2009 POLÍCIA MILITAR ACADÊMICO BOLSISTA EMERGÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2009 POLÍCIA MILITAR ACADÊMICO BOLSISTA EMERGÊNCIA"

Transcrição

1 2009 POLÍCIA MILITAR ACADÊMICO BOLSISTA EMERGÊNCIA 1. Mulher de 45 anos de idade, com história prévia de transfusão sanguínea, apresenta elevação discreta da ALT e da gama GT. Não há sinais periféricos de hepatopatia, nem hepato-esplenomegalia. O HbsAg foi negativo, o anti-hcv positivo. O diagnóstico provável é: a) Infecção crônica pelo vírus da hepatite B e C b) Infecção crônica pelo vírus da hepatite B c) Hepatite B aguda e infecção crônica C d) Hepatite B resolvida e infecção crônica C e) Infecção C aguda 2. Em relação às hepatites por vírus B e vírus C, assinale a alternativa CORRETA: a) O risco de evoluir para a forma fulminante é significativamente maior na hepatite C. b) A contaminação por via sexual é maior na hepatite C c) Embora ambas possam evoluir para cirrose, há risco de hepatocarcinoma apenas na hepatite B d) O risco de evoluir para a forma crônica é significativamente maior na hepatite B d) Na hepatite B há resposta terapêutica ao interferon ou à lamivudina 3. Você atende um enfermo com hepatite B aguda cujo quadro evolui com encefalopatia, icterícia progressiva, astenia e diátese hemorrágica. Foi encaminhado para um centro de referência para transplante hepático: O principal dado laboratorial de prognóstico, neste caso, é a aferição de: a) carga viral b) albumina sérica c) tempo de protombina d) aminotransferases séricas e) fosfatase alcalina 4. Em paciente com leptospirose icterohemorrágica evoluindo com insuficiência renal aguda grave, o achado menos provável é: a) polimialgia intensa b) trombocitose c) hipopotassemia d) hemorragia pulmonar e) aumento de CPK 5. Em um paciente portadora de estenose mitral, são achados clínicos comuns: a) hemoptise e fibrilação atrial b) síncope e hipertensão arterial c) edema pulmonar e B1 hipofonética d) hipofenese de P2 e desvio do ictus cordis e) sopro de Graham Steell e pulso paradoxal

2 6. A respeito de insuficiência cardíaca congestiva (ICC), qual das afirmativas é INCORRETA: a) anemia, beribéri e hipertireoidismo são causas de falência cardíaca com alto débito b) um predomínio acentuado da vascularização em bases é o achado mais característico na radiografia de tórax c) a dispneia é o sintoma mais comum de falência cardíaca e decorre do aumento da pressão capilar pulmonar d) a pericardita constritiva é exemplo de falência cardíaca sistólica e) o uso de cronotrópicos negativos pode melhorar a função diastólica 7. Qual a tríade que melhor caracteriza a presença de nefropatia diabética clínica: a) proteinúria entre 0,15 e 0,5 g/24h, de forma persistente, elevação da pressão arterial e cetoacidose diabéticas frequentes. b) insuficiência renal aguda, cetoacidose diabética e hematuria c) hematuria, glicosuria e cilindros hemáticos d) proteinúria acima de 0,5g/24h, de forma persistente, hipertensão arterial e redução progressiva da filtração glomerular e) cilindrúria, glicosúria e cetonúria 8. Paciente com insuficiência renal crônico apresenta potassemia de 8,5 meq/l. Assinale a alternativa correta. a) tratar rapidamente com sulfato de magnésio IV b) repetir o exame antes de tratar c) administrar diurético na presença de ondas T apiculadas d) administrar gluconato de cálcio IV e) preparar fístula AV 9. Qual o papel inicial da Furosemida no edema agudo de pulmão: a) Reduzir a volemia através da diurese b) Vasodilatação arterial com conseqüente diminuição da pré-carga. c) Vasodilatação venosa com conseqüente diminuição da pós-carga. d) Vasodilatação venosa com conseqüente diminuição da pré-carga. e) Diurese osmótica e conseqüente diminuição da pré-carga. 10. São causas de edema agudo de pulmão: a) Sepse e infarto agudo do miocárdio b) Reexpansão de pneumotórax e traumatismo crânio-encefálico c) Anafilaxia d) Hipoproteinemia e) todas as respostas anteriores estão corretas. 11. Na suspeita de AVE, qual dos exames abaixo é o de escolha para investigação diagnóstica inicial? a) TC de crânio sem contraste venoso. b) TC de crânio com contraste venoso. c) Angioressonância de crânio d) Angiotomografia de crânio

3 e) Arteriografia 12. Em relação à profilaxia de trombose venosa profunda nos casos de AVE hemorrágico. É correto afirmar que: a) Não se indica profilaxia de TVP nas 2 horas iniciais. b) Nos pacientes com TVP instalada deve ser instituída heparinização plena. c) O uso de heparina profilática deve ser instituído após 4 dias do evento. d) Pacientes com AVE hemorrágico possuem baixo risco para desenvolver TVP. e) É contra-indicação absoluta a profilaxia de TVP nos casos de AVE hemorrágico. 13. Paciente internado por AVE hemorrágico devido à hemorragia intraparenquimatosa espontânea, evolui 1 hora depois com anisocoria e posição de descerebração. Sua suspeita diagnóstica é: a) Aumento do hematoma por ressangramento b) Vasoespasmo c) Hidrocefalia d) Irritação meníngea pelo sangramento e) Necrose cortical 14. Paciente deu entrada com hipotensão arterial, agitação psicomotora, sudorese fria e pegajosa. No exame físico evidenciava-se pulso paradoxal de Kussmaul. O diagnóstico mais provável é: a) Choque cardiogênico e infarto agudo do miocárdio. b) Choque cardiogênico e tamponamento pericárdico. c) Choque neurogênico e TCE. d) Choque séptico e meningite. e) Choque obstrutivo e tamponamento pericárdico. 15. Em relação a reposição volêmica no choque hipovolêmico é CORRETO afirmar: a) As soluções de colóides são preferenciais, pois seu custo é menor que as soluções cristalóides. b) A reposição é realizada com soro glicosadao 5%, pois além de expandir o espaço intravascular, fornece suporte calórico ao paciente. c) A reposição é realizada com soro glicosado 5%, pois evita a mielinose pontina. d) O objetivo da reposição volêmica é a melhora do espaço intravascula.. e) Estima-se uma perda volêmica de 10% quando o paciente apresentar hipotensão arterial severa e taquicardia postural. 16. Paciente do sexo masculino, hipertenso e tabagista, foi admitida na emergência devido à dor precordial opressiva, irradiada para membro superior esquerdo e com piora aos esforços. Havia também sudorese fria, turgência jugular, palidez cutâneomucosa e enchimento capilar lentificado. Pressão arterial de 90x40mmHg. A classificação desta dor torácica é: a) Tipo A. Definitivamente anginosa b) Tipo B. Provavelmente anginosa c) Tipo C. Provavelmente não anginosa d) Tipo D. Definitivamente não anginosa

4 e) Tipo E. Dor torácica atípica 17. Baseando-se na fisiopatologia da moléstia do caso anterior (Questão 1), assinale a alternativa correta quanto ao uso de nitrato venoso neste paciente. a) Não são usados devido a hipotensão arterial. b) Não melhora do quadro hemodinâmico,pois aumenta o índice de resistência c) arterial sistêmica. d) Não são usados, pois o paciente encontra-se em choque hipovolêmico. e) Melhoram a ejeção ventricular e diminuem o consumo de O2 pelo miocárdio. 18. Mulher, 34 anos de idade, fazendo uso de corticosteróides devido a lúpus eritematoso sistêmico. Não é considerado efeito colateral desta droga: a) Hipertensão arterial b) Pele fina e friável c) Diabetes melittus d) Hipercalemia e) Fraqueza muscular 19. Mulher, 18 anos, apresenta à gasometria arterial acidose metabólica com aniongap aumentado. A causa mais provável é: a) Vômitos b) Diarréia alta c) Cetoacidose diabética d) Acidose tubular renal e) Hipocalemia 20. Paciente admitido na emergência queixando-se de cefaléias e febre. Estável hemodinamicamente. Glasgow=15 e sem história de crise convulsiva. Apresenta o seguinte achado liquórico: pleocitose linfocitária, proteínas de 25mg/dl e pressão de 110mmHg. O tratamento que deve ser instituído é: a) Ampicilina b) Ceftriaxone c) Aciclovir d) Analgésico e antipirético e) Penicilina Cristalina 21. Paciente ingeriu substância na tentativa de suicídio, apresenta mioclonia, sialorreia, bradicardia e miose. Indique a alternativa correta que contenha, respectivamente o agente tóxico e seu tratamento. a) carbanatos / pralidoxina e atropina b) paraquat / Atropina e carvão ativado c) benzenos / carvão ativado e hemodiálise d) barbitúricos / Flumazenil e hemodiálise e) organofosforado / Atropina e pralidoxina 22. São alterações eletrocardiográficas de hipercalemia, exceto: a) ondas T apiculadas

5 b) aumento da amplitude da onda P c) alargamento do QRS d) assistolia e) QRS aberrante 23. São causas de derrame pleural transudativos, exceto: a) cirrose b) insuficiência cardíaca c) radioterapia d) urinotórax e) síndrome nefrótica 24. O anticorpo mais relacionado com a psicose lúpica é: a) Anti-SM b) Anti-Ro c) Anti-P d) FAN e) PANCA 25. Uma mulher jovem, 25 anos, no período puerperal, é atendida no Serviço de emergência de um grande hospital, com quadro de choque hipovolêmico por hemorragia uterina. A médica, ao conversar com a paciente e com os familiares, descobre que a enferma professa a religião Testemunha de Jeová, a qual não admite transfusão sanguínea. A plantonista tenta ponderar sobre a indicação absoluta de hemotransfusão, mas a paciente e a família mostram-se irredutíveis em aquiescer ao procedimento. Opta, então, pela não transfusão, o que acaba por provocar a morte da enferma. Sobre o caso é MAIS CORRETO afirmar: a) Hemotransfundir o paciente nesta situação não é defensável eticamente, tampouco legalmente b) As restrições religiosas dos Testemunhas de Jeová têm sustentação em passagens de dois livros do Antigo Testamento, o Gênesis e o Levítico c) Não transfundir seria uma forma de agir com base na beneficência, na medida em que a vida é um bem maior, devendo ser sempre respeitada d) De acordo com o atual Código de Ética Médica, o paciente não tem o direito de opinar sobre sue diagnóstico, nem sobre seu tratamento e) Existe a possibilidade do médico, caso realize a hemotransfusão, ser acusado de preconceito religioso 26. Mulher, 18 anos, chega ao Serviço de Emergência do HCTCO-FESO com quadro iniciado há cerca de 48 horas e caracterizado por febre alta (39,5ºC) com calafrios, cefaléia (inicialmente moderada, mas, no momento, intensa), anorexia e astenia. Procurou atendimento em uma unidade de saúde, sendo prescritos paracetamol e vitamina C. Hoje, há aproximadamente seis horas, encontra-se agitada, torporosa e apresentando surgimento de lesões cutâneas purpúreas na face anterior do tórax e nos membros superiores e inferiores. Sobre o caso é correto afirmar: a) O agente mais provável é Neisseria meningitidis, devendo-se instituir, rapidamente, terapêutica com vancomicina

6 b) A presença de bradicardia, hipertensão arterial e papiledema é uma indicação formal de raquicentese, procedimento que neste caso é diagnóstico e terapêutico c) A contagem sérica de plaquetas da enferma não influenciaria na decisão de realizar a raquicentese. d) Uma excelente opção terapêutica no caso seria a instituição de ceftriaxona. e) Streptocuccus pneumoniae é o agente de maior importância em nosso meio, devendo-se, assim, instituir terapêutica com penicilina G benzatina, por via intravenosa, precocemente. 27. Homem, 59 anos, internado na enfermaria de Clínica Médica com diagnóstico de cirrose hepática. No sexto dia de internação o paciente entra em coma, sendo estabelecido o diagnóstico de encefalopatia hepática. Acerca do caso pode-se afirmar que: a) Está indicado o uso de cefalotina e gentamicina intravenosas no tratamento de encefalopatia hepática b) O quadro de encefalopatia hepática se inicia sempre com flapping. c) Hemorragia digestiva pode ser descartada neste paciente, pois a presença de sangue no cólon inibe a produção de amônia ( e outros metabólitos), evitando a ocorrência de encefalopatia hepática. d) Hiperpotassemia pode precipitar a encefalopatia hepática. e) A alteração do padrão sonos-vigília costuma ser uma das primeiras alterações do paciente que está evoluindo para encefalopatia hepática. 28. Um enfermo, diagnosticado como infectado pelo HIV (ELISA reativo e testes confirmatórios positivos) há mais de dois meses, recusa-se a contar ao seu cônjuge sobre seu estado de saúde. A melhor conduta do médico seria: a) Abster-se de qualquer comentário pois, enquanto médico, o profissional que assiste ao paciente está obrigado a guardar, incondicionalmente, o segredo médico. b) Convocar a assistente social para dar encaminhamento ao caso. c) A quebra de confidencialidade é eticamente defensável e admitida, pois há risco real de transmissão do HIV a outrem. c) Solicitar, secretamente, um anti-hiv do cônjuge com sorologia desconhecida, e entregar ao seu companheiro infectado pelo HIV. e) Todas as condutas acima estão equivocadas. 29. Homem, 48 anos, hipertenso há cinco anos, em uso irregular de medicação hipotensora, é levado ao serviço de emergência por familiares que relatam inicio de cefaléia intensa há cerca de uma hora, acompanhada de vômitos e sonolência. O paciente está obnubilado, apresenta quarta bulha e papiledema ao exame de fundo de olho. A pressão arterial é de 250 x 146mmHg e a frequência cardíaca é de 100bpm. O restante do exame físico está dentro da normalidade. O quadro clínico e a melhor conduta para o paciente são respectivamente: a) Encefalopatia hipertensiva Nitroprussiato de sódio endovenoso b) AVE hemorrágico Nitroprussiato de sódio endovenoso c) AVE isquêmico Nitroglicerina endovenosa d) Hemorragia subaracnóidea Esmolol endovenoso e) Urgência hipertensiva Captopril sublingual

7 30. Na fisiopatogenia do EAP cardiogênico encontramos, exceto: a) Vasoconstricção arterial e venosa periférica b) Pressão hidrostática venocapilar pulmonar aumentada c) Transudação de líquido do espaço intersticial para dentro do alvéolo d) Cefalização do padrão vascular pulmonar e) Aumento na permeabilidade da membrana alvéolo-capilar pulmonar. 31. Faz parte dos critérios principais de Duke para o diagnóstico clínico de endocardite infecciosa a) febre b) êmbolos arteriais c) manchas de Janeway d) hemocultura positiva e) nódulos de Osler 32. O tratamento inicial do paciente apresentado sepse com hipotensão arterial é: a) Vasopressores b) corticóides c) reposição volêmica d) proteína C Ativada recombinante e) controle glicêmico 33. Você está examinando o Sr. José, quando subitamente ele embota o nível de consciência e não há pulso carotídeo palpável. Neste momento a conduta mais adequada é: a) Iniciar 5 ciclos de massagem cardíaca externa e ventilação numa proporção de 30:2, respectivamente b) Desfibrilar precocemente c) Administrar adrenalina intravenosa d) Entubação oro-traqueal e ventilação mecânica e) Monitorizar o ritmo cardíaco 34. Paciente apresentado TCE devido a queda da laje. Apresenta na TC de crânio imagem hiperdensa em forma de lua crescente à esquerda. O diagnóstico sugestivo é: a) hemorragia lobar b) hematoma epidural c) hematoma subdural d) contusão cerebral e) lesão axonal difusa 35. Em relação ao uso de nutrição enteral nos casos de pancreatite aguda severa, assinale a alternativa incorreta a) limitam a translocação bacteriana b) preserva a microbiota intestinal c) diminuem o risco de infecção d) impede a atrofia da mucosa intestinal e) podem aumentar a resposta pró-inflamatória

8 36. Na gasometria arterial devemos considerar a) o sítio de escolha é a artéria femoral, por ser mais calibrosa e fácil de puncionar b) a amostra de sangue coletada deve ser desprezada após decorrer 30 minutos, pois o metabolismo leucocitário pode consumir oxigênio e aumentar gás carbônico. c) a febre não altera os resultados da PaO2 e PaCO2 d) o teste de Allen deve ser realizado quando o sitio de escolha é a artéria braquial e) deve-se comprimir o sítio femoral por 10 segundos após a coleta de sangue 37. No choque cardiogênico encontraremos as seguintes alterações variáveis hemodinâmicas. a) saturação venosa mista diminuída e pressão de oclusão da artéria pulmonar aumentada b) índica cardíaco diminuído e saturação venosa mista aumentada c) pressão venosa central diminuída e índice cardíaco diminuído d) resistência vascular periférica aumentada e saturação venosa mista aumentada e) resistência vascular periférica aumentada e pressão de oclusão da artéria pulmonar diminuída 38. Policial militar com história de litíase renal, após realizar exercício extenuante, evoluiu com hematúria, oliguria e aumento das escorias nitrogenadas. O diagnóstico provável é: a) rabdomiólise b) hipovelemia c) litíase ureteral d) infecção urinaria e) trauma renal 39. (REPETIDA igual a questão 28)Um enfermo, diagnosticado como infectado pelo HIV (ELISA reativo e testes confirmatórios positivos) há mais de dois meses, recusase a contar ao seu cônjuge sobre seu estado de saúde. A melhor conduta do médico seria: a) Abster-se de qualquer comentário pois, enquanto médico, o profissional que assiste ao paciente está obrigado a guardar, incondicionalmente, o segredo médico. b) Convocar a assistente social para dar encaminhamento ao caso. c) A quebra de confidencialidade é eticamente defensável e admitida, pois há risco real de transmissão do HIV a outrem. c) Solicitar, secretamente, um anti-hiv do cônjuge com sorologia desconhecida, e entregar ao seu companheiro infectado pelo HIV. e) Todas as condutas acima estão equivocadas. 40. Mulher de 35 anos relata história compatível com virose respiratória alta há cerca de 20 dias. Melhorou dos sintomas, mas dias depois voltou a sentir mal estar, com dores pelo corpo e forte dor em base inferior e anterior do pescoço. Apresentou febre moderada durante dois ou três dias e permaneceu com a referida dor, que a obriga a uso freqüente de analgésicos. Sente-se muito cansada, um pouco trêmula, levemente agitada, com um pouco de insônia, sudorese me mãos, e leve polidefecação, com fezes amolecidas. Ao exame físico tem uma tireóide muito dolorosa, levemente aumentada,

9 taquicardia moderada, PSA divergente, mão rubras, quentes e suadas. Sem outras alterações. Este quadro é mais provavelmente compatível com: a) Basedow Graves b) Produção aumentada de hormônio tiroideano. c) TSH ultra-sensível baixo. d) Doença de Hashimoto. e) A, B e C estão corretas

10

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Organizador. Autores

Organizador. Autores ROSTO Apresentação O Guia de Emergências Clínicas foi estruturado a fim de orientar o profissional que lida a todo instante com situações diversas e que exigem diferentes abordagens na emergência clínica,

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é:

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: QUESTÃO 01 Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: a) Cefalotina + gentamicina b) Vancomicina + cefazidime c) Rifampicina + ceftriaxona d) Sulfametozaxol-trimetropim

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES 2003-2004 ANEMIAS TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS ANEMIA NEUTROPENIAS FERRO VITAMINA B12 ÁCIDO FÓLICO COAGULOPATIAS CONGÉNITAS COAGULOPATIAS

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Como abordar um paciente nefropata

Como abordar um paciente nefropata Como abordar um paciente nefropata Filtra o plasma Reduz o volume do filtrado Altera sua composição!! Secreção / Reabsorção Mantem a homeostase corporal Sódio, potássio e ácidos Clearence da água livre

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL QUESTÃO 21 Sobre a insuficiência cardíaca congestiva, é correto afirmar, EXCETO: a) Os inibidores da fosfodiesterase são uma alternativa

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO QUESTÃO 21 São causas de hipocalemia, EXCETO: a) Síndrome de Bartter. b) Acidose tubular renal do tipo II. c) Acidose tubular renal tipo

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães Caso Clínico Luana Silva Bessa Guimarães Identificação Id: sexo masculino, 31 anos, natural e procedente de Fortaleza, pardo, católico, auxiliar de produção. Cansaço e inchaço nas pernas" Queixa Principal

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico

Leia mais

Acidente Vascular Encefálico Hemorrágico

Acidente Vascular Encefálico Hemorrágico Acidente Vascular Encefálico Hemorrágico Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Carlos Caron Acidente Vascular Hemorrágico Classificação: Hemorragia epidural Hemorragia subdural Hemorragia subaracnóidea Hemorragia

Leia mais

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR RESUMO Anamnese ID HPMA IDA Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiais Exame Físico Geral Exame Físico Especial Cabeça / Face / Pescoço Aparelho

Leia mais

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente Actilyse alteplase APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente USO INTRAVENOSO USO ADULTO COMPOSIÇÃO ACTILYSE 10 mg/10 ml: cada frasco-ampola

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J.

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J. 1 3 Março INFLAMAÇÃO Conhecer os diferentes mecanismos fisiopatológicos que intervêm na resposta inflamatória Identificar os principais mediadores celulares e moleculares da inflamação Identificar os efeitos

Leia mais

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Caso Suspeito de Dengue Paciente com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

CHOQUE. SEBASTIÃO ERNESTO DA SILVA FILHO Anestesiologista TSA SBA Hospital Municipal São José dos Campos Grupo CAD

CHOQUE. SEBASTIÃO ERNESTO DA SILVA FILHO Anestesiologista TSA SBA Hospital Municipal São José dos Campos Grupo CAD SEBASTIÃO ERNESTO DA SILVA FILHO Anestesiologista TSA SBA Hospital Municipal São José dos Campos Grupo CAD INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO ESTÁGIOS CLASSIFICAÇÃO INICIAL HIPÓXIA ACIDOSE COMPENSATÓRIO HIPERVENTILAÇÃO

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 67

PROVA ESPECÍFICA Cargo 67 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 67 QUESTÃO 26 São contra-indicações absolutas à ventilação não-invasiva, EXCETO: a) Arritmias Cardíacas. b) Hemorragia Digestiva alta. c) Insuficiência Coronariana Aguda. d) Grande

Leia mais

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES Infarto agudo do miocárdio; Insuficiência cardíaca congestiva; Acidente vascular cerebral; Hipertensão. EDUARDO LUIZ INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 Caso Clínico Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 IDENTIFICAÇÃO: M.P.B.S, sexo feminino, 27 anos, solteira, procedente de Nova Olinda-CE, Q.P.: " pele amarelada e com manchas vermelhas" HDA: Paciente relata

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS SEM ESPECIALIDADE 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta: a) O achado de VDRL positivo é suficiente para confirmar a infecção.

Leia mais

Prof.ª Dr.ª Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Prof.ª Dr.ª Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Prof.ª Dr.ª Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Exame Físico Geral Atitude Depressão Perda de interesse pelo ambiente Postura Cavalete Condição Física Respiração Edema Pulso jugular pulso carótida Focos

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente 2006 Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva Dr. Jamil Mattar Valente 1 Cardiomiopatia Hipertrófica Primária Secundária 2 Introdução Doença hereditária

Leia mais

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS CARDIOVASCULAR Coração Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes O Exame Físico do Coração Neste módulo estudaremos o exame físico do sistema cardiovascular, estabelecendo relações com a fisiologia, anatomia

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Tamponamento

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

[129] 50. TAQUIARRITMIAS

[129] 50. TAQUIARRITMIAS [129] d. ALGORITMO DE BRADICARDIA Algoritmo de atendimento a pacientes com bradicardia. 50. TAQUIARRITMIAS a. CONSIDERAÇÕES GERAIS Frequentemente encontradas nas emergências. São definidas como ritmos

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2015

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2015 Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2015 PROVA PARA OS PROGRAMAS DE: HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA; ECOCARDIOGRAFIA DADOS DO CANDIDATO NOME: INSCRIÇÃO: CADEIRA: COMISSÃO ESTADUAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

cárdio-respiratóriarespiratória

cárdio-respiratóriarespiratória Suporte Avançado de Vida Parada Cardiorrespiratória (PCR) Tratamento da parada cárdio-respiratóriarespiratória Drogas Vasoativas Estado de ineficiência do coração, onde há débito cardíaco inadequado para

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Angina. Prof. Claudia Witzel

Angina. Prof. Claudia Witzel Angina Angina Angina de peito ou angor pectoris é uma dor no peito devida ao baixo abastecimento de oxigênio ao músculo cardíaco; São devidas a aterosclerose nas artérias cardíacas (coronárias). O termo

Leia mais

OFICINA Correto Preenchimento das causas de óbito

OFICINA Correto Preenchimento das causas de óbito OFICINA Correto Preenchimento das causas de óbito Cons. Bruno Gil Consa. Diana Viegas Martins Consa. Maria Madalena de Santana Dra. Márcia Mazzei (Sesab) CASO 1 Masc., 42 anos Paciente admitido com história

Leia mais

Estenose Mitral. Definição e Etiologia

Estenose Mitral. Definição e Etiologia Estenose Mitral Definição e Etiologia A estenose da válvula mitral é um estreitamento da abertura da válvula mitral que aumenta a resistência ao fluxo da corrente sanguínea do átrio esquerdo para o ventrículo

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO PA nº 1.26.000.002268/2007-07 DECISÃO DE ARQUIVAMENTO À DTCC O procedimento administrativo em epígrafe foi instaurado no âmbito desta Procuradoria da República, para apurar notícia de irregularidades no

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório Nélia Luciana Pires Plano de intervenções

Leia mais

PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA MEDICINA INTENSIVA

PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA MEDICINA INTENSIVA P R O V A S E L E T I V A 2 0 1 3 PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA MEDICINA INTENSIVA INSTRUÇÕES 1. A duração da prova, incluindo o tempo para a marcação dos cartões de respostas, é de 4h, tendo início às

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2)

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergências em cães e gatos Envenenamentos e intoxicações (inseticidas, venenos para roedores, produtos de limpeza, medicações, chocolates, etc) Escoriações

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Programa Nacional de Controle da Dengue Febre Hemorrágica da Dengue e Apresentações Graves Definição e Rotina de Investigação Maio 2010 Dengue no Brasil

Leia mais