DOENÇAS GRANULOMATOSAS DA CABEÇA E PESCOÇO 2 9 DE A GOSTO DE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇAS GRANULOMATOSAS DA CABEÇA E PESCOÇO 2 9 DE A GOSTO DE 2013"

Transcrição

1 DOENÇAS GRANULOMATOSAS DA CABEÇA E PESCOÇO R E UNIÕES CLÍNICAS DE OTORRINOLARINGOLOGIA E 1 H CV - GUSTAVO BERNARDI 2 9 DE A GOSTO DE 2013

2 GRANULOMA Trata-se de um tipo de inflamação crônica Os neutrófilos geralmente removem agentes que causam uma resposta inflamatória aguda através da fagocitose e digestão. Se um agente é indigestível há a formação de um ciclo vicioso de resposta inflamatória aguda que pode causar dano ao tecido local. O corpo então forma granulomas para tentar diminuir este dano

3 GRANULOMAS Os macrófagos conseguem fagocitar agentes indigestíveis, porém isto faz com que percam a sua motilidade e se acumulem no local da injúria. Os macrófagos sofrem então alterações estruturais e se transformam em células epitelióides. Estas novas células tem capacidade de se fundir e formar células multinucleadas gigantes Os linfócitos então circundam estas células A este complexo dá-se o nome de Langhans Giant Cells

4 GRANULOMA Granuloma caseoso

5 INFECÇÕES BACTERIANAS

6 DOENÇA DA ARRANHADURA DO GATO Bartonella hanselae (bacilo gram negativo) História de contato recente com gato em 90% dos casos Afeta mais crianças e adolescentes Inicia com uma pequena pápula ou pústula no local da inoculação, seguido por linfadenopatia (préauricular/submandibular), febre e prostração

7 DOENÇA DA ARRANHADURA DO GATO Diagnóstico: História de contato com gatos ou pulgas. Sorologia IgG e IgM Exame histopatológico com identificação dos microrganismos através da coloração de Warthin-Starry Tratamento: Suporte (duração média da doença é de 14 semanas). Azitromicina por 5 dias é capaz de acelerar a resolução da linfadenopatia

8 ANGIOMATOSE BACILAR Bartonella hanselae ou bartonella quintana. Mais comum em imunossuprimidos. Há lesões cutâneas vasculoproliferativas como pápulas, nódulos subcutâneos ou placas hiperpigmentadas

9 ANGIOMATOSE BACILAR Diagnóstico: Sorologia IgG e IgM Exame histopatológico com identificação dos microrganismos através da coloração de Warthin-Starry Tratamento: Eritromicina ou doxiciclina Resolução em 3-4 semanas

10 TUBERCULOSE Mycobacterium tuberculosis Transmissão através da inalação do bacilo Infecção primária pode ser assintomática Infecção secundária pode gerar emagrecimento, febre, malestar geral, tosse, tosse não produtiva, lesões em pulmões (em especial no ápice) Manifestações em cabeça e pescoço: Linfadenopatia cervical escrófulo Linfonodos bilaterais, múltiplos, aderidos Fissuras, nódulos, placas, vesículas e úlceras em cavidade oral A língua é o local mais comumente envolvido da cavidade oral

11 TUBERCULOSE

12 TUBERCULOSE Laringe: Só é afetada em 1% dos pacientes com TB pulmonar ativa Disseminação linfática e hematogênica Cordas vocais > aritenóides > comissura posterior Lesões edematosas, granulomatosas e ulcerativas Ouvidos: Otorréia serosa Multiplas pequenas perfurações Tecido de granulação na orelha média

13 TUBERCULOSE Tratamento: rifampicina, isoniazida, etambutol e pirazinamida Excisão do linfonodo pode levar a fistulização crônica

14 MICOBACTÉRIAS ATÍPICAS M. avium, M. Kansaii, M. scrofulaceum, M. gordonii, M. fortuitum Mais comum em crianças e imunocomprometidos Clínica: Ulceras de córnea Linfadenopatia cervical (escrófula) Unilateral, em região cervical anterior, pré-auricular e submandibular Os linfonodos são discretos, separados e podem evoluir para um abscesso

15 MICOBACTÉRIAS ATÍPICAS Diagnóstico: Biópsia excisional e exame anatomopatológico. PPD é frequentemente negativo Tratamento: Eritromicina, rifampicina ou estreptomicina Escrófula: excisão cirúrgica

16 HANSENÍASE Mycobacterium leprae Doença granulomatosa que acomete pele e nervos periféricos Humanos são o hospedeiro natural e os tatus são os reservatórios Transmissão através de secreções nasais, contato com úlceras ou leite humano.

17 HANSENÍASE Forma tuberculóide: Nervos periféricos > lesões cutâneas Caracterizada por um extenso envolvimento dos nervos periféricos causando dor e atrofia muscular Podem haver lesões hipopigmentadas Os granulomas resultam da resposta da imunidade celular

18 HANSENÍASE Forma lepromatosa: Lesões cutâneas > nervos periféricos Atinge sobrancelhas, bochchas, nariz e orelhas Fascies leoninas Mucosa nasal (95%): nódulos, placas, espessamento Perfuração septal Nariz em sela Úlceras e nódulos em laringe e palato

19 HANSENÍASE Diagnóstico: Esfregaços de raspados epidérmicos e nasais contendo o m. leprae Lesões de pele com alteração de sensibilidade Acometimento de nervos com espessamento neural Baciloscopia positiva Paucibacilares = até 5 lesões de pele Multibacilares = mais de 5 lesões de pele Tratamento: Forma tuberculóide: dapsona + rifampicina Forma lepromatosa: dapsona + rifampicina + clorfazinime

20 SÍFILIS Treponema palidum Transmitido via sexual ou via transversal Dividida em estágios: Primária (cancro duro) Secundária (febre, placas mucosas) Latente Terciária (goma sifilítica, acometimento do SNC) Manifestações em cabeça e pescoço: Alopécia, rinite, laringite, faringite, tonsilite, perfuração septal, nariz em sela, perfuração de membrana timpânica

21 SÍFILIS Pode ocorrer também sintomas da síndrome de Menière, labirintite, fibrose ossicular, fenômeno de Túlio, pericondrite, estenose subglótica, fronte olímpica, palato elevado Quando congênita, há a tríade de Hutchinson: incisivos centrais anormais, ceratite intersticial e lesão do VIII par craniano (surdez neurossensorial)

22 SÍFILIS Diagnóstico: RPR ou VDRL (não treponêmicos) e FTA-Abs (treponêmico) Tratamento: penicilina benzatina

23 ACTINOMICOSE Bacilos gram-positivos ramificados A infecção ocorre por aspiração do actinomyces ou através do contato da bactéria com uma mucosa danificada (má higiene dentária, abscesso dentário) Aumento submandibular, cervical anterior ou de parótida. Em geral é avermelhado, endurecido e indolor Pode haver fistulização ou envolvimento ósseo Diagnóstico: cultura com a presença de grânulos sulfúricos Tratamento: penicilinas e debridamento cirúrgico

24 RINOSCLEROMA Causado pela klebsiella rhinoscleromatis Bacilo gram negativo encapsulado Relacionada a má-higiene, aglomeração de pessoas e má-nutrição Estágios da doença: Catarral: rinite não específica, crostas em favo-de-mel, rouquidão, edema de aritenóides Proliferativa (granulomatosa) células de Mikulicz: epistaxis, obstrução nasal, pólipos aderentes ao septo nasal, glótico e subglótico granulomas. Cicatricial (esclerótica): estenoses e deformidades

25 RINOSCLEROMA Diagnóstico: Demonstração do microrganismo nos vacúolos dos histiócitos (células de Mikulicz) Tratamento: Debridamento cirúrgico + tetraciclina (ou ciprofloxacino) por 3 a 9 meses. Acompanhar paciente a longo prazo devido a altas taxas de reincidência da doença

26 INFECÇÕES FÚNGICAS

27 HISTOPLASMOSE Histoplasma capsulatum Contato com excremento de aves, morcegos. É inalado como um esporo e então convertido a uma levedura Clínica: Assintomática e auto-limitada em 90% dos pacientes Forma pulmonar crônica: ocorre em pacientes com outra doença pulmonar subjacente Forma disseminada: imunossuprimidos Há febre, emagrecimento, astenia, tosse, hepatoesplenomegalia, úlceras em mucosas, choque séptico

28 HISTOPLASMOSE Manifestações em cabeça e pescoço: O mais comum são as úlceras da cavidade orofaríngea Granulomatose mediastinal os nódulos coalescem formando grandes lesões Lesões cutânes Contato com excremento de aves, morcegos. É inalado como um esporo e então convertido a uma levedura

29 HISTOPLASMOSE Diagnóstico: Biópsia ou swab do centro de uma lesão ulcerativa e cultura. Sorologia sanguínea ou em urina para pesquisa de h. capsulatum Tratamento: Imunocompetentes: itraconazol Imunossuprimidos/doença avançada: anfotericina B

30 BLASTOMICOSE Blastomicis dermatitidis Fungo dismórfico encontrado no solo úmido Clínica: Pulmonar: infecção crônica Cutâneas: é a mais comum verrugas, úlceras Laríngea (2%): rouquidão, dispnéia, odinofagia, tosse. Eritema difuso e úlcerações

31 BLASTOMICOSE

32 BLASTOMICOSE Diagnóstico: Exame do escarro ou biópsia Cultura Sinal de Hallmark: hiperplasia pseudoepiteliomatosa Tratamento: Itraconazol Anfotericina B

33 COCCIDIOIDOMICOSE Coccidioides immitidis Encontrado no solo de regiões de clima seco. Febre do vale Infecção pulmonar primária: forma esferas no parenquima pulmonar Clínica: 60% são assintomáticos ou tem sintomas de IVAS Extrapulmonar/doença disseminada (0,5%): Afeta pele, ossos, SNC e linfonodos

34 COCCIDIOIDOMICOSE Manifestações em cabeça e pescoço: Laríngeos: nódulos em submucosa, edema. Rouquidão, dispnéia, estridor Linfadenopatia cervical Cutâneas: eritema nodoso ou eritema multiforme

35 COCCIDIOIDOMICOSE Diagnóstico: Cultura Biópsia(granuloma + esferas com endosporos) Sorologia Tratamento: Itraconazol Anfotericina B

36 ASPERGILOSE Aspergillus fumigatus Hifas septadas Transmissão através da inalação dos esporos Doença resulta da resposta imunológica ou invasão tecidual Pulmões, seios da face e SNC são os locais mais acometidos Pacientes com doença pulmonar prévia (DPOC) podem cronificar a aspergilose com tosse, hemoptise e cavitações pulmonares (bola fúngica)

37 ASPERGILOSE Bola fúngica (não invasiva): Envolvimento de um único seio da face, gerando sinusite recorrente Diagnóstico: TC ou RNM e biópsia ou cultura em meio de sabourad s agar Tratamento: FESS

38 ASPERGILOSE Sinusite fúngica alérgica: O fungo serve de antígeno para uma reação alérgica que resulta na produção de mucina alérgica, espessamento mucoso e pólipos nasais Pacientes são imunocompetentes Sintomas de sinusite crônica e alergia Diagnóstico: Nasoendoscopia Mucina alérgica (eosinofilia nasal) Pólipos Biópsia com a presença de hifas sem invasão tecidual Tratamento: FESS + corticóides

39 ASPERGILOSE Sinusite fúngica aguda invasiva: Invasão rápida do fungo em tecidos Mucormicose: é a mais invasiva (oclusão vascular, tromboses, infartos e necroses) Imunocomprometidos Clínica: febre, edema orbital, dor em face, necrose de palato ou cornetos Tratamento: debridamento cirúrgico + anfotericina B

40 ASPERGILOSE Sinusite fúngica crônica invasiva: Curso indolente Localmente invasiva Diagnóstico e tratamento são os mesmos forma aguda

41 DOENÇAS AUTOIMUNES/VASCULITES

42 SARCOIDOSE Etiologia desconhecida 10 a 80 casos por hab. nos EUA Clínica: Eritema nodoso, uveíte e lesões maculopapulares Rx: Linfadenopatia hilar bilateral Sarcoidose aguda (síndrome de Löfgren) Desenvolvimento abrupto com remissão espontânea em até 2 anos Manifestações em cabeça e pescoço ocorrem em 9% dos casos

43 SARCOIDOSE Manifestações nasais/sinusais são raras Obstrução nasal, rinorréia, espessamento mucoso, granulomas, pólipos, mucosa friável e com crostas

44 SARCOIDOSE Laringe: 1-5% dos pacientes Disfonia, dispnéia, disfagia, tosse Epiglotite Supraglote aparece pálida, com induração difusa e edemaciada Nódulos, úlceras e massas podem ser observadas

45 SARCOIDOSE Manifestações cutâneas: Pápulas, placas, eritema nodoso, nódulos subcutâneos Lupus pernio: placas violáceas e nódulos cobrindo o nariz, sulco nasolabial, malares e em torno dos ólhos Envolvimento de glandular: Parotidite (mais comum) e edema de glândulas lacrimais Síndrome de Heerfordt: febre crônica, edema parotídeo bilateral, uveíte e paralisia de nervo facial

46 SARCOIDOSE Diagnóstico Linfonodomegalia hilar bilateral à radiografia Biópsia (granuloma não caseoso) Elevação do cálcio sérico e urinário Tratamento Corticóides sistemicos e intranasais Metotrexate Hidroxicloroquina (primeira linha para acometimento nasal ou sinusal)

47 SARCOIDOSE Granuloma não caseoso (histiócitos epitelióides circundados por linfócitos)

48 GRANULOMATOSE DE WEGENER Granulomatose com poliangeíte Epidemiologia 3 casos em habitantes Homens e mulheres igualmente afetados Mais comum em caucasianos Doença sistemica caracterizada por granulomatose necrotizante e vasculite de pequenos vasos

49 GRANULOMATOSE DE WEGENER Clínica: Tríade clássica: Trato respiratório superior e inferior Nasal/paranasal local mais frequentemente acometido na GW limitada Laringe/traqueia Pulmões (envolvido em 90% dos casos) Renal: glomerulonefrite proliferativa Vasculite disseminada

50 GRANULOMATOSE DE WEGENER Manifestações em cabeça e pescoço: Nasal/paranasal: acomete 95% dos pacientes e pode ser a única manifestação em 30% deles Congestão nasal, rinorréia, anosmia, sinusite recorrente ou crônica Rinorréia serosanguinolenta, epífora e dor no dorso nasal Mucosa friável e com crostas Perfuração septal nariz em sela Obstrução do ducto nasolacrimal

51 GRANULOMATOSE DE WEGENER Cavidade oral: Rara Úlceras e hiperplasia gengival Laringe e traquéia: Estenose subglótica Disfonia, tosse, estridor/chio (confundido com asma) e dispnéia

52 GRANULOMATOSE DE WEGENER Ouvidos: Edema e dor auricular Otite média de efusão (24%) Vertigem e VPPB (vasculite coclear) Olhos: Obstrução do ducto nasolacrimal epífora Pseudotumor orbitário Edema periorbitário Proptose

53 GRANULOMATOSE DE WEGENER Pulmonares: Dispnéia, hemoptise, tosse Cavitações granulomatosas Renais: 20% já tem acometimento renal ao momento do diagnóstico 80% progridem para glomerulonefrite Hematúria, proteinúria, edema, hipertensão

54 GRANULOMATOSE DE WEGENER Diagnóstico: c-anca (especificidade de 98%) Biópsia Sítio nasal é o mais comum Demonstração de granulomas necrotizantes com vasculite Radiografias de tórax Tratamento: Induzir remissão com ciclofosfamida + prednisona em altas doses Trimetoprim + sulfametoxazol (terapia de manutenção) Rituximabe, etanercetp, lefunomide (terapias em investição)

55 ARTRITE REUMATÓIDE Doença autoimune que cursa com inflamação nas junções sinoviais Mais comum em mulheres Manifestações de cabeça e pescoço: Disfunção temporo-mandibular Laríngea: Anquilose cricoaritenoide Estridor, dispnéia, disfonia Nódulos submucosos nas cordas vocais Otológicas: Secundárias ao acometimento dos ossos do ouvido (são raras)

56 ARTRITE REUMATÓIDE Diagnóstico: Rigidez matinal, poliartrite simétrica de pequenas articulações, nódulos subcutâneos Biópsia (granulomas necrotizantes) Tratamento: Corticóides, azatioprina, metotrexate, penicilamina, hidroxicloroquina

57 LÚPUS Vasculite autoimune idiopática Atinge mais mulheres (9:1) e negros Manifestações sistêmicas: fotosensibilidades, artrite, pneumonite, pericardite, miocardite, nefrite, hipercoagulabilidade, anemia, cefaléias e acometimento do SNC Manifestações em cabeça e pescoço: Rash malar em asa de borboleta Úlceras e máculas em cavidade oral Artrite de cricoaritenóide, espessamento ou paralisia de cordas vocais e estenose subglótica Perfuração nasal anterior Xerostomia

58 LÚPUS Diagnóstico: Presença de 4 de 11 critérios listados pelo Colégio Americano de Reumatologia Anti-smith (específico) e anti-dnads Tratamento: Evitar exposição solar Corticóides, azatioprina, metotrexate

59 SÍNDROME DE CHURG-STRAUSS Etiologia desconhecida Mais comum em homens, por volta dos 50 anos Vasculite de pequenos e médios vasos Três fases: Pródromos: asma iniciada em adultos, rinite alérgica com polipose nasal e sinusite recorrente Segundo estágio: eosinofilia periférica e tecidual (pneumonia eosinofílica cronica ou gastroenterite) Terceiro estágio: vasculite sistêmica (renal, GI, cardíaca, SNC)

60 SÍNDROME DE CHURG-STRAUSS Envolvimento nasal/paranasal: Polipose nasal Sinusite recorrente Perfuração septal é rara Presença de asma e polipose nasal a distinguem de granulomatose de wegener Ouvidos: Tecido de granulação rico em eosinófilos em orelha média Otorréia crônica VPPB

61 SÍNDROME DE CHURG-STRAUSS Diagnóstico: Asma, eosinofilia e vasculite com granulomas necrotizantes caracterizam a doença Leucocitose com mais de 10% de eosinófilos p-anca (70% dos pacientes) IgE sérica elevada Tratamento: prednisona e ciclofosfamida

62 NEOPLASIAS

63 NASAL NK / LINFOMA DE CÉLULA T Forma extranodal do linfoma não-hodgkin Originada dos linfócitos NK ou células T Etiologia desconhecida Mais comum em homens Clínica: Sinais sistêmicos (prostração, febre, emagrecimento) Obstrução nasal, rinorréia purulenta, perfuração septal (descarga serosanguínea) Úlceração mucosa unilateral (palato, seio maxilar e lábio superior) Destruição do 1/3 médio da face Fístulas oronasais

64 NASAL NK / LINFOMA DE CÉLULA T Diagnóstico: Biópsia células polimorfonucleadas com invasão linfóide angiocentrica TC/RNM de seios da face Tratamento: Radioterapia Radioterapia + quimioterapia

65 HISTIOCITOSE DE LANGERHANS Etiologia desconhecida Crianças > adultos Histologia: proliferação das células de langerhans, eosinófilos, macrófagos e linfócitos Imunohistoquímica é positiva para o antígeno S-100

66 HISTIOCITOSE DE LANGERHANS Granuloma eosinofílico: Idades entre 5 a 9 anos Lesão osteolítica solitária Mandíbula, maxila, crânio Curso benigno com bom prognóstico Tratamento: curetagem local + radioterapia Doença de Hand-Schuller-Cristian Menores de 5 anos Lesões multifocais (ossos, órgãos sólidos, pele) Sintomas constitucionais Tríade: lesões osteolíticas em crânio, exoftalmia e diabetes insipidus Tratamento: radioterapia

67 HISTIOCITOSE DE LANGERHANS Doença de Letterer-Siwe: Menores de 2 anos Doença disseminada esplenohepatomegalia, dermatites, proptose Alta taxa de mortalidade Tratamento: quimioterapia + radioterapia Manifestações em cabeça e pescoço: Otorréia, tecido de granulação ou pólipos em CAE, mastoidite aguda Paralisia facial Vertigem

68 SIALOMETAPLASIA NECROTIZANTE Processo inflamatório das glândulas salivares menores Benigna e auto-limitada Etiologia desconhecida, associada a trauma e radiação Homens > mulheres Há edema ou úlcera indolor e unilateral em palato duro

69 SIALOMETAPLASIA NECROTIZANTE Diagnóstico: Biópsia com hiperplasia pseudoepiteliomatosa Comumente confundida com mucoepidermose Não é necessário tratamento

70 OBRIGADO!

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Doenças Granulomatosas. Diego Ortega dos Santos

Doenças Granulomatosas. Diego Ortega dos Santos Doenças Granulomatosas Diego Ortega dos Santos Objetivos: Entender o que é um granuloma Perceber o valor clínico deles Ter embasamento acerca das mais características doenças granulomatosas, bem como de

Leia mais

AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho FUNÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO ventilação termorregulação metabolismo de substâncias endógenas proteção FUNÇÕES DO APARELHO

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Tuberculose. Doenças infecciosas bacterianas 09/11/2011. Doenças infecciosas bacterianas TUBERCULOSE TUBERCULOSE TUBERCULOSE

Tuberculose. Doenças infecciosas bacterianas 09/11/2011. Doenças infecciosas bacterianas TUBERCULOSE TUBERCULOSE TUBERCULOSE Doenças infecciosas bacterianas Doenças infecciosas bacterianas Tuberculose Hanseníase Impetigo Actinomicose Gonorréia Sífilis TUBERCULOSE Doença infecciosa bacteriana pulmão Mycobacterium tubersulosis

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

A criptococose é uma micose sistêmica causada por fungos. causando principalmente, alterações no trato respiratório e sistema nervoso

A criptococose é uma micose sistêmica causada por fungos. causando principalmente, alterações no trato respiratório e sistema nervoso O que é? A criptococose é uma micose sistêmica causada por fungos leveduriformes do gênero Cryptococcus que acometem humanos e animais, causando principalmente, alterações no trato respiratório e sistema

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

PATOLOGIA GERAL - DB-301, FOP/UNICAMP ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA INFLAMAÇÃO CRÔNICA

PATOLOGIA GERAL - DB-301, FOP/UNICAMP ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA INFLAMAÇÃO CRÔNICA 24 INFLAMAÇÃO CRÔNICA O termo crônico refere-se a tempo (cronologia), significando que a inflamação é de longa duração. A inflamação aguda caracteriza-se pela permeabilidade vascular, edema e abscesso.

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Cleonice Hirata A infecção por HIV tem uma associação relativamente alta com manifestações bucais e otorrinolaringológicas, tais como linfoadenopatias cervicais, infecções

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES SISTÊMICAS RARAS PRIMÁRIAS

www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES SISTÊMICAS RARAS PRIMÁRIAS www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES SISTÊMICAS RARAS PRIMÁRIAS O que significam? Vasculite significa inflamação de vasos sanguíneos. As Vasculites abrangem um grande grupo de doenças. Vasculite

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais Tuberculose Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Patogenia da TB Formas clínicas da TB miliar da TB miliar

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

1. LARINGITES INFECCIOSAS

1. LARINGITES INFECCIOSAS 1 1. Infecciosas 1.1 Agudas 1.2 Crônicas 1.2.1 Bacterianas 1.2.2 Fúngicas 1.2.3 Protozoários 1.3 Particularidades do Paciente com SIDA 2. Não-Infecciosas 2.1 Crupe Espasmódico 2.2 Por Doença do Refluxo

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Sífilis Passado e o Presente

Sífilis Passado e o Presente Passado e o Presente Passado Etiologia/Epidemiologia Infecção crónica generalizada cujo agente etiológico é o Treponema Pallidum Exclusiva dos seres humanos e não possui outros hospedeiros naturais. Utilização

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas Diagnóstico e Tratamento CLASSIFICAÇÃO Alterações de origem infecciosa Alterações obstrutivas Alterações Auto-imunes Alterações tumorais ou neoplásicas Doenças das Glândulas Salivares Sialoadenites (Parotidites)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PARA O TRATAMENTO EFICAZ DAS DOENÇAS PULMONARES CAUSADAS POR FUNGOS

A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PARA O TRATAMENTO EFICAZ DAS DOENÇAS PULMONARES CAUSADAS POR FUNGOS A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PARA O TRATAMENTO EFICAZ DAS DOENÇAS PULMONARES CAUSADAS POR FUNGOS MICHELE CRISTIANE RIBEIRO RESUMO Doenças fúngicas são infecções causadas por fungos. Essas patologias podem

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

Esclerose Sistêmica. Conteúdo. Definição. Definição UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA. acdffisio@gmail.com

Esclerose Sistêmica. Conteúdo. Definição. Definição UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA. acdffisio@gmail.com UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Esclerose Sistêmica Disciplina Fisioterapia em Reumatologia acdffisio@gmail.com Definição Classificação Epidemiologia Fisiopatologia Diagnóstico Quadro

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 QUESTÃO 26 Em relação à anatomia pulmonar, marque a afirmativa CORRETA: a) A principal função do pneumócito tipo I é realizar a troca gasosa, que ocorre por difusão ativa.

Leia mais

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial SÍFILIS 1. CONCEITO Doença infecciosa, sistêmica, de evolução crônica 2. AGENTE ETIOLÓGICO espiroqueta Treponema pallidum. 3.

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL Curso: Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 NEOPLASIAS NOMENCLATURA - O critério

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) As infecções mais importantes (do adulto) em nosso meio são: neurocisticercose, abscessos, meningites e a AIDS. Nas crianças, as

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Gênero Treponema. Características gerais. Fisiologia e Estrutura

Gênero Treponema. Características gerais. Fisiologia e Estrutura Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Gênero Treponema Características gerais Esse gênero de bactérias gram-negativas

Leia mais

Cloroquina, Hidroxicloroquina, Sulfassalazina, Metotrexato, Ciclosporina,Leflunomida, Agentes anti-citocinas

Cloroquina, Hidroxicloroquina, Sulfassalazina, Metotrexato, Ciclosporina,Leflunomida, Agentes anti-citocinas Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Cloroquina, Hidroxicloroquina, Sulfassalazina, Metotrexato, Ciclosporina,Leflunomida, Agentes anti-citocinas Eu, (nome do (a) paciente), abaixo identificado (a)

Leia mais

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Tuberculose Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ A tuberculose é uma doença infecciosa, crônica, causada por uma micobactéria. AGENTEs:

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

DOENÇAS GRANULOMATOSAS DE CABEÇA E PESCOÇO

DOENÇAS GRANULOMATOSAS DE CABEÇA E PESCOÇO 1 DOENÇAS GRANULOMATOSAS DE CABEÇA E PESCOÇO INTRODUÇÃO O granuloma é uma lesão produzida por um processo imunopatológico defensivo e cicatricial. Inicialmente o monócito circulante adquire citoplasma

Leia mais

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Graduação em Odontologia 4º e 5º Períodos Disciplina: Patologia Oral DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES

Leia mais

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO CABEÇA E PECOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL WALTER CANTÍDIO Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço TUMORES OSSEOS EM Geamberg Macêdo Agosto - 2006 TUMORES ÓSSEOS BÊNIGNOS OSTEOMA CONDROMAS

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU DOENÇAS INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU Doenças indicativas de infecção Síndrome retroviral aguda Febre prolongada Diarréia crônica pelo HIV / AIDS Infecções

Leia mais

04/06/2012. Pneumonias Eosinofílicas. Definição de PE. Abordagem geral para o Pneumologista

04/06/2012. Pneumonias Eosinofílicas. Definição de PE. Abordagem geral para o Pneumologista Alexandre de Melo Kawassaki Médico do Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares - HCFMUSP Pneumonias Eosinofílicas Abordagem geral para o Pneumologista Definição de PE Presença de quaisquer desses critérios:

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Atenção ao Filho de Mãe com SífilisS

Atenção ao Filho de Mãe com SífilisS Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com SífilisS Andrea Maciel de Oliverira Rossoni Serviço de Bibliografia Agenda Visão do pediatra e do médico generalista Sintomas Como investigar Como tratar

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes Família Mycobacteriaceae Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Complexo M.tuberculosis M.tuberculosis M.bovis M.africanum Micobactérias

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA MÉDICO ESPECIALISTA OTORRINOLARINGOLOGISTA 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias 2011 15 de Abril 6ª feira Algoritmo de Investigação das Adenomegalias João Espírito Santo Luís Brito Avô Manuel Ferreira Gomes Doente com adenomegalias Quadro agudo Recorrentes ou longa evolução Localização

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico Importância do tema Efeitos sobre o paciente Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas Prof. Marco Antonio Efeitos sobre os contatos Efeitos sobre a comunidade Mudança recente de padrões Considerações

Leia mais

MICOSES DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS RELAÇÕES AMBIENTE MICRORGANISMOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

MICOSES DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS RELAÇÕES AMBIENTE MICRORGANISMOS Professor Esp. André Luís Souza Stella MICOSES DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS RELAÇÕES AMBIENTE MICRORGANISMOS Professor Esp. André Luís Souza Stella MICOSES: São chamadas de micoses as infecções que são causadas pelos fungos. Os fungos se proliferam

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Sífilis na Gravidez trate com carinho

Sífilis na Gravidez trate com carinho No Brasil, a incidência da sífilis entre recém-nascidos é alta. Além disso, é difícil identificar essa doença. A sífilis primária costuma não ser percebida pelo paciente e, na fase latente, pode se prolongar

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público EMA/614203/2010 EMEA/H/C/000165 Resumo do EPAR destinado ao público rituximab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

O tratamento é simples, barato e efetivo, e o companheiro da mulher infectada também deve ser tratado, para evitar a reinfecção.

O tratamento é simples, barato e efetivo, e o companheiro da mulher infectada também deve ser tratado, para evitar a reinfecção. No Brasil, a incidência da sífilis entre recém-nascidos é alta. Além disso, é difícil identificar essa doença. A sífilis primária costuma não ser percebida pelo paciente e, na fase latente, pode se prolongar

Leia mais

Linfonodomegalias na Infância

Linfonodomegalias na Infância XII Curso de Atualização em Pediatria de Londrina - Módulo 03 Linfonodomegalias na Infância Tony Tannous Tahan Coordenador da Infectopediatria do Departamento de Pediatria do HC-UFPR Membro do Comitê de

Leia mais

Tumores Benignos dos Tecidos Moles

Tumores Benignos dos Tecidos Moles Tumores Benignos dos Tecidos Moles Classificação - OMS (2005) Hamartoma: crescimento dismórfico de tecido original de uma região. Geralmente autolimitante e pode sofrer involução Neoplasia: crescimento

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

TÍTULO: Neurossífilis

TÍTULO: Neurossífilis NÚMERO: 24 TÍTULO: Neurossífilis AUTOR: Mariana Botelho Dias de Souza INSTITUIÇÃO: Universidade São Francisco Paciente E.A.S., masculino, 32 anos, solteiro, natural e procedente de Bragança Paulista- São

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares

Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares Letícia Kawano-Dourado Grupo de Doenças Intersticiais e Vasculites Divisão de Pneumologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP Nódulos

Leia mais

Sífilis. Moises Palaci. Universidade Federal do Espírito Santo Núcleo de Doenças Infecciosas (FAHUCAM)

Sífilis. Moises Palaci. Universidade Federal do Espírito Santo Núcleo de Doenças Infecciosas (FAHUCAM) Sífilis Moises Palaci Universidade Federal do Espírito Santo Núcleo de Doenças Infecciosas (FAHUCAM) AgenteEtiológico ESPÉCIES DISTRIBUIÇÃO DOENÇA T. pallidum pallidum Mundial Sífilis venérea T. pallidum

Leia mais

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias.

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias. 19 de Outubro de 2007. Professor Ewerton. TC: aspectos técnicos Espessura dos cortes (cortes com menos de 1mm de alta resolução para estudo do parênquima pulmonar, principalmente para doenças do interstício

Leia mais

Infecções de Vias Aéreas Superiores

Infecções de Vias Aéreas Superiores Infecções de Vias Aéreas Superiores As infecções das vias aéreas superiores (IVAS) são um dos problemas mais comuns encontrados em serviços de atendimento médico pediátricos, resultando em uma morbidade

Leia mais

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico Infecciosa Auto-imune Traumática Evidência Clínica Inicialmente, vesículas ou bolhas, na pele ou mucosa, podendo ocorrer concomitantemente nessas regiões. Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto

Leia mais

Afecções das Glândulas Salivares na Infância

Afecções das Glândulas Salivares na Infância Afecções das Glândulas Salivares na Infância Otávio Piltcher Caso Clínico Natália, três anos, com todas vacinas em dia, tem aumento periódico da região parotídea à esquerda, simulando crises de caxumba

Leia mais

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais. Sífilis

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais. Sífilis MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais Sífilis SÍFILIS José de Arimatea Barreto Carlos Augusto Alencar Júnior É doença infecciosa crônica, de transmissão sexual e eventualmente

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES RARAS SISTÉMICAS PRIMÁRIAS DA INFÂNCIA

www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES RARAS SISTÉMICAS PRIMÁRIAS DA INFÂNCIA www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES RARAS SISTÉMICAS PRIMÁRIAS DA INFÂNCIA O que significam? Vasculite significa inflamação de vasos sanguíneos. As Vasculites abrangem um grande grupo de doenças.

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Raniê Ralph GO. Sífilis decapitada: o Treponema já chega direto na circulação. Por exemplo, na transfusão sanguínea.

Raniê Ralph GO. Sífilis decapitada: o Treponema já chega direto na circulação. Por exemplo, na transfusão sanguínea. 17 de Setembro de 2008. Professora Marize de Freitas Santos Neves. Doenças sexualmente transmissíveis DST Vão ser abordadas mais úlceras: sífilis (cancro duro), cancro mole, linfogranuloma e dovanose.

Leia mais