É uma infecção viral causada pelo Vírus Humano do Herpes Foram identificados 8 tipos desse vírus: Vírus Herpes Simples- I (Herpes labial) - HSV I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É uma infecção viral causada pelo Vírus Humano do Herpes Foram identificados 8 tipos desse vírus: Vírus Herpes Simples- I (Herpes labial) - HSV I"

Transcrição

1 Trabalho de Biologia Herpes Turma: 211 Alunos: - Antônio Rodolpho, nº:1 - Caio Sagae, nº:3 - Felipe Diogo, nº:9 - Hudson Pabst, nº:17 - João Pedro Roma Martins, nº:20 - Pedro Henrique Mansur, nº:29 - Raí Mariano, nº:33 Professor: César Fragoso

2 É uma infecção viral causada pelo Vírus Humano do Herpes Foram identificados 8 tipos desse vírus: Vírus Herpes Simples- I (Herpes labial) - HSV I Vírus Herpes Simples- II (Herpes Genital) - HSVII Vírus Varicela-Zoster - HSV III Vírus Epstein-Baar (Mononucleose ou Doença do Beijo) - HSV IV Citomegalovírus (Citomegalovirose) - HSV V Vírus do Herpes Humano 6 (Doença ainda em estudo) - HSV VI Vírus do Herpes Humano 7 (Doença ainda em estudo) - HSV VII Vírus do Herpes Humano 8 (Associado com Sarcoma de Kaposi) - HSV VIII

3 O Vírus do Herpes

4 Seu vírus possui DNA como seu material genético. Seu capsídeo tem forma icosaédrica (20 lados) e seu diâmetro de 100 a 110 nm. É composto por 162 capsômeros que constituem envelopes contendo glicoproteínas virais que se projetam a partir de sua superfície Em geral, a primeira infecção é assintomática, ou seja, passa despercebida com exceção do vírus varicela-zoster que quase sempre apresenta varicela ou catapora sintomática. Os fatos determinantes para o desenvolvimento dos sintomas e das doenças de cada vírus são a possibilidade de nova infecção ou de uma baixa na imunidade que permitiria a sua replicação. Depois da infecção viral, o agente causador irá se propagar de maneira ascendente pelos nervos periféricos até os gânglios das raízes nervosas onde ficará em estado latente. A latência pode ocorrer após uma primeira infecção assintomática ou até mesmo após uma infecção que tenha se manifestado sintomas. A recorrência dos sintomas virais resulta da reativação, síntese e migração do vírus através dos nervos sensoriais ou sensitivos. Ocorre usualmente nas proximidade de onde aconteceu a primeira inoculação do vírus.

5 A infecção ocorre por meio de contato íntimo (beijo ou relação sexual) ou até mesmo por meio de objetos que tenham estado junto à um local contaminado tal como agulhas, copos e batons. Para que a transmissão por meio de objetos, é necessário que o contato aos locais contaminados tenha sido em pouco tempo pois o vírus da Herpes não resiste muito tempo fora de seus hospedeiros. Pode ser transmitido para os recém-nascidos também durante o parto normal quando a mãe apresenta Herpes genital ativo. 70 % das crianças com Herpes simples de infecção neonatal nascem de mães assintomáticas. Devemos alertar que embora os vírus de tipo I e II se manifestem em geral nos lábios e na área da genitália, respectivamente, é possível que apareçam em várias áreas do corpo como na testa, nas costas e até mesmo nos braços e pernas. A ocorrência do vírus do tipo I também pode ser amplificada pela existência de grandes concentrações de pessoas em pequenos espaços e em regiões onde predominam a miséria e más condições de vida. A primoinfecção é quase sempre assintomática (99%dos casos). O vírus permanece em estado latente em cerca de 90% dos casos, a chamada Fase Crônica. Em geral, as ocorrências se dividem em: Labial - 80 a 90 % do tipo I e 10 a 20% do tipo II; Urogenital - 70 a 90% do tipo II e 10 a 30% do tipo I. O tipo I tem maior ocorrência em pessoas de menos de 20 anos enquanto o tipo II é predominante em pessoas adultas e até idosas. O Herpes pode reaparecer também devido a exposição prolongada ao sol, febre, problemas emocionais, trauma, etc.

6 Herpes Simples (Tipos I e II) - Caracteriza-se clinicamente pela formação de vesículas inchadas e brilhantes que se encontram em geral dispostas em grupos de 5 a 10 ao redor de orifícios tais como a boca, o meato uretral, a vulva e o ânus. - Antes de aparecerem tais vesículas, é possível que haja sensações como ardência, coceira, dormência e aumento de volume da região. - Pode-se também prever o aparecimento dessas vesículas por meio de uma vermelhidão incomum porém é possível que ela também se desenvolva junto às vesículas. Assim como a vermelhidão, a sensação de dormência também pode reaparecer nos nervos próximos a região infectada. - Geralmente, as vesículas do herpes involuem espontaneamente em cerca de 5 dias após seu aparecimento.

7 Herpes Simples (HSV - I)

8 Herpes Simples (HSV - I)

9 Herpes Simples (HSV-II)

10 Herpes Zoster - É uma erupção vesico-bolhosa produzida pelo Herpes-virus varicellae que aparece geralmente em adultos de meia idade(50 anos) porém não é rara em jovens. É uma doença benigna que também é autolimitada e dura cerca de 2 semanas exceto em pacientes imunosuprimidos em que o quadro é mais longo. -Não se pode esquecer de que no caso da catapora há um período de incubação de 14 a 21 dias onde pode haver contágio mesmo que não havendo lesões ativas. -Deve-se dizer que este mesmo vírus é o responsável por causar a catapora nas crianças e por causar nos adultos o zoster desde que esses já tivessem sido infectados por esse mesmo vírus tanto que é possível que o adulto com zoster passe catapora para uma criança e vice-versa. -Antes do aparecimento da erupção, há mais comumente dor. -A erupção é semelhante à do Herpes Simples porém às vezes pode ser maior e até,ao invés de conter secreção clara, pode ter sangue em seu interior (Herpes Zoster Hemorrágico). Sempre acompanha o trajeto de um nervo sendo o nervo intercostal o mais comumente acometido. Pode causar,como seqüela, uma neuralgia pósherpética, ou seja, uma dor na região onde outrora havia infecção

11 Varicela (VZV ou HSV- III)

12 Herpes Zoster ( VZV ou HSV III)

13 Herpes Zoster ( VZV ou HSV III)

14 Mononucleose ou Doença do Beijo - É uma síndrome clínica caracterizada por mal-estar, dor-de-cabeça, febre, dorde-garganta, aumento de gânglios ou ínguas localizadas no pescoço ou generalizadas e inflamação do fígado (hepatite) leve e transitória. - Na maior parte das vezes (79% dos casos) tem como agente causador o vírus chamado Epstein-Barr (EBV), mas pode também ser causada pelo Cytomegalovirus (CMV) em aproximadamente 21% dos casos. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens, mas pode acometer mais velhos e crianças pré-adolescentes. Citomegalovirose - É uma infecção causada pelo citomegalovirus, vírus DNA da família Herpesviridae, sub-família Betaherpesvirinae. É um vírus universal com prevalência de 40 a 60% na população adulta de classe socioeconómica média e mais de 80% nos grupos de classe mais baixa. A infecção aguda na gestante ocorre em 0,7 a 4,0%, das quais 36% ocorrem no 1º trimestre, 44,9% no 2º e 77,6% no 3º trimestre da gestação. As principais fontes de contaminação são os adultos jovens, crianças com infecções subclínicas ou com infecções congénitas as quais eliminam grande quantidade de vírus até 3 anos após o nascimento e a transmissão sexual. A citomegalovirose é assintomática em 90% dos casos e os pacientes sintomáticos apresentam a síndrome mononucleose like, ou seja, febre no primeiros 7 a 14 dias, mal estar, fadiga, faringoamigdalite e linfoadenopatia. Seu pricipal efeito no homem é a hepatoesplenomegalia, ou seja, um inchaço do baço e do fígado.

15 Mononucleose

16 De maneira geral, a melhor maneira de prevenir o contágio é evitar o contato íntimo com pessoas com a doença ativa pois os vírus do Herpes são transmitidos através do contato com feridas ou com objetos onde o vírus estivesse ainda vivo. Já no caso do HSV-II ou vírus do Herpes genital, é possível evitar o contágio através do uso de camisinhas ou preservativos uma vez que essa proteção impede o contato com a área infectada. No entanto, a camisinha nem sempre é eficaz. Dessa maneira, o melhor modo de evitar o contágio seria a abstinência. Uma forma de prevenção muito importante é a vacina, já usada para evitar o contágio da catapora (lembrando que evita somente essa implicação do HSV III, ou seja, é ineficaz para o Zoster). As vacinas vêm sendo muito pesquisadas pela indústria farmacêutica para encontrar prevenir o contágio e infecção das pessoas. As expectativas da comunidade científica são de que em 3 ou 5 anos já seja possível ter vacinas disponíveis em bom número no mercado de maneira a suprir toda a sociedade.

17 Antes de afirmarmos qualquer coisa sobre o tratamento de Herpes, devemos dizer que não existe nenhuma medicação que sirva como cura definitiva dessa doença. A melhor maneira de tratar é a prevenção. No entanto, existem tratamentos específicos para depois da infecção: - A melhor maneira de tratar é a utilização de água e sabão para fazer a higiene das lesões quando houver surtos esporádicos. - Cremes antivirais tópicos para o Herpes Simples Labial à base de Aciclovir e Penciclovir cuja eficácia é mínima. - Pomadas cicatrizantes, de uma maneira geral, também podem ser utilizadas. - Terapia antiviral oral pode ser indicada no tratamento do Herpes Simples Genital, no caso do Herpes Simples Labial recorrente ou muito agressivo e para o Herpes Zoster. São usados o Aciclovir, o Valaciclovir ou o Famciclovir. - Em bebês acometidos pelo o HSV II, é usado o aciclovir venoso. - Para a varicela zoster, deve-se usar antiestamínicos, limpeza local das lesões e antipiréticos. - Para o Herpes Zoster, são utilizados ainda analgésicos, relaxantes musculares e compostos à base de vitamina B para o controle da dor e regeneração do nervo. - No caso do Herpes Zoster oftálmico é necessário o acompanhamento oftalmológico e o uso de colírios à base de corticóides e antibióticos para evitar lesões do globo ocular. - Para a mononucleose e o citomegalovírus, são também utilizados os antivirais orais sintomáticos. - Para os vírus HSV VI, VII e VIII, ainda não há medicamentos definidos.

18 Segundo dados de uma pesquisa do Ministério da Saúde do Brasil, houve cerca de 640 mil casos de Herpes Genital no Brasil no último ano. Nos EUA, as autoridades sanitárias suspeitam de que sejam aproximadamente 500 mil novos casos por ano, sendo o HSV- II ou Herpes Genital o mais prevalente. Infelizmente não existem dados precisos sobre o número de pessoas infectadas pelos diferentes tipos de HSV no entanto estima-se que no mundo haja 86 milhões de pessoas (1999) acometidas pelo vírus de maneira sintomática. A infecção pelo HSV- I tem-se tornado cada vez mais precoce na população de classe média européia e norteamericana, estando presente na forma latente em indivíduos cada vez mais jovens. A incidência de casos novos do HSV- I é de aproximadamente 1,5% por ano, até a idade de 50 anos. A prevalência para o HSV- I oscila de 70%, na maioria dos países europeus, até 95%, na América Central, África e Ásia. Observa-se prevalência de 86% na população da cidade do Rio de Janeiro, em estudo de As menores prevalências situam-se no Japão (48%) e nos países escandinavos. O aumento na incidência da infecção herpética genital pelo HSV- I é, também, tendência mundial. A prevalência do HSV-II nos diversos países é bastante diferente, sendo maior nos EUA (13-52%) do que na Europa (10-27%) e bastante alta na África (30-40%). Austrália (14-40%) e Formosa (14%) apresentam taxas semelhantes às observadas nos países ocidentais mais desenvolvidos. As mais altas prevalências para o HSV-II ocorrem em Ruanda (33,3%), no Zaire (40,8%) e no Haiti (54%). O extremo Oriente caracteriza-se por prevalências mais baixas (2-7%). Estudo realizado no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, demonstrou que, numa população de doadores de sangue voluntários, a soroprevalência para o HSV-II foi de 29,1%, mas, desse total, apenas 7% referiram história prévia de herpes genital. Outras avaliações similares em doadores de sangue dos EUA detectaram prevalência variável de 1% a 20% para o HSV-II.

19 As infecções causadas pelo Vírus do Herpes são descritas desde a Grécia Antiga. O pai da medicina, o médico grego Hipócrates foi o primeiro a descrever uma erupção cutânea compatível com o Herpes Simples. Seus aprendizes foram os responsáveis por criar o termo herpes que significa rastejanumaalusãoà maneiracomoas lesões herpéticas se espalham pela pele. Durante o séc. XX, a pesquisa do HSV ganhou muita força. Estudos histopatológicos caracterizaram a célula gigante multinucleada como aquela da infecção herpética. Uma grande mudança ocorreu entre 1920 e 1930 após a descoberta de que HSV não infectava apenas a pele mas também o sistema nervoso central. Ainda nos anos 30 foi descoberta a capacidade do HSV se manter latente. Nos anos Nos anos 40 e 50, foram descobertas outras doenças causadas pelo vírus do herpes. Atualmente, as pesquisa têm se concentrado em desenvolver medicações anti-virais e vacinas. O vírus do Varicela-Zoster (VZV) ambém tem uma longa história. No entanto as descrições das erupções causadas pelo VZV se confundem com aquelas causadas pelo vírus da varíola. Somente no final do séc. XVIII foram clinicamente diferenciadas por Heberden. No ano de 1888 foi sugerido por von Bokay que a varicela e o zoster eram causados pelo mesmo vírus o que seria confirmado por Weller e Storddard que isolaram os vírus de ambos de maneira a poder compará-los e concluindo que tratava de um mesmo agente causal. A história do vírus Epstein-Barr é muito mais recente. Foi em 1964 que os cientistas Epstein e Barr isolaram partículas virais de células da linhagem linfoblastóide de um extrato de um linfoma de Burkitt. Por ter sido descoberto recentemente, ele vem sendo implicado como agente etiológico de muitos cânceres e outras doenças nas quais ele não tem nenhum papel ou influência. O citomegalovírus (CMV) tambem só foi isolado muito recentemente. Uma explicação para essa situação pode ser pelo fato de que em pessoas imunocompetentes, ela quase nunca é sintomática. Todas as doenças relacionadas ao CMV são caracterizadas por células aumentadas de tamanho de onde, assim, deriva o nome citomegalovírus.

20 1) Como identificar o herpes? As lesões de herpes caracterizam-se por vesículas (pequenas bolhas) agrupadas sobre uma base eritematosa (vermelha) principalmente na boca e/ou na região genital, embora possam ocorrer em qualquer parte do corpo. Geralmente, acompanham-se de edema (inchaço) da região e sintomas como dor e ardência. 2) Por que a exposição ao sol pode ativar ou agravar o herpes? Porque o sol diminui a imunidade uma vez que ele provoca uma irritação local permitindo a replicação do vírus naqueles indivíduos suscetíveis. Outros fatores de risco são febre, menstruação, doenças que diminuam a imunidade (leucemia, linfoma, AIDS) e tratamentos quimioterápicos. 3) Pessoas com AIDS têm maior tendência a ter herpes? Sim, porque esse indivíduos têm imunidade menor. Inclusive, são pessoas que tendem a apresentar formas mais graves da doença, ou seja, mais extensas, hemorrágicas e ulceradas ( feridas mais profundas). 4) Existe herpes interno? Sim. Quando, por exemplo, um indivíduo apresenta lesões herpéticas da orofaringe (boca e garganta), ao engolir a saliva contaminada ele pode desenvolver lesões no esôfago. Essa forma de doença é mais comum nos indivíduos imunocomprometidos. Pode haver lesões herpéticas inclusive nas vísceras como fígado, pulmões, supra-renais, trato gastrointestinal e sistema nervoso central. Nesses casos a disseminação é hematogênica. Essas lesões podem ocorrer na ausência de lesões externas.

21 5) Os tratamentos contra o herpes à base de antibióticos são eficazes? Não. Os antibióticos são eficazes apenas contra bactérias sendo inúteis no combate ao vírus. Entretanto, eles podem ser usados no decorrer do tratamento daquelas lesões que se complicaram com infecção bacteriana secundária, como pode acontecer, por exemplo, na varicela ou no herpes-zoster. 6) Herpes é hereditário? e o herpes zoster oftálmico cega necessariamente?; uma pessoa com herpes ao fazer doações de sangue irá transmitir o vírus?

22 BIBLIOGRAFIA: -Sites -Livros Dermatolgia. Rubem Azulay, David; editora Guanabara Koogan; São Paulo, 1992, 373 páginas Dictionnaire de Dermatologie; F. Daniel; editora Masson; Paris; 1990; 731 páginas Color Atlas & Synopsis of Clinical Dermatology - Common & Serious Diseases. Thomas B. Fitzpatrick, Richard Allen Jonhson, Klaus Wolff and Dick Swirmmond; Internationak Edition, editora McGraw- Hill; 1041 páginas

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

A Herpes. O destruidor celular

A Herpes. O destruidor celular A Herpes O destruidor celular A herpes e os seus dois tipos: O herpes simples é uma doença infecciosa muito contagiosa,causada por dois vírus da família do herpesviridae, o hsv-1 e o hsv-2.infectam algumas

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

O QUE É A DOENÇA DO BEIJO?

O QUE É A DOENÇA DO BEIJO? O QUE É A DOENÇA DO BEIJO? A mononucleose infecciosa, também conhecida como doença do beijo, é uma doença contagiosa, causada pelo vírus Epstein-Barr, da família do herpes. A mononucleose é mais comum

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico Infecciosa Auto-imune Traumática Evidência Clínica Inicialmente, vesículas ou bolhas, na pele ou mucosa, podendo ocorrer concomitantemente nessas regiões. Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto

Leia mais

TRABALHO DE GRUPO HERPES

TRABALHO DE GRUPO HERPES TRABALHO DE GRUPO HERPES Integrantes: Alan Allex André Bruno Célio Igor João Carlos HERPES Índice 1 O que é 2 Histórico da doença no Brasil 3 Agente causador 4 Ciclo biológico 5 Modos de contaminação 6

Leia mais

Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009

Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009 Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009 HERPES GENITAL SUPRESSÃO Mauro Romero Leal Passos Universidade Federal Fluminense SBDST SGORJ - FEBRASGO HSV DNA-vírus de grandes dimensoes

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Profª. Márcia Americano

MICROBIOLOGIA. Profª. Márcia Americano MICROBIOLOGIA Profª. Márcia Americano PAROTIDITE EPIDÊMICA Márcia Souza Americano FAMÍLIA PARAMYXOVIRIDAE Subfamília Paramyxovirinae Gênero: Paramyxovirus Gênero:Rubulavirus- CAXUMBA Gênero: Morbillivirus-

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS 3 1. INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo abordar as manifestações clínicas do citomegalovírus, assim como seu tratamento, transmissão e seu contato direto com as gestantes. O citomegalovírus (CMV)

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista

Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista VACINA PARA HPV F d V ld i S i ll Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista HPV Doença Sexualmente Transmissível mais comum no mundo Período de 12 meses: homem sexualmente ativo adquirir um

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR Profª Filomena Aste Silveira HERPES GENITAL (origem grega significa alastrar-se) DNA virus - Alfaherpes viridae Dupla hélice PERÍODO de incubação 7

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A varicela é a infecção que resulta do contacto pela primeira vez de um ser humano susceptível com o vírus

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo)

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo) VÍRUS CARACTERÍSTICAS Organismos acelulares Não possuem metabolismo Características vitais: Reprodução Evolução Possui grande capacidade proliferativa Só se reproduz no interior de células que estejam

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS Profª Maria Luzia da Rosa e Silva Viroses em humanos Patogenicidade: capacidade de infectar o hospedeiro e causar doença infecção viral (1) injúria nos órgãos (2) manifestações

Leia mais

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(6). Edição 41. Antônia Cristina Batista Lira 1 Cláudia Fernanda De Sousa Oliveira 1 Daniela Batista de Sousa 1 Janiel Ferreira

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Palestrante: Ten Leandro Guilherme O que é? DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Toda doença que

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s Conceitos iniciais Parasita: organismo que vive em associação com outros e dos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro. Hospedeiro: organismo que

Leia mais

APROVADO EM 05-12-2007 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO. ZOVIRAX 50 mg/g Creme Aciclovir

APROVADO EM 05-12-2007 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO. ZOVIRAX 50 mg/g Creme Aciclovir FOLHETO INFORMATIVO ZOVIRAX 50 mg/g Creme Aciclovir Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido sem receita médica. No entanto é necessário

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Vírus e Viroses. Professora Gilcele

Vírus e Viroses. Professora Gilcele Vírus e Viroses Professora Gilcele Quais são as principais características dos vírus? - São organismos acelulares; - São parasitas intracelulares obrigatórios; - Não possuem metabolismo próprio, portanto

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

DR. OMAR LUPI. Zoster. Use o seu leitor de QR Code para saber mais sobre este livro.

DR. OMAR LUPI. Zoster. Use o seu leitor de QR Code para saber mais sobre este livro. DR. OMAR LUPI Zoster Use o seu leitor de QR Code para saber mais sobre este livro. DR. OMAR LUPI Médico dermatologista especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) Prof. Adjunto de Dermatologia

Leia mais

Janeiro D S T Q Q S S

Janeiro D S T Q Q S S Cia. da Saúde 2008 Janeiro D S T Q Q S S 6 13 20 27 7 14 21 28 1 8 15 22 29 2 9 16 23 30 3 10 17 24 31 4 11 18 25 5 12 19 26 2008 Cia. da Saúde Quem somos A Companhia da Saúde é formada por adolescentes

Leia mais

RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen

RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE Prof. Sérvio Túlio Stinghen 1 Infecções congênitas e perinatais feto: efeitos devastadores gestantes: maioria pode ser assintomática testes sorológicos TORSCH: Toxoplasmose

Leia mais

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir.

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 8 H 11 N 5 O 3 Peso molecular: 225,2 DCB/ DCI: 00082 aciclovir CAS: 59277-89-3 INCI: Não aplicável Sinonímia: Acicloguanosina; Aciclovirum; Aciklovír;

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Clamídia e Gonorreia

Clamídia e Gonorreia Doenças Sexualmente Transmissíveis DST Além da Aids, diversas outras doenças são transmitidas através do sangue e, por consequência, do ato sexual, e podem ser evitadas com comportamento sexual responsável

Leia mais

Herpesvírus Humanos (HHV)

Herpesvírus Humanos (HHV) Herpesvírus Humanos (HHV) Subfamília Propriedades que Distinguem os Herpesvírus Vírus Alphaherpesvirinae Herpesvírus humano 1 Herpesvírus humano 2 Herpesvírus humano 3 Gammaherpesvirinae Herpesvírus humano

Leia mais

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas Vírus: Pequenos parasitas intracelulares obrigatórios com genoma constituído por um só tipo de ácido nucléico que utilizam o aparato enzimático da célula hospedeira para síntese de seus componentes e sua

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. 2 Habilidade: Conhecer as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), sua prevenção e forma de tratamento. 3 REVISÃO Métodos

Leia mais

Monografia sobre os Herpesvírus humanos

Monografia sobre os Herpesvírus humanos Departamento de Biologia Disciplina de Virologia Monografia sobre os Herpesvírus humanos Monografia elaborada por: Ana Martinho nº 16405 Ana Oliveira nº 16269 Catarina Silva nº 16573 Évora, 13 de Janeiro

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora Suprema. COMUNICAÇÃO & MARKETING ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Releases

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora Suprema. COMUNICAÇÃO & MARKETING ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Releases Doenças Sexualmente Transmissíveis DST Além da Aids, diversas outras doenças são transmitidas através do sangue e, por consequência, do ato sexual, e podem ser evitadas com comportamento sexual responsável

Leia mais

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis As infecções sexualmente transmissíveis (STI s, abreviatura em inglês para Sexually Transmitted Infections (Infecções Sexualmente

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

DR. OMAR LUPI. herpes. Use o seu leitor de QR Code para saber mais sobre este livro.

DR. OMAR LUPI. herpes. Use o seu leitor de QR Code para saber mais sobre este livro. DR. OMAR LUPI herpes Use o seu leitor de QR Code para saber mais sobre este livro. DR. OMAR LUPI Médico dermatologista especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) Prof. Adjunto de Dermatologia

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Viroses congênitas e vírus Epstein-Barr

Viroses congênitas e vírus Epstein-Barr Viroses congênitas e vírus Epstein-Barr FAMILIA HERPESVIRIDAE Subfamília Nome Característica Latência Alphaherpesvirinae HSV-1 Muitos hospedeiros HSV-2 citolíticos VZV Betaherpesvirinae CMV Poucos hospedeiros

Leia mais

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

Doenças Virais - Humanas

Doenças Virais - Humanas Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Lages Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia Doenças Virais - Humanas DENGUE FEBRE AMARELA Prof. Leandro Parussolo

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Estrutura de Vírus Menores que as menores células conhecidas Vírus que infectam Bactérias Exemplo: vírus que infectam a

Leia mais

Introdução. Herpesvírus felino

Introdução. Herpesvírus felino Infecções de vias respiratórias em gatos herpesvirose e calicivirose Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado

Leia mais

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência AIDS AIDS e A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (do inglês Acquired Immunodeficiency Syndrome) caracteriza-se por uma profunda imunossupressão associada a infecções oportunistas, neoplasias

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG TORC: importância do estudo da Avidez das IgG Carla Almeida 1, Teresa Tente 2 RESUMO TORC é um grupo de doenças infecciosas que é necessário despistar durante a gravidez, o qual corresponde às iniciais

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou 42 comprimidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou 42 comprimidos. LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Valtrex cloridrato de valaciclovir APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Cleonice Hirata A infecção por HIV tem uma associação relativamente alta com manifestações bucais e otorrinolaringológicas, tais como linfoadenopatias cervicais, infecções

Leia mais

Infecção Por Enterovirus

Infecção Por Enterovirus Infecção Por Enterovirus 2012.05.22 O enterovirus constitui um grupo de vírus que inclui Coxsackievírus, Echovírus e Enterovirus 71 (EV71), entre outros, infectando principalmente crianças com idade inferior

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

Zovirax. aciclovir. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Zovirax. aciclovir. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Creme aciclovir I) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Creme é apresentado em bisnagas contendo 10 g, para uso tópico. Composição Cada

Leia mais

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo)

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo) VÍRUS CARACTERÍSTICAS Organismos acelulares Não possuem metabolismo Características vitais: Reprodução Evolução Possui grande capacidade proliferativa Só se reproduz no interior de células que estejam

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

CORRELAÇÕES ENTRE VARICELA E HERPES ZOSTER: INFECÇÕES CAUSADAS PELO VÍRUS VZV

CORRELAÇÕES ENTRE VARICELA E HERPES ZOSTER: INFECÇÕES CAUSADAS PELO VÍRUS VZV CORRELAÇÕES ENTRE VARICELA E HERPES ZOSTER: INFECÇÕES CAUSADAS PELO VÍRUS VZV Alisson Geraldo Carvalho 1 Betânia Tedesco 2 Daniele Pereira Aragão 3 Janaina Aparecida de Lima Gomes 4 Thalita Faraco 5 Ester

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Vacina contra Varicela (vírus atenuado)

Vacina contra Varicela (vírus atenuado) I) Identificação do medicamento FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES USO ADULTO E PEDIÁTRICO Pó liófilo injetável + diluente para administração subcutânea. A Vacina contra Varicela é uma preparação liofilizada

Leia mais

HERPESVIRUS. Prof. Ledy Oliveira

HERPESVIRUS. Prof. Ledy Oliveira HERPESVIRUS Prof. Ledy Oliveira Herpesvirus Ancestral comum Aves e mamíferos Animais de sangue frio Ordem Herpesvirales Famílias Herpesviridae Mamíferos, pássaros e répteis Alloherpesviridae Peixes e anfíbios

Leia mais

Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola

Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola Este material foi elaborado como forma de devolução de dados em pesquisa intitulada Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola realizada,

Leia mais

Frio ou gripe? Nao, aos antibióticos!

Frio ou gripe? Nao, aos antibióticos! Brochura de informação Usar mal um medicamento, este torna-se ineficaz! Frio ou gripe? Nao, aos antibióticos! z6creation.net Uma iniciativa europeia em matéria de saúde. Frio ou gripe? Nao, aos antibióticos!

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais