PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL Nº 01/2014/COREME/FM/UFMT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL Nº 01/2014/COREME/FM/UFMT"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE MEDICINA COORDENAÇÃO DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL Nº 01/2014/COREME/FM/UFMT Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos

2 I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO 1. Este Caderno de Prova, com páginas numeradas de 1 a 9, é constituído de 30 (trinta) questões objetivas sobre Conhecimentos em Pediatria, cada uma com 4 (quatro) alternativas. 2. Caso o Caderno de Prova esteja incompleto ou tenha qualquer defeito de impressão, solicite ao fiscal que o substitua. 3. Sobre a Marcação do Cartão de Respostas As respostas deverão ser, obrigatoriamente, transcritas com caneta esferográfica de tinta azul ou preta não porosa para o Cartão de Respostas, que será o único documento válido para correção. Não haverá substituição do Cartão de Respostas por erro do candidato. 3.1 Para cada questão existe apenas uma alternativa que a responde acertadamente. Para a marcação da alternativa escolhida no CARTÃO DE RESPOSTAS, pinte completamente o campo correspondente. Exemplo: Suponha que para determinada questão a alternativa C seja a escolhida. N.º da Questão A B C D 3.2. Marque apenas uma alternativa para cada questão Será invalidada a questão em que houver mais de uma marcação, marcação rasurada ou emendada, ou não houver marcação Não rasure nem amasse o CARTÃO DE RESPOSTAS. 4. Todos os espaços em branco, neste caderno, podem ser utilizados para rascunho. 5. A duração da prova é 2 (duas) horas, já incluído o tempo destinado ao preenchimento do CARTÃO DE RESPOSTAS. 6. Somente após decorrida 1 hora do início da prova, o candidato, depois de entregar seu Caderno de Prova e seu Cartão de Respostas poderá, retirar-se da sala de prova. O candidato que insistir em sair da sala de prova antes desse tempo deverá assinar Termo de Ocorrência declarando sua desistência do processo seletivo. 7. Será permitida a saída de candidatos levando o Caderno de Prova somente na última meia hora de prova. 8. Após o término da prova, o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar ao fiscal o CARTÃO DE RESPOSTAS devidamente assinado e preenchido.

3 CONHECIMENTOS EM PEDIATRIA QUESTÃO 01 Em relação ao desenvolvimento puberal masculino, é correto afirmar: (A) A ginecomastia costuma ser o primeiro sinal de puberdade. (B) A semenarca ocorre quando o volume testicular alcança 4 ml. (C) O estirão de crescimento ocorre na fase puberal de G3. (D) A mudança no timbre de voz precede o estirão de crescimento. QUESTÃO 02 O Código de Ética Médica garante o sigilo para paciente menor de idade. Entretanto, existem alguns casos nos quais esse sigilo precisa ser quebrado. Qual caso se encaixa nessa situação? (A) Antes da prescrição de método anticoncepcional. (B) Quando o adolescente indicar sinais de tentativa de suicídio. (C) Quando os familiares assim o solicitarem. (D) Quando o adolescente revelar relações homossexuais. QUESTÃO 03 A acne é uma das afecções mais comuns na faixa etária da adolescência. Sobre essa afecção, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Os meninos tendem a ter acne mais grave e por períodos mais longos. ( ) Sua herança é autossômica recessiva. ( ) A principal bactéria envolvida na acne inflamatória é o Streptococus acnes. ( ) A acne pápulo-postulosa também é conhecida como acne grau II. ( ) Na acne, os pontos pretos que aparecem na superfície dos comedões são decorrentes da falta de higiene. Assinale a sequência correta. (A) V, F, V, V, V (B) F, F, F, V, F (C) F, V, F, F, F (D) V, V, V, V, F QUESTÃO 04 Quanto à puberdade, assinale a afirmativa correta. (A) A integração entre o eixo de crescimento IGF-1 e os hormônios tireoidianos não é importante porque desempenham papéis independentes. (B) Na puberdade, há aumento de amplitude dos pulsos de secreção de hormônio luteinizante (LH) e folículo estimulante (FSH), detectáveis após o surgimento de sinais externos da puberdade. (C) A testosterona não influencia na eritropoiese. (D) A Leptina pode ser o sinal molecular de ligação na situação nutricional da ativação puberal do eixo hipotálamo-hipófise-gônada. QUESTÃO 05 Considera-se que há atraso puberal quando: (A) Nos meninos, houver ausência do aumento de volume testicular após 14 anos. (B) Nas meninas, houver ausência de menarca após 14 anos. (C) Nos meninos, houver ausência de pubarca após 16 anos. (D) Nas meninas, houver ausência de telarca após 12 anos. 1/9 Residência Médica / Neonatologia

4 QUESTÃO 06 Adolescente de 16 anos, sexo feminino, procura ambulatório com história de ter sido vítima de abuso sexual, perpetrado por desconhecido há 48 horas. Houve intercurso anal e vaginal, sem utilização de preservativo pelo agressor. Não sabe informar sobre vacinação no passado e refere não ter caderneta de vacinação. Exames complementares: anti-havigg: reagente; anti-havigm: não reagente; HBsAg: não reagente; anti-hbs: reagente em títulos baixos. A conduta adequada quanto à profilaxia antirretroviral e contra hepatites é: (A) Indicar profilaxia antirretroviral e imunoglobulina hiperimune contra hepatite B. (B) Indicar uma dose de reforço de vacina contra hepatite B e vacina contra hepatite A. (C) Indicar profilaxia antirretroviral e uma dose de reforço de vacina contra hepatite B. (D) Indicar profilaxia antirretroviral e não indicar vacinas por ser imune. QUESTÃO 07 Paciente de 2 meses de vida é trazido ao ambulatório, em tratamento para toxoplasmose congênita desde o nascimento, para avaliação e seguimento. A mãe apresentou no 7º mês de gestação IgG para toxoplasmose de 345 UI/mL e IgM positiva, sendo tratada com espiramicina até o parto. Ao nascimento, a criança era assintomática, com IgG de 296 UI/mL e IgM negativa. A equipe neonatal decidiu por iniciar o tratamento com sulfadiazina, pirazinamida e ácido folínico no terceiro dia de vida. Em relação a esse caso, assinale a afirmativa correta. (A) A indicação de tratamento do bebê está incorreta, já que ele não apresentou IgM positiva para toxoplasmose. (B) O título de IgG da criança menor que o da mãe descarta a infecção no bebê. (C) A melhor conduta diante do caso seria suspender a medicação e solicitar nova sorologia para verificar se há ascensão dos títulos de IgG ou surgimento de IgM para confirmar o diagnóstico no bebê. (D) Mesmo o bebê apresentando IgM negativa, existe a possibilidade de infecção. QUESTÃO 08 Em relação a recém-nascido, filho de mãe infectada pelo HIV, é correto afirmar: (A) Há indicação de quimioprofilaxia com AZT (zidovudina) e NVP (nevirapina) para todos os nascidos com mais de 1500 g e cujas mães tenham carga viral maior que 1000 cópias/ml. (B) A duração da quimioprofilaxia com AZT é 6 semanas. (C) As doses da NVP devem ser dadas nos três primeiros dias de vida com intervalo de 24 horas entre elas. (D) Se o recém-nascido for assintomático e a carga viral da mãe for menor que 1000 cópias/ml, a decisão do início da profilaxia para infecção pelo Pneumocystis jiroveci pode ser adiada até o resultado da primeira carga viral, solicitada no fim do primeiro mês de vida. QUESTÃO 09 A icterícia fisiológica do recém-nascido (RN) é bastante prevalente e pode-se afirmar, acerca dessa manifestação clínica, que, no RN de termo: (A) A queda da atividade da UDPG-T (uridino difosfato glicuronil transferase) e a menor excreção hepática da bilirrubina são os fatores etiológicos principais. (B) A menor vida média dos eritrócitos dos RN e a menor atividade da UDPG-T (uridino difosfato glicuroniltransferase) participam de sua etiologia. (C) A menor circulação êntero-hepática da bilirrubina e a maior atividade da β-glicuronidase são os fatores etiológicos predominantes. (D) O início precoce da alimentação favorece o aparecimento e leva ao aumento da intensidade da hiperbilirrubinemia mais cedo. 2/9 Residência Médica / Neonatologia

5 QUESTÃO 10 Sobre a cetoacidose diabética, analise as afirmativas abaixo. I - A cetoacidose diabética é decorrente da insuficiência grave de insulina e do excesso de hormônios contrarreguladores, como glucagon. II - A deficiência de potássio na cetoacidose é comum, por isso a reposição de potássio deve ser realizada mesmo com os níveis plasmáticos normais. III - O uso de insulina no tratamento da cetoacidose diabética tem por objetivo a correção da acidose e da cetonemia. IV - O uso de bicarbonato para correção da acidose deve ser considerado quando o paciente se apresenta em choque ou com ph < 7,1 ou com hipopotassemia. Estão corretas as afirmativas (A) I e III, apenas. (B) II e IV, apenas. (C) I, II e IV, apenas. (D) I, II e III, apenas. QUESTÃO 11 Uma mãe entra no PA infantil em desespero, carregando o filho de 2 anos nos braços. Ao exame físico, nota-se que a criança está hipertônica, apresenta mioclonias, trismo e opistótono. Durante a anamnese, mãe relata que o filho está com náuseas e vômitos, sem febre ou outros sintomas. Menciona que vem administrando remédio para vômito há dois dias e, como não vinha melhorando, decidiu aumentar a dose por conta própria. Qual o diagnóstico provável para o caso? (A) É uma síndrome extrapiramidal e, no atendimento inicial, a criança deve ser estabilizada usando a sequência do ABCDE. (B) Trata-se de síndrome narcótica e deve receber naloxona como antagonista. (C) Trata-se de síndrome de rabdomiólise e não há o que fazer. (D) É uma síndrome anticolinérgica e deve receber diazepam para tratar a crise convulsiva. QUESTÃO 12 Em relação à toxoplasmose congênita, é correto afirmar: (A) A detecção de sorologia IgM positiva em uma gestante que inicia pré-natal traduz infecção ativa e requer tratamento. (B) A presença uniforme de sinais clínicos ao nascer nas crianças infectadas facilita o planejamento do seguimento após o período neonatal. (C) O título alto de IgG na gestante pode sofrer variações entre indivíduos e um título alto não significa critério para diagnóstico de infecção recente. (D) A presença de anticorpos do tipo IgG na circulação do recém-nascido confirma a transmissão da infecção para a criança e justifica o tratamento. QUESTÃO 13 Criança com quadro de febre baixa, tosse seca, coriza intensa e conjuntivite com fotofobia. Após 3 dias, evolui com enantema caracterizado por pontos branco-acinzentados no palato, que esvaecem após 18 horas. Segue-se, início de exantema maculopapular eritematoso de início em face e pescoço, acompanhado de piora da febre que passa a ser alta (40º C). Após 24 h, o exantema atinge tronco, membros superiores e coxas, piorando em face. Após mais 24 h, atinge os pés, inclusive palmas e plantas, piorando no tronco e face. No 4º dia após o início do exantema, este começa a esvaecer no sentido craniocaudal e a febre cai bruscamente com melhora dos sintomas e do estado geral. A patologia melhor descrita pelo quadro clínico apresentado é: (A) Rubéola. (B) Eritema infeccioso. (C) Exantema súbito. (D) Sarampo. 3/9 Residência Médica / Neonatologia

6 QUESTÃO 14 Adolescente do sexo masculino de 12 anos vem ao ambulatório de pediatria acompanhado dos pais com queixa de ganho de peso excessivo há 4 anos. Nascido de parto normal, a termo, peso de nascimento = 2250 g e estatura = 44 cm. Mãe apresentou hipertensão na gestação. Nega internações, cirurgias e uso de medicações crônicas. Refere que nos últimos 3 meses vem apresentando aumento de apetite, muita sede e aumento da diurese. Mãe tem 40 anos, hipertensa, E = 154 cm, P = 80 kg. Pai, 43 anos, E = 168 cm, P = 92 kg, infarto agudo do miocárdio há 1 ano e tabagista. Refere que estuda pela manhã e, durante a tarde, fica o tempo todo em frente ao computador e vídeo game. Alimentação: salgado e refrigerante no colégio pela manhã; almoço: arroz, macarrão, frango ou carne frita, farofa. Durante a tarde, em casa, belisca sucos artificiais, salgadinhos de pacotes e bolacha recheada. Jantar igual almoço. Antes de dormir toma 2 copos de leite integral com achocolatado. Ao exame: P = 80 kg (Z > +2); E = 156 cm (Z = +1); IMC = 32,8 (Z > +3); PA = mmhg (> p95), Circunferência abdominal = 98 cm (>p90). BEG, corado, hidratado, ativo, afebril, manchas escuras em região de axilas e região cervical. Aparelhos cardíaco e respiratório normais. Abdome: leve dor à palpação de hipocôndrio direito, restante normal. Exames 2 meses antes da consulta: glicose de jejum = 128 mg/dl; insulina = 28; TGO = 90, TGP = 78; ureia = 23; creatinina = 0,5; colesterol total = 260; LDL = 180; HDL = 20; triglicérides = 178. Exames 15 dias antes da consulta: glicose de jejum = 130 mg/dl; insulina = 29; TGO = 98; TGP = 83; ureia = 20; creatinina = 0,6; colesterol total = 278; LDL = 182; HDL = 22; triglicérides =170. Com base nos dados, o adolescente apresenta: (A) Obesidade grave de natureza exógena e sinais de resistência insulínica, caracterizada por aumento das transaminases, esteatose hepática e hipertrigliceridemia. (B) Obesidade de natureza exógena e provável síndrome metabólica determinada por cintura abdominal acima do p90, hipertensão arterial, hipertrigliceridemia e hiperglicemia. (C) Obesidade grave de natureza endógena e hiperinsulinismo devido à insulinemia de jejum acima de 15 e Índice de HOMA-IR = 8,38. (D) Obesidade de natureza endógena e diabetes tipo 2 caracterizado por sinais e sintomas típicos (polidipsia, poliúria e aumento do apetite) + 2 glicemias de jejum > 126 mg/dl. QUESTÃO 15 Sobre meningites na infância, analise as afirmativas. I - Paciente com clínica de meningite deve ser submetido à punção lombar para confirmação diagnóstica, independentemente de sua condição clínica. II - A tríade clássica de sintomas de meningite febre, cefaleia e vômitos em jato - só não é encontrada na faixa etária neonatal. III - Para a profilaxia pós-exposição com antibióticos, nos casos de meningites meningocócica e por Haemophilus, a droga de escolha é a rifampicina, porém com doses e tempo de uso diferentes. IV - O PNI (Programa Nacional de Imunizações) disponibiliza para todas as crianças, entre 6 meses e 5 anos de vida, vacinas contra as meningites bacterianas mais graves (Pentavalente, Meningocócica C e Pneumocócica 10valente). V - Meningite meningocócica que inicia com leucopenia tem melhor prognóstico. VI - Meningite pneumocócica tem maior letalidade entre as meningites bacterianas. VII - LCR com pleiocitose às custas de neutrófilos no início do quadro não exclui etiologia viral. Estão corretas as afirmativas (A) III, V e VII. (B) I, III e V. (C) II, IV, VI e VII. (D) I, II, IV e VI. 4/9 Residência Médica / Neonatologia

7 QUESTÃO 16 Considerando as glomerulopatias mais frequentes da infância, marque a afirmativa correta. (A) A síndrome nefrótica apresenta a tríade clássica hipoalbuminemia, hiperlipidemia e hipertensão arterial, enquanto a síndrome nefrítica apresenta a tríade oligúria, edema e proteinúria maciça. (B) Na síndrome nefrítica, ocorrem complicações relacionadas à infecção bacteriana por cepas nefritogênicas, e na síndrome nefrótica as complicações são relacionadas com a congestão circulatória. (C) Na síndrome nefrótica, como ocorre edema generalizado, deve-se realizar tratamento com diuréticos de alça além de restrição hídrica e restrição de sódio. Na síndrome nefrítica, como se trata de uma doença imunomediada, deve-se realizar o tratamento com corticoides a fim de inibir a cascata de complemento. (D) A síndrome nefrótica cursa com edema mole, depressível, generalizado e hipovolemia, ao passo que a síndrome nefrítica cursa com edema leve a moderado, predominante em face e abdômen e hipervolemia. QUESTÃO 17 Paciente do sexo feminino, 7 anos de idade, com história de aumento de volume com sinais flogísticos em joelho, punho esquerdo e tornozelo direito há sete dias, com duração de três dias em cada articulação. Há dois dias apresenta dor precordial e cansaço aos grandes esforços. Nega antecedente infeccioso. Ao exame, apresenta de positivo: taquicardia (130 bpm), sopro holossistólico em foco mitral com irradiação para a axila, dor, rubor e calor em tornozelo direito. Em relação à patologia dessa paciente, assinale a afirmativa INCORRETA. (A) Nódulos subcutâneos são raros e estão associados comumente com cardite grave. (B) A coreia é uma manifestação tardia, podendo ter um período de latência de 1 a 6 meses. (C) Dois critérios maiores de Jones (modificado) ou um critério maior mais dois menores, independente da evidência de infecção estreptocócica recente, indicam alta probabilidade da doença. (D) Geralmente, quanto menor a idade do primeiro surto, maior a gravidade do acometimento cardíaco e menor o envolvimento articular. QUESTÃO 18 Pré-escolar de 4 anos de idade com quadro de febre moderada (38,5 C) com duração de 3 dias, associada à tosse produtiva intensa e taquidispneia. Ausculta pulmonar com MV diminuído em ápice de HTE, broncofonia e macicez à percussão. Com base nos dados, assinale a afirmativa correta. (A) É um caso clássico de broncopneumonia por micoplasma, considerando a faixa etária e o exame pulmonar. (B) É uma pneumonia lobar com derrame pleural, causada provavelmente por Stafilococo aureus e o RX de tórax deve mostrar condensação homogênea com linha de pleura. (C) Trata-se de pneumonia provavelmente causada por Streptococo pneumoniae e o Raio X de tórax deve mostrar condensação sem derrame pleural. (D) Trata-se de broncopneumonia, provavelmente causada por Haemophilus influenzae tipo B sem derrame pleural. QUESTÃO 19 Lactente de 18 meses de idade, frequentador de creche, com quadro de início súbito há 3 dias caracterizado por hiporexia, tosse intensa, febre alta (39,5 C) e coriza hialina. Ao exame: irritado, poliqueixoso, hipoativo, eupneico, MV fisiológico sem ruídos adventícios. Qual o diagnóstico provável? (A) É quadro sugestivo de gripe, cujo agente etiológico é o vírus influenza. (B) É quadro de bronquiolite e deve-se iniciar uso de nebulizações com broncodilatador. (C) É quadro de resfriado comum e o tratamento deve ser sintomático. (D) É rinite bacteriana e deve-se iniciar o uso de antibiótico. 5/9 Residência Médica / Neonatologia

8 QUESTÃO 20 Pré-escolar de 4 anos de idade apresentando quadro de inapetência, náuseas, dor abdominal, distensão abdominal, diarreia concomitante à eliminação de vermes brancos, cilíndricos, alongados, de aspecto liso e brilhante. As principais complicações relacionadas ao agente etiológico desse quadro são: (A) Enterite, seguida de síndrome disabsortiva, desnutrição, desidratação e morte. (B) Obstrução intestinal, volvo, perfuração intestinal, colecistite, pancreatite e abscesso hepático. (C) Superinfecções bacterianas, incluindo meningite ou sepse por gram-negativos entéricos. (D) Hemorragia digestiva alta, hipertensão portal e fibrose hepática, alterações pulmonares. QUESTÃO 21 RNPT, 35 semanas, AIG, parto cesáreo por amniorrexe prematura e líquido amniótico meconial, Apgar de 7 e 9. Com 15 minutos de vida, inicia quadro de apneia e desconforto respiratório associados à hipoatividade. Ao exame: hipotermia, cianose, letargia, taquidispneia, gemido, batimentos de asa nasal, tiragens intercostal e subcostal, MV rude com estertores crepitantes difusos, RCR em 2T sem sopros, pulsos finos, perfusão lentificada. O RX de tórax mostrou padrão reticulogranular difuso com broncogramas aéreos. Mãe, G1P1A0, sem intercorrências clínicas na gestação, apresentou pico febril durante o parto. Com base nos dados, a hipótese diagnóstica e a etiopatogenia mais prováveis para o quadro são, respectivamente: (A) Taquipneia transitória do RN; retardo na eliminação do líquido pulmonar devido ao parto cesáreo sem trabalho de parto. (B) Doença da membrana hialina; deficiência na produção de surfactante e aumento do consumo devido à hipóxia perinatal. (C) Síndrome de aspiração de mecônio; obstrução da via aérea e pneumonite química causada pela presença de mecônio em via aérea. (D) Pneumonia neonatal; processo inflamatório infeccioso, provavelmente causado por Estreptococo do grupo B. QUESTÃO 22 Lactente, 2 meses, branco, masculino, natural e procedente de Cuiabá-MT, nascido a termo, peso adequado para idade gestacional, previamente hígido. Recebeu vacinação indicada para a idade. Após seis horas, evoluiu com três picos febris de 38,2 C, com intervalo de quatro horas entre eles, que cederam com uso de antitérmico. No dia seguinte, apresentou irritabilidade progressiva, choro persistente e inconsolável, seguido de sonolência, sendo trazido ao Pronto Socorro. Ao exame: palidez cutânea, hipoatividade, hiporresponsividade a estímulos, com saturação de oxigênio em ar ambiente de 97 %, glicemia capilar de 79 mg/dl, sem outras alterações nos diversos aparelhos. Realizados hemograma, pesquisa quantitativa de proteína C reativa, gasometria arterial, dosagem sérica de eletrólitos, urina tipo 1, estudo do líquor, culturas gerais, pesquisas virais, radiografia de tórax e tomografia de crânio, todos com resultados normais. O quadro foi atribuído a evento adverso da vacina. Considerando a clínica e a idade da criança, o quadro apresentado deve ser notificado como evento adverso da vacina: (A) Pentavalente (DTP/Hib/HB). (B) Poliomielite (VIP). (C) Oral Rotavírus Humano (VORH). (D) Pneumocócica 10-valente (conjugada). QUESTÃO 23 Pré-escolar de três anos de idade, sexo feminino, é trazida ao pronto atendimento devido à febre de 38º C, disúria e ardência miccional de início há 2 dias, sendo feita uma hipótese diagnóstica de ITU. Assinale a alternativa que apresenta a hipótese etiológica mais provável, a melhor conduta propedêutica e terapêutica empírica inicial, respectivamente para o caso. (A) E. coli; urina I + urocultura por punção suprapúbica; sulfametoxazol-trimetropim. (B) S. saprophiticus; urina I + urocultura por jato médio; ceftriaxone. (C) E. coli; urina I + urocultura por sondagem vesical; ciprofloxacino. (D) P. mirabilis; urina I + urocultura por punção suprapúbica; gentamicina. 6/9 Residência Médica / Neonatologia

9 QUESTÃO 24 Em relação ao atendimento do RN em sala de parto, analise as afirmativas abaixo. I - O índice de Apgar deve ser realizado com 1 e 5 minutos de vida: o do primeiro minuto é um importante determinador da conduta em caso de reanimação neonatal e o do quinto minuto, um marcador de prognóstico. II - Os passos iniciais da reanimação são: colocar o RN em calor radiante, retificar o pescoço em ligeira extensão, aspirar boca e narinas, secar e remover campos úmidos, reposicionar e avaliar conjuntamente FC, respiração e cor. III - A prevenção da doença hemorrágica do RN é prática universal e deve ser realizada em todo e qualquer RN com a administração de vitamina K1 na dose de 1 mg IM, logo após o nascimento. IV - A profilaxia da doença gonocócica é realizada com a instilação de sulfadiazina de prata a 1%, sendo uma gota em cada olho e 2 gotas na vagina em caso de RN do sexo feminino. V - Durante o nascimento do RN é prática correta fazer 4 perguntas sobre o mesmo: É de termo? Mecônio ausente? Está respirando? O tônus está normal? Se todas as respostas forem afirmativas, pode-se inferir que o RN nasceu bem e, como medida de humanização do parto, pode-se colocar este RN no peito da mãe após a sua secagem, sem outras manobras de reanimação. Estão corretas as afirmativas (A) I, II, III e IV, apenas. (B) II, III e IV, apenas. (C) III e V, apenas. (D) I e V, apenas. QUESTÃO 25 Um lactente de seis meses de vida apresenta diarreia com fezes líquidas, volumosas, sem muco, pus ou sangue, há cinco dias, associada a vômitos. Ao exame, observa-se que a criança encontra-se intensamente irritada e bebe água com avidez. Pesquisando sinais físicos de desidratação, o pediatra verifica que os olhos da criança não estão encovados, as mucosas não estão secas e o sinal da prega cutânea é negativo. Foi solicitado coprológico funcional que mostrou ph > 6, substâncias redutoras negativas, osmolaridade semelhante à do plasma e sódio fecal elevado > 60 meq/l. A partir desse quadro clínico, analise as afirmativas. I - A ausência de muco e sangue nas fezes sugere a possibilidade de diarreia por Shigella sp. II - Apesar de o sinal da prega cutânea ser negativo, as mucosas estarem úmidas e os olhos não encovados, a criança está desidratada porque apresenta dois sinais-chave de desidratação, segundo as normas de terapia de reidratação oral: alteração do estado geral com irritabilidade e sede intensa. III - Como a criança está desidratada e apresenta vômitos, deve ser submetida à reidratação venosa, porque o uso da solução de reidratação oral não pode ser feito em crianças que vomitam. IV - O mecanismo fisiopatológico desse tipo de diarreia é secretório ativo mediado por toxinas bacterianas que estimulam a adenilciclase, ativando a bomba eletrolítica e levando à grande secreção de sódio e água nas criptas intestinais. V - A E. coli enterotoxigênica é o agente etiológico mais comum desse tipo de diarreia e causa seus efeitos através de invasão celular e inflamação. Estão corretas as afirmativas (A) I, II e V, apenas. (B) I, III e IV, apenas. (C) III e V, apenas. (D) II e IV, apenas. 7/9 Residência Médica / Neonatologia

10 QUESTÃO 26 Um recém-nascido com peso de g, idade gestacional de 37 semanas e filho de mãe hipertensa é admitido no berçário. Qual a complicação mais comum esperada nas primeiras 24 horas? (A) Apneia (B) Hipoglicemia (C) Convulsões (D) Hipercalcemia QUESTÃO 27 Um lactente de cinco meses, sem antecedentes significativos, é levado ao pronto socorro pediátrico. Há quatro dias iniciaram coriza hialina e tosse seca. Há dois dias apresenta irritabilidade, febre baixa e canseira progressiva. Foi medicado sem melhora. Hoje a dispneia piorou. Ao exame físico: regular estado geral, abatido, irritado, não toxêmico, gemente e com discreta cianose de extremidades. Peso e estatura adequados para idade. FC = 148 bpm. FR 66 rpm. Temp.= 37,8 C. ORL: ndn. Tórax: Tiragem intercostal e subdiafragmática, expiração prolongada. Coração: taquicardia sem sopros. Pulmões: sibilos simétricos em ambos os pulmões e mais acentuados na expiração. Abdome: ndn.snc: ndn. A fisiopatologia para o chiado nessa criança, considerando a etiologia mais provável, é: (A) Obstrução difusa de brônquios e bronquíolos, causada por lesão do epitélio respiratório pela ação viral direta, edema da mucosa e submucosa, infiltrado inflamatório e aumento de muco. (B) Flacidez das cartilagens da laringe com diminuição do tônus rígido da glote e subglote durante a respiração. (C) Ação direta do agente no epitélio respiratório com liberação de vários mediadores químicos levando à alteração na função pulmonar. (D) Inflamação brônquica resultante da interação entre mediadores químicos, células estruturais do epitélio respiratório e células inflamatórias. QUESTÃO 28 Lactente de 18 meses, saudável, nascido a termo, ao ingressar numa creche em Cuiabá, apresenta o seguinte cartão vacinal: Pólio 2 doses (2 e 4 meses) Hepatite B 2 doses (nascimento e 1 mês) Pentavalente 2 doses (2 e 4 meses). Pneumococo 10V 1 dose (2 meses) VORH (rotavírus) 1 dose (2 meses) A conduta mais correta para essa criança, visando atualizar o calendário vacinal preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, é: (A) Vacinar 3ª dose da Pólio (VIP) + 3ª dose da Pentavalente + tetraviral + 1 dose da Pneumococo 10 + dose única da Meningococo C, agendar Febre Amarela para realizar em 1 mês, reforço da Pólio (VOP) e DPT em 6 meses e fazer o teste de PPD prévio à administração da BCG. (B) Vacinar BCG + 3ª dose da Pólio (VOP) + 1 dose de Pentavalente + 1 dose de Pneumococo 10V + dose única de Meningococo C + 1 dose de tríplice viral e agendar Febre Amarela para realizar em 1 mês, tetraviral em 3 meses e reforço da Pólio (VOP) e DPT em 6 meses. (C) Vacinar 3ª dose da Pólio (VOP) + 1 dose da Pentavalente + 2ª dose da Pneumococo 10V + dose única de Mengingococo C + Febre Amarela + tríplice viral, agendar reforço da Pólio (VOP) + DTP + Pneumococo 10V para realizar em 12 meses, contraindicar BCG devido a ter mais de 1 ano de idade. (D) Vacinar BCG + 3ª dose da Pólio (VOP) + 3ª dose da Pentavalente + 2ª dose da Pneumococo 10V + 1ª dose da Meningococo C + tetraviral e agendar Febre Amarela para realizar em 1 mês, 3ª dose da Pneumococo + 2ª dose da Meningococo C em 2 meses e reforço da Pólio + DPT + Pneumococo 10V em 6 meses. 8/9 Residência Médica / Neonatologia

11 QUESTÃO 29 Lactente de 20 meses de idade com história de febre alta, 39 C, de início súbito, com duração de 3 dias e término em crise, acompanhada de irritabilidade e adenomegalia em cadeia cervical posterior. Após queda do quadro febril, surgiram lesões máculo-papulares avermelhadas, não pruriginosas e não descamativas em tronco e pescoço, poupando face e extremidades. A etiologia mais provável e a complicação mais comumente encontrada nessa patologia são, respectivamente: (A) Estreptococo do grupo A; febre reumática. (B) Paramixovírus; encefalomielite. (C) Herpes vírus hominis tipo 6; convulsão. (D) Idiopática; aneurisma de coronária. QUESTÃO 30 A mãe de um lactente que completa 3 meses hoje está preocupada porque acha que o desenvolvimento do seu filho está um pouco lento. O achado que pode ser considerado um sinal de alerta é: (A) Sustenta parcialmente a cabeça. (B) Sorri, mas não dá risada. (C) Mãos persistentemente fechadas e cabeça sempre lateralizada. (D) Não brinca com os pés. 9/9 Residência Médica / Neonatologia

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2016 Especialidades Pediátricas Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique se você recebeu um CADERNO

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 PROVA TIPO C C / NN - NEONATOLOGIA 1 2 CONCURSO 2012 PARA RESIDÊNCIA MÉDICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

HDM/GESTÃO IMIP CENTRO DE ESTUDOS DR. ALÍRIO BRANDÃO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ACADÊMICOS DE MEDICINA DO HOSPITAL DOM MALAN/ GESTÃO IMIP

HDM/GESTÃO IMIP CENTRO DE ESTUDOS DR. ALÍRIO BRANDÃO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ACADÊMICOS DE MEDICINA DO HOSPITAL DOM MALAN/ GESTÃO IMIP HDM/GESTÃO IMIP CENTRO DE ESTUDOS DR. ALÍRIO BRANDÃO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ACADÊMICOS DE MEDICINA DO HOSPITAL DOM MALAN/ GESTÃO IMIP A Diretoria de Ensino do HDM/GESTÃO IMIP torna público que

Leia mais

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre.

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. 15 minutos de... D. Kawasaki Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. A febre tem sido diária, com

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012 CASO CLÍNICO Felipe Santos Passos 2012 ANAMNESE ESP, feminino, 5 anos, natural e procedente de Salvador. QP - Febre há 12 horas 2 ANAMNESE HMA - Mãe relata que a criança apresentou quadro de febre (39

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 Caso Clínico Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 IDENTIFICAÇÃO: M.P.B.S, sexo feminino, 27 anos, solteira, procedente de Nova Olinda-CE, Q.P.: " pele amarelada e com manchas vermelhas" HDA: Paciente relata

Leia mais

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos)

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos) 01 Concurso Uma adolescente de 17 anos de idade, estudante do ensino médio, chega para atendimento na UPA na segunda feira pela manhã, com relato de febre alta (> 38,5ºC), tosse seca, coriza e hiperemia

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva Câmara

Leia mais

Câmara Municipal de Itápolis 1

Câmara Municipal de Itápolis 1 Câmara Municipal de Itápolis 1 Apresentação Prezado Cidadão, Esta é a Cartilha da Boa Saúde de Itápolis, uma publicação da Câmara Municipal de Vereadores que tem por objetivo trazer à população informações

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA Luciano Amédée Péret Filho CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

Protocolos Não Gerenciados

Protocolos Não Gerenciados Protocolos Não Gerenciados Unidade de Pediatria FEBRE SEM SINAIS LOCALIZATÓRIOS EM CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2005 SBIB Hospital Albert Einstein Page 1 of 7 Protocolo

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA

1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA Questão nº: 01 A coqueluche, ou pertussis, é uma doença respiratória aguda causada pela Bordetella pertussis, especialmente a Bordetella parapertussis. O organismo

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 79

PROVA ESPECÍFICA Cargo 79 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 79 QUESTÃO 26 Sobre o recém nascido, é correto afirmar, EXCETO: a) A fratura de fêmur é um trauma raro e de fácil diagnóstico devido à dor. b) A extrofia de pequenos lábios é

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO 25 de março de 2014 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico diferencial

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PNEUMONIAS NA INFÂNCIA Hiargo Siqueira Hugo Santos EPIDEMIOLOGIA 4-6 Infecções respiratórias agudas (IRA s)/ano; 2-3% evoluem para pneumonia; Mundo (< 5 anos): 150,7 milhões/ano. 11-20 milhões de internações

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 Especialidades Pediátricas Gabarito da Prova realizada em 22/nov/2015 A Banca Examinadora alerta que o gabarito divulgado corresponde

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Brasília, novembro de 2012 Antecedentes Uso do medicamento durante a pandemia e 2011/2012 Dificuldade

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM Prezado candidato(a), você recebeu o seguinte material: - um caderno de questões contendo 20 (vinte) questões objetivas,

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

Universidade Federal do Ceara Programa de Educação Tutorial - PET Medicina UFC. Edema. Bárbara Ximenes Braz. barbaraxbraz@hotmail.

Universidade Federal do Ceara Programa de Educação Tutorial - PET Medicina UFC. Edema. Bárbara Ximenes Braz. barbaraxbraz@hotmail. Universidade Federal do Ceara Programa de Educação Tutorial - PET Medicina UFC Edema Bárbara Ximenes Braz barbaraxbraz@hotmail.com Edema Excesso de líquido acumulado no espaço intersticial ou no interior

Leia mais

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO 13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/MS Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais 2014 1 Vacina inativada poliomielite (VIP)

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 1. Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Viva intensamente. Cuide-se DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nossos órgãos internos HÁBITOS SAUDÁVEIS Para se ter qualidade com aumento da expectativa de vida,precisa-se manter hábitos saudáveis: Alimentação balanceada

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais