GABRIELA AUGUSTA MATEUS PEREIRA ADRIANE POZZOBON VERA CRISTINA BRANDÃO DINIZ DE OLIVEIRA ANATOMIA NA PRÁTICA TESTES ISBN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GABRIELA AUGUSTA MATEUS PEREIRA ADRIANE POZZOBON VERA CRISTINA BRANDÃO DINIZ DE OLIVEIRA ANATOMIA NA PRÁTICA TESTES ISBN 978-85-8167-020-1"

Transcrição

1 GABRIELA AUGUSTA MATEUS PEREIRA ADRIANE POZZOBON VERA CRISTINA BRANDÃO DINIZ DE OLIVEIRA ANATOMIA NA PRÁTICA TESTES ISBN

2 GABRIELA AUGUSTA MATEUS PEREIRA ADRIANE POZZOBON VERA CRISTINA BRANDÃO DINIZ DE OLIVEIRA ANATOMIA NA PRÁTICA TESTES 1ª Eição Ljo, 2012

3 P429 Prir, Gril Auust Mtus Antomi n práti: tsts / Gril Auust Mtus Prir, Arin Pozzoon, Vr Cristin Brnão Diniz Olivir - Ljo : E. Univts, p. ISBN Antomi - Tsts 2. I.Título CDU: 611 Fih tlorái lor por Mristl Hilmnn Mnl CRB-10/1459 Toos os txtos são xlusiv rsponsili os utors. Cntro Univrsitário UNIVATES Ritor: Pro. Ny José Lzzri Pró-Ritor Ensino: Pro. Crlos Cnio Silv Cyrn Pró-Ritor Psquis, Extnsão Pós-Grução: Pro. Clus Htinr Pró-Ritor Dsnvolvimnto Instituionl: Pro. João Crlos Britto Pró-Ritor Aministrtivo: Pro. Oto Morshhr Eitor Univts Rvisão Finl: Ivt Mri Hmms Eitorção: Bruno Hnriqu Brun Mrlon Alu Cristóoli Cp: Bruno Hnriqu Brun Rvisão Linuísti: Vrni Zn Volni Anré Bl Ru Avlino Tllini, Cx. Postl CEP Ljo - RS - Brsil Fon/Fx: (51) Lição rtuit: E-mil: Sit: Ru Avlino Tllini, Birro Univrsitário Cx. Postl CEP , Ljo - RS, Brsil Fon: (51) Fon/Fx: (51) E-mil:

4 DADOS CADASTRAIS DOS AUTORES Gril Auust Mtus Prir CURRICULUM VITAE Gru m Linitur Pln m Ciênis Biolóis pl Pontiíi Univrsi Ctóli o Rio Grn o Sul PUCRS (1997); Mstr m Nuroiênis Gru Mstr m Ciênis Biolóis pl Univrsi Frl o RGS - UFRGS (2002). Prossor-psquisor Univrsi Lutrn o Brsil, ministr s isiplins Antomi Humn, Fisioloi Humn Ptoloi Grl nos Cursos Grução Ár Sú Bm-Estr Soil; Mirosopi Apli no Curso Espilizção m Bioloi Clulr, Histoloi Antomi Mirosópi Moroisioloi o Sistm Nrvoso no Curso Pós-Grução m Antomi Funionl por Imns; ursno Curso Suprior Tnoloi m Rioloi Méi pl Função Sint Pstous/Sril, Porto Alr-RS. Arin Pozzoon CURRICULUM VITAE Gru m Ciênis Biolóis pl Univrsi Frl Snt Mri - UFSM (2000). Mstr m Ciênis Biolóis Fisioloi pl Univrsi Frl o Rio Grn o Sul (UFRGS) (2002), Doutor m Ciênis Biolóis Fisioloi pl UFRGS (2006). Atulmnt é prossor-psquisor o Cntro Univrsitário UNIVATES, Ljo - RS, nos ursos Biomiin, Enrmm, Nutrição Fisiotrpi, lionno s isiplins Fisioloi Humn I II, Antomi Humn I II, Fisioloi Dor Bioloi Molulr. Coorn os Lortórios Antomi Humn, Fisioloi Humn Bioloi Molulr, lém oornr o urso Pós-rução m Fisioloi o Exríio o Dsporto. Vr Cristin Brnão Diniz Olivir CURRICULUM VITAE Gru m Linitur Pln m Ciênis Biolóis pl Pontiíi Univrsi Ctóli o Rio Grn o Sul PUCRS (Jniro 1992); pós-ru om mstro m Zooloi, Linh psquis m Prsitoloi Gru Mstr m Bioiênis. Prossor Antomi pli à Eução Físi, Antomi I Antomi II n Univrsi Lutrn o Brsil no príoo Funionári o Muniípio Cnos-RS.

5 Ao Conslho Eitoril Przos snhors Com stisção prsntmos or intitul, um livro inispnsávl omo ui pr s uls Antomi Humn. É prsnto om otos mtril rílio juntmnt om iniçõs struturs srm intiis rsponis plo luno. C imm é ompnh plo rito por omntários tórios rlvnts. po sr utilizo tnto omo Atls Antomi Humn pr onsult qunto omo livro tsts, pois isposição s imns o rito proporionm st onição. Além isso, os omntários importâni ntomo-líni oros pom srvir omo unmntção tóri pr s imns visulizs. É um xlnt mtril pr onsult irt ns uls prátis Antomi, pois s imns são otos os próprios molos ntômios usos m lortório. A ptur s imns o mtril rílio pl otór ontrt oi vimnt utoriz plo irtor o Lortório Antomi Ulr/Cnos plo oornor o Lortório Antomi Fisioloi o Cntro Univrsitário UNIVATES. Após rvisão litrtur, não nontrmos livro smlhnt st, qu tm omo rtrísti iáti, ili uso, orm tóri sintéti pli, visulizção os mols ntômios usos m uls prátis Antomi Humn vários píss ( miori s pçs são imports). Nosso púlio-lvo são lunos ursos rução ár Sú, omo Miin, Biomiin, Enrmm, Fisiotrpi, Fonouioloi, Ténoloo m Rioloi, Optomtri, Bioloi, Estéti Cosmtoloi, Nutrição, ntr outros, qu têm omo isiplin os smstrs iniiis Antomi Humn. Sno ssim, o prsnt livro po vir sr utilizo por um mplo orpo isnt. Além isso, por s trtr um rupo htroêno utors, qu têm tução proissionl m irnts Instituiçõs Ensino, ivulção prsnt or torn-s stnt viávl ilit. O stuo n ár Antomi Humn rqur, por vzs, ltrçõs rlions su nomnltur. Assim sno, houv proupção unmntr o ontúo m rnts ronhis ilioris no momnto pulição st or. As utors.

6 AGRADECIMENTO Armos à Univrsi Lutrn o Brsil- Cmpus Cnos/RS, à UNIVATES-RS, pl utorizção o uso os molos m rílio os rsptivos Lortórios Antomi Humn. As utors.

7 APRESENTAÇãO stin-s stunts prossors os ursos ár ioméi sú. Foi projto pr viilizr omprnsão Antomi Humn somno onhimntos nst ár, orno inormçõs unmntis, ritriosmnt slions xlusivs m rlção às ors iátis ntriormnt pulis. As otoris, rimnt lns, ilustrm muito m os sptos morolóios sistm, qu vm sr osrvos ompros om o mtril lortório, pr lpir o prnizo isnt. Os omntários loros m pítulo nriqum o onhimnto prátio. São inormçõs ásis qu sprtm o intrss prmitm ssoição o onhimnto prátio-tório, unmntl no prnizo Antomi Humn. As utors.

8 Sumário I Grl Linhs vrtiis orintção o psoço Linhs trnsvrsis ivisão vi ominl Riõs ominis Torso - vist ntrior qurnts ominis Torso - vist ntrior Torso - pr ntrior o toráx rmovi - vist ntrior Torso - pulmõs m ort - vist ntrior Torso - orção ío rmovios - vist ntrior Torso - orção, stômo ío rmovios - vist ntrior Torso - vist ntrior pr ominl postrior pr ntrior rmovi...20 II SISTEMA NERVOSO Nurônio - Uni morounionl o tio nrvoso Axônio inh milin Fir nrvos m ort trnsvrsl Exposição o tlnélo no rânio - vist ltrl Tlnélo squro - vist suprior Tlnélo - vist suprior Enélo - vist ltrl squr Hmisério squro - vist intrn Foo ntrl o hmisério irito - ort sitl Mol os vntríulos (st) - vist ltrl Mol os vntríulos (st) - vist suprior Smnto mul spinl - vist ntrior Smnto mul spinl - vist postrior Smnto moulr rvil - vist suprior Órit ontúo - vist ntrior Bulo o olho - vist ltrl Cort sitl o ulo o olho Pvilhão uitivo squro - vist ltrl Orlh intrn squr - vist suprior...40 III SISTEMA CARDIOVASCULAR Corção vsos s vist ntrior Corção - vist ntrior Corção vist postro inrior Corção vist inrior Bs o orção om átrio squro rmovio Corção vist intrn Sistm vntiltório rlçõs vist ntrior Artéris vis ç o psoço - vist ântro ltrl Artéris vis o mmro suprior I Artéris vis o mmro suprior II Artéris vis pr ominl postrior Artéris vis o mmro inrior...53

9 IV SISTEMA VENTILATÓRIO Pulmõs, orção lrin - vist ntrior Pulmõs m ort, lrin vsos - vist ntrior Pulmõs m ort, mistino vsos - vist ntrior Árvor trquorônqui - vist ntrior Árvor trquorônqui vist postrior Hmiç Sção sitl Lrin I - vist ntrior - vist ltrl Lrin II - vist ltrl - vist intrn...62 V SISTEMA DIGESTÓRIO F psoço ort sitl Esôo in situ om orção, ío stômo rmovios - vist ntrior Estômo in situ om ío rmovio vist ntrior Vísrs ominis vist ntrior Trnsição ílo-l vist ntrior Fío vist ntrior Fío vist postro inrior Pânrs vist ntrior intrn Duono m ort vist ntrior...72 VII SISTEMA URINÁRIO Sistm urinário - vist ntrior Sistm urinário - vist postrior Rim irito - vist ntrior Rim irito m ort - vist ntrior Rim irito m ort tlh ms - vist ntrior Bxi msulin vist intrn...86 Grito Biliori VI SISTEMA GENITAL Plv minin pr Ltrl squr rmovi Plv minin - ort sitl mino Plv minin tlh útro ort sitl mino Plv msulin ort prssitl Bxi msulin m sintopi Plv msulin ort sitl mino...79

10 I Grl 1. Linhs vrtiis orintção o trono 2. Linhs trnsvrsis ivisão vi ominl 3. Riõs ominis 4. Torso vist ntrior Qurnts ominis 5. Torso vist ntrior 6. Torso Pr ntrior o tórx rmovi vist ntrior 7. Torso - Pulmõs m ort vist ntrior 8. Torso - Corção ío rmovios vist ntrior 9. Torso - Corção, stômo ío rmovios vist ntrior 10. Torso vist ntrior pr ominl postrior pr ntrior rmovi 10

11 1. Linhs vrtiis orintção o psoço 1. LINHAS VERTICAIS DE ORIENTAÇÃO DO TRONCO Linh méi ntrior: Linh strnl: Linh prstrnl: Linh hmilviulr: Linh xilr ntrior: Linh xilr postrior: linh ntrl ntrior o trono qu trvss o ntro o osso strno. o lono or o osso strno. ntrl ntr s linhs strnl hmilviulr. trvss o ponto méio lvíul. Além sts xistm s suints linhs (não xiis n imm): n ltur pr xilr ntrior. no ntro pr xilr postrior. Linh min postrior: n prt postrior o trono n ltur os prossos spinhosos. Linh prvrtrl: n ltur os prossos trnsvrsos. Linh spulr: trvss o ânulo inrior sápul. ) ) 11

12 Linhs trnsvrsis ivisão vi ominl LINHAS TRANSVERSAIS DA DIVISÃO DA CAVIDADE ABDOMINAL Plno trnspilório: Plno suostl: Plno suprristl: Plno intrturulr: Plno intrspinl: (não mostro n imm) pss plo ponto méio ntr s ors supriors sínis púi o mnúrio o osso strno. pss no nívl mis inrior o roro ostl (éim ostl). ntr os pontos mis supriors s rists ilís. n ltur os ois tuérulos ilíos. pss o nívl s spinhs ilís ntrossupriors. ) ) 12

13 3. Riõs ominis 3. REGIÕES ABDOMINAIS A ivisão s riõs ominis é um rrêni líni pr srvr lolizção os órãos ou ptolois rlions. As nov riõs são limits por qutro plnos: ois sitis ois trnsvrsos. Os plnos sitis usos rlmnt são os méio-lviulrs (o ponto méio s lvíuls té os pontos mioinuinis). Os plnos trnsvrsos mpros rlmnt são os plnos suostl (trvss mrm inrior éim rtilm ostl lo) intrturulr (trvss os tuérulos ilíos). A vrição oorr quno são solhios os plnos smilunrs omo sitis (ruzm os sulos supriiis s ltris os músulos rtos o om) os plnos trnspilório (ntr s mrns supriors o mnúrio o strno sínis púi intrspinl (trvss s spinhs ilís ntrossupriors) omo trnsvrsos. j k ) ) h i l ) h) i) j) ) k) l) 13

14 4. Torso - vist ntrior qurnts ominis 4. TORSO - VISTA ANTERIOR QUADRANTES ABDOMINAIS Qurnt suprior irito: loo irito o ío, vsíul ilir, piloro o stômo, uono (1ª 3ª prts), ç o pânrs, lânul suprrrnl irit, rim irito, lxur hpáti irit o olo, prt suprior o olo snnt, mt irit o olo trnsvrso. Qurnt suprior squro: loo squro o ío, ço, stômo, jjuno ílo proximl, orpo u o pânrs, rim squro, lânul suprrrnl squr, lxur óli squr, prt suprior o olo snnt. Qurnt inrior irito: o, pêni vrmiorm, mior prt o ílo, prt inrior o olo snnt, ovário irito, tu utrin irit, urtr irito prt ominl, uníulo sprmátio irito (prt ominl), útro (quno umnto), xi. Qurnt inrior squro: olo simoi, olo snnt pr inrior, ovário squro, tu utrin squr, urtr squro (prt ominl), uníulo sprmátio squro (prt ominl), xi (quno muito hi). ) ) 14

15 5. Torso - vist ntrior 5. TORSO - VISTA ANTERIOR O orpo é ivio m riõs: ç, trono (tórx, om plv), mmro suprior (ínulo prt livr os mmros supriors) mmro inrior (ínulo prt livr os mmros inriors). A ivisão unionl s á por sistms órãos: prlho loomotor (ossos rtiulçõs musultur squléti stri; vísrs (sistms riovsulr, hmolinátio, nórino, vntiltório, istório, urinário, nitl msulino nitl minino); sistm nrvoso (sistm nrvoso ntrl priério órãos os sntios) pl sus nxos. Além sts ivisõs ris são onsirs tmém s vis sross spços o tio onjuntivo. Cvis sross: torái (om s vis plurl priári vi ominopélvi (om s vis pritonl pélvi. Espços tio onjuntivo: ntr os olhtos intrmiário prouno ási rvil; mistino; spço xtrpritonl (om spço rtropritonl supritonl) ols vis sinoviis. h l j m n k i ) ) h) i) j) k) ) l) ) m) n) 15

16 6. Torso - pr ntrior o toráx rmovi vist ntrior 6. TORSO - PAREDE ANTERIOR DO TORÁX REMOVIDA - VISTA ANTERIOR A pr torái (n imm rmovi é ompost pl ix torái, músulos, pl, tio suutâno, músulos ási qu orm supríi ntro ltrl. As msms struturs qu orm supríi postrior são onsirs o orso. As lânuls mmáris stão no tio suutâno pr torái. Os pulmõs são visulizos m vist ntrior om sus loos issurs; têm prêni ros-lro m rinçs m inivíuos ultos não umnts qu vivm m mints não poluíos. A usultção prussão o tórx são xms línios importnts pr vlir o luxo r ronhr prsnç r ou líquios nos tios sujnts. Visuliz-s n imm vist ntrior irmáti o ío os loos hpátios irito squro, lém o limnto liorm ) 3 ) ) 1 ) 2 ) 1 ) 2 ) ) 16

17 Torso - pulmõs m ort vist ntrior TORSO PULMÕES EM CORTE VISTA ANTERIOR A vi torái é ivii m mistino um pr vis pluris. O tórx ontém o orção, os pulmõs o sôo inúmros ixs nrvos vsos snuínos. Dvio o ulmnto o músulo irm, s vis torái ominl s sorpõm no plno horizontl. Por isto, lsõs prurnts pr torái pom tr ms s vis simultnmnt ns lsõs multivitáris. O omnto mior é um uplição o pritôno m orm vntl qu s oriin n urvtur mior o stômo ix-s no olo trnsvrso o intstino rosso. É xtnsmnt móvl, tnto qu rrmnt oorrm rênis pós-irúris ou pós-inlmçõs lois. É rquntmnt oupo por linonoos, tno unção s imunolói. h i i 2 1 j k l 1 ) 2 ) 1 ) 2 ) 1 ) 2 ) ) h) i 1 ) i 2 ) j) ) k) l) 17

18 8. Torso orção ío rmovios VISTA vist ANTERIOR ntrior 8. TORSO - CORAÇÃO E FÍGADO REMOVIDOS Com o orção rmovio, o mistino stá visívl n imm, ssim omo o sôo prt torái ort. N vr, vio à ssimtri o mistino su xpnsão nos três plnos o orpo, não xist um rprsntção ntômi om um visão simultân tos s struturs qu o ompõm. A ort prsnt rlçõs ntômis vris urnt su vi: prt snnt no mistino méio, sui no mistino suprior ormno o ro om um urvtur pr squr m sui m um suár o mistino inrior, pois vntrl m rlção à trqui o sôo. O stômo é um órão intrpritonl portnto stnt móvl sliznt m rlção os órãos jnts. Por mio sus s splêni, suprrrnl, pnráti, hpáti, rnl olomsoóli sts órãos pom s tinios por úlrs ou tumors mlinos ástrios vio o ontto muito próximo. h i 1 i 2 ) i 1 ) i 3 j k ) i 2 ) i 3 ) i 4 i 5 ) i 4 ) i 5 ) j) ) h) k) 18

19 Torso - orção, stômo ío rmovios REMOVIDOS - VISTA ANTERIOR vist ntrior 9. TORSO - CORAÇÃO, ESTÔMAGO E FÍGADO 9. i O sôo prsnt três smntos: prt rvil, torái ominl. A pssm trvés o irm oorr ixo o prosso xioi o osso strno (onstrição irmáti. A prt torái loliz-s orslmnt té iurção trqui; pois s projt irtmnt trás o priário su à irit prt snnt ort. N rião imitmnt im o irm o sôo é ntrior à ort, nts su pssm plo hito soáio. Emrioloimnt trqui oriin-s um rotmnto o sôo hvno, urnt um s o snvolvimnto, mpl onxão ntr s us struturs. Em sos lh no hmnto isiolóio po surir um ístul trquosoái, osionno pnumonis riivnts pl pssm o limnto pr trqui. O ço é um órão intrpritonl loliz-s n porção suprior squr ominl su posição é pnnt rspirção, vio à su posição inrior muito próxim o irm. Um ço sio, não umnto, rlmnt não é plpávl. h ) ) ) h) i) ) 19

20 10. Torso - vist ntrior pr ominl postrior 10.TORSO pr - ntrior VISTA ANTERIOR rmovi DA PAREDE ABDOMINAL POSTERIOR E PAREDE ANTERIOR REMOVIDA N imm m vist vntrl o om plv minin, os órãos ominis o sistm istório orm rmovios, ssim omo xi, vinino prt ntrior pr ominl postrior. O irm posiion-s n trnsição toroominl é ivio ns porçõs lomr, ostl strnl. Possui rturs pr pssm o sôo, vi v inrior ort. N ruptur irmáti (hérni), s vísrs ominis pntrm n vi torái, sno o hito soáio o ponto mis omum hrnição (hérni hito). Os rins s lânuls suprrrnis são struturs rtropritonis primáris, insris n ápsul ipos, loo ixo o músulo irm, o qu z om ls s movm urnt os movimntos rspirtórios. A ptos (qu é um umnto ptolóio moili rnl, tlvz por pr ápsul iros ou mtásts irnts orins. O hilo o rim squro situ-s próximo o plno trnspilório st trvss o polo suprior o rim irito, qu stá proximmnt 2,5 m mis inrior o qu o polo squro. h i j ) ) ) h) k i) j) ) k) 20

21 II SISTEMA NERVOSO 1. Nurônio Uni morounionl o tio nrvoso 2. Axônio inh milin 3. Fir nrvos m ort trnsvrsl 4. Exposição o tlnélo no rânio vist ltrl 5. Tlnélo squro vist suprior 6. Tlnélo vist suprior 7. Enélo vist ltrl squr 8. Hmisério squro vist intrn 9. Foo ntrl o hmisério irito ort sitl 10. Mol os vntríulos (Cst) vist ltrl 11. Mol os vntríulos (Cst) vist suprior 12. Smnto mul spinl vist ntrior 13. Smnto mul spinl vist postrior 14. Smnto mul rvil vist suprior 15. Órit ontúo vist ntrior 16. Bulo o olho vist ltrl 17. Cort sitl o ulo o olho 18. Pvilhão uitivo squro vist ltrl 19. Orlh intrn squr vist suprior 21

22 1. 1. NEURÔNIO Nurônio Uni moro-unionl DO TECIDO NERVOSO o tio nrvoso UNIDADE MORFO-FUNCIONAL O nurônio rprsnt uni ási o sistm nrvoso onsist m um orpo lulr, o priário, o qul prtm ois tipos prolonmntos: os nritos o xônio. Os nritos são prossos inos rmiios qu rprsntm porção rptor o nurônio (sinis ntr, on oorrm s sinpss om outros nurônios. Els umntm ár supríi os nurônios, mis in, s no sistm nrvoso ntrl (SNC) possuírm spinhos nrítios (ED). Os ED pom unionr omo omprtimntos inpnnts, nvino sinis i volt pr outros nurônios no nélo. Munçs n moroloi os ED stão rlions o prnizo, à mmóri onçs nétis nrtivs. ) ) ) i h h) i) ) 22

23 2. Axônio inh milin 2. AXÔNIO E BAINHA DE MIELINA Os xônios rprsntm o smnto projção ou sí o nurônio onuzm os impulsos pr outros nurônios ou outrs éluls. Os xônios o SNC são nvolvios por um inh milin, qu z om qu onução os impulsos nrvosos sj prop om mior vloi. Isto ont por us onução slttóri os impulsos nrvosos plos nós Rnvir. No SNC milin é orm pls éluls Shwnn no sistm nrvoso priério (SNP), plos olionróitos. ) ) ) 23

24 Fir nrvos 3. m ort trnsvrsl. FIBRA NERVOSA EM CORTE TRANSVERSAL O to os xônios srm nvolvios por um inh milin z om qu ls tnhm um isolmnto létrio, irionno, ssim, os impulsos nrvosos umntno su vloi propção. O nonuro é omposto por inos síulos irs oláns isposts lonituinlmnt qu nvolvm ir nrvos. No SNC um únio olionróito nvolv vários xônios, nqunto qu no SNP um élul Shwnn nvolv somnt um xônio. ) ) 24

25 4. Exposição o tlnélo no rânio - vist ltrl 4. EXPOSIÇÃO DO TELENCÉFALO NO CRÂNIO VISTA LATERAL O nélo é ormo plo érro, rlo trono nálio. Assim qu lvári ur-mátr são rmovis, im visívis os iros (prs), sulos issurs o órtx rrl. O érro inlui os hmisérios rris os núlos s. A ur-mátr (pquimnin) é mnin mis xtrn, nvolv o nélo mul spinl. No nélo é ompost plo xtrto ósso o xtrto mníno qu, o s sprrm, ormm s ois os sios uris. O trumtismo rnino po provor hmorri piurl, o snu rtéri mnín méi umul-s ntr lâmin priostl xtrn ur lvári (hmtom pi ou xtrurl). A hmorri surnoi é o xtrvsmnto snuíno no spço surnoio (ESA) rsult, n miori s vzs, ruptur nurism rtéri róti intrn. Est tipo hmorri po rr sintoms omo riiz nul, li pr onsiêni. Os ossos o nurorânio volvm o nélo ormm lot rnin s o rânio: rontl, pritl, tmporl, oipitl, snoi tmoi. h ) ) ) ) h) 25

26 5. Tlnélo squro vist suprior 5. TELENCÉFALO ESQUERDO VISTA SUPERIOR Grlmnt, o sulo ntrl é ontínuo prorr oliqumnt súpro-ltrl o hmisério rrl, spr o loo rontl o loo pritl (spiimnt, spr o iro pré-ntrl o pós-ntrl). Inii-s n mil o hmisério, proximmnt no mio su or orsl, prtir st ponto, iri-s pr int ixo, m irção o rmo postrior o sulo ltrl. O iro pré-ntrl (pré-rolânio) ou ár motor M1 prsnt o mpmnto motor o orpo, o Homúnulo motor, sno rsponsávl pl motrii voluntári. O iro pós-ntrl (pós-rolânio) ou ár snsoril S1 possui o homúnulo snsitivo é rsponsávl pl prpção onsint snsiili orporl. ) ) orsl orsl 26

27 6. Tlnélo vist suprior 6. TELENCÉFALO - VISTA SUPERIOR A supríi o tlnélo é mr por sulos qu jum limitr os loos rris. Os loos rontl, pritl, tmporl oipitl rm su nominção oro om os ossos o rânio, om os quis s rlionm. No loo rontl lolizm-s o órtx motor primário, ár ssoição motor (órtx pré-motor) ár pré-rontl ssoição; no loo pritl stão o órtx snsoril primário ár ssoição snsoril; no loo oipitl loliz-s ár ssoição visul o órtx visul. h k j i ) ) ) h) i) j) orsl ) k) 27

28 7. Enélo vist ltrl squr 7. ENCÉFALO VISTA LATERAL ESQUERDA O sulo ltrl é prouno inii-s n s o érro, sprno o loo rontl o loo tmporl iri-s pr supro ltrl o érro, on trmin, iviino-s m três rmos: snnt, ntrior postrior. O sulo tmporl suprior inii próximo o polo tmporl iri-s pr trás prllmnt o rmo postrior o sulo ltrl, trminno no loo pritl. O iro tmporl suprior loliz-s ntr o sulo ltrl o sulo tmporl suprior. No su trço postrior, n trnsição om o loo pritl, loliz-s ár Wrnik, nvolvi n prpção linum. Su lsão trmin iiêni omprnsão tnto linum l omo srit. O iro tmporl méio loliz-s ntr os sulos tmporl suprior o tmporl inrior. ) ) ) h) h i k j ) i) j) k) 28

29 8. Hmisério squro vist intrn 8. HEMISFÉRIO ESQUERDO VISTA INTERNA O hipotálmo ontrol o sistm nrvoso utônomo snvolv unçõs omo mnutnção onsrvção tmprtur orporl, ontrol hírio rulção limntção. Tm onxão om lânul hipóis trvés o sistm port-hipoisário. A lânul pinl z prt o pitálmo lir mltonin, um hormônio inutor o sono. O tálmo é onstituío por us msss ovois unis pl rêni intrtlâmi; tos s vis snsitivs, xto oltóri, pssm plo tálmo nts hrm o órtx s tornrm onsints. Além isto, o tálmo tm nvolvimnto om motrii, o omportmnto moionl om tivção o órtx rrl. Os plxos orois são struturs lolizs no intrior os vntríulos nálios prouzm líquio rrospinl (LCE). ) ) k h i j ) h) i) j) ) k) 29

30 9. Foo Cntrl o hmisério irito - ort sitl 9. FOCO CENTRAL DO HEMISFÉRIO DIREITO CORTE SAGITAL i O sio rto loliz-s n linh junção oi o érro om o tntório o rlo. El é um os sios óo rnin r snu vnoso s vis prouns por mio vi mn ( Glno). A istrn quriminl loliz-s postriormnt o msnélo é um iltção o spço surnoi, por on irul o líquio rrospinl (LCE). Os nrvos oulomotors (III) pntrm n órit pl issur suprior inrvm luns os músulos xtrínsos intrínsos o olho. A hipóis situ-s n sl tur o osso snoi, suprior o sio snoil (por on muits vzs são rlizos ssos irúrios pr rmoção tumors), é suivii m loo ntrior (no-hipóis) loo postrior (nuro-hipóis). ) h j ) ) h) i) ) j) 30

31 10. Mol os vntríulos (st) vist ltrl 10. MOLDE DOS VENTRÍCULOS (CAST) VISTA LATERAL i O nélo mul spinl são irunos por líquio rrospinl (LCE) qu é prouzio no intrior os vntríulos, plos plxos orois. Os vntríulos ltris, o triro o qurto vntríulo prsntm omuniçõs pr qu o LCE poss irulr, sno sí st pr o spço surnoio no qurto vntríulo trvés os orms Mni o orm Lusk. As rturs ssolho oss méi rnin pom provor pr LCE plo mto ústio xtrno, quno houvr ruptur mnin im orlh méi mmrn timpâni. Já s rturs no ssolho oss ntrior pom nvolvr lâmin riiorm o tmoi provor pr LCE plo nriz. A hiroli ostrutiv oorr pl proução xssiv LCE, pl ostrução su luxo ou pl intrrêni n su sorção. N hiroli omunint o luxo o LCE pr o sistm vnoso po sr prilmnt ostruío, tlvz pl usêni onênit s rnulçõs rnois ou por ostrução sts rnulçõs vio à hmorri surnoi. ) h ) ) h) i) ) 31

32 Mol os vntríulos (st) MOLDE DOS vist VENTRÍCULOS suprior (CAST) VISTA SUPERIOR Prprçõs mols rílios rprsntm m s orms s omuniçõs ntr os vntríulos: orm intrvntriulr ntr os vntríulos ltris o qurto vntríulo quuto o msnélo ntr o triro o qurto vntríulo. O LCE é prominntmnt prouzio nos qutro vntríulos, ms tmém plo pênim. Em rts ptolois, omo iminuição sustâni náli n onç Alzhimr, o sistm vntriulr torn-s ilto o inóstio po sr ito pl mi o volum st sistm m imns sions o nélo. Órãos, árs struturs qu têm rlção ntômi om os vntríulos (irunvntriulrs): órão vsulr lâmin trminl, órão suorniil, órão suomissurl ár postrm, lém nuro-hipóis, o plxo oroi o orpo pinl. ) ) ) 32

33 Smnto mul spinl SEGMENTO vist DA ntrior MEDULA ESPINAL VISTA ANTERIOR O suprimnto rtril mul spinl é ormo por um sistm horizontl um sistm lonituinl, qu st o horizontl. O sistm lonituinl onsist n rtéri spinl ntrior, qu é ímpr vntrl n mul spinl um pr rtéris spinis postriors, lolizs n supríi orsl. A orim sts us rtéris é rnil, s rtéris vrtris. As rtéris spinis n rião rvil rm suprimnto s rtéris vrtris ns mis riõs, o snu h pls rtéris smntrs ort. Durnt o snvolvimnto ormm-s 31 rtéris smntrs (pr os 31 smntos mulrs), ms, o lono o tmpo sorm rrssão prmnm proximmnt sis rmos ntriors 12 rmos postriors. As rtéris riulrs stnm-s horizontlmnt s rmiim m orm T pr suprir s rtéris spinis (lonituinis). ) ) 33

34 13. Smnto mul spinl vist postrior 13. SEGMENTO DA MEDULA ESPINAL VISTA POSTERIOR A rnm vnos um smnto mul spinl s á por mio s vis spinis ntrior postrior. Ests vis têm lolizção no intrior pi-mátr onuzm o snu pr o plxo vnoso vrtrl intrno por mio s vis riulrs. O plxo loliz-s no tio iposo o spço piurl nvolv intrnmnt o nl vrtrl. Entr s árs rnm s vis ntriors postriors xistm nstomoss qu mntêm um prssão intrvnos onstnt. N rião mul rvil o snu rn pr vi vrtrl, qu smo n vi v suprior; n mul torái o snu é rno pr s vis introstis (triutáris vi v suprior) por mio os sistms ázio hmiázio. As vis riulrs xistm m pns luns smntos mul há vrição ntr os inivíuos. Vis piuris nos nis srl lomr: o plxo vnoso vrtrl intrno st rião é onto om o plxo vnoso próstt, quno éluls um rinom prostátio invm o plxo vnoso próstt, pom mirr ilmnt pr o plxo vnoso srl struir o tio ósso próximo à rião. ) ) 34

35 SEGMENTO MEDULAR CERVICAL Smnto VISTA SUPERIOR moul rvil vist suprior 14. SEGMENTO MEDULAR CERVICAL VISTA SUPERIOR N olun postrior lolizm-s os nurônios snsitivos, n olun ltrl os nurônios simpátios prssimpátios (motors visris) n olun ntrior os nurônios motors. No orno ltrl (olun ntrior) situm-s os nurônios simpátios, os quis somnt são nontros n olun rvil inrior, n mul torái n mul lomr suprior. Nos síulos ráil uniorm lolizm-s s irs pr propiopção onsint snsiili utân in. No síulo ráil, s irs provêm o mmro inrior no síulo uniorm, os mmros supriors. Os ois síulos têm ornizção somtotópi. ) i i h h ) ) h) i) j j ) j) 35

36 15. Órit ontúo vist ntrior 15. ÓRBITA E CONTEÚDO - VISTA ANTERIOR j A slr z prt túni iros o olho or ormto rsistêni o ulo o olho ixção pr os músulos xtrínsos intrínsos. A íris ompõ túni vsulr é um irm ontrátil om um rtur ntrl, pupil, qu prmit pssm luz. O músulo síntr pupil xut su hmnto por stímulo prssimpátio o músulo iltor pupil rliz rtur pupil, por stímulo simpátio. O rlxo luminoso pupilr é um xm nurolóio qu nvolv o rmo rnt o nrvo óptio (II) o rmo rnt o nrvo oulomotor (III), rspost é rápi onstrição pupilr iltrl n iniêni um ix luminoso. O primiro sinl omprssão no nrvo oulomotor po sr lntião ipsiltrl rspost o oo luz. O músulo rto suprior lv, uz ir milmnt o ulo o olho o músulo rto mil z ução; os ois são inrvos plo nrvo oulomotor; o músulo olíquo suprior uz, ix ir milmnt o ulo o olho sor inrvção o nrvo trolr (IV). k l h i ) ) ) h) i) j) ) k) l) 36

37 16. Bulo o olho vist ltrl 16. BULBO DO OLHO- VISTA LATERAL k O músulo rto inrior ix, uz ir milmnt o ulo o olho; o músulo olíquo inrior z ução, lvção o iro ltrl. Os ois são inrvos plo nrvo oulomotor. O músulo rto ltrl uz o ulo o olho sor inrvção o nrvo unt (VI). A orioi é um m sur mrrom-vrmlh loliz ntr slr rtin orm mior prt túni vsulr o ulo o olho rvst mior prt slr. Extrmmnt vsulriz rsponsávl plo suprimnto oxiênio nutrints, st m é rsponsávl plo rlxo o olho vrmlho, qu oorr n otori om uso lsh. i h ) ) ) h) j i) j) ) k) 37

38 17. Cort sitl o ulo o olho 17. CORTE SAGITAL DO BULBO DO OLHO A rtin ompõ túni intrn o ulo o olho prsnt um prt ópti om os strtos nrvoso pimntoso. A prt rtin é um ontinui o strto pimntoso um m éluls sustntção sor o orpo ilir supríi postrior íris. O uno rtin é porção postrior o ulo o olho ontém o iso o nrvo óptio, um rião primi irulr por on s irs snsitivs os vsos ntrm no ulo o olho. Por não ontr otorrptors st rião é insnsívl à luz, por isso, nomin ponto o. A or srrt limit o término prt otossnsívl rtin s onorm omo um mrm irrulr postrior o orpo ilir. O orpo ilir un orioi à irunrêni íris r ixção pr lnt. Além isto, ontrção o rlxmnto o músulo liso o orpo ilir ontrol spssur lnt os prossos ilirs srtm o humor quoso, qu irá prnhr s âmrs ntrior postrior o olho. ) ) ) ) 38

39 18. Pvilhão uitivo squro 18. PAVILHÃO vist ltrl AUDITIVO ESQUERDO VISTA LATERAL Cort rontl: pvilhão orlh intrn A orlh xtrn é ompost plo pvilhão uitivo, mto ústio xtrno (MAE) mmrn timpâni. A onh orlh ontém um pl rtilín qu orm um unil sonoro, por on são ris s ons sonors, postriormnt, trnsmitis por mio o MAE té mmrn timpâni, qu orm o limit om orlh méi. Os nrvos rninos qu prtiipm inrvção orlh xtrn são os triêmio (V), il (VII) lossoríno (IX). Como o nrvo vo (X) tmém prtiip inrvção o MEA por mio su rmo uriulr, é possívl qu limpz mâni (lvm) o mto poss usr toss ânsi vômito. O MEA tm proximmnt três ntimtros um porção rtilín um porção óss. N rtilín stão isposts inúmrs lânuls sás ruminoss. h A tu uitiv z omunição ntr orlh méi rin. Possui um prt óss loliz n porção ptros o osso tmporl um rtilín, qu s stn té rin. A rção tu provo o quilírio ntr prssão tmoséri n orlh méi prssão xtrn, ssnil pr o unionmnto mmrn timpâni. A rtur o óstio tu oorr pl ção os músulos o véu pltino (tnsor lvntor o véu pltino) o músulo slpinoríno. ) ) ) i j ) h) i) j) 39

40 19. ORELHA INTERNA ESQUERDA 19. ORELHA INTERNA ESQUERDA 19. h h Orlh intrn squr VISTA SUPERIOR VISTA vist SUPERIOR suprior i i A orlh intrn loliz-s n porção ptros o osso tmporl é orm plo lirinto mmrnáo situo no intrior o lirinto ósso. A ól é um strutur óss qu nvolv o lirinto olr om o uto olr um uto mmrnáo ( ól ontém o órão spirl Corti). Ests struturs ompõm o órão uição. O órão o quilírio é ormo plo lirinto vstiulr om os utos smiirulrs, o sáulo o utríulo, os quis possum pitélio snsoril. C nl smiirulr é nvolto por um nl ósso, o sáulo o utríulo lolizm-s no intrior um ápsul óss omum, o vstíulo. O lirinto ósso é prnhio por prilin o lirinto mmrnáo por nolin. O ápi ól irion-s pr rnt ltrlmnt, os nis smiirulrs orintm-s m um ânulo 45 m rlção os plnos sitl, rontl trnsvrsl ç. O onhimnto posição sss nis é importnt n prov térmi o xm intri- Cort rontl: pvilhão orlh intrn Cort rontl: pvilhão orlh intrn unção o órão vstiulr. Quno ç o pint m úito orsl é lv 30, o nl smiirulr horizontl vi pr o posição vrtil. A lvm o MAE om áu morn ri ri um orrnt térmi qu é intii plo nistmo vstiulr (rlxo vstiuloolr). ) ) ) ) h) i) 40

41 III SISTEMA CARDIOVASCULAR 1. Corção vsos s vist ntrior 2. Corção vist ntrior 3. Corção vist postro inrior 4. Corção vist inrior 5. Bs o orção om átrio squro rmovio 6. Corção vist intrn 7. Sistm vntiltório rlçõs vist ntrior 8. Artéris vis ç o psoço vist ntroltrl 9. Artéris vis o mmro suprior I 10. Artéris vis o mmro suprior II 11. Artéris vis pr ominl postrior 12. Artéris vis o mmro inrior 41

42 1. 1 Corção vsos s vist ntrior 1. CORAÇÃO E VASOS DA BASE VISTA ANTERIOR h 1 h 2 n 1 o 1 m 1 m 2 l 1 h 2 i 2 j n 2 o O orção onstitui o órão ntrl o sistm riovsulr; loliz-s no mistino méio, sno rvstio por um so irossroso hmo priário. É onsiro um om musulr utorrulor pz proplir r ino litros snu por minuto. O tio río é ormo por um sros rvstimnto, o piário, um m intrmiári orm por músulo strio, o mioário m mis intrn qu stá m ontto om o snu, o noário. O orção é ivio m qutro âmrs: ois átrios ois vntríulos, prsntno um s orm priniplmnt plo átrio squro um ápi ormo plo vntríulo squro. Do orção mrm hm os rns vsos qu ompõm o sistm riovsulr. O mioário o piário são suprios plo sistm oronário, ujos vsos mrm ort snnt rmiino-s pr suprir o tio. A rnm vnos é it pls vis rís. A ort mr o vntríulo squro ivi-s m ort snnt, ro ort ort snnt. Do ro ort mrm o trono rquioálio qu s ivi m rtéri róti omum irit rtéri sulávi irit rtéri róti omum squr rtéri sulávi squr. No vntríulo irito st-s o on rtril qu onuz o trono pulmonr. A vi v suprior smo no átrio irito sno orm pl união s vis rquioális irit squr. 1 k r p q 2 1) 2) 1) 2) ) 1) 2) 1) 2) 3) h) h1) h2) i) j) k) l) m1) m2) n1) n2) o1) o2) p) q) r) 42

ADRIANE POZZOBON GABRIELA AUGUSTA MATEUS PEREIRA LEONARDO JUNG ANATOMIA NA PRÁTICA SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO ISBN 978-85-8167-109-3

ADRIANE POZZOBON GABRIELA AUGUSTA MATEUS PEREIRA LEONARDO JUNG ANATOMIA NA PRÁTICA SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO ISBN 978-85-8167-109-3 ADRIANE POZZOBON GABRIELA AUGUSTA MATEUS PEREIRA LEONARDO JUNG ANATOMIA NA PRÁTICA SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO ISBN 978-85-8167-109-3 Arin Pozzoon Gril Auust Mtus Prir Lonro Jun Antomi n práti: Sistm Musulosqulétio

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL LL LTVIST PRÂMTRO IMGM SÍNTS UNIONL NTORNO IDNTIIR RLÇÃO DO DIÍIO OM OS LMNTOS D NTORNO, ONSIDRNDO OS TRIUTOS DO LUGR - MSSS DIIDS, RLÇÕS D PROXIMIDD, DIÁLOGO, INTGRÇÃO OU UTONOMI LL DIGO RIVR LL LRO LL

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Conversor BCD-7 Segmentos SSI

Conversor BCD-7 Segmentos SSI Tnoloi os Computors 2002/2003 Trlho Prátio n o 3 Trlho Prátio n o 3 Projto Funçõs Lóis Cominionis Convrsor BCD-7 Smntos SSI 1 Introução Est trlho tm omo ojtivo: introuzir o onito Esl Intrção (Sl o Intrtion)

Leia mais

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E 1ª limintóri 2012 Est tst é onstituío por 30 qustõs qu orm ivrss tmátis Biologi. Li s qustõs tntmnt slion opção orrt unimnt n Folh Rsposts, mrno- om um X no quro rsptivo. O tst tm urção máxim 90 minutos.

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 EDITAL INTRODUÇÃO A prtir 2009, o IAB RJ pssrá onsirr o onito Dsnvolvimnto Sustntili, omo orgm romnávl n proução o rquitto, o urnist o stunt sts árs, ontmplno s

Leia mais

MODALIDADE CATEGORIA SEXO FUTSAL INFANTO FEMININO

MODALIDADE CATEGORIA SEXO FUTSAL INFANTO FEMININO RÇÃO SRIPN SPORTOS SOLRS ILI ONRÇÃO RSILIR SPORTOS SOLRS Tel. (79) 9807-8088 / 8847-4387 / 9192-9367 -mail: fsde@fsde.com.br JOOS SOLRS TV SRIP 2015 UTSL MOLI TORI SXO UTSL INNTO MININO RUPO ÚNIO 1 - M

Leia mais

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a m pgou n port s m ixou no sritório. ) Eu tinh bo sir s quno toou o lulr pri pr tnê-lo. Er mu hf, izno qu u stv trso pr um runião. Minh sort é qu nss momnto stv pssno um táxi. Ani pr l pouos minutos pois

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GVIÇÃO UNIVESL z- u ci féric u fr chubo rio, l qu u uprfíci ngnci uprfíci xrn fr chubo p plo cnro priii fr chubo r D coro co Li Grição Unirl, qul rá forç co qu fr chubo rirá u pqun fr locliz à iânci, o

Leia mais

Guia para instalação e utilização

Guia para instalação e utilização Gui pr instlção utilizção Aprlho r oniiono om sistm VRV IV RYYQ8T7Y1B RYYQ10T7Y1B RYYQ12T7Y1B RYYQ14T7Y1B RYYQ16T7Y1B RYYQ18T7Y1B RYYQ20T7Y1B RYMQ8T7Y1B RYMQ10T7Y1B RYMQ12T7Y1B RYMQ14T7Y1B RYMQ16T7Y1B

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rlmnr rl Nots ul Fís. ENOPI E SEGUN LEI EMOINÂMI... POESSOS EESÍEIS E IEESÍEIS... MÁUINS ÉMIS... Um máqun rnot... Eên um máqun rnot...6 EFIGEOES...6 EOEM E LUSIUS...7 SEGUN LEI EMOINÂMI...9 Enuno

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Propost Plno Crrir pr os Srviors o Por Juiiário União ANATA Assoição Nionl os Anlists, Ténios Auxilirs o Por Juiiário Ministério Púlio União Li nº, 0 Institui o Plno Crrir os srviors o Por Juiiário União

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES Polems Resolvios e Físi Pof. Aneson Cose Guio Depto. Físi UFES HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES 16. N som A + = C, o veto A

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Nervoso Autônomo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de Aprendizagem

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E OPÇÕES - ANEXO 1

TABELA DE PREÇOS E OPÇÕES - ANEXO 1 ONTRTO PRSTÇÃO SRVÇOS PN Pendências inanceiras UN TL PRÇOS OPÇÕS NXO 1 ste anexo é parte integrante do contrato assinado entre a ONTRT e a ONTRTNT, referente à prestação de serviço do PN e será de uso

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Jsus Cristo CRISTO DESOBEDECESSE Ministério Smors Plvr PG. DOUTRINA CRISTÃ DE JESUS CRISTO.

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

Pontos de Alagamento com Mais de 4 Ocorrências Anuais Período: 2005-2013

Pontos de Alagamento com Mais de 4 Ocorrências Anuais Período: 2005-2013 PSP local referencia Recorrências RÃO ORS V PRO OSQU SU V RÃO ORS V PRO S STOS R RÃO ORS V PRO S STOS R RÃO ORS V PRO S SVR R RÃO ORS V PRO US O V RÃO ORS V PRO RR R RÃO ORS V PRO U STO V RÃO ORS V PRO

Leia mais

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI C RSATAI A NOIVA - 1. L SHAAI F9 Bb9 C4 F9 L SHAAI, TOO POROSO ÉS F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, NÃO HÁ OUTRO US IUAL F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, OMÍNIO STÁ M SUAS MÃOS Bb9 C4 F9 POROSO L SHAAI C F9 MU ABA PAI PROVOR,

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia onxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não or suportao plo CD Sotwar oumntação, o Assistnt para aiionar

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

1 PEDRO. Capítulo 1. Louvor a Deus por uma Esperança Viva 3

1 PEDRO. Capítulo 1. Louvor a Deus por uma Esperança Viva 3 PEDRO Pro, póstolo Jsus Cristo, Cpítulo os litos Dus, prgrinos isprsos no Ponto, n Glái, n Cpói, n províni Ási n Bitíni, 2 solhios oro om o pré-onhimnto Dus Pi, pl or sntiior o Espírito, pr oiêni Jsus

Leia mais

V CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO VALE DO SÃO FRANCISCO - CEFIVASF

V CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO VALE DO SÃO FRANCISCO - CEFIVASF 1 V ONGRSSO UÇÃO ÍSI O VL O SÃO RNISO - IVS Relação geral de trabalhos aprovados no V IVS 2015 1º UTOR TÍTULO O TRLHO ormato ata/horário LOL lison lves de morim lison Oliveira da na arolina Mariano Rocha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. CARTÃO-RESPOSTA stino à mrção s rsposts s 56 qustõs ojtivs. 2. Confir su nom, númro insrição

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA I Jornd Cintíic VI FIPA do CEFET Bmbuí Bmbuí/MG - 2008 EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA José RICARDO SODRÉ; Rodrigo CAETANO COSTA; Rodrigo HERMAN

Leia mais

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892)

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892) Vi duto do Chá (1892) UHE P rn íb (1900) Est ção d Luz (1900) 1.2 Atr ção do C pit l Estr ngeiro Em 1911 Emile Quoni m de S hompré publi ou, em fr n ês, pel C s G rreux o livro L Bourse de São P ulo, om

Leia mais

O guia da Splunk para inteligência operacional

O guia da Splunk para inteligência operacional O ui Splunk pr intliêni oprionl Us o Splunk os os su máquin pr orr novos nívis visiili prpção pr TI os nóios O qu é o Splunk Entrpris TM? O Splunk é o mnismo pr os os ros por máquin. El olt, lssii provit

Leia mais

PRINCÍPIO DAS PRENSAS VULCANIZADORAS SHAW-ALMEX

PRINCÍPIO DAS PRENSAS VULCANIZADORAS SHAW-ALMEX PRINÍPIO S PRNSS VULNIZORS SHW-LMX. RRS TRNSVRSIS Liga de alumínio de alta resistência. Menor peso devido à ausência de cilindros hidráulicos ou parafusos de torque. s dimensões dependem da largura da

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

euroset line family Instruções breves para telefones padrão

euroset line family Instruções breves para telefones padrão urot lin fmily Intruçõ brv pr tlfon prão Aprntção grl funçõ Aprntção grl funçõ Tlfon prão Chm xtrn 0 Extrn Rtom um ligção rcbi ( ) 1 Pênulo ( ) Atnimnto chm urgnt ou ntrnt xtrn (bp) Chm urgnt: pr o rml

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Piso/Teto R-22 60 Hz (Cond. Vertical) YOE(K)A18-60FS-AD(E)(F)T

MANUAL DO USUÁRIO. Piso/Teto R-22 60 Hz (Cond. Vertical) YOE(K)A18-60FS-AD(E)(F)T MANUAL DO USUÁRIO Piso/Tto R-22 60 Hz (Con. Vrticl) YOE(K)A18-60FS-AD(E)(F)T Li st mnul nts instlção orção Crtifiqu-s qu l sj m uro r rfrêncis futurs CONTEÚDO INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA-----------------------------------------------------1

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

Ana Carolina.doc - 1 -

Ana Carolina.doc - 1 - na arolina.doc Me Sento na Rua Tom: Intro:,, Me sento na rua em frente as horas omo a qualquer hora assim mesmo eu sou Sou de qualquer jeito nem tudo eu respeito Pra onde for o vento eu vou Pano de mesa

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Biomedicina (17) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO LEIA COM ATENÇÃO: O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA

Leia mais

Índice KF-017 DBL P / KF-017 DBL PC / KF-017 DS P / KF-017 DS PC / KF-111 DB P / KF-111 DS P 22 - KF-052 P / KF-052 PC / KF-057 P / KF-057 PC

Índice KF-017 DBL P / KF-017 DBL PC / KF-017 DS P / KF-017 DS PC / KF-111 DB P / KF-111 DS P 22 - KF-052 P / KF-052 PC / KF-057 P / KF-057 PC TÁLOO PROUTOS - 2014 pág Índice 01 - Sistema de ixação Rápida / orça de Retenção rampo Vertical 02 - K-631 / K-631 I / K-631 R / K-631 RI / K-631 L / K-631 IL / K-631 RL / K-631 RIL K-010 / K-010 R / K-011

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais