AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO"

Transcrição

1 AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

2 01 MULTIMODALIDADE 02 HUB DE TRANSPORTES 03 EIXO ANTLÂNTICO - ÍNDICO AFRICA AUSTRAL 04 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL 05 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGA CARACTERIZAÇÃO BUSINESS UP TURISMO 06 LOGISTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO 07 OPTIMIZAÇÃO LOGÍSTICA 08 DEMOGRAFIA 2100

3 MULTI MODALIDADE As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 3

4 MULTIMODALIDADE DEFINIÇÃO: O transporte multimodal define-se pela articulação entre vários meios de transporte, por forma a conduzir passageiros e mercadoria até ao seu destino final. Classificação dos meios: Terrestre: Rodoviário, Ferroviário; Aquaviário: Marítimo e Hidroviário; Aéreo. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 4

5 MULTIMODALIDADE Potencialização da Multimodalidade Proximidade a: Porto de Lobito; Linha Férrea de Benguela; Aeroporto da Catumbela. Multimodalidade na Aviação: Facilita a deslocação de executivos; Fomento da economia local. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 5

6 HUB DE TRANSPORTES As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 6

7 HUB DE TRANSPORTES Criação de Valor Criação de benefícios através do volume de tráfego proveniente de diversas origens, que se concentra no Hub antes de ser enviado até ao seu destino final; Concentração de Fluxos, permite criar economias de escala, que influem directamente nos custos de transporte; Utilização de Aeronaves de maior capacidade, por forma a reduzir os custos por tonelada-milha; As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 7

8 O AEROPORTO DE CATUMBELA COMO HUB DE TRANSPORTES ESPECIFICAÇÕES: Procura económica e geográfica elevada; Infra-estruturas modernas e adequadas; POTENCIALIDADES: Porta de entrada para a África Austral; Optimização das Rotas de Aeroportos próximos para o Hub; Destino de voos de longo Curso, com ligações Domésticas/Regionais; ATRACÇÃO DE COMPANHIAS AÉREAS PELA: Diminuição do custo total da rede; Menor número de voos directos; Diminuição do tempo de conexão para voos de pequenas distâncias; Diminuição de custos com handling; As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 8

9 O AEROPORTO DE CATUMBELA COMO HUB DE TRANSPORTES Importância na África Austral: Angola faz fronteira com República do Congo, República Democrática do Congo, Zâmbia e Namíbia; Atracção de voos internacionais, com destino a países da África Austral; Infra-estrutura moderna e capaz de receber aparelhos de grande porte, com possibilidade de transbordo de passageiros para aparelhos de porte inferior, que possam ser recebidos em aeroportos de outros países, sem estas condições; Contributo importante para a elevada procura de voos para Angola. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 9

10 EIXO ATLÂNTICO - INDICO As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 10

11 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO Trafego aéreo mundial durante as 24h do dia As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 11

12 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DO EIXO ATLÂNTICO-ÍNDICO: A África do Sul realiza 90% de seu comércio exterior no Oceano Atlântico; Posição central entre os oceanos Atlântico e Índico; Serve como rota em direcção ao Oriente; Ponto estratégico para realização de escalas em viagens aéreas; Base de apoio logístico para travessias oceânicas; Atlântico Sul e Índico possuem recursos energéticos, como jazidas de gás e petróleo. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 12

13 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO ÁFRICA AUSTRAL Corredor do Lobito: (Ponte entre o Atlântico Sul e o Oceano Índico) Angola República Democrática do Congo Zâmbia

14 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO Corredor do Lobito Até à década de 70 o Corredor do Lobito foi a rota de transportes mais movimentada da África Austral; Com a restruturação e forte investimento realizado, tanto na Linha Férrea como no Porto de Benguela, esta rota ganhou nova dimensão e projecção; Principais mercadorias transitadas: cobre, cobalto, carvão, zinco, chumbo, madeira, açúcar, milho e café. Das inúmeras potencialidades da criação do Corredor do Lobito, destacam-se as seguintes: Desenvolvimento de negócio; Fomento da economia; Desenvolvimentos locais e regionais; Facilidade de transferência de voos; Elaboração de protocolos entre os 3 países, com o intuito de desenvolver o Corredor As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 14

15 AEROPORTO CATUMBELA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 15

16 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL A Infra-estrutura deriva da estratégia do Estado para o desenvolvimento aeroportuário do país. Estrutura adequada a Aeronaves de Grande Porte: Pista de metros; Duas mangas para embarque e desembarque; Terminal com m 2 de área; Capacidade para 2,2 milhões de passageiros por ano; 18 Balcões para o Serviço de Migração e Estrangeiros; Sistemas de ajuda à navegação aérea de ultima geração. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 16

17 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL Facilities Salas protocolares; Salas para executivos e passageiros em 1ª Classe; Restaurantes; Bares; Agências de viagem; Áreas comerciais. Parque de estacionamento com 230 lugares; As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 17

18 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 18

19 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGAS Aeroporto possibilitará o substancial aumento dos fluxos de passageiros e carga, com importantes consequências para a economia. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 19

20 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGAS BUSINESS UP TURISMO TURISMO O Aeroporto da Catumbela, contribuirá significativamente para o desenvolvimento do Turismo no Corredor do Lobito. Significativo impacto na economia Local e Nacional através de: Investimento em empreendimentos Hoteleiros; Atracção de Turistas; Incentivo ao comércio local; Contributo importante para o PIB; Peso na Balança Comercial do país. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 20

21 LOGÍSTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 21

22 LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO DEFINIÇÃO Área da logística relacionada com o desenvolvimento de estratégias para optimizar a comercialização com o exterior. O aeroporto de Catumbela facilita a operação da logística de exportação através: Infra-estrutura robusta; Aumento do fluxo de voos; Criação de Hub de transporte; Liberação complementar da produção; Incentivo à economia da região e do país; Inter-relacionamento entre as economias internacionais. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 22

23 LOGÍSTICA DE IMPORTAÇÃO DEFINIÇÃO Angola é hoje um País fortemente dependente da importação de bens de serviços. Entender esta realidade é fundamental para a potenciação das infra-estruturas aeroportuárias. O desenvolvimento do Corredor do Lobito irá acarretar a importação de muitos equipamentos fundamentais a esse desenvolvimento. O aeroporto de Catumbela facilita a operação da logística de importação através: Oferta de alternativas por via aérea e ferroviária com o acesso aos caminho-deferro de Benguela.; Infra-estrutura favorece a entrada, armazenamento e escoamento de produtos importados; Alternativa contra possíveis problemas de fornecimento no mercado interno; Agenciamento de cargas internacionais. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 23

24 OPTIMIZAÇÃO LOGÍSTICA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 24

25 OPTIMIZAÇÃO LOGÍSTICA Potenciação: Maximização da utilidade operacional dos meios, em todas as viagens; Potenciar o negócio na viagem de ida e de retorno; Fomento às exportações da produção oriunda do Corredor do Lobito; Redução dos Custos operacionais; Redução dos tempos de espera. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 25

26 DEMOGRAFIA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 26

27 DEMOGRAFIA 2100 PROJECÇÕES DEMOGRÁFICAS EM ANGOLA (UN DESA): Aumento da População em 294%; População atingirá em 2100 cerca de de habitantes. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 27

28 DEMOGRAFIA 2100 PROJECÇÕES DEMOGRÁFICAS OUTROS PAÍSES DO CORREDOR DO LOBITO (UN DESA): República Democrática do Congo Aumento da População em 221%; População atingirá em 2100 cerca de de habitantes. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 28

29 DEMOGRAFIA 2100 PROJECÇÕES DEMOGRÁFICAS OUTROS PAÍSES DO CORREDOR DO LOBITO (UN DESA): Zâmbia Aumento da População em 968%; População atingirá em 2100 cerca de de habitantes. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 29

30 DEMOGRAFIA 2100 IMPORTÂNCIA DO AEROPORTO DA CATUMBELA CORREDOR DO LOBITO: O elevado aumento da população conduzirá a: Aumento do fluxo de voos realizados; Utilização do avião como meio de transporte de eleição, por ser mais rápido, comodo e seguro; Melhor adaptação para transporte de mercadorias de alto valor e de mercadorias perecíveis. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 30

31 OBRIGADO AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

Transportes. Prof. Márcio Padovani

Transportes. Prof. Márcio Padovani Transportes Índice Definição de transporte Origem e evolução dos transportes Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleoduto Evolução dos transportes no Porto Classificação dos transportes Quanto à modalidade

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter. ZPE CEARÁ A primeira a operar no Brasil Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.com/zpeceara CONCEITO A ZPE Zona de Processamento de Exportação é uma área

Leia mais

Logística em Portugal Comentário. Mário Lopes

Logística em Portugal Comentário. Mário Lopes Logística em Portugal Comentário Mário Lopes Professor do IST, Presidente da ADFERSIT mariolopes@tecnico.ulisboa.pt CONCLUSÕES: (conceitos) Assertivas, concordo totalmente DISCORDÂNCIAS E/OU OMISSÕES:

Leia mais

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30 APRESENTAÇÃO...11 INTRODUÇÃO...13 Definições de operadores...13 A evolução do segmento...13 O PAPEL ESTRATÉGICO DA LOGÍSTICA...15 Uma ampla cadeia de negócio.. 15 As atividades da logística...15 Importância

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 O objetivo do transporte aéreo é fornecer o serviço de transporte de cargas e passageiros.

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

QUESTÕES TRASNPORTE AÉREO/RODOVIÁRIO/FERROVIÁRIO

QUESTÕES TRASNPORTE AÉREO/RODOVIÁRIO/FERROVIÁRIO QUESTÕES TRASNPORTE AÉREO/RODOVIÁRIO/FERROVIÁRIO 1) Quais os principais órgãos de nível internacional que regulam os transportes aéreo, rodoviário e ferroviário? R. Aéreo: IATA International Transport

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013.

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. O Estado de Goiás Goiás, uma das 27 unidades federativas, está situado na região Centro Oeste do País ocupando uma área

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Victor Mendes

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Victor Mendes REQUERIMENTO (Do Sr. Victor Mendes) Requer o envio de Indicação ao Ministro Chefe da Secretaria da Aviação Civil da Presidência da República SAC-PR, solicitando que determine à Agência Nacional de Aviação

Leia mais

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil Carga Aérea Crescimento e Estratégias Por: Marcus Gentil Vídeo de Abertura Agenda Representatividade e Missão Tipos de Cargas e suas Principais Características Participação Comparativa dos Modais Evolução

Leia mais

AEROPORTO DE CONGONHAS

AEROPORTO DE CONGONHAS AEROPORTO DE CONGONHAS CIRCUITO DIGITAL AEROPORTO DE CONGONHAS - SP CONGONHAS E SEU PÚBLICO O Aeroporto de Congonhas é o principal aeroporto executivo do Brasil e um dos principais portões de entrada e

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) 2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Uma Visão METROPOLITANA Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Estado de São Paulo RMC Região Metropolitana de Campinas Lei Complementar 870 de 19 de junho de

Leia mais

Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim. Universidade Federal de Pelotas

Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim. Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Aula 01 - Fundamentos teóricos, parte I. Economia internacional Vs Comércio exterior. Teorias do Comércio Internacional (liberalismo vs protecionismo) COMÉRCIO INTERNACIONAL Onde

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

Fonte:

Fonte: Fonte: www.cm-seixal.pt O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Freguesia da Zona Aldeia não de habitacional Paio Pires 3 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 4 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Construído

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA

CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA 01 de Março de 2013 LUANDA Sexta Sessão CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA O CONTEXTO DA PROBLEMÁTICA DA LIGAÇÃO À ZÂMBIA

Leia mais

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica Frederico Bussinger BRASIL NO MUNDO LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO Área > 4 mi Km 2 População > 100 mi Paquistão USA Bangladesh China

Leia mais

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL CAOS LOGÍSTICO REGIONAL O POLO, O PORTO E AS CIDADES NÃO PODEM PARAR Carolina Lembo Gerente do Departamento de Infraestrutura ÍNDICE 1. Contextualização 2. Vantagens do Polo de Cubatão 3. Entraves Logísticos

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) º TRIMESTRE de 16 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA - 2014 Índice Santa Catarina 1 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 2 Infraestrutura de Transportes Modal

Leia mais

VALEC. Ministério dos Transportes

VALEC. Ministério dos Transportes VALEC Ministério dos Transportes Outubro de 2007 LOCALIZAÇÃO MAPA DA FERROVIA NORTE-SUL AÇAILÂNDIA (MA) / PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) Extensão: 361 km OBRAS CONCLUÍDAS PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) / PÁTIO DE GUARAÍ

Leia mais

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS 2º SEMINÁRIO BIM SINDUSCON / SP 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS Organograma Visão SEDE Geral do Projeto DE SANTOS Perspectiva principal Visão Geral do Projeto 2011 2007

Leia mais

PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA. BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016

PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA. BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016 PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016 AGENDA 1 HOTELARIA EM PORTUGAL: FECHO DO ANO - BALANÇO E PERSPETIVAS EVOLUÇÃO DA HOTELARIA

Leia mais

Unidade IV. Aula 22.1 Conteúdo Os quatro tigres. Natureza-sociedade: Questões ambientais FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Aula 22.1 Conteúdo Os quatro tigres. Natureza-sociedade: Questões ambientais FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-sociedade: Questões ambientais Aula 22.1 Conteúdo Os quatro tigres. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) 2º TRIMESTRE de 216 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) 2º TRIMESTRE de 21 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Laboratório de Tecnologia de Pavimentação IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Profa. Dra. ROSÂNGELA MOTTA Março,

Leia mais

POLÍTICAS DE INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES EM PAÍSES DA CPLP CASO DE MOÇAMBIQUE

POLÍTICAS DE INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES EM PAÍSES DA CPLP CASO DE MOÇAMBIQUE POLÍTICAS DE INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES EM PAÍSES DA CPLP CASO DE MOÇAMBIQUE Titulo da Comunicação, Título da Comunicação Nome do Orador Empresa/Instituição Rede de Estradas Classificadas (DM. 03/2005)

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 TPS pav. térreo TPS Vista do saguão TPS pav. superior PERSPECTIVA Lado TERRA PERSPECTIVA Lado AR Item 2011 2012 Revisão

Leia mais

HIDROVIA AMAZÔNICA: Rios Maranhão e Amazonas, trecho Saramiriza-Iquitos-Santa Rosa; Rio Huallaga, trecho Yurimaguas-Confluência com o rio Maranhão;

HIDROVIA AMAZÔNICA: Rios Maranhão e Amazonas, trecho Saramiriza-Iquitos-Santa Rosa; Rio Huallaga, trecho Yurimaguas-Confluência com o rio Maranhão; HIDROVIA AMAZÔNICA: Rios Maranhão e Amazonas, trecho Saramiriza-Iquitos-Santa Rosa; Rio Huallaga, trecho Yurimaguas-Confluência com o rio Maranhão; Rio Ucayali, trecho Pucallpa- confluência com o rio Maranhão

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software. Eugênio E. Staub Abril de 2004

Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software. Eugênio E. Staub Abril de 2004 Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software Eugênio E. Staub Abril de 2004 Sumário Indústria Eletro-Eletrônica Indústria de Software Conclusão 2 Indústria Eletro-Eletrônica Principais

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 10 Santa Catarina 10 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 17 Infraestrutura

Leia mais

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Corredores Logísticos Legenda Ferrovias Estrada de Ferro Carajás - EFC Ferrovia Norte Sul FNS Ferrovia Norte Sul FNS (em construção)

Leia mais

ANP: Desafios no Setor de E&P. John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo

ANP: Desafios no Setor de E&P. John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo ANP: Desafios no Setor de E&P John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo O princípio Criada em 1997, através da Lei 9.478, a ANP conseguiu atender a vários desafios: Organização de recursos e procedimentos,

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios Sudão do Sul Guia de Negócios Sudão do Sul Guia de Negócios SUDÃO

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Tudo que a gente quer é ver você aqui.

Tudo que a gente quer é ver você aqui. Tudo que a gente quer é ver você aqui. Em outubro de 2011, o oeste catarinense deu as boas-vindas ao seu primeiro e único shopping. Trazendo inovação, praticidade e entretenimento, o Shopping Pátio Chapecó

Leia mais

ZONA DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO - ZPE

ZONA DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO - ZPE ZONA DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO - ZPE O Que é uma ZPE? Áreas delimitadas, especialmente designadas a indústrias exportadoras, nas quais estas usufruem de regimes tributário e cambial diferenciados,

Leia mais

O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA?

O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA? O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA? A Evolução da Movimentação de Carga no Brasil e no Mundo BRASIL Virando Gente Grande Movimentação do Comércio Exterior no Brasil 1990 = 50 bi 2000 = 110 bi 2004 = 160

Leia mais

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país 2 O mercado brasileiro de derivados possui uma concentração na costa litorânea e no sul sudeste do país e o potencial de crescimento

Leia mais

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA LUANDA, 26 DE MAIO DE 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Potenciais áreas para o investimento público e privado. 1. PRINCIPAL ORIENTAÇÃO DO SECTOR

Leia mais

Hospital de Proximidade de Amarante

Hospital de Proximidade de Amarante Hospital de Proximidade de Amarante Novo Hospital de Amarante: Saúde de Proximidade A funcionar desde Dezembro do ano passado, e dotado das mais avançadas tecnologias, o novo Hospital de Amarante é a concretização

Leia mais

Desempenho de aviões. Diagrama carga paga x alcance STT0618 Transporte Aéreo. Lucas Assirati

Desempenho de aviões. Diagrama carga paga x alcance STT0618 Transporte Aéreo. Lucas Assirati Desempenho de aviões Diagrama carga paga x alcance STT0618 Transporte Aéreo Lucas Assirati http://beth.stt.eesc.usp.br/~la Programa - STT0618 Histórico Transporte aéreo Transporte aéreo comercial internacional

Leia mais

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS As primeiras incubadoras de empresas surgiram no Brasil na década de 80 e desde então, o número de incubadoras vem crescendo sensivelmente. Em 1982, foi fundado sob a

Leia mais

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Aeroporto Intl. de Brasília O Aeroporto de Brasília é o terceiro em movimentos de passageiros e aeronaves do Brasil Em capacidade, tem potencial para ser

Leia mais

Sistema FIEAM A IMPORTÂNCIA DO MODELO DE DESENVOLVIMENTO ZFM PARA A AMAZÔNIA OCIDENTAL.

Sistema FIEAM A IMPORTÂNCIA DO MODELO DE DESENVOLVIMENTO ZFM PARA A AMAZÔNIA OCIDENTAL. Sistema FIEAM A IMPORTÂNCIA DO MODELO DE DESENVOLVIMENTO ZFM PARA A AMAZÔNIA OCIDENTAL. Criação da Zona Franca de Manaus (1957) Em 6 de junho de 1957 a lei nº 3.173, foi sancionada pelo presidente Juscelino

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. CARLOS SOUZA)

REQUERIMENTO. (Do Sr. CARLOS SOUZA) REQUERIMENTO (Do Sr. CARLOS SOUZA) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo a agilização do processo de ampliação e modernização do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, bem assim a definição

Leia mais

2 FÓRUM «Investimentos em infra-estruturas urbanas em África» Luanda, 29 e 30 de Abril de 2015

2 FÓRUM «Investimentos em infra-estruturas urbanas em África» Luanda, 29 e 30 de Abril de 2015 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU 2 FÓRUM «Investimentos em infra-estruturas urbanas em África» Infra-estruturas Urbanas: Potencial e oportunidades de Investimento pós conflito: A Visão da Guiné-Bissau Luanda,

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

ESTRATÉGIAS de DINAMIZAÇÃO NATUREZA. Palmela Setembro de 2011

ESTRATÉGIAS de DINAMIZAÇÃO NATUREZA. Palmela Setembro de 2011 ESTRATÉGIAS de DINAMIZAÇÃO do PRODUTO TURISMO DE NATUREZA Palmela Setembro de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril 2. O desenvolvimento da

Leia mais

A perspectiva do Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE

A perspectiva do Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE A perspectiva do Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE Apresentação Hospital H H H H Apresentação Hospital Hospital do Grupo B Urgência Médico - Cirúrgica Lotação 154 camas 4 salas operatórias (Bloco

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Desportiva

Curso de Especialização em Gestão Desportiva Curso de Especialização em Gestão Desportiva Equipamentos e instalações desportivas Módulo 2 Calendário Dia 29 Mai Dia 4 Jun Dia 5 Jun 14-16h 16-18h 18-20h Normativas referentes às características das

Leia mais

Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual

Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual Momento Atual da Indústria Nacional 1 2 3 4 O setor de aviação nacional que hoje transporta mais passageiros do que ônibus atravessa um momento desfavorável

Leia mais

Licitação de Gasodutos de Transporte

Licitação de Gasodutos de Transporte Mesa Redonda sobre Energia no Brasil : O inicio de uma nova era energética? Licitação de Gasodutos de Transporte Melissa Cristina Mathias José Cesário Cecchi Superintendência de Comercialização e Movimentação

Leia mais

AERÓDROMO MUNICIPAL DE PONTE DE SOR

AERÓDROMO MUNICIPAL DE PONTE DE SOR AERÓDROMO MUNICIPAL DE PONTE DE SOR O Aeródromo Municipal de Ponte de Sor é uma infraestrutura de utilização pública, certificada pelo Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC ) em classe II e Categoria

Leia mais

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Boletim Trimestral Janeiro - Março/2010 Dados: CAGED (MTE) IPEA O objetivo deste Boletim é acompanhar a cada três meses a variação do emprego formal nas atividades

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL O Técnico de Turismo Ambiental e Rural é o profissional que participa na aplicação de medidas de valorização do turismo em espaço rural, executando

Leia mais

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Enquadramento Territórios distintos em termos de povoamento, demografia, economia e orografia: Municípios de cariz mais rural e com problemas de

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

Estratégia Tecnológica da Petrobras

Estratégia Tecnológica da Petrobras Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2011 Estratégia Tecnológica da Petrobras Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do CENPES Petrobras no mundo

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

Teleconferência e Webcast

Teleconferência e Webcast Teleconferência e Webcast Divulgação dos Resultados 3T13 19 de Novembro de 2013 Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos e/ou resultados futuros

Leia mais

Infraestrutura no Brasil: desafios e oportunidades para a próxima década

Infraestrutura no Brasil: desafios e oportunidades para a próxima década SOBRATEMA FÓRUM BRASIL INFRAESTRUTURA 1 Infraestrutura no Brasil: desafios e oportunidades para a próxima década Paulo Resende 2010 UMA VISÃO GERAL SOBRE A INFRAESTRUTURA BRASILEIRA 2 2010 a 2020: um País

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

Relação entre investimentos e modelagem financeira. Cyriel Kronenburg, November 27, 2008

Relação entre investimentos e modelagem financeira. Cyriel Kronenburg, November 27, 2008 Relação entre investimentos e modelagem financeira Cyriel Kronenburg, November 27, 2008 O transporte aéreo é crítico para a economia global Somos uma indústria de US$ 450 bilhões anuais Sustentamos US$

Leia mais

Industrialização Brasileira

Industrialização Brasileira Industrialização Brasileira Aula 26 LEMBRAR QUE A URBANIZAÇÃO SEMPRE FOI INFLUENCIADA PELA ECONOMIA. Algodão Maranhão. Açúcar Nordeste Brasileiro. Borracha Acre. Café- Sudeste. Minério- Minas Gerais. A

Leia mais

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Ricardo Bisinotto Catanant (SRE/ANAC) Roteiro Evolução do Setor Movimentação de PAX Market Share Rotas Aéreas Tarifas

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO Josep-Francesc Valls Coordenador do Centro de Formação e Investigação em Turismo da UMa Professor Esade Business & Law School RESUMO 1. Posição de Portugal

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Agenda. 1) Apresentação comercial

Agenda. 1) Apresentação comercial Agenda 1) Apresentação comercial 2) Condicionantes da competitividade 3) Articulação entre atores públicos p e privados 4) Aspectos de custos e tempos de trânsito HISTÓRICO * Fundada em 1950 por Benedito

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL: COMÉRCIO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÃO 2016

GEOGRAFIA DO BRASIL: COMÉRCIO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÃO 2016 1. (UERJ ) No mapa, são informados tanto a intensidade dos fluxos de passageiros por via aérea quanto o correspondente movimento de passageiros em cada cidade, no ano de 2010. De acordo com as informações,

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

Polos Verdes no Estado do Rio de Janeiro

Polos Verdes no Estado do Rio de Janeiro Polos Verdes no Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 13 de Junho de 2012 SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SUBSECRETARIA DE ECONOMIA VERDE Subsecretaria De Economia Verde Renováveis & Rio Capital da

Leia mais

SECRETARIA DE TRANSPORTES

SECRETARIA DE TRANSPORTES SECRETARIA DE TRANSPORTES Major Events Grandes Eventos 2013 Copa das Confederações 2013 Jornada Mundial da Juventude Católica 2014 Copa do Mundo de Futebol 2016 Jogos Olímpicos Soluções de Mobilidade para

Leia mais

Soluções completas em voz e sms.

Soluções completas em voz e sms. BFT Group www.bfttelecom.com.br 0800.724.6200 Soluções completas em voz e sms. COMOLUCRAR MAIS EM SUA OPERAÇÃO COM SMS GATEWAY O QUE É UM SMS GATEWAY? www.bfttelecom.com.br 0800.724.6200 Soluções completas

Leia mais

"Tecnologia e Eficiência em Saneamento Ambiental"

Tecnologia e Eficiência em Saneamento Ambiental Seminário "Tecnologia e Eficiência em Saneamento Ambiental" Valor Econômico & Sabesp O PAPEL DAS EMPRESAS E DA UNIVERSIDADE NO LINEU ALONSO Presidente da ETEP Vice-Presidente Nacional SINAENCO QUE MODELO

Leia mais

Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores. Lisboa, 28 de Abril de

Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores. Lisboa, 28 de Abril de Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores Lisboa, 28 de Abril de 2008 1 O sector dos transportes é uma peça fundamental do desenvolvimento económico do país, contribuindo decisivamente

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Panorama Econômico e Desempenho Setorial 2009 Apresentação Fundada em 1963, a Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga CANA & ENERGIA Estoques Estratégicos de Combustíveis Carlos Valois Maciel Braga Superintendente de Comercialização e Movimentação de Petróleo e seus Derivados Agência Nacional do Petróleo - ANP Coordenador

Leia mais

Funda. Fundo ppara o Desenvolvimento das Atividades Portuárias. Receita de ICMS

Funda. Fundo ppara o Desenvolvimento das Atividades Portuárias. Receita de ICMS Funda Fundo ppara o Desenvolvimento das Atividades Portuárias Receita de ICMS CONCEITO Incentivo Financeiro LEGISLAÇÃO Lei nº 2.508, de 22/05/1970 e suas alterações. REGULAMENTAÇÃO Inicialmente pelo Decreto

Leia mais

Comboios em Portugal. Índice. Comboios de Mercadorias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP

Comboios em Portugal. Índice. Comboios de Mercadorias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP Comboios em Portugal Ana Correia José Henriques Luís Moreira Miguel Cunha Miguel Seixas Nuno Pereira CIV212 MIEC Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP Índice de transporte; e evolução

Leia mais

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer GEE - UFRJ Milhões de Reais Importância do Setor de Petróleo na Economia Brasileira (I) Desde de 2006 os investimentos na indústria

Leia mais

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Seminário Pequenos Investimentos Produzir e vender com Qualidade e Segurança Luís Chaves 01 de setembro de 2016 Rio Maior 1. A Federação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil CRESCIMENTO DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO Gustavo Pacheco Fortes Fleury Gerente de Projeto do

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO MODELO DE DESENVOLVIMENTO DA ZETI DE CRUSSE E JAMALI MAPUTO, DEZEMBRO DE

Leia mais

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA Secretária de Estado de Desenvolvimento do Turismo TETÉ BEZERRA O PRODETUR NACIONAL O PRODETUR Nacional tem o objetivo de fortalecer a Política Nacional

Leia mais

ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS -

ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS - ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS - TURISMO E LAZER BELO HORIZONTE - MG Extensão territorial município 331 km² População total (2010) 2.375.151 habitantes Densidade 7.175 hab/km² PIB ano 2008 R$ 42.151 bilhões

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO AEROPORTO CAMPO DE MARTE - SBMT

INFORMAÇÕES GERAIS DO AEROPORTO CAMPO DE MARTE - SBMT INFORMAÇÕES GERAIS DO AEROPORTO CAMPO DE MARTE - SBMT GERÊNCIA DE NEGÓCIOS COMERCIAS - MTNC 2016 INFORMAÇÕES GERAIS DO AEROPORTO CAMPO DE MARTE - SBMT AEROPORTO CAMPO DE MARTE O Aeroporto Campo de Marte

Leia mais

Cidadãos Inteligentes

Cidadãos Inteligentes Cidadãos Inteligentes Senador Walter Pinheiro Março/2015 Agenda O panorama brasileiro Oportunidades Smart People 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Panorama 8.00 6.00 4.00

Leia mais