Critérios de Definição de Infecção Relacionada á Assistência á Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios de Definição de Infecção Relacionada á Assistência á Saúde"

Transcrição

1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SANTA CASA DE MISERICORDIA DE GOIÂNIA Critérios de Definição de Infecção Relacionada á Assistência á Saúde Elaboração: Ana Carolina Cristino Brito - Enfermeira / SCIH / CCIH Mônica Ribeiro Costa - Médica Infectologista/ SCIH/CCIH Goiânia, Outubro de

2 Introdução: Emprega-se a expressão Infecção Hospitalar de forma genérica e convencional, para designar infecções adquiridas, após a admissão do paciente no hospital e que se manifesta durante a internação ou após a alta, se puder ser correlacionada com a hospitalização (PEREIRA & MORIYA, 1994). Essa expressão não implica, necessariamente, que o microorganismo responsável seja de origem hospitalar, mas identifica o serviço de saúde como o lugar onde se contraiu a infecção (Brasil,1998). Na atualidade o termo mais apropriado e utilizado no Brasil e infecção relacionada á assistência á saúde (IRAS). É difícil identificar o modo exato de aquisição de Infecção Relacionada à assistência a saúde que pode ser: Endógena: oriunda da própria microbiota do paciente. Alguns procedimentos contribuem para alteração do equilíbrio entre a microbiota e mecanismos de defesa do hospedeiro. Exógena: oriunda de reservatórios e através de vetores como o próprio paciente, equipe de saúde e artigos hospitalares. A infecção exógena pode ser seguida de infecção endógena, onde o hospedeiro adquire primeiro a microflora hospitalar,como parte de sua microbiota endógena e através de processos que suprimem seus mecanismos de defesa, ocorrendo a IRAS endógena. Essa distinção é importante na medida que consideramos existir IrAS evitáveis e outras não. As infecções não previsíveis são, em geral, causadas pela flora endógena, acometem, em geral, pacientes com mecanismos de defesa alterados, instalando-se não obstante a adoção de condutas e procedimentos adequados. Quanto às IRAS previsíveis, em geral, estão relacionadas ao uso de equipamentos e/ou procedimentos específicos, apresentando em sua origem, algum evento possivelmente alterável. 2

3 Portanto é atribuída a falhas humanas, sendo frequentemente causadas por microrganismos adquiridos no hospital. Tipos de Infecção: A infecção resultada interação do agente infeccioso com o hospedeiro, formando-se cadeia de infecção: agente-transmissão-hospedeiro. O controle de infecção visa a quebrar essa cadeia. Dentre os agentes infecciosos, as bactérias são as mais prevalentes (90%), seguidas pelos fungos,os vírus e parasitas. O hospedeiro é representado principalmente pelo paciente, e seu estado imunológico influi diretamente na infecção (MARTINS,2001). As infecções podem ser classificadas em comunitárias e relacionadas à assistência a saúde (ANVISA,2000): Infecção Comunitária: é aquela constatada ou em incubação no ato da admissão do paciente desde que não relacionada com internação anterior no mesmo hospital; - Infecção que está associada com complicação ou extensão de infecção já presente na admissão, menos que haja troca de microorganismo. - Infecção do recém-nascido (RN), cuja aquisição por via transplacentária é conhecida ou foi comprovada e que se tornou conhecida logo após o nascimento. Infecção do RN associada à bolsa rota por mais de 24 horas. Infecção Relacionada à Assistência a Saúde: é aquela adquirida após a admissão do paciente, que se manifesta durante a internação ou após a alta e que pode ser relacionada com a internação ou procedimentos hospitalares. Infecção Relacionada à Assistência a Saúde IRAS As IRAS são transmitidas através de microorganismos (bactérias, vírus, fungos, etc.) que penetram no organismo, através de uma porta de entrada, que podem ser via: respiratória, pele, via digestiva, via urogenital (FERNANDES, 2000). 3

4 O Ministério da Saúde estabelece alguns princípios que devem ser seguidos na definição de infecções hospitalares (BRASIL, 1998): * Evidencia Clínica: de infecção detectada através de observação direta do paciente ou de informações obtidas de seu prontuário ou de relatórios de enfermagem; * Evidencia Laboratorial: através de resultado de cultura, testes de detecção de antígenos ou anticorpos e métodos de visualização microscópica; * Evidencias de estudos com métodos de imagem; * Evidencia clínica obtida da observação direta durante a cirurgia, endoscopia ou outros estudos diagnósticos; A- Critérios Gerais de Definição: * Considera-se IRAS quando não há evidência de infecção presente ou incubada no momento da admissão; * Quando na mesma topografia de Infecção Comunitária for isolado um outro germe, seguindo-se agravamento das condições clínicas do paciente; * Infecção que se apresenta mais de 72 horas após a admissão, quando se desconhece o período de incubação e não houve evidência clínica e/ou se desconhece no momento da admissão; * São também convencionadas IRAS as que apresentam antes de 72 horas na internação quando associadas a procedimentos diagnósticos e/ou terapêuticos do período. * Toda infecção em recém - nascido, exceto as transmissões por via transplacentária e aquelas associadas à bolsa rota por mais de 24 horas; * Infecção adquirida no hospital e que se torna evidente após a alta hospitalar. B- Pistas para Detecção Existem algumas pistas que podem ser seguidas para diagnosticar uma IRAS, e a associação destas pistas aumenta a possibilidade de identificar a IRAS com maior precisão (PEREIRA & MORIYA, 1994; MARTINS, 2001; FERNANDES, 2000) são estes: * Revisão de prontuários de pacientes com cultura positiva; * Pacientes com febre; * Pacientes em uso de antibiótico; 4

5 * Pacientes submetidos a procedimento invasivo; * Pacientes com internação prolongada. C- Fatores de Risco: Há de se considerar também os fatores de risco relacionado à infecção hospitalar quando da identificação dos casos, bem como na implantação de medidas de controle e prevenção (ANVISA, 2000): * Internação superior a 7 dias; * Tempo de internação no pré-operatório ; * Estado nutricional do paciente (albumina ou transferrina sérica, IMC); * Presença de infecção em qualquer sítio no momento da cirurgia; * Cirurgia de médio e grande porte; * Cateter venoso central; * Cateter urinário; * Traqueostomia; * Cânula de entubação endotraqueal; * Leucemia, linfoma, AIDS; * Paciente com doenças agudas ou crônicas descompensadas (diabetes); * Todos os pacientes em UTI, berçário de alto risco, idosos; * Fatores relacionados ao procedimento cirúrgico (operações limpas, potencialmente contaminadas, contaminadas, infectadas), quebra de técnicas, tempo de operação, operações de urgência. Classificação das Cirurgias quanto ao Grau de Contaminação 01. Cirurgias Limpas: Aquelas onde não se encontra infecção ou processo inflamatório no sítio cirúrgico e não há abertura do trato respiratório, digestivo, genital ou urinário. Não há falha da técnica asséptica, as feridas são fechadas primariamente e, se necessário, drenadas em sistema fechado. Feridas cirúrgicas para traumas fechados são consideradas nessa classe, se preencherem os critérios acima. 02. Cirurgias Potencialmente Contaminadas: Cirurgias nas quais o trato respiratório, digestivo, genital ou urinário é aberto sob condições controladas, sem contaminação grosseira. Especialmente, operações envolvendo o trato biliar, apêndice, 5

6 vagina e orofaringe sem evidência de infecção ou falha da técnica asséptica, estão incluídas nessa categoria. 03. Cirurgias Contaminadas: Incluem as feridas traumáticas abertas, com menos de seis horas de evolução; cirurgias com quebra da técnica asséptica (por exemplo, massagem cardíaca aberta), contaminação grosseira a partir do trato gastrointestinal, manipulação de via biliar ou geniturinária na presença de infecção e feridas com processo inflamatório agudo não-purulento, estão incluídas nessa categoria. 04. Cirurgias Infectadas: Incluem as feridas traumáticas abertas, tardias (mais de 06 horas de evolução), com tecido desvitalizado e aquelas com infecção clínica preexistente ou com perfuração de víscera oca. Essa definição sugere que os microorganismos causadores da ISC estavam presentes no campo operatório antes da operação. D- Medidas Gerais de Prevenção e Controle Algumas medidas são imprescindíveis no controle e prevenção das IRAS, e devem ser levadas em consideração quando se for elaborar o Programa de Prevenção de Controle de IRAS (PEREIRA & MORIYA, 1994; MARTINS, 2001): * Controle do uso de antimicrobianos; * Ação eficiente do profissional de saúde referente a: técnicas de procedimento, treinamento em serviço, número adequado de pessoal para assistência, medidas adequadas de precauções e isolamentos e controle de serviço de nutrição e dietética, lavanderia e limpeza; * Controle microbiológicos de materiais orgânicos, soluções e artigos; * Práticas adequadas de limpeza, anti-sepsia, desinfecção e esterilização; * Conscientização profissional Critérios Nacionais de Infecção do Trato Respiratório ANVISA Verificar e Registrar: Quadro clínico: tosse, características da ausculta, características do escarro, febre; Exames: descrição do Rx, culturas (inclusive hemocultura), histopatológicos; 6

7 Em menores de 01 ano: observar bradicardia, apnéia, taquipnéia. Critério 1: Pneumonia clinicamente definida Critério 2: Pneumonia microbiologicamente definida Critério 3: Pneumonia em pacientes imunocomprometidos OBS: em todos os critérios existem peculariedades para pacientes pediátricos 1.1- Infecções Respiratórias: Pneumonia Adulto Pneumonia Associada á Ventilação Mecânica PAV: Infecção Diagnosticada após 48 horas de Ventilação Mecânica até a sua Suspensão Critério 1: Pneumonia clinicamente definida Radiologia - Duas ou mais radiografias seriadas com pelo menos um dos seguintes:» Infiltrado persistente, novo ou progressivo» Consolidação» Cavitação» Pneumatocele em crianças abaixo de um ano - Para pacientes cardiopatas ou patologia pulmonar prévia apenas uma radiografia é aceitável Associado a sinais, sintomas e achados laboratoriais - Todos os pacientes - Pacientes com até um ano de idade - Pacientes pediátricos (entre um e dose anos) MAIS Sinais, sintomas e laboratório: pacientes Adulto 7

8 Critério radiológico associado a: Pelo menos um dos seguintes, sem outra causa identificada: - Febre > 37.8ºC - Leucopenia (Abaixo de Cel/mm³) - Leucocitose (Acima de cel/mm³) MAIS Associado a dois dos seguintes: - Início de expectoração purulenta ou alteração nas características da expectoração ou aumento de secreções respiratórias ou aumento da necessidade de aspiração - Início ou piora da tosse, dispnéia ou taquipnéias - Alteração da ausculta pulmonar - Piora do padrão ventilatório» Dessaturação» Aumento da necessidade de oxigênio» Aumento da demanda ventilatória Critério 2: Pneumonia definida Microbiologicamente Radiologia - Duas ou mais radiografias seriadas com pelo menos um dos seguintes:» Infiltrado persistente, novo ou progressivo» Consolidação» Cavitação Sinais, sintomas Pelo menos um dos seguintes, sem outra causa identificada: - Febre > 37.8ºC - Início de expectoração purulenta ou alteração nas características da expectoração ou aumento de secreções respiratórias ou aumento da necessidade de aspiração - Piora do padrão ventilatório - Aumento da necessidade de oxigênio 8

9 Critérios laboratoriais - Hemocultura positiva; - Cultura positiva do liquido pleural; - Lavado broncoalveolar maior ou igual a UFC/ml ou aspirado traqueal com contagem de colônias maior ou igual a UFC/ml; - Exame histopatológico com evidencia de infecção pulmonar; - Cultura para Legionella spp; - Outros testes laboratoriais positivos para patogenos respiratórios (sorologia, pesquisa direta e cultura) Pneumonia Relacionada á Assistência á Saúde em Paciente sem Ventilação Mecânica Critério 1: Pneumonia relacionada assistência á saúde sem ventilação mecânica definida clinicamente Critério radiológico Paciente com doença de base com 02 ou mais Raio X seriados com um dos seguintes achados:» Infiltrado persistente, novo ou progressivo» Consolidação» Cavitação Sinais, sintomas Pelo menos um dos seguintes, sem outra causa identificada: - Febre > 37.8ºC - Leucopenia (Abaixo de Cel/mm³) - Leucocitose (Acima de cel/mm³) - Alteração do nível de consciência, sem outra causa, em pacientes com mais de 70 anos de idade. E pelo menos 02 dos critérios abaixo: - Início de expectoração purulenta ou alteração nas características da expectoração ou aumento de secreções respiratórias ou aumento da necessidade de aspiração - Início ou piora da tosse, dispnéia ou taquipnéias - Alteração da ausculta pulmonar 9

10 - Piora do padrão ventilatório» Aumento da necessidade de oxigênio Critérios laboratoriais Pelo menos 01 dos critérios abaixo: - Hemocultura positiva - Cultura positiva do liquido pleural - Lavado broncoalveolar maior ou igual a 104 UFC/ml ou aspirado traqueal com contagem de colônias maior ou igual a10 UFC/ml - Exame histopatológico com evidencia de infecção pulmonar - Cultura para legionella spp - Outros testes laboratoriais positivos para patogenos respiratórios (sorologia, pesquisa direta e cultura). Critério 2: Pneumonia relacionada assistência á saúde sem ventilação mecânica definida Microbiologicamente e imunossuprimidos sem ventilação mecânica Critério radiológico Paciente com doença de base com 01 ou mais Raio X seriados com um dos seguintes achados:» Infiltrado persistente, novo ou progressivo» Consolidação» Cavitação Sinais, sintomas Imunossuprimidos Pelo menos um dos seguintes, sem outra causa identificada: - Febre > 37.8ºC - Surgimento de secreção purulenta ou mudança das características da secreção ou aumento da secreção - Início ou piora da tosse, dispnéia ou taquipnéias - Aumento da necessidade de oxigênio - Ausculta com roncos ou estertores - Hemoptise - Dor pleurítica 10

11 - Alteração do nível de consciência, sem outra causa, em pacientes com mais de 70 anos de idade. Critérios laboratoriais Pelo menos 01 dos critérios abaixo: - Hemocultura positiva - Cultura positiva do liquido pleural - Lavado broncoalveolar maior ou igual a 104 UFC/ml ou aspirado traqueal com contagem de colônias maior ou igual a10 UFC/ml - Exame histopatológico com evidencia de infecção pulmonar - Cultura para legionella spp - Outros testes laboratoriais positivos para patogenos respiratórios (sorologia, pesquisa direta e cultura) Pneumonia por Bactérias ou Fungos Filamentosos CRITÉRIO RADIOLÓGICO Dois ou mais RX de tórax com pelo menos um dos seguintes achados:» Infiltrado pulmonar novo ou progressivo e persistente» Consolidação» Cavitação» Pneumatocele, em crianças < 1 ano de idade Nota : nos pacientes sem doença pulmonar ou cardíaca de base (exemplos: síndrome de desconforto respiratório agudo, displasia broncopulmonar,edema pulmonar,derrame pleural obstrutiva crônica), 1 RX de tórax é aceitável. SINAIS, SINTOMAS Pelo menos um dos seguintes critérios, sem outra causa identificada: - Febre >38ºC - Leucopenia (Abaixo de Cel/mm³) - Leucocitose (Acima de cel/mm³) - Alteração do nível de consciência, sem outra causa, em pacientes com mais de 70 anos de idade. E associado à pelo menos um dos seguintes critérios: 11

12 - Surgimento de secreção purulenta ou mudança das características da secreção ou aumento da secreção - Início ou piora da tosse, dispnéia ou taquipnéias - Aumento da necessidade de oxigênio - Aumento da necessidade de suporte ventilatório - Ausculta com roncos ou estertores CRITÉRIOS LABORATORIAIS Pelo menos 01 dos critérios abaixo: - Hemocultura positiva - Cultura positiva do liquido pleural - Cultura quantitativa positiva de secreção pulmonar obtida por procedimento com menor potencial de contaminação (aspirado traqueal, lavado broncoaveolar e escovado protegido) - Na bacterioscopia do lavado broncoalveolar o achado de > 5 % leucócitos e macrófagos contendo micro-organismos (presença de bactérias intracelulares) Exame histopatológico que evidencia um dos critérios abaixo: Formação de abscesso ou foco de consolidação com infiltrado de polimorfonucleares nos bronquíolos e alvéolos - Cultura quantitativa positiva de parênquima pulmonar - Evidência de invasão de parênquima pulmonar por hifas ou pseudo- hifas Pneumonia por vírus, Legionella, Chlamydia, Mycoplasma ou outros agentes etiológicos atípicos CRITÉRIO RADIOLÓGICO Dois ou mais RX de tórax com pelo menos um dos seguintes achados:» Infiltrado pulmonar novo ou progressivo e persistente» Consolidação» Cavitação» Pneumatocele, em crianças < 1 ano de idade Nota : nos pacientes sem doença pulmonar ou cardíaca e base (exemplos: síndrome de desconforto respiratório agudo, displasia broncopulmonar,edema pulmonar obstrutiva crônica), 1 RX de tórax é aceitável. 12

13 SINAIS, SINTOMAS Pelo menos um dos seguintes critérios, sem outra causa identificada: - Febre >38ºC - Leucopenia (Abaixo de Cel/mm³) - Leucocitose (Acima de cel/mm³) - Alteração do nível de consciência, sem outra causa, em pacientes com mais de 70 anos de idade. E associado à pelo menos um dos seguintes critérios: - Surgimento de secreção purulenta ou mudança das características da secreção ou aumento da secreção - Início ou piora da tosse, dispnéia ou taquipnéias - Aumento da necessidade de oxigênio - Aumento da necessidade de suporte ventilatório CRITÉRIOS LABORATORIAIS Pelo menos 01 dos critérios abaixo: - Cultura positiva em secreção pulmonar para vírus ou chlamydia - Exames sorológicos- detecção de antígeno ou anticorpo viral de secreção respiratória (exemplo: ELISA, imunofurescência, PCR, Shell vial) - Aumento de 4 vezes nos valores de IgG na sorologia para patógeno (exemplo: influenza, chlamydia) - PCR positivo para chlamydia ou Mycoplasma - Imunoflurecencia positiva para Legionella spp de tecidos ou secreção pulmonar - Detecção de antígeno de Legionella pneumophila sorogrupo I em urina -Aumento de 4 vezes no valores de IgG na sorologia para L. pneumophila sorogrupo I Titulada > 1: 128 na fase aguda e convalescença por imunoflurescencia indireta. 2.0 Infecções respiratórias: Pneumonia Neonatal e Pediatria 2.1. No período neonatal (crianças < 4 semanas) 13

14 RAIO X RN com alguma das doenças de base abaixo: -Síndrome do desconforto respiratório; -Edema pulmonar; -Displasia broncopulmonar; -Aspiração de mecônio. Deverá ser relizado 2 ou mais raio X seriados 1 com pelo menos 01 dos achados: -Infiltrado pesistente, novo ou progressivo; *Consolidação; * Cavitação *Pneumatocele Sinais E sintomas Piora da troca gasosa - Aumento da necessidade de oxigênio - Piora da relação PaO²/FiO² - Aumento da necessidade de suporte ventilatório Três dos parâmetros abaixo: - Instabilidade térmica (37,5ºC ou < que 36,0ºC) sem outra causa conhecida - Leucopenia ou leucocitose com desvio a esquerda (considerar leucocitose > ao nascimento ou > entre12 e 24 horas ou acima de >48 hora e leucopenia < 5.000) - Mudança do aspecto da secreção traqueal, aumento da secreção respiratória ou aumento da necessidade de aspiração e surgimento de secreção purulenta - Sibilância, roncos - Bradicardia ou taquicardia Raio X Paciente sem doença de base com 1 ou mais Raio X seriados com um dos seguintes achados: - Infiltrado persistente, novo ou progressivo; -Consolidação 14

15 -Cavitação -Pneumatocele Em crianças > 4 semanas e 12 anos Raio X Paciente com doença de base com 2 ou mais Raio X seriados com um dos seguintes achados: - Infiltrado persistente, novo ou progressivo; -Consolidação -Cavitação -Pneumatocele em 1 ano Sinais e sintomas Crianças > 4 Semanas. E <1 Ano Piora da troca gasosa - Aumento da necessidade de oxigênio - Piora da relação PaO²/FiO² - Aumento da necessidade de suporte ventilatório Três dos parâmetros abaixo: - Instabilidade térmica (37,5ºC ou < que 36,0ºC) sem outra causa conhecida - Leucopenia (< 4000 cel/mm³) ou leucocitose (> cel/mm³) e desvio a esquerda (10% bastonetes) - Mudança do aspecto da secreção traqueal, aumento da secreção respiratória ou aumento da necessidade de aspiração e surgimento de secreção purulenta - Sibilancia, roncos - Bradicardia (< 100bpm) ou taquicardia (> 160 bpm) 15

16 Sinais e sintomas Crianças entre 1 e 12 Anos Pelo menos três dos parâmetros abaixo: - Febre (temperatura axilar acima de 38ºC) ou hipotermia < 36ºC - Aumento da necessidade de oxigênio - Piora da relação PaO²/FiO² ou aumento da necessidade de O² ou aumento dos parâmetros ventilatorios; - Aumento da necessidade de suporte ventilatório : - Instabilidade térmica (37,5ºC ou < que 36,0ºC) sem outra causa conhecida - Leucopenia (< 4000 cel/mm³) ou leucocitose cel/mm³) - Mudança do aspecto da secreção traqueal, aumento da secreção respiratória ou aumento da necessidade de aspiração e surgimento de secreção purulenta - Sibilancia, roncos 3.0 Infecções respiratórias: Trato respiratório superior 3.1- Faringites, Laringite, Epiglotite em pacientes sem ventilação mecânia invasiva As infecções do trato respiratório superior devem apresentar pelo menos uma das definições a seguir: 1. O paciente tem 02 (dois) ou mais dos seguintes sinais e sintomas sem nenhuma outra causa associada : febre (temperatura axilar >38ºC), dor de garganta, tosse, rouquidão, eritema ou exsudato faríngeo purulento associado a pelo menos 01 (um) dos critérios abaixo: a) Cultura positiva microorganismos do sitio de infecção; b) Hemoculturas positivas; c) Antígeno positivo no sangue ou secreções faríngeas; d)igm positivo ou aumento de 4 X IgG pareado para o patógeno; e) Diagnóstico de infecção respiratória alta, estabelecido pelo médico assitente. 2. O paciente tem um abscesso visto no exame direto, durante cirurgia ou em exame histopatológico. 3.2 Sinusite 16

17 O diagnóstico de sinusite deve contemplar pelo menos 01 (um) dos critérios a seguir: 1. Cultura positiva de microorganismos em material purulento da cavidade sinusal 2. O paciente tem pelo menos 01 (um) dos seguintes sinais e sintomas sem nenhuma outra causa : febre (temperatura axilar > 38ºC), aumento da sensibilidade ou dor no seio da face, cefaléia, obstrução nasal ou exsudado purulento. Associados a pelo menos 01 (um) dos critérios a seguir: de luz); 1.Transiluminação positiva (Opacidade do seio maxilar visível após incidência direta 2. Exame de imagem positivo (Raio X, Ultrasson, tomografia computadorizada). 4. Infecções respiratórias trato respiratório inferior (exceto pneumonia) 4.1- Bronquite, traqueobronquite, bronquiolite, traqueite sem evidencia de pneumonia CRITÉRIOS RADIOLÓGICOS Não há evidência clinica ou radiológica de pneumonia SINAIS E SINTOMAS O paciente tem pelo menos 02 (dois) dos seguintes sinais e sintomas, sem nenhuma outra causa: - Febre (temperatura axilar acima de 38ºC) - Tosse - Aparecimento ou aumento da produção habitual de secreção - Roncos - Sibilos 17

18 Bronquite,traqueobronquite, bronquiolite, traqueite sem evidencia de pneumonia definida clinicamente CRITERIOS LABORATORIAIS Pelo menos 1 dos critérios abaixo: - cultura positiva em material obtido por aspirado traqueal ou broncoscopia - positividade na pesquisa de antígenos para patógenos em secreções respiratórias. Bronquite, traqueobronquite, bronquiolite, traqueite sem evidencia de pneumonia definida 5 Outras infecções do trato respiratório inferior 5.1- Empiema associado à pneumonia Aproximadamente 40% dos pacientes com pneumonia (hospitalar ou comunitária desenvolvem derrame pleural e partes destes derrames irão infectar se causando empiemas). O derrame pleural pode ser francamente purulento e neste caso é chamado empiema. No entanto, o derrame pode não ser purulento e mesmo assim ser considerado como infeccioso. Neste caso, é chamado de derrame pleural parapneumônico complicado. CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DE EMPIEMA E DERRAME PLEURAL PARAPNEUMÔNICO COMPLICADO ASSOCIADOS Á PNEUMONIA DIAGNÓSTICO ASPECTO DO DERRAME BIOQUIMÍCA DO DERRAME Derrame pleural parapneumonico complicado Claro ou turvo ph < 7,20; DHL > UI/L e glicose < 40 mg/dl pode ter bactérias no Gram e/ou cultura positiva Empiema Purulento Independe do achados de laboratório Empiema Primário Menos freqüente pode haver um empiema não associado à pneumonia. Os critérios diagnósticos de empiema primário são: Aspecto purulento do derrame pleural Ou Microorganismos vistos na bacterioscopia ou em cultura E Ausência de pneumonia associada 18

19 5.3 - Abscesso pulmonar Abscesso pulmonar é necrose do tecido pulmonar com a formação de uma cavidade de mais de dois centímetros de diagnostico e que contém pus. Os critérios diagnósticos de abscesso pulmonar são: Abscesso pulmonar visto na radiografia torácica OU Ou abscesso pulmonar visto durante cirurgia Infecções do Trato Urinário: 6.0- Definição de infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde no Adulto -ITU-RAS no adulto pode ser classificada em : *ITU relacionada a procedimento urológico mais frequentemente cateterismo vesical; *ITU não relacionada a procedimento urológico; *ITU sintomática ; *ITU assintomática ; - ITU RAS é definida como: *Qualquer infecção ITU relacionada a procedimento urológico durante a internação; * ITU não relacionada a procedimento urológico diagnosticada após a admissão em serviço de saúde e para a qual não são observadas quaisquer evidencias clinicas e não está em seu período de incubação no momento da admissão. Verificar e Registrar: Quadro clínico: febre, polaciúria, disúria, desconforto supra-púbico, urgência miccional; Exames: EAS, Gram, urocultura, evidência radiológica (USG ou outros). Evidencia cirúrgica ou histopatológica (anotar se encontrar nos exames Rx / imagens ou na cirurgia qualquer alteração); Em menores de 01 ano: observar bradicardia, apnéia, taquipnéia, disúria, letargia e vômito ITU-RAS Sintomática 19

20 -ITU-RAS sintomática é definda pela presença de ao menos um dos seguintes critérios: 1- paciente tem pelo menos 1 dos seguintes sinais ou sintomas, sem outras causas reconhecidas: * Febre (38ºC) * Urgência de miccional * Freqüência * Disúria * Desconforto supra-púbico ou lombar * Cultura de urina positiva com > 10 5 UFC por ml com ate duas espécies microbianas Ex: Bactérias Gram negativas, Staphylococcus saprophyticus, ou enterococcus spp) 2. Paciente com pelo menos 2 dos seguintes sinais ou sintomas, sem outras causas reconhecidas: * Febre (38ºC) * Urgência de miccional * Freqüência * Disúria * Desconforto supra-pubico ou lombar E pelo menos um 1 dos seguintes: a.presença de esterase leucocitária ou nitrito na análise da urina; b.presença de piúria em espécime urinário com > 10 leucócito /µ L ou > 10 leucócitos por campo em aumento de 400X (amostra centrifugada)ou >3 leucócitos por campo em aumento de 400X (urina não centrifugadas) c. Pelo menos 2 urinoculturas com repetido isolamento do mesmo uropatógeno com > 10² UFC por ml em urina não coletada por micção espontânea; d. Isolamento de < 10 5 UFC de um único uropatógeno em urinoculturaobtidade paciente sob tratamento com um agente efetivo para ITU; e. Diagnostico de ITU pelo médico assistente; f. Terapia apropriada para ITU instituída pelo médico. critérios: 6.2- ITU-RAS Assintomático - ITU RAS assintomática é definida pela presença de ao menos 1 dos seguintes 20

21 *Paciente está ou esteve com um cateter vesical (CV) em até 7 dias antes da urinocultura ; *Urinocultura positiva com > 105 UFC/ml de até duas espécies microbianas; * Não apresenta febre * Urgência micccional * Freqüência * Disúria * Dor suprapúbica ou lombar *Paciente do sexo feminino que não utilizou CV nos 7 dias anteriores á coleta de urina E apresenta duas urinocultura positiva com >105 UFC/mL com isolamento repetido do mesmo micro-organismo (até duas espécies microbianas) em urina colhida por micção espontânea OU apresenta uma urinocultura positiva com > 105UFC/mL de até duas espécies microbianas em urina colhida por CV e não apresenta febre (>38ºC), urgência, freqüência disúria, dor suprapúbica ou lombar; *Paciente do sexo masculino que não utilizou CV nos 7 dias anteriores á coleta de urina E apresenta duas urinocultura positiva com >105 UFC/mL de até duas espécies microbianas em urina colhida por micção espontânea ou por CV E não apresenta febre (>38ºC), urgência, freqüência, disúria, dor suprapúbica ou lombar Outras ITU-RAS Outras ITU compreendem as infecções do rim, ureter, e tecidos adjacentes ao espaço retroperitoneal e espaço perinefrético. As definições de outras ITU devem preencher os seguintes critérios: 1. Paciente tem isolamento de micro-organismo de cultura de secreção ou fluido (exceto urina) ou tecido do sitio acometido, dentre aqueles listados em outras ITU ; 2.Paciente tem abscesso ou outra evidência de infecção vista em examesdireto durante cirurgia ou em exame histopatológico em um dos sítios listados em outras ITU ; 3. Paciente tem pelo menos 2 dos seguintes sinais ou sintomas sem outra causa reconhecida: * Febre (38ºC) *dor ou hipersensibilidade localizada em um dos sítios listados em outras ITU E pelo menos um dos seguintes critérios: 21

22 a. Drenagem purulenta do sítio acometido; b. Presença no sangue do micro-organismo compatível com o sitio de infecção suspeito, dentre aqueles listados em outras ITU ; c. Evidencia radiográfica (ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou cintilografia com gálio ou tecnécio) de infecção; d. diagnostico de infecção do rim, ureter, bexiga, uretra ou tecidos em torno do espaço retroperitoneal o perinefrético. 4. Terapia apropriada para infecção do rim, ureter, bexiga, uretra,ou tecidos em torno do espaço retroperitoneal ou perinefrético instituída pelo médico Definição de infecção do trato urinário relacionada á assistência a saúde (ITU-RAS) na criança 7.1- Lactentes (1 mês a dois anos) - A definição de ITU deve preencher 1 dos seguintes critérios: 1. Presença de 1 dos seguintes sinais e sintomas com inicio em > 48 horas sem causa reconhecida: - Febre, baixo ganho ponderal, vômitos - Diarréia, urina de odor fétido, dor abdominal - Incontinência urinaria em lactentes E Urocultura positiva: - Qualquer crescimento em amostras obtidas através de punção suprapúbica, exceto Staphylococcus coagulase negativa, para o qual ponto de corte é >10³UFC/mL; - crescimento em amostras obtidas através de cateterismo vesical. 2. Presença de 1 dos seguintes sinais e sintomas com inicio em >48 horas sem causa reconhecida : - Febre, baixo ganho ponderal, vômitos diarréia, urina de odor fétido, dor abdominal, aparecimento de incontinência urnária em lactentes que já tinham controle esfincteriano, E 2 dos seguintes: 22

23 -Piuria (> 10 leucócitos/ µ L a microscopia automatizada de urina não centrifugada OU esterase leucocitária positiva; -bacterioscopia positiva pelo GRAM em urina não centrifugada; - Nitrito positivo 7.2- Crianças entre 2 e 5 anos - Os sintomas de freqüência urinária, disúria e urgência urinaria podem estar ausentes nesse grupo etário. A definição de ITU-RAS deve preencher um dos seguintes critérios: 1. Presença de 1 dos seguintes sinais e sintomas com inicio em > 48 horas sem causa reconhecida: * Febre * Urina de odor fétido * Aparecimento de incontinência urinaria * Vomito * Dor abdominal e/ou em flancos * Freqüência urinária * Disúria Urocultura positiva: Qualquer crescimento em amostras obtidas através de punção suprapúbica, exceto Staphylococcus coagulase negativa para o qual o ponto de corte é > 10 ³ UFC/mL; - Crescimento 10 4 UFC/mL em amostras obtidas através de cateterismo vesical; - Crescimento > 10 4 UFC/mL em amostras obtidas através de jato médio em meninos; - Crescimento > 10 5 UFC/mL em amostras obtidas através de jato médioem meninas Infecção de Sítio Cirúrgico Definição de pacientes cirúrgicos passiveis de vigilância epidemiológica de rotina 8.2- Cirurgia em paciente internado em serviço de saúde 23

24 Paciente submetido a um procedimento dentro do centro cirúrgico, que consista em pelo menos uma incisão e uma sutura, em regime de internação superior a 24 horas, excluindo- se procedimentos de debridamento cirúrgico, drenagem, episiotomia e biópsias que não envolvam vísceras ou cavidades Cirurgia ambulatorial Paciente submetido a um procedimento cirúrgico em regime ambulatorial (hospitaldia) ou com permanência no serviço de saúde inferior a 24 horas que consista em, pelo menos, uma incisão e uma sutura, excluindo-se procedimentos de debridamento cirúrgico, drenagem e biopsias que não envolvam vísceras ou cavidades Cirurgia endovascular Paciente submetido a um procedimento terapêutico relizado por acesso percutâneo, via endovascular, com inserção de prótese,exceto stents Cirurgia endoscópica com penetração de cavidade Paciente submetido a um procedimento terapêutico, por via endoscópica, com manipulação de cavidade ou víscera através da mucosa. Estão incluídas aqui cirurgias transgástricas e transvaginais (NOTES), cirurgias urológicas e cirurgias transnasais Definição de infecções do sitio cirúrgico (ISC) para cirurgia em pacientes internadas e ambulatoriais São infecções relacionadas aos procedimentos cirúrgicos descritos no item 1, sendo classificadas conforme e os planos acometidos ilustrados na Figura 1 e definidas de acordo com os critérios dos Quadros 1e 3. da fascia; ISC SUPERFICIAL (INCISÃO): pele, subcutâneo ou músculo acima Verificar: hiperemia, presença de pus, cultura de ferida fechada, ferida aberta para drenagem e que evidencie a infecção ( pus, secreção, cultura positiva) ou diagnostico feito pelo cirurgião. Critério : * Ocorre nos primeiros 30 dias após a cirurgia e envolve apenas pele e subcutâneo. 24

25 - com pelo menos 1 dos seguintes: * Drenagem purulenta da incisão superficial; * Cultura positiva de secreção ou tecido da incisão superficial, obtido assepticamente ( Não considerar resultados de culturas colhidas por swab); * Incisão superficial é deliberadamente aberta pelo cirurgião na vigência de pelo menos um dos seguintes sinais ou sintomas : dor, aumento da sensibilidade, edema local, hiperemia ou calor, ECETO se a cultura for negativa ; Diagnostico de infecção superficial pelo médico assistente. ISC PROFUNDA: fáscia ou abaixo dela, até 30 dias de cirurgia ou até 365 dias se implante / prótese; Critério : * Ocorre nos primeiros 30 dias após a cirurgia ou até UM ano, se houver colocação de prótese, e envolve tecido moles profundos á incisão (ex: fáscia e /ou músculos). - com pelo menos 1 dos seguintes: * Drenagem purulenta da incisão profunda, mas não de órgão/cavidade; * Deiscência parcial ou total da parede abdominal ou abertura da ferida pelo cirurgião, quando o paciente apresentar pelo menos um dos seguintes sinais ou sintomas: temperatura axilar > 38ºC, dor ou aumento da sensibilidade local, exceto se a cultura for negativa; *Presença de abcesso ou outra evidencia que infecção envolva os planos profundos da ferida, identificada em reoperação, exame clinico, histopatológico ou exame de imagem; *Diagnostico de infecção incisional profunda pelo médico assistente ISC ÓRGÃO /CAVIDADE Critério : * Ocorre nos primeiros 30 dias após a cirurgia ou até UM ano, se houver colocação de prótese, e envolve qualquer órgão ou cavidade que tenha sido aberta ou manipulada durante a cirurgia. - com pelo menos 1 dos seguintes: * Cultura positiva de secreção ou tecido da incisão superficial, obtido assepticamente; * presença de abcesso ou outra evidencia que a infecção envolva os planos profundos da ferida, identificada em reoperação, exame clinico, histopatológico ou exame de imagem; * Diagnostico de infecção de órgão /cavidade pelo médico assistente. Obs.: 25

26 - Osteomielite do esterno após cirurgia cardíaca ou endoftalmite são consideradas infecções de órgão /cavidade. - Em pacientes submetidos a cirurgia endoscópias com penetração de cavidade serão utilizados os mesmos critérios de infecção do sitio cirúrgico do tipo órgão cavidade. - não considerar que eliminação de secreção purulenta através de dreno seja necessariamente sinal de ISC. Sinais clinicos (febre, hiperemia, dor, calor,calafrios) ou laboratoriais ( leucocitose, aumento de PCR quantidade ou VHS) são inespecíficos, mas podem sugerir infecção. ATENÇÃO: Caso a infecção envolva mais de um plano anatômico, notifique apenas o sitio de maior profundidade. considera-se prótese todo corpo estranho implantável ao derivado de tecido humano (ex:válvula cardíaca protética, transplante vascular não humano, coração mecânico ou prótese de quadril) exceto drenos cirúrgicos, 9.1- Definição de infecções do sitio cirúrgico (ISC) para cirurgias endovasculares; INFECÇÃO DO SITIO DE ENTRADA Critério : * Ocorre nos primeiros 30 dias após a cirurgia e envolve apenas pele e subcutâneo do sitio de inserção percutânea da prótese endovascular. - com pelo menos 1 dos seguintes: * Drenagem purulenta da incisão superficial; * Cultura positiva de secreção ou tecido da incisão superficial, obtido assepticamente (Não considerar resultados de culturas colhidas por swab); * Pelo menos um dos seguintes sinais ou sintomas : dor ou aumento da sensibilidade, edema local, hiperemia ou calor e a incisão superficial é deliberadamente aberta pelo cirurgião, exceto se a cultura for negativa; * Diagnostico de infecção superficial pelo médico assistente. INFECÇÃO DA PRÓTESE 26

27 . Critério : * Inserção percutânea de prótese endovascular até UM ano após a inserção - com pelo menos 1 dos seguintes: * diagnóstico pelo cirurgião * Cultura positiva de secreção periprotese ou fragmento da prótese o parede vascular. Exame histopatológico da parede vascular com evidencia de infecção. * Hemocultura positiva ( 02 amostras para patogenos da pele ou 01 amostra para outros agentes, excluídas outras fontes). * Evidencia de infecção em exames de imagem (ultra-sonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética nuclear, cintilografia ou tomografia por emissão de pósitrons (PETscan). * Êmbolos sépticos a distancia, na ausência de outra fonte de infecção. * Sinais clínicos e/ou laboratoriais de infecção associados á fistula da prótese, hemorragia secundária, rompimento da prótese, trombose fistula para pele com sangramento persistente, fistulas para outras órgãos ou pseudoaneurisma (massa palpável pulsátil). Obs.: - sinais clínicos (febre, hiperemia, dor, calor, calafrios) o laboratoriais ( leucocitose, aumento de PCR quantitativa ou VHS) são inespecíficos, mas podem sugerir infecção Infecção de Sítio Cirúrgico Infecção do sítio cirúrgico Até 30 dias do ato cirúrgico Em próteses até um ano do ato Incisional: (Pele e subcutãneo; fáscia e camada muscular) Órgão / espaço (manipulados no sítio cirúrgico) 27

28 Infecção de Sítio Cirúrgico Incisional Superficial Incisional: (Pele e subcutãneo; fáscia e camada muscular) Superficial (pele e tecido sub cutâneo) Fluído de ferida fechada primariamente Abertura da ferida por suspeita de infecção (sinais flogísticos locais) Diagnóstico pelo médico Cultura positiva Cultura positiva ou ausente Infecção de Sítio Cirúrgico Incisional Profunda Até 30 dias do ato cirúrgico Em próteses até um ano do ato Incisional: (Pele e subcutãneo; fáscia e camada muscular) Profunda (fáscia e camada muscular) Drenagem purulenta Deiscência de ferida espontânea ou intencional, associada a um dos seguintes: Abscesso ou outra evidência de infecção Diagnóstico pelo médico Abaixo da fáscia (não se extende para órgãos / espaços) Cultura positiva ou ausente Febre, dor ou edema local Visualização direta Histopatologia Radio imagem Infecção de Sítio Cirúrgico Órgãos e Espaço Infecção do sítio cirúrgico Até 30 dias do ato cirúrgico Em próteses até um ano do ato Órgão / espaço (manipulados no sítio cirúrgico) Drenagem purulenta ou Cultura positiva ou Diagnóstico pelo médico ou Abscesso ou outra evidência de infecção 28

29 10.0- Infecção em cirurgias com implantes e próteses Definição de Implante e Próteses A Resolução de Diretoria Colegiada/ANVISA nº 185, de 22 de outubro de 2001², incluiu os implantes e próteses na família dos produtos médicos e definiu os implantáveis, como sendo: Qualquer produto médico projetado para ser totalmente introduzido no corpo humano ou para substituir uma superfície epitelial ou ocular, por meio da intervenção cirúrgica, e destinado a permanecer no local após a intervenção. Também é considerado um produto médico implantável, qualquer produto médico destinado a ser parcialmente introduzido no corpo humano através de intervenção cirúrgica e permanecer após esta intervenção por longo prazo Classificação e critérios definidores de infecção cirúrgica INFECÇÃO DE SITIO CIRURGICO (ISC) : Incisional superficial Ocorre dentro de 30 dias após o procedimento E envolve apenas pele e tecido subcutâneo da incisão. E pelo menos 1 dos seguintes: * Drenagem purulenta da incisão superficial; *Agente isolado por método asséptico de cultura de secreção ou tecido da incisão superficial (não são considerados resultados de culturas colhidas por swab); * Ao menos um dos sinais e sintomas de infecção : dor, calor, rubor, tumefação localizada, hiperemia e a incisão superficial e aberta deliberadamente pelo cirurgião com cultura positiva ou cultura não realizada. A cultura negativa exclui o diagnostico; * Diagnostico de infecção incisional superficial superficial feito pelo cirurgião ou clinico que acompanha o paciente. Tipos: - Incisional superficial primaria : identificada na incisão primaria em paciente com mais de 1 incisão - Incisional superficial secundária : identificada na incisão secundaria em paciente com mais de 1 incisão INFECÇÃO DE Ocorre dentro de 30 dias após o procedimento se não houver colocação de 29

30 SITIO CIRURGICO (ISC) : Incisional profunda INFECÇÃO DE SITIO CIRURGICO (ISC) : Órgão/ Cavidade implante e até um ano quando há colocação de implantes e a infecção parece estar relacionada ao procedimento cirúrgico e envolve tecido profundos da incisão como fascia e musculatura e pelo menos um dos seguintes: * Drenagem purulenta da incisão profunda, as não originada de órgão/espaço; * Deiscência espontânea profunda ou incisão aberta pelo cirurgião e a cultura e positiva ou não realizada, quando o paciente apresentar pelo menos 1 dos sinais e sintomas : febre >38 ºC, dor ou tumefação localizada; Tipos: - Incisional superficial primaria : identificada na incisão primaria em paciente com mais de 1 incisão - Incisional superficial secundária : identificada na incisão secundaria em paciente com mais de 1 incisão Ocorre dentro de 1 ano após a colocação de implantes e a infecção parece estar relacionada ao procedimento cirúrgico e envolve qualquer parte do corpo excuindo pele da incisão, fáscia e musculatura que é aberta durante a manipulação cirurgia e pelo menos 1 dos seguintes: * Secreção purulenta de um dreno que é colocado profundamente ; * Micro- organismo isolado de cultura obtido de forma asséptica de fluido ou tecido e órgão/espaço; * Abscesso ou outra evidencia de infecção envolvendo tecidos profundos durante exame direto ou re- operação, ou por exame radiológico ou histopatológico; * Diagnostico de infecção feito pelo cirurgião ou clinico que acompanha o paciente. Observação : * sinais clínicos (febre, hiperemia, dor, calor, calafrios) ou laboratoriais ( leucocitose, aumento dos níveis de Proteína C reativa PCR quantitativa ou Velocidade de hemossedimentação VHS) são inespecíficos mas podem sugerir infecção. Tipos: - Óssea, Articulação ou Bursa e Espaço Discal 30

31 ATENÇÃO * Caso a infecção envolva mais de um plano anatômico, notifique apenas o sitio de maior profundidade. * considera-se prótese todo corpo estranho implantável não derivado de tecido humano (ex: válvula cardíaca protética, transplante vascular não humano, coração mecânico ou próteses ortopédicas, exceto drenos cirúrgicos Critérios de Infecção em Sitio Cirúrgico com Implantes/Próteses Infecção Cardio -vascular (Vascular endocardite e vascular arterio- venoso) 1. Definição de infecção em prótese arterial e venosa * Infecção no sitio cirúrgico que ocorre até 1 ano após implante de prótese arterial e/ou venosa e o paciente apresenta pelo menos 1 um dos seguintes critérios: 1.Paciente com 2. Paciente com 3. Paciente apresenta 4. Presença de crescimento de evidencia de infecção menos um dos abscesso junto á micro-organismo em em prótese arterial seguintes sinais e prótese vascular na prótese arterial e/ou e/ou venosa sintomas sem outra ultrassonografia ou venosa removida diagnosticada durante causa reconhecida: tomografia durante cirurgia e cirurgia ou por exame febre (>38ºC) computadorizada do hemocultura não histopatológico. dor, eritema ou sitio cirúrgico realizada ou sem calor no sitio da crescimento cirurgia vascular microbiano. E E A prótese retirada Cultura positiva do apresenta secreção material obtido por purulenta com punção asséptica crescimento microbiano neste material. 2. Definição de endocardite em prótese valvar 31

32 Infecção que ocorre até (um) ano após implante da valva cardíaca (biológica ou mecânica) com pelo menos 1 dos seguinte critérios: Paciente tem micro-organismo isolado da prótese ou vegetação valvar OU Paciente apresenta pelo menos2 dos seguintes sinais ou sintomas, sem outra causa reconhecida: Febre (>38ºC); Novo sopro cardíaco ou mudança nas características de sopro anterior; Manifestações cutâneas (petequias, nódulo subcutâneo doloroso, hemorragia subungueal); Insuficiência cardíaca congestiva ou distúrbio de condução. * E pelo menos 1 dos critérios abaixo: Micro-organismo isolado em 2 ou mais hemoculturas ; Presença de micro-organismo na coloração Gram da prótese retirada, ainda que a hemocultura seja negativa ou não tenha sido realizada. Infecção na prótese valvar confirmada por exame histopatológico compatível, com a presença de leucócitos, fibrina, plaquetas e micro-organismos. Evidencia de nova vegetação na prótese valvar por ecocardiograma transtoracico ou transesofágico Definição de endocardite relacionada a marcapasso Definição anatomopatológica Micro-organismo demonstrado por cultura ou histologia na vegetação, embolo séptico, abscesso intracardiaco ou cabo do marcapasso Critérios clínicos 2 maiores OU 1 maior e 3 menores Critérios maiores de endocardite 32

33 1) Hemocultura (HMC) positiva para os seguintes agentes freqüentes em endocardite: - Micro-organismo típico: Streptococcus viridans, S. bovis, HACEK, Staphylococcus aureus ou enterococo; - HMC persistentemente positiva (2 hmc com intervalo de coleta de 12horas ou > 3 HMC com intervalo de 1 hora). 2) Evidencia de envolvimento do endocárdio: - Ecocardiograma positivo para endocardite (vegetação, abscesso) - Massa oscilante no cabo do MP ou em estrutura do endocárdio em contato com o cabo do MP; - Abcesso em contato com cabo do MP Definição de infecção da loja do marcapasso definitivo Infecção que ocorre até 1 ano após implante do marcapasso definitivo, com pelo menos 1 dos seguintes critérios: - Drenagem purulenta pela incisão cirúrgica - Isolamento de micro-organismo de tecido ou fluido colhido assepticamente de uma ferida superficial ou de uma coleção; - Pelo menos 2 dos seguintes sinais e sintomas : dor, calor, hiperemia em toda loja ou flutuação local; - Deiscência da ferida operatória E pelo menos 1 dos seguinte sinais e sintomas : febre (T>38ºC), dor, hiperemia de toda loja ou flutuação localizada ou - Diagnóstico de infecção feito pelo cirurgião ou médico clinico Infecção de sitio cirúrgico após implante mamário Classificação : Incisional superficial, profunda e órgão e espaço * Infecção de sitio cirúrgico após implante mamário incisional superficial - Ocorre dentro de 30 dias após o procedimento e envolve apenas pele e tecido celular subcutâneo da incisão e pelo menos 1 dos seguintes sinais e sintomas: * Secreção purulenta da incisão superficial; 33

34 * Agente isolado por método asséptico de cultura de secreção ou tecido da incisão superficial ( cultura de Swab de secreção não será aceito como diagnostico); * Pelo menos 1 dos sinais e sintomas de infecção:dor, calor, rubor, tumefação localizada e acompanhada de abertura da incisão superficial pelo cirurgião com coleta de material e cultura positiva. Se cultura do material for negativa reavaliar o diagnostico; * Diagnostico de infecção incisional superficial feito pelo cirurgião ou clinico que acompanha o paciente. Tipos: - Incisional superficial primaria : identificada na incisão primaria em paciente com mais de 1 incisão. - Incisional superficial secundária : identificada na incisão secundaria em paciente com mais de 1 incisão Infecção de sitio cirúrgico após implante mamário Incisional profundo Ocorre dentro de 30dias após o procedimento até 1 ano da colocação do implante e a infecção pode estar relacionada ao procedimento cirúrgico e envolve tecidos profundos da incisão como fáscia e musculatura e pelo menos 1 dos seguinte sinais e sintomas: - secreção purulenta da incisão como fáscia e musculatura e pelo menos 1 dos seguintes sinais e sintomas : - Secreção purulenta da incisão profunda não originada de órgão /espaço; - Deiscência espontânea profunda ou incisão aberta pelo cirurgião e com cultura positiva, quando o paciente apresentar pelo menos 1 dos sinais e sintomas : febre > 38 C, dor ou tumefação localizada; Infecção de sitio cirúrgico após implante mamário Órgão/Espaço Ocorre dentro de 30dias após o procedimento até 1 ano da colocação do implante e a infecção pode estar relacionada ao procedimento cirúrgico e envolve qualquer parte do corpo excluindo pele da incisão, fáscia e musculatura que é aberta durante a manipulação cirúrgica e pelo menos 1 dos seguintes sinais e sintomas 34

35 - Secreção purulenta de um dreno que é colocado cirurgicamente abaixo da fascia muscular ; - Micro-organismo isolado de cultura obtidos de forma asséptica de fluido ou tecido de órgão /espaço; - Abcesso ou outra evidencia de infecção envolvendo tecido profundos abaixo da fascia durante exame direto ou reoperação ou exame histopatológico; - Diagnostico de infecção feito pelo cirurgião ou clinico que acompanha o paciente Abscesso mamário ou mastite o diagnostico de abcesso mamário ou mastite deve preencher pelo menos 1 (um) dos critérios abaixo: -Paciente com uma cultura positiva do tecido mamário afetado ou fluido obtido por incisão e drenagem ou aspiração por agulha; -Paciente tem abcesso mamário ou outra evidencia de infecção vista durante o ato cirúrgico, ou exame histopatológico ou através de imagem (ecografia ou tomografia computadorizada da mama); - Paciente tem febre 38ºC e sinais de inflamação local da mama; - Diagnostico clinico de abscesso feito pelo médico assistente. - Diagnostico de infecção feito pelo cirurgião ou clinico que acompanha o paciente Infecção em Neurocirurgia ( Infecção em derivações do Sistema Nervoso Central- SNC e outros dispositivos) As derivações para drenagem de liquido cefalorraquidiano ou liquor são os implantes mais freqüentes em neurocirurgia e são utilizadas em casos de hidrocefalia, onde a porção proximal localiza-se nos ventrículos. Também podem ser encontrados em cistos intracranianos ou espaço sub-aracnóide lombar. As porções terminais podem ser internas ou externas. Estas podem ser: Derivação Internas São frequência para o espaço vascular (ventrículo-peritoneal) ou com menor freqüência para vascular (ventrículo atrial). Os índices de infecção em derivações internas variam de 5 a 15%. Os maiores índices são observados nos meses iniciais após a inserção do dispositivo, quando são necessarias múltiplas revisões Derivação Externas 35

36 Dispositivo temporário utilizado para monitorar a pressão intracraniana. Os principais fatores de risco associados ao aumento de processos infecciosos a são : - Hemorragia sub-aracnoide; - Hemorragia intraventricular; - Fratura craniana com fistula liquorica; - Craniotomias Manifestações Clínicas Cefaléia, náuseas,vômitos letargia e alteração do nível de consciência - Sintomas meníngeos podem não estar presentes - Febre pode ou não estar presente; - Os sintomas também podem estar presentes na porção distal da derivação : -Derivação ventrículo-peritoneal (DVP): sinais e sintomas de peritonite, incluindo febre, dor abdominal e anorexia; - Derivação ventricular-atrial (DVA): febre e evidencia de bacteremia. Pode evoluir para endocardite e suas complicações 12.6 Infecção em derivações do Sistema Nervoso Central As podem infecções em derivações do sistema nervoso central (SNC) são classificadas, de acordo com o sitio da infecção no SNC Meningite ou ventriculite Deve atender a pelo menos 1 dos seguintes critérios: - Paciente apresenta cultura de LCR positiva para micro-organismos patogênicos; - Paciente tem pelo menos 1 dos seguintes sinais ou sintomas sem outra causa reconhecida: febre 38,0ºC; cefaléia Rigidez de nuca; presença de sinais meningeos ou irritabilidade. 36

37 E pelo menos 1 dos seguintes procedimentos: -Aumento da contagem dos leucócitos, proteínas e / ou diminuição da glicose no LCR; -Presença de micro-organismo na coloração de Gram de LCR; - Micro-organismos cultivados a partir de sangue; - teste de antígeno positivo do líquor, sangue ou urina; - Aumento de títulos de anticorpos único diagnostico (IgM) ou 4 vezes em soros pareados (IgG) para patogenos específicos; - Se o diagnostico é feito antes da morte, o médico institui terapia antimicrobiana adequada Paciente < 1 ano de idade tem pelo menos 1 dos seguintes sinais ou sintomas sem outra causa reconhecida: - Febre 38,0ºC; - Hipotermia< 36ºC; - Apnéia; - Bradicardia; - Rigidez de nuca; - Sinais meningeos ou irritabilidade E pelo menos 1 dos seguintes procedimentos: - Exame e liquor alterado com aumento na contagem de leucócitos; - Gram positivo no Gram do LCR; - Micro-organismos cultivados a partir de sangue; - Teste de antígeno positivo do liquor,sangue ou urina; - Títulos de anticorpos único diagnostico (IgM) ou 4 vezes em soros pareados (IgG) para patogenos; - Se o diagnostico é feito antes da morte, o médico institui terapia antimicrobiana. 37

38 Critérios Diagnósticos de Meningite ou Ventriculite Hospitalar Meningite Ventriculite Cultura positiva Associação clínico laboratorial Líquor Clínico um dos seguintes (associado a introdução de antibioticoterapia apropriada): Febre Cefaléia Rigidez de nuca Sinais meníngeos Comprometimento de nervos cranianos Irritabilidade Laboratorial Um dos seguintes: Visualização de microrganismo Teste de antígeno positivo (sangue, líquor ou urina) Sorologia positiva (IgM ou aumento 4x Ig G) Alterações liquóricas: pleiocitose hiperproteinorraquia redução da glicose Hemocultura positiva Abscesso cerebral, infecção subdural ou epidural e encefalite O diagnostico das infecções intracranianas deve satisfazer pelo menos 1 dos seguintes critérios: - Paciente apresenta micro-organismo cultivado a partir de tecido cerebral ou duramater; - Paciente apresenta um abcesso ou evidencias de infecção intracraniana vista durante uma cirurgia ou exame histopatológico; Paciente tem e pelo menos 2 dos seguintes sinais ou sintomas sem outra causa reconhecida: cefaléia, tontura febre, sinais neurológicos focais, alteração do nível de consciência ou confusão mental ; E pelo menos 1 dos seguintes procedimentos: - Micro-organismos vistos no microscópico do cérebro ou abscesso de tecido obtido por punção aspirativa ou por biopsia, durante uma cirurgia ou autopsia; - Teste de antígeno positivo do liquor,sangue ou urina; -Evidência radiográfica de infecção (achados anormais na ultra-sonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética,pet scan ou arteriografia); - Titulo de anticorpos único diagnostico (IgM) ou aumento 4 vezes em soros pareados (IgG) para patógeno; - Se o diagnostico é feito antes da morte, o médico institui terapia antimicrobiana. 38

39 Paciente < 1 ano de idade tem pelo menos 1 dos seguintes sinais ou sintomas sem outra causa reconhecida: - Febre 38,0ºC; - Hipotermia< 36ºC; - Apnéia; - Bradicardia; - Sinais neurológicos focais ou mudar o nível de consciência E pelo menos 1 dos seguintes procedimentos: - Micro-organismos vistos no microscópico do cérebro ou abscesso de tecido obtido por punção aspirativa ou por biopsia, durante uma cirurgia ou autopsia; - Teste de antígeno positivo do liquor,sangue ou urina; -Evidência radiográfica de infecção (achados anormais na ultra-sonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética,pet scan ou arteriografia); - titulo de anticorpos único diagnostico (IgM) ou aumento 4 vezes em soros pareados (IgG) para patógeno; - Se o diagnostico é feito antes da morte, o médico institui terapia antimicrobiana Infecções ortopédicas Osteomielite deve-se ter pelo menos 1 dos seguintes critérios: - Cultura e identificação de agentes do osso; - Evidencia de OM no exame direto do osso durante cirurgia ou exame histopatológico; - Paciente apresentar pelo menos 2 dos sinais e sintomas sem outra causa reconhecível: febre> 38ºC, tumefação, rubor, calor localizado ou drenagem do sitio suspeito de infecção óssea E pelo menos 1 dos seguintes critérios : - Micro-organismos identificados no sangue /teste sanguineo positivo para antígenos (Haemophilus influenzae; S. pneumoniae) ou ; -Evidencia radiológica de infecção (radiografia, tomografia axial computadorizada, ressonância nuclear magnética, cintilografia com Gallium Technetium,e outros ) Articulação ou bursa- Pioartrite ou Bursite 39

40 deve-se ter pelo menos 1 dos seguintes critérios: - Cultura e identificação de agente infeccioso do liquido articular ou biopsia sinovial; - Evidencia de pioartrite ou bursite no exame direto durante cirurgia ou exame histopatológico; - Paciente apresentar pelo menos 2 dos sinais e sintomas sem outra causa reconhecível: dor articular, tumefação, rubor, calor localizado, evidencia de derrame articular ou limitação de movimentação e pelo menos 1 dos seguintes critérios: - Micro-organismos e leucócitos identificados durante exame direto e coloração de gram do liquido articular; - Teste antígeno positivo no sangue, urina ou liquido articular; - Perfil celular e bioquímico do liquido articular compatível com infecção e NÃO explicado por doença reumatológia de base; -Evidencia radiológica de infecção (radiografia, tomografia axial computadorizada, ressonância nuclear magnética, cintilografia com Gallium, Technetium, etc) Infecção em disco intervertebral Deve-se ter pelo menos 1 dos seguintes critérios: - Cultura e identificação e agente do tecido de disco intervertebral obtido durante procedimento cirúrgico ou através de aspiração por agulha; - Evidencia de infecção no disco intervertebral no exame direto durante cirurgia ou exame histopatológico; - Febre > 38ºC sem outra causa reconhecível ou dor no disco intervertebral envolvido e evidencia radiológica de infecção (radiografia, tomografia axial computadorizada, ressonância nuclear magnética, cintilografia com gallium, technetium, etc.) - Febre > 38ºC sem outra causa reconhecível e teste do antígeno positivo no sangue e urina (H. influenzae, S. pneumoniae, Neisseria meningitidid ou Streptococcus grupo B). 13- Infecção de Corrente Sanguínea E importante a definição de duas síndromes que apresentam aspectos diagnósticos e preventivos específicos, e que merecem grande atenção e monitorização sistemática. Estas duas situações são: 40

41 a. As infecções primarias da corrente sanguinea (IPCS), que são aquelas infecções de conseqüências sistêmicas graves, bacteremia ou sepse, sem foco primário identificável. Há dificuldade de se determinar o envolvimento do cateter central na ocorrência da IPCS. b. Infecções relacionadas ao acesso vascular (IAV), que são infecções que ocorrem no sitio de inserção do cateter, sem repercussões sistêmicas. A maioria das infecções relacionadas ao acesso vascular periférico, por esta razão também será descrita a definição de infecção relacionada a acesso vascular periférico (IAVP). Quadro 1. Critérios para definição de IPCS laboratorial Critério 1 Paciente com uma ou mais hemoculturas positivas coletadas preferencialmente de sangue periférico, e o patógeno não esta relacionado com infecção em outro sítio. Critério 2 Pelo menos um dos seguintes sinais ou sintomas : febre >38ºC, tremores, oliguria (volume urinário <20 ml/h, hipotensão,e esses sintomas não estão relacionados com infecção em outro sitio; E Duas ou mais hemoculturas (em diferentes punções com intervalo Maximo de 48 horas com contaminante comum de pele (ex.: difteroides, bacillus spp, Propionibibacterium spp, estafilococos coagulase negativo, micrococos) Critério 3 Para criança > 28 dias e < 1 ano Pelo menos um dos seguintes sinais ou sintomas : Febre >38ºC, hipotermia <36ºC, bradicardia ou taquicardia (não relacionados com infecção em outro sitio) E Duas ou mais hemoculturas (em diferentes punções com intervalo Máximo de 48h com contaminante comum de pele (ex.: difteroides, bcillus spp, propionibacterium spp, estafilococos coagulase negativo, micrococos) IPCS Clinica: é aquela que preenche um dos seguintes critérios: Quadro 2. Critérios para definição de IPCS clinica 41

42 Critério 1 Pelo menos de um dos seguintes sinais ou sintomas : febre > 38º C tremores, oliguria ( volume urinário < 20 ml/h, hipotensão pressão sistólica ou (não relacionado com infecção em outro sitio) E Todos os seguintes; a. Hemocultura negativa ou não relacionada b. Nenhuma infecção aparente em outro sitio c. Medico institui terapia antimicrobiana para sepse Critério 2 Para crianças > 28 dias e < 1 ano Pelo menos um dos seguintes sinais ou sintomas: febre > 38º, hipotermia < 36ºC, bradicardia ou taquicardia não relacionados com infecção em outro sitio E Todos os seguintes: a. Hemocultura negativa ou não relacionada b. Nenhuma infecção aparente em outro sitio c. Medico institui terapia antimicrobiana para sepse Infecções relacionadas ao acesso vascular As infecções do sitio de inserção dos acessos vasculares, geralmente são de menor gravidade do que as de corrente sanguinea. No entanto, elas merecem duas considerações importantes: - Pode indicar contaminação do sitio de inserção do dispositivo e apontar para a possibilidade de uma intervenção preventiva especifica; - São indicadores de qualidade de assistência que podem ser aplicadas em dentro e fora de ambiente de cuidados críticos. * Infecções relacionadas ao acesso vascular central (IAVC): São definidas como a presença de sinais locais de infecção ( secreção purulenta ou hiperremia), em pacientes sem diagnostico concomitante de IPCS. A cultura de cateter é um exame de baixa especificidade e não e necessária par diagnóstico de IAVC. *Infecção relacionada a acesso vascular periférico(iavp): São definidas como a presença de sinais locais de infecção (secreção purulenta ou celulite), com ou sem a presença de cordão inflamatório em pacientes sem diagnostico 42

43 concomitante de IPCS. A cultura de cateter é um exame de baixa especificidade e não deve ser utilizada para diagnostico de IAVC. Critérios diagnósticos de infecção otológica hospitalar Infecção otológica Diagnóstico Microbio lógico Cultura positiva Drenagem purulenta do canal auditivo Fluído do ouvido médio (timpanocentre se ou cirurgia) Fluído de ouvido interno (cirurgia) Drenagem purulenta da mastóide Otite externa Otite média Otite interna Mastoidi te Critérios Diagnósticos de Infecção Hospitalar da Cavidade Oral Infecção da cavidade oral Secreção purulenta Abscesso ou Evidência de infecção Cultura positiva Exame direto, Cirurgia ou Histopatológica 43

44 Critérios Diagnósticos de Infecção Hospitalar da Cavidade Oral Infecção da cavidade oral Abscesso, ulceração ou placas esbranquiçadas (associado a um dos seguintes) Bacterioscopia, coloração KOH ou células gigantes multinucleadas Sorologia positiva ou teste de antígeno em secreções orais Diagnóstico médico e Tratamento antifúngico Critérios diagnósticos de infecção hospitalar do trato respiratório alto Infecção do trato respiratório alto Sinusite Secreção purulenta Um dos seguintes: febre, dor local, cefaléia, obstrução nasal ou exudato purulento Cultura positiva Associado a um dos seguintes: transiluminação positiva ou Evidência radiológica Infecção do trato respiratório alto Faringite, laringite ou epiglote Dois dos seguintes: febre, eritema de faringe, dor de garganta, tosse, rouquidão ou exudato purulento Visualização de abscesso Associado e um dos seguintes: cultura local ou hemocultura, teste de antígeno (secreções) ou sorologia, diagnóstico médico Cirurgia ou histopatológica 44

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Título Fonte Definição Nível Informação Dimensão da Qualidade Taxa de infecção de sítio cirúrgico incisional profunda/ órgão/ cavidade

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Título Fonte Definição Nível Informação Dimensão da Qualidade Taxa de infecção de sítio cirúrgico incisional profunda/ órgão/ cavidade

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR. Enfª Julliana Pinheiro

Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR. Enfª Julliana Pinheiro Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR Enfª Julliana Pinheiro Definição ITU-RAS é DEFINIDA como: 1. Qualquer infecção ITU relacionada a procedimento urológico;

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS HOSPITAL GERAL

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS HOSPITAL GERAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

NEONATOLOGIA: Critérios nacionais de infecção relacionadas à assistência à saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

NEONATOLOGIA: Critérios nacionais de infecção relacionadas à assistência à saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária NEONATOLOGIA: Critérios nacionais de infecção relacionadas à assistência à saúde Gerencia de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos Gerência

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS ANXO I - NPI Nota: Dia 20 de Abril de 2012, após realização de todas as sessões de formação, foram introduzidas pequenas alterações neste protocolo que estão realçadas a sombreado. DFINIÇÕS D MCGR PARA

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

SÍTIO CIRÚRGICO. Critérios Nacionais de Infecções relacionadas à assistência à saúde. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde

SÍTIO CIRÚRGICO. Critérios Nacionais de Infecções relacionadas à assistência à saúde. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária SÍTIO CIRÚRGICO Critérios Nacionais de Infecções relacionadas à assistência à saúde Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Gerência de Investigação e

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

PORTARIA GM/MS N 2.616, DE 12 DE MAIO DE 1998

PORTARIA GM/MS N 2.616, DE 12 DE MAIO DE 1998 PORTARIA GM/MS N 2.616, DE 12 DE MAIO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, Interino, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso II da Constituição, e Considerando as determinações da Lei

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Infecção Urinária e Gestação

Infecção Urinária e Gestação I ENCONTRO DA REDE MÃE PARANAENSE Infecção Urinária e Gestação Marcos Takimura UFPR/UniPositivo/HT-SESA Modificações Fisiológicas do Aparelho Urinário na Gestação Compressão mecânica do útero gravídico

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do quadril Artrite séptica Osteomielite Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do Quadril É a principal causa de claudicação na criança! Principal diagnóstico diferencial para artrite

Leia mais

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN MAGNÓLIA CARVALHO ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS ARTRITE CELULITE DIARRÉIA IMPETIGO ITU MENINGITE OTITE ONFALITE OSTEOMIELITE OFTALMIA PNEUMONIA

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1 Informações para elaboração dos Indicadores Epidemiológicos de IH no Estado de MT 1 (Registro no EDA sob nº. 397.700 Livro 740 Folha 360) 2013 Revisão fev /2013 1 Elaboração: Enfª Ms. Rosangela de Oliveira

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Page 1 of 8 Legislação em Vigilância Sanitária PORTARIA N 2.616, DE 12 DE MAIO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, Interino, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso II da Constituição,

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO. Protocolo de Prevenção de Pneumonia Hospitalar

PROTOCOLO CLÍNICO. Protocolo de Prevenção de Pneumonia Hospitalar Código: PC.CIH.005 Data: 26/05/2010 Versão: 1 Página: 1 de 5 RESULTADO ESPERADO/OBJETIVO: Diminuir a transmissão de patógenos primários para o paciente, reduzir a colonização de reservatórios com patógenos

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Kely Cristina Silva Oliveira Técnica de Enfermagem CTI Pediátrico

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Urocultura. Introdução

Urocultura. Introdução Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Urocultura Introdução A infecção do trato urinário (ITU) situa-se entre as

Leia mais

TRATO RESPIRATÓRIO: Critérios Nacionais de Infecções relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

TRATO RESPIRATÓRIO: Critérios Nacionais de Infecções relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária TRATO RESPIRATÓRIO: Critérios Nacionais de Infecções relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Infecções do trato respiratório

Infecções do trato respiratório Infecções do trato respiratório Anatomia do trato respiratório Estrutura do ouvido Fonte: Black, 2002. Defesas do hospedeiro As infecções do TR podem ser adquiridas através da exposição direta do agente,

Leia mais

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck Síndromes Nefrológicas Síndrome infecciosa: Infecciosa Nefrítica Nefrótica Urêmica Hipertensiva Calculosa - infecção do trato urinário alta: pielonefrite - Infecção do trato urinário baixa: cistite, uretrite

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

MENINGITES. Manual de Instruções

MENINGITES. Manual de Instruções SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA MENINGITES Manual de Instruções Critérios

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA É A CIÊNCIA QUE ESTUDA E INVESTIGA AS ALTERAÇÕES CLÍNICAS E LABORATORIAIS, INTERLIGANDO-AS E CRIANDO COM BASE NOS ACHADOS, UMA HIPÓTESE DIAGNÓSTICA. PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA

Leia mais

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos UIPEA Gerência Geral

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA BOM DESPACHO 2011 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais INVERNO GAÚCHO - 2008 Norma Técnica T e Operacional para infecçõ ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais