Proteção do patrimônio documental e o papel do Arquivo Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteção do patrimônio documental e o papel do Arquivo Nacional"

Transcrição

1 Proteção do patrimônio documental e o papel do Arquivo Nacional TUTELA DO PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO: DESAFIOS PARA A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 11 a 13 de maio de 2010 Escola Superior do Ministério Público da União, Brasília - DF

2 O Arquivo Nacional e seu Acervo Em 1846 já tinham sido recolhidos ao Arquivo Público do Império os registros dos extintos tribunais do Desembargo do Paço e da Mesa da Consciência e Ordens, além de arquivos das Repartições Provinciais e dos vários órgãos subordinados às extintas Juntas da Fazenda dos Arsenais do Exército. Em 1877 o diretor Joaquim Pires Machado Portela relata que o Arquivo tem sob sua guarda 420 caixas de documentos organizados pelos períodos denominados Brasil-Colônia, Brasil-Reino Unido e Brasil-Império. Após 1907, o Arquivo Público Nacional, já no prédio da Praça da República 26, amplia o seu acervo para cerca de 6 km. Em 1985 o Arquivo Nacional possuía cerca de 18 km de estanterias com documentos textuais; 12 mil filmes; de fotografias; mapas e plantas, além de discos e um bom acervo bibliográfico e de obras raras.

3 O Acervo Hoje Em 2010, o Arquivo Nacional tem sob sua guarda um acervo proveniente de órgãos e entidades do Poder Público, bem como de instituições privadas e de particulares, do século XVI aos dias atuais, compreendendo: 65 Km de estanterias com documentos textuais fotografias e negativos ilustrações, caricaturas, charges e cartazes mapas e plantas discos e fitas audiomagnéticas rolos de filmes fitas videomagnéticas títulos de livros e periódicos títulos de obras raras

4 Estruturas de armazenamento Prédio-sede, no Rio de Janeiro Área ocupada pelas instalações

5 Brasília Projeto do prédio inteligente Sistemas automáticos de manutenção e armazenamento

6 A função dos arquivos Conceito: Arquivo: conjunto de documentos produzidos e acumulados por uma entidade coletiva, pública ou privada, pessoa ou família, no desempenho de suas atividades, independentemente da natureza do suporte (Dicionário Brasileiro de Terminologia, 2005) Objetivos básicos: guarda (preservação); acesso (consulta) Razão: valor de prova e de informação dos documentos

7 Características da documentação arquivística Consequências teóricas: importância do conjunto item documental tem seu valor limitado se separado do conjunto arquivos podem ser públicos ou privados, pessoais ou institucionais; pode incluir documentos de diversos gêneros documentais (textuais, iconográficos, fílmicos, tridimensionais etc.) documentos únicos, mesmo quando multicópias Conseqüências práticas, em termos de proteção física: conservação de diferentes tipos de material, exigindo políticas e práticas diversas necessidade de controle para: gestão, guarda, acesso

8 A natureza do controle da documentação arquivística Acervo arquivístico => composto por peças únicas e originais. Controle => a partir dos conceitos de proveniência e respeito aos fundos. Documento precisa ser conhecido a partir da compreensão de sua relação com o conjunto Descrição de conjuntos de documentos, constituindo dossiês, séries, seções e fundos, numa relação hierárquica que descreve simultaneamente seu conteúdo e contexto de criação. Metodologia semelhante ao conceito de entorno do patrimônio arquitetônico

9 Proteção do acervo arquivístico nacional Aposição de chancela aos documentos - Regulamento de 1876 art. 20. Todos os documentos e papéis do Arquivo serão classificados, numerados, e marcados com a seguinte chancela Arquivo Público do Império. prática vigente até a República Controle sistemático da documentação por intermédio da produção de instrumentos de pesquisa: Guia descreve todos os conjuntos; importante para Instituição e pesquisadores Inventários sumários e analíticos controle dos dossiês e itens documentais Inventário topográfico, para controle da guarda física dos documentos, identificando unidade física (livro ou caixa), depósito, estante, módulo e prateleira Sistema de proteção contra incêndios Sistema de proteção contra furtos Não entrada de documentos por compra não incentivo à existência de mercado para documentos

10 Inventário x Ações Criminosas Conhecer o acervo sob sua guarda é a melhor arma das instituições de documentação contra as ações criminosas que dilapidam o patrimônio público em prol de interesses comerciais de colecionadores inescrupulosos. Principais instituições vítimas de roubos recentes Biblioteca do Museu Nacional Fundação Biblioteca Nacional Arquivo Histórico do Itamaraty Fundação Oswaldo Cruz Arquivo Municipal da Cidade do Rio de Janeiro Biblioteca Mário de Andrade Biblioteca pública do Paraná Para atingir um nível de conhecimento que garanta a ágil identificação de itens do acervo desaparecidos e localizados nas mãos de comerciantes, é necessária a realização continuada do inventário dos acervos.

11 Proteção do acervo arquivístico nacional Assistências técnicas Arquivo Nacional - Ações positivas: Realização de trabalhos conjuntos com outros arquivos => compartilhamento de metodologia e procedimentos técnicos Guia dos arquivos estaduais Guia brasileiro de fontes para a história da África, da escravidão negra e do negro na sociedade atual Guia de arquivos brasileiros Memórias reveladas => metodologia, procedimentos e base comum Guia de fontes sobre Holanda e holandeses no Brasil Relações com IPHAN / IBRAM construção de política pública na área de informação

12 Política Nacional de Arquivos Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991 => dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados, e estabelece que são deveres do Poder Público a gestão documental e a proteção especial a documentos de arquivos, como instrumento de apoio à administração, à cultura e ao desenvolvimento científico e como elementos de prova e informação. De acordo com esta Lei, as ações com vistas à consolidação da política nacional de arquivos deverão ser emanadas do Conselho Nacional de Arquivos Conarq. O Conarq é um órgão colegiado, vinculado ao Arquivo Nacional, criado pelo art. 26 da Lei nº o

13 O Conselho Nacional de Arquivos O Conarq tem sido responsável pela sanção presidencial e aprovação de um corpus importante de decretos e resoluções regulando matérias arquivísticas como microfilmagem, classificação e acesso a documentos sigilosos, seleção, avaliação e eliminação de documentos Por sua Resolução nº 17, de 25 de julho de 2003, dispõe sobre os procedimentos relativos à declaração de interesse público e social de arquivos privados de pessoas físicas ou jurídicas que contenham documentos relevantes para a história, a cultura e o desenvolvimento nacional. A declaração de interesse público e social de arquivos privados é precedida de parecer instruído com avaliação técnica realizada por comissão especialmente constituída pelo Conarq, composta por representantes do Arquivo Nacional, da Biblioteca Nacional e do IPHAN.

14 Arquivos privados de pessoas físicas e jurídicas declarados de interesse público e social ARQUIVOS PRIVADOS PERÍODO DA DOCUMENTAÇÃO DECLARADA Associação Brasileira de Educação ABE 1924 a 2004 Atlântida Cinematográfica 1950 a 1987 Barbosa Lima Sobrinho Centro de Cidadania sob a guarda da UFRJ Berta Gleizer Ribeiro sob a guarda da Fundação Darcy Ribeiro FUNDAR Todo o acervo 1931 a 1997 Companhia Antártica Paulista 1891 a 1999 Companhia e Cervejaria Brahma 1891 a 1999 Darcy Ribeiro sob a guarda da Fundação Darcy Ribeiro FUNDAR Glauber Rocha sob a guarda do Tempo Glauber 1928 a 1997 Todo o acervo Oscar Niemeyer sob a guarda e propriedade da Fundação Oscar Niemeyer 1940 a 2007

15 O Sistema Nacional de Arquivos Criado em 1978, com a finalidade de promover o intercâmbio permanente entre os arquivos públicos e privados do País, tem por objetivo a modernização e a integração sistêmica das atividades e dos serviços arquivísticos. Sistemas/Arqui -vos do Poder Legislativo Sistemas/Arqui- vos do Poder Executivo Sistemas/Arqui -vos do Poder Judiciário Sistemas/Arqui -vos Estaduais e do DF Pessoas físicas e jurídicas de direito privado* Sistemas/Arqui -vos Municipais (*) Adesão por convênio

16 Missão do Arquivo Nacional Contribuir como agente de modernização da máquina administrativa do Estado, com ênfase na organização da documentação governamental. Colaborar na socialização da cultura nacional, assegurando o cumprimento dos direitos da cidadania quanto à questão do acesso e democratização da informação. Promover a regionalização das atividades de guarda e preservação, bem como para estimular os órgãos públicos a garantirem sob normas comuns a manutenção de seus arquivos permanentes. O desenvolvimento de uma política arquivística, em nível nacional, pauta-se cada vez mais por uma estratégia que combina a descentralização da guarda de acervos e a centralização e ampla disseminação de informações.

17 Desafios do Acesso Direito à Intimidade X Direito de Acesso à Informação: choque entre direitos fundamentais, que deve ser resolvido pela ponderação de princípios, garantindo-se o livre acesso à informação nos limites razoáveis do direito à intimidade. Sigilo X Direito de Acesso à Informação: criação de instrumentos normativos que consolidem a posição do Memórias Reveladas como pólo difusor de informação. Para tanto, o Arquivo Nacional tem se empenhado em contribuir para a construção de um Decreto que permita a desclassificação de documentos sigilosos. Projeto de Lei 5228/2009 Projeto de Lei 5228/2009: propõe a regulação do acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, inciso II do 3º e no 2º do art. 216 da Constituição Federal de 1988.

18 Conclusões A cooperação interinstitucional baseada em um arranjo combinado de sistemas e redes tem se mostrado produtiva e proveitosa à área dos arquivos, garantindo ações compartilhadas de proteção ao patrimônio documental e a integração de metodologias de controle e disponibilização da informação arquivística. Os órgãos e entidades que militam na área da proteção ao patrimônio documental são, sem dúvida, atores de uma estrutura maior que passa pela proteção do patrimônio histórico nacional, assim como por outras esferas de atuação que constituem o quadro das ações de governo. A interligação entre os sistemas de arquivos, de patrimônio histórico, de controle aduaneiro e policial trará, não só mais agilidade na consecução das missões institucionais, como a garantia de que atividades de interesse da preservação do patrimônio estarão sendo desenvolvidos por instituições que já se consolidaram em sua área de atuação.

19 Carmen Moreno Coordenadora Geral de Processamento e Preservação do Acervo do Arquivo Nacional End.: Praça da República, 173 sl. A2.05 Centro Rio de Janeiro/RJ Tel. :

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas Arquivos Públicos e Transparência Aurora Maia Dantas Informação Dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato

Leia mais

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como criar um Arquivo Público Municipal Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Arquivologia Alexandre Américo

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Arquivologia Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Arquivologia Alexandre Américo TERMINOLOGIAS ARQUIVÍSTICAS INFORMAÇÃO: resultado do processamento,

Leia mais

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA 2015 ESTUDOS DE ARQUIVO Informação Documentos Documentos de Arquivo Arquivo Arquivos Públicos Conjunto de documentos produzidos

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

SUBSÍDIOS PARA INSERÇÃO DO SEGMENTO DOS ARQUIVOS NO PROGRAMA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO NO BRASIL

SUBSÍDIOS PARA INSERÇÃO DO SEGMENTO DOS ARQUIVOS NO PROGRAMA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO NO BRASIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL ARQUIVO NACIONAL CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONARQ SUBSÍDIOS PARA INSERÇÃO DO SEGMENTO DOS ARQUIVOS NO PROGRAMA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO NO BRASIL [Esta proposição

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS 1 Divisão de Arquivo está subordinada à Coordenação de Documentação e Arquivo Atividades Arquivar e desarquivar documentos/processos; Dar orientação

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF RES. nº 669/2010 maio 2010 FOR-101 SUMÁRIO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO PARECER Nº 13/2009 Manifesta-se sobre a declaração de interesse público e social do acervo de Abdias Nascimento, sob a guarda do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros - IPEAFRO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL XI Encontro Nacional de Acervo Raro Fundação Biblioteca Nacional 30 out. 2014 Vitor Fonseca Presidente MOW Brasil Vice-presidente

Leia mais

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Profa. Dra. Sonia Troitiño Depto. de Ciência da Informação UNESP-Marília, Brasil Objetivos: 1. Discutir formas e condições de incorporação

Leia mais

Noções de Arquivologia. www.concurseiro24horas.com.br. Aula Inaugural. Prof. Kátia Quadros. Prof. Kátia Quadros 1 14

Noções de Arquivologia. www.concurseiro24horas.com.br. Aula Inaugural. Prof. Kátia Quadros. Prof. Kátia Quadros 1 14 Aula Inaugural 01 Noções de Arquivologia Prof. Kátia Quadros www.concurseiro24horas.com.br Prof. Kátia Quadros 1 14 AULA INAUGURAL DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PÓS EDITAL 1. OBSERVAÇÕES INICIAIS... 3 2.

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

Workshop "História e Memória do Desporto" Data: 10 Abril 2014 Sede do Comité Olímpico de Portugal

Workshop História e Memória do Desporto Data: 10 Abril 2014 Sede do Comité Olímpico de Portugal Workshop "História e Memória do Desporto" Data: 10 Abril 2014 Sede do Comité Olímpico de Portugal 2008 Protocolo de colaboração com o Instituto de História Contemporânea/FCSH-UNL, com vista a apoio técnico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como:

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como: Manual de Arquivo IINTRODUÇÃO A elaboração do presente manual de arquivo tem como objetivo disponibilizar um instrumento de auxílio aos usuários dos arquivos setoriais, intermediário e permanente que integram

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ

Leia mais

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal LEI Nº 1381/2015 Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Municipal de Rubineia, define as diretrizes da política municipal de arquivos públicos e privados e cria o Sistema Municipal de Arquivos SISMARQ.

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS Marciana Leite Ribeiro Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais SubSIGA/INPE I Ciclo de Palestras sobre Gestão Arquivística

Leia mais

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público.

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. BENEFICIADOS: Administração Estadual. Pesquisadores. Entidades científicas brasileiras. Demais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013

RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013 RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013 Cria o Arquivo Central (ACE) e o Sistema de Arquivos (SAUnB) da Fundação Universidade de Brasília, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO E REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições Anexo I Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1 Definições Para efeitos do presente Decreto, estabelecem-se as seguintes definições: a) Arquivo: o conjunto de

Leia mais

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013.

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA ARQUIVO NACIONAL Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. O DIRETOR-GERAL DO ARQUIVO NACIONAL, no uso de suas atribuições, previstas no art. 45 do Anexo I do Decreto

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1.º O ARQUIVO CENTRAL (ACE) é órgão de natureza complementar da Fundação Universidade

Leia mais

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Roberto Tonera Projeto Fortalezas Multimídia - Universidade Federal de Santa Catarina Brasil projeto@fortalezasmultimidia.com.br artonera@hotmail.com

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL,

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, LEI N.º 836/2007, DE 12 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a oficialização e denominação do Arquivo Público Municipal e sobre a política municipal de arquivos públicos e privados no âmbito do Município, cria

Leia mais

Programa ADAI Projetos Brasileiros

Programa ADAI Projetos Brasileiros Programa ADAI Projetos Brasileiros Brasil 1999 1ª Convocatória Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte: Conservação preventiva de acervo audiovisual. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami:

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

A Gestão Documental e a sua importância para os órgãos e entidades da Administração Pública Federal

A Gestão Documental e a sua importância para os órgãos e entidades da Administração Pública Federal A Gestão Documental e a sua importância para os órgãos e entidades da Administração Pública Federal A Lei de Arquivos: 8.159, de 8 de janeiro de 1991 Marco jurídico de importância para o país, viabilizando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

DECLARAÇÃO DO MÉXICO

DECLARAÇÃO DO MÉXICO DECLARAÇÃO DO MÉXICO No encerramento IV FÓRUM IBERO-AMERICANO DA AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS, realizado na cidade de México D.F., no período de 23 a 25 de maio de 2012, os membros do Grupo da Reflexão do Projeto

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências Professor Francisco Carlos M. da Conceição DECRETO Nº 6.835, DE 30 DE ABRIL DE2009. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008.

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008. DECRETO Nº 25624 de 17 de julho de 2008. Dispõe sobre a Gestão de Documentos, os Planos de Classificação e a Tabela de Temporalidade de Documentos e define normas para avaliação, guarda e destinação de

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Encontro Internacional de Arquivos Universidade de Évora 3-4 de Outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 ÁREA: PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL Os representantes de preservação audiovisual, presentes ao Fórum do Audiovisual Paranaense, reconhecendo

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Projeto InterPARES Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Cláudia Lacombe Rocha Audiência Pública sobre Gestão Eletrônica de Documentos desafios e perspectivas 5 de julho de 2011 - Brasília

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Levantamento da Produção Documental do MPPR

Levantamento da Produção Documental do MPPR Levantamento da Produção Documental do MPPR Atividade-meio Curitiba/PR, Julho de 2014 1/3 PROGRAMA Módulo I: Noções Básicas de Gestão Documental; Módulo II: Gestão Documental do MPPR; Módulo III: Levantamento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, da

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

Questões comentadas de Arquivologia para concursos

Questões comentadas de Arquivologia para concursos 580 Questões Comentadas de Apostila amostra Para adquirir a apostila de 580 Questões Comentadas de Arquivologia Para Concursos acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br SUMÁRIO Apresentação...2 Conceitos

Leia mais

Questão 1: As atividades apresentadas a seguir fazem parte das rotinas de protocolo, EXCETO:

Questão 1: As atividades apresentadas a seguir fazem parte das rotinas de protocolo, EXCETO: Questão 1: As atividades apresentadas a seguir fazem parte das rotinas de protocolo, EXCETO: a) distribuir a correspondência particular. b) abrir a correspondência sigilosa. c) verificar a existência de

Leia mais

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL Edna Maria da Silva Matte 1 ; Graziela Boreck Rosa 2 ; Josilda Rodrigues Souza 3 ; Marcia Correia de Souza 4 ; Marizete Aparecida Schulz de Souza5 Agente Universitária vinculada

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

Programa Museu na Escola PREMISSAS INTRODUÇÃO

Programa Museu na Escola PREMISSAS INTRODUÇÃO O Programa Museu na Escola é uma iniciativa do Museu da Família no sentido de promover processos museológicos em escolas e outras instituições de ensino visando à preservação da memória e a educação patrimonial.

Leia mais

Programas e Projetos Culturais

Programas e Projetos Culturais Programas e Projetos Culturais A Diret etoria de Assuntos Culturais tem como mis- são principal preserv eservar as tradições, a memória e os va- lores culturais e históricos do Exércit cito. Consubstanciados

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 040/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ARRANJO INSTITUCIONAL O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS - CONCEITO - LEGISLAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO/APLICAÇÃO - TREINAMENTO

GESTÃO DE DOCUMENTOS - CONCEITO - LEGISLAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO/APLICAÇÃO - TREINAMENTO GESTÃO DE DOCUMENTOS - CONCEITO - LEGISLAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO/APLICAÇÃO - TREINAMENTO CC(T) CLÁUDIA DRUMOND DIRETORIA DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DOCUMENTAÇÃO DA MARINHA DPHDM CONCEITO Considera-se Gestão

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS E TABELA DE TEMPORALIDADE

AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS E TABELA DE TEMPORALIDADE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS E TABELA DE TEMPORALIDADE 1 Salve, salve, concurseiros!!! Nesta aula abordaremos dois temas inseparáveis no contexto da Arquivologia: a avaliação de documentos e a tabela de temporalidade

Leia mais

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos 1/7 2. Técnicas de atendimento (presencial e a distância) ao cliente interno e externo: técnicas de triagem, organização e registro fluxo documental; planejamento e organização do ambiente de trabalho/

Leia mais

MAPEAMENTO DOS SITES DE ARQUIVOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DO BRASIL: UMA ANÁLISE VIRTUAL.

MAPEAMENTO DOS SITES DE ARQUIVOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DO BRASIL: UMA ANÁLISE VIRTUAL. Jailson Freitas da Silva 4º Semestre de Arquivologia Noturno Universidade Federal da Bahia MAPEAMENTO DOS SITES DE ARQUIVOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DO BRASIL: UMA ANÁLISE VIRTUAL. Roteiro 1 Como surgiu

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

Fundação para a Ciência e a Tecnologia, IP.

Fundação para a Ciência e a Tecnologia, IP. Fundação para a Ciência e a Tecnologia, IP. Jornada Gestão da informação arquivística numa Administração Pública renovada 20 de Outubro 2011 Projecto de tratamento e divulgação do arquivo da Fundação para

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre o funcionamento do Museu do Judiciário Catarinense. O DIRETOR-GERAL JUDICIÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, considerando

Leia mais

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU 1 INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU Organizado por: Ana Claudia de Carvalho Cabral Lopes 2012 2 SUMÁRIO Conteúdo SUMÁRIO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 INTRODUÇÃO... 5

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

A preservação dos documentos da Justiça do Trabalho 1

A preservação dos documentos da Justiça do Trabalho 1 A preservação dos documentos da Justiça do Trabalho 1 A globalização produziu um acentuado processo de perda de identidade individual e de comunidades. No final do século XX, o mundo assistiu a um acentuado

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais