Brasileiro. Rio de Janeiro. Editora Mauad CASCUDO, Luís da Câmara. Prelúdio da Cachaça. São Paulo: Global, 2 ed CARDOSO, Rafael D. Uma introdução à história do design. São Paulo: Edgard Blücher CARMAGO, Mário de. Gráfica: arte e indústria no Brasil. 180 anos de História. São Paulo. Edusc. 2 ed CATANI, Alfredo M. A Chanchada e o Musical Brasileiro. Editora Brasiliense DIAS, Lúcia, C. M. Cultura engarrafada: a embalagem de Cachaça comunicando a identidade do Brasil. O estudo de três embalagens brasileiras. In: Intercom,

15 FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo. Edusp. 2 ed JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, KREBS, Carlos, Galvão. O folclore da Cachaça no Rio Grande do Sul. A Hora. Porto Alegre, 21 de fevereiro de 1959, in: Jangada Brasil. ano 5. n MAZANEK, Renato. Ao vivo e sem cores: o nascimento da televisao do Paraná. Curitiba.Editora Guiatur MENDONÇA, Sonia. A industrialização Brasileira. São Paulo. Moderna MESTRINER, Fabio. Design de embalagem: Curso avançado. São Paulo: Pearson Prentice Hall, NIEMEYER, Lucy. Design no Brasil: origens e instalação. 3 ed. Rio de Janeiro : 2AB, PBDAC. Programa Brasileiro de Desenvolvimento. Acesso em 11 de maio de PEIRCE, Charles S. Semiótica. Tradução José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 2.ed., POLINI, Denise. Breve história da moda. São Paulo: Claridade, PRESAS, Guadalupe F; PRESAS Joaquim F. Memórias & Histórias da Indústria Gráfica do Paraná. Curitba. SIGEP & ABIGRAF-PR SANTAELLA, Lúcia; NÖTH Winfried. Imagem - Cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras Semiótica Aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning SOBRAL, Julieta. O Desenhista invisível. Rio de Janeiro, Ed. Folha seca, WITIKOSKI, Alan Ricardo. A história do design brasileiro contada pelos cartazes da Bienal de Arte de São Paulo. Curitiba, f. Monografia (Graduação) - CEFET. Curso Superior de Tecnologia em Artes Gráficas. Curitiba, Design, cultura e tecnologia nos rótulos de cachaça da cidade de Curitiba nas décadas de 1950 e (Dissertação). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia

MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS

MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS Camila Machado de Souza (IC Voluntária - UNICENTRO) Drª Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira (Orientadora) ninciaborgesteixeira@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Um Diferente Olhar 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa

Um Diferente Olhar 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa Um Diferente Olhar 1 Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa RESUMO O presente artigo visa apresentar a execução, planejamento

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem A trajetória A cada período da trajetória, em cada contexto social em que se inseriu, a publicidade encontrou a sua maneira de dizer, dialogando

Leia mais

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Larissa OLIVEIRA 2 Júlia MARTINS 3 Aline LEONARDI 4 Regiane OLIVEIRA 5 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO A Livraria Cultura

Leia mais

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria.

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. 1 Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. Quem somos: A Abrasa Associação Brasileiro-Afro-Brasileira para o Desenvolvimento da Dança, Cultura Educação e Arte, é uma Instituição

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar é o primeiro acto social do Homem, servindo para satisfazer as suas primeiras necessidades. Semiologia Ciência que

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como AS NOVAS MÍDIAS COMO FERRAMENTA SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS 1. INTRODUÇÃO Waleska da Graça Santos (UFS) O ensino de línguas, assim como em qualquer outra esfera do saber

Leia mais

Editorial de Moda: Anos 60 1

Editorial de Moda: Anos 60 1 Editorial de Moda: Anos 60 1 Lucas Paiva de OLIVEIRA 2 Rosana Vilanova LACERDA 3 Paola Monteiro CORRÊA 4 Gabriella Grendene ZANCHI 5 Renata STODUTO 6 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre,

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som.

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som. TELEVISÃO Temos a definição da palavra TELEVISÃO do grego como tele - distante e do latim visione visão; é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Agenda do Ipê 1 RESUMO

Agenda do Ipê 1 RESUMO Agenda do Ipê 1 Welson Pereira LIMA JÚNIOR 2 Diego Leite MACHADO DA LUZ 3 Thiago ÁLVARES DA TRINDADE 4 Juliana PETERMANN 5 Janderle RABAIOLLI 6 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande

Leia mais

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS.

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. Desejos Ocultos 1 Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. RESUMO A fotografia pertence ao mundo das imagens como representações visuais.

Leia mais

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO 1 POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO RESUMO Colégio Londrinense Alunos (as): Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto; Lucas Assis; Rafael Noriaki Yamamoto Orientadora: Wiviane

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1

Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1 Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1 Rafael Duarte SILVA 2 Adriely Cristiny de Lima CUNHA 3 Rita Carla da Conceição SILVA 4 Paula Apolinário ZAGUI 5 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte,

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR. Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2

APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR. Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2 APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2 Resumo: Desenvolver uma interface para o usuário final nos sistemas computacionais envolve

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 04035356 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA DESIGN GRÁFICO EM PUBLICIDADE ETAPA 3 Período

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

PLANO DE ENSINO I EMENTA

PLANO DE ENSINO I EMENTA PLANO DE ENSINO CURSO: Comunicação Social Publicidade e Propaganda Série: 4º semestre TURNO: Diurno e Noturno DISCIPLINA: Oficina De Criação E Redação CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4h/aula I EMENTA O curso instruirá

Leia mais

Palavras-chave: Café; Embalagem; Direção de Arte; Vinícius de Moraes; Rio de Janeiro.

Palavras-chave: Café; Embalagem; Direção de Arte; Vinícius de Moraes; Rio de Janeiro. Café Moraes: União entre o design e a cultura carioca homenageando o centenário de Vinícius de Moraes¹ Carolina Tomedi Boabaid 2 Gabriela Grassi Botelho 3 José Victor Caetano 3 Julia Bohatch Batista 3

Leia mais

6 Cultura e ideologia

6 Cultura e ideologia Unidade 6 Cultura e ideologia Escrever sobre cultura no Brasil significa trabalhar com muitas expressões como festas, danças, canções, esculturas, pinturas, gravuras, literatura, mitos, superstições e

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Campanha de Comunicação para a Cerveja Itaipava 2008 ¹

Campanha de Comunicação para a Cerveja Itaipava 2008 ¹ Campanha de Comunicação para a Cerveja Itaipava 2008 ¹ Rafael Cruz GALLEGO ² João BATISTA Freitas Cardoso ³ Universidade Municipal de São Caetano do Sul - IMES RESUMO Durante o ano de 2007, ano de conclusão

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade.

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade. 1 1. Portfólio Co.De 2. Autoria: Júlian Luise Toffoli Professor Orientador: Rodrigo Valente e Cátia Schuh Instituição de Ensino Superior: ESPM RS 3. Resumo: Este trabalho faz uma defesa criativa da campanha

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Resumo Jasmine HORST² Nincía Cecília Ribas Borges TEIXEIRA³ Universidade Estadual do Centro Oeste - Unicentro Atualmente, a publicidade é um

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

2º Jantar Italiano do Circolo Trentino di Ascurra 1

2º Jantar Italiano do Circolo Trentino di Ascurra 1 2º Jantar Italiano do Circolo Trentino di Ascurra 1 Filipe FREIBERGER 2 Rafaello Furlani DESTÉFANI 3 Deivi Eduardo OLIARI 4 Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI, Indaial, SC RESUMO A presença

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia.

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia. [ensaio de imagem] Mônica Schoenacker 1967. Artista plástica, Mestre em Printmaking (gravura) no Royal College of Art (RCA) em Londres como bolsista da Capes (1999), quando foi agraciada com o Tim Mara

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TRANSMUTAÇÃO DE LINGUAGENS NO MOVIMENTO CRIADOR DO CARNAVALESCO PAULO BARROS Juliana dos Santos Barbosa (UEL) juliana.barbosa@londrina.pr.gov.br

Leia mais

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 Pierre Míchel 2 Luãn Chagas 3 Faculdade Campo Real, Guarapuava, PR Resumo A partir dos estudos semióticos serão analisadas

Leia mais

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais,

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, oriundos do Brasil Colônia próximos aos portos e alfândegas,

Leia mais

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS VISUAIS E RELAÇÕES INTERSEMIÓTICAS. Reinaldo dos Santos Cordeiro

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS VISUAIS E RELAÇÕES INTERSEMIÓTICAS. Reinaldo dos Santos Cordeiro ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS VISUAIS E RELAÇÕES INTERSEMIÓTICAS. Reinaldo dos Santos Cordeiro Resumo O objetivo deste artigo é resgatar alguns dos modelos de análise do anúncio, protótipo da publicidade

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Curso: COMUNICAÇÃO SOCIAL 2. Código: 12 3.Modalidade(s): Bacharelado X Licenciatura Profissional

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Laboratório de Experimentação Remota INE/CTC/UFSC

Manual de Identidade Visual. Laboratório de Experimentação Remota INE/CTC/UFSC Manual de Identidade Visual Laboratório de Experimentação Remota INE/CTC/UFSC 14 de maio de 2002 Este manual foi criado e desenvolvido por Guilherme Corrêa Meyer guilhermecmeyer@hotmail.com - 9121 9171

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Mídia Digital 1. Palavras-chave: Sinval; Cabeleireiro; Beleza; Estética; Maquiagem.

Mídia Digital 1. Palavras-chave: Sinval; Cabeleireiro; Beleza; Estética; Maquiagem. Mídia Digital 1 Daniel Souza TEIXEIRA 2 Eduardo dos Santos LEAL 3 Elieber Potiguar Luna de SOUZA 4 Natasha Maria Cantalice Wanderley de ARAUJO 5 Priscilla Ferreira de Souza Gadelha SIMAS 6 Ruth Marreiro

Leia mais

Disciplinas Optativas Jornalismo

Disciplinas Optativas Jornalismo Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Jornalismo Disciplinas Optativas Jornalismo Carga horária total de optativas: 930

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos.

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. 1º PERÍODO Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas DISCILINA: Metodologia Científica CARGA CÓDIGO CRÉDITOS HORÁRIA H11900 04

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Publicidade ONG Animais 1

Publicidade ONG Animais 1 Publicidade ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara,

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing.

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. 10 coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. Quem é o seu público? Para quem você quer vender? Parece óbvio, não? Mas muitos empreendedores engasgam para responder esta pergunta. Na

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências entre o Norte e o Sul dos EUA (

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 Isabelle IMAY 2 Isabelle HUNDSDORFER 3 Paulo Negri FILHO 4 Centro Universitário Internacional Uninter, Curitiba, PR RESUMO Trabalho

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais