Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político. Maio de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político. Maio de 2012"

Transcrição

1 Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político Maio de

2 1. Aspecto geral sobre o trabalho de consulta 2. Alterações à metodologia para a constituição da Assembleia Legislativa em Alterações à metodologia paraaescolha do Chefe do Executivo em Aperfeiçoamento do regime de sufrágio indirecto da Assembleia Legislativa 2

3 1. Aspecto geral sobre o trabalho de consulta 1) cópias do documento de consulta distribuídas; 2) transferências de cópias (download) do documento de consulta através do sítio temático pelo público; 3) 220 mil panfletos de publicidade id d impressos e distribuídos a todas as residências por correios; 4) visitantes no sítio temático; 5) 10 sessões de consulta realizadas, nas quais estiveram presentes cidadãos, tendo 186 feito a sua intevenção. 3

4 6) Os dirigentes participaram em 40 actividades de consulta organizadas pelas instituições; 7) Os dirigentes ouviram as opiniões dos cidadãos em programas de televisão e da Rádio, assim como em actividades interactivas audiovisuais, através de internet; 8) Deslocações aos estabelecimentos tbl t de ensino para divulgar junto dos professores e alunos os conhecimentos sobre o desenvolvimento do sistema político, num total de 29 sessões. 9) Publicitação, i através da Rádio e da Estação de Teledifusão, de anúncios sobre o desenvolvimento dosistema político. 4

5 Foram recebidas um total de opiniões: entregues pessoalmente; apresentadas através da internet; ; 538 por correios; 227 apresentadas nas palestras; 69 por fax ; 41 pelo telefone. 5

6 2. Alterações à metodologia para a constituição da Assembleia Legislativa em 2013 Metodologia para a Constituição da Assembleia Legislativa 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (de 86,49%) entendem que devem ser aumentados 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto; 6

7 (6,68%) opiniões entendem que devem ser aumentados 4 deputados eleitos por sufrágio directo e reduzidos 4 deputados nomeados; opiniões entendem que devem ser aumentados 1 assentodedeputadoeleitoporsufrágiodirectoe1assento de deputado eleito por sufrágio indirecto; 590 opiniões entendem que devem ser aumentados 3 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e 3 deputados d eleitos lit por sufrágio fá idi indirecto; 573 opiniões entendem que devem ser aumentados 3 deputados eleitos por sufrágio directo e reduzidos 3 deputados nomeados; 7

8 506 opiniões entendem que devem ser aumentados 4 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo; 310 opiniões iiõ entendem que devem ser aumentados td 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e 1 assento de deputado eleito por sufrágio indirecto; 265 opiniões entendem que devem ser aumentados 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo; 8

9 As restantes opiniões com conteúdo relativamente disperso, incluindo, entre outras, a apresentação de um roteiro sobre o desenvolvimento do sistema político e a sua calendarização, fazendo com que todos os deputados ou a maioria deles passem a ser gradualmente eleitos por sufrágio directo. 9

10 2. Análises e conclusões A proposta sobre o aumento de 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e de 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto, obteve um amplo consenso social e corresponde inteiramente às disposições da Lei Básica, ao disposto na Interpretação e na Decisão do Comité Permanente da Assembleia Nacional. 10

11 Distribuiçãoib i de assentos de deputadosd eleitos por sufrágio indirecto a aumentar 1) Opiniões essenciais Foram rebecidas um total de opiniões: opiniões (69,4%) entendem que se devem acrescentar 1 assento de deputado no 3. º sector e 1 assento de deputado no 4.º sector; dos três assentos de deputados do 4.º sector, atribui-se, em conjunto, 1 assento aos sectores dos serviços sociais e educacional, e os restantes 2 assentos aos sectores cultural e desportivo; 11

12 opiniões iiõ (15,35%) entendem que deve ser mantida a disposição vigente; opiniões entendem que se devem distribuir os 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar aos sectores dos serviços sociais e profissional; opiniões entendem que se devem distribuir os 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar ao sector profissional; 12

13 1.227 opiniões entendem que se devem distribuir os 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar aos sectores dos serviços sociais, cultural, educacional e desportivo; Há ainda opiniões que entendem que a distribuição de assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar deve atender aos interesses dos jovens. 13

14 2. Análises e conclusões A proposta sobre a atribuição aos 3.º e 4.º sectores dos 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar, ou seja, aumentar adequadamente a representatividade das individualidades dos sectores profissional, dos serviços sociais e educacional na Assembleia Legislativa, obteve um amplo consenso social e corresponde ao princípio de uma participação equilibrada e ao desenvolvimento social mais recente. 14

15 3. Alterações à metodologia para a escolha do Chefe do Executivo em Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões iiõ (87,16%) entendem que o número de membros deve ser aumentado até 400; 15

16 opiniões iiõ (7,28%) entendem que o número de membros deve ser aumentado até 600; opiniões entendem que o número de membros deve ser aumentado até 450; 595 opiniões entendem que o número de membros deve ser aumentado até 500; 489 opiniões entendem que o número de membros deve ser aumentado até opiniões entendem que deve ser mantida a actual disposição de 300 membros opiniões apresentaram outras propostas, incluindo que o Chefe do Executivo deverá ser eleito por sufrágio universal, entre outras. 16

17 2) Análises e conclusões A proposta sobre o aumento do número de membros da Comissão Eleitoral até 400 obteve um amplo consenso social e corresponde inteiramente às disposições da Lei Básica, assim como ao disposto na Interpretação e na Decisão do CPAPN, sendo esta uma proposta p de preferência enraizada com base na realidade de Macau. 17

18 Distribuição de assentos dos membros da Comissão Eleitoral a aumentar 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (52,43%) propuseram a seguinte proposta: 18

19 Sectores industrial, comercial e financeiro Mais membros membros Sectores cultural, educacional, profissional e outros Mais membros membros Sectores do trabalho, serviços sociais, religião e outros Mais membros membros Representantes dos deputados à Assembleia Legislativa e dos membros dos órgãos municipais, deputados de Macau à Assembleia Popular Nacional e representantes dos membros de Macau no Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês 40 membros Mais 10 membros 19

20 opiniões (22,41%) propuseram a seguinte proposta. Sectores industrial, comercial e financeiro 100 membros Sectores cultural, educacional, profissional e outros 80 membros Sectores do trabalho, serviços sociais, religião e outros 80 membros Representantes dos deputados à Assembleia Legislativa e dos membros dos órgãos municipais, deputados de Macau à Assembleia Popular Nacional e representantes dos membros de Macau no Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês 40 membros Mais 25 Membros Mais 25 Membros Mais 25 Membros Mais 25 Membros 20

21 Há ainda um número reduzido de opiniões com outras propostas, incluindo as que propuseram a criação de sectores para jovens, mulheres, turismo, exposições, jogos de fortuna ou azar, entre outros. 21

22 2) Análises e conclusões A proposta sobre a distribuição dum maior número de membros da Comissão Eleitoral a aumentar aos sectores profissional, do trabalho, dos serviços sociais, permite melhor responder às solicitações de alargamento da participação política manifestadas por parte dos profissionais e das diversas camadas sociais recémestabelecidas. Além disso, esta proposta é a mais sustentada. 22

23 Alteração ao número de membros da Comissão Eleitoral necessário para a apresentação de proposituras de candidato ao cargo de Chefe do Executivo 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (77,04%) entendem que deve o número de membros necessário para a apresentação de proposituras de candidato ao cargo de Chefe do Executivo ser aumentado até 66; 23

24 opiniões (21,11%) entendem que se deve aumentar o número de membros necessário para a apresentação de proposituras de candidato ao cargo de Chefe do Executivo até 100; Registou-se um número reduzido de opiniões com propostas de um número de membros diferentes, ou de manutenção do actual número de 50 membros (932 opiniões). 24

25 2) Análises e conclusões Considera-se se adequada a proposta em que propôs que o número de membros da Comissão Eleitoral necessário para a apresentação de proposituras p de candidato ao cargo de Chefe do Executivo deve ser aumentado até 66, e se mantém a proporção p de propositura p de candidato de um sexto definida no Anexo I da Lei Básica. Além disso, esta proposta p é a mais sustentada. 25

26 Distribuição de assentos a aumentar de entre os subsectores da Comissão Eleitoral 1.Opiniões essenciais Foram apresentadas opiniões, abrangendo mais de 800 tipos de propostas com conteúdo disperso e variante, não podendo ser aqui todas elas elencadas. 26

27 2) Análises e conclusões As opiniões recolhidas são variantes e dispersas, o que dificulta o seu agrupamento. O Governo da RAEM, quando vai apreciar as opiniões recolhidas, procede, em simultâneo, a análises profundas, levando também em consideração as situações efectivas dos respectivos sectores. E, as propostas concretas serão elencadas na respectiva proposta de lei a apresentar à Assembleia Legislativa quando entrar na fase de iniciação do processo legislativo local. 27

28 4. Aperfeiçoamento do regime de sufrágio indirecto da Assembleia Legislativa Redução do limite percentual da constituição de comissões de candidatura 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (58,96%) entendem que se deve reduzir o limite percentual da constituição de comissões de candidatura para 20%. 28

29 opiniões (24,01%) entendem que se deve reduzir o limite percentual da constituição de comissões de candidatura para 5%; opiniões entendem que deve ser mantido o limite percentual de 25%; 49 opiniões entendem que se deve reduzir o limite percentual da constituição de comissões de candidatura para 10%. 29

30 2) Análises e conclusões Considera-se apropriada a proposta sobre a redução do limite percentual de 25% para 20% da constituição de comissões de candidatura do sufrágio indirecto, de modo a ficar em conformidade com o mesmo limite percentual de propositura previsto nas eleições dos membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo. Além disso, esta proposta é a mais sustentada. 30

31 Alargamento do número de votantes de pessoas colectivas 1. Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões : opiniões (59,08%) entendem que se deve alargar o número de votantes até 22; 31

32 opiniões (23,33%) entendem que se deve alargar o número de até 25; opiniões entendem que deve ser mantido o número de votantes, ou seja, 11 votantes. 32

33 2. Análises e conclusões Considera-se apropriada a proposta sobre o alargamento do número de votantes de pessoas colectivas para o dobro até 22, a fim de reforçar a representatividade e a participação democrática. Além disso, esta proposta é a mais sustentada. 33

34 Revisão do mecanismo de candidato automaticamente eleito 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (82,38%) subscrevem a revogação do mecanismo de candidato automaticamente eleito ; opiniões entendem que não se deve revogar o mecanismo de candidato automaticamente eleito. 34

35 2. Análises e conclusões Deve revogar o mecanismo de candidato automaticamente eleito, a fim de reflectir a integridade do acto eleitoral e aumentar a aceitabilidade de deputados eleitos. 35

36 F I M

Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político

Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político (O presente relatório encontra-se disponível em: http://www.cdm.gov.mo) Governo da Região Administrativa Especial de Macau Maio de

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Eleição da Direcção Aprovado em 16/07/2011 De harmonia com a Lei e com o disposto no nº 2 dos Estatutos do CAC, conjugado com os artºs 19º ao 23º,

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA Considerando o Relatório sobre os Trabalhos da Convenção sobre o Futuro da Europa e sobre o Projecto de Tratado que estabelece uma Constituição

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei nº 23/92 de 16 de Setembro LEI DE REVISÃO CONSTITUCIONAL As alterações à Lei Constitucional introduzidas em Março de 1991, através da Lei nº. 12/91 destinaram

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Orçamento Participativo da Escola Perguntas Respostas Regulamento Orçamento Participativo da Escola Os estudantes do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/ /17

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/ /17 REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/16 2016/17 Nota Justificativa: Com o objetivo de regular o processo eleitoral de eleição

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Agrupamento de Escolas José Estêvão Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Secção I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e procedimentos

Leia mais

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL João Albuquerque PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL (Ano Lectivo de 2010/2011) Faculdade de Direito da Universidade de Macau 2 CAPÍTULO I O POLÍTICO I A noção de Política em sentido

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento contém as normas a que se devem submeter as eleições para os órgãos sociais

Leia mais

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Por: Cremildo Paca Falar sobre as garantias legais de equilíbrio do direito de antena é um exercício desafiante.

Leia mais

Assembleia Nacional Popular

Assembleia Nacional Popular REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Assembleia Nacional Popular LEI N. º /20 A Assembleia Nacional Popular decreta, nos termos da alínea l) do artigo 86.º da Constituição o seguinte: LEI DA COMISSÃO NACIONAL DE

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

Abordagem à Necessidade de Manter a Constituição Actual da Assembleia Legislativa de Macau

Abordagem à Necessidade de Manter a Constituição Actual da Assembleia Legislativa de Macau Abordagem à Necessidade de Manter a Constituição Actual da Assembleia Legislativa de Macau LENG Tiexun* No Relatório das Linhas de Acção Governativa para o Ano Financeiro de 2012, o Chefe do Executivo

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o n.º 4 do artigo 190.º;

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o n.º 4 do artigo 190.º; Resolução da Assembleia da República n.º 17/2004 Aprova, para ratificação, a Decisão do Conselho de 25 de Junho e de 23 de Setembro de 2002, que altera o acto relativo à eleição dos representantes ao Parlamento

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da A.A.C.B. apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados efectivos e extraordinários no

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS. Artigo 1.º (Âmbito)

REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS. Artigo 1.º (Âmbito) REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento contém as normas a que se devem submeter as eleições para os órgãos sociais do Futebol

Leia mais

XVI CONGRESSO REGIONAL PARTIDO SOCIALISTA/AÇORES REGULAMENTO

XVI CONGRESSO REGIONAL PARTIDO SOCIALISTA/AÇORES REGULAMENTO XVI CONGRESSO REGIONAL PARTIDO SOCIALISTA/AÇORES REGULAMENTO SECÇÃO I NORMAS GERAIS Artigo 1º Local, data e Ordem de Trabalhos O XVI Congresso Regional do Partido Socialista/Açores, realiza-se na ilha

Leia mais

Cotas para mulheres?

Cotas para mulheres? Cotas para mulheres? Direito: PEC propõe alterar a Constituição Federal para que, nas eleições para Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas dos Estados, Câmara Legislativa do Distrito Federal e

Leia mais

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Portugiesisch Niedersächsischer Landeswahlleiter Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral REGULAMENTO ELEITORAL Representantes dos alunos no Conselho Geral 1 Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo eleitoral para a eleição dos representantes

Leia mais

Comissão de Atletas Regulamento

Comissão de Atletas Regulamento Comissão de Atletas Regulamento 1. Missão 1.1. A Comissão de Atletas do COB tem por missão representar os Atletas Olímpicos perante o COB, fortalecendo os laços de comunicação e interação entre as partes.

Leia mais

Candidatos. Aplicados. Disponíveis. Recrutamento interno. Na própria empresa Reais. Noutras empresas. externo. Potenciais. Reais. Reais.

Candidatos. Aplicados. Disponíveis. Recrutamento interno. Na própria empresa Reais. Noutras empresas. externo. Potenciais. Reais. Reais. RECRUTAMENTO Meios de recrutamento Candidatos Na própria empresa Reais Aplicados Noutras empresas Disponíveis Potenciais Reais Potenciais Recrutamento interno externo Potenciais Recrutamento Reais RECRUTAMENTO

Leia mais

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Exposição de motivos O Bloco de Esquerda tem desde sempre alertado

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA Artigo 1º Objecto 1º. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação Portuguesa de Petanca (adiante

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 A Comissão Eleitoral Discente do Curso de Direito da UFSM, composta nos termos do art. 45 e do Estatuto

Leia mais

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3 Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários (Financiamentos exclusivamente por Fundos Nacionais) índice Enquadramento... 2 Âmbito de Aplicação... 2 Logótipo da FCT... 3 Obrigações

Leia mais

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O O QUE É? O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.º ciclos

Leia mais

VALOR TOTAL RECEBIDO 347, ,74 PORTO ALEGRE

VALOR TOTAL RECEBIDO 347, ,74 PORTO ALEGRE VER. VALDIR LIMA DA SILVA RELATORIO DO CURSO XII Seminário de Mesas Diretoras e Comissões Encontro Preparativo de Instruções para a Mesa, vereadores, assessores e diretores com enfoque nas restrições eleitorais,

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

Assembleia da República. Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de CAPÍTULO I Disposições gerais

Assembleia da República. Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de CAPÍTULO I Disposições gerais Anexo 3 Assembleia da República Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de 2002 Publicado no Boletim da República Quinta-feira, 10 de Outubro de 2002, I SÉRIE Número 41 Havendo necessidade de introduzir alterações

Leia mais

Projecto de Regulamento de Apoio a Associações. Juvenis, Associações de Estudantes e Grupo de. Jovens do Concelho de Vila Nova de Famalicão

Projecto de Regulamento de Apoio a Associações. Juvenis, Associações de Estudantes e Grupo de. Jovens do Concelho de Vila Nova de Famalicão Projecto de Regulamento de Apoio a Associações Juvenis, Associações de Estudantes e Grupo de Jovens do Concelho de Vila Nova de Famalicão Preâmbulo Capítulo I -Definições e Objectivos Artigo 1.º - Definição

Leia mais

(Tradução) Interpelação. Quanto ao aumento das tarifas dos táxis, no passado dia 21 de Abril do

(Tradução) Interpelação. Quanto ao aumento das tarifas dos táxis, no passado dia 21 de Abril do (Tradução) Interpelação Quanto ao aumento das tarifas dos táxis, no passado dia 21 de Abril do corrente ano apresentei uma interpelação escrita ao Governo, com as seguintes três perguntas: 1. Sendo o transporte

Leia mais

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS ( Com a alteração constante do Parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra ) 23 DE NOVEMBRO

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO ROIZ DE CASTELO BRANCO

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO ROIZ DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO ROIZ DE CASTELO BRANCO Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do director do

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão para a Cultura, a Juventude, a Educação, os Meios de Comunicação Social e os Desportos 30 de Maio de 2001 PROVISÓRIO 2001/2086(COS) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o terceiro

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral, de acordo com o regime

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

CONVOCATÓRIA DA MESA DA ASSEMBLEIA ELEITORAL. Nos termos da Portaria S.R.E. Nº 110/95, de , conjugada com o Ofício

CONVOCATÓRIA DA MESA DA ASSEMBLEIA ELEITORAL. Nos termos da Portaria S.R.E. Nº 110/95, de , conjugada com o Ofício CONVOCATÓRIA DA MESA DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Nos termos da Portaria S.R.E. Nº 110/95, de 24-05-95, conjugada com o Ofício Circular D.R.A.E. 3/04, convoco a Assembleia eleitoral do Pessoal Docente para

Leia mais

Exmo. Senhor (Nome e morada)

Exmo. Senhor (Nome e morada) Exmo. Senhor (Nome e morada) Na sequência da reclamação apresentada em (data de apresentação da reclamação), do acto de processamento do seu vencimento, relativo ao mês de Janeiro de 2011, e em resposta

Leia mais

Orçamento Participativo da Freguesia de Castelo Branco

Orçamento Participativo da Freguesia de Castelo Branco I Âmbito A Freguesia de Castelo Branco, através do presente Orçamento Participativo (doravante designado OPFCB), pretende promover a cidadania ativa, através da participação dos cidadãos na escolha e definição

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO Escola Superior de Enfermagem REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO ESE, JANEIRO 2010 REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais

Definição como se transformam votos em poder

Definição como se transformam votos em poder Definição. Sistema eleitoral é o conjunto de regras que define como, em uma determinada eleição, o eleitor pode fazer suas escolhas e como os votos são contabilizados para serem transformados em mandatos.

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL. Do Agrupamento de Escolas Elias Garcia

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL. Do Agrupamento de Escolas Elias Garcia REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL Do Agrupamento de Escolas Elias Garcia Introdução Nos termos do artigo 15º do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de abril, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 137/2012,

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS Primeiro Subscritor Pedro Pestana Bastos pg. 2 PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Na história do CDS-PP inscreve-se o melhor dos trinta anos de

Leia mais

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Definição... 2 Natureza... 2 Sede... 2 Denominação... 2 Objecto... 2 Constituição... 3 Estatutos... 3 Inscrição no Registo Nacional de Clubes e Federações Desportivas...

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6

REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6 REGULAMENTO ELEITORAL Página 1 de 6 PARA OS CORPOS GERENTES DA CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS EVANGÉLICOS LUSO-BRASILEIROS REFERENTE AO MANDATO DE 2010/2014 Capítulo I (Objectivo, âmbito, composição e

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas REGIME JURÍDICO DE AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de Abril Maio de 2008 Disposições transitórias e finais (Cap. VIII) [artigos 60º-72º] Disposições transitórias Conselho

Leia mais

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S ÍNDICE Tabelas de Preferência Transitividade e Eliminação de Candidatos Movimentação das preferências individuais Transitividade Eliminação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA A MARCELO REBELO DE SOUSA Professor Catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa JOSÉ DE MELO ALEXANDRINO Assistente da Faculdade de Direito de Lisboa CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA ^ COMENTADA

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS (Aprovado na 8ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 5 de Março de 1997, na 3ª Reunião da 2ª Sessão Ordinária

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão de Curso

Regulamento Interno da Comissão de Curso Regulamento Interno da Comissão de Curso Janeiro 2013 TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS (1.º- 2.º) TÍTULO II VALIDADE E CONSTITUIÇÃO (3.º- 4.º) TÍTULO III - CANDIDATURA(5.º) TÍTULO IV ELEIÇÕES E DESTITUIÇÃO

Leia mais

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os

Leia mais

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo:

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: O SÁBADOS ACADÉMICOS destina-se aos Jovens que se encontram a frequentar as Escolas do Ensino Médio, em todo o Território Nacional Os candidatos aos SÁBADOS ACADÉMICOS

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do ensino secundário Quem orienta este programa na Escola?

Leia mais

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho 01. Quanto ao Congresso Nacional, considere: I. O número total de Deputados, bem como a representação por Estado e pelo Distrito Federal,

Leia mais

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DE ELEIÇÃO E DESIGNAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE BEJA Artigo 1.º Objeto 1 - O

Leia mais

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal Ex.mo. Sr. Presidente da Mesa da Assembleia Geral de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. Voto por Correspondência Postal Assembleia Geral Extraordinária de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. de 27 de Abril de

Leia mais

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015 A Escola Desportiva e Cultural de Gondomar vai, uma vez mais e pelo 18º ano consecutivo, em colaboração com a Câmara Municipal de Gondomar, levar a efeito o 18º. Torneio Concelhio de Futsal Sub-13 (Jovens

Leia mais

ABMS - Anexo 1. GUIA PARA ELEIÇÕES DE CONSELHEIROS E DIRETORIAS DE NÚCLEOS REGIONAIS E COMITÊS biênio

ABMS - Anexo 1. GUIA PARA ELEIÇÕES DE CONSELHEIROS E DIRETORIAS DE NÚCLEOS REGIONAIS E COMITÊS biênio ABMS - Anexo 1 GUIA PARA ELEIÇÕES DE CONSELHEIROS E DIRETORIAS DE NÚCLEOS REGIONAIS E COMITÊS biênio 2016-17 a) DISPOSITIVOS GERAIS a.1). O presidente eleito do Núcleo ou Comitê deverá ser associado representativo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 343/IX ESTABELECE REGRAS DE SEGURANÇA NO TRANSPORTE COLECTIVO DE CRIANÇAS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 343/IX ESTABELECE REGRAS DE SEGURANÇA NO TRANSPORTE COLECTIVO DE CRIANÇAS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 343/IX ESTABELECE REGRAS DE SEGURANÇA NO TRANSPORTE COLECTIVO DE CRIANÇAS Exposição de motivos Na legislação dispersa sobre transportes existem graves lacunas no que respeita ao transporte

Leia mais

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO B SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA (Texto de Apresentação Pública) O Projecto B comporta 195 artigos e os seus principais aspectos são

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS. Acto Eleitoral da Delegação da Ordem dos Advogados de Lamego Triénio

ORDEM DOS ADVOGADOS. Acto Eleitoral da Delegação da Ordem dos Advogados de Lamego Triénio Acto Eleitoral da Delegação da Ordem dos Advogados de Lamego Triénio 2011-2013 Nos termos do Artigo 56º, nos. 3 e do EOA convoco a Assembleia de Comarca para a eleição da Delegação da Ordem dos Advogados

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

Relatório da discussão e votação na especialidade

Relatório da discussão e votação na especialidade Proposta de Lei nº 32/III (3ª) Lei dos Sucos Relatório da discussão e votação na especialidade I. Introdução A PPL nº 32/III (3ª) foi submetida à Comissão A para discussão e votação na especialidade na

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro O Regulamento Geral de Estudos da Universidade de Aveiro, aprovado em, publicado no Diário da República

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Relatório e parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais à Proposta de Decreto Legislativo Regional - Aplicação à Região Autónoma dos Açores do Decreto-Lei nº 158/84, de 17 de Maio, que estabelece

Leia mais

Diretório Acadêmico de Letras Luiz Eurico Tejera Lisbôa Universidade Federal do Pampa Campus Bagé

Diretório Acadêmico de Letras Luiz Eurico Tejera Lisbôa Universidade Federal do Pampa Campus Bagé EDITAL DE ELEIÇÕES PARA OS CARGOS DA DIRETORIA EXECUTIVA DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE LETRAS LUIZ EURICO TEJERA LISBÔA - UNIPAMPA/BAGÉ A atual diretoria executiva do Diretório Acadêmico de Letras Luiz Eurico

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 4º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 4º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 4º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Eleição dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação para o Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira Aprovado pelo Conselho Geral em 24 de setembro de 2015

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO Capítulo I Objetivos, data e local de realização Artigo 1.º Objetivos O Congresso tem como objetivos pronunciar-se sobre o exercício da solicitadoria, sobre questões

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Curso: Pedagogia. Nova Serrana Outubro de 2015

REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Curso: Pedagogia. Nova Serrana Outubro de 2015 REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES Curso: Pedagogia Nova Serrana Outubro de 2015 Curso de Pedagogia - Licenciatura: Autorizado conforme Portaria 601 de 29/10/2014 DOU 210 de 30/10/2014 Seção

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL ENA - AGÊNCIA DE ENERGIA E AMBIENTE DA ARRÁBIDA REGULAMENTO ELEITORAL --------- --------- CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Artº 1º Constituição da Assembleia Eleitoral A

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

Versão 1.3 ( )

Versão 1.3 ( ) DIRECÇÃO GERAL DOS RECURSOS HUMANOS DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO RECRUTAMENTO DE PESSOAL DOCENTE PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) Versão 1.3 (02-03-05) 1. Inscrição Obrigatória 2. Candidatura Inteligente

Leia mais

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO REGULAMENTO Preâmbulo O III Acampamento do Núcleo Terras de Santa Maria, Região do Porto, CNE, é uma atividade da responsabilidade do Corpo Nacional de Escutas Junta Núcleo Terras de Santa Maria, com a

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 202/96, DE 23 DE OUTUBRO. Contém as seguintes alterações:

DECRETO-LEI N.º 202/96, DE 23 DE OUTUBRO. Contém as seguintes alterações: DECRETO-LEI N.º 202/96, DE 23 DE OUTUBRO Contém as seguintes alterações: - Decreto-Lei n.º 291/2009, de 12 de Outubro - Decreto-Lei n.º 174/97, de 19 de Julho - Republicação - Declaração de Rectificação

Leia mais

DEVEM SER ESCOLHIDOS ATRAVÉS DE AUDIÊNCIA PÚBLICA CONVOCADA POR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO

DEVEM SER ESCOLHIDOS ATRAVÉS DE AUDIÊNCIA PÚBLICA CONVOCADA POR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DAS INSTITUIÇÕES E/OU ASSOCIAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS E DA SOCIEDADE CIVIL, COM NOTÓRIA PARTICIAPÇÃO EM ATIVIDADES CULTURAIS PARA COMPOSIÇÃO

Leia mais

Novo Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior Governo e Gestão das Instituições e das Escolas Informação e Propostas da FENPROF

Novo Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior Governo e Gestão das Instituições e das Escolas Informação e Propostas da FENPROF Novo Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior Governo e Gestão das Instituições e das Escolas Informação e Propostas da FENPROF A pretexto da necessidade de modernização e de agilização do sistema

Leia mais

Curso: Administração

Curso: Administração REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES Curso: Administração Nova Serrana Fevereiro de 2017 Credenciada pelo MEC conforme Portaria 2.923 de 14/12/2001 DOU 2 de 18/12/2001 Seção 1 página 27. Recredenciamento

Leia mais

CRONOGRAMA DE REUNIÕES 2011

CRONOGRAMA DE REUNIÕES 2011 CRONOGRAMA DE REUNIÕES 2011 23.02 (4ª) / 09h 23.02 (4ª) / às 16h SOLENIDADE DE ABERTURA OFICIAL DOS TRABALHOS DA COMISSÃO 1- Disposições Preliminares Da Competência do Município 02.03 (4ª) / 16.03 (4ª)

Leia mais

CONCURSO ANUAL DE QUALIDADE DA SADC

CONCURSO ANUAL DE QUALIDADE DA SADC PROCEDIMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO ANUAL DE PRÉMIOS DE QUALIDADE DA SADC NÚMERO 1: JUNHO DE CONCURSO ANUAL DE QUALIDADE DA SADC PROCEDIMENTOS PARA A ATRIBUIÇÃO DE PRÉMIOS 1. PROPÓSITO: Estes prémios visam

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS Considerando que: a) nos termos do disposto no artigo 23º da

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA 15 de Outubro de 2009 Sr. as e Srs. Deputados: Como Presidente eleito da Assembleia da República,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO DO FUNDO DE FINANCIAMENTO PÚBLICO PARA A CAMPANHA E PROPAGANDA ELEITORAL DOS CONCORRENTES E PARTIDOS POLÍTICOS PROPONENTES

Leia mais

(Do Senhor Marcus Pestana)

(Do Senhor Marcus Pestana) PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Senhor Marcus Pestana) Dispõe sobre o sistema eleitoral para as eleições proporcionais, alterando a Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965 (Código Eleitoral), a Lei nº 9.096,

Leia mais