A GUARDA COMPARTILHADA COMO MODELO DE RESPONSABILIDADE PARENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GUARDA COMPARTILHADA COMO MODELO DE RESPONSABILIDADE PARENTAL"

Transcrição

1 A GUARDA COMPARTILHADA COMO MODELO DE RESPONSABILIDADE PARENTAL Kristhina Aparecida Ribeiro de Campos Carminatti 1 Ariane Pradi e Lopes Braga de Araújo 2 SUMÁRIO Introdução; 1 Do Poder Familiar; 1.1 Definição; 1.2 Legislação relevante; 2 Da ruptura dos laços matrimoniais; 2.1 Tipos de guarda; 3 Da Guarda Compartilhada; 3.1 Aspectos pertinentes; Considerações finais; Referências das fontes citadas. RESUMO O presente artigo tem por objetivo a compreensão e verificação da eficácia da guarda compartilhada como modelo da responsabilidade dos genitores com os filhos menores, diante da ruptura dos laços familiares. Inicialmente destacar-se-á o exercício do Poder Familiar e seus principais aspectos, ressaltando os papéis parentais, que priorizam o melhor interesse do menor. Na sequência, verifica-se que a violação desses deveres enseja a perda do Poder Familiar, eis que é prerrogativa dos genitores zelar pela assistência dos filhos. Além disso, faz-se um breve estudo das várias formas de guardas como modelo de responsabilidade parental observarse-á sob o ponto de vista legal os meios de exercício em comum da autoridade dos genitores, garantindo a participação de ambos no convívio da criança e do adolescente. Por fim, pelo método indutivo e com pesquisa bibliográfica específica focar-se-á no modelo de guarda compartilhada criado com a Lei nº /08, que modificou o Código Civil de 2002 e vem sendo modelo almejado por genitores e filhos quando da ruptura conjugal. Palavras-chave: Poder Familiar. Direito da criança. Guarda compartilhada. INTRODUÇÃO 1 Acadêmica regularmente matriculada no 8 período matutino no Curso de Direito de Balneário Camboriú Centro de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI. 2 Professora.Advogada.Mestre em Direito pela Univali,Campus Balneário Camboriú. 505

2 O presente estudo tem por objeto a guarda compartilhada após a ruptura dos vínculos parentais. Busca verificar as responsabilidades inerentes aos pais, bem como as sanções previstas que podem acarretar perdas para as partes, quais sejam: pais e filhos. Assim, através de pesquisa bibliográfica busca-se compreender a guarda compartilhada como forma de convivência assídua do menor com os pais independente do estado conjugal dos genitores, haja vista a importância do desenvolvimento sadio da criança e do adolescente. Ressalta-se que o instituto da guarda foi concebido para proteger o menor e tornar perene sua ascensão à vida adulta. Portanto, a guarda pode e deve ser atribuída ao genitor que revele melhor condição para exercê-la, que tenha maior aptidão para propiciar ao filho afeto ainda que as condições financeiras do outro sejam superiores. Destaca-se à autoridade parental, que distribui igualmente entre os genitores as responsabilidades perante os filhos. Salienta-se que os modelos que os filhos vivenciam nas pessoas de seus pais, refletirão no seu desenvolvimento moral, espiritual ou psíquico. A par disso, consiste a problemática da eficácia da modalidade da guarda compartilhada, haja vista que a ruptura dos laços familiares não pode ser prejudicial para o desenvolvimento pleno e eficaz dos filhos menores, ou seja, os conflitos dos genitores não podem refletir na criação dos mesmos. Para o desenvolvimento da pesquisa, utiliza-se o método indutivo como base lógica, aliado às técnicas do referente, categoria, fichamento e pesquisa bibliográfica. 1 DO PODER FAMILIAR O Poder Familiar é o conjunto de direitos e deveres atribuídos aos pais, no entanto, este termo só surgiu no ordenamento brasileiro recentemente, pois o 506

3 Código Civil de 1916 ainda usava o termo pátrio poder, que segundo Gonçalves 3 tornou-se inadequado considerando a perda do caráter absoluto deste que advinha do direito romano antigo. 1.1 Definição Poder familiar é o instituto que visa resguardar a proteção da menoridade, sendo conferido aos genitores direitos e deveres em relação aos filhos menores. Ressalta-se que tratam-se de direitos assistenciais que devem ser prestados até que seja atingida a maioridade civil 4. Nesse sentido, aduz Akel 5 que poder familiar deverá ser exercido de forma conjunta pelos pais, reconhecendo, ainda, de forma enfática, o direito que todo menor tem de ver concretizado a função protetiva desse poder. Extrai-se desse entendimento que a função protetora objetiva resguardar os menores, na busca pelo desenvolvimento pleno e saudável. 1.2 Legislação relevante É importante frisar que diante das transições da Justiça menorista, que caracterizaram avanço na legislação específica, destinada às crianças e adolescentes, surgiu a Lei n.º 8.069/90 ou Estatuto da Criança e do Adolescente ECA e por força constitucional do art. 227, reconheceu os menores como titulares de direitos fundamentais. Assim, expõe o art. 3 do Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 6 : 3 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume VI: direito de família. São Paulo: Saraiva, p GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais p AKEL, Ana Carolina. Guarda compartilhada: um avanço para a família. São Paulo: Atlas p BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: Acessado em 10 out

4 Art. 3º: A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. Cabe, portanto, fazer uma análise do conceito do direito à liberdade, ao respeito e à dignidade visto que as crianças e adolescentes são pessoas em processo de desenvolvimento. Segundo Pereira 7 liberdade pressupõe que o indivíduo tenha assegurada uma esfera privada, que exista certo conjunto de circunstâncias no qual os outros não possam interferir. No mesmo sentido, a autora expõe que o respeito está condicionado a integridade moral e psíquica, devendo ser respeitados seus sentimentos e emoções e assistidos em suas fragilidades. Acrescenta que a dignidade da pessoa humana, [...] é um valor supremo que atrai o conteúdo de todos os direitos fundamentais. 8 Ademais, o exercício do Poder Familiar encontra amparo legal no art do Código Civil Brasileiro de 2002 CC 9, que assevera: Art Compete aos pais, quanto à pessoa dos filhos menores: I - dirigir-lhes a criação e educação; II - tê-los em sua companhia e guarda; III - conceder-lhes ou negar-lhes consentimento para casarem; IV - nomear-lhes tutor por testamento ou documento autêntico, se o outro dos pais não lhe sobreviver, ou o sobrevivo não puder exercer o poder familiar; V - representá-los, até aos dezesseis anos, nos atos da vida civil, e assisti-los, após essa idade, nos atos em que forem partes, suprindolhes o consentimento; VI - reclamá-los de quem ilegalmente os detenha; VII - exigir que lhes prestem obediência, respeito e os serviços próprios de sua idade e condição. 7 PEREIRA, Tânia da Silva. Direito da criança e do adolescente: uma proposta interdisciplinar. Rio de Janeiro: p PEREIRA, Tânia da Silva. Direito da criança e do adolescente: uma proposta interdisciplinar. p BRASIL. Lei n.º /2002. Disponível em: L10406 compilada.htm. Acessado em 02 out

5 Portanto, verifica-se que o diploma legal, refere-se aos deveres do exercício do poder parental, que conserva a relação entre pais e filhos, porém sob a autoridade dos mesmos, a fim de propiciá-los, através dos direitos fundamentais desenvolvimento eficaz. Ocorre que se houver o descumprimento injustificado por parte dos genitores, poderá ensejar a destituição do poder familiar. Nesse contexto, aponta Monteiro 10 que Incumbe ainda aos pais, no interesse dos filhos, a obrigação de cumprir e de fazer cumprir as determinações judiciais; a violação desse dever pode acarretar a perda ou suspensão do poder familiar. Denota-se, que o dever de sustento, guarda e educação dos filhos menores estão vinculados aos arts. 22 e 24 do ECA. 11 Ainda, aponta o art do CC/ quanto à perda do poder familiar: Art Perderá por ato judicial o poder familiar o pai ou a mãe que: I - castigar imoderadamente o filho; II - deixar o filho em abandono; III - praticar atos contrários à moral e aos bons costumes; IV - incidir, reiteradamente, nas faltas previstas no artigo antecedente. Observa-se que as causas de extinção, estão vinculadas ao Poder Judiciário, conforme expõe o Estatuto da Criança e do Adolescente, o procedimento se dá por iniciativa do Ministério Público, ou de quem tenha interesse, segundo disposto no art. 155 do ECA DA RUPTURA DOS LAÇOS FAMILIARES 10 MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil: direito de família. 38.ed. São Paulo: Saraiva p. 79. BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: Acessado em 10 out BRASIL. Lei n.º /2002. Disponível em: L10406 compilada.htm. 13 Acessado em 02 out BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: Acessado em 10 out

6 A ruptura dos vínculos matrimoniais dos pais se reflete na vida dos filhos, haja vista que um dos genitores deixa de conviver com aqueles, enquadrando-se na condição de visitante. Porém, é necessário frisar que nas questões voltadas à área da infância e juventude prevalece o melhor interesse do menor. Nessa mesma linha de raciocínio, aduz Barros 14 : Zelar que a criança tenha seu interesse maior, ou seja, seu direito assegurado no que diz respeito à sua formação psíquica, moral e social, sua constituição como sujeito-cidadão, sendo preservada sua dignidade, liberdade, integridade. O dever de educar implica no atendimento das necessidades intelectuais e morais do menor, eis que é prerrogativa constitucional propiciar o necessário para a sua sobrevivência. Feitas as considerações acima, percebe-se que a ruptura conjugal, cria a família monoparental, sendo então o exercido o poder de autoridade somente por um dos genitores. A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, CRFB/88 15 em seu art. 226, 4º traz o conceito de família monoparental: Art A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado. [...] 4 Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes. Por conta disso, o genitor que obtém a guarda assume o exercício de todos os direitos e deveres que eram cumpridos conjuntamente. Ressalta-se que a obrigação dos genitores não poderá restar ausente, haja vista o disposto no art. 33 do ECA 16 que prevê: A guarda obriga à prestação de assistência material, moral e 14 BARROS, Fernanda Otoni de. Interdisciplinalidade: Uma visão ao Tribunal de família - pelo olhar da Psicanálise. In: PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Direito de família contemporâneo. Doutrina jurisprudência, direito comparado e interdisciplinaridade. Belo Horizonte: Del Rey p BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de Disponível em: Acessado em 10 set BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: Acessado em 10 out

7 educacional à criança e do adolescente, conferindo a seu detentor o direito de oporse a terceiros, inclusive aos pais. O artigo supramencionado relata os direitos básicos da criança e do adolescente, que assegura a prioridade absoluta como dever da família, sociedade e do Estado. É oportuno enfatizar que diante da desunião do casal, ensejará o direito de visita, que tem como escopo manter o vínculo paterno ou materno com o menor. Porém, a necessidade de convivência será verificada na determinação quanto ao exercício de guarda. 2.1 Tipos de guarda Antes de aprofundar o estudo da guarda compartilhada faz-se mister um breve estudo dos tipos de guarda existentes que tem por objetivo proteger o melhor interesse da criança. Estas espécies de guarda decorrem da pluralidade das famílias contemporâneas. Sendo assim, denota-se da obra de Dias 17 : a) Guarda comum tem sua origem natural, não decorrendo de imposição estatal ou legal. É dividida entre os genitores durante o casamento ou união estável, consistindo na convivência e no diálogo entre pais e filhos; b) Guarda desmembrada ou delegada decorre da intervenção do Estado (função jurisdicional), que a atribui a terceiros nos casos em que o menor está abandonado ou em situação de perigo. É também conhecida como guarda delegada, sendo que o mesmo tem a representação legal para isto; c) Guarda originária tem sua origem natural, ou seja, corresponde a atuação dos pais fazendo parte do pátrio poder; 17 DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. 4.ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais p

8 d) Guarda derivada decorre da lei (artigo 30 do ECA), sendo exercida por quem detém a tutela do menor, podendo ser o particular ou organismo oficial; e) Guarda de fato é aquela que não tem uma atribuição legal ou judicial. É estabelecida por uma pessoa que toma o menor a seu cargo; f) Guarda provisória ou temporária é aquela atribuída a um dos genitores durante o trâmite do processo de separação ou divórcio. Após a sentença, a guarda que era provisória passa a ser definitiva. A guarda provisória ou temporária é um modo de dar continuidade a vida do menor após a ruptura conjugal; g) Guarda jurídica é aquela exercida à distância pelo genitor não guardião; h) Guarda material prevista no art.33, 1º do ECA, o genitor tem a proximidade diária, pois detém a guarda e convive com o filho; i) Guarda alternada é quando os genitores alternam entre si o período de permanência do menor, ora o menor mora com o pai, ora com a mãe; j) Aninhamento ou nidação ocorre revezamento entre pais que mudam para a casa onde vive o menor, sendo em períodos e tempos diferentes; k) Guarda compartilhada objeto desta pesquisa será melhor discorrido no tópico abaixo, resumidamente, autoriza os pais a compartilharem a criação e educação dos menores, ou seja, ambos são responsáveis legais, tomando decisões de forma conjunta e igualitária. 3 DA GUARDA COMPARTILHADA A guarda compartilhada adentrou no ordenamento jurídico brasileiro através da Lei nº /08 18 alterando os arts e 1584 do CC, que por sua vez, tem como objeto a proteção dos menores no âmbito da família parental, nos casos decorrentes da ruptura da união dos pais. Nessa concepção, Grisard Filho 19 conceitua a modalidade de guarda: 18 BRASIL. Lei /08. Disponível em: Acessado em 14 set GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. p

9 A guarda representa a convivência efetiva e diuturna dos pais com o menor sob o mesmo teto, assistindo-o material, moral e psiquicamente. A vigilância é a outra face da responsabilidade dos pais pelos atos dos filhos, atenta ao pleno desenvolvimento do menor, nas suas mais variadas feições, sendo proteção, educação, comunicação. A guarda é o mais dinâmico feixe de deveres e prerrogativas dos pais em relação à pessoa dos filhos. Note-se que tais preceitos estão vinculados na tríade da integridade física, psíquica e moral, em se tratando dos direitos da personalidade. O aspecto psíquico é fator importante no que se refere ao respeito, pois investidas nessa área podem prejudicar o desenvolvimento da criança e do adolescente. Assim, cabe aos pais a responsabilidade de concretizar os direitos inerentes aos menores. Nessa mesma esteira, Akel 20 trata quanto à ruptura da união dos genitores: Embora com o desligamento do casal, a autoridade parental não se extinga, seu exercício conjunto pelos pais sofre alterações práticas, pois normalmente, os menores são confiados à guarda de um dos genitores, isto é, a desunião não acarreta a perda do poder familiar ao cônjuge que não detém a guarda. Depreende-se, porém, que é preciso considerar a fragilidade emocional do casal no momento de definir a guarda dos filhos, bem como o direito de visitas. Os genitores podem pactuar o modo de exercício da guarda. Se não houver êxito no acordo entre as partes, a guarda será estabelecida por força judicial. Quanto à possibilidade da guarda compartilhada expõe Grisard Filho 21 que: A noção de guarda compartilhada surgiu da necessidade de se reequilibrar os papéis parentais, diante da perniciosa guarda uniparental concedida sistematicamente à mãe (na guarda tradicional, o genitor não guardião tem uma quantidade limitada de contato com o menor), e de garantir o melhor interesse do menor, especialmente, as suas necessidades afetivas e emocionais. Esclarece-se, portanto, que a guarda compartilhada envolve de forma igualitária ambos os genitores nas funções educacionais dos filhos, priorizando organizar as relações dos mesmos no interior da família desunida. 20 AKEL, Ana Carolina, Guarda compartilhada: um avanço para a família. p GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. p

10 Ainda, equipara o exercício da autoridade parental e saliente-se que a participação dos pais, no convívio familiar é de extrema importância, pois contribuem no processo de desenvolvimento integral dos filhos, levando à pluralização de responsabilidades, estabelecendo verdadeira democratização de sentimentos. O doutrinador Grisard Filho 22 traz a reflexão quanto à problemática desta modalidade de guarda no ordenamento jurídico brasileiro ressaltando como premissa a continuidade da relação da criança com os dois genitores. Ainda o mesmo autor discorre que devem ser evitadas grandes alterações no cotidiano dos menores, sob o enfoque da aprendizagem doméstica e diária e por fim, enfatiza quanto aos pais que vivem em conflito constante, que certamente implicam em desacordo entre as partes, muitas vezes demonstrando insatisfações no tocante as obrigações para com os filhos menores 23. Diante da análise de subsídios nas questões atinentes ao Direito de Família, denota-se que há divergência doutrinária no sentido de explorar como modelo eficaz de guarda compartilhada, sob o argumento do melhor interesse da criança. Portanto, percebe-se que a efetividade dos direitos fundamentais expressos na Carta Magna, em conformidade com o Estatuto da Criança e do Adolescente depende da análise do caso concreto para que posteriormente não seja somente aplicada a norma legal, mas implementada a fim de concretizar tais promessas legais referentes à área da Infância e Juventude. 3.1 Aspectos pertinentes Embora o interesse maior seja o bem estar do menor, o modelo de guarda compartilhada ainda não é suficiente para efetivar tal ideário, é preciso mais que uma lei e uma decisão judicial. 22 GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. p GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. p

11 A guarda compartilhada será benéfica quando houver consenso dos genitores em preservarem o menor independente dos resquícios negativos da ruptura familiar. Assim, Dias 24 afirma que A tendência é não acreditar que o compartilhamento da guarda gere efeitos positivos se decorrer de determinação judicial, sob a justificativa de que só é possível se fruto do consenso entre as partes. O menor ganha dois lares e a possibilidade de perda referencial de domicílio, por isso mister o bom relacionamento dos genitores e de seus familiares. Além disso, se o modelo adotado não for resultado de preocupação e interesse sincera dos genitores para com os menores, a ruptura familiar facilmente desencadeará a alienação parental, síndrome altamente prejudicial ao menor e que requer considerado acompanhamento e cuidado de profissionais qualificados junto ao menor. Por fim, ainda há que se ressaltar que mesmo neste modelo de guarda existe a possibilidade de fixação de alimentos e visita, considerando que não necessariamente ambos possuam as mesmas condições financeiras e o menor não deverá preferir um dos genitores considerando vantagens financeiras. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao final do estudo do modelo de guarda compartilhada, percebe-se grande importância do tema tanto para o fator jurídico quanto para o fator psicológico dos envolvidos, pois trata das questões voltadas à área da Infância e Juventude. A guarda compartilhada proporciona aos genitores decisões conjuntas relacionadas ao desenvolvimento dos filhos menores, visto que ambos os genitores 24 DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. p

12 continuam detentores dos mesmos direitos e deveres após a ruptura da união conjugal. Diante disso, após a compreensão do Poder Familiar bem como a possível perda deste, confirma-se a necessidade dos menores manterem o vínculo com ambos os genitores. Como visto, a guarda compartilhada reafirma a igualdade parental, sob o argumento constitucional do melhor interesse da criança. Assim, os filhos não perdem o contato afetivo com os genitores, pois o equilíbrio na relação familiar contribui para o desenvolvimento pleno dos menores. Ocorre que, a autoridade parental tem como pressuposto a eficácia das necessidades obrigacionais e a desunião do casal, não pode ser prejudicial aos filhos. Extrai-se ainda que a ruptura dos laços familiares ameaçam à formação dos aspectos morais, educacionais e psíquicos da criança e do adolescente. Nessa perspectiva, deve-se priorizar a possibilidade dos genitores permanecerem unidos nas principais decisões da vida dos filhos, mantendo, ainda, uma convivência cotidiana com os mesmos. Com esse norte, mister ressaltar que tal forma de guarda só produzirá resultado positivo quando for de comum acordo entre os genitores, deve ser harmoniosa, pois o desentendimento entre os genitores poderá criar graves problemas, como por exemplo, a alienação parental. Por fim, a guarda compartilhada tem como escopo dar segurança aos filhos para que não sejam negligenciados devido à ruptura da união sendo considerada a melhor forma de acompanhar o desenvolvimento dos filhos mesmo após o fim da união conjugal. REFERÊNCIAS DAS FONTES CITADAS AKEL, Ana Carolina. Guarda compartilhada: um avanço para a família. São Paulo: Atlas,

13 BARROS, Fernanda Otoni de. Interdisciplinalidade: Uma visão ao Tribunal de família pelo olhar da Psicanálise. In: PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Direito de família contemporâneo. Doutrina jurisprudência, direito comparado e interdisciplinaridade. Belo Horizonte: Del Rey, BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de Disponível em: Acessado em 10 set Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: Acessado em 10 out Lei n.º /2002. Disponível em: L10406 compilada.htm. Acesso em 02/10/ Lei 11698/08. Disponível em: Acessado em 14 set COMEL, Denise Damo. Do poder familiar. São Paulo: Revista dos Tribunais, DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. 4.ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: direito de família. 16.ed. São Paulo: Saraiva, v. 5. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume VI: direito de família. São Paulo: Saraiva, GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. 4.ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, ISHIDA, Válter Kenji. Estatuto da criança e do adolescente: doutrina e jurisprudência. São Paulo: Atlas, MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil: direito de família. 38.ed. São Paulo: Saraiva, PEREIRA, Tânia da Silva. Direito da criança e do adolescente: uma proposta interdisciplinar. Rio de Janeiro:

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OBRIGATORIEDADE DA GUARDA COMPARTILHADA Patrícia Serafini Gross 1 Júlia Bagatini 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 A FAMÍLIA E O PODER FAMILIAR. 3 A GUARDA DE FILHOS. 4 A GUARDA COMPARTILHADA. 5 CONCLUSÃO.

Leia mais

Guarda. Guarda Compartilhada. Filhos Menores. Interesse do Menor. Aplicação

Guarda. Guarda Compartilhada. Filhos Menores. Interesse do Menor. Aplicação DA GUARDA COMPARTILHADA Rayssa Marques Tavares RESUMO: O tema procura abordar a guarda dos filhos menores de pais separados conjugalmente. Pois, acredita-se que as crianças sofram muito com essa ruptura,

Leia mais

JHMIZUNO EDITORA DISTRIBUIDORA

JHMIZUNO EDITORA DISTRIBUIDORA Ana Maria Milano Silva É advogada, formada pela USP. Atua em Jundiaí e Campo Limpo Paulista. Sua área preferida é o Direito de Família. Fez mestrado el7! Direito Civil com a dissertação que deu origem

Leia mais

OS FILHOS E O DIVÓRCIO

OS FILHOS E O DIVÓRCIO OS FILHOS E O DIVÓRCIO Luís Otávio Sigaud Furquim Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Especialista em Administração; Pós-graduado em Gestão de Serviços Jurídicos, ambas

Leia mais

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução É dever dos pais, no exercício

Leia mais

SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL: a atuação do NEDDIJ na proteção dos direito da criança e adolescente

SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL: a atuação do NEDDIJ na proteção dos direito da criança e adolescente 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SÍNDROME

Leia mais

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA Ana Maria Milano Silva É advogada, formada pela USP Atua em Jundiaí e Campo Limpo Paulista. Sua área preferida é o Direito de Família. Fez mestrado em Direito Civil com a dissertação que deu origem ao

Leia mais

O REFLEXO DA INTERPRETAÇÃO DO CONCEITO DE GUARDA COMPARTILHADA NA SUA NÃO-APLICABILIDADE PELOS OPERADORES JURÍDICOS: UMA POSSIBILIDADE

O REFLEXO DA INTERPRETAÇÃO DO CONCEITO DE GUARDA COMPARTILHADA NA SUA NÃO-APLICABILIDADE PELOS OPERADORES JURÍDICOS: UMA POSSIBILIDADE O REFLEXO DA INTERPRETAÇÃO DO CONCEITO DE GUARDA COMPARTILHADA NA SUA NÃO-APLICABILIDADE PELOS OPERADORES JURÍDICOS: UMA POSSIBILIDADE Ricardo Vanzin Silveira 1 1 INTRODUÇÃO O objetivo desse artigo é verificar

Leia mais

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA A Recomendação ora apresentada se faz necessária para que o Ministério

Leia mais

A Guarda Compartilhada

A Guarda Compartilhada A Guarda Compartilhada Maria Carolina Santos Massafera Aluna do curso de pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil na Fundação Aprender Varginha, em convênio com o Centro Universitário Newton Paiva.

Leia mais

DA GUARDA COMPARTILHADA ( Lei nº 13.058 de 22/12/2014)

DA GUARDA COMPARTILHADA ( Lei nº 13.058 de 22/12/2014) DA GUARDA COMPARTILHADA ( Lei nº 13.058 de 22/12/2014) Felícia Ayako Harada* Já tivemos oportunidade de comentar sobre o poder familiar que o Novo Código Civil trouxe em substituição ao pátrio poder. Com

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR A Responsabilidade Civil dos Pais por Abandono Afetivo dos Filhos A paternidade responsável e o projeto de lei n 4294/08. CRISLAINE MARIA SILVA DE ALMEIDA 1. FERNANDA DURÃES NORONHA 2 Introdrução A família

Leia mais

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR ALINE ESQUARCIO SOBRINHO 1 ROSANA MOREIRA 2 RESUMO: Este trabalho almeja demonstrar uma visão inovadora do instituto da Guarda

Leia mais

A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA GESTÃO DOS CONFLITOS QUE ENVOLVAM GUARDA DE FILHOS DE PAIS SEPARADOS 1.

A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA GESTÃO DOS CONFLITOS QUE ENVOLVAM GUARDA DE FILHOS DE PAIS SEPARADOS 1. A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA GESTÃO DOS CONFLITOS QUE ENVOLVAM GUARDA DE FILHOS DE PAIS SEPARADOS 1. Luciano Machado de Souza 2 JUSTIFICATIVA: Prescindindo do método tradicional, pela maioria considerado

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal.

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal. PODER DE FAMÍLIA Gislaine Aparecida Giorgetti da Silva Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A família que era protegida, para não ser desfeita, hoje já não é tão intocável, aquela família

Leia mais

GUARDA COMPARTILHADA: REALIDADE CONTEMPORÂNEA PARA PROTEÇÃO DOS INTERESSES DOS FILHOS

GUARDA COMPARTILHADA: REALIDADE CONTEMPORÂNEA PARA PROTEÇÃO DOS INTERESSES DOS FILHOS GUARDA COMPARTILHADA: REALIDADE CONTEMPORÂNEA PARA PROTEÇÃO DOS INTERESSES DOS FILHOS Hildeberto Forte Daltro Filho 1 INTRODUÇÃO A Lei 11.698, colocada em nosso ordenamento jurídico em 2008 e que instituiu

Leia mais

GUARDA COMPARTILHADA, NOVA CONCEPÇÃO NO CUIDADO DE FILHOS DE PAIS SEPARADOS

GUARDA COMPARTILHADA, NOVA CONCEPÇÃO NO CUIDADO DE FILHOS DE PAIS SEPARADOS GUARDA COMPARTILHADA, NOVA CONCEPÇÃO NO CUIDADO DE FILHOS DE PAIS SEPARADOS Camila Barbosa de Souza 1 RESUMO Este trabalho foi desenvolvido mediante estudos de doutrina e artigos na internet, com a finalidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breve histórico dos conceitos de adoção Marco Antônio Garcia de Pinho * Como citar este artigo: PINHO, Marco Antônio Garcia de. Breve histórico dos conceitos de adoção. Disponível

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 O ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O DIREITO À CONVIVÊNCIA COM A FAMÍLIA Graciele Benisch 1 Deise Josene Stein 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 ASPÉCTOS HISTÓRICOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. 3 MEDIDAS DE ACOLHIMENTO

Leia mais

Des. Paulo da Cunha Presidente. Desa. Clarice Claudino da Silva Vice-Presidente. Desa. Maria Erotides Kneip Baranjak Corregedora-Geral da Justiça

Des. Paulo da Cunha Presidente. Desa. Clarice Claudino da Silva Vice-Presidente. Desa. Maria Erotides Kneip Baranjak Corregedora-Geral da Justiça Des. Paulo da Cunha Presidente Desa. Clarice Claudino da Silva Vice-Presidente Desa. Maria Erotides Kneip Baranjak Corregedora-Geral da Justiça AUTORA Jaqueline Cherulli Juíza de Direito COLABORAÇÃO Alisson

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 110.469/11 Assunto: paciente menor, genitores separados, fornecimento prontuário Relator: Laide Helena

Leia mais

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil 1 ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil Ana Flávia Oliva Machado Carvalho 1 RESUMO Este estudo objetivou destrinchar todo o procedimento da adoção. Inicialmente buscamos discorrer sob sua evolução histórica.

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados DIREITO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA AOS FILHOS MAIORES DE IDADE por Priscilla Bitar D Onofrio Sócia de Almeida Guilherme Advogados e Natalia Barbieri Bortolin Membro de Almeida Guilherme Advogados SUMÁRIO: I.

Leia mais

A alienação parental e os efeitos da Lei nº 12.318, de 26 de agosto de 2010 no direito de família. Válter Kenji Ishida

A alienação parental e os efeitos da Lei nº 12.318, de 26 de agosto de 2010 no direito de família. Válter Kenji Ishida A alienação parental e os efeitos da Lei nº 12.318, de 26 de agosto de 2010 no direito de família Válter Kenji Ishida Promotor de Justiça das Execuções Criminais e Professor Universitário Autor das seguintes

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

1) Adoção Um gesto de amor e de responsabilidade

1) Adoção Um gesto de amor e de responsabilidade - A ADOÇÃO POR CASAL HOMOAFETIVO Autora: Cristine Borges da Costa Araújo 1) Adoção Um gesto de amor e de responsabilidade A adoção deve ser observada sob dois aspectos legais, que formam a base desse direito

Leia mais

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada CRISTINA MOTTA PALHARES Advogada, Formada em Nutrição pela UERJ em 1977; formada em Direito pela UERJ em 1984; Especialista em Direito Processual

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES Claudia Beatriz de Lima Ribeiro 1 ; Graziella

Leia mais

PODER FAMILIAR: CONCEITO, CARACTERÍSTICAS E TITULARIDADE 1

PODER FAMILIAR: CONCEITO, CARACTERÍSTICAS E TITULARIDADE 1 PODER FAMILIAR: CONCEITO, CARACTERÍSTICAS E TITULARIDADE 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Em consonância com o já ressaltado nas linhas

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 ASPECTOS PRELIMINARES ACERCA DA ADOÇÃO Gabriela Dalinghaus Chiamolera 1 Júlia Bagatini 2 Maycon Nascimento 3 Sherydan Lara 4 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 ASPECTOS GERAIS DA ADOÇÃO. 2.1 CONCEITO. 2.2 OS ATORES

Leia mais

A GUARDA COMPARTILHA

A GUARDA COMPARTILHA A GUARDA COMPARTILHA 1 Introdução Inaiara Zélia Carvalho Duarte 1 A guarda discutida tem sido a solução aos conflitos que surgem por ocasião da separação, com a finalidade de ambos os pais terem maior

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO RELAÇÕES DE PARENTESCO PARENTESCO CONSANGUÏNEO EM LINHA COLATERAL, TRANSVERSAL OU OBLÍQUA

DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO RELAÇÕES DE PARENTESCO PARENTESCO CONSANGUÏNEO EM LINHA COLATERAL, TRANSVERSAL OU OBLÍQUA DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO Professor Dicler RELAÇÕES DE PARENTESCO Parentesco é o vínculo existente não só entre as pessoas que descendem umas das outras ou de um mesmo tronco familiar comum,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO CIVIL IV (FAMÍLIA) (D-29) Área: Ciências Sociais Período: Sexto Turno: Matutino /Noturno Carga Horária: 72 hs III. Pré-Requisito: DIREITO

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução A família foi gradativamente se evoluindo, sofrendo

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL VII 9º período: 3h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito de família. Parentesco. Alimentos. Filiação. Guarda, da tutela e da curatela. Casamento. União estável. Dissolução

Leia mais

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS PROJETO DE PESQUISA MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA Projeto de pesquisa em atendimento à disciplina Monografia

Leia mais

A GUARDA DOS FILHOS MENORES: RESPONSABILIDADES E CONSEQÜÊNCIAS DELA DECORRENTES

A GUARDA DOS FILHOS MENORES: RESPONSABILIDADES E CONSEQÜÊNCIAS DELA DECORRENTES UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLÍTICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO A GUARDA DOS FILHOS MENORES: RESPONSABILIDADES E CONSEQÜÊNCIAS DELA DECORRENTES EDILSON

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

PARTILHA EXTRAJUDICIAL DE BENS: A possibilidade de partilha extrajudicial posterior ao divórcio judicial. Leandro Augusto Neves Corrêa 1

PARTILHA EXTRAJUDICIAL DE BENS: A possibilidade de partilha extrajudicial posterior ao divórcio judicial. Leandro Augusto Neves Corrêa 1 PARTILHA EXTRAJUDICIAL DE BENS: A possibilidade de partilha extrajudicial posterior ao divórcio judicial. Leandro Augusto Neves Corrêa 1 Com o advento da Lei 11.441/07 2, muitos foram os questionamentos

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

A Hermenêutica do Artigo 50, 13, Inciso III, do ECA, Frente à Equidade e aos Princípios Constitucionais da Proteção Integral e da Prioridade Absoluta

A Hermenêutica do Artigo 50, 13, Inciso III, do ECA, Frente à Equidade e aos Princípios Constitucionais da Proteção Integral e da Prioridade Absoluta 238 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 11 Curso de Constitucional - Normatividade Jurídica A Hermenêutica do Artigo 50, 13, Inciso III, do ECA, Frente à Equidade e aos Princípios Constitucionais da Proteção

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO, por seu representante infra-assinado, com

Leia mais

Guarda compartilhada: uma análise de sua aplicabilidade

Guarda compartilhada: uma análise de sua aplicabilidade Guarda compartilhada: uma análise de sua aplicabilidade Shared custody: an analysis of its applicability por Edevaldo Bezerra da Silva Aluno do 10º semestre do Curso de Direito das Faculdades Integradas

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS N. 0005958-45.2010.2.00.0000 RELATOR REQUERENTE REQUERIDO ASSUNTO : JORGE HÉLIO CHAVES DE OLIVEIRA : MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO : CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA : REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Principais problemas legais da comunidade brasileira na Noruega

Principais problemas legais da comunidade brasileira na Noruega SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO DA COMUNIDADE BRASILEIRA Principais problemas legais da comunidade brasileira na Noruega Embaixada do Brasil Conselho de Cidadãos DnB NOR Novembro de 2009 All rights reserved to

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação RESPONSABILIDADE CIVIL POR ALIENAÇÃO PARENTAL

9º Simposio de Ensino de Graduação RESPONSABILIDADE CIVIL POR ALIENAÇÃO PARENTAL 9º Simposio de Ensino de Graduação RESPONSABILIDADE CIVIL POR ALIENAÇÃO PARENTAL Autor(es) PRISCILA ZANUNCIO Orientador(es) RENATA RIVELLI MARTINS SANTOS 1. Introdução A família é o núcleo fundamental

Leia mais

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico NOVO CÓDIGO CIVIL Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Adoção do Nome Casamento Gratuito Adultério Casamento Religioso Autenticação Condômino Anti-Social Casamento Contratos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002).

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). PROJETO DE PESQUISA ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). Polyana da Silva Siqueira Rosana Rangel Silva Campos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Família. Criança e Adolescente. ECA. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Família. Criança e Adolescente. ECA. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente

O sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente O sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS PROMOÇÃO CONTROLE SOCIAL DEFESA A Convenção Internacional sobre o direito da criança e do adolescente Busca

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 SOBRE A PROTEÇÃO DA VIDA ANTES DO NASCIMENTO: DA PERSONALIDADE JURÍDICA E DOS DIREITOS DO NASCITURO Angélica Eikhoff 1 Cláudia Taís Siqueira Cagliari 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 A PERSONALIDADE JURÍDICA

Leia mais

ABANDONO MORAL Simone Ramalho Novaes Juíza de Direito

ABANDONO MORAL Simone Ramalho Novaes Juíza de Direito ABANDONO MORAL Simone Ramalho Novaes Juíza de Direito A questão do abanono moral ainda é bastante polêmica e demanda prudência e cautela na análise do caso concreto. As regras de experiência comum ensinam

Leia mais

Palestrante: Tatiana C. Reis Filagrana

Palestrante: Tatiana C. Reis Filagrana Palestra -ABANDONO AFETIVO: QUESTÕES CONTROVERTIDAS Palestrante: Tatiana C. Reis Filagrana ARTIGOS -LEI Art. 186 CCB: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D- 51 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D- 51 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D- 51 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NOME DO CURSO: DIREITO

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO - Noturno Código 50010 Créditos: 4 Pré-requisitos --

PLANO DE ENSINO. TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO - Noturno Código 50010 Créditos: 4 Pré-requisitos -- PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: Faculdade: FACITEC Curso: DIREITO Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO - Noturno Código 50010 Créditos: 4 Pré-requisitos -- 2. EMENTA: Princípios fundamentais:

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ EVELLYN PEREZ PRADO GUARDA COMPARTILHADA COMO MEIO DE DIMINUIR O RISCO DE SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ EVELLYN PEREZ PRADO GUARDA COMPARTILHADA COMO MEIO DE DIMINUIR O RISCO DE SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ EVELLYN PEREZ PRADO GUARDA COMPARTILHADA COMO MEIO DE DIMINUIR O RISCO DE SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL CURITIBA 2013 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ EVELLYN PEREZ PRADO GUARDA

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA PRIORIDADE ABSOLUTA E DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E SUA EFETIVIDADE

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA PRIORIDADE ABSOLUTA E DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E SUA EFETIVIDADE OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA PRIORIDADE ABSOLUTA E DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E SUA EFETIVIDADE Silva, Edenise Andrade da 2 ; Pessoa,Tatiane de Fátima da Silva 3,Cezne,Andrea

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 6.485 - US (2011/0221419-0) RELATÓRIO EXMO. SR. MINISTRO GILSON DIPP(Relator): Trata-se de pedido de homologação de sentença estrangeira proferida pela Corte Superior

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica.

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica. DISCIPLINA: Direito de Família SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR138 1. EMENTA: O Direito de Família. Evolução do conceito de família. A constitucionalização

Leia mais

Estatuto da Criança e do adolescente

Estatuto da Criança e do adolescente Luiz Octávio O. Saboia Ribeiro Juiz Auxiliar da CGJ Estatuto da Criança e do adolescente PROTEÇÃO INTEGRAL Os espinhos que me ferem são frutos dos arbustos que plantei. (Lord Byron) Art. 227. É dever da

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL Informação nº 578/2014 Processo CEEd nº 50/27.00/13.0

COMISSÃO ESPECIAL Informação nº 578/2014 Processo CEEd nº 50/27.00/13.0 PARA USO INTERNO DO CEEd COMISSÃO ESPECIAL Informação nº 578/2014 Processo CEEd nº 50/27.00/13.0 Responde consulta sobre cancelamento compulsório de matrícula, transferência compulsória e transferência

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A VIOLAÇÃO A PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS NO REGIME DE SEPARAÇÃO DE BENS OBRIGATÓRIO PARA MAIOR DE SETENTA ANOS DE IDADE Diane Poletti 1 Edivane Silvia Piovesan 2 Letícia Gheller Zanatta Carrion 3 SUMÁRIO:

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Gabriela Costa Barbosa Jéssica Cristina Maia GUARDA COMPARTILHADA

Gabriela Costa Barbosa Jéssica Cristina Maia GUARDA COMPARTILHADA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA PAULA SOUZA ESCOLA TÉCNICA JORGE STREET CLASSE DESCENTRALIZADA ESCOLA ESTADUAL MARIA TRUJILO TORLONI TÉCNICO EM SERVIÇOS JURÍDICOS Gabriela Costa Barbosa Jéssica

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Curso: Gestão Hospitalar Administração de Empresa Agronegócios 2º. Período Carga Horária Faculdade Uniessa

DIREITO EMPRESARIAL Curso: Gestão Hospitalar Administração de Empresa Agronegócios 2º. Período Carga Horária Faculdade Uniessa DIREITO EMPRESARIAL Curso: Gestão Hospitalar Administração de Empresa Agronegócios 2º. Período Carga Horária Faculdade Uniessa Bibliografia básica: BULGARELLI, Waldirio. O Novo Direito Empresarial. Rio

Leia mais

4 O instituto da guarda: algumas considerações

4 O instituto da guarda: algumas considerações 4 O instituto da guarda: algumas considerações A guarda é um dos atributos do poder familiar e impõe aos genitores as seguintes obrigações elencadas no art. 1634 CC 2002: Art. 1.634. Compete aos pais,

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADOÇÃO

TEORIA GERAL DA ADOÇÃO TEORIA GERAL DA ADOÇÃO Carlos Henrique Fernandes GASQUES RESUMO: O presente trabalho visa abordar sistematicamente a teoria geral da adoção, visando fazer um apanhamento histórico a cerca da adoção destacando

Leia mais

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada LEI Nº..., DE... DE... DE... 1. Dispõe sobre Programa de Guarda Subsidiada para Crianças e Adolescentes em situação de risco social

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

www.editoraferreira.com.br AMOSTRA DA OBRA Alessandra S. da Gama ECA Esquematizado 2ª edição

www.editoraferreira.com.br AMOSTRA DA OBRA Alessandra S. da Gama ECA Esquematizado 2ª edição AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br Alessandra S. da Gama ECA Esquematizado 2ª edição Sumário Graduada em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), especialista em Psicologia Clínica

Leia mais

PLANO DE ENSINO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

PLANO DE ENSINO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Instituição: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Local: CUIABÁ - MT Faculdade: DIREITO Curso: DIREITO Disciplina: Direito de Família - Bioética Carga Horária: 60 horas

Leia mais

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE Maíra Sgobbi de FARIA 1 Resumo: O respeito e a proteção que devem ser concedidos aos idosos sempre foram um dever da sociedade, uma vez que as

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO A. PREÂMBULO I CONSIDERANDO que o Brasil é signatário da Declaração dos Direitos da Criança,

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

1. CASAMENTO 24/4/2012. Emenda Constitucional n. 66/2010. Escola Superior da Magistratura do Estado de Alagoas

1. CASAMENTO 24/4/2012. Emenda Constitucional n. 66/2010. Escola Superior da Magistratura do Estado de Alagoas Escola Superior da Magistratura do Estado de Alagoas 1. Casamento e união estável: histórico e natureza; diferenças entre casamento, união estável e namoro requisitos da união estável; efeitos pessoais

Leia mais

CONSULTA N.º 07/2013 OBJETO: Guarda de Fato pela Avó Dever dos Pais de Pagar Alimentos Representação Processual INTERESSADO: Maria Gorete Monteiro

CONSULTA N.º 07/2013 OBJETO: Guarda de Fato pela Avó Dever dos Pais de Pagar Alimentos Representação Processual INTERESSADO: Maria Gorete Monteiro CONSULTA N.º 07/2013 OBJETO: Guarda de Fato pela Avó Dever dos Pais de Pagar Alimentos Representação Processual INTERESSADO: Maria Gorete Monteiro CONSULTA N. 07/2013: 1. Cuida-se de consulta encaminhada

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

O Direito da filiação

O Direito da filiação PATRÍCIA PINTO ALVES O Direito da filiação VERBO jurídico VERBO jurídico O Direito da filiação: 2 O Direito da filiação PATRÍCIA PINTO ALVES Mestre em Direito pela Escola de Direito da Universidade do

Leia mais

Atenção! Se a criança é adotada por família substituta, que, após alguns aos, a abandona, os avós biológicos podem pleitear a adoção?

Atenção! Se a criança é adotada por família substituta, que, após alguns aos, a abandona, os avós biológicos podem pleitear a adoção? Turma e Ano: Ministério Público/RJ Intensivo / 2013 Matéria / Aula: ECA / Aula 1 Professor: Tadeu Valverde Monitor: Aline Ferreira 1) Adoção a) Conceito: Adoção é a forma mais completa de colocação em

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Adoção no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Novo Código Civil Fábia Bevilaqua* Introdução O instituto da Adoção é uma modalidade artificial de filiação pela qual aceita-se

Leia mais

SEPARAÇÃO CONJUGAL E A ALIENAÇÃO PARENTAL: DESDOBRAMENTO NO ESTADO EMOCIONAL DOS FILHOS

SEPARAÇÃO CONJUGAL E A ALIENAÇÃO PARENTAL: DESDOBRAMENTO NO ESTADO EMOCIONAL DOS FILHOS 1 SEPARAÇÃO CONJUGAL E A ALIENAÇÃO PARENTAL: DESDOBRAMENTO NO ESTADO EMOCIONAL DOS FILHOS FREITAS, Carlos David 1 RESUMO Este artigo tem por finalidade propor reflexão sobre o estado emocional dos filhos

Leia mais