Contabilidade Decifrada. Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilidade Decifrada. Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo"

Transcrição

1 Contabilidade Decifrada Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo

2 Contabilidade Conceito Contabilidade é a ciência (atividade rigorosa de estudo) que tem por: campo a azienda (qualquer ente que possa vir a ter patrimônio), objeto o patrimônio e método o das partidas dobradas o que resulta na elaboração de técnicas de registro, elaboração de demonstrações, análise de demonstrações e auditoria.

3 Contabilidade - Histórico Antiguidade Período das Grandes Navegações Lucca Pacciolli Atualidade Lei 6.404/76 Regulamento do Imposto de Renda Instruções CVM CFC deliberações e normas técnicas

4 Patrimônio Conceito Bens, direitos e obrigações. Os bens e direitos compõem o grupo do patrimônio denominado Ativo. patrimônio bruto, total das aplicações, total dos investimentos As obrigações compõem o grupo denominado passivo. passivo exigível, exigibilidades, capital de terceiros A diferença entre Ativo e Passivo é denominada Patrimônio Líquido. capital próprio, situação líquida do patrimônio e passivo a descoberto (somente no caso dele ser negativo)

5 Patrimônio Conceito e Composição Equação Patrimonial A - P = PL, onde: A = Ativo; P = Passivo; PL = Patrimônio Líquido (ou Situação Líquida).

6 Abordagem didática do patrimônio Ativo Passivo Bens e Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Bens e Direitos (-) Obrigações

7 Situações Patrimoniais Ativo passivo Obs.: Bens e direitos = Obrigações + P.L. A=P+PL Situação líquida positiva Bens e direitos = Obrigações A=P Situação líquida nula (compensada) Bens e direitos < Obrigações A=P-PD Passivo a descoberto-situação negativa (deficitária) Bens e direitos = P.L. A=PL A empresa não tem passivo exigível 0 = Obrigações A=0 Passivo a descoberto-a empresa não tem bens nem direitos

8 Representação Gráfica de Situações Patrimoniais Situação Líquida superavitária - ocorre quando o PL > 0, ou seja, A > P. Ativo Passivo Patrimônio Líquido Situação Líquida Nula - ocorre quando o PL = 0, ou seja, A = P. Ativo Passivo Situação Líquida deficitária - ocorre quando o PL < 0, ou seja, A < P. Ativo Patrimônio Líquido negativo Passivo

9 A Contabilidade como um sistema de informações Sistema de Informação usuários funções administrativa e econômica evidenciação forma x essência

10 Princípios Contábeis ENTIDADE CONTINUIDADE OPORTUNIDADE REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA COMPETÊNCIA PRUDÊNCIA

11 Princípios Contábeis ENTIDADE o patrimônio dos sócios não se confunde com o patrimônio da empresa

12 Princípios Contábeis CONTINUIDADE Uma vez iniciada a vida da empresa, espera-se que ela continue indefinidamente, todavia, a continuidade influencia o valor econômico dos bens e direitos e, em muitos casos, o valor ou o vencimento das obrigações, especialmente quando a extinção da Entidade tem prazo determinado, previsto ou previsível.

13 Princípios Contábeis OPORTUNIDADE integridade variações do patrimônio devem ser reconhecidas em sua totalidade, sem qualquer falta ou excesso tempestividade variações do patrimônio devem ser registradas no momento de sua ocorrência, mesmo na hipótese de alguma incerteza

14 Princípios Contábeis REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL os componentes que ingressam no patrimônio devem ser registrados pelos valores originais das transações havidas com o mundo exterior à entidade

15 Princípios Contábeis ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA A partir do ano de 1996, foi proibida pela Lei 9.249/95 a utilização de correção monetária para fins societários ou fiscais

16 Princípios Contábeis COMPETÊNCIA as receitas e despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente do recebimento ou do pagamento

17 Princípios Contábeis PRUDÊNCIA sempre que se apresentem alternativas igualmente válidas, o Princípio da PRUDÊNCIA determina: a adoção do menor valor para os componentes do ATIVO e A adoção do maior para os componentes do PASSIVO,

18 Convenções Contábeis Consistência (Uniformidade) Uma vez escolhido um critério, é recomendável que seja mantido, ao longo do tempo Materialidade (Relevância) Somente devem ser registrados em detalhes fatos relevantes para o patrimônio Objetividade Os fatos devem ser registrados com base em documentos objetivos

19 Fatos Contábeis Fatos x Atos Fatos contábeis são ocorrências que têm por efeito a alteração do Patrimônio, seja ela qualitativa ou quantitativa. Atos são acontecimentos que NÃO ALTERAM o patrimônio como, por exemplo, garantias, custódias e cobranças de títulos de terceiros.

20 Fatos Contábeis permutativos (qualitativos) - somente alteram bens, direitos e obrigações b) modificativos (quantitativos) - alteram o Patrimônio Líquido: - aumentativos (positivos) aumentam o Patrimônio Líquido - diminutivos (negativos) diminuem o Patrimônio Líquido - c) mistos - ao mesmo tempo, são permutativos e modificativos (há troca de elementos patrimoniais e alteração no PL): - aumentativos (positivos) Aumentam o PL - diminutivos (negativos) reduzem o PL

21 Exemplos: Fatos Contábeis - Compra de móveis a prazo; - Depósito em banco; - Saque de cheque; - Despesa de aluguel; - Receita de comissão; - Pagamento do aluguel devido; - Venda pelo custo à vista; - Venda com lucro à vista; - Venda com prejuízo à vista; - Pagamento de duplicata com abatimento; - Recebimento de duplicata com juros; - Recebimento de duplicata com abatimento; - Aval dado a 3 o ; - Hipoteca dada ou recebida.

22 Compra de móveis a prazo Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações com fornecedores ,00 Móveis , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,

23 Depósito em banco Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Depósito Bancário , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

24 Saque de cheque Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Depósito Bancário , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Depósito Bancário 4.000, Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

25 Despesa de aluguel Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Aluguéis a pagar 1.000, Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

26 Receita de comissão Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Comissões a receber 3.000, Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

27 Pagamento do aluguel devido Ativo Passivo Dinheiro ,00 Aluguéis a pagar 1.000, Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Aluguéis a pagar Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

28 Venda pelo custo à vista Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Estoque de mercad , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

29 Venda com lucro à vista Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Estoque de mercad , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Estoque de Mercad Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

30 Venda com prejuízo à vista Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Estoque de mercad , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Estoque de mercad Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

31 Pagamento de duplicata com abatimento Ativo Passivo Dinheiro ,00 Duplicatas a pagar ,00 Estoque de mercad , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 Duplicatas a pagar - Estoque de Mercad , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

32 Recebimento de duplicata com juros Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Duplicatas a receber , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 obrigações - Duplicatas a receber Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

33 Recebimento de duplicata com abatimento Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações - Duplicatas a receber , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00 Ativo Passivo Dinheiro ,00 obrigações - Duplicatas a receber Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

34 Aval dado a 3 o e Hipoteca dada ou recebida Como qualquer garantia ato Garantia em títulos de crédito caução Garantia pessoal em contrato fiança Direitos reais de garantia Hipoteca Penhor Anticrese

35 Conta Contábil Contas são elementos do patrimônio que merecem registro e controle individualizado Cada grupo de elementos semelhantes, integrantes do patrimônio, forma uma conta e nela serão registrados os aumentos e reduções de valores

36 Plano de Contas É a relação lógica e ordenada dos títulos das contas representativas do patrimônio e de suas variações

37 Teoria das Contas Existem três teorias sobre as contas Teoria Patrimonialística Teoria Personalística Teoria Materialística

38 Teoria Patrimonialística Divide as contas entre Contas Patrimoniais Ativo/Passivo e Patrimônio Líquido Contas de resultado Despesa e Receita Tem o mérito de explicar a função informativa de duas importantes demonstrações contábeis O Balanço Patrimonial A Demonstração dos Resultados do Exercício

39 Ativo Bens e Direitos Passivo Obrigações Patrimônio Líquido Bens e Direitos (-) Obrigações Despesas Receitas

40 Teoria Personalística das contas A teoria personalística vincula a conta à pessoa responsável pelos procedimentos administrativos a ela relacionados

41 Teoria Personalística classificação de contas De agentes consignatários (funcionários e gerentes) bens da empresa De agentes correspondentes - direitos e obrigações direitos identificados por agentes correspondentes a débito (porque devem à empresa) obrigações identificadas por agentes correspondentes a crédito (porque são credores da empresa) contas dos proprietários Que são credores do PL da empresa (e de suas modificações -RECEITAS e DESPESAS)

42 ação areia aplicada no montinho Conseqüência Dinheiro ==> de ,00 para ,00 - o montinho aumenta de tamanho - a conta representativa do bem aumenta de saldo Conclusão Débitos em contas representativas de bens podem ser encarados, metaforicamente, como areia aplicada em um montinho de areia. ação retirada de areia do montinho Conseqüência Dinheiro ==> de ,00 para ,00 - o montinho diminui de tamanho - a conta representativa do bem reduz o saldo Conclusão Créditos em contas representativas de bens podem ser encarados, metaforicamente, como areia retirada de um montinho de areia.

43 ação areia aplicada no montinho Conseqüência Depósito Bancário ==> de ,00 para ,00 - o montinho aumenta de tamanho - a conta representativa do direito aumenta de saldo Conclusão Débitos em contas representativas de dirietos podem ser encarados, metaforicamente, como areia aplicada em um montinho de areia. ação retirada de areia do montinho Conseqüência Depósito bancário ==> de ,00 para ,00 - o montinho diminui de tamanho - a conta representativa do direito reduz o saldo Conclusão Créditos em contas representativas de direitos podem ser encarados, metaforicamente, como areia retirada de um montinho de areia.

44 ação retirada de areia do buraco Conseqüência Fornecedores ==> de ,00 para ,00 - o buraco aumenta de tamanho - a conta representativa da obrigação aumenta de saldo Conclusão Créditos em contas representativas de obrigação podem ser encarados, metaforicamente, como areia retirada de um buraco cavado na areia. ação Aplicação de areia no buraco Conseqüência Fornecedores ==> de ,00 para ,00 - o buraco reduz o tamanho - a conta representativa da obrigação tem seu saldo reduzido Conclusão Débitos em contas representativas de obrigações podem ser encarados, metaforicamente, como areia aplicada em um buraco (tapando-o), ainda que parcialmente.

45 ação retirada de areia do buraco Conseqüência Capital Social ==> de ,00 para ,00 - o buraco aumenta de tamanho - a conta representativa da diferença entre Ativo e Passivo aumenta de saldo Conclusão Créditos em contas representativas da diferença entre Ativo e Passivo (Patrimônio Líquido) podem ser encarados, metaforicamente, como areia, retirada de um buraco cavado na areia. ação Aplicação de areia no buraco Conseqüência Capital Social ==> de ,00 para ,00 - o buraco diminui de tamanho - a conta representativa da diferença entre Ativo e Passivo tem seu saldo reduzido Conclusão Débitos em contas representativas da diferença entre Ativo e Passivo (Patrimônio Líquido) podem ser encarados, metaforicamente, como aplicação de areia, de um buraco antes nela cavado, reduzindo-o, ainda que parcialmente.

46 Ativo Passivo Bens e Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Bens e Direitos (-) Obrigações Despesas Receitas

47 Ativo Passivo Bens e Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Bens e Direitos (-) Obrigações Despesas Receitas

48 Grupo de contas Natureza Aumento de saldo por Redução de saldo por Obs. Ativo Devedora débitos créditos Passivo Credora créditos débitos Patrimônio Líquido Credora créditos débitos Receitas Credora créditos débitos (*) Despesas Devedora débitos créditos (**) (*) As receitas recebem somente créditos durante todo o exercício (exceto em retificações de erro ou no fechamento do exercício) (**) As despesas recebem somente débitos durante todo o exercício (exceto em retificações de erro ou no fechamento do exercício)

49 Ativo Passivo Bens e Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Bens e Direitos (-) Obrigações Despesas Receitas Saldos de natureza Devedora Saldos de natureza Credora

50 Teoria Materialística A teoria Materialística divide as contas em Contas Integrais Ativo e Passivo Contas Diferenciais Patrimônio Líquido Despesas Receitas Essa teoria tem o mérito de ressaltar a relação entre contas de resultado e patrimônio líquido.

51 Ativo Passivo Ativo Passivo PL PL Exercício Início Final Despesas Receitas Saldo líquido (Receitas-Despesas)

52 Contas Patrimoniais São aquelas representativas de elemento do patrimônio Permanecem na representação do patrimônio enquanto o elemento existir por vários exercícios Podem ter seu valor aumentado ou diminuído, dependendo do fato contábil ocorrido Consistem em contas de: Ativo Passivo Patrimônio Líquido

53 descrição da conta classificação 1 Caixa: A 2 Veículos: A 3 Devedores por Duplicatas: A 4 Imóveis: A 5 Bancos movimento: A 6 Despesas de Instalação: A 7 Matérias-prim as: A 8 Estoques: A 9 Ações: A 10 Duplicatas a Pagar: P 11 Credores por duplicatas: P 12 Em préstimos em bancos: P 13 Rendas antecipadas: P 14 Capital: PL 15 Reservas: PL 16 Lucros Acumulados: PL 17 Produtos: A 18 Suprimentos (em préstim os) a coligadas: A 19 Suprimentos de coligadas P 20 Marcas e Patentes: A 21 Mercado aberto: A 22 Acionistas, conta Dividendos: P 23 Acionistas, conta Capital: PL 24 Bancos-conta em préstim os: P 25 Selos: A 26 ICMS a Recuperar: A 27 ICMS a Recolher: P

54 Contas Patrimoniais Ao final de cada período de apuração (exercício), o conjunto de contas patrimoniais deve ser apresentado para identificar a situação do patrimônio da entidade naquele instante. Esta apresentação consiste em uma demonstração financeira denominada Balanço Patrimonial

55 Contas de Resultado São representativas do valor da variação do patrimônio em um determinado período de tempo Têm seu valor sempre acrescido Somente acumulam valores durante um período de tempo (exercício) e, ao final, são zeradas seu valor passa a integrar o PL As Contas de resultado são as receitas e despesas que, respectivamente, aumentam e diminuem o Patrimônio Líquido A cada exercício, as contas de resultado são apresentadas em uma demonstração específica Demonstração do Resultado do exercício.

56 descrição da conta classificação 1 Receita Bruta de Vendas: R 2 Impostos sobre vendas D 3 Receitas financeiras R 4 Juros Ativos R 5 Variações Monetárias passivas D

57 Lançamentos - conceito Registro dos fatos contábeis no plano de contas da empresa Conjunto de lançamentos escrituração A escrituração é efetuada em livros Diário Razão

58 Livros contábeis diário razão um livro que contém o registro de cada lançamento em ordem cronológica (nos permite compreender a seqüência de acontecimentos ocorridos na empresa) um livro que contém o registro destes mesmos lançamentos, porém ordenados por conta (nos permite analisar o comportamento de um dado elemento patrimonial no tempo)

59 Outros Livros De natureza fiscal Registro de Inventário Registro de entradas Registro de saídas Registro de apuração do ICMS Registro de apuração do IPI Livro de Apuração do Lucro Real Etc. Para auxílio da escrituração - livro caixa; - livro contas correntes; - etc.

60 Elementos básicos dos lançamentos Os itens básicos de cada lançamento são: a data; b conta devedora (débito); c conta credora (crédito); d valor; e histórico.

61 Débito / Crédito O débito representa a aplicação de um valor em determinado elemento do patrimônio. Quando, por exemplo, se adquire um veículo para pagamento a prazo, há uma aplicação na conta veículos. O crédito representa a origem do valor relativo a uma aplicação no patrimônio. Quando se adquire um veículo a prazo, a origem da aplicação feita na conta veículos é a obrigação de se pagar um financiamento (conta financiamentos a pagar).

62 Exemplo de lançamento Considerações iniciais (1) o Patrimônio é considerado como uma caixa de areia; (2) o valor do patrimônio é proporcional à quantidade de areia existente entre Ativos e Passivos; (3) Ativos são montinhos de areia; (4) Passivos são buracos cavados na areia; (5) Patrimônio Líquido também é representado por buracos cavados na areia; (6) Despesas, como reduções no patrimônio, são representadas por uma lata de lixo (onde é jogada fora a areia, que sai do patrimônio reduzindo-o). (7) Receitas, como aumentos do patrimônio, são representadas por um páraquedas (de onde vem a areia, que cai no patrimônio aumentando-o). (8) débito é aplicação de areia em um elemento do patrimônio; e (9) crédito é a origem da areia aplicada.

63 Exemplo de lançamento Descrição do fato contábil Compra de móveis a prazo, no valor de R$ ,00

64 Exemplo de lançamento Patrimônio Inicial Ativo Passivo Dinheiro ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

65 Exemplo de lançamento Análise do fluxo de valores Ativo Passivo Dinheiro ,00 Fornecedores ,00 Móveis , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

66 Exemplo de Lançamento Registro no Livro Diário D = Móveis 1 C = a Fornecedores ,00 Ou simplesmente Móveis 1 a Fornecedores ,00

67 Exemplo de Lançamento Registro no Livro Razão débitos capital caixa móveis fornecedores créditos débitos créditos débitos créditos débitos créditos ,00 si si , , ,00 1

68 Exemplo de Lançamento - Patrimônio Final Ativo Passivo Dinheiro ,00 Fornecedores ,00 Móveis , Patrimônio Líquido Diferença (A-P) ,00

69 Fórmulas de lançamentos 1a. fórmula uma conta devedora e uma conta credora; 2a. fórmula uma conta devedora e várias contas credoras; 3a. fórmula várias contas devedoras e uma conta credora; 4a. fórmula várias contas devedoras e várias contas credoras.

70 Exemplo lançamento 1a fórmula O exemplo anterior (compra de mercadorias a prazo) foi relativo a um lançamento de primeira fórmula. A seguir, veremos exemplos de lançamentos relativos a fatos que demandam a utilização das demais fórmulas

71 Exemplo lançamento 2a fórmula descrição do fato compra de móveis, por R$ ,00, sendo o pagamento: metade à vista e metade a prazo

72 Exemplo lançamento 2a fórmula Situação inicial Ativo Passivo Caixa ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Capital ,00

73 Exemplo lançamento 2a fórmula Análise do fluxo de valores Ativo Passivo Caixa ,00 Fornecedores 5.000,00 (5.000,00) ,00 Móveis , Patrimônio Líquido Capital ,00

74 Exemplo lançamento 2a fórmula Registro no livro Diário D = Móveis ,00 C = a diversos 2 C = a Fornecedores 5.000,00 C = a Caixa 5.000,00 Ou, simplesmente: Móveis ,00 a diversos 2 a Fornecedores 5.000,00 a Caixa 5.000,00

75 Exemplo lançamento 2a fórmula Registro no livro Razão débitos capital caixa móveis fornecedores créditos débitos créditos débitos créditos débitos créditos ,00 si si , , , ,00 2 sf ,00

76 Exemplo lançamento 2a fórmula Situação Final Ativo Passivo Dinheiro ,00 Fornecedores 5.000,00 Móveis , Patrimônio Líquido Capital ,00

77 Exemplo lançamento 3a fórmula descrição do fato compra, na mesma loja, de móveis, por R$ ,00, e computadores (equipamentos) por R$ 8.000,00, sendo o pagamento a prazo

78 Exemplo lançamento 3a fórmula Situação inicial Ativo Passivo Caixa ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Capital ,00

79 Exemplo lançamento 3a fórmula Análise do fluxo de valores Ativo Passivo Caixa ,00 Fornecedores ,00 Móveis , Patrimônio Líquido Equipamentos 8000 Capital ,00

80 Exemplo lançamento 3a fórmula Registro no livro Diário D = diversos C = a Fornecedores ,00 3 D = Móveis ,00 D = Equipamentos 8.000,00 Ou, simplesmente: diversos a Fornecedores ,00 3 Móveis ,00 Equipamentos 8.000,00

81 Exemplo lançamento 3a fórmula Registro no livro Razão débitos capital caixa móveis fornecedores créditos débitos créditos débitos créditos débitos créditos ,00 si si , , ,00 3 equipamentos débitos créditos ,00

82 Exemplo lançamento 3a fórmula Situação Final Ativo Passivo Dinheiro ,00 Fornecedores ,00 Móveis , Patrimônio Líquido Equipamentos 8.000,00 Capital ,00

83 Exemplo lançamento 4a fórmula descrição do fato compra, na mesma loja, de móveis, por R$ ,00, e computadores (equipamentos) por R$ 8.000,00, sendo o pagamento realizado metade à vista e metade a prazo.

84 Exemplo lançamento 4a fórmula Situação inicial Ativo Passivo Caixa ,00 Obrigações Patrimônio Líquido Capital ,00

85 Exemplo lançamento 4a fórmula Análise do fluxo de valores Ativo Passivo Caixa ,00 Fornecedores 9.000,00 (9.000,00) ,00 Móveis , Patrimônio Líquido Equipamentos 8.000,00 Capital ,00

86 Exemplo lançamento 4a fórmula Registro no livro Diário D = diversos C = a diversos 4 D = Móveis ,00 D = Equipamentos 8.000,00 C = a Caixa 9.000,00 C = a Fornecedores 9.000,00 Ou, simplesmente: diversos a diversos 4 Móveis ,00 Equipamentos 8.000,00 a Caixa 9.000,00 a Fornecedores 9.000,00

87 Exemplo lançamento 4a fórmula Registro no livro Razão débitos capital caixa móveis fornecedores créditos débitos créditos débitos créditos débitos créditos ,00 si si , , , ,00 4 sf ,00 equipamentos débitos créditos ,00

88 Exemplo lançamento 4a fórmula Situação Final Ativo Passivo Dinheiro ,00 Fornecedores 9.000,00 M óveis , Patrimônio Líquido Equipamentos 8.000,00 Capital ,00

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº Disciplina CONTABILIDADE BÁSICA II CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 2º CCN Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº Atos e Fatos Contabeis ATOS ADMINISTRATIVOS:

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes Curso de Contabilidade Básica Professor André Gomes Dispuseste todas as coisas, com peso, número e medida Livro da sabedoria, XI,21 CONCEITO Contabilidade é a ciência que estuda o patrimônio do ponto de

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) 1 de 8 31/01/2015 14:50 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e

Leia mais

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente?

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente? 1-Estruture o Balanço Patrimonial da Cia Alfa com os dados a seguir (em $ milhões - empresa comercial): (não há problema se sobrarem linhas...) Caixa 100; Ações de Outras Companhias 1.000; Fornecedores

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Exercício 3.1 A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão S/A, em janeiro/x2

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência ética

Leia mais

Analista e Auditor da Receita

Analista e Auditor da Receita Analista e Auditor da Receita Contabilidade Geral Básica Com o Professor Eugenio Montoto Site: www.eugenio.pro.br www.youtube.com/eugeniomontoto Email: professoreugeniomontoto@gmail.com 21/02/2016 1 Módulo

Leia mais

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00 Comentários Tropa Prof. Celso Fleming Contabilidade 1) Ao se fazer a auditoria da conta Caixa da Empresa Irmãos Metralhas S/C Ltda., forma identificadas as seguintes irregularidades: 1) Houve uma omissão

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC 2013.2 43. Uma sociedade empresária contratou um seguro anual, em 1º de agosto de 2013, para cobertura de incêndio, avaliado no valor de R$180.000,00, com vigência a partir da assinatura

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora:

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora: CONCEITO DE CONTABILIDADE O que vamos ver a seguir nos mostra que com o conhecimento do ciclo de vida da empresa, conseguimos tomar decisões que consistem em conduzi-la ao sucesso. Portanto, há duas preocupações

Leia mais

EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES CONTABILIDADE

EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES CONTABILIDADE 1 EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES MÓDULO 1 A CONTABILIDADE 6º - Exercício CONTABILIDADE Em relação aos usuários da contabilidade, analise as assertivas abaixo e assina a alternativa correta.

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada Sérgio Adriano CONTABILIDADE Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços DESCOMPLICADA DECIFRADA DESMITIFICADA 3.ª edição revista e atualizada 2016 Capítulo 1 Conceitos Básicos 1. CONCEITO DE CONTABILIDADE

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II

Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Já de posse do Edital ESAF Nº 01, de 14 de janeiro de 2010, que altera/anula questões da Prova AFRFB 2009,

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

Contabilidade Exercícios Prof. Alexandre Américo

Contabilidade Exercícios Prof. Alexandre Américo Contabilidade Exercícios Prof. Alexandre Américo ASSUNTOS => CONCEITOS, OBJETIVOS E FINALIDADES DA CONTABILIDADE. Com relação à Ciência Contábil e suas características, julgue os itens que se seguem. 01

Leia mais

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do NBC TSP 16.1 - Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação - CASP CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA ENTIDADES DO OBJETO SETOR PÚBLICO Ramo da ciência contábil que aplica, no processo Fornecer gerador informações

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

Concurso Público Técnico-Administrativo 2014/UFGD - Prova Tipo A 7

Concurso Público Técnico-Administrativo 2014/UFGD - Prova Tipo A 7 Contador ==Questão 26==================== A Resolução CFC nº 1.282/2010 atualiza e consolida os Princípios da Contabilidade, considerando que o Princípio do Registro pelo Valor Original determina que:

Leia mais

Prof. Felipe Mascara

Prof. Felipe Mascara 01 - Considere as afirmativas a seguir, com relação aos Princípios Fundamentais de (PFC), do Conselho Federal de (CFC). I. COMPETÊNCIA: As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 O registro nas Contas Na Contabilidade, para registro das operações, é adotado o MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS.

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1º SEMESTRE / 2016

SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1º SEMESTRE / 2016 SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1º SEMESTRE / 2016 Nome: Período: Data: Nota: OBSERVAÇÕES: A prova deverá ser feita com caneta esferográfica preta ou azul. A prova terá a duração de 01 (uma)

Leia mais

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis Na aula 2, foi preparado um balanço após a ocorrência de cada operação da empresa.

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

Contabilidade Geral em Exercícios Receita Federal Prof. Moraes Junior Questões Comentadas e Resolvidas Escrituração Contábil. Operações Financeiras.

Contabilidade Geral em Exercícios Receita Federal Prof. Moraes Junior Questões Comentadas e Resolvidas Escrituração Contábil. Operações Financeiras. Questões Comentadas e Resolvidas Escrituração Contábil. Operações Financeiras. 1.(Fiscal de Rendas-Município do Rio de Janeiro-2010-Esaf) A empresa Mercantil Varejista S/A mandou elaborar o balanço de

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos 4 Apuração Instantânea de Resultados Econômicos Se observarmos bem, os contadores estão utilizando o computador para elaborar, não só o balancete como também outras demonstrações financeiras como a Demonstração

Leia mais

contabilidade básica

contabilidade básica contabilidade básica Sumário AGRADECIMENTOS... 9 PREFÁCIO... 11 1. NOÇÕES PRÉVIAS... 13 1.1 Surgimento da Contabilidade... 13 1.2 A Contabilidade e seu campo de actuação... 13 1.3 Finalidade da Contabilidade.

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos 1) A Cia. Investidora adquiriu por $ 72.000, em 31-12-1, 60% das ações da Cia. Investida, cujo patrimônio líquido nessa data era de $ 120.000. Em 31-12-2, a Cia. Investida apurou

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO Legislação Societária CIRCULANTE Numerário disponível 8.081 6.646 Consumidores e revendedores 83.995 67.906 Devedores

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9.

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9. Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Comercial I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira ESTADO DE MATO GROSSO Resolução de Atividades Extra: Lançamentos no Diário: 1 D: Compra de Mercadorias

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 Contabilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 Classificações do ativo Além de classificar a conta como ativo, precisamos ser proficientes

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN Razonete e Balancete Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Razonete Também denominada gráfico em T ou conta em T, o razonete - uma versão simplificada do

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 Fundamentos de Contabilidade Professor Isnard Martins Contas Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 1 Conceito Na linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta?

Leia mais

Exercício de Fixação - Princípios Contábeis

Exercício de Fixação - Princípios Contábeis Exercício de Fixação - Princípios Contábeis Contabilidade Gerencial - Univertix Prof. José Célio Klen 06/03/2012 1. (CONTADOR 2º/2000) Sobre as reservas e provisões podemos afirmar que: a) As reservas

Leia mais

Gestão Financeira. Gestão Financeira. 1. Abertura da Empresa. Empresa em Operação. Staff de Finanças

Gestão Financeira. Gestão Financeira.  1. Abertura da Empresa. Empresa em Operação. Staff de Finanças segunda-feira, 18 de agosto de 2014 Professor Bruno Eduardo Site: http://www.brunoeduardo.com e-mail: Abertura da Empresa Aquisição de máquinas/equipamentos Custos Receitas Empresa em Operação Capital

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTEL CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE Faculdade de Administração Administração Financeira e Orçamentária I 1º semestre de 2011 Prof.: Tiago Sayão Email: tiagosayao@gmail.com

Leia mais

Noções de Contabilidade PF: Agente de Polícia Federal Professora: Camila Gomes. Aulas 01 a 04

Noções de Contabilidade PF: Agente de Polícia Federal Professora: Camila Gomes. Aulas 01 a 04 Noções de Contabilidade PF: Agente de Polícia Federal - 2014 Professora: Camila Gomes Profª. Camila Gomes www.aprovaconcursos.com.br Página 1 de 15 NOÇÕES DE CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO Oi, tudo bem? Meu

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA

ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Um índice de liquidez geral de 1,3 indica que para garantir cada $ 1 de dívidas, a firma possui, na data do balanço: a. $ 1, de valores disponíveis e realizáveis

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13 Exercício Nº 13 1 Exercício Nº 13 - Contabilidade em nível geral de preços Elaboração do Balanço Patrimonial de em ATIVO na Ativo circulante 150.000 78.341,9444 164.518 Caixa 20.000 20.000 10.000,0000

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

Demonstrações Contábeis Decifradas

Demonstrações Contábeis Decifradas RESOLUÇÃO A resolução dessa questão demanda a capacidade de classificação dos elementos patrimoniais e do resultado como componentes dos fluxos de caixa das atividades operacionais, de investimento e de

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Brasília-DF Janeiro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Processo CFC n.º 2012/000008

Leia mais

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 bilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 O essencial para diferenciar ativo de passivo Você que está começando a estudar contabilidade

Leia mais

Contabilidade Financeira e IFRS

Contabilidade Financeira e IFRS Contabilidade Financeira e IFRS Objetivos de aprendizagem: Depois de ler e discutir este tópico você será capaz entender As Principais causas da variação do Patrimônio Líquido; O Período contábil As Normas

Leia mais

Prof. Claudio Leite. O objeto da contabilidade é o patrimônio das entidades econômico administrativas.

Prof. Claudio Leite. O objeto da contabilidade é o patrimônio das entidades econômico administrativas. R O T E I R O 1) DEFINIÇÃO 2) FINALIDADE 3) TÉCNICAS CONTÁBEIS 4) CAMPO DE AICAÇÃO 5) PATRIMÔNIO 6) RESUMO DO MÓDULO 7) EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1 DEFINIÇÃO É a ciência que estuda, registra e controla o patrimônio.

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

TCU - Aula 01 C. Geral I

TCU - Aula 01 C. Geral I Sumário 1 TCDF - Auditor - CESPE - 2013 - Questão 101 - Princípios de Contabilidade... 2 2 TCDF - Auditor - CESPE - 2013 - Questão 102 - Princípios de Contabilidade... 2 3 TCDF - Auditor - CESPE - 2013

Leia mais

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis CPC 26 / NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis FAS 205 Histórico Emitida em 1997, já foi revisada em 2003,2004,2005 e 2007 Substituiu: IAS 1

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica

Curso de Contabilidade Básica Curso de Contabilidade Básica Professor Humberto Lucena 3. CONTAS 3.1 Conceito de Conta Conta é o nome que identifica cada componente patrimonial (bem, direito e obrigação) e cada componente do resultado

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

Sumário. cad_00.indd 13 05/01/ :29:31

Sumário. cad_00.indd 13 05/01/ :29:31 Sumário Capítulo 1 Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade. Princípios de Contabilidade... 1 1.1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade... 1 1.1.1. Conceito e Objetivo... 1 1.1.2. Objeto...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO 3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO O Balanço Orçamentário é a Demonstração sintética do confronto entre a Receita Prevista, a Despesa Fixada e o que foi realizado no exercício, tanto em receitas

Leia mais

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO

Leia mais