PREFEITURA MUNICIPAL DE ARMAÇÃO DOS BÚZIOS - RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE ARMAÇÃO DOS BÚZIOS - RJ"

Transcrição

1 PROVA M11 V ATENÇÃO: TARDE VERIFIQUE SE CÓDIGO E PROVA DESTE CADERNO DE QUESTÕES CONFEREM COM O SEU CARTÃO DE RESPOSTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE ARMAÇÃO DOS BÚZIOS - RJ CARGO: TÉCNICO DE ENFERMAGEM RESGATISTA FRASE PARA EXAME GRAFOTÉCNICO (TRANSCREVA NO QUADRO DE SEU CARTÃO DE RESPOSTAS) Só fazemos melhor, aquilo que repetidamente insistimos em melhorar. LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES SEGUINTES: 1. Este Caderno de Questões contém questões de múltipla escolha, cada uma com 5 opções A, B,C, D e E. 2. Ao receber o material, verifique no Cartão de Respostas seu nome, número de inscrição, data de nascimento, cargo e prova. Qualquer irregularidade comunique imediatamente ao fiscal de sala. Não serão aceitas reclamações posteriores. 3. Leia atentamente cada questão e assinale no Cartão de Respostas a opção que responde corretamente a cada uma delas. O Cartão de Respostas será o único documento válido para a correção eletrônica. O preenchimento do Cartão de Respostas e a respectiva assinatura serão de inteira responsabilidade do candidato. Não haverá substituição do Cartão de Respostas, por erro do candidato. 4. Observe as seguintes recomendações relativas ao Cartão de Respostas: - A maneira correta de marcação das respostas é cobrir, fortemente, com esferográfica de tinta azul ou preta, o espaço correspondente à letra a ser assinalada. - Outras formas de marcação diferentes implicarão a rejeição do Cartão de Respostas. - Será atribuída nota zero às questões não assinaladas ou com falta de nitidez, ou com marcação de mais de uma opção, e as emendadas ou rasuradas. 5. O fiscal de sala não está autorizado a alterar qualquer destas instruções. Em caso de dúvida, solicite a presença do coordenador local. 6. Você só poderá retirar-se definitivamente do recinto de realização da prova após 1 hora contada do seu efetivo início, sem levar este Caderno de Questões. 7. Você só poderá levar este Caderno de Questões caso permaneça na sala até 1 hora antes do término da prova. 8. Por motivo de segurança, só é permitido fazer anotação durante a prova neste Caderno de Questões e no Cartão de Respostas. Qualquer outro tipo de anotação será motivo de eliminação automática do candidato. 9. Após identificado e instalado na sala, você não poderá consultar qualquer material, enquanto aguarda o horário de início da prova. 10. Os três últimos candidatos deverão permanecer na sala até que o último candidato entregue o Cartão de Respostas. 11. Ao terminar a prova, é de sua responsabilidade entregar ao fiscal o Cartão de Respostas. Não esqueça seus pertences. 12. O Gabarito Oficial da Prova Objetiva será disponibilizado no site conforme estabelecido no Cronograma. BOA PROVA!

2 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Texto 1: Antes de 1007 Nos leve ao cara que está descobrindo como fazer fogo. Por quê? Temos que eliminá-lo. (VERÍSSIMO, Luís Fernando. O Globo, 15/03/2007) Questão 01 Segundo o tal relatório sobre o que nos espera se as coisas continuarem assim, mesmo se medidas drásticas forem tomadas agora para diminuir o aquecimento global os efeitos disto só serão sentidos daqui a mil anos. O que nos leva a imaginar o que deveria ter sido feito há mil anos para impedir que chegássemos a este ponto. Se uma missão de prevenção retroativa pudesse ser mandada ao passado, que sinais ela deveria procurar de que se iniciava o processo que ameaçaria a vida do planeta, mil anos depois? O que poderia ser feito para evitar o processo? Deixa ver. Mil anos atrás. O ano de Um programa de conscientização do público teria que começar com recomendações para controlar o número de fogueiras e queimadas e diminuir o fogo nos fogões, e em hipótese alguma adotar aquela novidade, o carvão, que só traria sujeira e desgraça. O carvão, aliás, deveria ser proibido antes de as pessoas descobrirem o que era. Todos teriam que ser convencidos de que a mula, o cavalo, o boi, a carroça e, vá lá, a carruagem eram o máximo que se poderia desejar em matéria de transporte e que o melhor era mesmo acabar com aquela mania de ir de um lugar para o outro. Todo mundo ficaria sossegado em casa e, principalmente, deixar de inventar coisas ou pensar em fazer coisas, acima de tudo coisas cuja feitura produzisse fumaça. Mas talvez o ano de 1007 já fosse tarde demais. Em vez de voltar mil anos nossa hipotética missão salvadora teria que voltar vários milhões de anos e, com sorte, chegar à idade da pedra no local exato e na hora certa. Pare! O quê? O que você está fazendo. Mas eu só estava... Inventando a roda. Ainda bem que chegamos a tempo. Você não tem ideia do que estava começando. Parando agora, você estará salvando milhões de vidas humanas. Estará salvando o próprio planeta. Desista. Invente outra coisa. Mas eu só estava fazendo uma mesa de centro. É o que você pensa. Estava inventando o automóvel, o engarrafamento, o monóxido de carbono, os cartéis do petróleo, guerras... Mas... Faça uma mesa de centro quadrada. E outra coisa. O quê? 02 Assinale a opção que apresenta os sinônimos das palavras destacadas nos trechos abaixo. [...] mesmo se medidas DRÁSTICAS forem tomadas agora para diminuir o aquecimento global [...] Em vez de voltar mil anos nossa HIPOTÉTICA missão salvadora [...] A) estritas censurável B) enérgicas suposta C) terríveis imaginável D) obsoletas potencial E) irreparáveis considerada Questão 02 Há no texto um trecho que indica que o autor está refletindo enquanto desenvolve suas ideias. Aponte-o. A) Segundo o tal relatório sobre o que nos espera [...] B) Mas eu só estava [...] C) Você não tem ideia do que estava começando. D) Deixa ver. Mil anos atrás. E) É o que você pensa. Questão 03 De acordo com o humor do texto: A) só medidas drásticas seriam capazes de, em curto prazo, resolver os problemas climáticos que enfrentamos. B) as pessoas precisam compreender que é preciso abrir mão imediatamente de certas facilidades tecnológicas. C) é preciso deixar de usar meios de transportes coletivos, porque eles contribuem para o aumento da poluição. D) a descoberta do fogo deu origem a invenções tecnológicas e é a causa dos problemas climáticos que o planeta enfrenta atualmente. E) certamente, se tivéssemos impedido os avanços tecnológicos iniciados em 1007, teríamos hoje uma atmosfera despoluída.

3 Questão 04 Se passarmos a forma verbal em destaque: [...] mesmo se medidas drásticas FOREM TOMADAS agora para diminuir o aquecimento global [...], para a voz ativa, teremos: A) tomaram. B) tomarão. C) tomarem. D) tomassem. E) tomariam. Questão 05 As duas orações subordinadas destacadas em: O que nos leva a imaginar o que deveria ter sido feito há mil anos PARAIMPEDIR QUE CHEGÁSSEMOSA ESTE PONTO. classificam-se, respectivamente, como: A) adverbial final e substantiva objetiva direta. B) adverbial concessiva e adjetiva restritiva. C) adjetiva explicativa e substantiva subjetiva. D) substantiva objetiva direta e adjetiva restritiva. E) substantiva subjetiva e adverbial consecutiva. Leia o texto abaixo e responda à questão 08. Texto 2: Ainda na caverna Segundo as Nações Unidas (ONU), já chegam a 100 milhões as pessoas sem moradia no mundo. A maioria é de mulheres e crianças. Há também outros 600 milhões que vivem em lugares insalubres. Morrem 50 mil pessoas por dia por causas vinculadas estritamente à péssima infraestrutura urbana, como ingestão de água contaminada ou condições sanitárias inadequadas. Mais 70 milhões vivem em ambientes onde a fumaça do fogo com que se cozinha causa danos à saúde. Custa crer que se trata do mesmo mundo onde se fala em Internet, globalização e emancipação democrática crescente. Pois é nesse mesmo mundo, onde se multiplicam as telas de virtualidade digital, que ainda vivem cidadãos miseráveis, 70% mulheres e crianças, numa inaceitável idade das cavernas. (Folha de São Paulo, 27/05/1996) Questão 06 Que opção poderia substituir a conjunção destacada em: SE uma missão de prevenção retroativa pudesse ser mandada ao passado, que sinais ela deveria procurar [...]? sem alteração de sentido? A) mesmo que B) embora C) portanto D) conquanto que E) caso Questão 07 Qual dos termos destacados abaixo exerce função sintática diferente dos demais? A) [...] de que se iniciava O PROCESSO [...] (parágrafo 1) B) [...] para diminuir O AQUECIMENTO GLOBAL [...] (parágrafo 1) C) [...] ameaçaria A VIDA DO PLANETA [...] (parágrafo 1) D) [...] para evitar O PROCESSO? (parágrafo 1) E) [...] cuja feitura produzisse FUMAÇA. (parágrafo 2) Questão 08 Assinale a opção que apresenta uma ideia expressa no texto. A) As novas tecnologias como a Internet são responsáveis pelas dificuldades por que passa a população miserável. B) É maior o número de mortes por ingestão de água contaminada do que de mortes por condições sanitárias inadequadas. C) Vivemos num mundo em que o desenvolvimento tecnológico convive com uma população miserável e desassistida. D) As novas tecnologias deveriam estar à disposição das classes menos favorecidas e não em poder daqueles que sempre se sentiram privilegiados. E) Apopulação de baixa renda não pode ser excluída da sociedade apenas porque não tem conhecimento das novas tecnologias. 03

4 Questão 09 Assinale a única opção correta com relação à concordância verbal. A) Surgiu várias luzes no fim do túnel. B) Acenderam-se todas as luzes. C) Precisam-se de temas novos. D) Mais de um escritor escreveram sobre esse tema. E) Vende-se casas no interior do estado. Questão 10 Assinale a opção que completa, correta e respectivamente, as lacunas da frase abaixo. Entreguei o livro um determinado editor. Referia-me todos os escritores brasileiros. O discurso do prefeito dirigia-se população carente. A) à à a B) à a a C) à a à D) a a a E) a a à Questão 11 RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO Dizer que não é verdade que Carla é telefonista e Rafael fiscal de postura é logicamente equivalente a dizer que é verdade que: A) Carla não é telefonista e Rafael não é fiscal de postura. B) Carla é telefonista ou Rafael não é fiscal de postura. C) se Carla não é telefonista, então Rafael é fiscal de postura. D) se Carla não é telefonista, então Rafael não é fiscal de postura. E) Carla não é telefonista ou Rafael não é fiscal de postura. Questão 12 Considere que as seguintes afirmações são verdadeiras: Algum técnico de enfermagem é resgatista. Todo técnico de enfermagem é registrado no COREN. Assim sendo, a afirmação verdadeira é: A) Algum técnico de enfermagem resgatista não é registrado no COREN. B) Algum técnico de enfermagem não resgatista não é registrado no COREN. C) Algum técnico de enfermagem registrado no COREN é resgatista. D) Todo técnico de enfermagem resgatista não é registrado no COREN. E) Todo técnico de enfermagem registrado no COREN é resgatista. Questão 13 Sendo (T) todos os turistas que visitam Armação dos Búzios, (A) todos aqueles que frequentam o restaurante de Antônio e (B) todos aqueles que frequentam o restaurante de Bruno, qual o diagrama que melhor representa todos os turistas que visitam a cidade e NÃO frequentam o restaurante (A) de Antônio ou o restaurante (B) de Bruno? A) B) C) D) E) 04

5 Questão 14 ATUALIDADES Observe as sequências abaixo: Primeira sequência: S = {1, 4, 9, 16, 25,...} 1 Segunda Sequência: S = {1, 8, 27, 64, 125,...} 2 Determine a soma do 10º termo da primeira sequência com o 10º termo da segunda sequência. A) 1001 B) 1100 C) 2200 D) 3303 E) 4004 Questão 15 Um hotel da cidade fez uma pesquisa com os turistas durante o último feriadão. Todos os entrevistados responderam à seguinte pergunta: Em que ocasião você costuma visitar Armação dos Búzios? Os dados foram computados e os resultados são os registrados na tabela abaixo: VISITAÇÃO NÚMERO DE VOTOS Semana Santa 1050 Carnaval 1200 Tiradentes 550 Semana Santa e Carnaval 500 Semana Santa e Tiradentes 150 Carnaval e Tiradentes 200 Carnaval, Semana Santa e Tiradentes 100 Nenhuma das citadas acima 200 Calcule o número total de turistas pesquisados. A) 2000 B) 2150 C) 2200 D) 2250 E) 2300 Questão 16 A secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton, em visita de dois dias ao Brasil comentou sobre a presidente Dilma Rousseff: O compromisso dela com a abertura e com a transparência e a luta contra a corrupção estão estabelecendo um padrão global. ( Entre a luz e a sombra. Época, n. 727, 23 abr. 2012, opinião, p. 9. Adaptado.) A secretária de Estado justificou seu comentário lembrando o seguinte fato: A) condição de Dilma Rousseff como primeira Presidente da República no Brasil. B) condição de Dilma Rousseff como ex-ministra de Minas e Energia no Brasil. C) demissão de sete ministros de Estado por suspeita de conduta política irregular. D) manutenção dos ministros de Estado dos dois governos federais anteriores. E) alinhamento político do Governo Federal brasileiro com os partidos de esquerda. Questão 17 Após uma rodada de negociações, a Coreia do Norte concordou em suspender o enriquecimento de urânio, os testes de armas nucleares e de mísseis de longo alcance. Em troca, receberia 240 mil toneladas de alimentos de um país ocidental. ( Canhões por manteiga. CartaCapital, ano XVII, n. 687, 07 mar. 2012, p. 17. Adaptado.) Que país ocidental assumiu o compromisso de enviar alimentos à Coreia do Norte? A) Itália. B) Inglaterra. C) Alemanha. D) Dinamarca. E) Estados Unidos. Questão 18 Na Colômbia, um grupo guerrilheiro o mais antigo em ação na América Latina anunciou o abandono dos sequestros de civis, usados para extorsão das famílias dos sequestrados. Mas ainda conserva mais de 400 pessoas em seu poder. ( O Globo, 05 abr Adaptado) Qual é o grupo guerrilheiro mencionado? A) FARC. B) Sendero Luminoso. C) MR-8. D) Al-Qaeda. E) Camorra. 05

6 Questão 19 No que tange à Lei Orgânica Municipal de Armação dos Búzios, assinale a alternativa correta. A) É vedado ao Município legislar sobre assuntos de interesse local. B) É vedado ao Município dispor sobre a denominação de bairros, vias e logradouros públicos municipais. C) É v e d a d o a o M u n i c í p i o p r o c e d e r a desapropriações. D) Compete ao Município organizar e manter os serviços de fiscalização necessários ao exercício do seu poder de polícia administrativa. E) Compete ao Município garantir a reserva de áreas destinadas às vias de tráfego e de passagem de canalizações públicas de esgotos, exceto as áreas relativas a águas pluviais. Questão 20 Exercer a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial do Município. Segundo a Lei Orgânica Municipal de Armação dos Búzios, tal atribuição é de competência: A) privativa da Câmara Municipal. B) do chefe do Poder Executivo Municipal e da Câmara Municipal, concorrentemente. C) privativa do Prefeito. D) do Tribunal de Contas Estadual. E) do Ministério Público. CONHECIMENTOS BÁSICOS DE SAÚDE PÚBLICA Questão 21 É uma competência da direção Municipal do Sistema Único de Saúde SUS: A) participar da formulação da política e da execução de ações de saneamento básico. B) controlar e fiscalizar os procedimentos dos serviços privados de saúde. C) formular, avaliar e apoiar políticas de alimentação e nutrição. D) coordenar e participar na execução das ações de vigilância epidemiológica. E) acompanhar, controlar e avaliar as redes hierarquizadas do Sistema Único de Saúde. Questão 22 Para que os Estados, o Distrito Federal e os Municípios possam receber os recursos destinados a investimentos na rede de serviços, à cobertura assistencial ambulatorial e hospitalar e às demais ações de saúde, deverão contar, dentre outras coisas com os(as): A) Conselhos de Saúde. B) Comissões Intergestores. C) Conferências de Saúde. D) Comissões Financeiras. E) Diagnóstico Situacional. Questão 23 Em relação ao Pacto em Defesa do SUS, é correto afirmar que: A) explicita as diretrizes para o sistema de financiamento público tripartite em grandes blocos de financiamento federal e estabelece relações contratuais entre os entes federativos. B) avança na regionalização e descentralização do SUS, a partir da proposição de algumas diretrizes, permitindo uma diversidade operativa que respeite as singularidades regionais. C) expressa os compromissos entre os gestores do SUS com a consolidação do processo da Reforma Sanitária Brasileira e articula as ações que visem qualificar e assegurar os SUS como política pública. D) é constituído por um conjunto de compromissos sanitários, expressos em objetivos e metas, derivados da análise da situação de saúde da população e das prioridades definidas pelos governos federal, estaduais e municipais, E) estabelece as responsabilidades solidárias dos gestores a fim de diminuir as competências concorrentes, contribuindo, assim, para o fortalecimento da gestão compartilhada e solidária do SUS. 06

7 Questão 24 Marque a alternativa que corresponde a uma das atribuições dos entes federativos para assegurar ao usuário o acesso universal, igualitário e ordenado às ações e serviços de saúde do SUS. A) Reestruturar a rede de saúde e rever as prioridades do sistema. B) Aumentar as ofertas de serviço com demanda espontânea. C) Priorizar as ações preventivas com foco nas unidades básicas. D) Implantar senhas eletrônicas em todas as unidades de saúde. E) Monitorar o acesso às ações e aos serviços de saúde. Questão 25 Realizar fisioterapia após um Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma forma de: A) prevenção primária. B) promoção da saúde. C) proteção específica. D) prevenção terciária. E) prevenção secundária. Questão 26 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em geral a angina é causada por doença aterosclerótica que resulta em fluxo sanguíneo coronariano insuficiente. Ao avaliar o paciente com dor anginosa, deve-se saber reconhecer os tipos de angina. Quanto aos tipos de angina, é correto afirmar: A) A angina estável ocorre em repouso. B) A angina instável ocorre quando o paciente realiza algum esforço. C) Aangina refratária é considerada uma dor suave e tratável. D) A angina variante ocorre após um esforço e acredita-se que seja causada por vasoespasmos. E) A isquemia silenciosa também é considerada um tipo de angina. Questão 27 A cardioversão e a desfibrilação constituem alguns dos tratamentos nas taquidisritmias e envolvem a liberação de correntes elétricas. Em relação à cardioversão, analise. I. O botão de sincronismo deverá necessariamente estar ativado. II. A corrente elétrica deverá necessariamente ser regulada. III. As placas de condução da energia devem ser posicionadas na frente e na lateral do tórax. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s): A) Somente a I. B) Somente II e III. C) Somente I e III. D) Somente I e II. E) I, II e III. Questão 28 O paciente com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) possui uma redução no fluxo de ar dos pulmões e essa obstrução varia conforme a doença que acomete o indivíduo. Um dos cuidados que a equipe de enfermagem deverá ter com o paciente portador de DPOC ao chegar na emergência é: A) administrar altas concentrações de O2 para estabilizar, de imediato, o paciente. B) monitorizar a resposta respiratória do paciente e a administração de O2 deverá ser uma prioridade. C) interromper a oxigenoterapia no período noturno em pacientes internados para prevenir a ortopneia. D) os broncodilatadores somente deverão ser utilizados na nebulização. E) administrar, de imediato, o medicamento que o paciente habitualmente faz uso. 07

8 Questão 29 O edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquido nos pulmões e ocorre normalmente devido a função cardíaca comprometida. Os sinais e sintomas clínicos que identificam o Edema Agudo Pulmonar e para os quais a equipe de enfermagem deverá estar atenta, são: A) agitação, falta de ar, tosse com muco róseo, pele fria e acinzentada, cianose de extremidades, pulso rápido e filiforme e saturação de O2 reduzida. B) sonolência, dispneia, tosse produtiva, pulso cheio e saturação de O2 reduzida. C) sonolência, taquipneia, tosse seca e contínua, pulso rápido e saturação de O2 reduzida. D) agitação, taquipneia, tosse seca e contínua, febre, pulso rápido e cheio e saturação de O2 aumentada. E) agitação, falta de ar, tosse seca, febre, cianose de extremidades, pulso lento e cheio e anasarca. Questão 30 O paciente que possui Diabetes mellitus deve ser monitorado quanto aos níveis glicêmicos, a fim de ser evitada a alteração metabólica. A insulina exógena constitui uma terapia farmacológica e deve ser administrada com alguns cuidados, entre eles pode-se citar os seguintes: A) injetar profundamente a insulina no tecido subcutâneo para uma absorção mais rápida do medicamento. B) introduzir a agulha no tecido subcutâneo e aspirar o êmbolo da seringa para certificar-se de que não pegou nenhum vaso sanguíneo. C) injetar a insulina no tecido subcutâneo com o cuidado de não aprofundar muito a agulha, pois pode interferir na absorção do medicamento. D) deve-se dar preferência em administrar a insulina nos braços devido a velocidade de absorção nos músculos próximos ao coração ser maior que no abdome. E) o rodízio dos locais de administração da insulina ocorre para evitar a fadiga muscular. Questão 31 O paciente que faz uso de digitálico pode apresentar como complicação a hipocalemia que é considerado um importante desequilíbrio hidroeletrolítico. Quais os sinais e sintomas abaixo que indicam uma possível hipocalemia neste paciente? A) anorexia, agitação, reflexos hiperativos, parestesias, fibrilação ou assistolia ventricular e íleo paralítico. B) anorexia, náuseas e vômitos, reflexos hipoativos, parestesias, fibrilação ou assistolia ventricular e íleo paralítico. C) agitação, reflexos hiperativos, parestesias, temperatura corporal reduzida e íleo paralítico. D) hipoatividade, dor abdominal, reflexos hipoativos, paraplegia e peristalse acelerada. E) hiperatividade, angina, parestesia e febre. Questão 32 A rotura uterina pode ocorrer na 28ª semana de gestação e durante o trabalho de parto, precedida, na maioria das vezes, de sinais eminentes, facilitando a sua prevenção. As causas mais frequentes de rotura uterina são: A) diminuição da contração uterina mesmo após a estimulação ocitócica. B) parto cesárea em casos de desproporção feto pélvica não diagnosticada previamente. C) aumento da contração uterina por estimulação ocitócica em pacientes com cirurgias uterinas anteriores. D) parto vaginal em gestação sem complicação, que evolui com dilatação do colo uterino. E) aumento da contração uterina sem estimulação em pacientes com cirurgias vaginais anteriores. 08

9 Questão 33 A síndrome do choque tóxico é provocada por uma toxina produzida por cepas de Staphylococcus aureus em mulheres suscetíveis no período menstrual. Em uma pessoa aparentemente saudável, as seguintes manifestações clínicas iniciais podem ocorrer: A) febre súbita, calafrios, dores abdominais, hipertensão, débito urinário reduzido e sinais de choque séptico. B) febre súbita, calafrios, hipertensão, débito urinário aumentado e sinais de choque séptico. C) febre vespertina, vômitos e diarreia, hipertensão e sinais de choque séptico. D) febre súbita e alta, calafrios, dores musculares, hipotensão, débito urinário reduzido, rash cutâneo e sinais de choque séptico. E) febre vespertina e moderada, vômitos e diarreia, dores abdominais, hipertensão e sinais de choque séptico. Questão 34 Segundo a norma técnica de prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes do Ministério da Saúde 2005, Embora a mulher em situação de violência sexual possa sofrer grande diversidade de danos físicos, os hematomas e as lacerações genitais são os mais frequentes. A equipe de enfermagem deverá estar atenta para identificar a mulher vítima desse tipo de violência. Em relação aos primeiros cuidados desta mulher pode-se afirmar que: A) quando estáveis, os hematomas podem necessitar de drenagem cirúrgica. B) havendo sangramento, indica-se a sutura com fios de algodão e com agulhas utilizadas na sutura de pele. C) na presença de hematomas, a aplicação tardia local de bolsa de gelo pode ser suficiente. D) na ocorrência de traumatismos físicos, não é necessário considerar a profilaxia do tétano. E) nas lesões vulvoperineais superficiais e sem sangramento deve-se proceder apenas com assepsia local. Questão 35 A fratura da base do crânio pode ocorrer em pacientes vítimas de traumatismo craniano. Dos sinais abaixo descritos, marque a opção que caracteriza esse tipo de fratura. A) Equimose sobre o mastoide, otorreia e epistaxe. B) Equimose periocular unilateral, epistaxe e couro cabeludo lacerado. C) Equimose sobre o mastoide, hematoma cervical e de couro cabeludo. D) Equimose em septo nasal e rinorreia, equimose em pálpebras superiores, equimose mandibular e otorreia. E) Equimose palpebral bilateral, rinorreia e hematoma cervical. Questão 36 O cuidado do paciente com lesões múltiplas requer uma conduta de equipe, com organização e coordenação. Marque a opção que indica os procedimentos adequados, considerando a sequência de prioridade no atendimento. A) estabelecer via aérea e ventilação; prevenir e tratar o choque hipovolêmico; imobilizar as fraturas e avaliar as lesões da cabeça e do pescoço. B) estabelecer via aérea e ventilação; controlar a hemorragia; prevenir o choque hipovolêmico; avaliar lesões da cabeça e do pescoço; estabilizar as fraturas. C) realizar uma tomografia computadorizada de coluna vertebral para descartar qualquer lesão medular; estabelecer via aérea e ventilação; controlar a hemorragia com prevenção do choque. D) estabelecer via aérea e ventilação; realizar uma tomografia computadorizada para descartar qualquer lesão medular; prevenir e tratar a hemorragia; imobilizar as fraturas; avaliar as lesões da cabeça e do pescoço. E) realizar uma tomografia computadorizada para descartar qualquer lesão medular; estabelecer via aérea e ventilação; estabilizar as fraturas; controlar a hemorragia com prevenção do choque. 09

10 Questão 37 O paciente vítima de acidente de carro frequentemente apresenta risco para lesão raquimedular. Um dos cuidados da equipe de enfermagem no atendimento de emergência deste paciente deve ser: A) imobilização em prancha, colocar a cabeça e o pescoço em posição neutra, sentando o paciente apenas em caso de insuficiência respiratória. B) imobilização em prancha, evitar a flexão e a extensão da cabeça, realizar rotação apenas na mudança de leito do paciente. C) imobilização da coluna cervical, realizar a extensão da cabeça durante a realização de intubação traqueal e não realizar rotação do corpo. D) imobilização em prancha, colocar a cabeça e o pescoço em posição neutra, nenhuma parte do corpo deve ser torcida ou virada e nem permitir que o paciente sente. E) imobilização da coluna cervical, realizar a extensão da cabeça durante a realização de intubação traqueal e virar o paciente para fazer mudança de decúbito. Questão 38 O paciente que possui história de esquizofrenia pode a p r e s e n t a r s u r t o s d e c o m p o r t a m e n t o, apresentando-se violento e agressivo. Para a equipe de saúde que atende a este paciente, a meta do tratamento é manter a violência sob controle e para tanto a equipe de enfermagem deverá proceder da seguinte forma: Questão 39 Após o reconhecimento da insuficiência respiratória no recém-nascido, faz-se necessário avaliar a gravidade do quadro clínico. Como sinais de alerta para intervenção imediata nesta condição temos: A) a presença de estertores, taquipneia, taquicardia e cianose. B) a ausência de pulso, presença de livores e rigidez generalizada. C) a presença de dor torácica, cianose central e crise convulsiva. D) febre alta, tosse produtiva e derrame pleural. E) a presença de estridor, apneia e má perfusão periférica. Questão 40 Algumas doenças não progressivas podem estar relacionadas com crises epilépticas neonatais. As principais doenças não progressivas relacionadas com esta patologia infantil são: A) hiperglicemia e hipocalemia. B) hipoglicemia e doença infecciosa. C) malformação cerebral e hipotermia. D) hemorragia e ausência de mecônio. E) hiperglicemia e meningite. A) realizar primeiro a medicação calmante para depois proceder à entrevista com o paciente, devido ao risco de agressão. B) trancar o paciente em um quarto e realizar a medicação calmante de imediato. C) manter o paciente em um quarto com a porta aberta para realizar a entrevista, com algum profissional ou um membro da família próximo para qualquer ajuda. D) realizar a entrevista do paciente sempre com a equipe de segurança armada ao lado. E) realizar a medicação calmante e sempre conter o paciente. 10

PREFE ITURA MUNICIPAL DE GUAJ ARÁ MIRIM

PREFE ITURA MUNICIPAL DE GUAJ ARÁ MIRIM Caderno de Questões PREFE ITURA MUNICIPAL DE GUAJ ARÁ MIRIM realização S25 - Médico Veterinário AT E N Ç Ã O 1. O caderno de questões contém 40 questões de múltipla-escolha, conforme distribuição abaixo,

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE CURUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ - CONCURSO PÚBLICO - Edital N.º 001/2009 REALIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA: 23 de Agosto de 2009 NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso Área: Enfermagem Discursiva Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NORMA TÉCNICA PARA FLUXO DE PACIENTES CIRÚRGICOS ENTRE HOSPITAIS GERAIS ESTADUAIS DE REFERÊNCIA DA REGIÃO METROPOLITANA E MOSSORÓ E AS UNIDADES

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO VESTIBULAR/2015

CONCURSO PÚBLICO VESTIBULAR/2015 ESCOLA DE GOVERNO PROFESSOR PAULO NEVES DE CARVALHO FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO Governo de Minas Gerais CONCURSO PÚBLICO VESTIBULAR/2015 2ª ETAPA Provas abertas: Matemática, História e Redação em Língua Portuguesa.

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI N o 6.234, DE 2002 Dispõe sobre o tratamento dos casos de hipotireoidismo congênito e de fenilcetonúria, diagnosticados precocemente. Autor:

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas e

Leia mais

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS MAIO/2015 E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA E.E. DR. João Ponce de Arruda Rua: Conceição do Rio Pardo, Nº: 1997 Centro.

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior

Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior Caros Leitores e Concurseiros, Analisaremos as questões do Sistema Único de Saúde SUS - cobradas pela organizadora CEPERJ no concurso da Fundação Saúde (Estado do Rio de Janeiro) para os cargos de nível

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 07/2014 DATA DA ENTRADA: 07 de janeiro de 2014 INTERESSADA: Sra. M. C. da S. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: classificação

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP O Brasil é o único país......com + de 100 milhões de hab. com o desafio de ter um sistema

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 605, DE 2015 (Do Sr. Lobbe Neto)

PROJETO DE LEI N.º 605, DE 2015 (Do Sr. Lobbe Neto) *C0051703A* C0051703A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 605, DE 2015 (Do Sr. Lobbe Neto) Define diretrizes para a política de atenção integral aos portadores da doença de Parkinson no âmbito do Sistema

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Choque incapaz perda de sangue

Choque incapaz perda de sangue Choque Profª Karin O bom samaritano Para ser um socorrista é necessário ser um bom samaritano, isto é, aquele que presta socorro voluntariamente, por amor ao seu semelhante. Para tanto é necessário três

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

PROGRAMA (FORMAÇÃO) Área de educação e formação Código 720. Curso - Emergência e Primeiros Socorros no Local de Trabalho

PROGRAMA (FORMAÇÃO) Área de educação e formação Código 720. Curso - Emergência e Primeiros Socorros no Local de Trabalho 1 - Objetivos: Dotar os trabalhadores de conhecimentos e competências, adequados e específicos à realidade de trabalho da empresa, estabelecimento ou serviço, que permitam aplicar as medidas de primeiros

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

Gestão do Trabalho em Saúde

Gestão do Trabalho em Saúde Universidade Federal de Alagoas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos da Especialização Lato Sensu UFAL 2012.1 Gestão do Trabalho em Saúde CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

Leia mais

Ajudante Auxiliar de Serviços Gerais Operador de Bombas. Nível Fundamental Incompleto. Águas e Esgoto. 22.01.2012 - Tarde

Ajudante Auxiliar de Serviços Gerais Operador de Bombas. Nível Fundamental Incompleto. Águas e Esgoto. 22.01.2012 - Tarde Ajudante Auxiliar de Serviços Gerais Operador de Bombas Nível Fundamental Incompleto Águas e Esgoto 22.01.2012 - Tarde LÍNGUA PORTUGUESA AJUDANTE / AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS / OPERADOR DE BOMBAS 22.01

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2013

NOTA TÉCNICA 03 2013 NOTA TÉCNICA 03 2013 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

O que fazer. Gesso e fraturas.

O que fazer. Gesso e fraturas. DOUTOR,POSSO VOAR? (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5625830708854803828, em 15/05/2012) Posso viajar de avião se estou com conjuntivite ou depois de me recuperar de um

Leia mais