A letra no corpo. Celso Rennó Lima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A letra no corpo. Celso Rennó Lima"

Transcrição

1 A letra no corpo Celso Rennó Lima É tu que está escrevendo teu rótulo! Paulo Vilheña, ator. Tatuagem é alma! Tatiane, modelo. Paredes para se proteger Entrevistada 1. Tatuagem não é moda, é coisa definitiva, Tatuador. 2 Desde Freud sabemos que o sintoma psíquico tem, no corpo, seu substrato. Nesta vertente ele pôde inventar um conceito que acabou sendo seu mito principal: a pulsão. Conceito limítrofe entre o somático e o psíquico deu uma consistência lógica à articulação entre o Real do corpo, o Simbólico da palavra e à superfície corporal enquanto imagem. Se o sintoma encontra neste campo uma forma de se escrever, é também neste campo que se verifica como, ao longo dos séculos e nas mais diversas culturas, o homem buscou escrever a sua letra de gozo. E ele o fez utilizando o espaço que sempre designou seu, na tentativa de vencer as barreiras que a entrada do simbólico trouxe na sua relação com a coisa corporal. Entre o homem e seu corpo há um jogo, no duplo sentido do termo, nos diz Le Breton. De maneira artesanal, milhões de indivíduos fazem-se bricoleurs inventivos e incansáveis de seus corpos. 3 Isso traduz, de alguma maneira um movimento de tomar posse do corpo através da inscrição de uma marca própria: É tu que está escrevendo teu rótulo! ou então uma forma de investir o corpo como lugar de prazer e criação: Tatuagem é alma!. Mas tudo isso numa busca de substituir os limites que o sentido que sustenta o sujeito no mundo, a partir da interpretação que ele fez do desejo do Outro, pode ser ampliado ao ultrapassar os limites da marca que o simbólico inscreveu. Assim ele pode 4 fixar o sinal de sua diferença : Tatuagem não é moda, é coisa definitiva. Uma conseqüência é que se 1 Neste quadro, duas entrevistadas dão os seguintes depoimentos: 1ª- Fiz tatuagem com 14 anos, deu a maior confusão lá em casa, minha mãe é liberal e concordou. 2ª- Outra, da mesma idade: minha mãe adorou! 2 Notas extraídas de um programa de televisão Tribos, GNT, domingo, dia 17/10, às 18:30 hs. 3 Le Breton, p. 7 4 Le Breton, p. 9.

2 2 tenta criar uma outra pele que acaba funcionando ao faze-lo crer existir Paredes para se proteger. Riscos, rabiscos, marcas em um corpo que tem a sua origem na incidência de um simbólico que se faz suporte, pois é sabido que a imagem não pode consistir sem esta marca que Lacan, seguindo Freud, chama de traço unário. Em outras palavras podemos dizer que por um lado existe uma representação primordial do sujeito que se resume nesta marca. Para além dela, para que o sujeito aí se reconheça, ele precisa de uma imagem que esteja estruturada por esta marca do traço unário. Esta marca produz, além disso, um orifício que acontece como conseqüência do processo de nomeação. Estes orifícios corporais, produtos do simbólico na forma imaginária têm, como efeito, o real em torno do qual a pulsão vai fazer seu percurso. Um bom exemplo são as orelhas, presença real, às quais responde a voz fazendo eco da palavra sobre o corpo. O que Lacan vai construir como objeto a é o resultado dos buracos produzidos pela nomeação no imaginário do corpo. Eles têm valor de real enquanto marca e a letra deriva desta marca. Assim se pode constituir a identidade: uma articulação, um nó entre a forma, o nome e o real que é produto da articulação entre a imagem e o sentido. 5 Além disto, é importante destacar que existe uma afinidade da marca com o próprio corpo, onde se indica que é apenas pelo gozo, e de modo algum por outras vias, que se estabelece a divisão em que se distingue o narcisismo da relação com o objeto 6. Minha proposta é trabalhar estes rabiscos, letras que marcam um corpo, a partir da borda, limite que elas podem impor ao gozo. O objetivo é, pontualmente, tentar apreender como o traço pode nos sinalizar a relação que um determinado sujeito tem com o seu corpo enquanto Outro e, desta forma, fornecer subsídios para trabalhar este tempo para compreender que é a adolescência. 5 Brousse, p Lacan, S. VII. P. 47

3 3 Parto da estrutura da cadeia borromeana, pois ela nos permite trabalhar este ponto lacaniano, que é o objeto a, enquanto margeado pelo enlaçamento dos três registros: Real, Simbólico e Imaginário. Na articulação R-S temos Jφ Gozo Fálico Na articulação R-I temos JA Gozo do corpo enquanto Outro. Na articulação I-S temos S 1 -S 2 - Gozo do sentido Esta é a estrutura que faz emergir o sujeito nos distintos pontos onde o gozo parcial se manifesta, e sempre com a esperança de poder transpassar os limites para alcançar um gozo total, ilusório e assim capturar o que estaria mais além destes limites, reunindo-os neste condensador de gozo que é o objeto a, aqui colocado como ponto central.

4 4 Neste contexto, em que a amarração borromeana nos permite falar de uma estrutura que faz emergir o sujeito, podemos nos perguntar a respeito da potência da letra, da escritura como o que pode sustentar e até mesmo fazer reparos quando o pouco de realidade que um sujeito construiu a partir da extração do objeto a não opera. Uma primeira resposta é que a escritura funciona como um ponto de capitonagem, uma ancoragem que permite ao sujeito manter e, inclusive, ser produtivo no laço social. Com respeito à letra podemos fazer duas considerações, conforme nos sugere Sergio Larriera 7 : Em primeiro lugar a letra cumpre a função de transcrever sons da língua (...) entre o que é o traço da escritura e o som dos fonemas que compõem a palavra existe uma ida e vinda da escritura à leitura, um círculo da letra que vai do traço ao som. (...) Por outro lado a leitura e a escritura podem dirigir-se ao sentido, á significação ou à perda de sentido ou o sem-sentido. Lacan, entretanto, desenvolve uma teoria da escritura em seu Seminário IX, onde desenha uma articulação entre o traço unário e a identificação. Neste momento de seu ensino, Lacan vai nos apresentar uma teoria da origem da escritura a partir da letra, sem que esta tenha a função de descrever sons. A letra teria surgido em relação a um objeto determinado, no sentido de ser apenas um traço. O som foi acrescido simultaneamente a partir da associação com o objeto, ou seja, a partir dos efeitos da língua, com o que se nomeiam os objetos. Desta forma, simultaneamente, se nomeia e se rabisca, se marca o objeto sem, contudo, haver uma conexão entre eles. Será somente em um segundo momento, no só depois, que o som vai ser associado ao traço. Está aqui exposta a razão da potência da letra, na medida em que ela pode estabelecer uma circularidade entre o traço e o som, produzindo efeitos de sentido e de sem sentido. É nesta circularidade e utilizando-se das bordas que demarcam o espaço do objeto a que vamos entender o que se pode chamar de gozo parcial da letra. Disse bordas e parcial para definir que o gozo absoluto seria a satisfação 7 Larriera, p. 146 e ss.

5 5 pulsional sem limites, o que seria a pulsão de morte. A letra, pelo contrário, apresenta um efeito de castração, e assim pode funcionar, também, como índice de condensador de gozo. Isto acontece porque a letra produz uma certa mutilação do gozo para coloca-lo em função da letra. A conseqüência disto é que a letra não se restringe a marcar um único tipo de gozo, mas opera com vários tipos de gozo. Pode-se propor, seguindo Larriera, três tipos de gozo: 1 gozo próprio do corpo da letra; 2 gozo uniano da letra; 3 gozo da produção de sentido. O primeiro, o gozo próprio do corpo da letra, se evidencia pelo exercício mesmo da escrita, na forma como se trata, p. ex. a caligrafia. Neste tipo de gozo o que se destaca é o aspecto imaginário da letra: o fazer letras simplesmente por faze-las, letras sem sentido, independente do som a que ela corresponde, ou ao sentido que uma seqüência pode produzir. Seria como dizer que o rabisco no corpo é como arte, pois afinal: Tatuagem é alma! O segundo, o gozo uniano da letra, refere-se á invenção do Um, o famoso há o Um (Il y a d Un) que Lacan constrói em seu Seminário XIX 8. Para não entrar em todas as elaborações matemáticas e filosóficas com as quais Lacan sustenta sua invenção, vamos resumi-la, para nosso propósito, dizendo que este gozo uniano da letra trata da função da letra como puro traço que borra o objeto. Esta referência vai na direção do que se disse acima quando tratamos da origem da escritura a partir do que Lacan elaborou no Seminário IX, quando o traço tinha a função apenas de negar as particularidades do objeto, reduzindo-o a um traço, uma marca na parede da caverna. Este gozo uniano está na corrente do que se propõe Joyce, p.ex. quando desmonta a língua em seus escritos, negando-lhe o serviço a qualquer significação. Não se podem compor cadeias, restringindo-se aos puros sons, à musicalidade, embora isto se aproxime muito da poesia. Este é o gozo uniano da letra, com o qual se nega a particularidade da comunicação, ou seja, do significante 8 Lacan, S. XIX. Lição de 15 de março de 1972,

6 6 enquanto o que representa um sujeito para outro significante, deixando apenas restos pulverizados da língua. Neste caso, pode-se dizer que assim se constroem Paredes para se proteger. O terceiro modo, o gozo da produção de sentido, diz respeito a um gozo semântico que busca aproximar-se do impossível do objeto, modela-lo, desfrutando do deslizamento metonímico, e do prazer metafórico de produzir sentido. Talvez aqui possa ser inscrita a presença do traço unário como sustentação do significante em sua função de representar um sujeito para outro significante e, desta forma dizer que, ao marcar o corpo, traduzindo passagens, lembranças, amores de sua vida, vai-se estar escrevendo teu rótulo. Seja qual for a causa que mobiliza o rabisco, ele não é moda, é coisa definitiva e se presta ao mal-entendido que faz andar o mundo. É graças ao Malentendido universal que o mundo inteiro se entende. Porque se algum dia, para nossa desgraça, nos compreendêssemos, jamais chegaríamos a um acordo 9. Referências Bibliográficas: Baudelaire, Charles. Poesia e Prosa. Trad. Fernando Guerreiro, Editora Nova Aguilar S.A. Rio de Janeiro, Brousse, Marie Helene. A propósito del cuerpo en la enseñaza de Lacan. Seminario de Investigación: El cuerpo en Psicoanálisis, Escuela Lacaniana de Psicoanálisis del Campo Freudiano, Madrid, Lacan, Jacques. Le Seminárie XIX Ou pire... Inédito. 9 Baudelaire, p. 547.

7 Lacan, Jacques. O Seminário VII O avesso da psicanálise. Trad. Ari Roitman. Jorge Zahar Editor Ltda. Rio de Janeiro Larriera, Sergio, El cuerpo en Joyce. Seminario de Investigación: El cuerpo en Psicoanálisis, Escuela Lacaniana de Psicoanálisis del Campo Freudiano, Madrid, Le Breton, David. Signes d identité Tatouges, piercings et autres marques corporalles. Éditions Métailié, Paris, 2002.

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Matemática e Psicanálise

Matemática e Psicanálise Matemática e Psicanálise Antonio Carlos Borges Campos Desde que comecei minhas leituras sobre Lacan, passei a conviver com um verdadeiro sentimento de estranheza, no sentido do Unheimlich. A topologia

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Grata pela atenção, Rio de Janeiro, 12 de maio de 2010. Luciana Brandão Carreira Del Nero.

Grata pela atenção, Rio de Janeiro, 12 de maio de 2010. Luciana Brandão Carreira Del Nero. À Comissão Organizadora do IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba/2010. Eu, Luciana Brandão Carreira Del Nero, autora

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

O sinthome no autismo é o corpo

O sinthome no autismo é o corpo O sinthome no autismo é o corpo M. Aparecida Farage Osorio Na origem do autismo, está a dissociação entre a voz e a linguagem, como proteção da presença sonora real do Outro angustiante. A voz, assim,

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Cristina Marcos No filme Sonata de Outono, Bergman nos dá a ver a conturbada relação entre mãe e filha, marcada pela impossibilidade do amor.

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Desejo e linguagem nas bordas de um corpo Viviane Espírito Santo dos Santos

Desejo e linguagem nas bordas de um corpo Viviane Espírito Santo dos Santos Desejo e linguagem nas bordas de um corpo Viviane Espírito Santo dos Santos A partir da escuta psicanalítica de mães e seus bebês internados na UTI-Neonatal fazse uma questão: o que possibilita a circunscrição

Leia mais

A criança objetalizada

A criança objetalizada A criança objetalizada Cristina Drummond Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise A posição de objeto da criança Para ler as evidências, em nosso mundo contemporâneo, de que os sujeitos

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Revisão de literatura

Revisão de literatura Novas formas do sintoma... E o corpo continua a sofrer Laura Monteiro Junqueira Revisão de literatura A Psicossomática é um termo alheio à Psicanálise e Freud (1923), fala uma vez à respeito da mesma,

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Latusa Digital Ano 8 N. 46 Setembro de 2011.

Latusa Digital Ano 8 N. 46 Setembro de 2011. Cifra-me ou te devoro Dinah Kleve 1 Resumo O texto trata do trabalho desenvolvido em oficinas de arte, junto a pacientes psicóticos, como forma de promover a possibilidade de uma escrita e de viabilizar

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

ENTREVISTA COM DAVID LE BRETON. Cláudia Machado de Souza. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense- UFF.

ENTREVISTA COM DAVID LE BRETON. Cláudia Machado de Souza. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense- UFF. ENTREVISTA COM DAVID LE BRETON Cláudia Machado de Souza Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense- UFF. David Le Breton é professor de Sociologia e Antropologia

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Autor: Suzana Faleiro Barroso Psicóloga, psicanalista praticante

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5 A dialética entre a primeira e a segunda clínicas de Lacan Cristiana Pittella de Mattos Resumo: Procura-se, neste texto, delimitar o campo de investigação das psicoses ordinárias na perspectiva dialética

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br.

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. Título: A incidência do narcisismo na esquizofrenia e na histeria Autora: Graciela Bessa Psicanalista, Doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. RESUMO: No texto Sobre

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de EX-SISTO, LOGO SÔO Eriton Araújo O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de um aforismo. Mas, para que mais um aforismo para o sujeito da psicanálise? Se considerarmos

Leia mais

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro Atualmente, em vários países do mundo, o uso prejudicial de álcool e

Leia mais

O amor e seu enlace com o saber e o gozo

O amor e seu enlace com o saber e o gozo O amor e seu enlace com o saber e o gozo Analisaremos a função do amor na vida de Vincent Van Gogh devido o laço estabelecido entre a morte e o amor. Utilizaremos a biografia feita pela cunhada e um epistolário

Leia mais

Tomando a adolescência como um tempo do despertar da sexualidade, um

Tomando a adolescência como um tempo do despertar da sexualidade, um A adolescência e o tomar-se desejante Aríete Garcia Lopes Sofia Saruê "Fomenta-me no peito intenso fogo Que por aquela linda imagem arde. E assim, baqueio do desejo ao gozo, E no gozo arfo, a ansiar pelo

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

O que dizem os autistas?

O que dizem os autistas? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 11 julho 2013 ISSN 2177-2673 1 Iván Ruiz Acero (ELP) Quem escuta hoje os sujeitos autistas? De que maneira escutamos seu saber silencioso? Atualmente a palavra

Leia mais

Na fenda da letra, o gozo: da canção Beatriz aos confins do pas tout

Na fenda da letra, o gozo: da canção Beatriz aos confins do pas tout Na fenda da letra, o gozo: da canção Beatriz aos confins do pas tout Taina Cavalcanti Rocha Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Rita Maria Manso de Barros Professora Associada da UERJ

Leia mais

"SE FAZER" TATUAR: TRAÇO E ESCRITA DAS BORDAS CORPORAIS

SE FAZER TATUAR: TRAÇO E ESCRITA DAS BORDAS CORPORAIS Dossiê Este artigo trata de pesquisar a função de registro da tatuagem, passando pelas determinações simbólicas, imaginárias e reais. Toma sua vertente de recorte pulsional, bem como a determinação de

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Esse estranho que nos habita. neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi

Esse estranho que nos habita. neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : o corpo nas neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi Introdução Foi através dos mistérios do corpo que Freud criou a psicanálise.

Leia mais

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Mudança é a parte mais constante de nossa existência: nosso pâncreas substitui a maioria

Leia mais

Crime ou parceria amorosa violenta. Interlocuções entre psicanálise aplicada e direito

Crime ou parceria amorosa violenta. Interlocuções entre psicanálise aplicada e direito Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 : Interlocuções entre psicanálise aplicada e direito Elaine de Souza Cordeiro e Ruth Helena Pinto Cohen Agora eu era o rei Era

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

Um caso de término de análise com criança

Um caso de término de análise com criança Um caso de término de análise com criança "Falta um pouquinho..." Beatriz Siqueira Vera Vinheiro Introdução "É a criança que é alimentada com mais amor a que rechaça o alimento ejoga com sua recusa como

Leia mais

Um novo começo: mudança de analista para o devenir do analista

Um novo começo: mudança de analista para o devenir do analista Um novo começo: mudança de analista para o devenir do analista Arellano Valdez, María Paz; Ramírez González, Vicenta 1 Chega o momento em que o analista, em um discurso que legitima, possibilita a passagem

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

semelhante. Salvador Dali atribuiu à Gala, sua mulher, o feito divino por ela ter-lhe

semelhante. Salvador Dali atribuiu à Gala, sua mulher, o feito divino por ela ter-lhe SALVADOR DALI E GALA: O AMOR COMPENSA? Vanisa Maria da Gama Moret Santos 1 Narciso, na sua imobilidade, absorvido pelo seu reflexo com a lentidão digestiva das plantas carnívoras, torna-se invisível. Dele

Leia mais

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 18 novembro 2015 ISSN 2177-2673 e a interpretação no último Lacan Cleyton Andrade No início da lição de 20 de dezembro de 1977 do seminário O momento de concluir

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda:

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: A Marca do Medo Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: Ficou lugar comum declarar a morte da psicanálise porque está desatualizada ou fora de moda ou, o

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica Negativo: espaço, tempo e história [1] Marcela Toledo França de Almeida [2] Universidade de Brasília UnB O sujeito se funda pela ausência do que um dia fez marca em seu corpo, espaço delimitado por um

Leia mais

O sujeito e os gozos #08

O sujeito e os gozos #08 nova série @gente Digital nº 8 Ano 2 Abril de 2013 Revista de Psicanálise O sujeito e os gozos Pierre Skriabine Isso goza e não sabe, nota Lacan na página 104 do seu Seminário Encore, no capítulo intitulado

Leia mais

Lacan Coragem em Vida e Obra

Lacan Coragem em Vida e Obra Lacan Coragem em Vida e Obra Rosa Jeni Matz Lacan foi um bandeirante das trilhas do inconsciente. Teórico da verdade, do não-todo, da meiaverdade, pensou o inconsciente através da topologia, em estudos

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Que saber há no real?

Que saber há no real? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 12 novembro 2013 ISSN 2177-2673 Qual saber há no Real? Teresinha Natal Meirelles do Prado Na apresentação do tema do IX Congresso da AMP 1, J.-A. Miller lança

Leia mais

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan O objetivo deste artigo é abordar a constituição do eu como unidade e sua relação com a constituição da

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho 1 de 5 A realização de um sonho Natalino Salgado Filho É do poeta Paulo Leminski a frase: Haja hoje para tanto ontem. Ela se encaixa com perfeição na realização de um sonho embalado por tantos anos e agora

Leia mais

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA DE LAJONQUIÈRE, L INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA ESCRITOS DE PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO São Paulo, Vozes, 1999 Renata Petri "A educação é impossível!" É assim que se inicia esse livro de Leandro de Lajonquière,

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

A Interpretação na Psicanálise Lacaniana Interpretation in Lacanian Psychoanalysis

A Interpretação na Psicanálise Lacaniana Interpretation in Lacanian Psychoanalysis A Interpretação na Psicanálise Lacaniana Interpretation in Lacanian Psychoanalysis RESUMO O artigo apresenta, em uma visão lacaniana, as transformações ocorridas com alguns conceitos psicanalíticos, a

Leia mais

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 12 novembro 2013 ISSN 2177-2673 ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Nelly Brito Lacan, em um célebre escrito 1, afirma que a fala do paciente é

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E MAL-ESTAR NA CULTURA CONTEMPORÂNEA. equivaler o brincar infantil aos devaneios e fantasias dos adultos.

ADOLESCÊNCIA E MAL-ESTAR NA CULTURA CONTEMPORÂNEA. equivaler o brincar infantil aos devaneios e fantasias dos adultos. ADOLESCÊNCIA E MAL-ESTAR NA CULTURA CONTEMPORÂNEA Carolina Foglietti Em seu belíssimo texto Escritores criativos e devaneio, Freud (1908/1996) faz equivaler o brincar infantil aos devaneios e fantasias

Leia mais