Evolução, fatores de risco e prognóstico: o pescoço está pronto?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução, fatores de risco e prognóstico: o pescoço está pronto?"

Transcrição

1 Centro SARAH de Formação e Pesquisa Programa de Pós-Graduação Mestrado em Ciências da Reabilitação Evolução, fatores de risco e prognóstico: o pescoço está pronto? Andreia Gushikem Orientador: Aloysio Campos da Paz Júnior

2 ii Rede Sarah de Hospitais de Medicina de Reabilitação Centro Sarah de Formação e Pesquisa Programa de Pós-Graduação Mestrado em Ciência da Reabilitação Andreia Gushikem Brasília 2007 Andreia Gushikem

3 iii Evolução, fatores de risco e prognóstico: o pescoço está pronto? Dissertação apresentada ao Centro Sarah de Formação e Pesquisa da Rede Sarah de Hospitais de Medicina de Reabilitação, como exigência para obtenção do Título de Mestre em Ciências da Reabilitação Orientador: Aloysio Campos da Paz Jr. Brasília 2007

4 iv A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original Albert Einstein

5 LISTA DE FIGURAS v

6 LISTA DE TABELAS vi

7 vii RESUMO Um das regiões que mais sofreu modificações ao longo da evolução do homem é o pescoço. A alta prevalência de dor e disfunção na coluna cervical, sugere analisar os mecanismos da coluna à luz dos dados sobre a evolução. Por outro lado, para direcionar o processo de reabilitação, é necessário compreender também os fatores de risco. Esse trabalho objetivou avançar no estudo dos fatores de risco e prognóstico da cervicalgia, bem como analisar o problema do ponto de vista evolutivo. Para alcançar os objetivos quanto aos fatores de risco, conduzimos um estudo de caso-controle, envolvendo 37 pessoas com cervicalgia inespecífica crônica e 33 controles assintomáticos. A análise do ponto de vista evolutivo foi precedida de revisão bibliográfica. Observamos que as mulheres, pessoas com sobrepeso, que mantém flexionado ou flexionam repetidas vezes o pescoço, no seu dia-a-dia, e que apresentam algumas alterações ditas degenerativas, específicas, apresentam maior chance de apresentar cervicalgia. Os pacientes com cervicalgia, que exibiram alterações degenerativas, apresentavam maior tempo de evolução dos sintomas. E, quanto maior a intensidade da dor, maior a limitação funcional. Ao longo da evolução, o pescoço sofreu modificações e estaria bem adaptado para a marcha. Entretanto, não se pode afirmar que esteja pronto para as novas demandas impostas pelo cotidiano e o aumento da expectativa de vida. Palavras-chave: Cervicalgia, fatores de risco, osteoartrose, obesidade, tabagismo, depressão, atividade física, riscos ocupacionais, atividades de vida diária, evolução.

8 viii ABSTRACT The neck is one of the regions of the human body that, through evolution, most suffered modifications. The high prevalence of pain and dysfunctions in the spinal cord, suggest an analysis of the spinal mechanics enlightened by evolutionary background. In the other hand, to conduct the rehabilitation process, it is also necessary to comprehend other risk factors. The aim of this research was bringing advances to the study of risk factors and prognosis in cervical pain and all together analyze the problem through the evolutionary point of view. To reach our objectives in regards to risk factors a case-control study was conducted, involving 37 individuals with unspecified chronic cervical pain and 33 asymptomatic control subjects. The analysis of the evolutionary perspective was based on a bibliographical revision. It was observed that women, individuals with overweight which maintain the neck flexed or repetitively flex it, in their day-to-day activities, and that present any specific degenerative modification, present greater chance of presenting cervical pain. Patients with cervical pain that showed degenerative modifications manifested their symptoms for a longer period of time. And greater the intensity of the pain greater was the functional limitation. Through evolution the neck underwent modifications and should have been well adapted to gait. However, we can not state that it is heady to attend to the new demands imposed by daily life and the increase of life expectation. Keywords: Cervical pain, risk factors, osteoarthritis, obesity, smoking, depression, physical activities, occupational risks, daily life activities, evolution.

9 ix RÉSUMÉ Le cou est l une des régions du corps qui ont subi le plus grand nombre de modifications au cours de l évolution de l homme. La forte prévalence de la douleur et les dysfonctions de la colonne cervicale nous ont amenée à analyser les mécanismes du cou à la lumière des données disponibles sur l évolution. Par ailleurs, il est indispensable à une bonne conduite de la rééducation de bien comprendre les facteurs de risque. La présente étude a été menée dans le but d avancer dans la connaissance des facteurs de risque et du pronostic de la cervicalgie, en abordant le problème sous l angle de l évolution. Pour l analyse des facteurs de risque a été réalisée une étude cas-contrôle sur 37 personnes souffrant de cervicalgie non spécifique chronique et 33 sujets témoins asymptomatiques. L analyse du point de vue de l évolution a été précédée d une étude bibliographique. Nous avons observé que les sujets de sexe féminin, les personnes en surpoids, qui maintiennent le cou en flexion ou sont amenées à le flexionner de manière répétée pour les activités de la vie quotidienne, et celles qui présentent des modifications dites dégénératives, spécifiques, sont davantage exposés à la cervicalgie. Chez les patients cervicalgiques porteurs de modifications «dégénératives» le temps d évolution des symptômes est plus long. Et plus l intensité de la douleur est élevée, plus grande est la limitation fonctionnelle. Au cours de l évolution, le cou a subi des modifications et serait bien adapté pour la marche. Il est néanmoins impossible d affirmer qu il est préparé pour affronter les nouvelles contraintes imposées par le quotidien et l allongement de l espérance de vie. Mots-clé : Cervicalgie, facteurs de risque, ostéoarthrose, obésité, tabagisme, dépression, activité physique, risques occupationnels, activités de la vie quotidienne, évolution.

10 x

11 xi SUMÁRIO

12 xii SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS v LISTA DE TABELAS vi RESUMO vii ABSTRACT viii RÉSUMÉ ix 1 INTRODUÇÃO 1 O pescoço está pronto? 1 2 REVISÃO DA LITERATURA Das origens à atualidade O Homem sentado ( Homo sentadus ) Histórico da dor nas costas Uma análise da cervicalgia Potenciais fontes de dor, etiologia e fatores de risco Prevenção Diagnóstico da cervicalgia SUJEITOS E MÉTODOS Delineamento do estudo Seleção da população Coleta de dados Variáveis socioeconômicas e idade Variáveis antropométricas Variáveis que expressam estilo de vida Variáveis relacionadas à ocupação Variáveis que expressam a condição emocional Alterações radiológicas Caracterização dos sintomas e atividades de vida diária nos pacientes com cervicalgia Análise estatística 22 4 INVESTIGAÇÃO PRELIMINAR RESULTADOS Investigação dos potenciais fatores de risco Consolidação dos fatores de risco Investigação dos potenciais fatores prognósticos no grupo-cervicalgia DISCUSSÃO Aspectos metodológicos e limitações da pesquisa Diagnóstico Validade dos instrumentos Principais resultados Dados socioeconômicos Variáveis antropométricas e que expressam estilo de vida Fatores que expressam a condição emocional 38

13 xiii Fatores relacionados à ocupação Alterações radiográficas Eletroneuromiografia População com cervicalgia Considerações finais Implicações práticas 44 ANEXOS 56 Anexo i Ficha de coleta de dados 56 Anexo ii - Inventário Beck de Depressão 57 Anexo iii Ficha de avaliação radiológica 59 Anexo iv - Critérios de avaliação e classificação achados radiológicos 60 Anexo v Ficha de caracterização das queixas 61 Anexo vi- Questões do Neck Disability Index (NDI) 62 Tabela 7. Resumo dos principais resultados encontrados nos artigos 17

14 INTRODUÇÃO

15 1 INTRODUÇÃO O pescoço está pronto? O pescoço é a região mais móvel da coluna vertebral e uma das que mais sofreu modificações ao longo da evolução do homem, sob o ponto de vista antropológico. Existe coincidência entre essas regiões e a ocorrência de disfunção e dor. No caso do pescoço, a prevalência de dor é de 34%. Isso sugere que uma das possibilidades para entender os mecanismos da coluna humana é estudá-los à luz da evolução. Por outro lado, para direcionar o processo de reabilitação, é necessário compreender também os fatores de risco, presentes na vida moderna. Além disso, é importante refletir sobre a influência que o processo de industrialização exerceu sobre a coluna humana e, especificamente, sobre o pescoço. O homem passou, ainda, a viver mais tempo apoiado na máquina palnejada para andar, lutar e fezer esforços.. Os objetivos deste estudo não se restringiram, portanto, apenas ao estudo clássico dos fatores de risco e prognóstico no contexto da reabilitação. Também avançaram na análise da dor no pescoço do ponto de vista antropológico. Especificamente, quanto à investigação dos fatores de risco, este estudo objetivou: Preliminarmente, investigar a presença ou não de envolvimento radicular; Investigar a relação entre a dor no pescoço e os achados radiológicos da coluna cervical; Investigar a relação entre a dor no pescoço e obesidade, tabagismo, atividade física, características da ocupação e ansiedade/depressão. No que concerne aos fatores prognósticos, visou: Comparar os achados radiológicos da coluna cervical com a gravidade e o tempo de evolução dos sintomas de dor no pescoço;

16 2 Investigar o impacto da dor cervical nas atividades de vida diária; Determinar a relação entre os achados radiológicos da coluna cervical e a capacidade de realizar as atividades de vida diária. Para procurar explicar a dor e a disfunção, do ponto de vista evolutivo, a análise buscou: Compreender as modificações que ocorreram na coluna ao longo da evolução do homem; Identificar o contexto em que as modificações ocorreram e o que significaram do ponto de vista evolutivo; Especular sobre a relação entre as modificações ocorridas e a dor no pescoço.

17 REVISÃO DA LITERATURA 3

18 4 2 REVISÃO DA LITERATURA Das origens à atualidade Inicialmente, buscamos conhecer as modificações anatômicas que ocorreram ao longo da evolução do homem, para compreender o contexto em que surgiram e o que significaram do ponto de vista evolutivo, ou seja, se de alguma forma as modificações ou adaptações teriam sido vantajosas. Dados da descoberta de fósseis e estudos de DNA sugerem que os homens e os macacos africanos dividiram um ancestral comum há 9-7 milhões de anos e que o andar ereto ocorreu há cerca de seis milhões de anos (Figura 1). Na medida em que nossos ancestrais tornavam-se eretos, ocorriam transformações importantes no alinhamento e morfologia da coluna (Figura 2). A coluna dos primatas (macacos) é constituída por duas curvaturas, a lordose cervical e a cifose tóraco-lombar. A coluna do homem e de seus ancestrais, a partir da aquisição do andar ereto, é caracterizada por três curvaturas, lordose cervical, cifose torácica e lordose lombar. Essa alteração na forma, além de posicionar o eixo da coluna próximo ao do centro de gravidade, minimizando o esforço da musculatura de sustentação, colocou o tronco e a cabeça na posição vertical desencadeando alterações na coluna cervical a fim de posicionar eficazmente os órgãos dos sentidos - e os membros superiores ao longo do corpo, previamente em posição anterior ao eixo do corpo. No que diz respeito à morfologia: - Os macacos apresentavam processos transversos estreitos e alongados, provavelmente em decorrência da maior amplitude de inclinação lateral da cabeça, e menor angulação dos tubérculos retroglenóideos do atlas (porção posterior da faceta superior; macacos= 81, humanos= ); - O processo odontóide dos primatas é inclinado, nos homens é orientado verticalmente - ereto - e em nossos ancestrais a angulação varia de levemente inclinado a ereto;

19 5 - As facetas articulares evoluíram de uma forma de cone, resultado de forças tensionais associadas a maior movimentação em flexão-extensão, para uma orientação mais plana, correspondendo às forças compressivas decorrentes da postura ereta. Nos Australophitecus aferensis (3,3 milhões de anos), observa-se faceta plana, nos Paranthropus robustus (1,8 milhões), leve angulação (essa angulação parece sugerir bipedalismo associado à escalada); - Australophitecus apresentam processos espinhosos e transversos grandes, o que sugere ancoragem de maior massa muscular, e corpo vertebral mais largo que longo, como nos humanos. No entanto, as características morfológicas são intermediárias entre as dos macacos e humanos; - Com a alteração na posição do pescoço, também ocorreu mudança no fulcro de movimento de flexão-extensão da cervical, que nos primatas localiza-se na atlantooccipital e entre C6 e T1, nos humanos em C5 e na coluna dos ancestrais em posição intermediária; Na transição para a postura ereta, houve diminuição na mobilidade da atlantooccipital e, conseqüentemente, maior mobilidade da cervical baixa. Isso estaria relacionado com maior estabilidade e conseqüentemente com menor gasto energético, por parte dos músculos cervicais. Na coluna lombar, ocorreu outra série de alterações: - O ilíaco tornou-se mais curto e angulado ântero-lateralmente, para garantir a estabilidade lateral da pélvis na fase de apoio simples, pelos glúteos (Figura 3); - O sacro tornou-se mais largo, o que permitiu maior mobilidade das últimas vértebras lombares, que eram praticamente imóveis nos primatas, fixas entre o ílio. Também ocorreu um incremento caudal progressivo, na distância entre os processos articulares das facetas, facilitando a lordose; - A maior mobilidade e o maior suporte de peso desencadearam alterações na organização óssea, muscular e ligamentar. Em resposta ao aumento da carga com a postura ereta, ocorreu maior mineralização da parte medial e das margens superior e inferior da faceta articular lombar, onde há maior estresse nos extremos da flexão e extensão do tronco. Houve redução da massa muscular dos eretores da coluna e reorganização da função dos músculos pélvicos, com o glúteo máximo e os abdominais tornando-se os principais estabilizadores do tronco. Nos bípedes existem

20 6 estruturas ligamentares laterais (ligamento costotransversal), responsáveis pela estabilidade lateral da coluna, não existentes nos quadrúpedes e pouco desenvolvidas nos semibípedes. Quadrúpedes têm os ligamentos supra e interespinhosos lombares finos e pouco desenvolvidos, provavelmente pela necessidade de flexionar e estender a coluna grandemente para marcha correndo. Nos humanos, esses ligamentos são mais fortes e proporcionam controle da flexão durante os movimentos na postura ereta. E, por fim, a pélvis passou por alterações, a partir dos Australopithecus aferensis, provavelmente, para facilitar o nascimento de fetos com maior tamanho de cérebros O Homem sentado ( Homo sentadus ) O homem saiu de uma condição ativa, em que caçava, para uma atitude sedentária, freqüentemente caracterizada pela permanência na posição sentada. Além disso, costumava estender freqüentemente o pescoço, ao olhar para cima antes de subir nas árvores e durante a escalada. 8 A coluna poderia ser vista como resultado da evolução, que tem como um dos marcos o andar ereto. Deve-se, no entanto, considerar que o processo evolutivo não levou em conta o prolongamento da expectativa de vida e a total mudança no estilo de vida, durante o último século. Finalmente, o pescoço está pronto? Se por um lado o pescoço parece bem adaptado à marcha, por outro, estaria pronto para a maior demanda de carga imposta pelo cotidiano e maior expectativa de vida? Talvez não, e a conseqüência seja a alta prevalência de dor nessa articulação (34%) e as alterações degenerativas, principalmente em C5, o fulcro do movimento. A evolução iniciou há milhões de anos e continua. Na seqüência, que mudanças adaptativas a essa nova condição ainda irão ocorrer?

21 Histórico da dor nas costas As primeiras descrições de doenças na coluna datam de 2600 a.c., quando Imhotep, astrônomo, médico, padre, mágico e arquiteto grego descreveu 48 lesões ósseas, algumas envolvendo a coluna. Ele identificou torções, subluxações vertebrais, deslocamentos e diferenciou as lesões medulares altas que causavam tetraplegia daquelas que causavam paraplegia. Percebeu que as paralisias eram resultado de uma lesão medular grave, mas não entendia o motivo. O trabalho de Hipócrates, em 1400 a.c., foi o marco entre a medicina e a mitologia. Entre suas contribuições destacam-se a mesa de tração para redução de fraturas e fraturas e luxações da coluna. Galeno, grego, ( d.c) descreveu o sistema muscular como um órgão complexo de locomoção. Nomeou algumas deformidades da coluna, como a escoliose, e foi o primeiro a sugerir a correção ativa dessa deformidade. Oribasius, grego, ( d.c) aprimorou a mesa de tração. Paulus de Aegina, grego, ( d.c) preconizou o uso de órteses após a redução de fraturas da coluna e realizou as primeiras laminectomias nos casos de fratura da coluna posterior com compressão medular. Nos quase 1000 anos seguintes, pouco se avançou no estudo da coluna. Roland, em 1210, escreveu o Chirurgica, o primeiro tratado de cirurgia, onde recomendava a manipulação manual das fraturas e luxações da coluna ao invés do uso da mesa de tração preconizada por Hipócrates. Andréas Vesalius, belga, ( ) foi o fundador da medicina moderna e o precursor do estudo da anatomia. Estabeleceu o conceito de que para conhecer o corpo, o médico precisa conhecer sua anatomia. Nicholas Andry, ( ) foi o pai da cirurgia ortopédica e publicou o primeiro livro sobre o sistema músculo-esquelético, L Orthopedie. Ele estudou as curvaturas da coluna com atenção especial para o efeito da má postura e o valor do treino postural. Considerou o desequilíbrio muscular de suma importância nas deformidades esqueléticas e usou exercícios para seu tratamento. O inglês Percivel Pott, ( ) descreveu a clássica deformidade e seqüela da tuberculose na coluna. 10;10

22 8 A dor nas costas foi por muito tempo considerada como punição dos maus espíritos e, nos últimos dois séculos, até meados da década de 30, rotulada como reumática. Somente nessa década é que os sintomas de dor nas costas foram considerados como originários das estruturas da coluna, com a descrição de uma ruptura discal. 11 Também por volta de 1930, foi publicada uma das primeiras descrições de alterações envolvendo especificamente a coluna cervical. A descrição era de que a doença parecia ser seletiva, com comprometimento da coluna cervical inferior, iniciando usualmente no quarto espaço. A seqüência de eventos envolvia o desaparecimento dos discos intervertebrais, neoformação óssea, desaparecimento da cartilagem dos processos articulares, proliferação cartilaginosa seguida de neoformação óssea. A sintomatologia seria secundária ao comprometimento do forame intervertebral pela redução do espaço discal, neoformação óssea da margem dos corpos vertebrais ou processos articulares das vértebras. Os sintomas seriam iniciados por um trauma, como um esforço ou entorse. Também se interrogava o papel da nutrição tecidual e das infecções bacterianas na etiologia da dor. 12 Avanços foram feitos no conhecimento e tratamento das enfermidades da coluna. Partiu-se de um modelo de caracterização estrutural, anatômico, da dor nas costas, para o reconhecimento dos fatores biopsicossociais que interferem no início e manutenção dos sintomas. Por outro lado, os avanços no diagnóstico de imagem, como a tomografia computadorizada helicoidal e a ressonância nuclear magnética, permitiram maior conhecimento dos processos patológicos. Porém pouco se avançou no entendimento da relação entre os achados e os sintomas... O mapeamento do genoma humano abriu uma nova frente de pesquisa, voltada para a identificação da causa genética das doenças. Recentemente, demonstrou-se a susceptibilidade genética ao processo de envelhecimento, com a identificação do gene associado à osteoartrose familiar. Diversas pesquisas têm sido conduzidas para aumentar o tempo de vida celular, repor células do disco intervertebral, inibir a degradação e aumentar a síntese dos proteoglicanos e regular os fatores de crescimento. 13;14 Por fim, especialmente nas últimas décadas, com a descoberta de novos fósseis, pôde-se avançar no conhecimento da evolução do homem.

23 9 2.4 Uma análise da cervicalgia A cervicalgia merece destaque entre as doenças músculo-esqueléticas, não só por ser altamente prevalente, mas também por diversas outras razões. Entre elas, podemos citar: é uma condição freqüentemente recorrente ou crônica; multifatorial, que pode ser originada e influenciada por fatores de risco físicos, psicológicos, genéticos, relacionados ao trabalho, de ordem degenerativa, entre outros 11;15 e existe uma lacuna na literatura sobre o programa de tratamento mais eficiente A prevalência anual para a população geral adulta é estimada entre 14,6% e 34,4%, e em 71%, se considerada a prevalência de vida. Dependendo do tipo de atividade desempenhada, pode chegar a até 91%! É maior entre as mulheres (40%) e com pico entre 35 e 50 anos. Estima-se que, para a cervicalgia crônica ( 12 semanas), a prevalência seja em torno de 15% e que até 40% apresentem alguma limitação funcional. No período médio de seis meses, cerca de 50% das pessoas evoluirão com melhora da dor; 35% utilizarão menos medicação; 15% apresentarão recorrência dos sintomas e serão perdidos, em média, 25 dias de trabalho. Por fim, a cada ano, cerca de 1% da população desenvolverá dor cervical incapacitante. 11;21;21-24;24-27 As estimativas variam, principalmente, dependendo da população, da definição do problema (cervicalgia) e do período de tempo observado. Não encontramos estatísticas da prevalência e do impacto da cervicalgia em pesquisas realizadas no Brasil Potenciais fontes de dor, etiologia e fatores de risco Antes de explanarmos sobre os potenciais fatores de risco, faremos algumas considerações. Uma fonte de dor é definida como o local anatômico onde a dor se origina. Para que uma estrutura seja uma fonte de dor, é necessário que ela seja inervada. E, para que essa fonte seja a causa da dor, algum tipo de lesão deveria existir. Na coluna cervical, as únicas estruturas não-inervadas são a região posterior da dura-máter e o núcleo pulposo. 28;29

24 10 Em linhas gerais, os músculos e as facetas articulares são inervados pelo ramo dorsal do nervo espinhal, e os ligamentos longitudinais, ânulo fibroso e dura-máter ventral por uma complexa rede derivada do ramo ventral do nervo espinhal (nervos sinusvertebrais). Cada ramo desses nervos parece inervar a mesma estrutura no próprio nível, bem como um nível acima e abaixo. Essa sobreposição da inervação poderia explicar as queixas de dor, localizada e referida (na ausência de sinais neurológicos, como é o caso da cervicalgia inespecífica). 28 Estudos envolvendo a estimulação das diversas estruturas da coluna cervical em voluntários assintomáticos conseguiram reproduzir os mesmos padrões de dor local e referida. A estimulação constou da distensão mecânica da cápsula articular por meio da injeção de solução salina ou contraste e de discografia provocativa. Por outro lado, estudos em pacientes com cervicalgia mostraram que anestesiar as articulações facetárias aliviava a dor. 30 Podemos definir fatores de risco como as circunstâncias do ambiente ou as características das pessoas, herdadas ou adquiridas, que lhes conferem uma maior probabilidade de acometimento, imediato ou futuro, por um dano à saúde. 31 Quais seriam então os potencias fatores de risco para a cervicalgia? Mulheres e pessoas na faixa etária dos 40 anos apresentam maior chance de desenvolver ou evoluir com persistência da cervicalgia. Diferente da lombalgia, o sobrepeso não parece representar risco aumentado para a cervicalgia ;26;27;32-37 O papel da atividade física é mais complexo; enquanto algumas atividades seriam fatores de proteção, outras, como o ciclismo, fatores de risco para a persistência da dor. O tabagismo também aumentaria a probabilidade. 27;33;35; ;32;39. A posição do corpo durante o trabalho (tronco, pescoço, membros superiores), as características da ocupação e do ambiente de trabalho também podem estar relacionadas ao início e persistência da cervicalgia. 11;40 Alguns defendem que as pessoas que trabalham a maior parte do tempo na posição sentada e as que mantêm a flexão do pescoço durante as atividades apresentam cerca de duas vezes mais chance de apresentar cervicalgia (Figura 4) As queixas de usuários de computadores com monitores verticais, poderia sugerir uma interpretação diferente, com a protusão da cabeça (flexão da coluna cervical baixa e extensão da coluna cervical alta) incluir figura. A posição dos braços durante o trabalho, seja a abdução do ombro ou a realização de movimentos repetitivos e o mau ajuste ergonômico do ambiente de trabalho, representam um risco até quatro vezes maior para a

25 11 cervicalgia. 23;25;35;38;40;40 Por outro lado, a satisfação no trabalho é fator protetor para o início da cervicalgia 26 e não ter ocupação é fator de risco. 34 Numa outra vertente de avaliação, também representam fatores de risco para a cervicalgia a exaustão física ou mental no trabalho, a pouca capacidade de controlar a situação de trabalho e o 25;38 35;43 tempo insuficiente de lazer. Os fatores psicológicos podem ter mais impacto que os biomecânicos e biomédicos na dor e incapacidade e estão relacionados ao início e manutenção da dor. Os fatores cognitivos (atitude, crenças), a depressão, a ansiedade, o estresse e a baixa percepção da saúde geral têm sido identificados como fatores associados à dor e à incapacidade. 44;44 Especificamente, pessoas com depressão têm cerca de duas a seis vezes mais chance de desenvolver cervicalgia. Ao contrário, os que estão bem adpatados, têm alegria de viver e amar, não apresentam isso, ou pouco valorizam. 26;35;37;45-47 Um dos fatores que suscita especial curiosidade é a relação das alterações ditas degenerativas e a cervicalgia. As alterações ditas degenerativas * são o reflexo das mudanças bioquímicas e mecânicas que acompanham o envelhecimento. Ocorre uma seqüência de eventos que culmina com a modificação da função, principalmente da capacidade fisiológica da coluna de suportar peso. O processo inicia-se no disco intervertebral, por volta da terceira década, e envolve subseqüentemente outros tecidos, como as articulações facetárias e uncovertebrais. As regiões cervical e lombar são as mais comprometidas devido à maior mobilidade. As alterações aumentam em função da idade, de 14% na faixa etária de anos a 92% nas pessoas acima dos 50 anos. Na coluna cervical, o espaço mais precoce e freqüentemente alterado é o C5/6, seguido de C6/7 e C4/5. 10;48-53 Além da idade, alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento mais precoce ou mesmo agravar o comprometimento. O trauma e os microtraumas na região cervical, como, por exemplo, carregar peso na cabeça (Figura 5) e alguns esportes, por interferirem indiretamente na nutrição discal; e outros fatores, como o tabagismo, diabetes e doenças vasculares, por levarem a comprometimento vascular direto. 10 * Há o hábito de rotular-se como degeneração o processo evolutivo natural; o ser humano é gerado, nasce, cresce, atinge a plenitude e envelhece, o que não pode ser encarado como degeneração. Quando escrevemos estas palavras, Oscar Niemeyer estava celebrando seus 100 anos...

26 12 E essas alterações degenerativas podem explicar a dor no pescoço? Alguns achados têm sido mais freqüentemente visualizados nas pessoas com dor no pescoço que nas assintomáticas, embora, muitas vezes, associados a outras condições como trauma, ou somente para o gênero masculino. Ainda não bem esclarecida, também, é a relação entre a cervicalgia, às alterações degenerativas e a 46;50;51;58;59 54;55;60;61 capacidade de realizar as atividades de vida diária. Outros fatores têm sido freqüentemente associados à cervicalgia, como a cefaléia, lombalgia, comorbidades e trauma cervical. 26;27;35 Por fim, são diversos os fatores de risco relacionados à cervicalgia. No entanto, a contribuição de cada um deles isoladamente ou em conjunto, ainda é controversa, o que sugere a condução de novas investigações para se tentar avançar um pouco mais no entendimento das variáveis que influenciam a cervicalgia Prevenção A literatura cita diversos tipos de intervenções preventivas, seja para evitar o início da doença (prevenção primária) ou sua recorrência (prevenção secundária). Entre as intervenções destacam-se, a orientação dos cuidados com a postura para evitar sobrecarga na coluna, exercícios, ergonomia e a modificação dos fatores de risco individuais - mudança de hábitos de vida. No entanto, encontramos evidência de efetividade somente para os exercícios, na prevenção secundária, com poucos dados sobre a prevenção primária da dor nas costas Diagnóstico da cervicalgia O diagnóstico de cervicalgia inespecífica é principalmente clínico e traduz uma condição de dor na região cervical, irradiada para nuca, ombros ou membros superiores, na ausência de sinais de comprometimento radicular ou medular, no exame físico. A abordagem dos pacientes com cervicalgia requer uma avaliação criteriosa, objetivando diagnóstico diferencial entre as causas mecânicas primárias (que podem

27 13 ser originadas das diversas estruturas da coluna) e as possíveis causas secundárias, como tumores, infecções, doenças reumáticas, as quais reservam um prognóstico menos favorável e necessitam de intervenção terapêutica contemplando a etiologia, mas que são menos freqüentes. Em geral, a chave para o diagnóstico das causas secundárias pode ser encontrada durante a história clínica, aliada ao exame físico. Alguns sinais e sintomas merecem atenção especial e são denominados sinais de alerta ( Red flags ). Fatores como dor que não alivia com o repouso, febre, perda inexplicada de peso, alterações na postura, dificuldade para caminhar, limitação nos movimentos da coluna vertebral, perda de força ou dormência, mudanças na escrita manual. Exames de sangue (laboratoriais) geralmente são desnecessários em uma avaliação inicial. Essa avaliação em geral está indicada na suspeita de tumores, infecção ou doenças reumáticas. 63 A investigação radiológica também é realizada, de acordo com a hipótese diagnóstica, em caráter de complexidade crescente: radiografia simples, hoje digital, já oferece muita informação e poupa o paciente de radiação desnecessária; a tomografia computadorizada só se justifica se a radiografia simples sugerir a necessidade de um MPR (reconstrução tridimensional); e a ressonância nuclear magnética, se houver dúvida quanto ao comprometimento de estruturas nervosas. Pacientes portadores dos sinais de alerta necessitam avaliação radiológica de imediato. Pacientes com cervicalgia crônica, com ou sem história de trauma, devem realizar exame radiográfico simples da coluna (AP, perfil, oblíquas, boca aberta; oblíquas a critério do examinador). Aqueles com alterações radiográficas, sem sinais de comprometimento neurológico, não precisam de outra investigação por imagem. 64 Por razões puramente mercantilistas, em nosso meio, os pacientes geralmente nos procuram com uma ressonância e um elenco de dúvidas resultantes de laudos interpretados sem a devida correlação clínica.

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO!

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! Dr. Euclides José Martins Amaral PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! : A importância da detecção precoce das deformidades da coluna na infância e adolescência, deve-se principalmente

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA EMERSON LUIS DA MATA COSTA¹ DIEMERSON ANTUNES DE OLIVEIRA¹ CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO² ¹Acadêmico do Curso Tecnólogo em Radiologia da Faculdades

Leia mais

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER ANATOMIA E RADIOLOGIA SIMPLES RAIOS-X RAIOS-X RAIOS-X Coluna Cervical Indicações: trauma, cervicalgia, incapacidade funcional, tumores... Solicitação: - Raios-X

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Introdução - Estima-se que a dor lombar afete até 84% da população adulta. - Episódio de dor autolimitado

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima ESCOLIOSE Prof. Ms. Marcelo Lima DEFINIÇÃO A escoliose é um desvio da coluna vertebral para a esquerda ou direita, resultando em um formato de "S" ou "C". É um desvio da coluna no plano frontal acompanhado

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES.

LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES. LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Lesões da coluna vertebral de causas diversas são observadas

Leia mais

Guia do Paciente Fusão Espinhal

Guia do Paciente Fusão Espinhal Guia do Paciente Fusão Soluções para Medicina Ltda. 01 Guia do Paciente - O objetivo da cirurgia de fusão espinhal é de proporcionar alívio da dor que você vem sentindo e tornar a sua coluna mais estável.

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

Deformidades da Coluna Vertebral

Deformidades da Coluna Vertebral Análise Radiológica Panorâmica das Deformidades da Coluna Vertebral RADIOLOGIA CONVENCIONAL ANALÓGICA abelardoradio@hotmail.com abelardosouzas@bol.com.br Considerações Históricas Desde 3500 a.c, publicações

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral A Coluna Verterbral É o maior segmento corporal (40% Altura) É como uma haste elástica modificada Proporciona suporte, proteção e flexibilidade Formado por 33 vértebras, 24 móveis. 4 curvas, que dão equilíbrio

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 A hérnia de disco se apresenta como sendo uma extrusão, isto é, um deslocamento da massa discal para fora do contorno vertebral, geralmente em direção a medula. Isso ocorre pela ruptura do anel

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Disciplina: MFT-0377 Métodos de Avaliação Clínica e Funcional Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Leia mais

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados LOMBALGIA Prof. Jefferson Soares Leal Turma: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Faculdade de Medicina da UFMG Aula e bibliografia recomendada estarão disponíveis para os alunos para donwload no site www.portalvertebra.com.br

Leia mais

2. ANATOMIA. Fig.2.1 Coluna Vertebral (SOBOTTA, 1999, p.2).

2. ANATOMIA. Fig.2.1 Coluna Vertebral (SOBOTTA, 1999, p.2). 1. INTRODUÇÃO A hérnia discal lombar afeta episodicamente cerca de 75% da população na maioria dos países industrializados (TOSCANO, 2001). As doenças que afetam o sistema músculo esquelético, nos Estados

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE.

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE. OBJETIVOS: O aluno deverá ser capaz de identificar as principais doenças da coluna lombar assim como avaliação e prescrição de conduta fisioterápica pertinente. LER: O que é Hérnia de disco? A coluna vertebral

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Definição A escoliose é uma disfunção da coluna vertebral que provoca uma angulação lateral desta. A coluna é torcida, de modo que cada vértebra gira em torno de seu próprio eixo, causando

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH - COMPOSIÇÃO: 24 Corpos Vertebrais 5 Fusionadas Sacro 4 Cóccix 23 Discos Intervertebrais - FUNÇÕES 1. Postura 2. Movimento e Locomoção

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Patologias da coluna vertebral

Patologias da coluna vertebral Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias da coluna vertebral Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Escoliose idiopática Dorso curvo Cervicobraquialgia Lombalgia e lombociatalgia

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias da coluna são realizadas para diagnosticar

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 A coluna vertebral, assim como qualquer articulação, apresenta movimentos que possuem tanto grande como pequena amplitude articular. Estes recebem o nome de Macromovimentos e Micromovimentos,

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza Protocolos coluna Profº. Claudio Souza Coluna vertebral A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A coluna vertebral

Leia mais

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO: Atividade Ambiente (iluminação, ruído e calor) Posto de trabalho Dimensões, formas

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Manual do Usuário Índice: 03...Informações Gerais 03...Símbolos 04...Instalação e Conexão à Rede Elétrica 05...Controles 06-07...Operação da Mesa 07...Precauções 07-08...Indicações

Leia mais

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz Lombociatalgia www.fisiokinesiterapia.biz Conceitos Lombalgia; Lombociatalgia; Ciatalgia/Ci /Ciática; Característica região lombar Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana Vértebra lombar Fonte:

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Definição: Espondilólise=> lesão de origem indeterminada, que se acredita ser causada por fratura por estresse na pars interarticularis (pedículo), que é particularmente vulnerável a forças

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

Doença de Paget. Definição:

Doença de Paget. Definição: Definição: É uma doença sistêmica de origem desconhecida que determina alteração no Processo de Remodelação Óssea. Apresenta um forte componente genético. Se caracteriza por um aumento focal no remodelamento

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Médico Neurocirurgia da Coluna

Médico Neurocirurgia da Coluna Médico Neurocirurgia da Coluna Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Um homem de 55 anos de idade foi internado. Tinha histórico de câncer de pulmão operado, vinha apresentando uma dor constante

Leia mais

Incidência de Disfunção Sacroilíaca

Incidência de Disfunção Sacroilíaca Incidência de Disfunção Sacroilíaca ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 Introdução A pelve e em especial as articulações sacroilíacas sempre foram consideradas como tendo valor clínico

Leia mais

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005)

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Mens JMA, Chavannes AW, Koes BW, Lubbers WJ, Ostelo RWJG, Spinnewijn WEM, Kolnaar BGM traduzido do original em

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL 1 ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL Aurélio Alfieri Neto Juliana Navarro Lins de Souza A bioenergética procura entender o caráter do indivíduo pelo corpo e seus processos energéticos, sendo estes,

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA Não importa se você ainda usa uma Honda 55 para andar na sua propriedade, ou se você tem uma grandalhona Gold Wing ou uma velha roncadora Harley Panhead.

Leia mais

Dossier informativo. Doenças da Coluna

Dossier informativo. Doenças da Coluna Dossier informativo Doenças da Coluna 2008 Índice 1. Como funciona a coluna vertebral? 2. O que provoca dores na coluna? 3. Incidência em Portugal e no Mundo Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 4. Principais doenças

Leia mais

Data: 01/02/2013. NTRR10/2013 Solicitante: Ilmo Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Numeração: 1.0693.12.

Data: 01/02/2013. NTRR10/2013 Solicitante: Ilmo Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Numeração: 1.0693.12. NTRR10/2013 Solicitante: Ilmo Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Numeração: 1.0693.12.007900-1/001 Data: 01/02/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: ESCOLIOSE IDIOPÁTICA

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC);

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC); PROGRAMA DO CURSO * ESPONDILOTERAPIA Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado a coluna vertebral e/ou seus comprometimentos, desenvolvida e registrada pela ESCOLA SOS

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax A Medicina Ortopédica de Cyriax Preocupa-se com o diagnóstico e tratamento de lesões de partes moles teciduais Tais afecções afetam grande parte dos pacientes

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna 12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos, G1P1A0, hígida, está no terceiro mês pós-parto vaginal sob analgesia peridural, que transcorreu sem intercorrências.

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO

MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO POSTURA CORPORAL Produção Didática apresentada para o 2º Período do Programa de Desenvolvimento Educacional - 2008 da Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Orientador

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Locomoção sobre rodas Professor: Pai Chi Nan 1 Biomecânica do assento Corpo humano não foi projetado para se manter sentado Corpo: estrutura dinâmica em constante

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

CURSO DIAGNÓSTICO MECÂNICO e TRATAMENTO TÉCNICA de McKENZIE. Parte A Coluna Lombar

CURSO DIAGNÓSTICO MECÂNICO e TRATAMENTO TÉCNICA de McKENZIE. Parte A Coluna Lombar CURSO DIAGNÓSTICO MECÂNICO e TRATAMENTO TÉCNICA de McKENZIE Parte A Coluna Lombar Conteúdos Programáticos A Lombalgia Incidência, custos, tempo e tipos de tratamentos Abordagem à Técnica de McKenzie. Anatomia

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima PILATES E BIOMECÂNICA Thaís Lima RÍTMO LOMBOPÉLVICO Estabilidade lombopélvica pode ser definida como a habilidade de atingir e manter o alinhamento ótimo dos segmentos da coluna (lombar e torácica), da

Leia mais

Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor. 5º Módulo Noturno

Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor. 5º Módulo Noturno Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor 5º Módulo Noturno Elton Carvalho Lima Gislene Matioli Macedo Roseli Antunes S. Miranda Patologias identificadas por raios-x

Leia mais