MANUAL DO PRONTUÁRIO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO PRONTUÁRIO 1"

Transcrição

1 MANUAL DO PRONTUÁRIO 1

2 2

3 3

4 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 6 2. DEFINIÇÃO 8 3. NORMAS GERAIS 9 4. FORMULÁRIOS DO PRONTUÁRIO SOLICITAÇÃO DE INTERNAÇÃO ANAMNESE MÉDICA PRESCRIÇÃO MÉDICA EVOLUÇÃO MULTIPROFISSIONAL ALTA HOSPITALAR SUMÁRIO DE ALTA SOLICITAÇÃO DE DESOSPITALIZAÇÃO (HOSPITAL DE RETAGUARDA OU HOME CARE) FORMULÁRIOS DE PACIENTES CIRÚRGICOS ANAMNESE E EXAME FÍSICO RELATÓRIO CIRÚRGICO FORMULÁRIOS E DOCUMENTAÇÃO ANESTÉSICA FICHA DE AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO FICHA DE ANESTESIA RECEITAS DE PSICOTRÓPICOS E MEDICAMENTOS RESTRITOS FICHA DE RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA IMPRESSOS DA ENFERMAGEM ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM EVOLUÇÃO MULTIDISCIPLINAR CONTROLES ESSENCIAIS UNIDADE DE INTERNAÇÃO CONTROLES ESSENCIAIS UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM SAE ORIENTAÇÕES PARA PREVENÇÃO DE QUEDA EM AMBIENTE HOSPITALAR PLANO DE CURATIVO IMPRESSOS E REGISTROS FARMACÊUTICOS EVOLUÇÃO MULTIDISCIPLINAR TERMO DE RESPONSÁBILIDADE DE MEDICAMENTO PRÓPRIO 32 4

5 10. REGISTROS DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO INICIAL EVOLUÇÃO MULTIDISCIPLINAR RELATÓRIO DE TRANSIÇÃO ENTRE UNIDADES E RESUMO DE ALTA IMPRESSOS E REGISTROS DE NUTRIÇÃO TRIAGEM NUTRICIONAL ANAMNESE NUTRICIONAL EVOLUÇÃO MULTIDISCIPLINAR AVALIAÇÃO NUTRICIONAL TERAPIA NUTRICIONAL - ENTERAL E/OU PARENTERAL TERMOS DE CONSENTIMENTO POLÍTICA DE PRESCRIÇÃO MÉDICA NORMA DE PRESCRIÇÃO SIGLAS E ABREVIAÇÕES NA PRESCRIÇÃO RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA COMISSÃO E REVISÃO DE PRONTUÁRIOS NORMATIZAÇÃO ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA NUTRIÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA FISIOTERAPIA CÓDIGO DE ÉTICA ENFERMAGEM CÓDIGO DE ÉTICA FARMACÊUTICO ACESSO AS INFORMAÇÕES E REGISTROS DOS PRONTUÁRIOS DURANTE O PERÍODO DE INTERNAÇÃO APÓS A ALTA HOSPITALAR E ARQUIVAMENTO EMISSÃO DE CÓPIAS DOS PRONTUÁRIOS SOLICITAÇÃO PELO PACIENTE OU ACOMPANHANTE/RESPONSÁVEL LEGAL PACIENTES DE ALTA OU ÓBITO SOLICITAÇÃO PELO PACIENTE OU ACOMPANHANTE/RESPONSÁVEL LEGAL PACIENTES INTERNADOS SOLICITAÇÃO PARA ENSINO E PESQUISA 57

6 1. INTRODUÇÃO O prontuário representa o conjunto de documentos padronizados que se destinam ao registro dos cuidados profissionais prestados ao paciente pelos serviços de saúde públicos ou privados. Compõe assim, um conjunto de documentos relativos à história de vida do paciente e de sua doença, escrita de modo claro, conciso e acurada, sob o ponto de vista médico- social, buscando-se garantir a necessária uniformidade estatística. Deste modo o prontuário constitui peça integrante do ato médico, com todas as implicações profissionais, legal e ética. Tem valor individual específico para o cliente e valor coletivo como elemento de estudo de uma casuística clínica. Representa um tipo de contrato, sendo o instrumento de ligação entre os profissionais e o paciente de valor legal e jurídico e com implicações como tal. Nesse cenário, para os profissionais da saúde o prontuário é um instrumento de grande valia no diagnóstico e tratamento do paciente, bem como para a defesa de sua atividade profissional, definindo sua competência profissional. Possibilita a evolução do corpo clínico e, ao médico-legista, fornecer laudo com toda segurança. Representa então, meio de comunicação, em que cada profissional fornece informações no âmbito de sua especialidade, e um meio de integração da equipe de saúde da instituição. Como instrumento de comunicação deve ter linguagem clara e concisa, evitando códigos pessoais, taquigrafia e grafia ilegível. É ainda valioso instrumento de ensina e pesquisa, facilitando o estudo de diagnósticos e avaliação terapêutica. A ficha de atendimento médico e o prontuário são documentos fundamentais e devem ser completos, legíveis, sem muitas abreviaturas e códigos pessoais, com registro de todos os passos do tratamento, todas as reações do paciente, suas eventuais faltas ou resistências em seguir o tratamento proposto e as soluções tentadas para superar as dificuldades surgidas 6

7 durante o acompanhamento e/ou internação. O prontuário é o principal instrumento para a defesa ou acusação do profissional. Por envolver matéria eminentemente técnica a prova a ser produzida em processos desta natureza consiste, basicamente no exame do paciente, de seu prontuário e dos laudos de exames. Este documento abordará os seguintes tópicos: Regulamentar o acesso aos dados referentes aos pacientes registrados nos prontuários, garantindo que sejam tratados de acordo com as responsabilidades éticas, legais e políticas do Hospital; Garantir que a assistência prestada esteja totalmente registrada, preservando os direitos dos pacientes e dos profissionais da área da saúde envolvidos; Garantir a guarda adequada dos prontuários para que não haja perda ou extravio de documentos; Estabelecer atividades para assegurar a melhoria contínua de qualidade dos registros constantes no prontuário do paciente, principalmente em relação a registros incompletos e/ou ilegíveis quando da assistência prestada ao paciente; Definir o formato, conteúdo e normas para o preenchimento adequado do prontuário do paciente. 7

8 2. DEFINIÇÃO O prontuário do paciente, anteriormente denominado prontuário médico é definido através da Resolução nº 1638/2002 do Conselho Federal de Medicina, como documento único constituído de um conjunto de informações, sinais e imagens registradas, geradas a partir de fatos, acontecimentos e situações sobre a saúde do paciente e a assistência a ele prestada, de caráter legal, sigiloso e científico, que possibilita a comunicação entre membros da equipe multiprofissional e a continuidade da assistência prestada ao indivíduo. A International Organization for Standardization (ISO) define que o prontuário do paciente é a coleção de informação relativa ao estado de saúde de um sujeito armazenada e transmitida em completa segurança, acessível a qualquer usuário autorizado. O prontuário segue um padrão para a organização da informação, aceito universalmente e independente do sistema. Seu principal objetivo é assegurar serviços de saúde de modo contínuo, eficiente e com qualidade, juntamente com informação retrospectiva, corrente e prospectiva. 8

9 3. NORMAS GERAIS Os formulários e impressos utilizados na instituição são padronizados, e são necessários para garantir segurança e agilidade de processos, e do próprio paciente. Todas as informações requeridas nos impressos e formulários devem ser devidamente preenchidas, pois terão utilidade na comunicação entre as equipes, além do próprio registro formal que promove segurança para todos os envolvidos. Os documentos necessários para internação de pacientes, através da recepção são: FORMULÁRIOS NECESSÁRIOS PARA INTERNAÇÃO Formulários SUS Convênio Particular Sócio Solicitação de internação X X X X Guia TISS do convênio ou da BP X Laudo de exame (se houver) X X X X Orçamento (se não houver pacote) X Laudo de AIH / CERSUS X Os pacientes internados deverão receber obrigatoriamente visita médica pela equipe responsável, mesmo se paciente estiver internado em unidade de terapia intensiva. São obrigatórios para a equipe médica: - Evolução diária - Prescrição diária - Preenchimento de relatórios e formulários requeridos pela comissão de controle de infecção hospitalar, auditoria ou qualquer outro setor da instituição que demandar, nos prazos informados. 9

10 Como normas gerais de preenchimento, destacam-se: Toda vez que houver preenchimento de algum formulário ou impresso, o profissional responsável deve anotar a data e o horário do preenchimento; Todas as anotações devem ser corretamente identificadas, com nome e registro no conselho regional pertinente de maneira legível (ou carimbo) e com assinatura; O prontuário do paciente é um documento importante, e não pode ser retirado do setor onde está guardado sem autorização registrada pelo responsável pelo setor; Os impressos e formulários devem ser preenchidos nos períodos recomendados para cada um deles, especificamente; A instituição poderá convocar o profissional a qualquer momento para elaboração ou esclarecimento do preenchimento de qualquer um dos impressos; É proibida a cópia do prontuário ou qualquer uma de suas partes, exceto para pacientes, responsáveis legais e jurídico; As anotações e evoluções devem ser feitas em ordem cronológicas, não sendo permitidas anotações retrospectivas ; A legibilidade do prontuário é crítica para garantir a segurança do paciente. Para garantir a legibilidade, são indispensáveis uma caligrafia minimamente compreensível, e a não utilização de abreviações, gírias e siglas, em especial aquelas pouco conhecidas ou aquelas com duplo significado; Não é permitido escrever a lápis ou utilizar corretivo líquido. Não são aceitas rasuras, adulterações ou rabiscos. Os impressos devem ser preenchidos de forma completa, legível,com caneta esferográfica. Quando houver erro ou a informação for inadequada, deve-se colocá-la entre parênteses e utilizar a expressão SEM EFEITO ou NÃO SE APLICA ou NÃO SE REFERE ou DIGO. A justificativa do cancelamento da anotação e a alteração do teor devem ser registradas no formulário de evolução multiprofissional, ou outra apropriada, na data de realização da alteração; A prescrição médica requer avaliação presencial do paciente. Não é permitido realizar prescrição integral de admissão por ordem telefônica. No entanto, em algumas situações, a prescrição por ordem verbal é inevitável, visando o bem-estar e segurança do paciente. Alguns medicamentos podem ser prescritos por ordem verbal, devido à necessidade, e ao baixo risco que oferecem. As normas para ordem verbal telefônica estão descritas no item de Política de prescrição

11 Observações: Em caso de prescrição de medicamentos cuja posologia é variável, de acordo com a função renal ou outro parâmetro de ajuste, a posologia inicial deve ser prescrita. Caso a posologia precise ser alterada, o médico deve inserir na prescrição, após o item específico Modificado, rubricando, carimbando e registrando o horário. No final da prescrição ele deve inserir um novo item, constando o nome do medicamento e a posologia, registrando nome, carimbo e horário. Em caso de prescrição de medicamentos cuja posologia é frequentemente variável, de acordo com o estado clínico, como por exemplo, as drogas vasoativas em UTI, o médico deve prescrever o medicamento e posologia originais. Caso a posologia precise ser alterada, o médico deve inserir na prescrição, após o item específico Modificado, rubricando, carimbando e regis-trando o horário. No final da prescrição ele deve inserir um novo item, constando o nome do medicamento e a posologia, registrando nome, carimbo e horário. Não é permitido o uso de ACM ou A critério médico no lugar da posologia. Em caso de urgência, o médico poderá realizar a prescrição verbal, que será anotada no formulário de prescrição de urgência. Ao final do atendimento, o médico deverá assinar e carimbar o formulário. 11

12 4. FORMULÁRIOS DO PRONTUÁRIO Cada formulário possui suas características e normas, que devem ser cumpridas, de forma a assegurar a qualidade dos registros e das práticas assistenciais. São elas: 4.1. SOLICITAÇÃO DE INTERNAÇÃO Os pacientes deverão ser encaminhados ao setor de internação com o formulário de solicitação devidamente preenchido. Entre as informações que devem estar presentes na solicitação, destacam-se: Identificação do paciente; Caráter da internação e se será efetuada na véspera do procedimento; Data da internação; Diagnóstico com o CID 10 correspondente; Previsão do tempo de permanência; Anotação dos exames que levaram ao diagnóstico; Co-morbidades e ALERGIAS deverão ser assinaladas; Orientação e prescrição pré-operatória; Identificação do médico solicitante

13 4.2. ANAMNESE MÉDICA A anamnese admissional bem como o exame físico devem estar documentados no prontuário nas primeiras 24 horas da internação; O registro da anamnese (frente) e do exame físico (verso) deverá ser efetuado em formulário próprio; Todos os campos devem ser preenchidos; Registrar hipóteses diagnósticas iniciais e as co-morbidades ; Atenção especial ao PLANO TERAPÊUTICO e ao TEMPO DE PERMANÊNCIA PREVISTO; O plano terapêutico é essencial, pois orientará toda a equipe multiprofissional quanto aos cuidados requeridos para o paciente; Nele deve constar o sumário da conduta médica prevista, seja investigação ou tratamento, e mais a orientação de cuidados previstos para serem executados pela equipe multiprofissional. Neste plano terapêutico devem ser informados quais os riscos previstos para o paciente, e, se for o caso, quais os protocolos institucionais os quais o paciente deverá ser inserido. 13

14 4.3. PRESCRIÇÃO MÉDICA A prescrição médica deve ser realizada diariamente. Cada prescrição tem a validade de 24 horas. A política completa de prescrição está descrita no item 12. Deverá ser efetuada em formulário apropriado com identificação do paciente; Data e hora da prescrição, bem como eventuais modificações, deverão estar registradas; Utilizar um item por linha, para ser possível o aprazamento da enfermagem. NÃO UTILIZAR ESPAÇOS INADEQUADOS; A prescrição deve ser diária, LEGÍVEL e vinculada à visita médica; Não utilizar abreviaturas ou apelidos para as drogas; A prescrição do medicamento deve contemplar o nome completo do medicamento (nome do princípio ativo do fármaco ou nome comercial ), dosagem, freqüência de administração e quando pertinente, a diluição e tempo de administração; A prescrição de medicamentos se necessário deve ser substituída por indicação específica (ex: se dor, se febre, se náusea, se prurido, se diarréia, etc.); Qualquer suspensão ou alteração de um item previamente prescrito deve ser claramente registrada pelo médico; As prescrições por ordem telefônica serão lançadas de forma especial na prescrição e deverão ser endossadas pessoalmente pelo médico em 24 horas. Os medicamentos controlados somente serão ministrados através de prescrição em prontuário; A prescrição de anti-neoplásicos deverá ser feita em formulário específico; Medicamentos de alto custo deverão ser solicitados em formulário próprio onde deverá constar a identificação do paciente, o medicamento solicitado com a dose, posologia e período de tratamento, o diagnóstico com CID e a justificativa do uso do medicamento, além da identificação do médico solicitante

15 4.4. EVOLUÇÃO MULTIPROFISSIONAL A evolução médica deverá ser feita no formulário da Evolução Multiprofissional sempre com DATA e HORA; A evolução deverá ser diária e vinculada à visita médica; Não é permitida a realização de evolução médica retrospectiva, ou desvinculada da visita médica ao paciente; Na evolução multiprofissional devem ser registrados impressões, exame físico, resultados laboratoriais relevantes, condutas, alterações no plano terapêutico e outros registros de ordem técnica. Registros pessoais ou administrativos devem ser realizados em livro de ocorrência ou outro instrumento apropriado; Todas as especialidades envolvidas no atendimento devem registrar na evolução suas observações; Para dar suporte às decisões e permitir a continuidade do tratamento, devem constar na evolução dados que possibilitem a identificação dos problemas do paciente e os resultados dos principais exames subsidiários; Todos os procedimentos realizados e eventuais intercorrências devem constar na evolução; As decisões e as discussões entre as equipes que participam do atendimento devem estar documentadas no prontuário; A previsão de alta deve estar destacada para facilitar as ações da equipe multidisciplinar no preparo dos cuidadores, principalmente para aqueles pacientes que irão para casa com cuidados especiais; Os profissionais da equipe multiprofissional, incluindo enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, fonoaudiólogos, nutricionistas, odontólogos, psicólogos e terapeutas ocupacionais, também farão suas anotações neste impresso, seguindo a ordem cronológica da avaliação. 15

16 4.5. FICHA DE SOLICITAÇÃO DE INTERCONSULTA: A ficha de solicitação de interconsulta tem como objetivo a garantia da continuidade da informação entre médico solicitante e médico que efetivará a interconsulta. O médico solicitante deverá preencher o formulário de solicitação de interconsulta, com o motivo da solicitação, data e hora e sua identificação. A equipe e a especialidade solicitadas deverão estar anotadas. Casos de urgências requerem o contato verbal entre as equipes. A norma de solicitação de interconsultas contempla os seguintes aspectos do preenchimento do prontuário: Toda solicitação de interconsulta sem urgência deve ser feita por escrito tanto na prescrição como em formulário próprio, constando equipe e especialidade a ser convocada, descrição de dados clínicos relevantes, hipótese diagnóstica e qual a demanda requisitada para o especialista; No caso de avaliações não urgentes, o médico convocado tem até 1 hora a partir da chamada para responder por via telefônica, e 24 horas para responder presencialmente à solicitação, caso isso não ocorra, a prática médica deverá ser acionada para conduta; A resposta à interconsulta deve ser feita no formulário de evolução multiprofissional, com registro de data e horário da resposta. Em caso de avaliações urgentes deve ser feito contato telefônico para passagem dos casos entre médicos, sem dispensar o preenchimento do formulário; Poderão ser solicitados: Parecer, definido como avaliação pontual; Acompanhamento, definido como avaliações seriadas, com frequência dependente da demanda, até a resolução ou conduta definitiva do problema em questão; Transferência do paciente, definida como alteração de titularidade, que requer solicitação e aceite registrados em prontuário médico, e ciência do paciente ou responsável legal; Além de anamnese, exame físico e orientações, o especialista que responde à solicitação deve prestar esclarecimentos necessários ao paciente e a seus acompanhantes. Não é permitido que o médico responsável pelo paciente deixe de avaliar ou dar informações ao paciente a não ser após a efetivação de uma transferência. A prescrição de anti-neoplásicos deverá ser feita em formulário específico; Medicamentos de alto custo deverão ser solicitados em formulário próprio onde deverá constar a identificação do paciente, o medicamento solicitado com a dose, posologia e período de tratamento, o diagnóstico com CID e a justificativa do uso do medicamento, além da identificação do médico solicitante. 16

17 5. ALTA HOSPITALAR 5.1. SUMÁRIO DE ALTA A alta hospitalar não pode ser realizada com antecedência, segundo disposição do Conselho Federal de Medicina, por se tratar de ato médico, que requer avaliação presencial e conduta. Os documentos relativos à alta médica só podem ser emitidos no mesmo momento que a alta médica estiver sendo realizada. Cabe lembrar que a alta médica deve ser realizada preferivelmente até às 10h horas da manhã. No momento da alta do paciente, o formulário de Sumário de Alta deve ser preenchido. Este documento tem como objetivo resumir os fatos da internação, registrando formalmente os desfechos, condutas e orientações tomadas. Além de permitir consulta objetiva em caso de necessidade de nova internação do paciente. O Sumário de Alta deve ser preenchido de forma legível, sem abreviaturas ou siglas, formulário este carbonado sendo que a 1 via (branca) será entregue ao paciente e a 2 via (canário) permanecerá no prontuário. 17

18 O Sumário de Alta deverá conter: Identificação do Paciente; Diagnóstico de admissão; Diagnóstico definitivo; Outros diagnósticos; Quadro clínico e evolução; Tratamento clínico/cirúrgico realizado e/ou outros procedimentos; Exames subsidiários relevantes e resultados; Condições de alta; Alta a pedido *formulário específico com explicações e locais para assinaturas com testemunhas; Orientações e terapia medicamentosa prescrita; Em caso de retorno assinalar o tempo determinado; Identificação do médico (nome, n º do conselho e assinatura); Receituário médico é também elaborado com cópia carbonada para ser entregue uma via ao paciente e a outra via (canário) permanecer no prontuário. No caso de receitas de medicamentos controlados ou antibióticos as 2 vias serão entregues ao paciente, sendo anotados os medicamentos prescritos nas orientações de alta. 18

19 5.2 SOLICITAÇÃO DE DESOSPITALIZAÇÃO (HOSPITAL DE RETAGUARDA OU HOME CARE) A solicitação para continuidade de tratamento em hospital de retaguarda ou em ambiente domiciliar ( Home Care ) deve ser feita em formulário próprio contendo: Relatório Médico com um resumo da internação, diagnóstico principal e secundário, necessidade de ambulância para remoção, medicamentos utilizados, necessidades e recomendações tais como acompanhamento de enfermagem, fisioterapia e fonoaudiologia, dieta, utilização de oxigênio, necessidade de cama hospitalar e cadeira de rodas; Relatório de Enfermagem; Anotações do Setor de Regulação. 19

20 6. FORMULÁRIOS DE PACIENTES CIRÚRGICOS 6.1. ANAMNESE E EXAME FÍSICO O formulário contendo a anamnese e exame físico de pacientes cirúrgicos devem estar preenchidos antes do ato cirúrgico (exceto casos de urgência/emergência comprovados ); Os exames pré-operatórios realizados que permitiram a suspeita e/ou confirmação diagnóstica devem estar descritos na folha de anamnese; Deve constar a doença diagnosticada que motivou a internação e diagnósticos secundários; Não se esquecer de anotar, no caso de lesões lateralizadas ou órgãos pares, o lado afetado; No Plano Terapêutico colocar a cirurgia proposta e a sequência do tratamento e no Acompanhamento Multidisciplinar os envolvidos diretamente na assistência ao paciente; O tempo previsto de internação deve estar registrado; O médico que efetuou a anamnese e exame físico deverá estar identificado e também a equipe a qual pertence. 20

21 6.2. RELATÓRIO CIRÚRGICO O relatório cirúrgico deve ser preenchido logo após o procedimento, antes de sua transferência. Deverá conter: Identificação do paciente; Identificação dos componentes da equipe cirúrgica e do anestesista; Tipo de anestesia; Data da cirurgia não esquecendo hora do início e término do procedimento; Cirurgia proposta e Cirurgia realizada; Quando pertinente anotar intercorrências durante o ato operatório; Descrever a cirurgia realizada de forma LEGÍVEL, com a inclusão dos materiais utilizados. 21

22 7. FORMULÁRIOS E DOCUMENTAÇÃO ANESTÉSICA A documentação necessária para procedimentos anestésicos deverá conter obrigatoriamente informações da Avaliação Pré-Anestésica, Termo de Consentimento de Anestesia e Sedação, Ficha de Anestesia e Ficha de Recuperação Anestésica FICHA DE AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA Identificação do anestesiologista; Identificação do paciente; Dados antropométricos; Antecedentes pessoais e familiares; Exame físico, incluindo avaliação das vias aéreas; Diagnóstico cirúrgico e doenças associadas; Tratamento (incluindo fármacos de uso atual ou recente); Jejum pré-operatório; Resultados dos exames complementares eventualmente solicitados e opinião de outros especialistas, se necessário; Estado físico; Prescrição pré-anestésica; Consentimento informado específico para a anestesia. 22

23 7.2. TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Este documento é obrigatório e deverá ser preenchido, pelo médico anestesiologista na presença do paciente ou responsável legal, antes da realização de anestesia e/ou sedação moderada e profunda, exceto nos casos de urgência/emergência comprovados. O novo Código Civil no seu artigo 15, tornou o consentimento informado fundamental na relação médico paciente. O Desembargador Miguel Kfouri Neto define o consentimento informado como o comportamento mediante o qual se autoriza alguém à determinada atuação. O Código de Ética Médica reforça esse entendimento, mas salienta que a autorização deve ser dada pelo paciente se ele se encontrar esclarecido sobre o procedimento a ser submetido. Portanto o principal objetivo do TCLE Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, terminologia adotada pela Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, é obter, na forma escrita, dois registros importantes: o esclarecimento médico sobre o procedimento, riscos de possíveis complicações, suas conseqüências, benefícios, malefícios e as alternativas de tratamento ou experimentação terapêutica a qual o paciente será submetido; e a sua autorização e/ou representante legal para a realização do procedimento. No caso do incapaz o termo deve ser assinado pelo seu representante legal (pais, tutor, curador) e no caso do relativamente incapaz, que é a situação dos maiores de 16 anos e menores de 18 anos, o termo deve ser assinado pelo paciente, pais, médico e duas testemunhas. Existem situações em que o médico está liberado de solicitar o consentimento do paciente para realizar o procedimento: 1ª Iminente risco de morte. 2ª Tratamento compulsório. 3ª Recusa à informação. Importante ressaltar que não obstante o Termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) ser um documento que protege as partes, é fundamental manter e zelar pela boa relação médico-paciente. Devem constar no formulário os seguintes campos: Data e hora; Identificação do paciente ou responsável com RG e CPF; Nome completo e assinatura do paciente e/ou responsável; Assinatura do médico, nº de registro no conselho e carimbo. 23

24 7.3. FICHA DE ANESTESIA Identificação do(s) anestesiologista (s) responsável (is) e, se for o caso, registro do momento de transferência de responsabilidade durante o procedimento; Identificação do paciente; Início e término do procedimento; Técnica de anestesia empregada; Recursos de monitoração adotados; Registro da oxigenação, gás carbônico expirado final (nas situações onde foi utilizado), pressão arterial e frequência cardíaca a intervalos não superiores há dez minutos; Soluções e fármacos administrados (momento de administração via e dose); Intercorrências e/ou eventos adversos associados ou não à anestesia/sedação RECEITAS DE PSICOTRÓPICOS E MEDICAMENTOS RESTRITOS A utilização de certos psicotrópicos requer uso de receituário específico, normatizado pela Vigilância Sanitária. Certos medicamentos podem ter uso restrito e regulado, como é o caso dos antibióticos de amplo espectro, regulados pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Caso solicitado, o médico deverá emitir o receituário ou formulário apropriado para cada situação. 24

25 7.5. FICHA DE RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA Identificação do(s) anestesiologista(s) responsável(is) e, se for o caso, registro do momento de transferência de responsabilidade durante o internamento na sala de recuperação pós-anestésica; Identificação do paciente; Momentos da admissão e da alta; Recursos de monitoração adotados; Registro da consciência, pressão arterial, frequência cardíaca, oxigenação, atividade motora e intensidade da dor a intervalos não superiores a quinze minutos; Soluções e fármacos administrados (momento de administração via e dose); Intercorrências e/ou eventos adversos associados ou não à anestesia. 25

26 8. IMPRESSOS DE ENFERMAGEM 8.1. ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM Objetivo: Constitui parte integrante do registro de Enfermagem e deve incluir todas as informações relativas ao processo de cuidado desta equipe ao paciente, organizadas de forma a reproduzir os fatos na ordem em que ocorrem. As anotações de enfermagem têm como principal finalidade fornecer informações sobre assistência prestada, assegurar comunicação entre os membros da equipe de saúde e garantir a continuidade das informações nas 24 horas, além disso, fornecem dados que irão subsidiar o enfermeiro em sua análise reflexiva e no planejamento do cuidado. Assim, a Anotação de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), pois é fonte de informações essenciais para assegurar a continuidade da assistência. Contribui, ainda, para a identificação das alterações do estado e das condições do paciente, favorecendo a detecção de novos problemas, a avaliação dos cuidados prescritos e, por fim, possibilitando o entendimento das respostas do paciente frente aos cuidados prestados. Deve ser realizada em formulário específico Anotação de Enfermagem e as regras para realização da Anotação constam no POP Anotação De Enfermagem que pode ser consultado no Qualiware EVOLUÇÃO MULTIDISCIPLINAR Objetivo: Descrever a evolução do quadro clínico do paciente nas últimas 24 horas, baseando-se nas respostas frente às intervenções pré-estabelecidas através da prescrição de enfermagem, bem como os protocolos em que o paciente está inserido, mantido ou sendo excluído. Conteúdo básico: é uma atividade privativa do enfermeiro devendo utilizar-se de linguagem clara, concisa e exata, com ausência de códigos pessoais e abreviaturas desconhecidas (seguir o siglário institucional). Seu registro deve ser feito em formulário específico Evolução Multiprofissional, devendo constar data, hora, assinatura e carimbo com o número do Conselho de Enfermagem (COREN). Tal documento não deve possuir rasura. 26

27 8.3. CONTROLES ESSENCIAIS UNIDADE DE INTERNAÇÃO Objetivo: Registrar a cada 4 horas os Sinais Vitais dos pacientes das Unidades de Internação adulto e infantil através do impresso Controles essenciais - Unidades de Internação com a finalidade de acompanhar o quadro clínico do paciente, prevenir a deterioração precoce do mesmo e auxiliar a equipe multidisciplinar na tomada de decisão. Quem realiza o registro é o auxiliar de enfermagem ou eventualmente o enfermeiro. Conteúdo: Pressão Arterial; Temperatura; Frequência Cardíaca; Frequência Respiratória; Score de dor. Além dos sinais vitais acima mencionados, outras informações podem ser registradas, como: Balanço Hídrico: Cálculo entre os volumes administrados com Dietas, hemocomponentes, soro e medicações infundidas e o volume de débitos através de sondas e drenos. Glicemia capilar, Dados antropométricos, Peso, Estatura, Circunferência Abdominal- deverão ser registrados caso haja prescrição médica. Ao final do registro, o profissional deverá ser identificado com sua assinatura e seu número de conselho de classe através do carimbo. 27

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU AMBULATÓRIO Cadastro de paciente ( caso o paciente já tenha consultado no hospital

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Formulários Padrão TISS 2. Preenchimento das Guias Padrão TISS Guia de Consulta Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia SP/SADT Guia de Solicitação de Internação

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS O sistema GSUS é uma aplicação WEB para gestão operacional da assistência de saúde executada a nível hospitalar ou ambulatorial, tendo como foco

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Vera Cruz GABINETE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE www.veracruz.ba.gov.br

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Vera Cruz GABINETE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE www.veracruz.ba.gov.br PORTARIA N 014 /2015 A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE VERA CRUZ, por nomeação legal e no uso das atribuições que lhe são conferidas, CONSIDERANDO a necessidade premente do controle efetivo sobre o estoque

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO Este manual visa esclarecer as regras e normas para o serviço

Leia mais

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar)

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) 0 Última Atualização: 16/05/07 9:30h SUMÁRIO I Introdução Página 2 II - Formulários/ Legendas Página 5 II.1 Guias Página 5 2.1.1

Leia mais

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Atendimento Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Pra facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS AUTORIZAÇÕES DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES - AIH'S Este manual tem por objetivo capacitar os servidores das Unidades

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS NORMAS E ROTINAS CUIABÁ - 2012 1 DO HUJM Apresentação: A Comissão de Óbito do Hospital Universitário Julio Muller tem as seguintes finalidades: - Normatizar e padronizar os procedimentos e as condutas

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o software de gestão ideal para a sua instituição

www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o software de gestão ideal para a sua instituição www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o software de gestão ideal para a sua instituição Transforme sua instituição em uma empresa altamente eficaz. Só mesmo quem administra uma instituição sabe como

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Conjunto de Políticas Institucionais de Qualidade e Segurança do Paciente

Conjunto de Políticas Institucionais de Qualidade e Segurança do Paciente Conjunto de Políticas Institucionais de Qualidade e Segurança do Paciente I - Política de Identificação do Paciente Todo paciente deve ser identificado pelo nome completo e data de nascimento. Os dois

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 ATENÇÃO AO PACIENTE/CLIENTE Esta seção agrupa todos os componentes, atividades e serviços que se relacionam aos processos

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter GERENCIAMENTO DOS RISCOS ASSISTENCIAIS - Neocenter Gerenciamento de riscos n Objetivos Ter uma base mais sólida e segura para tomada de decisão; Identificar melhor as oportunidades e ameaças; Tirar proveito

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO Tabela Comercial UNIFAMÍLIA EMPRESARIAL POR ADESÃO COPARTICIPATIVO 50% Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia Cobertura de consultas médicas de pré-natal, exames complementares bem como atendimentos

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

Manual de Orientação TISS

Manual de Orientação TISS Manual de Orientação TISS Prezado Prestador, De forma a atender a Resolução Normativa 114 de 26/10/05 publicada pela ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar, a Marítima Saúde Seguros S/A está disponibilizando

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES 1. PARA ENFERMEIRO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES Requisitos para Contratação: Diploma, devidamente registrado, de conclusão do curso de graduação em Enfermagem, Registro no Órgão de Classe competente.

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO

SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO SUMÁRIO ATENDIMENTO / AUTORIZAÇÃO... 2 1. GUIA DE CONSULTA... 2 2. GUIA DE SP/SADT... 10 3. ANEXO SOLICITAÇÃO OPME... 18 4. ANEXO DE QUIMIOTERAPIA... 22 5. ANEXO DE RADIOTERAPIA...

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003

RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003 RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003 (Publicada no D.O.U. 03 Junho 2003, Seção I, pg. 84) Dispõe sobre normas técnicas necessárias à assistência domiciliar de paciente, definindo as responsabilidades do médico,

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região, no uso de suas atribuições legais, que lhe conferem a Lei Federal nº 6583/78 e o Decreto Federal nº 84444/80 e,

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

TISS. Manual de Instruções. Manual de Instruções. Troca de Informação em Saúde Suplementar 1/40 ANS 36.825-3

TISS. Manual de Instruções. Manual de Instruções. Troca de Informação em Saúde Suplementar 1/40 ANS 36.825-3 TISS Manual de Instruções Manual de Instruções Troca de Informação em Saúde Suplementar 1/40 1. INTRODUÇÃO 2. ORIENTAÇÕES GERAIS 2.1 Entrega de guias SUMÁRIO......... 2.2 Numeração de guias Pacotes...

Leia mais

Manual de Instruções Maio 2007

Manual de Instruções Maio 2007 Manual de Instruções Maio 2007 SUMÁRIO 1. Introdução 03 2. Orientações Gerais 04 2.1 Entrega de guias 04 2.2 Numeração de guias 04 2.3 Pacotes Autorização e cobrança 04 3. Identificação do Beneficiário

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Junho/09 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Orientações Gerais 2.1 Entrega de guias 2.2 Numeração de guias 2.3 Pacotes - Autorização e cobrança 3. Identificação do Beneficiário 3.1 Modelo do

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

FATURAMENTO E A AUDITORIA

FATURAMENTO E A AUDITORIA SISTEMA DE INFORMAÇÕES AMBULATORIAS -S I A FATURAMENTO E A AUDITORIA Vanderlei Soares Moya Sonia Murad José dos Santos Edson Aparecido Cezar Águas de Lindóia Setembro de 2012 EU NUNCA APRENDI NADA COM

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10.

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EMERGENCIAL DE PROFISSIONAIS PARA ÁREA MÉDICA ESPECIALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI LEONARDO CHERINI PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros

Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros Profª Layz Alves F Souza Mestre em Enfermagem/UFG Doutoranda em Enfermagem /UFG Enfª Hospital das Clínicas/UFG Enfª SMS de Goiânia 2014

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM Suely da Silva - Chefe da Unidade de Dispensação Farmacêutica do HC/UFTM - Filial EBSERH Mauritânia Rodrigues Ferreira Cajado - Farmacêutica da Dispensação do HC/UFTM Introdução

Leia mais

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos.

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. O farmacêutico atual tem participação nos processos

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 43 - PADRÃO TISS

CONSULTA PÚBLICA Nº 43 - PADRÃO TISS CONSULTA PÚBLICA Nº 43 - PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA GUIAS, ANEXOS, DEMONSTRATIVOS E MONITORAMENTO DO PADRÃO TISS Indice Guia de Consulta 4 Legenda da Guia de Consulta 5 Guia Comprovante

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

Conheça o Software de Gestão Hospitalar que se adapta às suas necessidades! www.sishosp.com.br (19) 3241.3535

Conheça o Software de Gestão Hospitalar que se adapta às suas necessidades! www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o Software de Gestão Hospitalar que se adapta às suas necessidades! www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Controle a saúde da sua instituição com o sistema de Gestão

Leia mais

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa:

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa: PARECER CRM/MS N 001-2014 PROCESSO CONSULTA N 13/2013 INTERESSADO: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE PARECER PRIORIZAÇÃODE ACESSO ÀS VAGAS EM UTI. Temas correlatos: Priorização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 A ADMISSÃO DO BENEFICIÁRIO NO PRESTADOR OCORREU ANTES DA INCLUSÃO 1003 DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA

MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPT O CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DCF CURSO DE FARMÁCIA MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA Prof. Ms. Edmarlon Girotto Professor Responsável 6EST506

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1003 A ADMISSÃO DO BENEFICIÁRIO NO PRESTADOR OCORREU ANTES DA INCLUSÃO DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Prescrição Médica. 12.1.x. julho de 2015. Versão: 4.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Prescrição Médica. 12.1.x. julho de 2015. Versão: 4.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Prescrição Médica 12.1.x julho de 2015 Versão: 4.0 1 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Prontuário Eletrônico do Paciente... 3 3 Prescrição Médica... 4 3.1 Nova Prescrição

Leia mais

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO ANEXO II NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/HABILITAÇÃO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE NO TRATAMENTO REPARADOR DA LIPODISTROFIA E LIPOATROFIA FACIAL DO PORTADOR DE HIV/AIDS 1 NORMAS

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura.

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura. Medicina Do latim ars medicina : arte da cura. Prescrição Médica Surge de reações instintivas para aliviar a dor ou evitar a morte. Prof. Dr. Marcos Moreira Prof. Adjunto de Farmacologia, ICB/UFJF Prof.

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial

Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial O Centro de Vigilãncia Sanitária de São Paulo possui o ógrão colegiado Comissão Técnica da Produtos de Controle

Leia mais

Parecer 006/2015 CREFITO-4

Parecer 006/2015 CREFITO-4 Parecer 006/2015 CREFITO-4 ASSUNTO: Parecer do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região acerca do prontuário fisioterapêutico e/ou multidisciplinar do paciente e do direito

Leia mais