Do crime: imputabilidade e concurso de agentes. Do crime. Alexandre Reis de Carvalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Do crime: imputabilidade e concurso de agentes. Do crime. Alexandre Reis de Carvalho"

Transcrição

1 Do crime: imputabilidade e concurso de agentes Alexandre Reis de Carvalho Do crime A partir do Título II do CPM (art. 29 a 47) encontram-se as normas gerais formadoras do conceito teórico para o crime militar, o qual pode se valer daquele preconizado pela Teoria da Tipicidade formulada por Ernest Beling, no sentido de ser uma conduta humana típica, ou seja, em conformidade com o modelo (tipo) estabelecido na lei penal militar, contrária ao direito e culpável. O fato (ou conduta) típico, portanto, consubstancia-se em 04 (quatro) partes: conduta (comportamento humano positivo ou negativo), adequação a um tipo legal, resultado (arts. 30 a 32) e nexo de causalidade (art. 29 do CPM). Consoante à teoria final da ação, adotada pela Parte geral do Código Penal comum, é na conduta que se insere o elemento subjetivo do injusto (dolo) ou, nos crimes culposos, o elemento normativo do tipo. Contudo, deve-se ressaltar que o CPM (promulgado em 1969) foi moldado na teoria causal da ação, como se verifica da rubrica culpabilidade aposta à margem do artigo 33, que contempla o dolo e a culpa stricto sensu como elementos integrantes da culpabilidade. Segundo Romeiro 1, embora o CPM não houvesse sido formulado segundo os ditames da teoria finalista da ação, entendemos, por outro lado, que não a repele, no conjunto de seus dispositivos, como um aprumo doutrinário tão em moda em nosso país. 1 Op. cit., p Já a antijuridicidade, segundo elemento do conceito analítico do crime, reflete o antagonismo do fato típico com os objetivos da lei penal militar na tutela e preservação dos bens jurídicos. São excludentes da antijuridicidade, no Direito Penal Militar as hipóteses previstas nos incisos I a IV do artigo 42 (estado de necessidade justificante, legítima defesa, estrito cumprimento do 25

2 dever legal e exercício regular do direito) e, ainda, a causa de exclusão (justificante) do comandante (art. 42, parágrafo único, do CPM), também denominada de excludente inominada. Por sua vez, a culpabilidade (juízo de reprovabilidade, ou seja, reprovação jurídica formulado ao autor do injusto penal) é composta pela imputabilidade (art. 48 a 52 do CPM), potencial consciência da ilicitude (artigos 35 a 37) e exigibilidade de conduta diversa (arts. 38 e 40). Entre outras particularidades, note-se que o CPM adotou o erro de fato (art. 36) e erro de direito (art. 35), além do estado de necessidade excludente da culpabilidade (art. 39), diferentemente do previsto na lei penal comum. Feitas essas considerações iniciais, passaremos a analisar os institutos e elementos peculiares ao crime militar, recomendando a utilização dos Manuais e Tratados de Direito Penal para a complementação dos estudos referentes aos institutos comuns ao CPM e CPB. Relação de causalidade (art. 29) Algumas vezes, determinado evento criminoso não resulta exclusivamente da ação ou omissão do agente, havendo outras forças concorrentes denominadas de concausa, isto é, uma outra causa preexistente, concomitante ou superveniente, como, por exemplo, quando no crime de homicídio haja concorrido para o resultado morte as condições pessoalíssimas da vítima (hemofilia ou outra doença) ou a falta de tratamento adequado. A fim de resolver esse problema, conhecido como relação de causalidade, várias teorias foram excogitadas, adotando o CPM, nas pegadas do CPB, a teoria da conditio da sine qua non ou da equivalência dos antecedentes causais, segundo a qual não se distingue entre causa e condição, pois tudo que concorre para o resultado é causa. A fim de evitar o regresso ad infinitum, deve-se aferir se o autor da ação ou omissão investigada como causa do resultado agiu com dolo ou culpa, pois do contrário, se considerada somente a causalidade objetiva, não escaparia à responsabilização penal nem mesmo o fabricante e o vendedor da arma de fogo utilizada num roubo, latrocínio ou homicídio. A relevância da omissão como causa (art. 29, 2.º), quando o omitente podia e devia agir para evitar o resultado, possui redação e aplicação idêntica ao CP. 26

3 Quanto ao crime consumado e tentado (art. 30), a única diferença reside na previsão legal da aplicação facultativa da pena do crime consumado ao crime tentado, no caso de excepcional gravidade deste (art. 30, parágrafo único). O STM vem confirmando a aplicabilidade dessa faculdade nos crimes de homicídio tentado e latrocínio sem o resultado morte. De igual sorte, o STF tem considerado constitucional a aplicação do mencionado dispositivo legal. Quanto à conduta (crime doloso ou culposo), vale relembrar que tais conceitos encontram-se previstos no artigo 33, sob a rubrica culpabilidade, com semelhante redação e idêntica aplicabilidade ao direito penal comum. Do erro Erro é o falso conhecimento ou percepção da realidade, quer dos fenômenos físicos propriamente ditos (erro de fato), quer do conhecimento ou interpretação da lei (erro de proibição). A ignorância, que é a ausência do conhecimento, é equiparada ao erro para efeitos penais. Grande diferença existente entre o CPM e o CPB reside na teoria do erro. Enquanto a reforma de 1984 da Parte Geral do CPB, que inspirada na teoria finalista da ação, transferiu a incidência do erro, do fato e do direito para o tipo (erro de tipo) e para a ilicitude do fato (erro de proibição), o CPM manteve a tradição romanística 2 de distinguir entre o erro de fato e erro de direito. Erro de direito (art. 35) A pena pode ser atenuada ou substituída por outra menos grave quando o agente, salvo em se tratando de crime que atente contra o dever militar, supõe lícito o fato, por ignorância ou erro de interpretação da lei, se escusáveis. 2 ROMEIRO. Op.cit., p Note que o desconhecimento da lei não exime de responsabilidade penal o agente (error juris nocet), consoante disposto no mencionado artigo 35 do CPM e previsto expressamente no artigo 21, primeira parte, do CPB. Portanto, para que a pena possa ser reduzida ou substituída por outra menos grave, a falta de conhecimento da lei ou erro em sua interpretação deve ser escusável, ou seja, o erro revela-se inevitável (invencível) quando o agente não poderia superá-lo mesmo empregando a atenção ou a cautela que lhe eram exigidos. 27

4 3 Op. cit., p Segundo Alexandre Saraiva 3, a consequência mais justa e coerente na hipótese de erro invencível (escusável) é a total isenção da pena, uma vez que seu pressuposto lógico e fundamental (a culpabilidade) fica privado de um de seus elementos constitutivos (o potencial conhecimento da ilicitude do fato). Também merece atenção a ressalva feita pelo legislador penal de que o erro de direito não pode beneficiar o agente nos casos de crimes contra o dever militar. Tal exceção tem merecido críticas quanto à institucionalização da responsabilidade objetiva no Direito Penal Militar. Erro de fato (art. 36) É isento de pena quem, ao praticar o crime, supõe, por erro plenamente escusável, a inexistência de circunstância de fato que o constitui ou a existência de situação de fato que tornaria a ação legítima. 4 ASSIS, Jorge César. Op. cit., p. 95. Ensina Assis 4 que o dolo é natural, livre e consciente, portanto o erro de fato deve excluir o dolo do agente porque engana o agente, encobrindo os motivos ou circunstâncias que tornam o fato criminoso. Porém, para excluir o dolo e ser isento de pena, ou seja, isento da culpabilidade, na dicção da norma penal militar, o erro há de ser invencível (plenamente escusável), e aqui andou melhor o legislador castrense, quando previu no 1.º que, em sendo o erro culposo (evitável), o fato é punível a título de culpa. 5 SARAIVA, Alexandre José de Barros Leal. Op. cit., p Assim, para o erro de fato pode-se aplicar a seguinte fórmula: quando o erro [de fato] é invencível (plenamente escusável, na dicção da norma) exclui o dolo e a culpa; quando, por sua vez, o erro for vencível (inescusável ou culposo ), exclui somente o dolo, remanescendo a culpa (art. 36, 1.º). 5 Por derradeiro, o 2.º do mencionado art. 36 trata do erro provocado por terceiro, que pode ser doloso (ou preordenado) ou culposo, devendo o agente provocador responder pelo resultado a título de dolo ou culpa, respectivamente; enquanto o agente imediato (induzido ao erro) é isento de pena, salvo se procede com leviana credibilidade. Erro sobre a pessoa (art. 37) Quando o agente, por erro de percepção ou no uso dos meios de execução, ou outro acidente, atinge uma pessoa em vez de outra, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela que realmente pretendia atingir. Devem ter-se em conta não as condições ou qualidades da vítima, mas as da outra pessoa, para a configuração, qualificação ou exclusão do crime, e agravação ou atenuação da pena. 28

5 Nos artigos 35 e 36, o CPM tratou dos erros essenciais do crime, isto é, aqueles que recaem sobre elementos ou circunstâncias do tipo penal militar, sem as quais o delito inexistiria. O artigo 37 trata do erro sobre circunstâncias acidentais (acessórias) ou mesmo estranha ao modelo legal, não impedindo, contudo, a adequação típica da conduta, a exemplo do que ocorre na aberratio ictus, no error in personae e na aberratio criminis. Na aberratio ictus (desvio de golpe), o agente erra na execução ou ocorre um imprevisto e, em razão disso, atinge pessoa diversa da pretendida. No error in personae, igualmente, outra pessoa é atingida, porém o erro ocorre na representação (ou percepção), isto é, o agente toma um indivíduo por outro. Assim, é o feliz exemplo apresentado por Alexandre Saraiva 6 : se um soldado sentinela resolve matar o tenente oficial de dia e por erro acidental, quer na execução (aberratio ictus), v.g., erra os tiros, quer na representação (aberratio personae), v.g., toma um oficial por outro de aparência semelhante, e acaba atingindo e matando outro tenente que sequer estava de serviço, o agente será processado e julgado pelo crime previsto no artigo 158, 3.º (violência contra militar de serviço, qualificado pelo resultado morte). 6 Idem, p A aberratio criminis (ou aberratio delicti) ocorre quando o agente erra objetivamente na execução do crime, ou ocorre um acidente qualquer na fase executória, fazendo com que seja atingido bem jurídico de natureza diferente do pretendido. Como exemplo, um militar insatisfeito pretende danificar a fachada e as vidraças do prédio do comando de sua Organização Militar e, na primeira tentativa, acaba errando a edificação e acertando um colega de caserna que se encontrava saindo do prédio. Na hipótese, o agente responde por este resultado (diverso do pretendido) por culpa, desde que haja previsão legal (modalidade culposa) para tanto. Em qualquer das situações apresentadas (aberratio ictus, error in personae e aberratio criminis) pode acontecer que uma única conduta produza uma duplicidade de resultados, ou seja, ser atingida a pessoa (no caso da aberratio ictus ou error in personae) ou o bem jurídico visado (no caso da aberratio criminis), além do bem jurídico ou da pessoa que foram efetivamente alcanças pelo erro. Para tais hipóteses, o CPM contemplou (art. 37, 2.º) a aplicação do artigo 79, que preconiza a unificação das penas no concurso desses crimes. 29

6 Excludente de antijuridicidade (justificantes) Diz-se que uma ação é antijurídica quando contradiz uma norma jurídica (formal) e, em decorrência dessa contradição, lesiona ou põe em perigo os bens tutelados pela norma (material). Portanto, o traço característico e essencial da conduta criminosa é sua relação de contrariedade com o ordenamento jurídico, ao que se denomina antijuridicidade ou ilicitude. Assim, são causas excludentes da ilicitude: o estado de necessidade (justificante), a legítima defesa, o exercício regular de direito e o estrito cumprimento do dever legal, além da causa de justificação do Comandante causa de exclusão peculiar ao Direito Penal Militar que será estudada detalhadamente. As causas de justificação contidas no contidas no artigo 42 possuem redação e aplicação idêntica à lei penal comum, exceção feita ao estado de necessidade. Ocorre que o CPM adotou a teoria diferenciadora do estado de necessidade (teoria originária do direito alemão), distinguindo-o em estado de necessidade justificante (excludente da antijuridicidade art. 43) e em estado de necessidade exculpante (excludente da culpabilidade art. 39), promovendo, para tanto, verdadeiro balanço dos bens e interesses em conflito, ou seja, a ponderação entre o bem preservado e o sacrificado. Portanto, quando os bens e interesses necessariamente sacrificados são inferiores aos protegidos (preservados), o estado de necessidade é justificante (antijuridicidade); quando superiores ou iguais aos protegidos, o estado de necessidade é exculpante (culpabilidade). Por exemplo, quando um militar comete o crime de deserção (art. 187) e produz prova de que a ausência deu-se para amparar seus genitores que foram acometidos de grave enfermidade, o julgador poderá reconhecer, nessa hipótese, a ocorrência do estado de necessidade (alheio) excludente da culpabilidade, uma vez que, para o Direito Penal Militar o serviço militar é bem jurídico de hierarquia superior à vida (art. 205) e a integridade física (art. 209). Outra importante diferença apresenta-se na causa de justificação do comandante, prevista no parágrafo único do artigo 42: Art. 42. Não há igualmente crime quando o comandante de navio, aeronave ou praça de guerra, na iminência de perigo ou grave calamidade, compele os subalternos, por meios violentos, a executar serviços e manobras urgentes, para salvar a unidade ou vidas, ou evitar o desânimo, o terror, a desordem, a rendição, a revolta ou o saque. 30

7 A juíza auditora Telma Angélica 7 defende a possibilidade de o comandante fazer uso da violência física, inclusive ceifando a vida de seus subordinados, a fim de manter a ordem ou para salvar a unidade ou vidas, inclusive em tempo de paz. Na revolução constitucionalista de 1932, a região do vale do Paraíba foi considerada zona de guerra. Um oficial 8 comandante na linha de fogo matou um soldado porque o mesmo tinha se recusado a enfrentar o perigo e, com tal conduta, estava desencorajando os demais soldados. O referido oficial foi absolvido em 1.º e 2.º grau com fundamento na excludente de ilicitude do comandante (art. 21, 6.º, do então Código Penal da Armada). 7 FIGUEIREDO, Telma Angélica. Excludentes de ilicitude no Direito Penal Militar. São Paulo: Lúmen Júris, PORTO, Mario André da Silva. Direito Penal Militar. Rio de Janeiro: Fundação Trompowski, 2008, pp Interessante peculiaridade decorre da execução da pena de morte (art. 5.º, XLVII, letra a, da CRFB), em tempo de guerra, em que os militares designados para integrar o pelotão de fuzilamento estarão agindo no estrito cumprimento do dever legal. Excludente de culpabilidade (exculpantes) Coação irresistível e obediência hierárquica (art. 38): Art. 38. Não é culpado quem comete o crime: a) sob coação irresistível ou que lhe suprima a faculdade de agir segundo a própria vontade; [...] b) em estrita obediência a ordem direta de superior hierárquico, em matéria de serviços. [...] 1.º Responde pelo crime o autor da coação ou da ordem. 2.º Se a ordem do superior tem por objeto a prática de ato manifestamente criminoso, ou há excesso nos atos ou na forma da execução, é punível também o inferior. A coação irresistível e a obediência hierárquica também são causas de exclusão da culpabilidade representadas na exigibilidade de conduta diversa, uma vez que ao agente nada mais resta do que cumprir o que lhe está sendo imposto. Em relação à coação irresistível repousa a diferença de que o artigo 40 impede a exclusão da culpabilidade nos casos em que há violação do dever militar, salvo se a coação for física ou material. Tal dispositivo tem merecido questionamentos e críticas, embora ainda vigente. Quanto à obediência hierárquica cabe distinguir que no direito penal militar não se faz um juízo de legalidade da ordem (art. 22 do CPB ordem, não manifestamente ilegal), mas tão somente da natureza criminosa desta (art., 38, 2.º, primeira parte, do CPM se a ordem do superior tem por objeto a prática de ato manifestamente criminoso). 31

8 9 Op. cit., p Romeiro 9 esclarece que a possibilidade de apreciação da natureza criminosa da ordem no Direito Penal Militar, ainda que mais restrita que no Direito Penal comum, decorre da adoção de um sistema intermediário ou sincrético entre as teorias conhecidas em direito penal militar, como: a) teoria das baionetas inteligentes, segundo a qual o militar deve desobedecer (não obedecer) as ordens não objetivamente legítimas; e b) teoria da baioneta cega, em que não há possibilidade de recusa de obediência a ordem superior. A expressão ato manifestamente criminoso, usada no mencionado artigo 38, 2.º, do CPM, deve ser entendida, de forma objetiva, como aquela ordem cujo objeto seja de instantâneo e induvidoso conhecimento quanto à criminosidade do ato ordenado, não se exigindo maiores reflexões do subordinado. Por outro lado, a recusa de obediência a ordem superior configura o delito previsto no art. 163 do CPM. Estado de necessidade como excludente de culpabilidade (art. 39): Art. 39. Não é igualmente culpado quem, para proteger direito próprio ou de pessoa a quem está ligado por estreitas relações de parentesco ou afeição, contra perigo certo e atual, que não provocou, nem podia de outro modo evitar, sacrifica direito alheio, ainda quando superior ao direito protegido, desde que não lhe era razoavelmente exigível conduta diversa. Estado de necessidade é uma situação de perigo atual a interesses protegidos pelo direito, em que o agente, para salvar um bem próprio ou de terceiro, não tem outro meio senão o de lesar o interesse de outrem. Daí, afirmar-se que o estado de necessidade exculpante revela-se como excludente da culpabilidade decorrente da inexigibilidade de conduta diversa. Particularidade do Direito Penal Militar é adoção da teoria diferenciadora do estado de necessidade (originária do direito alemão), consoante já comentado nas excludentes da antijuridicidade. Portanto, se o bem jurídico sacrificado for de valor igual ou superior ao bem protegido, ocorrerá o estado de necessidade excludente da culpabilidade. Elementos não constitutivos do crime Art. 47. Deixam de ser elementos constitutivos do crime: I - a qualidade de superior ou a de inferior, quando não conhecida do agente; II - a qualidade de superior ou a de inferior, a de oficial de dia, de serviço ou de quarto, ou a de sentinela, vigia, ou plantão, quando a ação é praticada em repulsa a agressão. 32

9 Romeiro 10 ensina que figurando a disciplina e hierarquia como bens jurídicos tutelados, em especial, no Título II da Parte Especial Dos crimes contra a autoridade ou disciplina militar, os quais são todos dolosos ou preterdolosos, havendo, portanto, a necessidade de consciência por parte de o agente estar infringindo tais bens jurídicos. Inexistindo tal cognição, impõe-se a descaracterização desses crimes. 10 Op. cit., pp Assim, se um soldado pratica violência, de que resulta lesão corporal, contra superior, desconhecendo essa qualidade, por estar ele, por exemplo, à paisana (trajes civis), não comete o crime previsto no artigo 157, 3.º (violência contra superior), mas somente o do artigo 209 (lesão corporal leve). Se, embora sabendo tratar-se de um superior, reage o militar à agressão deste, se o fizer nos limites da legítima defesa, nenhum crime comete; se, entretanto, exceder-se e provocar lesões corporais, o agente responderá por estas, na modalidade dolosa (art. 209) ou culposa (art. 210), conforme as circunstâncias. Imputabilidade A imputabilidade penal é o somatório de condições pessoais do agente que o tornam capaz de entender o caráter ilícito de um determinado fato e comportar-se adequadamente diante desse entendimento, o que proporciona ao Estado aplicar-lhe a sanção penal. Em síntese, a imputabilidade é a capacidade de entender e querer (autodeterminar-se). Adotou o CPM, nos moldes do CPB, o chamado sistema biopsicológico ou misto, que sincretiza os sistemas biológicos e psicológicos. O primeiro leva em consideração unicamente a saúde mental do agente, isto é, se o agente é ou não doente mental ou possui, ou não, um desenvolvimento mental incompleto (v.g., no caso dos menores de 18 anos e os silvícolas inadaptados) ou retardado (v.g., os idiotas, imbecis, débeis mentais). O segundo leva em consideração exclusivamente a capacidade que o agente possui para apreciar o caráter ilícito do fato ou de comportar-se de acordo com esse entendimento. Reconhecida a inimputabilidade do agente, o juiz deve absolvê-lo e aplicar-lhe medida de segurança. Essa espécie de absolvição é conhecida como absolvição imprópria (art. 439, letra d, in fine, e 2.º, letra c, do CPPM). 33

10 De acordo com o parágrafo único do artigo 48, podem ocorrer situações em que o agente, em face de perturbação da saúde mental ou desenvolvimento mental retardado, apresente considerável diminuição na capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou a de autodeterminação, não fica excluída a imputabilidade, mas a pena pode ser atenuada, sem prejuízo do disposto no artigo 113, que trata da aplicação da medida de segurança. Em tais casos o agente é considerado semi-imputável (fronteiriço) e duas soluções se apresentam: o agente é condenado e se lhe aplica uma pena atenuada, diante da culpabilidade diminuída; o agente condenado, que necessite de especial tratamento curativo, tem a pena privativa de liberdade substituída pela medida de segurança (art. 113). O legislador penal militar adotou, portanto, o critério vicariante que veda a aplicação simultânea ou concorrente de pena e medida de segurança, tal qual é permitido no sistema do duplo binário. Embriaguez (art. 49) A embriaguez é a intoxicação aguda e transitória resultante da ingestão do álcool ou de substância análoga, como éter, morfina e outras drogas sintéticas ou naturais. O Direito Penal Militar, igualmente à legislação penal comum, isenta de pena tão somente a embriaguez completa e decorrente de caso fortuito ou de força maior, também chamada de embriaguez involuntária. Para os casos em que a embriaguez involuntária apenas diminui, ainda que consideravelmente, a capacidade de entender o caráter ilícito ou de autodeterminar-se de acordo com esse entendimento, a aplicação de decreto condenatório se impõe, porém de forma reduzida (art. 49, parágrafo único). Para os casos de embriaguez voluntária (dolosa ou culposa) e preordenada (embriaguez com motivação à prática de crime) o agente responde pelo delito, haja vista a ação livre na causa (actio libera in causa), com a agravante genérica prevista no art. 70, II, letra c, e parágrafo único, do CPM. A embriaguez patológica ou crônica equipara-se à doença mental, ensejando o reconhecimento da imputabilidade ou semi-imputabilidade do agente, nos termos do artigo

11 Menoridade (arts. 50 a 52) De acordo com os mencionados dispositivos legais, o CPM pretendeu reconhecer, em alguns casos, a responsabilidade penal do menor de 18 (dezoito) anos e maior de 16 (dezesseis), normas que não foram recepcionadas pela Constituição Federal (art. 228), restando como letra morta. Desse modo, somente o maior de 18 (dezoito) anos pode ser considerado imputável para a lei penal militar. Do concurso de agentes Art. 53 Quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este cominada. Com tal assertiva, o CPM filiou-se, assim como o CP, à teoria monística ou unitária, pela qual o crime é sempre único e indivisível, tanto no caso de unidade de autoria, quanto no de concurso de agentes. Contudo, as atenuações à teoria monista são facilmente percebidas, senão vejamos: a) no artigo 53, 1.º, há uma ressalva no sentido de que a punibilidade de qualquer agente é independente da dos outros, determinando-se de acordo com sua própria culpabilidade; e b) no 3.º do artigo 53 foi prevista a atenuação da punição em relação ao agente cuja participação no crime tiver sido de menor importância. Figura particular ao Direito Penal Militar é a previsão do cabeça (art. 53, 4.º e 5.º) 4.º Na prática de crime de autoria coletiva necessária, reputam-se cabeças os que dirigem, provocam, instigam ou excitam a ação. e 5.º. Quando o crime é cometido por inferiores e um ou mais oficiais, são estes considerados cabeças, assim como os inferiores que exercem função de oficial. O cabeça tem a pena majorada nos crimes previstos nos artigos 142 (tentativa contra a soberania do Brasil), 149 (motim), 182 (amotinamento de presos) e 368 (motim em tempo de guerra). O agente que, de modo geral, promove ou organiza a cooperação no crime ou dirige a atividade dos demais agentes; coage outrem à execução material do crime; instiga ou determina a cometer o crime alguém sujeito à sua autoridade, ou não punível em virtude de condição ou qualidade pessoal; ou executa o crime, ou nele participa, mediante paga ou promessa de recompensa, tem a pena agravada (art. 53, 2.º), de forma semelhante ao CP. 35

12 Casos de impunibilidade (art. 54) O ajuste, a determinação ou instigação e o auxílio, salvo disposição em contrário, não são puníveis se o crime não chega, pelo menos, a ser tentado. 11 Op. cit., p Saraiva 11 assevera que essa previsão comunga com a noção geral de que não bastam as exteriorizações do animus deliquendi, é necessário, ao menos, que se exponha o bem jurídico protegido a uma situação periclitante, embora alguns atos preparatórios sejam punidos por expressa previsão legal, diante de uma antecipação do legislador em resposta a um perigo iminente. Dicas de estudo A partir da redação contida no artigo 33 do Código Penal Militar, que trata da culpabilidade (dolo e culpa), analisar qual a teoria da ação adotada pelo legislador do Decreto-Lei 1001/69. Identificar quais são as excludentes da antijuridicidade e da culpabilidade previstas exclusivamente ou de modo particular no Código Penal Militar. Distinguir as teorias do erro adotadas no Código Penal Militar das contidas no Código Penal comum. Como sugestão, realizar a leitura do Capítulo IX, da obra Curso de Direito Penal, editora Saraiva, de Jorge Alberto Romeiro. Pesquisar na jurisprudência do Superior Tribunal Militar as decisões que admitem a participação de agente civil em crime propriamente militar praticado em concurso de agentes com militar da ativa. Compreender o conceito de cabeça e identificar os tipos penais que preveem expressamente essa figura peculiar do Direito Penal Militar. Identificar as hipóteses incidência dos elementos não constitutivos do crime, previstas no artigo 47 do CPM. Referências ABREU, Jorge Luiz Nogueira de. Direito Administrativo Militar. São Paulo: Método,

13 ASSIS, Jorge César. Comentários ao Código Penal Militar. (Parte geral). v ed. Curitiba: Juruá Editora, Comentários ao Código Penal Militar. (Parte especial). v ed. Curitiba: Juruá Editora, Direito Militar: aspectos penais, processuais penais e administrativos. 2. ed. Curitiba: Juruá, DA COSTA, Álvaro Mayrink. Crime Militar. 2. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, FIGUEIREDO, Telma Angélica. Excludentes de Ilicitude no Direito Penal Militar. São Paulo: Lúmen Júris, KOERNER Jr., Rolf. Obediência Hierárquica. Belo Horizonte: Del Rey, LOBÃO, Célio. Direito Penal Militar. Brasília: Brasília Jurídica, NEVES, Cícero Robson Coimbra; STREIFINGER, Marcello. Apontamentos de Direito Penal Militar. (Parte geral). v. 1. São Paulo: Saraiva, Apontamentos de Direito Penal Militar. (Parte especial). v. 2. São Paulo: Saraiva, NUCI, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal. (Parte geral e Parte especial). 4. ed. 2. tir. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, PORTO, Mario André da Silva. Direito Penal Militar. Rio de Janeiro: Fundação Trompowski, ROMEIRO, Jorge Alberto. Curso de Direito Penal Militar. (Parte geral). São Paulo: Saraiva, ROTH, João Ronaldo. Temas de Direito Militar. São Paulo: Suprema Cultura, SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito Penal. (Parte geral). 2. ed. Curitiba: ICPC; Lúmen Júris, SARAIVA, Alexandre José de Barros Leal. Comentários à Parte Geral do Código Penal Militar. Fortaleza: ABC editora, Crimes Contra a Administração Militar. Belo Horizonte: Del Rey, Crimes Militares. Fortaleza: Relevo Gráfica e Editora Ltda.,

14

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático.

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Aula de Direito Penal. 2015.02 Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Conceito analítico do crime. A teoria bipartida e tripartida do crime. Crime é uma conduta típica, ilícita

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

ESTUDOS DE DIREITO PENAL AVANÇADO TEORIA GERAL DO CRIME

ESTUDOS DE DIREITO PENAL AVANÇADO TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME Davi André Costa Silva Neste módulo CAUSAS DE EXCLUSÃO DO CRIME Estrutura do crime na teoria finalista Crime Fato típico Conduta (objetiva e subjetiva) resultado naturalístico nexo

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime

PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime DIREITO PENAL PONTO 3: Fato Típico PONTO 4: Conduta PONTO 5: Do Resultado PONTO 6: Nexo Causal ou relação de Causalidade TEORIA GERAL DO

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ DIREITO PROCESSUAL PENAL Professor Armando Antonio Sobreiro Neto

FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ DIREITO PROCESSUAL PENAL Professor Armando Antonio Sobreiro Neto DIREITO PENAL MILITAR NOÇÕES PREAMBULARES Conformação Constitucional: Lei Federal nº 6.880-09.12.80 - Estatuto dos Militares: Art. 14 - A hierarquia e a disciplina são a base institucional das Forças Armadas.

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro.

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro. FACULDADE: FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO: DIREITO DISCIPLINA: DIREITO PENAL PARTE ESPECIAL I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 075 4º- SEMESTRE: 2013 PROFESSOR(A): LÁSARO MOREIRA DA SILVA PLANO

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA Karina Nogueira Alves A legítima defesa é um direito natural, intrínseco ao ser humano e, portanto, anterior à sua codificação, como norma decorrente da própria constituição do

Leia mais

Subchefia para Assuntos Jurídicos

Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO-LEI Nº 1.001, DE 21 DE OUTUBRO DE 1969. Código Penal Militar Os Ministros da Marinha de Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar,

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

JORGE Luís de CAMARGO 1

JORGE Luís de CAMARGO 1 O ELEMENTO SUBJETIVO NAS EXCLUDENTES DE ILICITUDE E A NECESSIDADE DE SUA QUESITAÇÃO NOS PROCESSOS A SEREM JULGADOS PELO CONSELHO DE SENTENÇA NO TRIBUNAL DO JÚRI JORGE Luís de CAMARGO 1 Sumário: 1. Conceito

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime.

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime. DISCIPLINA: Direito Penal II SEMESTRE DE ESTUDO: 3º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR118 1. EMENTA: Teoria Geral do Crime. Sujeitos da ação típica. Da Tipicidade. Elementos.

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 3. Professor: Marcelo Uzeda. Monitor: Marcelo Coimbra

Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 3. Professor: Marcelo Uzeda. Monitor: Marcelo Coimbra Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 3 Professor: Marcelo Uzeda Monitor: Marcelo Coimbra 1) Concurso de Pessoas (continuação): Na aula passada estávamos falando no concurso

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

A OBEDIÊNCIA HIERÁRQUICA NO SISTEMA PENAL MILITAR

A OBEDIÊNCIA HIERÁRQUICA NO SISTEMA PENAL MILITAR A OBEDIÊNCIA HIERÁRQUICA NO SISTEMA PENAL MILITAR ALEXANDRE HENRIQUES DA COSTA 1º Tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Autor das obras Direito Administrativo Disciplinar Militar, Manual Prático

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies:

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies: DO CRIME Introdução O Brasil adotou somente dois tipos de infrações penais como a doutrina denomina de sistema dicotômico ou bipartido, conforme se extrai da leitura do art. 1º da Lei de Introdução ao

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri Caros concurseiros, é com imensa satisfação que hoje trago os comentários da prova de Direito Penal do cargo de Analista de Controle Externo do TCU, aplicada pelo CESPE/UnB no último fim de semana. Tenha

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

CONCURSO DE CRIMES MILITARES EM TEMPO DE PAZ*

CONCURSO DE CRIMES MILITARES EM TEMPO DE PAZ* CONCURSO DE CRIMES MILITARES EM TEMPO DE PAZ* João Carlos Toledo Júnior Acadêmico do 10º período da Faculdade de Direito DOM BOSCO. 1º Tenente da Polícia Militar do Paraná e Assessor Jurídico do Cmdo do

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre o crime de lesão corporal, sob a égide do Direito Constitucional

Leia mais

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social.

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social. DIREITO PENAL O Direito Penal é o conjunto de princípios e normas que disciplinam o crime, as contravenções, a pena e a medida de segurança. Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são

Leia mais

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito.

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-09 PERÍODO: 3 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Introdução:

Leia mais

PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal. 1. Suicídio art. 122 do CP:

PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal. 1. Suicídio art. 122 do CP: 1 PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal 1. Suicídio art. 122 do CP: Induzimento, instigação ou auxílio a suicídio Art. 122 - Induzir ou instigar alguém a suicidar-se

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

Aplicação da lei penal militar e crimes militares

Aplicação da lei penal militar e crimes militares Aplicação da lei penal militar e crimes militares Alexandre Reis de Carvalho Aplicação da lei penal militar O Código Penal Militar (CPM) vigente foi instituído pelo Decreto-Lei 1.001, de 21 de outubro

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente.

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente. &RQFHLWRGH'ROR 3RU$QGUp5LFDUGRGH2OLYHLUD5LRV(VWXGDQWHGH'LUHLWR Tão importante no Direito Penal, o conceito de DOLO, deve estar sempre presente na cabeça do advogado Criminalista. Pois, quem conhece e sabe

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO POLÍCIA MILITAR CFO / Julho 2009 PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO POLÍCIA MILITAR CFO / Julho 2009 PARECER DOS RECURSOS 65) Sobre o crime de homicídio, segundo o Direito Penal Militar, analise as afirmações a seguir. l Comete crime militar de homicídio o soldado PM da ativa que mata outro soldado PM da ativa, em plena via

Leia mais

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES A lei penal deve ser clara, precisa, atual e

Leia mais

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA.

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios XL Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal SEGUNDA PROVA

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE CRIME MENOS GRAVE NO DIREITO PENAL MILITAR. Jorge Cesar de Assis 1

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE CRIME MENOS GRAVE NO DIREITO PENAL MILITAR. Jorge Cesar de Assis 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE CRIME MENOS GRAVE NO DIREITO PENAL MILITAR Jorge Cesar de Assis 1 CONCURSO DE AGENTES versus CONCURSO DE PESSOAS Na maior parte dos casos, o delito é praticado por

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) 1 Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) PARTE GERAL PARTE GERAL TÍTULO I TÍTULO I DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL Anterioridade da Lei Legalidade Art. 1º - Não há crime sem

Leia mais

SUPERVENIÊNCIA DE CAUSA INDEPENDENTE CAUSAS INDEPENDENTES

SUPERVENIÊNCIA DE CAUSA INDEPENDENTE CAUSAS INDEPENDENTES RETA FINAL MINISTÉRIO PÚBLICO DE SP Direito Penal André Estefam Data: 1º/09/2012 Aula 2 RESUMO SUMÁRIO 1) Relação de Causalidade (continuação) 2) Superveniência de Causa Independente 3) Relevância Penal

Leia mais

TRIBUNAL DO JÚRI: A NOVA QUESITAÇÃO

TRIBUNAL DO JÚRI: A NOVA QUESITAÇÃO TRIBUNAL DO JÚRI: A NOVA QUESITAÇÃO Delmar Pacheco da Luz Procurador de Justiça 1 Questionário Seguramente este é um dos tópicos do Procedimento do Júri que sofreu as mudanças mais profundas. Há muito

Leia mais

DIREITO PENAL CURSO COMPLEMENTAR P/ ICMS-SP CURSOS ON-LINE PROFESSOR JULIO MARQUETI

DIREITO PENAL CURSO COMPLEMENTAR P/ ICMS-SP CURSOS ON-LINE PROFESSOR JULIO MARQUETI 8.2. DA APLICAÇÃO DAS PENAS. Agora vamos tratar das regras gerais para aplicação das penas. Nas linhas anteriores já falamos da aplicação das penas de multa e restritivas de direitos (itens 8.1.3.1 e 8.1.2.6).

Leia mais

OAB 1ª FASE EXTENSIVO Direito Penal Data = 04.06.2009 Aula = 7

OAB 1ª FASE EXTENSIVO Direito Penal Data = 04.06.2009 Aula = 7 TEMAS TRATADOS EM SALA CRIMES CONTRA A VIDA TITULO I I - Homicídio = Art. 121. II - Induzimento/Instigação/Auxílio ao Suicídio = Art. 122. III - Infanticídio = Art. 123. IV - Aborto = Art. 124/128. 1.

Leia mais

O crime propriamente militar de violência contra superior e a possibilidade de co-autoria de civil na prática do delito

O crime propriamente militar de violência contra superior e a possibilidade de co-autoria de civil na prática do delito O crime propriamente militar de violência contra superior e a possibilidade de co-autoria de civil na prática do delito Rogério Wagner Pinto [1] 1. - Introdução. O tema proposto é polêmico e divergente,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira QUESTÕES PROCESSO PENAL 1- É possível a incomunicabilidade do indiciado na atual conjuntura constitucional brasileira? Segundo o art.

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL RECADO AO ALUNO As matérias desta apostila foram reunidas e consolidadas para estudo dos alunos Instituto Marconi. A leitura e estudo deste conteúdo não exclui a consulta

Leia mais

Hans-Heinrick Jescheck, para quem "culpabilidade é reprovabilidade da formação de vontade. O conceito de culpabilidade se manifesta, segundo o

Hans-Heinrick Jescheck, para quem culpabilidade é reprovabilidade da formação de vontade. O conceito de culpabilidade se manifesta, segundo o CULPABILIDADE A história da culpabilidade é caracterizada por uma constante e intensa evolução, indo desde os tempos em que bastava o simples nexo causal entre a conduta e o resultado (responsabilidade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA TEORIA GERAL DO DELITO

A EVOLUÇÃO DA TEORIA GERAL DO DELITO Fortium Projeção Katia Maria Bezerra da Costa A EVOLUÇÃO DA TEORIA GERAL DO DELITO Brasília DF 2007 A EVOLUÇÃO DA TEORIA GERAL DO DELITO Kátia Maria Bezerra da Costa i Resumo: O presente artigo trata do

Leia mais

CARTILHA AUDITORIA MILITAR

CARTILHA AUDITORIA MILITAR CARTILHA AUDITORIA MILITAR 2013 PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA Héverton Alves de Aguiar SUBPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA Cláudio José de Barros Silveira CHEFE DE GABINETE Éverson Antônio Pini Idealização: Centro

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira Saudações aos amigos concurseiros que realizaram a prova do TRE PB. Analisei as questões de Direito Penal (área judiciária e área administrativa) e estou disponibilizando o comentário das mesmas. Na minha

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Embriaguez: uma análise dos artigos 26 e 28 Código Penal brasileiro. Nathalia Botelho Portugal

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Embriaguez: uma análise dos artigos 26 e 28 Código Penal brasileiro. Nathalia Botelho Portugal Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Embriaguez: uma análise dos artigos 26 e 28 Código Penal brasileiro Nathalia Botelho Portugal Rio de Janeiro 2013 NATHALIA BOTELHO PORTUGAL Embriaguez:

Leia mais

(E) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. II. Da Aplicação da Lei Penal. 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que

(E) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. II. Da Aplicação da Lei Penal. 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que II. Da Aplicação da Lei Penal 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que (A) elimina circunstância atenuante prevista na lei anterior. (B) comina pena mais grave, mantendo a definição do crime

Leia mais