Assistência. Económica. que a. com os. coincidisse. Orçamento. isso. não queria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "07-09-2012. Assistência. Económica. que a. com os. coincidisse. Orçamento. isso. não queria"

Transcrição

1 Declaração Primeiro-Ministro Portugueses, boa noite. Estamos agora a concluir os trabalhos da 5ª revisão relativa ao Programa Assistência Económica e Financeira. O calendário terminou a 5ª revisão coincidisse com os trabalhos preparatórios da proposta Orçamento para Nem tos os assuntos emm discussão durante esta revisão regular estão já encerras. Quan isso sucer, haverá, como é habitual, uma comunicação geral Governoo sobre tos os trabalhos tiveram lugar nestes últimos dias. Mas neste momento não ria ixar vos transmitir, como sempre garanti g o faria, algumas cisões já foram objeto d acor e se revestem uma gran importância para toss nós. 1

2 Quero falar-vos com a mesma franzaa com sempre vos falei, sem roios e com o realismo q cidadãos livres e responsáveis merecem s seus representantes políticos e a serieda da situação atual exige. A emergência financeiraa nacional em o País foi mergulha em 2011 ainda não terminou. Os problemas enfrentamos começaram a ser vigorosamente atacas mas ainda não estão minas. Por outro la, a nossa tarefa não tem si facilitad da pela crescente incerteza e gradação financeira na Europaa m estamos muito penntes. Da nossa parte, fizemos, e estamos a fazer, o é necessário. É a nóss cabe sfazer os danos foram infligis durante muito tempo à nossa economia. É uma tarefa árdua e longa, em muitas das cisões só produzem efeitos com o passar algum tempo. Mas em resulta das nossas políticas e 2

3 das nossas ações, com os esforços notáveis s Portugueses, com a sua clarividência e paciência, pomos dizer já começámos a reduzir substancialmente alguns s perigos e riscos nos ameaçavam.. Hoje, já pomos reconhecer resultas das nossas escolhas aumentaram consiravelmentee a nossa estabilida e a nossa resistência. Estamos a reduzir o nosso défice externo maiss rapidamente d foi previsto e a diminuir a pendência da nossa economia relativamente ao financia amento estrange eiro. Hoje, é fácil contrastarr o profun ceticismo Portugal era alvo na comunida internacional com o voto diário confiança positam em nós. Somos agora vistos pelos nossos parceiros internacionaiss e pelos agentes da economia global como um País confiável e 3

4 merecerr apoio, e a nossa reputação no exterior é incomparável com a gozávamos há cercaa ano e meio. Este ativo tem consequências diretas na vida s Portugueses, comoo nos mos conta quan noo passa o lapidámos, r mais recentemente quan efetuámos vários leilões dívida pública a juros mais baixos alivian os encargos tos os contribuintes no financiamento Esta. Tu isto é uma obra coletiva mobilizou e mobiliza tos e cada um nós. Uma obra e uma comunida nacional tem razões para ixar duvidar si mesma. Estou certo neste ponto até os mais céticos concordarão. Contu, temos estar conscientes esses resultas não são finitivos, nem os pomos dar por 4

5 adquiris. Foram obtis, não pore a gravida nosso contexto interno e externo tenha abranda, mas por não nos complexida s ixámos vencer pela p dimensão e problemas e por fomos f fiéis à nossa estratégia. Os mais recentes senvolvimentos da política Banco Central Europeu facilitam o nosso processoo ajustamento e aproximamm o nosso propósito regresso ao financiamento em condições normaiss merca. Mas é um erro grave suporr substitue em o esforço reformar a nossa economia e consolidar as nossas contas públicas. Essas tarefas são nossas, e sem a sua conclusão a ação Banco Central Europeuu não porá p ajudar-nos. Depois das recentes clarações públicas responsáveis europeus tornou-se mais claro nunca sem o cumprimento nosso programa não teremoss acesso a qualr mecanismo auxílio europeu. 5

6 Além disso, temos compreenr, com to o realismo, ainda subsistem vários focos risco. É por isso temos persistir, com inteligência e terminação, no ata às causas mais profundas das nossas dificuldas. Em momentos como este, em aindaa estamos a seguir um caminho íngreme repleto obstáculos mass em já temos algo muito precioso a perr, nãoo pomos arriscar os slizes, as cisões precipitadas e extemporâneas, as hesitações na resposta aos safios. É compreensível por vezes associemos as medidas nos impõemm sacrifícios a efeitos nocivos Muitos têm explora essa associação sobre a economia. parece quase instintiva e claram e a retração económicaa e a subida semprego se vem à austerida dita excessiva. Uma das grans causas semprego, sabemo-lo hoje, consiste na dificulda as empresass experimentamm 6

7 acesso ao financiamento. Mas isso é uma u consequência direta da rutura financei ra o País sofreu s ainda antes ter começa a execução Programa Assistência Económica e Financeira. Uma outra causa resi na reestruturação da economia está a ter lugar. Há sectores ativida no passa cresceramm com base em condições e expectativas sajustadas da realidae País e sofrem agora uma retração súbita. Como sabemos uma parte importante da criação emprego terá vir nosso sector exportar, ajudar a as empresas portuguesas a competir nos mercas globais é também uma boa política emprego. Tanto num caso como noutro percebemos ass causass semprego estão nos profuns sequilíbrios se foram agravan ao longo vários anos. Como o ponto final nesta sequência insustentável chegou sob a forma 7

8 uma ruptura financeira muito grave, nem ser tivemos tempo paraa suavizar este processo. É por esta razão, e em nome sofrimento atinge tantas famílias, vemos prepararr o País, as suas instituições, as suas estruturas, as suas práticas, para nunca n mais volte a acumular tanta dívida nem a penr tanto creres. Não existem curas rápidas substituam a preparação cuidasa e paciente crescimentoo económico. Mas pomos agir com rapiz para aliviar e estancar o aumento semprego. Começámos a fazê-lo com políticas ativas emprego, como o programa Vida Ativa ou o recentemente instituí Impulso Jovem, J dirigi às camadas mais jovens da população ativa. São programas senhas para incentivar a contratação, paraa facilitar a transição para o merca trabalho sobretu s mais jovens e s sempregas longa duração, mas 8

9 também para ajudar m está semprega a obter experiência e qualificações em ambient te trabalho nas empresas e nas instituições e assim lhes serão realmente úteis no seu percurso profissio onal. Porém, agora temos a oportunida dar um enquadramento mais sóli e mais alarga a essas políticas ativas a e emprego. Recentemente, o Tribunal Constitucional pronunciou-se sobre algumas normas orçamento e O Tribunal Constitucional sublinhouu sem margemm paraa qualr equívoco a tarefaa respon er à emergência financeira através cumprimento das metas estabelecidas no memoran entendimento é «excecional interesse público». Deixou claro para tos a emergência enfrentamos é ameaçada ra para o nosso mo vida e, nesse contexto, see justificam respostas públicas, em circunstâncias normais, não 9

10 seriam aptadas. Mas consirou e a «diferença no grau sacrifício» o orçamen nto traduzia era excessivamente acentuada e punha em causa c a «igualda na repartição s encargos públicos». Assim, na cisão Tribunal Constitucional a lei orçamento para 2013 veria conter uma outra combinação encargos e sacrifícios não poria, no entanto, ser confundida com a igualda estrita, já isso equivaleria a tratarr igual moo aquilo era objetivamentee diferente. O propomos é um contributo equitativo, um esforço tos por um objetivoo comum, comoo exige o Tribunal Constitucional. Mas um contributo equitativo e comum nos levem em conjunto paraa cima, um esforço e não uma falsa e cega igualda nos arraste a tos para baixo. O orçamento para 2013 alargará o contributo paraa os encargos públicos com o nosso processo ajustamento 10

11 aos trabalhares sector priva, mas este alargamento tem diretamente por objetivo combater o crescimento sempr rego. Como sabemos, é esta a gran ameaça à nossa recuperação e é esta a principal fonte angústia das famílias portugue esas. Foi com este duplo propósito o Governo cidiu aumentar a contribuição para a Segurança Social exigida aos trabalhares sector priva para 188 por cento, o nos permitirá, em contrapartida, scer a contribuição exigida às empresas também para 18 por cento. Faremos assim scer substancialmente os custos oneram o trabalho, alteran os incentivos ao investimento e à criação emprego. E fá-lo-emos numaa alturaa em a situação financeiraa muitas das nossass empresas é muito frágil. 11

12 A subida 7 pontos percentuais na contribuição s trabalhares será igualmente aplicáve el aos funcionários públicos e substitui o corte um s subsídios cidi há um ano. O subsídio reposto será distribuí pelos ze meses salário para acudir mais rapidamente às necessidas gestão orçamento familiar s auferem estes rendimentos. Neste senti, o rendimento mensal disponível s trabalhares sector público não será, por isso, altera relativamente a este ano. O corte segun subsídio é manti nos termos já finis na Lei Orçamento Esta para Noo caso s pensionistas e reformas, o corte s d iss subsídios permanecerá em vigor. A duração da d suspensão s subsídios, tanto no caso s funcionários públicos, como no s pensionistas e reformas, continuará a ser terminada pelo perío vigência a Programa Assistência Económica e Financeira. 12

13 A nossa intenção protegerr os trabalhares com menores rendimentos, tanto sector públicoo como sector priva, será naturalmente renovada através um esma proteção aqua e proporcip ional. Esta proteção verá adquirir a forma um créditoo fiscal em se IRS por via qual os trabalhares mais baixos rendimentos vejam diminuir o valor v imposto a pagar ou, nada ten a pagar, possam receber o mesmo valor da compensação respectiva. Teremos, no entanto, a oportunida discutir com os parceiros sociais o melhor mo discriminar positivamente estess trabalhares. Precisamoss estancar o crescimento o semprego com soluções nos em garantias sucesso. Reduzin o valor das contribuições a as empresas estãoo obrigadas e pon em marcha um processo «svalorização 13

14 fiscal» alcançamos vários objetivos em simultâneo. Reduzimos custos e tornamos possível uma redução preços, no exterior, torne ass empresas mais competitivas nos mercas internacionais, e, ntro das nossas fronteiras, alivie os orçamentos das d famílias. Neste aspeto, as empresas terão um papel muito importante a sempenhar ao fazerem refletir estass novass condições em benefícios para todas as pessoas. Além dissoo e penso aqui muito em particula ar na situação o das penas e médias empresas, são responsáveis pelo maior volume emprego no nosso País, libertamos recursos para a tesouraria das empresas com maiores dificuldas, impedin o seu encerramento extemporâneo, aumentamos os recursos s para o investimentoo e para a contratação novos trabalhares, e eliminamos sincentivos a esta contratação. Melhorano a posição financeira e competitiva das empresas tornamoss mais fácil 14

15 o seu acesso ao crédito, no po ser s o início um novo ciclo virtuosoo no financiamento à economia. O Orçamento paraa 2013 não ixará ninguém fora esforço coletivo para o nosso ajustamento e traduzirá uma visão global repartição s sacrifícios. Incluirá medidas afetam os rendimentos da riza e capital e tributam os lucros das grans empresas, e resto, no seguimento foi feito já este ano.. Prosseguiremos a nossa política redução das rendas excessivas existem na economia e já abrangeu a indústria farmacêutica, as telecomunicações, as a operaras no merca da energia e as Parcerias Público-Privadas. Avançaremos rapidamentee com a redução Fundações e financiamento público gozam. 15

16 Na ponração das diferentes possibilid das resposta afirmativa e eficaz a tos estes safios quisemos ser ambiciosos. Ao mesmo tempo, rejeitámos outras alternativas, uma forma ou outra, o see resumiam ao aumento generaliza impostos. Rejeitámo-las por se encarregariam aumentar o far já bastante pesa da nossa economia e comprometer as nossas perspectivas recuperação. Com estes contornos, o Orçamento Esta para 2013 será um orçamento ainda resposta à emergência financeira e à situação excecional ela criou. Pedirá sacrifícios, mas será ousa e ambicioso. aquilo Meus caros Portugueses, Permitam-me resuma em poucas palavras está em causa nesta cisão. Para nós, o semprego atingiu uma dimensão não pomos s tolerar. Ninguém 16

17 po julgar o nosso maior problema se resolve sem escolhas difíceis e ambiciosas. É meu ver como Primeiro-Ministro resolver. aptarr a solução realmente o po Não se po eleger o semprego como a nossa maior ameaça económica e social e pois hesitar nala é uma das poucas ou mesmo a única medida oferece garantias a combaterr cisivamente. E por isso vos peço: não acreditem nas penas soluções, nas soluções inlores, para os nossoss problemas mais graves. Não se ixem tomar pela complacência m pensa temos too o tempo mun, ou m q fen já fizemos tu o era necessário para vencer a crise e agora verão ser os outros a fazer o resto. O precisamoss fazer paraa reganhar a nossa autonomia no 17

18 futuro não é fácil, mas está ao nosso alcance se soubermos rebrar a vonta e a ambição necessár rias. Muito obriga 18

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Discurso do Primeiro-Ministro no Fórum Empresarial Portugal-Alemanha. Lisboa, 12 de novembro de 2012. (Só faz fé versão lida)

Discurso do Primeiro-Ministro no Fórum Empresarial Portugal-Alemanha. Lisboa, 12 de novembro de 2012. (Só faz fé versão lida) Discurso do Primeiro-Ministro no Fórum Empresarial Portugal-Alemanha Lisboa, 12 de novembro de 2012 (Só faz fé versão lida) Estamos hoje reunidos neste fórum que corporiza a cooperação entre a política

Leia mais

Primeiro o diagnóstico. A crise que vivemos não está ultrapassada, não tem. natureza conjuntural e não é exclusivamente nacional. É sistémica à zona

Primeiro o diagnóstico. A crise que vivemos não está ultrapassada, não tem. natureza conjuntural e não é exclusivamente nacional. É sistémica à zona Intervenção do Secretário Geral do PS Conferência Lisbon Summit 2015 Lisboa, 24 de fevereiro 2015 I Primeiro o diagnóstico. A crise que vivemos não está ultrapassada, não tem natureza conjuntural e não

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Portugal: Consulta de 2012 ao abrigo do Artigo IV Conclusões da Missão do FMI 1 20 de novembro de 2012

Portugal: Consulta de 2012 ao abrigo do Artigo IV Conclusões da Missão do FMI 1 20 de novembro de 2012 Portugal: Consulta de 2012 ao abrigo do Artigo IV Conclusões da Missão do FMI 1 20 de novembro de 2012 1. A crise que Portugal enfrenta resulta de um legado de políticas equivocadas diante de um ambiente

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) EUCO 23/13 CO EUR 3 CONCL 2 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: CONSELHO EUROPEU 14/15 de março de 2013 CONCLUSÕES

Leia mais

nacional». Não e a natureza dos

nacional». Não e a natureza dos Declaração do Primeiro-Ministro aoo País 7 dee Abril de 2013 Portugueses, Quando em Outubro de 2011, nas vésperas da discussão do Orçamentoo do Estado para 2012, me dirigi ao País, descrevi a nossa situação

Leia mais

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis Maria Luís Albuquerque 25 de agosto de 2015 Universidade de Verão do PSD Castelo de Vide 25 de agosto de 2015 Tema: Portugal com Futuro: Finanças Públicas

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE A APFN assinala como muito positivo o reconhecimento de que só um conjunto de políticas de família

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

POLÍTICA REIVINDICATIVA 2015-2016

POLÍTICA REIVINDICATIVA 2015-2016 POLÍTICA REIVINDICATIVA 2015-2016 Proposta para o Crescimento Económico e Social da RAM A UGT Madeira seguindo a linha de ação da UGT Portugal, que aprovou e tornou público, em Abril de 2015, o seu Guião

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal

Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal Exm.º Sr. Presidente da Câmara Exmos. Srs. Vereadores Caros Colegas Ilustres presentes Relativamente à proposta 313 de 2014, que visa apreciar as Demonstrações

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.12)

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Resumo Quatro anos após o início da Grande Recessão, a zona euro permanece em crise. O PIB e o PIB per capita estão abaixo do seu nível

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República Mensagem de Ano Novo do Presidente da República Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2015 Boa noite. Desejo a todos um Feliz Ano de 2015. Os meus votos dirigem-se a todos os Portugueses, quer aos que residem

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO Comunicado 23/09/2015 REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO COLEGAS Pelas 21 horas, do dia 21 de Setembro de 2015, pôs-se um ponto final na primeira parte, da primeira fase do processo negocial da revisão/criação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Relatório Global sobre os Salários 2012/13

Relatório Global sobre os Salários 2012/13 Relatório Global sobre os Salários 212/13 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Principais tendências nos salários A crise continua a refrear os salários Em termos

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Para Crescer Sustentadamente

Para Crescer Sustentadamente Preparar a Reestruturação da Dívida Para Crescer Sustentadamente Nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Os indicadores de pobreza relativos a Portugal evidenciam a necessidade de correcção das intoleráveis assimetrias de rendimento existentes entre os Portugueses,

Leia mais

Apresentação e Discussão do Plano e Orçamento para 2013 Discurso de Abertura

Apresentação e Discussão do Plano e Orçamento para 2013 Discurso de Abertura Apresentação e Discussão do Plano e Orçamento para 2013 Discurso de Abertura Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimo Senhor Presidente do Governo Regional,

Leia mais

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger SEM MAIS EMPREGO NÃO É POSSÍVEL A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA DO PAÍS Slides utilizados na intervenção que fiz

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

CERIMÓNIA DE ENTRONIZAÇÃO NA CONFRARIA DO LEITE

CERIMÓNIA DE ENTRONIZAÇÃO NA CONFRARIA DO LEITE CERIMÓNIA DE ENTRONIZAÇÃO NA CONFRARIA DO LEITE Arrifes, 22 de novembro de 2013 Transcrição das declarações do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Foi, naturalmente, com muita honra

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL O crescimento económico e a redução do desemprego são hoje os grandes desafios que a Europa enfrenta. Em Portugal, a situação económica e social é hoje

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário Equívoco 1: O Trabalho Temporário não proporciona segurança no trabalho Em muitos

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 18-11-2014 Nº 11 Orçamento para 2015: mais custos para pior Estado Oito anos depois do início da Grande Recessão e passados cinco anos de austeridade, o Orçamento do Estado para 2015,

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Infrações Fiscais. Contraordenações

Infrações Fiscais. Contraordenações Infrações Fiscais O incumprimento das obrigações fiscais ou a prática de determinas atos que visem evitar ou diminuir ilicitamente os impostos devis podem constituir contraordenações ou ser consideras

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

T R I B U N A L C O N S T I T U C I O N A L

T R I B U N A L C O N S T I T U C I O N A L Acórdão n.º 413/2014 Processo n.º 14/2014 Relator: Conselheiro Carlos Fernandes Cadilha Na sua sessão plenária de 30 de maio de 2014, o Tribunal Constitucional apreciou três pedidos de fiscalização abstrata

Leia mais

Seminário Orçamento do Estado 2016

Seminário Orçamento do Estado 2016 Seminário Orçamento do Estado 2016 As opiniões aqui expressas vinculam apenas o seu autor e podem não corresponder às posições da Jaime Carvalho Esteves Dezembro de 2015 FORUM PARA A COMPETITIVIDADE A

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português Development Co-operation Report 2010 Summary in Portuguese Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010 Sumário em Português O relatório de Desenvolvimento e Cooperação, emitido pelo Comité de Ajuda

Leia mais

Sustentabilidade orçamental Conceito, práticas, ideias

Sustentabilidade orçamental Conceito, práticas, ideias Sustentabilidade orçamental Conceito, práticas, ideias Teodora Cardoso Apresentação às Jornadas Parlamentares do PSD Viseu, 24 Março 2014 Sustentabilidade orçamental Um conceito simples Avaliar a sustentabilidade

Leia mais

Prosperando na economia digital: quatro motivos para os executivos de finanças terem grandes expectativas em relação ao futuro

Prosperando na economia digital: quatro motivos para os executivos de finanças terem grandes expectativas em relação ao futuro Resumo executivo dos resultados da pesquisa Preparado pela CFO Research, em colaboração com a SAP CFO research Prosperando na economia digital: quatro motivos para os executivos finanças terem grans expectativas

Leia mais

Projeto de acordo do consórcio entre a Universidade de Coimbra e a Universidade Aberta

Projeto de acordo do consórcio entre a Universidade de Coimbra e a Universidade Aberta Projeto de acordo do consórcio entre a Universidade de Coimbra e a Universidade Aberta Anexo à deliberação n.º 31-CG/2015 Documento n.º 32-/2015 Entre: A UNIVERSIDADE DE COIMBRA, pessoa coletiva número

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS DESTAQUES DE 27 A 31 DE MAIO NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS ACTIVIDADE PARLAMENTAR E PROCESSO LEGISLATIVO ÚLTIMAS INICIATIVAS Proposta de Lei 151/XII Procede à primeira alteração

Leia mais

Plano e Orçamento para 2015. Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade

Plano e Orçamento para 2015. Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade 1 Plano e Orçamento para 2015 Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade Senhora Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo

Leia mais

DISCURSO DO MINISTRO DA DEFESA NACIONAL JOSÉ PEDRO AGUIAR-BRANCO

DISCURSO DO MINISTRO DA DEFESA NACIONAL JOSÉ PEDRO AGUIAR-BRANCO DISCURSO DO MINISTRO DA DEFESA NACIONAL JOSÉ PEDRO AGUIAR-BRANCO Almoço-debate Revista Seguran nça e Defesa Lisboa, 01 de Fevereiro de 20122 Só serão válidas as palavras proferidas pelo orador Senhoras

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago na abertura da Sessão pública de apresentação das actividades do Conselho Europeu de Investigação (ERC) 3 de Julho 2007

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Alvir Alberto Hoffmann

Alvir Alberto Hoffmann EDUCAÇÃO FINANCEIRA Alvir Alberto Hoffmann Diretor de Fiscalização do Banco Central do Brasil Presidente, ASBA Asociación de los Supervisores Bancarios de las Americas, Brasil Educação Financeira Definição:

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

Processamento. Armazenamento

Processamento. Armazenamento Introdução Sistemas Informática aplicada Nos tempos atuais a competitivida, a busca por resultados ($$ $$) e o planejamento são stões fundamentais em qualr organização, seja ela qualr tamanho, s estabelecimento

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Miguel Poiares Maduro. Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional. Conferência SEDES

Miguel Poiares Maduro. Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional. Conferência SEDES Miguel Poiares Maduro Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional Conferência SEDES Lisboa, 6 de Março de 2014 1 Portugal vive hoje um momento de viragem. São inequívocos os sinais de retoma económica.

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Assim, a dívida externa bruta é hoje já superior a 200% do PIB!

Assim, a dívida externa bruta é hoje já superior a 200% do PIB! INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NO SEMINÁRIO «COMO EXPORTAR NO CENÁRIO GLOBAL» NO AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA MARIA

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura da sessão de Lisboa do Road Show Fair Play Lisboa 9 de dezembro de 2014

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura da sessão de Lisboa do Road Show Fair Play Lisboa 9 de dezembro de 2014 Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura da sessão de Lisboa do Road Show Fair Play Lisboa 9 de dezembro de 2014 Senhor Presidente da Comissão de Concorrência da Câmara de Comércio

Leia mais

RELANÇAR PORTUGAL. Bloqueios e desafios. Ciclo de colóquios promovidos pelo IEP da UCP e pela SEDES

RELANÇAR PORTUGAL. Bloqueios e desafios. Ciclo de colóquios promovidos pelo IEP da UCP e pela SEDES RELANÇAR PORTUGAL Bloqueios e desafios Ciclo de colóquios promovidos pelo IEP da UCP e pela SEDES 4º Colóquio: Estado Social, Adequação e Sustentabilidade Neste ano de 2015, o futuro do Estado Social em

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais