Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político. Maio de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político. Maio de 2012"

Transcrição

1 Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político Maio de

2 1. Aspecto geral sobre o trabalho de consulta 2. Alterações à metodologia para a constituição da Assembleia Legislativa em Alterações à metodologia paraaescolha do Chefe do Executivo em Aperfeiçoamento do regime de sufrágio indirecto da Assembleia Legislativa 2

3 1. Aspecto geral sobre o trabalho de consulta 1) cópias do documento de consulta distribuídas; 2) transferências de cópias (download) do documento de consulta através do sítio temático pelo público; 3) 220 mil panfletos de publicidade id d impressos e distribuídos a todas as residências por correios; 4) visitantes no sítio temático; 5) 10 sessões de consulta realizadas, nas quais estiveram presentes cidadãos, tendo 186 feito a sua intevenção. 3

4 6) Os dirigentes participaram em 40 actividades de consulta organizadas pelas instituições; 7) Os dirigentes ouviram as opiniões dos cidadãos em programas de televisão e da Rádio, assim como em actividades interactivas audiovisuais, através de internet; 8) Deslocações aos estabelecimentos tbl t de ensino para divulgar junto dos professores e alunos os conhecimentos sobre o desenvolvimento do sistema político, num total de 29 sessões. 9) Publicitação, i através da Rádio e da Estação de Teledifusão, de anúncios sobre o desenvolvimento dosistema político. 4

5 Foram recebidas um total de opiniões: entregues pessoalmente; apresentadas através da internet; ; 538 por correios; 227 apresentadas nas palestras; 69 por fax ; 41 pelo telefone. 5

6 2. Alterações à metodologia para a constituição da Assembleia Legislativa em 2013 Metodologia para a Constituição da Assembleia Legislativa 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (de 86,49%) entendem que devem ser aumentados 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto; 6

7 (6,68%) opiniões entendem que devem ser aumentados 4 deputados eleitos por sufrágio directo e reduzidos 4 deputados nomeados; opiniões entendem que devem ser aumentados 1 assentodedeputadoeleitoporsufrágiodirectoe1assento de deputado eleito por sufrágio indirecto; 590 opiniões entendem que devem ser aumentados 3 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e 3 deputados d eleitos lit por sufrágio fá idi indirecto; 573 opiniões entendem que devem ser aumentados 3 deputados eleitos por sufrágio directo e reduzidos 3 deputados nomeados; 7

8 506 opiniões entendem que devem ser aumentados 4 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo; 310 opiniões iiõ entendem que devem ser aumentados td 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e 1 assento de deputado eleito por sufrágio indirecto; 265 opiniões entendem que devem ser aumentados 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo; 8

9 As restantes opiniões com conteúdo relativamente disperso, incluindo, entre outras, a apresentação de um roteiro sobre o desenvolvimento do sistema político e a sua calendarização, fazendo com que todos os deputados ou a maioria deles passem a ser gradualmente eleitos por sufrágio directo. 9

10 2. Análises e conclusões A proposta sobre o aumento de 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio directo e de 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto, obteve um amplo consenso social e corresponde inteiramente às disposições da Lei Básica, ao disposto na Interpretação e na Decisão do Comité Permanente da Assembleia Nacional. 10

11 Distribuiçãoib i de assentos de deputadosd eleitos por sufrágio indirecto a aumentar 1) Opiniões essenciais Foram rebecidas um total de opiniões: opiniões (69,4%) entendem que se devem acrescentar 1 assento de deputado no 3. º sector e 1 assento de deputado no 4.º sector; dos três assentos de deputados do 4.º sector, atribui-se, em conjunto, 1 assento aos sectores dos serviços sociais e educacional, e os restantes 2 assentos aos sectores cultural e desportivo; 11

12 opiniões iiõ (15,35%) entendem que deve ser mantida a disposição vigente; opiniões entendem que se devem distribuir os 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar aos sectores dos serviços sociais e profissional; opiniões entendem que se devem distribuir os 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar ao sector profissional; 12

13 1.227 opiniões entendem que se devem distribuir os 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar aos sectores dos serviços sociais, cultural, educacional e desportivo; Há ainda opiniões que entendem que a distribuição de assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar deve atender aos interesses dos jovens. 13

14 2. Análises e conclusões A proposta sobre a atribuição aos 3.º e 4.º sectores dos 2 assentos de deputados eleitos por sufrágio indirecto a aumentar, ou seja, aumentar adequadamente a representatividade das individualidades dos sectores profissional, dos serviços sociais e educacional na Assembleia Legislativa, obteve um amplo consenso social e corresponde ao princípio de uma participação equilibrada e ao desenvolvimento social mais recente. 14

15 3. Alterações à metodologia para a escolha do Chefe do Executivo em Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões iiõ (87,16%) entendem que o número de membros deve ser aumentado até 400; 15

16 opiniões iiõ (7,28%) entendem que o número de membros deve ser aumentado até 600; opiniões entendem que o número de membros deve ser aumentado até 450; 595 opiniões entendem que o número de membros deve ser aumentado até 500; 489 opiniões entendem que o número de membros deve ser aumentado até opiniões entendem que deve ser mantida a actual disposição de 300 membros opiniões apresentaram outras propostas, incluindo que o Chefe do Executivo deverá ser eleito por sufrágio universal, entre outras. 16

17 2) Análises e conclusões A proposta sobre o aumento do número de membros da Comissão Eleitoral até 400 obteve um amplo consenso social e corresponde inteiramente às disposições da Lei Básica, assim como ao disposto na Interpretação e na Decisão do CPAPN, sendo esta uma proposta p de preferência enraizada com base na realidade de Macau. 17

18 Distribuição de assentos dos membros da Comissão Eleitoral a aumentar 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (52,43%) propuseram a seguinte proposta: 18

19 Sectores industrial, comercial e financeiro Mais membros membros Sectores cultural, educacional, profissional e outros Mais membros membros Sectores do trabalho, serviços sociais, religião e outros Mais membros membros Representantes dos deputados à Assembleia Legislativa e dos membros dos órgãos municipais, deputados de Macau à Assembleia Popular Nacional e representantes dos membros de Macau no Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês 40 membros Mais 10 membros 19

20 opiniões (22,41%) propuseram a seguinte proposta. Sectores industrial, comercial e financeiro 100 membros Sectores cultural, educacional, profissional e outros 80 membros Sectores do trabalho, serviços sociais, religião e outros 80 membros Representantes dos deputados à Assembleia Legislativa e dos membros dos órgãos municipais, deputados de Macau à Assembleia Popular Nacional e representantes dos membros de Macau no Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês 40 membros Mais 25 Membros Mais 25 Membros Mais 25 Membros Mais 25 Membros 20

21 Há ainda um número reduzido de opiniões com outras propostas, incluindo as que propuseram a criação de sectores para jovens, mulheres, turismo, exposições, jogos de fortuna ou azar, entre outros. 21

22 2) Análises e conclusões A proposta sobre a distribuição dum maior número de membros da Comissão Eleitoral a aumentar aos sectores profissional, do trabalho, dos serviços sociais, permite melhor responder às solicitações de alargamento da participação política manifestadas por parte dos profissionais e das diversas camadas sociais recémestabelecidas. Além disso, esta proposta é a mais sustentada. 22

23 Alteração ao número de membros da Comissão Eleitoral necessário para a apresentação de proposituras de candidato ao cargo de Chefe do Executivo 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (77,04%) entendem que deve o número de membros necessário para a apresentação de proposituras de candidato ao cargo de Chefe do Executivo ser aumentado até 66; 23

24 opiniões (21,11%) entendem que se deve aumentar o número de membros necessário para a apresentação de proposituras de candidato ao cargo de Chefe do Executivo até 100; Registou-se um número reduzido de opiniões com propostas de um número de membros diferentes, ou de manutenção do actual número de 50 membros (932 opiniões). 24

25 2) Análises e conclusões Considera-se se adequada a proposta em que propôs que o número de membros da Comissão Eleitoral necessário para a apresentação de proposituras p de candidato ao cargo de Chefe do Executivo deve ser aumentado até 66, e se mantém a proporção p de propositura p de candidato de um sexto definida no Anexo I da Lei Básica. Além disso, esta proposta p é a mais sustentada. 25

26 Distribuição de assentos a aumentar de entre os subsectores da Comissão Eleitoral 1.Opiniões essenciais Foram apresentadas opiniões, abrangendo mais de 800 tipos de propostas com conteúdo disperso e variante, não podendo ser aqui todas elas elencadas. 26

27 2) Análises e conclusões As opiniões recolhidas são variantes e dispersas, o que dificulta o seu agrupamento. O Governo da RAEM, quando vai apreciar as opiniões recolhidas, procede, em simultâneo, a análises profundas, levando também em consideração as situações efectivas dos respectivos sectores. E, as propostas concretas serão elencadas na respectiva proposta de lei a apresentar à Assembleia Legislativa quando entrar na fase de iniciação do processo legislativo local. 27

28 4. Aperfeiçoamento do regime de sufrágio indirecto da Assembleia Legislativa Redução do limite percentual da constituição de comissões de candidatura 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (58,96%) entendem que se deve reduzir o limite percentual da constituição de comissões de candidatura para 20%. 28

29 opiniões (24,01%) entendem que se deve reduzir o limite percentual da constituição de comissões de candidatura para 5%; opiniões entendem que deve ser mantido o limite percentual de 25%; 49 opiniões entendem que se deve reduzir o limite percentual da constituição de comissões de candidatura para 10%. 29

30 2) Análises e conclusões Considera-se apropriada a proposta sobre a redução do limite percentual de 25% para 20% da constituição de comissões de candidatura do sufrágio indirecto, de modo a ficar em conformidade com o mesmo limite percentual de propositura previsto nas eleições dos membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo. Além disso, esta proposta é a mais sustentada. 30

31 Alargamento do número de votantes de pessoas colectivas 1. Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões : opiniões (59,08%) entendem que se deve alargar o número de votantes até 22; 31

32 opiniões (23,33%) entendem que se deve alargar o número de até 25; opiniões entendem que deve ser mantido o número de votantes, ou seja, 11 votantes. 32

33 2. Análises e conclusões Considera-se apropriada a proposta sobre o alargamento do número de votantes de pessoas colectivas para o dobro até 22, a fim de reforçar a representatividade e a participação democrática. Além disso, esta proposta é a mais sustentada. 33

34 Revisão do mecanismo de candidato automaticamente eleito 1) Opiniões essenciais Foram recebidas um total de opiniões: opiniões (82,38%) subscrevem a revogação do mecanismo de candidato automaticamente eleito ; opiniões entendem que não se deve revogar o mecanismo de candidato automaticamente eleito. 34

35 2. Análises e conclusões Deve revogar o mecanismo de candidato automaticamente eleito, a fim de reflectir a integridade do acto eleitoral e aumentar a aceitabilidade de deputados eleitos. 35

36 F I M

Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político

Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político Relatório Final da Consulta sobre o Desenvolvimento do Sistema Político (O presente relatório encontra-se disponível em: http://www.cdm.gov.mo) Governo da Região Administrativa Especial de Macau Maio de

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Agrupamento de Escolas José Estêvão Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Secção I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral, de acordo com o regime

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento contém as normas a que se devem submeter as eleições para os órgãos sociais

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL João Albuquerque PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL (Ano Lectivo de 2010/2011) Faculdade de Direito da Universidade de Macau 2 CAPÍTULO I O POLÍTICO I A noção de Política em sentido

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Eleição dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação para o Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira Aprovado pelo Conselho Geral em 24 de setembro de 2015

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, O

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS

PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS Exposição de motivos O Provedor de Justiça tem por função

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral REGULAMENTO ELEITORAL Representantes dos alunos no Conselho Geral 1 Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo eleitoral para a eleição dos representantes

Leia mais

DEVEM SER ESCOLHIDOS ATRAVÉS DE AUDIÊNCIA PÚBLICA CONVOCADA POR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO

DEVEM SER ESCOLHIDOS ATRAVÉS DE AUDIÊNCIA PÚBLICA CONVOCADA POR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DAS INSTITUIÇÕES E/OU ASSOCIAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS E DA SOCIEDADE CIVIL, COM NOTÓRIA PARTICIAPÇÃO EM ATIVIDADES CULTURAIS PARA COMPOSIÇÃO

Leia mais

50 Anos Jogos Juvenis do Barreiro TORNEIO BASQUETEBOL 3 X 3

50 Anos Jogos Juvenis do Barreiro TORNEIO BASQUETEBOL 3 X 3 REGULAMENTO 1 Introdução 50 Anos Jogos Juvenis do Barreiro TORNEIO BASQUETEBOL 3 X 3 2014 O 3x3 (pronunciado 3 por 3), e anteriormente conhecido como FIBA 33, é uma versão formalizada do basquetebol de

Leia mais

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3 Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários (Financiamentos exclusivamente por Fundos Nacionais) índice Enquadramento... 2 Âmbito de Aplicação... 2 Logótipo da FCT... 3 Obrigações

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Definição... 2 Natureza... 2 Sede... 2 Denominação... 2 Objecto... 2 Constituição... 3 Estatutos... 3 Inscrição no Registo Nacional de Clubes e Federações Desportivas...

Leia mais

CRONOGRAMA DE REUNIÕES 2011

CRONOGRAMA DE REUNIÕES 2011 CRONOGRAMA DE REUNIÕES 2011 23.02 (4ª) / 09h 23.02 (4ª) / às 16h SOLENIDADE DE ABERTURA OFICIAL DOS TRABALHOS DA COMISSÃO 1- Disposições Preliminares Da Competência do Município 02.03 (4ª) / 16.03 (4ª)

Leia mais

MONARQUIA CONSTITUCIONAL Sinopse da Legislação Eleitoral

MONARQUIA CONSTITUCIONAL Sinopse da Legislação Eleitoral MONARQUIA CONSTITUCIONAL Sinopse da Legislação Eleitoral Legislação Instruções 31 de Outubro de 1820 Instruções 22 de Novembro de 1820 graus em três graus Todos os chefes de família podem votar nas primeiras

Leia mais

Equiparação a Bolseiro

Equiparação a Bolseiro Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Equiparação a Bolseiro Regulamento Preâmbulo Face ao disposto no artigo 29º- A do Decreto-Lei nº 207/2009, de 31 de Agosto - Estatuto da Carreira do Pessoal Docente

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ DO II CONGRESSO DE ANDEBOL DE ESPINHO

REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ DO II CONGRESSO DE ANDEBOL DE ESPINHO 1 REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ DO II CONGRESSO DE ANDEBOL DE ESPINHO No âmbito do II Congresso de Andebol de Espinho, a organização decidiu criar um espaço para elaboração e apresentação de um cartaz

Leia mais

CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE

CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE REGULAMENTO Artigo 1º Instituição e finalidade 1. O presente regulamento define as normas que regem a edição do Concurso Literário Colégio de Alfragide, através

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015, DE Dá nova redação aos arts. 45 e 46 da Constituição Federal para reduzir o número de membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. As Mesas da Câmara

Leia mais

MENSAGEM N o 924, DE 2005

MENSAGEM N o 924, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 924, DE 2005 Submete ao Congresso Nacional os textos do Protocolo Facultativo ao Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos,

Leia mais

TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI

TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI Ficha n.º 4 TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalhador-Estudante Trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Exposição de motivos O Bloco de Esquerda tem desde sempre alertado

Leia mais

Processo Eleitoral Associação de Estudantes

Processo Eleitoral Associação de Estudantes Escola Profissional de Trancoso A Formar Profissionais desde 1989 Av. Rainha Santa Isabel 6420-077 Trancoso NIF: 504593447 Tel: 271829133/130 Fax: 271829138 e-mail: info@ept.pt www.ept.pt Processo Eleitoral

Leia mais

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S ÍNDICE Tabelas de Preferência Transitividade e Eliminação de Candidatos Movimentação das preferências individuais Transitividade Eliminação

Leia mais

Concurso: Determinantes da vitimização em São Paulo ao longo do tempo

Concurso: Determinantes da vitimização em São Paulo ao longo do tempo Concurso: Determinantes da vitimização em São Paulo ao longo do tempo CPP Centro de Políticas Públicas São Paulo, 2010 Centro de Políticas Públicas (CPP) O CPP é um centro de pesquisas voltado para a produção

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR A MINHA ESCOLA ADOTA: UM MUSEU, UM PALÁCIO, UM MONUMENTO

REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR A MINHA ESCOLA ADOTA: UM MUSEU, UM PALÁCIO, UM MONUMENTO REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR A MINHA ESCOLA ADOTA: UM MUSEU, UM PALÁCIO, UM MONUMENTO O concurso escolar A minha escola adota um museu, um palácio, um monumento... é uma iniciativa promovida conjuntamente

Leia mais

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Por: Cremildo Paca Falar sobre as garantias legais de equilíbrio do direito de antena é um exercício desafiante.

Leia mais

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015 A Escola Desportiva e Cultural de Gondomar vai, uma vez mais e pelo 18º ano consecutivo, em colaboração com a Câmara Municipal de Gondomar, levar a efeito o 18º. Torneio Concelhio de Futsal Sub-13 (Jovens

Leia mais

CONVOCATÓRIA DA MESA DA ASSEMBLEIA ELEITORAL. Nos termos da Portaria S.R.E. Nº 110/95, de , conjugada com o Ofício

CONVOCATÓRIA DA MESA DA ASSEMBLEIA ELEITORAL. Nos termos da Portaria S.R.E. Nº 110/95, de , conjugada com o Ofício CONVOCATÓRIA DA MESA DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Nos termos da Portaria S.R.E. Nº 110/95, de 24-05-95, conjugada com o Ofício Circular D.R.A.E. 3/04, convoco a Assembleia eleitoral do Pessoal Docente para

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

REFLEXOS DA REFORMA POLÍTICA NAS ELEIÇÕES DE 2016

REFLEXOS DA REFORMA POLÍTICA NAS ELEIÇÕES DE 2016 REFLEXOS DA REFORMA POLÍTICA NAS ELEIÇÕES DE 2016 Dr. Felipe Ferreira Lima Diretor do Instituto Egídio Ferreira Lima 1. Introdução: O debate sobre a Reforma Política no Brasil 2. Registro de Candidatura

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática Regulamento Eleitoral para a Eleição dos Órgãos Sociais da CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Assembleia Eleitoral 1 Em cumprimento do disposto no capítulo sétimo dos Estatutos da Associação de

Leia mais

A Comissão Especial, no uso de suas atribuições agendou os seguintes debates, como parte do processo eleitoral. a) Dia 16 de março de 2016

A Comissão Especial, no uso de suas atribuições agendou os seguintes debates, como parte do processo eleitoral. a) Dia 16 de março de 2016 1 NORMAS DE DEBATE ENTRE OS CANDIDATOS REGULARMENTE INSCRITOS PARA A CONSULTA À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA VISANDO A ESCOLHA DE REITOR E VICE-REITOR PARA O PERÍODO DE 2016-2020 Estabelece normas referentes

Leia mais

(Tradução) Interpelação. Quanto ao aumento das tarifas dos táxis, no passado dia 21 de Abril do

(Tradução) Interpelação. Quanto ao aumento das tarifas dos táxis, no passado dia 21 de Abril do (Tradução) Interpelação Quanto ao aumento das tarifas dos táxis, no passado dia 21 de Abril do corrente ano apresentei uma interpelação escrita ao Governo, com as seguintes três perguntas: 1. Sendo o transporte

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6

REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6 REGULAMENTO ELEITORAL Página 1 de 6 PARA OS CORPOS GERENTES DA CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS EVANGÉLICOS LUSO-BRASILEIROS REFERENTE AO MANDATO DE 2010/2014 Capítulo I (Objectivo, âmbito, composição e

Leia mais

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L Mapa de Pessoal para o Ano de 0 - artigos 4.º e 5.º da Lei n.º -A/008 Unidades s/subunidades s Cargo/carreira /categoria Chefe de divisão - Dirigente intermédio

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS. Acto Eleitoral da Delegação da Ordem dos Advogados de Lamego Triénio

ORDEM DOS ADVOGADOS. Acto Eleitoral da Delegação da Ordem dos Advogados de Lamego Triénio Acto Eleitoral da Delegação da Ordem dos Advogados de Lamego Triénio 2011-2013 Nos termos do Artigo 56º, nos. 3 e do EOA convoco a Assembleia de Comarca para a eleição da Delegação da Ordem dos Advogados

Leia mais

UNTA-CONFEDERAÇÃO SINDICAL COMUNICADO FINAL

UNTA-CONFEDERAÇÃO SINDICAL COMUNICADO FINAL 1 UNTA-CONFEDERAÇÃO SINDICAL IV CONFERÊNCIA DO COMITÉ NACIONAL DA MULHER SINDICALIZADA COMUNICADO FINAL Aos dias 21 do mês de Setembro de 2015, realizou-se na sala de Reuniões do Futungo II, a IV Conferência

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. Comissão de Produção Científica (CPC)

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. Comissão de Produção Científica (CPC) PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Comissão de Produção Científica (CPC) Edital n 4 /2016 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO PARA OBTENÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ANO LETIVO

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e PORTARIA Nº 01/2011 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o processo de matrícula/2012 dos alunos nas Unidades Escolares Municipais - UEM e organização do período letivo de ensino 2012 no município de

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL. Do Agrupamento de Escolas Elias Garcia

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL. Do Agrupamento de Escolas Elias Garcia REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL Do Agrupamento de Escolas Elias Garcia Introdução Nos termos do artigo 15º do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de abril, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 137/2012,

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República Federal da Nigéria (doravante denominados Partes Contratantes);

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República Federal da Nigéria (doravante denominados Partes Contratantes); ACORDO DE COOPERAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA NIGÉRIA O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da ACBI apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados

Leia mais

Concursos de Principais alterações face a João Carreira

Concursos de Principais alterações face a João Carreira Concursos de 2014 Principais alterações face a 2013 João Carreira Que novos concursos são lançados hoje? São lançados 6 concursos: 2 Concursos de 2014: Principais alterações face a 2013 TIPOLOGIAS DE PROJETO:

Leia mais

FAMA Investimentos Ltda. Política de Rateio e Divisão de Ordens

FAMA Investimentos Ltda. Política de Rateio e Divisão de Ordens FAMA Investimentos Ltda. Política de Rateio e Divisão de Ordens 1. Introdução Faz parte da cultura ética e profissional da FAMA Investimentos Ltda. ( FAMA ) conduzir a carteira de investimento e a alocação

Leia mais

Versão 1.3 ( )

Versão 1.3 ( ) DIRECÇÃO GERAL DOS RECURSOS HUMANOS DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO RECRUTAMENTO DE PESSOAL DOCENTE PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) Versão 1.3 (02-03-05) 1. Inscrição Obrigatória 2. Candidatura Inteligente

Leia mais

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições:

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições: Concurso para Director (a) Agrupamento Vertical de escolas de ferreira de Aves Procedimento concursal: 1 Nos termos do disposto nos artigos 21.º e 22.º, do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, e da

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau1 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU I O Grau I corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador desportivo.

Leia mais

YOuR PROJECT NA ÁREA DO CANCRO DA MAMA METASTÁTICO

YOuR PROJECT NA ÁREA DO CANCRO DA MAMA METASTÁTICO YOuR PROJECT NA ÁREA DO CANCRO DA MAMA METASTÁTICO 2016 O Programa YOuR Project (Young Oncologists Research Project) desenvolvido pela Sociedade Portuguesa de Oncologia em 2016, com o apoio da Novartis,

Leia mais

Projecto de regulamentação sobre política de investimento e composição e avaliação dos activos dos fundos de pensões

Projecto de regulamentação sobre política de investimento e composição e avaliação dos activos dos fundos de pensões RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N. o 5/2007 Projecto de regulamentação sobre política de investimento e composição e avaliação dos activos dos fundos de pensões 28 de Junho de 2007 O Instituto de Seguros

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

NORMATIVO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO AVINTES IDEIAS 2016 DA FREGUESIA DE AVINTES

NORMATIVO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO AVINTES IDEIAS 2016 DA FREGUESIA DE AVINTES NORMATIVO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO AVINTES 2016- IDEIAS 2016 DA FREGUESIA DE AVINTES Introdução O Orçamento Participativo Avintes 2016 IDEIAS 2016, adiante designado por IDEIAS, é uma iniciativa da Junta

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE OLIVAIS. Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz

JUNTA DE FREGUESIA DE OLIVAIS. Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz Introdução Considerando a importância do papel das instituições públicas na promoção e apoio das artes e da cultura, nomeadamente da literatura e da ilustração

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE VILA DO PORTO

JUNTA DE FREGUESIA DE VILA DO PORTO ANEXO II Formulário de candidatura a Contrato-Programa A preencher pela Junta de Freguesia DATA DE ENTRADA / / A preencher pela Junta de Freguesia DELIBERAÇÃO DA JUNTA: APROVADO NÃO APROVADO DATA / / ASSINATURA

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

Constituição da República Portuguesa Comemoração do 40º Aniversário (2 de abril abril 2016)

Constituição da República Portuguesa Comemoração do 40º Aniversário (2 de abril abril 2016) Normas de Participação Introdução Mais de 32 mil palavras de Liberdade é um concurso organizado pela Câmara Municipal do Seixal, no ano em que se celebra o 40º Aniversário da (2 de abril de 1976 2 de abril

Leia mais

DDS - A CIPA e a NR - 5. DDS Diálogo Diário de Segurança: A CIPA e a NR-5

DDS - A CIPA e a NR - 5. DDS Diálogo Diário de Segurança: A CIPA e a NR-5 1 DDS - A CIPA e a NR - 5 DDS Diálogo Diário de Segurança: A CIPA e a NR-5 DDS - A CIPA e a NR - 5 A CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA ALUNOS INGRESSANTES A PARTIR DE 1S/2009

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA ALUNOS INGRESSANTES A PARTIR DE 1S/2009 FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA ALUNOS INGRESSANTES A PARTIR DE 1S/2009 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Regimento Geral da Unimep,

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

Concurso de Bandas de Garagem do Município de Ílhavo 2011

Concurso de Bandas de Garagem do Município de Ílhavo 2011 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Concurso de Bandas de Garagem do Município de Ílhavo 2011 Preâmbulo O Concurso de Bandas de Garagem, promovido pela Câmara Municipal de Ílhavo, tem como objectivo principal proporcionar

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO O Ministério de Educação, nos últimos três anos, vem construindo uma concepção educacional tendo em vista a articulação dos níveis e modalidades de ensino,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE EUSKADI

DECLARAÇÃO DE EUSKADI DECLARAÇÃO DE EUSKADI As Presidentas e os Presidentes que participam na XII Conferência das Assembleias Legislativas Regionais Europeias, celebrada em Euskadi no dias 3 e 4 de Novembro. (Lista dos assinantes

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias.

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. LEI MUNICIPAL N 013/97 SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais aprovou e eu, Geraldo

Leia mais

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS Com o objetivo de auxiliar no preenchimento deste documento de Manifestação de Interesse, o Centro de Agricultura

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo Artigo 1.º Participação Artigo 2.º Escalões Etários Artigo 3.º Constituição das Equipas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define o processo eleitoral dos membros do Conselho Geral referido nos artigos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU OBSERVATÓRIO

Leia mais

Concurso Um postal vale mil ideias REGULAMENTO

Concurso Um postal vale mil ideias REGULAMENTO Concurso Um postal vale mil ideias REGULAMENTO 1. DESTINATÁRIOS O Concurso dirige-se aos/às alunos/as dos 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário. 2. PARTICIPAÇÃO / INSCRIÇÃO 2.1. A participação

Leia mais

Glossário. Apuramento de votos é a contabilização dos votos feita na mesa da assembleia de voto.

Glossário. Apuramento de votos é a contabilização dos votos feita na mesa da assembleia de voto. ANEXO Glossário Para efeitos da presente Lei, entende-se por: A Abertura da assembleia de voto é o procedimento através do qual o presidente da mesa de assembleia de voto, em cumprimento das directivas

Leia mais

DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ. Artigo 1.º (Alteração do Código Penal) Artigo 142.

DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ. Artigo 1.º (Alteração do Código Penal) Artigo 142. DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA Artigo 1º Objecto 1º. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação Portuguesa de Petanca (adiante

Leia mais

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Regulamento Concurso de Ideias para REGULAMENTO a Criação de Empresas EIBTnet 1 Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Artigo 1.º Promotor/Fins/Prazo 1. A NET - Novas Empresas e Tecnologias,

Leia mais

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 O Diretor da Faculdade de Tecnologia de São Roque no uso de suas atribuições legais torna público que estão abertas as inscrições para participação

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 324, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 324, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 324, DE 2010 Atualiza o valor da contribuição sindical anual dos agentes ou trabalhadores autônomos e dos profissionais liberais, bem como sobre a forma de correção.

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º (Objecto)

REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º (Objecto) REGULAMENTO ELEITORAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) 1. O regulamento eleitoral, adiante designado por regulamento, estabelece, ao abrigo do disposto no artigo 25.º dos estatutos, o

Leia mais

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória Atividade de treino e competição nos escalões de formação Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas de

Leia mais

Da baixa do caminhão

Da baixa do caminhão PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 44.332 DE 16 DE AGOSTO DE 2013 DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS ADICIONAIS NECESSÁRIOS AO CUMPRIMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO, RENOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FROTA

Leia mais

TecnoFacens Maratona de Desenvolvimento de Jogos

TecnoFacens Maratona de Desenvolvimento de Jogos TecnoFacens 2016 Maratona de Desenvolvimento de Jogos Maratona de Desenvolvimento de Jogos I. Natureza do Concurso A "Maratona de Desenvolvimento de Jogos da FACENS" é um concurso técnico e cultural, que

Leia mais

O Regulamento de Inscrição prevê que o candidato a inscrição na OA, no âmbito do processo de admissão por estágio, frequente obrigatoriamente:

O Regulamento de Inscrição prevê que o candidato a inscrição na OA, no âmbito do processo de admissão por estágio, frequente obrigatoriamente: REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO O actual modelo da formação de apoio ao estágio de admissão à Ordem dos Arquitectos (OA) resulta da implementação do REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO (RI), aprovado em 12 de Setembro de

Leia mais

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL De acordo com o Plano Estratégico apresentado ao Conselho Geral da Universidade da Madeira (UMa) ficou estabelecida a constituição de um Observatório

Leia mais

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 O REGIME DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS NO ÂMBITO DA CONVENÇÃO E DA RECOMENDAÇÃO SOBRE O TRABALHO DECENTE PARA OS TRBALHADORAS E OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME SECRETARIA DA CULTURA E TURISMO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME SECRETARIA DA CULTURA E TURISMO REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL QUE IRÃO COMPOR O CONSELHO MUNICIPAL DE POLITICA CULTURAL. 1. DAS INSCRIÇÕES 1.1. Poderá se inscrever para participar do processo eleitoral,

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº /12/2000

ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº /12/2000 ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº.2000 19/2000 de 20/12/2000 Nº de PAUTA 203.13 RECURSOS HUMANOS RECURSOS HUMANOS Assunto: Actividade Sindical Referência: Distribuição: Recursos Humanos Revogações: Enquadramento

Leia mais

A avaliação de conhecimento é uma etapa decisiva, quer para os discentes quer para os docentes, onde se avalia a eficiência com que os conhecimentos

A avaliação de conhecimento é uma etapa decisiva, quer para os discentes quer para os docentes, onde se avalia a eficiência com que os conhecimentos SOBRE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS Introdução A avaliação de conhecimento é uma etapa decisiva, quer para os discentes quer para os docentes, onde se avalia a eficiência com que os conhecimentos transmitidos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL ENA - AGÊNCIA DE ENERGIA E AMBIENTE DA ARRÁBIDA REGULAMENTO ELEITORAL --------- --------- CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Artº 1º Constituição da Assembleia Eleitoral A

Leia mais