UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO LILA REIS LOPES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO LILA REIS LOPES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO LILA REIS LOPES O MARKETING NAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PRIVADAS DA BAHIA: UM ESTUDO SOBRE O NÍVEL DE CONHECIMENTO E POTENCIALIDADE DE USO DO MARKETING, E SOBRE AS ASPIRAÇÕES E NECESSIDADES DOS ESTUDANTES CANDIDATOS Salvador 2006

2 1 LILA REIS LOPES O MARKETING NAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PRIVADAS DA BAHIA: UM ESTUDO SOBRE O NÍVEL DE CONHECIMENTO E POTENCIALIDADE DE USO DO MARKETING, E SOBRE AS ASPIRAÇÕES E NECESSIDADES DOS ESTUDANTES CANDIDATOS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração, Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Administração Orientador: Prof. Dr. Cláudio Cardoso Salvador 2006

3 2 TERMO DE APROVAÇÃO LILA REIS LOPES O MARKETING NAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PRIVADA NA BAHIA: UM ESTUDO SOBRE O NÍVEL DE CONHECIMENTO E POTENCIALIDADE DE USO DO MARKETING, E SOBRE AS ASPIRAÇÕES E NECESSIDADES DOS ESTUDANTES CANDIDATOS Dissertação aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Administração, Universidade Federal da Bahia, pela seguinte banca examinadora Banca Examinadora: Prof. Dr. Cláudio Cardoso Universidade Federal da Bahia Prof. Dr. Giovandro Marcus Ferreira Universidade Federal da Bahia Prof. Dr. Messias Bandeira Faculdade de Tecnologia e Ciência - FTC Salvador, de de

4 A Paulo Bento, que já encheu a minha vida de luz. 3

5 4 AGRADECIMENTOS Árdua, e paradoxalmente ingrata, é a tarefa de agradecer. Dependendo sempre de tanta muita e diferente gente, parece-me invariavelmente insuficiente a lista de nomes que me ocorre no momento de selar um período, como este, de grande valor para mim. O Mestrado Profissional da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia revelou-se um espaço rico e inestimável de troca de saber e de compartilhamento de experiências. Além da aprendizagem formal, bastante competente e eficazmente conduzida por professores de excelência em seus campos de conhecimento, a oportunidade de conviver com meus colegas, profissionais de enorme qualidade, fez destes momentos uma doce lembrança já guardada em minha mente. Quero, portanto, iniciar esta lista agradecendo a todos os meus colegas do MPA- 05 e homenagear especialmente Graziela Arakawa, José Antônio Barata, Regina Sá Menezes e Sandro Pasini, donos de características tão essenciais durante um processo como este: o humor, a inteligência, o apoio mútuo, a amizade. Depois, numa lista que se estabelece em ordem cronológica da dúvida inicial de enfrentar ou não este desafio, em 2003, até sentir-me o mais próxima possível de sua conclusão, hoje, em 2006 agradeço a cada um especialmente: Ricardo Mendes, Elaine Norberto, Beatriz Freitas, Manuela Porto, Gabriela Tourinho, Romana D Angelis e a toda equipe da Painel Brasil. Aos colegas das Faculdades Jorge Amado, pela inspiração em buscar sempre as melhores reflexões e pelo intermitente espírito de inquietação e busca pela excelência. A Viviane Brito e Eugênio Barreto, o meu carinho e gratidão pela confiança em compartilhar comigo sonhos tão nobres, e que inspiram as idéias desta pesquisa. À banca examinadora que, em função da minha avançada fase de gestação, aceitou gentilmente o exíguo prazo para a leitura e avaliação do trabalho. A toda minha família, em especial a Paulo (in memorian) e Dalma, pelos horizontes desde tão cedo a mim concedidos, a Danilo, Lucas e Paula pela força e alegria diária, e é claro, ao apoio incessante, carinhoso e companheiro de Sérgio e Sebastião nas intermináveis, mas muito gratificantes, noites de trabalho.

6 5 Last but not least, com um sotaque bastante britânico com o qual elegantemente descreve tão bem tantos fenômenos de comunicação, um especial agradecimento a Cláudio Cardoso, pela inteligência, cuidado, atenção e incentivo sem os quais não poderia estar escrevendo este texto.

7 6 De tempos em tempos ocorrem grandes transformações na história. Cruzamos uma ponte. Em poucas décadas a sociedade se reorganiza sua visão do mundo, seus valores básicos, sua estrutura social e política, suas artes, suas instituições mais importantes. Depois de cinqüenta anos, existe um novo mundo. E as pessoas nascidas nele não conseguem imaginar o mundo em que seus avós viviam e seus pais nasceram. Estamos neste momento atravessando a ponte. Peter Drucker O ouvinte pode negar in toto a manifestação de um falante, ao contestar quer a verdade do enunciado nela afirmado (ou das preposições de existência do conteúdo de seu anunciado), quer a justeza do ato de fala em relação ao contexto normativo do ato da manifestação (ou a legitimidade do próprio contexto pressuposto) quer a veracidade da intenção manifesta do falante (isto é, a adequação entre o que deseja dizer e o que diz). Por conseguinte, a relação interna entre sentido e validade é pertinente para todo o espectro de significados lingüísticos, e não apenas para o significado de expressões que podem ser integradas em proposições assertóricas. Não apenas para os atos de fala constatativos, mas para quaisquer outros é válido o princípio de que entendemos o seu significado ao conhecermos as condições sob as quais eles podem ser aceitos como válidos. Jurgen Habermas

8 7 RESUMO O Ensino Superior privado brasileiro vive um momento de ajustes. Depois de um período de alta demanda por vagas em suas instituições, o setor enfrenta agora uma forte concorrência que imprime aos dirigentes educacionais muitos desafios em suas gestões. Este estudo trata especialmente da gestão de marketing destas instituições e de suas relações com os diferentes públicos com que interagem. Para investigar algumas causas e efeitos destas interações, este trabalho busca traçar um panorama histórico do desenvolvimento do setor, considerando suas perspectivas sociais, políticas e econômicas, mantendo um constante diálogo com as mais importantes idéias e formulações dos principais teóricos de Marketing. A pesquisa desenvolveu-se a partir de entrevistas com os principais públicos destas IES (Instituições de Ensino Superior): alunos de ensino médio, pais de alunos, alunos universitários e professores do ensino médio e universitário, e teve como objetivo identificar em que medida as reais aspirações destes públicos vêm sendo consideradas nos planos de comunicação e marketing destas Instituições. Palavras-chave: Gestão de IES privadas; Marketing em educação; Posicionamento; Planos de marketing; Propaganda; Ensino público X Ensino privado.

9 8 ABSTRACT The Private College Business in Brazil experiences a moment f adjustments. After a long period of high demands for vacancies in private institutions, the business now faces strong competition which imposes many challenges to educational leaders and their managing strategies. This study is especially about the way these private college institutions manage their relationship with the different groups they interact with. In order to investigate some of the causes and effects related to these interactions, this work hopes to trace a historical panorama of the development this kind of business has had, taking into consideration its social, political, and economical perspectives, and also keeping a permanent dialog with the most important ideas and definitions of the marketing theoretical principles. This research had its starting point on interviews held with the most important public for this type of business such as: high school students, parents and teachers, and college students and professors. The objective of this research was to identify how the real aspiration of this public has been taken into account in the marketing and communication processes of these institutions. Keywords: Private College Management, Marketing in Education, Posture, Marketing Plans, Propaganda, Private Education X Public Education.

10 9 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Percentual de Crescimento Anual do Ensino Superior no Mundo 27 Figura 02: Investimento em Educação como Porcentagem do PIB 28 Figura 03: Investimento do Setor Público (em bilhões de R$) 28 Figura 04: Grandes Números da Educação Superior-Graduação - Brasil Figura 05: Grandes Números do Ensino Superior-Graduação - Bahia Figura 06: Temáticas de campanhas publicitárias de IES privadas brasileiras 35 Figura 07: Numero de Vagas na Graduação das IES Brasileiras 65 Figura 08: Instituições de Educação Superior em 2004 por Organização Acadêmica 66 Figura 09: Instituições de Educação Superior em 2004 por Região 66 Figura 10: Funções Docentes em Exercício e Afastados em 30/06/2004 por Região 67 Figura 11: Instituições de Ensino Superior no Brasil entre 2000 e Figura 12: Matriculas em Curso de Graduação Presencial no Brasil entre 2000 e Figura 13: Docentes nas IES entre 2000 e Figura 14: Docentes com Mestrado e/ou Doutorado nas IES entre 2000 e Figura 15: A sua instituição tem algum tipo de planejamento de Marketing? 91 Figura 16: Você conhece os conceitos de Marketing de Patrocínio? 91 Figura 17: Há quanto tempo você trabalha com Assessoria de Imprensa? 91 Figura 18: A IES tem um banco de dados com as informações de todos os seus clientes antigos? 92 Figura 19: A IES tem uma marca forte? 92 Figura 20: Meios de comunicação mais utilizados 99 Figura 21: Esquema Psicológico do consumidor 114 Figura 22: Sentimentos negativos quanto ao vestibular 143 Figura 23: Escolha entre IES Pública ou Privada 143 Figura 24: Escolha por uma Universidade Pública 144 Figura 25: Escolha por uma Universidade Privada 145 Figura 26: Troca da IES pública por uma IES Privada 145 Figura 27: Motivos para a troca da IES pública por uma IES Privada 146 Figura 28: Motivos para não trocar a IES pública por uma IES Privada 146 Figura 29: Busca de informações sobre as IES 148 Figura 30: Características que uma IES deve possuir 149 Figura 31: Influência dos professores para a escolha do curso 150 Figura 32: Ciclo vicioso da gestão praticada atualmente 152

11 10 LISTA DE QUADROS Quadro 01: Resumo do Trabalho 39 Quadro 02: Elementos considerados para análise dos dados obtidos 125 Quadro 03: Aspectos positivos e negativos das instituições públicas e privadas Alunos 127 Quadro 04: aspectos positivos e negativos das instituições públicas e privadas Pais 128 Quadro 05: Aspectos considerados no processo de decisão da IES Alunos 130 Quadro 06: Aspectos considerados no processo de decisão da IES Pais 130 Quadro 07: Percepção sobre o vestibular Alunos 133 Quadro 08: Percepção sobre o vestibular Pais 134 Quadro 09: Escolha da profissão / curso Alunos 138 Quadro 10: Quadro 08: Escolha da profissão / curso Pais 139 Quadro 11: Dados da pesquisa quantitativa 142

12 11 LISTA DE TABELAS Tabela 01: Percentual de Instituições Privadas no Ensino Superior de Alguns Países 27 Tabela 02: Faturamento Bruto das 20 Maiores IES Brasileiras 30 Tabela 03: Número de Vagas e Ingressantes nas IES Privadas 64

13 12 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DO TRABALHO 15 1 INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO E O ENSINO PRIVADO AS INSTITUIÇÕES PRIVADAS EM UM NOVO CENÁRIO 30 2 CAPÍTULO 1 - A EDUCAÇÃO UMA BREVE REVISÃO HISTÓRICA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL O INÍCIO DAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL DE 1930 AOS DIAS ATUAIS Contexto Bahia: UFBA e as primeiras instituições privadas O DIREITO À EDUCAÇÃO, O PÚBLICO E O PRIVADO O ENSINO PRIVADO NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO DE 1997 A 2005 UM NOVO PANORAMA DO ENSINO PRIVADO BRASILEIRO A COMPETIÇÃO NO SETOR E A ATUAÇÃO DAS IES PRIVADAS NO BRASIL 66 3 CAPÍTULO 2 - MARKETING E ENSINO SUPERIOR CONCEITOS E DISCUSSÃO INICIAL EQUÍVOCOS E CRÍTICAS AO MARKETING A ORIENTAÇÃO DE MARKETING MARKETING DE PRODUTOS E MARKETING DE SERVIÇOS POSICIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO A PROPAGANDA A CRÍTICA À PROPAGANDA BRANDING GERENCIAMENTO DA MARCA O MIX DE MARKETING O MARKETING NAS IES COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 113

14 13 4 CAPÍTULO 3 - APRESENTAÇÃO DA PESQUISA - ESTRATÉGIA METODOLÓGICA DE PESQUISA E INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS PESQUISAS QUALITATIVAS PESQUISAS QUANTITATIVAS INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS CAPÍTULO 4 DISCUSSÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS ELEMENTOS CONSIDERADOS PARA ANÁLISE DOS DADOS OBTIDOS - MODELO PESQUISA QUALITATIVA Percepção sobre aspectos positivos e negativos das instituições públicas e privadas Processo decisório da escolha da instituição de ensino superior Aspectos considerados no processo de decisão da IES Influências externas no processo de escolha Percepção sobre Faculdades X Universidades Percepção sobre o vestibular Estratégias de comunicação Campanhas registradas na memória Opinião sobre o surgimento de novas faculdades Responsabilidade social Processo decisório escolha da profissão / curso aspectos considerados Informações relevantes para o processo de escolha do curso PESQUISA QUANTITATIVA Perfil dos entrevistados e uso da Internet alunos do ensino médio e matriculados em IES privadas de Salvador Sentimentos relativos ao vestibular alunos do ensino superior Estudar em IES públicas ou Privadas? Aspectos evocados para a escolha de IES privada alunos do ensino médio e matriculados em IES privadas de Salvador Meios de comunicação utilizados alunos de ensino médio e alunos matriculados Motivação e resistência para com as IES s alunos do ensino médio e

15 14 matriculados em IES privadas de Salvador Melhor IES privada para se estudar alunos matriculados em IES Colaboração / influência dos professores alunos do ensino médio e alunos matriculados em IES Comunicação e o Processo seletivo alunos de ensino médio e matriculados em IES privadas de Salvador CONCLUSÕES 152 REFERÊNCIAS 165 GLOSSÁRIO 173 ANEXO A PESQUISA ABMES ANEXO B QUESTIONÁRIO DA PESQUISA (GRADUAÇÃO) 179 ANEXO C QUESTIONÁRIO DA PESQUISA (ENSINO MÉDIO) 185 ANEXO D - LISTA DAS ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO 191

16 15 APRESENTAÇÃO DO TRABALHO Peter Schwartz fala, em Cenários, sobre as surpresas inevitáveis. Aqueles movimentos que se dão, muitas vezes de forma silenciosa, gerando enormes transformações de ordem econômica, cultural, política ou social. Muitas vezes, excessivamente presos ao passado, ou inadvertidamente reféns do presente, ocorre um engessamento frente a uma nova realidade que já não se domina. O sucesso de nossos negócios, de nossos governos e, talvez, de nossas escolhas de vida, depende de nossa capacidade para discernir os aspectos que são inevitáveis, e de agirmos adequadamente mesmo que isso seja desconfortável. (SCHWARTZ, 2003). Pode parecer desconfortável falar de marketing em educação, mas é disso que irá se falar neste trabalho. Durante muito tempo, educação e marketing foram considerados áreas de estudo aparentemente distantes e dissonantes. Educação, como um dos valores básicos e essenciais de uma sociedade, em nada se aproximaria de marketing, ou do estudo do mercado, regido por leis de demanda e oferta e pautado por uma lógica econômica capitalista. O que se observa, porém, é que tanto as políticas de educação do Brasil, como o modelo de gestão de suas Instituições Educacionais, sempre estiveram intrinsecamente ligadas a um momento econômico e político do mercado e da sociedade. Tomando como ponto de partida um panorama histórico evolutivo deste setor, irá se avaliar de que forma estes momentos delimitaram tais políticas, e como estas foram sustentadas pelas estratégias educacionais adotadas. Este panorama, vale dizer, não tem como objetivo uma avaliação crítica destes movimentos, mas a sua perspectiva histórica. Todos os acontecimentos que se sucederam até o atual contexto de 2005 serão tomados, neste trabalho, como conseqüências dos momentos políticos e econômicos

17 responsáveis por uma nova ordem social que estava por vir, determinando, ou apenas influenciando, a forma do país organizar o seu sistema educacional. O papel da educação é determinante para o grau de competitividade de um país. Desenvolver habilidades, competências e capacitar seus recursos humanos, a fim de gerar riquezas e produzir tecnologias e know-how próprios, pode ser decisivo para um país como o Brasil. Assim, torna-se relevante uma discussão mais aprofundada sobre seus sistemas de gestão, suas interações e suas conseqüências. Entre 1997 e 2007, o sistema educacional brasileiro estará passando por mudanças mais profundas do que nos cinqüenta anos anteriores. [...] Estas IES são normalmente instituições novas, cujos gestores ainda estão mais preocupados em estabelecer o negócio do que em estabelecer práticas eficientes [...] (MONTEIRO, 2004). Desde 1997, no Brasil, o forte crescimento do setor gerou grande competitividade entre os players. Um grande número de instituições disputava o mesmo grupo de candidatos a uma vaga no ensino superior. Assim, criou-se uma corrida aos veículos de comunicação, acreditando ser esta a forma de firmar-se no mercado, e assegurar a quantidade de alunos necessária à sobrevivência e operação destas unidades em um ambiente dinâmico e ainda muito novo. Em termos de competição por fatias de mercado, porém, um dado que não foi considerado é que o setor em questão é especialmente diferenciado, devido à sua atividade. E que outros ativos, que não os financeiros, são de relevante importância para a sobrevivência das unidades, e por que não dizer, de todo o setor em longo prazo. Assim, a lógica de buscar alunos vorazmente, a cada semestre, deve ser sustentada por uma outra lógica: a de firmar-se como instituição de ensino, destacando sobremaneira a sua estrutura acadêmica e desenvolvendo políticas de gestão capazes de gerar valor para sua atividade. Para isso, há de se considerar essencialmente que uma instituição de educação superior é um ambiente de múltiplas e complexas interações e que é o conjunto de todas elas, o que promove uma cultura 16

18 17 acadêmica, que atribui uma identidade de valor às suas comunidades. A academia é um espaço de ação, reflexão e formação, onde os atores tornam-se capazes de dinamizar novas leituras acerca do mundo, da sociedade e suas interações. E assim sendo, para além de suas principais questões relacionadas à sua gestão, deve considerar, propiciar e manter esta condição de diversidade e pluralidade em todas as suas atividades, inclusive na sua comunicação. O momento atual revela que, passado o boom de candidatos ávidos por ingressar nas faculdades e universidades, estas instituições estão lutando para sobreviver. E a forma equivocada de trabalhar, isoladamente, a sua comunicação e o seu marketing, tem contribuído para gerar uma imagem de descrédito em todo o setor. As imagens e os conceitos são difusos. Grande parte destas instituições ainda não possui identidade própria perante o público, e esta situação agrava-se e põe em cheque um setor que poderia, em muito, contribuir para a construção de um diferencial em nosso Estado: o de manter um altíssimo nível de IES Instituições de Ensino Superior privadas. O momento ainda é propício a uma reflexão mais profunda. Uma reorientação, que leve à criação da consistência supracitada, pode significar a viabilização de muitas estruturas que vivem, exatamente agora, um momento crítico e delicado. Este trabalho pretende, então, discutir a aplicação das ferramentas de marketing adequadas à gestão de IES, investigando através das percepções dos seus principais públicos, aspectos que os influenciam significativamente no que diz respeito à construção da imagem do setor, e que terminam, muitas vezes, por influenciar ou determinar as suas escolhas, indiferentemente aos grandes esforços de comunicação que estas Instituições vêm empreendendo. Esta investigação permitirá por fim, identificar o grau de alinhamento entre esta aplicação e as percepções e aspirações dos candidatos, considerando uma perspectiva histórica e social de desenvolvimento do setor.

19 Assim, o nosso problema de pesquisa pode ser formulado através da seguinte 18 questão: Quais aspectos são considerados relevantes no processo de escolha de uma Instituição de Ensino Superior, e em que medida as suas ações de marketing são orientadas ao atendimento das aspirações dos seus candidatos? Para tentar responder a este problema, se procederá a um estudo que adota como pressupostos básicos: Existe uma acirrada discussão em nossa sociedade sobre as questões do público e privado na educação. Além do caráter social e econômico que marca, essencialmente, o tom deste debate, o grau de valor e qualidade destas Instituições é, invariavelmente, atribuído de forma diferenciada ao ensino público e ao ensino privado; Muitas vezes, tal debate não se fundamenta na experimentação dos serviços prestados por estas Instituições, mas em conceitos de mérito e valor advindos de percepções herdadas das contingências históricas, sociais e políticas que deram forma ao quadro atual das IES do nosso país; O governo e os mantenedores destas Instituições permaneceram indiferentes às questões acima levantadas, e não foram capazes de articular um discurso que informasse, de forma satisfatória, à população que atravessava, às vezes sem perceber, uma mudança de paradigma numa esfera essencial a qualquer ser humano: a do direito à Educação; Pelo contrário, pressionados por um lado, pela forte competição, e por outro, extremamente motivados pela enorme demanda que se apresentava, criaram modelos de gestão destas instituições que desprezavam este conteúdo presente em nossa população. Em grande freqüência, para o enfrentamento desta concorrência, se utilizaram de marketing ou de algumas de suas ferramentas para conquistar espaço em um mercado bastante concorrido;

20 19 O marketing é uma área de gestão cujos fundamentos da disciplina ainda são mal compreendidos por grande parte da população. Além disso, alguns gestores, numa atitude amadora ou pouco ética, desvirtuam os reais propósitos aos quais se prestam suas teorias, reforçando por vezes, estas equivocadas compreensões; Da forma como foram utilizadas estas ferramentas, o seu conteúdo colaborativo para um processo de aproximação e entendimento por parte da sociedade foi desprezado, e os resultados destes equívocos são muito mais onerosos e prejudiciais ao processo de inserção e consolidação destas Instituições do que podem imaginar os seus gestores; É, então, necessário refletir sobre esta forma de proceder, sob pena da não sobrevivência de grande parte destas Instituições, que lutarão por muito tempo contra um opositor invisível, na medida em que não o reconhecem quando permanecem na ignorância ou superficialidade da aplicação dos conceitos desta disciplina, a esta altura essencial para o sucesso de suas gestões; Por outro lado, a justa compreensão de suas potencialidades pode contribuir para que se inaugure uma nova forma de configurar os nossos modelos de gestão, e, portanto, da oferta final de um serviço bastante próximo dos verdadeiros conceitos de qualidade, dos quais esta sociedade deve ir aos poucos se apropriando. Assim exposto, serão enunciados os elementos norteadores deste trabalho: O processo de escolha de uma IES é altamente complexo, devido à natureza da atividade educacional e ao imaginário social, existente nas percepções compartilhadas pelos grupos de candidatos e de seus principais públicos influenciadores, acerca dos principais conceitos que a definem;

21 20 Os gestores educacionais se utilizam do marketing em sua superficialidade, ignorando valiosas ferramentas de que dispõem para contribuir com a interação entre as organizações e seus diversos públicos; Estas disfunções contribuíram para gerar, na opinião pública, uma fragilidade no que concerne à imagem das Instituições Privadas de Ensino Superior; O desconhecimento das reais aspirações de seus públicos, além da desconexão com esta perspectiva histórica e social compartilhada por toda a sociedade, contribuiu para a não geração de valor de todo o setor; Estas aspirações, além de serem complexas, mudam na dinâmica das grandes transformações pelas quais a nossa sociedade vem passando, tendo aí em vista a revolução tecnológica e comunicacional que construiu um novo mundo ainda cheio de velhos conceitos; Os planos de ação de marketing devem contemplar toda esta rede complexa de interações, para que estas Instituições possam efetivamente se aproximar de seus principais públicos. Importante ressaltar que este estudo está focado na questão da comunicação nas IES, sem contudo, acreditar ser este o único problema enfrentado por estas instituições, e menos ainda ser via única de solução para os principais dilemas e desafios que estão postos a este setor. Trata-se de propor a investigação da parte de um problema que se apresenta em muito maior complexidade, através da perspectiva de que este, o da comunicação e do marketing, é o espaço onde se estabelecem algumas importantes relações entre estas IES e seus públicos. Pensar em gestão da comunicação em uma IES sem pensar em gestão integrada de marketing é desprezar todo o conteúdo gerador de identidade que uma instituição de ensino possui. Através de suas unidades, dos cursos diversos, e de suas referidas coordenações ou pró-reitorias, movimentos isolados são possivelmente criados pouco a pouco, transformando a

22 21 Instituição numa grande mistura de linguagens, impossível de ser comunicada com eficácia e pertinência. A criação desta sinergia, será o grande diferencial daquelas que enxergarem este caminho. E este estudo propõe-se, dentre outros objetivos, a levantar esta reflexão. O fenômeno do surgimento de um grande número de Instituições Privadas é relativamente recente no país. A contribuição que este trabalho pode dar às áreas de Comunicação, Administração e Economia deve se somar às publicações de estudiosos e profissionais atuantes do setor, que começam a surgir em maior número no país. Existe, hoje, um olhar atento e curioso por parte dos gestores de educação sobre o cenário atual, sobre as tendências e sobre as perspectivas futuras. Novos estudos neste campo deverão ser continuamente estimuladas. A reflexão aqui apresentada, através do olhar de quem traz em sua trajetória profissional a experiência na aplicação das inúmeras ferramentas de que o marketing dispõe, avaliando suas possibilidades e seus efeitos, pode contribuir com a discussão de uma nova abordagem na comunicação destas IES. A autora deste trabalho é gestora de uma Instituição Educacional. Nesta pesquisa, se inspira, em parte, na visão que adquiriu ao longo de quase duas décadas de trabalho na área de marketing, em setores diversos da economia. Por enfrentar, em sua atual atividade, os dilemas e desafios impostos pela alta concorrência presente no setor, vislumbra, na aplicação dos reais conceitos desta disciplina, a possibilidade de resposta a algumas destas complexas questões. Para falar disto, este trabalho estará disposto da seguinte forma. Um tópico introdutório, que apresentará o trabalho, seus traços norteadores, seus pressupostos e, também, algumas considerações iniciais sobre a pesquisa a ser realizada.

23 22 Em seguida, um capítulo com uma descrição do panorama brasileiro de educação, em especial de educação superior. Nele, será percorrida uma trajetória histórica do ensino superior, e mais especialmente do ensino superior privado. Esta trajetória tem relevância, pois revelará em que medida estes conflitos entre público e privado estiveram moldando as discussões sobre educação superior e, portanto, definindo alguns dos conceitos que, não raramente, percebemos como integrantes do discurso sobre o atual panorama brasileiro. Mapeando as transformações ocorridas, serão apresentados os mais importantes dados do setor, estatísticas, gráficos de crescimento, bem como de que maneira se comportaram importantes atores do contexto nacional frente às importantes mudanças ocorridas. Serão discutidas, também, as idéias e conceitos de importantes autores sobre gestão universitária. No capítulo seguinte, será apresentada uma avaliação crítica sobre os primeiros passos dados pelo setor no sentido de formular seus planos de marketing. Para isso, se dialogará com teóricos importantes da disciplina, discutindo suas principais idéias e revelando o desenho construído pela trajetória escolhida por estes gestores de universidades e faculdades privadas da cidade do Salvador. O terceiro capítulo apresentará a pesquisa, sua metodologia e instrumentos utilizados para se encontrar as respostas às perguntas até então levantadas. Em seguida,serão discutidos os resultados, analisando os dados coletados e registrando os principais movimentos identificados que possam sinalizar tendências ou caminhos a serem seguidos ou observados. Por fim, a conclusão sobre o trabalho, tendo em vista os resultados obtidos com a investigação, à luz das principais teorias estudadas.

24 23 I INTRODUÇÃO 1.1 A EDUCAÇÃO E O ENSINO PRIVADO A Constituição Federal, em seu artigo 206, inciso III, estabelece o princípio da coexistência do público e privado no ensino brasileiro. Muito embora esteja condicionada a regulamentos e exigências estabelecidas pelo governo, a iniciativa privada exerce o direito próprio e legítimo ao ensino. Alguns autores, como Martins (1988), Fonseca (1992), Saviani (1985), consideram como marco inicial da consolidação do modelo privado do ensino superior brasileiro, o período da Ditadura Militar. O pós-1964 foi marcado pelo modelo de desenvolvimento econômico capitaneado pelos militares, caracterizando o início da demanda por este ensino como uma conseqüência natural dos aspectos sociais e históricos de nossa sociedade de então. O Estado intervencionista se caracterizou fortemente pelo traço do planejamento econômico e também social, passando a enxergar na educação uma importante aliada para enfrentar as mudanças políticas e econômicas ocorridas no período. Este Estado intervencionista ganhou força no Brasil com a Revolução de 30, período que marcou o desenvolvimento do capitalismo no país, deslocando o eixo da economia da agricultura para a indústria, redefinindo, assim, o papel do Estado na sociedade. A partir daí, o governo procura assegurar o modelo de desenvolvimento, adotando estratégias educacionais capazes de dar sustentabilidade ao seu projeto, viabilizando propostas

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC GRUPOS DE TRABALHO EIXO 01 ENSINO RELIGIOSO, PASTORAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL GT: ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA CATÓLICA Ementa: A identidade do ensino religioso

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Philip G. Altbach organizou o livro Leadership for world-class universities. Challenges for

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Como melhorar a Imagem do Ensino Superior?

Como melhorar a Imagem do Ensino Superior? Algumas reflexões e possibilidades. Brasília, 30 de agosto de 2010 Mekler Nunes www.universitybusiness.com Artigo: Todos nós temos públicos diferentes mas todo nós temos que enviar as mesmas mensagens

Leia mais

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS EDITORIAL Bem vindos à nossa pesquisa. No Brasil desde 2000, a Michael Page foi a primeira consultoria internacional de recrutamento

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais