COOPERATIVA EDUCACIONAL DE BARREIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERATIVA EDUCACIONAL DE BARREIRAS"

Transcrição

1 COOPERATIVA EDUCACIONAL DE BARREIRAS Qualidade em Educação HANSENIASE Características da hanseníase e os bacilos de Hansen A hanseníase, conhecida oficialmente por este nome desde 1976, é uma das doenças mais antigas na história da medicina. É causada pelo bacilo de Hansen, o Mycobacterium leprae: um parasita que ataca a pele e nervos periféricos, mas pode afetar outros órgãos como o fígado, os testículos e os olhos. Não é, portanto, hereditária. Com período de incubação que varia entre três e cinco anos, sua primeiramanifestação consiste no aparecimento de manchas dormentes, de cor avermelhada ou esbranquiçada, em qualquer região do corpo. Placas, caroços, inchaço, fraqueza muscular e dor nas articulações podem ser outros sintomas. Com o avanço da doença, o número de manchas ou o tamanho das já existentes aumenta e os nervos ficam comprometidos, podendo causar deformações em regiões, como nariz e dedos, e impedir determinados movimentos, como abrir e fechar as mãos. Além disso, pode permitir que determinados acidentes ocorram em razão da falta de sensibilidade nessas regiões. O diagnóstico consiste, principalmente, na avaliação clínica: aplicação de testes de sensibilidade, força motora e palpação dos nervos dos braços, pernas e olhos. Exames laboratoriais, como biópsia, podem ser necessários. Esta doença é capaz de contaminar outras pessoas pelas vias respiratórias, caso o portador

2 não esteja sendo tratado. Entretanto, segundo a Organização Mundial de Saúde, a maioria das pessoas é resistente ao bacilo e não a desenvolve. Aproximadamente 95% dos parasitas são eliminados na primeira dose do tratamento, já sendo incapaz de transmiti-los a outras pessoas. Este dura até aproximadamente um ano e o paciente pode ser completamente curado, desde que siga corretamente os cuidados necessários. Assim, buscar auxílio médico é a melhor forma de evitar a evolução da doença e a contaminação de outras pessoas. O tratamento e distribuição de remédios são gratuitos e, ao contrário do que muitas pessoas podem pensar, em face do estigma que esta doença tem, não é necessário o isolamento do paciente. Aliás, a presença de amigos e familiares é fundamental para sua cura. Durante este tempo, o hanseniano pode desenvolver suas atividades normais, sem restrições. Entretanto, reações adversas ao medicamento podem ocorrer e, nestes casos, é necessário buscar auxílio médico. Importante saber: Segundo a OMS, nosso país é líder mundial em prevalência da hanseníase. Em 1991, foi assinado pelo governo brasileiro um termo de compromisso mundial, comprometendo-se a eliminar esta doença até Entretanto, a cada ano, há mais de quarenta mil novos casos tendo, entre eles, vários indivíduos em situação de deformidade irreversível. Nos dias 24, 26 e 27 de janeiro são comemorados, respectivamente, o Dia do Hanseniano, o Dia Mundial de Combate à Hanseníase e o Dia Estadual de Combate à Hanseníase. Lepra, designação antiga desta doença, era o nome dado a doenças da pele em geral, como psoríase, eczema e a própria hanseníase. Devido ao estigma dado a esta denominação e também ao fato de que hoje, com o avanço da medicina, há nomes apropriados para cada uma destas dermatoses, este termo deixou de ser utilizado (ou, pelo menos, deveria ter sido). O MINISTÉRIO DA SAÚDE ADVERTE: A automedicação pode ter efeitos indesejados e imprevistos, pois o remédio errado não só não cura como pode piorar a saúde. LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA A leishmaniose tegumentar americana (LTA) é uma doença infecciosa, não contagiosa, causada por protozoário do gênero Leishmania, de transmissão vetorial, que acomete pele e mucosas. É primariamente uma infecção zoonótica que afeta outros animais que não o homem, o qual pode ser envolvido secundariamente. Etiologia e sinonímia:

3 Nas Américas, são atualmente reconhecidas 11 espécies dermotrópicas de Leishmania causadoras de doença humana e 8 espécies descritas, somente em animais. No entanto, no Brasil, já foram identificadas 7 espécies, sendo 6 do subgênero Viannia e 1 do subgênero Leishmania. As 3 principais espécies são: Leishmania (Leishmania) amazonensis distribuída pelas florestas primárias e secundárias da Amazônia legal (Amazonas, Pará, Rondônia, Tocantins e Maranhão). Sua presença amplia-se para o Nordeste (Bahia), Sudeste (Minas Gerais e São Paulo), Centro-oeste (Goiás) e Sul (Paraná); Leishmania (Viannia) guyanensis aparentemente limitada à Região Norte (Acre, Amapá, Roraima, Amazonas e Pará) e estendendo-se pelas Guianas. É encontrada principalmente em florestas de terra firme, em áreas que não se alagam no período de chuvas; Leishmania (Viannia) braziliensis foi a primeira espécie de Leishmania descrita e incriminada como agente etiológico da LTA. É a mais importante, não só no Brasil, mas em toda a América Latina. Tem ampla distribuição, dsde a América Central até o norte da Argentina. Esta espécie está amplamente distribuída em todo país. Quanto ao subgênero Viannia, existem outras espécies de Leishmania recentemente descritas: L. (V) lainsoni identificada nos estados do Pará, Rondônia e Acre; L. (V) naiffi, ocorre nos estados do Pará e Amazonas; L. (V) shawi, com casos humanos encontrados no Pará e Maranhão; L. (V.) lindenberg foi identificada no estado do Pará. Hospedeiros e reservatórios: A interação reservatório-parasito é considerada um sistema complexo, na medida em que é multifatorial, imprevisível e dinâmica, formando uma unidade biológica que pode estar em constante mudança, em função das alterações do meio ambiente. São considerados reservatórios da LTA as espécies de animais que garantam a circulação de leishmanias na natureza, dentro de um recorte de tempo e espaço. Infecções por leishmanias que causam a LTA foram descritas em várias espécies de animais silvestres, sinantrópicos e domésticos (canídeos, felídeos e equídeos). Com relação a esse último, seu papel na manutenção do parasito no meio ambiente ainda não foi definitivamente esclarecido. Reservatórios silvestres: Já foram registrados, como hospedeiros e possíveis reservatórios naturais, algumas espécies de roedores, marsupiais, edentados e canídeos silvestres. Animais domésticos: São numerosos os registros de infecção em animais domésticos. Entretanto, não há evidências científicas que comprovem o papel desses animais como reservatórios das espécies de leishmanias, sendo considerados hospedeiros acidentais da doença. A LTA nesses animais pode apresentar-se como uma doença crônica, com manifestações semelhantes as da doença humana, ou seja, o parasitismo ocorre preferencialmente em mucosas das vias aerodigestivas superiores. Vetores: Os vetores da LTA são insetos denominados flebotomíneos, pertencentes à ordem Diptera, família Psychodidae, sub-família Phlebotominae, gênero Lutzomyia, conhecidos

4 popularmente, dependendo da localização geográfica, como mosquito palha, tatuquira, birigui, entre outros. No Brasil, as principais espécies envolvidas na transmissão da LTA são L. whitmani, L. intermedia, L. umbratilis, L. wellcomei, L. flaviscutellata, e L. migonei. Modo de transmissão: Picada de flebotomíneos fêmeas infectadas. Não há transmissão de pessoa a pessoa. Período de incubação: No homem, em média de 2 a 3 meses, podendo apresentar períodos mais curtos (2 semanas) e mais longos (2 anos). Suscetibilidade e imunidade: A suscetibilidade é universal. A infecção e a doença não conferem imunidade ao paciente. Características gerais de sua distribuição no Brasil e no mundo: A LTA tem ampla distribuição mundial e no continente americano há registro de casos desde o sul dos Estados Unidos ao norte da Argentina, com exceção do Chile e Uruguai. Em 1909, foi descrita formas de leishmanias em úlceras cutâneas e nasobucofaríngeas em indivíduos que trabalhavam na construção de rodovias no interior de São Paulo. Desde então, a doença vem sendo descrita em vários municípios de todas as Unidades Federadas. Em média, foram registrados cerca de casos/ano no período de 2006 a 2010, com coeficiente de detecção de 11,4 casos/ habitantes. A região Norte apresenta o maior coeficiente (55,9 casos/ habitantes), seguida das regiões Centro-Oeste (25,7 casos/ habitantes) e Nordeste (12,9 casos/ habitantes). LEISHMANIOSE VISCERAL O cachorro é o principal reservatório da leishmaniose visceral nas cidades A leishmaniose visceral, também conhecida como calazar, esplenomegalia tropical e febre dundun, é uma doença causada pelo protozoário tripanossomatídeoleishmania chagasi. É transmitida por vetores da espécie Lutzomia longipalpis el. cruzi; mosquitos de tamanho

5 diminuto e de cor clara, que vivem em ambientes escuros, úmidos e com acúmulo de lixo orgânico (ex.: galinheiros). Suas fêmeas se alimentam de sangue, preferencialmente ao fim da tarde, para o desenvolvimento de seus ovos. Pessoas e outros animais infectados são considerados reservatórios da doença, uma vez que o mosquito, ao sugar o sangue destes, pode transmiti-lo a outros indivíduos ao picá-los. Em região rural e de mata, os roedores e raposas são os principais; no ambiente urbano, os cães fazem esse papel. Quanto a este fato, podemos entendê-lo ao considerarmos a proximidade que estes animais têm com a nossa espécie e que nem todos, quando infectados, apresentam os sinais da doença (emagrecimento, perda de pelos e lesões na pele). Indivíduos humanos apresentam febre de longa duração, fraqueza, emagrecimento e palidez como sintomas. Fígado e baço podem ter seu tamanho aumentado, já que a doença acomete estes órgãos, podendo atingir também a medula óssea. O período de incubação é muito variável: entre dez dias e dois anos. Doença endêmica em 62 países, no Brasil são registrados cerca de 3000 casos por ano, sendo que mais de 5% dos acometidos vão a óbito, cerca de um ou dois anos após o surgimento dos sintomas: grande parte em razão da falta de tratamento. Para diagnóstico, exame de sangue para análise de anticorpos específicos, punção - com inoculação do material em cobaias - ou biópsia dos possíveis órgãos afetados são as principais formas de confirmar a presença do patógeno. O tratamento é feito com fármacos específicos, distribuídos pelo governo em hospitais de referência. Medidas de prevenção e controle ainda não foram capazes de impedir a ocorrência de novos surtos do calazar. Entretanto, usar repelentes quando estiver em região com casos de leishmaniose visceral e armazenar adequadamente o lixo orgânico (a fim de evitar a ação do mosquito), além de não utilizar agulhas utilizadas por terceiros, são medidas individuais que diminuem a probabilidade de ser contaminado. Vale ressaltar, também, que existem repelentes especiais para cães, evitando que sejam picados pelos Lutzomia.

6 O controle dos vetores e tratamento das pessoas doentes são outras importantes formas para evitar a leishmaniose visceral. Quanto aos cães contaminados, muitos veterinários indicam a eutanásia, sem frisar que existe tratamento para o cão, embora com ressalvas. Este não os cura, mas promove melhor qualidade e tempo de vida. No entanto, não são todos os animais que podem passar por tais procedimentos, uma vez que os fármacos utilizados são significantemente fortes, podendo colocar em risco a vida do indivíduo. Assim, o tratamento é indicado àqueles que não alcançaram a velhice e cujo rim não se encontra comprometido; desde que o dono se responsabilize pela continudade do tratamento (caro e longo) e promoção de cuidados específicos, orientados pelo médico veterinário. Dentre tais procedimentos, dois muito importantes são a utilização semanal de inseticidas na residência, e o uso de repelentes no cão, que impedem o contato de tais animais com os mosquitos transmissores da doença. Assim, nota-se a grande e nobre responsabilidade que o dono de um cão portador de leishmaniose tem perante seu animal e a sociedade. O MINISTÉRIO DA SAÚDE ADVERTE: A automedicação pode ter efeitos indesejados e imprevistos, pois o remédio errado não só não cura como pode piorar a saúde. LEPTOSPIROSE Leptospirose é uma infecção aguda, potencialmente grave, causada por uma bactéria do gênero Leptospira, que é transmitida por animais de diferentes espécies (roedores, suínos, caninos, bovinos) para os seres humanos. Esse micro-organismo pode sobreviver indefinidamente nos rins dos animais infectados sem provocar nenhum sintoma e, no meio ambiente, por até seis meses depois de ter sido excretado pela urina. O contágio se dá pelo contato direto com a urina dos animais infectados ou pela exposição à água contaminada pelaleptospira, que penetra no organismo através das mucosas e da pele íntegra ou com pequenos ferimentos, e dissemina-se na corrente sanguínea. No Brasil, os ratos urbanos (ratazanas, ratos de telhado e camundongos) são os principais transmissores da doença e o número de casos aumenta na estação das chuvas, por causa das enchentes e inundações. Infelizmente, o risco não desaparece depois que o nível das águas baixa, pois a bactéria continua ativa nos resíduos úmidos durante bastante tempo. Sintomas: A doença pode ser assintomática. Quando se instalam, os sintomas são febre alta que começa de repente, mal-estar, dor muscular (mialgias) especialmente na panturrilha, de cabeça e no tórax, olhos vermelhos (hiperemia conjuntival), tosse, cansaço, calafrios, náuseas, diarreia, desidratação, exantemas (manchas vermelhas no corpo), meningite. Em geral, a leptospirose é autolimitada, costuma evoluir bem e os sintomas regridem depois de três ou quatro dias. Entretanto, essa melhora pode ser transitória. Icterícia, hemorragias,

7 complicações renais, torpor e coma são sinais da forma grave da doença, também conhecida como doença de Weil. Diagnóstico: Na fase inicial, a leptospirose pode ser confundida com outras doenças (dengue, gripe, malária, hepatite), porque os sintomas são parecidos. Por isso, é muito importante estabelecer o diagnóstico diferencial por meio de exames sorológicos ou pelo isolamento da bactéria em cultura, no sangue ou no líquor. Vacina e Tratamento: Quanto antes for instituído o tratamento da leptospirose, maior será a chance de evitar a evolução para quadros mais graves da doença, que sempre requerem internação hospitalar. A conduta inclui cuidados com a hidratação, uso de antibióticos, entre eles a penicilina, e de medicamentos para aliviar os sintomas. No entanto, devem ser evitados aqueles que contêm ácido acetilsalicílico, porque aumentam o risco de sangramentos. A vacina só está disponível para ser aplicada em animais. Mesmo assim, embora evite que fiquem doentes, não impede que sejam infectados pela Leptospira nem que transmitam a bactéria pela urina. Recomendações: * Observe as medidas básicas de higiene. Embale bem o lixo, ferva a água ou coloque algumas gotas de hipoclorito de sódio ou de água sanitária antes de beber ou cozinhar; * Lave bem os alimentos, especialmente frutas e verduras que serão consumidas cruas; * Vacine seu animal e mantenha rigorosamente limpas as vasilhas em que são servidos alimentos e água; * Não deixe as caixas d água destampadas; * Use luvas e botas de borracha se trabalhar em ambientes que possam ser reservatórios da Leptospira; * Não se automedique, se suspeitar de infecção pela bactéria da leptospirose. MENINGITE Meningite é uma infecção que se instala principalmente quando uma bactéria ou vírus, por alguma razão, consegue vencer as defesas do organismo e ataca as meninges, três membranas que envolvem e protegem o encéfalo, a medula espinhal e outras partes do sistema nervoso central. Mais raramente, as meningites podem ser provocadas por fungos ou pelo bacilo de Koch, causador da tuberculose. Sintomas: a) Meningites virais Nas meningites virais, o quadro é mais leve. Os sintomas se assemelham aos das gripes e resfriados. A doença acomete principalmente as crianças, que têm febre, dor de cabeça, um pouco de rigidez da nuca, inapetência e ficam irritadas. Uma vez que os exames tenham comprovado tratar-se de meningite viral, a conduta é esperar que o caso se resolva sozinho, como acontece com as outras viroses. b) Meningites bacterianas

8 As meningites bacterianas são mais graves e devem ser tratadas imediatamente. Os principais agentes causadores da doença são as bactérias meningococos, pneumococos e hemófilos, transmitidas pelas vias respiratórias ou associadas a quadros infecciosos de ouvido, por exemplo. Em pouco tempo, os sintomas aparecem: febre alta, mal-estar, vômitos, dor forte de cabeça e no pescoço, dificuldade para encostar o queixo no peito e, às vezes, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo. Esse é um sinal de que a infecção está se alastrando rapidamente pelo sangue e o risco de septicemia aumenta muito. Nos bebês, a moleira fica elevada. Importante: os sintomas característicos dos quadros de meningite viral ou bacteriana nunca devem ser desconsiderados, especialmente em duas faixas etárias extremas: nos primeiros anos de vida e quando as pessoas começam a envelhecer. Na presença de sinais que possam sugerir a doença, a pessoa deve ser encaminhada para atendimento médico de urgência. Diagnóstico: Todos os tipos de meningite são de comunicação compulsória para as autoridades sanitárias. O diagnóstico baseia-se na avaliação clínica do paciente e no exame do líquor, líquido que envolve o sistema nervoso, para identificar o tipo do agente infeccioso envolvido. Se houver suspeita de meningite bacteriana, é fundamental introduzir os medicamentos adequados, antes mesmo de saírem os resultados do exame laboratorial. O risco de sequelas graves cresce à medida que se retarda o diagnóstico e o início do tratamento. As lesões neurológicas que a doença provoca nesses casos podem ser irreversíveis. Prevenção e vacinas: A vacina contra o Haemophilus influenzae tipo B também protege contra a meningite e faz parte do calendário oficial de vacinação. A vacina contra a meningite por pneumococo, embora tenha sido lançada na Europa e nos Estados Unidos, onde as características da bactéria são um pouco diferentes, fornece boa proteção também no nosso País. A partir de 2011, a vacina conjugada contra meningite por meningococo C faz parte do Calendário Básico de Imunização. O esquema de vacinação obedece aos seguintes critérios: uma dose deve ser aplicada aos três meses; outra, aos cinco meses e a dose de reforço, aos doze meses. Tratamento: O tratamento das meningites bacterianas tem de ser introduzido sem perda de tempo, porque a doença pode ser letal ou deixar sequelas, como surdez, dificuldade de aprendizagem, comprometimento cerebral. Ele é feito com antibióticos aplicados na veia. Assim como para as outras enfermidades causadas por vírus, não existe tratamento específico para as meningites virais. Os medicamentos antitérmicos e analgésicos são úteis para aliviar os sintomas. Meningites causadas por fungos ou pelo bacilo da tuberculose exigem tratamento prolongado à base de antibióticos e quimioterápicos por via oral ou endovenosa. Recomendações: * Cuidados com a higiene são fundamentais na prevenção das meningites. Lave as mãos com frequência, especialmente antes das refeições;

9 * Alguns sintomas da meningite podem ser confundidos com os de outras infecções por vírus e bactérias. Não fique na dúvida: criança chorosa, inapetente e prostrada, que se queixa de dor de cabeça, precisa ser levada, o mais depressa possível, para avaliação médica de urgência. SIFILIS EM GESTANTE A sífilis é uma doença sexualmente transmissível (DST), causada pela bactéria Treponema pallidum. No Brasil, a sífilis tem uma prevalência considerada alta. Um estudo realizado em 2004 com parturientes estimou que em média, no país todo, 1,6 por cento das mulheres têm a doença no momento em que dão à luz. Esse número é o quádruplo da incidência de HIV/Aids em gestantes no Brasil. E, assim como a Aids, a sífilis pode ser transmitida para o bebê durante a gravidez ou na hora do parto, na chamada transmissão vertical. O modo mais comum de pegar sífilis é por via sexual, seja sexo vaginal, anal ou oral. Mas também é possível pegar a doença beijando uma pessoa que esteja com uma ferida de sífilis na boca, ou com o contato direto entre esse tipo de ferida e um corte, por exemplo. As estimativas do Ministério da Saúde são de que o Brasil tenha cerca de 50 mil gestantes com sífilis por ano. O teste para a sífilis faz parte dos exames de sangue de rotina do pré-natal, e o governo recomenda que o parceiro da gestante também seja testado. Quais são os sintomas? Os sintomas da sífilis variam conforme o estágio da doença e também de pessoa para pessoa. Em alguns casos, os sinais passam despercebidos, e a pessoa só descobre que tem a doença quando faz um exame de sangue. No estágio inicial, conhecido como sífilis primária, o sintoma característico é o surgimento de uma (ou mais) ferida indolor e altamente contagiosa, com bordas elevadas, denominada cancro. A ferida surge no lugar em que houve a infecção, normalmente cerca de três semanas depois do contato com a bactéria, mas às vezes antes ou depois disso -- até três meses após a infecção. Às vezes, o cancro fica dentro da vagina ou da boca, e acaba nem sendo notado. Esse tipo de ferida pode surgir também nos lábios vaginais, no períneo, no ânus, nos lábios, e podem aparecer ínguas (linfonodos aumentados) na área próxima ao cancro. Se a pessoa for tratada nessa fase, há a possibilidade de cura. Sem tratamento, a ferida desaparece sozinha em até um mês e meio. O problema é que as bactérias responsáveis pela doença continuam se multiplicando no organismo, e entram na corrente sanguínea. Quando isso acontece, a doença passa para o próximo estágio, a sífilis secundária. No estágio secundário, a sífilis pode apresentar vários sintomas, que aparecem semanas ou até meses depois do surgimento da ferida. Assim como os da sífilis primária, porém, eles podem passar despercebidos. A maioria das pessoas apresenta uma erupção de pele que não coça, principalmente na sola do pé e na palma da mão, mas às vezes em outros lugares do corpo. Também podem surgir lesões na boca e na vagina, novas feridas indolores na área genital (que, assim como o cancro inicial, são muito contagiosas), sintomas parecidos com a gripe e queda de cabelo. Nesse estágio, a doença ainda é curável, se tratada.

10 Sem tratamento, os sintomas costumam ir embora em alguns meses, mas a doença permanece ativa. A bactéria continua se multiplicando nessa fase latente e pode causar problemas graves anos depois. No chamado estágio terciário, a doença pode provocar anormalidades cardíacas, lesões nos ossos, na pele e em vários órgãos, e a pessoa pode morrer. Além disso, cerca de 20 por cento das pessoas com sífilis terciária apresenta a neurossífilis, ou seja, o sistema nervoso é afetado pela doença. Nos estágios finais, a neurossífilis pode causar convulsões, cegueira, surdez, demência, problemas na medula espinhal e a morte. A neurossífilis também pode surgir nos estágios anteriores, causando problemas como a meningite. Felizmente, a maioria das pessoas é diagnosticada antes disso e recebe o tratamento adequado para não chegar à sífilis terciária. Como a sífilis afeta a gravidez e a saúde do bebê? A bactéria da sífilis pode passar para o bebê através da placenta ou ser transmitida durante o parto. Mas, se a mulher é diagnosticada com antecedência, a chamada transmissão vertical pode ser evitada. Se a mulher não for tratada, há uma grande possibilidade de o bebê ser infectado, especialmente se a doença estiver no estágio inicial, quando é mais contagiosa. Cerca de 40 por cento das mulheres com sífilis primária não-tratada acabam perdendo o bebê, ou a criança morre pouco depois de nascer. A sífilis também eleva o risco de parto prematuro e de restrição do crescimento intra-uterino. Alguns bebês que nascem com sífilis (sífilis congênita) não têm sintomas claros, mas podem apresentar erupções de pele e lesões na boca, nos órgãos genitais e no ânus, além de linfonodos aumentados, anemia, icterícia ou pneumonia grave nos primeiros meses de vida. Já outros bebês apresentam alguns desses sintomas assim que nascem. E outros têm outros problemas, como fígado e baço aumentado. Se a doença não for tratada, os bebês podem sofrer graves sequelas anos depois, como deficiência visual e auditiva, problemas ósseos e neurológicos. Por isso é importantíssimo que a doença seja diagnosticada e tratada durante a gravidez, para que o bebê receba atendimento o mais rápido possível. Vou fazer exame para sífilis no pré-natal? Vai. O teste faz parte dos exames de sangue de rotina do pré-natal. Se seu médico não tiver solicitado, peça para ele. O Ministério da Saúde, através do Programa Nacional de DST e Aids, possui um plano especial para reduzir a ocorrência de sífilis congênita. O exame pode ser refeito a qualquer momento se surgirem sintomas da doença em você ou no seu parceiro, e o governo recomenda que o exame no parceiro também faça parte da rotina do pré-natal. O exame de sangue só detecta a doença entre 1 mês e 1 mês e meio depois da infecção. Caso você ache que possa ter sido contaminada, pode pedir ao médico para refazer o exame depois de um mês. Se o teste inicial der positivo, você fará um exame de sangue mais específico para confirmar o diagnóstico.

11 O exame para detectar o vírus da Aids também faz parte da rotina do pré-natal, mas, se você for diagnosticada com sífilis, terá de repetir o teste para a Aids depois de alguns meses, porque a sífilis deixa a pessoa mais suscetível à infecção pelo HIV. Como a sífilis é tratada? O único tratamento seguro para a sífilis durante a gravidez é a penicilina, que trata tanto a mãe quanto o bebê. A mulher diagnosticada com a doença receberá uma ou mais injeções de penicilina, dependendo do estágio da doença e de ter ou não neurossífilis. (No caso de haver algum sintoma de neurossífilis, será necessário fazer uma punção lombar na mulher para analisar o líquor). Existe a possibilidade de o tratamento causar uma reação temporária que inclui febre, calafrios, dor de cabeça e dor muscular e nas articulações. O tratamento também pode afetar o ritmo cardíaco do bebê ou causar contrações, se a mulher tiver passado da metade da gravidez. Esses sintomas costumam durar apenas um ou dois dias. Seu parceiro também precisará receber tratamento, se você for diagnosticada com sífilis, e vocês não poderão manter relações sexuais enquanto não tomarem os remédios. Novos exames de sangue vão confirmar se a infecção foi eliminada, e a gravidez deve ser acompanhada com mais cuidado, com a realização de ultra-sons. O que faço para não pegar sífilis? O único meio seguro é manter um só parceiro sexual, que tenha se submetido ao exame. A camisinha só previne a sífilis se a ferida estiver no pênis do homem, mas a doença pode ser transmitida também por cancros que estiverem em outras áreas, como a boca. Se você desconfia que possa ter tido contato com a sífilis ou outra doença sexualmente transmissível durante a gravidez, converse com o ginecologista para fazer os exames necessários. TETANO ACIDENTAL Profissionais que trabalham com materiais de metal, madeira ou vidro devem ficar atentos aos riscos que eles podem causar, caso acidentalmente perfurem a pele. Esses objetos podem conter uma bactéria chamada clostridium tetani, que causa o tétano, infecção grave e não contagiosa. Trabalhadores que ficam em contato com o solo também devem redobrar o cuidado. A bactéria pode estar presente em ferramentas agrícolas, pregos, latas, cacos de vidro, galhos de árvore, espinhos e pedaços de móveis. A vacina contra o tétano é a melhor forma de prevenção. O Sistema Único de Saúde (SUS) aplica gratuitamente a vacina que oferece proteção por 10 anos. Durante a gestação, é indicado fazer um reforço antecipado, caso a dose tenha sido tomada há mais de cinco anos. Os pais devem consultar o Calendário Básico de Vacinação para a vacinação em crianças.

12 Também para prevenir uma eventual contaminação por tétano, a atenção deve redobrar ao transitar em áreas com entulhos de construção civil, destroços resultantes de deslizamento, enchente ou vendaval. Em janeiro de 2012, o Ministério da Saúde enviou 580 mil doses da vacina dupla bacteriana (contra difteria e tétano) para as regiões afetadas por chuvas. O Estado de Minas Gerais recebeu 400 mil, Espírito Santo, 30 mil e Rio de Janeiro, 150 mil doses. Em 35% a 40% dos casos, o tétano mata. Por isso é necessário buscar atendimento médico ao observar sintomas como contrações excessivas de alguns músculos faciais, do pescoço, inflexibilidade muscular progressiva (barriga dura), insuficiência respiratória, dificuldade de se alimentar e febre baixa ou ausente. Em países da Europa e América do Norte, a doença já é considerada rara. No Brasil, vem diminuindo a cada ano. De 1982 para 2006, os casos de contaminação por tétano reduziram mais de 80%, de para 415. Fontes: Ministério da Saúde Cartilha Tétano Acidental TETANO NEONATAL Sintomas: O tétano é uma infecção aguda e grave, causada pela toxina do bacilo tetânico (Clostridium tetani), que entra no organismo através de ferimentos ou lesões de pele e não é transmitido de um indivíduo para o outro. O tétano decorrente de acidentes se manifesta por aumento da tensão muscular geral. Quando os músculos do pescoço são atingidos, há dificuldade de deglutição. No caso de contratura muscular generalizada e rigidez muscular progressiva, são atingidos os músculos reto-abdominais e os do diafragma, o que leva à insuficiência respiratória. O doente pode sofrer de crises de contraturas, geralmente desencadeadas por estímulos luminosos, sonoros ou manipulação da pessoa, podendo levar à morte. Já o tétano neonatal é decorrente da contaminação do cordão umbilical em recém-nascido (criança com até 28 dias de vida). Neste caso, o sistema nervoso é afetado e o tétano provoca fortes dores, fazendo com que a criança tenha contrações, chore bastante e sinta dificuldade para mamar. Transmissão: Ocorre pela introdução dos esporos da bactéria em ferimentos externos, geralmente perfurantes, contaminados com terra, poeira, fezes de animais ou humanas. Isso porque o bacilo se encontra no intestino dos animais, especialmente do cavalo e do homem (sem causar doença) e os esporos podem estar presentes tanto em solos contaminados por fezes ou com

13 esterco, como na pele ou na poeira das ruas, por exemplo. Queimaduras e tecidos necrosados também são uma porta de entrada, o que favorece o desenvolvimento da bactéria. Não apenas pregos e cercas enferrujados podem provocar a doença: a bactéria do tétano pode ser encontrada nos mais diversos ambientes. Já a transmissão do tétano neonatal, também chamado de mal de sete dias, ocorre pela contaminação do coto umbilical por esporos do bacilo tetânico, que podem estar presentes em instrumentos sujos utilizados para cortar o cordão umbilical ou em substâncias pouco higiênicas usadas para cobrir o coto. Prevenção: O tétano não é contagioso, porém, mesmo aqueles que já contraíram a doença, não adquirem anticorpos para evitá-lo novamente. A vacinação é a única forma de proteção. Para uma imunização adequada, em caso de ferimento, é preciso ter tomado três doses de toxóide tetânico (presente em todas as seguintes vacinas: DTP, DT e dt), tendo sido a última dose há menos de dez anos. A manutenção de níveis adequados de cobertura vacinal é recomendada para toda a população e não somente para os considerados grupos de risco: crianças e pessoas da terceira idade; pessoas portadoras de úlceras de perna crônicas; trabalhadores como agricultores e operários da construção civil; e pessoas com mal perfurante plantar decorrente de Hansen. Com relação ao tétano neonatal, a prevenção deve ser feita a partir da vacinação de todas as mulheres em idade fértil (entre 12 e 49 anos), com três doses da vacina. Antes do parto, a mulher deverá ter tomado pelo menos duas doses da vacina e, caso sua última dose tenha sido há mais de cinco anos, ela deverá tomar um reforço. Além disso, é importante a melhoria da atenção ao pré-natal e ao parto, que deve ser prestada por pessoal capacitado em vacinação e procedimentos higiênicos adequados. O esquema básico de vacinação na infância é feito com três doses da vacina combinada contra DTP e Hib aos dois, quatro e seis meses. O primeiro reforço é feito com a DTP aos 15 meses e o outro entre quatro e seis anos de idade. O cuidado com a ferida inclui uma limpeza imediata e completa, especialmente nas feridas incisas profundas, porque o pó e o tecido morto favorecem o crescimento das bactérias Clostridium tetani. TUBERCULOSE A tuberculose, transmitida pelo Mycobacterium tuberculosis, o bacilo de Koch, é provavelmente a doença infecto-contagiosa que mais mortes ocasiona no Brasil. Estima-se, ainda, que mais ou menos 30% da população mundial estejam infectados, embora nem todos venham a desenvolver a doença. Na verdade, as pessoas se comportam como reservatórios do bacilo, ou seja, convivem com ele porque não conseguem eliminá-lo ou destruí-lo e, uma vez reativado o foco, passarão a ser infectantes.

14 A primo-infecção ocorre quando a pessoa entra em contato com o bacilo pela primeira vez. Proximidade com pessoas infectadas, assim como os ambientes fechados e pouco ventilados favorecem o contágio. O bacilo de Koch é transmitido nas gotículas eliminadas pela respiração, por espirros e pela tosse. Para que a primo-infecção ocorra, é necessário que ele chegue aos alvéolos. Se não alcançar os pulmões, nada acontece. A partir dos alvéolos, porém, pode invadir a corrente linfática e alcançar os gânglios (linfonodos), órgãos de defesa do organismo. A doença evolui quando a pessoa não consegue bloquear o bacilo que se divide, rompe a célula em que está fagocitado e provoca uma reação inflamatória muito intensa em vários tecidos a sua volta. O pulmão reage a essa inflamação produzindo muco e surge tosse produtiva. Como o bacilo destrói a estrutura alveolar, formam-se cavernas no tecido pulmonar e vasos sanguíneos podem romper-se. Por isso, na tuberculose pulmonar, é frequente a presença de tosse com eliminação de catarro, muco e sangue. Além dos pulmões, a doença pode acometer órgãos como rins, ossos, meninges, etc. Sintomas: Tosse por mais de duas semanas, produção de catarro, febre, sudorese, cansaço, dor no peito, falta de apetite e emagrecimento são os principais sintomas da tuberculose. Nos casos mais avançados, pode aparecer escarro com sangue. Pessoas com esses sintomas associados ou isoladamente devem procurar um Posto de Saúde o mais rápido possível, pois o tratamento é gratuito e deve ser iniciado imediatamente. Diagnóstico: Leva em consideração os sintomas e é confirmado pela radiografia do pulmão e análise do catarro. Ajudam a confirmar o diagnóstico o teste de Mantoux, que consiste na aplicação de tuberculina (extraída da própria bactéria) debaixo da pele, a broncoscopia e a biópsia pulmonar. Tratamento: O tratamento é feito com três drogas diferentes: pirazinamida, isoniazida e rifamicina. Durante dois meses, o paciente toma os três medicamentos e, a partir do terceiro mês, toma só isoniazida e rifampicina. O bacilo da tuberculose cresce fora e dentro da célula de defesa. Quando está fora, não só se multiplica muito rápido como adquire resistência também muito depressa. Para impedir seu crescimento e divisão fora da célula se fazem necessárias as três drogas e o tempo mais prolongado de tratamento. Dentro da célula de defesa, ele cresce mais lentamente e a indicação é usar uma droga que penetra na célula a fim de bloquear o crescimento da bactéria em seu interior. Por isso, os remédios devem ser tomados por seis meses. Já se tentou reduzir para quatro meses, mas a taxa de recidiva foi muito grande. É fundamental seguir à risca o tratamento. O que se tentou fazer, e com bons resultados, para facilitar a adesão dos pacientes foi prescrever doses mais altas para serem tomadas apenas dois dias na semana. Recomendações: * Não suspenda o uso da medicação antes do prazo previsto. Se você começar a tomar os remédios e parar no meio do caminho, com certeza irá selecionar uma colônia de bactérias resistentes aos medicamentos e ficará mais difícil ser curado;

15 * Lembre-se de que desnutrição, alcoolismo, uso de drogas ilícitas e de medicação imunossupressora aumentam o risco de contrair a doença; * Familiares e pessoas próximas aos infectados devem manter certos cuidados básicos como forma de afastar o risco de contágio durante a fase inicial da doença; * Portadores do vírus HIV e de doenças como diabetes, por exemplo, podem desenvolver formas graves de tuberculose. Por isso, devem manter-se sob constante observação médica; VARICELA Catapora (ou varicela) é uma doença infecciosa causada pelo vírus Varicela-Zóster. Altamente contagiosa, mas geralmente benigna, era uma das enfermidades mais comuns da infância antes do advento da vacina. Uma vez adquirido o vírus, a pessoa fica imune por toda a vida. No entanto, ele permanecerá no organismo e, futuramente, poderá provocar uma doença conhecida como herpes-zóster, ou cobreiro. Sintomas da Catapora: Os primeiros sintomas são febre entre 37,5 e 39,5, mal-estar, inapetência, dor de cabeça, cansaço. Entre 24 e 48 horas mais tarde, surgem lesões de pele caracterizadas por manchas avermelhadas, que dão lugar a pequenas bolhas ou vesículas cheias de líquido, sobre as quais, posteriormente, se formarão crostas que provocam muita coceira. Contágio: A transmissão do vírus da catapora ocorre por contato direto através da saliva ou secreções respiratórias da pessoa infectada ou por contato com o líquido do interior das vesículas. O período de incubação dura em média 15 dias e a recuperação completa ocorre de sete a dez dias depois do aparecimento dos sintomas. Tratamento: O tratamento visa basicamente a aliviar os sintomas. Como outras doenças transmitidas por vírus, não há muito o que fazer. O importante é evitar a contaminação das lesões por bactérias, o que complica o quadro. Não coçar as feridas diminui o risco de infecções e a formação de cicatrizes. Adultos ou pessoas debilitadas, que se contaminem com o vírus da catapora, requerem cuidados especiais. Vacinação contra Catapora: É recomendada para crianças a partir de um ano, a adolescentes e adultos com baixa imunidade ou que passarão por tratamentos de quimioterapia e radioterapia. Recomendações: * Vacine seu filho/a contra a catapora no primeiro ano de vida. Embora geralmente seja uma doença benigna, os sintomas são muito desagradáveis; * Procure evitar contato direto com pessoas doentes; * Não deixe a criança coçar as lesões para evitar infecções por bactérias. Não é tarefa fácil, porque a coceira é intensa; * Não arranque as crostas que se formam quando as vesículas regridem;

16 * Mantenha o paciente em repouso enquanto tiver febre; * Ofereça-lhe alimentos leves e muito líquido. SINDROME DA RUBEOLA CONGENITA É uma doença congênita, decorrente da infecção da mãe pelo vírus da rubéola durante as primeiras semanas da gravidez, sendo mais grave quanto mais precoce for a infecção em relação à idade gestacional. A infecção da mãe pode resultar em aborto, morte fetal ou anomalias congênitas como diabetes, catarata, glaucoma e surdez, entre outras. Qual o agente envolvido? Vírus do gênero Rubivirus, família Togaviridae: Quais os sintomas? Além da perda fetal, a infecção congênita pode se manifestar por uma variedade de sinais e sintomas que vão do aumento do volume do baço e do fígado, icterícia, manchas ronchas na pele, até anomalias congênitas como surdez, catarata, diabetes e glaucoma, que aparecem em distintos estágios do desenvolvimento da criança. A surdez é o sintoma mais precoce da SRC. Como se transmite? A mãe infectada transmite o vírus ao feto por meio da placenta: Como trata? Como não há um medicamento efetivo, o tratamento é voltado para as más formações congênitas, de acordo com as deficiências apresentadas. A detecção precoce facilita os tratamentos clínico, cirúrgico e de reabilitação. Como se prevenir? A vacinação é a única maneira de prevenir a doença. O esquema vacinal vigente é de uma dose da vacina tríplice viral aos 12 meses de idade e uma dose de reforço entre quatro e seis anos. Caso a mulher chegue à idade fértil sem ter sido previamente vacinada, deverá receber uma dose da vacina tríplice viral. SINDROME DA ULCERA GENITAL (EXCLUIDO HERPES GENITAL) Apenas a sífilis em gestante, sífilis congênita, a AIDS e a infecção pelo HIV em gestantes/crianças expostas são doenças de transmissão sexual de notificação compulsória. Para as outras DST, recomenda-se a notificação universal baseada em síndromes, via SINAN, que aumenta a sensibilidade e a agilidade do sistema (WHO 1997). Propõem-se atividades diferenciadas de Vigilancia Epidemiológica (VE) nos três níveis hierárquicos do SUS: 1. Nível municipal/local: os dados de DST (usando abordagem sindrômica) devem ser colhidos por meio da ficha do SINAN, sendo utilizados no nível municipal/local, para orientar as ações.

17 2. Nível estadual: os dados gerais de DST devem ser repassados para o estado, de forma agregada, de modo que esse possa acompanhar, supervisionar e propor o redirecionamento das ações de saúde a partir de seu nível de atuação. 3. Nível nacional: deve acompanhar os relatórios agregados dos Estados e promover estudos periódicos para avaliar a magnitude das DST do país, em consonância com o nível estadual. OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTIFICAÇÃO: Embora não sejam agravos de notificação compulsória nacional, a notificação das síndromes e condições clínicas pelo SINAN, utilizando-se os códigos apresentados no (Anexo IV) e as definições abaixo: Síndrome da Úlcera Genital (Excluído Herpes Genital): Presença de lesão anogenital ulcerada, de origem não traumática, excluída a evidência clínica ou antecedente de pequenas lesões vesiculosas, em homem ou mulher, associada ou não à bacterioscopia pelo Gram (com presença de bacilos Gram negativos sugestivos de H. ducreyi) e/ou Treponema pallidum em campo escuro positiva, ou sorologia reagente para sífilis. Síndrome do Corrimento Uretral em Homem: Presença de corrimento uretral verificado com o prepúcio retraído ou após compressão da base do pênis em direção à glande ( ordenha ), associado ou não à bacterioscopia com diplococos Gram negativos intracelulares ou cultura positiva para Neisseria gonorrhoeae e/ou exame ELISA ou imunofluorescência direta reagente ou captura híbrida ou reação de polimerase em cadeia (PCR) positiva para clamídia. Síndrome do Corrimento Cervical: Presença de mucopus cervical associado ou não à hiperemia, friabilidade ou colpite, verificada obrigatoriamente ao exame com espéculo vaginal. Sífilis (Excluída a Forma Primária): Presença de sifílides papulosas disseminadas (principalmente palmo-plantares), e/ou condiloma plano, acompanhados ou não por poliadenomegalia, e sorologia positiva (sífilis secundária); ou sorologia positiva em portador assintomático de sífilis (sífilis latente); ou presença de lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas), neurológicas (demência), cardiovasculares (aneurismas) ou articulares (artropatia de Charcot) e sorologia positiva (sífilis terciária). Herpes Genital (Apenas o Primeiro Episódio): Evidência de pequenas lesões ulcerativas na região anogenital, que foram precedidas por lesões vesiculosas isoladas ou agrupadas em cacho, sobre base eritematosa, cujo aparecimento, por sua vez, foi precedido de ardor ou prurido, associado ou não à presença de células gigantes com inclusões intranucleares de diagnóstico citológico Tzanck ao exame microscópico direto do líquido vesiculoso. Condiloma Acuminado: Presença de lesão vegetante característica, confirmada ou não por biópsia.

18 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA SÍFILIS EM GESTANTE: Definição de Caso de Sífilis em Gestantes para Fins de Vigilância Epidemiológica Devem ser Notificadas: Todas gestantes com evidência clínica de sífilis e/ou com sorologia não treponêmica reagente, com qualquer titulação, mesmo na ausência de resultado de teste treponêmico, realizada no pré-natal ou no momento do parto ou curetagem. Operacionalização: Sistema de Informação SINAN Gestante com Sífilis Instrumento de notificação/investigação: ficha de notificação padronizada. Locais de Notificação: Serviços de pré-natal e maternidades. Fluxo de Informação: Segue o mesmo fluxo dos outros agravos de notificação compulsória nacional. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA SÍFILIS CONGÊNITA: A sífilis congênita tornou-se uma doença de notificação compulsória pela portaria 542 de 22 de dezembro de 1986 (Brasil, 1986). Em 1993, os países latino-americanos propuseram a Eliminação da Sífilis Congênita como um Problema de Saúde Pública. Embora os guias clínicos, testes diagnósticos e terapia da sífilis na gestante estejam disponíveis, ainda não se atingiu a incidência de 1 ou menos casos em 1000 nascidos vivos, compatível com o controle da doença congênita proposto. Além disso, apesar de ser doença de notificação compulsória, há muita subnotificação da sífilis congênita. Os casos confirmados de sífilis congênita devem ser digitados no SINAN, depois de preenchimento das fichas de investigação conforme modelo do (Anexo VII). A investigação de sífilis congênita será desencadeada nas seguintes situações: todas as crianças nascidas de mãe com sífilis (evidência clínica e/ou laboratorial), diagnosticadas durante a gestação, parto ou puerpério; todo indivíduo com menos de 13 anos com suspeita clínica e/ou epidemiológica de sífilis congênita. Tratamento Inadequado para a Gestante: É todo tratamento feito com qualquer medicamento que não a penicilina; ou tratamento incompleto, mesmo tendo sido feito com penicilina; ou tratamento não adequado para a fase clínica da doença; ou a administração do tratamento com menos de 30 dias antes do parto; ou elevação dos títulos após o tratamento, no seguimento. Se o(s) parceiro(s) não foi(ram) tratado(s) ou foi(ram) tratado(s) inadequadamente, define-se tratamento inadequado para a gestante; o mesmo se aplica quando não se tem essa informação ou ausência de documentação ou da queda dos títulos do parceiro após tratamento.

19 SINDROME DO CORRIMENTO CERVICAL EM MULHERES Corrimento vaginal é um sintoma que indica a presença de secreção vulvovaginal excessiva ou anormal. A percepção do corrimento varia entre as mulheres, algumas, apesar de não terem a queixa correspondente, podem apresentar uma secreção abundante. Assim, quase 50% das pacientes com vaginose bacteriana não se queixam do corrimento, mas do cheiro (Halbe). A região vulvovaginal normal apresenta um conteúdo líquido em pequena quantidade oriundo das glândulas de Bartholin, sebáceas e sudoríparas do vestíbulo vulvar, do transudato vaginal misturado com células descamadas do mucocervical e, raramente, do endométrio e das tubas. A maioria dos componentes sofre influência dos hormônios ovarianos e da estimulação sexual. A secreção vaginal normal geralmente é branca à semelhança da farinha de trigo molhada em virtude das células descamadas, daí advém o nome leucorréia que significa corrimento branco. Quando seca pode adquirir a cor amarelada devido aos pigmentos presentes, principalmente de origem bacteriana. O colo do útero secreta muco de aspecto translúcido, sendo um dos principais componentes da secreção vaginal, principalmente no meio-ciclo, pela influência dos estrógenos, quando se torna mais abundante e fluido. O ph da vagina varia entre 3,8 e 4,2, inferior ao do colo do útero cuja secreção é mais alcalina. Fisiologicamente, as secreções vaginais têm odor característico devido à presença de feromônios. Esse odor varia de acordo com a higiene da mulher, se usa roupas justas ou de tecido sintético que não permite a evaporação da umidade e se faz uma higiene adequada após as micções. Ao microscópio se observam células descamadas e bacilos de Döderlein; leucócitos são vistos em pequena quantidade, ocasionalmente. A secreção vaginal aumenta na época da ovulação, constituindo a base do método de Billings, alguns dias antes da menstruação, durante a gravidez e durante a excitação sexual. Na infância e na pós-menopausa não são encontrados lactobacilos de Döderlein que produzem ácido láctico, causando a elevação do ph. Alguns investigadores questionam se o ácido láctico vaginal é o resultado direto da conversão dos carboidratos por essas bactérias. Essa controvérsia tem razão de ser porque a vagina é rica em glicogênio, mas o lactobacilo vaginal parece não ter fosforilase nem glicosidase e por isso não tem a capacidade de fermentar glicogênio, embora consiga fermentar a glicose para ácido láctico. Aparentemente, o glicogênio é transformado em glicose pela fosforilase e glicosidase da camada muscular da vagina em glicose que, a seguir, é fermentada pelos lactobacilos. Muitas espécies de lactobacilos fermentam glicose predominantemente para ácido láctico, enquanto que outras produzem também dióxido de carbono, álcool, ácido fórmico ou ácido acético. O meio vaginal ainda contém água oxigenada, produzida pelos lactobacilos e outras bactérias igualmente produtoras de ácido láctico, que têm peroxidase também existente no mucocervical. Além da acidez determinada principalmente pelo ácido láctico, a inibição do crescimento de algumas espécies bacterianas é feito pela liberação do peróxido de hidrogênio. O fato de pouco mais de 30% das mulheres normais não apresentarem lactobacilos na vagina, permite concluir que nem sempre a sua presença é indispensável para manter a vagina sadia. Essa noção é importante porque há muito tempo a presença do lactobacilo é considerado como

20 um índice de pureza vaginal. Mas, atualmente, sabe-se que algumas espécies de lactobacilos podem agredir a vagina particularmente quando há diminuição da imunidade. Do ponto de vista prático, às vezes, uma explicação simples da fisiologia das secreções vaginais alivia uma queixa de corrimento ou odor vaginal. As secreções normais da vagina têm as seguintes características: 1. Inodoras; 2. Coloração clara ou branca; 3. Consistência viscosa ou não; 4. Aspecto homogêneo ou discretamente turvo com elementos grumosos; 5. ph menor do que 4,5; 6. Ausência quase completa de leucócitos. O corrimento vaginal constitui o motivo da consulta em aproximadamente 50% das pacientes. Às vezes, a paciente também apresenta a queixa de odor vulvovaginal, que pode simplesmente corresponder ao odor normal das secreções vulvovaginais ou à presença de um processo patológico. É importante atentar para as características físicas do corrimento; a idade da paciente; relação com a época do ciclo menstrual e a atividade sexual; os hábitos higiênicos; e as manifestações clínicas associadas: mau cheiro, prurido, disúria, dispareunia. O desequilíbrio dos mecanismos de defesa da vagina é um fator importante para a instalação dos processos patológicos bacterianos. Fumantes e pacientes com alterações do estado emocional têm maior incidência dos corrimentos genitais, atribuída à queda da resistência. Pacientes com hipoestrogenismo têm diminuição das secreções vulvovaginais, originando a queixa de secura vaginal. As colpites ou vaginites são as causas vaginais mais comuns do corrimento vaginal e geralmente estão associadas com as colpocervicites e vulvites. Em geral, as vaginites estão associadas às vulvites e nesse caso a denominação é vulvovaginites. A vaginose bacteriana é a causa prevalecente das vulvovaginites. Cervicite: Os corrimentos frequentemente têm origem na mucosa glandular do colo do útero. Cervicite é a inflamação da mucosa glandular do colo e colpocervicite ou simplesmente colpite a inflamação da mucosa escamosa. Em geral, assim como as vaginites se acompanham da vulvite, também estão associadas à colpite. Na cervicite há edema e hiperemia da mucosa glandular e aparece grande quantidade de exsudato mucopurulento. A cervicite aguda é causada principalmente por gonococo, clamídia, herpesvírus e papilomavírus humano. A cervicite crônica é causada pelos germes comuns da vagina que atuam sobre uma ectopia, mas também pode ser causada pela micobactéria da tuberculose, pelo miracídio da esquistossomose, pelo papilomavírus humano e pelo herpes vírus simples. O exame do colo do útero em pacientes com corrimento vaginal evidencia frequentemente as sequelas de cervicite, ou seja, zona de transformação com orifícios glandulares ou cistos glandulares. Em relação à ectopia, ela favorece os processos inflamatórios de natureza infecciosa, traumática ou química (às vezes, o ph ácido da vagina é suficiente para provocar inflamação na ectopia).

21 A gonococcia tem predileção pelo epitélio colunar. É doença sexualmente transmissível, com período de incubação geralmente de 2 a 4 dias. A cervicite aguda é a manifestação clínica mais frequente na mulher. O corrimento é abundante e mucopurulento. Geralmente estão associadas polaciúria, disúria e dispareunia. O colo se apresenta edemaciado e hiperemiado e sensível à mobilização. No entanto, só 20% das pacientes têm cervicite. Na grande maioria dos casos são portadoras assintomáticas. Os gonococos ficam albergados nas criptas glandulares e, apesar do aspecto cristalino do mucocervical, essas mulheres poderão contaminar seus parceiros e disseminar a infecção. Na fase aguda, a bacterioscopia corada pelo Gram é o melhor método diagnóstico. A cultura é feita no meio de Thayer-Martin. Chlamydia trachomatis é um organismo intracelular obrigatório. Os sorotipos D, E, F, G, H, I, J e K são responsáveis pela infecção da endocérvice. O quadro clínico é semelhante ao da gonococcia, sendo frequente a infecção concomitante. A colpocitologia oncológica pode sugerir o diagnóstico, quando se observam aglomerados de corpúsculos esféricos paranucleares. Atualmente, o melhor método diagnóstico da clamídia é através da PCR. Estreptococos, estafilococos, Escherichia coli e outras enterobacteriáceas podem determinar cervicite aguda em tudo semelhante àquela descrita para clamídia e gonococo, desde que as defesas orgânicas estejam suficientemente debilitadas ou os agentes agressores suficientemente fortes. Acompanhando a cervicite, pode ocorrer a colpocervicite, inflamação da mucosa escamosa que envolve o colo uterino. Pode ser difusa ou focal, descamativa ou hiperplásica. Quando a descamação for acentuada, poderá haver a formação de úlceras, com ou sem material necrótico. As úlceras podem correr por conta do herpes vírus simples. As hiperplásicas formam papilomas, sendo geralmente devido ao papilomavírus humano. O condiloma acuminado é determinado pelo papilomavírus humano. Posteriormente ao primeiro contato dá-se a auto-inoculação. O corrimento determinado pelo papilomavírus pode ser fétido e abundante, em geral devido à infecção secundária associada. O diagnóstico é feito pelo teste de Papanicolaou, colposcopia, biópsia e pela captura híbrida do DNA do HPV. O teste de Papanicolaou revela o padrão coilocitótico característico do condiloma. A colposcopia evidencia as lesões características, por exemplo, o epitélio acetobranco e o pontilhado com relevo. Há correlação significativa entre o teste positivo para HPV de alto risco e o achado de CIN. A colposcopia deve ser utilizada para separar as mulheres que deverão ser submetidas ao teste da captura híbrida. Outras causas: O pólipo cervical geralmente é causado por um processo inflamatório na endocérvice e pode acarretar corrimento vaginal, em geral sanguinolento. DIU e tratamento de reposição hormonal podem determinar corrimento, em geral mucorréia. As pílulas contraceptivas podem acarretar o mesmo tipo presente na gravidez. O câncer do colo do útero, as complicações do tratamento radioterápico e as operações realizadas sobre o colo também

22 podem originar corrimentos. A necrose pós-radioterápica com a eliminação de material necrótico facilita a infecção por anaeróbio, provocando corrimento sanguíneo-purulento e fétido. Diagnóstico: O diagnóstico do corrimento é realizado seguindo-se o padrão rotineiro da anamnese, exame físico e exames complementares. O uso de algoritmos para o diagnóstico, principalmente para o diagnóstico das doenças sexualmente transmissíveis é controverso (Costello Daly et al., Davis et al., Eckert et al., Moherdaui et al.). É comum haver uma propedêutica falha nos serviços de pronto atendimento, propiciando a cronificação das infecções genitais. Como já mencionado no início do capítulo, a presença de sangue, produzindo o corrimento sanguinolento, deverá alertar para as causas de sangramento genital anormal. SIFILIS EM ADULTO (EXCLUIDA A FORMA PRIMARIA) Sífilis Adquirida: A sífilis é uma doença infecto-contagiosa, sistêmica, de evolução crônica, com manifestações cutâneas temporárias, provocadas por uma espiroqueta. A evolução da sífilis é dividida em recente e tardia. A transmissão da sífilis adquirida é sexual e na área gênito-anal, na quase totalidade dos casos. Na sífilis congênita, há infecção fetal via hematogênica, em geral a partir do 4º mês de gravidez. Sífilis Adquirida Recente: Esta forma compreende o primeiro ano de evolução, período de desenvolvimento imunitário na sífilis não-tratada e inclui sífilis primária, secundária e latente. A sífilis primária caracteriza-se por apresentar lesão inicial denominada cancro duro ou protossifiloma, que surge em 1 a 2 semanas, ocorrendo adenite satélite. O cancro duro, usualmente, desaparece em 4 semanas, sem deixar cicatrizes. As reações sorológicas para sífilis tornam-se positivas entre a 2ª e a 4ª semanas do aparecimento do cancro. A sífilis secundária é marcada pela disseminação dos treponemas pelo organismo. Suas manifestações ocorrem de 4 a 8 semanas do aparecimento do cancro. A lesão mais precoce é constituída por exantema morbiliforme não pruriginoso: a roséola (Figura 1). Posteriormente, podem surgir lesões papulosas e pápuloescamosas palmo-plantares (Figura 2), placas mucosas, adenopatia generalizada, alopécia em clareira e os condilomas planos. As reações sorológicas são sempre positivas. No período de sífilis recente latente, não existem manifestações visíveis, mas há treponemas localizados em determinados tecidos. Assim, o diagnóstico só é obtido pelas reações sorológicas. Pode ocorrer com freqüência polimicroadenopatia, particularmente de linfonodos cervicais, epitrocleanos e inguinais

23 Figura 1: Sífilis. Figura 2: Sífilis palmo-plantar. Sífilis Adquirida Tardia: É considerada tardia após o primeiro ano de evolução e ocorre em doentes que não receberam tratamento adequado ou que não foram tratados. Suas manifestações clínicas surgem depois de um período variável de latência e compreendem as formas cutânea, óssea, cardiovascular, nervosa e outras. As reações sorológicas são positivas. A sífilis tardia cutânea caracteriza-se por lesões gomosas e nodulares, de caráter destrutivo. Na sífilis óssea, pode haver osteíte gomosa, periostite osteíte esclerosante, artralgias, artrites, sinovites e nódulos justa-articulares. O quadro mais freqüente de comprometimento cardiovascular é a aortite sifilítica (determinando insuficiência aórtica), aneurisma e estenose de coronárias. A sífilis do sistema nervoso é assintomática ou sintomática com as seguintes formas: meningovascular, meningite aguda, goma do cérebro ou da medula, crise epileptiforme, atrofia do nervo óptico, lesão do sétimo par, paralisia geral e tabes dorsalis. HERPES GENITAL (APENAS O PRIMEIRO EPISODIO) O vírus HSV-2, que causa a herpes genital, geralmente produz apenas sintomas leves ou não mostram quaisquer sinais ou sintomas. No entanto, o HSV -2 pode provocar lesões genitais dolorosas recorrentes em muitos adultos. O HSV-2 pode ser severa em pessoas com sistema imunológico fraco. Independentemente da severidade dos sintomas, herpes genital freqüentemente causa sofrimento psíquico em pessoas que sabem que estão infectadas. A maioria das pessoas infectadas com HSV-2 não têm conhecimento da sua infecção. No entanto, se sinais e sintomas ocorrem durante o primeiro episódio, pode ser muito óbvio. O primeiro episódio ocorre geralmente dentro de duas semanas após a transmissão do vírus e curar úlceras geralmente entre duas e quatro semanas.

24 Outros sinais e sintomas durante o primeiro episódio podem incluir um segundo de feridas, ou sintomas de gripe, entre os quais incluem febre glândulas e inchado. No entanto, a maioria das pessoas infectadas com HSV-2 pode nunca ter feridas, os seus sintomas podem ser tão leves que nem sequer percebem ou até mesmo ser confundido com picadas de insetos ou erupções cutâneas. A maioria das pessoas diagnosticadas no primeiro episódio de herpes genital pode esperar ter recaída sintomática vários, normalmente 04:56, por um ano. Essas recorrências geralmente são mais visíveis durante o primeiro ano após o primeiro episódio. O HSV-1 e HSV-2 pode produzir feridas área vaginal e em torno dela, sobre o pénis, em torno da abertura anal, as nádegas ou coxas. Ocasionalmente, as lesões aparecem também em outras partes do corpo onde o vírus foi introduzido através de uma abertura na pele. Infelizmente, a maioria das pessoas que têm herpes genital não sabem disso, porque eles nunca têm sintomas ou não reconhecer os sintomas que possam ter. Quando os sintomas ocorrem, eles podem ser diferentes para cada pessoa. Muitas vezes, quando uma pessoa é infectada com o herpes, pela primeira vez, os primeiros sintomas aparecem nos primeiros 10 dias. Estes primeiros episódios de sintomas duram geralmente duas a três semanas. Coceira ou sensação de ardor na área genital ou anal. Dor nas pernas, nádegas ou órgãos genitais. Descarga de líquido a partir da vagina. Aperto no abdômen. Em poucos dias, as feridas aparecem perto onde o vírus tenha entrado no corpo, tal como na boca do pénis ou a vagina. Também pode ocorrer na vagina e cervix em mulheres, ou na passagem urinária de homens e mulheres. Pequenas saliências vermelhas aparecem primeiro são convertidas em ampolas e então se tornar dolorosas feridas abertas. Por vários dias, a crosta feridas mais e curam sem cicatrizes. Alguns outros sintomas que podem ocorrer com o primeiro episódio de herpes genital são febre, dor de cabeça, dores musculares, dor ao urinar ou difícil, corrimento vaginal, e glândulas inchadas na área de Inglês. Se você foi infectado com o HSV -1 e / ou HSV-2, você provavelmente tem sintomas ou surtos de tempos em tempos. Quando o vírus tenha acabado de ser activa, em seguida, viaja para os nervos no final da coluna, onde se mantêm por algum tempo. Mesmo depois que as feridas desaparecem, o vírus permanece nas células nervosas em um estado inativo e não apresentam sintomas. Na maioria das pessoas, o vírus pode se tornar ativo várias vezes por ano, mas os cientistas ainda não sabem por que isso acontece. Quando reactivado, o vírus viaja através do sistema nervoso para a pele, onde se multiplica perto do local da primeira infecção. Isto torna-os reaparecer há novas úlceras. Às vezes, o vírus pode tornar-se ativo, mas não causar feridas que podem ser vistos. Nestes casos, pequenas quantidades do vírus pode derramar sobre o primeiro local de infecção ou perto dela, nos fluidos da boca do pênis, vagina ou úlceras ou dificilmente visíveis.

25 Você pode muitas vezes passam despercebidos porque não causar qualquer dor ou faz você se sentir desconfortável. Apesar de não estar ciente disso, esses vírus podem infectar o parceiro sexual da pessoa infectada. Após o primeiro surto, possíveis surtos geralmente são leves e duram cerca de uma semana. Uma pessoa infectada pode saber que ele está prestes a ter um surto por um formigamento ou coceira na área genital, dor nas nádegas ou pernas. Para alguns indivíduos, estes primeiros sintomas podem ser parte dolorosa e irritante de um episódio. Às vezes, só o formigamento e coceira estão presentes e não há feridas visíveis desenvolver. Em outros momentos, aparecem bolhas que podem ser muito pequeno e quase imperceptível, ou feridas abertas podem aparecer que a crosta ao longo e depois desaparecem. A frequência e a gravidade dos episódios recorrentes varia. Enquanto algumas pessoas têm apenas um ou dois focos em toda a vida, outros podem ter vários surtos por ano. O número e padrão dos surtos repetidos muitas vezes muda com a idade da pessoa. Os cientistas não sabem o que faz com que o vírus para reativar novamente. Embora algumas pessoas acreditam que seus surtos de herpes é causada por outra doença, estresse ou ter um período menstrual, surtos muitas vezes não são previsíveis. Em alguns casos os rebentos podem ser relacionados com a exposição à luz solar. Os principais sintomas da infecção por herpes são bolhas dolorosas ou feridas abertas na área genital. Essas lesões podem ser precedido por um formigamento ou sensação de queimação nas pernas, nádegas ou região genital. Herpes lesões desaparecem geralmente dentro de duas a três semanas, mas o vírus permanece no corpo para toda a vida e as lesões podem ocorrer ao longo do tempo. Os sintomas da herpes genital em mulheres O herpes genital é uma doença sexualmente transmissível (DST) que afeta os membros de ambos os sexos, mas é mais comum entre as mulheres. Um em cada seis adolescentes está infectado com herpes genital, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças. As mulheres têm sintomas de herpes genital externa áreas, porque, quando o virus penetra no corpo, mantém-se próximo à área de transmissão. A maioria das pessoas passam por períodos de exacerbação e remissão do vírus. Os surtos podem ocorrer várias vezes ao ano. Mesmo uma pessoa que não está experimentando sintomas, você pode espalhar o vírus para outra pessoa. As alterações da pele: Além da sensação geral da doença, as quais incluem uma diminuição do apetite e dor muscular, as mulheres experimentam sintomas de herpes genital na labia. Labia são áreas internas e externas da pele que estão localizados em cada lado da abertura vaginal em mulheres. Essas áreas são chamadas de pequenos lábios e grandes lábios. Quando um surto de herpes na região genital, a pele dos lábios podem experimentar diferentes sensações. Alguns destes sintomas podem incluir uma sensação de formigamento ou sensação de queimação. Também é comum a comichão e dor na área.

26 Blisters: Quando as mulheres sofrem um surto de herpes, eles começam a formar bolhas ao longo dos lábios. As bolhas formam-se no mesmo local onde ocorre a queima sensações dolorosas e comichão na pele. O período de tempo entre as sensações e a formação de bolhas varia de algumas horas a vários dias. Pequenas bolhas contendo um líquido cor de palha. A pele em torno das bolhas torna-se vermelho e inflamado. As bolhas podem ser dolorosas para a pessoa. Durante a micção, a urina pode irritar as bolhas que causam mais dor. As bolhas duram cerca de uma semana durante cada surto. Úlceras: As bolhas de infecção de herpes genital pode ser aberto. A ampola quebrada deixa a pele exposta ulcerada. Roupas e urina pode irritar as feridas. Úlceras podem exalam um líquido cor de palha ou pode até sangrar. Quando as úlceras podem começar a secar crosta, este é um sinal de que eles estão se curando. O tempo de cura da úlcera e crostas pode durar de uma a duas semanas. Nas zonas ulceradas pode ocorrer uma infecção bacteriana. Os sintomas de uma infecção da pele incluem secreção purulenta úlcera amarelada ou esverdeada e dor crescente e vermelhidão na área. Lista dos sintomas do herpes genital: Os principais sintomas do herpes genital, obtido a partir de várias fontes, incluindo: Falta de sintomas - você pode ser infectado sem saber; Úlceras em diferentes áreas do corpo que podem aparecer em um recorrente; Inchaços vermelhos - feridas começam como pequenas saliências vermelhas; Bolhas - feridas podem evoluir para úlceras e vice-versa; Feridas vaginais; Feridas no pênis; Feridas no ânus; Feridas nas nádegas; Feridas nas coxas; Internos feridas vaginais; Feridas cervicais; Feridas ou do trato urinário; Infecção oral - infecção e o sexo oral; Coceira genital; Queima nos órgãos genitais; Coceira; Prurido anal; Queimação anal; Dor na perna; Dor na nádega; Dor na área genital; Corrimento vaginal; Pressão abdominal;

27 Febre ligeira; Dor ao urinar - devido a úlceras. CONDILOMA ACUMINADO (VERRUGA ANOGENITAS) Verrugas são tumorações benignas de pele causadas pelo papiloma vírus humano (HPV). Esse vírus ativa o crescimento anormal de células da epiderme, que são lançadas para a superfície do corpo formando as verrugas. O aspecto, tamanho e forma dessas lesões estão diretamente ligados a um ou vários dos diferentes sorotipos de HPV responsáveis pela infecção. O contágio pode ocorrer por contato direto com pessoas e objetos infectados, por autoinoculação através de pequenos ferimentos que servem de porta de entrada para o vírus, nas relações sexuais e por via materno-fetal no momento do parto. Pacientes imunodeprimidos são os mais vulneráveis ao aparecimento de verrugas causadas pelo HPV. Classificação: As verrugas podem ocorrer em qualquer região do corpo. Conforme sua localização e formato, são classificadas em: 1) Verrugas vulgares: é o tipo mais comum. Em geral, as lesões arredondadas ou irregulares, endurecidas e ásperas podem guardar alguma semelhança com o aspecto de uma couve-flor. No inicio, elas costumam ser claras, esbranquiçadas, com pontos escuros, mas podem mudar de cor com o passar do tempo. As verrugas vulgares aparecem especialmente nas áreas expostas a maior atrito, como mãos, dedos, cotovelos, joelhos e ao redor das unhas (verrugas periungueais), isoladamente ou em placas. Apesar de a infecção ocorrer em qualquer idade, é prevalente na infância e na adolescência. 2) Verrugas planas: sua principal característica é a confluência de múltiplas pequenas pápulas amareladas ou acastanhadas, de no máximo 5mm, pouco proeminentes e mais macias do que as verrugas vulgares. Elas surgem preferencialmente na face. 3) Verrugas plantares: as lesões dolorosas desenvolvem-se na planta dos pés e, muitas vezes, são confundidas com os calos. Sua área central irregular é circundada por uma camada endurecida da epiderme. O peso que o corpo exerce sobre elas faz com que cresçam para dentro da sola do pé, o que provoca dor quando a pessoa anda. A confluência de verrugas menores pode favorecer a formação de placas que caracterizam as verrugas plantares em mosaico. A presença de pequenos pontos escuros no centro das lesões sugeriu o nome popular de olho de peixe pelo qual também são conhecidas. 4) Verrugas filiformes: são lesões finas e alongadas que se projetam para fora da epiderme da face, pescoço, pálpebras e lábios especialmente nas pessoas mais velhas. 5) Verrugas anogenitais ou condilomas acuminados: essas verrugas podem ser precursoras de tumores malignos, como o câncer de colo de útero e de pênis. As lesões se formam nas mucosas das regiões genital, perianal, oral e na uretra. São pápulas macias, rosadas e vegetantes, isto é, com a aparência de uma couve-flor, que podem unir-se formando blocos e ocupar áreas extensas. Quando isso acontece, as lesões chegam a obstruir a vulva e o ânus e o quadro recebe a denominação de condiloma acuminado gigante de Buschke e Lowoenstein. Sintomas: Exceção feita às verrugas plantares, que doem quando a pessoa caminha e podem sangrar, e às anogenitais, que podem coçar um pouco, as verrugas costumam ser assintomáticas.

28 Diagnóstico: O diagnóstico é clínico, tomando como base o aspecto e localização das lesões. Exames laboratoriais, como o Papanicolaou, a colposcopia, e a biópsia são úteis para identificar os sorotipos de HPV envolvidos e estabelecer o diagnóstico diferencial com outras patologias. Prevenção: Como a transmissão dos vários sorotipos de HPV, que são a causa das verrugas anogenitais ocorre por via sexual ou da mãe para o filho na hora do parto, o uso de preservativos em todas as relações sexuais é a melhor forma de prevenir esse tipo infecção. Da mesma forma, o fato de ela ser transmitida por autoinoculação, é importante não coçar nem ferir as lesões para que o vírus não penetre por escoriações na pele. Tratamento: Grande parte das verrugas comuns desaparece espontaneamente depois de algum tempo. Nos outros casos, o tratamento pode consistir no uso local de medicamentos específicos que promovem a cauterização química, ou na remoção cirúrgica das lesões por meio da eletrocauterização, crioterapia (destruição das lesões com nitrogênio líquido), laser ou cirurgia convencional em casos de câncer instalado. Recomendações: * Não tente acabar com as verrugas sem o acompanhamento de um médico dermatologista. Nessa tentativa, você pode provocar infecções e reinfecções com consequencias graves; * Vale sempre lembrar que, quanto antes for instituído o tratamento, melhor será o prognóstico. Embora longo, ele costuma apresentar bons resultados, desde que corretamente orientado. SIFILIS NÃO ESPECIFICADA CID 10 A53 Outras formas e as não especificadas da sífilis: A53 Outras formas e as não especificadas da sífilis Classificação: Única Restrição do Sexo: Nenhuma Causa Óbito: Sim A53.0 Sífilis latente, não especificada se recente ou tardia Classificação: Única Restrição do Sexo: Nenhuma Causa Óbito: Sim A53.9 Sífilis não especificada Classificação: Única Restrição do Sexo: Nenhuma Causa Óbito: Sim

29 TOXOPLASMOSE CONGENITA Toxoplasmose congênita: a contaminação do feto por esporozoários parasitas. Toxoplasmose congênita A toxoplasmose é uma infecção causada pelo parasita Toxoplasma Goondi. A transmissão ocorre através da carne mal-passada, ou do contato com fezes de gatos contaminados. Outros animais domésticos, como cães ou pássaros, não transmitem o parasita, pois somente no gato o parasita completa seu ciclo evolutivo e torna-se capaz de infectar o homem. Sintomas inespecíficos como febre, cansaço, dor de garganta e aumento dos linfonodos podem ocorrer. A maioria dos adultos permanecem assintomáticos. Na maioria dos casos, uma vez tendo adquirido a doença, a infecção não ocorre novamente. Mulheres que criam gatos, que costumam comer carne mal-passada e que apresentarem os sintomas citados acima têm um risco aumentado para a infecção. Nos Estados Unidos, aproximadamente dois-terços das mulheres nunca tiveram a doença e correm o risco da infecção. Um exame de sangue pode determinar se a pessoa já foi afetada. O ideal seria que as mulheres realizassem o exame antes da gestação. Se a infecção for diagnosticada durante a gestação, outros testes serão necessários para determinar se a infecção é recente ou não. Muitas vezes, o teste é de difícil interpretação e pode ser necessário mandá-lo a um laboratório especial. O Toxoplasma Goondi pode ser encontrado em carne mal-cozida, ovos crus e leite não pasteurizado. Gatos que comem carne crua e roedores podem ser infectados, e o parasita permanece vivo nas fezes dos gatos por duas semanas. Desta forma, gestantes e mulheres que desejem engravidar não devem limpar ou trocar objetos com esses dejetos. Os ovos do parasita permanecem nas fezes dos gatos por 18 meses. Para evitar a infecção em gestantes deve: - cozinhar bem a carne;

30 - usar luvas quando mexer no jardim; - lavar todas as frutas e vegetais; - lavar bem as mãos após manusear com carne crua, frutas e vegetais; - não mexer ou limpar as fezes dos gatos. A toxoplasmose congênita ocorre apenas quando as mulheres apresentam a infecção ativa durante a gestação. Em geral, não há risco para o feto quando a infecção ocorre mais de 6 meses antes da gestação. Mulheres com algum grau de imunodeficiência podem desenvolver a doença mais de uma vez. O parasita da toxoplasmose é conhecido por atravessar a placenta. Em cerca de 40% dos casos nos quais a gestante tem toxoplasmose, o bebê é infectado. As crianças que são infectadas durante a gestação apresentam toxoplasmose congênita. Dentre os agravos anatômicos e funcionais decorrentes dessa afecção, podem ser observados restrição de crescimento intrauterino, morte fetal, prematuridade, bem como lesões em órgãos como coração, cérebro, olhos, baço e fígado. Os efeitos a longo prazo incluem convulsões, retardo mental, paralisia cerebral, surdez e cegueira. Muitas crianças infectadas não terão problemas ao nascimento. Quando a mãe é infectada entre 10 e 24 semanas de gestação, o risco de seqüelas importantes para o recém-nascido é de 5-6 %. Quando a mãe é infectada em um período mais tardio da gestação, a chance de o bebê apresentar seqüelas é muito pequena. Sabendo-se que a infecção da gestante é recente, há muitas formas de verificar se o feto foi afetado. O líquido que envolve o feto ou o sangue fetal podem ser examinados para determinar a presença da infecção. Entretanto, se o feto estiver infectado, estes exames não demonstram a gravidade da doença. Cerca de um terço dos bebês com toxoplasmose congênita apresentam problemas que podem ser diagnosticados pela ecografia (microcefalia com hidrocefalia, calcificações cerebrais, ascite fetal e alterações de ecotextura hepática e esplênica). Após o nascimento, um exame de sangue deve ser realizado pelo bebê. A toxoplasmose materna pode ser tratada com sucesso com determinados antibióticos. O diagnóstico precoce e o tratamento diminuem as chance de infecção fetal. Caso o bebê já tenha sido infectado, o tratamento com outras medicações podem tornar a doença menos severa. Entretanto, o tratamento pode não prevenir os efeitos no bebê. O tratamento durante o primeiro ano de vida pode ser muito útil. Bebês com toxoplasmose congênita geralmente não apresentam nenhuma alteração ao nascimento. Ainda assim, estudos a longo prazo mostram que mais de 90 % desenvolvem problemas de cegueira, surdez, e retardo de desenvolvimento. Estes sintomas podem surgir meses ou anos após o nascimento. Por esta razão, crianças com toxoplasmose congênita devem ser tratadas durante o primeiro ano de vida e periodicamente examinadas.

31 SINDROME DO CRESCIMENTO URETRAL EM HOMEM As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) são doenças causadas por vários tipos de agentes. São transmitidas, principalmente, devido à falta de camisinha, e geralmente se manifestam por meio de feridas, corrimentos, bolhas ou verrugas. Só neste ano, mais de 60 pessoas em Limeira foram notificadas. Ou seja, a cada dois dias, ou pouco mais, o órgão registra um diagnóstico positivo de doença sexualmente transmissível. Um grande problema, de acordo com a coordenadora administrativa do Ambulatório DST/Aids de Limeira, Raquel Cristina Miguel Grassi, é que muitas pessoas se preocupam apenas com a gravidez indesejada e a Aids.?Mas não é só Aids que é considerada grave. Outras doenças, se não tratadas, também podem gerar conseqüências muito sérias? Entre as doenças mais freqüentes na cidade, registradas pelo Sistema de Informação de Notificação de Agravos (Sina) do Ambulatório, estão a Síndrome do Corrimento Uretral (homem), Síndrome do Corrimento Cervical (mulher), sífilis, herpes genital, condiloma acuminado, cancro mole, além da própria Aids, que neste primeiro semestre foi descoberta por mais 14 pessoas. São oito homens e seis mulheres. Todos foram infectados através do sexo desprotegido. Dois têm entre 20 e 30 anos; cinco, sendo três mulheres, têm idade entre 31 e 40 anos; seis, entre 41 e 50 anos (metade é mulher) e um com idade acima de 61 anos. O coordenador do Ambulatório, Marco Antônio Pereira Francisco, já havia falado sobre o aumento da incidência na terceira idade.?o estimulante sexual, como o Viagra, é um dos motivos?. Duas pessoas que descobriram a Aids neste ano já morreram. Outras DSTs: O próprio Ministério da Saúde afirma que as DSTs são tidas como um grave problema de saúde pública por afetarem muitas pessoas. Além disso, os sinais e sintomas são de difícil identificação e, o acesso ao tratamento correto, também. Contudo, o Ambulatório de Limeira forneceu à Gazeta a quantidade dos últimos registros, para que a população pudesse se conscientizar mais, além de conhecer as outras doenças. Síndrome do Corrimento Uretral: Dois casos neste ano em Limeira e nove no ano passado. Esta é uma das mais comuns entre as doenças transmitidas sexualmente. De seis a oito dias após o sexo desprotegido, começa uma ardência e dificuldade ao urinar, além de apresentar corrimento. Se não tratada, tanto no homem quanto na mulher, pode haver sérias conseqüências como causar esterilidade, que é a incapacidade de ter filhos; pode atacar o sistema nervoso, causando meningite; pode afetar os ossos e até o coração. Todos esses sintomas são os mesmos para a Síndrome do Corrimento Cervical, que é na mulher, porém, é mais complicado o diagnóstico, o que exige a freqüência ao médico. Foram 12 casos desde o início do ano e 57 em Sífilis: O diagnóstico da doença neste ano, já passou do dobro da quantidade no ano passado. 13 em 2006 e 29, em Se manifesta inicialmente como pequena ferida nos órgãos sexuais (cancro duro) e com ínguas (caroços) nas virilhas, que surgem entre a 2ª e 3ª semana após a relação sexual desprotegida. A ferida e as ínguas não doem, não coçam, não ardem e não apresentam pus. Após um certo tempo, a ferida desaparece sem deixar cicatriz, dando à pessoa a falsa impressão de estar curada. Pode ficar, então, estacionada por meses ou anos, até o momento em que surgem complicações graves como cegueira, paralisia, doença cerebral, problemas cardíacos, podendo inclusive levar à morte.

32 A309 - HANSENIASE CASOS DE DOENÇAS NOTIFICADOS EM BARREIRAS B551 - LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

33 B550- LEISHMANIOSE VISCERAL A279- LEPTOSPIROSE

34 G039- MENINGITE O981- SIFILIS EM GESTANTE

35 A35- TETANO ACIDENTAL A33- TETANO NEONATAL

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

Clamídia e Gonorreia

Clamídia e Gonorreia Doenças Sexualmente Transmissíveis DST Além da Aids, diversas outras doenças são transmitidas através do sangue e, por consequência, do ato sexual, e podem ser evitadas com comportamento sexual responsável

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora Suprema. COMUNICAÇÃO & MARKETING ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Releases

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora Suprema. COMUNICAÇÃO & MARKETING ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Releases Doenças Sexualmente Transmissíveis DST Além da Aids, diversas outras doenças são transmitidas através do sangue e, por consequência, do ato sexual, e podem ser evitadas com comportamento sexual responsável

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Palestrante: Ten Leandro Guilherme O que é? DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Toda doença que

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Biologia Qualidade de vida Imunidade Imunologia é o ramo que estuda as formas de combate a agentes invasores patogênicos, bem como substâncias

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. 2 Habilidade: Conhecer as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), sua prevenção e forma de tratamento. 3 REVISÃO Métodos

Leia mais

SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO

SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO Biologia Aula: 09 e 10 Prof. Oromar UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou

1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou autótrofo (algas azuis); A única organela presente são os ribossomos;

Leia mais

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis As infecções sexualmente transmissíveis (STI s, abreviatura em inglês para Sexually Transmitted Infections (Infecções Sexualmente

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários PROTOZOOSES Doenças causadas por protozoários DOENÇA DE CHAGAS Agente etiológico: Trypanossoma cruzi Vetor: Triatoma infestans (barbeiro ou chupança). Complicações: Insuficiência e arritimia cardíaca (crônica)

Leia mais

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula IV Protozoários Zoopatogênicos Professora: Luciana Alves de Sousa Doenças causadas por Protozoários Doença de Chagas Leishmaniose Malária Giardíase Amebíase Toxoplasmose Doença

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde Tuberculose Informações para Agentes Comunitários de Saúde 2011. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia É permitida a reprodução parcial desta

Leia mais

Janeiro D S T Q Q S S

Janeiro D S T Q Q S S Cia. da Saúde 2008 Janeiro D S T Q Q S S 6 13 20 27 7 14 21 28 1 8 15 22 29 2 9 16 23 30 3 10 17 24 31 4 11 18 25 5 12 19 26 2008 Cia. da Saúde Quem somos A Companhia da Saúde é formada por adolescentes

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA BOM DESPACHO 2011 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

DOENÇAS S SEXUALMENTE T TRANSMISSÍVEIS. Faça a escolha certa. Use preservativo!

DOENÇAS S SEXUALMENTE T TRANSMISSÍVEIS. Faça a escolha certa. Use preservativo! D DOENÇAS S SEXUALMENTE T TRANSMISSÍVEIS Faça a escolha certa. Use preservativo! A Prefeitura Municipal de Guaíba disponibiliza à comunidade mais um instrumento de informação a serviço da Saúde. O Ambulatório

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

Aula 21 e 22 GRAVIDEZ, MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

Aula 21 e 22 GRAVIDEZ, MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Aula 21 e 22 GRAVIDEZ, MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Adolescência: formação escolar e profissional. Asseio íntimo com ducha vaginal depois da relação sexual previne a gravidez?

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória -

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória - M i c r o Z o o m - um jogo de observação e memória - Material de Apoio Raiva A raiva é uma doença fatal. Isso significa que se uma pessoa que se uma pessoa não vacinada for contaminada pelo vírus da raiva

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura.

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura. AIDS & DST s Prevenção e controle para uma vida sexual segura. aids A aids é uma doença causada pelo HIV, vírus da imu-nodeficiência humana que destrói o sistema imunológico responsável pela defesa do

Leia mais

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias MENINGITE Lucila T. Watanabe Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias Histórico (I) 1975 Implantação do SVEM (Sistema de vigilância epidemiológica das meningites) Após epidemias de Doença

Leia mais

Prof. João Carlos. aula 3. botânica e parasitoses

Prof. João Carlos. aula 3. botânica e parasitoses Prof. João Carlos aula 3 botânica e parasitoses Briófitas : musgos Os musgos (verdes) produzem gametas, seus filhos produzem esporos Esporos gametas Pteridófitas: samambaias Ciclo das samambaias O gameta

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Sistema Imunológico Doenças Virais e Bacterianas. Prof. Rafael Rosolen T Zafred

Sistema Imunológico Doenças Virais e Bacterianas. Prof. Rafael Rosolen T Zafred Sistema Imunológico Doenças Virais e Bacterianas Prof. Rafael Rosolen T Zafred Sistema Imunológico Sistema não formado, centralmente, por órgãos; Funcionamento efetivo por tipos celulares presentes na

Leia mais

Boletim Epidemiológico SÍFILIS CONGÊNITA. Dados atualizados em 18 de junho de 2015. Edição nº 04 n.02/2015

Boletim Epidemiológico SÍFILIS CONGÊNITA. Dados atualizados em 18 de junho de 2015. Edição nº 04 n.02/2015 SÍFILIS CONGÊNITA Uma epidemia silenciosa de sífilis avança no Brasil, e o mais preocupante é que grande parte dos infectados não sabe que está transmitindo a doença para outras pessoas. Nos casos das

Leia mais

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV.

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. A A Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. 2 A A Habilidades: Conhecer algumas doenças sexualmente transmissíveis, analisando suas causas e consequências. 3 A A DST s Clamídia

Leia mais

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Estrutura de Vírus Menores que as menores células conhecidas Vírus que infectam Bactérias Exemplo: vírus que infectam a

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa brasileira é uma doença transmitida pelo carrapato-estrela

Leia mais

DST - DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS PROTEJA SUA SAÚDE

DST - DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS PROTEJA SUA SAÚDE DST - DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS PROTEJA SUA SAÚDE O sexo é importante na nossa vida. Ele nos dá prazer e, às vezes, filhos. Sexo é sinal de saúde, permite demonstrar carinho e confiança. Existem,

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

Palavras chave para indexação: 2014_10_07_Mem.Reun.Saúde _ Barracão_ Associação_Comunidade _Vila Isabel_Anapu

Palavras chave para indexação: 2014_10_07_Mem.Reun.Saúde _ Barracão_ Associação_Comunidade _Vila Isabel_Anapu Assunto: Reunião/Palestra sobre saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Bo Monte. Redator: Maurício

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Nome/Código arquivo: 2014_10_07_memória_reunião_saúde_comunidade_Belo_Monte_do_Pontal

Nome/Código arquivo: 2014_10_07_memória_reunião_saúde_comunidade_Belo_Monte_do_Pontal Assunto: Reunião/Palestra sobre saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Edilene

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Organismos procariontes

Organismos procariontes Organismos procariontes Morfologia Produção de compostos orgânicos Heterótrofa Autótrofa Obtêm átomos de carbono de moléculas orgânicas que captam do ambiente. Utilizam gás carbônico para produzir suas

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO Luizinho e Chiquinho HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. Oi LuizinhO. nossa conversa sobre DST foi muito útil, mas agora, eu tenho uma dúvida

Leia mais

FAÇA A SUA PARTE. Um mosquito não é mais forte que um país inteiro!

FAÇA A SUA PARTE. Um mosquito não é mais forte que um país inteiro! FAÇA A SUA PARTE Um mosquito não é mais forte que um país inteiro! DENGUE O que é? A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

27/02/2014. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS

27/02/2014. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS PROTOZOÁRIOS E ALGAS Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; Locomoção por meio de pseudópodes; Vida livre ou parasitas; Vacúolo pulsátil

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais