O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália"

Transcrição

1 O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid HERING, Ricardo (1), BOARDMAN, Eathan (2) AREVA T&D de Energia Ltda. ULPH, Ian IRU Consulting Pty. Ltd. Brasil & Austrália RESUMO O mercado de Empresas de Distribuição Elétrica se encontra no advento da era do Smart Grid quando uma variedade de tecnologias de automação está sendo desenvolvida, com freqüência simultaneamente, a fim de aprimorar o desempenho dos ativos existentes: alimentadores, transformadores, medidores, relés de proteção,gis, Call Center, etc. O Sistema Integrado de Gerenciamento de Distribuição (IDMS) possui o papel de fornecer maior assertividade situacional sobre a rede de distribuição, uma visão geral da interação entre os diversos esquemas de automação, e a oportunidade de administrar, de forma pró-ativa, a estratégia de gerenciamento da rede. O Smart Grid ainda é um conceito em desenvolvimento e, portanto há uma variedade de definições para explicar exatamente o que constitui um Smart Grid. Contudo há um consenso geral no que se refere à lista básica de suas características. A intensidade das implementações atuais pode variar de acordo com as necessidades específicas da empresa ou da rede PALAVRAS CHAVE Smart Grid; aprimorar o desempenho dos ativos existentes; Sistema Integrado de Gerenciamento de Distribuição; assertividade situacional Ricardo Hering, AREVA T&D, tel. 11)

2 Introdução O mercado de Empresas de Distribuição Elétrica se encontra no advento da era do Smart Grid quando uma variedade de tecnologias de automação está sendo desenvolvida, com freqüência simultaneamente, a fim de aprimorar o desempenho dos ativos existentes: alimentadores, transformadores, medidores, relés de proteção,gis, Call Center, etc. O Sistema Integrado de Gerenciamento de Distribuição (IDMS) possui o papel de fornecer maior assertividade situacional sobre a rede de distribuição, uma visão geral da interação entre os diversos esquemas de automação, e a oportunidade de administrar, de forma pró-ativa, a estratégia de gerenciamento da rede. O Smart Grid ainda é um conceito em desenvolvimento e, portanto há uma variedade de definições para explicar exatamente o que constitui um Smart Grid. Contudo há um consenso geral no que se refere à lista básica de suas características. A intensidade das implementações atuais pode variar de acordo com as necessidades específicas da empresa ou da rede. As características chave de um Smart Grid [1] são: Restauração Autônoma: a habilidade de restaurar as seções saudáveis da rede, com a identificação do local provável da falha, sem a intervenção de operadores, recuperando o maior número possível de consumidores, inclusive considerando sua prioridade, também conhecida como auto-cicatrização. Resistente a ataques: a habilidade de resistir aos ataques à rede física, e seus sistemas de controle seja diretamente ou via Internet. Suporte a recursos distribuídos: a capacidade de incorporar fontes de geração e equipamentos de armazenamento de energia distribuídos por toda a rede em todos os níveis de tensão. Suporte a fontes renováveis de energia: a capacidade de integrar e explorar, de forma efetiva, todos os tipos de fontes de energia renovável a fim de reduzir as emissões globais de carbono. Fornecer qualidade da energia: a habilidade de monitorar e controlar a qualidade da energia entregue em um nível que satisfaça as necessidades de cada consumidor. Garantir a segurança do fornecimento: a habilidade da rede em manter o fornecimento aos consumidores mesmo sob condições anormais, particularmente evitando-se blackouts. Suporte a custos baixos de operação: capacidade de fornecer um alto nível de eficiência global na rede através da inovação, gerenciamento avançado de energia, assim como suporte aos arranjos para um fornecimento competitivo. Minimizar perdas técnicas: utilização de dispositivos eficientes e tecnologias de controle, a fim de reduzir perdas em todos os pontos na rede e reduz, de forma efetiva, custos e emissões de carbono. Minimizar manutenção e intervenção manual: explora ao máximo a inteligência adicional incorporada em todos os níveis da rede a fim de reduzir a manutenção e intervenção manual necessárias para manter a rede operando de forma eficaz. O Sistema Integrado de Gerenciamento de Distribuição (IDMS) é uma ferramenta importante para tratar muitas das características do Smart Grid. Um IDMS é um sistema de gerenciamento de dados de rede que integra totalmente, em um único sistema de 1

3 visualização, sem emendas, os fluxos de dados de múltiplas funções de operação da rede e sub-sistemas de automação. Eles incluem: SCADA Gerenciamento de Cortes de fornecimento de Energia Elétrica Análise e Otimização da Rede Procedimentos de Manobra Monitoramento e Despacho de Equipes Operação Automatizada Controle Automático de Volt/VAR Infra-estrutura Avançada de Medição (AMI) Visualização da Rede: A habilidade de visualizar, monitorar, e analisar múltiplas atividades de Operação da Distribuição em uma única plataforma de usuário, torna um IDMS idealmente adequado para a supervisão do Smart Grid de uma empresa. Uma visualização única e consistente da rede em tempo real como mostra a Figura 1 fornece a base para a ampla variedade de funcionalidades incorporadas no IDMS e apresenta ao operador a habilidade de, tanto monitorar quanto controlar a rede a partir de uma única tela. O estado em tempo real de todos os elementos da rede é mostrado através da utilização de símbolos, cores e halos dinâmicos. O processamento da topologia atualiza a visualização para que os estados de energização dos alimentadores reflitam o estado atual de comutação de rede como mostrado na Figura 2. Desta forma, os resultados de funções sofisticadas de controle combinados com os dados de SCADA, informações de interrupção, atualizações manuais e outras operações de rotina da rede podem facilmente ser visualizados em uma única tela. A visualização da rede é capaz de suportar tanto vistas geográficas quanto esquemáticas da rede. 2

4 Figura 1 Visão Geográfica da Rede em tempo real A visualização da rede é uma representação do modelo de rede que está no núcleo do IDMS. A fim de fornecer o nível necessário de integração das funções do IDMS o sistema é capaz de modelar, de forma precisa, a rede com realismo físico. Isto vai desde a rede transmissão até as cargas individuais dos consumidores. A conectividade completa de todos os elementos de rede é modelada para cada fase e incluindo-se os detalhes necessários para suportar cada uma das funcionalidades requeridas. A utilização de uma arquitetura padronizada de modelagem tal como o Modelo Comum de Informações CIM (Common Information Model - DRAFT IEC Rev. 4) pode aperfeiçoar grandemente a criação de modelos e o processo de manutenção utilizando-se as informações existentes da rede no Sistema de Gestão de Ativos da empresa, o GIS (Sistema de Informações Geográficas). O modelo é tão flexível quanto extensível tornando-o capaz de suportar todos os tipos de configurações e dispositivos, e não apenas aqueles atualmente em uso. Além de utilizar a arquitetura CIM para a captura de informações do modelo, o CIM pode ser a base para interfacear o IDMS com outros sistemas operacionais tais como Informações individuais dos Consumidores ou o Gerenciamento das equipes de manutenção. A flexibilidade desta arquitetura de interfaceamento permite a atualização independente dos sistemas, isto é, automática, reduzindo grandemente os custos totais de operação. Com um único e abrangente modelo de rede é relativamente simples gerar múltiplas instâncias que podem ser utilizadas para estudos off-line ou simulação de treinamento. 3

5 Figura 2 Visualização topográfica da rede mostrando o efeito da operação do interruptor do Alimentador da Subestação Supervisão, Controle e Aquisição de Dados (SCADA): É muito comum em redes de distribuição que as subestações sejam remotamente monitoradas e controladas por um sistema SCADA. Os dados recuperados pelo sistema SCADA não estão usualmente disponíveis para outros sistemas corporativos e assim requerem coordenação manual do operador quando um interruptor de alimentador é a causa de um grande número de consumidores sem energia. A manobra ao longo dos alimentadores é, contudo, tipicamente realizada manualmente. Além disso, o crescente número de chaves automatizadas sendo instaladas ao longo dos alimentadores criou 4

6 SCADA Control Symbol Automated Switch Indicator SCADA Control popup Figura 3 Operação de chaves controladas pelo SCADA através da visualização de Rede outro problema de coordenação. Muitas destas chaves têm alguma inteligência e podem se comunicar uma com a outra para isolar falhas e restaurar as seções saudáveis da rede. Contudo, sem a integração total de um IDMS estas chaves não terão ciência da completa visualização em tempo real da rede ou das previsões de carga e, portanto estes automatismos devem ser extremamente conservadoras em suas ações. Integrando-se as chaves controláveis remotamente ao SCADA dentro das funções de otimização da Rede e a capacidade de manobra automatizada do IDMS, pode-se obter um resultado muito mais efetivo, reduzindo-se assim o número de consumidores afetados pelas interrupções e inclusive levando-se em conta, se for o caso, o grau de prioridade de alguns consumidores. A visualização integrada da rede possibilita que as operações do SCADA sejam realizadas diretamente nas telas padrão, evitando-se a necessidade de abrir ou mover para telas separadas como mostra a Figura 3. Gerenciamento de Interrupções: O processo de gerenciamento de interrupções não planejadas é frequentemente iniciado pelo consumidor ao ligar para o Call Center da empresa para reportar a falta de energia. O consumidor é identificado ou pelo número de telefone ou por digitar um número de conta. O endereço elétrico do consumidor é a identificação do ponto na rede elétrica ao qual o consumidor está conectado. Isto corresponde tipicamente ao transformador de distribuição mais próximo do consumidor. Baseado nesta informação, um modelo de conectividade da rede é utilizado para realizar uma previsão inicial do dispositivo de proteção que interrompeu a falha. O IDMS aperfeiçoa grandemente a capacidade de previsão da localização da falta 5

7 levando-se em consideração todas as outras informações que possam estar disponíveis agora para analisar o problema: - Eventos do SCADA identificando operações de chaves - Informações atuais de falta a partir de relés digitais - Informações de tele-medição vinda dos detectores de falta - Medidores digitais indicando quais consumidores foram afetados Figura 4 Telas do Gerenciamento de Faltas e correspondente visualização da Rede Além de melhorar o desempenho na previsão e localização da falta, as ferramentas de visualização da rede permitem que informações sobre a natureza e extensão da falha possam ser mostradas nas telas em tempo real. Esta ferramenta proporciona enorme ajuda ao operador no processo de recomposição da rede e na coordenação das equipes de campo, responsáveis pelos reparos, particularmente em situações onde falhas múltiplas tenham ocorrido em locais próximos. Análise e Otimização da Rede: O núcleo das funções de Análise e Otimização da Rede é o Fluxo de Energia da Distribuição (FED), o qual determina as tensões complexas e fluxos de energia para todos os nós do alimentador da rede de distribuição. Além do Fluxo de Energia de Distribuição as seguintes funções também são realizadas: Análise da Qualidade da Energia determina o grau de violações de tensão para cada nó de alimentador 6

8 Análise de Perda determina as perdas incorridas em cada elemento de rede Análise de Curto Circuito Calcula a corrente máxima de curto circuito para cada nó de alimentador na rede. Previsão de Carga Modelagem de cargas e a previsão de cargas individuais e do alimentador. Localização da Falha utiliza informações a partir dos relés de proteção e detectores de falha para determinar a provável localização de falha em um alimentador. Figura 5 Previsão da Localização da Falha através da exibição de informações do relé e do detector da falta O modelo abrangente e as ferramentas de análise da rede do IDMS são capazes de gerenciar uma rede complexa incluindo-se geração distribuída, armazenamento e dispositivos de gerenciamento da demanda de forma uniforme e consistente. A combinação com as ferramentas de visualização da rede fornece um elevado nível de gestão e suporte para a implementação de um Smart Grid. Procedimentos de Operação: Os procedimentos de operação são o processo formal de documentação e execução das alterações de operação na rede com o propósito de manutenção, reconfiguração da rede, restauração de interrupções não planejadas e aumento da rede de distribuição. O núcleo dos Procedimentos de Operação é a Ordem de Operação, uma lista estruturada de instruções de manobra que é utilizada para registrar e coordenar a operação entre o operador da sala de controle e o pessoal de campo. Ordens de Operação podem ser criados de forma manual ou gerados automaticamente pelas funções de Otimização da Rede, funções de operação automatizada e restauração de alimentador. Na abordagem manual o IDMS permite que 7

9 Ordens de Operação sejam rapidamente criadas clicando-se no dispositivo requerido no diagrama de rede. Depois que uma Ordem de Operação for criada, a mesma poderá ser verificada através de sua execução em versão de modo de estudo do modelo de rede no IDMS. Deste modo, cada passo poderá ser totalmente analisado a fim de detectar quaisquer violações ou outros impactos na rede. Uma vez que a Ordem de Operação tenha sido verificada, ela poderá ser executada. O IDMS permite que a execução seja realizada diretamente no modelo e telas em tempo real. A operação a partir do SCADA pode ser realizada pelo operador utilizando-se a interface SCADA. Os passos da operação manual são coordenados com as equipes de campo e o reconhecimento do operador para confirmar a operação de campo e replicando a operação nas telas do SCADA em tempo real. Deste modo, o modelo em tempo real acompanha paripassu a rede real e o impacto das operações são claramente exibidos. Monitoramento e Envio das Equipes: A designação de equipes nos casos de faltas e o monitoramento de suas localizações e estados atuais poderão ser avaliados diretamente nas telas de Gerenciamento de Faltas ou na visualização da rede em tempo real. Símbolos para acompanhamento das equipes poderão ser posicionados na visualização geográfica da rede ou na visualização Geral das Informações de Faltas. Cores podem ser utilizadas para indicar a situação das equipes. O tipo de veículo, nomes das equipes e estado das tarefas são exibidos na Figura 6 como uma ferramenta de operação. A facilidade de busca permite a rápida identificação de qualquer equipe pelo nome, tarefa ou identificação do caminhão. Figura 6 Visualização das informações de localização e designação das Equipes na Rede Operação Automatizada e Restauração do Alimentador: Esta função gera os planos de operação que isolam as faltas, restaurando com otimização as seções saudáveis da rede e reconfigurando-a de maneira a mitigar as sobrecargas, as violações de tensão e o desequilíbrio dos alimentadores. As funções de restauração tomam as condições anormais do sistema como entradas e fornecem planos de operação baseados na operação de dispositivos que possam ser 8

10 remotamente e manualmente controlados. Os planos propostos podem ser enviados para o aplicativo de Operações de Chaves ou, em alguns casos, executados automaticamente. As funções são capazes de realizar transferências de cargas complexas que não seriam fáceis de determinar manualmente. Ao restaurar um alimentador, as funções envolvem não somente os alimentadores adjacentes, mas também aqueles próximos aos adjacentes. Portanto, se um alimentador vizinho possuir reserva insuficiente para tomar uma área morta, será possível transferir a carga deste alimentador para outro a fim de aumentar sua reserva e assim permitir que este possa absorver a área sem energia. As funções de reconfiguração seguem regras práticas e objetivos de isolar, restaurar ou reconfigurar a rede e, a cada passo do processo, realizar a verificação dos limites necessários para assegurar a operação normal. A análise e otimização baseadas nos dados disponíveis em tempo real e coordenadas em toda a rede de distribuição aprimoram muito as capacidades da rede e oferecem melhora significante no desempenho. Os custos operacionais totais da rede serão reduzidos permitindo determinar com maior precisão, as cargas e reduzindo a necessidade de grandes reservas de contingências. Controle Automatizado de Volt/VAR: A função de controle automatizado de Volt/Var controla capacitores e reguladores de tensão para melhorar a operação da rede e atingir os objetivos operacionais especificados. As perdas de rede são reduzidas através da minimização da transmissão de energia reativa. As perdas de excitação dos transformadores de distribuição são reduzidas. A capacidade da rede de distribuição existente será maximizada e poderá postergar os gastos com ampliações na rede. Cargas dependentes de tensão poderão ser ativamente gerenciadas para diminuir os picos do sistema, reduzir cargas como parte de um programa de gerenciamento de demanda ou melhorar a economia da rede durante os períodos de carga leve. A qualidade da energia pode ser mantida através do gerenciamento dos perfis de tensão dos circuitos de distribuição. 9

11 Orignal VVO Local Figura 7 Efeito do controle de Volt/Var do IDMS (VVO) sobre a demanda da subestação O controle de Volt/Var da rede de distribuição também pode aprimorar a confiabilidade da rede de transmissão associada, minimizando os impactos reativos de energia, fornecendo suporte reativo a fim de melhorar a estabilidade de tensão e reduzir a demanda durante as condições de pico de carga. O aspecto crítico para se atingir um resultado realmente efetivo a partir de Volt/Var automatizado é que os comandos de controle devem ser baseados na análise de uma área significativa da rede de distribuição e as alterações devem ser coordenadas em todos os dispositivos ativos reguladores. O método tradicional de controlar individualmente os dispositivos reguladores de tensão através de medições locais é incapaz de alcançar o nível de desempenho de rede com o controle automatizado e geral. Contudo, o IDMS é capaz de utilizar o modelo em tempo real da rede inteira para otimização da análise e pode controlar todos os dispositivos simultaneamente. A Figura 7 mostra um gráfico da demanda em uma subestação de distribuição (kw) por um período de 24 horas para os três casos: sem controle, controle local de dispositivos e controle coordenado via IDMS. Como se pode observar no gráfico, o IDMS é capaz de fornecer uma redução de % na demanda total sobre os métodos convencionais. 10

12 Infra-estrutura Avançada de Medição (AMI): Para muitas concessionária, a medição Automatizada dos Consumidores é o principal foco da implementação do Smart Grid. A instalação dos medidores eletrônicos e automatizados em cada consumidor proporciona a oportunidade de se obter muito mais informação sobre a operação da rede sendo muito importante que o IDMS seja capaz de explorar completamente estes dados. A exibição dos dados de cada medidor via AMI na visualização de rede fornece meios altamente eficientes para visualizar o estado do medidor em combinação com os dados de todos os outros elementos da rede como indica a Figura 8. O AMI pode aprimorar a operação do IDMS dos seguintes modos: Maiores detalhes e constantes informações dos perfis de carga do cliente utilizando as leituras em intervalos reduzidos do AMI ao invés dos dados de uma única leitura mensal para adaptar os perfis de carga armazenados. Exatidão do fluxo de energia da distribuição através da comparação dos dados atuais de carga com a alocação dos fluxos de circuitos monitorados pelo SCADA. Uma vez que o tratamento de dados do AMI é feita em tempo real, os dados de carga podem ser diretamente utilizados pelo software de Fluxo de Energia da Distribuição, aumentando a exatidão dos resultados em toda a rede. Uma vez que a recuperação de dados do AMI é feita em tempo real, será possível validar e melhorar o modelamento da resposta de voltagem de carga e das características de captura de carga fria. Os modelos de carga sendo continuamente adaptados com base nas leituras de AMI irão proporcionar uma base muito superior para o planejamento de atividades de operação em prazos mais longos. Mensagens automáticas de faltas vindas dos medidores de AMI irão auxiliar na identificação e consequente redução das durações de interrupção na rede uma vez que a extensão verdadeira das interrupções serão conhecidas antes mesmo dos clientes realizarem chamadas. A interrogação seletiva dos medidores de AMI permitirá uma determinação mais exata da extensão da falta e a verificação integral da atividade de restauração. Redução dos gastos operacionais evitando a utilização das equipes para apoiar na resolução de assuntos relativos a identificação do local da falta. Melhora na qualidade do modelo de rede através da identificação dos erros de conexão do cliente sem a custosa verificação manual. Auxílio na identificação de perdas não técnicas, uma vez que os fluxos de energia podem ser comparados com os valores esperados. O IDMS é uma ferramenta altamente eficiente para a utilização e exibição das informações do AMI e, ao mesmo tempo, o IDMS é capaz de explorar estas informações para melhorar a operação geral da rede. 11

13 Figura 8 Exibição dos Medidores Automatizados indicando o estado de energização Simulação e Treinamento: A arquitetura do IDMS permite que o Simulador de Treinamento do Operador seja fornecido utilizando-se os mesmos componentes de software, interfaces e Interface de Usuário que o sistema de gerenciamento de rede em tempo real e representa exatamente o comportamento e a resposta do sistema real. Deste modo, os operadores podem ser totalmente treinados em todos os aspectos operacionais de rede sob situações de rotina e de emergência. A exatidão do simulador de treinamento possibilita que este seja utilizado para desenvolver e validar as estratégias de operação do Smart Grid. Desenvolvimento Atual: A Southern Company e a Alabama Power Company, em conjunto com a AREVA, estão aumentando seus investimentos em SCADA de Distribuição, automação extensiva dos alimentadores e capacitores, GIS, Sistema de Gerenciamento de Faltas (OMS), dados móveis, e agora com a integração do AMI a fim de desenvolver, empregar e demonstrar o primeiro e mais completo Sistema de Gerenciamento de Distribuição Integrada (IDMS). Outras empresas públicas de distribuição poderiam utilizar o resultado deste projeto como guia para eventualmente instalar e utilizar os elementos que conduzem a um IDMS. Este projeto preenche o espaço entre as operações atuais e os sistemas Smart Grid de um futuro próximo. A apresentação descreve o IDMS e seu papel nas implementações do Smart Grid. O projeto do IDMS é co-financiado pelo US Department of Energy (DOE) GridWise Initiative e pelo Electric Power Research Institute (EPRI). O GridWise Alliance é um fórum onde as empresas do setor elétrico podem trabalhar em cooperação sobre um conjunto comum de assuntos. Ele proporciona soluções tecnológicas para suportar a visão do DOE de um sistema elétrico transformado. O DOE considera o IDMS como a plataforma de operação de distribuição da próxima geração para auxiliar no aumento da habilidade do país em fornecer um serviço elétrico mais confiável. 12

14 Conclusão: As expectativas do Smart Grid estão aumentando a pressão sobre todos os aspectos da operação de rede para alcançar um desempenho melhor. Uma vez que os níveis de automação da rede aumentam, também aumenta a necessidade de modelamento preciso em tempo real além de uma visualização eficiente. O desenvolvimento em direção ao AMI é um componente chave do Smart Grid e significa que ele se tornará uma ferramenta primordial para a observabilidade da operação do sistema em tempo real e para a resposta sob demanda do ssitema elétrico. A necessidade de capacidades de soluções automáticas de auto-cicatrização em todos os dispositivos utilizados em campo envolve um alto nível de conhecimento da conectividade em tempo real da rede combinada com as ferramentas de análise que possuem acesso às informações disponíveis. A habilidade em gerenciar a ampla introdução de dispositivos de geração distribuída, armazenamento de energia e sistemas de gestão da demanda requer funções avançadas de análise e controle amplas para toda a rede. A infra-estrutura regulamentada e as pressões competitivas irão exigir níveis cada vez mais altos de desempenho e confiabilidade da rede. É dentro deste ambiente de mudanças em grande escala na operação de rede, conhecido como Smart Grid, que o IDMS proporciona uma plataforma muito eficiente para o monitoramento e supervisão das redes de distribuição de energia.. 13

15 BIBLIOGRAFIA [1] Meir Shargal, Smart Grid: Leveraging Technology to Transform T&D Operating Models, Energy Pulse forum, 14

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo GE Digital Energy Power Quality Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo 2 Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo Conjuntos de Manobra em Paralelo A ligação em paralelo é uma operação,

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA A nova era de Smart Grids inteligentes exige subestações que possuam sistemas de automação mais sofisticados, permitindo aos operadores de

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

CA Network Automation

CA Network Automation FOLHA DE PRODUTOS: CA Network Automation agility made possible CA Network Automation Ajude a reduzir o risco e aprimore a eficiência da TI automatizando o gerenciamento de mudança e da configuração de

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS Prof. Roberto A. Dias, Dr. Eng CEFET-SC Igor Thiago Marques Mendonça Reginaldo

Leia mais

Comunicado à Imprensa

Comunicado à Imprensa Industry 4.0 Página 1 de 6 Beckhoff na Hanover Messe: Hall 9 Stand F06 Indústria 4.0 Fórum: Controle baseado em PC como base tecnológica para aplicações em fabricas inteligentes Com o Indústria Integrada

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados Smart Energy & Power Quality Solutions Registrador de dados ProData O mais compacto registrador de dados Inteligente e compacto: Nosso registrador de dados universal que mais gerencia os custos de energia

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais

Grid e Gerenciamento Multi-Grid

Grid e Gerenciamento Multi-Grid Principais Benefícios Alta disponibilidade, Escalabilidade Massiva Infoblox Oferece serviços de rede sempre ligados através de uma arquitetura escalável, redundante, confiável e tolerante a falhas Garante

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

FAdC Frauscher Advanced Counter

FAdC Frauscher Advanced Counter FAdC Frauscher Advanced Counter PT FAdC FRAUSCHER Advanced Counter A detecção de via livre do futuro O Frauscher Advanced Counter (FAdC) é a mais nova geração de sistemas de contagem de eixos com base

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios IBM Global Technology Services White Paper Novembro de 2010 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios Ajudando os negócios a permanecerem competitivos 2 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade

Leia mais

SOLUÇÕES DE RESILIÊNCIA E SEGURANÇA

SOLUÇÕES DE RESILIÊNCIA E SEGURANÇA SERVIÇO DE RESPOSTA A INCIDENTES D Solução de segurança que fornece orientações para o efetivo controle ou correção de ataques externos causados por vulnerabilidades encontradas no ambiente do cliente.

Leia mais

A visão inteligente em eficiência energética. Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW

A visão inteligente em eficiência energética. Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW A visão inteligente em eficiência energética Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW Os edifícios podem obter economias de energia de até 30% com

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência 2 Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Potente Trabalho em Equipe

Potente Trabalho em Equipe Potente Trabalho em Equipe SISTEMAS DE MEDIÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS PARA ÁGUA E GERENCIAÇÃO DE ENERGIA Lider no Setor de Suprimento de Água e Energia Sistemas e soluções confiáveis que se adaptam a

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010 Redes Inteligentes Como passo inicial do Conceito Smart Grid Belo Horizonte - 11/08/2010 A Rede Elétrica ONS Mercado De Energia NOSSO FOCO Geração Geração renovável Armazenamento Rede de Distribuição Negócio

Leia mais

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada.

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. SYSTIMAX Solutions imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. 1 Toda rede deve ser administrada. A questão é COMO? A visão: Conseguir o sucesso comercial a partir de uma melhor administração de

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Otimização de máquinas de papel da SKF

Otimização de máquinas de papel da SKF Otimização de máquinas de papel da SKF Aumentando a eficiência e a produtividade global das máquinas O Poder do Conhecimento em Engenharia Operação mais rápida e eficiente Nunca foi tão difícil operar

Leia mais

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy.

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. Monitoramento altamente confiável com valor agregado ACM avançado ACM básico Contadores

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Programas de atendimento ao cliente SureService. Aumente sua vantagem competitiva e a lucratividade de seus negócios

Programas de atendimento ao cliente SureService. Aumente sua vantagem competitiva e a lucratividade de seus negócios Programas de atendimento ao cliente SureService Aumente sua vantagem competitiva e a lucratividade de seus negócios Suporte sob medida para se ajustar perfeitamente Aumente a eficiência, corte custos,

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

ST-XXXXX-XXXX D-18954-2010. Ao seu lado no centro cirúrgico

ST-XXXXX-XXXX D-18954-2010. Ao seu lado no centro cirúrgico ST-XXXXX-XXXX D-18954-2010 Ao seu lado no centro cirúrgico 2 Nosso centro cirúrgico gera metade de nossa receita total anual. A eficiência dos processos é importante. D-18956-2010 D-18957-2010 O ambiente

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 Importantes informações de segurança estão contidas na seção de manutenção. Familiarize se com estas informações antes de instalar ou outros procedimentos.

Leia mais

Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional

Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional 00100.01 Action₀OMS

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE 38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE PROTEÇÃO ELÉTRICA VISTA COMO EFICIÊNICA ENERGÉTICA RICARDO DANIELI ZANIN 1 RENATO PESSANHA SANTOS 1 EDISON LUIZ MENDES 1 (1) Endereço: TME SANASA Rua Abolição, 180 Bairro:

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

NetMRI. Reduzir riscos e melhorar a eficiência da área de TI através de Configuração de rede automática e Gestão de mudança(s)

NetMRI. Reduzir riscos e melhorar a eficiência da área de TI através de Configuração de rede automática e Gestão de mudança(s) Benefícios para os Negócios Detecte e automatize mudanças de rede, e veja quem mudou o que, quando e onde, e monitore qual o impacto na condição e estabilidade da rede. Reduza as suposições com total descoberta,

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Enfileiramento Digital

Enfileiramento Digital Painel: Inovação Tecnológica e Eficiência Energética São Paulo, 6 de agosto de 2013 Gestão Inteligente de Eletricidade através de Enfileiramento Digital Cyro Vicente Boccuzzi Sócio Diretor da ECOEE Presidente

Leia mais

Sistemas Modernos de Distribuição de Energia

Sistemas Modernos de Distribuição de Energia Sistemas Modernos de Distribuição de Energia br.geindustrial.com Sistemas Modernos de Distribuição de Energia Negócios Modernos operam com Distribuição de Energia 24/7 No passado, engenheiros de projetos

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor O Gerenciamento Inteligente do Sensor, ou simplesmente ISM, é uma tecnologia digital para sistemas analíticos

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

GDE4000. Controlador de Demanda

GDE4000. Controlador de Demanda Controlador de Demanda Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA.

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA. SISTEMAS DE DETECÇÃO PERIMETRAL MAIS INTELIGENTES MicroPoint II Sistema de Detecção em Cercas MicroTrack II Sistema de Detecção de Cabo Enterrado MicroWave 330 Barreira de Microondas Digital PROTEÇÃO PERIMETRAL

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais