TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA AUTORIZAÇAO DECRETO DOU 18/07/96 RECONHECIMENTO PORTARIA 909/95, DOU 01/08/95 UNIDADE DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL - UDO SISTEMA DE ARQUIVO CENTRAL SIARC TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD Salvador, Fevereiro/2011.

2 GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA Jacques Wagner Secretário da Educação Osvaldo Barreto REITOR Lourisvaldo Valentim da Silva VICE-REITORA Amélia Tereza Santa Rosa Maraux UDO/ CHEFE DA UNIDADE Djalma Fiúza de Almeida ARQUIVO CENTRAL / GERÊNCIA Tânia Mª Gomes Peixoto Leite RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO: COLABORADORES: Rita de Cássia Fernandes Freire Barreto (Técnica Responsável do Arquivo Central) Rose Mary Magalhães Seixas Pereira (Analista Universitário Arquivo Central) Toda a Equipe do Arquivo Central. Arquivo Central da UNEB Rua Silveira Martins N 2555 Cabula Salvador Bahia - CEP Tel: (71) Fax: (71) I

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... DE CLASSIFICAÇÃO... TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS... o Estrutura e Descrição... o Tabela... o Índice... GLOSSÁRIO... ANEXO I LISTA DE TRANSFERÊNCIA DE DOCUMENTOS... ANEXO II LISTA DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS... ANEXO III CONTROLE DE EMPRÉSTIMO DE DOCUMENTOS... ANEXO IV ETIQUETA PARA CAIXA DO ARQUIVO...

4 APRESENTAÇÃO O Arquivo Central da Universidade do Estado da Bahia UNEB, cumprindo a Instrução Conjunta SAEB/ SECULT Nº 01 DE 18 de Março de 2010, que orienta os órgãos e entidades da Administração Pública Estadual quanto à gestão de documentos arquivísticos, em consonância com a Lei 8.159/1991, que dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados, vem, desde 2005, elaborando instrumentos para a Implantação da Política de Gestão Documental, visando tratar à massa acumulada dentro de critérios seguros, possibilitando o resgate à história da Universidade. Para isso foram desenvolvidos instrumentos como: A Proposta de Composição da Comissão de Avaliação de Documentos CPAD; O Código de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade de Documentos TTD; além de outros instrumentos de controle como as Listas de Eliminação e de Transferência. Sabemos que as situações dos arquivos públicos das Universidades demonstram os mesmos problemas como: Falta de espaço físico, a visão individual e setorizada na organização dos documentos e acúmulos da massa documental sem nenhum critério, esta, sempre de acordo com as funções e atividades exercidas por cada setor durante a sua existência. Para a elaboração da Tabela de Temporalidade de Documentos TTD considera o instrumento de destinação, aprovado pela autoridade competente, que define prazos de guarda e destinação dos documentos de valor corrente e ou intermediário, produzidos e recebidos no âmbito de toda Universidade. Além disso, estabelece a destinação de documentos, que pode ser por descarte e guarda permanente dos documentos de valor permanente/ histórico. A referida tabela, se utilizada racionalmente, poderá propiciar um maior controle dos acervos documentais, uma maior rapidez na recuperação das informações, além de maximizar o fluxo documental, bem como, oferecer suporte às decisões legais e administrativas nos setores, Departamentos e Campi de toda a Universidade.

5 DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS O Código de Classificação parte de uma organização geral, tendo como requisitos básicos, o reconhecimento da instituição e do próprio documento e a definição dos níveis de classificação, vista como parte integrante da gestão documental, é um processo natural que tem por finalidade reunir coisas semelhantes, este, devem ter como característica a simplicidade e a flexibilidade, fácil assimilação, utilizada como instrumento de trabalho para classificar todo e qualquer documento produzido ou recebido por um órgão no exercício de suas funções e atividades. O código de classificação de documentos de arquivo para a administração pública e a destinação de documentos de que trata a Resolução nº 14, resultaram numa publicação editada pelo (Conselho Nacional de Arquivo CONARQ em outubro de 2001), intitulada Classificação, Temporalidade e de Documentos de Arquivo da Administração Pública. Partindo do principio que este instrumento visa agilizar a recuperação das informações e facilitar a avaliação, seleção, eliminação, transferência, recolhimento e acesso a esses documentos. A classificação de documentos adotada pela UNEB tem como objetivo agrupar os documentos sob um mesmo assunto, o modelo de código de classificação é decimal, dividido em dez classes e estas, por sua vez, em dez subclasses e assim sucessivamente, com As dez classes principais são representadas por um número inteiro, composto de três algarismos, como se segue: Classe 000 Classe 100 Classe 200 Classe 900

6 As classes principais correspondem grandes funções desempenhadas pelo órgão. Elas são divididas em subclasses e estas, por sua vez, em grupos e subgrupos os quais recebem códigos numéricos, seguindo-se o método decimal. O código de Classificação de Documentos de Arquivo para a Administração Pública, atividade meio possui classes comuns a todos os órgãos: Vamos ver o exemplo a seguir para entendermos melhor: Classe ADMINISTRAÇÃO GERAL Subclasse PESSOAL Grupo 021 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Subgrupo CANDIDATOS A CARGO E EMPREGO PÚBLICOS: INSCRIÇÕES. Entendido a elaboração do Código acima, a seguir explicaremos sobre as classes e suas respectivas subclasses. CLASSE 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL. Nesta classe são classificados os documentos referentes às atividades relacionadas à administração interna, as quais viabilizam o seu funcionamento e o alcance dos objetivos para os quais foram criados. A CLASSE 000 tem como SUBCLASSES: 010 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO: Classificam-se os documentos relativos à criação, estruturação, funcionamento e organização interna do órgão. 020 PESSOAL:

7 Incluem-se os documentos relativos aos direitos e obrigações dos servidores lotados no órgão, de acordo com a legislação vigente, bem como os direitos e obrigações da instituição empregadora no que tange à assistência, proteção ao trabalho e concessão de benefícios. 030 MATERIAL: Classificam-se os documentos referentes à Administração dos Materiais do órgão, necessários ao desenvolvimento de suas atividades, incluindo as formas de aquisição e alienação, o controle do estoque e da distribuição, a conservação e reparo. 040 PATRIMÔNIO: Classificam-se os documentos referentes aos bens patrimoniais, imóveis e veículos pertencentes ao órgão. Incluem-se, neste caso, as formas de aquisição e alienação, bem como os serviços de manutenção, limpeza e recuperação. 050 ORÇAMENTO E FINANÇAS: Classificam-se os documentos relativos à previsão e execução orçamentária e as operações contábeis e financeiras referentes ao uso dos recursos públicos e comprovação de receita e despesa. Também a movimentação de conta corrente, balanços e prestações de contas de um modo geral. 060 DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO: Incluem-se os documentos referentes às publicações, produção editorial, impressão e distribuição de matérias, como também aquisição, controle, distribuição e acesso à documentação bibliográfica do órgão. Incluem-se, ainda, documentos referentes à produção, controle, avaliação, arquivamento e destinação de documentos arquivisticos, como também os documentos relacionados com as atividades de reprodução, conservação e informática. 070 COMUNICAÇÃO:

8 Classificam-se os documentos relacionados com a instalação, manutenção, operação e uso dos recursos e serviços postais, de telecomunicação e de tecnologias da informação. 080 VAGA: Esta se conserva vaga para possíveis expansões e inserção de documentos referentes à Administração Geral, que resultem de novas atividades desenvolvidas pelo órgão. A seguir descrevemos as seguintes classes pra representar as atividades fins da Universidade do Estado da Bahia - UNEB: 100 ENSINO. 110 CURSOS DE GRADUAÇÃO. 120 VIDA ESCOLAR DOS DISCENTES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO. 130 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO ENSINO DE GRADUAÇÃO. 140 CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU. 150 VIDA ESCOLAR DOS DISCENTES DE CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU. 159 OUTROS ASSUNTOS REFERENTES AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU. 160 CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU. 170 VIDAS ESCOLAR DOS DISCENTES DE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU. 180 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO ENSINO DE PÓS GRADUAÇÃO. 200 PESQUISA.

9 210 NORMAS, REGULAMENTAÇÕES E DIRETRIZES. 220 PROJETOS DE PESQUISA. 230 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTIFICA. 240 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DE PESQUISA. 250 OUTROS ASSUNTOS REFERENTES À PESQUISA. 300 EXTENSÃO NORMAS, REGULAMENTAÇÕES E DIRETRIZES. 320 PROJETOS DE EXTENSÃO. 330 PROGRAMAS E BOLSAS DE EXTENSÃO. 340 ESTÁGIO DE EXTENSÃO. 350 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO. 360 CURSOS DE EXTENSÃO. 370 CURRICULOS DE EXTENSÃO. 380 OUTROS ASSUNTOS REFERENTES À EXTENSÃO.

10 TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD ESTRUTURA E DESCRIÇÃO: Prazo De Arquivo Arquivo utilizado para classificar os documentos sob o mesmo tema, como forma de agilizar sua recuperação e facilitar as tarefas arquivísticas relacionadas à avaliação, seleção, transferência, recolhimento e acesso a esses documentos. SÉRIES DOCUMENTAIS: seqüência de um mesmo tipo documental (Espécies Documentais). ASSUNTOS conteúdo dos documentos. PRAZO DE GUARDA refere-se ao tempo necessário para o arquivamento dos documentos nas fases corrente e intermediário, visando atender às necessidades da administração que os produziu. DESTINAÇÃO FINAL neste campo registra-se a destinação estabelecida, que pode ser a transferência para o Arquivo Central ou Eliminação. LEGISLAÇÃO neste campo registramos base legal e as leis existentes no município, estado e união. OBSERVAÇÃO espaço destinado a informações complementares e justificativas necessárias à adequada utilização da Tabela. Incluem-se ainda aspectos importantes ao processo de avaliação.

11 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA AUTORIZAÇAO DECRETO DOU 18/07/96 RECONHECIMENTO PORTARIA 909/95, DOU 01/08/95 UNIDADE DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL - UDO SISTEMA DE ARQUIVO CENTRAL SIARC TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS - TTD Prazo De Arquivo Arquivo 000 ADMINISTRAÇÃO CENTRAL 001 Projetos Estudos e Normas. Vigência 05 anos Conservar, documento importante para a memória da Instituição Dossiê de Reconhecimento: Toda a documentação referente ao reconhecimento da UNEB. Vigência Conservar, documento importante para a memória da Instituição. 002 Planos, Propostas e Programas de trabalho. 02 anos 05 anos 003 Relatório Anual de Atividades. 02 anos 05 anos São passíveis de eliminação os relatórios cujas informações encontram-se recapituladas em outros. 004 Acordos, Ajustes, Contratos, Convênios, Protocolo de Intenções, Termo de Cooperação, Termo de Parceria. Vigência 10 anos Conservar, documento importante para a memória da Instituição. Inclui Termo Aditivo.

12 Arquivo Prazo De Arquivo 005 Atos Normativos no âmbito da UNEB. 10 anos 10 anos 010 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. Conservar, documento importante para a memória da Instituição Normas, Regulamentações, Diretrizes, Procedimentos, Estudos e/ou Decisões de Caráter Geral, Guia, Manual. Vigência 05 anos A vigência esgota-se quando houver revisões dos referidos documentos Registro dos órgãos competentes. Vigência 05 anos Dossiê De Implantação: Conservar, documento importante para a memória da Instituição Estrutura Institucional: Ata, Ato, Alteração dos Regimentos, Competências, Estatutos, Estruturas, Portarias, Resoluções. Vigência 05 anos Conservar, documento importante para a memória da Instituição Processo de Implantação: Solicitação de verbas para implantação de novas UES, Logotipo, Concepção da Universidade. Vigência 05 anos Ficará no Arquivo (Setor) até a finalização de todo o processo de implantação Ata. 02 anos

13 Prazo De Correspondências: Expedida e Recebida. (Exposição de Motivos, , Fax Oficio Memorandos). 02 anos Eliminar As correspondências têm variações de assunto, a interna que veicula conteúdos rotineiros, em geral implica em continuidade administrativa. A eliminação está condicionada a inexistência de fatores determinantes para a sua guarda. Quanto as que integram um processo obedecerá a sua temporalidade e destinação Protocolo: Guias / Livros de Registro de Entrada e Saída de Documentos Guia de Remessa CED Comunicação Escrita Documental Dossiê Evento: Participativo ou Promovido Dossiê Eleição: Reitor / Vice-Reitor, Diretor / Vice Diretor, Coordenador / Vice Coordenador. 01 ano * Eliminar 02 anos 02 anos 02 anos Ações Judiciais. Vigência 05 anos Ações Judiciais. (Dissídio Coletivo). Vigência 05 anos 011 Comissões Técnicas, Conselhos, Grupos de Trabalho, Juntas e Comitês 012 COMUNICAÇÃO SOCIAL 04 anos 05 anos Eliminar * O prazo mínimo de guarda é de 01 ano, mas a permanência do documento poderá ser de acordo com a necessidade do setor. Os eventos participativos sem intervenção direta devem ser eliminados no Arquivo (Setor). Conservar, documento importante para a memória da Instituição. Conservar, documento importante para a memória da Instituição.

14 Prazo De Clipping (Noticiários e Reportagens). 02 anos Eliminar Convites. 02 anos Eliminar Anúncios, Cartazes, Folhetos, Folders. 02 anos Eliminar Os documentos cujas informações reflitam a política do órgão são de guarda permanente. O prazo de guarda dos convites recebidos esgota-se com a realização do evento. 020 PESSOAL Normas, Procedimentos, Regulamentações, Diretrizes, Estatutos, Estudos ou Decisões de caráter Geral. Vigência 05 anos Conservar, documento importante para a memória da Instituição Obrigações Trabalhistas ou Estatutárias, Relações com Ministérios e Secretarias Federais. 05 anos 05 anos Eliminar Decreto Lei Federal nº /43 (CLT), art.360/ Decreto Federal nº / Relação com Conselhos Profissionais, Sindicatos, Acordos, Dissídios, Movimentos Reivindicatório, Greve e Paralisações. 05 anos 05 anos Eliminar Dossiê de Funcionário: Estatutário / Concursado/ Ativo e Inativo. Vigência 95 anos Eliminar Constituição Federal, art. 7º, inciso XXIX. Os dossiês dos funcionários só poderão ser transferidos após exoneração. A vigência esgota-se com o rompimento ou aposentadoria do funcionário com o Estado REDA. Vigência 30 anos Eliminar Os dossiês dos funcionários só poderão ser transferidos após exoneração. A vigência esgotase com o rompimento do vínculo com o Estado.

15 Prazo De Estagiário. Vigência 05 anos Eliminar *Decreto Federal nº /82, art. 6º. Lei Federal de Os dossiês dos estagiários só poderão ser transferidos após o término do estagio. A vigência esgota-se com término do estagio. 021 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Dossiê: Concurso Público. Técnico Administrativo Candidatos a Cargo e Emprego Público: Currículo, Ficha de Inscrição. Exames de Seleção Concurso Público: Testes Psicotécnicos, Exames Médicos. 03 anos Eliminar 02 anos 05 anos Eliminar Provas e Gabaritos. 04 anos 10 anos Eliminar Constituição Federal, art. 37, III. A validade dos atos e negócios celebrados antes de , data da entrada em vigor do novo Código Civil, obedece ao disposto no Código Civil de Boletim, Escore de Notas, Estatística Geral, Lista de Candidatos: Habilitados e Inabilitados, Livro de Posse. 05 anos 05 anos Atas, Atos, Editais, Portarias, Relatórios, Resoluções, Resultados e Recursos. 05 anos 05 anos DOSSIÊ: CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTE.

16 Prazo De Banca Examinadora, Barema, Entrevista, Lista de Presença, Plano de Aula, Parecer sobre Títulos, Quadro de Vagas, Requerimento de Inscrição, Relação de Candidatos Inscritos. 05 anos * Eliminar ** Provas: Didática e Escrita. 05 anos * Eliminar Atas, Atos, Editais, Portarias, Relatórios, Resoluções, Resultados e Recursos. 05 anos 05 anos Documentos Pessoais dos Candidatos. 05 anos * Eliminar Certidão de Notas. 01 ano * Eliminar Processo Referente ao Recrutamento e Seleção. Vigência * 05 anos Eliminar Constituição Federal, art. 37, III. A validade dos atos e negócios jurídicos celebrados antes de , data da entrada em vigor do novo Código Civil, obedece ao disposto no Código Civil de * Para Candidatos Sob Judice, fazer Dossiê do candidato e permanecer no arquivo corrente até a finalização do processo. ** É opcional a seleção por amostragem das provas dos candidatos. 022 QUADROS, TABELAS E POLITICA DE PESSOAL Estudos e Previsão de Pessoal. 05 anos 05 anos Lei Ordinária Estadual nº , de Conservar, documento importante para a memória da Instituição Criação, Classificação e Renumeração de Cargos e Funções. 05 anos 05 anos Lei Ordinária Estadual nº , de Reestruturações e Alterações Salariais. Vigência 95 anos Eliminar Lei Ordinária Estadual nº , de MOVIMENTAÇÃO DE PESSOAL. Decisões, Estudos, Normas e Procedimentos. 05 anos 05 anos Conservar, documento importante para a memória da Instituição.

17 Prazo De Admissão, Aproveitamento, Contratação, Nomeação, Readmissão e Readaptação. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário Demissão, Dispensa, Exoneração, Rescisão Contratual, Falecimento. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário Lotação, Remoção, Transferência e Permuta. 04 anos 05 anos Eliminar Designação, Disponibilidade, Redistribuição, substituição. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário Requisição de Pessoal. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário. 023 DIREITOS, OBRIGAÇÕES e VANTAGENS Folha de Pagamento. 02 anos 35 anos Eliminar Para documentos que envolvam pagamentos, utilizar prazos para documentos financeiros. Ver código Alteração da Folha, Quadro Resumo, Relatório da Folha de Pagamento, Resumo da Folha de Pagamento. 02 anos 35 anos Eliminar Para documentos que envolvam pagamentos, utilizar prazos para documentos financeiros Jornal de Movimentação. 02 anos Eliminar Contra cheque. 02 anos 35 anos Eliminar Salário Família. 02 anos 35 anos Eliminar Para documentos que envolvam pagamentos, utilizar prazos para documentos financeiros.

18 Prazo De GRATIFICAÇÕES De Função. Vigência 95 anos Eliminar Cargos em Comissão. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário ADICIONAIS Tempo de Serviço: Anuênio, Biênio, Qüinqüênio. 05 anos 95 anos Eliminar Insalubridade, Periculosidade. 05 anos 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário Abono Pecuniário e Adicional de 1/3 07 anos 05 anos Eliminar ENCARGOS, TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES. Para documentos que envolvam pagamentos, utilizar prazos para documentos financeiros Contribuição Sindical. 07 anos 05 anos Eliminar Pensão Alimentícia. Vigência 35 anos Eliminar Relação Anual de Informações Sociais RAIS. 01 ano 10 anos Decreto Lei Federal nº /43 (CLT), art.360/ Decreto Federal nº /75.

19 TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD Prazo De VANTAGENS Salário Maternidade. 07 anos 05 anos Eliminar Férias: Aviso, Escala. 02 anos Eliminar Comunicação, Correspondência, Programação e Reprogramação. 03 anos Eliminar Decreto Lei nº 5.452/43 (CLT), ART.135, 2º/ Decreto Estadual nº , de Lei Ordinária Estadual nº de (Estatuto do Servidor) LICENÇA Acidente em Serviço. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário Acompanhamento de Conjugue. Vigência 35 anos Eliminar Adotante, Gestante, Paternidade. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário Gala/ Nojo. Vigência 35 anos Eliminar

20 Prazo De Tratamento de saúde. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário AUXÍLIOS Alimentação, Refeição, Transporte. 02 anos 05 anos Eliminar Assistência Pré Escola, Creche. 02 anos 05 anos Eliminar Para documentos que envolvam pagamentos, utilizar prazos para documentos financeiros AFASTAMENTO Para Depor. Vigência 95 anos Eliminar Para Exercer Mandato Eletivo. Vigência 95 anos Eliminar Para Servir ao Tribunal Regional Eleitoral. Vigência 95 anos Eliminar Para Servir como Jurado. Vigência 95 anos Eliminar Suspensão de Contrato. Vigência 95 anos Eliminar Qualificação de Servidor. Vigência 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário CONTROLE DE FREQÜÊNCIA Folhas e Livros de Ponto. 01 ano 14 anos Eliminar Constituição Federal, art. 7º, inciso XXIX. Decreto-Lei Federal nº /43 (CLT), art. 74, 2º.

21 Prazo De Comunicação de Ocorrências Funcionais - COF 02 anos 08 anos Eliminar 024 AÇÃO DISCIPLINAR Processo Administrativo. Vigência 95 anos Eliminar 025 BENEFÍCIOS Aposentadoria (Processo). Vigência 95 anos Eliminar Lei Ordinária Est / Contagem e Averbação de Tempo de Serviço. Até a Homologação da Aposentadoria 95 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário Pensão: Provisória e Temporária. Vigência 95 anos Eliminar Pensão Vitalícia. Vigência 95 anos Eliminar Assistência à Saúde. Vigência 10 anos Eliminar As informações Integram o Dossiê do Funcionário. As informações Integram o Dossiê do Funcionário. Para documentos que envolvam pagamentos, utilizar prazos para documentos financeiros.. 05 anos. Inclusive para Planos de Saúde Prontuário Médico do Servidor. Vigência 20 anos Eliminar Decreto Lei Federal nº /43, CLT, Titulo II, Capitulo V Portaria MT 3.214/78, NR 7, e

22 Prazo De 029 OUTROS ASSUNTOS REFERENTES À PESSOAL Delegações de Competências, Portarias, Procurações. Vigência 05 anos Eliminar Laudo Técnico Pericial. Vigência 20 anos Eliminar Decreto-Lei Federal nº /43 (CLT), Título II, Capítulo V / Portaria MT nº 3.214/78, NR-7, 7.4.5, e NR-15, MATERIAL Normas, Procedimentos, Regulamentações, Diretrizes, Estatutos, Estudos ou Decisões de caráter Geral. Vigência 05 anos Conservar, documento importante para a memória da Instituição Cadastro e Catalogo de Fornecedor. 02 anos Eliminar Requisição de Material e Serviços Reprográficos. 01 ano Eliminar 031 AQUISIÇÃO (LICITAÇÃO) Material e Consumo. * Lei Federal nº /93, do art. 89 ao 99. Lei Ordinária Estadual nº 9.433, de *Os documentos referentes a material não adquirido deverão ser eliminados após 01 ano.

23 Prazo De Compra. 05 anos Eliminar Ver Processo de Pagamento Aluguel, Comodato, Leasing. 05 anos Eliminar Cessão *Doação Empréstimo e Permuta. Vigência 05 anos Eliminar Para documentos que envolvam pagamentos, utilizar prazos de documentos financeiros. *Doação de Material, permanecer no Arquivo durante toda a vida útil do Bem. 032 MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE E CONSUMO Controle de Estoque. 02 anos Eliminar Guia de Transferência. 05 anos Eliminar Laudo de Avaliação de Bens Móveis. 05 anos Eliminar Termo de Responsabilidade: Material. 05 anos Eliminar Termo de Transferência Interna. 05 anos Eliminar Para Termo de Transferência a eliminação será realizada no Arquivo, após a substituição do responsável pelo material Termo de Deposito CNPQ. 05 anos Eliminar Termo de Baixa da SAEB. 05 anos Eliminar

24 Prazo De Transporte e Autorização de saída de Material. 03 anos Eliminar Extravio, Roubo e Desaparecimento. Até a Conclusão do Caso 05 anos Eliminar Baixa de Bens e Recolhimento de Material ao Deposito. 03 anos Eliminar ALIENAÇÃO E BAIXA DE MATERIAL PERMANENTE E DE CONSUMO Venda (inclusive de leilão). 05 anos Eliminar Cessão. Doação e Permuta. 05 anos 05 anos Eliminar 033 INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO Contratação e Requisição de serviços. 05 anos Eliminar Serviços Executados nas Oficinas do Órgão. 02 anos 04 anos Eliminar Assistência Técnica. Vigência 01 ano Eliminar Da Garantia ou do Contrato Garantia (Termo / Nota Fiscal). Vigência 01 ano Eliminar 034 INVENTÁRIO Material. 05 anos Decreto Estadual nº 9.461, de

25 Prazo De Material de Consumo. 040 PATRIMÔNIO 05 anos Eliminar Normas, Procedimentos, Regulamentações, Diretrizes, Estatutos, Estudos ou Decisões de caráter Geral. Vigência 05 anos Conservar, documento importante para a memória da Instituição. 041 Bens Imóveis: Projetos, Plantas e Estruturas. 03 anos AQUISIÇÃO Compra Doação. 04 anos OBRAS Processo de Construção: ampliação, memorial descritivo, plantas, projetos, processo de licitação, recuperação, reforma, restauração. Relatórios: (obras, visita, técnico) da construção. Enquanto Vigorar 05 anos Lei Federal nº /93, do art.89 ao 99. Lei Ordinária Estadual nº , de Serviços de Manutenção. Os documentos que não envolvem pagamentos serão eliminados após 01 ano. Os que envolvem pagamento ver Processo de Pagamento.

26 Prazo De Manutenção de Ar Condicionado Manutenção de Extintores Manutenção de Subestação e Geradores. 05 anos Eliminar 05 anos Eliminar 05 anos Eliminar Serviços de Vigilância, Limpeza e Conservação, jardinagem ou quaisquer outros serviços de Terceirização de Mão de Obra. 05 anos Eliminar Os documentos que não envolvem pagamento serão eliminados após 01 ano Locação de Máquinas e Equipamentos. 10 anos Eliminar Deve ser feita através de Processo. Lei Federal nº. 8666/93, do art. 89 ao Inventário (Bens Imóveis). Decreto Estadual nº , de TRANSPORTE / VEÍCULOS AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS (inclusive licitações) Processo de Aquisição de Veículo. 12 anos Eliminar Lei Federal nº 8.666/93, do art. 89 aos 99. Decreto Estadual nº de Decreto Estadual nº , de Para veículos não adquiridos eliminar no Arquivo após 01 ano.

27 Prazo De Cessão, Doação, Permuta, Transferência. 05 anos 05 anos Eliminar Para transações que envolvam pagamentos de despesas pendentes, utilizar prazos para documentos financeiros Cadastro, Emplacamento, Licenciamento, Tombamento. Até a Alienação 05 anos Eliminar Abastecimento, Limpeza, Manutenção, Reparo. 05 anos Eliminar Acidentes, Infrações e Multas. 05 anos Eliminar Para acidentes com vitimas, o prazo total de guarda é de 20 anos, devendo permanecer no Arquivo, enquanto estiver em julgamento Liberação para saída de veículo. 02 anos Eliminar Requisição para uso de veículo RUV. 06 meses Eliminar Seguros. 05 anos Eliminar Os documentos que não envolvem pagamento serão eliminados após 01 ano Controle de Portaria. 02 anos Eliminar Registro de Ocorrência. 05 anos 05 anos Eliminar 050 ORÇAMENTO E FINANÇAS Normas, Procedimentos, Regulamentações, Diretrizes, Estatutos, Estudos ou Decisões de caráter Geral. Vigência 05 anos Conservar, importante para a memória da Instituição.

28 Prazo De 051 ORÇAMENTO PROGRAMAÇÃO ORÇAMENTÁRIA. Constituição Federal, art Previsão Orçamentária Proposta Orçamentária. 05 anos Eliminar 05 anos Eliminar Quadro de Detalhamento de Despesa. 02 anos Eliminar EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. Lei Ordinária Estadual nº de 11 de abril de Descentralização de Recursos (Distribuição Orçamentária). 05 anos Eliminar Plano Operativo POA. 052 FINANÇAS Programação Financeira de Desembolso EXECUÇÃO FINANCEIRA Receita Despesa. 05 anos Eliminar 05 anos Eliminar 08 anos Eliminar 08 anos Eliminar

29 Prazo De 053 Fundos Especiais. 054 OPERAÇÕES BANCÁRIAS. 08 anos Eliminar Extrato de Contas Apropriação de Receita, Recibo de Depósito, Repasse Financeiro, Lançamentos, Ordem Bancária, Saldos. 05 anos Eliminar 01 ano 05 anos Eliminar * Lei Federal nº /66 (Código Tributário Nacional). Lei Ordinária Estadual nº /81 (Código Tributário do Estado da Bahia). 055 Tomada de Contas, Prestação de Contas, (Inclusive Parecer de Aprovação ). 05 anos Conservar, importante para a memória da Instituição. 056 Balanços e Balancetes. 05 anos Os Balanços e Balancetes fazem parte do Processo de Prestação de Contas. 057 PROCESSO DE PAGAMENTO: Impostos e Taxas. 08 anos Eliminar Lei Federal nº /66 (Código Tributário Nacional). Lei Complementar Federal nº. 709/93, art.41, 1º. Todo e qualquer tipo de documento que envolva pagamento gera um Processo, seus prazos e sua destinação final estão descritos nesta Tabela.

30 Prazo De Convênio. 20 anos Eliminar Documentos que envolvam pagamento e recursos do convênio Adiantamento. 08 anos Eliminar Lei Federal nº /64, art. 68. Decreto Estadual nº , de Prestação de Contas de adiantamento. 08 anos Eliminar Diária Ajuda de Custo Despesas com Locomoção e Passagem 08 anos Eliminar Decreto Estadual nº , de Decreto Estadual nº de DEA Despesas de Exercícios Anteriores. 08 anos Eliminar Prestação de Serviços: Pessoa Física. 08 anos Eliminar Lei Federal nº /93, do art.89 ao Prestação de Serviços: Pessoa Jurídica. 08 anos Eliminar Lei Ordinária Estadual nº , de Inclui os processos de Coelba, Embasa e Telemar Ações Trabalhistas. 05 anos Eliminar Indenizações e Restituições. 05 anos Eliminar Folha de Pagamento. 02 anos 35 anos Eliminar Lei nº 8.212/91. art. 45.

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR (IFES)

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR (IFES) TABELA DE TEMPORALIDADE E DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR (IFES) 100 ENSINO SUPERIOR 110 Normatização. Regulamentação Enquanto vigora -

Leia mais

FONTE: SIGA - TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR

FONTE: SIGA - TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR 1 FONTE: SIGA - TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR CORRENTE 100 ENSINO SUPERIOR 110 Normatização. Regulamentação

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES TABELA DE TEMPORALIDADE E DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES 100 ENSINO SUPERIOR 110 Normatização. Regulamentação Enquanto vigora -

Leia mais

Art. 2º A referida tabela e os procedimentos de que tratam o artigo anterior passam a fazer parte, em anexos de 1 a 6, da presente Resolução.

Art. 2º A referida tabela e os procedimentos de que tratam o artigo anterior passam a fazer parte, em anexos de 1 a 6, da presente Resolução. RESOLUÇÃO N o 005, de 5 de julho de 2010. Aprova Tabela de Temporalidade e Procedimentos de Eliminação dos Documentos das Atividades-Fim da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ. O PRESIDENTE DO

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS ATIVIDADES-FIM DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO

TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS ATIVIDADES-FIM DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS ATIVIDADES-FIM DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO CLASSE: 500 - EDUCAÇÃO, ENSINO E PESQUISA CÓD. ASSUNTO PRAZOS DE GUARDA DESTINAÇÃO OBSERVAÇÕES ARQUIVO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 004-CGE/2009

RESOLUÇÃO Nº 004-CGE/2009 RESOLUÇÃO Nº 004-CGE/2009 Estabelece o sistema de arquivamento, microfilmagem, digitalização, destruição mecânica, reciclagem ou incineração e outros procedimentos vinculados a processos e documentos no

Leia mais

CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES

CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES CLASSE 100 ENSINO SUPERIOR 110 Normatização. Regulamentação 120 Cursos de

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE ATIVIDADE-MEIO

TABELA DE TEMPORALIDADE ATIVIDADE-MEIO ANEXO III FUNÇÃO: 01 - ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SUBFUNÇÃO: 01. 01 - ORDEM JURÍDICA 01.01.01. Elaboração de atos normativos 01.01.02. Formalização de acordos bilaterais 01.01.03. Elaboração de pareceres

Leia mais

Planos de Classificação de Documentos Atividades - Fim Atividades

Planos de Classificação de Documentos Atividades - Fim Atividades Anexo II Planos de Classificação de Documentos Atividades - Fim Atividades 100 GRADUAÇÃO 110 Políticas e Planejamento de Cursos REUNI 111 Fomentação e Implementação de Política de Ensino política de implementação

Leia mais

APÊNDICE A - CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DAS ÁREAS-MEIO DA SEFAZ/AM

APÊNDICE A - CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DAS ÁREAS-MEIO DA SEFAZ/AM 53 APÊNDICE A - CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DAS ÁREAS-MEIO DA SEFAZ/AM A Secretaria de Fazenda do Estado do Amazonas em seu Projeto Básico para Contratação, Tipo Técnica e Preço, de Pessoa Jurídica

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 417, DE 8 de DEZEMBRO de 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 417, DE 8 de DEZEMBRO de 2011 Publicação D.O.U nº 242, de 19/12/2011 Seção 1 pág. 790 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 417, DE 8 de DEZEMBRO de 2011 Aprova a Tabela de Temporalidade de Documentos do Sistema CFA/CRAs, e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS Diretoria-Geral Departamento de Apoio Administrativo Divisão de Gestão de Documentos

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS Diretoria-Geral Departamento de Apoio Administrativo Divisão de Gestão de Documentos TABELA DE TEMPORALIDADE E 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL 001 002 003 004 010 MODERNIZAÇÃO E REFORMA ADMINISTRATIVA PROJETOS, ESTUDOS E NORMAS PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS DE TRABALHO RELATÓRIOS DE ATIVIDADES

Leia mais

ANEXO III TABELA DE TEMPORALIDADE - NOR 208

ANEXO III TABELA DE TEMPORALIDADE - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 : INDICE DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 ANEXO III TABELA DE TEMPORALIDADE - NOR 208 1/30

Leia mais

DESTINAÇÃO FINAL 000 GESTÃO ADMINISTRATIVA 001 POLÍTICAS DE AÇÃO GOVERNAMENTAL. Guarda Enquanto vigora 5 anos PROJETOS, ESTUDOS E NORMAS

DESTINAÇÃO FINAL 000 GESTÃO ADMINISTRATIVA 001 POLÍTICAS DE AÇÃO GOVERNAMENTAL. Guarda Enquanto vigora 5 anos PROJETOS, ESTUDOS E NORMAS Código ASSUNTO FASE 000 GESTÃO ADMINISTRATIVA 001 POLÍTICAS DE AÇÃO GOVERNAMENTAL Enquanto vigora 5 anos PROJETOS, ESTUDOS E NORMAS 002 PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS DE TRABALHO 5 anos 9 anos 003 ACORDOS.

Leia mais

3 CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO 010 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO 060 DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

3 CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO 010 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO 060 DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO 3 CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO CLASSE 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL 010 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO 020 PESSOAL 030 MATERIAL 040 PATRIMÔNIO 050 ORÇAMENTO E FINANÇAS 060 DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

Leia mais

Tabela de Temporalidade e Destinação de documentos Relativos às Atividades-Meio. Atualizado em 29.07.2008

Tabela de Temporalidade e Destinação de documentos Relativos às Atividades-Meio. Atualizado em 29.07.2008 Tabela de Temporalidade e Destinação de documentos Relativos às Atividades-Meio Atualizado em 29.07.2008 A tabela de temporalidade e destinação é um instrumento de gestão arquivística que define os prazos

Leia mais

ANEXO VI TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS - ÁREA- MEIO

ANEXO VI TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS - ÁREA- MEIO 001 - Modernização e reforma administrativa (projetos, estudos e normas) Enquanto estiverem em vigor 000 - ADMINISTRAÇÃO GERAL 5 anos Guarda permanente Deve ser autuado processo; passível de avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.224, DE 18 DE DEZEMBRO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.224, DE 18 DE DEZEMBRO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.224, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui normas sobre a manutenção e guarda do Acervo Acadêmico das Instituições de Educação Superior (IES) pertencentes

Leia mais

ANEXO I CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UFFS

ANEXO I CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UFFS ANEXO I CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UFFS APRESENTAÇÃO O Código de classificação de documentos de arquivo relativos às atividades-meio da administração pública, foi elaborado por técnicos do

Leia mais

De acordo com a necessidade do órgão. 020 RECURSOS HUMANOS

De acordo com a necessidade do órgão. 020 RECURSOS HUMANOS 1 TABELA DE TEMPORALIDADE DO TCEES DIRETORIA GERAL DE SECRETARIA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DOCUMENTAL TABELA DE TEMPORALIDADE, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DO TCEES Publicação: DOE 4.11.1999

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.224, DE 18 DE DEZEMBRO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.224, DE 18 DE DEZEMBRO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.224, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui normas sobre a manutenção e guarda do Acervo Acadêmico das Instituições de Educação Superior (IES) pertencentes

Leia mais

Projeto Mudança de Sede. Proposta de Tabela de Temporalidade para o Descarte de Arquivos Institucionais

Projeto Mudança de Sede. Proposta de Tabela de Temporalidade para o Descarte de Arquivos Institucionais Projeto Mudança de Sede Proposta de Tabela de Temporalidade para o Descarte de Arquivos Institucionais Objetivo: Orientar as áreas da instituição sobre os arquivos (processos, documentos, informações,

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos SIG Sistema Integrado de Gestão SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos Agenda Contextualização Visão Geral dos seguintes sistemas: SIPAA, SGPP, SIGRH, SIGADMIN, SIGED. Conceitos

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL - UFFS (MINUTA)

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL - UFFS (MINUTA) TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL - UFFS (MINUTA) 1 2 SUMÁRIO CLASSE 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL...05 001 - MODERNIZAÇÃO E REFORMA ADMINISTRATIVA...05

Leia mais

000. ADMINISTRAÇÃO GERAL

000. ADMINISTRAÇÃO GERAL CÓDIGO ASSUNTO DESTINAÇÃO FINAL 000. ADMINISTRAÇÃO GERAL 001. MODERNIZAÇÃO E REFORMA ADMINISTRATIVA. Estudos, Normas e Projetos 002. PLANO. PROGRAMA E PROJETO DE TRABALHO 5anos 9 anos Guarda Permanente

Leia mais

APÊNDICE B TABELA DE TEMPORALIDADE PARA OS DOCUMENTOS ORIUNDOS DAS ATIVIDADES-MEIO DA SEFAZ/AM

APÊNDICE B TABELA DE TEMPORALIDADE PARA OS DOCUMENTOS ORIUNDOS DAS ATIVIDADES-MEIO DA SEFAZ/AM APÊNDICE B TABELA DE TEMPORALIDADE PARA OS DOCUMENTOS ORIUNDOS DAS ATIVIDADES-MEIO DA SEFAZ/AM Para definir a Tabela de Temporalidade foram analisados os valores administrativos, legais, fiscais e históricos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto 550 de 19/09/2007. ATRIBUIÇÕES: 10 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA 10.010 - COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Aprovado)

Temporalidade dos Documentos (Aprovado) Temporalidade dos s (Aprovado) Pág. 001 / 013 24 PROPPG (PRÓREITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO) C.Custo: 30100 DIVISAO DE PROJETOS DE PESQUISA (DPP) 5 PESQUISA Subfunção: 2 PROJETO DE PESQUISA Cadastro

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 Exmo. Sr. Presidente Tenho a honra de encaminhar a V.Exa. o Relatório Anual das Atividades desenvolvidas por esta Coordenadoria de Controle Interno, no exercício de

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais, DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1543/2013. Dispõe sobre a Regulamentação da concessão de Bolsa de Graduação e Pós-Graduação no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Goiás. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Fase. Tempo Necessário. b - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) Tempo Necessário. Tempo Necessário

Fase. Tempo Necessário. b - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) Tempo Necessário. Tempo Necessário 4-0 FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 CURSOS 4-1a Cursos a - Comunicados e informes - Avisos aos instrutores. 4-1b Cursos b - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) - Um exemplar deve

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 393, DE 20 DE SETEMBRO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 393, DE 20 DE SETEMBRO DE 2004 RESOLUÇÃO Nº 393, DE 20 DE SETEMBRO DE 2004 Altera as Resoluções n os 217, de 22 de dezembro de 1999, que disciplina o Programa de Gestão de Documentos da Administração Judiciária da Justiça Federal de

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

Tramita como documento, é anexado a processo ou dá origem a processo? CLASSIFICAÇÃO ARQUIVÍSTICA ESPÉCIE/FORMATO

Tramita como documento, é anexado a processo ou dá origem a processo? CLASSIFICAÇÃO ARQUIVÍSTICA ESPÉCIE/FORMATO OBSERVAÇÕES INICIAIS Deve-se dar preferência ao trâmite de documentos, pois assim o trâmite será mais rápido, menos burocrático e gastará menos recursos(capas plásticas, folhas de rosto, prendedores plásticos,

Leia mais

PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO A Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos foi elaborada utilizando-se o critério ESTRUTURAL, isto é, as classes correspondem a estrutura da organização setores, divisões,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS Art. 1º O ingresso como docente na UNISC faz-se mediante Concurso Público de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

CLASSE 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL

CLASSE 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL CLASSE 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL Nesta classe são classificados os documentos referentes às atividades relacionadas à administração interna do MPDFT, as quais viabilizam o seu funcionamento e o alcance dos

Leia mais

Cartilha de Instruções para Classificação - CGDA 10.10.2013

Cartilha de Instruções para Classificação - CGDA 10.10.2013 Cartilha de Instruções para Classificação - CGDA 10.10.2013 010 Organização e Funcionamento 010.1 Assessoria Técnica à Gestão 010.1.01 Manifestação de Cordialidade 010.1.02 Manifestação de Elogio 010.1.03

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 700/2009 Publicada no D.O.E. de 07-07-2009, p.16 Altera a Resolução nº 507/07 CONSU, que aprova o Regulamento de Monitorias

Leia mais

Junho / 2015. Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

Junho / 2015. Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Junho / 2015 Dom Seg Ter Qua Qui Se Sáb 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Data 05/06 06/06 08/06 Dia 4 - Feriado Corpus Christi Obrigações Sistema de Cadastramento

Leia mais

Total (F. corrente + intermediária) 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS

Total (F. corrente + intermediária) 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS A) - Comunicados e informes B) - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) C) - Mala direta (formulário para o cadastro de interessados) D)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

EMENTA: 3º Os documentos físicos não devolvidos após 01 (um) ano do registro das notas serão eliminados.

EMENTA: 3º Os documentos físicos não devolvidos após 01 (um) ano do registro das notas serão eliminados. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BOLETIM DE SERVIÇO ANO XLV N. 003 07/01/2015 SEÇÃO II PÁG. 017 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO SDC, Nº. 01 de 10 de outubro de 2014. EMENTA: Dispõe sobre a aplicação da Tabela de Temporalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 32/2009 Dispõe sobre a concessão de Bolsa de Estudo de cursos de pós-graduação lato e strito sensu, na forma de reembolso parcial, para magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5 1. Dos Requisitos e Documentos para o Ingresso Para ingressar nos cursos de ensino superior o candidato deve ter concluído o Ensino Médio, prestar processo seletivo da IES ou ingressar por uma das formas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E CONCEITUAÇÃO Art. 1º. A

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54)

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54) INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54) Dispõe sobre os procedimentos operacionais a serem adotados pelas Unidades de

Leia mais

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013.

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Fixa Normas para Afastamento de Docentes da UNIR para Realizar Cursos de Pós-Graduação (Alteração da Resolução 091/CONSEA/2005). O Conselho Superior Acadêmico

Leia mais

EDITAL 104/2015 Mestrado Acadêmico em Computação Aplicada

EDITAL 104/2015 Mestrado Acadêmico em Computação Aplicada EDITAL 104/2015 Mestrado Acadêmico em Computação Aplicada O Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Prof. Dr. Valdir Cechinel Filho, no uso

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes Que norma regulamenta a concessão da bolsa de estudo? A Instrução Normativa nº 104, de 25 de janeiro de 2010, regulamenta a concessão

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS GRUPO DE TRABALHO DE IMPLANTAÇÃO PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD AÇÕES EXECUTORES PERÍODO ESTRATÉGIA Resultados/Observações 1. Elaboração

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO Art. 1º - O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAUDE COLETIVA (CESC), será coordenado pelo Departamento de

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 150/2010 EMENTA: Aprovação do Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Dispositivo Prazo Referência Art. 12 Art. 13 1º Até 2 anos Validade do concurso público - podendo ser prorrogado

Leia mais

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 - O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas constitui-se em atividade de Ensino do Departamento de Comunicação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

EDITAL 040/2015 Mestrado Acadêmico em Computação Aplicada

EDITAL 040/2015 Mestrado Acadêmico em Computação Aplicada EDITAL 040/2015 Mestrado Acadêmico em Computação Aplicada O Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Prof. Dr. Valdir Cechinel Filho, no uso

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE

TABELA DE TEMPORALIDADE TABELA DE TEMPORALIDADE 39 41 01 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO 01.01 Administração e modernização estratégica 01.01.01 Gestão de norma e processo de trabalho 01.01.01.01 Normatização / regulamentação da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PROFISIONAL AOS SERVIDORES DO IFMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PROFISIONAL AOS SERVIDORES DO IFMA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGICA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB, no uso de

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1. - O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES do Departamento

Leia mais

EDITAL Nº 034/2013-CCP

EDITAL Nº 034/2013-CCP EDITAL Nº 034/2013-CCP A Professora Fátima Aparecida da Cruz Padoan, Diretora do Campus de Cornélio Procópio, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Estatuto da UFPB. Parte II

Estatuto da UFPB. Parte II Estatuto da UFPB Parte II ESTATUTO - UFPB REGIME DIDÁTICO-CIENTÍFICO Indissociabilidade do ensino pesquisa extensão ENSINO Modalidades de Cursos e Programas Sequenciais por campo do saber, de diferentes

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Características do Sistema

Características do Sistema SISTEMA FOLHA DE PAGAMENTO ADVANCED Características do Sistema Sistema multiusuário pleno. Sistema multiempresa sem limitações. Recursos e facilidades operacionais com eficiência, segurança e exatidão.

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Programa de Estágio Pós-Doutoral (anexo).

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Programa de Estágio Pós-Doutoral (anexo). Resolução nº 286/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Regulamento do Programa de Estágio Pós-Doutoral. O Conselho Superior Acadêmico (CONSEA), da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Estabelece procedimentos para o uso do espaço físico das Bibliotecas das Faculdades Ponta Grossa e dos serviços prestados pelas mesmas. CAPÍTULO I COMPOSIÇÃO E FINALIDADE Art.

Leia mais

EDITAL Nº 23 DE 07 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO EDUCACIONAL

EDITAL Nº 23 DE 07 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO EDUCACIONAL EDITAL Nº 23 DE 07 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO EDUCACIONAL O Reitor da Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, no uso das suas atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 06 /2011CONSELHO SUPERIOR PRÓ TEMPORE. Regulamenta o funcionamento dos cursos de pósgraduação

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais