COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE"

Transcrição

1 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-45 São Paulo, Brasil, Setembro de SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE OCORRÊNCIAS DA DISTRIBUIÇÃO Tema:01-Centros de Controle Autor: NIRLEI APARECIDA FERREIRA Empresa ou Entidade: AES ELETROPAULO ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A. PALAVRAS-CHAVE: Centros de Operação Ocorrência Flexibilidade Qualidade Centralização Descentralização DADOS DO AUTOR RESPONSÁVEL Nome: NIRLEI APARECIDA FERREIRA Cargo: Gestor de Negócios Endereço: Rua Tabatinguera, o andar Telefone: ; Fax: 0xx RESUMO Uma das maiores dificuldades no atendimento de ocorrências de emergência em empresas de distribuição de energia é o dimensionamento dos seus Centros de Operação. Nenhum Centro de Operação é suficientemente grande para o atendimento de ocorrências em dias de temporal, e nenhum é racionalmente pequeno para os momentos mais calmos. Dessa necessidade surgem sempre sugestões de descentralização durante os grandes temporais e idéias de centralização quando os custos são computados, e é muito comum se verificarmos o histórico das empresas de distribuição, notar que em certa época o atendimento de emergência já foi descentralizado e agora é centralizado ou vice-versa. O presente trabalho mostra as últimas incorporações feitas no atual Sistema de Gerenciamento de Ocorrências utilizado pelos Centros de Operação da AES Eletropaulo Centralizado e Descentralizado que possibilitam, por exemplo, nos momentos de crise explodir o atendimento em dezenas de centros de operação, ao mesmo tempo em que nas madrugadas tranqüilas um único operador possa gerenciar todas as ocorrências. Aliadas a esta implementação foram incorporadas funcionalidades adicionais que visavam facilitar o gerenciamento dos serviços em dias de picos. Destacamos algumas a seguir: Criação de ambientes que permitem a multiplicação de terminais de despacho, separando os serviços para execução a critério do operador. Identificação geo-referenciada dos serviços sem estar associada a mapa. Integração dos serviços comerciais aos de emergência em um único ambiente.

2 1. Introdução O atendimento das ocorrências emergenciais sempre foi um dos maiores desafios das empresas de distribuição de energia, principalmente pela grande variação do número dessas ocorrências serem dependentes de fatores externos tais como grandes temporais, fortes ventos etc. Como todas as empresas de distribuição a AES Eletropaulo sempre procurou a melhor forma e ao menor custo efetuar o atendimento dessas ocorrências, numa área de concessão de cerca de clientes, estando sujeita constantemente a inundações e trânsito caótico. Uma das melhores ferramentas para esse atendimento é o sistema de gerenciamento dessas ocorrências que os operadores dos Centros de Operação da Distribuição tem a seu dispor, de nada adianta, por exemplo, um grande número de turmas nas ruas se o gerenciamento dessas turmas não for perfeito. O sistema que gerencia essas reclamações tem que estar totalmente incorporado ao Call-Center, ser capaz de não gerar diversas reclamações repetidas, ser um ótimo gerenciador de turmas e ter flexibilidade de multiplicar-se em muitos Centros de Operação ou concentrar tudo em um único operador, além disso, deve estar capacitado a fornecer todos os relatórios gerenciais que atendam as necessidades da empresa e do Órgão Regulador. O sistema em uso na AES Eletropaulo vem sendo construído há vários anos, porém nos últimos anos, foi possível um aprimoramento que continuamente vem sendo efetuado sempre procurando atender com qualidade, eficiência e alto grau de satisfação aos seus clientes, procurando minimizar o tempo de interrupções, ao menor custo possível. O presente trabalho mostra as últimas incorporações feitas nesse sistema que possibilita, por exemplo, nos momentos de crise explodir o atendimento em dezenas de centros de operação, ao mesmo tempo em que nas madrugadas tranqüilas um único operador possa gerenciar todas as ocorrências. 2. A Central de Operações A Central de Operações da AES Eletropaulo integra as áreas de transmissão e distribuição através da interligação dos sistemas computacionais de automação da operação. Na sede da Central de Operações da AES Eletropaulo estão alocados: o Centro de Operação do Sistema - COS que opera as linhas de transmissão em 88kV e 138kV, as 138 Estações Transformadoras de Distribuição - ETD's e 105 consumidores ligados neste nível de tensão; o Call-Center com 162 posições de atendimento, 390 troncos e 240 canais de URA (Unidade de Resposta Audível), o Centro de Operação da Distribuição COD, com 5 salas que operam alimentadores e atendem principalmente toda a rede de média tensão aérea (primária) e rede subterrânea. 3. Os Centros de Operações Descentralizados Os Centros de Operação Descentralizados estão em sedes alocadas em regiões geográficas distintas e totalmente integradas com a Central de Operações. Tiveram origem em 1999 e no início atendiam somente reclamações de baixa tensão, com nível de atuação somente em ramais de ligação secundário, entradas primárias, etc... Com as soluções sistêmicas descritas neste trabalho, estes centros foram remodelados e além de acionamento de turmas para atendimento em casos de falta

3 de energia, foram agregadas funções mais complexas que o transformaram em uma Central de Distribuição de Serviços que cuida também de outras atividades como o acompanhamento de solicitações dos serviços comerciais. Este novo remodelamento permite criar-se um segundo nível de descentralização, dentro dessas unidades, ou até mesmo um nível de monitoramento por turma, ou níveis intermediários com pequenos grupos de turmas. O anexo 1 ilustra os níveis de atendimento na operação do sistema elétrico. 4. O Sistema ATENDE A AES Eletropaulo possui sua base de dados da rede em um sistema que contém todos os dados elétricos desde as Linhas de Sub-Transmissão, ETD's até as entradas dos consumidores em média e baixa tensão (primários e secundários), permitindo o controle do carregamento dos transformadores e dos circuitos, as quedas de tensão, os fluxos de carga, etc. Possui também a Base Cartográfica de toda a área de concessão em coordenadas UTM, de onde é possível a representação dos diagramas unifilares, das respectivas redes, e que atualmente está em fase final de migração para ambiente GIS. O Sistema Atende foi desenvolvido utilizando este banco, além de receber, organizar e otimizar todas as informações referentes as reclamações dos clientes principalmente sobre o fornecimento de energia. Abaixo suas principais funcionalidades: 4.1. Cadastro da reclamação Através das chamadas telefônicas originadas pelo Call Center, consumidores solicitam serviços como: Interrupções de fornecimento, queda de fios, interrupções da rede de iluminação pública, ligações novas, etc Localização do endereço elétrico A partir da entrada de reclamações no Call-Center, o sistema elabora a fonetização do endereço reclamado, busca no cadastro de logradouros o endereço exato e informa ao atendente a existência de reclamação no local, localizando eletricamente o consumidor. Possui também controle individualizado para consumidores de média tensão e consumidores especiais (sobre-vida, hospitais, grandes empresas, etc.), que no momento do contato identifica-o automaticamente preenchendo o registro com todos os seus dados ao Atendente, visando priorizar o atendimento Associação de reclamações Agrupa as reclamações automaticamente (triagem) e envia uma única ocorrência, sendo de média tensão, à sala da Central de Operações correspondente, contendo a informação do provável ponto de desconexão da rede de média tensão (elo fusível, religadora ou disjuntor). Sendo a ocorrência secundária (baixa tensão) enviada automaticamente ao Centro de Despacho Descentralizados da região geográfica em questão Ocorrências programadas Todas as ocorrências para execução de serviços programados são previamente cadastradas. Ao atingir o horário programado o sistema gera a devida ocorrência automaticamente provendo o Call-Center de informações com a maior brevidade. 1

4 4.5. Despacho das ocorrências As ocorrências são despachadas via rádio a cada turma de campo sendo que na tela do sistema as mesmas são arrastadas para os respectivos ícones de identificação das turmas; 4.6. Finalização das ocorrências Todos os dados relativos à conclusão dos serviços são informados e inseridos em tempo real; 4.7. Visualizador de Centros de Operação Esta ferramenta a distingue do módulo do operador, pois contém informações gerenciais específicas e totalmente voltadas para tomada de decisões estratégicas. Permite visitar qualquer uma das salas dos Centros: Centralizado ou Descentralizados, online ; 4.8. Relatórios gerenciais Após o gerenciamento destas reclamações em tempo real, todos os dados são armazenados em um único banco pós-operação, com todas as informações das ocorrências do sistema elétrico de toda a área de concessão, onde todos os indicadores técnicos são gerados. 5. Centralização X Descentralização 5.1. Ferramenta de gestão para centralização ou descentralização de serviços Esta ferramenta permite que o Operador possa configurar a distribuição dos serviços em: Média Tensão: nas 5 salas na Central de Operações, e baixa tensão; nas 15 salas dos Centros de Operação Descentralizados. Quando não é conveniente pode-se simplesmente desativar os Centros de Operação Descentralizados e operar através da Central de Operações, sem nenhum prejuízo das informações ou dos serviços. Além da distribuição por níveis de atuação o operador também pode descentralizar durante o dia e centralizar à noite e aos finais de semana, onde o fluxo de reclamações é significativamente menor. Também ocorrendo o contrário, o sistema permite o redirecionamento tanto de ocorrências para outros Centros de Operação vizinhos, quanto o redirecionamento de turmas. Esta flexibilidade também resolve eventual falha dos meios de comunicação (rádio, fibra óptica, telefonia, etc...). O anexo 2 ilustra a ferramenta que permite ao Operador Centralizar X Descentralizar Criação do conceito de Quadrículas geográficas - agrupamento de reclamações da mesma região, desvinculada da visualização gráfica A quadrícula é uma forma de identificar a localização geográfica de uma determinada ocorrência dentro da área de concessão da AES Eletropaulo, sem estar vinculada a um mapa de fundo, que resulta em visualização gráfico ou geo-referenciada. Através do banco de dados da rede, foram definidas as coordenadas geográficas (UTM) do poste da instalação de todos os equipamentos. A partir dessas coordenadas, é identificada qual a posição em que a ocorrência se encontra dentro de uma grade na área de concessão definida inicialmente por retângulos de 2 Km por 2 Km. O sistema então fornece, através de siglas já pré-definidas, a 2

5 informação de qual quadrícula desta grade cada ocorrência se encontra. Com essas informações, o operador terá condições de determinar facilmente todas as ocorrências que estão próximas umas das outras e conseqüentemente indica quais as regiões de maior concentração de ocorrências, e prover os recursos necessários para atendimento à demanda do momento. Como resultado apresentado notou-se que nos momentos de grande concentração, agilizou o processo de alocar recursos operacionais extras, tanto em campo quanto nos Centros de Operação, que não necessariamente conhecessem a região afetada. Com isso pode-se direcionar recursos extras de áreas não atingidas para agilizar o restabelecimento do fornecimento de energia elétrica da região afetada. O anexo 3 mostra a tela com a divisão da área de concessão em quadrículas 5.3. Criação do conceito de Cestas para planejamento da distribuição de serviços Na versão anterior a esta implementação, todas as reclamações eram visualizadas um uma única janela o que dificultava o gerenciamento, pois em pico de reclamações, o Operador tinha que navegar por diversas telas. O conceito de cestas permitiu que o Operador pudesse a seu critério agrupar as ocorrências por tipo de serviço, por bairro, por circuito, etc., para atender a necessidade do momento e de acordo com seu critério planejar como se dará a distribuição dos serviços, como um pré-despacho. A grande vantagem é que o sistema permite também a transferência de turmas para essas cestas e dessa forma pode-se efetuar funções de despacho e conseqüentemente cadastrar a conclusão dos serviços executados, criando um ambiente isolado. Sendo que a cesta principal sempre apresentará todas as reclamações pendentes da sala que ainda não foram direcionadas para nenhuma outra cesta. A quantidade de cestas a serem criadas, bem como nome, navegação de turmas entre cestas, é livre e configurável de acordo com as necessidades individuais. Este recurso aliado aos dois itens anteriores permite que em dias de surto de reclamações possa-se explodir o gerenciamento em quantos terminais forem necessários, sem limitação de quantidade. 6. As inovações Aliado aos motivos destacados anteriormente e por atender uma área diversificada de consumidores, com clientes de alto grau de exigência de atendimento e clientes ligados em regiões de topologias adversas, em paralelo, foram abordados diversos estudos que visaram o acompanhamento e monitoramento dos indicadores técnicos por região, com objetivo de não prejudicar ou diferenciar clientes, ou seja: para cada Centro de Operação Centralizado ou Descentralizado foi estabelecida uma meta que pode ser acompanhada individualmente, para tal foram agregadas as seguintes ferramentas: 6.1. Previsão de Finalização sendo atingida Para não ultrapassar o tempo de atendimento previsto para determinado tipo de reparo, quando uma ocorrência (pendente ou despachada) estiver atingindo esse tempo, através de alertas, o sistema localiza-a automa- 3

6 ticamente, destaca-a visualmente e sinaliza que existe uma ocorrência com a previsão de finalização sendo atingida. Todo atendimento seja ele gerenciado pela Central de Operações ou pelo Centro Descentralizado, é monitorado com informações em tempo real, do tempo médio de atendimento, totalizando as reclamações pendentes, em atendimento e finalizadas, e a quantidade de turmas de manutenção trabalhando na emergência ou no comercial; 6.2. Funcionalidade Call Back Visando diminuir a quantidade de deslocamentos inúteis, quando o operador precisar contatar o consumidor por diversos motivos, tais como detalhamento de dados, confirmação de um atendimento, confirmação de uma interrupção, etc..., Antes de encaminhar para uma turma o mesmo poderá deixar registrado no sistema a data e horário do contato, pessoa contatada e comentários. Após essa análise pode-se efetuar ou não o despacho para uma turma. Esses dados ficam vinculados à reclamação do consumidor. 7. Integração do gerenciamento dos serviços relativos a emergência com os serviços comerciais em um único ambiente. Para organizar a tela principal dado ao elevado número de ocorrências, e a necessidade de integrar também o gerenciamento de serviços comerciais, a exemplo Iluminação Pública e Religações de Urgência, foram criadas alternativas, como todas as ocorrências da rede são alocadas em uma única janela as de Iluminação Pública são redirecionadas automaticamente para outra pasta, e assim conseqüentemente, em um mesmo ambiente, porém os tipos de serviços não se misturam. Como as turmas são multifuncionais as mesmas navegam entre os diversos ambientes. A fim de garantir a integridade dos dados e confiabilidade para posterior geração de indicadores técnicos, o sistema consiste para que uma mesma turma não esteja em diversos locais no mesmo instante. Essas adequações também permitiram a integração dos serviços emergenciais com os serviços comerciais no mesmo ambiente, garantindo assim, que a Central de Operações esteja apta a subsidiar, além das áreas técnicas, também as áreas comerciais. O anexo 4 mostra a tela do Sistema Atende com a visualização das quadrículas geográficas, cestas e agregação dos serviços comerciais 8. Conclusões O sistema de gerenciamento de ocorrências da AES Eletropaulo contribuiu para a sensível melhora nos índices de qualidade da Eletropaulo principalmente no tempo médio de atendimento e na duração das ocorrências. Nos últimos dois anos houve uma redução do FEC em (18%) e do DEC em (21%) não obstante o crescimento dos problemas de trânsito da Grande São Paulo sem nenhum aumento no número de turmas que atendem essas ocorrências. Com a flexibilidade de centralização dos serviços durante a noite e finais de semana, no último verão a Central de Operações atendeu 95% dos dias do período de Dezembro/2001 à Março/2002, o que permitiu uma redução dos custos operacionais para os Centros de Operação Descentralizados em 43%. 4

7 Anexo1 - Ilustra os Níveis de Atendimento na operação do Sistema Elétrico Sistema Elétrico CTEEP Linhas de Transmissão Tensões maiores que 230kV. 14 ETT s 98 pontos de entrega CENTRAL DE OPERAÇÕES DA AES ELETROPAULO - COE LINHAS DE SUBTRANSMISSÃ0 138 kv ou 88 kv 105 ETC S CENTRO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA - COS 138 ETD s 13,8kV CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO -COD 1700 CIRCUITOS PRIMÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Centro da Operação do Sistema -COS ET (127/220 V) ET (127 /220 V) Atendimento da Rede Secundária + Serviços Comerciais 15 CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇOS 5

8 Anexo 2 Ferramenta de configuração para Centros de Operação: Centralizado X Descentralizado 6

9 Anexo 3 - Divisão da Área de Concessão da AES Eletropaulo em quadrículas geográficas A.... M X... Y A B.... M X... Y.. 2 Km 2 K m Quadrícula M 22 7

10 Anexo 4 Tela do Sistema Atende com a visualização das Quadrículas geográficas, Cestas e Agregação dos Serviços Comerciais Serviços Comerciais CESTAS Replicação de Terminal Quadrículas 8

INTEGRAÇÃO E AUTOMAÇÃO DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO SISTEMA E DA DISTRIBUIÇÃO DA NOVA CENTRAL DE OPERAÇÕES DA ELETROPAULO

INTEGRAÇÃO E AUTOMAÇÃO DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO SISTEMA E DA DISTRIBUIÇÃO DA NOVA CENTRAL DE OPERAÇÕES DA ELETROPAULO INTEGRAÇÃO E AUTOMAÇÃO DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO SISTEMA E DA DISTRIBUIÇÃO DA NOVA CENTRAL DE OPERAÇÕES DA ELETROPAULO Abstract Carlos Augusto Longue Antoninho Borghi Nirlei Aparecida Ferreira Eletropaulo

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA AES ELETROPAULO NA INTEGRAÇÃO DA OPERAÇÃO COM A MANUTENÇÃO NAS REDES DE 3,8 A 138 kv

A EXPERIÊNCIA DA AES ELETROPAULO NA INTEGRAÇÃO DA OPERAÇÃO COM A MANUTENÇÃO NAS REDES DE 3,8 A 138 kv XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil A EXPERIÊNCIA DA AES ELETROPAULO NA INTEGRAÇÃO DA OPERAÇÃO COM A MANUTENÇÃO NAS REDES

Leia mais

Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em

Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em medição, faturamento, CRM/CIS no Brasil Cyro Vicente Boccuzzi

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 467 METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE INTERRUPÇÕES E CAUSAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA C. C. B. de

Leia mais

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6 PAPER 1/6 Title Otimização do Sistema de Distribuição Subterrãneo Reticulado da Cidade de São Paulo Registration Nº: (Abstract) 251 Company Sinapsis Inovação em Energia / Universidade de São Paulo / AES

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea

Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Rafael Moreno Engenheiro Eletricista Campo rafael.moreno@aes.com Charles

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

Centralização dos Centros de Operações na CPFL

Centralização dos Centros de Operações na CPFL XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Centralização dos Centros de Operações na CPFL Paulo Roberto dos Santos CPFL Paulista

Leia mais

Diretoria de Operações Gerência de Operações. Novas Tecnologias

Diretoria de Operações Gerência de Operações. Novas Tecnologias Diretoria de Operações Gerência de Operações Novas Tecnologias Novembro de 2013 AES Sul Histórico de Indicadores Sistemas de Informação Despacho Centralizado Automatização de Sistemas Sistema Elétrico

Leia mais

DOS SANTOS FRANCO /FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SANTANA

DOS SANTOS FRANCO /FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SANTANA COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 3ª Exposição e Fórum Internacional sobre Centros de Operação e Controle das Empresas de Energia Elétrica CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO

Leia mais

Sistema de Localização de Viaturas em Apoio à Operação da Distribuição

Sistema de Localização de Viaturas em Apoio à Operação da Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema de Localização de Viaturas em Apoio à Operação da Distribuição Eng. André Luis Costa Synapsis Brasil acosta@synapsisbrasil.com.br Analista Alex Naegele

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Será que o número de linhas e o número de atendentes do meu serviço de atendimento está adequado?

Será que o número de linhas e o número de atendentes do meu serviço de atendimento está adequado? Alguma vez você você já deve ter se perguntado... Será que o número de linhas e o número de atendentes do meu serviço de atendimento está adequado? Quantos clientes minha empresa atende, por dia, por hora,

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

Fornecimento Seguro. O caminho da energia da usina até o consumidor. Roberto Mario Di Nardo Fernando Mirancos da Cunha

Fornecimento Seguro. O caminho da energia da usina até o consumidor. Roberto Mario Di Nardo Fernando Mirancos da Cunha Fornecimento Seguro O caminho da energia da usina até o consumidor Roberto Mario Di Nardo Fernando Mirancos da Cunha MATRIZ ENERGÉTICA PARTICIPAÇÃO DAS FONTES Capacidade de Geração 119,3 GW de Capacidade

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO À GESTÃO

APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO À GESTÃO APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO À GESTÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO ATENDIMENTO... 3 2.1 Objeto... 3 2.2 Descrição Referencial do Sistema... 3 2.2.1 Diretrizes para acessibilidade

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO MARCOS ANTONIO DANELLA Quem Somos Engenheiro, Administrador, professor PUC Campinas Gerente Regional de Operações no Setor Elétrico (29 anos)

Leia mais

Diretoria de Operação e Manutenção

Diretoria de Operação e Manutenção Os Benefícios da Inteligência Aplicada em Localização de Falhas Elétricas em Cabos Subterrâneos de 13,8 a 145 kv 11ª Edição do Redes Subterrâneas de Energia Elétrica - 2015 Diretoria de Operação e Manutenção

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

RESULTADOS DO P&D SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS E OPERATIVAS NA AES ELETROPAULO. 1 Contato: lidia.stateri@aes.com +55 (11) 2195-1131

RESULTADOS DO P&D SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS E OPERATIVAS NA AES ELETROPAULO. 1 Contato: lidia.stateri@aes.com +55 (11) 2195-1131 1 Contato: lidia.stateri@aes.com +55 (11) 2195-1131 RESULTADOS DO P&D SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS E OPERATIVAS NA AES ELETROPAULO Lídia da Costa Stateri AES Eletropaulo Edson Pereira dos Santos

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema Otimização de Serviços Comerciais em Apoio à Operação de Corte e Religação

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Sistema de Controle e Gerenciamento de intervenções em Rede de Distribuição De Água Gestão das Reclamações de Falta de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Solução Self-healing da Elipse Software agiliza a recomposição do sistema de energia da CEMAR

Solução Self-healing da Elipse Software agiliza a recomposição do sistema de energia da CEMAR Solução Self-healing da Elipse Software agiliza a recomposição do sistema de energia da CEMAR Em fevereiro deste ano (2015), a tecnologia permitiu recuperar, em apenas 10 segundos, 9.463 clientes de um

Leia mais

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL e consta dos Anais do VI Congresso de Inovação

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Sistema de Supervisão da Rede de Baixa Tensão e Ramais de Média Tensão da Coelce. Avilez Batista de Oliveira Lima Coelce Companhia Energética do Ceará

Sistema de Supervisão da Rede de Baixa Tensão e Ramais de Média Tensão da Coelce. Avilez Batista de Oliveira Lima Coelce Companhia Energética do Ceará XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de Supervisão da Rede de Baixa Tensão e Ramais de Média Tensão da Coelce

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

Tecnologia Aplicada na Gestão de Serviços. Unificação da Gestão de Serviços Técnica / Comerciais e Atendimento por equipes Multidisciplinares

Tecnologia Aplicada na Gestão de Serviços. Unificação da Gestão de Serviços Técnica / Comerciais e Atendimento por equipes Multidisciplinares Tecnologia Aplicada na Gestão de Serviços Unificação da Gestão de Serviços Técnica / Comerciais e Atendimento por equipes Multidisciplinares www.soltec.com.br A Empresa Grupo Equatorial Grupo Eletrobrás

Leia mais

Foco Permanente no Cliente

Foco Permanente no Cliente Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Foco Permanente no Cliente Reunir facilidades e rapidez no atendimento, com a oferta de soluções diferenciadas são os principais objetivos

Leia mais

Utilização de Sistemas Linux no Centro de Operações da AES Eletropaulo. Nelson Rizzi Junior Paulo Roberto de Souza Pimentel

Utilização de Sistemas Linux no Centro de Operações da AES Eletropaulo. Nelson Rizzi Junior Paulo Roberto de Souza Pimentel Utilização de Sistemas Linux no Centro de Operações da AES Eletropaulo Nelson Rizzi Junior Paulo Roberto de Souza Pimentel A AES Eletropaulo Área Total do Brasil 8,500,000 km 2 Área da AES Eletropaulo

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional

Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional 00100.01 Action₀OMS

Leia mais

Soluções para documentação de redes ópticas

Soluções para documentação de redes ópticas Soluções para documentação de redes ópticas O QUE É O FIBERDOC? Atenta ao crescimento de redes de fibra óptica, a TELE DESIGN desenvolveu o FIBERDOC, um sistema de documentação para esse tipo de rede.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GOP Grupo de Estudo de Operação de Sistemas Elétricos SISTEMA

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 Programa Smart Grid da AES Eletropaulo - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 1 Agenda Institucional Projeto Smart Grid Eletropaulo Digital Motivadores Objetivos

Leia mais

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC de contingência no caso de perda do CCO da EFC Introdução e Conceitos Plano de Continuidade Operacional Análise de risco e continuidade de negócio; Mobilização de recursos (humanos e materiais); Coordenação

Leia mais

Tema Objetivos Conteúdos

Tema Objetivos Conteúdos Nº módulo CURSO VOCACIONAL - ELETRICIDADE, INFORMÁTICA E NOÇÕES BÁSICAS DE FINANÇAS 3.º Ciclo 2 anos. DISCIPLINA: Área Vocacional de Informática Distribuição Modular Tema Objetivos Conteúdos Aulas 45 1

Leia mais

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento Roland Artur Salaar Junior Companhia Paulista

Leia mais

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA OBJETIVOS Desenvolvimento de metodologia e sistema de automação do monitoramento de riscos e controles organizacionais para: Minimização dos riscos regulatórios

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 167 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções MONITORAMENTO DA QUALIDADE

Leia mais

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil São Paulo, 27 de Novembro de 2013 Agenda Grupo EDP Apresentação do projeto Status de

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Faixa de Segurança na Rede de Distribuição de Energia Elétrica Roçada e Corte Seletivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC/024 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA O SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA COSERN EXPERIÊNCIA COM UTR S E

Leia mais

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por:

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por: 1 Conceitos Call Center - O que é? Denominamos Call Center ou Central de Atendimento ao conjunto de soluções e facilidades (Equipamentos, Sistemas e Pessoal) que tem como objetivo fazer o interface entre

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*)

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips, para monitoramento de ativos pessoas ou objetos

Leia mais

Planejamento da Expansão de Sistemas de Distribuição com Geração Distribuída

Planejamento da Expansão de Sistemas de Distribuição com Geração Distribuída 1 Planejamento da Expansão de Sistemas de Distribuição com Geração Distribuída F. H. Pereyra Zamora, A. P. Cunha, J. C. Guaraldo, H. Kagan, M. R. Gouvêa e E. Vicentini Resumo Este artigo descreve os principais

Leia mais

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W Atividade Descrição Versão Abrangência Nota de complemento Geração de nota de complemento através do Sankhya-W. Informações da Sankhya/Jiva no Os e-mails de NF-e enviados

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil TORPEDO FÁCIL

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil TORPEDO FÁCIL XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil TORPEDO FÁCIL Ricardo Martins Marques Sandra Regina Carbone Valéria Cristiano AES Eletropaulo

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4 Versão 4.6.4 Sexta-feira, 08 de fevereiro de 2008 ÍNDICE 3 4 EDITORIAL NOVAS FUNCIONALIDADES 4 12 13 14 15 16 Novo Cronograma 4 5 5 6 7 8 8 9 9 10 10 Edição Rápida do Cronograma Recurso de Arrastar e Soltar

Leia mais

LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO

LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO AUTOR Henrique Florido Filho Redes 2012 1 Visão da empresa Empresa Brasileira Fundada em 1968 (45 anos), dedica-se ao projeto, fabricação

Leia mais

CoIPe. Telefonia com Tecnologia

CoIPe. Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia Qualidade de voz e mais 1.Economia 2.Integração 3.Autonomia 4.Ferramentas de Produção 5.Bilhetagem completa Recursos Fundamentais 1.Dados de Cadastro Campo com informações

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde ebook GRÁTIS PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde Primeiros passos para a otimização do call center em clínicas

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE)

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) Geração de Energia Elétrica Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) 1 Evolução do SEE (~100 anos) SISTEMAS ISOLADOS Sistemas de pequeno porte (necessidades locais) Pequena complexidade operacional

Leia mais

CompuStream Representação

CompuStream Representação Por Maximilian Immo Orm Gorissen Gerenciamento dos técnicos de campo Uma visão estratégica do business intelligence associado às operações de serviço a produtos. Nos últimos anos, o conceito de atendimento

Leia mais

Gabriel Carvalho Business Developer

Gabriel Carvalho Business Developer Gabriel Carvalho Business Developer ESTRUTURA DA CORPORAÇÃO Geosystems Metrology Captura, referência, analise, processo e armazenamento de valiosa informação geográfica, permitindo, em muitos casos, os

Leia mais

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras 1 / 16 Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras Seminário Internacional de Automação de Processos Comerciais e Operacionais nas Empresas de Distribuição da

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS

VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS Mário Lúcio de Sales Brito 1, Pedro Mendes Castro 2 O objetivo deste estudo é demonstrar que a utilização generalizada das Redes Protegidas é viável

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais