MPLS Prática com Linux. Edgard Jamhour

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPLS Prática com Linux. Edgard Jamhour"

Transcrição

1 MPLS Prátic com Linux Edgrd Jmhour

2 Instlção yum updte yum instll udev.i FC4.3 yum instll hrdlink yum instll bridge-utils rpm -ivh kernel _fc4mpls_1.950.i686.rpm rpm -ivh iproute _mpls_1.950d.i386.rpm rpm -ivh --force iproute _mpls_1.950d.i386.rpm rpm -ivh ebtbles _mpls_1.950d.i386.rpm rpm -ivh iptbles-ipv _mpls_1.950d.i386.rpm rpm -ivh --force iptbles _mpls_1.950d.i386.rpm rpm -ivh kernel-devel _fc4mpls_1.950.i686.rpm rpm -e iptbles rpm -e iproute

3 Configurção LER de Ingresso ip route dd SUBREDE vi NEXTHOP mpls KEY mpls nhlfe dd key 0 instructions push gen LABEL nexthop ETHO ipv4 NEXTHOP FTN = FEC X NHLFE FEC (destino) subrede1 subrede2 Chve Ação NHLFE 0x2 0x3 push lbel1 e envi por eth0 pr ip1 push lbel2 e envi por eth1 pr ip2 eth0 lbel1 ip 1 LSR subrede1 LER eth1 lbel2 ip 2 LSR subrede2

4 Configurção LER de Egresso mpls lbelspce set dev ETHI lbelspce 0 mpls ilm dd lbel gen LABEL lbelspce 0 lbelspce Interfce Lbel ILM 0 eth0 lbel1 1 eth1 lbel2 LSR LSR lbel1 lbel2 eth0 eth1 LER subrede1

5 Configurção do LSR mpls lbelspce set dev ETHI lbelspce 0 mpls ilm dd lbel gen LABEL lbelspce 0 mpls xc dd ilm_lbel gen LABEL ilm_lbelspce 0 nhlfe_key KEY ILM lbelspce If Lbel 0 eth0 lbel10 1 eth1 lbel20 XC Chve ção NHLFE 0x2 0x3 push lbel11 e envir por eth2 pr ip1 push lbel21 e envir por eth3 pr ip2 LSR lbel10 eth0 eth2 lbel11 ip 1 LER LER lbel20 eth1 LSR eth3 lbel21 ip 2 LSR

6 Exercício 1 LABEL 1000 Host A LER 1 b LER 2 b Host B LABEL 2000 HOST A eth LER 1 eth1: b eth /30 LER 2 eth /30 b eth1: HOST B eth

7 Configurção HOST A ip route dd /24 vi src LER 1 mpls nhlfe dd key 0 instructions push gen 1000 nexthop eth1 ipv ip route dd /24 vi mpls 0x2 echo 1 > /proc/sys/net/ipv4/ip_forwrd LER 2 mpls lbelspce set dev eth1 lbelspce 0 mpls ilm dd lbel gen 1000 lbelspce 0

8 Script MPLS pr LER 1 #!/bin/bsh -x ip_ler2= if_ler1b=eth1 fec= /24 modprobe mpls4 key_vlue=`mpls nhlfe dd key 0 instructions push gen 1000 nexthop $if_ler1b ipv4 $ip_ler2 `; key=`echo $key_vlue wk '{print $4}'`; ip route dd $fec vi $ip_ler2 mpls $key sysctl -w net.ipv4.ip_forwrd=1

9 Comndos pr Evitr Redirecionmento sysctl net.ipv4.conf.eth1.send_redirects=0 sysctl net.ipv4.conf.eth1.ccept_redirects=0 sysctl net.ipv4.conf.ll.send_redirects=0 sysctl net.ipv4.conf.ll.ccept_redirects=0

10 Cenário /24 Host A LER 1 b L:1000 b LER 2 d /25 Host B c b c L:2000 LSR L:2001 Host C /25 LER 1 eth b eth1: /30 c eth1: /30 LER 2 eth /30 b eth1: /30 c eth1: d eth1: LSR eth /30 b eth1: /30 HOST A eth HOST B eth HOST C eth

11 Configurção LER 1 LER1 (Rot Vermelh) mpls nhlfe dd key 0 instructions push gen 1000 nexthop eth1:1 ipv ip route dd /25 vi mpls 0x2 LER1 (Rot Azul) mpls nhlfe dd key 0 instructions push gen 2000 nexthop eth1:2 ipv ip route dd /24 vi mpls 0x3 Rotemento echo 1 > /proc/sys/net/ipv4/ip_forwrd

12 Configurção LSR # LSR (Rot Azul) mpls lbelspce set dev eth1 lbelspce 0 mpls ilm dd lbel gen 2000 lbelspce 0 mpls nhlfe dd key 0 instructions push gen 2001 nexthop eth1:1 ipv mpls xc dd ilm_lbel gen 2000 ilm_lbelspce 0 nhlfe_key 0x2 echo 1 > /proc/sys/net/ipv4/ip_forwrd

13 Configurção LER 2 LER2 (Rot Vermelh) mpls lbelspce set dev eth1 lbelspce 0 mpls ilm dd lbel gen 1000 lbelspce 0 LER2 (Rot Azul) mpls lbelspce set dev eth1:1 lbelspce 0 mpls ilm dd lbel gen 2001 lbelspce 0

14 Configurção Hosts HOST A ip route dd /24 vi src HOST B ip route dd /24 vi src HOST C ip route dd /24 vi src

15 Exemplo: Script pr o LSR #!/bin/bsh -x if_lsr=eth1 if_lsrb=eth1:1 ip_ler2= modprobe mpls4 mpls lbelspce set dev $if_lsr lbelspce 0 mpls ilm dd lbel gen 2000 lbelspce 0 key_vlue=`mpls nhlfe dd key 0 instructions push 2001 nexthop $if_lsrb ipv4 $ip_ler2 `; key=`echo $key_vlue wk '{print $4}'`; mpls xc dd ilm_lbel gen 2000 ilm_lbelspce 0 nhlfe_key $key echo 1 > /proc/sys/net/ipv4/ip_forwrd

16 Exercício 2 Implemente o cenário 2 de form que os pcotes envidos pelo host A pr subrede: /25 sigm o cminho vermelho /25 sigm o cminho vermelho Escrev o script de configurção de um dos cminhos Cpture os qudros mpls em LSR1 ou LER2, conforme o cminho.

17 Cenário 3 FEC A FEC B LER1 LER2 b b L:1000 c L:2000 L:1001 L:1002 b LSR2 b LSR1 d b LSR3 L:2001 L:2002 LER3 b c FEC C /24 LER 1 eth /24 b eth1: /30 LER 2 eth /24 b eth1: /30 LER 3 eth /30 b eth1: /30 c eth1: /24 LSR 1 eth /30 b eth1: /30 c eth1: /30 d eth1: /30 LSR 2 eth /30 b eth1: /30 LSR 3 eth /30 b eth1: /30

18 Exercício 3 Implemente o cenário 3 de form que os pcotes envidos: Pel FEC A: sigm o cminho vermelho Pel FEC B: sigm o cminho zul Os cminhos de volt prtir d FEC C devem ser simétricos e utilizr os mesmos Lbels.

PRÁTICA DE VLAN - LINUX 1. AMBIENTE PARA REALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS UTILIZAÇÃO DA IMAGEM NO DVD UTILIZAÇÃO DO SERVIDOR REMOTO ESPEC

PRÁTICA DE VLAN - LINUX 1. AMBIENTE PARA REALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS UTILIZAÇÃO DA IMAGEM NO DVD UTILIZAÇÃO DO SERVIDOR REMOTO ESPEC PRÁTICA DE VLAN - LINUX Exercícios práticos sobre VLANs usando Linux. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br IMPORTANTE: Para facilitar a execução

Leia mais

THIAGO SANTOS DE AMORIM SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT

THIAGO SANTOS DE AMORIM SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT THIAGO SANTOS DE AMORIM SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT Palmas - TO 2010 THIAGO SANTOS DE AMORIM SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT Relatório apresentado como requisito parcial da disciplina

Leia mais

Mecanismos de QoS em Linux Hierarchical Token Bucket (HTB)

Mecanismos de QoS em Linux Hierarchical Token Bucket (HTB) Mecanismos de QoS em Linux Hierarchical Token Bucket (HTB) Este roteiro descreve um cenário prático onde o algoritmo Hierarchical Token Bucket (HTB) é utilizado para criar uma política de QoS flexível,

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching.

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. MPLS Multi-Protocol LABEL Switching Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. O MPLS é, atualmente, uma das tecnologias

Leia mais

Mecanismos de QoS em Linux DiffServ (Marcação e Policiamento)

Mecanismos de QoS em Linux DiffServ (Marcação e Policiamento) Mecanismos de QoS em Linux DiffServ (Marcação e Policiamento) Este roteiro descreve um cenário prático que ilustra o funcionamento dos mecanismos de policiamento e marcação utilizados pela metodologia

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores IPv6. Prof.: Roberto Franciscatto

Projeto e Instalação de Servidores IPv6. Prof.: Roberto Franciscatto Projeto e Instalação de Servidores IPv6 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Problema Escassez de endereços IPs disponíveis Algumas empresas são detentoras de faixas de endereços classe A inteiras Introdução

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

OPENVPN SERVER NO CENTOS/RHEL

OPENVPN SERVER NO CENTOS/RHEL OPENVPN SERVER NO CENTOS/RHEL Ribas Vecchiato 1) Instalar Cento ou RHEL. 2) Depois, como root fazer upgrade do sistema. yum upgrade Instalar pacotes necessários yum install gcc make rpm-build autoconf.noarch

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

cio QoS Linux Edgard Jamhour 2008, Edgard Jamhour

cio QoS Linux Edgard Jamhour 2008, Edgard Jamhour Exercício cio QoS Linux Edgard Jamhour Cenário Uma empresa tem um SLA com o provedor, definindo um link com 500 Kbps garantindo, com rajadas eventuais de 1000 Kbps. empresa provedor B ipb rede 1 rede 2

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores IPv6. Prof.: Roberto Franciscatto

Projeto e Instalação de Servidores IPv6. Prof.: Roberto Franciscatto Projeto e Instalação de Servidores IPv6 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Problema Escassez de endereços IPs disponíveis Algumas empresas são detentoras de faixas de endereços classe A inteiras Introdução

Leia mais

Concurso Público. Prova Prática - parte 2. Técnico Laboratório Informática. Técnico Administrativo em Educação 2014

Concurso Público. Prova Prática - parte 2. Técnico Laboratório Informática. Técnico Administrativo em Educação 2014 Concurso Público Técnico Administrativo em Educação 2014 Prova Prática - parte 2 Técnico Laboratório Informática NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova PROVA PRÁTICA - TÉCNICO LABORATÓRIO

Leia mais

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FHILIPE GUIMARÃES DE LINHARES Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux Trabalho de Graduação.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX Firewall Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br São dispositivos que têm com função regular o tráfego entre redes distintas restringindo o

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães A virtualização de processadores é uma tecnologia que foi inicialmente

Leia mais

OSPFv3 no MikrotikRouterOS

OSPFv3 no MikrotikRouterOS IPv6.br Curso IPv6 Básico Projeto Final: OSPFv3 no MikrotikRouterOS Evandro de Jesus Souza Agosto-2013 Caetité-BA Cenário: 1 Etapa: Ativar o IPv6 nos roteadores, por padrão fica desativado. /system packageenable

Leia mais

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução Tecnologia MPLS/VPN Pedro Henrique Braga e Silva Curso de Pós-graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, 1 de março de 2010. Introdução O objetivo deste

Leia mais

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP Endereçamento IP 1. Introdução: A partir da segunda metade dos anos 90, a Internet se tornou uma rede muito diferente daquela existente em sua concepção no início dos anos 80. Hoje, a Internet tornou-se

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

Estrutura de um Endereço IP

Estrutura de um Endereço IP Endereçamento de Redes e Sub Redes Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1 Estrutura de um Endereço IP Primeiro Segundo Terceiro Quarto Octeto 8 bits Octeto 8 bits Octeto 8 bits Octeto 8 bits (1 byte) (1 byte)

Leia mais

Fundamentos dos protocolos internet

Fundamentos dos protocolos internet Fundamentos dos protocolos internet - 2 Sumário Capítulo 1 Fundamentos dos protocolos internet...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul de Minas Gerais Campus Inconfidentes Praça Tiradentes, 416 - Centro - CEP 37576-000 Telefone: (35) 3464-1200 Redes de Computadores - 4º Período Projeto

Leia mais

Traceroute em Detalhes

Traceroute em Detalhes Traceroute em Detalhes Autores: Gustavo Ramos Artur Araujo Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes - 36ª Reunião 5 de Dezembro 2013 Agenda Introdução e objeivos Fundamentos Programas Caminhos

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

Balanceamento de links

Balanceamento de links Balanceamento de links Utilizando iptables e iproute2 Leandro R. bolinh0@click21.com.br Introdução: Com o barateamento de links de acesso a internet e o aparecimento da conexão de banda-larga a um valor

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Duplo acesso de "pobre" (poor man s double homing)

Duplo acesso de pobre (poor man s double homing) Duplo acesso de "pobre" (poor man s double homing) Danton Nunes, InterNexo Ltda., S.J.Campos, SP danton.nunes@inexo.com.br O que trataremos aqui "A" Internet! Rede de TV a cabo Modem Roteador Rede Corporativa

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir Fundamentos de Redes de Computadores IPv6 Prof. Claudemir Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 RIR Regional Internet Registries (Registrador Regional de Internet)

Leia mais

Endereçamento IP. Resolvendo as questões da prova

Endereçamento IP. Resolvendo as questões da prova Endereçamento IP Cálculo do endereço de rede Professor: Sérgio Teixeira Resolvendo as questões da prova Informações para ajudar nas contas Máscara Sub-redes = 2 = 4 = 8 = 16 = 32 = 64 = 128 = 256 Fazendo

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA SALVADOR Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA Ana Júlia Freitas Pinheiro 1 e-mail: anajulia@ufba.br Claudio Guido S. Cardoso 1 e-mail: claudioc@ufba.br Gustavo Bittencourt Figueiredo 12 e-mail:

Leia mais

Prática NAT/Proxy. Edgard Jamhour. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.

Prática NAT/Proxy. Edgard Jamhour. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr. Prática NAT/Proxy Edgard Jamhour Exercícios práticos sobre NAT e Proxy, usando Linux. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais:.ppgia.pucpr.br OBS. Esse roteiro utiliza

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Endereçamento IP. Cálculo do endereço de rede. Sérgio Teixeira. Cálculo do endereço de rede

Endereçamento IP. Cálculo do endereço de rede. Sérgio Teixeira. Cálculo do endereço de rede Endereçamento IP Cálculo do endereço de rede Professor: Sérgio Teixeira Cálculo do endereço de rede Toda vez que um pacote IP chega no roteador ele precisa ser roteado. Para isso, o roteador precisa saber

Leia mais

Nível de rede - Tópicos

Nível de rede - Tópicos Nível de rede - Tópicos Introdução: Revisão do modelo de camadas Serviços genéricos do nível de rede IP: Serviços e endereçamento NAT, ICMP, IPv6 Encaminhamento 4 30 Como se obtém um endereço IP? P: Como

Leia mais

Troubleshooting em rede básica

Troubleshooting em rede básica Troubleshooting em rede básica - 2 Sumário Capítulo 1 Troubleshooting em rede básica... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.1. Troubleshooting...

Leia mais

PRÁTICA DE IPV6: ENDEREÇAMENTO, AUTOCONFIGURAÇÃO E ROTEAMENTO 1. APRESENTAÇÃO DO CENÁRIO DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD

PRÁTICA DE IPV6: ENDEREÇAMENTO, AUTOCONFIGURAÇÃO E ROTEAMENTO 1. APRESENTAÇÃO DO CENÁRIO DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD PRÁTICA DE IPV6: ENDEREÇAMENTO, AUTOCONFIGURAÇÃO E ROTEAMENTO O objetivo dessa prática é ilustrar o processo de atribuição de endereços, roteamento e auto-configuração do IPv6. Como veremos, o IPv6 adota

Leia mais

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Roberto Willrich (INE-UFSC) Roberto A. Dias (CEFET-SC), Fernando Barreto, Renato D. V. de Oliveira,

Leia mais

Introdução a Sub-redes

Introdução a Sub-redes Sub Redes Introdução a Sub-redes Sub-redes de uma rede significa usar a máscara de sub-rede para dividir a rede e quebrar uma grande rede em segmentos menores, mais eficientes e gerenciáveis, ou sub-redes.

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes (GTER39) Conexão com PTT's utilizando Vyatta/Vyos/EdgeMAX

Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes (GTER39) Conexão com PTT's utilizando Vyatta/Vyos/EdgeMAX Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes (GTER39) Conexão com PTT's utilizando Vyatta/Vyos/EdgeMAX Elizandro Pacheco www.pachecotecnologia.net Elizandro Pacheco

Leia mais

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 3

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 3 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 3 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 Subrede Exemplo 1 Exemplo 2 4 Concietos Exemplo Máscara de Redes 5 Objetivo Objetivo Apresentar

Leia mais

Virtual Hosts. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 12

Virtual Hosts. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 12 Virtual Hosts João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 12 Uma pessoa pode ser conhecida por muitos nomes Um servidor WEB também No Apache, cada identidade é identificada pela diretiva Dependendo

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga RIP O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS REDES PARA TODOS ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS rffelix70@yahoo.com.br Endereço IP classful Quando a ARPANET foi autorizada em 1969, ninguém pensou que a Internet nasceria desse humilde projeto inicial

Leia mais

Laboratório - Cálculo de sub-redes IPv4

Laboratório - Cálculo de sub-redes IPv4 Objetivos Parte 1: Determinar a divisão em sub-redes em endereços IPv4 Determinar o endereço de rede. Determinar o endereço de broadcast. Determinar o número de hosts. Parte 2: Calcular divisão em sub-redes

Leia mais

Nas configurações das interfaces de rede retirar a variável gateway, o script vai setar automaticamente.

Nas configurações das interfaces de rede retirar a variável gateway, o script vai setar automaticamente. Load Balance Em /etc/iproute2/rt_tables adicione ao m do arquivo 10 T1 20 T2 Em /etc/rc.local acresentar ao nal /etc/iptables Nas congurações das interfaces de rede retirar a variável gateway, o script

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

Roteamento Estático (2)

Roteamento Estático (2) Roteamento Estático (2) Rotas Alternativas Alternative Routes Rotas Alternativas (cont.) Suponha que: Um novo novo link seja adicionado entre Pooh e Eeyore; Por uma decisão administrativa, todos os pacotes

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO E ANÁLISE DA TECNOLOGIA MPLS SOBRE UM DOMÍNIO IP

IMPLEMENTAÇÃO E ANÁLISE DA TECNOLOGIA MPLS SOBRE UM DOMÍNIO IP FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS FATEC PROFESSOR JESSEN VIDAL INFORMÁTICA ÊNFASE EM REDES DE COMPUTADORES GUILHERME PRADO DE SOUZA LIMA IMPLEMENTAÇÃO E ANÁLISE DA TECNOLOGIA MPLS SOBRE

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores edes de Computadores edes de Computadores Nível de ede edes de Computadores 2 1 Esquema de endereçamento original: cada rede física tem seu endereço de rede, cada host em uma rede tem o endereço de rede

Leia mais

Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração

Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração Marcos Monteiro http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br IPTables O iptables é um firewall em NÍVEL DE PACOTES e funciona baseado

Leia mais

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO III ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Maio / 2010 Laboratório III Roteamento

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FHILIPE GUIMARÃES DE LINHARES OUTRAS APOSTILAS EM: www.projetoderedes.com.br Avaliação de desempenho de

Leia mais

Laboratório II Nossa rede ganhou um switch.

Laboratório II Nossa rede ganhou um switch. Laboratório II Nossa rede ganhou um switch. Objetivos do laboratório Entender a diferença de uma rede de difusão para uma rede ponto a ponto Aprender a montar uma 802.1 D Ethernet Bridge Estudar a composição

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR Mafra 2009 Exercício 1 Utilizando o bloco de endereços 200.0.0.0/24, proponha uma solução para configurar os IP s da rede abaixo: 1 2 3 4 10.0.0.1/24 10.0.0.2/24

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Divisão em Sub-redes

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Divisão em Sub-redes Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Classes de Endereços IP: Para criar a estrutura de sub-redes, os bits do host devem ser reatribuídos

Leia mais

Auto configuração de roteadores: oncotô, proncovô, quicossô

Auto configuração de roteadores: oncotô, proncovô, quicossô Auto configuração de roteadores: oncotô, proncovô, quicossô Danton Nunes, InterNexo Ltda., São José dos Campos, SP danton.nunes@inexo.com.br GTER 29 Problema focado Rede com segmentos terrestres e "wireless",

Leia mais

Capítulo 8 Introdução a redes

Capítulo 8 Introdução a redes Linux Essentials 450 Slide - 1 Capítulo 8 Quando falamos de redes de computadores, estamos falando de muitos hosts interconectados por alguns aparelhos especiais chamados roteadores. Vamos aprender um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Renato Cesconetto dos Santos Um estudo do Uso da Tecnologia MPLS em Backbones no Brasil Dissertação submetida

Leia mais

Recursos de transição para IPv6

Recursos de transição para IPv6 Recursos de transição para IPv6 Andrey Vedana Andreoli, Leandro Márcio Bertholdo, Liane M. R. Tarouco POP-RS / UFRGS Rua Ramiro Barcelos, 2574 - Porto Alegre RS {andrey, berthold, liane}@penta.ufrgs.br,

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Módulo IV

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Módulo IV Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Módulo IV 1) Classificar os endereços de IP abaixo segundo suas classes (A, B ou C), e se é de Intranet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Capítulo 4

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Capítulo 4 Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Capítulo 4 1) O que é NAT? Explique o seu funcionamento. 2) Quais são os dois tipos de roteadores? Explique

Leia mais

ROTEAMENTO AVANÇADO COM IPROUTE2

ROTEAMENTO AVANÇADO COM IPROUTE2 Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 17, JUL/DEZ 2014 ROTEAMENTO AVANÇADO COM IPROUTE2 Flávio Alexandre dos

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 2 - DHCP

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 2 - DHCP Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 2 - DHCP Prof.: Roberto Franciscatto O que é? Dynamic Host Configuration Protocol Qual sua função? Distribuir endereços IP aos micros da rede de

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Bacharelado em Ciência da Computação Projeto Final de Curso Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers TCP/IP Parte 2 Linux Network Servers Objetivo: Conhecer mais de TCP/IP, mais sobre os arquivos de configuração e configuração de subredes. Aprender ARP e monitoração de tráfego com iptraf e usar o tcpdump.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY SÃO PAULO 2012 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Gabriel

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Funções da camada de rede

Funções da camada de rede Funções da camada de rede As duas funções fundamentais desta camada são: 1. Endereçamento ou addressing atribuição de um código único a cada interface de estação, tornando possível enviar e receber pacotes

Leia mais

FIREWALL COM IPTABLES. www.eriberto.pro.br/iptables. by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS. Tabela Filter ESQUEMA DA TABELA FILTER

FIREWALL COM IPTABLES. www.eriberto.pro.br/iptables. by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS. Tabela Filter ESQUEMA DA TABELA FILTER FIREWALL COM IPTABLES www.eriberto.pro.br/iptables by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS Tabela Filter Vejamos o funcionamento da tabela filter (default) e as suas respectivas chains: ESQUEMA DA TABELA

Leia mais

Controle de Banda WebHTB Linux e ferramentas

Controle de Banda WebHTB Linux e ferramentas Controle de Banda WebHTB Linux e ferramentas Rafael C. Marques 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves, 602 96.015-000

Leia mais

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 4 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol 2 ICMP Internet Control Message Protocol IP funciona

Leia mais

O que é uma rede de computadores?

O que é uma rede de computadores? O que é uma rede de computadores? A rede é a conexão de duas ou mais máquinas com objetivo de compartilhar recursos entre elas. Os recursos compartilhados podem ser: Compartilhamento de conteúdos do disco

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Emulação de redes IPv6. GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Emulação de redes IPv6. GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Emulação de redes IPv6 GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda Motivação Softwares para simulação O NetKit Instalando... Máquinas virtuais... Laboratórios... Exemplo: Simulando

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes CIDR Sub-redes IP Professor Fabio Souza CIDR -ClasslessInter-DomainRouting Foi introduzido em 993, como um refinamento para a forma como o tráfego era conduzido pelas redes IP. Permitindo

Leia mais

Preparação de um Firewall / IDS com Linux Professor: José Ricardo Ferreira de Almeida

Preparação de um Firewall / IDS com Linux Professor: José Ricardo Ferreira de Almeida Preparando um firewall e IDS com Slackware 10.1, iptables e Snort Particionamento do HD: (exemplo 20gb de HD 128 RAM) 256MB 2 GB ~18GB swap / /var Comando para particionamento: cfdisk caso tenha mais de

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

PIM. Tecnologia em Redes de Computadores. Projeto Integrado Multidisciplinar 2009/02 2º SEM UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO

PIM. Tecnologia em Redes de Computadores. Projeto Integrado Multidisciplinar 2009/02 2º SEM UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO Tecnologia em Redes de Computadores PIM Projeto Integrado Multidisciplinar 2009/02 2º SEM PIM - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR 1. Produto: A partir das informações fornecidas

Leia mais

CGI.br. Comitê Gestor da Internet no Brasil

CGI.br. Comitê Gestor da Internet no Brasil CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil O CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil - é a principal entidade relacionada à Governança da Internet no país e tem como objetivos: fomentar o desenvolvimento

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

MRTG Multi Router Traffic Grapher

MRTG Multi Router Traffic Grapher MRTG Multi Router Traffic Grapher Alunos: Mateus Matias Luiz Edu Rodrigues Higor Rocha Luis Henrique Índice Introdução... 3 Características... 4 Gerenciamento de Rede... 5 Tutorial... 6 Gráficos... 7 Bibliografia...

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cálculo de Sub-Redes www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Endereço IP Endereço IP = Identificador de Rede + Identificador de Host Obs.: Hosts com diferentes

Leia mais

Laboratório Firewall IPv6

Laboratório Firewall IPv6 Sobre a licença Para cada novo uso ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra. No caso de criação de obras derivadas, os logotipos do CGI.br, NIC.br, IPv6.br e

Leia mais

Prática DNS. Edgard Jamhour

Prática DNS. Edgard Jamhour Prática DNS Edgard Jamhour Exercícios práticos sobre DNS. Esse roteiro de prática inclui apenas aspectos básicos de configuração desses serviços. Apenas esses aspectos básicos é que serão cobrados em relatório.

Leia mais