Penas Restritivas de Direitos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Penas Restritivas de Direitos"

Transcrição

1 Penas Restritivas de Direitos Atendência do direito penal moderno é a eliminação da pena privativa e liberdade de curta duração, por não atender satisfatoriamente à finalidade reeducativa da pena, devido ao pernicioso convívio com criminosos mais perigosos. A pena restritiva de direitos foi um dos mecanismos criados para substitui-la. Aliás, é facilmente explicável o incentivo da doutrina à disseminação dessa pena; ela tem por fundamento primordial a ausência de periculosidade do condenado, revelando ainda uma eficiente função reeducativa, além de reduzir o custo econômico do Estado. Pena restritiva de direitos é a sanção imposta em substituição à pena privativa de liberdade, consistente na supressão ou diminuição temporária de um ou mais direitos do condenado. As penas restritivas de direitos são de cinco espécies: a) prestação pecuniária; b) perda de bens e valores; c) prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas; d) limitação de fim de semana; e) interdição temporária de direitos; As duas primeiras constituem inovação em nosso ordenaménto jurídico, tendo sido introduzidas recentemente pela Lei n , de 25 de novembro de Critérios para aplicação As penas restritivas de direitos não são cominadas abstratamente no tipo penal incriminador. Elas estão previstas na Parte Geral do CP, apresentando duas características: a) autonomia: não podem ser acumuladas com as penas privativas de liberdade. Distinguem-se, assim, das extintas penas acessórias, eliminadas na reforma penal de 1984, que eram aplicadas cumulativamente com as penas privativas de liberdade. b) substitutividade: primeiro o juiz fixa a pena privativa de liberdade e, depois, na mesma sentença, a substitui pela pena restritiva de direitos, cuja duração é a mesma da pena privativa de liberdade substituída. É claro que, na pena de prestação pecuniária e perda de bens e valores, o fator temporal não exerce influência em seu cumprimento. As outras três penas, contudo, têm a mesma duração da pena privativa de liberdade. Vê-se para logo, porém, que na pena de prestação de serviços à comunidade ou a entidades publicas, sendo a pena substituída superior a um ano, é facultado ao condenado cumpri-la em menor tempo, nunca inferior à metade da pena privativa de liberdade substituída ( 40 do art. 46 do CP). Para beneficiar-se da pena restritiva de direitos, urge que o réu preencha os seguintes requisitos: a) não seja reincidente em crime doloso. Se o condenado for reincidente genérico, isto é, na prática de crime de natureza diversa do delito precedente, o juiz poderá aplicar a substituição, desde que, em face da condenação anterior, a medida seja socialmente recomendável ( 3 do art.44). Não se pode deixar de registrar a contradição do legislador. Com efeito, o reincidente em crime doloso, seja ele genérico ou específico, não pode obter regime aberto nem sursis, sendo manifesta a incoerência do Código ao habilitar este criminoso a receber uma medida mais branda (pena restritiva de direitos). b) que a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado, bem como os motivos e as circunstâncias indicarem que essa substituição seja suficiente. Presentes esses requisitos subjetivos, é possível aplicar a pena restritiva de direitos quando:

2 a) o réu for condenado a crime doloso a uma pena privativa de liberdade igual ou inferior a 4 (quatro) anos, excluída a hipótese de crime cometido com violência ou grave ameaça contra pessoa. b) o réu for condenado a crime culposo, qualquer que seja a quantidade da pena privativa de liberdade. A substituição é feita na própria sentença. A pena privativa de liberdade, quer o crime seja doloso ou culposo, é substituída por multa ou por uma pena restritiva de direitos, quando a condenação for igual ou inferior a 1 (um) ano. Se superior a 1 (um) ano, far-seá a substituição por uma pena restritiva de direitos e multa ou por duas restritivas de direitos ( 2 do art.44). No concurso formal e crime continuado, analisa-se se a pena total, isto é, unificada, comporta ou não a aludida substituicão. Já no concurso material, o juiz, na sentença, fixa a pena de cada crime, separadamente, analisando, também, de forma isolada, a pertinência ou não da substituição quanto a cada um dos delitos. Se, porém, em relação a um dos crimes tiver sido negado o sursis, para os demais será incabível a substituição por pena restritiva de direitos ( l0do art. 69 do CP). Quando for aplicada pena restritiva de direitos, o condenado cumprirá simultaneamente as que forem compatíveis entre si ( ex.: limitação de fim de semana), consoante dispõe o 2 do art. 69 do Código Penal. Momento da substituição A substituição da pena privativa de liberdade pela pena restritiva de direitos é feita na própria sentença condenatória. Admite-se, todavia, a substituição pelo juízo da execução desde que: a) o agente tenha sido condenado a pena privativa de liberdade igual ou inferior a dois anos; b) tenha sido cumprido pelo menos um quarto da pena; c) o agente esteja cumprindo a pena no regime aberto; d) os elementos e a personalidade do condenado indiquem ser a conversão recomendável. Esses requisitos, previstos no art. 180 da LEP, devem existir simultaneamente. Efetuada a substituição, a pena restritiva de direitos deverá ter a mesma duração do restante da pena substituída, descontando-se, portanto, o tempo de pena privativa de liberdade cumprida. Conversão A pena restritiva de direitos, preceitua o 4º do art.44 do CP, converte-se em privativa de liberdade quando ocorrer o descumprimento injustificado da restrição imposta. Nesse caso, a conversão é obrigatória. No cálculo da pena privativa de liberdade a executar será deduzido o tempo cumprido da pena restritiva de direitos, respeitado o saldo mínimo de 30 (trinta) dias de detenção ou reclusão. A conversão, como se vê, é pelo tempo restante da pena, operando-se, assim, a detração penal. Se, no entanto, restava um tempo inferior a 30 (trinta) dias, a detração ficará prejudicada, pois o réu deverá cumprir, no mínimo, 30 (trinta) dias de reclusão ou detenção. Tratando-se de pena de prestação pecuniária ou perda de bens e valores, a nosso ver, não será possível a conversão. A conversão, por outro lado, é facultativa quando sobrevém condenação a pena privativa de liberdade por outro crime, O juiz poderá deixar de aplicar a conversão se for possível ao condenado cumprir a pena substitutiva anterior. Assim, se na nova condenação o réu obtém sursis ou é apenado com multa ou pena restritiva de direitos, o juiz, percebendo a viabilidade de cumprimento simultâneo das sanções impostas, poderá deixar de aplicar a conversão. Se, ao revés, sobrevier condenação por outro crime, no regime fechado ou semi-aberto, cuja execução não tenha sido suspensa, a conversão será inevitável, a menos que a pena restritiva de direitos consista em prestação pecuniária ou perda de bens e valores, quando então será também possível ao condenado cumprí-la simultaneamente com a pena privativa de liberdade. Prestação pecuniária A prestação pecuniária consiste no pagamento em dinheiro ou em prestação de outra natureza em favor da vítima, seus dependentes ou entidade pública ou privada com destinação social. Com efeito, dispõe. o 10 do art. 45 do CP que: A prestação pecuniária consiste no pagamento à vítima, a seus dependentes ou a entidade pública ou privada com destinação social, de lmportância fixada pelo juiz, não inferior a 1 (um) salário mínimo nem superior a 360 (trezentos e sessenta) salários mínimos. O valor pago será deduzido do montante de eventual condenação em ação de reparação civil, se coincidentes os beneficiários.

3 E o 2 do art. 45 do CP ainda preceitua que: No caso do parágrafo anterior, se houver aceitação do beneficiário, a prestação pecuniária pode consistir em prestação de outra natureza. A prestação pecuniária, como se vê, pode consistir em prestação de outra natureza, como mão de obra e doação de cestas básicas, desde que haja aceitação do beneficiário. Na verdade, a hipótese de aplicação de prestação de outra natureza se ajusta melhor aos delitos de menor potencial ofensivo, que são marcados pela possibilidade de transação. Em relação aos demais delitos, a substituição poderá ocorrer na fase executória, a menos que antes da sentença o réu proponha alguma prestação e a vítima aceite. Na maioria das vezes, porém, acreditamos que o condenado irá propô-la na fase executória, operando-se a substituição apenas na hipótese de o beneficiário pronunciar-se favoravelmente. A pena de prestação pecuniária realiza a conjugação dos propósitos penal e civil reparatório, amenizando a situação da vítima, conferindo liquidez à sentença penal condenatória, permitindo, destarte, a satisfação do dano na própria esfera penal, tal qual ocorre na Itália, França e em várias legislações. Até então, o máximo que se admitia, na sede penal, era a propositura de medidas cautelares visando a satisfação do dano (seqüestro, arresto e hipoteca legal). Em verdade, porém, a obrigação de reparar o dano já constitui efeito da condenação (art. 91, 1, do CP). Sob esse ponto de vista, poder-se-ia dizer que se trata de uma pena inútil. Ledo engano, porque confere poderes ao juiz penal para decidir sobre a liquidez do prejuízo, antecipando a apuração do quantum debeatur. Não se pode, porém, a pretexto de agilizar a reparação do dano, suprimir a garantia constitucional da ampla defesa. Deve ser dado ao acusado oportunidade para discutir o quantum debeatur e se esta questão mostrar-se complexa o melhor caminho é a aplicação de outra pena, transferindo-se para o juízo cível a apuração dos danos, pois do contrário o processo penal poderia prolongar-se excessivamente e ser atingido pela prescrição da pretensão punitiva. Urge não confundir a prestação pecuniária, que ingressa no rol das penas restritivas de direitos, com a pena de multa. Na prestação pecuniária, o dinheiro é revertido em prol da vítima, seus dependentes, entidade pública ou entidade privada com destinação social. O valor mínimo é de 1 (um) salário mínimo e o máximo 360 (trezentos e sessenta) salários mínimos. O valor pago será deduzido do montante de eventual condenação em ação de reparação civil, se coincidentes os beneficiários. Na pena de multa, o dinheiro é destinado ao Fundo Penitenciário Nacional. Seu valor oscila entre 10 (dez) a 360 (trezentos e sessenta) dias-multa, sendo que cada dia pode ser fixado entre um trigésimo a cinco salários mínimos. O valor pago não será deduzido do montante de eventual condenação em ação de reparação civil. A prestação pecuniária, em princípio, deve reverter em favor da vftima. Se esta vier a falecer ou a se ausentar, os beneficiários serão os seus dependentes. A expressão dependentes deve ser tomada no sentido econômico, aplicando-se por analogia o disposto no art. 16 da Lei /91, que elenca os dependentes previdênciários. Urge que esteja devidamente demonstrado nos autos o dano material ou moral que o delito causou ao ofendido, evitando, destarte, o enriquecimento sem causa. É claro que a pena não pode ser superior ao prejuízo demonstrado no processo, invocando-se analogicamente o 1 do art. 297 do Código de Trânsito Brasileiro. Na apuração dos danos materiais levar-se-á em conta os danos emergentes e os lucros cessantes. Nos delitos em que não houver prejuízo à vítima ou então naqueles crimes em que o sujeito passivo for a coletividade, a pena de prestação pecuniária poderá reverter em prol de entidade pública ou entidade privada com destinação social. Aqui não há enriquecimento sem causa, pois todo e qualquer delito acarreta um dano moral ap Estado. Ademais, a destinação social da entidade pública ou particular beneficiada atribui à pena uma função alimentar. A prestação pecuniária será imposta pelo juiz, independentemente de qualquer pedido, seja do Ministério Público ou da vítima. Não obstante o seu inegável caráter de pena, tanto é assim que encontra-se elencada no rol das penas restritivas de direitos, não se pode deixar de nela reconhecer uma sanção civil, pois o valor pago, preceitua o l~ do art. 45, será deduzido do montante de eventual condenação em ação de reparação civil, se coincidentes os beneficiários. Trata-se, a rigor, de uma medida de caráter híbrido. O art. 5 XLV, da Constituição Federal reza que nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei estendidas aos sucessores e contra eles ser executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido. O dispositivo constitucional em apreço autoriza a cominação da pena de prestação pecuniária, que nada mais é do que a obrigação de reparar o dano causado pelo delito. Se, após o trânsito em julgado, o condenado vier a falecer ou então alienar fraudulentamente os seus bens a terceiro, pondo-se numa situação de insolvência, a execução poderá recair sobre os seus sucessores ( causa mortis ou inter vivos ), até o limite do patrimônio transferido, no juízo cível, pois a obrigação de reparar o dano, em tal situação, perde o caráter de pena. De conformidade com o art. 575, IV, do CPC, a sentença penal condenatória constitui título executivo judicial. Nela se materializa o an debeatur e agora também o quantum debeatur, sendo inegável a sua transmissibilidade aos sucessores do condenado, até o limite do patrimônio transferido. Não é a pena que se transmite, mas a dívida, razão pela qual a execução contra os sucessores processar-se-á no juízo cível competente. Questão obscura consiste em saber se a pena de prestação pecuniária poderá ser convertida em pena privativa de liberdade, se o condenado solvente deixar de efetuar o pagamento ou frustrar a sua execução. Segundo tudo parece

4 indicar, a resposta é negativa. Do contrário haverá infringência ao disposto art. 5, LXVII, da Magna Carta, que proíbe a prisão civil por dívida. É certo, pois, que a prestação pecuniária é uma pena restritiva de direito. Mas, apesar de constituir uma pena, assume também o caráter de dívida, isto é, de antecipação da indenização. E, portanto, simultaneamente, pena e dívida, incluindo-se, pela sua natureza, entre as sanções de caráter híbrido. Outra questão aberta às indagações jurídicas é se a pena de prestação pecuniária poderia reverter em favor da pessoa prejudicada com crime, na hipótese de o delito não ter causado dano material à vítima. Exemplificando: Tício furta o veículo de Mévio, que é ressarcido pela seguradora. Tício é a vítima do delito, mas o prejudicado é a seguradora. A nosso ver, a expressão vítima, a que se refere o 1 do art. 45 do CP, deve ser intepretada como sendo a vítima do dano, e não apenas a vítima do crime. Sustenta-se essa exegese no fato de o valor pago ser deduzido do montante de eventual condenação em ação de reparação civil, se coincidentes os beneficiários. A expressão se coincidentes os "beneficiários autoriza a interpretação de que o beneficiário da prestação pecuniária nem sempre é a vítima do crime. Finalmente, a execução da pena de prestação pecuniária será promovida pelo Ministério Público, no juízo penal, pois não se pode delegar ao particular a execução de uma pena. Vale lembrar que até nos crimes de ação penal privada a execução penal é patrocinada pelo representante do Ministério Público, esgotando-se o ius persequendi in juditio com o trânsito em julgado da sentença condenatória. Poder-se-ia dizer que o promotor de justiça estaria advogando uma questão patrimonial, mas não se pode olvidar que há interesse público em se obter do réu a reparação do dano, sobretudo quando a medida assume o caráter de pena. O procedimento de execução penal, à mingua de lei sobre o assunto, deverá ser o previsto nos arts. 164 e ss. da LEP, de modo que se a penhora recair sobre bem imóvel, os autos serão remetidos ao juízo cível (art. 165 da LEP). Perda de bens e valores A perda de bens e valores consiste na expropriação de coisas corpóreas ou incorpóreas pertencentes ao condenado, destinando-as ao Fundo Penitenciário Nacional. A expressão bens designa as coisas corpóreas de valor econômico (casa, animal, veículo etc). Já o termo valores compreende todo título ou papel representativo de obrigação em dinheiro ou mercadoria (apólices, bônus, cheques, notas promissórias etc). De fato, dispõe o 3 do art.45 do CP: A perda de bens e valores pertencentes ao condenado dar-se-á, ressalvada a legislação especial, em favor do Fundo Penitenciário Nacional, e seu valor terá como teto - o que for maior - o montante do prejuízo causado ou do provento obtido pelo agente ou por terceiro, em conseqüência da prática de crime. Primeiramente, cumpre elucidar que o fundamento desta pena é o art.50 XLVI, b, da Constituição Federal. O limite máximo da pena é o montante do prejuízo causado ou do provento obtido pelo agente ou por terceiro, em conseqüência da prática do crime. Portanto, para aplicar a pena de perda de bens ou valores, é preciso estar demonstrado nos autos o teto máximo da pena, qual seja, o montante do provento auferido pelo agente ou por terceiro, em conseqüência da prática do crime, ou então o montante do prejuízo causado. Os proventos do crime compreendem a) a coisa obtida por meio criminoso (ex.:a jóia furtada); b) as coisas adquiridas com o delito mediante especificação (ex.: transformação da jóia em barra de ouro); c) as coisas adquiridas pelo delito mediante alienação (ex.: o dinheiro ou bem obtido com a venda da jóia). Na alínea a,o juiz penal poderá determinar a busca e apreensão do bem, nos termos do art. 121 do CPP. Nas alíneas b e c, a medida cabível é o seqüestro, por força do art. 132 do CPP. O seqüestro e a busca e apreensão são medidas antecipativas do confisco previsto no art. 91, II, b, do CP, só podendo ser decretadas quando houver indícios veementes de que os bens ou valores foram adquiridos pelo pretenso culpado com os proventos do crime. Somente o juiz penal é quem pode determinar essas medidas, seja de ofício ou a requerimento da vítima, do Ministério Público ou ainda mediante representação da autoridade policial. De acordo com o disposto no art. 91,II, b, do CP, constitui efeito da condenação a perda em favor da União, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa fé, do produto do crime ou de qualquer bem ou valor que constitua proveito auferido pelo agente com a prática do fato criminoso. Desde que haja sido decretado o seqüestro ou busca e apreensão, conforme a hipótese, o juiz penal, após o trânsito em julgado da sentença condenatória, determinará a avaliação e venda dos bens em leilão público. O dinheiro apurado servirá para o pagamento do lesado ou terceiro de boa fé, revertendo-se o saldo em favor do Fundo Penitenciário Nacional (art. 20, IV, da Lei Complementar n0 79/94).

5 Urge, porém, não confundir a pena de perda de bens e valores com o confisco previsto no art. 91,11, b, do CP, que constitui mero efeito da condenação. Desde já cumpre ressaltar que as duas medidas podem ser impostas cumulativamente. O confisco recai sobre os proventos criminosos auferidos pelo condenado, ao passo que a perda de bens e valores incide sobre bens e valores que integram o patrimônio lícito do acusado. A pena de perda de bens e valores faz recordar o credor que efetua a cobrança judicial de dívida já paga. Com efeito, o art do Código Civil determina que, no caso do credor cobrar dívida já paga, deverá devolver ao devedor o dobro do que um dele cobrou, ou seja, perde o montante do crédito mais outro tanto. Fenômeno parecido ocorre na área penal, pois o acusado poderá perder até o dobro do provento obtido com o crime ou então ser obrigado a pagar até o dobro do prejuízo causado. Com efeito, se o teto máximo for o provento obtido pelo agente ou por terceiro, além de operar-se, em favor da União, como efeito da condenação, o confisco dos proventos do crime, previsto no art. 91,11, b, do CP, o acusado poderá ainda sofrer a pena de perda de bens ou valores, prevista no art. 43,II, do CP, de uma quantia de bens ou valores que podem atingir até o montante do provento criminoso. Se o teto máximo for o prejuízo causado pelo crime, além da obrigação de repararo dano, prevista no art. 91,1, do CP, como efeito da condenação, o condenado poderá ainda sofrer, a título de pena, a perda de uma quantia de bens e valores que podem atingir até o montante do prejuízo causado. Para aplicar a nova pena, o magistrado, ao invés de especificar os bens e valores,poderá fixar uma cifra em dinheiro, pois a lei fala em perda de bens e valores e ninguém há de negar que o dinheiro é um bem. Se, ao invés, o magistrado quiser especificar, na sentença, os bens e valores a serem expropriados, urge que determine a inscrição da hipoteca legal dos imóveis (art. 135 do CPP, c.c., art. 827, VI, do CC) ou o arresto dos bens móveis do acusado (art. 137 do CPP). Os bens arrestados ou hipotecados não podem constituir producta sceleris e nem terem sido adquiridos com os proventos da infração, pois para estes, como vimos, as medidas são busca e apreensão e seqüestro. Não convence o argumento de que a aludida pena seria odiosa, por atingir reflexamente os familiares do condenado. Em verdade, toda e qualquer pena, por via indireta, acaba atingindo os familiares do condenado. Finalmente, a transmissibilidade da perda de bens aos sucessores do condenado, até o limite do patrimônio transferido, é admitida no art. 5, XLV, da Magna Cada, mas a execução, em tal situação, há de ser feita no juízo cível Aliás, com o trânsito em julgado da sentença penal condenatória, os bens e valores objetos da condenação incorporam-se automaticamente ao patrimônio do Fundo Penitenciário Nacional. Se, porém, o acusado falecer antes do trânsito em julgado, a punibilidade é extinta, nos termos do art. 107,1, do CP, inviabilizando-se a execução contra os sucessores. Prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas A prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas consiste na atribuição ao condenado de tarefas gratuitas junto à entidades assistenciais, hospitais, escolas, orfanatos e outros estabelecimentos congêneres, em programas comunitários ou estatais. As tarefas serão atribuídas conforme as aptidões do condenado, devendo ser cumprida à razão de 1 (uma) hora de tarefa por dia de condenação, fixada de modo a não prejudicar a jornada normal de trabalho. Aludida penalidade, conforme se depreende do art.46 do CP, só é aplicável às condenações superiores a 6 (seis) meses de privação da liberdade. Se a pena substituída for superior a 1 (um) ano, é facultado ao condenado cumprir a pena substitutiva em menor tempo (art.55), nunca inferior à metade da pena privativa de liberdade fixada ( 4 do art.46). Aqui o legislador consagrou a ilógica. Se o agente é condenado a 01 (um) ano, as horas deverão ser distribuídas até o último dia do término da pena. Se, porém, é condenado a tempo superior a um ano, como por exemplo 1 ( um) ano e 2 (dois) meses, a pena poderá ser cumprida em 7 (sete) meses O trabalho é gratuito, inexistindo, portanto, vínculo empregatício. Cada dia de prisão passa a corresponder a uma hora de trabalho. Compete ao juiz da execução designar a entidade a que o condenado prestará serviço. O trabalho deve ser atribuído conforme as aptidõês do condenado, não podendo ter caráter vexatório, como, por exemplo, obrigar um médico a varrer a rua.

6 A execução terá início a partir da data do primeiro comparecimento do condenado à entidade onde irá prestar seus serviços (art.149, 2º, da LEP). Os arts. 149 e 150 da LEP disciplinam a forma de execução da pena. Interdição temporária de direitos O Código, no art. 47, prevê as seguintes penas de interdição temporária de direitos: I - Proibição do exercício de cargo, função ou atividade pública, bem como mandado eletivo. Essa pena só se aplica ao crime cometido no exercício de profissão, atividade, ofício, cargo ou função, sempre que houver a violação dos deveres que lhe são inerentes (CP, art.56). A interdição de que se trata, como lembra Mirabete, não é apenas a suspensão daquele que exerce o cargo, função, atividade pública ou mandato eletivo, mas também a proibição para aquele que deixou de exercê-la (voluntariamente ou não) após a prática do crime. Nessa hipótese constitui uma incapacidade temporária para o exercício da função pública. A pena restritiva de direitos, por ser temporária, não se confunde com a perda do cargo, função ou atividade pública ou mandato eletivo, que é definitiva e está prevista no art. 92,1, do CP, como efeito da condenação. II - Proibição do exercício de profissão, atividade ou ofício que dependam de habilitação especial, de licença ou autorização do poder público. Profissão é o trabalho remunerado, predominantemente intelectual (ex.: médico, advogado, professor etc). Ofício é o trabalho remunerado, preponderantemente manual ou mecânico (ex.: sapateiro, barbeiro etc). Atividade é qualquer outro trabalho remunerado ou não. O condenado fica proibido de exercer a profissão, ofício ou atividade, pelo tempo da pena. Observe-se que essa pena também só se aplica ao crime cometido no exercício de profissão, atividade, ofício, cargo ou função, sempre que houver violação dos deveres que lhe são inerentes (CP.art.56). Pode ser aplicada, por exemplo, ao médico ou advogado que viola segredo profissional; ao advogado que comete delito de patrocínio infiel; ao professor que pratica maus-tratos no aluno; ao médico que emite atestado falso etc. Além disso, o profissional ainda pode ser punido administrativamente pelos órgãos administrativos competentes (OAB,CRM etc). III - Suspensão da autorização ou habilitação para dirigir veículo. Tal pena, na sistemática do Código Penal, era restrita aos crimes culposos de trânsito (CP, art.57). Com o advento do novo Código de Trânsito, a suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor pode ser imposta como penalidade principal, isolada ou cumulativamente com outras penalidades, não tendo mais o caráter substitutivo das penas privativas de liberdade, operando-se a revogação tácita do inciso III do art. 47 e do art. 57 do CP Pode ser aplicada a qualquer delito previsto no Código de Trânsito, seja ele doloso ou culposo. Ressaltese, todavia, que a imposição cumulativa da pena de suspensão ou proibição da permissão ou habilitação para dirigir veículo automotor só é cabível se o réu for reincidente na prática de crime previsto no aludido Código de Trânsito (arts.292 e 296 da Lei n /97). Se, porém, o preceito secundário do tipo penal previsto no Código de Trânsito já prevê essa pena, como é o caso do homicídio culposo, lesão culposa, embriaguez no volante e participação em competição não autorizada, ela será aplicada cumulativamente com a pena privativa de liberdade, independentemente de o réu ser reincidente em crime dessa natureza. IV- Proibição de frequentar determinados lugares. Cumpre ao magistrado atentar-se para que não sejam violados direitos constitucionais do condenado. Assim, padece de flagrante inconstitucionalidade impor como pena a proibição de frequentar cultos religiosos. Cabe ainda chamar a atenção para a semelhança entre esta pena e o sursis especial. Neste, porém, o condenado, além das condições judiciais, deverá cumprir cumulativamente, no primeiro ano do período de prova, as seguintes condições: a) proibição de frequentar determinados lugares; b) proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização do juiz; c) comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para informar e justificar suas atividades. Ademais, o sursis especial tem duração fixa, podendo o período de prova ser fixado entre 2 (dois) a 4 (quatro) anos. E, uma vez revogado, o condenado terá de cumprir integralmente a pena privativa de liberdade que estava suspensa. Já pena de proibição de frequentar determinados lugares tem a mesma duração da pena privativa de liberdade substituída. E, uma vez revogada, será deduzido o tempo cumprido, respeitado o saldo mínimo de 30 (trinta) dias de detenção ou reclusão ( 4 do art.44 do CP) Ob. cit., p

7 Flávio Monteiro de Barros Juiz de direito em São Paulo Professor e Coordenador do Curso Preparatório FMB

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

TÍTULO V DAS PENAS TÍTULO V DAS PENAS CAPÍTULO I DAS ESPÉCIES DE PENA CAPÍTULO I DAS ESPÉCIES DE PENA

TÍTULO V DAS PENAS TÍTULO V DAS PENAS CAPÍTULO I DAS ESPÉCIES DE PENA CAPÍTULO I DAS ESPÉCIES DE PENA TÍTULO V DAS PENAS TÍTULO V DAS PENAS CAPÍTULO I DAS ESPÉCIES DE PENA CAPÍTULO I DAS ESPÉCIES DE PENA Art. 32 - As penas são: I - privativas de liberdade; II - restritivas de direitos; III - de multa.

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Prescrição da pretensão punitiva

Prescrição da pretensão punitiva PRESCRIÇÃO PENAL 1 CONCEITO É o instituto jurídico mediante o qual o Estado, por não fazer valer o seu direito de punir em determinado tempo, perde o mesmo, ocasionando a extinção da punibilidade. É um

Leia mais

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade.

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. Programa de DIREITO PENAL II 3º período: 80h/a Aula: Teórica EMENTA As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. OBJETIVOS Habilitar o futuro

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases:

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases: FALÊNCIA (LEI 11.101/05) Visão panorâmica do processo falimentar O processo de falência tem 3 fases: 1. Fase pré falencial Vai da petição inicial até a sentença, já que até antes da sentença ainda não

Leia mais

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 Para conceituarmos restrição judicial, há de se definir restrição, que é limitação imposta ao

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO III JUNHO DE 2011 1 TRIBUTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DA CSLL De acordo com o CARF, os valores provisionados

Leia mais

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004]

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] Salo de Carvalho Advogado e Professor da PUC/RS Após a tramitação dos Processos de Execução Penal

Leia mais

Direito Processual Civil III

Direito Processual Civil III Direito Processual Civil III»Aula 7 Petição Inicial Pedido parte 1 Petição Inicial Pedido VI Petição inicial Pedido 1 Petição inicial - sem a petição inicial não se estabelece a relação processual tem

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5.

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5. Art. 323. Não será concedida fiança: I nos crimes punidos com pena de reclusão, salvo ao réu maior de setenta anos ou menor de vinte e um, no caso de não ser superior a dois anos o máximo da pena cominada;

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS. Jean Charles de Oliveira Batista¹

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS. Jean Charles de Oliveira Batista¹ DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS Jean Charles de Oliveira Batista¹ ¹ Bacharel do Curso de Direito. Faculdade Guanambi FG. Guanambi BA. INTRODUÇÃO O Processo Penal tem por finalidade solucionar um

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR TEORIA DA PENA UNIDADE III PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS (Art. 43/48 do CPB) VALDINEI CORDEIRO COIMBRA Especialista em Direito Penal e Processual Penal pelo ICAT/UNIDF Especialista em Gestão Policial Judiciária

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

1. CONCURSO DE PESSOAS.

1. CONCURSO DE PESSOAS. 1. CONCURSO DE PESSOAS. Conceito: ciente e voluntária cooperação de duas ou mais pessoas na mesma infração penal (Noronha). Trata-se, portanto, da convergência de vontades para um fim comum, ou seja, a

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS

PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS 1, Os Direitos Humanos...,...,...,... 01 2. Comentários sobre Alguns Artigos da Declaração

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO Proposta de Alteração do Regulamento de Atribuição de Benefícios Sociais do Fundo de Solidariedade Social da Ordem dos Médicos As alterações estão realçadas em itálico sublinhado com excepção do Artigo

Leia mais

Prescrição e decadência

Prescrição e decadência DIREITO CIVIL Professor Dicler A prescrição representa a perda da ação e da exceção (defesa) em razão do decurso de tempo. Tem como fundamento a paz social e a segurança jurídica que ficariam comprometidos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) Identificação Disciplina Direito Penal II - NOTURNO Carga horária

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS BARBOSA, Lenires Terezinha de Oliveira Toledo1 JARDIM, Edeveraldo Alessandro da Silva2 NASCIMENTO, Rogerio3 SILVA, Cristiane

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA Uma atitude que pode custar vidas Racha, também chamado popularmente de pega, é uma forma de corrida

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo Formulário de Sugestões Consulta Pública nº 17 (28.09.11 a 28.11.2011) Minuta do Projeto de lei que altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884,

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR CONSULTA N.º 12/2013 CAOP Cível OBJETO: Cumprimento de Sentença Medidas Cabíveis Para a Localização de Veículos Encontrados por meio do Sistema RENAJUD, e que se encontram na Posse de Terceiros INTERESSADA:

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

das Penas Restritivas de Direitos

das Penas Restritivas de Direitos das Penas Restritivas de Direitos RAPHAEL CIRIGLIANO FILHO Desembargador (aposentado) do TJ/RJ. Prof. Titular da Faculdade de Direito Cândido Mendes 1. Como se sabe, as penas restritivas de direitos foram

Leia mais

EIR Nº 2000.03.1.007043-5. Órgão

EIR Nº 2000.03.1.007043-5. Órgão Órgão : CÂMARA CRIMINAL Classe : EIR EMBARGOS INFRINGENTES NA APELAÇÃO CRIMINAL Nº. Processo : 2000.03.1.007043-5 Embargante : EDEMAR FERREIRA NUNES Embargado : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (Processo n 001.2008.024234-8/001) RELATOR: Desembargador Luiz Silvio

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 Regula Direitos e Obrigações Relativos à Propriedade Industrial. TÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA AS PATENTES Art. 183.

Leia mais

Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec"

RtgukfípekcfcTgrûdnkec Página 1 de 8 Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec" Ecuc"Ekxkn" Uudejghkc"rctc"Cuuupvqu"Lutîfkequ NGK"P "340625."FG"6"FG"OCKQ"FG"42330 Vigência Altera dispositivos do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Cuida-se de agravo em execução penal interposto contra sentença que declarou extinta a punibilidade de Cosme Alexandre da Silva, por entender

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE)

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) Artigo 185.º Tipos de insolvência A insolvência é qualificada como culposa ou fortuita, mas a qualificação atribuída não é vinculativa para efeitos da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ^ g -,,fitt.à r '4 4.44 kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e In. Wh& i* 1 "#. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL: 016.2000.000691-2/001

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Convidado para Diretor Sem Fronteiras Dr. Lodi Maurino Sodré Comissão indicou para os Grupos de Trabalhos e demais Comissões. A questão está na aplicação

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Parecer n.º 12/PP/2009-G Relator Dr. Marcelino Pires I. Introdução A Sra. Dra.... vem solicitar parecer

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR A CLT ao estabelecer em seu artigo 2º a definição de empregador, concede a este o poder e o risco da direção da atividade, controlando e disciplinando o trabalho, aplicando,

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso Funcionário Preso 15/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Informação Sefip... 5 4. Conclusão... 6 5. Referências...

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais