Avaliação do Curso de Engenharia Civil da UTFPR Campus Apucarana por seus Docentes.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do Curso de Engenharia Civil da UTFPR Campus Apucarana por seus Docentes."

Transcrição

1 Avaliação do Curso de Engenharia Civil da UTFPR Campus Apucarana por seus Docentes. AVALIAÇÃO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL O processo de autoavaliação do Curso de Engenharia Civil constitui-se em instrumento essencial para assegurar o funcionamento do curso de acordo com o seu Projeto Pedagógico, respeitando os termos estabelecidos pelo Ministério da Educação e pela UTFPR. Instruções: I. Este instrumento tem por objetivo permitir aos docentes participarem do processo de autoavaliação do Curso. Ele é composto por uma série de itens, agrupados em categorias diferentes e apresentados na forma de uma a 姄rmação. Você deve assinalar, ao lado do item correspondente, seu posicionamento pessoal frente ao que é abordado, de acordo com a escala indicada. Ao 姄nal do questionário, há um espaço para você complementar o assunto abordado com observações e comentários que julgar pertinentes. Os dados obtidos por meio deste instrumento servirão tanto para diagnosticar vários aspectos do curso quanto para fundamentar discussões para planejamentos futuros. Portanto, sua participação é fundamental. II. O anonimato dos respondentes será garantido, salvo em casos de manifestações ofensivas e que vão contra à legalidade, atitudes que viabilizarão a identi 姄cação de pessoa ou de pessoas envolvidas no processo de avaliação. 1) Em relação ao projeto pedagógico do curso (PPC), classi 姄que os pontos relacionados a: Clareza Per 姄l do Egresso Estrutura Curricular Contexto organizacional https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 1/11

2 2) Em relação a estrutura curricular do curso, classi 姄que os pontos relacionados a: Flexibilidade Interdisciplinaridade Compatibilidade da carga horária total Articulação da teoria com a prática Desenvolvimento de Competências Pro 姄ssionais Modelo de ensino Qualidade do ensino 3) Como você classi 姄ca as ações acadêmico-administrativas, em decorrência das seguintes avaliações? ENADE CPA Docente pelo discente https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 2/11

3 4) Em relação ao funcionamento, atendimento das atribuições previstas e organização, avalie os seguintes itens relacionados do seu curso. Colegiado NDE Coordenação 5) Como você classi 姄ca as ações do curso relacionadas ao: TCC Atividades Complementares Estágio Curricular 6) No âmbito do curso, como você classi 姄ca as ações políticas de aperfeiçoamento e desenvolvimento pro 姄ssional para: políticas de aperfeiçoamento no âmbito do curso: congressos, curso de curta duração, treinamento, etc. Docentes https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 3/11

4 7) No âmbito do curso, como você classi 姄ca as condições de trabalho para: Carga horária Relacionamento entre pares Relacionamento com che 姄as Comunicação interna 8) Em relação a infraestrutura do campus disponível para o curso, você considera: Salas de aula Laboratórios de informática Laboratórios da área básica Laboratório da área especí 姄ca Equipamentos. Didáticopedagógicos Sanitários Restaurante universitário Espaços de convivência Acessibilidade Salas de atendimento Acesso à internet https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 4/11

5 9) Em relação a infraestrutura da biblioteca, o que você considera sobre: Disponibilidade bibliográ 姄ca para o curso Sala de estudos Equipamentos para consulta de referências bibliográ 姄cas Espaço físico 10) Você percebe ações de melhoria do processo de avaliação realizado na Universidade: as vezes raramente nunca 11) Você percebe as ações de melhoria decorrentes do processo de avaliação do ENADE? as vezes raramente nunca https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 5/11

6 12) Você considera que o seu curso de graduação desenvolve: educação de excelência por meio do ensino, pesquisa e extensão? as vezes raramente nunca 13) Você considera que o seu curso interage de forma ética, sustentável, produtiva e inovadora com a comunidade. as vezes raramente nunca 14) A comunidade universitária está envolvida em orientar suas ações a 姄m de que o seu curso seja um modelo educacional de desenvolvimento social e referencia na área tecnológica? sim não não sei https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 6/11

7 15) Você, desde o seu ingresso na UTFPR, é estimulado a desenvolver pesquisas e estudos fora do ambiente da sala de aula, envolvendo ou não temas já estudados? sim parcialmente não não sei 16) Com relação ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cienti 姄ca (PIBIC), responda: Quantidade de bolsas de IC ofertadas no seu curso Divulgação sobre bolsas e projetos de IC Interesse pessoal em participar de projetos de pesquisa 17) Sobre a atuação do coordenador do curso qual a sua opinião em relação à: Gestão Relacionamento Agilidade Flexibilidade https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 7/11

8 18) O curso oferece oportunidade de participação em ações comunitárias as vezes raramente nunca 19) No curso existem políticas voltadas para: eventos culturais/esportivos meio ambiente/sustentabilidade Empreendedorismo/inovação as vezes raramente nunca não sei 20) Como você avalia os meios de comunicação utilizadas pelo curso? Interna Externa https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 8/11

9 21) Quanto à qualidade dos serviços de atendimento à saúde e da assistência estudantil existentes em seu campus, qual a sua avaliação? ótimo bom regular ruim péssimo não sei 22) Em relação aos procedimentos de recepção dos novos alunos realizados pelo curso? ótimo bom regular ruim péssimo não sei 23) Quais são os pontos fortes e os pontos fracos do seu curso? Sua resposta ENVIAR Nunca envie senhas pelo Formulários Google. Este conteúdo não foi criado nem aprovado pelo Google. Denunciar abuso - Termos de Serviço - Termos Adicionais https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 9/11

10 https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 10/11

11 https://docs.google.com/forms/d/e/1faipqlsekao_cyknaxfvtujau30357rzgq0vlpf6b_wfnzsxyz6dkig/viewform 11/11

Avaliação do Curso de Engenharia Civil da UTFPR Campus Apucarana por seus Discentes.

Avaliação do Curso de Engenharia Civil da UTFPR Campus Apucarana por seus Discentes. Avaliação do Curso de Engenharia Civil da UTFPR Campus Apucarana por seus Discentes. AVALIAÇÃO DISCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL O processo de autoavaliação do Curso de Engenharia Civil constitui-se

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA PERÍODO 2015 TABELA 1 Adesão de docentes e discentes na avaliação 2015

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009.1 CORPO DOCENTE 2009.1 Auto-avaliação docente - 2009.1 Pontualidade no início e término das aulas 14,29% 28,57% Compatibilidade

Leia mais

3. Formação Acadêmica. 4. Quais motivos levaram você a escolher as Faculdades INTA como local de trabalho? Mestrado (em andamento): 40 %

3. Formação Acadêmica. 4. Quais motivos levaram você a escolher as Faculdades INTA como local de trabalho? Mestrado (em andamento): 40 % 3. Formação Acadêmica Doutorado (Concluído): 40 % Mestrado (em andamento): 40 % Doutorado (em andamento): 0 % Mestrado (Concluído): 20 % 4. Quais motivos levaram você a escolher as Faculdades INTA como

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

Avaliação da Educação Superior

Avaliação da Educação Superior CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA Avaliação da Educação Superior Profa. Dra. Luciane Torezan Viegas luciane.viegas@metodistadosul.edu.br AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO EXTERNA: Coordenadoria de Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Relatório Geral das Disciplinas

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Relatório Geral das Disciplinas AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Relatório Geral das Disciplinas FIPEL 1 semestre 2010 Comissão Própria de Avaliação - CPA 1 Coordenação de Avaliação Institucional - COGEAV Equipe Técnica / Elaboração do Relatório

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 Instrumento para avaliação do curso de graduação em Ciências Econômicas por parte dos docentes que nele ministraram alguma disciplina durante o ano letivo

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística RESOLUÇÃO N o 01/2011, DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Regulamenta a composição, as competências

Leia mais

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico Lílian Lessa Andrade Lino Objetivos Discutir os objetivos do Projeto Político Pedagógico do Curso (PPC) baseado nas Diretrizes Curriculares do

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE, CURSO E COORDENADOR DE CURSO GRADUAÇÃO PRESENCIAL REGIME QUADRIMESTRAL

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE, CURSO E COORDENADOR DE CURSO GRADUAÇÃO PRESENCIAL REGIME QUADRIMESTRAL RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE, CURSO E COORDENADOR DE CURSO GRADUAÇÃO PRESENCIAL REGIME QUADRIMESTRAL MÓDULO B 2015 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE

Leia mais

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti 1 http://www.bahianoticias.com.br O QUE É O ENADE? 2 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Integra o Sinaes - Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA Orientações aos servidores da UTFPR Câmpus Curitiba com relação aos procedimentos para solicitação de visitas técnicas. O presente documento visa padronizar

Leia mais

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS RESOLUÇÃO n 048 0 CONSUPER/2012 Regulamenta o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal Catarinense. Processo nº 23348.000931/2012-24. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE DE MONITORES EM DISCIPLINA QUESTIONÁRIO DO(A) ALUNO(A) DISCIPLINA: CURSO: MONITOR(A): PERÍODO DE REFERÊNCIA: INSTRUÇÃO Prezado(a)

Leia mais

Auto avaliação dos Estudantes de Graduação

Auto avaliação dos Estudantes de Graduação Auto avaliação dos Estudantes de Graduação Ano: 2009 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS UFG / CAC Subdividimos os questionário em tópicos: Didática e Obrigações dos Professores perguntas 1 a 12; Monitoria

Leia mais

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis CÂMPUS DIANÓPOLIS UNITINS SUDESTE A avaliação interna da Unitins destacou como principais problemas identificados pelos discentes, docentes e técnicos administrativos, nas instalações físicas da universidade:

Leia mais

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - 2009-2010 AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES A CPA agradece sua participação no processo de Autoavaliação

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

CALENDÁRIO ACADÊMICO UNIVERSITÁRIO UNILA 2017

CALENDÁRIO ACADÊMICO UNIVERSITÁRIO UNILA 2017 CALENDÁRIO ACADÊMICO UNIVERSITÁRIO UNILA 2017 Dias Mês Datas Atividades Letivos Janeiro 1 2 3 4 5 6 7 6 01 Dia da Confraternização Universal 8 9 10 11 12 13 14 6 9 a 17 Implantação no SIGAA das turmas

Leia mais

FACULDADE DE MAUÁ FAMA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE DE MAUÁ FAMA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE MAUÁ FAMA CURSO BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL MAUÁ, 2013/2014/2015 0 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares,

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação. Realidades e Perspectivas

Pró-Reitoria de Graduação. Realidades e Perspectivas Pró-Reitoria de Graduação Realidades e Perspectivas Estrutura Organizacional da PROGRAD GABINETE DA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO SECRETARIA DA PRÓ-RETORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORA REGISTRO SIE COORDENADORIA

Leia mais

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS Atividade CRONOGRAMA Período Divulgação no Site 24/07/2016 Prazo para cadastro de currículos 24 à 31/07/2016 Publicação da relação de candidatos habilitados para realização da prova Até 05/08/2016 Aplicação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA. Curso de Direito. Núcleo de Atividades Complementares NAC

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA. Curso de Direito. Núcleo de Atividades Complementares NAC 1 EDITAL NAC nº01/2016 NÚCLEO DE ESTUDOS EM VIOLÊNCIA E CIDADANIA NEVIC PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC A Coordenação do, através de seu Núcleo de Atividades Complementares

Leia mais

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA Normatiza as Atividades Formativas previsto na Reforma Curricular do Curso de Odontologia Processo N o 23075.64471/05-92 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem o propósito de normatizar as

Leia mais

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES RECIFE/PE Atualizado em 21 de setembro de 2015 1 SUMÁRIO

Leia mais

XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS 1 APRESENTAÇÃO - A Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo promoverá, entre os dias 08 a 09 de dezembro de 2015, a

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades Paulo M. V. B.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU ANEXO 2 DO EDITAL PIBID UNEB CAPES Nº. 010/2014 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Candidato (a) Matrícula Curso / Depto. UNEB (iniciação à docência) Escola (supervisão) ENDEREÇO:...Nº... BAIRRO:...CIDADE:... CEP.:...

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (JOR90) 1

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (JOR90) 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, LETRAS E ARTES VISUAIS CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM JORNALISMO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (JOR90) 1 Boa Vista-RR 2014

Leia mais

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO ABERTURA O Diretor Geral do câmpus Araraquara do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, torna pública,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL INTRODUÇÃO Entendendo que a formação do aluno não se dá apenas em sala de aula, o Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS

REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRO-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITARIOS COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS Lavras Agosto 2012 CAPITULO I DA COORDENADORIA

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º As Atividades Complementares são exigidas para integralização da do

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º. O Plano de Qualificação Docente tem por objetivo o aprimoramento profissional dos professores da FACULDADE JAUENSE, de modo a promover a melhoria

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL 37 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO 1/7 EXECUÇÃO: OUTUBRO/2015 A JUNHO/2016. A Reitora do

Leia mais

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015 Indicadores de Qualidade da Educação Superior Brasília-DF Agosto 2015 Sobre o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES MARCOS LEGAIS da AVALIAÇÃO da EDUCAÇÃO SUPERIOR Constituição Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA/CAPES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA/CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA/CAPES EDITAL Nº 01/2014 Subprojeto PIBID/História /UFOPA SELEÇÃO DE DISCENTES

Leia mais

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Coordenação do Curso de Engenharia Elétrica Câmpus Medianeira PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são as atividades complementares? - as atividades complementares são um componente curricular obrigatório segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA Portaria nº. 01/10 - CCE Regulamenta os conteúdos complementares flexíveis, fixados no

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL- CAL/2009

RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL- CAL/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE ARTES E LETRAS RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL- CAL/2009 SUBCOMISSÃO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CAL Santa Maria, Janeiro de 2010 1 UNIVERSIDADE

Leia mais

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016 Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade Brasília-DF 25 de abril de 2016 Indicador de Desempenho no Enade (IDE) 1 - O Conceito Enade, atualmente, é calculado pela metodologia de

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009 UNIVERSIDADE DANTA CECÍLIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL É preciso avaliar para mudar RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO ANO LETIVO DE 2009 PERÍODO FEVEREIRO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Toledo. Coordenação de Engenharia Eletrônica. PROJETO nº 001/2013

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Toledo. Coordenação de Engenharia Eletrônica. PROJETO nº 001/2013 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Toledo Coordenação de Engenharia Eletrônica PROJETO nº 001/2013 Projeto OMNI Idiomas (1º semestre de 2013) Maio/2013 Toledo PR 1

Leia mais

BOLETIM DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA NÚMERO 3 OUTUBRO 2011 CPA O QUE É ISSO?

BOLETIM DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA NÚMERO 3 OUTUBRO 2011 CPA O QUE É ISSO? BOLETIM DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA NÚMERO 3 OUTUBRO 2011 CPA O QUE É ISSO? A Comissão própria de Avaliação (CPA) tem por objetivo coordenar e articular o processo interno de avaliação da Instituição,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Avaliação da Educação a Distância

Avaliação da Educação a Distância I Fórum Especial EAD UFRGS Avaliação da Educação a Distância Equipe do Projeto: Profª. Drª. Cláudia Medianeira Cruz Rodrigues (Coord.)/DEPROT Prof. Dr. José Luis Duarte Ribeiro/ DEPROT Profª. Drª. Denise

Leia mais

EDITAL Nº. 02 CCNE/DEPT. BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR/UFSM SELEÇÃO DE BOLSITAS

EDITAL Nº. 02 CCNE/DEPT. BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR/UFSM SELEÇÃO DE BOLSITAS EDITAL Nº. 02 CCNE/DEPT. BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR/UFSM SELEÇÃO DE BOLSITAS A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), através do projeto Institucional FIEX, torna pública a abertura de inscrições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE SAÚDE DA ASCES.

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE SAÚDE DA ASCES. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE SAÚDE DA ASCES. 1. JUSTIFICATIVA Tomando-se como referência a missão institucional ASCES que visa o favorecimento da qualificação formal,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Engenharia Ambiental - Campus EAD INDICADOR Curso* Campus EAD* ÍNDICE DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CPA. Comissão Própria de Avaliação

CPA. Comissão Própria de Avaliação CPA Comissão Própria de Avaliação CPA O espelho da instituição A Avaliação reflete os sentidos, sentimentos e percepções. A consciência é requisito básico para garantir a veracidade do diagnóstico. CPA

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor nº 22/2012

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL a ser aplicado em 2017/1º FUNCIONÁRIOS

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL a ser aplicado em 2017/1º FUNCIONÁRIOS QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL a ser aplicado em 2017/1º FUNCIONÁRIOS MISSÃO E PDI 1. Avalie em que medida a atuação da PUC Minas tem correspondido aos fins listados a seguir. Considere 1 para

Leia mais

NADIME Núcleo de Apoio Didático e Metodológico. RELATÓRIO GERAL DAS ATIVIDADES DE e INÍCIO DE

NADIME Núcleo de Apoio Didático e Metodológico. RELATÓRIO GERAL DAS ATIVIDADES DE e INÍCIO DE RELATÓRIO GERAL DAS ATIVIDADES DE 2010.2 e INÍCIO DE 2011.1 DATA ATIVIDADE ENCAMINHAMENTOS / OBSERVAÇÕES 05.08.10 Acompanhamento da visita de reconhecimento do MEC no curso de Sistemas de Informação. Nas

Leia mais

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 2015-2019 Plano de Desenvolvimento Institucional CENÁRIO PDI - 2016 METODOLOGIA DE TRABALHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO PAINEL DE BORDO DISPONIBILIDADE NO SITE DA UFERSA PRESENCIAL PAINEL DE BORDO

Leia mais

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR Elza Cristina Giostri elza@sociesc.org.br PROGRAMA Apresentação Diagnóstico de conhecimento e necessidades Conceito Geral Elaboração do relatório

Leia mais

REGULAMENTO - ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO - ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Engenharia Civil do Centro Universitário do Cerrado- Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre as

Leia mais

DADOS SOBRE DOCENTES.

DADOS SOBRE DOCENTES. . DADOS SOBRE DOCENTES. Legenda utilizada: AR- Arquitetura EP- Engenharia de Produção GA- Gestão Ambiental RH- Recursos Humanos GH- Gestão Hospitalar RD- Radiologia SS- Serviço Social BI- Biomedicina EC-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO UFES COORDENAÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID EDITAL N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO UFES COORDENAÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID EDITAL N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO UFES COORDENAÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID UFES

Leia mais

BOLETIM DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA

BOLETIM DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA BOLETIM DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA NÚMERO 3 OUTUBRO 2011 CPA O QUE É ISSO? A Comissão própria de Avaliação (CPA) tem por objetivo coordenar e articular o processo interno de avaliação da Instituição,

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Art. 1º Com base no disposto no Art. 79 do Regulamento Geral dos Cursos de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA A ouvidoria é um serviço especial de comunicação interna e externa com identificação ou anonimamente, que tem o fim de ouvir e receber

Leia mais

NORMATIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DO PRONATEC NO IF BAIANO

NORMATIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DO PRONATEC NO IF BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO COMITÊ GESTOR DO PRONATEC NORMATIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DO PRONATEC

Leia mais

Regulamento OUVIDORIA

Regulamento OUVIDORIA Regulamento OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da Faculdade Paulo Picanço é um elo entre a comunidade acadêmica ou externa e as instâncias administrativas da IES, visando agilizar

Leia mais

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Instituto Paulista de Ensino FIPEN CPA - Comissão Própria de Avaliação RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Dezembro/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 A O PROCESSO DE AUTO AVALIACÃO... 6 B - DIMENSÕES... 7 1.

Leia mais

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ Reconhecida pelo Decreto Governamental n.º 70.906 de 01/08/72 e Portaria n.º 1.062

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD.

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. Processo CONSUN Nº 009-2011 ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. PROTOCOLADO EM: 24/03/2011 INTERESSADO: Universidade do Contestado PROCEDÊNCIA: Reitoria COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE 1 FORMULÁRIO 1 - PLANO DE AÇÃO 2016 Durante a discussão da Proposta Orçamentária e Diretrizes para o Plano de Ação 2016 no CONSAD foi recomendado a explicitação dos objetivos

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE DATA: 14 de março de 2010 LOCAL: Auditório da FIRJAN TEMA: Seminário de Planejamento Estratégico do IFRJ Arranjos Produtivos Locais, Mercado de Trabalho e Indicadores de Gestão.

Leia mais

Programa de Formação Continuada para Docentes

Programa de Formação Continuada para Docentes Programa de Formação Continuada para Docentes Objetivos do programa Consolidar a identidade didático-pedagógica da instituição realizando reflexões com seus docentes sobre as diretrizes educacionais da

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses.

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente,

Leia mais

Estágio Supervisionado em Química I

Estágio Supervisionado em Química I Estágio Supervisionado em Química I Profª Tathiane Milaré AULA 1 Planejamento das atividades Objetivos Gerais da Disciplina vivenciar situações do cotidiano da escola e, em especial, aquelas dirigidas

Leia mais

OIRegulamento para Reserva de Salas

OIRegulamento para Reserva de Salas OIRegulamento para Reserva de Salas 1. Informações Gerais 1.1. O uso da infra estrutura das salas tem por objetivo atender prioritariamente as atividades de ensino, seguidas da pesquisa, extensão e administrativas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO: Curso FIC de Reciclagem em NR-10 PARTE 1 (SOLICITANTE)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO: Curso FIC de Reciclagem em NR-10 PARTE 1 (SOLICITANTE) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA APROVAÇÃO DE CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES INTRODUÇÃO A Resolução nº 1, de 2 de fevereiro de 2004, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, Bacharelado,

Leia mais

RELATO INSTITUCIONAL

RELATO INSTITUCIONAL FACULDADE IEDUCARE - FIED COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA RELATO INSTITUCIONAL 2014-2016 Tianguá-CE Março 2016 1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATO INSTITUCIONAL 2014-2016 Tianguá-CE Março 2016

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL CPD 024, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL CPD 024, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL CPD 024, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 A Pró-Reitora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, da Universidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA HORIZONTINA SETEMBRO/2008 O aluno do Curso de Ciências Econômicas da Faculdade Horizontina, deverá,

Leia mais

EMENTA SEQUÊNCIA DIDÁTICA

EMENTA SEQUÊNCIA DIDÁTICA Disciplina: Estágio Supervisionado IV Curso: História Carga horária: 120h Número de Créditos: Professora: Zélia Almeida de Oliveira Obrigatória: Sim ( ) Nâo ( ) EMENTA 6 EMENTA: Planejamento, execução

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESCOLA DE ENGENHARIAS

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESCOLA DE ENGENHARIAS 1 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESTAGIÁRIO(A): XXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA 1. INTRODUÇÃO O objetivo de presente regulamento é estabelecer as normas e os procedimentos gerais do programa de iniciação científica-tecnológica

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA (Aprovado pela Resolução Nº 780 CONSEPE de 26 de agosto de 2010)

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA (Aprovado pela Resolução Nº 780 CONSEPE de 26 de agosto de 2010) CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA (Aprovado pela Resolução Nº 780 CONSEPE de 6 de agosto de 010) EDITAL PPPG Nº. 33/010 A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ PROJETO VISITAS TÉCNICAS EM BRASÍLIA/DF EDITAL NAC DE SELEÇÃO nº06/2016 A Coordenadoria Geral do Curso de Direito da Universidade Ceuma, através de seu Núcleo de Atividades Complementares NAC e do Núcleo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 16 de junho

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO Art. 1 o O presente Regulamento disciplina os procedimentos para oferta,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

COORDENADORIA DO CURSO DE DIREITO

COORDENADORIA DO CURSO DE DIREITO COORDENADORIA DO CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES - NAC NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS E ASSESSORIA JURÍDICA UNIVERSITÁRIA POPULAR NEAJUP CEUMA EDITAL DE SELEÇÃO nº02/2014 A Coordenação

Leia mais

Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades?

Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades? Roberto Bedrikow Fundação de Rotarianos de São Paulo FRSP Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades? Sobre a Fundação Em 1946, num cenário mundial de profundas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico Etec Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça / SP EIXO Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio

Leia mais

PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROAVI

PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROAVI PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROAVI 1 CONTEXTO NACIONAL. DOS PROGRAMAS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO Envolvendo Conselho Nacional de Educação, Secretaria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 2016 Regulamento

Leia mais