Eduardo Bomfim Machado 1 Marcela Gleice Vilela França 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eduardo Bomfim Machado 1 Marcela Gleice Vilela França 2"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DE FILAS VIRTUAIS: uma abordagem qualitativa da complexidade de organização e de controle de aspectos tangíveis do ambiente físico para filas de espera em operações de call Center. Eduardo Bomfim Machado 1 Marcela Gleice Vilela França 2 RESUMO:Este artigo procura evidenciar, através de uma pesquisa exploratória, de natureza qualitativa, razões para se delinear novos constructos a partir do Modelo de Moderação de Raiva e Remorso para o Tempo Percebido de Espera de Voorhees et al. Sobretudo em operações de call center. Foram levantados autores e conceitos acerca do gerenciamento de filas, acrescentando modelos gerenciais de disponibilidade utilizados por empresa do setor. A grande motivação dessa pesquisa inicial está relacionada com a questão: Estariam os serviços de call center sujeitos aos mesmos elementos de moderação de qualidade do ambiente físicos que os serviços de alto contato com entrega pessoal? O resultado direciona a uma necessidade de novas abordagens tanto para o setor de call centers, quanto demais serviços de atendimento à distância. PALAVRAS CHAVE: Call Center; marketing de serviços, gerenciamento de filas; evidência física, aspectos tangíveis. 1 - INTRODUÇÃO Em uma movimentação acelerada percebida no final dos anos 1990 aqui no Brasil, sobretudo com a privatização do setor de telecomunicações, empresas prestadoras de serviços, ou aquelas com áreas de serviços complementares tais como: bancos, operadoras de telefonia, cartões de crédito, indústrias, entre outras, optam em organizar sua área de suporte técnico, vendas, telemarketing, marketing direto e relacionamento em uma central operacional (Call Center) 24x7 dotada com essa finalidade. Com uma busca pela produtividade com redução de custos operacionais, estas organizações desenvolveram ou migraram para operações de Call Center, mas que sugerem um afastamento do contato direto com clientes por funcionários linha de frente. Uma terceirização, nesse sentido, favorece efeitos perceptíveis nas questões de abrangência, volume de contatos e uma natural dissociação que ocorre entre prestador e receptor de serviços. A definição para a classificação empresarial apresentada por Madruga (2010) um Call Center é aquela empresa que, através dos avanços em tecnologia, ampliou as aplicações de contato com clientes realizadas inicialmente nos anos 1980, por intermédio de serviços de atendimento, pessoas e processos para uma concepção de múltiplos contatos e serviços ativos e receptivos junto a uma base de clientes disponível. O fator tecnologia e contatos com clientes a distância são também evidenciados por Boazuda (2009), além de também mencionar um crescimento robusto para esse setor aqui no Brasil. Para um dimensionamento do atendimento de um call center, mais especificamente em relação a determinada operação, parte-se de um princípio gerencial de dimensionamento de operações. Sendo essa última tida como uma atividade crítica para um bom desempenho operacional, com ênfase no aspecto econômico de custos de transação. O gerenciamento de uma fila de operações de call center parte de uma premissa quantitativa com ênfase em critérios analíticos, tentativas de parametrização e definição de dimensionamento de atendimento. Métodos de previsão de atendimento baseados em relações de tempo médio de atendimento, tempo de adesão, índices de abandono de chamadas e absenteísmo, entre outros, se mostram normalmente favoráveis ao gerenciamento e controle dessas operações, o que deixa em um segundo plano o mapeamento e as consequências negativas de atrasos e esperas em filas. (BOAZUDA, 2009); (ARAÚJO; ARAÚJO; ADISSI, 2003) Tais questões remetem a uma possibilidade de dinamização e melhoria de percepções sobre um desempenho de empresas de call center a partir da inclusão do gerenciamento de aspectos de percepção de esperas ou atrasos, sobretudo numa abordagem de emoções negativas advindas de discrepâncias entre expectativas dos clientes e o resultado obtido numa fila virtual. Em se analisar os resultados de moderação dos aspectos tangíveis de uma fila em função da percepção dos clientes de filas presenciais, em comparativo com os métodos e abordagens PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN l 29

2 de gerenciamento atualmente praticados por uma empresa de call center, pode-se chegar ao resultado de validação, ou não, para esse efeito de moderador, também em filas virtuais. Porém, indica-se que a ausência absoluta de oferta de componentes tangíveis para os clientes em espera por si só poderia indicar um viés para esse modelo apresentado por Voorhees et al (2009), mas que prescinde ainda de uma preparação para que novas pesquisas possam ser levantadas com esse fim junto a empresas desse setor. O presente artigo pretende explorar as relações entre conteúdos de gerenciamento de filas presenciais, com operações de call center que possuem filas de espera de disponibilidade não tangíveis. Assim, estariam os serviços de call center sujeitos aos mesmos elementos de moderação de qualidade do ambiente físico que os serviços de alto contato com entrega pessoal compreendidos como filas presenciais? 2 - OBEJTIVOS E MÉTODOS O objetivo geral desse artigo é analisar se os moderadores de gerenciamento de aspectos tangíveis e de organização de filas presenciais podem ser utilizados por operações de call center. Através de uma revisão da literatura de marketing de serviços e das contribuições de Voorhees et al, (2009) será apresentado, em uma abordagem qualitativa, um estudo de caso sobre operações que sugerem gerenciamento de filas virtuais em um renomado call center. 3 - REFERENCIAL TEÓRICO MOMENTOS DE CONTATOS E ENTREGA DE SERVIÇOS Apresentando uma ponderação das abordagens de escolha e entrega de serviços, Lovelock e Wright (2005) indicam que o nível de contato entre receptor e ofertante estabelece diferenças de percepção de qualidade para os clientes. Estrategicamente, uma empresa poderá elevar a interação entre colaboradores e clientes como forma de favorecer a percepção da qualidade, ou ainda, causar uma diminuição da mesma em favor de uma padronização maior de atendimento. Nesse sentido, pode-se avaliar serviços de Baixo Contato, de Médio Contato e de Alto Contato em uma escala que oscila entre o contato com equipamentos e o contato com pessoas. Em Zeithaml, Bitner e Gremler (2011), encontra-se a indicação de classificação de encontros com serviços, que podem ser: encontros remotos, encontros telefônicos e encontros pessoais. Em se verificando os elementos de intangibilidade de serviços (HOFFMAN; BATESON, 2003); (BATESON; HOFFMAN, 2003) enquanto característica de uma prestação o fato da falta de contato humano pode asseverar essa condição de percepção de qualidade uma vez que são utilizados elementos de tangibilidade para verificação de qualidade em serviços, tal como no modelo SERVQUAL. Para L. Brown et al (2002), apud em Boazua (2009) uma fila em um call center possui uma formação a partir da não existência de disponibilidade imediata de atendimento, bem como a sua absoluta representação virtual com uma não interação social entre os participantes dessa fila que não se veem ou se percebem, o que aconteceria normalmente me uma fila tradicional. PREVISÃO DE ATENDIMENTO Quando Lovelock e Wright (2005); Rust, Zahorik e Keiningham (1996) iniciam sua abordagem sobre aspectos de demanda de serviços, fica patente a questão da previsibilidade (forecast) ser ainda mais crítica do que em relação aos produtos tangíveis. O que rapidamente se direciona, não a aspectos de intangibilidade dos serviços, mas sobre seus aspectos relacionados com a perecibilidade, já que os estoques físicos dos produtos compensam de alguma forma falhas de previsão de demanda, fato que não ocorreria com serviços, pois os mesmos são produzidos quando demandados. For highly intangible services there is no way to build inventories to prepare for predicted increases in demand, much less hold buffer stocks to cover unpredicted surges. RUST; ZAHORIK; KEININGHAM (1996, pág. 24) Assim, Lovelock e Wright (2005), aprofundam suas análises por sobre o que as empresas prestadoras de serviços poderiam organizar em função dessa incapacidade de precisão para se prever a demanda. Esse conteúdo, retratado também por Zeithhaml, Bitner e Gremler (2011), está condicionado a elementos de entrega e capacidade produtiva. Em uma análise inicial, os referidos autores, indicam um comparativo entre oferta e demanda, resultando em três situações distintas: excesso de demanda, excesso de capacidade, capacidade ótima. Que podem ser ainda melhor qualificadas com a percepção sobre: demanda abaixo da capacidade ofertada; demanda dentro de uma faixa de qualidade de serviços; demanda que supera o limite de qualidade operacional; e a demanda que supera a capacidade máxima dos serviços. Sobre o que venham a ser os elementos que definem uma capacidade instalada para operações de serviços, ou ainda, na percepção de Zeithaml, Bitner e Gremler (2011), condicionantes de uma restrição à capacidade, são os elementos instalações físicas de operações, espaço físico de contenção de clientes, 30 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN

3 equipamentos disponíveis utilizados, acesso a grupos e forças de mercado e principalmente pessoas. (LOVELOCK; WRIGHT, 2005) Tanto o gerenciamento da capacidade, quanto a gestão da demanda encontram um ponto crítico de contato quando se percebe o acúmulo de clientes demandantes de serviços, situados em uma faixa que excede a referida capacidade ótima de oferta com qualidade e a capacidade máxima operacional de determinada oferta de serviços. Nessa situação ocorre a formação de filas de espera, fenômeno mercadológico bem típico dos serviços. (LOVELOCK; WRIGHT, 2005) A Teoria das Filas, primeira abordagem sobre esse ajuste entre oferta e demanda com a necessidade de envolvimento e espera dos clientes demandantes surgiu no início do século passado. Contudo, as questões que envolvem filas para serviços que podem ser oferecidos em bases informais, intermediários e outros canais virtuais de contato são questões mais relacionadas com a tecnologia, o que direciona para as atuais demandas de gerenciamento de filas. (LOVELOCK; WRIGHT, 2005); (RUST; ZAHORIK; KEININGHAM (1996) Partindo-se de uma abordagem de engenharia da produção ou pesquisa operacional, Lovelock e Wright (2005); Rust, Zahorik e Keiningham (1996); Zeithaml, Bitner e Gremler (2011), propõem que o gerenciamento de um sistema de serviços, que dependa da espera e organização do atendimento a clientes, em uma ordem programada passe por uma definição inicial dos elementos que compõem esse cenário de serviços, tais como: população cliente, capacidade da força de trabalho, processo de chegada, índice de desistência (repúdio), configuração da fila, política de escolha de clientes, envolvimento dos clientes, processo de serviço em si e estratégias de flexibilização de serviços. AGUARDAR POR SERVIÇOS Dentro destas perspectivas algumas estratégias são utilizadas para diminuir esse desconforto da espera. No entanto, os autores pesquisados, tais como Bateson e Hoffman (2003) discutem sobre serviços que são prestados na presença simultânea dos provedores e dos clientes e enfatiza a necessidade da utilização de aspectos tangíveis: televisão (entretenimento); cadeiras (conforto); jogos (entretenimento), revistas e jornais (entretenimento, cultura); sinalização do tempo de espera (previsibilidade); degustação (no caso de bares e restaurantes) e outros, como forma de distração. Existe, segundo Lovelock e Wright (2005), também retratado por Zeithaml, Biter e Gremler (2011), uma restrição natural da oferta de serviços em função da demanda de clientes que se organizam em uma fila. De um lado, a necessidade e a lógica empresarial de maximização de resultados financeiros e de outro, o interesse e comodidade dos clientes que possuem aversão a filas, que tomam um tempo maior que o esperado para obtenção de soluções às suas demandas. Daí a justificativa inicial para um estudo detalhado da percepção do tempo de espera por parte do demandante, que se apresenta com dez pressupostos. Tais pressupostos são apresentados de forma ampla e generalizante, porém pode-se prever que dependendo da natureza dos serviços e das demais circunstâncias, ocorre a prevalência de um ou mais pressupostos. DEZ PROPOSIÇÕES SOBRE A PSICOLOGIA DAS FILAS DE ESPERA. 1- O tempo desocupado parece mais longo que o ocupado. 2- A espera do processo e a espera pós-processo parecem mais longas do que a espera do processo. 3- A ansiedade faz a espera parecer mais longa. 4- A espera incerta é mais longa que a espera conhecida, finita. 5- A espera inexplicada é mais longa do que a espera explicada. 6- A espera injusta é mais longa do que a equitativa. 7- Quanto mais valioso o serviço, mais tempo as pessoas esperarão. 8- A espera solitária parece mais longa do que a em grupo. 9- A espera fisicamente incômoda parece maior do que a confortável. 10- A espera parece mais longa para usuários recentes ou ocasionais do que para os frequentes. Fonte: (LOVELOCK; WRIGHT, 2005, pág. 373) SEGMENTAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE SERVIÇOS Sobre os clientes de operações de serviços que aguardam em filas, Rust, Zahorik e Keiningham (1996), indicam uma segmentação via probabilidade de lucro ou CRA (Customer Return Assets) que favorece a decisão de inclusão de determinada categoria de clientes baseada em uma métrica de desempenho comercial dos mesmos. Dentro da indústria, os autores indicam exemplos de escolha de clientes potenciais para programas de relacionamento baseado segmentos com necessidades especiais que direcionam a manutenção de uma base de clientes rentáveis. Essa relação é melhor detalhada por Zeithaml, Binter e Gremler (2011) que apresentam uma representação de uma cadeia do lucro com serviços que melhor representa essa relação da satisfação do funcionário em um momento proporcionando a satisfação do cliente em outro momento, sendo essas duas condições orientadas em função da rentabilidade. Contudo, toda essa concentração de esforço de prestação de serviço com qualidade, pode ser minimizada com o que Zeithaml, Binter e Gremler (2011) indicam como crescimento do PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN l 31

4 auto atendimento ou substituição de serviços. Assim empresas podem favorecer uma dissociação maior da sua prestação de serviços, com um maior envolvimento dos clientes sem a necessidade de uma contrapartida de funcionários de atendimento em um mesmo momento. Sem o prejuízo da satisfação, empresas podem não apenas recrutar melhores funcionários como Hoffman e Bateson (2003) indicam, mas recrutar clientes nas palavras de Zeithaml, Binter e Gremler (2011), para procedimentos de auto atendimento, comunicação e ajuda mútua. CLIENTES CONSCIENTES DA ESPERA O conjunto de preocupações referentes à qualidade de serviços e de sua mensuração direcionam ao que Lovelock e Wright, (2005) abordam como os benefícios para a satisfação dos clientes de serviços. Todo esse esforço está refletido no interesse das organizações em manter clientes de serviços satisfeitos. A partir de uma abordagem quantitativa, Bateson; Hoffman (2003) indicam base operacional de desempenho financeiro superior a partir de uma base de clientes leais às organizações, ou de forma paralela, organizações com clientes retidos. (HOFF- MAN; BATESON, 2003) Nesse sentido Godin (2000) apresenta uma abordagem que considera a anuência dos clientes de determinada empresa em receber ou não comunicações sobre ofertas, promoções, contatos ou outra atividade de marketing. Com isso, torna-se ainda necessário para otimização de esforços e recursos, obter desse cliente alvo determinado grau de permissividade dessa interação. Em se tratando de comunicações personalizadas, tais como e- -mail marketing. mala direta ou telemarketing ativo, receber essa interação não autorizada pode conduzir ao cliente alvo a uma sensação de desprazer. (ZEITHALM; BITNER; GREMLER, 2011) Paralelamente ao referido esforço de qualidade de atendimento ou recuperação de serviços, surge uma frente de preocupação empresarial com a chamada Deserção por parte do cliente. O efeito de redução da deserção é configurado com esforços e táticas de retenção. (BATESON; HOFFMAN, 2003); (HOFFMAN; BATESON, 2003) Baseado nas indicações de Voorhees et al, (2009), as situações de atrasos na entrega de serviços são moderadas por: percepção de justiça, comprometimento afetivo dos clientes com a organização e qualidade do ambiente físico de espera. Tais condições condicionam alterações que podem promover resultados negativos nos receptores de serviços que oscilam entre o remorso e a raiva. Com uma indicação de pesquisas diversas sobre o tempo de espera em filas, os autores supracitados, também apresentam os aspectos negativos de uma experiência contrária de entrega de serviços, bem como uma sensação de escolha mal feita por parte de um cliente de serviços. Sob essas duas condições estabelecem-se os resultados de raiva e remorso respectivamente. PRESSUPOSTOS A partir dos resultados apresentados por Voorhees et al, (2009) e a validação (supported) da hipótese sobre o acréscimo de raiva, que pode ocorrer com um cliente com uma percepção de demora ou atraso associada com a espera em uma fila Acrescentando-se que essa mesma percepção de tempo de espera favorece questões relativas ao arrependimento, que é também uma hipótese válida (supported) dentro desse mesmo estudo, chega-se ao limite operacional das empresas prestadoras de serviços de call center em gerenciar a qualidade de sua entrega de serviços a partir de elementos relacionados com o humor e a tolerância dos clientes demandantes. Mesmo com a indicação de validade para relações entre a qualidade do ambiente físico, a percepção do tempo de espera e os estados negativos de raiva e arrependimento indicados pelo estudo de Voorhees et al (2009), esses mesmos elementos de qualidade de ambiente físico não estão diretamente relacionados com estados de raiva, mas com estados de arrependimento por parte dos clientes de serviços. Ao que sugere que o cliente tolera contatos em ambientes não favoráveis, mas não tolera sua permanência em tempo maior que o previsto. Em seu caráter moderador, os elementos relativos à qualidade do ambiente físico não devam representar relevância para operação de serviços de call center devido ao seu baixo envolvimento, ou com baixo grau de inseparabilidade proporcionados pela tecnologia O que efetivamente ocorre em uma prestação de serviços de call center é um rompimento, ou uma extrapolação de limites gerenciais de entrega de serviços apresentados em um modelo de SERVUCTION (LOVELOCK; WRIGHT, 2005); (BATESON; HOFFMAN, 2003). Sobre a apresentação do conceito de Interações Sociais em Voorhees et al (2009), no momento da espera por serviços, indica-se que durante o tempo de espera em filas virtuais essa probabilidade de interação entre clientes demandantes é muito reduzida, dado ao caráter assíncrono ou multiespacial da espera. O que fundamentalmente não deveria ser alvo de preocupações por parte de uma empresa que oferta tele atendimento, assim como um call center, em se observando o referido esforço gerencial de SERVUCTION, mas que pode ainda receber algum tipo de interferência nesse sentido, quando um cliente compartilha sua espera com uma outra pessoa alheia ao serviço esperado. Esse tipo de situação pode ser analisada como sendo um 32 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN

5 tipo de interação social mais comum para filas virtuais, do que interações sociais presenciais entre clientes em uma fila comum com alto envolvimento. Outro ponto relevante para a geração dessas duas emoções negativas (raiva/arrependimento) com a percepção de atraso ou na espera da entrega de um serviço relaciona-se com questões de justiça percebida. Voorhees et al (2009) indicam que essa questão está mais relacionada com o arrependimento do que propriamente com a raiva. Em sua proposição que a justiça percebida da espera moderaria a raiva e o arrependimento associados à experiência de serviço, os resultados apontam que a raiva está parcialmente validada (Partially supported), sendo então o arrependimento o sentimento mais associado a essa percepção (supported). Sendo Justiça de Resultado um elemento não associado diretamente com a espera em filas, indica-se que os demais elementos descritos por Zeithaml; Bitner; Gremler (2011), a Justiça de Processos e a Justiça de Interação fornecem campos satisfatórios de bases de pesquisas para filas virtuais em sua percepção de espera por parte dos clientes envolvidos. Associando-se esse conceito de Justiça de Interação com o conceito da Teoria da Intimidade apresentado D. Perlman; B. Fehr, 1987 apud Voorhees et al (2009) e propriamente com o conceito de Comprometimento Afetivo; J. P. Meyer and C. A. Smith (2000) apud Voorhees et al (2009) tem-se bases suficientes para indicar que esses dois elementos reunidos fornecem melhores elementos de moderação para os resultados do tempo de espera percebido. Nos resultados de Voorhees et al (2009) tem-se que a justiça percebida está relacionada com a raiva em si e na percepção da espera (supported) assim como o remorso em si e essa mesma percepção de espera, ambos validados. (supported). Contudo, o comprometimento afetivo dos clientes, nos estudos de Voorhees et al (2009) não direcionam como um moderador confiável para estados de raiva, mas confirmam essa possibilidade para estados de remorso por parte dos clientes de serviços. Outro fator que chama a atenção é que esse comprometimento afetivo perde parcialmente a capacidade de moderação para efeitos de percepção de espera em fila (Partially supported), o que denota uma capacidade maior de lidar com espera em filas de clientes com vínculos emocionais ou subjetivos às empresas prestadoras de serviços. CONTROLE PERCEBIDO Possivelmente, essa indicação racional de tentativa de redução de risco por parte de empresas possui relação com o que Bateson e Hoffman (2003) e Hoffman e Bateson (2003) indicam como Controle Percebido, ou ainda, a busca pelo controle por parte do receptor de serviços pessoa física, sobretudo dentro dos chamados Encontros de Serviço. (LOVELOCK; WRIGHT, 2005) Anunciada como uma perspectiva de abordagem para o entendimento do comportamento de um consumidor, Hoffman e Bateson (2003) relatam conflitos entre desempenho e satisfação, que são gerenciados pelas organizações. Ou ainda, que tal modelo de análise de comportamento deva ser retirado da categoria de simples atributos de qualidade e elevados a uma condição superior de análise, ou seja, quanto maior seria o controle de um receptor de serviços durante a prestação, maior seria sua satisfação geral. O que pode ser melhor entendido nas palavras dos autores: Assim, quando os clientes percebem que estão no controle, ou pelo menos que o que está acontecendo a eles é previsível, o efeito pode ser o mesmo que o conseguido por controle comportamental. Em outras palavras, é a percepção do controle, não a realidade, que é importante. (HOFFMAN; BATESON, 2003 Pág. 111) O controle percebido é componente crítico de satisfação em algumas operações de serviços, o que traduz a tentativa dos clientes receptores de serviços em familiarizar-se com a execução de serviços dentro de uma zona de tolerância apresentada por Hoffman e Bateson (2003) Em se afastar das evidências físicas de um cenário de serviços Zeithaml; Biter; Gremler (2011) apresentam condições necessárias para inclusão de aspectos tangíveis de uma prestação de serviços, como sendo também alvo da percepção de controle por parte dos clientes. Direcionando para essa percepção de tempo de espera para filas virtuais a ser gerenciada pelas organizações, através dos componentes moderadores de: percepção de justiça; comprometimento afetivo. A redução do tamanho da fila seria outra forma de se lidar com a intolerância de atrasos, mas que por razões operacionais, existem fortes elementos que direcionam uma decisão contrária a esse esforço seja por razões operacionais ou econômicas. (VOORHEES, et al, 2009) AS OPERAÇÕES DE CALL CENTER DA EMPRESA CONTAX A Contax é uma empresa contact center que surgiu no final de 2000 e atua oferecendo serviços completos de atendimento, ativo ou receptivo, como atendimento ao cliente, help desk, telemarketing, centrais de cobrança, retenção e internet call center. Hoje é reconhecida como o principal player em seu segmento. (CONTAX, 2011) Segundo o site da empresa, Contax (2011), atua em várias capitais, como Fortaleza, Recife, Salvador, Brasília, Rio de PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN l 33

6 Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo e Porto Alegre, realizando aproximadamente 180 milhões de contatos por mês, através de telefone, correio, , SMS, internet e chats. São mais de 80 mil funcionários que passam constantemente por capacitação profissional. Todos os seus 32 sites localizados nestas regiões foram construídos a partir de padrões rigorosos de qualidade, com tecnologia de última geração, modernos sistemas de segurança além de apresentar um bom clima organizacional. A Contax dedica seu crescimento ao: foco em operações de grande volume de transações e alta complexidade; foco em qualidade, objetivando a satisfação do cliente final (investimento massivo em treinamento e processos) e grande capacidade de investimento. Possuindo aproximadamente 70 clientes corporativos, como alguns dos maiores bancos brasileiros, empresas do setor de telecomunicações, de TV por assinatura, de processamento de cartões de crédito e distribuidoras de energia elétrica (ex.: Itaú, Citibank, HSBC, American Express, Carrefour, Globo, Renner, Bunge, Shell, Cemig e vários outros). (CONTAX, 2010) Em Contax, (2010) indica que desde sua fundação, a empresa vem conquistando premiações importantes nos quesitos tecnologia, relacionamento e qualidade. Destas premiações, destaca-se o Prêmio Intangíveis Brasil. Este prêmio significa que a empresa foi a vencedora da categoria Serviços Profissionais Prêmio Intangíveis Brasil 2010, promovido pelo Grupo Padrão e pela DOM Strategy Partners, que reconhece as empresas que praticam a Excelência na Gestão de seus Ativos Intangíveis (elemento diferencial cada vez mais fundamental na composição de valor de mercado e na construção da reputação das corporações que competem na economia moderna e global). O que não deve ser confundido com o tema geral desse artigo. CONTROLE DE OPERAÇÕES A capacidade de um contact center pode ser definida como o máximo de chamadas processadas para um determinado nível de serviço (indicador que mede a acessibilidade do atendimento pelo contact center). A razão principal para o abandono de chamadas é o tempo de espera muito longo. Este tempo é em função do tempo de atendimento, da variabilidade do tempo de atendimento e o nível de utilização do atendente. (MADRUGA, 2009) Nos serviços de call center, Contax (2010), é importante que se faça o forecast (previsão) e dimensionamento (adequação das estruturas físicas, técnicas e de pessoal de um contact center aos objetivos da operação de atendimento aos consumidores) das chamadas. Estes só são possíveis a partir da coleta de dados como: quantos contatos foram recebidos; quando eles foram feitos e quanto tempo duraram e suas análises. Os indicadores que influenciam nesta definição de forecast são: tempo de conversação (talk time); tempo de trabalho pós-chamada (after call work); tempo médio de tratamento da chamada (average handling time) e volume das chamadas (call load). DA CRIAÇÃO DE PARÂMETROS DE ANÁLISE DE ASPECTOS INTANGÍVEIS O processo pelo qual passam as ligações originadas pelos consumidores/usuários na empresa pesquisada está representado na figura 01. As chamadas oferecidas (1) podem encontrar o Contact center ocupado, recebendo o usuário o tom de ocupado (2). Uma chamada recebida (3) será atendida e tratada imediatamente (4) ou será retardada (5) para atendimento posterior, entrando na fila de atendimento (retardo). Uma vez nesta fila, sabe-se que o usuário em geral apresenta três comportamentos: abandona a fila imediatamente (6); espera e obtém o atendimento (7) ou abandona após o retardo, durante esta espera na fila (8). (CONTAX, 2010) Segundo Madruga, (2009); Boazuda (2003), essas filas nos serviços são comuns, devido à sua imprevisibilidade. Em relação ao nível de ocupação adequado, de acordo com pesquisa realizada pela própria empresa, ocupações acima de 90%, durante um período de tempo extenso, estressam as equipes de atendimento. Em períodos de altas ocupações, gerar pausas é uma reação natural, porém se trata apenas de uma atitude paliativa. Além das variações aleatórias, inclusive diárias, na demanda pelo serviço, há ainda o tráfego de pico, que se refere ao surto de tráfego além dessas variações supracitadas. Ele acontece a partir de promoções via jornais, revistas, rádio, televisão, mala direta e SMS que levam a um retorno imediato. Como medida de solução para estes problemas, hoje são utilizados os DACs Distribuidores Automáticos de Chamadas, que surgiram na década de 90. O DAC é um sistema especializado, que possui facilidades como: atendimento automático, enfileiramento de chamadas, distribuição por atendentes e outros. Ele reconhece o consumidor ou usuário final que liga para o Contact center pela atribuição de um número de identificação 34 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN

7 denominado ANI (Automatic Number Identification), serviço fornecido por uma rede telefônica que permite conhecer o número de telefone chamador. Quando há um tráfego de chamadas que excede a capacidade do site, o sistema atua e destina o tráfego excedente para outros grupos de colaboradores ou até mesmo de outros sites, o que é chamado de capacidade de overflow. Já para o índice de abandono de filas, a tolerância do usuário, que é a quantidade de tempo que ele suporta esperar antes de abandonar a fila, é um fator relevante. Alguns fatores que interferem nessa tolerância são: o grau de motivação do usuário para a respectiva chamada; o nível de serviço do concorrente; disponibilidade de substitutos para aquela chamada (um site, por exemplo); nível de expectativa do usuário; disponibilidade de tempo para aquela chamada naquele momento; quem pagará a conta da chamada e o próprio comportamento humano (humor da pessoa naquele momento). Tais componentes são relevantes em comparativo com as emoções negativas indicadas por Voorhees et al (2009) de raiva e de arrependimento. Apesar destas variações aleatórias somadas ao tráfego de pico, que são fatores incontroláveis à empresa, ela deve gerenciar bem os fatores controláveis e que estão relacionados à acessibilidade e atendimento dos agentes. (CONTAX, 2010) Como em várias outras atividades e segmentos, os funcionários, principalmente de contato, tem muita relevância no resultado da entrega. Nos Contact centers a denominação utilizada para o gerenciamento da força de trabalho é Work Force Management WFM. A gerência de WFM pode ser dividida em várias etapas: definição dos níveis de serviços; coleta constante de dados históricos; previsões de carga de trabalho (forecast); dimensionamento de equipes; geração de escalas conforme dimensionamento; medição de desempenho; monitoramento em tempo real da aderência à escala (diferença entre escala planejada e real) e ações preventivas e corretivas (ênfase na primeira). Para que o processo de gerência seja efetivo, o gerente precisa conhecer bem o ambiente de trabalho, seus objetivos, os produtos e processos envolvidos, além de saber suas principais forças e fraquezas. Para auxiliá-lo, existem várias ferramentas que proporcionam uma diversidade de relatórios e facilitadores de planejamento. O tamanho das equipes para tratar os contatos e a escala associada advém dos objetivos de níveis de serviço. Na indústria, não existe um padrão de níveis de serviço, já que são influenciados por vários fatores, como: o valor do custo da chamada; custos trabalhistas; custos de telecomunicações; fatores de tolerância de chamadas; estratégia de diferenciação de produtos e serviços. No entanto, as agências reguladoras definiram que o atendimento dos serviços de SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) seja feito em até 2 minutos e que a resposta seja dada em até 1 minuto, sem transferências sucessivas de agentes. Ao que se percebe, o tratamento gerencial indicado para disponibilidade e atendimento a filas virtuais não considera aspectos relacionados com segmentação de clientes em suas demandas e nuanças. Com um tratamento inicial de primeiro que entra, primeiro que saí, as filas virtuais promovem esperas telefônicas de acordo apenas com dados de expectativa de entrada de clientes, que podem ser curtas ou longas, sem relação direta com a complexidade ou motivação do contato estabelecido. (CONTAX, 2010) Contudo, em relação a este dimensionamento dos Call centers a demanda varia, de forma aleatória e com muita frequência. Portanto, a quantidade da equipe a ser alocada depende do nível de serviço desejado pela empresa, na tentativa de minimizar o tempo de espera dos usuários e evitar o abandono da fila de espera. Esse dimensionamento é feito a partir da quantificação dos recursos, tanto em forma de infraestrutura quanto em forma de agentes. As escalas são feitas para que a demanda de chamadas e a oferta de agentes se casem, pois um dimensionamento mal feito pode gerar níveis de serviços instáveis, custos excessivos e clientes insatisfeitos. 5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS Os limites dessa abordagem indicam claramente a necessidade de pesquisas com os clientes de serviços de call center para um tentativa de mapeamento das suas interações com empresas desse setor. Com um foco específico em mapear a qualidade, a percepção da qualidade e as reações negativas a uma percepção de espera indevida ou atraso no atendimento, pode- -se chegar ao entendimento de novos elementos moderadores substitutos dos aspectos tangíveis, tais como outros padrões de interação de comunicação que podem ocorrer dentro do período de espera de atendimento. Em se discutir os resultados de Voorhees et al sob a luz das operações de call center, pode-se abrir campo para novos padrões gerenciais que favoreçam clientes dessas organizações na redução ou mitigação de emoções negativas dessas operações. Empresas que trabalham com atendimento ou prestações de serviços que possuam filas de organização virtuais podem se valer novos modelos de segmentação e previsão de operações baseados em quantidade ou qualidade de esforços de suprir a falta de percepção de aspectos tangíveis em um fila de espera virtual. Assim como seus clientes seriam também beneficiados com modelos gerenciais mais relacionados com a satisfação de clientes, mesmo com as restrições operacionais de custos e produtividade por parte de empresas de call center. PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN l 35

8 A realidade dos Contact centers, que são serviços prestados à distância, no qual prestador e cliente não estão no mesmo ambiente dependem de uma utilização de músicas em espera telefônica que pode diminuir a ansiedade e sensação de ociosidade por parte dos consumidores. Para Madruga, (2009), (i) Mensagens de tempo; (ii) Mensagens institucionais e (iii) Mensagens de produtos e serviços, são os elementos mais utilizados. Em um esforço de comunicação e relacionamento que tende a reduzir impactos de esperas em filas virtuais, as ligações recebem através de URA (Unidade de Resposta Audível) um atendimento inicial para depois entrarem em uma fila (sensação do usuário de já estar no processo). Para saber o que interessa ao usuário nesse momento de tentativa de redução do impacto de espera ou do abandono de chamadas, novas pesquisas de mercado deveriam ser feitas. Estas informações sendo realmente relevantes, os ajudariam a aliviar a ansiedade, já o esclarecimento desses processos os ajudariam na compreensão do porquê da espera (espera explicada), o que a tornaria mais tranquila. Com isso, poderia se perceber melhor a validade de uma substituição dos aspectos tangíveis como moderador de uma fila de espera, para esforços de comunicação e relacionamento em uma fila virtual como moderador de redução da raiva ou arrependimento em percepção de tempo de espera. Para efeito de aproximação da solução da questão norteadora, dado aos condicionantes operacionais prescritos pelas operações de call center observa-se absoluta relevância na tentativa de gerenciamento das filas, porém os elementos descritos pelo artigo base dessa proposta indicam ainda relativa transferência do alto contato com consumidores, verificados em filas reais, para um baixo contato, verificado em operações consideradas virtuais. 6 - REFERÊNCIAS ARAÚJO, Marcus Augusto Vasconcelos; ARAÚJO, Francisco José Costa; ADISSI, Paulo José: Distribuição da demanda telefônica de um call center através da criação e priorização de filas inteligentes. Artigo publicado em XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 de out de BOAZUDA, Marco Aurélio Carino: Dimensionamento de um call center: simulação ou teoria de filas? Artigo publicado Anais SIMPOI, CONTAX: Workshop de planejamento de tráfego. Programa CRES- CER, : Contax Contact Center. Disponível em: br. Acesso em: 19 jul GODIN, Seth.: Marketing de permissão: transformando desconhecidos em amigos e amigos em clientes. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, p. HOFFMAN, K. Douglas; BATESON, John E. D.: Princípios de marketing de serviços, conceitos, estratégias e casos. São Paulo: Pioneira Thomson, págs. LOVELOCK, Christopher; WRIGHT, Lauren: Serviços, marketing e gestão. São Paulo: Editora Saraiva, Págs. MADRUGA, Roberto: Gestão moderna de call center & telemarketing, os 9Gs indispensáveis para você entender, criar e revolucionar centrais de atendimento. São Paulo: Editora Atlas, ª Ed. 161 Págs. VOORHEES, Clay M.; BAKER, Julie; BOURDEAU, Brian L.; E. BROCATO, Deanne; CRONIN J. Joseph, Jr.: It Depends: moderating the relationships among perceived waiting time, anger, and regret. Journal of Service Research. 2009, 12: 138. Originally published online 18 May ZEITHAML, Valerie A.; BITNER, Mary Jo; GREMLER, Dwayne D.: Marketing de serviços, a empresa com foco no cliente. Porto Alegre: Bookman, a ed. 740 Págs. NOTAS DE RODAPÉ 1 Mestre em Administração de empresas, pesquisador no Centro Universitário Newton Paiva, possui trabalhos nas áreas de marketing e estratégia empresarial. Pesquisador CNPQ AMTEC-GEMATEC. 2 MBA em Marketing (FGV); Especialista em Gestão Estratégica de Negócios (IETEC) possui trabalhos na área coaching e de serviços e padrão de atendimento Disney Resorts. BATESON, John E. D.; HOFFMAN, K. Douglas: Marketing de serviços. Porto Alegre: Bookman, a Ed. 495 págs. 36 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN

9 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN l 37

10 38 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN

11 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 2012/2 - EDIÇÃO 6 - ISSN l 39

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Livraria Saraiva A Livraria Saraiva é uma empresa brasileira, fundada em 1914 e hoje é a maior livraria

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estratégias para gerenciar filas de espera.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estratégias para gerenciar filas de espera. Fiorella Del Bianco Tema: Estratégias para gerenciar filas de espera. Objetivo: Apresentar opções de estratégias para minimizar problemas gerados pelas esperas, como desconforto e insatisfação. Em termos

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Empresa do Grupo como foco soluções completas em gestão de ambientes de TI, desenvolvimento de software e inteligência de CRM,

Empresa do Grupo como foco soluções completas em gestão de ambientes de TI, desenvolvimento de software e inteligência de CRM, A todo! Portfólio Clientes Empresa do Grupo, tendo como foco soluções completas em gestão de ambientes de TI, desenvolvimento de software e inteligência de CRM, Uma das 10 maiores empresas de TI do Brasil

Leia mais

Capacitação em Call Center: uma análise sobre os processos de treinamento e de seus resultados

Capacitação em Call Center: uma análise sobre os processos de treinamento e de seus resultados IX WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 15 e 16 de outubro de 2014 Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Capacitação em Call Center: uma

Leia mais

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos.

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos. CONHEÇA A VALECARD Soluções completas e integradas para a gestão de benefícios, gestão financeira e de frotas. Cartões aceitos em todo território nacional, por meio da Redecard, Cielo e ValeNet, o que

Leia mais

Contact@Net 300. Contact@Net 300 é uma poderosa Solução para Centrais de Atendimento (Call Center) totalmente integrada ao SOPHO is3000.

Contact@Net 300. Contact@Net 300 é uma poderosa Solução para Centrais de Atendimento (Call Center) totalmente integrada ao SOPHO is3000. Contact@Net 300 Com o objetivo de maximizar a interação com o cliente, otimizar o serviço prestado e gerar novas receitas, várias empresas estão investindo cada vez mais em centrais de atendimento, dedicando

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Uma revolução para o e-call Center

Uma revolução para o e-call Center 1 Uma revolução para o e-call Center O canal de voz como principal ou única forma de comunicação dos contact e call centers é coisa do passado. Claro, seu uso não vai morrer tão cedo, mas a presença dos

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde ebook GRÁTIS PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde Primeiros passos para a otimização do call center em clínicas

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. 1 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. RESUMO Camila Rezende Bambirra 1 Ronaldo Maciel Guimarães 2 Este artigo tem como objetivo Identificar

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

TREINAMENTO CONTACTCENTER

TREINAMENTO CONTACTCENTER TREINAMENTO CONTACTCENTER CENTER CONTACT Os Contact Centers atuais têm um grande impacto nas empresas em diversos aspectos referentes a lucro, custos, inteligência de mercado e fidelização do cliente. Para

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada.

O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada. O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada. Philip Kotler O objetivo do marketing é tornar a venda supérfula.

Leia mais

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida Marketing Prof. Marcelo Cruz Marketing de Relacionamento Marketing de Relacionamento Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo Bibliografia Sugerida AUMOND, C.W. Gestão de serviços e relacionamentos.

Leia mais

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD Maringá-PR Maio 2014 Prof. Evandro Paulo Bolsoni Centro Universitário de Maringá NEAD-UniCesumar evandro.bolsoni@unicesumar.edu.br

Leia mais

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre?

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? RESUMO DA SOLUÇÃO CA Clarity e Nova for PPM da Kalypso Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? agility made possible Obtenha as ferramentas e informações necessárias

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por:

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por: 1 Conceitos Call Center - O que é? Denominamos Call Center ou Central de Atendimento ao conjunto de soluções e facilidades (Equipamentos, Sistemas e Pessoal) que tem como objetivo fazer o interface entre

Leia mais

Sistema Melhor Horário para Atendimento. J C Damas joao.damas@aes.com. W Bernardi william.bernardi@aes.com

Sistema Melhor Horário para Atendimento. J C Damas joao.damas@aes.com. W Bernardi william.bernardi@aes.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Melhor Horário para Atendimento J C Damas joao.damas@aes.com E A T Adelino elizabeth.adelino@aes.com W Bernardi william.bernardi@aes.com Eletropaulo

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

Semana de 24 a 30 Março de 2014. Analista de Planejamento e Tráfego. 1 Painel de Vagas Serviço Gratuito de Divulgação de Vagas.

Semana de 24 a 30 Março de 2014. Analista de Planejamento e Tráfego. 1 Painel de Vagas Serviço Gratuito de Divulgação de Vagas. 1 Painel de Vagas Serviço Gratuito de Divulgação de Vagas Semana de 24 a 30 Março de 2014 Requisitos Atividades Analista de Planejamento e Tráfego CB Contact Center 26Mar14 São Caetano do Sul SP Conhecimentos

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco.

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. NOVAQUEST Apresentação da Empresa A NovaQuest é uma empresa especializada em serviços de recuperação de crédito e atendimento ao cliente. Temos o intuito

Leia mais

Forças de Vendas Eficientes e Eficazes: Elementos -chave para uma operação comercial

Forças de Vendas Eficientes e Eficazes: Elementos -chave para uma operação comercial Forças de Vendas Eficientes e Eficazes: Elementos -chave para uma operação comercial POR: ALEXANDER UGAZ E FERNANDO ESPINOSA, SINTEC Em ambientes cada vez mais competidos e de economias instáveis, o cuidado

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil CONTACT CENTER Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil Cenário Nos últimos dez anos, o desenvolvimento das tecnologias de informação permitiu um forte crescimento do setor de

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GRS Uma metodologia para o gerenciamento da responsividade de serviços

GRS Uma metodologia para o gerenciamento da responsividade de serviços GRS Uma metodologia para o gerenciamento da responsividade de serviços Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo A responsividade

Leia mais

GLOSSÁRIO - OUTSOURCING

GLOSSÁRIO - OUTSOURCING CONCEITO GLOSSÁRIO - OUTSOURCING DESCRIÇÃO 1ª LINHA Operadores generalistas que fazem o primeiro contacto e a triagem de chamadas em operações de help-desk, para então passar as chamadas aos operadores

Leia mais

DO PROGRAMA DE AUTO REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

DO PROGRAMA DE AUTO REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) NORMA DE MATURIDADE DE GESTÃO DO PROGRAMA DE AUTO REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Marcelo Bandeira Leite Santos (LATE/UFF) Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Glossário. Também chamada de ligação perdida. Os clientes desligam antes de falar com o atendente ou antes do término da URA.

Glossário. Também chamada de ligação perdida. Os clientes desligam antes de falar com o atendente ou antes do término da URA. 1 Glossário Abandono (Abandoned Call) Também chamada de ligação perdida. Os clientes desligam antes de falar com o atendente ou antes do término da URA. 0800 - (Toll-Free Service) Permite aos clientes

Leia mais

Como integrar R&S com treinamento em call center

Como integrar R&S com treinamento em call center 1 Como integrar R&S com treinamento em call center Já abordamos em outros artigos temas complexos em call center como a formação de cultura organizacional, o perfil do profissional de call center, sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center)

Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) 1 Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) Este tutorial apresenta os conceitos básicos para dimensionamento de centrais de atendimento também conhecidas como Call Center ou Contact Center.

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

CONTACT CENTER IP/SIP MANUAL DE MELHORES PRÁTICAS ELEVE O SEU ATENDIMENTO AO CLIENTE PARA ALÉM DO CONTACT CENTER E MELHORE OS NÍVEIS DE SATISFAÇÃO

CONTACT CENTER IP/SIP MANUAL DE MELHORES PRÁTICAS ELEVE O SEU ATENDIMENTO AO CLIENTE PARA ALÉM DO CONTACT CENTER E MELHORE OS NÍVEIS DE SATISFAÇÃO CONTACT CENTER IP/SIP MANUAL DE MELHORES PRÁTICAS ELEVE O SEU ATENDIMENTO AO CLIENTE PARA ALÉM DO CONTACT CENTER E MELHORE OS NÍVEIS DE SATISFAÇÃO ÍNDICE Introdução:...1 Desafio da Empresa...2 Melhores

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Consumidor multicanal, Empresa multifocal. Nancy Treaster, SVP & GM Strategic Operations

Consumidor multicanal, Empresa multifocal. Nancy Treaster, SVP & GM Strategic Operations Consumidor multicanal, Empresa multifocal Nancy Treaster, SVP & GM Strategic Operations Tópicos de Discussão Voz do Cliente é a visão coletiva para as necessidades dos clientes, percepções e preferências

Leia mais

Programa Febraban de Inclusão Social. São Paulo, 26/09/2006

Programa Febraban de Inclusão Social. São Paulo, 26/09/2006 Programa Febraban de Inclusão Social São Paulo, 26/09/2006 1 População com Deficiência no Brasil Fatos e Percepções 2 Entendimento População com Deficiência no Brasil Fatos e Percepções 1º Semestre/06

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Administração da Demanda e Capacidade: Estudo de Restaurantes e Cafés de Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba

Administração da Demanda e Capacidade: Estudo de Restaurantes e Cafés de Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba Administração da Demanda e Capacidade: Estudo de Restaurantes e Cafés de Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba O setor de serviços tem papel de destaque na economia brasileira. Dados do IBGE (2008)

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE

GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE Debora Barbosa Guedes (UEPB ) deborabguedes@yahoo.com.br Anna Cristina

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais