Causas Extracranianas e Sistêmicas da Dor Facial e Cefaleia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Causas Extracranianas e Sistêmicas da Dor Facial e Cefaleia"

Transcrição

1 10 Causas Extracranianas e Sistêmicas da Dor Facial e Cefaleia Embora a cefaleia e a dor facial frequentemente se originem nos dentes ou em outras estruturas mastigatórias, ela pode se originar em qualquer tecido ou órgão da cabeça e pescoço, bem como a partir de uma doença sistêmica. Se a dor orofacial ou a cefaleia são associadas a uma doença grave ou que ameace a vida, seu reconhecimento em tempo hábil e o encaminhamento para o médico é crucial. Em casos nos quais a causa da cefaleia ou dor facial não se torna imediatamente aparente, as fontes de dor não mastigatórias, extracranianas e sistêmicas devem ser consideradas no diagnóstico diferencial. Este capítulo traz um resumo dessas fontes de dor, baseado nos métodos de classificação atuais da Sociedade Internacional de Cefaleia (IHS) 1, e fornece listas de desordens e sintomas associados para uma consulta facilitada. Para maiores informações, o leitor deve consultar outros capítulos deste livro ou literatura médica de referência. Ossos Cranianos (IHS 11.1) A maioria das lesões que afetam os ossos do crânio não são dolorosas 2. As lesões do crânio que mais provavelmente produzem dor são aquelas de expansão rápida, de atividade osteoclástica agressiva ou que apresentam componente inflamatório 3. Nesse caso, a dor é percebida pelos nociceptores do periósteo subjacente. Nesse grupo de lesões se incluem a osteomielite, o mieloma múltiplo e a doença de Paget. Olhos (IHS 11.3.x) Frequentemente, pacientes com dor nos olhos obviamente apresentam sinais oculares acompanhando a dor, tornando o diagnóstico relativamente fácil nesses casos. Entretanto, a maioria das doenças oculares não é dolorosa. A dor ocular pode ser primária ou referida (Quadro 10-1). A dor primária se origina na divisão oftálmica do nervo trigêmeo, embora a divisão maxilar seja responsável pela maior parte da inervação da pálpebra inferior através de seu ramo infraorbital 4. A retina e o nervo óptico não têm capacidade de nocicepção; no entanto, a córnea, a conjuntiva e a íris possuem abundância de nociceptores, bem como os músculos extraoculares, a bainha do nervo óptico e a periórbita, que gera dor quando distendida. A dor pode ser percebida como tendo origem na órbita quando o nervo óptico é estimulado em qualquer ponto do seu percurso entre a face e o córtex. 227

2 10 Causas Extracranianas e Sistêmicas da Dor Facial e Cefaleia Quadro 10-1 Cefaleia e dor facial originadas nos olhos (IHS 11.3.x) Glaucoma (IHS ) Desordens de convergência (IHS ) (heteroforia ou heterotropia) Inflamação ocular (IHS ) Doenças da córnea Oftalmoplegia dolorosa Síndrome da fissura orbital superior Tumores orbitais Dor referida Aneurisma sacular (IHS 6.3.1) Inflamação do seio cavernoso Fístula carótido-cavernosa (IHS 6.3.3) Dissecção da artéria carótida (IHS 6.5.1) Dor miofascial Síndrome do ápice orbital Síndrome paraselar Quadro 10-2 Cefaleia e dor facial originadas nas orelhas Infecções da aurícula, meato acústico externo, membrana timpânica e orelha média (IHS 11.4) Colesteatoma Mastoidite Síndrome de Ramsay Hunt Vírus do Herpes Simples Vírus do Herpes Zoster Tumores Dor referida Disfunções temporomandibulares Dor miofascial Dor dentária Síndrome aurículo-temporal Dissecção da artéria carótida (IHS 6.5.1) Síndrome da orelha vermelha Dor hipofaríngea Dor na laringe Dor nasofaríngea Dor da mucosa oral Dor sinusal Dor lingual Os possíveis estímulos incluem tumores intracranianos, tumores na órbita ou nos seios paranasais, inflamação do seio cavernoso e aneurisma da carótida 5. Os músculos faciais, cervicais e pericranianos são fontes comuns de dor referida na órbita e nas áreas periorbitárias 6. A qualidade da dor e os sintomas associados podem, com frequência, dar pistas quanto à natureza e origem da dor. Por exemplo, dor profunda ocular se origina no trato uveal, especialmente na íris, e essa dor pode ser referida nos dentes ipsilaterais 5. Dor ocular associada à inflamação geralmente está acompanhada de fotofobia e hiperemia da conjuntiva. A dor causada pelo movimento do olho pode ser devida a neurite óptica ou a sinusite anterior 5. Sintomas astenópticos como olhos cansados, doloridos e ardência são queixas comuns dos usuários de computador 7. É pouco provável que os erros de refração provoquem dor nos olhos ou cefaleia. Embora a cefaleia geral- 228

3 Complexo Sinusal Paranasal e Nasal mente seja acompanhada de dor ocular ou periorbital, na ausência de achados oculares ou periorbitais, deve-se considerar que a dor não é devida a um distúrbio ocular primário, sendo necessários mais exames 5. Orelhas (IHS 11.4) Cerca de 50% das dores auriculares são devidas a lesões estruturais da orelha externa ou média 8. As demais, são casos de dor referida originada de distúrbios dentários, temporomandibulares, faríngeos ou laríngeos, e cervicais 9,10. A inervação sensorial da orelha é realizada por inúmeros nervos, inclusive ramos do segundo e terceiro nervos cervicais e do quinto, sétimo, nono e décimo nervos cranianos. Assim, a dor que se origina nas regiões inervadas por esses ramos nervosos pode ser percebida como dor ao redor das orelhas. A otalgia causada por desordens primárias da orelha pode ser originada na aurícula, no meato acústico externo, na membrana timpânica, ou na orelha média (Quadro 10-2), e pode ser acompanhada por sintomas como vertigem, surdez ou zumbido 11. Complexo Sinusal Paranasal e Nasal A cavidade nasal é cercada pelos seios paranasais, que incluem os seios maxilares, etmoidais, frontais e esfenoidais. Os seios são recobertos internamente por um epitélio respiratório ciliado e drenam através de aberturas denominadas óstios para a cavidade nasal, por meio de um sistema ósteo-meatal. Quando os óstios são bloqueados devido à inflamação ou obstrução, os fluidos e as bactérias se acumulam, levando a sinais e sintomas de sinusite. A obstrução dos óstios também pode ser devida a variações anatômicas e tumores. A rino-sinusite aguda tem estabelecimento tipicamente repentino, perdura por aproximadamente 4 semanas e se resolve com tratamento antibiótico. A rino-sinusite crônica pode durar até 12 semanas 12. As bactérias mais comumente isoladas na sinusite aguda são Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis, enquanto as anaeróbicas e Staphylococcus aureus são encontradas mais comumente na sinusite crônica 13. Comumente, os sintomas da rino-sinusite incluem obstrução nasal, congestão nasal, secreção nasal, purulência nasal, gotejamento pós-nasal, pressão e dor facial, alteração do olfato, tosse, febre, halitose, cansaço, dor dentária, faringite, otalgia e cefaleia 12. A inervação sensorial do complexo sinusal nasal e paranasal é realizada pela primeira e segunda divisões do nervo trigêmeo 8. Estudos iniciais demonstraram que a mucosa de revestimento dos seios e do septo nasal é relativamente insensível à dor; entretanto, os óstios sinusais e as conchas nasais são altamente sensíveis 14,15. É notável que em um estudo dos sintomas da sinusite aguda 16, a dor nos dentes superiores foi altamente específica (93%), mas somente 11% dos pacientes com sinusite apresentava esse sintoma. A cefaleia apresentou uma sensibilidade de 68% e uma especificidade de apenas 30%. A assim a chamada cefaleia sinusal é uma queixa bastante frequente; entretanto, a natureza e a causa dessa associação ainda não está clara 17. Pode ser que apenas os seios maxilares estejam envolvidos na rino-sinusite aguda. A doença isolada dos seios etmoidais, frontais ou esfenoidais é bastante incomum. A localização da dor frequentemente fornece pistas de quais seios estão mais envolvidos. Por exemplo, a sinusite maxilar pode causar desconforto infraorbital ou na região das bochechas, a sinusite etmoidal pode provocar sensibilidade sobre a região lacrimal, a sinusite 229

4 10 Causas Extracranianas e Sistêmicas da Dor Facial e Cefaleia Quadro 10-3 Cefaleia e dor facial originadas no complexo sinusal nasal-paranasal Dor referida Rino-sinusite (IHS 11.5) Dor dentária Sinusite aguda ou crônica (IHS 11.5) Disfunções temporomandibulares Vestibulite Dor miofascial Desvio de septo Hipertrofia das conchas nasais Polipose nasal Abscesso/ hematoma septal Sarcoidose Granulomatose de Wegener (vasculite) Tumores Infecções frontal causa, caracteristicamente, cefaleia na fronte, sobre as órbitas, e a dor da sinusite esfenoidal irradia para a região occipital e do vértice 18. O quadro 10-3 traz uma lista das desordens dolorosas do complexo sinusal nasalparanasal. Garganta Os tecidos faríngeos são inervados por ramos dos nervos glossofaríngeo e vago 20. Devido à significativa sobreposição de inervações dessas estruturas, a dor de garganta geralmente não é bem localizada e a dor referida nas orelhas é comum 11. Além da inflamação, outros distúrbios dolorosos da garganta podem ser neoplásicos, neuropáticos ou de desenvolvimento (Quadro 10-4). A garganta, ou faringe, é dividida em naso- -faringe, localizada posteriormente à cavidade nasal e superiormente ao palato mole; orofaringe, que se estende desde a junção do palato mole e palato duro até a valécula; e a hipofaringe, posterior à laringe e à traqueia, incluindo a fossa piriforme 19. Circundando a faringe existem três músculos circunferências: os músculos constritores superior, médio e inferior 20. Também nessa região se encontram as adenoides, tonsilas palatinas e os tecidos linfoides acessórios, que envolvem a via aérea superior na forma do anel linfático da faringe. Sistema Linfático O sistema linfático é composto por uma extensa rede de capilares linfáticos, vasos linfáticos maiores e linfonodos. O sistema linfático funciona como um sistema de drenagem complementar que coleta fluido intersticial, proteínas e células e faz com que eles retornem à circulação. Uma vez dentro dos capilares linfáticos, o fluido passa a ser denominado linfa, sendo impelido através do sistema pelas contrações intermitentes dos músculos esqueléticos, pela contração dos vasos linfá- 230

5 Sistema Linfático Quadro 10-4 Cefaleia e dor facial originadas na garganta Dor referida Faringite Disfunções temporomandibulares Tonsilite Dor miofascial Traqueíte Abscesso tonsilar Síndrome estilo-hioidea (Síndrome de Eagle) Sarcoidose Granulomatose Wegener (vasculite) Artrite crico-aritenoide Neuralgia glossofaríngea Tumores ticos e por um imenso sistema de válvulas de direção única 21. Quando o volume do líquido intersticial excede a capacidade de drenagem dos vasos, o fluido fica acumulado nos tecidos intersticiais originando edema. Na cabeça e pescoço, os linfonodos são agrupados em cadeias de localização subcutânea e nos tecidos musculares e planos fasciais mais profundos. As cadeias linfáticas incluem os linfonodos occipitais, pré-auriculares, pós-auriculares, parotídeos, bucais, mandibulares, submandibulares, submentais, cervicais superficiais, jugulares internos, espinais acessórios e supraclaviculares. Nos estados saudáveis, geralmente os linfonodos não são palpáveis. Nódulos aumentados, palpáveis, denominados linfadenopatia, podem significar uma patologia, possivelmente devida à inflamação, infecção ou neoplasia 22. As causas inflamatórias/infecciosas podem ser locais ou sistêmicas, e incluir doenças bacterianas e virais. A linfadenopatia inflamatória também pode indicar uma desordem não infecciosa como a sarcoidose ou uma doença do tecido conjuntivo. O aumento de volume neoplásico pode ser devido a uma doença linfática primária ou a uma doença metastática. Na cabeça e pescoço, o nódulo que mais comumente sofre aumento de volume é o nódulo júgulo-digástrico, que pode estar inflamado secundariamente a uma infecção viral do trato respiratório superior 22. Esse nódulo se localiza logo abaixo e anteriormente ao ângulo da mandíbula. Nódulos aumentados solitários geralmente se devem a um problema local ou regional, enquanto múltiplos nódulos aumentados sugerem uma doença sistêmica. As características de um nódulo aumentado frequentemente fornecem pistas quanto à sua natureza ou causa. Nódulos macios, móveis e sensíveis provavelmente são inflamatórios. Nódulos firmes ou borrachoides, fixos no tecido subjacente, ou agrupados e não sensíveis são, provavelmente, neoplásicos. O diagnóstico diferencial das linfadenopatias não dolorosas deve incluir linfoma de Hodgkin e não Hodgkin, leucemia e plasmocitoma. A maioria das desordens dolorosas associadas ao sistema linfático ocorreram secundárias a um processo inflamatório/infeccioso agudo regional (Quadro 10-5). 231

6 10 Causas Extracranianas e Sistêmicas da Dor Facial e Cefaleia Quadro 10-5 Cefaleia e dor facial originadas no sistema linfático 22 Infecções bacterianas locais ou sistêmicas Infecções virais locais ou sistêmicas Infecções sistêmicas por protozoários Toxoplasmose Leichimaniose Doença de Kawasaki Sarcoidose Doença de Crohn Doença do tecido conjuntivo Leucemia Linfoma Doença metastática Dor induzida por drogas Quadro 10-6 Cefaleia e dor facial originadas nos vasos sanguíneos Hemorragia sub-aracnoidea (IHS 6.2.2) Malformação vascular não rompida (IHS 6.3) Aneurisma sacular (IHS 6.3.1) Malformação artério-venosa (IHS 6.3.2) Arterite de células gigantes (IHS 6.4.1) Angiite intracaninana primária (IHS 6.4.2) Lupus eritematoso sistêmico (IHS 6.4.3) Dissecção da artéria carótida ou vertebral (IHS 6.5.1) Endarterectomia pós-carotídea (IHS 6.5.2) Trombose venosa cerebral (IHS 6.6) Hipertensão arterial (IHS 10.3) Vasos sanguíneos As doenças vasculares podem ser fonte de dor na cabeça e na face (Quadro 10-6). A dor orofacial é um sintoma comum da arterite de células gigantes, uma condição causada pela inflamação granulomatosa da artéria temporal ou de outros ramos do arco aórtico. A arterite de células gigantes é encontrada predominantemente em pacientes idosos leucodermas, sendo caracterizada por cefaleia, claudicação mandibular, perda visual, dor no quadril e ombros, e sintomas constitucionais 23. Outras características dessa doença incluem edema e sensibilidade da artéria temporal superficial e elevada taxa de sedimentação eritrocitária. Pode ocorrer cegueira devido à inflamação das artérias ciliares posteriores com neuropatia isquêmica óptica anterior 23. Assim, é necessário um rápido e correto diagnóstico com o emprego de esteroides. Carotidinia é um termo que tem sido utilizado para descrever um distúrbio caracterizado por dor unilateral no pescoço com projeção da dor para o mesmo lado da cabeça e sensibilidade sobre a artéria carótida. Nos últimos anos, esse diagnóstico caiu em descrédito devido à falta de especificidade, e uma revisão crítica da literatura revelou não se tratar de uma entidade válida 24. Glândulas salivares Existem três pares de glândulas salivares maiores: as glândulas parótidas, submandibulares e sublinguais. A parótida é a maior das três, sendo localizada inferior e anteriormente à orelha, superficialmente ao músculo masseter. O ducto parotídeo emerge da porção superior, anterior, da glândula e segue um percurso por baixo do arco zigomático, 232

7 Sistema Linfático penetrando na cavidade bucal no nível do segundo molar superior. As fibras sensoriais são providas pelo ramo aurículo-temporal do nervo trigêmeo, enquanto as fibras secretórias são fornecidas pelo nervo glossofaríngeo, mas transportadas através do nervo aurículo-temporal 25. A glândula submandibular localiza-se na região posterior do soalho bucal, inferior e posteriormente ao músculo milo-hioideo. O ducto da submandibular se origina na porção profunda da glândula e segue um curso para frente, superiormente ao músculo milo-hioideo, penetrando na cavidade bucal na base do freio lingual. A glândula sublingual, a menor das três glândulas, localiza-se na região anterior do soalho bucal, superiormente ao músculo milo-hioideo, logo abaixo da mucosa, encaixada sob os ápices radiculares dos caninos e pré-molares inferiores. A glândula faz sua secreção através de inúmeros pequenos ductos diretamente na cavidade bucal ou para dentro do ducto da submandibular. Ambas as glândulas submandibular e sublingual derivam sua inervação sensorial do nervo lingual, enquanto as fibras secretórias são enviadas pelo nervo corda do tímpano 25. A dor que se origina nas glândulas salivares é tipicamente de origem inflamatória, infecciosa, traumática ou neoplásica. As desordens mais comuns de glândulas salivares acompanhadas de dor são: sialoadenite, sialolitíase, parotidite endêmica e tumores. Normalmente, o diagnóstico da dor de glândulas salivares não é difícil, devido aos sinais e sintomas que acompanham como a dor originada durante a alimentação, ou edema, rigidez, ou sensibilidade da glândula afetada. Causas sistêmicas Existem múltiplas doenças e distúrbios sistêmicos que são acompanhados por cefaleia e dor facial. Entre elas estão doenças metabólicas Quadro 10-7 Cefaleia e dor facial originadas por doenças sistêmicas Anemia Insuficiência adrenal Atrites Artrite reumatoide Osteoartrite Artrite psoriática Lupus eritematoso sistêmico Falência respiratória crônica com hipercapnia Diabetes melitus Fibromialgia Tiroidite de Hashimoto Vírus do Herpes Zoster HIV/ AIDS Hipertensão/feocromocitoma Mononucleose infecciosa Doença cardíaca isquêmica Doença de Lyme Menopausa Menstruação Disseminação metastática Esclerose múltipla Tumores primários Falência renal (uremia)/ diálise e endócrinas, doenças infecciosas, doenças autoimunes, doenças cardíacas, doenças renais e doenças pulmonares. O quadro 10-7 lista algumas das doenças sistêmicas mais comuns, mas discuti-las está além dos objetivos deste capítulo. Entretanto, o clínico deve incluir as doenças sistêmicas no diagnóstico diferencial quando houver dor facial acompanhada por sinais e sintomas sistêmicos tais como febre, mal-estar, dores generalizadas, emagrecimento sem causa aparente, ou au- 233

8 10 Causas Extracranianas e Sistêmicas da Dor Facial e Cefaleia mento no peso, fadiga crônica, taquicardia, ou palpitação, dor torácica, dificuldade respiratória, fome ou sede excessiva e lesões na pele. Nesse momento, o clínico deve se prevenir contra a armadilha de tratar uma dor facial, quando na realidade o problema é muito mais sério e está presente. Além desses distúrbios, o leitor pode se dirigir ao capítulo 4 para discussão de outros sintomas constitucionais preocupantes. Referências 234

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial

Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Mesa Redonda Moderador: Participantes: Eulália Sakano Elizabeth Araújo, Enrique Azuara, Rainer Haetinger e Washington Almeida Eulália Sakano.

Leia mais

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Chefe da Empresa FONOVIM Fonoaudiologia Neurológica Ltda Coordenadora da Pós-graduação

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal Paulo Pimentel Sistema Estomatognático Mastigação, fala, digestão e deglutição Paladar, respiração Defesa e reconhecimento imunológico Estética,

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

Infecções de Vias Aéreas Superiores

Infecções de Vias Aéreas Superiores Infecções de Vias Aéreas Superiores As infecções das vias aéreas superiores (IVAS) são um dos problemas mais comuns encontrados em serviços de atendimento médico pediátricos, resultando em uma morbidade

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR DIPLOPIA Definição - Visão dupla dum objecto único. 1) DIPLOPIA MONOCULAR Diplopia que desaparece com a oclusão dum olho atingido 2) DIPLOPIA BINOCULAR ligada a um desequilíbrio binocular de oculomotricidade

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas Diagnóstico e Tratamento CLASSIFICAÇÃO Alterações de origem infecciosa Alterações obstrutivas Alterações Auto-imunes Alterações tumorais ou neoplásicas Doenças das Glândulas Salivares Sialoadenites (Parotidites)

Leia mais

António Ramalho UVEITES

António Ramalho UVEITES UVEITES CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA ANTERIOR o Irite o Iridociclite o Ciclite anterior INTERMEDIÁRIA o Pars planite o Hialite o Cilcite posterior POSTERIOR o Coroidite focal o Coroidite multifocal o Coroidite

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Cefaleia com sinais de gravidade

Cefaleia com sinais de gravidade Tema de Atualização Clínica 19 Cefaleia com sinais de gravidade Profa. Dra. Katia Lin, M.D., Ph.D. Chefe do Serviço de Neurologia Hospital Universitário UFSC Agenda 1. Definição 2. Magnitude do problema

Leia mais

SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS

SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS SEMIOLOGIA DOS OLHOS. Sinais e sintomas: Pupilares. Aparelho neuromuscular dos olhos. Fundo de olho. Manifestações: a) cardiovasculares

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Disciplina: Estomatologia METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Levantamentos Epidemiológicos Clássicos Exame Clínico Nível de Doença não detectada Exames Complementares

Leia mais

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré XXXIII Congresso Médico da Paraíba Dr. Marcus Sodré Chamamos sinusite aos processos inflamatórios e/ou infecciosos que acometem as cavidades paranasais. Referências anatômicas Nariz : septo, cornetos médios

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA QUESTÃO 21 Crises convulsivas, hemiplegias, afasia e hemianopsias como sinais isolados ou em associação, sugerem patologia neurológica de topografia:

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

CID-10 código etiológico para moléstias com cefaleia secundária]

CID-10 código etiológico para moléstias com cefaleia secundária] Classificação de Cefaléia Código SIC CID Cf-II Código CID-10 Diagnóstico CID-10 código etiológico para moléstias com cefaleia secundária] (OMS) [G43] Migrânea ou Enxaqueca * 1.1 [G43.0] Migrânea ou Enxaqueca

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

BOM DIA. Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA. Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!! BOM DIA Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB DRA. NANCI CATANDI PERRONE Saúde Bucal X Saúde Geral DEFINIÇÕES ANATOMIA Estudo cientifico da forma e estrutura do corpo. FISIOLOGIA Estudo cientifico

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO TÉCNICO EM ESTÉTICA

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO TÉCNICO EM ESTÉTICA TÉCNICO EM ESTÉTICA COLÉGIO TÉCNICO MÓDULO PROFISSIONAL ll ANO: 2012 Caro Aluno (a) COLÉGIO TÉCNICO O Colégio Técnico São Bento está no mercado de trabalho desde 1996, tendo como objetivo promover a formação

Leia mais

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques Nervos Cranianos M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência Multiprofissional

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das Meningite M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

H00 HORDEOLO E CALAZIO H01 OUTRAS INFLAMACOES DA PALPEBRA H02 OUTROS TRANSTORNOS DA PALPEBRA H03 TRANS. DA PALPEBRA EM DOENCAS CLASSIF

H00 HORDEOLO E CALAZIO H01 OUTRAS INFLAMACOES DA PALPEBRA H02 OUTROS TRANSTORNOS DA PALPEBRA H03 TRANS. DA PALPEBRA EM DOENCAS CLASSIF 88 ANEXO E Doenças Respiratórias registradas e classificadas conforme a CID - 10 na rede de atendimento público municipal de Vitória, no período de 2001 a 2003 J00 NASOFARINGITE AGUDA [RESFRIADO COMUM]

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

Principais infecções virais do SNC. Prof. Eurico Arruda

Principais infecções virais do SNC. Prof. Eurico Arruda Principais infecções virais do SNC Prof. Eurico Arruda Tipos de passagem trans-endotelial SNC, músculos, pulmões, pele e tecido conjuntivo Plexo coróide, vilo intestinal, glomérulo, pâncreas e glândulas

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda, Antônio Carlos Cedin,, Luiz Vicente Ferreira da Silva Filho e A associação entre a presença de secreção na cavidade nasal ou na parede

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

ANORMALIDADES BRANQUIAIS. R2 Péricles Bonafé Hospital Angelina Caron

ANORMALIDADES BRANQUIAIS. R2 Péricles Bonafé Hospital Angelina Caron ANORMALIDADES BRANQUIAIS R2 Péricles Bonafé Hospital Angelina Caron Período embrionário Período embrionário 4ª a 8ª semana de vida intra-uterina endoderma 3 folhetos embrionários mesoderma ectoderma Folhetos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do C00 C000 C001 C002 C003 C004 C005 C006 C008 C009 C01 C019 C02 C020 C021 C022 C023 C024 C028 C029 C03 C030 C031 C039 C04 C040 C041 C048 C049 C05 C050 C051 C052 C058 C059 C06 C060 C061 C062 C068 C069 C07

Leia mais

Concurso Público UERJ 2012 Prova objetiva Médico Cirurgião Otorrino

Concurso Público UERJ 2012 Prova objetiva Médico Cirurgião Otorrino 01 O nervo facial é responsável pela mímica facial e, por isso, sua importância na cirurgia de otorrinolaringologia é grande. A afecção mais frequente nesse nervo decorre de: a) fratura óssea b) infecção

Leia mais

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB UNIODONTO DRA. NANCI CATANDI PERRONE OSSOS DA FACE MAXILA Forma o maxilar Limite inferior da cavidade orbitária Separa através do processo palatino a cavidade bucal

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 Altera as Leis n o s 8.112, de 11 de dezembro de 1990, (que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

Dor Orofacial Neurovascular

Dor Orofacial Neurovascular Dor Orofacial Neurovascular Introdução A Dor Orofacial de potencial origem neurovascular pode mimetizar a dor odontogénica na medida em que uma grande população de pacientes com enxaqueca e cefaleia trigémino-autonómicas

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: OTORRINOLARINGOLOGIA (ORL)

COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: OTORRINOLARINGOLOGIA (ORL) COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: OTORRINOLARINGOLOGIA (ORL) VERSÃO: A 01 D 02 C 03 D 04 A 05 B 06 A 07 D 08 A 09 B 10 B 11

Leia mais

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Silvia Castro Caruso Christ Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Definições: Processo inflamatório da membrana mucosa que reveste a cavidade

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Curso Básico de Fisiologia de Vôo

Curso Básico de Fisiologia de Vôo Curso Básico de Fisiologia de Vôo CONTEÚDO CURRICULAR Atmosfera Fisiologia respiratória Hipóxia Disbarismo Pressurização e despressurização Acelerações e aerocinetose Visão e ilusão visual Orientação e

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada SÅo Paulo, 20 de setembro de 2011 Protocolo: 0115/2011 Informo que a partir de 20/09/2011 alguns protocolos de atendimento da especialidade Cirurgia PlÑstica do Hospital das ClÖnicas foram desativados,

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Labirintite é um termo com significado popular

Leia mais

Dor de cabeça Resumo de diretriz NHG M19 (terceira revisão, janeiro 2014)

Dor de cabeça Resumo de diretriz NHG M19 (terceira revisão, janeiro 2014) Dor de cabeça Resumo de diretriz NHG M19 (terceira revisão, janeiro 2014) Dekker F, Van Duijn NP, Ongering JEP, Bartelink MEL, Boelman L, Burgers JS, Bouma M, Kurver MJ traduzido do original em holandês

Leia mais

A melhora do tratamento de sinusite com aplicação de drenagem facial

A melhora do tratamento de sinusite com aplicação de drenagem facial 1 FISIO VITAE ESCOLA TÉCNICA DE MASSOTERAPIA E TERAPIAS NATURAIS LTDA. CURSO TÉCNICO EM MASSOTERAPIA Rosangela Goulart A melhora do tratamento de sinusite com aplicação de drenagem facial Junho, 2010 Florianópolis.

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NEUROLÓGICO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NEUROLÓGICO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NEUROLÓGICO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL Ou Apoplexia, quando é estabelecido de maneira persistência uma disfunção neurológica, que dura mais de 24h e resulta de ruptura

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

Ossos próprios do nariz Lâmina perpendicular do etmóide Extensões dos ossos maxilar e frontal

Ossos próprios do nariz Lâmina perpendicular do etmóide Extensões dos ossos maxilar e frontal Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Problemas da Função Sensorial O nariz como órgão possui duas funções de extrema importância para o organismo humano, a função olfactiva e a função respiratória.

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais