Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2013)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2013) 11377-11381"

Transcrição

1 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2013) ANALISE MICROBIOLÓGICA DAS ÁGUAS DO RIO JOÃO LEITE E RIO MEIA PONTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIANIA (GO) SILVA, A.M. 1 ; MATOS, M.A.J. 1 ; SILVA, D.C. 1 ; CARDOSO, N.L.C. 1 1 Laboratório de Controle de Qualidade Microbiológico de Medicamentos - LCQM 1. INTRODUÇÃO A água é o recurso natural mais utilizado em todo o mundo, ela é essencial para o desenvolvimento em várias atividades sobre a terra, sejam urbanas, industriais ou agropecuárias (STERZ, C.2011). A poluição do meio aquático através principalmente de dejetos de esgotos, de hospitais, residências, e indústrias é um problema alarmante, pois a qualidade da água tornouse uma questão de saúde pública, devido à compreensão entre a relação da água contaminada e doença. As doenças de veiculação hídrica são caracterizadas principalmente pela ingestão de água contaminada por microrganismos patogênicos de origem entérica, animal ou humana, transmitidos basicamente pela rota fecal-oral (CASTRO, V.M.A et al. 2003). Os indicadores microbiológicos capazes de verificar a contaminação de água por resíduos humanos são os coliformes totais e os termotolerantes, e patógenos como Escherichia coli encontrados em elevadas concentrações nas fezes humanas (DOMINGUES et.al.2007; TERRA VR et al.,2008). As bactérias do grupo coliforme têm sido extensivamente utilizadas na avaliação da qualidade das águas. Sendo um dos parâmetros microbiológicos básicos incluído nas legislações vigentes para águas destinadas ao consumo humano, águas destinadas a preservação e proteção de comunidades aquática e águas usadas para recreação e pesca. Essas águas estão classificadas na classe 1 segundo o artigo 4º da resolução Nº357, de 17 de março de 2005 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), que dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento dos corpos de águas superficiais, bem como estabelece as condições e padrões de qualidade (lançamento de efluentes) (BRASIL, 2005). No artigo 14 da resolução acima citada estabelece que os limites para as águas de classe 1 fora as águas usadas para recreação, o numero de coliformes termotolerantes não deverá exceder 200 coliforme por 100 mililitros em 80% ou mais de pelo menos seis amostras Capa Índice 11377

2 coletas, e a identificação de E.coli pode ser determinada em substituição dos parâmetros dos coliformes termotolerantes (BRASIL, 2005). As águas do Rio João leite e Meia Ponte estão dentro da classe 1 da resolução do CONAMA,assim devem obedecer as especificações da legislação. É importante ressaltar que as águas do rio João leite foram recentemente represadas para o consumo humano. No local da coleta foram identificados pescadores e moradores que utilizam dessas águas. No Rio Meia ponte foi possível identificar no ponto de coleta que a água era imprópria para uso, pois o esgoto caia as suas margens. 2. OBJETIVO O objetivo desse estudo foi analisar microbiologicamente as águas do Rio Meia Ponte e João leite da cidade de Goiânia (GO) mediante análises para coliformes totais, termotolerantes e identificação e isolamento de E coli, através de técnicas de cultivo em meio solido e líquido, realização da técnica dos tubos múltiplos (NMP) com a leitura do numero mais provável, e provas bioquímicas. 3. MATERIAIS E MÉTODOS Foram coletadas seis amostras de água em frascos de vidros de tampa esmerilada esterilizados em autoclave, em três pontos específicos de cada rio. Os três pontos foram assim distribuídos: 1º ponto a montante nas pontes João Leite e Meia Ponte (perímetro urbano), 2º ponto, depois das pontes; 3º ponto a jusante depois das pontes. A distância entre cada ponto é de aproximadamente 1 km. As coletas foram realizadas em 9 setembro de 2012 no turno matutino e noturno. As amostras de água foram transportadas em caixas de isopor com gelo à temperatura aproximada de 4ºC para a Universidade Federal de Goiás onde foram analisadas no Laboratório de controle de qualidade de medicamentos (UFG-LCQM). O método empregado para a análise das amostras para determinação de coliformes totais (CT), fecais (CF) e Escherichia colli (EC), foi o de Número mais Provável (NMP) pela técnica dos tubos múltiplos baseados (FUNASA 2006). Análises Microbiológicas Teste presuntivo - Para a aplicação da técnica dos tubos múltiplos, um método quantitativo que permite determinar o NMP, tomou-se uma bateria contendo 15 tubos,para Capa Índice 11378

3 cada amostra, distribuídos de 5 em 5. Nos primeiros 5 tubos, inoculou-se 10 ml de amostra da água a ser examinada(diluição 1:1). Nos 10 tubos restantes, inoculou-se nos 5 primeiros, 1 ml da amostra (diluição 1:10) em cada tubo e nos 5 últimos tubos, inoculou-se 0,1 ml da amostra, (diluição1:100), em seguida foi incubada em estufa bacteriológica à temperatura de 37ºC, ± 0,5 durante 24 a 48 h (EATON 2005). Teste confirmativo No fim das 48 horas os tubos que não apresentaram bolhas foram considerados negativos e os que apresentaram bolhas foram considerados positivos,caracterizado pela formação de gás e turvação do meio. Em seguida retirou-se uma amostra dos testes positivos com alça de platina flambada e resfriada e inoculou-se no caldo verde brilhante bile a 2%, e incubados a 37ºC durante 48 horas. Para se determinar o NMP, verifica-se a combinação formada pelo número de tubos positivos que apresentaram as diluições 1:1; 1:10 e 1:100. Para determinação do NMP de termotolerantes e Escherichia coli, foram retiradas amostras de todos os testes presuntivos positivos e inoculadas em caldo EC com Alça de platina Flambada e resfriada e verificou-se a combinação formada pelo número de tubos positivos que apresentaram as diluições 1:1; 1:10 e 1:100, após as 48 horas(eaton 2005). Para teste confirmativo e identificação de E.coli estriou em ágar Eosina Azul de Metileno EMB. Com uma alça pegou uma colônia do Agar EMB e fez o estriamento em Agar não seletivo (PCA). Depois foi realizado o teste de coloração de Gram para teste confirmativo preliminares, para confirmação definitiva realizou a prova bioquímicas de oxidase e indol e do Ágar PCA, pegando-se uma alçada de colônia e inoculando no tampão fosfato do quite BBL cristal, que fornece dados bioquímicos(eaton 2005). 4. RESULTADOS E DISCUSSOES Em todas as amostras analisadas foram identificados coliformes totais e fecais através da prova presuntiva em caldo Lauril sulfato de sódio em que a presença de coliformes é identificada pela formação de gás nos tubos de Durhan,produzido pela fermentação da lactose A prova confirmativa para coliformes totais foi realizada com inoculação dos tubos positivos para a lactose, em caldo verde brilhante, confirmou coliformes totais com a verificação da formação de gás e turvação do meio. A prova confirmativa dos coliformes termotolerantes foi realizada através da inoculação do caldo verde brilhante em calco EC com incubação a temperatura de 45+0,2º C Capa Índice 11379

4 em banho Maria foi verificada a turvação do meio e a presença gás de nos tubos de Durahn. A combinação dos tubo positivos das amostras obtiveram um numero maior que 1600 NMP/100ml. Para confirmação de E.coli. no Agar EMB observou coloração esverdeada. A coloração de Gram e identificou a presença bastonetes Gram-negativos. Os resultados dos métodos de indol e oxidase deram, positivo e negativo respectivamente. O teste do quite BBL deu confirmativo para E. coli em 99,99% para todas as amostras. Através dos resultados obtidos pode-se verificar a quantidade de coliformes termotolerantes, coliformes totais e E. coli ultrapassaram a quantidade estipulada pela resolução do CONAMA. As amostras coletadas obtiveram 100% de coliformes termotolerantes, fecais(brasil 2005). 5. CONCLUSÃO A presença de coliformes termotolerantes e identificação de E. coli, indicar a presença de material fecal, que estão diretamente associados à poluição por esgotos domésticos, uma vez que tais bactérias são provenientes do trato digestório de animais homeotérmicos. Assim é possível verificar que os rios João Leite e Meia Ponte estão sofrendo com a ação antrópica, transformando-se em reservatórios de patógenos para pessoas que utilizam dessas águas, bem como gerando possíveis problemas no ecossistema. Portanto novas pesquisas são necessárias para o monitoramentos das águas desses rios, que se enquadram entre os mais importantes da cidade. 6. REFERENCIAS CASTRO,V.M.A et al.parâmetros microbiológicos de águas de rios coletadas em alguns municípios da Paraíba,Centro de tecnologia/ departamento de tecnologia química e de alimentos/ monitoria,2003 Disponível em:<http://www.prac.ufpb.br/anais/ixenex/iniciacao/documentos/anais/7.tecnologia/7ctdtqam t01.pdf> acesso em : 15/09/2013; BRASIL. Ministério do Meio Ambiente CONAMA. Resolução n. 357, de 17 de março de Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu Capa Índice 11380

5 enquadramento, estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 mar EATON, A. D.; CLESCERI, L.S.; RICE, E. W.; GREENBERG, A.E. Standard methods, st edition. STERZ,C. ;GOMES, M. F. R. ; ROSSI, E. M. Análise microbiológica e avaliação de macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores da qualidade da água do Riacho Capivara, município de Mondaí, SC-REV.Unoesc & Ciência ACBS, Joaçaba, v. 2, n. 1, p. 7-16, jan./jun. 2011; TERRA VR et al. Avaliação microbiológica das águas superficiais do rio Jucu Braço Sul, ES, Brasil.Microbiological evaluation of superficial waters of Jucu Braço Sul river, ES, Brazil,2008 Disponivel em :< Acesso em :16/09/2013 DOMINGUES et. al. Contagem de bactérias heterotróficas na água para consumo humano:comparação entre duas metodologias,heterotrophic bacteria counting in the drinking water: comparation between two methodologies,rev.saúde, Santa Maria, vol 33, n 1: p 15-19, 2007; FUNASA, Fundação Nacional da Saúde. Ministério da Saúde. Manual prático de análise de água. 2ª Edição, Brasília Capa Índice 11381

6 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2013) AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA ARBORIZAÇÃO URBANA, EMPREGO DA ESPÉCIE DELONIX REGIA (FLAMBOYANT), NO MICROCLIMA LOCAL DA CIDADE DE GOIÂNIA CAMPOS, A. S.; RESENDE, I. M. DE H.; PORTO, R. M; LOPES, D. M. M. INTRODUÇÃO As árvores em vias públicas e demais áreas livres de edificação são constituintes da floresta urbana, atuam sobre o conforto humano no ambiente, por meio das características naturais da vegetação arbórea, proporcionando sombra para pedestres e veículos, redução da poluição sonora, melhoria da qualidade do ar, redução da amplitude térmica, abrigo para pássaros e harmonia estética amenizando a diferença entre a escala humana e outros componentes arquitetônicos como prédios, muros e grandes avenidas (MILANO & DALCIN, 2000). O objetivo deste trabalho é apresentar a Silvicultura Urbana como ferramenta e meio de atuação profissional do Engenheiro Florestal, na obtenção da melhoria da qualidade de vida nas cidades, através da avaliação das influências e interferências proporcionadas pela presença da espécie arbórea Delonix regia (flamboyant) no microclima local. MATERIAIS E MÉTODOS O experimento foi conduzido na Avenida Leopoldo de Bulhões, município de Goiânia, na data de 21/01/2013 (Imagem 1.; Imagem 2.). Imagem 1. Mapa de localização da área de estudo. Capa Índice 11382

7 Imagem 2. Foto da avenida estudada. Foi determinada a influência sobre o microclima local, gerada pela presença da espécie arbórea flamboyant (Delonix regia). Sendo avaliado: a) Microclima: considerando-se temperatura, umidade relativa do ar, ponto de orvalho e velocidade do vento por um período de 11 horas (das 8 às 18 horas), com repetições de hora em hora. As medições foram realizadas sob as árvores e a pleno sol com ajuda de um anemômetro (aparelho de aferição). b) Árvores: foi observada a altura do fuste, altura da copa, diâmetro a altura do peito e número de indivíduos que compõem o canteiro central da avenida. c) Sobre a avenida foram anotados aspectos como: largura e comprimento da rua, largura do canteiro central e largura da calçada. Para realizar as atividades foram utilizados instrumentos como relógio, anemômetro, hipsômetro digital, trena, suta e fita métrica. RESULTADOS E DISCUSSÕES Foram encontrados 115 indivíduos de flamboyant espaçados com média a 4,5m, além da média de altura de fuste de 2,35m, altura de copa 6.98, média da altura total igual a 9,28m e a média do diâmetro encontrado foi de 51,43. A avenida possui comprimento de metros, largura das ruas de 8,8 metros, largura do canteiro central de 9,2 metros e largura das calçadas de 5,6 metros. As avaliações feitas quanto às variações no microclima seguem descritas nos Gráficos 1, 2, 3 e 4 abaixo. Quanto à temperatura é observado que no período das 13:00 horas houve a maior diferença entre os locais avaliados, chegando a 1,25 C de variação. Este resultado era esperado visto que este é o horário com as temperaturas mais altas do dia. Sobre esta variação Capa Índice 11383

8 o valor foi baixo, devido à presença parcialmente de nuvens. Esta variação de temperatura também é vista em trabalhos semelhantes uma vez que, para alívio dos pedestres, gerou uma redução de 4,5 C (MASCARO et al., 2008). Gráfico 1 Variação da temperatura ao longo do dia. 32 Temperatura ( C) A pleno sol Sombra N de Avaliações Sobre a variação da velocidade do vento esta não pode ser avaliada sob os diferentes locais, uma vez que, as medições deveriam ocorrer no mesmo instante, mas podemos verificar no Gráfico 2 que a pleno sol houve variação da velocidade do vento no decorrer do dia. Para os valores encontrados sob a árvore houve menor amplitude, com tendência a manter-se constante, consequência esta acarretada pela barragem dos ventos a partir da copa das árvores. Gráfico 2 Variação da velocidade do vento ao longo do dia. Velocidade do Vento N de Avaliações A pleno sol Sombra Em decorrência da melhoria do microclima oferecida pelas árvores houve sob a sombra aumento na umidade relativa do ar, com máximo de 3%. Este aumento está Capa Índice 11384

9 diretamente ligado a evapotranspiração, com abertura dos estômatos e liberação de vapor d água. (MASCARO et al., 2008). Gráfico 3 Variação da umidade relativa do ar ao longo do dia. 90 Umidade Relativa do Ar A pleno sol Sombra N de Avaliações Sobre o ponto de orvalho, a sol pleno houve maior variação ao longo do dia, chegando a 22,55 C de máximo, no período das 14:00 horas. A respeito deste fator, quanto maior a temperatura do ponto de orvalho, maior será a sensação de mormaço e desconforto térmico com elevação do calor, ou seja, sob a sombra das árvores á melhor alívio térmico e sensação mais refrescante ao longo de todo o dia. Gráfico 4 Variação do ponto de orvalho ao longo do dia. Ponto de orvalho ( C) 23 22, , , , N de Avaliações A pleno sol Sombra Capa Índice 11385

10 6. CONCLUSÃO As condições de artificialidade dos centros urbanos em relação às áreas naturais têm causado vários prejuízos à qualidade de vida dos habitantes. Sabe-se, porém que parte desses prejuízos podem ser evitados pela legislação e controle das atividades urbanas e parte amenizada pelo planejamento urbano, ampliando-se qualitativamente e quantitativamente as áreas verdes e arborização de ruas. (MILANO, 1987). A arborização urbana entra exatamente nesse mérito, melhoria na qualidade de vida da população. Esse fato é comprovado por diversos fatores resultantes da presença de espécies florestais, tais como aumento da umidade, redução da temperatura e consequente menor gasto energético com tentativas de arrefecimento nos centros urbanos, sombreamento, quebra do impacto gerado pela força do vento, redução da poluição sonora e visual, purificação do ar, contato com a natureza, incentivo a atividade física (caminhadas e esportes nos parques e praças). Com o que foi dito até então, fica claro a necessidade e importância de se manter e investir na presença de composição verde, principalmente na arborização de grandes centros urbanos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MASCARO, J. J.; DIAS, A. P. A.; GIACOMIN, S. D. Arborização pública como estratégia de sustentabilidade urbana. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO NÚCLEO DE PESQUISA EM TECNOLOGIA DA ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 2008, São Paulo. Espaço Sustentável: inovações em edifícios e cidades. Disponível em: <http://tellus.uspnet.usp.br/nutau/cd/>. Acesso em: 13 jun p. MILANO,M. S. O planejamento da arborização, as necessidades de manejo e tratamentos culturais das árvores de ruas de Curitiba,PR. Floresta, v.17, n.1/2, p.15-21, jun./dez MILANO, M. S. & DALCIN, E. C. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro, RJ: Light. 226p Capa Índice 11386

11 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2013) BREVE HISTÓRICO DO CONSUMO DE ALGUMAS DROGAS NO BRASIL E NO MUNDO ALMEIDA, Adriano Rodrigues de¹; NUNES, Luclecia Dias² Palavras-chave: drogas psicoativas, Maconha, Crack. Introdução Este trabalho fora realizado com o intuito de pesquisar o contexto histórico de surgimento e consumo de algumas drogas naturais e sintéticas usadas no mundo todo, são elas: a maconha, a cocaína, o êxtase, o LSD e o crack. Desde os primórdios algumas drogas são utilizadas pelo homem, para os mais diversos fins, inclusive médico. Com a passar dos anos o uso de drogas naturais e sintéticas, veem se tornando cada vez mais presente na nossa sociedade e as pessoas estão usando cada vez mais cedo. Podemos ver nos grandes centros urbanos o uso desordenado das drogas; pessoas usam drogas a luz do dia, sem medo de serem presas e sem receio. Mas para entendemos quais drogas são essas, devemos saber a sua definição. O que é droga? Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), Droga é nome dado a toda a substância sintética ou natural não produzida pelo organismo que é capaz de alterar o sistema nervoso central (S.N.C.) assim provocando alterações no seu funcionamento. (BRASIL, 2012, P. 88) Segundo a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD) existem dois tipos de classificação para os tipos de drogas. Elas são classificadas como lícitas e ilícitas. As drogas lícitas são aquelas que a sua comercialização é liberada pelo governo para maiores de 18 anos. Entretanto, isso não significa que façam bem para o nosso corpo. Entre elas existe tabaco e o álcool. As drogas ilícitas são aquelas que são proibidas por lei. Um exemplo clássico é a cocaína. (BRASIL, 2012, P. 89) Podemos classificar as drogas também como naturais e sintéticas¹. As drogas naturais são aquelas que são extraídas da natureza e não são produzidas em laboratórios. Um exemplo é a maconha que é extraída das plantas da espécie ¹ CEPAE-UFG- ² CEPAE-UFG- Capa Índice 11387

12 Cannabis sativa. As drogas sintéticas são aquelas produzidas em laboratório a partir de várias substâncias químicas. Exemplos dessas drogas são: o LSD e o Êxtase. O consumo dessas drogas é elevado no mundo e no Brasil. O consumo de droga no Brasil é discreto comparado ao de outros países. Segundo a série Por dentro do assunto, (BRASIL, 2012, P ), os Estados Unidos são o país campeão no uso de drogas, seguido do Canadá e de outros países europeus. E o consumo de drogas aumenta cada vez mais, não só das ilícitas mais como das licitas. Objetivos Esse trabalho tem como objetivo pesquisar o contexto histórico do surgimento de algumas drogas naturais e sintéticas usadas em diversos lugares do mundo. Desenvolvimento A Maconha, a Cocaína, o Êxtase, o LSD e o crack são algumas das drogas mais conhecidas no mundo, então devemos aprender mais sobre o surgimento delas. 1) Maconha A maconha é uma droga cultivada a milhares de anos. O seu primeiro registro foi a.c. A maconha teve a sua origem no Afeganistão e também foram encontrados registro na índia na qual era usada para uso medicinal e em ritos religiosos. Depois disso a droga começou a expandir pela a Europa e acabou se tornando um dos principais produtos agrícola da Europa, sendo pouco usada como entorpecente. No Brasil a maconha chegou através do colonizadores e também por africanos escravos no século XVI, nas barras das calças. No século XIX, ainda se encontrava maconha pra vender em farmácias em formas de cigarros industrializados de maconha. A parti do século XX, a maconha passou a ser vista com uma droga da classe baixa, e seu uso passou a ser proibido por lei, através de vetação na câmara em 1830, no Rio de Janeiro.(Carlini, 2006; BRASIL, 2007) Capa Índice 11388

13 2) Cocaína A cocaína é uma das drogas mais antigas que a humanidade conhece. Pesquisas apresentadas por CHANSIN, 2008, apontam que no século XIX foram encontradas folhas de coca em tumbas no Peru. Os Espanhois colonizadores da America, encontraram na cultura inca várias formas de tratamento com a grande variedade da botânica que havia naquela região. Assim eles levaram as folhas de coca para a Europa. Somente em 1885, o químico Alemão Friedrich Gaedecke conseguiu extrair um ingrediente ativo da folha de coca, que o colocou o nome de erythroxylon.em 1859, Albert Niemann, isolou o alcalóide e então passou a chamar esse material isolado de cocaína. Depois da descoberta feita pelos alemães, a cocaína passou a ser usada em vários produtos inclusive a Coca-Cola de 1886 a1900. A cocaína era consumida nos USA livremente, custando apenas 0,25 de dólar americano a grama. Na Europa era distribuída pelo laboratório Merck no final do século XIX para especialistas realizarem experimentos com a droga. A cocaína chegou no Brasil no século XX e seu comercio era livre, havendo até propaganda na Gazeta médica para o uso da droga. Com a proibição do consumo legal nos Estados Unidos, o Brasil sentiu-se pressionado e passou a dar multa e prender os usuários de cocaína desde 06/07/1921. Desde então é crime vender a cocaína. 3) Êxtase O êxtase (3,4-metileno-dioxi-metanfetamina ou MDMA) é uma droga sintética que foi patenteada pelo laboratório Merck em 1914, na Alemanha. O êxtase foi testado inicialmente como uma moderador de apetite mais logo parou de ser usado para essa finalidade. Ele também foi o sucessor do LSD que era usado em terapias. Depois de ser usado com moderador de apetite o êxtase foi esquecido por década, até que o bioquímico norte americano Alexander Shulgin, produziu e consumiu o êxtase relatando ser bem prazeroso. Em 1985 com a mídia falando sobre ele, a população America passou usar o êxtase com um divertimento, porém em 1986 ele passou a ser proibido pelo USA tornando-se ilegal. (Almeida e Silva, 2000) Capa Índice 11389

14 Na Europa o seu uso sempre foi ilegal, já Brasil chegou em 1994, e era e continua sendo usado para o divertimento. O seu uso é comum entre jovem em festas que duram muitas horas, como as raves. (Almeida e Silva, 2000) 4) LSD O LSD foi descoberto através de acidente que se originou uma droga. O químico suiço Albert Hofmann em uma de suas pesquisas sintetizou uma substância e derramou um pouco a mais de um pó surgindo o LSD em 1943 por descuido. Não sabe-se muito sobre a sua síntese, mas sabe-se que o seu uso como diversão começou em 1960 e foi proibida em Nos Estados Unidos era usada como uma arma da Cia conhecida como droga da verdade. Desde então a sua produção é proibida. (Hofmann,1986) 5) Crack Segundo pesquisadores, o crack se originou nos Estados Unidos da America por volta da década de 80. As pesquisas mostram que foi encontrada pela primeira vez em bairros mais pobres de Nova Iorque, Los Angeles e Miami. Como o crack era uma droga mais barata as pessoas que não tinham condições de usarem a cocaína refinada, passaram a usar essa nova droga que era o resto dos resíduos da cocaína, com preço menor para os produtores e para os consumidores. (Dias, 2011; Oliveira, 2012) Depois de se alastrar pelos Estados Unidos, a droga acaba chegando ao Brasil no ano de 1990, disseminando-se primeiramente um São Paulo, depois indo para as demais localidades. As pessoas que usavam cocaína injetável passaram a usar o crack, pois com isso não tinham o risco de contrair AIDS, pois não compartilhariam a mesma seringa para o uso da droga. (Oliveira, 2012) Conclusão Com base pesquisa realizada, podemos concluir que o consumo de drogas tanto naturais como sintéticas se confunde com a história da humanidade. Sendo utilizadas desde os primóridias e também que a sua disseminação para outros lugares ocorre rapidamente, mesmo sendo drogas ílicitas e proibidas na maior parte dos lugares. Capa Índice 11390

15 A história da maconha: Disponível em: Referências Bibliográficas ALMEIDA, Stella Pereira; SILVA, Maria Teresa Araújo. Histórico, efeitos e mecanismo de ação do êxtase. Rev Panam Salud Publica/Pan Am J Public Health, v. 8, n.6, p , BRASIL. Presidência da República. Secretaria Nacional Antidrogas Drogas : cartilha sobre maconha, cocaína e inalantes / Secretaria Nacional Antidrogas. Brasília : Presidência da República, Secretaria Nacional Antidrogas, BRASIL. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Curso de prevenção do uso de drogas para educadores de escolas públicas / Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, Ministério da Educação. 5. ed., atual. Brasília: Ministério da Justiça, CARLINI, Elisaldo Araújo. A história da maconha no Brasil. J Bras Psiquiatr, v. 55, n. 4, p , CHASIN, Alice A. da Matta; LIMA, Irene Videira. Alguns aspectos históricos do uso da coca e da cocaína. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, v.1, n. 1, p.33-44, DIAS, Andréa Costa; ARAÚJO, Marcelo Ribeiro; LARANJEIRA, Ronaldo. Evolução do consumo entre usuários de crack. Saúde Pública, São Paulo, v.45, n.5 p , HOFMANN, Albert. LSD, My Problem Child.: Reuno Unido: McGraw-Hill, p. OLIVEIRA, Kathlen Luana; REBLIN, Iuri Andréas; SCHAPER, Valério Guilherme; GROSS, Eduardo; WESTHELLE, Vítor (OrgS). Religião, política, poder e cultura na América Latina, São Leopoldo: Escola Superio de Teologia, <http://psicodelia.org/noticias/a-historia-da-maconha-a-droga-mais-polemica-domundo> Acesso em: 15 julho, Capa Índice 11391

16 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2013) INDICADORES DE EFETIVIDADE NA AVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS FEDERAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL Afranio José de ANDRADE, Aluno do curso de Especialização em Gestão Pública da Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Polo Aparecida de Goiânia Isabel Cristina Baptista de SOUZA, Orientadora/ Professora de Direito da Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Campus Catalão Palavras-chave: Segurança pública, efetividade, percepção de segurança, políticas públicas, gerencialismo. Introdução Vivemos a terceira onda da Nova Gestão Pública. Após o Gerencialismo puro e seus conceitos privatizantes, e após o Consumerism, na Inglaterra, caminha-se para a Governança Responsiva, ou a Governança por Resultados. Desde o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - Gespublica (Brasil:2009), oficialmente, conceitos como equidade e impacto das políticas orientadas ao cidadão passarem a compor o vocabulário de gestores e servidores públicos. O estudo que se propõe tem como principal preocupação um olhar para dentro, provocando uma meta-avaliação da policy de segurança pública. Quais as melhores formas de avaliar efetividade, especialmente em segurança pública, quando o seu objeto a segurança é fortemente dotado de subjetividade? Pesquisas de survey, cuja aplicação geralmente se remete ao marketing político, podem vencer o risco da superficialidade e do seu caráter efêmero? O presente trabalho busca também levantar tais perguntas e fazer uma modesta contribuição. Material e Métodos O presente estudo se baseia especialmente, na revisão da bibliografia sobre o tema, particularmente nas pesquisas sobre efetividade em segurança pública no governo federal. Discussão e Resultados Quando se recorta o problema da segurança pública no Brasil, há alguns consensos que beiram o lugar-comum: altos índices de criminalidade, alta reincidência, perfil de vítimas e autores nas camadas mais pobres, baixa instrução e origem afrodescendente. Para esses Capa Índice 11392

17 problemas foram desenvolvidas, tanto em âmbito federal quanto nos estados, diversas políticas de combate à violência, com diferentes matizes ideológicos e teóricos, cujo sucesso (ou não) sempre foi medido utilizando-se de ferramentas para análise de criminalidade que corriam sempre o risco de alta subnotificação das ocorrências, pulverização de informações e rent-seeking dos agentes. Para uma nova vertente de análise, precisamos retomar alguns conceitos sobre gestão pública e segurança. Gerencialismo Abrucio (1997) contextualiza o gerencialismo como um caminho quase inexorável à administração pública nos diversos países, como contraponto ao modelo burocrático weberiano, o qual vem caminhando para o lado contrário dos anseios dos cidadãos. O autor ainda pondera que aquele não possui mais a índole neoliberal que o fez surgir. Ele classifica três modelos (ou fases): a) gerencialismo puro (tem como principais objetivos a economia e eficiência (produtividade); e com principais públicos alvo os taxpayers (contribuintes); b) consumerism - cujo foco se encontra na efetividade /qualidade, e que possui como públicos alvo os consumidores; e c) PSO (Public Service Orientation) preocupado com equidade e accountability. Para este modelo, o alvo é o cidadão. A Secretaria Nacional de Segurança Pública (Brasil:2008), no documento Avaliação de Resultados é Inimiga da Rotina e da Indiferença, aponta pequena variação do terceiro modelo, chamando-o Governança Responsiva. Já o conceito de governança por resultados foi sintetizado em publicação do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (Brasil:2009), o Gespublica. Este modelo não diminui a importância do estado, mas qualifica o com o papel de orquestrador,direcionador estratégico, indutor e fomentador absolutamente essencial para a ativação e orientação das capacidades dos demais atores. Este paradigma promove a adoção de modelos de gestão pós ou neo burocráticos, tais como: redes, modelos de gestão orgânicos(flexíveis, orientados para resultados, foco no beneficiário),mecanismos amplos de accountability, controle e permeabilidade. Para o exercício da Governança por Resultados (ou Responsiva, ou Orientada aos Serviços Públicos) é necessária a construção de indicadores de desempenho capazes de subsidiar a tomada de decisões e o rumo das políticas públicas. O Gespublica apresenta um metamodelo para mensuração de desempenho, composto por uma cadeia de valores e seis dimensões de desempenho (6Es): eficiência, eficácia e efetividade, na dimensão do resultado; e economicidade, eficiência e execução, na dimensão do esforço. 2 Capa Índice 11393

18 Efetividade Segundo o Gespublica, A efetividade está vinculada ao grau de satisfação ou ainda ao valor agregado, a transformação produzida no contexto em geral. Esta classe de indicadores, mais difícil de ser mensurada (dada a natureza dos dados e o caráter temporal)... A avaliação de efetividade através de pesquisa de satisfação se tornou uma norma do governo federal. O Decreto nº 6932/09 estabelece a realização periódica de pesquisas de satisfação junto aos usuários. Mas não estabelece métodos que permitam dar caráter científico a tais pesquisas. Na verdade, são enquetes, com todos os riscos de vieses que tal modalidade de pesquisa pode produzir. Percepção de Segurança Gollo (2004) resgata inicialmente um verbete de dicionário para a palavra segurança, remetendo ao conceito de tranquilidade de espírito por não haver perigo. Ele também traz destaca o fato de segurança ser a segunda necessidade básica humana a ser satisfeita, para Maslow. Morales (2002) destaca o aspecto subjetivo da percepção de segurança: La realidad material influye y es a la vez influída por la realidad psíquica del sujeto, lo cual ha de ser tenido en cuenta a la hora de referirnos a la seguridad, ya que la percepción de seguridad será propia de cada individuo, estructurada por los datos provenientes del exterior, y por la historia individual. (..)Vemos de éste modo que la percepción de seguridad-inseguridad, remite a uma pluralidad de factores que la determinan, siendo la resultante de múltiples causassociales, políticas, culturales y psíquicas, tanto conscientes como inconscientes. Melo (2006), ao estudar percepção de segurança na internet, usa os conceitos de percepção e processo perceptivo, que trazem a idéia de seleção e organização das informações recebidas pela pessoa, baseada nos seus paradigmas. Assim, reitera-se (dentro da perspectiva da Governança Responsiva, que necessita de bons indicadores de desempenho de suas políticas, particularmente na efetividade para o consumidor-cidadão) da importância de se debruçar sobre as pesquisas de survey e de colher a opinião subjetiva para avaliação de satisfação e percepção de segurança pela população. As pesquisas de efetividade em Segurança Pública Algumas experiências já foram identificadas no uso de survey para avaliação de programas e aprimoramento de indicadores de segurança. Diógenes (2004) cita o desenvolvimento de um indicador IDSV Indicador de Desempenho da Segurança Viária, extraído da média de 14 outros indicadores. Contudo, na produção desses indicadores não há a consulta direta da opinião de usuários ou outras avaliações de efetividade. 3 Capa Índice 11394

19 Seguindo a tendência de tentar medir o impacto das ações das políticas públicas de segurança pela ótica do consumidor-cidadão, o Ministério da Justiça promoveu, nos últimos anos, ao menos duas ações. Uma foi a realização de uma pesquisa pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), referente ao impacto das ações do PRONASCI Programa Nacional de Segurança com Cidadania. Mas a pesquisa da FGV apenas apontou as variações nos níveis de percepção de segurança das populações afetadas, sem chegar a transformar esses resultados em um indicador formal de desempenho. A outra foi a Pesquisa Segurança Rodoviária 2009, produzida e executada pela Polícia Rodoviária Federal e aplicada a usuários de rodovias federais em todo o país. Com margem de erro de 2,2% em um intervalo de confiança de 95%, foram aplicados questionários contendo mais de 30 perguntas a 1984 usuários de rodovias federais motoristas de veículos de passeio, de carga, motoristas e passageiros de ônibus, motociclistas e pedestres, em 154 pontos nas rodovias federais em todo o país, estratificados também em gênero e faixa etária. Para encontrar o IPS, foram levados em conta a sensação de segurança, a satisfação com o serviço oferecido pelo órgão e a vitimização em acidentes de trânsito, crime comum, extorsão ou constrangimento por parte de PRF. Em 2009, pouco mais de 72% dos usuários concedeu IPS superior a 6 para a instituição. O Índice de Percepção de Segurança (IPS) foi o indicador de efetividade utilizado para avaliação do Programa Segurança Pública nas Rodovias Federais, do PPA (Plano Plurianual) Conclusões As pesquisas já realizadas sobre a efetividade das políticas federais de segurança pública são ainda tímidas, mas apontam para um caminho auspicioso, apesar das limitações metodológicas específicas de cada caso. No caso da Senasp, lamenta-se a escolha de um universo populacional reduzido para possível realização de inferências a realidade em âmbito regional ou nacional, e não transformação de uma fórmula para análise da eficácia. Já no caso da PRF, tentou-se criar uma fórmula para mensurar a percepção de segurança (efetividade). Mas pode se perceber problemas metodológicos, como o risco de contaminação dos resultados pela possibilidade de rent-seeking por ter pesquisadores da própria instituição. Ainda assim, pode-se considerar que ambas foram satisfatórias. Na verdade, a ausência da continuidade de trabalhos com o mesmo perfil não permitiu o aprimoramento metodológico e conceitual nos últimos anos, de modo a avançar problemas como superar a 4 Capa Índice 11395

20 superficialidade e a efemeridade de pesquisas baseadas em formas mais comuns no marketing, seja ele político ou comercial. Referências Bibliográficas ABRUCIO, Fernando Luiz. O impacto do modelo gerencial na administração pública. Um breve estudo sobre a experiência internacional recente. In Cadernos ENAP; n. 10.Escola Nacional de Administração Pública. Brasília: p.. Ministério da Justiça. Departamento de Polícia Rodoviária Federal. Pesquisa Segurança Rodoviária 2009 Relatório de pesquisa. Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Segurança Pública. Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Desenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública. Avaliação de Resultados é Inimiga da Rotina e da Indiferença. Brasília: BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Guia Referencial para Medição de Desempenho e Manual para Construção de Indicadores. Brasília: Presidência da República. Decreto Nº 6.932, de 11/08/2009 DOU de 12/08/2009. DIÓGENES, Mara C. Indicadores de Desempenho no Gerenciamento da Segurança Viária. UFRGS. Escola de Engenharia. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. FGV Projetos. Pesquisa de Percepção da População sobre o PRONASCI, Cidadania, Segurança e suas Instituições nos Territórios da Paz. FGV. Brasília: GOLLO, Celso G. Segurança & Turismo Percepções quanto ao aspecto segurança de um destino turístico, como forma de mantê-lo atrativo e competitivo. UFCS. Dissertação de mestrado em Turismo. Caxias do Sul: MELO, Rogério A. A influência da percepção de segurança da Internet sobre a intenção de compra de usuários habituais. Dissertação de mestrado. Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo: MORALES, Silvia. Analisis del concepto de seguridade turística. Psicossociologia del turismo. Buenos Aires: Disponível em Consultada em 22/09/ h40. 5 Capa Índice 11396

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS 7 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS Alice Monteiro de Carvalho (alicemonteiroc@gmail.com) 1 Jaqueline Silvana Moreira (jaquelinesmoreira@yahoo.com.br)

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Metodologia e Redação Científica

Metodologia e Redação Científica Metodologia e Redação Científica INTRODUÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA 1.1. Bases e conceitos APRESENTAÇÃO AULAS GRADUAÇÃO PRATICANDO MATERIAL AUXILIAR Objetivo da Aula Introduzir os conceitos gerais da metodologia

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Projeto Escola Solar

Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Por Walder Antonio Teixeira Introdução O que vem a ser uma Escola Solar? Demos o nome de Escola Solar para o nosso projeto, pois utilizamos a prática com energia

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA COLÉGIO ESTADUAL BARBOSA FERRAZ Ensino Médio, Normal e Profissional Rua Rio Grande do Sul, 1200 Centro - Telefone: (43) 3472-5009 www.colegiobarbosa.com.br e.mail: colbarbosa@ig.com.br CEP: 86870-000 -

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II CAMILA FAIONATO FRANCO¹, EMÍLIO CARLOS NARDINI², BASÍLIO GOMES

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 324, Toledo PR Fone: 3277-850 PLANEJAMENTO ANUAL NATUREZA E SOCIEDADE SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q36 Classificação de elementos

Química. Resolução das atividades complementares. Q36 Classificação de elementos Resolução das atividades complementares 3 Química Q36 Classificação de elementos p. 24 1 (Fatec-SP) Imagine que a tabela periódica seja o mapa de um continente, e que os elementosquímicos constituem as

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇAO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. SCHWEIGERT, Romacir

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. O Ministério do Meio Ambiente, em junho de 2009, lançou campanha para o consumo consciente de sacolas plásticas, que já atingem, aproximadamente,

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR VENANCIO, M. M 1.; FIORI, B. C 1.; DA SILVA, C. V 2. 1 Acadêmicas do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 149 AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental 482 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental OS DESAFIOS DO LIXO NOS DIVERSOS AMBIENTES Viviane Susy de

Leia mais

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ANDRYWS WILLIAM CORREIA FABIO SILVA BORA GUILHERME AUGUSTO MEIRA BATISTA

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Tecnologia Isto é sustentabilidade! Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Divulgação Transsen iminente de que o pro- Dblema se repita, pode-se notar

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com.

Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com. Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com.br 0 Estudos de Opinião Número 1 Violência no trânsito: o goianiense

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA CURSO DE FABRICAÇÃO DE IOGURTE Apresentador 1 Rodis, Caroline Inglês Apresentador 2 Gadens, Andressa Autor 3 Tedrus, Guilherme de Almeida Souza Autor 4 Ameida, Flávia Caroline

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS São substancias psicoativas que agem no Sistema Nervoso Central. Produz

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 D.O.U de 26/11/08 PLANO DE CURSO

CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 D.O.U de 26/11/08 PLANO DE CURSO CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 D.O.U de 26/11/08 Componente Curricular: Materiais Elétricos Código: ENG -383 Pré-requisito: --- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais