O ACERVO DE FONTES ORAIS DA MARINHA DO BRASIL: CONSTITUIÇÃO E PERSPECTIVAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ACERVO DE FONTES ORAIS DA MARINHA DO BRASIL: CONSTITUIÇÃO E PERSPECTIVAS."

Transcrição

1 O ACERVO DE FONTES ORAIS DA MARINHA DO BRASIL: CONSTITUIÇÃO E PERSPECTIVAS. Sérgio Willian de Castro Oliveira Filho 1 Introdução Atualmente encontra-se sob a guarda da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (DPHDM) um acervo de fontes orais composto por quase 800 (oitocentas) fitas magnéticas em formato K7 e de rolo. A coleta do material que hoje faz parte deste acervo constituiu-se em duas fases bem distintas: a primeira ocorreu entre os anos de 1970 e 1997, quando a Marinha do Brasil desenvolveu a coleta de uma série de depoimentos orais de alguns de seus membros. Desta fase, estão no Arquivo da Marinha aproximadamente 300 (trezentas) gravações com depoimentos de autoridades navais e de eventos concernentes à divulgação da história naval brasileira. A segunda fase teve início em 1998, com a ampliação da discussão sobre os métodos utilizados pela chamada história oral, o Departamento de História da DPHDM, buscou sistematizar o trabalho relativo à memória oral da Marinha do Brasil com o desenvolvimento de um trabalho de produção, arquivamento, conservação e disponibilização ao público de fontes orais através do Projeto Memória, que redundou na produção que, atualmente, compreende um universo de 60 (sessenta) entrevistas de diversos subprojetos. O objetivo desta comunicação é apresentar de que modo se constituiu o acervo de fontes orais da Marinha do Brasil, discutir os desafios técnicos e metodológicos enfrentados na consecução do Projeto Memória e explanar as perspectivas para tal projeto, dentre eles o planejamento de digitalização de todo o acervo de fontes orais existente no Arquivo da Marinha. 1 Doutorando em História Cultural pela Unicamp. Pesquisador do Departamento de História da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha.

2 Breve histórico da DPHDM e modo de constituição de seu acervo de fontes orais A Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha tem sua origem no antigo Serviço de Documentação da Marinha (SDM), criado no ano de 1943, e sediado no Rio de Janeiro. No decorrer dos anos tal Organização Militar teve sua denominação alterada algumas vezes já tendo sido chamada de Serviço de Documentação Geral da Marinha (SDGM), Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural da Marinha (DPHCM) e desde 2008 passou a ter o nome atual. Fazem parte da DPHDM: o Museu Naval, o Arquivo da Marinha, a Biblioteca da Marinha, o Espaço Cultural da Marinha e a Ilha Fiscal. É fato que no decorrer de sua trajetória a DPHDM tem alcançado um notável desenvolvimento principalmente no que diz respeito à qualificação técnica-profissional de seu pessoal. Pode-se citar o fato de que, somente no Departamento de História 2 da referida instituição todos os oficiais são historiadores por formação e contam com pós-graduação concluída ou em andamento (especialização, mestrado e doutorado). Tal relacionamento com o meio acadêmico contribui sobremaneira para um melhor desenvolvimento das atividades de caráter historiográfico desenvolvidas pela instituição. Cabe ressaltar que desde sua criação, em 1943, esta Organização Militar tinha como sua missão coletar, guardar, coordenar e divulgar textos e materiais relativos à história da Marinha de guerra e das atividades marítimas no Brasil. Assim, Entre os anos de 1970 e 1990 a Marinha do Brasil desenvolveu a coleta de uma série de depoimentos orais de alguns de seus membros. Desta fase, encontramos atualmente no Arquivo da Marinha aproximadamente 300 gravações entre fitas de rolo e fitas K7, com depoimentos de autoridades navais e gravações de eventos concernentes à divulgação da história naval brasileira. Dentre tais gravações destacam-se principalmente simpósios, congressos, eventos comemorativos e cursos realizados na sede do antigo SDM e que foram registradas em áudio. No entanto, apesar de entre tais registros também poderem ser encontrados depoimentos de membros da Marinha, não se pode dizer que os mesmos foram constituídos a partir do que atualmente se 2 No organograma da DPHDM constam os seguintes departamentos: Departamento de Museologia, Departamento de Administração, Departamento de Arquivos e Bibliotecas, Departamento de História e Departamento de Publicações e Divulgação e Departamento de Meios Navais.

3 denomina de história oral, isto é, não houve na consecução da coleta de tal material a adequação metodológica apropriada no trato com fontes orais. Ao final da década de 1990 teve início o Projeto Memória, que buscava constituirse como o programa de história oral da Marinha do Brasil. Assim, pesquisadores do Departamento de História da DPHDM tomaram uma série de medidas a fim de coletar depoimentos tendo por base os vários cuidados inerentes às fontes orais para em seguida disponibilizá-las ao público. Pode-se dizer que tal busca por um aprimoramento no trato de tal documentação deuse em um momento que as discussões sobre a validade e relevância dessas fontes no Brasil ganharam força e ampliaram seu campo de atuação no meio acadêmico. Basta dizer que foi na década de 1990 que foi fundada a Associação Brasileira de História Oral (1994) que possibilitou o surgimento de encontros acadêmicos a nível regional sobre o uso desta metodologia como, por exemplo: o I Encontro Regional de História Oral Sudeste/Sul (1995) e o I Encontro de História Oral do Nordeste (1998). Assim embasado em estudos e pela busca de aproximação com as discussões então em voga no meio acadêmico, o Projeto Memória da Marinha do Brasil realizou sua primeira entrevista em 09 de julho de 1998, tendo como colaborador o Vice-Almirante Mário Rodrigues da Costa. Tal depoimento constituiu o primeiro produto do subprojeto Aviação na Marinha do qual ainda seriam coletados mais vinte e nove depoimentos. No decorrer dos dezesseis anos seguintes foram desenvolvidos os seguintes subprojetos: Aviação na Marinha, Ministros da Marinha, Intendentes da Marinha, Corpo de Engenheiros Navais, Plano Diretor da Marinha, Corpo de Fuzileiros Navais, Submarinistas, Marinha Mercante, Forças de Paz, Participação da Marinha na Segunda Guerra Mundial. No total tais subprojetos redundaram em 61 depoimentos. Todo esse esforço coaduna-se com o que a Carta de Serviços ao Cidadão dessa organização militar apregoa como seu propósito: Preservar e divulgar o patrimônio histórico e cultural da Marinha, contribuindo para o desenvolvimento da conservação de sua memória e para o desenvolvimento da consciência marítima brasileira 3. 3 MARINHA DO BRASIL. Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha: Carta de serviços ao cidadão Disponível em <http://www.mar.mil.br/dphdm/diversos/carta_cidadao27_3_15.pdf> Acesso em 21 de abril de 2015.

4 Entretanto, cabe salientar que a consecução deste projeto se dá ante o enfrentamento de uma série de desafios. O primeiro diz respeito à questão de recursos humanos. Atualmente, apesar de contar com o apoio da Diretoria, apenas um pesquisador trabalha diretamente no Projeto Memória e o faz como uma atividade correlata ao desenvolvimento de outras várias atividades realizadas pelo Departamento de História da DPHDM 4. A esse fator soma-se o aspecto de adequação às tecnologias voltadas à coleta de depoimentos e guarda apropriada do material produzido. Apesar da grande quantidade de material sob a guarda do Arquivo da Marinha, quase a totalidade dele encontra-se em formato magnético, algumas gravações, inclusive, não possuem cópia. Sobre tal ponto retornaremos no tópico seguinte. Perspectivas do Projeto Memória Atualmente está em desenvolvimento o subprojeto Ingresso da mulher militar na Marinha. Em 1981 a Marinha tornou-se a primeira das três Forças Armadas brasileiras a possibilitar o acesso de mulheres aos seus quadros. Naquele ano ingressaram 336 mulheres na força a fim de se tornarem oficiais e praças 5. correspondeu a: Conforme Maria Lombardi, o ingresso da mulher como militar da Marinha um prolongado período de teste, até sua integração definitiva na estrutura do pessoal militar. A lei 6807, de 7/7/1980, cria o CAFRM Corpo Auxiliar Feminino da Reserva da Marinha (composto de dois Quadros, o QAFO - Quadro Auxiliar Feminino de Oficiais - e o QAFP Quadro Auxiliar Feminino de Praças). (...) Os dois primeiros concursos femininos (1981 e 1982) procuraram recrutar, para o QAFO - Quadro Auxiliar Feminino de Oficiais mulheres formadas nas seguintes carreiras, em nível superior: farmácia, medicina, comunicação social, odontologia, enfermagem, serviço social, psicologia, educação física, estatística, processamento de dados, pedagogia, nutrição, meteorologia, engenharias eletrônica e cartográfica. Para o QAFP - Quadro Auxiliar Feminino de Praças -, se recrutavam: técnicas de nível médio em 4 Dentre as várias atribuições do Departamento de História da DPHDM destacam-se: o estudo e a pesquisa da história marítima e naval brasileira, a orientação ao público interno e pesquisadores interessados em desenvolver trabalhos nesta área, a coordenação da edição da Coleção História Naval Brasileira e da Revista Navigator e o apoio técnico às atividades concernentes ao patrimônio arqueológico subaquático brasileiro. 5 Das quais: 198 oficiais com graduação nas áreas de Medicina, Enfermagem, Meteorologia, Engenharia Mecânica, Engenharia Cartográfica, Engenharia Eletrônica, Processamento de Dados, Nutrição, Odontologia, Educação Física, Farmácia, Biologia, Serviço Social, Psicologia; e 138 praças. Cf. Boletim de Oficiais da Marinha. 3º Quadrimestre. Volume e Boletim de Cabos e Marinheiros do CPA. Volume

5 processamento de dados, artes gráficas, contabilidade, eletrônica, estatística, análises clínicas, enfermagem, prótese dentária, desportos, laboratório médico, reabilitação, fisioterapia, radiologia médica, documentação médica, mecânica de precisão, meteorologia, secretariado, geodesia, cartografia; auxiliares técnicas em radiologia e administração hospitalar. 6 Dessa maneira, esse subprojeto tem como foco principal dar origem a uma documentação que trate do ingresso das mulheres da Marinha, quiçá nas Forças Armadas levando em consideração dois contextos fundamentais: a expansão do mercado de trabalho às mulheres e a abertura política no Brasil. De certo modo tal subprojeto busca ampliar as vozes daqueles que se constituíram como colaboradores do Projeto Memória da Marinha do Brasil, na medida em que até então a totalidade dos depoimentos foi proveniente de homens, dos quais a grande maioria constituía-se de oficiais generais e superiores, isto é, o presente subprojeto elenca entre seus depoentes: mulheres, das quais, muitas não chegaram ao oficialato em suas carreiras militares. Os passos práticos na consecução dessa empreitada foram: o estabelecimento dos objetivos do subprojeto, o levantamento das possíveis colaboradoras e a elaboração preliminar de um roteiro de entrevista. No entanto, pode-se dizer que no momento prioriza-se outra atividade: o projeto de digitalização de todo o acervo áudio existente no Arquivo da Marinha. Quase a totalidade deste tipo de documentação sob a guarda da DPHDM encontra-se no formato magnético, assim, dois objetivos principais norteiam esse esforço: a preservação deste material em formato digital, na medida em que várias cópias de segurança podem ser realizadas a partir da digitalização do material, assim como o material magnético ganha uma sobrevida, pois terá reduzido o seu manuseio; e em segundo lugar objetiva-se ampliar a demanda a tal material por parte de pesquisadores. Considerações finais Ante o exposto cabe apenas reafirmar o crescente interesse da Marinha do Brasil, em especial do Departamento de História da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da 6 LOMBARDI, Maria Rosa. As Mulheres na Forças Armadas brasileira: a Marinha do Brasil. São Paulo: FCC/DPE, 2009.

6 Marinha, pela utilização metodológica voltada ao uso de fontes orais nas pesquisas desenvolvidas pela instituição. Um crescente interesse por uma adequada consecução em termos metodológicos do projeto, levando em conta os aspectos éticos que envolvem esse trabalho estão na ordem do dia para os pesquisadores da DPHDM. No entanto, posta-se atualmente, por conta da atual conjuntura a nível de recursos humanos da DPHDM, como principal objetivo relacionado à história oral, mais que realizar a coleta de novos depoimentos, otimizar a disponibilização do material existente no Arquivo da Marinha aos pesquisadores em geral. Cabe, por fim, dizer que a preservação de todo material, incluso os produzidos nas décadas de 1970, 1980 e princípio dos anos 1990 é vista como de suma importância e não apenas os depoimentos produzidos após a instituição do Projeto Memória. Ante o horizonte que temos diante de nós de digitalização de tal material acreditamos que um maior acesso poderá ser dado aos pesquisadores, na medida em que, apesar de disponível ao público, poucos são os que consultam tal documentação no Arquivo da Marinha. Bibliografia Boletim de Oficiais da Marinha. 3º Quadrimestre. Volume Boletim de Cabos e Marinheiros do CPA. Volume GARRIDO, Joan del Alcàzar. As fontes orais na pesquisa histórica: uma contribuição ao debate. Tradução de Alberto Aggio. In. Revista Brasileira de História. São Paulo. V. 13, n. 25/26, set.1992/ago GUSMÃO, Daniel Martins. Os arquivos de memória da Marinha Brasileira constituição e trajetória. In. Revista Navigator: subsídios para a história marítima do Brasil. Rio de Janeiro. V. 5, n.10, dez JANOTTI, Maria de Lourdes M. & ROSA, Zita de Paula. História oral: uma utopia? In. Revista Brasileira de História. São Paulo. V. 13, n. 25/26, set.1992/ago JUCÁ, Gisafran Nazareno Mota. A oralidade dos velhos na Polifonia urbana. Fortaleza: Imprensa Universitária, LOMBARDI, Maria Rosa. As Mulheres na Forças Armadas brasileira: a Marinha do Brasil. São Paulo: FCC/DPE, 2009.

7 MARINHA DO BRASIL. Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha: Carta de serviços ao cidadão Disponível em <http://www.mar.mil.br/dphdm/diversos/carta_cidadao27_3_15.pdf> Acesso em 21 de abril de MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. 5 ed. São Paulo: Edições Loyola, POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Tradução de Dora Rocha Flaksman. In. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, THOMPSON, Paul. A voz do passado: História Oral. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Corpo Auxiliar de Praças

Corpo Auxiliar de Praças O (CAP) destina-se, primordialmente, a suprir a Marinha com militares para exercerem cargos técnicos de nível médio relativos às áreas de administração, hidrografia, informática, saúde e manutenção dos

Leia mais

ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN)

ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN) ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN) 03SET2013 PALAVRAS INICIAIS SUMÁRIO BREVE HISTÓRICO MISSÃO E ORGANIZAÇÃO O ENSINO O CORPO DE ASPIRANTES CONCLUSÃO PALAVRAS INICIAIS SUMÁRIO

Leia mais

O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais: RESOLVE:

O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais: RESOLVE: UERJ ATO EXECUTIVO DE DECISÃO ADMINISTRATIVA CODIFICAÇÃO FOLHA AEDA 11/REITORIA/2014 1 2 Dispõe sobre os perfis para enquadramento dos servidores técnico-administrativos ao plano de cargos, carreiras e

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DE ENSINO TÉCNICO

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DE ENSINO TÉCNICO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DE ENSINO TÉCNICO EDITAL Nº 002/2014 A Faculdade do Vale do Araranguá- FVA, pessoa jurídica de direito privado, no uso de

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE

A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE Ministro da Saúde José Saraiva Felipe Ministro da Educação Fernando Haddad Objetivo apresentar a Trajetória dos Cursos de Graduação na Área da Saúde;

Leia mais

ENADE 2004/2013. Guia para o registro da situação do aluno no histórico escolar. Pró-Reitoria de Ensino

ENADE 2004/2013. Guia para o registro da situação do aluno no histórico escolar. Pró-Reitoria de Ensino ENADE Guia para o registro da situação do aluno no histórico escolar Pró-Reitoria de Ensino 2004/2013 Paulo César Pereira Reitor Diretoria Executiva José Sérgio Sarmento Garcia Pró-Reitoria de Administração

Leia mais

Universidade: Universidade Federal de Uberlândia(UFU) Conceito no MEC: CI - Conceito Institucional: 4 _2009 IGC - Índice Geral de Cursos: 4_ 2010 IGC

Universidade: Universidade Federal de Uberlândia(UFU) Conceito no MEC: CI - Conceito Institucional: 4 _2009 IGC - Índice Geral de Cursos: 4_ 2010 IGC Universidade: Universidade Federal de Uberlândia(UFU) Conceito no MEC: CI - Conceito Institucional: 4 _2009 IGC - Índice Geral de Cursos: 4_ 2010 IGC Contínuo: 3.7500 _2010 Cursos oferecidos pela faculdade:

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA Credenciada pela Portaria/MEC N o 259 de 11.02.1999 D.O.U. de 17.02.1999

FACULDADE BRASILEIRA Credenciada pela Portaria/MEC N o 259 de 11.02.1999 D.O.U. de 17.02.1999 Edital nº 01/2014 O Diretor da Faculdade Brasileira MULTIVIX torna pública a abertura de inscrições, no período de 15 a 30 de outubro do corrente ano, nas áreas discriminadas abaixo: ÁREA / Disciplina

Leia mais

SAÍDAS PROFISSIONAIS

SAÍDAS PROFISSIONAIS SAÍDAS PROFISSIONAIS Telf: 234 340 220 * Fax: 234 343 272 * info@aesbernardo.pt * www.aesbernardo.pt Página 1 de 6 CURSO CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ÁREA DAS CIÊNCIAS ÁREA DA ANIMAÇÃO ÁREA DA SAÚDE AREA DO

Leia mais

EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM

EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação Dra. Maria Renata Prado O Congresso Jurídico da Rede de Ensino Doctum,

Leia mais

UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1 - Escola de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura Área de

UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1 - Escola de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura Área de UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1 - Escola de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura Área de Conhecimento: PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL (uma vaga). Provas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

Boletim Informativo 0

Boletim Informativo 0 Boletim Informativo 0 ADMISSÃO 25.570 inscritos no 1º Vestibular de 2012 UnB ofereceu 2.343 vagas em 96 cursos nos quatro campi. Provas foram aplicadas nos dias 10 e 11 de dezembro de 2011 No dia 7 de

Leia mais

Edital nº 015/2015. Área / Disciplina PROJETO DE ARQUITETURA

Edital nº 015/2015. Área / Disciplina PROJETO DE ARQUITETURA Edital nº 015/2015 O Diretor da Faculdade Brasileira MULTIVIX torna pública a abertura de inscrições para o processo seletivo docente 2016/01 para os cursos de graduação, no período de 23 de setembro a

Leia mais

Memória BNDES: registrando o presente para construir o futuro

Memória BNDES: registrando o presente para construir o futuro Memória BNDES: registrando o presente para construir o futuro Metamemória 2012: Aniversário de 60 anos do BNDES [produtos comemorativos] Histórico: diversas iniciativas isoladas Contexto: rápida renovação

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADES Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de Ministrado no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte/MG, OS os cursos de formação de Oficiais Médicos, Dentistas e Farmacêuticos, tem a duração aproximada de 18 (dezoito)

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Para todos os ambientes organizacionais para todos os servidores, independentemente do ambiente organizacional: Administração pública Estado,

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

Medidas de preservação para o acervo especial da Biblioteca do Porto do Rio Grande - RS, Brasil

Medidas de preservação para o acervo especial da Biblioteca do Porto do Rio Grande - RS, Brasil Medidas de preservação para o acervo especial da Biblioteca do Porto do Rio Grande - RS, Brasil Mestranda Bibl. Esp. Gladis Rejane Moran Ferreira Apresentadora Drª Carla Rodrigues Gastaud Orientadora Rio

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

Pontos de corte do SiSU 2015 1ª edição Chamada Única

Pontos de corte do SiSU 2015 1ª edição Chamada Única COORDENADORIA DE ASSUNTOS E REGISTROS ACADÊMICOS - CDARA CAMPUS UNIVERSITÁRIO - MARTELOS - JUIZ DE FORA - MG CEP 36036-900 TEL. (32)2102-3733 FAX (32) 2102-3732 e-mail: cdara@ufjf.edu.br Pontos de corte

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

PORTARIA Nº 9, DE 29 DE JUNHO DE 2006

PORTARIA Nº 9, DE 29 DE JUNHO DE 2006 PORTARIA Nº 9, DE 29 DE JUNHO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sua competência e em conformidade com o estabelecido no 1o- do art 10, da Lei no- 11.091, de 12 de janeiro de 2005, resolve:

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde 1- Identificação do Programa de Residência Multiprofissional 1.1- Instituição Formadora: 1.2- Unidade Responsável/ Instituição Executora: 1.3

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL Tabela com as Áreas de Conhecimentos relativas à Educação Formal, com relação DIRETA aos Ambientes Organizacionais (Decreto 5.824/2006 de 29 de Junho de 2006 - ANEXO III) ADMINISTRATIVO INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

PARECER CFM 6/15 INTERESSADOS:

PARECER CFM 6/15 INTERESSADOS: PARECER CFM nº 6/15 INTERESSADOS: Sr. Artur Augusto Rodrigues Junior Sra. Clarice Moraes Durães Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro ASSUNTO: Microfilmagem de prontuários RELATOR:

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 (Atualizado a 11.01.2013) Universidade dos Açores Universidade do Algarve Ciências Agrárias Ciências

Leia mais

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico Código Área Nome Área 1 Educação 2 Humanidades e Artes TABELA DE CURSO DE FORMAÇÃO SUPERIOR Código OCDE Nome do Curso - Grau Grau 142C01 Ciência da educação - 142P01 Pedagogia - Licenciatura Licenciatura

Leia mais

CANDIDATOS CLASSIFICADOS NA SEGUNDA LISTA DE ESPERA UFRJ/SISU - AÇÃO AFIRMATIVA

CANDIDATOS CLASSIFICADOS NA SEGUNDA LISTA DE ESPERA UFRJ/SISU - AÇÃO AFIRMATIVA 111002556750 ABI - HISTÓRIA Área Básica de Ingresso (ABI) Integral Instituto de História 111005414972 ABI - HISTÓRIA Área Básica de Ingresso (ABI) Noturno Instituto de História 111010349831 ABI - HISTÓRIA

Leia mais

IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN

IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN IME/ITA/AFA/EFOMM/EN Por que algumas pessoas realizam seus sonhos e outras não? Essa pergunta, aparentemente simples, sempre nos despertou interesse. Passamos boa parte de nossas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO A SER PUBLICADO NOS ANAIS DO 22º ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA PUC-SP 2013 MODELO DE RESUMO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO A SER PUBLICADO NOS ANAIS DO 22º ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA PUC-SP 2013 MODELO DE RESUMO MODELO DE RESUMO 8.00.00.00-2 LINGÜÍSTICA, LETRAS E ARTES (grande área) 8.02.00.00-1 LETRAS (área da pesquisa e não curso do aluno) TÍTULO DO PROJETO OU DO PLANO DE TRABALHO DO ALUNO/BOLSISTA NOME... ORIENTADOR(A)

Leia mais

Pontos de corte do SiSU 2014 1ª chamada

Pontos de corte do SiSU 2014 1ª chamada COORDENADORIA DE ASSUNTOS E REGISTROS ACADÊMICOS - CDARA CAMPUS UNIVERSITÁRIO - MARTELOS - JUIZ DE FORA - MG CEP 36036-900 TEL. (32)2102-3733 FAX (32) 2102-3732 e-mail: cdara@ufjf.edu.br Pontos de corte

Leia mais

EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA No âmbito de protocolo celebrado com a Fundação de Ciência e

Leia mais

EDITAL Nº 00012-2013 SELEÇÃO DE DOCENTES 2014/1

EDITAL Nº 00012-2013 SELEÇÃO DE DOCENTES 2014/1 EDITAL Nº 00012-2013 SELEÇÃO DE DOCENTES 2014/1 O Diretor da Faculdade Capixaba da Serra, torna pública a abertura de inscrições, no período de 25 de setembro a 30 de outubro do corrente ano, nas áreas

Leia mais

PROGRAMA 0637- SERVIÇO DE SAÚDE DAS FORÇAS ARMADAS

PROGRAMA 0637- SERVIÇO DE SAÚDE DAS FORÇAS ARMADAS PROGRAMA 0637- SERVIÇO DE SAÚDE DAS FORÇAS ARMADAS PROGRAMA: 0637 - Serviço de Saúde das Forças Armadas UNIDADE RESPONSÁVEL: Ministério da Defesa TIPO: Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais OBJETIVO:

Leia mais

DIRETORIA DE CONCURSO VESTIBULAR

DIRETORIA DE CONCURSO VESTIBULAR DIRETORIA DE CONCURSO VESTIBULAR EDITAL Nº 001/2011-DCV PUBLICAÇÃO DA RELAÇÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CONSIDERADOS COMO CURSOS AFINS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE. O Diretor de Concurso Vestibular

Leia mais

SISTEMA CONTINUADO DE AVALIAÇÃO DOCENTE DA UniEVANGÉLICA CRONOGRAMA ATENÇÃO!!!

SISTEMA CONTINUADO DE AVALIAÇÃO DOCENTE DA UniEVANGÉLICA CRONOGRAMA ATENÇÃO!!! SISTEMA CONTINUADO DE AVALIAÇÃO DOCENTE DA UniEVANGÉLICA PROCESSO PARA O SEMESTRE LETIVO 2014/2 CRONOGRAMA 02 a 20 de junho de 2014 Inscrições 26 a 28 de junho de 2014 Aula teste e entrevista ATENÇÃO!!!

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Edital Nº 001/2012 -TABELA DE CARGOS

CONCURSO PÚBLICO Edital Nº 001/2012 -TABELA DE CARGOS CONCURSO PÚBLICO Edital Nº 001/2012 -TABELA DE CARGOS NÍVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO (comprovação de escolaridade até a 4ª série do EF atual 5º ano) 01 Servente - Zona Urbana Nível Fundamental Incompleto

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA PARA SELEÇÃO DE NOVOS DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FSG Nº. 01/2010

EDITAL DE ABERTURA PARA SELEÇÃO DE NOVOS DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FSG Nº. 01/2010 EDITAL DE ABERTURA PARA SELEÇÃO DE NOVOS DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FSG Nº. 01/2010 A FACULDADE DA SERRA GAÚCHA-FSG, torna pública a abertura do processo seletivo de novos docentes. 2. QUADRO

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES 2013 INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES Este documento visa orientar as ações para a inscrição de estudantes irregulares no de anos anteriores e esclarecer as dúvidas que possam aparecer durante o processo

Leia mais

PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Capítulo III Da Educação Profissional, da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto

Leia mais

Analisado por: Aprovado por: Diretor do Departamento de Ensino (DENSE) Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET)

Analisado por: Aprovado por: Diretor do Departamento de Ensino (DENSE) Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Diretor do Departamento de Ensino (DENSE) Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) Secretária da Secretaria-Geral de Ensino (SECGE) 1 OBJETIVO Padronizar

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 (Atualizado a 17.04.2013) Universidade dos Açores Universidade do Algarve Ciências Biológicas e da Saúde

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE DOCENTES PARA O ENSINO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE DOCENTES PARA O ENSINO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE DOCENTES PARA O ENSINO SUPERIOR EDITAL Nº 001/2015 A Faculdade do Vale do Araranguá, pessoa jurídica de direito privado, no uso de suas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO A SER PUBLICADO NOS ANAIS DO 21º ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA PUC-SP 2012

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO A SER PUBLICADO NOS ANAIS DO 21º ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA PUC-SP 2012 O texto deve ser conciso e ocupar no máximo 20 linhas, em um único parágrafo; utilizar linguagem objetiva, evitando frases inteiras do texto original (expressar apenas a idéia principal e não transcrevê-la);

Leia mais

Média salarial - Brasil

Média salarial - Brasil Média salarial - Brasil Área geral Área específica Cargo Valor Administração Administração Diretor de Administração Gerente de Administração R$ 17.716 R$ 6.246 Administração Administrador R$ 6.001 Administração

Leia mais

Pesos e notas mínimas (ponto de corte) do Enem 2014 para os cursos de graduação inseridos no Sisu

Pesos e notas mínimas (ponto de corte) do Enem 2014 para os cursos de graduação inseridos no Sisu Pesos e notas mínimas (ponto de corte) do Enem 2014 para os cursos de graduação inseridos no Sisu CAMPUS RECIFE CURSO PROVA ENEM PESO ADMINISTRAÇÃO ARQUEOLOGIA ARQUITETURA E URBANISMO ARTES VISUAIS - LICENCIATURA

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS Marciana Leite Ribeiro Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais SubSIGA/INPE I Ciclo de Palestras sobre Gestão Arquivística

Leia mais

Ensino Superior vive aumento acelerado

Ensino Superior vive aumento acelerado Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná () Departamento de Comunicação e Marketing Publicado em: 21/03/2010 - http://www.jmnews.com.br Elaborado por: próprio jornal/site Ensino

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF

LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenação de Avaliação e Movimentação de Pessoas Relatório do Desempenho das Unidades de Avaliação da Universidade Federal de Juiz de Fora

Leia mais

Quadro Comparativo da Relação Candidato/Vaga 2014

Quadro Comparativo da Relação Candidato/Vaga 2014 Quadro Comparativo da Relação Candidato/Vaga 2014 I. Universidade do Estado do Rio de Janeiro / UERJ TOTAL NÃO-RESERVA REDE PÚBLICA Administração (RIO) 120 1.239 10,33 66 1.111 16,83 24 75 3,13 24 53 2,21

Leia mais

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Justificativa Desde a edição da nova LDB (Lei nº 9.394/1996), promulgada em decorrência

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Código Instit. Código Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Colocados Nota do últ. colocado (cont. geral) (1) (2)

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE DOCENTE PARA O CURSO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE DOCENTE PARA O CURSO COORDENAÇÃO DO CURSO DE: ADMINISTRAÇÃO, BIOMEDICINA, DIREITO, ENFERMAGEM, ENGENHARIAS, FISIOTERAPIA, NUTRIÇÃO, PSICOLOGIA, RADIOLOGIA, SEGURANÇA NO TRABALHO, EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE: CAMPINA GRANDE A Faculdade

Leia mais

Universidade de Brasília - UnB Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - IBICT

Universidade de Brasília - UnB Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - IBICT MODELO INTEGRADO PARA A PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO Formação para Iniciação Científica no Ensino Superior e nas Comunidades (Iniciação Científica e Cidadania) Coordenação Geral : Universidade

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2013 DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

Requisitos do Cargo. Requisito. A-108 Assistente Social --- RJ Graduação completa em Serviço Social e registro no CRESS, com anuidade paga

Requisitos do Cargo. Requisito. A-108 Assistente Social --- RJ Graduação completa em Serviço Social e registro no CRESS, com anuidade paga Código Cargo Área de Atuação Município de vaga Requisitos do Cargo Requisito A-101 Analista de Tecnologia da Informação Desenvolvimento Graduação completa - qualquer área A-102 Analista de Tecnologia da

Leia mais

ANEXO II TABELA DE CONCORRÊNCIA

ANEXO II TABELA DE CONCORRÊNCIA ANEXO II TABELA DE CONCORRÊNCIA Código Cargo Atual Cargo Novo/ Função Perfil Nível 7301 AUXILIAR OPERACIONAL Auxiliar Universitário Serviços Operacionais 1 6100 OFICIAL I/ESPECIALIDADE 7502 FOTÓGRAFO Fotógrafo

Leia mais

SISU/UFMG 2ª EDIÇÃO DE 2015 Máximos e Mínimos por Curso/Modalidade

SISU/UFMG 2ª EDIÇÃO DE 2015 Máximos e Mínimos por Curso/Modalidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Registro Discente Departamento de Registro e Controle Acadêmico SISU/UFMG 2ª EDIÇÃO DE 2015 Máximos e Mínimos por Curso/Modalidade 1ª Chamada Regular Informações geradas

Leia mais

UFRGS Concurso Vestibular 2009. Número de Candidatos por Curso em 1ª Opção

UFRGS Concurso Vestibular 2009. Número de Candidatos por Curso em 1ª Opção UFRGS Concurso Vestibular 2009 Número de Candidatos por Curso em 1ª Opção Código Nome do Curso Candidatos Vagas Densidade 01 Administração - Diurno 708 80 8,85 Acesso Universal 479 56 Ensino Público 206

Leia mais

Oportunidades de ingresso a candidatos de Nível Fundamental

Oportunidades de ingresso a candidatos de Nível Fundamental O ingresso aos Cursos de Formação Militar, com planos de carreira, na Marinha do Brasil só é possível mediante concursos público militar abertos a candidatos desde os 15 anos até a idade máxima de 35 anos,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ EDITAL PRG Nº 011/2011 CONCURSO PÚBLICO SIMPLIFICADO DE PROVAS E TÍTULOS PARA ADMISSÃO DE DOCENTE EM CARÁTER TEMPORÁRIO.

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ EDITAL PRG Nº 011/2011 CONCURSO PÚBLICO SIMPLIFICADO DE PROVAS E TÍTULOS PARA ADMISSÃO DE DOCENTE EM CARÁTER TEMPORÁRIO. UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ EDITAL PRG Nº 011/2011 CONCURSO PÚBLICO SIMPLIFICADO DE PROVAS E TÍTULOS PARA ADMISSÃO DE DOCENTE EM CARÁTER TEMPORÁRIO. A Professora Doutora Ana Julia Urias dos Santos Araújo,

Leia mais

EDITAL Nº 13/2012-PROGRAD

EDITAL Nº 13/2012-PROGRAD 1 EDITAL Nº 13/2012-PROGRAD PUBLICAÇÃO DA RELAÇAO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CONSIDERADOS COMO CURSOS AFINS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE - PROVOU. A Pró-reitora de Graduação da Universidade Estadual

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe Curso Coordenação Direção CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe ESEnfCVPOA Mestre Henrique Pereira Código: 3451 Descrição Objetivos Destinatários

Leia mais

PAS recebeu inscrições de 64,5 mil estudantes

PAS recebeu inscrições de 64,5 mil estudantes ADMISSÃO PAS recebeu inscrições de 64,5 mil estudantes Os candidatos fizeram provas nos dias 4 e 5 de dezembro de 2010. Aprovados em primeira chamada deverão efetuar registro nos dias 7 e 8 de fevereiro

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 215-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Instit. Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Ministério da Educação e Ciência - Direcção Geral do Ensino Superior

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Gabinete da Reitora EDITAL Nº 27/2009

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Gabinete da Reitora EDITAL Nº 27/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Gabinete da Reitora EDITAL Nº 27/2009 A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS torna público que o Processo Seletivo para preenchimento de

Leia mais

COORDENAÇÃO AUXILIAR DE GESTÃO DE PESSOAS

COORDENAÇÃO AUXILIAR DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO AUXILIAR DE GESTÃO DE PESSOAS Jaqueline Siqueira Alcântara Coordenadora Maria da Glória Silveira Mello Chefe Serviço Registro e Controle Técnica Alessandra Fabris Chefe Serviço Capacitação

Leia mais

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM...

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM... Cursos de Especialização em Oftalmologia Normas para Credenciamento de Cursos de Especialização em Oftalmologia Art. 75 Para obter o credenciamento do CBO para ministrar Curso de Especialização em Oftalmologia,

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA 2015 0 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CIG-PROPLAN SETEMBRO, 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CIG-PROPLAN SETEMBRO, 2013 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CIG-PROPLAN ANÁLISE DO IGC DA UFPE 2007-2012 SETEMBRO, 2013 Apresentação Este relatório contém o resultado da análise do Índice Geral de Cursos (IGC) da UFPE durante

Leia mais

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO REGIDO PELO EDITAL FHEMIG Nº. 01/2009, PARA PROVIMENTO DE CARGOS DAS CARREIRAS DE MÉDICO, PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM, ANALISTA DE GESTÃO E

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DAS FINALIDADES Artigo 1º - O estágio curricular obrigatório do curso de graduação em Medicina Veterinária é

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009 Anexo IV Da classificação e da tabela de pontuação A) Para os cargos de Técnico em Assuntos Rodoviários e Técnico em Assuntos Administrativos: TEMPO DE FORMAÇÃO NA PROFISSÃO: Comprovação através de Diploma

Leia mais