AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO"

Transcrição

1 AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

2 01 MULTIMODALIDADE 02 HUB DE TRANSPORTES 03 EIXO ANTLÂNTICO - ÍNDICO AFRICA AUSTRAL 04 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL 05 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGA CARACTERIZAÇÃO BUSINESS UP TURISMO 06 LOGISTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO 07 OPTIMIZAÇÃO LOGÍSTICA 08 DEMOGRAFIA 2100

3 MULTI MODALIDADE As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 3

4 MULTIMODALIDADE DEFINIÇÃO: O transporte multimodal define-se pela articulação entre vários meios de transporte, por forma a conduzir passageiros e mercadoria até ao seu destino final. Classificação dos meios: Terrestre: Rodoviário, Ferroviário; Aquaviário: Marítimo e Hidroviário; Aéreo. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 4

5 MULTIMODALIDADE Potencialização da Multimodalidade Proximidade a: Porto de Lobito; Linha Férrea de Benguela; Aeroporto da Catumbela. Multimodalidade na Aviação: Facilita a deslocação de executivos; Fomento da economia local. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 5

6 HUB DE TRANSPORTES As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 6

7 HUB DE TRANSPORTES Criação de Valor Criação de benefícios através do volume de tráfego proveniente de diversas origens, que se concentra no Hub antes de ser enviado até ao seu destino final; Concentração de Fluxos, permite criar economias de escala, que influem directamente nos custos de transporte; Utilização de Aeronaves de maior capacidade, por forma a reduzir os custos por tonelada-milha; As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 7

8 O AEROPORTO DE CATUMBELA COMO HUB DE TRANSPORTES ESPECIFICAÇÕES: Procura económica e geográfica elevada; Infra-estruturas modernas e adequadas; POTENCIALIDADES: Porta de entrada para a África Austral; Optimização das Rotas de Aeroportos próximos para o Hub; Destino de voos de longo Curso, com ligações Domésticas/Regionais; ATRACÇÃO DE COMPANHIAS AÉREAS PELA: Diminuição do custo total da rede; Menor número de voos directos; Diminuição do tempo de conexão para voos de pequenas distâncias; Diminuição de custos com handling; As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 8

9 O AEROPORTO DE CATUMBELA COMO HUB DE TRANSPORTES Importância na África Austral: Angola faz fronteira com República do Congo, República Democrática do Congo, Zâmbia e Namíbia; Atracção de voos internacionais, com destino a países da África Austral; Infra-estrutura moderna e capaz de receber aparelhos de grande porte, com possibilidade de transbordo de passageiros para aparelhos de porte inferior, que possam ser recebidos em aeroportos de outros países, sem estas condições; Contributo importante para a elevada procura de voos para Angola. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 9

10 EIXO ATLÂNTICO - INDICO As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 10

11 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO Trafego aéreo mundial durante as 24h do dia As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 11

12 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DO EIXO ATLÂNTICO-ÍNDICO: A África do Sul realiza 90% de seu comércio exterior no Oceano Atlântico; Posição central entre os oceanos Atlântico e Índico; Serve como rota em direcção ao Oriente; Ponto estratégico para realização de escalas em viagens aéreas; Base de apoio logístico para travessias oceânicas; Atlântico Sul e Índico possuem recursos energéticos, como jazidas de gás e petróleo. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 12

13 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO ÁFRICA AUSTRAL Corredor do Lobito: (Ponte entre o Atlântico Sul e o Oceano Índico) Angola República Democrática do Congo Zâmbia

14 EIXO ATLÂNTICO - ÍNDICO Corredor do Lobito Até à década de 70 o Corredor do Lobito foi a rota de transportes mais movimentada da África Austral; Com a restruturação e forte investimento realizado, tanto na Linha Férrea como no Porto de Benguela, esta rota ganhou nova dimensão e projecção; Principais mercadorias transitadas: cobre, cobalto, carvão, zinco, chumbo, madeira, açúcar, milho e café. Das inúmeras potencialidades da criação do Corredor do Lobito, destacam-se as seguintes: Desenvolvimento de negócio; Fomento da economia; Desenvolvimentos locais e regionais; Facilidade de transferência de voos; Elaboração de protocolos entre os 3 países, com o intuito de desenvolver o Corredor As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 14

15 AEROPORTO CATUMBELA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 15

16 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL A Infra-estrutura deriva da estratégia do Estado para o desenvolvimento aeroportuário do país. Estrutura adequada a Aeronaves de Grande Porte: Pista de metros; Duas mangas para embarque e desembarque; Terminal com m 2 de área; Capacidade para 2,2 milhões de passageiros por ano; 18 Balcões para o Serviço de Migração e Estrangeiros; Sistemas de ajuda à navegação aérea de ultima geração. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 16

17 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL Facilities Salas protocolares; Salas para executivos e passageiros em 1ª Classe; Restaurantes; Bares; Agências de viagem; Áreas comerciais. Parque de estacionamento com 230 lugares; As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 17

18 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 18

19 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGAS Aeroporto possibilitará o substancial aumento dos fluxos de passageiros e carga, com importantes consequências para a economia. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 19

20 FLUXOS DE PASSAGEIROS E CARGAS BUSINESS UP TURISMO TURISMO O Aeroporto da Catumbela, contribuirá significativamente para o desenvolvimento do Turismo no Corredor do Lobito. Significativo impacto na economia Local e Nacional através de: Investimento em empreendimentos Hoteleiros; Atracção de Turistas; Incentivo ao comércio local; Contributo importante para o PIB; Peso na Balança Comercial do país. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 20

21 LOGÍSTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 21

22 LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO DEFINIÇÃO Área da logística relacionada com o desenvolvimento de estratégias para optimizar a comercialização com o exterior. O aeroporto de Catumbela facilita a operação da logística de exportação através: Infra-estrutura robusta; Aumento do fluxo de voos; Criação de Hub de transporte; Liberação complementar da produção; Incentivo à economia da região e do país; Inter-relacionamento entre as economias internacionais. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 22

23 LOGÍSTICA DE IMPORTAÇÃO DEFINIÇÃO Angola é hoje um País fortemente dependente da importação de bens de serviços. Entender esta realidade é fundamental para a potenciação das infra-estruturas aeroportuárias. O desenvolvimento do Corredor do Lobito irá acarretar a importação de muitos equipamentos fundamentais a esse desenvolvimento. O aeroporto de Catumbela facilita a operação da logística de importação através: Oferta de alternativas por via aérea e ferroviária com o acesso aos caminho-deferro de Benguela.; Infra-estrutura favorece a entrada, armazenamento e escoamento de produtos importados; Alternativa contra possíveis problemas de fornecimento no mercado interno; Agenciamento de cargas internacionais. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 23

24 OPTIMIZAÇÃO LOGÍSTICA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 24

25 OPTIMIZAÇÃO LOGÍSTICA Potenciação: Maximização da utilidade operacional dos meios, em todas as viagens; Potenciar o negócio na viagem de ida e de retorno; Fomento às exportações da produção oriunda do Corredor do Lobito; Redução dos Custos operacionais; Redução dos tempos de espera. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 25

26 DEMOGRAFIA As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 26

27 DEMOGRAFIA 2100 PROJECÇÕES DEMOGRÁFICAS EM ANGOLA (UN DESA): Aumento da População em 294%; População atingirá em 2100 cerca de de habitantes. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 27

28 DEMOGRAFIA 2100 PROJECÇÕES DEMOGRÁFICAS OUTROS PAÍSES DO CORREDOR DO LOBITO (UN DESA): República Democrática do Congo Aumento da População em 221%; População atingirá em 2100 cerca de de habitantes. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 28

29 DEMOGRAFIA 2100 PROJECÇÕES DEMOGRÁFICAS OUTROS PAÍSES DO CORREDOR DO LOBITO (UN DESA): Zâmbia Aumento da População em 968%; População atingirá em 2100 cerca de de habitantes. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 29

30 DEMOGRAFIA 2100 IMPORTÂNCIA DO AEROPORTO DA CATUMBELA CORREDOR DO LOBITO: O elevado aumento da população conduzirá a: Aumento do fluxo de voos realizados; Utilização do avião como meio de transporte de eleição, por ser mais rápido, comodo e seguro; Melhor adaptação para transporte de mercadorias de alto valor e de mercadorias perecíveis. As Infra Estruturas de Transportes no Desenvolvimento do Corredor do Lobito 30

31 OBRIGADO AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO.

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. www.portodecaio.ao O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. INTRODUÇÃO Bem-vindo ao projecto Porto de Caio, a porta de entrada para o comércio na África. A instalação portuária de classe mundial, parte integral

Leia mais

Transporte Aéreo para a Cadeia de Turismo no Norte do Pais. Modernidade, Segurança e Qualidade 1

Transporte Aéreo para a Cadeia de Turismo no Norte do Pais. Modernidade, Segurança e Qualidade 1 Transporte Aéreo para a Cadeia de Turismo no Norte do Pais 1 Introdução "O Aeroporto é uma sala de visita, é o primeiro cartão de visita para o estrangeiro que chega a Mocambique. Visitante chega ao nosso

Leia mais

ANGOLA E A SUA MODERNIZAÇÃO AEROPORTUÁRIA

ANGOLA E A SUA MODERNIZAÇÃO AEROPORTUÁRIA ANGOLA E A SUA MODERNIZAÇÃO AEROPORTUÁRIA 4ª Conferência de Aeroportos da China e dos Países de Língua Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e Navegação Aérea E.P. 1 ANGOLA UM PAÍS EM FRANCO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

Supervisor: Prof. Lucas Silva Monitor: João Ferreira. Equipa: 1M5_04

Supervisor: Prof. Lucas Silva Monitor: João Ferreira. Equipa: 1M5_04 Supervisor: Prof. Lucas Silva Monitor: João Ferreira Equipa: 1M5_04 Filipe Miguel Ferreira [up201306258] João Pedro Vendas Santos [up201303543] Rui Adriano Gomes Pinto [up201306265] Rui Miguel Pereira

Leia mais

Transportes. Prof. Márcio Padovani

Transportes. Prof. Márcio Padovani Transportes Índice Definição de transporte Origem e evolução dos transportes Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleoduto Evolução dos transportes no Porto Classificação dos transportes Quanto à modalidade

Leia mais

Estatísticos. Dados PORTO DO LOBITO MOVIMENTA 2,2 MILHÕES DE TONELADAS. 83 Anos

Estatísticos. Dados PORTO DO LOBITO MOVIMENTA 2,2 MILHÕES DE TONELADAS. 83 Anos Dados Dados 2 MOVIMENTA 2,2 MILHÕES DE TONELADAS O Porto do Lobito alcançou um novo valor em 2010, ao movimentar um total de dois milhões e duzentas mil toneladas face ao ano 2009. A subida de mais de

Leia mais

Logística em Portugal Comentário. Mário Lopes

Logística em Portugal Comentário. Mário Lopes Logística em Portugal Comentário Mário Lopes Professor do IST, Presidente da ADFERSIT mariolopes@tecnico.ulisboa.pt CONCLUSÕES: (conceitos) Assertivas, concordo totalmente DISCORDÂNCIAS E/OU OMISSÕES:

Leia mais

CONFERÊNCIA DO PORTO DE MAPUTO

CONFERÊNCIA DO PORTO DE MAPUTO CONFERÊNCIA DO PORTO DE MAPUTO DAVE RENNIE CEO da GRINDROD FREIGHT SERVICES O negócio da Grindrod prende-se com a movimentação de cargas por via marítima, terrestre, ferroviária e aérea ao mesmo tempo

Leia mais

Turismo e Transporte AéreoA. 26 de Maio de João Passos Presidente

Turismo e Transporte AéreoA. 26 de Maio de João Passos Presidente A 26 de Maio de 2008 Presidente 1 Em termos globais, o desenvolvimento do turismo está intimamente associado ao desenvolvimento do transporte aéreo. E vice-versa... TURISMO É MOVIMENTO 2 Turismo de Lazer

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter. ZPE CEARÁ A primeira a operar no Brasil Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.com/zpeceara CONCEITO A ZPE Zona de Processamento de Exportação é uma área

Leia mais

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação Objetos fixos, fluxos e rede de transporte Do ponto de vista da circulação, o espaço geográfico é uma combinação de objetos

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 O objetivo do transporte aéreo é fornecer o serviço de transporte de cargas e passageiros.

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30 APRESENTAÇÃO...11 INTRODUÇÃO...13 Definições de operadores...13 A evolução do segmento...13 O PAPEL ESTRATÉGICO DA LOGÍSTICA...15 Uma ampla cadeia de negócio.. 15 As atividades da logística...15 Importância

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

Os transportes são o tema mais recente da Pordata Europa.

Os transportes são o tema mais recente da Pordata Europa. Novidade: TEMA TRANSPORTES NA PORDATA EUROPA Os transportes são o tema mais recente da Pordata Europa. A Pordata Europa passa, assim, a contar com 12 temas e mais de 650 quadros estatísticos, sempre baseados

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

Perspectivas. Dezembro de 2006

Perspectivas. Dezembro de 2006 Perspectivas Dezembro de 2006 PORTO de SANTOS - Maior com plexo portuário da América do Sul - Área aproximada: 8 milhões de m 2 - TONELAGEM : Crescimento contínuo / Recorde histórico de 72 milhões tons

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE Luanda, 06 Outubro de 2015 PLANO DE APRESENTAÇÃO Caracterização geográfica, demográfica e administrativa de Angola Evolução

Leia mais

COMUNIDADE AEROPORTUÁRIA DE CARGA DE LISBOA. Seminario Transportes & Negocios 06Nov08

COMUNIDADE AEROPORTUÁRIA DE CARGA DE LISBOA. Seminario Transportes & Negocios 06Nov08 COMUNIDADE AEROPORTUÁRIA DE CARGA DE LISBOA APRESENTAÇÃO DA COMUNIDADE E DOS SEUS CORPOS SOCIAIS FINS E OBJECTIVOS DA CACL DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O NOVO TERMINAL DE CARGA EM LISBOA A CARGA AÉREA

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro 1 INTRODUÇÃO O Brasil encontra-se num ambiente favorável de crescimento econômico nos últimos anos. A economia brasileira tem como principais forças o comércio, o setor industrial e o agronegócio. O agronegócio,

Leia mais

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013.

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. O Estado de Goiás Goiás, uma das 27 unidades federativas, está situado na região Centro Oeste do País ocupando uma área

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios Sudão do Sul Guia de Negócios Sudão do Sul Guia de Negócios SUDÃO

Leia mais

QUESTÕES TRASNPORTE AÉREO/RODOVIÁRIO/FERROVIÁRIO

QUESTÕES TRASNPORTE AÉREO/RODOVIÁRIO/FERROVIÁRIO QUESTÕES TRASNPORTE AÉREO/RODOVIÁRIO/FERROVIÁRIO 1) Quais os principais órgãos de nível internacional que regulam os transportes aéreo, rodoviário e ferroviário? R. Aéreo: IATA International Transport

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA - 2014 Índice Santa Catarina 1 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 2 Infraestrutura de Transportes Modal

Leia mais

48ª Edição da FACIM. Potencialidades e Oportunidades de Negócio

48ª Edição da FACIM. Potencialidades e Oportunidades de Negócio República de Moçambique Governo da Província de Maputo 48ª Edição da FACIM Potencialidades e Oportunidades de Negócio 11/8/2013 1 I. Situação Geográfica e Demográfica da Província A Província de Maputo

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL CAOS LOGÍSTICO REGIONAL O POLO, O PORTO E AS CIDADES NÃO PODEM PARAR Carolina Lembo Gerente do Departamento de Infraestrutura ÍNDICE 1. Contextualização 2. Vantagens do Polo de Cubatão 3. Entraves Logísticos

Leia mais

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil Carga Aérea Crescimento e Estratégias Por: Marcus Gentil Vídeo de Abertura Agenda Representatividade e Missão Tipos de Cargas e suas Principais Características Participação Comparativa dos Modais Evolução

Leia mais

Organização e Homologação de Empresa Aérea PLANO DE NEGÓCIOS DA AZUL PARA OPERAÇÃO EM SÃO J. CAMPOS

Organização e Homologação de Empresa Aérea PLANO DE NEGÓCIOS DA AZUL PARA OPERAÇÃO EM SÃO J. CAMPOS Organização e Homologação de Empresa Aérea PLANO DE NEGÓCIOS DA AZUL PARA OPERAÇÃO EM SÃO J. CAMPOS 1 ÍNDICE 1. Histórico da Azul Linhas Aéreas... 3 2. Fusão Azul e Trip... 5 3. Atualidade... 6 4. Participação

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) 2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015 PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de 2016 May 2015 Uma oportunidade económica Área: 92,152 Km 2 (108 º maior país do Mundo) Linha de Costa: 1,859 Km (incluindo

Leia mais

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS

Leia mais

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo 27/03/2014 Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE VISÃO GERAL PORTO DE SANTOS / BRASIL ÁREA DE INFUÊNCIA PORTO DE SANTOS 75 67% 56%

Leia mais

PORTOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL:

PORTOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: PORTOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: ALTERNATIVAS ENTRE GATEWAY E PORTO INDÚSTRIA Fernando Seabra Florianópolis, Nov 2016 A. Smith (1776) afirma: Através do transporte marítimo, uma determinada indústria

Leia mais

Mineração e sua Importância na Economia Brasileira

Mineração e sua Importância na Economia Brasileira Mineração e sua Importância na Economia Brasileira 25 de novembro de 2010 2º CONGRESSO DE MINERAÇÃO DA AMAZÔNIA ANTONIO LANNES Área > 3 milhões Km² Brasil no Mundo Bangladesh Pop > 140 milhões Nigéria

Leia mais

UM AEROPORTO MELHOR GANHA VIDA

UM AEROPORTO MELHOR GANHA VIDA Plano de Desenvolvimento do Aeroporto de Faro 015-017 UM AEROPORTO MELHOR GANHA VIDA Plano de Desenvolvimento do Aeroporto de Faro 015-017 Plano de Desenvolvimento do Aeroporto de Faro 015-017 Plano de

Leia mais

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos São Paulo, 28 de outubro de 2015 CENÁRIO E PERSPECTIVAS DE MELHORIA NOS ACESSOS SUMÁRIO: Acesso Aquaviário - Evolução dos navios - Iniciativa Santos

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) º TRIMESTRE de 16 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

2ºSalão das viagens de negócio INICIATIVA DE:

2ºSalão das viagens de negócio INICIATIVA DE: 2ºSalão das viagens de negócio INICIATIVA DE: OBJECTIVOS E METODOLOGIA O Barómetro de Viagens de Negócios de Angola é uma iniciativa da Travelstore American Express Global Business Travel, representadas

Leia mais

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA LUANDA, 26 DE MAIO DE 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Potenciais áreas para o investimento público e privado. 1. PRINCIPAL ORIENTAÇÃO DO SECTOR

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) 2º TRIMESTRE de 216 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) 2º TRIMESTRE de 21 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS Premissas Importantes Os eventos têm importância significativa na área do turismo, além de ser a atividade que mais crescem nesse segmento. Segundo Zanella (2003),

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Aula 01 - Fundamentos teóricos, parte I. Economia internacional Vs Comércio exterior. Teorias do Comércio Internacional (liberalismo vs protecionismo) COMÉRCIO INTERNACIONAL Onde

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA

CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA 01 de Março de 2013 LUANDA Sexta Sessão CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA CONSTRUÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DE LIGAÇÃO ANGOLA-ZÂMBIA O CONTEXTO DA PROBLEMÁTICA DA LIGAÇÃO À ZÂMBIA

Leia mais

"A Hull Blyth Viagens é uma empresa do ramo de turismo, lider no mercado de serviços de viagens em Angola há 35 anos." VIAGENS E TURISMO

A Hull Blyth Viagens é uma empresa do ramo de turismo, lider no mercado de serviços de viagens em Angola há 35 anos. VIAGENS E TURISMO VIAGENS E TURISMO "A Hull Blyth Viagens é uma empresa do ramo de turismo, lider no mercado de serviços de viagens em Angola há 35 anos." VIAGENS E TURISMO VIAGE GENS E TURISMO Empresa Serviços Vendas

Leia mais

Transpetro. Sistema logísticopara escoamento de etanol. Modal hidroviário e a Tietê Paraná

Transpetro. Sistema logísticopara escoamento de etanol. Modal hidroviário e a Tietê Paraná LOGÍSTICA, INFRA ESTRUTURA E AGRONEGÓCIO Campo Grande MS 20/07/2012 FABIANO TOLFO Gerente de Desenvolvimento de Negócios Email: fabianotolfo@petrobras.com.br LOGÍSTICA, INFRA ESTRUTURA E AGRONEGÓCIO AGENDA:

Leia mais

Análise da alocação de slots aeroportuários no Brasil

Análise da alocação de slots aeroportuários no Brasil PET - Economia UnB 3 de junho de 2014 Motivação O artigo tem como objetivo analisar a alocação de slots aeroportuários no Brasil Estrutura 1 Introdução 2 3 Atual regulação Proposta de resolução 4 5 6 Importância

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO Palestrante: MILTON XAVIER Secretaria dos Transportes 28 abr 2006 SECRETARIA DOS TRANSPORTES A demanda de transporte

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 10 Santa Catarina 10 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 17 Infraestrutura

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PERNAMBUCO. Elber Justo MSC 2016

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PERNAMBUCO. Elber Justo MSC 2016 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PERNAMBUCO Elber Justo MSC 2016 AS EMPRESAS DO GRUPO MSC Desde 1970, a MSC tem crescido e se tornado uma das maiores transportadoras marítimas do mundo. Durante

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

2 Sistema Aeroportuário Brasileiro

2 Sistema Aeroportuário Brasileiro 2 Sistema Aeroportuário Brasileiro O sistema aeroportuário é constituído pelo conjunto de aeródromos brasileiros, com todas as pistas de pouso, pistas de táxi, pátio de estacionamento de aeronave, terminal

Leia mais

AEROPORTO DE CONGONHAS

AEROPORTO DE CONGONHAS AEROPORTO DE CONGONHAS CIRCUITO DIGITAL AEROPORTO DE CONGONHAS - SP CONGONHAS E SEU PÚBLICO O Aeroporto de Congonhas é o principal aeroporto executivo do Brasil e um dos principais portões de entrada e

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Português: Língua de oportunidades. Números que falam Português: Língua de oportunidades Números que falam Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia 3 4 5 6 IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2 507 260 Slide 3 Economia Características

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 TPS pav. térreo TPS Vista do saguão TPS pav. superior PERSPECTIVA Lado TERRA PERSPECTIVA Lado AR Item 2011 2012 Revisão

Leia mais

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE AMBIENTE DE NEGÓCIOS 03 CULTURA DE NEGÓCIOS 04 O MERCADO 05-09 REACIONAMENTO ECONÓMICO BILATERAL 10-12 OPORTUNIDADES

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

São Paulo, setembro de 2010

São Paulo, setembro de 2010 16ª SEMANA DE TECNOLOGIA METRO-FERROVIÁRIA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE METRÔ AEAMESP. SOLUÇÕES DE TRANSPORTE MAIS ADEQUADAS PARA AS CIDADES O BNDES E OS INVESTIMENTOS NO SETOR DE TRANSPORTES

Leia mais

1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística. 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes. 3. Impacto Rodoanel. 4. Situação Atual no SAI

1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística. 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes. 3. Impacto Rodoanel. 4. Situação Atual no SAI Seminário: Acessibilidade ao Porto de Santos Agosto de 2010 Agenda 1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes 3. Impacto Rodoanel 4. Situação Atual no SAI 5. Projetos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA OTIMIZAÇÃO DE EMISSÕES CMTE. LAERT S. GOUVÊA

A IMPORTÂNCIA DA OTIMIZAÇÃO DE EMISSÕES CMTE. LAERT S. GOUVÊA A IMPORTÂNCIA DA OTIMIZAÇÃO DE OPERAÇÕES PARA REDUÇÃO DE EMISSÕES CMTE. LAERT S. GOUVÊA 1 PALESTRANTE: Laert S. Gouvêa Piloto de Linha Aérea: Piloto e instrutor de A 319, A 320 e A 321 na TAM Linhas Aéreas

Leia mais

Portos e Transportes Marítimos

Portos e Transportes Marítimos Portos e Transportes Marítimos Um novo sistema portuário As operações portuárias e a sustentabilidade do negócio Lisboa, 21 de Setembro de 2010 Agenda 1. Apresentação da Altri; 2. Análise da centralização

Leia mais

Gestão voluntária de carbono e de eficiência energética

Gestão voluntária de carbono e de eficiência energética Gestão voluntária de carbono e de eficiência energética Gestão voluntária de carbono e de eficiência energética A ANA Aeroportos de Portugal (ANA) reconhece que as alterações climáticas são um dos maiores

Leia mais

Apostas na Colômbia, Uruguai e Moçambique Grupo ETE à conquista mercados internacionais

Apostas na Colômbia, Uruguai e Moçambique Grupo ETE à conquista mercados internacionais 1/31/2013 Apostas na Colômbia, Uruguai e Moçambique Grupo ETE à conquista mercados internacionais O Grupo ETE está a apostar em novos mercados para aumentar o negócio e contornar os efeitos da crise em

Leia mais

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica Frederico Bussinger BRASIL NO MUNDO LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO Área > 4 mi Km 2 População > 100 mi Paquistão USA Bangladesh China

Leia mais

QUEM SOMOS? A AVEC Aviação Executiva e Compartilhada presta serviços de alta qualidade para operadores da Aviação Geral e Executiva, com o objetivo de se tornar a referência na região Nordeste do Brasil.

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade III LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade III LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Direito de navegação Conjunto de normas que regulamentam a utilização do espaço aéreo. Aeronaves públicas e privadas. 1944 na convenção

Leia mais

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA!

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Um breve passeio pela história... 70 e 80 = país sustentado por sua vocação agrícola. 1989 = inflação alcançava quase 2.000% ao ano! 1990 = abertura às importações

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. CARLOS SOUZA)

REQUERIMENTO. (Do Sr. CARLOS SOUZA) REQUERIMENTO (Do Sr. CARLOS SOUZA) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo a agilização do processo de ampliação e modernização do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, bem assim a definição

Leia mais

2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro

2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro 18 2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro O Sistema Aeroportuário Brasileiro é disciplinado pela Lei nº 7.565/86, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBDA) e traz a seguinte definição: Aeroportos:

Leia mais

2 FÓRUM «Investimentos em infra-estruturas urbanas em África» Luanda, 29 e 30 de Abril de 2015

2 FÓRUM «Investimentos em infra-estruturas urbanas em África» Luanda, 29 e 30 de Abril de 2015 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU 2 FÓRUM «Investimentos em infra-estruturas urbanas em África» Infra-estruturas Urbanas: Potencial e oportunidades de Investimento pós conflito: A Visão da Guiné-Bissau Luanda,

Leia mais

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza Regional Nordeste Concessões e Parcerias Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de Fortaleza Programa de Gestão de PPPs do Estado do Piauí Viviane Moura Bezerra Superintendente de Parcerias

Leia mais

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário PRACE Res.Cons.Min. 39/2006 DL 210/2006, 27Out DL 147/2007, 27Abr P 545/2007, 30 Abr. DGTTF INTF DGV (MAI) - Veículos e condutores DGV (MAI) -

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL

CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL 2º Congresso dos Engenheiros da Lingua Portuguesa Macau, 27-29 de Novembro de 2014 Engº Jose Antonio da Cruz Almeida

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO www.infoescola.com Revolução da técnica Introduz Forma eficiente de padronizar a mercadoria Menor tempo Menor custo Agrupamento de trabalhadores

Leia mais

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Aeroporto Intl. de Brasília O Aeroporto de Brasília é o terceiro em movimentos de passageiros e aeronaves do Brasil Em capacidade, tem potencial para ser

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Definições: A/C: aircraft, aeronave; Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas

Leia mais

Conhecimentos Gerais

Conhecimentos Gerais Conhecimentos Gerais Logística de Transporte no Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Gerais LOGÍSTICA DE TRANSPORTE NO BRASIL Transportes O sistema de transportes

Leia mais

Gargalos logísticos e perspectivas

Gargalos logísticos e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia ABN AMRO São Paulo SP 26 de janeiro de 2015 1 Produção de grãos cada vez

Leia mais

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 1 de 17 CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 2 de 17 I INTRODUÇÃO O ruído é um dos principais factores que afectam o ambiente urbano, contribuindo de modo significativo para a degradação da qualidade

Leia mais

Shuo Ma, Vice-Reitor da Universidade Marítima Internacional Porto de Sines pode servir de hub para a África Ocidental

Shuo Ma, Vice-Reitor da Universidade Marítima Internacional Porto de Sines pode servir de hub para a África Ocidental 11/12/2010 Shuo Ma, Vice-Reitor da Universidade Marítima Internacional Porto de Sines pode servir de hub para a África Ocidental O porto de Sines tem uma localização ideal para servir de hub de transhipment

Leia mais

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999):

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999): Prof. Andressa Caracterização Geral A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Os transportes contêm três elementos: Infraestrutura - é a malha de transporte: rodoviária,

Leia mais

Valor económico da língua portuguesa

Valor económico da língua portuguesa 1 Seminário Diplomático 2013 PROJETAR PORTUGAL Fundação Champalimaud, 4.1.2013 Valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral

Leia mais

Visite nosso stand no local - Av. Adolfo Konder, Itajaí - SC Comercialização: (11) (47) 3368.

Visite nosso stand no local - Av. Adolfo Konder, Itajaí - SC Comercialização: (11) (47) 3368. www.parkcityitajai.com.br Visite nosso stand no local - Av. Adolfo Konder, 1601 - Itajaí - SC Comercialização: (11) 5508.4500 - (47) 3368.3570 Shopping ParkCity Itajaí. O novo centro de compras e lazer

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

LINHA ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente

LINHA ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente LINHA 13 Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente PAINEL 03 Crescimento e melhoria da rede metroferroviária no Brasil 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária 2 Visão Geral 2,9 milhões pass./dia

Leia mais