LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO"

Transcrição

1 Página: Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma (1) Folha de Respostas, destinada às respostas das questões objetivas formuladas nas provas, a ser entregue ao fiscal no final. 02- Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem na confirmação de inscrição. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal. 03- Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço própria da Folha de Respostas, preferivelmente à caneta esferográfica de tinta na cor preta ou azul. Na Folha de Respostas, além da assinatura, será obrigatória a identificação também através de impressão digital, que será coletada durante a realização do exame. 04- Tenha muito cuidado com a Folha de Respostas para não a DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. A folha somente poderá ser substituída caso esteja danificada em suas margens superior ou inferior - BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA. 05- Na prova, as questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima do enunciado 06- Na Folha de Respostas, as mesmas estão identificadas pelo mesmo número e as alternativas estão identificadas acima da questão de cada bloco de respostas. 07- Para cada uma das questões objetivas são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA. A marcação de nenhuma ou de mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS SEJA A CORRETA. 08- Na Folha de Respostas, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo TODO O ESPAÇO compreendido pelo retângulo pertinente à alternativa, usando caneta esferográfica de tinta preta ou azul, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras, portanto, preencha os campos de marcação completamente, procurando deixar menos "espaços em branco" possível dentro do retângulo, sem invadir os limites do retângulo ao lado. 09- SERÁ ELIMINADO do Concurso o candidato que: a) Se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas, relógios e/ou aparelhos de calcular, bem como rádios gravadores, fones de ouvido, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) Se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e a Folha de Respostas. 10- Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar sua Folha de Respostas. Os rascunhos e as marcações assinaladas no Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA. 11- Quanto terminar, entregue ao fiscal o Caderno de Questões e a Folha de Repostas, e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA. LÍNGUA PORTUGUESA CONHECIMENTO GERAIS DE MEDICINA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Questões Pontos Questões Pontos Questões Pontos 1 a 10 2,5 11 a 40 2,5 41 a 60 Sem Peso 12- É DE RESPONSABILIDADE DO CANDIDATO A CONFERÊNCIA DO NÚMERO DO CADERNO DE PROVA NO CARTÃO RESPOSTA 13- O TEMPO DE DURAÇÃO DA PROVA É DE 5 (CINCO) HORAS.

2 Página: 2

3 Página: 3 Sobre a morte e o morrer Rubem Alves O que é vida? Mais precisamente, o que é a vida de um ser humano? O que e quem a define? Já tive medo da morte. Hoje não tenho mais. O que sinto é uma enorme tristeza. Concordo com Mário Quintana: "Morrer, que me importa? (...) O diabo é deixar de viver." A vida é tão boa! Não quero ir embora... Eram 6h. Minha filha me acordou. Ela tinha três anos. Fez-me então a pergunta que eu nunca imaginara: "Papai, quando você morrer, você vai sentir saudades?". Emudeci. Não sabia o que dizer. Ela entendeu e veio em meu socorro: "Não chore, que eu vou te abraçar..." Ela, menina de três anos, sabia que a morte é onde mora a saudade. Cecília Meireles sentia algo parecido: "E eu fico a imaginar se depois de muito navegar a algum lugar enfim se chega... O que será, talvez, até mais triste. Nem barcas, nem gaivotas. Apenas sobre humanas companhias... Com que tristeza o horizonte avisto, aproximado e sem recurso. Que pena a vida ser só isto... Dona Clara era uma velhinha de 95 anos, lá em Minas. Vivia uma religiosidade mansa, sem culpas ou medos. Na cama, cega, a filha lhe lia a Bíblia. De repente, ela fez um gesto, interrompendo a leitura. O que ela tinha a dizer era infinitamente mais importante. "Minha filha, sei que minha hora está chegando... Mas, que pena! A vida é tão boa... Mas tenho muito medo do morrer. O morrer pode vir acompanhado de dores, humilhações, aparelhos e tubos enfiados no meu corpo, contra a minha vontade, sem que eu nada possa fazer, porque já não sou mais dono de mim mesmo; solidão, ninguém tem coragem ou palavras para, de mãos dadas comigo, falar sobre a minha morte, medo de que a passagem seja demorada. Bom seria se, depois de anunciada, ela acontecesse de forma mansa e sem dores, longe dos hospitais, em meio às pessoas que se ama, em meio a visões de beleza. Mas a medicina não entende. Um amigo contou-me dos últimos dias do seu pai, já bem velho. As dores eram terríveis. Era-lhe insuportável a visão do sofrimento do pai. Dirigiu-se, então, ao médico: "O senhor não poderia aumentar a dose dos analgésicos, para que meu pai não sofra?". O médico olhou-o com olhar severo e disse: "O senhor está sugerindo que eu pratique a eutanásia?". Há dores que fazem sentido, como as dores do parto: uma vida nova está nascendo. Mas há dores que não fazem sentido nenhum. Seu velho pai morreu sofrendo uma dor inútil. Qual foi o ganho humano? Que eu saiba, apenas a consciência apaziguada do médico, que dormiu em paz por haver feito aquilo que o costume mandava; costume a que freqüentemente se dá o nome de ética. Um outro velhinho querido, 92 anos, cego, surdo, todos os esfíncteres sem controle, numa cama -de repente um acontecimento feliz! O coração parou. Ah, com certeza fora o seu anjo da guarda, que assim punha um fim à sua miséria! Mas o médico, movido pelos automatismos costumeiros, apressou-se a cumprir seu dever: debruçou-se sobre o velhinho e o fez respirar de novo. Sofreu inutilmente por mais dois dias antes de tocar de novo o acorde final. Dir-me-ão que é dever dos médicos fazer todo o possível para que a vida continue. Eu também, da minha forma, luto pela vida. A literatura tem o poder de ressuscitar os mortos. Aprendi com Albert Schweitzer que a "reverência pela vida" é o supremo princípio ético do amor. Mas o que é vida? Mais precisamente, o que é a vida de um ser humano? O que e quem a define? O coração que

4 Página: 4 continua a bater num corpo aparentemente morto? Ou serão os ziguezagues nos vídeos dos monitores, que indicam a presença de ondas cerebrais? Confesso que, na minha experiência de ser humano, nunca me encontrei com a vida sob a forma de batidas de coração ou ondas cerebrais. A vida humana não se define biologicamente. Permanecemos humanos enquanto existe em nós a esperança da beleza e da alegria. Morta a possibilidade de sentir alegria ou gozar a beleza, o corpo se transforma numa casca de cigarra vazia. Muitos dos chamados "recursos heróicos" para manter vivo um paciente são, do meu ponto de vista, uma violência ao princípio da "reverência pela vida". Porque, se os médicos dessem ouvidos ao pedido que a vida está fazendo, eles a ouviriam dizer: "Liberta-me". Comovi-me com o drama do jovem francês Vincent Humbert, de 22 anos, há três anos cego, surdo, mudo, tetraplégico, vítima de um acidente automobilístico. Comunicava-se por meio do único dedo que podia movimentar. E foi assim que escreveu um livro em que dizia: "Morri em 24 de setembro de Desde aquele dia, eu não vivo. Fazem-me viver. Para quem, para que, eu não sei...". Implorava que lhe dessem o direito de morrer. Como as autoridades, movidas pelo costume e pelas leis, se recusassem, sua mãe realizou seu desejo. A morte o libertou do sofrimento. Dizem as escrituras sagradas: "Para tudo há o seu tempo. Há tempo para nascer e tempo para morrer". A morte e a vida não são contrárias. São irmãs. A "reverência pela vida" exige que sejamos sábios para permitir que a morte chegue quando a vida deseja ir. Cheguei a sugerir uma nova especialidade médica, simétrica à obstetrícia: a "morienterapia", o cuidado com os que estão morrendo. A missão da morienterapia seria cuidar da vida que se prepara para partir. Cuidar para que ela seja mansa, sem dores e cercada de amigos, longe de UTIs. Já encontrei a padroeira para essa nova especialidade: a "Pietà" de Michelangelo, com o Cristo morto nos seus braços. Nos braços daquela mãe o morrer deixa de causar medo. (Texto publicado no jornal Folha de São Paulo, Caderno Sinapse do dia fls 3.)

5 Página: 5 * Língua Portuguesa * Questão 1 As citações que o autor faz de Mário Quintana, Cecília Meireles, Dona Clara e Albert Schweitzer apresentam, em comum A) o questionamento da medicina. B) o medo da morte. C) a valorização da vida. D) a fragilidade ética. E) a crença na vida depois da morte. Questão 2 No título do texto lido, os vocábulos morte e morrer são A) verbos. B) adjetivos. C) substantivos. D) artigos. E) pronomes. Questão 3 Sofreu inutilmente por mais dois dias antes de tocar de novo o acorde final., no fragmento ocorre um(a) A) personificação. B) eufemismo. C) onomatopéia. D) comparação. E) metonímia. Questão 4 O único elemento que não faz parte da estratégia argumentativa do texto lido é A) a inserção de depoimento pessoal. B) a exemplificação. C) a presença de testemunhos autorizados. D) a preferência por verbos no presente. E) o uso de argumentos de autoridade.

6 Página: 6 Questão 5 Dizem as escrituras sagradas (...), a forma plural do verbo se justifica porque A) possui sujeito composto. B) inicia a oração principal. C) trata-se de sujeito indeterminado. D) é caso de impessoalidade verbal. E) concorda com sujeito plural. Questão 6 No fragmento "Morrer, que me importa? (...) O diabo é deixar de viver.", o emprego das aspas justifica-se por A) dar ênfase ao trecho. B) revelar a falta de coerência. C) fragmentar o discurso do narrador. D) destacar uma ironia. E) indicar a citação do discurso alheio. Questão 7 A acentuação do vocábulo últimos no fragmento Um amigo contou-me dos últimos dias do seu pai, já bem velho... justifica-se pela mesma regra segundo a qual é acentuada a palavra A) inútil. B) ética. C) heróico. D) possível. E) também. Questão 8 O neologismo "morienterapia" é um vocábulo formado por A) composição. B) derivação sufixal. C) derivação prefixal. D) parassíntese. E) derivação regressiva. Questão 9 A vírgula é usada para separar o vocativo em A) Nem barcas, nem gaivotas. B) "Ela, menina de três anos, sabia que a morte é onde mora a saudade. C) "Papai, quando você morrer... D) Um amigo contou-me dos últimos dias do seu pai, já bem velho. E) Eu também, da minha forma, luto pela vida.

7 Página: 7 Questão 10 O vocábulo que só não é pronome relativo em A) Comunicava-se por meio do único dedo que podia movimentar B) Minha filha, sei que minha hora está chegando... C) em meio às pessoas que se ama D) Fez-me então a pergunta que eu nunca imaginara E) O que sinto é uma enorme tristeza

8 Página: 8 * Conhecimentos Gerais da Medicina e Medicina de Urgência * Questão 11 Insuficiência renal aguda secundária a necrose papilar é complicação que pode ocorrer em pacientes susceptíveis. São exemplos de situações predisponentes, exceto A) anemia falciforme. B) diabetes Mellitus. C) alcoolismo crônico. D) pielonefrite enfisematosa. E) doença renal isquêmica. Questão 12 Um portador de úlcera péptica H. pylori positivo é submetido a tratamento com omeprazol, claritromicina e amoxacilina duas vezes ao dia, por duas semanas. Seis semanas após o término desse tratamento, teste respiratório ainda identifica a presença de H. pylori. Dentre as abaixo, indique a conduta mais adequada. A) Repetir o esquema usado, substituindo a claritromicina. B) Realizar endoscopia digestiva com biópsia. C) Repetir o tratamento agora por 3 semanas. D) Observar a evolução do paciente. E) Repetir o teste após mais 2 meses. Questão 13 Dentre as causas de trombocitopenia abaixo relacionadas, assinale aquela que caracteristicamente cursa com fibrinogênio baixo A) Púpura trombocitopênica trombótica. B) Uso de heparina. C) Septicemia. D) Síndrome Hemolítico-urêmica. E) Coagulação intravascular disseminada. Questão 14 Um diabético hipertenso e com nefropatia crônica grau II procura seu ambulatório após alta hospitalar de internação por infarto agudo do miocárdio. No esquema hipotensor a ser indicado, seria mandatória a prescrição de A) Prazosin. B) Enalapril. C) Verapamil. D) Hidroclorotiazida. E) Hidralazina.

9 Página: 9 Questão 15 Uma mulher jovem é admitida para investigação de possível embolia pulmonar. Aplicando o sistema de Wells você identifica pontuação de 1,5, e o resultado do teste do D-dímero é negativo (nível sérico baixo). A conduta mais correta seria A) tomografia computadorizada helicoidal. B) duplex scan venoso de membros inferiores. C) cintilografia ventilação/perfusão. D) afastar aquela hipótese diagnóstica. E) arteriografia pulmonar. Questão 16 Jovem, com 21 anos, procura atendimento devido à anasarca, trazendo EAS que evidencia hematúria, leucocitúria, cilindros hemáticos e proteinúria O exame físico mostra murmúrio vesicular inaudível em terço inferior do hemitórax esquerdo, com frêmito abolido e macicez à percussão; coração em ritmo regular de 3 tempos (B3), sem sopros; PA: 140/100 mmhg, FC: 104 bpm, FR, 20 irpm. e Tax.: 37º C. A anamnese dirigida revela apenas hemoptise e tosse. Investigação complementar inicial demonstra VHS 70mm na 1ª hora, uréia 60 mg%, creatinina 2,1mg%, 7000 leucócitos/mm3, eosinófilos 3%, ECG: extrassistolia ventricular e anormalidades inespecíficas de ST-T; ECO: hipocinesia difusa de VE, com derrame pericárdico leve a moderado. Dentre as opções oferecidas, assinale a melhor hipótese diagnóstica. A) Churg Strauss. B) Granulomatose de Wegener. C) Embolia pulmonar. D) Doença de Kawasaki. E) Arterite de célula gigante. Questão 17 Das opções seguintes, a que associa uma droga anti-hipertensiva definitivamente segura com outra contra-indicada na gravidez é: A) Furosemida e Hidralazina. B) Hidralazina e Clonidina. C) Propranolol e Metildopa. D) Metildopa e Enalapril. E) Captopril e Candersatan. Questão 18 Um idoso é admitido por febre de 39ºC e sopro sistólico ++/+6 em foco aórtico, com irradiação para o pescoço. As três hemoculturas colhidas com intervalos de 1 h apresentam crescimento de estreptococos viridans no 3º dia de incubação. O exame físico evidencia nódulos de Osler e o ecocardiograma transtorácico sugere vegetação em valva aórtica. Baseado nos critérios de Duke, com as modificações introduzidas em 2000, a sua hipótese diagnóstica A) descartaria endocardite infecciosa. B) estenderia a incubação das culturas. C) definiria endocardite infecciosa. D) buscaria diagnóstico alternativo. E) solicitaria eco transesofágico.

10 Página: 10 Questão 19 A opção que exemplifica possível causa de acidose metabólica com hiato aniônico elevado é A) diarréia. B) insuficiência renal aguda. C) uso de colestiramina. D) uso de cloreto de cálcio. E) drenagem externa do pâncreas. Questão 20 Um homem, pesando 100 kg, apresenta sódio sérico de 154 mmol/l. Estimando a água corporal em 50% do peso, o déficit de água pode ser previsto como de A) 14 litros. B) 7 litros. C) 10 litros. D) 5 litros. E) 3,5 litros. Questão 21 O índice que mais provavelmente indica o diagnóstico de falência renal intrínseca é A) uréia / creatinina > 20. B) densidade urinária > C) osmolalidade urinária > 500. D) excreção fracionada de sódio > 1. E) creatinina urinária / creatinina sérica > 40. Questão 22 Homem de 62 anos, até então hígido, é admitido por hemiparesia esquerda de início há 90 minutos. A tomografia computadorizada do crânio, sem contraste, não identifica anormalidades de monta e exames solicitados na admissão apontam hematócrito de 41%; leucócitos 9600/mm3, sem desvios; plaquetas /mm3; glicose 125 mg/dl; creatinina 1,2 mg/dl; ECG com alterações inespecíficas da repolarização ventricular em DII, DIII e AVF. O enfermo está vigil, sua pressão arterial é de 165/100 mmhg e ausculta-se um sopro carotídeo à direita. A melhor indicação nessa situação é A) Warfarin. B) Heparina de baixo peso. C) Clopidogrel. D) rtpa. E) endarterectomia de carótida.

11 Página: 11 Questão 23 Homem de 48 anos, dislipidêmico, sedentário e com sobrepeso, procura assistência de emergência devido à dor retroesternal em aperto, irradiando para o ombro esquerdo, de início há aproximadamente 10 minutos, que surgiu durante intercurso sexual, havendo relato de uso de sildenafil. O exame físico revela sudorese, FC. 104 bpm, PA 155 / 100 mmhg, ritmo regular de 3 tempos (B4) e pulmões sem adventícios. ECG com elevação de ST em DI, AVL, V5 e V6, tendo sido colhido material para dosagens enzimáticas. Oximetria de pulso indica SAO2 de 98%. Você já ministrou 325 mg de ácido acetil salicílico e deseja agora obter alívio sintomático da dor torácica enquanto aguarda o laboratório. A melhor conduta para o caso é A) O2 sob máscara nasal a 4l/min. B) antiinflamatório não hormonal IM. C) Metoprolol endovenoso. D) Adalat sub lingual. E) Nitroglicerina sublingual. Questão 24 Um jovem médico é encontrado em coma no centro cirúrgico ao lado de seringa e de frasco de fentanil. O exame físico não revela sinais externos de trauma, sua respiração está lenta ( 12 irpm ), sua FC é de 48 bpm, a temperatura baixa (35,4ºC ), as pupilas estão mióticas e sua glicemia capilar é de 88 mg%. A melhor conduta imediata, no caso, seria A) suporte ventilatório, acesso venoso, naloxane. B) acesso venoso, agente pressor, flumazenil. C) suporte ventilatório, lavagem gástrica, diálise. D) acesso venoso, flumazenil, tiamina. E) agente pressor, aspiração oro traqueal, hemofiltração contínua. Questão 25 Uma adolescente é admitida por diminuição do nível de consciência e convulsão. Sua mãe relata que, cerca de 6 horas antes, queixara-se de dor de cabeça e parecera febril. O exame inicial revela papiledema e rigidez de nuca, sendo negativas as pesquisas dos sinais de Kernig e Brudzinski. A conduta mais imediata para o caso é A) punção liquórica. B) tomografia computadorizada de crânio. C) ressonância Nuclear Magnética do crânio. D) monitorização da pressão intracraniana. E) Ceftriaxone venoso. Questão 26 Um paciente chocado, sem evidências sugestivas de sangramento agudo, é admitido em unidade de tratamento intensivo com taxa de hemoglobina de 8g%. Baseado no entendimento sobre nível ideal de hemoglobina no paciente crítico, você determinaria A) 100 U SC de eritropoietina. B) 1 U de sangue total. C) 3 U de papa de hemácias. D) nenhuma medida. E) 2 U de papa de hemácias.

12 Página: 12 Questão 27 Com suspeita diagnóstica de edema pulmonar agudo cardiogênico, um enfermo é admitido no pronto socorro. Ainda, sem nenhum exame complementar, identifica-se ao exame físico PA de 170/105 mmhg e pulso regular com 126 bpm, além dos sinais clássicos de EAP. A medicação que não pode ser prescrita neste momento inicial é A) nitratos. B) digitálicos. C) furosemida. D) morfina. E) inibidor de enzima de conversão. Questão 28 Uma jovem procura assistência médica em função de quadro sincopal recorrente, geralmente precedido de sudorese, náuseas e visão escura. A anamnese dirigida nada revela além dos desmaios, e exame físico cuidadoso na consulta é absolutamente normal. A mais provável hipótese diagnóstica e o melhor exame complementar para comprová-la são A) hipersensibilidade do seio carotídeo Ecocardiograma. B) hipoglicemia glicemia capilar. C) taquiarritmia Holter de 24h. D) síncope neurocardiogênica Tilt test. E) crise epiléptica EEG. Questão 29 Um homem de 32 anos é admitido na emergência apresentando sudorese, náusea, confusão mental e ansiedade. Exceto por episódios semelhantes prévios, parecia hígido, negando outros sintomas que não os já relatados nos ataques. Não usava qualquer medicação, e o exame físico inter-crises era normal. Havendo o relato de suspeita de hipoglicemia, a conduta inicial prioritária sobre todas as demais é A) dosar insulina plasmática. B) ministrar tiamina EV. C) dosar peptídeo C plasmático. D) ministrar soro glicosado a 5% EV. E) dosar glicemia plasmática. Questão 30 Pancreatite aguda é freqüente em pacientes com AIDS tanto em razão de infecção quanto pela utilização de fármacos que comumente lesam o pâncreas. Das opções seguintes, a que contempla exemplos de pancreatite aguda infecciosa e por drogas é A) Toxoplasma - Clindamicina. B) Pneumocystis - Azitromicina. C) Cryptosporidium - Pentamidina. D) Streptococcus - Fluconazol. E) Histoplasma - Pirazinamida.

13 Página: 13 Questão 31 No trauma grave, a maioria das mortes ocorre nos primeiros 15 minutos. Observa-se uma distribuição trimodal para a ocorrência da morte durante o tratamento nas unidades de trauma. Na relação entre o número de mortes e o tempo decorrido do trauma, o segundo período de maior freqüência ocorre entre A) uma e vinte e quatro horas. B) 15 minutos e uma hora. C) um e três dias. D) três e cinco dias. E) seis e dez dias. Questão 32 Você socorre um paciente atropelado na via pública e constata que a abertura dos olhos se faz aos estímulos verbais. Esse paciente reponde com palavras inapropriadas às perguntas e suas mãos apresentam flexão anormal como uma postura em decorticação. Diante desses achados a sua pontuação e a classificação da gravidade na escala de coma de Glasgow é A) cinco e leve. B) sete e grave. C) nove e moderado. D) onze e leve. E) treze e moderado. Questão 33 Você presta atendimento a um jovem de 14 anos, que vem ao seu hospital de urgência, referindo queda de um muro há aproximadamente uma hora. Ao exame físico, apresenta-se agitado, e queixando-se de desconforto abdominal difuso. Seu pulso é de 130 bpm, a pressão arterial de 80/40 mmhg, as suas mucosas estão descoradas ++/4. A ausculta respiratória tem MV e FTV universalmente presentes, sem ruídos adventícios. Não há evidências de trauma craniano, pois está sem alterações neurológicas. O abdome apresenta escoriações e crepitação no nível da 11ª costela esquerda, com discreta defesa e doloroso à palpação no QSE. Diante desse quadro, a sua hipótese diagnóstica é de A) hipovolemia por lesão do baço. B) insuficiência respiratória por rotura do diafragma. C) hematoma retroperitonial por lesão do duodeno. D) insuficiência circulatória por contusão miocárdica. E) pneumoperitônio por lesão de víscera oca.

14 Página: 14 Questão 34 Um homem de 24 anos chega ao Serviço de Emergência com dispnéia intensa, sudorese, cianose de extremidades e importante turgência de jugulares. Está taquicárdico com 160 bpm e hipotenso com 60 x 30 mmhg. Seus acompanhantes relatam que ele sentiu dor repentina no hemitórax direito quando jogava futebol, seguindo-se, progressivamente, falta de ar e dor torácica. A ausculta respiratória mostra que o murmúrio vesicular não existe à direita. A ausculta cardíaca tem ritmo em dois tempos, sem sopros ou arritmias audíveis. Diante desse quadro, o seu diagnóstico e conduta imediata seriam A) pneumotórax e toracocentese descompressiva. B) tamponamento cardíaco e pericardiocentese descompressiva. C) infarto agudo do miocárdio e administração de estreptoquinase. D) embolia pulmonar aguda e administração de heparina. E) derrame pleural à direita e drenagem torácica fechada. Questão 35 No seu hospital de emergência, dá entrada um homem vitima de agressão por arma de fogo. Quando do exame físico nota-se o orifício de entrada junto ao mamilo direito e importante edema com equimose na linha axilar posterior direita. O paciente está lúcido, referindo dor torácica e falta de ar. Observa-se taquicardia com 130 bpm, ritmo cardíaco regular em dois tempos sem arritmias ou sopros e pressão arterial de 130x80 mmhg. O murmúrio vesicular está presente à esquerda e abolido parcialmente à direita. Dentre outras atitudes, realizou-se a drenagem torácica fechada, que deu saída a importante quantidade de ar e 430 mililitros de sangue. O sangramento pelo dreno continuou com 140 mililitros na primeira hora, 85 na segunda hora e 30 mililitros na terceira hora. Durante esse período, o paciente obteve melhora da taquicardia, da dor torácica e manteve o exame físico sem outras alterações. Diante desse quadro, a sua conduta terapêutica seria de A) toracostomia com drenagem em selo d'água por tubo nº 22 e intubação seletiva do brônquio fonte direito. B) atitude expectante e suporte clínico com hidratação, antibiótico, analgésicos e antiinflamatórios principalmente. C) toracotomia exploratória com rafia pulmonar e aspiração de hematomas. D) esternotomia com ligadura da mamária interna e drenagem torácica fechada. E) videotoracoscopia com sutura brônquica e drenagem torácica aberta. Questão 36 Um paciente adulto com queimaduras do segundo grau, avaliadas em 30% de área corporal, é encontrado em choque hipovolêmico 24 horas após ter sido internado e medicado, no setor de emergência. Reinicia-se a reposição volêmica com soluções cristalóides e obtém-se a melhora clínica desejada. Para a avaliação clínica, são usados vários dos itens abaixo. No entanto, aquele que melhor permite a avaliação da perfusão tissular é a(o) A) aferição continuada do hematócrito. B) verificação da pressão venosa central. C) aferição da pressão arterial. D) verificação da pressão arterial média. E) acompanhamento do volume da diurese horária.

15 Página: 15 Questão 37 Paciente vítima de acidente de trânsito por queda de moto apresenta múltiplas fraturas de arcos costais em dois pontos, com um segmento costal paradoxal anterolateral direito. Observa-se respiração paradoxal com sinais de grave insuficiência respiratória aguda. A conduta terapêutica que se impõe é a assistência ventilatória A) com estabilização pneumática interna por pressão positiva. B) por meio de uma traqueostomia cervical. C) por meio de entubação seletiva do brônquio fonte direito. D) por contenção de queda da língua. E) por cateter de O2 úmido com 15 l/min. Questão 38 Você atende a uma paciente de 19 anos que chega ao setor de emergência com ferida transfixante em membro inferior esquerdo, produzida por projétil de arma de fogo. Observa-se que o orifício de entrada está na face medial do terço superior da coxa, enquanto o orifício de saída encontra-se no lado externo da região glútea esquerda. Ao exame físico, os pulsos distais estão cheios e isócronos. Não há sinais clínicos de irritação peritoneal ou de hipovolemia, e o exame neurológico está normal. Diante dessa situação clínica, a conduta propedêutica e a terapêutica cirúrgica seriam A) radiografia pélvica seguida da limpeza, desbridamento cirúrgico e sutura das feridas. B) tomografia computadorizada e exploração cirúrgica da ferida. C) arteriografia e venografia seguida da exploração da ferida. D) ultra-sonografia com limpeza, desbridamento cirúrgico e sutura das feridas. E) exploração cirúrgica da ferida e ligadura da veia femoral. Questão 39 O traumatismo cranioencefálico (TCE), isoladamente ou combinado com outras lesões, é a principal causa determinante da sobrevivência e do prognóstico funcional na maioria dos traumas fechados. O TCE é a principal causa de morte nos pacientes traumatizados, com mais de 50% das mortes. Os acidentes de trânsito, agressões e quedas constituem as principais causas dessa ocorrência. Está muito bem documentado que a ressuscitação inicial dos pacientes traumatizados, quando bem executada, se constitui na melhor forma de preservação do cérebro. Assinale a alternativa falsa em relação aos conhecimentos atuais sobre o TCE A) O trauma geral ao cérebro é constituído por uma lesão primária e por lesões ditas secundárias subseqüentes. B) A lesão primária é constituída pelas alterações anatômicas e fisiológicas que ocorrem como resultado direto do trauma externo. C) A hipotensão e a hipoxemia são os principais fatores desencadeantes do trauma secundário. Estudos mostram que a hipotensão parece ser mais deletéria que a hipoxemia, pois a mortalidade está muito aumentada quando ela ocorre nos traumatismos cranianos fechados. D) Os pacientes com lesão difusa do cérebro se beneficiam com intervenções cirúrgicas. Os pacientes com essas lesões podem necessitar de evacuação cirúrgica imediata, freqüentemente no topo das prioridades do tratamento. E) Quando da ressuscitação, é essencial uma pressão sistólica igual ou maior que 90 mmhg, com uma PaO2 maior que 60 mmhg, sendo a prevenção da elevação da PaCO2 de vital importância.

16 Página: 16 Questão 40 Assinale a alternativa FALSA em relação aos conhecimentos sobre os traumatismos da face ou pescoço. A) Os pacientes com lesões penetrantes na zona II do pescoço, em geral, são levados diretamente para a sala de operação, enquanto os pacientes com lesões das zonas I e III devem ser submetidos, quando possível, a estudos angiográficos pré-operatórios. B) Nas fraturas de Le Fort I, as linhas superiores da fratura passam transversalmente pelos ossos nasais, ou através das articulações dos ossos nasais, ou dos ossos maxilares e nasais com os ossos frontais. C) A obtenção de um controle precoce e definitivo das vias aéreas, é fundamental e recomendado, com o máximo de prioridade em todos os pacientes com lesões importantes no pescoço. D) O traumatismo fechado do pescoço, com freqüência, compromete a laringe, e essas lesões são de difícil avaliação pela laringoscopia direta. E) A maioria das lesões maxilofaciais não se apresenta com a ameaça inicial à vida, e a sua avaliação e o seu cuidado definitivos são freqüentemente postergados nos pacientes com outras lesões.

17 Página: 17 * Conhecimentos Específicos * Questão 41 A água é o constituinte mais abundante do corpo humano. Os demais componentes são as proteínas, sais minerais, gorduras e carbohidratos. Sobre a água corporal pode-se afirmar que A) em volume intersticial, está distribuída água plasmática, volume intracelular e volume extracelular. B) aos doze meses de idade, o volume extracelular representa 50% do peso corporal total. C) na puberdade, devido à massa muscular, os meninos têm maior volume extracelular do que as meninas. D) no lactente prematuro a água corporal total é inferior à do lactente a termo. E) no período fetal e neonatal, o volume extracelular é mais abundante do que o volume intracelular. Questão 42 Durante o atendimento a um recém-nascido na sala de parto, após colocá-lo sob fonte de calor e procedido à desobstrução das vias aéreas, você verifica 7 pulsos no cordão umbilical, durante 6 segundos. Segundo o Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria, a primeira conduta a ser tomada é proceder à A) ventilação com balão e máscara. B) entubação traqueal. C) administração adrenalina 1: D) massagem cardíaca externa. E) ventilação com balão e cânula traqueal. Questão 43 Você está atendendo a um recém-nascido na sala de parto, e ele evoluiu com depressão respiratória e instabilidade hemodinâmica. Após estabilizar via respiratória e proceder à massagem cardíaca externa, você decide infundir-lhe drogas. Qual a via preferencial para administrar as drogas nesse caso, segundo o Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria? A) Veia periférica. B) Intratraqueal. C) Veia umbilical. D) Intra-óssea. E) Artéria umbilical. Questão 44 Na avaliação da reanimação do recém-nascido na sala de parto, são utilizados três sinais: respiração, freqüência cardíaca e cor. Em relação a esses sinais, na sala de parto, pode-se afirmar que a A) presença de cianose nas plantas e palmas do recém-nascido é indicativa de hipoxemia. B) freqüência respiratória é de menor importância do que o ritmo respiratório do recém-nascido. C) freqüência cardíaca abaixo de 80 bpm indica necessidade de massagem cardíaca externa. D) dispnéia responde melhor à ventilação com balão e cânula traqueal do que balão e máscara. E) hiperextensão do pescoço favorece a uma adequada ventilação do recém-nascido.

18 Página: 18 Questão 45 Você examina um menino de sete anos de idade que chega ao pronto-socorro com dor abdominal, vômito, dois episódios de diarréia e febre, iniciados nas últimas 24 horas. Ao exame a criança encontra-se hemodinamicamente estável; pele íntegra e sem alterações; com fácies de dor; abdome difusamente doloroso com acentuação no quadrante inferior direito; percussão abdominal dolorosa. O exame de urina é normal; a radiografia de tórax, sem alterações. Você suspeitou de gastroenterite, entretanto deve proceder ao diagnóstico diferencial com A) púrpura de Henoch-Schöenlein. B) doença inflamatória intestinal. C) síndrome hemolítico-urêmica. D) pneumonia de lobo inferior. E) apendicite aguda. Questão 46 A doença meningocócica continua sendo um importante problema de saúde. O espectro da doença varia amplamente, e o diagnóstico definitivo se faz por isolamento do microorganismo. Apesar do tratamento, complicações podem ocorrer. Em relação às complicações e seqüelas, pode-se afirmar que a(o) A) surdez é a seqüela neurológica mais freqüente e com incidência alcançando em torno de 30%. B) empiema subdural e o abscesso cerebral podem ser complicações freqüentes, em torno de 46%. C) artrite e a vasculite cutânea são manifestações raras da mediação por imunocomplexos. D) artrite oligoarticular, com derrames estéreis, apresenta em geral deformidade permanente. E) hidrocefalia obstrutiva é uma das seqüelas freqüentes da doença, incidindo em torno de 38%. Questão 47 A oftalmia neonatal é a doença ocular mais comum em recém-nascidos. O tratamento de escolha, quando a secreção ocular submetida à coloração pelo Gram evidencia diplococcus gram negativos intracelulares, deve ser iniciado com A) meropenem. B) cefotaxima. C) eritromicina tópica. D) tetraciclina tópica. E) ceftriaxone. Questão 48 A desnutrição energético-protéica afeta crianças em todas as regiões do mundo, em especial nos países ditos em desenvolvimento, sendo ainda um dos principais responsáveis pelos elevados índices de morbidade e mortalidade infantil em nosso País. A respeito da desnutrição energético-protéica (DEP) pode-se afirmar que A) o marasmo acomete principalmente as crianças maiores, enquanto o kwashiorkor atinge as menores de um ano de vida. B) o débito cardíaco apresenta-se elevado, e a resposta às alterações da volemia ocorre de forma precoce e exacerbada. C) duas das principais alterações no sistema digestório são a insuficiência pancreática e a atrofia vilositária do delgado. D) o potássio intracelular fica aumentado, enquanto aquele do extracelular encontra-se em geral muito diminuído. E) o hormônio do crescimento em geral está diminuído, o que leva á lipólise, com conseqüente aumento dos ácidos graxos livres.

19 Página: 19 Questão 49 De acordo com dados da OMS os acidentes por submersão constituem a 4ª. causa de morte entre 5 e 14 anos e segundo o DATASUS, é a 3ª. causa de morte em todas as idades e a 2ª. causa entre 1 e 14 anos. A respeito desses acidentes pode-se afirmar que A) o início precoce das manobras de ressuscitação no local do acidente tem valor determinante na recuperação da vítima. B) os adolescentes são vítimas quase exclusivas nos esportes aquáticos enquanto crianças pequenas se afogam em piscinas e no mar. C) o espasmo glótico na maioria dos casos leva à hipoxemia sem ocorrência de aspiração pulmonar de líquido. D) o edema pulmonar ocorre principalmente nos acidentes em água doce mas pouco influencia a relação ventilação/perfusão. E) as manobras de retirada de água dos pulmões devem ser realizadas junto com as de ressuscitação, pois diminuem a hipoxemia. Questão 50 Ao longo dos últimos anos o conhecimentos sobre novas drogas quimioterápicas, o manuseio de eventos adversos da quimioterapia e radioterapia e a biologia da leucemia em muito melhoraram o resultado do tratamento da leucemia linfóide aguda (LLA). A respeito dessa doença, assinale a alternativa correta. A) A taxa de incidência da leucemia em gêmeos idênticos é indiferente daquela em gêmeos não-idênticos e irmãos não-gêmeos. B) A doença inicia a partir de mutações espontâneas que podem surgir durante o desenvolvimento normal dos linfócitos. C) O achado de linfoblastos no líquor dos pacientes com LLA, só altera o prognóstico quando for superior a 15 por campo. D) A hipocalcemia deve ser tratada baseada nos níveis séricos e não em alterações clínicas durante o tratamento da LLA. E) O tratamento é baseado em fatores de risco. Crianças entre 10 e 15 anos com plaquetas acima /mm3 têm melhor evolução. Questão 51 Diversas afecções/infecções virais podem cursar com linfocitose nas crianças. Assinale a alternativa que contém afecção/infecção não-viral capaz de desencadear linfocitose na criança. A) Anemia hemolítica. B) Malária. C) Toxoplasmose. D) Tireotoxicose. E) AIDS.

20 Página: 20 Questão 52 A dengue, nos últimos anos, tem alcançado índices epidemiológicos extremamente elevados no Estado do Rio de Janeiro, o que motiva diversas medidas para o controle do vetor e do agente etiológico. Assinale a alternativa correta a respeito dessa patologia. A) O período médio de incubação da doença é de 12 a 15 dias. B) O mosquito Aedes aegypti em geral tem hábitos noturnos. C) O início do quadro é geralmente súbito com febre baixa (<38ºC). D) Náuseas, vômitos e linfadenopatia podem surgir do 2º ao 6º dia de febre. E) O choque complica 60% a 80% dos casos de dengue hemorrágica. Questão 53 Um lactente de 11 meses de idade, com crises de cianose nas últimas semanas, apresenta-se para consulta de revisão com discreta cianose labial e nas pontas dos dedos, sem dispnéia (FR: 32 ipm) e à ausculta cardíaca com sopro sistólico (3+/6+) na borda superior à esquerda do esterno do tipo ejeção. O peso e o comprimento estavam um pouco abaixo do percentil 5 para idade. Não havia nenhuma história neonatal de cianose ou qualquer outra alteração. A criança não fazia acompanhamento médico, apenas comparecia ao posto de saúde para vacinação. O ECG mostrava sinais de hipertrofia ventricular direita e aumento de átrio esquerdo. O RX de tórax em AP mostrava elevação da ponta do coração, concavidade do arco médio e diminuição da vascularização pulmonar. Diante do quadro descrito o diagnóstico mais provável é de A) tetralogia de Fallot. B) transposição das grandes artérias com comunicação interventricular. C) atresia pulmonar com septo interventricular íntegro. D) persistência do canal arterial. E) coarctação da aorta. Questão 54 A sinusite infantil é comum, com considerável morbidade, mas não diagnosticada facilmente. A prevalência real é desconhecida, mas diversos fatores como a inalação de poluentes e imunodeficiências podem elevar o risco da doença. Dentre os microrganismos abaixo, assinale os mais envolvidos na etiologia da sinusite aguda: A) Streptococcus pneumoniae; Staphylococcus aureus; Haemophilus influenzae não tipável. B) Estreptococos alfa-hemolíticos; Staphylococcus aureus; rinovírus. C) Streptococcus pneumoniae; Moraxella catarrhalis; Haemophilus influenzae não tipável. D) Estreptococos alfa-hemolíticos; anaeróbios; Moraxella catarrhalis. E) Anaeróbios; Moraxella catarrhalis; Haemophilus influenzae não tipável. Questão 55 A faringite faz parte da maioria das infecções do trato respiratório superior. É incomum em crianças menores de dois a três anos de idade, elevando sua incidência na idade escolar. Os agentes que mais freqüentemente estão envolvidos e com papel bem estabelecido na etiologia da faringite aguda são A) Vírus; Haemophilus influenzae não tipável. B) Vírus; Streptococcus beta-hemolyticus do grupo A. C) Streptococcus pneumoniae; Haemophilus influenzae. D) Streptococcus pneumoniae; Streptococcus beta-hemolyticus do grupo A. E) Corynebacterium diphtheriae; Mycoplasma pneumoniae.

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 40 (quarenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 40 (quarenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2016 Especialidades Pediátricas Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique se você recebeu um CADERNO

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 40 (quarenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 98 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 1 Curso de educação continuada em odontologia Abordagem terapêutica dos pacientes com traumatismo

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Caso Suspeito de Dengue Paciente com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2)

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergências em cães e gatos Envenenamentos e intoxicações (inseticidas, venenos para roedores, produtos de limpeza, medicações, chocolates, etc) Escoriações

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012)

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Frans Rutten, Carel Bakx, Madeleine Bruins Slot, Bernadette van Casteren, Con Derks, Ravee Rambharose, Jako Burgers, Tjerk Wiersma, Paul

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Curosurf alfaporactanto (fração fosfolipídica de pulmão porcino) Surfactante de origem porcina. APRESENTAÇÕES Suspensão estéril disponibilizada em frasco-ampola de dose unitária.

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio 2 Índice Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio... 3 Quantas mortes são causadas por AVC?... 3 Como dimininuir o risco de AVC?... 3 Quais as pessoas com

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães Caso Clínico Luana Silva Bessa Guimarães Identificação Id: sexo masculino, 31 anos, natural e procedente de Fortaleza, pardo, católico, auxiliar de produção. Cansaço e inchaço nas pernas" Queixa Principal

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO a) Este caderno com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas divididas nas seguintes sessões: b)uma

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

CADERNO DE PROVA ÁREA: CLÍNICA CIRÚRGICA

CADERNO DE PROVA ÁREA: CLÍNICA CIRÚRGICA CADERNO DE PROVA ÁREA: CLÍNICA CIRÚRGICA 1) Paciente jovem, no 5º dia pós operatório de hemicolectomia direita, apresenta febre de 39 C, taquipneia, taquicardia, parada de eliminação de gases e fezes,

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Choque incapaz perda de sangue

Choque incapaz perda de sangue Choque Profª Karin O bom samaritano Para ser um socorrista é necessário ser um bom samaritano, isto é, aquele que presta socorro voluntariamente, por amor ao seu semelhante. Para tanto é necessário três

Leia mais