Visite o Portal dos Concursos Públicos MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS DO CURSO APROVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS DO CURSO APROVAÇÃO"

Transcrição

1 PF Direito Penal Turma Papiloscopista 04 I Turma 3 em 1 02 I Turma 2 em 1 08 I Teoria e Exercícios Parte 07 Data de impressão: 11/01/2011 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS DO CURSO APROVAÇÃO

2 DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO 1. DO FURTO Furto DO FURTO DO ROUBO E DA EXTORSÃO DA USURPAÇÃO DO DANO DA APROPRIAÇÃO INDÉBITA DO ESTELIONATO E OUTRAS FRAUDES DA RECEPTAÇÃO Art. 155 Furto Art. 156 Furto de Coisa Comum Art. 157 Roubo Art. 158 Extorsão Art. 159 Extorsão mediante sequestro Art. 160 Extorsão indireta Art. 161 Alteração de limites Art. 162 Supressão ou alteração de marca em animais Art. 163 Dano Art. 164 Introdução ou abandono de animais em propriedade alheia Art. 165 Dano em coisa de valor artístico, arqueológico ou histórico. Art. 166 Alteração de local especialmente protegido Art. 168 Apropriação indébita Art. 168 A Apropriação indébita previdenciária Art. 169 Apropriação de coisa havida por erro, caso fortuito ou força da natureza Art. 171 Estelionato Art. 172 Duplicata simulada Art. 173 Abuso de incapazes Art. 174 Induzimento à especulação Art. 175 Fraude no comércio Art. 176 e 177 Outras fraudes Art. 178 Emissão irregular de conhecimento de depósito ou warrant Art. 179 Fraude à execução Art Receptação Art Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e 1º - A pena aumenta-se de um terço, se o crime é praticado durante o repouso noturno. 2º - Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor a coisa furtada, o juiz pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços, ou aplicar somente a pena de 3º - Equipara-se à coisa móvel a energia elétrica ou qualquer outra que tenha valor econômico. Furto qualificado 4º - A pena é de reclusão de dois a oito anos, e multa, se o crime é cometido: I - com destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa; II - com abuso de confiança, ou mediante fraude, escalada ou destreza; III - com emprego de chave falsa; IV - mediante concurso de duas ou mais pessoas. 5º - A pena é de reclusão de três a oito anos, se a subtração for de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior. (Incluído pela Lei nº 9.426, de 1996) Furto de coisa comum Art Subtrair o condômino, co-herdeiro ou sócio, para si ou para outrem, a quem legitimamente a detém, a coisa comum: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou 1º - Somente se procede mediante representação. 2º - Não é punível a subtração de coisa comum fungível, cujo valor não excede a quota a que tem direito o agente. 1.1 Bem jurídico protegido: a propriedade, a posse e detenção legítimas de coisa móvel. Obs = Ladrão que furta ladrão? Pratica o crime de furto, mas a vítima é o real dono da coisa. 1.2 Sujeito Ativo: pode ser qualquer pessoa (crime comum), salvo o proprietário. Obs¹: proprietário que subtrai coisa sua na posse de terceiro = artigos 345 ou 346 CP (exercício arbitrário das próprias razões). Art Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à violência. Parágrafo único - Se não há emprego de violência, somente se procede mediante queixa. Art Tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa própria, que se acha em poder de terceiro por determinação judicial ou convenção: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e Obs²: e o funcionário público que subtrai bem público ou particular que se encontra sob a guarda ou custódia da Administração, valendo-se da facilidade do cargo? Pratica o crime do artigo 321, 1º CP (peculato furto). Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

3 Peculato Art Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio: Pena - reclusão, de dois a doze anos, e 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo a posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário. Obs³: e o condômino, coerdeiro ou sócio que subtraem para si ou para outrem coisa comum? Praticam o crime do artigo 156 CP (furto de coisa comum) 1.3 Sujeito Passivo: pode ser qualquer pessoa, física ou jurídica, que seja proprietária, possuidora ou detentora da coisa móvel subtraída. 1.4 Tipo Objetivo (elementos da conduta proibida) O comportamento proibido é o agente apoderarse, para si ou para terceiro, de coisa alheia móvel, retirando-a do patrimônio do seu proprietário, possuidor ou detentor. O que é coisa alheia móvel? deve ter valor econômico; ser humano vivo: não é objeto de furto. cadáver: não é objeto de furto, salvo se pertencer a alguém, como faculdade de medicina; Coisa de ninguém (nunca teve dono): não é objeto de furto. Coisa abandonada (teve dono, mas foi dispensada): não é objeto de furto. Coisa perdida (é alheia): crime é de apropriação indébita de coisa achada (169, p.u., II CP) não se utiliza o conceito de bem móvel do direito civil. Para o direito penal, é móvel a coisa capaz de ser apreendida ou transportada de um lugar para outro sem perder sua identidade. são móveis = navios, aeronaves. 1.5 Tipo Subjetivo: é o dolo, isto é, a vontade consciente de apoderar-se permanentemente da coisa alheia para si ou para terceiro. A intenção é de não devolver a coisa ao sujeito passivo. E o furto de uso? Significa subtrair coisa alheia móvel, para si ou para terceiro, para utilizá-la e devolvê-la logo, de forma integral. 1.6 Consumação e Tentativa. Adota-se a teoria da apreensão (amotio), isto é, o furto se consuma quando a coisa alheia móvel subtraída passa para o poder do agente, mesmo que em um pequeno espaço de tempo, não importando se ocorreu seu deslocamento ou teve o agente sua posse mansa e pacífica. Tentativa é admissível. Exemplo = agente, com a intenção de furtar, depara-se com o bolso da vítima vazio. 1.7 Majorante da pena = repouso noturno ( 1º). 1º - A pena aumenta-se de um terço, se o crime é praticado durante o repouso noturno. A definição de repouso noturno varia de acordo com o tempo. O que é repouso noturno em uma capital, não o é em uma pequenina cidade do interior. Pegadinha!!! Essa majorante só se aplica ao furto simples (art. 155, caput CP), e não aos casos de furto qualificado. 1.8 Furto Privilegiado ( 2º): se o agente é primário e a coisa subtraída é de pequeno valor, o juiz pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços, ou aplicar somente a pena de quem é primário? Para maioria doutrina, é o não reincidente (art. 63 e 64 CP) coisa de pequeno valor? É o pequeno valor do prejuízo, e não o prejuízo insignificante. Para jurisprudência, valor deve ser inferior a um salário mínimo. Obs¹: furto privilegiado-qualificado? STF e STJ têm entendido pela impossibilidade. 1.9 Equiparação à coisa alheia móvel ( 3º): energia elétrica ou qualquer outra que tenha valor econômico, como a energia térmica, a radioatividade. Obs¹: furto de sinal de TV a cabo? Para uns, não se equipara à coisa alheia móvel, pois não é energia. Para outros, há a equiparação, pois se trata de uma forma de energia Causas Qualificadoras do Furto ( 4º e 5º) a) destruição ou rompimento de obstáculo: arrombamento, fratura, destruição total ou parcial de qualquer objeto (fechadura, cadeado) ou construção (porta, muro, teto, janela) que dificulte a subtração. Rompimento ou destruição devem ser realizados antes, durante ou após a subtração, MAS SEMPRE ANTES DA CONSUMAÇÃO, pois senão haverá concurso de furto e dano. 2 Não é crime!! Atualizada em 11/1/2011 b) abuso de confiança: em razão da confiança depositada no agente pela vítima, ocorre o furto. Exemplo: agente, numa biblioteca, apanhe livro que lhe foi confiado pela bibliotecária e o esconda sob o paletó, subtraindo-o. Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores

4 c) mediante fraude: é o meio enganoso capaz de iludir a vigilância da vítima e permitir maior facilidade na subtração da coisa. Exemplo: sujeito se fantasia de funcionário de empresa de telefonia para adentrar na residência da vítima e subtrair-lhe coisas móveis; agente que, a pretexto de auxiliar a vítima a manusear caixa eletrônico, toma para si seu cartão magnético, entregando-lhe outro. Furto qualificado por fraude # estelionato = naquele, a fraude visa diminuir a vigilância para facilitar a subtração, sem que a vítima perceba que está sendo despojada. Neste, a fraude visa a fazer com que a vítima, em erro, entregue voluntariamente a coisa alheia ao agente. d) escalada: não é, necessariamente, subida. É o uso de qualquer meio incomum (exemplo: penetração subterrânea), anormal para ingressar no local a praticar a subtração, exigindo do agente esforço fora do comum. Não basta saltar muro baixo para estar presente a qualificadora. e) destreza: agente emprega habilidade física ou manual para efetuar a subtração sem que a vítima perceba. Exemplo: batedor de carteira. f) chave falsa: é todo instrumento, no formato ou não de chave, capaz de abrir fechaduras (grampo, arame). g) concurso de pessoas: coautoria ou participação (vigia que deixa de trancar a porta para agente adentrar e realizar a subtração). h) furto de veículo automotor a ser transportado para outro Estado ou exterior ( 5º - pena de 3 a 8 anos): subtração (+) de veículo automotor (+) destinado a outro Estado ou exterior. Todo aquele que concorreu para o crime de furto nestas condições, terá a pena agravada. A consumação deste delito na forma qualificada exige, além do furto, chegar em outro Estado ou outro país. Se o agente foi detido antes da chegada, responderá por furto simples. O comparsa que apenas transporta, sem conhecer do delito patrimonial, responde, dependendo do caso, por receptação ou favorecimento real. 2. FURTO DE COISA COMUM Art Subtrair o condômino, co-herdeiro ou sócio, para si ou para outrem, a quem legitimamente a detém, a coisa comum: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou 3. ROUBO Art Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência: Pena - reclusão, de quatro a dez anos, e 1º - Na mesma pena incorre quem, logo depois de subtraída a coisa, emprega violência contra pessoa ou grave ameaça, a fim de assegurar a impunidade do crime ou a detenção da coisa para si ou para terceiro. 2º - A pena aumenta-se de um terço até metade: I - se a violência ou ameaça é exercida com emprego de arma; II - se há o concurso de duas ou mais pessoas; III - se a vítima está em serviço de transporte de valores e o agente conhece tal circunstância. IV - se a subtração for de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior; (Incluído pela Lei nº 9.426, de 1996) V - se o agente mantém a vítima em seu poder, restringindo sua liberdade. (Incluído pela Lei nº 9.426, de 1996) 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de reclusão, de sete a quinze anos, além da multa; se resulta morte, a reclusão é de vinte a trinta anos, sem prejuízo da (Redação dada pela Lei nº 9.426, de 1996) Vide Lei nº 8.072, de Bem Jurídico Protegido: o patrimônio e a liberdade individual da vítima, ao mesmo tempo. 3.2 Sujeito Ativo: é crime comum, pode ser qualquer pessoa, exceto o proprietário da coisa alheia móvel. Obs¹: proprietário que, mediante violência ou grave ameaça, subtrai coisa sua na posse de terceiro pratica o crime de exercício arbitrário das próprias razões: Art Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à violência. Parágrafo único - Se não há emprego de violência, somente se procede mediante queixa. 1º - Somente se procede mediante representação. 2º - Não é punível a subtração de coisa comum fungível, cujo valor não excede a quota a que tem direito o agente. É caso de crime de furto, porém mais específico e menos grave. Trata-se de crime próprio, pois se exige do sujeito ativo uma qualidade especial (condômino, co-herdeiro ou sócio). O bem subtraído deve estar na posse legítima de outro condômino, co-herdeiro ou sócio. Delito punido apenas na forma dolosa. Art Tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa própria, que se acha em poder de terceiro por determinação judicial ou convenção: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e 3.3 Sujeito Passivo: é o proprietário, o possuidor ou detentor da coisa alheia móvel em face de quem se exerce a violência ou a grave ameaça. Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 3

5 3.4 Tipo Objetivo (elementos da conduta proibida) a) ROUBO PRÓPRIO: está no artigo 157, caput CP. Agente, querendo subtrair coisa alheia móvel, para si ou para terceiro; emprega violência ou grave ameaça; ou qualquer outro meio capaz de impossibilitar a resistência ou a defesa da vítima. A violência, a grave ameaça ou a redução da impossibilidade de defesa são empregadas para a subtração da coisa alheia móvel. à sua vontade, executar a subtração, há tentativa de roubo. O crime de roubo se consuma no momento em que o assaltante realiza a subtração plena da coisa alheia móvel, mesmo que pouco tempo depois seja preso em flagrante ou a própria vítima detenha o agente e recupere a res furtiva. No roubo impróprio a consumação dá-se com o emprego da violência ou grave ameaça, após a subtração. Violência = constrangimento físico da vítima, por meio de emprego de força física contra seu corpo. Basta ocorrer lesão corporal leve ou vias de fato (é a violência física sem dano à integridade corporal). Exemplos: fogo, água, choque, submeter vítima à fome ou sede. Grave ameaça = é a atemorização da vítima, criando fundado receio de iminente e grave mal, físico ou moral. Exemplos: gestos, palavras, atos, escritos, etc. Outros meios, que não a violência ou grave ameaça, que retiram da vítima a sua capacidade de resistência ou defesa. Exemplo: emprego de drogas, soníferos, hipnose, pílula da confissão. Simulação do uso de arma de fogo: é exemplo de grave ameaça. b) ROUBO IMPRÓPRIO: está previsto no art. 157, 1º CP. Agente, logo após a subtração, usa da violência ou grave ameaça não para praticar a subtração, mas para assegurar a impunidade do crime ou a detenção da coisa já subtraída. Exemplo: agente, já na posse da coisa subtraída, exerce violência contra vigilante para não chamar atenção da viatura policial. 4 DICAS!! Obs¹ = somente caracterizam o roubo impróprio o emprego da violência ou da grave ameaça. NÃO SE APLICA o emprego de qualquer outro meio capaz de impossibilitar a resistência ou defesa da vítima. Obs² = aplica-se princípio da insignificância no roubo próprio ou impróprio? Jurisprudência: NÃO!! Obs³ = aplicam-se as causas privilegiadoras do furto no crime de roubo próprio ou imprório? NÃO!! 3.5 Tipo Subjetivo: o crime é punido a título de dolo, isto é, a vontade consciente de subtrair, para si ou para terceiro, coisa alheia móvel, mediante violência ou grave ameaça. Apenas no roubo impróprio, ainda é necessário estar presente o especial fim do agente de assegurar a impunidade do crime ou a detenção da coisa já subtraída. E o roubo de uso? É crime! 3.6 Consumação e Tentativa: a consumação se dá no momento em que o agente se torna possuidor da coisa subtraída, tomada mediante violência ou grave ameaça, independentemente de sua posse mansa ou pacífica. Se, após o emprego da violência ou grave ameaça, não puder o agente, por circunstâncias alheias Atualizada em 11/1/ Causas de Aumento de Pena ( 2º): aplicáveis para roubo próprio e impróprio. a) violência ou grave ameaça é exercida com emprego de arma: exige-se o emprego real, efetivo da arma, e não o mero porte ostensivo; arma = é aquela produzida para fins bélicos (arma de fogo) ou não (faca, navalha, foice, pedra, etc); arma de fogo = para gerar o aumento de pena, a arma deve estar carregada ou apta a realização de disparo. A perícia irá atestar sua idoneidade lesiva. E se for simulacro de arma de fogo (arma de brinquedo)? Não qualifica o crime de roubo, porém caracteriza o delito na forma do caput, como grave ameaça. b) concurso de pessoas: nas formas de coautoria ou participação. c) a vítima está em serviço de transporte de valores e o agente conhece tal circunstância: a vítima não é o proprietário dos valores, mas sim que está executando o serviço de transporte de valores. Sendo roubado o próprio dono no momento em que está transportando os seus valores, não incide a causa de aumento, pois serviço não se presta a si próprio, mas a alguém. O que são valores? Dinheiro ou qualquer outro bem valioso que possa ser transportado. d) subtração for de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior: ver notas para o crime de furto. e) se o agente mantém a vítima em seu poder, restringindo sua liberdade: a privação de liberdade deve ser praticada ao mesmo tempo ou, pelo menos, como meio de execução do roubo, incide a majorante. Se a privação ocorrer após a consumação do roubo, sem qualquer ligação com o delito patrimonial, o agente responderá por roubo em concurso com sequestro. As causas de aumento de pena prevista no 2º aplicam-se ao crime de roubo próprio e impróprio!! NÃO SE APLICAM AO 3º DO ART Roubo Qualificado pelo Resultado ( 3º) Este 3º é dividido em duas partes: a) Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de reclusão, de sete a quinze anos, além da multa; Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores

6 aplicável quando a lesão grave é decorrente do emprego de violência, e não de grave ameaça. b) se resulta morte, a reclusão é de vinte a trinta anos, sem prejuízo da (LATROCÍNIO) a vontade do agente é ofender o patrimônio da vítima, valendo-se da morte como meio. É crime hediondo; CONSUMAÇÃO E TENTATIVA NO LATROCÍNIO!! Morte consumada (+) subtração consumada Morte consumada (+) subtração tentada Morte tentada (+) subtração consumada Morte tentada (+) subtração tentada 4. EXTORSÃO Latrocínio consumado Latrocínio consumado (Súmula 610 STF: Há crime de latrocínio, quando o homicídio se consuma, ainda que não se realize o agente a subtração de bens da vítima.) Latrocínio tentado Latrocínio tentado Art Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou deixar fazer alguma coisa: Pena - reclusão, de quatro a dez anos, e 1º - Se o crime é cometido por duas ou mais pessoas, ou com emprego de arma, aumenta-se a pena de um terço até metade. 2º - Aplica-se à extorsão praticada mediante violência o disposto no 3º do artigo anterior. Vide Lei nº 8.072, de o Se o crime é cometido mediante a restrição da liberdade da vítima, e essa condição é necessária para a obtenção da vantagem econômica, a pena é de reclusão, de 6 (seis) a 12 (doze) anos, além da multa; se resulta lesão corporal grave ou morte, aplicam-se as penas previstas no art. 159, 2 o e 3 o, respectivamente. (Incluído pela Lei nº , de 2009) 4.1 Bem Jurídico Protegido: em primeiro lugar, é o patrimônio. Depois, a inviolabilidade pessoal da vítima. 4.2 Sujeito Ativo: pode ser qualquer pessoa (crime comum). Obs¹ = se for funcionário público que exige vantagem indevida, mesmo fora de sua função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, o crime será de CONCUSSÃO (art. 316 CP). Art Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida: Pena - reclusão, de dois a oito anos, e 4.3 Sujeito passivo: é quem suporta a violência ou a grave ameaça, e que pode ser, às vezes, pessoa diferente do titular do bem atacado. 4.4 Tipo Objetivo (elementos da conduta proibida) constranger = coagir, obrigar; mediante violência ou grave ameaça = já visto no crime de roubo; finalidade do agente = obter vantagem econômica indevida, para si ou para terceiro; constranger a vítima a: fazer; tolerar que se faça; ou deixar de fazer algo. Roubo Emprego de violência ou grave ameaça Coisa alheia móvel Finalidade: subtração imediata do bem, dispensando colaboração da vítima. Extorsão Emprego de violência ou grave ameaça Qualquer vantagem econômica indevida Finalidade: a vítima lhe proporciona a vantagem indevida (futura), sendo importante a participação do coagido. 4.5 Tipo Subjetivo: o delito é punido a título de dolo, consistente na vontade consciente de obrigar alguém, mediante violência ou grave ameaça, com a finalidade de obter vantagem econômica indevida, a fazer algo, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma coisa. 4.6 Consumação e Tentativa: é crime formal, consumando-se no momento em que o agente constrange a vítima a lhe proporcionar vantagem econômica indevida. Não se faz necessária a entrega da vantagem indevida para a consumação do delito. Admitese a tentativa (ex: carta de extorsão interceptada). Súmula 96 STJ = O crime de extorsão consumase independentemente da obtenção da vantagem indevida. 4.7 Causas de aumento de pena ( 1º): crime cometido por 2 ou mais pessoas (para contagem, excluise a participação) OU com emprego de arma (bélica ou não bélica). Simulacro de arma de fogo = é exemplo de grave ameaça, mas não serve para aumentar a pena. 4.8 Resultados Qualificadores ( 2º): aplica-se à extorsão praticada mediante violência a qualificadora do 3º do roubo, que é dividida em duas partes = a primeira refere-se ao resultado lesão grave; a segunda, ao resultado morte (latrocínio), rotulada como hedionda (vide art. 1º, III da Lei nº 8072/90). 4.9 Sequestro Relâmpago ( 3º): não se trata de crime autônomo, cuja denominação sequestro Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 5

7 relâmpago foi cunhada pelo apelo midiático e jargão policial. Neste 3º, o agente priva a liberdade da vítima e esta é condição necessária para obtenção da vantagem indevida. É crime de extorsão comum qualificada. Se a privação for desnecessária, o agente responde por extorsão em concurso com sequestro ou cárcere privado. de sua liberdade com a finalidade de obter vantagem indevida em troca de seu resgaste. 5.6 Consumação e Tentativa: trata-se de crime formal, consumando-se com a privação da liberdade da vítima, independentemente do recebimento do resgate. Admite-se a tentativa. 5. EXTORSÃO MEDIANTE SEQUESTRO Art Sequestrar pessoa com o fim de obter, para si ou para outrem, qualquer vantagem, como condição ou preço do resgate: Vide Lei nº 8.072, de Pena - reclusão, de oito a quinze anos.. (Redação dada pela Lei nº 8.072, de ) 1 o Se o seqüestro dura mais de 24 (vinte e quatro) horas, se o seqüestrado é menor de 18 (dezoito) ou maior de 60 (sessenta) anos, ou se o crime é cometido por bando ou quadrilha. Vide Lei nº 8.072, de (Redação dada pela Lei nº , de 2003) Pena - reclusão, de doze a vinte anos. (Redação dada pela Lei nº 8.072, de ) 2º - Se do fato resulta lesão corporal de natureza grave: Vide Lei nº 8.072, de Pena - reclusão, de dezesseis a vinte e quatro anos. (Redação dada pela Lei nº 8.072, de ) 3º - Se resulta a morte: Vide Lei nº 8.072, de Pena - reclusão, de vinte e quatro a trinta anos. (Redação dada pela Lei nº 8.072, de ) 4º - Se o crime é cometido em concurso, o concorrente que o denunciar à autoridade, facilitando a libertação do seqüestrado, terá sua pena reduzida de um a dois terços. (Redação dada pela Lei nº 9.269, de 1996) 5.1 Bem Jurídico Protegido: patrimônio e liberdade de locomoção da vítima e sua integridade física. Todas as modalidades de extorsão mediante sequestro são hediondas. 5.2 Sujeito Ativo: qualquer pessoa (crime comum). 5.3 Sujeito Passivo: quem tem a liberdade de locomoção tolhida e quem sofre a lesão patrimonial. Pessoa jurídica pode ser sujeito passivo. 5.4 Tipo Objetivo (elementos da conduta proibida) Verbo núcleo = sequestrar (e não constranger), que significa impedir alguém, por qualquer meio, que exercite seu direito de locomoção, com o objetivo de obter, para si ou terceiro, qualquer vantagem, como condição ou preço do resgaste. Qualquer vantagem: deve ser econômica, pois se trata de crime contra o patrimônio. 5.7 Qualificadoras ( 1º - reclusão 12 a 20 anos): Se privação de liberdade > 24 horas; ou Se sequestrado é <18 ou > 60 anos; ou Se cometido por quadrilha ou bando. Aqui, os agentes não respondem pelo delito do 288 CP. 5.8 Delação Premiada ( 4º): causa obrigatório de redução de pena. crime deve ter sido cometido em concurso de pessoas; um dos concorrentes denuncie à autoridade (delegado, promotor, juiz); facilite a libertação do sequestrado. 6. EXTORSÃO INDIRETA Art Exigir ou receber, como garantia de dívida, abusando da situação de alguém, documento que pode dar causa a procedimento criminal contra a vítima ou contra terceiro: Pena - reclusão, de um a três anos, e Conforme exposição de motivos do Código Penal: destina-se o novo dispositivo a coibir os torpes e opressivos expedientes a que recorrem, por vezes, os agentes de usura, para garantir-se contra o risco do dinheiro mutuado. Na modalidade exigir, é crime formal, consumando-se com a mera exigência. Na modalidade receber, é crime material, consumando-se com o recebimento do documento. 7. DA USURPAÇÃO Alteração de limites Art Suprimir ou deslocar tapume, marco, ou qualquer outro sinal indicativo de linha divisória, para apropriar-se, no todo ou em parte, de coisa imóvel alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, e (*) Não basta, para caracterizar o crime, a deslocação de marcos ou sinais, sendo necessário que a conduta provoque confusão e dificuldades para sua restauração. Crime doloso, com especial fim de agir ( para apropriar-se de coisa imóvel alheia ). Crime formal, consumando-se com a supressão ou deslocamento. 1º - Na mesma pena incorre quem: Usurpação de agues I - desvia ou represa, em proveito próprio ou de outrem, águas alheias; 5.5 Tipo Subjetivo: o crime é punido a título de dolo consistente na vontade consciente de privar a vítima 6 Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores

8 Esbulho possessório II - invade, com violência a pessoa ou grave ameaça, ou mediante concurso de mais de duas pessoas, terreno ou edifício alheio, para o fim de esbulho possessório. 2º - Se o agente usa de violência, incorre também na pena a esta cominada. 3º - Se a propriedade é particular, e não há emprego de violência, somente se procede mediante queixa. Supressão ou alteração de marca em animais Art Suprimir ou alterar, indevidamente, em gado ou rebanho alheio, marca ou sinal indicativo de propriedade: Pena - detenção, de seis meses a três anos, e 8. DO DANO Art Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou Dano qualificado Parágrafo único - Se o crime é cometido: I - com violência à pessoa ou grave ameaça; II - com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não constitui crime mais grave III - contra o patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista; (Redação dada pela Lei nº 5.346, de ) IV - por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima: Pena - detenção, de seis meses a três anos, e multa, além da pena correspondente à violência. 8.1 Bem Jurídico Protegido: é o patrimônio, mas não contra a subtração de coisa alheia ou obtenção de vantagem indevida, mas, sim, contra dano físico causado no patrimônio da vítima. 8.2 Sujeito Ativo: qualquer pessoa (crime comum). 8.3 Sujeito Passivo: proprietário, possuidor da coisa danificada. 8.4 Tipo Objetivo (elementos da conduta proibida) Destruir = arruinar Inutilizar = comprometer o uso; Deteriorar = estragar sem destruir ou inutilizar. Crime de ação múltipla: ao gente pode destruir, inutilizar ou deteriorar que responderá por um só crime. 8.6 Consumação e Tentativa: crime se consuma com a prática do dano efetivo. (*) é crime subsidiário, isto é, configura-se somente na hipótese em que o agente não pretende conduta criminosa posterior mais grave. Arrombar a porta para ingressar na residência e subtrair bens. O dano fica absorvido pelo crime de furto qualificado. 8.7 Dano Qualificado (parágrafo único) com violência à pessoa ou grave ameaça: a violência abrange as vias de fato também. Se a violência for posterior ao dano, responde por crime de dano em concurso com o delito correspondente à violência. Com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não constituir crime mais grave: se o agente, ao destruir a coisa, provoca incêndio capaz de causar perigo à incolumidade pública, responderá por crime de incêndio, mais grave. Contra patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviço público ou sociedade de economia mista. Por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para vítima: é o caso, de motivo egoístico, da danificação do trabalho de concorrente para vencer competição. Introdução ou abandono de animais em propriedade alheia Art Introduzir ou deixar animais em propriedade alheia, sem consentimento de quem de direito, desde que o fato resulte prejuízo: Pena - detenção, de quinze dias a seis meses, ou É crime comum, de ação múltipla, doloso, material (além da introdução ou abandono, exige a ocorrência de prejuízo para sua consumação). Dano em coisa de valor artístico, arqueológico ou histórico Art Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa tombada pela autoridade competente em virtude de valor artístico, arqueológico ou histórico: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e Crime tacitamente revogado pelo artigo 62, I da Lei nº 9.605/98. Alteração de local especialmente protegido Art Alterar, sem licença da autoridade competente, o aspecto de local especialmente protegido por lei: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou Crime tacitamente revogado pelo artigo 63 da Lei nº 9.605/ Tipo Subjetivo: crime punido a título dolo. Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 7

9 Ação penal Art Nos casos do art. 163, do inciso IV do seu parágrafo e do art. 164, somente se procede mediante queixa. (*) Queixa = é ação penal privada. Nos demais casos, a ação penal é pública incondicionada. 9. DA APROPRIAÇÃO INDÉBITA Art Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou a detenção: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e Aumento de pena 1º - A pena é aumentada de um terço, quando o agente recebeu a coisa: I - em depósito necessário; II - na qualidade de tutor, curador, síndico, liquidatário, inventariante, testamenteiro ou depositário judicial; III - em razão de ofício, emprego ou profissão. 9.1 Bem Jurídico Protegido: patrimônio, a propriedade. O agente, abusando da condição de possuidor ou detentor, passa a ter o bem móvel como seu, dele arbitrariamente se apropriando. 9.2 Sujeito ativo: qualquer pessoa (crime comum) que tenha posse ou detenção legítima de coisa alheia móvel. Obs¹ = se for funcionário público: crime de peculato. Peculato Art Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio: Pena - reclusão, de dois a doze anos, e 9.3 Sujeito Passivo: pessoa física ou jurídica que tem o patrimônio atingido pela apropriação indevida. 9.4 Tipo Objetivo: apropriar-se = tomar para si; Coisa alheia móvel; De que tem a posse ou detenção: devem ser desvigiadas ou confiadas sem vigilância, se não pode configurar furto. Ainda, devem ser legítimas, ou seja, deve haver concordância do proprietário. Passando a agir como se dono fosse. (*) o pressuposto deste crime é a anterior posse lícita da coisa alheia, da qual o agente se apropria indevidamente. 9.5 Tipo Subjetivo: crime punido a título de dolo. Obs¹ = intenção de se apropriar deve ser futura e não passada, isto é, o agente, ao obter a posse ou detenção, não pode ter a intenção de já se apoderar do bem. 9.6 Consumação e Tentativa: sendo crime material, consuma-se no momento em que o agente passa a agir como se dono da coisa fosse; passa a praticar atos de proprietário. 9.7 Causas de Aumento da Pena ( 1º) agente recebe a coisa em depósito necessário. Segundo art. 647 do Código Civil, o depósito é necessário quando: a) se faz em desempenho de obrigação legal; ou b) se efetua por ocasião de alguma calamidade, como o incêndio, a inundação, o naufrágio ou o saque. A maioria da doutrina entende que o depósito necessário capaz de aumentar a pena da apropriação indébita é aquele que se efetua por ocasião de calamidade, pois a apropriação indevida de depósito necessário decorrente do exercício de obrigação legal é peculato. Agente recebeu a coisa na qualidade de tutor, curador, síndico, liquidatário, inventariante, testamenteiro ou depositário judicial; Agente recebeu a coisa em razão de cargo, ofício, emprego ou profissão. Apropriação Furto Estelionato Agente Agente tem Agente não não tem a tem a posse lícita posse lícita da coisa da coisa Obtém Obtém a a posse pela posse por fraude. subtração a posse lícita da coisa Há inversão arbitrária da posse. Obtém-se aproveitando-se 10.APROPRIAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Obtémse furtando Obtém-se enganando. INDÉBITA Art. 168-A. Deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes, no prazo e forma legal ou convencional: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Pena reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Sujeito ativo é o responsável tributário, isto é, aquele que a lei obriga repassar a contribuição previdenciária recolhida dos contribuintes. Sujeito passivo é a União. Consuma-se no momento em que termina o prazo para o repasse da contribuição ao órgão estatal. 1 o Nas mesmas penas incorre quem deixar de: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) I recolher, no prazo legal, contribuição ou outra importância destinada à previdência social que tenha sido descontada de pagamento efetuado a segurados, a terceiros ou arrecadada do público; (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) 8 Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores

10 II recolher contribuições devidas à previdência social que tenham integrado despesas contábeis ou custos relativos à venda de produtos ou à prestação de serviços; (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) III - pagar benefício devido a segurado, quando as respectivas cotas ou valores já tiverem sido reembolsados à empresa pela previdência social. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) 2 o É extinta a punibilidade se o agente, espontaneamente, declara, confessa e efetua o pagamento das contribuições, importâncias ou valores e presta as informações devidas à previdência social, na forma definida em lei ou regulamento, antes do início da ação fiscal. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Extinção da punibilidade do crime: agente declara e confessa a dívida; efetua pagamento espontaneamente; antes do início da ação de execução fiscal: se o pagamento ocorrer após o início da execução fiscal, mas antes do recebimento da ação penal (denúncia), haverá arrependimento posterior; se o pagamento ocorrer após a instauração da ação penal, haverá atenuante da pena. (*) Lei nº /2003 = STF entendeu que o pagamento de tributo realizado a qualquer tempo extingue a punibilidade. Se prevalecer este entendimento, este 2º fica revogado. (*) ver artigo 69 da Lei nº 11941/2009 = Extinguese a punibilidade dos crimes referidos no art. 68 (incluído o 168-A) quando a pessoa jurídica relacionada com o agente efetuar o pagamento integral dos débitos oriundos de tributos e contribuições sociais, inclusive acessórios, que tiverem sido objeto de concessão de parcelamento. 3 o É facultado ao juiz deixar de aplicar a pena ou aplicar somente a de multa se o agente for primário e de bons antecedentes, desde que: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) I tenha promovido, após o início da ação fiscal e antes de oferecida a denúncia, o pagamento da contribuição social previdenciária, inclusive acessórios; ou (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) II o valor das contribuições devidas, inclusive acessórios, seja igual ou inferior àquele estabelecido pela previdência social, administrativamente, como sendo o mínimo para o ajuizamento de suas execuções fiscais. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Apropriação de coisa havida por erro, caso fortuito ou força da natureza Art Apropriar-se alguém de coisa alheia vinda ao seu poder por erro, caso fortuito ou força da natureza: roupa para lavar no tintureiro, mas em um de seus bolsos há dinheiro, do qual se apropria. Parágrafo único - Na mesma pena incorre: Apropriação de tesouro I - quem acha tesouro em prédio alheio e se apropria, no todo ou em parte, da quota a que tem direito o proprietário do prédio; Apropriação de coisa achada II - quem acha coisa alheia perdida e dela se apropria, total ou parcialmente, deixando de restituí-la ao dono ou legítimo possuidor ou de entregá-la à autoridade competente, dentro no prazo de quinze dias. Art Nos crimes previstos neste Capítulo, aplica-se o disposto no art. 155, 2º. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1 (Agente/PF/CESPE/2009) O crime de lesão corporal seguida de morte é preterdoloso, havendo dolo na conduta antecedente e culpa da conduta consequente. ( ) Certo ( ) Errado 2 (Agente/PF/CESPE/2009) A causa de aumento de pena relativa à prática do crime de furto durante o repouso noturno somente se aplica ao furto simples e não às modalidades de furto qualificado e prevalece o entendimento de que o aumento de pena só é cabível quando a subtração ocorre em casa ou em alguns de seus compartimentos e em local habitado. ( ) Certo ( ) Errado 3 (MP/MG/2003) Uma pessoa, da janela de seu apartamento, efetua dois disparos de arma de fogo contra um desafeto que passava na rua, pretendendo lesioná-lo. Por erro na execução, um projétil acerta um automóvel que estava estacionado (não era seu); o outro projétil acerta um transeunte, produzindo-lhe a morte. O desafeto do atirador não sofre qualquer lesão. Segundo o Código Penal, o atirador deve responder pelo crime de: a) lesão corporal seguida de morte. b) tentativa de lesão corporal e homicídio culposo. c) homicídio culposo, unicamente. d) homicídio culposo e dano, em concurso material. e) homicídio doloso consumado. 4 (TRT/6ªRegião/2000) É hipótese de lesão corporal grave e não gravíssima aquela da qual resulta: a) enfermidade incurável. b) aborto c) debilidade permanente de membro, sentido ou função. d) deformidade permanente. e) incapacidade permanente para o trabalho. Pena - detenção, de um mês a um ano, ou (*) Continua-se protegendo o patrimônio. Para este delito, não existe violação ou abuso de confiança do agente, vez que a coisa chega em suas mãos por decisão da vítima que age com erro ou por caso fortuito ou força maior. São exemplos de erro o pagamento que é feito a João, sendo José o credor; pessoa manda sua 5 (MP/MG/2004) Pedro e João, irmãos, nadavam em um lago, momento em que o primeiro começa a se afogar. João, no entanto, permanece inerte, eximindo-se de qualquer intervenção. Pedro, afinal, vem a falecer. A responsabilidade de João será: a) por crime de homicídio doloso, aplicando-se as regras da omissão imprópria. Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 9

11 b) por crime de homicídio culposo, aplicando-se as regras da omissão imprópria. c) pelo crime de perigo, tipificado no art. 132 do Código Penal (perigo para a vida ou saúde de outrém). d) por crime de omissão de socorro. e) por crime de abandono de incapaz. 6 (MP/MG/1991) Ficou provado que, durante a rixa, Dodô praticou lesões corporais graves contra Zé Tostão, ambos participantes dela. Em conseqüência, o procedimento do lesionado será assim analisado penalmente: a) responde por rixa qualificada. b) responde por rixa simples concurso obrigatório. c) responde por rixa simples autor. d) o Código Penal desconhece figura de réu e vítima ao mesmo tempo. e) fato típico, porém faltou pressuposto da pena: a culpabilidade. 7 (TJ/ES/2000) Assinale a alternativa correta: a) dizer que fulano é ladrão constitui crime de calúnia. b) dizer que fulano é ladrão constitui crime de difamação. c) dizer que fulano é péssimo pagador, pois não pagou dívida que tinha com Beltrano, é calúnia. d) dizer que fulano é péssimo pagador, pois não pagou dívida que tinha com Beltrano, é injúria. e) dizer que fulana é ladra constitui crime de injúria. 8 (MP/MG/39ºConcurso) Com relação à exceção da verdade, assinale a alternativa correta: a) será ela sempre admitida nos crimes de calúnia, difamação e injúria. b) será ela sempre admitida no crime de difamação. c) será ela sempre admitida no crime de calúnia. d) será ela admitida, com ressalvas, nos crimes de calúnia e difamação. e) todas as assertivas são falsas. 9 (MP/SP/2003) O agente que priva sua ex-namorada, com 17 anos de idade, de liberdade, detendo-a em recinto fechado de sua casa por 10 dias, provocando-lhe, em razão de maus-tratos, grave sofrimento físico, a fim de obriga-la a reatar o relacionamento, responde por: a) crime de cárcere privado qualificado pelo fato de vítima sofrer grave sofrimento. b) sequestro em concurso com lesões corporais, já que provocou grave sofrimento físico para a vítima. c) crime de constrangimento ilegal, além das penas correspondentes à violência. d) sequestro especial previsto no artigo 230 do Estatuto da Criança e Adolescente. e) crime de extorsão mediante sequestro qualificado pelo fato de ser a vítima menor de 18 anos, já que a intenção do agente era reatar o relacionamento e, com isso, obter vantagem. 10 (CESPE/2009/DefensorPùblico) Considere a seguinte situação hipotética. Ana subtraiu maliciosamente determinada peça de roupa de alto valor de uma amiga, com a intenção tão só de utilizá-la em uma festa de casamento. Após o evento, Ana, tendo atingido seu objetivo, devolveu a vestimenta. Nessa situação, Ana não responderá pelo delito de furto, uma vez que o CP não tipifica a figura do furto de uso. ( ) Certo ( ) Errado 11 (CESPE/PC/PB/ adaptado) A respeito dos crimes contra o patrimônio, assinale a opção correta: a) No crime de furto em residência, para efeitos de aplicação da pena, é irrelevante o horário em que o agente pratica a ação criminosa, se durante o dia ou à noite, pois a pena em qualquer situação será a mesma. b) O emprego de arma de fogo para a prática do crime de roubo não implica a majoração da pena cominada. c) Ainda que o agente não realize a pretendida subtração de bens da vítima, haverá crime de latrocínio quando o homicídio se consumar. d) Para a consumação do crime de extorsão, é indispensável a obtenção da vantagem indevida (CESPE/PC/PB/2009) Dois irmãos pretendiam assaltar uma agência do Banco do Brasil. Para tanto, alugaram um imóvel ao lado da instituição financeira, adquiriram cordas, sacos plásticos e um aparelho de telefone celular, tendo, ainda, alugado um veículo para ser utilizado na fuga. No entanto, antes de iniciarem qualquer ato contra o patrimônio do banco, a trama foi descoberta por agentes da polícia civil que monitoravam as linhas telefônicas dos irmãos mediante interceptação legalmente autorizada. Os dois foram presos em flagrante sem conseguirem subtrair qualquer valor alheio. Nessa situação hipotética, os irmãos: a) não praticaram crime. b) devem responder por tentativa de roubo. c) devem responder por tentativa de furto. d) devem responder por tentativa de estelionato. e) devem responder por tentativa de extorsão (CESPE/PC/PB/2009) Quem subtrai para si coisa alheia móvel de valor significativo, mediante grave ameaça praticada com a utilização de arma de brinquedo, deve responder pelo crime de: a) roubo simples b) roubo com causa especial de aumento de pena c) furto simples. d) furto qualificado. e) apropriação indébita (CESPE/PC/PB/2009) Ao retirar seu veículo da garagem de casa, Suzana foi surpreendida com a ação de dois indivíduos que, mediante grave ameaça, obrigaram-na a passar para o banco de trás. Um dos indivíduos saiu dirigindo o automóvel, enquanto o outro manteve a vítima dominada, impedindo-a de manter contato com a família ou com autoridades policiais. Após 15 horas, Suzana foi solta em local de pouco movimento com a sua integridade física preservada, e os indivíduos fugiram, levando o carro da vítima para outra cidade. Dois dias depois, as autoridades policiais recuperaram o bem, que, porém, antes, foi utilizado em um assalto à agência do Banco do Brasil no interior do estado. Nessa situação hipotética, de acordo com o CP, Suzana foi vítima de: a) extorsão. b) extorsão mediante sequestro. c) sequestro relâmpago. d) roubo com causa especial de aumento de pena. e) roubo simples. 15 (UESPI/PC/PI/2009) Com relação aos crimes contra o patrimônio, indique a alternativa correta: a) Para doutrina majoritária, no crime de furto, a causa de aumento de pena do repouso noturno (art ) não pode ser aplicada nas hipóteses de furto qualificado (art ). 10 Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores

12 b) Na hipótese do empregado subtrair um objeto do seu empregador, restará sempre configurado o furto qualificado pelo abuso de confiança. c) No crime de roubo impróprio, o sujeito ativo primeiro ameaça a vítima para depois efetuar a subtração. d) Para o supremo tribunal federal, é possível falar em tentativa de latrocínio quando a vítima morre, e o sujeito ativo não consegue subtrair os seus bens. e) O crime de roubo e o crime de extorsão são crimes materiais; portanto a consumação só ocorre com a produção do resultado. 16 (CESPE/PF/2004) Com a utilização de uma arma de brinquedo, João subtraiu de uma pessoa o relógio e a carteira contendo documentos pessoais, cartões de crédito e R$ 300,00 em espécie. Nessa situação, de acordo com o entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João responderá por crime de roubo qualificado pelo emprego de arma. ( ) Certo. ( ) Errado 17 (CESPE/PF/2004) Adriano é chefe de uma quadrilha que sequestrou um famoso artista e libertou-o vivo e sem qualquer ferimento, após o pagamento do resgate. Na situação descrita, Adriano praticou crime hediondo, pois extorsão mediante sequestro é crime hediondo mesmo quando não qualificada por lesão corporal ou morte do sequestrado. ( ) Certo ( ) Errado 18 (FCC/MP/PE/2002) Francisco teve seu carro furtado. Soube, por testemunhas, que o autor da subtração foi Fernando. No dia seguinte, localizou-o numa via pública do bairro, dirigindo o veículo subtraído, e o abordou. Fernando desferiu-lhe vários golpes com uma barra de ferro, causando-lhe ferimentos graves, deixando, a seguir, o local com o automóvel que subtraíra. Diante disso, Fernando cometeu crime de: a) furto e crime de lesões corporais graves, em concurso material. b) roubo impróprio. c) roubo qualificado pelo resultado, em virtude de ter resultado lesões corporais graves. d) furto tentado e crime de lesões corporais graves, em continuação. e) roubo simples e crime de lesões corporais graves, em concurso material. 19 (CESGRANRIO/TécnicoBACEN/2010) Partindo do princípio jurídico de que qualquer pessoa do povo pode e a autoridade policial tem o dever de prender quem seja pego em flagrante delito, o vigilante, em sua área de responsabilidade, observa um indivíduo que, usando de rapidez e destreza, se apodera do relógio de um transeunte, o qual, pego de surpresa, não tem chances de evitar o fato. Após detido para ser entregue à autoridade policial, o meliante será arrolado com base no artigo 155 do Código Penal, que o enquadrará no crime de: a) furto. b) roubo. c) estelionato. d) dano. e) extorsão. 20 (FGV/TJ/MS/2008) São crimes contra o patrimônio: a) roubo, furto, estelionato e lesão corporal. b) roubo, furto, estelionato e usurpação de águas. c) roubo, furto, estelionato e peculato. d) roubo, furto, estelionato e moeda falsa. e) roubo, furto, estelionato e injúria. 21 (FCC/TER/AM/Analista/2010) Não constitui causa de aumento da pena do roubo, prevista no Código Penal: a) a participação de organização criminosa. b) a restrição de liberdade da vítima, mantida em poder do agente. c) o emprego de arma para o exercício da violência ou grave ameaça. d) a subtração de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior. e) o concurso de duas ou mais pessoas. 22 (CESGRANRIO/TJ/RO/2008) Com uma arma de fogo sobre sua cabeça, César foi obrigado por Sérgio a lhe transferir todo o dinheiro de sua conta corrente, já que este achara na carteira da vítima os dados da conta e senha. Segundo a interpretação majoritária da Lei, trata-se de: a) extorsão, já que a vítima fora compelida por grave ameaça a fornecer ao agente indevida vantagem econômica. b) extorsão, pois não houve violência, único modus operandi do roubo. c) extorsão em concurso formal com roubo, já que mediante uma conduta foram preenchidas as elementares de ambos os tipos. d) roubo, pois o meio empregado fora outro meio, que não violência ou grave ameaça, mas que impossibilita a resistência da vítima. e) roubo, já que, por saber os dados da conta e senha, o agente poderia dispensar a conduta da vítima. 23 (NCE/UFRJ/PC/DF/2005) Em uma loja de roupas femininas, Fulana pede para experimentar uma blusa e, enquanto distrai a vendedora, desviando a sua atenção para outra cliente, guarda a peça em sua bolsa, fugindo em seguida. Trata-se da hipótese de: a) furto qualificado mediante destreza; b) furto qualificado mediante fraude; c) apropriação indébita; d) estelionato; e) fraude ao comércio (NCE/UFRJ/PC/DF/2005) Fulano pede a Beltrano, seu amigo de longa data, que guarde em sua casa um computador de sua propriedade, até que volte de uma viagem que fará para a Europa. Dias após ter recebido o aparelho de boa-fé, quando Fulano já se encontrava no passeio, como se fosse seu, Beltrano vende o computador para terceira pessoa. A conduta de Beltrano se amolda à prática de: a) receptação; b) receptação qualificada; c) furto; d) apropriação indébita; e) estelionato. 25 (EJEF/TJ/MG/2009) Sobre os delitos contra o patrimônio, marque a alternativa CORRETA. a) Podem ser objeto do delito de furto as coisas abandonadas. b) O crime de furto (art. 155 do CP), praticado em concurso de pessoas e durante a madrugada em Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 11

13 residência com moradores repousando sofrerá a incidência da qualificadora do concurso de pessoas (art. 155, 4º, IV, do CP) e da causa especial de aumento do repouso noturno (art. 155, 1º, do CP). c) Caracterizada a hipótese de roubo (art. 157 do CP) em que o agente, simulando portar arma de fogo (com a mão por baixo da camisa para parecer que está armado) ameaça a vítima de morte para subtrair-lhe a carteira, a capitulação adequada à conduta seria a de roubo majorado pela causa especial de aumento prevista no 2º, I do art. 157, do CP. d) O agente que, para subtrair o veículo da vítima, tiralhe também a vida, responde por latrocínio consumado (art. 157, 3º, do CP), mesmo que não tenha conseguido, efetivamente, apossar-se do carro. Gabarito 1. certo. 2. Certo. 3. a 4. c 5. d 6. a 7. e 8. d 9. a 10. certo 11. c 12. a 13. a 14. e 15. a 16. errado 17. certo. 18. a 19. a 20. b 21. a 22. e 23. b 24. d 25. d 12 Atualizada em 11/1/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO Furto Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. 1º - A pena aumenta-se

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 1ª Fase OAB/FGV Aula 5 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a honra Crimes contra o patrimônio; Crimes contra a dignidade sexual; Crimes praticados

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 EXTORSÃO Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter

Leia mais

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação Art. 312, caput, primeira parte - até a palavra cargo PECULATO APROPRIAÇÃO Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou

Leia mais

=:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:=

=:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:= 1 =:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:= ESTUDO DOS PRINCIPAIS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Disciplina: Direito Penal Especial 5 PERÍDODO Professora: Inessa Trocilo Rodrigues Azevedo DO FURTO No furto inexiste

Leia mais

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO)

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) DIREITO PENAL PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) PONTO 2: FURTO QUALIFICADO PONTO 3: ROUBO CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) FURTO QUALIFICADO: ART. 155 1, 4º CP. I ROMPIMENTO/DESTRUIÇÃO

Leia mais

PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa.

PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa. 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1.1 EXTORSÃO 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Violência ou grave ameaça: a ameaça pode ser contra a integridade física ou contra objetos materiais da vítima.

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27 Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27 Capítulo I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA... 29 1. DOS CRIMES CONTRA A VIDA... 33 1.1 HOMICÍDIO... 33 1. Bem jurídico... 34 2.

Leia mais

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado Direito Penal Professor Rafael Machado A Furto art. 155/156 do CP. Conceito: Subtração de coisa alheia móvel para si ou para outrem sem a prática de violência ou grave ameaça ou qualquer espécie de constragimento

Leia mais

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65)

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65) 1 PONTO 1: Crimes contra Administração Pública PONTO 2: Introdução aos crimes em espécie PONTO 3: Crimes em espécie 1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

TÍTULO II CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO FURTO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

TÍTULO II CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO FURTO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES TÍTULO II CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO FURTO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Furto Furto Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

Leia mais

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.)

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) 1. HOMICÍDIO SIMPLES ART. 121 CAPUT DO C.P. 1.1. Homicídio Simples: 1.1.1. Objeto jurídico (bem jurídico tutelado):

Leia mais

PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA

PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Homicídio simples Art 121. Matar alguém: PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Pena - reclusão, de seis a vinte anos. Caso de diminuição de pena 1º Se o

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: (...) TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Capítulo I Dos Crimes Praticados por Funcionário Público contra a Administração em Geral Peculato Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira Saudações aos amigos concurseiros que realizaram a prova do TRE PB. Analisei as questões de Direito Penal (área judiciária e área administrativa) e estou disponibilizando o comentário das mesmas. Na minha

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA 1 Artigos correlatos Extorsão mediante seqüestro e tortura: dois crimes?

Leia mais

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública 1 de 6 14/02/2015 21:13 Curtir Compartilhar 6 mil Tweet Seguir 91.4Mil seguidores PROGRAMA DO CONCURSO Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública Peculato TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA

Leia mais

CRIMES DE TORTURA (9.455/97)

CRIMES DE TORTURA (9.455/97) CRIMES DE TORTURA (9.455/97) TORTURA FÍSICA MENTAL Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: a) tortura-persecutória

Leia mais

Lição 5. Crimes contra a administração pública

Lição 5. Crimes contra a administração pública Lição 5. Crimes contra a administração pública 5.1. CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS PECULATO Artigo 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART.

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

DIREITO PENAL. PIETRO PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: -------

DIREITO PENAL. PIETRO PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: ------- 1 DIREITO PENAL DIREITO PENAL PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: ------- CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO -FURTO ART. 155 1 CP OBJETO: sob o que recai a conduta

Leia mais

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. José foi denunciado como incurso no art. 155, 4o,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DOS CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA O título reservado aos crimes contra a fé pública divide-se em quatro capítulos, com as seguintes epígrafes: Da moeda falsa, Da falsidade de títulos e outros papéis públicos,

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes DIREITO PENAL PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes PONTO 1 CONCURSO DE PESSOAS 1- Introdução 2- Requisitos 2.1 Exigem-se, pelo menos, duas condutas: ou duas condutas principais (coautoria)

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

Espécies: Concurso material. Crime continuado

Espécies: Concurso material. Crime continuado CONCURSO DE CRIMES Espécies: Concurso material Concurso formal Crime continuado Aplicação de Pena Sistema de cúmulo material soma-se as penas fixadas para cada delito Sistema da exasperação aplica-se a

Leia mais

Teoria Parte 09. Direito Penal. Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10. Prof. Lísias Data de impressão: 19/01/2011

Teoria Parte 09. Direito Penal. Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10. Prof. Lísias Data de impressão: 19/01/2011 PF Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10 Teoria Parte 09 Data de impressão: 19/01/2011 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL DIDÁTICO

Leia mais

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA 1 Certas práticas, sejam cometidas por agentes públicos ou por particulares, afetam negativamente a gestão pública. Algumas são consideradas crimes pelo Código Penal Brasileiro (Decreto-Lei n. 2.848, de

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 4ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 4ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 4ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 FURTO NO REPOUSO NOTURNO: STJ: Causa de incidência de aumento de pena aplicada ao furto simples; O

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Do Dano. Do Dano. Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

Do Dano. Do Dano. Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa. Direito Penal - Parte Especial Professor Sandro Caldeira Dos - Parte II Crimes Contra o Patrimônio Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Arrependimento Posterior e Extinção da Punibilidade Marcelo Lessa Bastos* O art. 16 do Código Penal, nada obstante estar entre nós há 20 (vinte) anos, está a merecer uma reflexão

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1-Fundação Pública Federal contrata o técnico de informática

Leia mais

RETA FINAL DEFENSORIA PÚBLICA RJ Disciplina: Direito Penal Tema: Exercícios Parte Especial Profa.: Elisa Pitaro Data: 05/07/2007

RETA FINAL DEFENSORIA PÚBLICA RJ Disciplina: Direito Penal Tema: Exercícios Parte Especial Profa.: Elisa Pitaro Data: 05/07/2007 EXERCÍCIOS DE DIREITO PENAL PARTE ESPECIAL 1. "A" desfere um golpe de faca em "B", com o objetivo de matá-lo. No entanto, "B" sofre apenas lesões corporais leves, sendo transportado para o hospital em

Leia mais

DIREITO PENAL CURSO COMPLEMENTAR P/ ICMS-SP CURSOS ON-LINE PROFESSOR JULIO MARQUETI

DIREITO PENAL CURSO COMPLEMENTAR P/ ICMS-SP CURSOS ON-LINE PROFESSOR JULIO MARQUETI 8.2. DA APLICAÇÃO DAS PENAS. Agora vamos tratar das regras gerais para aplicação das penas. Nas linhas anteriores já falamos da aplicação das penas de multa e restritivas de direitos (itens 8.1.3.1 e 8.1.2.6).

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

Apologia de crime ou criminoso

Apologia de crime ou criminoso 1. CRIMES CONTRA A PAZ PÚBLICA O iter criminis é dividido em três fases: cogitação, preparação e execução. O ponto que inicia a execução é aquele no qual se atinge o núcleo do tipo, saindo da esfera do

Leia mais

1. Objetividade jurídica: é a incolumidade física e a saúde da pessoa.

1. Objetividade jurídica: é a incolumidade física e a saúde da pessoa. Perigo de contágio venéreo Art. 130 - Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está contaminado: Pena - detenção,

Leia mais

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica 1. DA FALSIDADE DOCUMENTAL Documento Público: é aquele elaborado por funcionário publico no exercício de suas funções e nos limites das suas atribuições. Falsificação de documento particular Art. 298 -

Leia mais

CIRCUNSTÂNCIAS AGRAVANTES ( )

CIRCUNSTÂNCIAS AGRAVANTES ( ) CIRCUNSTÂNCIAS AGRAVANTES ( ) Heleno Cláudio Fragoso I É da tradição do direito penal brasileiro a previsão casuística de circunstâncias agravantes de caráter geral aplicáveis a todos os crimes ou a grupos

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira Caros amigos batalhadores pela aprovação no concurso público, abaixo segue a resolução das provas de Direito Penal aplicadas pela Fundação Carlos Chagas (FCC) no último fim de semana em virtude do concurso

Leia mais

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Em atendimento à determinação do Exmo. Sr. Secretário de Segurança, foi elaborado um modelo de adequação do sistema de agregação dos títulos

Leia mais

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável.

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável. CRIMES DE INFORMÁTICA Introdução O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável Introdução O QUE É CRIME - Tipicidade: perfeito enquadramento da conduta ao

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI N o 7.492, DE 16 DE JUNHO DE 1986. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º Considera-se instituição financeira, para efeito desta

Leia mais

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Crime qualificado pela provocação de lesão grave ou em razão da idade da vítima Art. 213, 1º Se

Leia mais

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO)

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) O direito protegido é o funcionamento da administração pública, ou seja, a normalidade, prestígio da administração em geral.

Leia mais

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo Art. 316 CONCUSSÃO 1. CONCEITO Reza o artigo 316, caput, do Código Penal: Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função, ou antes, de assumi-la, mas em razão dela, vantagem

Leia mais

OAB 1ª FASE EXTENSIVO Direito Penal Data = 04.06.2009 Aula = 7

OAB 1ª FASE EXTENSIVO Direito Penal Data = 04.06.2009 Aula = 7 TEMAS TRATADOS EM SALA CRIMES CONTRA A VIDA TITULO I I - Homicídio = Art. 121. II - Induzimento/Instigação/Auxílio ao Suicídio = Art. 122. III - Infanticídio = Art. 123. IV - Aborto = Art. 124/128. 1.

Leia mais

CRIMES CONTRA A INTEGRIDADE FÍSICA

CRIMES CONTRA A INTEGRIDADE FÍSICA LESÕES CORPORAIS Art. 129. Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem: Pena - detenção, de três meses a um ano. Lesão corporal de natureza grave 1º Se resulta: I - Incapacidade para as ocupações

Leia mais

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia Crimes contra a Administração da Justiça e Denunciação caluniosa Art. 339. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES DIREITO PENAL Classificação dos Crimes RESUMO DA AULA 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES; 2 QUESTÕES COMENTADAS. INTRODUÇÃO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES O CRIME PODE SER VISTO POR INÚMEROS ÂNGULOS E, DEPENDENDO

Leia mais

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres 01- A prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e os crimes definidos como hediondos podem ser imputados, com

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21 SUMÁRIO Parte 1 Aspectos gerais da atividade policial Capítulo 1 Distinção entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Guarda Municipal...3 Capítulo 2

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal 1. Introdução: - Teoria da dupla imputação art. 225, 3º 1, CF. - STF RE 628582. - INF 639, J.

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 5171, DE 2001

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 5171, DE 2001 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 5171, DE 2001 Modifica o Decreto-lei 3689, de 3 de outubro de 1941 Código de Processo Penal tornando da competência do júri os crimes que

Leia mais

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema.

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema. Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13 Um policial federal, ao executar a fiscalização em um ônibus interestadual procedente da fronteira do Paraguai, visando coibir o contrabando de

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO SUMÁRIO Parte 1 ASPECTOS GERAIS DA ATIVIDADE POLICIAL Capítulo 1 Distinção entre a Política Militar,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

TIPOS DE CRIMES E SEUS TOTAIS CONSTANTES NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DISTRIBUÍDOS JANEIRO DE 2009

TIPOS DE CRIMES E SEUS TOTAIS CONSTANTES NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DISTRIBUÍDOS JANEIRO DE 2009 JANEIRO DE 2009 Crimes contra a vida Homicídio Simples 8 2 Crimes contra a vida Homicídio Qualificado 23 3 Crimes contra a Honra Difamação 4 Crimes contra a Honra Injúria 3 5 Crimes contra a liberdade

Leia mais

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito 1. Referência legal do assunto Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito DEPÓSITO O contrato de depósito importa na guarda temporária de um bem móvel pelo depositário até o momento em que o depositante

Leia mais

PECULATO. Pena - reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. b) Passivo

PECULATO. Pena - reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. b) Passivo DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO P CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL PECULATO Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público p de dinheiro,

Leia mais

TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL

TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL Peculato Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL PROFESSORA SOLANGE DE OLIVEIRA RAMOS 1. Comentários ao Estatuto do Desarmamento. Material didático

LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL PROFESSORA SOLANGE DE OLIVEIRA RAMOS 1. Comentários ao Estatuto do Desarmamento. Material didático LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL PROFESSORA SOLANGE DE OLIVEIRA RAMOS 1 Comentários ao Estatuto do Desarmamento Material didático 1 Mestre em Direito. Professora de Direito Penal do curso de Direito das Faculdades

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

Aula 11: Crimes Contra a Seguridade Social

Aula 11: Crimes Contra a Seguridade Social Aula 11: Crimes Contra a Seguridade Social O assunto referente a crimes tem sido abordado com freqüência em provas previdenciárias, e por isso devemos estudá-lo com cuidado. Observe que você não precisará

Leia mais

1. CONCURSO MATERIAL OU REAL

1. CONCURSO MATERIAL OU REAL DO CONCURSO DE CRIMES C V D Sumário 1. Concurso material ou real; 1.2 Espécies; 1.3 Aplicação das penas 2. Concurso formal ou ideal: 2.1 Espécies; 2.2 Aplicação das penas 3. Crime continuado: 3.1 Requisitos;

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

Substitua-se o Projeto pelo seguinte:

Substitua-se o Projeto pelo seguinte: Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 89, de 2003 (PL nº 84, de 1999, na Casa de origem), que Altera o Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal e a Lei nº 9.296, de

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais