Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LUIZ CARLOS CORREIA OLIVEIRA Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT Salvador 2006

2 LUIZ CARLOS CORREIA OLIVEIRA Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT Tese de doutoramento apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia, em cumprimento do requisito parcial para obtenção do grau de doutor, sob orientação do Prof. Dr. Paulo César Alves. Salvador 2006

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT LUIZ CARLOS CORREIA OLIVEIRA Banca examinadora Prof. Dr. Paulo César Borges Alves (orientador) Prof. Dr. José Ricardo de Carvalho Mesquita Ayres Profa. Dra. Lys Esther Rocha Profa. Dra. Miriam Cristina Rabelo Profa. Dra. Mônica Oliveira Nunes Salvador, 2006

4 Oliveira, Luiz Carlos Correia O482 Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT / Luiz Carlos Correia Oliveira. Salvador, p. Orientador: Prof. Dr. Paulo César Borges Alves Tese (doutorado) Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. 1. Experiência. 2. Fenomenologia. 3. Hermenêutica. 4. Medicina do trabalho. 5. Narrativa. 6. Saúde do trabalhador. I. Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. II. Alves, Paulo César Borges. III. Título. CDD 613.6

5 Ao amigo Francesco Ripa di Meana, médico do trabalho italiano que nos guiou na difícil travessia da medicina ocupacional para a saúde dos trabalhadores na Bahia e, como legado, nos deixou o CESAT.

6 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, professor Paulo César Alves, pelo estímulo e pela paciência com que acolheu as várias modificações desta tese. Às professoras Miriam Rabelo e Iara Alves, pelas sugestões durante a qualificação, à Luciana Duccini, assim como aos demais professores e colegas do ECSAS, pela interlocução teórica e pela acolhida fraterna no ambiente intelectual das nossas reuniões às sextas-feiras. À amiga Mônica Angelim, pelas nossas agradáveis e frutíferas conversações sobre a LER/DORT, assim como os amigos Osvaldo Santana, Letícia Nobre, Lucia Rocha, Maria Cristina Martins, Norma Souto, Rita Fernandes e Suerda Fortaleza. Aos colegas do Ministério do Trabalho, Carlos Miranda, Dival Ribeiro, Izabel Ornellas e Juarez Correia Barros. Aos colegas médicos que se dispuseram gentilmente a serem entrevistados por mim. A Meigle Rafael, por ter propiciado, com afeto e amizade, a interlocução durante a redação desta tese, assim como pela cuidadosa revisão que realizou de todo o texto. A Carlos Oliveira, pelo ombro irmão, amigo e sempre disponível. A Sally, Liam e Thomas, com todo meu amor.

7 Resumo A LER/DORT (Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Ósteo Articulares Relacionados ao Trabalho) é uma doença que cursa com dor crônica e incapacidade para o trabalho e que afeta em graus variados a saúde e a vida dos doentes. A subjetividade dos sintomas e a inexistência de um diagnóstico morfofuncional conflitam o manejo clínico dos casos e a relação médico-paciente. Os conceitos narrativa e experiência, sob uma perspectiva hermenêutica e fenomenológica, são utilizados para investigar duas dimensões do adoecimento que estão presentes nesse conflito: 1) a historicidade do conceito a dificuldade da medicina em objetivar esse sofrimento, que não impede a doença instituir-se na presença de certos elementos e situações sociais e políticas; 2) a natureza hermenêutica da clínica - com suas aberturas, incompletudes e o caráter posicional do médico, para mostrar que a doença institui-se na rede de atenção à saúde do trabalhador a partir de espaços sociais e políticos, cujas interseções são marcadas por interesses, conflitos e alianças transitórias. Confluências e impasses práticos, científicos, teóricos, políticos, éticos, morais envolvidos na compreensão do fenômeno são evidenciados, de modo a subsidiar políticas de melhorias do exercício profissional do médico e da qualidade assistencial fornecida aos enfermos. Palavras-chave: Experiência - Fenomenologia Hermenêutica - Medicina do Trabalho - Narrativa - Relação médico-paciente - Saúde do Trabalhador

8 Abstract Work-Related Musculoskeletal Disorders (also known as Repetitive Strain Injury or Cumulative Trauma Disorders) are diseases characterized by chronic pain and incapacity which affect the health and lives of their sufferers to varying degrees. The subjective nature of their symptoms and the inexistence of a morph functional diagnosis make both the clinical assessment of such conditions and the insuing relationships between doctor and patient difficult. In this study, the concepts of narrative and experience are used from a hermeneutic and phenomenological perspective to investigate two important dimensions which arise from these difficulties. The first dimension is the conceptual historicity of the diseases, whereby despite the difficulty of their medical objectification they have become instituted owing to the presence of certain socio-political factors and situations. The second dimension is the hermeneutic nature of the clinical procedures in relation to the diseases with their openings, incomplitudes, ambiguities and the political nature of the doctor s position. The investigation of these two concepts reveals that WMSDs are instituted within the network of occupational health via social and political spaces, the intersection of which are marked by differing interests, conflicts and transitory alliances. Practical, scientific, theoretical, political, ethical and moral confluences and impasses involved in the comprehension of the phenomena have been pointed out during the study in the hope of assisting in the improvement of the professional practices of doctors and the quality of services provided to the sufferers of WMSDs. Key Words: Experience Hermeneutics Narrative - Occupational Medicine - Patient-Doctor Relationship - Phenomenology

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O conflito clínico da LER/DORT História e conceituação da LER/DORT os nomes e as normas Os sintomas e a história natural da LER/DORT A clínica e o diagnóstico da LER/DORT Desdobramentos do conflito médico-paciente e a proposta de estudo...26 PARTE I A historicidade da compreensão médica da LER/DORT...34 CAPÍTULO 1 A LER/DORT como um problema de saúde pública nos Estados Unidos Uma breve revisão histórica Uma história das CTD...46 CAPÍTULO 2 O Nascimento da LER/DORT no Brasil Organização dos trabalhadores e transformação da tenossinovite em doença do trabalho A "saúde do trabalhador" e o contexto sindical Associação entre sindicalismo e medicina A tenossinovite dos digitadores e o método epidemiológico dos cipistas A idéia da LER As comissões de saúde A transformação médica da tenossinovite em LER A inspiração australiana O NUSAT de Belo Horizonte Os Bancários e a CUT As Normas Técnicas de São Paulo e Minas Gerais CAPÍTULO 3 A epidemia australiana e o "estado da arte" da LER/DORT Repetitive Strain Injury: a epidemia australiana e a teoria iatrogênica A hipótese de mudança na percepção de sintomas endêmicos Cumulative Trauma Disorders e Repetition Strain Injury: uma comparação entre as epidemias americana e australiana Da importância de nomear e sobre indenização ou seguros A experiência australiana conforme Dembe O "estado da arte" do conhecimento da LER/DORT Os mecanismos e a patogênese das desordens musculoesqueléticas O modelo da equipe de Armstrong Mecanismos patológicos da relação entre WRULDS e trabalho PARTE II Medicina do trabalho: uma especialidade clínica CAPÍTULO 4 Uma história do encontro clínico...193

10 1. O encontro clínico A relação médico-paciente na era pré-moderna O nascimento da medicina moderna A tecnologia médica O encontro médico moderno: sucessos e críticas Investigações e teorias que enfocam as relações médico-paciente Estudos sociais e culturais Medicina e estudos filosóficos CAPÍTULO 5 A hermenêutica clínica A interpretação clínica: uma hermenêutica da medicina O texto clínico O telos do encontro clínico Objetividade médica: seus ideais perceptivo e matemático A aquisição de habilidades: uma leitura de Maurice Merleau-Ponty por Hubert Dreyfus O arco intencional Apreensão máxima: ação sem representação PARTE III Narrativas médicas da experiência clínica da LER/DORT A constituição da identidade narrativa As dimensões da narratividade Contexto relacional O itinerário metodológico da pesquisa A abordagem dos médicos do trabalho CAPÍTULO 6 O médico do trabalho na empresa A medicina do trabalho e a industrialização no Brasil no século XX Do médico de fábrica ao serviço médico de empresa A atualidade do médico do trabalho nas empresas CAPÍTULO 7 O médico do trabalho na perícia previdenciária O contexto previdenciário brasileiro A perícia médica previdenciária A perícia médica e a LER/DORT CAPÍTULO 8 O médico do trabalho no Sistema Único de Saúde A hegemonia do preventivismo O CESAT e os CEREST na Bahia CAPÍTULO 9 O médico do trabalho no sindicato dos trabalhadores O contexto sindical CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...440

11 INTRODUÇÃO

12 12 O CONFLITO CLÍNICO DA LER/DORT 1. História e conceituação da LER/DORT os nomes e as normas A LER/DORT (Lesões por Esforços Repetitivos LER ou Distúrbios Ósteo Articulares Relacionados ao Trabalho DORT) é um tipo específico de doença ocupacional que surgiu no Brasil há menos de duas décadas e que, em decorrência da gravidade dos sintomas e da incidência crescente entre trabalhadores de quase todas atividades econômicas dos vários estados, se tornou o principal problema de saúde pública relacionado ao trabalho no país: já responde por cerca de oitenta por cento dos "auxílios e aposentadorias" por doenças ocupacionais concedidas atualmente pela Previdência Social (Brasil, 2001:245). Enquanto uma "doença do trabalho", a LER/DORT é equivalente a um "acidente do trabalho" para fins de direitos trabalhistas e benefícios previdenciários dos trabalhadores afetados e, como tal, é uma "entidade" definida pela Previdência Social. O INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social), em sua última resolução referente ao assunto, a Instrução Normativa INSS/98 de , conceitua a doença do seguinte modo: Entende-se LER/DORT como uma síndrome relacionada ao trabalho, caracterizada pela ocorrência de vários sintomas, concomitantes ou não, tais como: dor, parestesia, sensação de peso, fadiga, de aparecimento insidioso, geralmente [localizando-se] nos membros superiores, mas podendo acometer membros inferiores. Entidades neuro-ortopédicas definidas como tenossinovites, sinovites, compressão de nervos periféricos, síndromes miofaciais, que podem ser identificadas ou não. Freqüentemente são causas de incapacidade laboral temporária ou permanente. São resultado da combinação da sobrecarga das estruturas anatômicas do sistema osteomuscular com a falta de tempo para sua recuperação. A sobrecarga pode ocorrer seja pela utilização excessiva de determinados grupos musculares em movimentos repetitivos com ou sem exigência de esforço localizado,

13 13 seja pela permanência de segmentos do corpo em determinadas posições por tempo prolongado, particularmente quando essas posições exigem esforço ou resistência, das estruturas músculoesqueléticas contra a gravidade. A necessidade de concentração e atenção do trabalhador para realizar suas atividades e a tensão imposta pela organização do trabalho são fatores que interferem de forma significativa para a ocorrência de LER/DORT (Instrução Normativa INSS/98/2003:1). Essa definição longa e complexa para uma doença (sintomas organizados em síndromes que comprometem o sistema motor do corpo humano, explicadas através de uma causalidade representada por sobrecargas mecânicas ou psíquicas, que são provocadas pelo trabalho) já prenuncia algumas dificuldades da Previdência Social em lidar com esse tipo específico de acidente do trabalho. Desde que foi regulamentada pela primeira vez, em 1987, ainda com a denominação de "tenossinovite dos digitadores", a Previdência Social realizou pelo menos quatro modificações de suas normas para caracterizar a LER/DORT, mudando seu nome, ampliando seu conceito e redefinindo os procedimentos médicos que devem caracterizar a doença e a incapacidade para definir o afastamento do trabalho. A própria Instrução Normativa de 2003 refere-se a si mesma como uma "atualização clínica" e ressalta, desde sua introdução, a pluralidade de nomes pelos quais a doença tem sido denominada em sua tradição relativamente curta no Brasil: A terminologia DORT tem sido preferida por alguns autores em relação a outras, tais como, Lesões por Traumas Cumulativos (LTC), Lesões por Esforços Repetitivos (LER), Doença Cervicobraquial Ocupacional (DCO) e Síndrome de Sobrecarga Ocupacional (SSO), para evitar que na própria denominação já se apontassem causas definidas (como, por exemplo: cumulativa nas LTC e "repetitivo" nas LER) e os efeitos (como por exemplo: "lesões" nas LTC e LER) (Instrução Normativa INSS-98/2003: 1). Essas denominações múltiplas têm a ver com os modos distintos e históricos de conceber a doença, e o texto previdenciário prontifica-se a esclarecer o assunto através de "elementos epidemiológicos e legais" que a doença comporta, engendrados nos "aspectos históricos" que têm caracterizado essas análises:

14 14 Com o advento da Revolução Industrial, quadros clínicos decorrentes de sobrecarga estática e dinâmica do sistema osteomuscular tornaram-se mais numerosos. No entanto, apenas a partir da segunda metade do século [XX] esses quadros osteomusculares adquiriram expressão em número e relevância social, com a racionalização e inovação técnica na indústria, atingindo, inicialmente, de forma particular, perfuradores de cartão... (IN INSS 98/2003:1). De fato, desde o final do século XVII, com Ramazzini, considerado o pai da medicina do trabalho, a medicina observa e investiga de modo sistemático as doenças que ocorrem em comunidades de trabalhadores, relacionando situações específicas de sofrimento aos desdobramentos históricos de atividades econômicas do mundo industrial. Atualmente, o conhecimento de elementos da causalidade da LER/DORT é ressaltado na Instrução/2003: A alta prevalência das LER/DORT tem sido explicada por transformações do trabalho e das empresas. Estas têm se caracterizado pelo estabelecimento de metas e produtividade, considerando apenas suas necessidades, particularmente a qualidade dos produtos e serviços e a competitividade do mercado, sem levar em conta os trabalhadores em seus limites físicos e psicossociais. Há uma exigência de adequação dos trabalhadores às características organizacionais das empresas, com intensificação do trabalho e padronização dos procedimentos, impossibilitando qualquer manifestação de criatividade e flexibilização, execução de movimentos repetitivos, ausência e impossibilidades de pausas espontâneas, necessidades de permanência em determinadas posições por tempo prolongado, exigência de informações específicas, atenção para não errar e submissão a monitoramento de cada etapa dos procedimentos, além de mobiliário, equipamentos e instrumentos que não propiciam conforto." (IN INSS 98/2003:1). Essa caracterização da doença como uma entidade nosológica específica e resultante de sobrecargas físicas e psíquicas, assim como o caráter epidêmico de sua ocorrência, não são próprios do Brasil. Quanto a isto, diz a Norma: "Entre os países que viveram epidemias de LER/DORT estão a Inglaterra, os países escandinavos, o Japão, os Estados Unidos e a Austrália". Esse aspecto de pandemia da doença fez, inclusive, mudar o "conceito tradicional de que o trabalho pesado, envolvendo esforço físico, é

15 15 mais desgastante que o trabalho leve, envolvendo esforço mental, com sobrecarga dos membros superiores e relativo gasto de energia" (IN INSS 98/2003: 2). A partir dessa generalidade, o texto particulariza a história da doença no Brasil como um desdobrar de nomes pelos quais respondeu e das legislações sucessivas, previdenciárias ou trabalhistas, que tentaram caracterizá-la para amparar e proteger trabalhadores. Relembra que, desde 1973, há registros de estudos apresentados em congressos médicos brasileiros de casos de tenossinovite ocupacional entre lavadeiras, limpadores, engomadeiras e outros profissionais que trabalham utilizando movimentos das mãos. Mas, além desse interesse de pesquisas acadêmicas e de reivindicações de alguns setores sindicais de trabalhadores, a LER/DORT só surge oficialmente no Brasil com a Circular INAMPS nº /10, de 07/11/1986, a qual equipara a tenossinovite ao conceito de acidente do trabalho, nos moldes em que este era definido pela Lei 6.367/76. Conforme ressalta Monteiro (1995:260), o texto dessa Circular não só considerou a tenossinovite como um tipo de lesão imputável ao acidente de trabalho como também ampliou para outras lesões do sistema motor do corpo essa possibilidade, além de abrir o usufruto conseqüente do direito a outras categorias profissionais de trabalhadores que não fossem os digitadores: O disposto nesta circular aplica-se a todas as afecções que, relacionadas ao trabalho, resultem de sobrecarga das bainhas tendinosas, do tecido peritendinoso e das inserções musculares e tendinosas, sobrecarga essa que entre outras categorias profissionais freqüentemente se expõem os digitadores de dados, mecanógrafos, datilógrafos, pianistas, caixas, grampeadores, costureiras e lavadeiras (Circular INAMPS /10 de 07/11/1986, citado por Monteiro, 1995:260). Essa orientação geral voltada para as lesões e exigências profissionais é importante, pois nela se inaugura o que pode ser identificado como um sentido originário da LER/DORT em termos de lesão e da repetitividade dos movimentos como causa da doença, elementos observados tanto nas velhas lavadeiras quanto nas novas profissões de digitadores. A reforma da Norma Regulamentadora nº 17, publicada

16 16 pelo Ministério do Trabalho em 1990 e que modificou a Portaria 3214/78, traz essa indicação, na medida em que normatiza o limite das cargas, posições, movimentos e mobiliários do posto de trabalho. Nos anos 90, frente ao número cada vez maior de casos da doença, já foi possível sistematizar os dados da experiência clínica nacional e identificar as novas categorias de trabalhadores atingidos e susceptíveis. Em 1991, o então unificado Ministério do Trabalho e Previdência Social, incluía, na sua série de Normas Técnicas para Avaliação de Incapacidade para o Trabalho, aquela referente à LER, que explicitava os critérios de diagnóstico e tratamento, ressaltava aspectos epidemiológicos, com base na experiência do Núcleo de Saúde do Trabalhador do INSS de Minas Gerais, ao tempo em que descrevia casos entre diversas categorias profissionais, tais como: digitador, controlador de qualidade, embalador, enfitadeiro, montador de chicotes, montador de tubos de imagem, operador de máquinas, operador de terminais de computador, auxiliar de administração, telefonista, auxiliar de cozinha e copeiro, eletricista, escriturário, operador de caixa, recepcionista, faxineiro, ajudante de laboratório, vidraceiro e vulcanizador (INSS IN 98/2003:2). Cada vez mais, trabalhadores de diferentes profissões em ramos de serviço ou indústria passavam a fazer parte das comunidades atingidas pela doença. A segunda revisão da Nota Técnica MPAS/91 produziu a Norma Técnica/93, "amplamente discutida pela sociedade civil" (conforme sua própria apresentação), que definiu como LER o nome da doença. No rol das causas e da relação com o trabalho, passouse a reconhecer, "na sua etiologia", "além dos fatores biomecânicos, os fatores relacionados à organização do trabalho". Isto é, além das posições, posturas e movimentos corporais repetitivos, "fatores organizacionais e psicossociais ligados ao trabalho também passaram a ser considerados na causalidade da doença". Com isto, deveriam ser também valorizadas as percepções subjetivas que o trabalhador tem dos fatores de organização do trabalho. Prossegue o texto da Norma:

17 17 Como exemplo de fatores psicossociais podemos citar: considerações relativas à carreira, à carga de trabalho e ao ambiente social e técnico do trabalho. A "percepção" psicológica que o indivíduo tem das exigências do trabalho é o resultado das características físicas da carga, da personalidade do indivíduo, das experiências anteriores e da situação social do trabalho" (ib.: 3). A denominação LER permaneceu até que, no final da década de 90, a Norma Técnica nº 606/98 do INSS muda outra vez o nome da doença, desta vez para DORT, considerando-a como [...] uma síndrome clínica caracterizada por dor crônica, acompanhada ou não de alterações objetivas, que se manifesta principalmente no pescoço, cintura escapular e/ou membros superiores, em decorrência do trabalho e que pode afetar tendões, músculos e nervos periféricos [...] (Ministério da Saúde, 2001: 424) Essa precisão anatômica exigida pelo INSS na caracterização da doença, entretanto, "é difícil" e "o nexo com o trabalho tem sido objeto de questionamento, apesar das evidências epidemiológicas e ergonômicas" (ib.:424). Isto justifica a última revisão da Instrução Normativa de 2003 que decide, inclusive, agrupar as palavras LER e DORT no novo nome da doença. 2. Os sintomas e a história natural da LER/DORT Conforme registrado acima, os principais sintomas da LER/DORT são a dor crônica, espontânea ou decorrente de certas movimentações passivas ou ativas do corpo, e certas sensações, ou sintomas qualificados como "sensação de" fraqueza, peso, cansaço, dormência, formigamento, agulhada, choque etc. Esses sintomas resultam em incapacidade, a dificuldade progressiva para o uso das mãos, dos membros superiores ou da parte do corpo afetada pela doença, a qual deve ser definida pelo médico. Além dos sintomas, em certos casos, é possível identificar, ao exame clínico ou observação direta, elementos de um processo inflamatório crônico não específico, às vezes acompanhado de atrofias musculares ou alterações ósseas e neurológicas

18 18 nas zonas anatômicas comprometidas. Para o diagnóstico, é importante, como ressalta o Manual de Doenças do Trabalho do Ministério da Saúde, a descrição cuidadosa desses sinais e sintomas quanto à localização, forma e momento de instalação, duração e caracterização da evolução, intensidade, bem como os fatores que contribuem para a melhora ou o agravamento do quadro clínico (Brasil, 2001:425). Nessa tarefa complexa do diagnóstico de LER/DORT, a Instrução Normativa INSS 98/2003 tenta fazer coincidir com o texto do Ministério da Saúde as indicações de procedimentos e condutas clínicas. Desde o princípio, relembra, o diagnóstico segue os mesmos passos rotineiros que a clínica possui em sua prática: O diagnóstico de LER/DORT consiste, como em qualquer caso, nas etapas habituais de investigação clínica, com os objetivos de se estabelecer a existência de uma ou mais entidades nosológicas, os fatores etiológicos e de agravamento (IN INSS 98/2003:4). Antes de qualquer coisa, o texto da Instrução/2003 nos adverte, a LER/DORT é uma doença como todas outras, ou seja, é uma entidade nosológica cuja constatação obedece aos mesmos princípios, procedimentos e seqüências com os quais a clínica sempre operou em seus diagnósticos. Além da investigação tradicional e dos mesmos passos de uma nosologia definindo o seu objeto, a clínica deve definir também uma estrutura de causalidade da doença e as possibilidades de evolução do curso do mal ou de seu prognóstico. Pode-se dividir, para fins de descrição, três passos ou etapas do exame clínico tradicional. O primeiro é a anamnese, o "rememorar" dos sintomas que o doente faz ao médico no momento da consulta e que compreende: (1) a história da moléstia atual, (2) o interrogatório sistemático sobre o funcionamento dos aparelhos e sistemas do corpo, (3) o interrogatório dos hábitos e comportamentos especiais de cada doente e (4) seus antecedentes particulares, pessoais e familiares. Ao final desse primeiro interrogatório e

19 19 havendo suspeita de doença decorrente do trabalho, deve-se obter a história ocupacional do doente, ou seja, "um retrato dinâmico de sua rotina laboral" para identificar as possíveis situações que comprometeram a sua saúde (ib.: 5). O passo seguinte é o exame físico, que se caracteriza pela observação direta do médico sobre o corpo do doente e seu objetivo é identificar e descrever "sinais clínicos" visíveis, palpáveis ou audíveis, no corpo e nos movimentos ou funções do doente. A terceira etapa, que pode ser prescindível ou imprescindível para o diagnóstico, dependendo da suspeita clínica, é compreendida pelos "exames indiretos" ou exames complementares que fazem parte da rotina clínica e suas condutas terapêuticas (exames de sangue, urina, radiografias, tomografias etc.). No caso específico da LER/DORT, relembrando o que se refere aos sintomas, o texto em questão nos informa que: [...] as queixas mais comuns entre os trabalhadores com LER/DORT são dor localizada, irradiada ou generalizada, desconforto, fadiga e sensação de peso. Muitos relatam formigamento, dormência, sensação de diminuição de força, edema e enrijecimento muscular, choque, falta de firmeza nas mãos, sudorese excessiva, alodínea (sensação de dor como resposta a estímulos não nocivos em pele normal). São queixas encontradas em diferentes graus de quadro clínico (IN INSS 98/2003:4). Para o raciocínio clínico, a subjetividade e a diversidade sintomatológica devem ser compreendidas nas "variações do tempo" dos sintomas e nas localizações no corpo do doente. Essa caracterização temporal, uma compreensão histórica da doença, pressupõe um desdobrar crônico de sintomas que se relacionam a tarefas ou situações mórbidas de trabalho: O início dos sintomas é insidioso, com predominância nos finais da jornada de trabalho ou durante os picos de produção, ocorrendo alívio com o repouso noturno e nos finais de semana. Poucas vezes o paciente se dá conta de sua ocorrência precocemente. Por serem intermitentes, de curta duração e de leve intensidade, passam por cansaço passageiro ou "mau jeito" (ib.:4).

20 20 Os sintomas iniciais, vagos e imprecisos, são agravados pela continuação do desempenho das tarefas durante a atuação profissional: A necessidade de responder às exigências do trabalho, o medo de desemprego, a falta de informação e outras contingências, principalmente nos momentos de crise em que vivemos, estimulam o paciente a suportar seus sintomas e a continuar trabalhando como se nada estivesse ocorrendo (ib.:4). Esse é o terreno fértil onde se instalam ou se agravam, aos poucos, os componentes sintomáticos do quadro clínico da doença. Antes intermitentes, os sintomas tornamse cada vez mais presentes nas jornadas de trabalho, invadem mais e mais as noites e os fins de semana dos trabalhadores. Muitos deles procuram médicos, divididos entre a dor e as demandas profissionais, mas nem sempre obtêm orientação eficaz no sentido de deter a progressão do problema: Muitas vezes recebem tratamento baseado apenas em antiinflamatórios e sessões de fisioterapias, que "mascaram" transitoriamente os sintomas, sem que haja ação de controle de fatores desencadeantes e agravantes. O paciente permanece, assim, submetido à sobrecarga estática e dinâmica do sistema músculoesquelético e os sintomas evoluem de uma forma tão intensa que sua permanência no posto de trabalho se dá às custas de muito esforço. Não ocorrendo mudanças nas condições de trabalho, há grandes chances de piora progressiva do quadro clínico (ib.:4). Nessa fase ocorre para o trabalhador o comprometimento tanto de suas atividades ocupacionais quanto das atividades cotidianas, a higiene doméstica e pessoal, por exemplo. A gravidade e duração das crises o deprimem e submetem cada vez mais à condição de doente e incapacitado. Aos poucos, algo que a clínica compreende através de uma "história natural da doença" e que engendra sintomas e condições de trabalho, instala-se no corpo e adquire uma autonomia em relação aos seus próprios fatores causais: Com o passar do tempo os sintomas aparecem espontaneamente e tendem a se manter contínuos, com a existência de crises de dor intensa, geralmente desencadeada por movimentos bruscos,

21 21 pequenos esforços físicos, mudança de temperatura ambiente, nervosismo, insatisfação e tensão. Às vezes as crises ocorrem sem nenhum fator desencadeante aparente. Essas características já fazem parte de um quadro mais grave de dor crônica, que merecerá abordagem especial por parte do médico, integrado em uma equipe multidisciplinar. (ib.: 4). Embora muitos dos sintomas sejam subjetivos, o quadro clínico exige mudanças no trabalho e na própria vida do doente. "É comum que se identifiquem evidências de ansiedade, angústia, medo e depressão, pela incerteza do futuro, tanto do ponto de vista profissional como pessoal" (ib:.4), principalmente em decorrência da dor crônica que se instala como um fator determinante no corpo e vida do doente. Sobre esse aspecto, a mesma Instrução 2003 ressalta: Especial menção deve ser feita em relação à dor crônica dos pacientes com LER/DORT. Trata-se de quadro caracterizado por dor contínua, espontânea, atingindo segmentos extensos, com crises álgicas de duração variável e existência de comprometimento importante das atividades da vida diária. Estímulos que, a princípio, não deveriam provocar dor, causam sensações de dor intensa, acompanhadas muitas vezes de choque e formigamento. Os achados de exame físico podem ser extremamente discretos e muitas vezes os exames complementares nada evidenciam, restando apenas as queixas do paciente que por definição são subjetivas (ib.: 4-5). A dor toma conta dos movimentos do doente. Essa autonomia, que já supõe um caráter crônico e prenuncia uma vida longa e própria para a doença, pode reduzir-se a um quadro exclusivo de sintomas subjetivos, sem evidências à observação direta do médico no corpo do doente. A conseqüência é enfatizada, de modo surpreendente, pela própria Instrução/2003: Essa situação freqüentemente desperta sentimentos de impotência e desconfiança no médico, que se julga "enganado" pelo paciente, achando que o problema é de ordem exclusivamente psicológica ou de tentativa de obtenção de ganhos secundários. Do lado de alguns pacientes, essa evolução extremamente incômoda e sofrida traz depressão e falta de esperança, despertando o sentimento e a necessidade de "provar a todo custo" que realmente têm o problema e que não se trata de "invenção de sua cabeça" (ib.: 5).

Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT

Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica da LER/DORT UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LUIZ CARLOS CORREIA OLIVEIRA Doença invisível, medicina ambígua: a configuração clínica

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort)

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) LER/DORT Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) Introdução: O que é LER/Dort? São danos decorrentes da utilização excessiva imposta ao sistema

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia LER DORT LER/DORT Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Reumatologia Ocupacional CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://canyonwalkerconnections.com/2010/the-law-ofkindness-on-your-tongue-and-typing-hands/olympusdigital-camera/

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo São Paulo, xx de xxxxx de xxxx Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo Na qualidade de assistente técnico da empresa reclamada apresento, respeitosamente, a Vossa Excelência: ANÁLISE DE LAUDO

Leia mais

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho Marco Antônio César Villatore 1 O Assédio Moral no Ambiente de Trabalho é um fenômeno antigo,

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

A LER na contramão da sociedade inclusiva

A LER na contramão da sociedade inclusiva A LER na contramão da sociedade inclusiva José Newton Garcia de Araújo Professor do Instituto de Psicologia da PUC Minas, pesquisador do CNPq Entre os diversos grupos de portadores de deficiências, seria

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO Profa. Lys Esther Rocha Agenda O que é Medicina do Trabalho? Conceito de Trabalho e Saúde A relação Saúde e Trabalho O Mundo do Trabalho Atual: características e desafios

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009)

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009) 909 A carência de cuidados na prevenção de DORT na atuação do intérprete de LIBRAS Judith Vilas Boas Santiago (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) Juliano Salomon de Oliveira (Universidade

Leia mais

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0)

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0) EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0), Médico(a) (especialidade, ex: Médico do Trabalho), inscrito(a) no Conselho Regional de Medicina nº

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

SIGOWeb Informática Ltda CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO

SIGOWeb Informática Ltda CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO Dr. Airton Kwitko: kwitko@sigoweb.com.br A partir de 2010 o País convive com o Fator Acidentário de Prevenção (FAP). O FAP é calculado através

Leia mais

LER / DORT PREVINA-SE

LER / DORT PREVINA-SE LER / DORT PREVINA-SE Rio Claro SP Apoio: Prefeitura de Rio Claro Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro Conselho Gestor CEREST Conselho Municipal de Saúde Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se EDITORIAL DO CFM Sex, 08 de Maio de 2009 Ato Médico Pericial: Implicações Éticas e Legais A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se tarefa de peritos e de juntas médico-periciais

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

CAT. Perguntas e Respostas sobre a. Telefones úteis:

CAT. Perguntas e Respostas sobre a. Telefones úteis: Telefones úteis: Perguntas e Respostas sobre a CAT SUBDELEGACIA DO TRABALHO: (19) 3433-9563 INSS: 0800-780191 / 135 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO: (19) 3796-9600 DELEGACIA SECCIONAL: (19) 3434-4133 SERVIÇO

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT PREVENÇÃO ÀS LER/DORT Introdução Durante os dias 19, 20 e 23 de julho o Datafolha ouviu os trabalhadores paulistanos sobre sua vida no trabalho (atividades desempenhadas, carga horária, realização de horas

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Painel 3: Atuação do Movimento Sindical e Popular na efetivação das Ações em Saúde do Trabalhador Telma Dantas

Painel 3: Atuação do Movimento Sindical e Popular na efetivação das Ações em Saúde do Trabalhador Telma Dantas Painel 3: Atuação do Movimento Sindical e Popular na efetivação das Ações em Saúde do Trabalhador Telma Dantas A segurança e saúde no trabalho diz respeito a todos. Bom para si. Bom para as empresas. Conceito

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Deveres dos médicos com relação à saúde do trabalhador Versa sobre normas específicas para médicos que atendam o trabalhador Fonte: Diário Oficial da

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

Dedicados à coluna. unidade da coluna

Dedicados à coluna. unidade da coluna Dedicados à coluna A nova Unidade da Coluna do Hospital Beatriz Ângelo reúne médicos de várias especialidades com o objetivo de dar a resposta mais rápida e adequada às pessoas com doenças graves da coluna.

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Avaliação Psicossocial: conceitos

Avaliação Psicossocial: conceitos Avaliação Psicossocial: conceitos Vera Lucia Zaher Pesquisadora do LIM 01 da FMUSP Programa de pós-graduação de Bioética do Centro Universitário São Camilo Diretora da Associação Paulista de Medicina do

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.488/1998 (Publicada no D.O.U.,de 06 março 1998, Seção I, pg.150 ) Modificada pela Resolução CFM n. 1.810/2006 Modificada pela Resolução CFM nº 1.940/2010

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

AULA Nº 5 E 6 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 5 E 6 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 5 E 6 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Doenças profissionais são acidentes de trabalho? Doenças profissionais são aquelas que são adquiridas na sequência do exercício do trabalho em si e

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI O que os trabalhadores do call center e de programação e produção de software têm em comum? Esta é uma das questões que o sociólogo

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Classificação e diagnóstico das LER/DORT

Classificação e diagnóstico das LER/DORT Aula 06 Classificação e diagnóstico das LER/DORT 5 - CLASSIFICAÇÕES DOS GRAUS DE ACOMETIMENTO PELAS LER/DORT Grau I - É caracterizado pela sensação de peso e desconforto no membro afetado, dor localizada

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais