Meliponicultura no Brasil Kalhil Pereira Joaquim Pífano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meliponicultura no Brasil Kalhil Pereira Joaquim Pífano"

Transcrição

1 Meliponicultura no Brasil Kalhil Pereira Joaquim Pífano Voltei a visitar o Blogue aliás, já o visito com um vício e interesse crescentes. De forma que as visitas me suscitaram uma curiosidade tal, a ponto de pedir ao amigo Kalhil França que me respondesse a uma série de questões que de alguma forma nos elucidassem acerca do mundo das Abelhas Sem Ferrão ou (ASF). Quais as espécies de ASF que se podem criar num meliponario? As diferenças / vantagens / desvantagens de cada espécie. Os meliponídeos são diferentes da Apis, cada espécie adapta-se melhor em certa região, como o Brasil possui dimensões continentais, nós temos muitas espécies de ASF, mas cada uma é específica de certo lugar, isto é, até um problema pois muitas florestas estão a ser destruídas sem nenhum controlo, existe uma abelha chamada Uruçu, uma das melhores ASF em termos comerciais, melhor até que as minhas Jandaíras pois produzem cerca de 8 a 12 litros de mel ano. Contudo, são típicas de floresta atlântica, são excelente polinizadoras e esta mesma floresta atlântica já vem há séculos a ser dizimada, restando poucos resquícios dessas florestas, assim as abelhas ficam restritas a esses restantes lugares, alguns exemplares foram introduzidos no Sertão, mas elas não se dão bem por aqui, pois precisam de floresta húmida para uma melhor sobrevivência, e aqui no sertão não é assim. (ninhos de Uruçu, grande produtora de pólen e mel)

2 A Uruçu (melipona scutellaris) possui muitas subespécies em muitos lugares do Brasil, mas a mais famosa e manejada em todo o país é a scutellaris, popularmente conhecida com Uruçu verdadeira. São bastante populares, chegam a ter colónias fortes com cerca de abelhas, em termos proporcionais produzem mais que a Apis. Não são agressivas, mas devido ao tamanho (tem o mesmo tamanho que a Apis) possuem quelíceras fortes e as picadas doem, em colónias fortes eu uso um capuz de apicultura. (Rainha fisiogástrica de Jandaíra sobre os discos, ritual de postura) (Caixa Modelo Nordestina, com colónia de Jandaíra) A Jandaíra (melipona subnitida) é uma das espécies mais criadas no Nordeste brasileiro, juntamente com a Uruçu (melipona scutellaris), eu tenho cerca de 300 caixas só de Jandaíra, estão espalhadas em 4 regiões distintas no município de Tabuleiro Grande - RN. Se pensa que tenho muita caixa, fique sabendo que existe um criador que é meu amigo, o Ezequiel, tem só de Jandaíra cerca de 2000 colónias, é isso mesmo, duas

3 mil!!! Chega a produzir em épocas de boa safra uma tonelada e meia de mel de Jandaíra, agora multiplique isso por R$ 60,00 por cada kg. Para ter uma ideia da importância que esta abelha proporciona, a chave que abre o meliponário dele é feita de ouro, tudo lá é de ouro, até a peneira que ele colhe o mel, também é de ouro 18. Um dia eu também chego lá. (Abelha Jandaíra, entrada na natureza, a sentinela sempre a postos para vigiar) São típicas da minha região e são as melhores nos maneios, principalmente por serem rústicas demais, não precisam de muitos cuidados e são extremamente resistentes a regiões desfavoráveis como a minha, contudo, não se dão bem em regiões de clima frio. Como tinha dito acima, cada abelha responde melhor ao seu habitat natural. São abelhas que possuem uma população que varia entre 700 a 1000 abelhas, são agressivas, em colónias fortes defendem com vigor a colónia quando manuseada, atacam picando o intruso. (Discos de cria de mandaçaia, preparação para desbobramento)

4 Outra abelha muito criada nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, são as Mandaçaias (melipona quadrifaciata, esta é abelha é muito interessante pois ela possui quatro subespécies: a melipona quadrifaciata quadriafaciata (mandaçaia verdadeira), a Melipona quadrifaciata anthidioides, a Melipona mandaçaia (esta é menor e típica da caatinga do Estado da Bahia), a quarta é um cruzamento entre as duas primeiras. (Quadrifaciata anthidioides (listras intermitentes), quadrifaciata quadrifaciata (contínuas)) A mandaçaia possui uma população que varia de 400 a 600 abelhas, produzem cerca de 600 ml a 700 ml de mel ano, são as mais dóceis, são patetas, quando abrimos a caixa, às vezes, elas ficam rondando-nos, mas na maioria das vezes procuram esconder-se entre os discos de cria, dá até pena da forma como elas se defendem. Uma característica marcante desta abelha é a formação de lamelas para encobrir os discos de cria, veja que não vê os discos de cria que foram cobertos por completo dois dias depois. (colónia recentemente criada de mandaçaia, discos cobertos)

5 Existem muitas outras meliponas, mas não posso falar de todas pois escreveria um livro, mas apenas para ilustrar temos a Guaraipo, típica do sul, temos a Rajada (melipona asivale) é a menor das meliponas, temos muitas outras... Falei apenas das mais famosas e mais criadas. Na Tribo dos meliponídeos, temos ainda as Trigonas, são abelhas menores, pequenas, algumas são tão pequenas que o seu ninho tem as dimensões de uma caixa de fósforo, as Ttrigonas mais famosas são Iraís (esta faz um canudo grande na entrada), Jataís (a mais famosa), moça branca (tem esse nome por que a ponta das asas são brancas), Irapúa (esta produz um mel horrível, não pode ser criada racionalmente e é destruidora, ela destrói as flores pois não colhe o néctar por cima, ela tora a base da flor e suga, ela é esperta, mas esse comportamento acaba por ser prejudicial para as plantas pois inviabiliza os frutos), Cupira (esta habita num ninho de cupim abandonado, por isso o seu nome, o mel também não é bom) Marmelada (esta é criada com facilidade, o mel pode ser consumido, o mel é concentrado), Iratim (abelha Limão) esta última merece um tópico à parte, existem muitas outras, outra interessante é Caga-fogo, esta quando manuseada na natureza defende-se expelindo no intruso uma secreção ácida que queima a pele, provoca um ardor horrível, temos ainda a abelha Cachorro (também conhecida com boca de sapo) é aquela que você chamou de Jandaíra e eu fiz a correcção, tem um comportamento interessante, ela quando manuseada defende-se muito, saem quase todas da caixa ao mesmo tempo, procuram enlouquecer o invasor com muitas picadas ao mesmo tempo. (A cima, do lado esquerdo a entrada das Tubibas, do lado direito, canudo de entrada das Iraís, em baixo entrada das Jataís, nas trigonas há muitas abelhas na entrada do ninho)

6 A Tubiba é uma abelha excelente, quase não produz mel, no máximo 200ml/ano, em compensação produz muito pólen, chega a produzir cerca de 8 quilos só de pólen, lembre-se que estamos a falar de uma abelha pequena, com cerca de 4 milímetros, com uma população de cerca de 5 mil indivíduos, são extremamente defensivas, esta abelha é pequena, mas não há como trabalhar com elas sem a roupa de protecção completa, não imagina o quanto ela é defensiva, são pretinhas e possuem uma boca muito forte, as picadas não chegam a doer mais devido à quantidade de abelhas em cima de nós, é preciso protecção, é mais criada no Maranhão e no Estado do Piauí. Dentro destas menores a mais famosa, e que há em todo o Brasil é a Jataí, a Jataí é bem pequena, mede aproximadamente 3 milímetros, o seu ninho tem aproximadamente entre a indivíduos, o seu mel é muito consumido no Sul do país, tem um sabor muito peculiar, meio azedo, é um pouco ácido, é um dos méis de ASF mais potentes, possui um teor bactericida cerca de 15 vezes mais forte que o mel comum da apis. Esta abelha produz o melhor geoprópolis, pois 90% é puramente resina natural, comparando com as meliponas em geral esse nível é cerca de 30%. É tida como a abelha de comportamento mais higiénico. Muito comum no sul do país, adapta-se a quase todo o tipo de clima. Com certeza ela dar-se-ia muito bem aí em Portugal. (Ninho de Jataís, lamelas cobrem os discos de cria, muitos potes de pólen e néctar) Agora deixe-me falar-lhe de uma abelha especial, esta é considerada pela maioria dos meliponicultores como nossa inimiga, é a abelha Iratim, também conhecida como abelha limão, esta abelha não colhe nada da natureza, ela é uma abelha agressiva, ataca as outras abelhas para saquear o mel, resinas e pólen, o seu mel é horrível, não pode ser consumido por nós, é muito populosa, chega a ter entre 3 a 4 mil indivíduos, precisam de ser assim pois como vivem de assaltos, em cada ataque que fazem muitas morrem durante as batalhas para roubar.

7 (Abelhas Iratins (abelha limão) atacando colónia de mandaçaia) Elas atacam qualquer ASF, são pequenas, medem mais ou menos cerca de 5 milímetros, esta abelha perdeu as corbíbulas no decorrer da sua evolução, pois deixaram de usar para passarem a roubar. São chamadas de abelha limão porque quando atacam elas emanam um cheiro cítrico de limão para bloquear os ferômonios de defesa das suas vítimas. Possui um sistema articuloso de ataque. A entrada da sua colónia parece um obra de arte, possui diversos túneis falsos para enganar os intrusos. Bem estas são as mais famosas, mas temos muitas outras... O mesmo criador tem mais que uma espécie? Pode, como falei eu mesmo tenho 9 espécies, mas tenho afectação pela Jandaíra por ser da minha região, mas tenho Mandaçaias (todas as subespécies), tenho Rajadas, Uruçus, Iraís, Tubibas, tenho Jataís, tenho Moça Branca, etc. (meliponários em vários lugares do Brasil)

8 O Ezequiel, meu amigo lá do Jardim Serído-RN, possui 16 espécies, ele é um dos maiores criadores do Brasil, e também um grande conhecedor da ASF. Qual a estrutura social das ASF? Rainha, obreiras, machos, etc... A estrutura social é parecida com a APIS, todas as colónias tem uma rainha Fisiogástrica (A Guaraipo é uma excepção, essa pode ter até 4 rainha activas, que trabalham em conjunto, normalmente), algumas centenas de obreiras, algumas dezenas de machos, contudo, como tudo nas ASF são especiais, nós temos espécies intermediárias, nós chamamo-las de obreiras rainhas ou rainhas obreiras, são abelhas que fazem a escolta da rainha e podem realizar diversas tarefas da rainha sob as suas ordens, podem até participar do ritual de postura colocando ovos férteis, que vão gerar crias obreiras, esta espécie é muito peculiar, pela aparência são muito parecidas com as obreiras comuns, só alguns detalhes fazem a diferença, elas possuem o dorso coberto por escamas de cera (o Cappas as chama de abelhas pangolins) o Pangolim é um réptil africano escamado, por isso a comparação. Tem um comportamento de posse sobre os discos de cria, algumas são inimigas da rainha, outras são amigas, muitas vezes podem até destronar a rainha, podem assumir a liderança da colónia e bloquear a rainha, impedindo a postura real, muitas vezes o meliponicultor tem que intervir. Como se reproduzem as colónias de Abelhas Sem Ferrão (ASF)? Isso depende se é Trigona ou se é Melipona, nas Trigonas o sistema é parecido com a da Apis, a formação da rainha é alimentar, quando a colónia está grande e precisa de enxamear as obreiras rainhas fazem umas realeiras, igual à da Apis, dessa realeiras nascerá uma princesa que deverá ser fecundada por um macho. Se for Melipona, a coisa é diferente, não há realeiras, a rainha é criada via genética, a rainha põem ovos reais, o mais interessante que nós não sabemos qual dos ovos é um real ou não, pois todos tem o mesmo tamanho, mais isso não é problemas pois 15% dos ovos postos são ovos reais, ela faz isso instintivamente, como a formação não é alimentar é preciso que estejam sempre a nascer princesas caso a rainha venha a morrer.

9 (retiramos os discos de cria mais claros para realizar uma divisão, são os mais velhos, com abelhas prestes a nascer, aproximadamente 10% são princesas) Nas caixas racionais podemos dividir os enxames até 4 vezes por ano. A divisão é simples, existe um tópico no meu blog de como fazer isso. Quais os principais cuidados para criar ASF? Cuidados ao instalar um meliponário... No geral os cuidados são poucos, no maneio é preciso ter cuidado com a manipulação dos discos de cria, são muito sensíveis, esmagam-se com facilidade, uma caixa mal fechada pode proporcionar a entrada de formigas, sarasas, forídeos (esse merece um tópico a parte). Devemos ficar atentos à quantidade alimento nas caixas, nunca deixando faltar alimento, sempre que necessário fornecer alimento artificial. (Abelhas no alimentador, é um prato de mesa com xarope a base de açúcar e vitaminas e alguns palitos de madeiras para elas não se afogarem)

10 Durante a instalação, observamos o espaço entre as caixas, isso depende muito de cada espécie, por exemplo, há espécies que podem ser criadas próximas umas das outras, exemplo, Jandaíras, Mandaçaias. Outras precisam de mais distância: Uruçu, Jataí... O meliponario deve obrigatoriamente ter sombra, sempre, pois elas são muito sensíveis ao sol, mesmo a Jandaíras que é típica de clima quente tem problemas se ficar exposta ao sol directo. Como são os diferentes tipos de colmeia? Compram-se? Constroem-se? As colmeias tem diferentes tipos, vários modelos, mas existe já um padrão (modelo INPA e o modelo Nordestino), que muda só as medidas, menor ou maior a depender do tamanho da abelha, até porque a estrutura dos ninhos é o mesmo, discos de cria separados, numa região e os potes de alimento em noutro lugar, todas as ASF fazem isso. (Caixa Modelo INPA pronta para ser habitada por Melipona, 4 compartimentos, este aí sou eu!!!) (Caixa modelo INPA desmontada)

11 Existem modelos mais avançados, são caixas que usam resistências eléctricas para possibilitar um melhor conforto térmico para abelhas de clima quente em regiões frias, tem sido revolucionário, pois há pessoas qie criam Jandaíras e Uruçu em regiões com -4ºC. (Sul do País) (Caixa com sistema de aquecimento, modelo INPA, usada no Sul do Brasil) Geralmente eu mando um marceneiro da minha confiança fazer, mas eu já fiz algumas no passado. Uma grande diferença das ASF da Apis e a entrada da colónia, nas ASF, existe um túnel de acesso ao interior do ninho que só passa uma abelha de cada vez, na entrada da caixa fica uma abelha parada (vigia), controla quem entra e quem sai, é muito engraçado, ela impede que as abelhas mais novas (que não sabem voar) saiam. Que flores utilizam para produzir mel? Que outros produtos se podem extrair alem do mel? Devido à diversidade de abelhas, que utilizam muitas flores, mas não procuram as plantas exóticas, a Jandaíra por exemplo é altamente selectiva, mesmo na sua região não colhe em todas as plantas, só para ter uma noção, aqui existe um arbusto espinhento que chamamos de Jurema, temos a Jurema branca e a Jurema preta, mas as Jandaíras só colhem na branca (elas são racistas, rsrs), é muito interessante por que as duas são parecidas, já cheguei a ver um facto interessante, no sítio há dois pés de Jurema um ao lado do outro, um branco e o outro preto, no Inverno todas florescem com muito vigor, mas elas só vão à branca.

12 (Época de chuvas e florada) (A mesma foto de cima, época de seca, no sertão do RN, quando é tempo de seca é seca mesmo, observe que o lago acima secou na foto abaixo!)

13 (Vegetação arbustiva e espinhosa, quando chega o Inverno esse mesmo deserto se transforma em uma explosão de vida, tudo floresce, época de fartura!!!) (Sertão na SECA, visão da casa dos meus avós)

14 (O mesmo lugar no período chuvoso, no Sertão quando chove tudo floresce e renasce) (Chuvas no Sertão) O mel de Jandaíra é o mais comercial, mais até que o da Uruçu, é delicioso, nem se compara com o mel da Apis, tem um sabor peculiar, na minha região tem sabor de amêndoas, tem um teor bactericida muito elevado, chega a ser 10 vezes mais forte que o da Apis, é medicinal e é usado muitas vezes puro sobre feridas e queimaduras.

15 (Olhe a beleza da cor do mel, é um dourado intenso, vivido, de sabor encantador) (Mel de Jandaíra já engarrafado e rotulado, pronto para venda) (esta garrafinha custa R$ 20,00, mais ou menos uns 7 euros)

16 Como se faz a extracção do mel? Como ele é armazenado em potes, usamos um sugador odontológico se for de grande quantidade, ou mesmo uma seringa descartável quando é nos méis das Trigonas, não se usa o sugador nas Trigonas por que o mesmo produz muitas bolhas neste mel. (Alguns amigos a colher mel de Uruçu amarela (mandory) com seringa) Produzem todo o ano ou só em determinados meses? Depende da espécie, mas a grande maioria produz em épocas específicas, as Jandaíras estão a produzir agora, vai de Abril a Julho. Por aqui é época de florada intensa, depois deste período, só no ano que vem, depois que passa Agosto eu tenho que alimentar nas caixas que extrai o mel. Que doenças afectam as ASF? Como combatem essas doenças? Não existem doenças catalogadas cientificamente, o mais próximo que posso comparar é somente os forídeos, que são mosquinhas que entram nas colónias mais fracas (sem guardas) ou nas colónias que foram manuseadas de maneira errada (retirada de mel de maneira errada, rompimento excessivo de potes de pólen, fecho mal feito da caixa, etc. O combate a esta mosca quando ela consegue entrar é fácil, é a base de vinagre de maçã, fazemos umas iscas para capturá-los, a isca é simples, é um copo fechado com um ou dois furos, em que só passam os forídeos, colocamos dentro da caixa, ele entra atraído pelo cheiro e não consegue sair mais, acaba morrendo afogado, quando a infestação é grande, trocamos a caixa das abelhas para nos livrar dos ovos postos nos potes de pólen e mel. Que predadores afectam as ASF? Como os afugentam? Os predadores são lagartixas, sapos, formigas doceiras (que querem roubar o mel), alguns pássaros, para afugentar usamos um óleo queimado na base de sustentação das caixas, para evitar a subida desses predadores, já contra os pássaros não há o que se fazer, mas eles comem somente algumas abelhas, não chegam a incomodar.

17 Como é o comercio do mel e outros produtos das ASF? Preços, embalagens, mercados... O comércio ainda tem muito que melhorar, a produção ainda é muito baixa, principalmente com o potencial que o País tem, mas para quem produz isso é uma vantagem pois a procura é muito grande, para ter uma ideia do que eu estou a falar, a minha produção deste ano já foi toda vendida no ano passado, tenho clientes a aguardar mel já para o próximo ano. Os preços variam de acordo com a região, no sul e sudeste o quilo pode chegar a R$ 100, R$ 120,00, por aqui, chega a R$ 50,00, R$ 60,00. (1 euro vale 3 reais, faça a conversão). Como é a convivência entre apicultores/meliponicultores Apis mellifera/ ASF's? É boa, geralmente é assim, o marido é apicultor e a mulher é meliponicultora, actualmente eu estou a assessorar uma ONG no Estado do Ceará, estamos a trabalhar num projecto de reintrodução da criação da Jandaíra em quatro comunidades, cada comunidade recebeu do meu meliponário 20 colónias e um curso básico de meliponicultor, o mais interessante é que 80% dos alunos são mulheres. Existem alguns entraves, muito se reclama, principalmente os ambientalistas que Apis mellifera estaria a matar muitos enxames de ASF (em épocas de escassez de alimento, a Apis invade colónias de ASF em busca de mel, é raro mas acontece, eu já perdi algumas colónias por isso, mas confesso que devido a erros meus, aberturas de caixa com derramamento de muito mel, o que atraí o comportamento de roubar da Apis. Na verdade meu amigo, o grande inimigo é o próprio homem que destrói a floresta nativa sem pena, veja a nossa Amazónia, que tem sido destruída há largos anos e ninguém por aqui faz nada. Existe algum tipo de apoio governamental ao sector da meliponicultura? Qual? E como? Não, não existe, raramente vemos alguma coisa a respeito, a meliponicultura ainda engatinha por aqui, até porque o que dá dinheiro para exportação e é muito mais comercial é o mel da Apis, recentemente, há poucos meses atrás, o governo federal criou uma lei que regulamenta a profissão de apicultor, esqueceram-se dos meliponicultores, e é por que as ASF são nativas...!!! Preferem cuidar das exóticas a cuidarem das suas próprias riquezas, coisas do Brasil. Talvez tenha esquecido algum aspecto importante... Sabia que as ASF do Brasil não fazem geleia real, é isso mesmo, não existe geleia real, o mel das ASF é tão poderoso que a rainha não precisa de um alimento especial, ela alimenta-se do mesmo mel que as obreiras comuns, a única diferença é que a rainha alimenta-se, também, de ovos alimentares de obreiras rainhas, são ovos inférteis postos única e exclusivamente para alimentação da rainha, esse ovos são compostos ricos em proteínas. Uma abelha demora em média 44 dias para nascer, o dobro da Apis, o macho demora 42, a princesa demora 40 dias. As células de cria são operculadas assim que a rainha põem o ovo, todo o alimento para o desenvolvimento da larva é posto momentos antes da rainha realizar a postura, só sendo aberto pelas obreiras para o nascimento das abelhas novas. O tempo de vida de uma obreira melipona pode chegar até aos 100 dias, os machos vivem um pouco mais 120, já a rainha pode viver até 5 anos. O mel da ASF, devido à maior concentração de água, fermenta com facilidade, assim que é colhido deve ser posto no frigorífico, este é um dos grandes impasses para exportação, o Jandaíra aguenta ficar fora do frigorífico, mas precisa de passar pelo processo de maturação ou congelamento para conseguir mais tempo.

MANDAÇAIA (arquivo feito a partir de apresentação de slides em power point)

MANDAÇAIA (arquivo feito a partir de apresentação de slides em power point) MANDAÇAIA (arquivo feito a partir de apresentação de slides em power point) Melípona Quadrifasciata Quadrifasciata Melípona Quadrifasciata Anthidióides Melípona Quadrifasciata Híbrida Melipona quadrifasciata

Leia mais

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA Maio de 2015 Patrocínio: LISTA DE FIGURAS Figura 1. Produtos da apicultura.... 4 Figura 2. Abelha Rainha.... 5 Figura 3. Operárias numa caixa de abelha.... 6 Figura 4. Zangões....

Leia mais

Jailson Bittencourt de Andrade Coordenador do projeto Pesquisando Kirimurê e da Rede Baías da Bahia

Jailson Bittencourt de Andrade Coordenador do projeto Pesquisando Kirimurê e da Rede Baías da Bahia Abelhas Abelha solitária: Mamangava (Xylocopa frontalis) Apresentação Em continuidade ao Estudo Multidisciplinar Baía de Todos os Santos (Projeto BTS), estão sendo realizadas investigações com foco nas

Leia mais

Curiosidades A Vida das Abelhas.

Curiosidades A Vida das Abelhas. Curiosidades A Vida das Abelhas. Se as abelhas desaparecessem da face da terra, a espécie humana teria somente mais 4 anos de vida. Sem abelhas não há polinização, ou seja, sem plantas, sem animais, sem

Leia mais

ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais

ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Meio-Norte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ABELHAS SEM FERRÃO

Leia mais

Manual de manejo de. abelhas sem ferrão. Astrid de Matos Peixoto Kleinert & Paulo César Fernandes

Manual de manejo de. abelhas sem ferrão. Astrid de Matos Peixoto Kleinert & Paulo César Fernandes Manual de manejo de abelhas sem ferrão Astrid de Matos Peixoto Kleinert & Paulo César Fernandes N. 001 Agosto/2007 Criação e manejo de abelhas indígenas sem ferrão pág. 05 Sumário Arquitetura dos ninhos

Leia mais

1- ABELHA JATAÍ. O que é isto? Isnar Marcil Carneiro responde:

1- ABELHA JATAÍ. O que é isto? Isnar Marcil Carneiro responde: 1- ABELHA JATAÍ. O que é isto? Isnar Marcil Carneiro responde: Uma de nossas colméias. Esta é diferente, construiu duas entradas. As que estão voando, são guardas. Muita gente diz que não está nem aí,

Leia mais

MANEJANDO AS ABELHAS. Vol. 2

MANEJANDO AS ABELHAS. Vol. 2 MANEJANDO AS ABELHAS Vol. 2 Expediente Projeto Abelhas Nativas Vol 2 Janeiro de 2007 Textos Viviane Cardoso Pires (Bióloga) Revisão Murilo Sérgio Drummond (Biólogo) Lenira de Melo Lacerda (Bióloga) Editoração

Leia mais

PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE

PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE TRBALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE EQUIPE RESPONSÁVEL: Juan farias / Gilvanio Benedito / Hidelberto TRINDADE PE 1 PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO,

Leia mais

embora sejam iguais, os genes das duas espécies estão espalhados distintamente intacta do DNA mitocondrial

embora sejam iguais, os genes das duas espécies estão espalhados distintamente intacta do DNA mitocondrial Apenas mil das 30 mil espécies de abelhas conhecidas no mundo formam colônias e sociedades organizadas - as demais vivem solitariamente ou em colônias de organização menos complexa. O modelo clássico de

Leia mais

!" "!#$%&! ' (& %()#' *& %)' )+,-&

! !#$%&! ' (& %()#' *& %)' )+,-& !" "!#$%&! ' (& %()#' *& %)' )+,-& (vista lateral) (vista superior) (órgão feminino - vista lateral) (órgão masculino) 1 &./*& %)' )+,-& 0É a transferência do pólen da antera para o estigma da flor. Pólen

Leia mais

MELIPONÍNEOS Prof. Breno Magalhães Freitas Parte do material extraído do CD-ROM A Vida das Abelhas

MELIPONÍNEOS Prof. Breno Magalhães Freitas Parte do material extraído do CD-ROM A Vida das Abelhas UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELIPONÍNEOS Prof. Breno Magalhães Freitas Parte do material extraído do CD-ROM A Vida das Abelhas FORTALEZA - 2003 Os

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões.

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões. Obtenção do Mel Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Abelhas

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

Custo de produção de mel: uma proposta para abelhas africanizadas e meliponíneos

Custo de produção de mel: uma proposta para abelhas africanizadas e meliponíneos o SÉRIE MELIPONICULTURA - N 02 Custo de produção de mel: uma proposta para abelhas africanizadas e meliponíneos Rogério Marcos de Oliveira Alves Bruno de Almeida Souza Carlos Alfredo Lopes de Carvalho

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

Produtos Sunyata Pon Lee

Produtos Sunyata Pon Lee Produtos Sunyata Pon Lee Sol, Terra, Água, Plantas, Flores, Néctar Abelhas, Colheita Seleção, Elaboração, Envase, Fusão da Natureza com o Trabalho Humano. Este é o produto Catálogo de Produtos: Extrato

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TRANSPORTE MIGRATÓRIO DE ABELHAS SEM FERRÃO. João Marcos Cardoso Alves dos Santos¹ Soraya Regina Sacco²

AVALIAÇÃO DO TRANSPORTE MIGRATÓRIO DE ABELHAS SEM FERRÃO. João Marcos Cardoso Alves dos Santos¹ Soraya Regina Sacco² AVALIAÇÃO DO TRANSPORTE MIGRATÓRIO DE ABELHAS SEM FERRÃO João Marcos Cardoso Alves dos Santos¹ Soraya Regina Sacco² ¹Aluno do Curso de Tecnologia em Agronegócio da FATEC Itapetininga. E-mail: joao_cardoso_alves@hotmail.com

Leia mais

Silêncio. O silêncio do campo

Silêncio. O silêncio do campo Silêncio O silêncio do campo OS DADOS PODEM SER COMPROVADOS PELAS FOTOS QUE MOSTRAM QUE INFELISMENTE ESSA É A OS DADOS PODEM SER COMPROVADOS PELAS FOTOS QUE MOSTRAM QUE INFELISMENTE ESSA É A MOGNO AFRICANO

Leia mais

A CRIAÇÃO RACIONAL DE ABELHAS NATIVAS - MELIPONICULTURA

A CRIAÇÃO RACIONAL DE ABELHAS NATIVAS - MELIPONICULTURA Apresentação Meliponicultura, Página 1 de 21 A CRIAÇÃO RACIONAL DE ABELHAS NATIVAS - MELIPONICULTURA Esta cartilha é uma adaptação de uma outra que resultou de um processo que começou a partir de uma solicitação

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Michelle Carlota GONÇALVES¹.; Gaby Patrícia TERÁN-ORTIZ².; Ezio Dornela GOULART²;Gustavo Lucas GONÇALVES³; ¹

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa

Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa o SÉRIE MELIPONICULTURA - N 07 Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa Bruno de Almeida Souza Carlos Alfredo Lopes de Carvalho Rogério Marcos de Oliveira Alves Carleandro de Souza Dias Lana Clarton

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

REALIZAÇÃO: COLABORAÇÃO: FOMENTO: CRÉDITOS DAS FOTOS:

REALIZAÇÃO: COLABORAÇÃO: FOMENTO: CRÉDITOS DAS FOTOS: REALIZAÇÃO: COLABORAÇÃO: CAMPUS SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA - AM Tunui Cachoeira FOMENTO: CRÉDITOS DAS FOTOS: Acervo Grupo de Pesquisas em Abelhas (GPA), Carlos Gustavo Nunes da Silva, Hélio Conceição Vilas-Boas,

Leia mais

Vespa velutina: A sua Situação em Portugal

Vespa velutina: A sua Situação em Portugal Vespa velutina: A sua Situação em Portugal Miguel Maia, Técnico Apícola da Associação Apícola Entre Minho e Lima (APIMIL) Nuno Amaro, Direção da Associação Apícola Entre Minho e Lima (APIMIL) Vila Nova

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA EMENTÁRIO:

Leia mais

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Wallber Carneiro Ferreira 1, Maria Climene Bezerra de Medeiros Almeida 2, Patrício Borges

Leia mais

Estão presentes no mundo

Estão presentes no mundo Apêndice C Fichas informativas elaboradas para exposição juntamente com os insetários Apis mellifera Ordem: Hymenoptera Família: APIDAE Gênero: Apis Abelha introduzida no Brasil, muito utilizada na produção

Leia mais

Métodos de monitorização da varroa nas colónias.

Métodos de monitorização da varroa nas colónias. Métodos de monitorização da varroa nas colónias. Filipe Nunes (Médico Veterinário, Hifarmax) Carlos Relva (Eng. Florestal e dos Recursos Naturais, Hifarmax) Na apicultura atual a monitorização e controlo

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Limpeza e desinfecção das colméias Importante para: - qualidade de vida das abelhas - boa produção

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

A Reprodução da Galinha

A Reprodução da Galinha A Reprodução da Galinha Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls A reprodução da galinha 2 Rascunho

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

XVIII SEMINARIO NORDESTINO DE PECUÁRIA

XVIII SEMINARIO NORDESTINO DE PECUÁRIA XVIII SEMINARIO NORDESTINO DE PECUÁRIA JOÃO LUIZ ALEIXO DA SILVA (LULA DO MEL) BIÓLOGO CRBIO: 19.365/5-D - PÓS-GRADUADO EM APICULTURA PÓS-GRADUADO EM SAÚDE PÚBLICA - MESTRANDO EM GESTÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS

Leia mais

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Esther Margarida Bastos Fundação Ezequiel Dias/ Belo Horizonte/ MG A apicultura é de fundamental

Leia mais

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios?

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios? CICLO DA ÁGUA 1. (ENEM-1998) O sol participa do ciclo da água, pois além de aquecer a superfície da Terra dando origem aos ventos, provoca a evaporação da água dos rios, lagos e mares. O vapor da água,

Leia mais

Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera

Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera Introdução As altas taxas de mortalidade de abelhas ocorridas nos últimos anos em Santa Catarina exigem uma nova

Leia mais

Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ

Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ Apicultor de Hoje Deve ser atualizar Cultivar Bons Hábitos Monitorar seu Desempenho Ser Organizado Preocupar-se com a Saúde das Abelhas Deve Anotar (POR ANO) - Mel (kg),

Leia mais

Caramulo 16 Junho 2012

Caramulo 16 Junho 2012 Caramulo 16 Junho 2012 Carlos Relva, Eng.º Florestal e dos Recursos Naturais www.hifarmax.com Nosemoses e Vitafeed GOLD Tel: 214571110 - info@hifarmax.com O que é a Hifarmax? Líder na área da sanidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº 36/2011-Reitoria/IFRN CONCURSO PÚBLICO GRUPO MAGISTÉRIO O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Treinamento Conservas de frutas 382

Treinamento Conservas de frutas 382 Para que haja boa conservação dos alimentos é importante que os produtos conservados mantenham suas qualidades nutritivas, seu aroma, sabor e que se eliminem as causas das alterações. As várias maneiras

Leia mais

"O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia"

O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia "O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia" Brixius, Leandro* Praticar a agricultura ecológica, como vem defendendo durante décadas, e continuar espalhando o conhecimento

Leia mais

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Geramos valor para a Natureza Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Simone Aguiar & Henrique Joaquim Agosto, 2014 MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Índice Agricultura

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Mudanças Climáticas Rodrigo Valle Cezar O que é o Clima O clima compreende os diversos fenômenos que ocorrem na atmosfera da Terra. Atmosfera é a região gasosa que envolve toda

Leia mais

Mel. Manual Tecnológico. de Abelhas sem Ferrão. Jerônimo Villas-Bôas

Mel. Manual Tecnológico. de Abelhas sem Ferrão. Jerônimo Villas-Bôas 3 Manual Tecnológico Mel de Abelhas sem Ferrão Jerônimo Villas-Bôas Manual Tecnológico Mel de Abelhas sem Ferrão Jerônimo Villas-Bôas 1 a edição Brasília, DF 2012 ISPN Autor: Jerônimo Villas-Bôas Comissão

Leia mais

CONHECENDO AS ABELHAS Prof. Breno Magalhães Freitas Parte do material extraído do CD-ROM A Vida das Abelhas

CONHECENDO AS ABELHAS Prof. Breno Magalhães Freitas Parte do material extraído do CD-ROM A Vida das Abelhas UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CONHECENDO AS ABELHAS Prof. Breno Magalhães Freitas Parte do material extraído do CD-ROM A Vida das Abelhas CONHECENDO

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi Cerrado em foco Ecossistema Pequi O Ecossistema é o conjunto formado por dois grandes grupos, os seres que tem vida e os que não tem. Tudo o que tem vida, é chamado de ser biótico. São as plantas, os animais,

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

A meliponicultura como fator de ecodesenvolvimento na Área de Proteção Ambiental da ilha de Santa Rita, Alagoas.

A meliponicultura como fator de ecodesenvolvimento na Área de Proteção Ambiental da ilha de Santa Rita, Alagoas. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 1 - Número 3-2001 A meliponicultura como fator de ecodesenvolvimento na Área de Proteção Ambiental da ilha de Santa Rita, Alagoas. RESUMO Júlio

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre os seres vivos. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2500-4

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre os seres vivos. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2500-4 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 3 Propostas de investigação sobre os seres vivos ISBN 978-111-11-2500-4 9 781111 125004 Introdução Todos os seres vivos estão bem adaptados aos locais

Leia mais

Os microsporídeos como a Nosema spp., que eram até há pouco tidos como protozoários, são agora classificados como fungos.

Os microsporídeos como a Nosema spp., que eram até há pouco tidos como protozoários, são agora classificados como fungos. Nosemose A Nosemose é causada pelo desenvolvimento de um de dois microsporídeos Nosema apis ou Nosema ceranae nas células da mucosa do intestino médio de abelhas adultas: obreiras, zângãos e rainhas. Os

Leia mais

Plano de luta contra a varroose

Plano de luta contra a varroose Plano de luta contra a varroose Página 1 de 13 1. Introdução A varroose é uma doença da abelha melífera Apis mellifera L. causada pelos haplotipos da Coreia e do Japão do ácaro Varroa destructor, cujos

Leia mais

Plano de Ação. Vespa velutina

Plano de Ação. Vespa velutina Plano de Ação Vespa velutina Foto - wikipedia Direção de Serviços de Proteção Animal Página 1 de 10 O plano de ação para a vespa velutina foi elaborado pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV)

Leia mais

MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha:

MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha: MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha: Os microorganismos estão por todo o lado. Nas nossas mãos e corpo, no ar, nos utensílios de cozinha e mesmo nos alimentos que ingerimos. O facto de os alimentos possuirem

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro CONTEÚDO: CAP. 1, 2 e 3 EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA Professora: Alexsandra Ribeiro 1. O esquema abaixo nos mostra como a vida está organizada no planeta. A complexidade da

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil

Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica Olinda - Pernambuco - Brasil SENDI 2008-06 a 10 de outubro Relocação de Colméias de Abelhas Meloponíneas nas Instalações Elétricas da Cemig

Leia mais

DIRETORIA DA CÁRITAS DIOCESANA DE ALMENARA:

DIRETORIA DA CÁRITAS DIOCESANA DE ALMENARA: Jequitinhonha - MG, maio de 2014 Realização: Patrocínio: Expediente DIRETORIA DA CÁRITAS DIOCESANA DE ALMENARA: DIRETOR PRESIDENTE: Jorge Rodrigues Pereira DIRETOR VICE PRESIDENTE: Adão Pereira dos Santos

Leia mais

A Abelha. 1. A Abelha. 1.1 Que abelhas são criadas no Brasil?

A Abelha. 1. A Abelha. 1.1 Que abelhas são criadas no Brasil? A Abelha 1. A Abelha 1.1 Que abelhas são criadas no Brasil? A espécie de abelha mais comum, criada no Brasil e no mundo inteiro é a Apis mellifera (o seu nome científico). Também são criadas aqui algumas

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Agora é guerra! Todos contra a dengue.

Agora é guerra! Todos contra a dengue. Agora é guerra! Todos contra a dengue. Sinal de alerta A dengue mata. Neste ano, em Minas Gerais, a doença já matou quase quatro vezes mais que no ano passado. 768 Municípios 20 Municípios Críticos 65

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

A vida vencendo desafios

A vida vencendo desafios A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ A vida vencendo desafios Atenção Os dois relatos que você vai ler agora se originaram de viagens a lugares bem diferentes. No primeiro texto, a viagem foi

Leia mais

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Wagner da Paz Andrade 1 ; Gustavo Haralampidou da Costa Vieira 2 1 Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

parque didático cactus-bongert

parque didático cactus-bongert parque didático cactus-bongert parque didático cactus-bongert A abelha Amélia, amiga do Yuppi, vive no pomar do Cactus. O Yuppi decidiu ir visitá-la, mas ao chegar viu que a colmeia se encontrava num grande

Leia mais

GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE

GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE Mais Mel é um programa, um conjunto de metodologias, com um conjunto de técnicas de gestão e transferência de tecnologias de produção, por meio de consultorias

Leia mais

Miniprojeto A joaninha

Miniprojeto A joaninha Miniprojeto A joaninha Objetivos didáticos que se trabalham no projeto 7 Conhecer o ciclo de vida das joaninhas e a sua relação com as estações. 7 Familiarizar-se com a morfologia da joaninha. 7 Utilizar

Leia mais

Blandina Felipe Viana Coordenadora da Rede POLINFRUT

Blandina Felipe Viana Coordenadora da Rede POLINFRUT Essa série de cartilhas, voltadas para estudantes do ensino fundamental, que tratam da importância dos serviços de polinização e de suas ameaças, foram produzidas pela equipe de estudantes e professores

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA

PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA Maria Luisa Teles Marques Florêncio Alves Zootecnista, Ms, PqC do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA marialuisa@apta.sp.gov.br Os grãos de pólen ou simplesmente pólen, são estruturas

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EVANGELIZAÇÃO

PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EVANGELIZAÇÃO SUGESTÕES DE ATIVIDADES Princípio Vital e Os Três Reinos 7 a 12 anos Extraidas da obra: PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EVANGELIZAÇÃO Volume I de Walter Oliveira Alves Editora: IDE 234 TRABALHANDO COM CRIANÇAS DE

Leia mais

BIOLOGIA E CRIAÇÃO DE ABELHAS SEM FERRÃO. Lucio Antonio de Oliveira Campos 1 e Rui Carlos Peruquetti 1,2

BIOLOGIA E CRIAÇÃO DE ABELHAS SEM FERRÃO. Lucio Antonio de Oliveira Campos 1 e Rui Carlos Peruquetti 1,2 BIOLOGIA E CRIAÇÃO DE ABELHAS SEM FERRÃO Lucio Antonio de Oliveira Campos 1 e Rui Carlos Peruquetti 1,2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 DESENVOLVIMENTO...2 DETERMINAÇÃO DE CASTA E SEXO... 4 ENXAMEAGEM... 5 FECUNDAÇÃO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA MANEJO RACIONAL DE COLÔNIAS DE MELIPONÍNEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA MANEJO RACIONAL DE COLÔNIAS DE MELIPONÍNEOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA MANEJO RACIONAL DE COLÔNIAS DE MELIPONÍNEOS HASSEIN MESQUITA BARROS Florianópolis - SC 2013 2 HASSEIN

Leia mais

Pão de banana e laranja

Pão de banana e laranja Pão de banana e laranja 4 colheres de sopa de suco de laranja (natural fica melhor) 200 ml de água 2 bananas pequenas e amassadas (você pode usar banana prata) 3 colheres de sopa de Mel 500 Gr de Farinha

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE MEL NAS REGIÕES DO ESTADO DO TOCANTINS

PRODUÇÃO DE MEL NAS REGIÕES DO ESTADO DO TOCANTINS PRODUÇÃO DE MEL NAS REGIÕES DO ESTADO DO TOCANTINS FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTA 4º SEMESTRE/NOTURNO DISCIPLINA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO ORIENTADO POR PROF. GIULLIANO

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

Criação de Rainhas: Quadros Articulados para Nucléolo e Alça Joaquim Pífano ADERAVIS

Criação de Rainhas: Quadros Articulados para Nucléolo e Alça Joaquim Pífano ADERAVIS Criação de Rainhas: Quadros Articulados para Nucléolo e Alça Joaquim Pífano ADERAVIS Como o prometido é devido lá fui visitar o amigo Vicente Furtado, movido pela saudade e pela curiosidade acerca da misteriosa

Leia mais

Zootecnia-Apicultura: uma Inter-relação para Estimular o Desenvolvimento Sustentável e a Segurança da Comunidade

Zootecnia-Apicultura: uma Inter-relação para Estimular o Desenvolvimento Sustentável e a Segurança da Comunidade Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Zootecnia-Apicultura: uma Inter-relação para Estimular o Desenvolvimento Sustentável e a Segurança

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

Agricultura biológica

Agricultura biológica As Comissão Europeia Agricultura e Desenvolvimento Rural www.organic-farming.europa.eu Quatro Estações Agricultura Biológica Livro de Actividades para Crianças Agricultura biológica Boa para a natureza,

Leia mais

Ademilson Espencer Egea Soares

Ademilson Espencer Egea Soares APLICAÇÃO DO MELHORAMENTO GENÉTICO EM APIÁRIOS COMERCIAIS Ademilson Espencer Egea Soares Depto. De Genética FMRPUSP Av. Bandeirantes, 3900 14.049-900 Ribeirão Preto, SP aesoares@fmrp.usp.br DRACENA, 7-8/06/2013

Leia mais

A SANIDADE APÍCOLA OU A INSANIDADE HUMAMA?...

A SANIDADE APÍCOLA OU A INSANIDADE HUMAMA?... A SANIDADE APÍCOLA OU A INSANIDADE HUMAMA?... Joaquim Pífano ADERAVIS Os apicultores mais velhos costumam contar que até à década de 1980 era muito raro morrer uma colónia de abelhas. Ao que parece, a

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets s O 6 s o i cíp Prin Bá s o sic o d o ét M o D r o n s i t u e G B Escrito por Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método Índice Quem

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2011. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE Eixo temático - Natureza amiga Disciplina/Valor Português 3,0 Matemática 3,0 Hist/Geo 3,0 Ciências

Leia mais