CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA INCA Processo Seletivo Programa de Residência Médica CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO CADERNO DE PROVAS Caro(a) Candidato(a): Antes de Iniciar a prova leia atentamente as instruções a seguir: 1. Este caderno contém 50 (cinquenta) questões objetivas com 04 (quatro) opções (A, B, C, D). A prova terá duração de 4 (quatro) horas. 2. Confira em seu caderno de provas a sequência de questões. Você tem até 10 (dez) minutos do início das provas para solicitar a troca do caderno de provas que apresentar algum problema de impressão ou qualquer outro que inviabilize a realização da mesma, pois não serão aceitas reclamações posteriores nesse sentido. 3. A interpretação das questões, bem como das instruções, faz parte da prova. Portanto, ao aplicador e fiscais não há autorização para fornecer esclarecimentos sobre o conteúdo das provas; sendo esta atribuição de única e exclusiva responsabilidade do candidato. 4. Você receberá do aplicador o cartão de respostas, 30 (trinta) minutos após o início da prova, o cartão de respostas deverá obrigatoriamente ser assinado pelo candidato no local em que há a indicação: ASSINATURA, utilizando sempre caneta esferográfica de tinta preta ou azul. 5. Ao terminar a prova ou findo o horário limite para sua realização, o candidato deverá obrigatoriamente entregar seu cartão de respostas ASSINADO ao aplicador de sala. O candidato que não devolver seu cartão de respostas será automaticamente eliminado e não terá classificação alguma no processo seletivo. 6. Ao candidato somente será permitido levar seu caderno de questões (prova), após decorrido o período de 03 (três) horas do início das provas. 7. Não será permitido portar ou utilizar aparelho telefônico, assim como os demais procedimentos constantes no edital nos itens 9.6 e 9.14 e respectivos subitens. 8. Caso realmente precise, utilize como rascunho os espaços em branco nas folhas do caderno de prova. Sugerimos que você assinale, inicialmente, no próprio caderno de provas, todas as respostas que julgar correta. Depois, passe-as para o cartão de respostas. 9. Questões com mais de uma alternativa assinalada, rasurada ou em branco serão anuladas. Portanto, ao preencher o cartão de respostas faça-o cuidadosamente. Evite erros, pois em hipótese alguma haverá substituição do cartão de respostas por erro do candidato. 10. Aguarde a ordem do aplicador para iniciar a prova. 11. Após o término da(s) prova(s), o candidato deverá deixar imediatamente o recinto da(s) mesma(s), sendo terminantemente proibido fazer contato com candidatos que ainda não terminaram a(s) prova(s) sob pena de ser excluído do processo seletivo. 12. O desrespeito às normas que regem o presente processo seletivo, bem como a desobediência às exigências registradas no edital; além de sanções legais cabíveis implicam a desclassificação do candidato. 13. Os dois últimos candidatos ao terminarem as provas deverão retirar-se da sala simultaneamente, após testemunharem o fechamento (lacre) do envelope de provas, assinando a Ata Relatório. 14. O gabarito da prova objetiva - 1ª etapa será divulgado à zero hora do dia 17 de novembro de 2014 no site NÃO ESQUEÇA! Ao sair, entregue o cartão de respostas devidamente assinado.

2 Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 2 de 12

3 Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 3 de 12

4 Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 4 de 12

5 QUESTÕES DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 01 O ato cirúrgico é um trauma e como tal o organismo reage a essa situação através de uma série de fenômenos endócrinos, metabólicos, hemodinâmicos e imunológicos. Várias substâncias participam desta resposta à agressão cirúrgica e, entre elas, destacam-se as citocinas. A alternativa que mostra este mediador é: (A) IL-9. (B) TNF-α. (C) IL-3. (D) Calcitonina. QUESTÃO 02 Constitui contra-indicação absoluta ao acesso venoso central por punção de subclávia: (A) Presença de área queimada no local da punção. (B) Coagulopatia. (C) Impossibilidade de posição anatômica. (D) Anemia. QUESTÃO 03 Após reposição de grande volume sanguíneo para tratar choque hemorrágico, qual das seguintes substâncias é indicada, por via venosa: (A) Cloreto de potássio. (B) Citrato de potássio. (C) Citrato de sódio. (D) Gluconato de cálcio. QUESTÃO 04 Assinale a manifestação clínica ou laboratorial que habitualmente NÃO sugere infecção no pós-operatório: (A) Retenção de CO2. (B) Plaquetopenia. (C) Ganho de peso. (D) Hiperglicemia. QUESTÃO 05 Paciente masculino, 58 anos, ex-tabagista há 2 anos, hipertenso mal controlado, iniciou com dor súbita no membro inferior direito há 8 dias em cidade do interior onde mora. Desenvolveu dificuldade de deambular e permaneceu acamado. Deu entrada em pronto socorro, onde exame clínico demonstrou pressão arterial de 170 x 100 mmhg, frequência cardíaca de 120 bpm, cianose em pé a terço distal da perna à direita, com lesões bolhosas no dorso do pé. Membro inferior direito frio abaixo do joelho. Não apresentou dorso-flexão nem flexão plantar do pé, sem movimentação dos artelhos à direita. Sensibilidade no pé direito ausente. Panturrilha direita muito empastada. Temperatura de membro inferior esquerdo normal. Motricidade de membro inferior esquerdo preservada. Pulso femoral, poplíteo, dorsal do pé e tibial posterior ausentes à direita. Membro inferior esquerdo com pulso femoral normal, porém com pulsos poplíteo, dorsal do pé e tibial posterior ausentes. Doppler de ondas contínuas não detectou fluxo arterial ou venoso no tornozelo à direita, motivo pelo qual não foi realizado o índice tornozelo-braço à direita. Exames laboratoriais revelaram dosagem de hemoglobina de 10,9 g%, creatinina sérica de 3,7 mg%, leucócitos globais de 12780/mm, glicemia de 117 mg%. A conduta a tomar deve ser: (A) Solicitar terapia intensiva e corrigir anemia, função renal e pressão arterial, antes de intervir. (B) Amputação primária do membro inferior direito em nível adequado. (C) Solicitar duplex scan ou arteriografia de urgência para determinar a melhor conduta. (D) Tentar revascularização do membro inferior por meio de cateter de Fogarty ou com derivação (by-pass) se necessário, associado à hidratação venosa e antibiótico endovenoso. Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 5 de 12

6 QUESTÃO 06 No megaesôfago, é a alteração encontrada na manometria esofágica: (A) Hiperperistaltismo do corpo do esôfago. (B) Ondas de alta amplitude em todo o esôfago. (C) Relaxamento ausente ou incompleto do EIE (Esfíncter Inferior do Esôfago). (D) Tônus pressórico basal do EIE diminuído. QUESTÃO 07 É o exame considerado padrão ouro na quantificação do refluxo gastroesofágico: (A) phmetria esofágica prolongada. (B) manometria esofágica. (C) estudo radiológico contrastado do esôfago. (D) impedanciometria esofágica. QUESTÃO 08 Em um paciente com hérnia hiatal por deslizamento, a indicação de tratamento cirúrgico depende principalmente da: (A) Intensidade do refluxo gastroesofagiano e gravidade da esofagite. (B) Duração da sintomatologia. (C) Perda de peso e hemorragia. (D) Destruição da membrana freno-esofágica e do ângulo de HISS. QUESTÃO 09 São técnicas cirúrgicas usadas para correção da doença do refluxo gastresofágico, exceto: (A) Warren. (B) Lind. (C) Nissen. (D) Belsey-Mark IV. QUESTÃO 10 O tumor benigno mais frequente do esôfago é: (A) Adenoma. (B) Teratoma. (C) Leiomioma. (D) Fibroma. QUESTÃO 11 Paciente feminina, 73 anos, diabética há 16 anos, em uso de insulina, hipertensa, refere que há 21 dias apresenta vermelhidão no pé esquerdo. Não deu importância, mas sua família a trouxe para avaliação devido à ferida na região plantar esquerda. Ao exame evidenciou-se pressão arterial de 190 x 110 mmhg, frequência cardíaca de 98 bpm, eupnéica, temperatura axilar de 37,6º, pé esquerdo deformado e artelhos em garra, com ferida secretante na face plantar e flutuação e hiperemia ao redor e em direção ao calcâneo. Pulsos femoral e poplíteo presentes e normais bilateralmente e pulsos dorsal do pé e tibial posterior ausentes bilateralmente. Observou-se ainda ao exame com Doppler de ondas contínuas uma pressão absoluta em tornozelo direito de 140 mmhg e no tornozelo esquerdo de 150 mmhg. Exames laboratoriais revelaram leucócitos/mm com desvio para esquerda, glicemia de 280 mg% e dosagem de creatinina sérica de 1,9 mg%. Qual a melhor abordagem inicial? (A) Solicitar duplex scan ou arteriografia como primeira medida. (B) Iniciar antibiótico endovenoso e desbridamento cirúrgico associado à drenagem do pé esquerdo o quanto antes, deixando a ferida aberta. (C) Iniciar antibiótico endovenoso associado a controle clínico rigoroso da glicemia, pressão arterial e função renal e aguardar duplex scan ou arteriografia. (D) Amputação primária do pé. Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 6 de 12

7 QUESTÃO 12 Assinale a alternativa que corresponde à forma de tratamento paliativo que deve ser evitado no câncer esofágico: (A) "Bypass" retroesternal com o colon. (B) Endoprótese. (C) Radioterapia. (D) Gastrostomia. QUESTÃO 13 A infecção pela bactéria Helicobacter Pylori está associada ao seguinte órgão e neoplasia: (A) Estômago - linfoma MALT. (B) Esôfago leiomioma. (C) Duodeno - tumor carcinoide. (D) Intestino delgado - linfoma não Hodgkin. QUESTÃO 14 A úlcera duodenal não complicada é melhor tratada por: (A) Vagotomia gástrica proximal. (B) IBP (Inibidor de Bomba de Prótons) + erradicação do Helicobacter pylori. (C) Piloroplastia. (D) Vagotomia troncular + piloroplastia. QUESTÃO 15 A operação para úlcera duodenal não complicada com menor recidiva ulcerosa é a: (A) Gastrectomia subtotal. (B) Vagotomia troncular + piloroplastia. (C) Vagotomia seletiva. (D) Vagotomia gástrica proximal. QUESTÃO 16 Assinale a condição que NÃO tem qualquer relação com o desenvolvimento do câncer gástrico: (A) Gastrite atrófica. (B) Metaplasia intestinal. (C) Síndrome de Zollinger-Ellisson. (D) Helicobacter pylori. QUESTÃO 17 Paciente submetido a uma gastrectomia apresenta, algum tempo depois, um quadro caracterizado por dores epigástricas, eructação fética, diarreia de aspecto espumosa e com restos alimentares. O diagnóstico é: (A) Dumping. (B) Enterocolíte. (C) Gastroileostomia inadvertida. (D) Insuficiência pancreática. QUESTÃO 18 Um paciente com classificação endoscópica Forrest IA para úlcera hemorrágica possui, em média, taxa de ressangramento de: (A) 90% (B) 50% (C) 20% (D) < 10% Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 7 de 12

8 QUESTÃO 19 Em pacientes hepatopatas, com hemorragia digestiva alta por varizes de esôfago, a medicação considerada de primeira escolha para reduzir o fluxo portal é: (A) Octreotide. (B) Somatostatina. (C) Terlipressina. (D) Nitroglicerina. QUESTÃO 20 A causa mais comum de hemorragia digestiva baixa é: (A) Colite ulcerativa. (B) Pólipos. (C) Diverticulite. (D) Diverticulose. QUESTÃO 21 Paciente masculino, 65 anos de idade, ex-tabagista há 12 anos, hipertenso, submeteu-se a angioplastia coronária há 3 anos, apresentou quadro de hemiparesia direita e disartria, com duração de cerca de 10 minutos há 8 dias. Houve melhora dos sintomas, aparentemente sem sequelas. Cardiologista solicitou duplex scan de carótidas que revelou estenose de cerca de 80-90% em carótida interna esquerda e de 10-20% em carótida interna direita. Neurologista solicitou tomografia computadorizada de crânio, que se mostrou normal e angiotomografia que confirmou as lesões do duplex scan. Qual a melhor conduta? (A) Solicitar ressonância magnética do encéfalo e reavaliação em três meses. (B) Endarterectomia ou angioplastia de carótida interna esquerda. (C) Não fazer nada no momento e repetir duplex scan em 6 meses ou 1 ano. (D) Prescrever antiagregante plaquetário somente. QUESTÃO 22 São sinais/sintomas de câncer de cólon direito, EXCETO: (A) Fraqueza inexplicada ou anemia. (B) Sangue oculto nas fezes. (C) Sintomas obstrutivos. (D) Sintomas dispépticos. QUESTÃO 23 São indicações para o tratamento dos mamilos hemorroidários internos, EXCETO: (A) Hemorroidectomia. (B) Crioterapia. (C) Escleroterapia. (D) Ligadura elástica. QUESTÃO 24 Plicoma sentinela perianal geralmente indica: (A) Câncer de reto. (B) Sífilis anal. (C) Fístula anorretal. (D) Fissura anal. QUESTÃO 25 Qual o exame laboratorial mais frequentemente empregado no rastreamento da coledocolitíase assintomática: (A) Aspartato-amino-transferase (AST). (B) Alanino-amino-transferase (ALT). (C) Fosfatase alcalina (Fa). (D) Dehidrogenase lactica (DHL). Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 8 de 12

9 QUESTÃO 26 O tumor maligno que mais acomete o fígado é o: (A) Colangiocarcinoma. (B) Tumor metastático. (C) Carcinoide. (D) Hepatocarcinoma. QUESTÃO 27 Constitui contra-indicação para biópsia hepática percutânea: (A) Presença de ascite. (B) Coagulograma normal. (C) Cirrose hepática. (D) Esteato hepatite. QUESTÃO 28 Qual a doença, entre as que determinam Hipertensão Portal, a que tem melhor prognóstico: (A) Cirrose por vírus C. (B) Cirrose por vírus B. (C) Cirrose por alcoolismo. (D) Trombose da veia porta. QUESTÃO 29 Para que o auto-implante esplênico funcione adequadamente, é preciso: (A) Que a massa total de tecido implantado corresponda a, no máximo, 40 gramas. (B) Que a cirurgia não tenha sido por trauma. (C) Que sua drenagem se faça para o sistema porta. (D) Que não haja outra doença intra-abdominal. QUESTÃO 30 Paciente masculino, 65 anos de idade, ex-tabagista há 12 anos, hipertenso, submeteu-se a angioplastia coronária há 3 anos, apresentou quadro de hemiparesia direita e disartria, com duração de cerca de 10 minutos há 8 dias. Houve melhora dos sintomas, aparentemente sem sequelas. Cardiologista solicitou duplex scan de carótidas que revelou estenose de cerca de 80-90% em carótida interna esquerda e de 10-20% em carótida interna direita. Neurologista solicitou tomografia computadorizada de crânio, que se mostrou normal e angiotomografia que confirmou as lesões do duplex scan. A melhor conduta é: (A) Solicitar ressonância magnética do encéfalo e reavaliação em três meses. (B) Não fazer nada no momento e repetir duplex scan em 6 meses ou 1 ano. (C) Prescrever antiagregante plaquetário somente. (D) Endarterectomia ou angioplastia de carótida interna esquerda. QUESTÃO 31 São indicações de esplenectomia, exceto: (A) Trauma de baço. (B) Mielofibrose. (C) Timoma. (D) Anemia hemolítica. QUESTÃO 32 O tratamento cirúrgico mais indicado em esofagite de refluxo, no adulto, refratária a tratamento clínico é: (A) Operação de Pinotti. (B) Operação de Nissen. (C) Operação de Lind. (D) Operação de Brandalise. Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 9 de 12

10 QUESTÃO 33 A pancreatite crônica é uma doença de tratamento eminentemente clínico. Porém com o passar dos anos, cerca de 50% dos pacientes necessitarão de tratamento cirúrgico. A principal indicação é: (A) Obstrução biliar. (B) Pseudocisto. (C) Dor refratária a medicação. (D) Obstrução duodenal. QUESTÃO 34 É o local mais comum e origem dos tumores malignos do pâncreas: (A) Ácinos. (B) Células beta. (C) Células delta. (D) Ductos. QUESTÃO 35 O marcador tumoral utilizado no auxílio ao estadiamento e à monitoração de tratamento em primeira escolha em câncer de pâncreas é: (A) CEA (Antígeno Carcinoembrionário) (B) CA 15-3 (C) CA19-9 (D) CA 125 QUESTÃO 36 É o tipo de doença que se expressa frequentemente através do sinal de Courvoisier-Terrier: (A) Tumor de junção colédoco-pancreato-duodenal. (B) Cálculo impactado na papila. (C) Tumor de vesícula. (D) Colangite supurativa. QUESTÃO 37 As hérnias inguinais, quando já operadas e que se fazem através do canal femoral, são classificadas segundo a classificação de Nyhus como: (A) Tipo II. (B) Tipo III C. (C) Tipo IV D. (D) Tipo IV C. QUESTÃO 38 Segundo a classificação de Nyhus, o reparo da hérnia inguinal pela técnica de Shouldice, não encontra indicação na hérnia: (A) Inguinal indireta com dilatação do anel interno. (B) Inguinal direta com defeito de parede posterior. (C) Inguinal indireta com defeito de parede posterior. (D) Femoral. QUESTÃO 39 O principal fator que isoladamente mais influi no tratamento da sepse abdominal é: (A) Transfusão sanguínea precoce. (B) Reposição volêmica adequada. (C) Controle do foco infeccioso. (D) Antibioticoterapia de largo espectro. Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 10 de 12

11 QUESTÃO 40 É o sinal radiológico mais valioso no diagnóstico da úlcera duodenal perfurada: (A) Pneumoperitoneo na radiografia do tórax em PA e ortostatismo. (B) Retropneumoperitoneo na radiografia do abdome. (C) Distensão universal de alças. (D) Presença de "nicho" ulceroso na seriografia do esôfago, estômago e duodeno. QUESTÃO 41 Paciente portadora de coledocolitíase, que foi submetida eletivamente à colangiopancreatografia endoscópica retrógrada com papilotomia (CPRE + PE), evolui com dor abdominal e vômitos. O RX simples de abdome mostra retro-pneumoperitônio à direita. O provável diagnóstico é: (A) Perfuração de colédoco. (B) Desinserção da papila menor. (C) Perfuração da parede posterior do duodeno. (D) Pancreatite aguda. QUESTÃO 42 Dentre as causas de peritonite citadas abaixo, a que apresenta taxa de mortalidade mais elevada é: (A) Apendicite. (B) Lesões isquêmicas do intestino delgado. (C) Salpingite aguda. (D) Colecistite gangrenosa. QUESTÃO 43 Na ressecção maciça do delgado, não pode ocorrer: (A) Diarreia intratável. (B) Perda de gordura e proteína. (C) Perda de peso. (D) Aumento do cálcio sérico. QUESTÃO 44 Marque a alternativa correta: (A) Na colite isquêmica, o reto, usualmente, se encontra afetado. (B) Cerca de 20% das fístulas anais se originam de uma cripta anal. (C) Nas hiponatremias, a correção rápida do volume é imperativa. (D) Os anéis de Schatzi são estáticos e distensíveis e significam a presença de uma hérnia de hiato. QUESTÃO 45 Paciente com retocolite ulcerativa inespecífica apresenta piora súbita caracterizada por exacerbação do quadro disentérico, febre, distensão abdominal e instabilidade hemodinâmica. Qual exame auxiliaria no diagnóstico? (A) Retossigmoidoscopia. (B) Colonoscopia. (C) RX simples de abdome. (D) Enema opaco. QUESTÃO 46 Mulher de 65 anos de idade, obesa, sem cirurgias abdominais prévias, com passado de cólica sabidamente biliar, apresenta quadro de dor abdominal timpanismo difuso. O RX simples de abdome mostra distensão de alças do intestino delgado, com ausência de ar nos cólons e presença de aerobilia. O diagnóstico provável desta paciente é: (A) Íleo biliar. (B) Divertículo de Meckel perfurado. (C) Obstrução intestinal por tumor de cólon ascendente. (D) Íleo paralítico devido à colecistite aguda. Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 11 de 12

12 QUESTÃO 47 A estrutura, que tende a evitar a disseminação de um abcesso ou neoplasia originado na próstata ou vesículas seminais para o reto é: (A) Ligamento cardinal. (B) Fascia de Gimbernart. (C) Pubo-retalis. (D) Fáscia de Denonvilliers. QUESTÃO 48 Segundo o ATLS (Advanced Trauma Life Support), é contra-indicada a passagem de sonda vesical nos casos de: (A) fratura de bacia. (B) uretrorragia. (C) hematúria. (D) enterorragia. QUESTÃO 49 São doenças que acometem a glândula adrenal, EXCETO: (A) Doença de Adisson. (B) Síndrome de Conn. (C) Doença de Leriche. (D) Doença de Cushing. QUESTÃO 50 Nas tireoidectomias, o vaso que não pode ser ligado é: (A) Artéria tireóidea média. (B) Artéria tireóidea superior. (C) Artéria tireóidea inferior. (D) Artéria tireóidea ima. Processo Seletivo Residência Médica - INCA/2015 Página 12 de 12

Processo Seletivo 2015 - Programa de Residência Médica MEDICINA INTENSIVA CADERNO DE PROVAS

Processo Seletivo 2015 - Programa de Residência Médica MEDICINA INTENSIVA CADERNO DE PROVAS MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA INCA Processo Seletivo 2015 - Programa de Residência Médica MEDICINA INTENSIVA CADERNO DE PROVAS Caro(a) Candidato(a): Antes

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA QUESTÃO 21 A Hemorragia digestiva é uma complicação da Moléstia Diverticular dos Cólons. Assim é ERRADO afirmar: a) O tratamento das enfermidades

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014 Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 23 de março de 2014 Nível Superior Médico Cirurgião Geral GABARITO DO CANDIDATO

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA Coordenador: Arnaldo de Jesus Dominici Adalgisa de Sousa Paiva Ferreira INTRODUÇÃO A Residência Médica é uma modalidade de ensino de

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 17. Com relação às técnicas endoscópicas para detecção do H. pylori, é CORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 17. Com relação às técnicas endoscópicas para detecção do H. pylori, é CORRETO afirmar: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 17 QUESTÃO 17 Com relação às técnicas endoscópicas para detecção do H. pylori, é CORRETO afirmar: a) Para identificar o H. pylori, é recomendável a realização

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 Caso Clínico 1 Paciente de 55 anos, sexo feminino, chega ao ambulatório de Cirurgia Geral com quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. Segundo a paciente, já era portadora de colelitíase sintomática,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 INDICAÇÕES: 1. DISPEPSIA OU DOENÇA DO REFLUXO 2. DIARRÉIA CRÔNICA 3. PANCREATITE CRÔNICA 4. NÓDULOS SÓLIDOS OU CÍSTICOS NO PÂNCREAS 5. FALHA

Leia mais

Hospital. Sala 5. Sala 1. Hospital Figueira da Foz. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Como ultrapassar as dificuldades da técnica

Hospital. Sala 5. Sala 1. Hospital Figueira da Foz. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Como ultrapassar as dificuldades da técnica Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL Nº 01/2014/COREME/FM/UFMT

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL Nº 01/2014/COREME/FM/UFMT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE MEDICINA COORDENAÇÃO DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A opção pela Gastroenterologia 23 Sociedades Federadas Regionais 54 Serviços de Gastroenterologia reconhecidos e aprovadas pelo MEC 1986 Sede do VI Congresso

Leia mais

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM GASTROENTEROLOGIA. Critérios Essenciais

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM GASTROENTEROLOGIA. Critérios Essenciais FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM GASTROENTEROLOGIA Critérios Essenciais Maio de 2010 1 CRITÉRIOS ESSENCIAIS PARA UM PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM GASTROENTEROLOGIA

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre a anatomia colo-reto-anal, EXCETO: a) A fáscia de Denonvilliers não necessita ser removida na excisão

Leia mais

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO:

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO: EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO 2010 Pelo presente edital, o CBCD Colégio Brasileiro de Cirurgia

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Protocolo Clínico Câncer Colorretal Data de Emissão: maio/2010 Revisão: nº. Data de Revisão: mês/ano Elaboração: Prof. Ms. João Batista Pinheiro

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

DECLARAÇÃO PESSOAL DE SAÚDE

DECLARAÇÃO PESSOAL DE SAÚDE 1 A presente declaração, deverá ser preenchida de próprio punho, pelo proponente, de forma clara e objetiva, respondendo SIM ou NÃO, conforme o caso. MUITO IMPORTANTE Chamamos a atenção de V.S.a. para

Leia mais

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Sumário NORMAS OPERACIONAIS Atendimento ao Cliente Marcação de Exames Alteração no Programa de Atendimento Gestão de Demanda Admitida Ficha de Convênio Atendimento Prioritário

Leia mais

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre o Hiperparatireoidismo, EXCETO: a) É mais comum no sexo feminino. b) Os adenomas são a causa mais

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light SOLICITANTE Drª. Mônika Alessandra Machado Gomes Alves, Juíza de Direito do Juizado Especial de Unaí NÚMERO DO PROCESSO 0049989-72.2014 DATA 07/06/2014

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

ANTONIO JAVIER SALÁN MARCOS GASTROENTEROLOGISTA - CIRURGIÃO MÉDICO DO TRABALHO PERITO ASSISTENTE

ANTONIO JAVIER SALÁN MARCOS GASTROENTEROLOGISTA - CIRURGIÃO MÉDICO DO TRABALHO PERITO ASSISTENTE XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE PERÍCIA MÉDICA COLÓQUIO - PERGUNTE AO ESPECIALISTA GASTROENTEROLOGISTA ANTONIO JAVIER SALÁN MARCOS GASTROENTEROLOGISTA - CIRURGIÃO MÉDICO DO TRABALHO PERITO ASSISTENTE GASTROENTEROLOGIA

Leia mais

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica 14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica Enunciado Paciente de 13 anos, sexo masculino, foi levado ao PA-HCUFMG queixando melena. Peso e estatura adequados para a idade

Leia mais

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 4 ago 11:00 ÀS 11:50 RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE E ÉTICA MÉDICA FLÁVIA MAGALHÃES 11 ago 11:00 ÀS 11:50 ANAMNESE FLÁVIA MAGALHÃES 18 ago 11:00 ÀS 11:50 SEMIOLOGIA

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA PROCESSO SELETIVO 02/2015 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW INCA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW

Leia mais

Processo Seletivo 2015 - Programa de Residência Médica MASTOLOGIA CADERNO DE PROVAS

Processo Seletivo 2015 - Programa de Residência Médica MASTOLOGIA CADERNO DE PROVAS MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA INCA Processo Seletivo 2015 - Programa de Residência Médica MASTOLOGIA CADERNO DE PROVAS Caro(a) Candidato(a): Antes de Iniciar

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

d) Cite 3 (três) indicações para intubação traqueal em um paciente que deve ser submetido à endoscopia digestiva. (5 pontos) Resposta:

d) Cite 3 (três) indicações para intubação traqueal em um paciente que deve ser submetido à endoscopia digestiva. (5 pontos) Resposta: 1ª Questão: (25 pontos) Paciente masculino de 79 anos, hipertenso e diabético, em tratamento irregular, com DPOC descompensado e múltiplas fraturas de corpos vertebrais por osteoporose, em uso prolongado

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática.

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática. Análise e avaliação do exame convencional e contrastado do abdômen Radiografia do Abdômen É realizada nas seguintes incidências: Decúbito dorsal (ou simples) Posição ortostática Decúbito lateral direito

Leia mais