Do concurso de crimes ao «concurso de ilícitos» em direito penal. Cristina Maria da Costa Pinheiro Líbano Monteiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Do concurso de crimes ao «concurso de ilícitos» em direito penal. Cristina Maria da Costa Pinheiro Líbano Monteiro"

Transcrição

1 Cristina Maria da Costa Pinheiro Líbano Monteiro Do concurso de crimes ao «concurso de ilícitos» em direito penal Tese de doutoramento em Direito, orientada pelo Senhor Prof. Doutor Jorge de Figueiredo Dias e apresentada na Secção de Ciências Jurídico-Criminais da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra 2013

2

3 2 Cristina Maria da Costa Pinheiro Líbano Monteiro DO CONCURSO DE CRIMES AO «CONCURSO DE ILÍCITOS» EM DIREITO PENAL Dissertação de doutoramento em Direito, apresentada à Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, na área das Ciências Jurídico-Criminais, sob a orientação do Senhor Prof. Doutor Jorge de Figueiredo Dias Julho de 2013

4 3 Resumo O problema do concurso em direito penal traduz-se em duas questões fulcrais: no começo, a de saber se um sujeito cometeu um ou mais-do-que-um crime; depois, caso tenha praticado vários, a de estabelecer como deverá ser sancionado. O presente estudo centrar-se-á na primeira, como se a segunda inexistisse. Não por desconsideração das consequências jurídicas do delito, mas precisamente por se entender que as consequências são isso mesmo efeitos, reacções adequadas à conduta criminosa e que, portanto, a fixação desta última há-de constituir um prius da tarefa dogmática. A qualificação jurídico-penal de um comportamento protagonizado por um só agente oferece dúvidas (ao menos uma «dúvida metódica») ao julgador. Nomeadamente quanto ao número de crimes que integra. E saber quantos delitos alberga não pode deixar de passar pela identificação dos mesmos. Saber quantos, diz-se na tese, é saber quais. O problema do concurso consiste, pois, na individuação dos «factos» penalmente relevantes nele contidos. Ora, é essa individuação que não deve assentar na contagem das normas incriminadoras formalmente preenchidas. Tradicionalmente assim se faz, ainda que, em momento posterior a essa contagem, a soma possa ser corrigida, por se concluir que alguns desses tipos legais se encontram em relação hierárquica, de tal modo que a aplicação de um afasta a aplicação de outro. O que equivale a dizer: sob pena de se sancionar duas vezes o mesmo desvalor criminal. A ideia que aqui se propõe passa por uma inversão dessa maneira de pensar o concurso. Se é certo que os tipos constituem concretizações dos valores protegidos pelo direito das penas e das formas relevantes de os ofender, as condutas que atentam contra esses bens apresentam uma enorme variedade; tão grande que raramente pode afirmar-se que constituam a 'encarnação' de um só preceito ou a completa realização de dois ou mais. Ora, reduzida a problemática do concurso ao seu núcleo essencial unidade ou pluralidade de delitos de um mesmo autor, ultrapassadas, de outra parte, as dificuldades próprias de um ilícito assente no desvalor do resultado, e trazendo a questão do mundo abstracto das relações entre normas para o mundo dos concretos casos a julgar, fica muito perto um outro modo (simples, coerente e justo) de lidar com a matéria. Qual seja o de integrá-la no esquema normal da dogmática do «facto», identificando-a com a tarefa sempre recomeçada pelo juiz penal: a de individuar infracções. O concurso encontra assim o seu lugar na fase geral e objectiva (ainda não inapelavelmente singular) do processo de definição da antinormatividade criminal; ou seja, no juízo de ilicitude. A culpa não aumenta o número de violações das normas de determinação fixadas nesse contexto. Quando muito, retirar-lhes-á a relevância penal não há crime sem culpa. Na verdade, os critérios dogmáticos do juízo de culpa (da afirmação ou negação da censura definitiva dirigida ao indivíduo-agente) não se alteram pela circunstância de na definição do ilícito ter existido uma dúvida concursal. Não é outro o sentido da tese adoptada, quando reconduz o problema do concurso à definição de particulares conteúdos de ilícito pessoal; à descoberta, sempre recomeçada, da correspondência entre o significado pessoal-objectivo de um caso e o significado pessoal-objectivo da norma que mais de perto o agarre. Numa palavra: ao contrário do que resulta da generalidade das construções, o concurso de crimes esgota-se num concreto e situado «concurso de ilícitos».

5 4 Abstract The problem of the «concursus» in criminal law translates itself into two key issues: understanding whether an individual has committed one or more-than-one crime and, if dealing with several crimes, by establishing how it must be sanctioned. This work will focus on the first issue, as if the second never existed. It is not a question of disregard for the legal consequences of the offense, but precisely because it is understood that the consequences are just that effects, appropriate reactions to criminal conduct and thus setting the latter must constitute a prius to the dogmatic task. Qualifying a legal criminal behaviour carried out by a single agent offers some doubts (at least a "methodical doubt") to the judge, namely regarding the number of crimes it integrates. And knowing how many crimes were committed requires the identification of each one of them. Knowing how many, as it is referred in this thesis, is to know which. The problem of the «concursus» is therefore the individualization of the «facts» criminally relevant contained in it. Now, it is this individualization that should not be based on the count of the criminal provisions formally satisfied. Traditionally, it is so done, even if, sometime after this count, the sum can be corrected on the basis that some of these legal types are in a hierarchical relationship, such that the application of one precludes the application of another. Which is to say, at the risk of sanctioning the same criminal worthlessness twice. The idea proposed in this work involves a reversal in that way of thinking the «concursus» in criminal law. If it is true that the types are embodiments of the values protected by the law of penalties and the relevant forms of offending them, there is a huge variety of behaviours that violate those values; so great that they can rarely be said to constitute the 'incarnation' of one precept only or the full completion of two or more. So I reduced the problem of the «concursus» to its essential idea unity or plurality of offenses committed by the same author overcoming, on the other hand, the difficulties inherent to an offense based on the worthlessness of its result. When mingling the abstract world of the relationships between rules with the world of real cases to be judged, one other method to deal with the matter (simple, consistent and fair) comes to surface. Which is to integrate it into the normal scheme of the dogmatic of the «fact», identifying it with the task always resumed by the criminal judge: to individuate offenses. Therefore, the «concursus» in criminal law finds its place in the overall and objective stage of the definition of the criminal anti-normativity, i.e., in the judgment of illegality. The guilt does not increase the number of violations of the rules set in this context. If anything, it removes its criminal relevancy there is no crime without guilt. In fact, the dogmatic criteria for the judgment of guilt (the statement or denial of the censorship directed to the individual) remain unchanged by the tendering doubt occurring in the definition of the offense. Therefore, this thesis s direction is no other than to redirect the «concursus» in criminal law to the definition of specific contents of personal illicit; the discovery, always resumed, of the correspondence between the personal-objective meaning of a case and the personal-objective meaning of the rule closest to it. In a word, unlike the outcoming of most constructions, the «concursus» in criminal law exhausts itself in a concrete and objective «concursus of illicits».

6 5 ÍNDICE Siglas e abreviaturas... 9 Considerações iniciais PARTE PRIMEIRA O concurso ideal como pedra de toque da doutrina do concurso I. Introdução II. O conceito de unidade de acção na doutrina do concurso e na doutrina do crime: um esforço de clarificação O conceito de acção da doutrina do crime e o problema da unidade de acção do concurso ideal A acção em sentido naturalístico A unidade típica de acção A chamada «unidade natural de acção» A «unidade natural de acção» enquanto elemento do concurso ideal: uma primeira aproximação A «unidade natural de acção» como limite negativo do concurso a) A realização iterativa ou reiterada de um tipo legal de crime: a opinião maioritária b) A realização sucessiva ou progressiva do mesmo tipo de crime: a doutrina dominante III. Uma interpretação diferente do sentido da «unidade natural de acção»: unidade natural de acção e «juízo (jurídico) de culpa global» A passagem de uma «culpa meramente social» à culpa jurídico-penal O critério da «culpa jurídica global» aplicado ao chamado concurso ideal «homogéneo» A «unidade natural de acção» no denominado concurso ideal «heterogéneo» A jurisprudência e a doutrina maioritárias Uma releitura (crítica) da jurisprudência e da doutrina. A «culpa global diminuída» A «unidade natural de acção» ou «juízo de culpa global»: síntese do seu contributo para o problema do concurso... 63

7 6 IV. A «unidade natural de acção» e a «fórmula» (die Formel) na jurisprudência alemã A «unidade natural de acção» e a «Formel»: um só critério ou, pelo contrário, dois? A decisão do Reichsgericht de 28 de Abril de A «Formel» como expressão dogmática da «unidade natural de acção» A continuidade da jurisprudência alemã sobre o concurso ideal Apreciação crítica do concurso ideal tradicional V. Ingeborg Puppe e a normativização do concurso ideal VI. A mais recente doutrina portuguesa sobre o «concurso ideal» A tese de Duarte d Almeida A tese de Moutinho A tese de Figueiredo Dias VII. A valoração final do concurso ideal e a reposição do problema do concurso PARTE SEGUNDA O concurso como momento de determinação do sentido de ilícito de um comportamento. Concretamente, do seu sentido unitário ou plural I. Considerações introdutórias II. Do «concurso de crimes» ao «concurso de ilícitos» Caracterização do ilícito pessoal que está na base deste estudo A definitividade do dolo e da negligência determinados em sede de ilícito Introdução O problema da congruência entre dolo do tipo e dolo da culpa a) Dolo eventual e negligência consciente b) O erro sobre as «proibições legais» c) O erro sobre os pressupostos fácticos de uma causa de justificação d) Síntese conclusiva III. A utilidade do «concurso de ilícitos pessoais» Considerações gerais O «concurso de ilícitos» e a postergação do chamado «concurso aparente» A vexata quaestio do «efeito residual do preceito preterido»

8 Colocação do problema O ressurgimento («Wiederaufleben») da norma preterida A influência da norma afastada no sancionamento da conduta IV. Outras utilidades dogmáticas do preceito preterido? As questões de E. Peñaranda Ramos Apresentação do problema O «concurso aparente» e a participação criminosa O «concurso aparente» e certos casos de erro sobre a pessoa ou o objecto O procedimento dogmático habitual e a perspectiva do ilícito pessoal não minimalista Um quadro exemplificativo das constelações de error in persona vel objecto, de acordo com a perspectiva adoptada O «concurso aparente» e a «Wiederaufleben» V. O chamado «concurso aparente»: apreciação de diversas perspectivas dogmáticas Um problema inicial: separação entre metodologia e dogmática Diferentes opções que se assemelham no fundamental Alguns autores em particular A abordagem de Geerds A tese de Herbert Wegscheider O pensamento concursal de Eduardo Correia VI. O critério dogmático-material do «concurso de ilícitos» O ponto de partida A individuação das concretas unidades de sentido de ilícito Unidade do «facto» e significado intrínseco do tipo de ilícito «Significado intrínseco do tipo de ilícito» e normalidade do acontecer «Significado intrínseco do tipo de ilícito» e princípio da insignificância «Significado intrínseco do tipo de ilícito»: alguns casos limite e afinamento do critério «Significado intrínseco do tipo de ilícito» também nas hipóteses de qualificação e privilegiamento

9 8 VII. O «concurso de ilícitos» e os critérios tradicionais do chamado «concurso aparente» Colocação do problema A especialidade. O problema do critério lógico e a descoberta do critério normativo A subsidiariedade expressa. Uma interpretação consonante com o sentido de ilícito do caso Subsidiariedade e consunção. Duas categorias com um critério material, mas insuficiente A reafirmação do critério dogmático-material proposto neste estudo BIBLIOGRAFIA

10 9 Siglas e abreviaturas ADPCP Anuario de Derecho Penal y Ciencias Penales BFDUC Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra BGH Bundesgerichtshof BMJ Boletim do Ministério da Justiça CJ Colectânea de Jurisprudência CP Código Penal CPP Código de Processo Penal CRP Constituição da República Portuguesa DigDP Digesto delle Discipline Penalistiche EdD Enciclopedia del Diritto Estudos Estudos em/de homenagem a GA Goltdammer s Archiv für Strafrecht Hrsg. Herausgeber hrsgg. herausgegeben IP L Indice Penale JR Juristische Rundschau JuS Juristische Schulung JZ Juristenzeitung LG Landesgericht LK Strafgesetzbuch. Leipziger Kommentar Materialen Materialen zur Strafrechtsreform MDR Monatschrift für deutsches Recht MKrim Monatschrift für Kriminologie und Strafrechtsreform NJW Neue Juristische Wochenschrift NK Strafgesetzbuch. Nomos Kommentar NovissDI Novissimo Digesto Italiano NStZ Neue Zeitschrift für Strafrecht RDES Revista de Direito e de Estudos Sociais RFDL Revista da Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa RG Reichsgericht RItDPP Rivista Italiana di Diritto e Procedura Penale RLJ Revista de Legislação e de Jurisprudência RPCC Revista Portuguesa de Ciência Criminal S/S/ A. SCHÖNKE/H. SCHRÖDER/, Strafgesetzbuch. Kommentar

11 10 ScIvr Scientia Ivridica SK Systematischer Kommentar zum Strafgesetzbuch StPO Strafprozeβordnung StGB Strafgesetzbuch ZStW Zeitschrift für die gesamte Strafrechtswissenschaft

12 11 Considerações iniciais Estas considerações que dão começo à tese destinam-se a indicar o caminho andado ao longo das páginas que seguem, sublinhando do mesmo passo aquilo que constitui o 'miolo' teórico e prático do trabalho. Se o mote da investigação veio da prática jurisprudencial, de tantos casos de pluralidade criminosa que melhor se enquadrariam na unidade de crime; se os tribunais adoptavam, na esmagadora maioria das decisões, o critério de Eduardo Correia para separar concurso efectivo e «concurso aparente» 1 ; então, deveria rever-se o esquema deste autor. Porém, a intuição de que alguma coisa não convencia no tratamento habitual das situações de concurso surgiu também em certos quadrantes da doutrina portuguesa. E as soluções por outros encontradas para superar o problema encaminharam-se no sentido do 'ressurgimento' embora em moldes diferentes do «concurso ideal» 2. Tornou-se, assim, necessário, justificar por que motivo se não adere a esse modo de ultrapassar a questão. É, pois, nestes dois campos afinal unidos que surgem os principais contributos aqui forjados. Importa apresentá-los. 1. O problema do concurso em direito penal traduz-se em duas questões fulcrais: no começo, a de saber se um sujeito cometeu um ou mais-do-que-um crime; depois, caso tenha praticado vários, a de estabelecer como deverá ser sancionado. O presente estudo centrar-se-á na primeira, como se a segunda inexistisse. Não, com certeza, por desprezo das consequências jurídicas do crime: afinal, toda a ciência do direito das penas se ordena a discernir, nas 1 Tal critério será objecto de análise em vários pontos desta tese e corresponde às conclusões da própria dissertação de doutoramento do referido autor Unidade e pluralidade de infracções, publicada em Esta obra foi republicada, unida a um trabalho posterior sobre o mesmo tema, mas na sua dimensão processual penal Caso julgado e poderes de cognição do juiz. Dessa junção resultou um livro único EDUARDO CORREIA, A teoria do concurso, para o qual remetem as citações da obra no presente estudo. 2 No horizonte desta afirmação encontram-se as tomadas de posição de Luís Duarte d'almeida, José Lobo Moutinho e Jorge de Figueiredo Dias, analisadas no capítulo VI da Parte Primeira deste estudo. (A ordem seguida corresponde à data de publicação das respectivas obras).

13 12 concretas relações comunitárias em juízo, se deve haver lugar a punição e, em caso afirmativo, qual; ou se, pelo contrário, o comportamento não chega a configurar uma ofensa a bens jurídicos relevante para a ordem sancionatória de ultima ratio. Não por desconsideração, dizia-se, das consequências jurídicas do delito, mas precisamente por se entender que as consequências são isso mesmo efeitos, reacções adequadas à conduta criminosa e que, portanto, a fixação desta última há-de constituir um prius da tarefa dogmática. 2. Como se tornará claro ao longo do texto, a marca de água aquilo que singulariza este esquema concursal e o distingue de outros passa sobretudo pela recusa em dar ao problema do concurso um estatuto de 'questão à parte', incapaz de conter-se nos quadros dogmático-materiais usados para a identificação das condutas delituosas. Por diferentes palavras: assume-se que, para separar a unidade e a pluralidade de crimes perpetrados pelo mesmo agente, não se torna necessário sair das formas normais de aparecimento da infracção e entrar como tem sido a regra nas chamadas «formas especiais». 3. Julga-se que a razão principal que levou à colocação do problema nesse 'capítulo' a incapacidade dos sistemas clássico e neoclássico para misturar sempre, já em sede de ilícito, elementos subjectivos e objectivos, por outro lado inseparáveis na realidade da actuação humana se encontra ultrapassada pela moderna doutrina do «ilícito pessoal». Hoje em dia, e para os adeptos dessa forma de entender a dogmática, o único obstáculo que impede ainda a visão das coisas que aqui se propõe encontra-se, porventura, naquilo que se designou por versão minimalista do ilícito pessoal 3. Procurando o sentido mais fundo das valorações penais e, assim, das suas normas em sintonia com a concepção apresentada por A. M. Almeida Costa, chega-se a superar o referido entendimento de «injusto» criminal. O 3 Cfr., na Parte Segunda, II e III 1. O ilícito pessoal minimalista acaba por reduzir-se à admissão do dolo e da negligência como formas de ilícito (não apenas de culpa) e, por isso, de um tipo subjectivo ao lado de um tipo objectivo. Sem que exista uma unidade de sentido subjectivo-objectiva, mutuamente imbrincada; sem que o dolo do tipo passe de um dolo natural.

14 13 ilícito é pessoal, sim, facto ou obra de uma pessoa contrário a uma norma de determinação; e consubstancia, portanto, um conteúdo subjectivo-objectivo passível de ser censurado ao seu autor. Autor esse, porém, que só no plano dogmático da culpa aparece dotado das suas individuais características psicológico-emocionais. No juízo de ilicitude, o real agente do crime é avaliado «nas vestes de pessoa social», i.e., como detentor das capacidades do homemmédio da sua posição sócio-existencial. Daí que a valoração do facto permaneça objectiva não subjectiva, sem que o substrato dessa valoração prescinda da sua índole pessoal. Pode, por isso, afirmar-se, com A. M. Almeida Costa, que o ilícito penal é «a culpa do homem-médio» melhor, «a culpa do concreto agente enquanto 'presumível' detentor das características do homem médio» e que o seu critério é «pessoal-objectivo» A posse de semelhante noção de ilícito pessoal, não só torna o problema do concurso resolúvel no plano do ilícito, como permite, além disso, separá-lo do tratamento e da solução de certos temas (v.g., atinentes à matéria do erro ou da comparticipação) que alguma doutrina pretende 'colar' a um determinado enfoque da questão concursal 5. Quer dizer: colocar o problema do concurso no plano do ilícito, ao mesmo tempo que o simplifica inserindo-o na tarefa normal de qualificar um qualquer comportamento humano, naquilo que possui de penalmente relevante, abre igualmente as portas à correcta decisão das referidas hipóteses controvertidas, sem necessidade de as misturar ou fazer depender de concretas opções concursais. A teoria do erro em direito penal não precisa do concurso para alcançar soluções justas. Tão-pouco dele carece a doutrina da comparticipação criminosa 6. 4 Sobre esta concepção de «ilícito pessoal», veja-se ALMEIDA COSTA, Ilícito pessoal, Parte II, Tít. I, Capítulos I e III. Acerca da sua adopção neste estudo, leia-se, infra, o Cap. II da Parte Segunda. 5 Analisa-se, em particular, na Parte Segunda, capítulo IV, a obra de PEÑARANDA RAMOS, Concurso de leyes. Nela, o autor espanhol expõe, de forma clara, a questão a que se alude. 6 Veja-se, na Parte Segunda, IV 2. e 3.

15 14 5. A perspectiva do concurso de crimes que se propõe nestas páginas deveria receber o nome de «concurso de ilícitos» 7. Não apenas por se entender que o lugar dogmático da questão é o do «ilícito» e que o número de «factos» antijurídicos, uma vez encontrado, não pode aumentar, mas sobretudo porque o problema da unidade e da pluralidade de crimes não é diferente do da identificação ou qualificação dos conteúdos ou sentidos pessoais-objectivos de antinormatividade presentes no comportamento de alguém 8. O que traz consigo a impossibilidade de o enquadrar como uma questão de relações abstractas entre normas incriminadoras. Os crimes cometem-se no 'mundo da vida'. No 'mundo das normas' há-de procurar-se, não todos os tipos legais que o comportamento formalmente preencha para depois estabelecer uma hierarquia entre eles, mas tão-só aquele tipo de ilícito (já conjugado com as pertinentes regras da parte geral) cujo sentido parece corresponder ao sentido do caso em análise Convocado o tipo preponderante (ou no desenrolar dessa mesma tarefa), pode apresentar-se a dúvida sobre a sua capacidade para abranger sozinho, de um modo suficiente, todo o desvalor penal da situação. Essa dúvida a que se chama, no presente estudo, «dúvida concursal» 10 há-de resolverse, não procurando conexões das normas entre si, mas antes perguntando ao caso se a função do direito penal em relação a ele está cumprida com aquela primeira qualificação ou se, pelo contrário, deverá seleccionar-se mais algum tipo de ilícito. Dito de modo peremptório: o concurso não é um jogo de normas, mas um problema de individuação de ilícitos. A levar a cabo de acordo com os princípios que regem o direito das penas: além do da legalidade que, nesta 7 Sobre a concepção defendida no presente estudo, que reconduz o problema do concurso de crimes a um «concurso de ilícitos», infra, Parte Segunda, I e III. 8 Cfr., sobretudo, na Parte Segunda, IV 1. (em especial 1.1. e 1.2.). 9 Escreve-se no singular aquele tipo de ilícito para tornar mais simples o texto. Em rigor, deveria dizer-se aquele ou aqueles tipos de ilícito, uma vez que ao caso pode corresponder mais do que um tipo legal. 10 Sobre ela, veja-se IV 1.2. da Parte Segunda.

16 15 tarefa, impede que se separe o ilícito do tipo 11, os critérios da dignidade penal e da necessidade de intervenção penal. Como convém, aliás, a um direito criminal do facto, presidido por uma ideia de tutela subsidiária de bens jurídicos e de proporcionalidade (art. 18º, nº 2 da CRP). Não há portanto lugar, neste modo de enquadrar a questão, para o «concurso aparente», regulado pelo ne bis in idem substantivo, que se evidencia através das conexões de especialidade, subsidiariedade e consunção. E tão-pouco sobra espaço para a figura do «concurso ideal», seja qual for a designação por que se conheça a realidade normativa formada por mais de um delito, mas menos de dois. Quer dizer: julga-se que no direito dos crimes não existe qualquer mandamento que imponha esgotar todo o conteúdo de ilícito e de culpa de um comportamento. Tal ideia de esgotar parece provir de uma visão retribucionista (ainda que não professada) dos fins das penas e de um entendimento formal do princípio da legalidade. Este não pode funcionar como um colete-de-forças, que obriga a que cada tipo legal 'preenchido' pela conduta do agente deva reflectir-se na qualificação final da mesma O próprio «concurso aparente» há-de reconhecer-se mostra à evidência a preocupação de evitar sobreposições valorativas. A crítica que o presente estudo lhe dirige ultrapassa, porém, esse plano. E afirma que, mesmo quando não é evidente numa análise de enunciados abstractos uma dupla valoração do mesmo 'troço' de conduta, pode acontecer que o concreto juízo de ilicitude conclua pela desnecessidade de convocar um preceito (e a respectiva sanção). Porquê? Porque o sentido de antijuridicidade do comportamento em causa corresponde sem resto ao conteúdo de ilícito proibido (ou mandado) pela norma de determinação que mais de perto o agarra. Ou, observando o problema de outro ângulo, porque a aplicação deste tipo se mostra suficiente para cobrir as necessidades de tutela do bem ou bens jurídicos ofendidos na situação. 11 Problema que se julga afectar a ideia de unidade social de ilícito, proposta por Figueiredo Dias e já estudada em VI 3. da Parte Primeira. 12 O sentido do que se afirma encontra-se explicado na Parte Primeira, Cap. V, a propósito do pensamento concursal de Ingeborg Puppe. Aliás, o problema de esgotar ou não todo o conteúdo de ilícito do comportamento acompanha também a análise dos autores portugueses defensores do 'concurso ideal' (Cap. VI, igualmente da Parte Primeira).

17 16 Se, no caso, um conteúdo pessoal-objectivo de ilícito pertence a outro, está nele incluído independentemente de assim acontecer sempre, com carácter de necessidade e de, por isso, tal pertença não poder afirmar-se já em abstracto, então a reafirmação prospectiva deste outro previne igualmente a repetição do primeiro no futuro A primeira parte da tese ocupa-se de explicar por que razão o concurso ideal não parece necessário à doutrina do concurso. O próprio Código português, ao contrário do que acontece, por exemplo, na lei alemã, não o impõe. Apesar dos intentos recentes de nele encontrar indícios de uma figura de conexão de crimes subtraída ao regime sancionatório do concurso efectivo, nada obriga assim se entende a seguir tais interpretações. E, sobretudo, na ausência de uma norma semelhante à do 52 do StGB, torna-se difícil aderir ao recurso que alguns autores fazem à moldura penal do crime continuado 14, tal como difícil se torna aplicar um regime análogo apoiado na pura e simples lógica sancionatória, sem qualquer apoio legal Mesmo na perspectiva do direito a constituir, julga-se que a figura deste concurso ideal «normativo» alheio a considerações, tão vagas quanto difíceis, de unidade ou pluralidade de acções não será de implantar. Por um lado, por absorver no seu perímetro condutas que mais correctamente se apreciariam como simples unidades de crime. Por outro e inversamente, porque acaba por retirar do clássico concurso efectivo actuações que de lá não deveriam sair 16. Não há, pois, outro concurso senão o efectivo. Para além dele, abre-se todo o campo da unidade criminosa. Aquela que o é materialmente e uma outra que, por força da lei actual, se denomina crime continuado. Esta derradeira figura não será tratada, uma vez que não se torna impeditiva de tudo quanto se 13 O desenvolvimento argumentativo deste critério ocupa os nºs 1 e 2 do Cap. VI da Parte Segunda. E é retomado no cotejo deste padrão decisório com as categorias tradicionais do chamado «concurso aparente» (Cap. VII da mesma Parte). 14 Pensa-se em José Moutinho e Luís Duarte d Almeida (ver, na Parte Primeira, VI 2. e VI 1., respectivamente). 15 Esta é, actualmente, a ideia de Figueiredo Dias (cfr. VI 3., ainda na Parte Primeira). 16 Para o desenvolvimento destas razões, veja-se o VII e último Cap. da Parte Primeira deste estudo, assim como os textos para que remetem as notas que aí se encontram.

18 17 avançou: a mesma lei que a criou pode, de um golpe, desfazê-la, sem que tal venha bulir com a fronteira aqui proposta para a distinção entre unidade e pluralidade de ilícitos penais. 9. Em suma: a qualificação jurídico-penal de um comportamento protagonizado por um só agente oferece dúvidas (ao menos uma «dúvida metódica») ao julgador. Nomeadamente quanto ao número de crimes que integra. E saber quantos delitos alberga não pode deixar de passar pela identificação dos mesmos. Saber quantos, diz-se na tese, é saber quais. O problema do concurso consiste, pois, na individuação dos «factos» penalmente relevantes nela contidos. Ora, é essa individuação que não deve assentar na contagem das normas incriminadoras formalmente preenchidas. Tradicionalmente assim se faz, ainda que, em momento posterior a essa contagem, a soma possa ser corrigida, por se concluir que alguns desses tipos legais se encontram em relação hierárquica, de tal modo que a aplicação de um afasta a aplicação de outro. O que equivale a dizer: sob pena de se sancionar duas vezes o mesmo desvalor criminal. A ideia que aqui se propõe passa por uma inversão dessa maneira de pensar o concurso. Se é certo que os tipos constituem concretizações dos valores protegidos pelo direito das penas e das formas relevantes de os ofender, as condutas que atentam contra esses bens apresentam uma enorme variedade; tão grande que raramente pode afirmar-se que constituam a 'encarnação' de um só preceito ou a completa realização de dois ou mais. Ora, reduzida a problemática do concurso ao seu núcleo essencial unidade ou pluralidade de delitos de um mesmo autor, ultrapassadas, de outra parte, as dificuldades próprias de um ilícito assente no desvalor do resultado, e trazendo a questão do mundo abstracto das relações entre normas para o mundo dos concretos casos a julgar, fica muito perto um outro modo (simples, coerente e justo) de lidar com a matéria. Qual seja o de integrá-la no esquema normal da dogmática do «facto», identificando-a com a tarefa do juiz penal: a de individuar infracções.

19 18 O concurso encontra assim o seu lugar na fase geral e objectiva (ainda não inapelavelmente singular) do processo de definição da antinormatividade criminal; ou seja, no juízo de ilicitude. A culpa não aumenta o número de violações das normas de determinação fixadas nesse contexto. Quando muito, retirar-lhes-á a relevância penal não há crime sem culpa 17. Na verdade, os critérios dogmáticos do juízo de culpa (da afirmação ou negação da censura definitiva dirigida ao indivíduo-agente) não se alteram pela circunstância de na definição do ilícito ter existido uma dúvida concursal. Conclua-se. Não é outro o sentido da tese adoptada, quando reconduz o problema do concurso à definição de particulares conteúdos de ilícito pessoal; à descoberta, sempre recomeçada, da correspondência entre o significado pessoal-objectivo de um caso e o significado pessoal-objectivo da norma que mais de perto o agarre. Numa palavra: ao contrário do que resulta da generalidade das construções, o concurso de crimes esgota-se num concreto e situado «concurso de ilícitos». 17 Note-se que se a culpa determinar a pertença desse facto a um tipo legal com moldura diferente, o ilícito permanece o mesmo, mudando apenas a gravidade subjectiva do comportamento. É o que acontece, por exemplo, com o homicídio privilegiado do art. 133º CP.

20 19 PARTE PRIMEIRA O concurso ideal como pedra de toque da doutrina do concurso

DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO. 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos.

DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO. 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos. Teresa Quintela de Brito DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos. 2. Relações entre a parte geral

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA INFRACÇÃO PENAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA INFRACÇÃO PENAL Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular TEORIA DA INFRACÇÃO PENAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR É possível um finalismo corrigido? Saymon Mamede Várias teorias sobre o fato típico e a conduta surgiram no Direito Penal, desde o final do século XIX até hodiernamente. A pretensão deste artigo é expor

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Ementa aula 18 de abril de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Professor: Leandro França Advogado criminal; Sócio do Escritório Corsetti & França

Leia mais

Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22

Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22 Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22 (Autos de recurso penal) Assuntos: abuso de confiança não descoberta do caso por ninguém situação exterior típica de crime continuado oportunidade favorável

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

AULA 06. CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas Clássico, Neoclássico, Finalista e Funcionalista. TEORIA DO CRIME (cont.

AULA 06. CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas Clássico, Neoclássico, Finalista e Funcionalista. TEORIA DO CRIME (cont. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 06 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL Ataídes Kist 1 1 Docente do Curso de Direito da Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon. E-mail ataideskist@ibest.com.br 10 ATAÍDES KIST RESUMO: Na estrutura do Direito

Leia mais

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

Conferência sobre a Proposta de Lei de Bases da Política Pública de Solos, de Ordenamento do Território e do Urbanismo

Conferência sobre a Proposta de Lei de Bases da Política Pública de Solos, de Ordenamento do Território e do Urbanismo Conferência sobre a Proposta de Lei de Bases da Política Pública de Solos, de Ordenamento do Território e do Urbanismo 2.ª Mesa Redonda: Programação e Planeamento Territorial Moderadora: Conselheira Fernanda

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos:

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos: Pº C.C. 24/2010 SJC-CT DELIBERAÇÃO Assunto: Emissão pelos Serviços Consulares de certificado de capacidade matrimonial havendo suspeita de destinar-se a casamento de conveniência Os competentes Serviços

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório FEVEREIRO, 2014 Direito à integridade física e psíquica de recluso Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com

Leia mais

A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO

A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO 1 A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO SANTOS, T. M. Resumo: No decorrer deste trabalho, buscou-se trazer ao leitor a problemática envolvendo os crimes praticados tendo como objeto

Leia mais

O que é o Compliance

O que é o Compliance O que é o Compliance Compliance traduz-se como cumprimento, ou seja, a actuação de acordo com certos padrões obrigatórios de comportamento ou recomendações para uma determinada actividade económica ou

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados PDSP N.º 31/09 QUESTÃO O Senhor Dr. vem solicitar que o emita parecer sobre uma situação de eventual violação do sigilo profissional. O enquadramento factual, tal como exposto pelo Dr.... é, em síntese,

Leia mais

Consulta n.º 10/10 Assunto: norma especial norma geral

Consulta n.º 10/10 Assunto: norma especial norma geral Consulta n.º 10/10 Assunto: Livre consulta de processos e pedidos de certidões por Advogados sem necessidade de prévia junção ou exibição de procuração Artigo 74.º, n.º 1, do Estatuto da Ordem dos Advogados

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA justifiquem, concretamente, como e quando vieram à sua posse ou não demonstrem satisfatoriamente a sua origem lícita, são punidos com pena de prisão até três anos e multa até 360 dias. 2 O disposto no

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

Título do artigo: O CPA e a Administração Corporativa: o Estatuto da Ordem dos Advogados.

Título do artigo: O CPA e a Administração Corporativa: o Estatuto da Ordem dos Advogados. Título do artigo: O CPA e a Administração Corporativa: o Estatuto da Ordem dos Advogados. Nome do autor: Rui Duarte Jurista Citação: Duarte, Rui, O CPA e a Administração Corporativa: o Estatuto da Ordem

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE)

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) Artigo 185.º Tipos de insolvência A insolvência é qualificada como culposa ou fortuita, mas a qualificação atribuída não é vinculativa para efeitos da

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP Parecer relativo aos Projectos de Lei nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP A Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, após ter analisado os projectos de Lei supra referidos, entendeu dever fazer

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

A sinistralidade laboral e a responsabilidade criminal (Breves notas)

A sinistralidade laboral e a responsabilidade criminal (Breves notas) A sinistralidade laboral e a responsabilidade criminal (Breves notas) 1. Introdução 2. Preenchimento do crime do art. 277º, nºs 1, al. b) -2ª parte, 2 e 3 do Código Penal 3. Questão da autoria nesta criminalidade

Leia mais

OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA CRP DE 1976: ZONAS DE DIFERENÇA NO CONFRONTO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988* José de Melo Alexandrino

OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA CRP DE 1976: ZONAS DE DIFERENÇA NO CONFRONTO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988* José de Melo Alexandrino OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA CRP DE 1976: ZONAS DE DIFERENÇA NO CONFRONTO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988* José de Melo Alexandrino Prólogo Os direitos fundamentais constituem hoje em dia

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

Do regime jurídico da violência doméstica praticada contra a mulher no direito penal moçambicano Algumas considerações 1

Do regime jurídico da violência doméstica praticada contra a mulher no direito penal moçambicano Algumas considerações 1 Do regime jurídico da violência doméstica praticada contra a mulher no direito penal moçambicano Algumas considerações 1 Catarina Salgado 2 A violência doméstica não é um fenómeno novo, contudo só recentemente

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO. Licenciatura em Direito (Língua Portuguesa) DIREITO CRIMINAL 3 Ano Ano Lectivo de 2013/2014

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO. Licenciatura em Direito (Língua Portuguesa) DIREITO CRIMINAL 3 Ano Ano Lectivo de 2013/2014 UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO Licenciatura em Direito (Língua Portuguesa) DIREITO CRIMINAL 3 Ano Ano Lectivo de 2013/2014 PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA Parte I Questões Fundamentais Título I O Direito

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280.

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280. NOTA JURÍDICA 1) A MULTICENCO ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, S.A., ora CONSULENTE, solicitou esclarecimentos sobre a seguinte questão: a celebração, entre a CONSULENTE e o MUNICÍPIO DE SETÚBAL, de contrato

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA LEI PENAL Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA LEI PENAL Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular TEORIA DA LEI PENAL Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular TEORIA DA LEI PENAL (02317)

Leia mais

PARECER N.º 46/CITE/2007

PARECER N.º 46/CITE/2007 PARECER N.º 46/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS Exposição de motivos Vários instrumentos de direito convencional comunitário, assim como diversas decisões-quadro

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO:

NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO: NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO: O presente documento visa divulgar o entendimento da ACT sobre algumas questões que se colocam no âmbito da formação

Leia mais

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2.

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2. LEI N.º67/2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Artigo 1.º Aprovação É aprovado o Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais

Leia mais

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal O Mandado de Detenção Europeu José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal Contexto Tratado de Amesterdão (1999) Tratado da União Europeia Objectivo da União Europeia: a criação

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

DECISÃO N.º 4/2010 SRTCA. Processo n.º 04/2010

DECISÃO N.º 4/2010 SRTCA. Processo n.º 04/2010 DECISÃO N.º 4/2010 SRTCA Processo n.º 04/2010 1. Foi presente, para fiscalização prévia da Secção Regional dos Açores do Tribunal de Contas, o contrato de empreitada de construção e beneficiação dos caminhos

Leia mais

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Informação jurídica sobre o exercício da profissão de arquitecto em regime de subordinação I) Objecto da consulta Com a presente informação jurídica pretende-se clarificar se o exercício da profissão de

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

ALGUMAS NOÇÕES RELATIVAS A RACISMO E A RESPONSABILIDADE CIVIL

ALGUMAS NOÇÕES RELATIVAS A RACISMO E A RESPONSABILIDADE CIVIL PAULO MARRECAS FERREIRA Técnico Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Geral da República ALGUMAS NOÇÕES RELATIVAS A RACISMO E A RESPONSABILIDADE CIVIL Documentação e

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

1ª Comissão ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS

1ª Comissão ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS 1ª Comissão ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS Audição do Presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV), Prof. Doutor João Lobo Antunes, e dos membros

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

F O R M A Ç Ã O. Tribunal de Contas. Noel Gomes

F O R M A Ç Ã O. Tribunal de Contas. Noel Gomes F O R M A Ç Ã O Tribunal de Contas Noel Gomes Tribunal de Contas 1. Jurisdição O Tribunal de Contas (TdC) é, nos termos do artigo 214.º da CRP, o órgão supremo de fiscalização da legalidade das despesas

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL Lei nº67/2007, de 31 de Dezembro de 2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Entrará em vigor, no próximo dia 30 de Janeiro de 2008 (cfr. artº 6º), o

Leia mais

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE . PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-2439/86 (A6) DATA: 2000-02-03 Assunto: Instituições

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 5 /A/2007 (artigo 20º, nº1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril 1 ) I - ENUNCIADO -

RECOMENDAÇÃO Nº 5 /A/2007 (artigo 20º, nº1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril 1 ) I - ENUNCIADO - Número: 5/A/2007 Data: 26-04-2007 Entidade visada: Director-Geral dos Impostos Assunto: Sociedades de mediação de seguros. Prazo para apresentação da declaração de início de actividade. Processo: R-4816/05

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COMENTÁRIOS SOBRE A TEORIA DO FUNCIONALISMO PENAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COMENTÁRIOS SOBRE A TEORIA DO FUNCIONALISMO PENAL COMENTÁRIOS SOBRE A TEORIA DO FUNCIONALISMO PENAL Mary Mansoldo 1 Junho/2011 RESUMO: Trata-se de síntese introdutória sobre a Teoria do Funcionalismo Penal. Sem o propósito de aprofundamento, alguns conceitos

Leia mais

Breves notas sobre o regime do artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais

Breves notas sobre o regime do artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais Breves notas sobre o regime do artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais 1. INTRODUÇÃO 2. PERDA DE METADE DO CAPITAL Artigo 35º Perda de metade do capital 2.1 Noção de perda de metade do capital

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 9-A/2004 [artigo 20º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO

RECOMENDAÇÃO Nº 9-A/2004 [artigo 20º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO Número: 9/A/2004 Data: 25.10.2004 Entidade visada: Presidente do Governo Regional dos Açores Assunto: Suplemento de função inspectiva. Destacamento Área: 4 - Açores Processo: R-3694/03 (Aç) Sequência:

Leia mais

CONTRATOS PÚBLICOS, RESPONSABILIDADE E TRIBUNAL DE CONTAS

CONTRATOS PÚBLICOS, RESPONSABILIDADE E TRIBUNAL DE CONTAS CONTRATOS PÚBLICOS, RESPONSABILIDADE E TRIBUNAL DE CONTAS Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. PEDRO MELO Lisboa, 13 de Março de 2014 O TRIBUNAL DE CONTAS ENQUADRAMENTO O Tribunal de Contas

Leia mais

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS O ESPÍRITO HUMANO PROCURA LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS AO MENOS POR DOIS MOTIVOS Porque lhe dão um certo tipo de compreensão do real Porque lhe oferecem esquemas

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 56/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 56/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 56/X Exposição de Motivos O XVII Governo Constitucional assumiu o compromisso de consagrar um novo regime de responsabilidade civil extracontratual das pessoas colectivas públicas,

Leia mais

Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6)

Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6) Exm.º Senhor Secretário-Geral da FENPROF Rua Fialho de Almeida, 3 1070-128 LISBOA Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6) Assunto: Regime de autonomia, administração e gestão dos

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

Obrigação de comunicação das irregularidades : Modalidades práticas.

Obrigação de comunicação das irregularidades : Modalidades práticas. COMISSÃO EUROPEIA ORGANISMO EUROPEU DE LUTA ANTIFRAUDE (OLAF) POLÍTICA, LEGISLAÇÃO E ASSUNTOS JURÍDICOS Work Programs, Reports & Consultative Committee DOCUMENTO DE TRABALHO Obrigação de comunicação das

Leia mais

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO Transitada em julgado Proc. n.º 70/2013 - PAM 2ª Secção SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO I. Relatório 1 Nos presentes autos vai o presidente da Assembleia Distrital da Guarda, Júlio José Saraiva Sarmento,

Leia mais

A APLICAÇÃO DO DIREITO DA CONCORRÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA PELOS TRIBUNAIS COMUNS EM PORTUGAL (AC. RELAÇÃO DO PORTO DE 12.04.2010)

A APLICAÇÃO DO DIREITO DA CONCORRÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA PELOS TRIBUNAIS COMUNS EM PORTUGAL (AC. RELAÇÃO DO PORTO DE 12.04.2010) ARTÍCULOS 49 A APLICAÇÃO DO DIREITO DA CONCORRÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA PELOS TRIBUNAIS COMUNS EM PORTUGAL (AC. RELAÇÃO DO PORTO DE 12.04.2010) JOAQUIM CAIMOTO DUARTE E TÂNIA LUÍSA FARIA Advogados (*) A

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho de 2013

Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho de 2013 Uma no cravo, outra na ferradura Por Catarina Lima Soares* PALAVRAS-CHAVE: álcool, despedimento, justa causa, reserva da vida privada Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça N... P..., SA intentou, no dia 13 de Dezembro de 2005, contra AA, acção declarativa de condenação,

Leia mais

Subordinação ao direito público é:

Subordinação ao direito público é: A Administração e o direito público Subordinação ao direito público é: 1. Subordinação ao direito constitucional: não só porque é o vértice da pirâmide da ordem jurídica, mas também porque tem normas materialmente

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO JURÍDICA

CENTRO DE FORMAÇÃO JURÍDICA 1 CENTRO DE FORMAÇÃO JURÍDICA ESTÁGIO DE FORMAÇÃO PARA MAGISTRADOS E DEFENSORES PÚBLICOS 2 o CURSO PLANO DE ACTIVIDADES FORMATIVAS PARA O 2º CURSO ANOS DE 2006/2007 I. APRESENTAÇÃO DO PLANO DE FORMAÇÃO

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 1 /06-9JAN/ 1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 28/2005 (Processo n.º 1341/2005)

ACÓRDÃO Nº 1 /06-9JAN/ 1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 28/2005 (Processo n.º 1341/2005) ACÓRDÃO Nº 1 /06-9JAN/ 1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 28/2005 (Processo n.º 1341/2005) 1. RELATÓRIO 1.1. A Câmara Municipal de Oeiras, inconformada com o Acórdão n.º 157/2005, de 4 de Outubro, da 1.ª/SS,

Leia mais

Um Novo Processo Penal: Precisa-se

Um Novo Processo Penal: Precisa-se compilações doutrinais UM NOVO PROCESSO PENAL PRECISA-SE Rogério Osório PROCURADOR-ADJUNTO VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO UM NOVO PROCESSO PENAL - PRECISA-SE : 2 Um Novo Processo Penal: Precisa-se Rogério

Leia mais

Coordenação e Regência Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes. Colaboração Mestres João Gouveia de Caires e Rui Soares Pereira

Coordenação e Regência Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes. Colaboração Mestres João Gouveia de Caires e Rui Soares Pereira DIREITO PROCESSUAL PENAL 4.º ANO DIA Coordenação e Regência Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes Colaboração Mestres João Gouveia de Caires e Rui Soares Pereira Exame escrito / Frequência 05 de Junho

Leia mais

Análise Crítica do Crime de Violência Doméstica

Análise Crítica do Crime de Violência Doméstica Análise Crítica do Crime de Violência Doméstica TIPO DE CRIME: O crime de violência doméstica tipificado autonomamente desde a reforma penal de 2007 1, no art.º 152.º do Código Penal (CP), consubstancia-se

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII CONSIDERA O TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO NA CATEGORIA DE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO PELOS EDUCADORES DE INFÂNCIA HABILITADOS COM CURSOS DE FORMAÇÃO A EDUCADORES DE INFÂNCIA PARA EFEITOS

Leia mais