A DETECÇÃO DA SEROPOSITIVIDADE PARA O VIH NA GRAVIDEZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DETECÇÃO DA SEROPOSITIVIDADE PARA O VIH NA GRAVIDEZ"

Transcrição

1 1 A DETECÇÃO DA SEROPOSITIVIDADE PARA O VIH NA GRAVIDEZ Autores: Graça Rocha 1, Lúcia Pinho 2, Luís Marques 2, Marta Brinca 2, Rosa Afonso 2, Paulo Correia 2, Eulália Afonso 2, Isabel Ramos 2. Departamento de Medicina Materno-Fetal, Genética e Reprodução dos Hospitais da Universidade de Coimbra (Director: Professor Doutor Agostinho Almeida Santos) 1-Consulta de Doenças Infecciosas Hospital Pediátrico de Coimbra 2- Maternidade Dr. Daniel de Matos ( Serviço de Obstetrícia: Directora - Drª Annette d Almeida e Serviço de Neonatologia: Directora - Drª Rosa Ramalho). INTRODUÇÃO Nos últimos anos, nos países desenvolvidos, praticamente todos os casos de infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) na criança ocorrem por transmissão materna. A identificação das mulheres com infecção VIH, antes ou durante a gravidez, é indispensável, para que seja iniciada terapêutica à mulher e depois à criança para prevenir a transmissão perinatal. Assim, a determinação dos anticorpos para o VIH deve ser proposta, tanto nas consultas pré-concepcionais, como a todas as grávidas. A identificação precoce das mulheres infectadas é crucial para a sua saúde e a das crianças. A detecção no período ante-natal da infecção materna possibilita a adopção das seguintes medidas: 1-ínicio da terapêutica anti-retroviral e da profilaxia das infecções oportunistas na grávida; 2- profilaxia com zidovudina durante o parto e administração à criança nas primeiras 6 semanas de vida, para reduzir o risco de transmissão vertical; 3- nos Países, como em Portugal, onde existem alternativas à amamentação, as mulheres infectadas não devem amamentar; 4- ínicio nas crianças às 6 semanas de vida da profilaxia para o Pneumocystis carinii;

2 2 5- detecção de infecção na criança, para que a terapêutica antiretrovírica seja iniciada precocemente, 6- pesquisa da infecção no companheiro e acompanhamento, se estiver infectado, e ensino de métodos de prevenção da transmissão. O rastreio da infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) deve ser efectuado em todas as grávidas. O risco de transmissão vertical numa grávida infectada e não detectada é de aproximadamente 25%. Esta taxa pode descer a menos de 2% quando é efectuada terapêutica profilática com anti-retrovíricos ante-natal, intra-parto e à criança. OBJECTIVO: Os autores apresentam um trabalho retrospectivo sobre as mulheres nas quais a infecção pelo VIH foi detectada pelo teste de rastreio efectuado durante a gravidez. MATERIAL: Em Coimbra, na Maternidade Daniel de Matos, foram seguidas nos últimos sete anos 76 grávidas infectadas pelo VIH. Em 35 (46%) o diagnóstico de seropositividade foi efectuado na gravidez. MOMENTO DO DIAGNÓSTICO 54% 46% Durante gravidez Prévio à gravidez

3 3 RESULTADOS: Destas 35 grávidas 17 (49%) eram Nuliparas e apresentavam uma idade média de 26,2 anos (min. 15 anos e máx. 39 anos). Em 31 dos casos a infecção era pelo VIH 1 e em 4 pelo VIH2. TIPO DE INFECÇÃO 4 31 VIH 1 VIH 2 VIA DE INFECÇÃO VIA TRANSMISSÃO Nº (%) SEXUAL 21 (60%) TOXICODEPÊNCIA 11 (34,4%) TRANSFUSÃO SANGUÍNEA 3 (8,6%) A via de infecção foi em 21 casos(60%) sexual, em 11 a toxicodependência e em 3 por transfusão sanguínea. Em 15 (43%) a detecção foi feita na Consulta de Gravidez dos Centros de Saúde. ESTADO DO PARCEIRO ESTADO Nº (%) NÃO INFECTADO 17 (49%) INFECTADO 14 (40%) DESCONHECIDO 4 (11%)

4 4 Em 17 casos (49%) o companheiro não estava infectado, 14 (40%) estavam infectados, sendo a sua seropositividade detectada na maioria após o conhecimento na mulher e em 4 era desconhecido o seu estado EVOLUÇÃO DA GESTAÇÃO EVOLUÇÃO Nº DE CASOS Interrupção médica de gravidez 5 Abortamento espontâneo 1 Outra instituição 1 Abandono consulta 1 Consulta externa 27 Parto termo Gestação curso Parto pré-termo Destas 35 grávidas em 5 foi realizada interrupção terapêutica da gravidez, uma teve um abortamento espontâneo, uma outra abandonou a consulta e outra foi seguida noutro Hospital. Das 27 restantes 4 estão em curso, 21 foram gestações de termo e em dois casos ocorreu prematuridade respectivamente com 27 semanas (gemelar) e 33 semanas de gestação Resultados perinatais: Dos 23 partos, 16 foram cesariana. Dos 24 Recém-Nascidos: 2 Mortes Fetais( 1 dos fetos da gravidez gemelar de 27 semanas e 1 outro de 33 semanas toxicodependente com caso social grave). 22 Nados Vivos: 2 dos quais foram prematuros( 1 da gravidez gemelar de 27 semanas e outro de 33 semanas). Todas as crianças são seguidas no Hospital Pediátrico de Coimbra com excepção de 2 que foram transferidas para centros de acolhimento fora da zona centro.

5 5 Das vinte mães 8 eram de ascendência Africana e 4 estavam infectadas pelo VIH 2 (Guiné), 10 eram primíparas e em 10 o pai não estava infectado. Apresentaram durante a gravidez : CO-INFECÇÕES SISTÉMICAS E GENITAIS CO-INFECÇÃO Nº DE CASOS VHC 4 VHB 10 HPV 3 HERPES GENITAL 1 GERMENS VAGINAIS Candida albicans Ureaplasma Chlamydea Apresentavam como coinfecções 4 VHC,10 VHB, 3 HPV macroscópicos,1com Herpes genital primário e outros germens(8 Candidas albicans, 5Clamydia, 7Ureaplasma) INTERCORRÊNCIAS AMEAÇA DE PARTO PRÉ-TERMO AMEAÇA DE ABORTO INFECÇÃO URINÁRIA (E. Coli) 2 casos 2 casos 1 caso Registaram-se como intercorrências: 2 Ameaças de Parto Prematuro 2 Ameaças de Aborto 1 infecção urinária por E coli

6 6 ESTADO IMUNOLÓGICO E CARGA VIRAL Células TCD4+ Carga viral sanguínea 500/mm3 10 casos >200 e <500/mm /mm cópias/ml 6 >1000 e <10000 cópias/ml /ml 5 desconhecida 6 Das 20 mulheres 6 apresentavam carga vírica <1000 ; 3 >1000 e <10000; 5 >10000 ( 1 com ) e 6 não fizeram(4 eram VIH 2). As populações linfocitárias 10 apresentavam CD4 K500, 8 eram >200 mas <500 e 2 <200 Todas fizeram profilaxia AZT/terapêutica durante a gravidez, mas uma não fez intra-parto por o parto ter ocorrido na ambulância. Os 20 recém-nascidos fizeram AZT durante 6 semanas: O peso médio de nascimento foi de 3220 gr (min 850 gr e máx 3900gr). O recém-nascido nascido na ambulância, filho de pais toxicodependentes, veio a falecer aos 2 meses de idade (tinha 2 testes de pesquisa de DNA do VIH negativos) de causa não esclarecida 19 têm idade actual entre os 7anos e os 10 meses: não estão infectados normal crescimento e desenvolvimento vivem com os pais

7 7 Comentários: O rastreio universal na gravidez da infecção pelo VIH é imprescindível para diminuir a infecção pelo VIH na criança. Permite ainda a detecção de infecção nos companheiros e a instituição de medidas de profilaxia nos não infectados. A gravidade de um diagnóstico de seropositividade numa grávida exige que esta seja seguida por uma equipa multidisciplinar que lhe proporcione a ela e à sua família apoio médico, social e psicológico. Bibliografia Connor EM, Sperling RS, GelberR. et al. Reduction of maternal infant transmission of human immunodeficiency virus type 1 with Zidovudine treatment. Pediatric AIDS Clinical Trials Group Protocol 076 Study Group. N Eng J Med. 1994; 331: European Mode of Delivery Collaboration: Elective Caesarean section versus vaginal delivery in prevention of vertical HIV1 transmission: A randomised clinical trial. Lancet 1999;353: Public Health Service Task Force Recommendations for use of Antiretroviral Drugs in Pregnant HIV-1-infected Women for Maternal Health and Interventions to reduce Perinatal HIV-1 Transmission in the United States, August30,2002.

8 8

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO DIAGNÓSTICO AO TRATAMENTO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO DIAGNÓSTICO AO TRATAMENTO DOENÇAS INFECCIOSAS DO DIAGNÓSTICO AO TRATAMENTO Cristina Guerreiro Maternidade Dr. Alfredo da Costa/CHLC - 26 de Fevereiro de 2016 - A implementação de programas para prevenção da transmissão mãe-filho

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública Prevenção e tratamento do VIH/SIDA nos migrantes e não migrantes: alguns aspectos económicos Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública (com a colaboração de Alexandre Carvalho e Helena Vaz, Coordenação

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

Protocolo de Vigilância Materno-Fetal MATERNIDADE DANIEL MATOS

Protocolo de Vigilância Materno-Fetal MATERNIDADE DANIEL MATOS Protocolo de Vigilância Materno-Fetal MATERNIDADE DANIEL MATOS PROTOCOLO GRAVIDEZ SEM RISCO PRÉ-NATAL Médico de Família Consulta de Referência 11-13 semanas 20-22 semanas 28-32 semanas 40 semanas Atenção

Leia mais

Serologias antes e durante a Gravidez:

Serologias antes e durante a Gravidez: Serologias antes e durante a Gravidez: Quais Quando Porquê Ana Luísa Areia, Serviço de Obstetrícia A MDM / CHUC PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro

Leia mais

Informação é a melhor proteção. AIDS

Informação é a melhor proteção. AIDS Informação é a melhor proteção. AIDS AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

* Depende do protocolo da Unidade Coordenadora Funcional

* Depende do protocolo da Unidade Coordenadora Funcional PROTOCOLO DE VIGILÂNCIA MATERNO-FETAL Consulta Pré-concepção Médico de Familia GRAVIDEZ S/RISCO Médico de Família GRAVIDEZ DE RISCO Médico de Medicina Materno-Fetal Consulta de Referência HAP ou HAPD Consulta

Leia mais

Transmissão Mãe-Filho da Infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana do tipo1

Transmissão Mãe-Filho da Infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana do tipo1 Transmissão Mãe-Filho da Infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana do tipo1 Alexandre Fernandes I ; Brígida Amaral I ; Maria João Carinhas II ; Olga Vasconcelos III ; Ana Horta III ; Ana Margarida

Leia mais

Recém-nascido de termo com baixo peso

Recém-nascido de termo com baixo peso Reunião de Obstetrícia e Neonatologia Abril 2014 Recém-nascido de termo com baixo peso Departamento da Mulher, da Criança e do Jovem Unidade Local de Saúde de Matosinhos - ULSM Andreia A. Martins 1, Ângela

Leia mais

PERSPETIVAS REGIONAIS NA SAÚDE MATERNA, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

PERSPETIVAS REGIONAIS NA SAÚDE MATERNA, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CRSMCA ARS Norte PERSPETIVAS REGIONAIS NA SAÚDE MATERNA, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE AMEAÇAS CONSTRANGIMENTOS PROGRESSOS OPORTUNIDADES Composição 2 Dr. Luís Castanheira Nunes Presidente do Conselho Diretivo

Leia mais

Simone Suplicy Vieira Fontes

Simone Suplicy Vieira Fontes Simone Suplicy Vieira Fontes Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DAS GESTANTES HIV/AIDS ATENDIDAS NO HOSPITAL MATERNO INFANTIL E NO HOSPITAL ANUAR AUAD EM GOIÂNIA-GOIÁS, ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2005. Raffaella Silva Pinheiro 1,4

Leia mais

Resumo. Abstract. O atendimento obstétrico à mulher HIV positivo ATUALIZAÇÃO. The obstetric assistance to HIV positive pregnant women

Resumo. Abstract. O atendimento obstétrico à mulher HIV positivo ATUALIZAÇÃO. The obstetric assistance to HIV positive pregnant women The obstetric assistance to HIV positive pregnant women ATUALIZAÇÃO Resumo O advento da infecção pelo HIV tem gerado forte impacto social e, além do aspecto clínico, questões sociais e comportamentais

Leia mais

PROFILAXIA DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA

PROFILAXIA DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA TRABALHO FINAL DO 6º ANO MÉDICO COM VISTA À ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE NO ÂMBITO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ÓSCAR RENATO COUTINHO

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV EM GESTAÇÃO GEMELAR

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV EM GESTAÇÃO GEMELAR TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV EM GESTAÇÃO GEMELAR ANA CÂNDIDA C. P. FERREIRA * LUIZ FERNADO TAVARES ** NILDO ELI MARQUES D ÁVILA*** RESUMO Apresentamos um relato de caso de gestação gemelar dizigótica em

Leia mais

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Ana Lucia A. de Toledo Carla R. Fernandes 1 Ana Claudia S. Amaral -NESC/UFRJ-SMS/RJ) Vania da S. Cardoso

Leia mais

Aids em Pedia tria edia

Aids em Pedia tria edia Aids em Pediatria AGENDA Considerações epidemiológicas atuais Prevenção da transmissão vertical Diagnóstico em Pediatria Noções básicas de tratamento Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

Hospital de dia de Pediatria. Consulta Externa

Hospital de dia de Pediatria. Consulta Externa Hospital de dia de Pediatria Enfermeira Ana Cristina Baptista (Especialista em Saúde Infantil e Pediátrica) 30 de Março de 2012 Consulta Externa O VSR é o agente patogénico respiratório mais comum em crianças

Leia mais

Vírus do Papiloma Humanos (HPV) DSR-

Vírus do Papiloma Humanos (HPV) DSR- Vírus do Papiloma Humanos (HPV) O que é o HPV? O HPV é um vírus frequente nos humanos, responsável pela formação de lesões chamadas papilomas. Existem diferentes tipos de HPV Alguns podem infectar a zona

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Ser Humano e Saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 11.2 Conteúdo Doenças Sexualmente Transmissíveis

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES REVISÃO DOS CONTEÚDOS Unidade II Ser Humano e Saúde 2 REVISÃO DOS CONTEÚDOS Aula 13 Revisão e Avaliação 3 REVISÃO 1 O sistema reprodutor

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

Acidentes Ocupacionais com Material Biológico

Acidentes Ocupacionais com Material Biológico Acidentes Ocupacionais com Material Biológico Orientações para o atendimento no PS - 2016 Atualizado por CCIH/HU-USP Risco de transmissão Quadro 1 Agente Material Exposição Risco estimado HIV sangue percutânea

Leia mais

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Rotinas Gerenciadas Departamento Materno Infantil Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Prevenção doença estreptocócica neonatal Versão eletrônica atualizada em Outubro 2007

Leia mais

TRANSMISSÃO MÃE-FILHO DO VIH-1 E VIH-2: ANÁLISE DE CASOS RECEBIDOS NO LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA DA SIDA ENTRE 1999 E 2005

TRANSMISSÃO MÃE-FILHO DO VIH-1 E VIH-2: ANÁLISE DE CASOS RECEBIDOS NO LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA DA SIDA ENTRE 1999 E 2005 TRANSMISSÃO MÃE-FILHO DO VIH-1 E VIH-: ANÁLISE DE CASOS RECEBIDOS NO LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA DA SIDA ENTRE 1999 E 005 Elizabeth Pádua Investigadora Auxiliar Laboratório de Referência da SIDA Instituto

Leia mais

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS INFECÇÃO PELO HIV E AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Conferência Latino Americana de Saúde no Trabalho São Paulo, 10 a 12 de Outubro

Leia mais

Avaliação da assistência ao parto em gestantes infectadas pelo HIV

Avaliação da assistência ao parto em gestantes infectadas pelo HIV Avaliação da assistência ao parto em gestantes infectadas pelo HIV Evaluation of delivery assistance in HIV infected pregnant women Ana Paula Maturana*, Carolina Valente Rizzo**, Daniele Fomm Vasquez**,

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV EM MATERNIDADE DE REFERÊNCIA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA 1 TRANSMISSION OF HIV IN REFERENCE MOTHERHOOD IN THE BRAZILIAN AMAZON

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV EM MATERNIDADE DE REFERÊNCIA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA 1 TRANSMISSION OF HIV IN REFERENCE MOTHERHOOD IN THE BRAZILIAN AMAZON ARTIGO ORIGINAL TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV EM MATERNIDADE DE REFERÊNCIA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA 1 TRANSMISSION OF HIV IN REFERENCE MOTHERHOOD IN THE BRAZILIAN AMAZON Eliete da Cunha ARAÚJO 2, Fábio Santos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis VASCONCELOS, Marcos. Docente do curso de graduação em Medicina. SOUZA, Nathalia Vital. Discente do curso

Leia mais

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES REGIONAIS DE HEPATITES VIRAIS Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 CADEIA DE TRANSMISSÃO DOS VÍRUS Depende:

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV em Fortaleza: Revelando a Situação Epidemiológica em uma Capital do Nordeste

Transmissão Vertical do HIV em Fortaleza: Revelando a Situação Epidemiológica em uma Capital do Nordeste RBGO 26 (2): 131-138, 2004 Transmissão Vertical do HIV em Fortaleza: Revelando a Situação Epidemiológica em uma Capital do Nordeste Trabalhos Originais Human Immunodeficiency Virus Transmission from Mother

Leia mais

Professor: David Vieira Valadão. Biologia

Professor: David Vieira Valadão. Biologia Professor: David Vieira Valadão Biologia 1981 registro de casos atípicos de pneumonia entre homens homossexuais em Los Angeles (EUA). 1983 descoberta de um novo vírus em um paciente com AIDS. 1984 descoberta

Leia mais

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese.

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização Em 2005 nasceram em Portugal 109 399 nados vivos, dos quais 6,6 % (7260) foram prematuros (idade gestacional abaixo das 37 semanas), 7,5% (8200)

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

I Encontro da rede Mãe Paranaense

I Encontro da rede Mãe Paranaense I Encontro da rede Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Hepatite B e C Andrea Maciel de Oliverira Rossoni Serviço de Infectologia Pediátrica Atenção ao Filho de Mãe com Hepatite B e C Agenda

Leia mais

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL Protocolo de articulação de procriação medicamente assistida elaborado

Leia mais

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs UCF da ULS de Castelo Branco 25º aniversário das UCFs Coimbra, 19 de junho de 2015 Área geográfica da ULS COMPOSIÇÃO Coordenador - Dr. Carlos Rodrigues Vertente Materna e Neonatal Vertente Criança e Adolescente

Leia mais

FARMACOLOGIA. Aula 12 Continuação da aula anterior IMUNIZAÇÃO: ACTIVA E PASSIVA. IMONUGLOBULINAS. VACINAS. LISADOS BACTERIANOS.

FARMACOLOGIA. Aula 12 Continuação da aula anterior IMUNIZAÇÃO: ACTIVA E PASSIVA. IMONUGLOBULINAS. VACINAS. LISADOS BACTERIANOS. FARMACOLOGIA Aula 12 Continuação da aula anterior IMUNIZAÇÃO: ACTIVA E PASSIVA. IMONUGLOBULINAS. VACINAS. LISADOS BACTERIANOS. IMUNIZAÇÃO Protecção contra infecções e doenças cancerígenas. Protecção do

Leia mais

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos e Sexuais. Simone Lolatto

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos e Sexuais. Simone Lolatto Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos e Sexuais Simone Lolatto Compreensão de Saúde Reprodutiva Saúde reprodutiva como um estado de completo bem-estar físico, mental, social em todas as matérias concernentes

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 27 de julho de 2016 Página 1/8 DEFINIÇÃO DE CASO Sífilis em gestante Caso suspeito: gestante que durante o pré-natal apresente evidencia clínica de sífilis, ou teste não treponêmico reagente com qualquer

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ENTREVISTA POR TELEFONE 45 A 60 DIAS APÓS O PARTO Nº DO QUESTIONÁRIO DE ENTREVISTA NA MATERNIDADE: Nome da entrevistada:

INSTRUMENTO PARA ENTREVISTA POR TELEFONE 45 A 60 DIAS APÓS O PARTO Nº DO QUESTIONÁRIO DE ENTREVISTA NA MATERNIDADE: Nome da entrevistada: INSTRUMENTO PARA ENTREVISTA POR TELEFONE 45 A 60 DIAS APÓS O PARTO Nº DO QUESTIONÁRIO DE ENTREVISTA NA MATERNIDADE: Nome da entrevistada: Data do parto / / Entrevistador: Data da Entrevista / / Revisado

Leia mais

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico,

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia e implementação dos testes do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia

Leia mais

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico.

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. NÃ Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. Qual é a frequência do cancro do colo do útero? - A nível mundial, o cancro do colo do útero é muito frequente nas mulheres;

Leia mais

Transmissão vertical do HIV em população atendida no serviço de referência

Transmissão vertical do HIV em população atendida no serviço de referência Artigo Original Transmissão vertical do HIV em população atendida no serviço de referência Vertical transmission of HIV in the population treated at a reference center Sueli Teresinha Cruz Rodrigues 1

Leia mais

PARTO DOMICILIAR: VISÃO DO PROFISSIONAL OBSTETRA

PARTO DOMICILIAR: VISÃO DO PROFISSIONAL OBSTETRA I SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA AO PARTO DE MINAS GERAIS PARTO DOMICILIAR: VISÃO DO PROFISSIONAL OBSTETRA GABRIEL COSTA OSANAN Professor Adjunto do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da UFMG Coordenador

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

Alere Determine HIV-1/2. Saber Através do Rastreio. detectar... diagnosticar... determinar...

Alere Determine HIV-1/2. Saber Através do Rastreio. detectar... diagnosticar... determinar... Alere Determine HIV-1/2 Saber Através do Rastreio detectar... diagnosticar... determinar... A prevenção do VIH/SIDA começa com o conhecimento do estado do VIH. A maioria das infecções por VIH é diagnosticada

Leia mais

G A B A R I T O. Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016

G A B A R I T O. Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016 G A B A R I T O Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016 Conteúdo: QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 1 (valor total: 15,0 pontos): Nessa questão o candidato deverá estar apto à responder de forma

Leia mais

Fisioterapia Preventiva

Fisioterapia Preventiva Programa Saúde do Adolescente Fisioterapia Preventiva Saúde do Adolescente Segundo a OMS a adolescência é um períododavida,que começaaos 10evai até os 19 anos, onde acontecem diversas mudanças físicas,

Leia mais

Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno

Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Software de resultados BGI com marca CE (Conformidade Europeia) para a trissomia 21 Detecta as trissomias fetais dos cromossomos 21, 18 e 13 Informa

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABORDAGEM MÉDICA EM GESTANTES HIV POSITIVAS 1 MEDICAL EVALUATION APPROACH TO HIV POSITIVE PREGNANT WOMEN RESUMO

AVALIAÇÃO DA ABORDAGEM MÉDICA EM GESTANTES HIV POSITIVAS 1 MEDICAL EVALUATION APPROACH TO HIV POSITIVE PREGNANT WOMEN RESUMO ARTIGO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA ABORDAGEM MÉDICA EM GESTANTES HIV POSITIVAS 1 MEDICAL EVALUATION APPROACH TO HIV POSITIVE PREGNANT WOMEN Eliete da Cunha ARAÚJO 2, Fábio Santos DROSDOSKI 3, Nivaldo Borges

Leia mais

DIA MUNDIAL DA SIDA ANOS DE VIH/SIDA NA RAM

DIA MUNDIAL DA SIDA ANOS DE VIH/SIDA NA RAM 1. EVOLUÇÃO DOS CASOS PELO ANO DO DIAGNÓSTICO E ESTADIO INICIAL DA INFEÇÃO, RAM, 1987-2013 PA: 255 (45 %); SIDA: 164 (29 %); CRS: 145 (26 %); IAG: 3 (1%). TOTAL: 567 2. N.º DE CASOS POR GRUPO ETÁRIO E

Leia mais

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos 2010 DÚVIDAS MAIS FREQUENTES A transmissão pelo HPV é só sexual? Peguei do meu parceiro? Quando?

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Resumo ARTIGO ORIGINAL Transmissão materno-infantil do HIV em São José do Rio Preto em 2001 e 2002. Mother-to-child transmission of Human Immunodeficiency Virus (HIV) in São José do Rio Preto. Paulo R.S. David¹;

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU

Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU Doutora Marília Da Glória Martins E SUAS REPERCUSSÕES NA SAÚDE DA MULHER

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE

Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE PREMATURIDADE DIAGNÓSTICO CORRETO DEFINIR NECESSIDADE DE TOCÓLISE DEFINIR AÇÕES DIANTE DA PREMATURIDADE IMINENTE PREMATURIDADE

Leia mais

Orientações Clínicas para profissionais de saúde. Evolução da taxa de cesarianas em Portugal

Orientações Clínicas para profissionais de saúde. Evolução da taxa de cesarianas em Portugal Orientações Clínicas para profissionais de saúde Evolução da taxa de cesarianas em Portugal Lisa Ferreira Vicente Divisão de Saúde Sexual, Reprodutiva, Infantil e Juvenil Direção-Geral da Saúde Reduzir

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro / Fevereiro 2017 Enf. Ângela Neves Enf. Graça Santos Elementos UCF s Saúde Materna e Neonatal OBJECTIVO Uniformizar

Leia mais

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO CAPÍTULO 17 InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO 1. CONCEITO Consiste em estimular artiicialmente as contrações uterinas coordenadas e efetivas antes de seu início espontâneo, levando ao desencadeamento do trabalho

Leia mais

Protocolo de prevenção da transmissão vertical do vírus da imuno deficiência humana (VIH)*

Protocolo de prevenção da transmissão vertical do vírus da imuno deficiência humana (VIH)* 0873-9781/08/39-2/79 Acta Pediátrica Portuguesa Sociedade Portuguesa de Pediatria SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA CONSENSOS E RECOMENDAÇÕES Protocolo de prevenção da transmissão vertical do vírus da

Leia mais

12.ª Reunião de Pneumologistas do Hospital Pulido Valente

12.ª Reunião de Pneumologistas do Hospital Pulido Valente 12.ª Reunião de Pneumologistas do Hospital Pulido Valente Programa Científico 5.ª Feira - 24 de Novembro 09.00 h. Sessão de Abertura 09.30 h. Conferência Ramiro Ávila Presidentes: A. Bensabat Rendas (Lisboa)

Leia mais

Vertente da Saúde da Mulher, Materna e Neonatal

Vertente da Saúde da Mulher, Materna e Neonatal UCF - HOSPITAL DE SÃO JOÃO Vertente da Saúde da Mulher, Materna e Neonatal Avaliação da Actividade de 1 Janeiro a 27 Outubro de 2010 Actividade de 1 de Janeiro a 27 Outubro de 2010 MEMBROS DA UCF DO HOSPITAL

Leia mais

REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA Elsa Rocha REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA 20-11-2013 Elsa Rocha TERRITÓRIO 1 Distrito 16 Concelhos Área 500Km2 5,6% do território nacional UNIDADES DE SAÚDE CRSMCA 2010 Despacho 9872/2010 Hospital Portimão B2 UCF Barlavento

Leia mais

Disciplina: Específica

Disciplina: Específica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA TRICA E CARDIOPATIAS CONGÊNITAS

ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA TRICA E CARDIOPATIAS CONGÊNITAS ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA TRICA E CARDIOPATIAS CONGÊNITAS ROSA, Rafael Fabiano Machado; ROSA, Rosana Cardoso Manique; ZEN, Paulo Ricardo Gazzola; KOSHIYAMA, Dayane Bohn; VARELLA- GARCIA, Marileila; PASKULIN,

Leia mais

premium Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno

premium Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Software de resultados BGI com marca CE (Conformidade Europeia) para a trissomia 21 Detecta as trissomias fetais dos cromossomos 21, 18 e 13 Informa sobre as trissomias fetais 9, 16 e 22 Informa sobre

Leia mais

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha REUNIÃO CNSMCA 27-11-2015 Elsa Rocha Elsa Rocha João Moura Reis Ana Cristina Guerreiro Pediatra Hospital Faro (Presidente) Presidente do Conselho Diretivo da ARS Algarve, IP Diretora do Departamento de

Leia mais

Médicos do Mundo Prevenção do VIH para pessoas que vivem com VIH

Médicos do Mundo Prevenção do VIH para pessoas que vivem com VIH Médicos do Mundo Prevenção do VIH para pessoas que vivem com VIH Mwivano Victoria Malimbwi Intervenções de prevenção para pessoas que vivem com VIH Alargamento de programas de prestação de cuidados e tratamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO Faculdade de Medicina. Acadêmicas do 2º ano Priscilla Maquinêz Veloso Renata Maia de Souza

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO Faculdade de Medicina. Acadêmicas do 2º ano Priscilla Maquinêz Veloso Renata Maia de Souza UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO Faculdade de Medicina Acadêmicas do 2º ano Priscilla Maquinêz Veloso Renata Maia de Souza Fonte: Centro de Vigilância Epidemiológica, 2011 1. BCG: Caso a vacina BCG não tenha

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF- 209 Pré-requisito:

Leia mais

Vigilância do RN de Risco

Vigilância do RN de Risco Vigilância do RN de Risco Área Técnica de Saúde da Criança e do Adolescente Objetivo principal: propor e implantar programas e projetos relacionados à melhoria da saúde da criança e do adolescente, conforme

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

TUBERCULOSE CONGÉNITA

TUBERCULOSE CONGÉNITA 51 TUBERCULOSE CONGÉNITA A Tuberculose (TB) continua a ser um grave problema de saúde pública a nível nacional e mundial. Em Portugal, a TB não recrudesceu mas a sua incidência mantém-se alta: 42 e 37

Leia mais

VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL

VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL 1 Quadro Institucional Estratégias : Até 22 Sanitarização da abordagem Depois de 22 Multisectorialidade e Descentralização Prevalência do VIH (%), em adultos dos 15-49 anos,

Leia mais

USO DO MISOPROSTOL EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

USO DO MISOPROSTOL EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA USO DO MISOPROSTOL EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA A obstetrícia e a ginecologia vivenciam a crescente utilização do misoprostol para indução do parto a termo, para o abortamento retido e feto morto, e para

Leia mais

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO?

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? MEDEIROS, Paola de Oliveira¹; GALHO, Aline Ribeiro¹; BARRETO, Daniela Hormain¹; MARTINS, Mariana dos Santos¹; VIEIRA, Pâmela Cabral¹;

Leia mais

Infecções congênitas. Prof. Regia Lira

Infecções congênitas. Prof. Regia Lira Infecções congênitas Prof. Regia Lira 12 de maio de 2015 ADAPTAÇÃO IMUNOLÓGICA MATERNO-FETAL Interpretação de resultados dos imunoensaios: Feto ou necém-nascido: sistema imune em desenvolvimento (fora

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PARA A PREVENÇÃO DA INFECÇÃO VIH / SIDA 2007 / 2010 REGIÃO DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO

PLANO DE ACÇÃO PARA A PREVENÇÃO DA INFECÇÃO VIH / SIDA 2007 / 2010 REGIÃO DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO PLANO DE ACÇÃO PARA A PREVENÇÃO DA INFECÇÃO VIH / SIDA 27 / 21 REGIÃO DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO Manuela Lucas Com a colaboração de: Ana Cristina Neves Eduardo Magalhães Lina Guarda Maria João Barros

Leia mais

03/04/2016. virus\youtube - O VRUS DA IMUNODEFICINCIA HUMANA.mpeg

03/04/2016. virus\youtube - O VRUS DA IMUNODEFICINCIA HUMANA.mpeg virus\youtube - O VRUS DA IMUNODEFICINCIA HUMANA.mpeg 1 AIDS (SIDA) Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Causador: HIV Vírus da Imunodeficiência Humana. Ataca os Linfócitos T CD4 Precursoras dos ANTICORPOS

Leia mais

Neonatologia para Concursos de Enfermagem

Neonatologia para Concursos de Enfermagem Oncologia Neonatologia para Concursos de Enfermagem Fernanda Coelho PNI 2017 ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES Prof. Enf. Hygor Elias 1 Meningocócica C (conjugada) Indicações: Meningite por Neisseria meningitidis dogrupoc

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

Metformina no primeiro trimestre. Dra Isabel L A Corrêa

Metformina no primeiro trimestre. Dra Isabel L A Corrêa Metformina no primeiro trimestre da gestação-pode? Dra Isabel L A Corrêa Porque usar Metformina na gestação?? Diminuir taxa de abortamento em pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos ( SOP)? Diminuir

Leia mais

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae Hepatite A Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae 160 casos de Hepatite A foram notificados de 1 de janeiro a 7 de abril 50% dos quais foram internados Do total de doentes, 93% eram adultos jovens

Leia mais