UTILIZAÇÃO DE UM APLICATIVO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (HIS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DE UM APLICATIVO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (HIS)"

Transcrição

1 RODRIGO PORTO OLIVEIRA UTILIZAÇÃO DE UM APLICATIVO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (HIS) NATAL - RN MARÇO DE 2010

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO RODRIGO PORTO OLIVEIRA UTILIZAÇÃO DE UM APLICATIVO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (HIS) NATAL - RN MARÇO DE 2010

3 Catalogação da Publicação na Fonte. UFRN / Biblioteca Setorial de Arquitetura Oliveira, Rodrigo Porto. Utilização de um aplicativo de simulação computacional na avaliação de desempenho térmico de protótipo de habitação de interesse social (HIS) / Rodrigo Porto Oliveira. Natal, RN, f.: il. Orientador: Virgínia Maria Dantas de Araújo. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Tecnologia. Departamento de Arquitetura. 1. Habitação Dissertação. 2. Desempenho térmico Dissertação. 3. Simulação computacional Dissertação. 4. DesignBuilder Dissertação. I. Araújo, Virgínia Maria Dantas de. II. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. III. Título. RN/UF/BSE-ARQ CDU 728.1

4 RODRIGO PORTO OLIVEIRA UTILIZAÇÃO DE UM APLICATIVO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (HIS) Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo, PPGAU, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, tendo como Orientadora, a Professora Doutora Virgínia Maria Dantas de Araújo, como requisito à obtenção do título de Mestre em Arquitetura e Urbanismo NATAL - RN MARÇO DE 2010

5 Ao meu pai, exemplo nesta difícil caminhada; Á minha mãe, minha fortaleza.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, grande criador do universo; À minha esposa Milena, pela paciência, compreensão e essencial amor; À minha orientadora Virgínia Araújo, pelo valoroso e essencial trabalho na condução dessa pesquisa; Ao colega, arquiteto Leonardo Cunha, pela grande ajuda em horas difíceis, na realização de diversas tarefas deste trabalho; À professora Flora Mendes, pelo incentivo fundamental à realização do mestrado; Ao professor George Marinho, pela disponibilidade e cessão do protótipo do projeto Habitare, essencial na realização deste trabalho; Ao CNPq, pela bolsa concedida; À amiga e colega, arquiteta Sheila Oliveira de Carvalho, pelo incentivo em horas difíceis; Aos meus amigos que, de uma forma geral, colaboraram com esta pesquisa;

7 RESUMO A presente dissertação de mestrado teve como objetivo estudar comparativamente os dados das temperaturas do ar internas simuladas através de um aplicativo computacional de simulação térmica, o DesignBuilder 1.2, e os dados registrados in loco através do HOBO Temp Data Logger, em protótipo de Habitação de Interesse Social (HIS), localizado no Campus Central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN. O referido protótipo foi projetado e construído buscando estratégias de conforto térmico recomendadas para o clima do local de estudo, e construído com painéis de concreto celular pela Construtora DoisA, interventora do projeto de pesquisa REPESC Rede de Pesquisa em Eficiência Energética de Sistemas Construtivos, integrante do programa Habitare. A metodologia utilizada partiu da problemática, realizando uma revisão bibliográfica, que levantou os principais aspectos relacionados às simulações computacionais de desempenho térmico de edificações, como a caracterização climática da região objeto de estudo e às exigências de conforto térmico de usuários. O aplicativo computacional DesignBuilder 1.2 foi o utilizado como ferramenta de simulação, realizando alterações teóricas no protótipo e comparando-os com os parâmetros de conforto térmico adotados, com base na literatura técnica atual da área. As análises dos resultados dos estudos comparativos foram realizadas através de saídas gráficas para a compreensão das amplitudes de temperatura do ar e situações de conforto térmico. Os dados utilizados para a caracterização da temperatura do ar externa foi o Test Reference Year (TRY), definidos para a região de estudo (Natal-RN). Neste sentido, também foram realizados estudos comparativos do TRY com os dados registrados nos anos 2006, 2007 e 2008, na estação climática Davis Precision Station, localizada no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE-CRN, em terreno contíguo ao Campus Central da UFRN. Dos estudos comparativos entre as simulações computacionais e os registros in loco realizados no protótipo objeto de estudo, conclui-se que simulações em edificações naturalmente ventiladas é uma tarefa complexa devido às limitações dos aplicativos, principalmente devido à complexidade do fenômeno de escoamento do ar, da influência das condições de contorno da área e dos registros climáticos. Por fim, quanto à utilização do aplicativo DesignBuilder 1.2 no presente estudo, pode-se definir como uma boa ferramenta de simulação computacional. Todavia, há necessidade de alguns ajustes para maior confiabilidade na sua utilização, tendo a necessidade de continuação da pesquisa considerando a ocupação de usuários no protótipo, bem como as cargas térmicas de equipamentos, no sentido de aferição de sua sensibilidade. Palavras chave: Desempenho térmico; Simulação computacional; DesignBuilder.

8 ABSTRACT This Masters Degree dissertation seeks to make a comparative study of internal air temperature data, simulated through the thermal computer application DesignBuilder 1.2, and data registered in loco through HOBO Temp Data Logger, in a Social Housing Prototype (HIS), located at the Central Campus of the Federal University of Rio Grande do Norte UFRN. The prototype was designed and built seeking strategies of thermal comfort recommended for the local climate where the study was carried out, and built with panels of cellular concrete by Construtora DoisA, a collaborator of research project REPESC Rede de Pesquisa em Eficiência Energética de Sistemas Construtivos (Research Network on Energy Efficiency of Construction Systems), an integral part of Habitare program. The methodology employed carefully examined the problem, reviewed the bibliography, analyzing the major aspects related to computer simulations for thermal performance of buildings, such as climate characterization of the region under study and users thermal comfort demands. The DesignBuilder 1.2 computer application was used as a simulation tool, and theoretical alterations were carried out in the prototype, then they were compared with the parameters of thermal comfort adopted, based on the area s current technical literature. Analyses of the comparative studies were performed through graphical outputs for a better understanding of air temperature amplitudes and thermal comfort conditions. The data used for the characterization of external air temperature were obtained from the Test Reference Year (TRY), defined for the study area (Natal-RN). Thus the author also performed comparative studies for TRY data registered in the years 2006, 2007 and 2008, at weather station Davis Precision Station, located at the Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE-CRN (National Institute of Space Research), in a neighboring area of UFRN s Central Campus. The conclusions observed from the comparative studies performed among computer simulations, and the local records obtained from the studied prototype, point out that the simulations performed in naturally ventilated buildings is quite a complex task, due to the applications limitations, mainly owed to the complexity of air flow phenomena, the influence of comfort conditions in the surrounding areas and climate records. Lastly, regarding the use of the application DesignBuilder 1.2 in the present study, one may conclude that it is a good tool for computer simulations. However, it needs some adjustments to improve reliability in its use. There is a need for continued research, considering the dedication of users to the prototype, as well as the thermal charges of the equipment, in order to check sensitivity. Key-words: Thermal performance; Computer simulation; DesignBuilder.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 01: Imagem da região de Natal-RN 24 Figura 02: Climas controlados por massas de ar 25 Figura 03: Gráfico da temperatura do ar média nos períodos diários de Natal 28 Figura 04: Carta com estratégias bioclimáticas para Natal 33 Figura 05: Foto da Estação climática Davis Precision Weather Station, localizada no INPE-CRN 40 Figura 06: Velocidade interna em função da relação do tamanho das aberturas e direção dos ventos para 45º e Figura 07: Fluxograma da Metodologia Proposta para a pesquisa. 50 Figura 08: Planta baixa do protótipo de Habitação de Interesse Social. 46 Figura 09: Perspectiva do protótipo de Habitação de Interesse Social. 52 Figura 10: Foto da fachada frontal do Protótipo 53 Figura 11: Foto da fachada posterior do Protótipo 53 Figura 12: Tela de definição da espessura e material de cada camada 55 Figura 13: Tela de composição das camadas escolhidas. 55 Figura 14: Tela de características Físicas como transmitância térmica e absortância já calculados pelo DesignBuilder após a escolha das camadas e materiais 56 Figura 15: Tela de dados do Local ou Location Data. 57 Figura 16: Tela de dados de ocupação do edifício, desde as taxas metabólicas até listagem de equipamentos presentes no interior do edifício. 58 Figura 17: Tela de dados de elementos construtivos do objeto modelado 59 Figura 18: Tela de definição da operação de aberturas. 60 Figura 19: Tela de definição do tipo de iluminação artificial, bem como a operação das luminárias e o calor gerado por elas no ambiente interno. 61 Figura 20: Tela de definição do controle do ar-condicionado e ventilação natural,alem dos níveis de infiltração de ar externo no interior do modelo. 62 Figura 21: Fluxograma dos Gerenciadores que organizam o funcionamento do DesignBuilder Figura 22: Localização do protótipo de Habitação de Interesse Social no Campus Central da UFRN. 66 Figura 23: Gráfico do comportamento dos dias típicos de temperatura para a região de estudo. 67 Figura 24: HOBO, para as medições de temperatura do ar 68

10 Figura 25: Planta Baixa do Protótipo utilizado como objeto de estudo nas medições e indicação da localização da aparelhagem. 72 Figura 26: Foto da fixação dos dataloggers no interior do protótipo em estudo 72 Figura 27: Tela do protótipo modelado no DesignBuilder 1.2 sem as proteções das aberturas primeira modelagem para arquivamento dos resultados, para posterior comparação com a modelagem do projeto original (com proteções). 73 Figura 28: Planta baixa do protótipo em sua real implantação. 74 Figura 29: Gráfico de freqüência de horas em que o protótipo base se encontra dentro da Zona de Conforto escolhida para análise neste estudo. 77 Figura 30: Gráfico de cargas de aquecimento e resfriamento do protótipo modelado sem proteções solares. 78 Figura 31: Gráfico de freqüência de horas em que o protótipo base se encontra dentro da Zona de Conforto escolhida, em relação ao caso base. 80 Figura 32: Gráfico de cargas de aquecimento e resfriamento do protótipo modelado rotacionado 60 no sentido anti-horário 81 Figura 33: Gráfico de freqüência de horas dentro da zona de conforto escolhida em relação ao meio externo e o caso base. 83 Figura 34: Gráfico de cargas de aquecimento e resfriamento do protótipo modelado. 84 Figura 35: Gráfico de freqüência de horas dentro da zona de Conforto escolhida em relação ao meio externo e o caso base. 85 Figura 36: Gráfico de cargas de aquecimento e resfriamento do protótipo modelado. 86 Figura 37: Gráfico de freqüência de horas dentro da zona de Conforto escolhida em relação ao meio externo e o caso base. 88 Figura 38: Gráfico de cargas de aquecimento e resfriamento do protótipo modelado. 89 Figura 39: Gráfico de freqüência de horas dentro da zona de Conforto escolhida em relação ao meio externo e o caso base. 91 Figura 40: Gráfico de cargas de aquecimento e resfriamento do protótipo modelado. 92 Figura 41: Gráfico de freqüência de horas dentro da zona de Conforto escolhida em relação ao meio externo e o caso base. 93 Figura 42: Gráfico de cargas de aquecimento e resfriamento do protótipo modelado. 94 Figura 43: Foto da vedação das aberturas do protótipo 95

11 Figura 44: Gráfico de freqüência de horas dentro da zona de Conforto escolhida em relação ao meio externo e o caso base. 96 Figura 45: Gráfico das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 2, referente ao quarto da frente da HIS em análise 97 Figura 46: Gráfico das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 4, referente cozinha da HIS em análise. 97 Figura 47: Gráfico das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 3, referente ao quarto fundos da HIS em análise. 98 Figura 48: Comparação entre os dados de temperatura externa TRY e os coletados na estação do INPE-CRN, em um dia típico no período de medição. 101 Figura 49: Comparação entre os dados de temperatura externa TRY e os coletados na estação do INPE-CRN, em médias. 102 Figura 50: Gráfico das temperaturas internas das Zonas térmicas dos dados simulados no primeiro dia de medições. 103 Figura 51: Gráfico das temperaturas internas das Zonas térmicas dos dados medidos no primeiro dia de medições 104 Figura 52: Gráfico comparativo das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 2, referente ao quarto da frente, em todos os dias de medição. 105 Figura 53: Gráfico comparativo das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 2, referente ao quarto da frente, em um dia típico no período de medições. 105 Figura 54: Gráfico comparativo das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 2, referente ao quarto dos fundos, em todos os dias de medição. 106 Figura 55: Gráfico comparativo das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 3, referente ao quarto dos fundos, em um dia no período de medições. 107 Figura 56: Gráfico comparativo das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 4, referente à média de temperaturas da sala e cozinha, em todos os dias de medição. 108 Figura 57: Gráfico comparativo das temperaturas internas medidas e simuladas da Zona 3, referente à média entre sala e cozinha, em um dia típico no período de medições. 108

12 LISTA DE TABELAS Tabela 01: Temperatura de conforto térmico para climas quentes e úmidos e/ou países tropicais em desenvolvimento 34 Tabela 02: Características dos materiais construtivos básicos do protótipo de HIS modelada no DesignBuilder LISTA DE QUADROS Quadro 01: Nomenclatura dos Ambientes da HIS 103

13 LISTA DE SIGLAS E ABREVIAÇÕES ASHRAE American Society of Heating, Refrigeration and Air Conditioning Engineers CIBSE Chartered Institute of Buildings Services Engineering CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte LABCON Laboratório de Conforto Ambiental do curso de Arquitetura e Urbanismo DOE Department of Energy of U.S.A. HVAC Heating, Ventilation and Air Conditioning PROCEL Programa Nacional de Combate ao Despedício de Energia Elétrica TRY Test Reference Year TMY Tipical Meteorological Year PPGAU Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas APO Avaliação Pós Ocupação HIS Habitação de Interesse Social IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas EPE Empresa de Pesquisa Energética INEMET Instituto Nacional de Meteorologia CFD Computational Fluid Dynamics DFC Dinâmica Computacional dos Fluidos REPESC Rede de Pesquisa em Eficiência Energética de Sistemas Construtivos PBCP Associação Brasileira de Cimento Portland

14 LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIAÇÕES RESUMO ABSTRACT Sumário INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A Produção da Arquitetura e o Desempenho Térmico Características climáticas da região de estudo Estratégias Bioclimáticas recomendadas para o Clima Quente e Úmido Critério de Conforto Térmico para a região de estudo Simulação computacional do Desempenho Térmico de Edificações Variáveis Climáticas Variáveis de Projeto METODOLOGIA O Objeto de Estudo O DesignBuilder 1.2 como ferramenta de Simulação Metodologias de Cálculo do DesignBuilder Plano de Medições Tratamento dos Dados Climáticos Simulações Limitações e Simplificações do Aplicativo Simulação do Protótipo nas condições reais de implantação RESULTADOS E DISCUSSÕES Simulação do Protótipo alteração Simulação do Protótipo alteração Simulação do Protótipo alteração Simulação do Protótipo alteração Simulação do Protótipo alteração Simulação do Protótipo alteração Experiência com o protótipo totalmente fechado Considerações sobre as simulações Resultados obtidos por medições no local CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE 122

15 INTRODUÇÃO O problema da adequação da arquitetura ao clima tem sido objeto de estudo em grandes centros de pesquisa. Porém, países desenvolvidos, que outrora eram símbolos de estilo hightech, com muito vidro e aço, agora retomam os materiais menos agressivos ao meio natural, e se preocupam com estratégias para poupar energia, respeitando a natureza e o entorno onde se insere e, sobretudo, promovendo o conforto, sem esquecer a questão estética. A redução do impacto ambiental gerado pelas edificações nos países desenvolvidos é uma das grandes preocupações de seus gestores. Para exemplificar isto, cita-se aqui os Estados Unidos que, segundo Edwards (2004), é o país que mais consome energia no mundo. Somente no setor residencial são consumidos 21% do total de energia gerada. A preocupação em desenvolver métodos de desempenho térmico nas habitações americanas se deve à grande quantidade de aparelhos de resfriamento e/ou aquecimento de ar. Este dado está diretamente relacionado ao alto padrão de vida dos cidadãos do país, que têm condições de arcar com as despesas geradas pelos equipamentos de condicionamento artificial. Em países em desenvolvimento, como o Brasil, o cenário é diferente. Os critérios de avaliação do desempenho térmico de edificações, adotados em países como os EUA, são inapropriados para o clima tropical brasileiro. O baixo número de aparelhos de condicionamento de ar no país também representa um obstáculo à validação desses critérios, já que esses softwares foram desenvolvidos para climas onde só é possível reproduzi-los com esses aparelhos. Pode-se acrescer isso ao baixo poder aquisitivo da população, trazendo para a maioria das habitações brasileiras, sistemas de ventilação mecânica ou passiva. Existem normas que são 15

16 empregadas na avaliação de conforto de edificações, como a ISO-7730 (2005) e a ASHRAE Standard 55 (2004). A primeira contém estudos dos modelos adaptativos adotados por Fanger (1972). A última inclui estudos de um modelo adaptativo de conforto térmico. Porém, o uso destas normas só é aceito pela falta de referências adequadas, o que torna essencial a avaliação do conforto térmico de cada região, e suas devidas condições e peculiaridades. Segundo Jones (2002), todos os modelos térmicos nas normas de conforto são no máximo uma aproximação da realidade, ou seja, desenvolvidos a partir de determinadas condições. No Brasil, existem normas de desempenho térmico e energético, dentre elas a NBR (ABNT, 2005) - Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento Bioclimático Brasileiro e Diretrizes Construtivas para Habitações Unifamiliares de Interesse Social, que trazem recomendações para a melhoria do comportamento térmico e energético dos edifícios brasileiros. No nordeste brasileiro, mais precisamente em Natal-RN, estudos sobre o assunto já foram desenvolvidos pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGAU-UFRN), por Araújo (2001) e Oliveira (2006). O primeiro, de Araújo (2001), realizou um estudo de campo em edificações escolares e seus usuários, determinando parâmetros das variáveis ambientais que propiciam o conforto térmico, a partir da APO (Avaliação Pós- Ocupação), confrontando-os com os índices de conforto térmico comumente utilizados no Brasil, a fim de validar a adoção de algum deles à realidade do objeto de estudo. O trabalho deixou claro que merece estudos posteriores, com o intuito de correlacionar os dados encontrados com a inércia térmica das edificações pesquisadas, no sentido de comprovar as recomendações de projeto adotadas para Natal-RN. Já o trabalho desenvolvido por Oliveira (2006) abordou questões relacionadas ao desempenho térmico de habitações unifamiliares no clima quente e úmido e sua avaliação através de simulação computacional, na fase de projeto, buscando uma forma de melhor analisar a decisão arquitetônica e assim promover o entendimento do comportamento térmico dessas habitações. Foi escolhido o programa VisualDOE (DOE, 2008), disponível na época, e que, segundo o próprio 16

17 Oliveira (2006), apresentou limitações quanto à medição da velocidade do ar, propondo estudos futuros com programas mais avançados. Assim, o presente estudo busca trabalhar com dados de temperatura do ar coletados em um protótipo de Habitação de Interesse Social (HIS), localizado no Campus Central da UFRN, na cidade de Natal, de clima quente e úmido de baixa latitude, semelhante ao existente em algumas cidades litorâneas do nordeste brasileiro. Nas simulações, foi utilizado o aplicativo computacional DesignBuilder 1.2, recentemente desenvolvido pela DesignBuilder Software (DESIGNBUILDER, 2008). Há hipótese que o DesignBuilder é capaz de fornecer excelentes resultados, que serão comparados e discutidos ao longo deste trabalho. Este estudo poderá fornecer à área de conhecimento da Arquitetura e Urbanismo informações pertinentes a melhores formas de projeto com o uso de simulação térmica. Assim, os resultados desta pesquisa poderão contribuir para um melhor aproveitamento dos recursos naturais disponíveis no local de projeto, promovendo, a longo prazo, uma economia de energia por parte do setor residencial da cidade de Natal, no Estado do Rio Grande do Norte. O aplicativo utilizado é capaz de fornecer dados de temperaturas do ar internas e externas ( C), umidade relativa do ar (%), dentre outros, necessários à avaliação de desempenho térmico do objeto arquitetônico, fornecendo subsídio à propostas de melhorias projetuais que podem levar o mesmo ao equilíbrio térmico. O objeto de estudo é definido como o desempenho térmico de um protótipo de Habitação de Interesse Social (HIS) condicionado passivamente. A pesquisa está contextualizada para o clima da cidade de Natal no Estado do Rio Grande do Norte RN (Latitude 5º55, Longitude 35º15 ), pertencente à Zona Bioclimática Z8, clima quente úmido, de acordo com a norma da ABNT , de Desempenho Térmico de Edificações Parte 3, que divide o país em oito zonas bioclimáticas homogêneas quanto ao clima (ABNT, 2005). 17

18 Este trabalho está estruturado em cinco partes. Na Introdução, estão expostos: a problemática, os objetivos, a relevância deste estudo, a contextualização e a estrutura. No Capítulo da Revisão Bibliográfica estão apresentados assuntos referentes à arquitetura bioclimática, sustentabilidade, desempenho térmico de edificações, conforto térmico, e outros. Além disso, será apresentado o clima da cidade objeto de estudo, fazendo um link com a simulação computacional e apresentação do DesignBuilder, aplicativo escolhido para esta pesquisa. Em seguida, serão apresentadas estratégias bioclimáticas para o clima quente e úmido, analisando as principais variáveis envolvidas rumo à melhor situação térmica local. No Capítulo da Metodologia, são apresentados procedimentos de pesquisa, tais como materiais e ferramentas utilizadas nas medições in loco, as variáveis a serem utilizadas na avaliação de conforto térmico do protótipo. O Capítulo 4 se inicia com a apresentação dos resultados obtidos nas simulações e medições in loco, sendo em seguida esses resultados analisados e discutidos, a fim de testar a sensibilidade do aplicativo computacional utilizado como ferramenta de avaliação de desempenho térmico de edificações em locais de clima quente e úmido de baixa latitude. No Capítulo 5, Considerações Finais e Conclusões é feita uma análise dos resultados, sendo posteriormente apresentadas as limitações e dificuldades de metodologia, sendo feitas recomendações para estudos futuros sobre a problemática. 18

19 1.0. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1. A PRODUÇÃO DA ARQUITETURA E O DESEMPENHO TÉRMICO A evolução tecnológica pós-revolução Industrial modificou o panorama da concepção arquitetônica. O arquiteto foi direcionado a buscar soluções distantes das que levavam em consideração os elementos naturais. Embora fossem encontrados nesse período exemplos arquitetônicos notáveis nos quais se identificam a manutenção de princípios bioclimáticos, os desenvolvimentos na área de sistemas estruturais, na produção do vidro e, posteriormente, no advento da luz elétrica contribuíram para retirar a função de fontes de luz primárias (JANNUZZI, DANELLA e SILVA, 2004). O embargo do petróleo no início da década de 70 e o conseqüente aumento dos preços da energia levaram a sociedade a forçar os setores a reavaliar suas praticas de uso desta. Medidas emergenciais, como conservar os recursos simplesmente por não usá-los, deram início a um movimento pela conscientização do uso racional de energia. O embargo acabou, porém os preços continuaram elevados e, além disso, a sociedade foi forçada a encarar e apontar soluções para a crescente degradação ambiental do planeta. Com essa pressão e a oportunidade de uma resposta mais sensível e efetiva para uma mudança de perspectiva no projeto do ambiente construído, a atenção tem se voltado para estratégias de eficiência energética através do uso mais racional dos recursos naturais. 19

20 Ainda de acordo com Jannuzzi, Danella e Silva (2004), em 1981 foi criado o CONSERVE pelo Conselho Nacional de Petróleo. Foi o primeiro programa de eficiência energética de peso em nível nacional e estava sob a coordenação do então Ministério da Indústria e Comércio. O objetivo desse programa era a conservação de energia e a substituição de derivados do petróleo por eletricidade no setor industrial. Paralelamente, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, também elaborou uma série de estudos e materiais de divulgação nesse sentido. Observou-se que a conservação da energia ficou muito aquém do esperado, se considerado o forte período de recessão industrial verificado no início da década de 80. Somente os setores de Papel e Celulose e de Siderurgia obtiveram resultado expressivo, e em menor quantidade, os setores Energético e Petroquímico. Em 1985, foi criado o Programa de Combate ao Desperdício de Energia Elétrica - PROCEL. O foco inicial do PROCEL estava voltado ao combate ao desperdício de eletricidade, tanto na produção, quanto no uso da energia elétrica. Na década de 90, o programa teve seu escopo ampliado, tornando-se um programa de governo, e não mais setorial. Atualmente, o programa é coordenado pelo Ministério de Minas e Energia e executado pela ELETROBRÁS. O financiamento dos projetos conta com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES, e da própria ELETROBRÁS. No período de 1994 a 2003, o PROCEL conseguiu evitar a geração adicional de GWh de energia elétrica (PROCEL, 2003). Mesmo com programas de conservação de energia promovidos, observase muitas vezes em diversos projetos o descaso com esse critério, de forma que o profissional da arquitetura e engenharia não tem contemplado seus trabalhos com diretrizes de eficiência energética. Se para o cliente ou investidor o interesse e o apoio a uma posição de uso mais eficiente da energia passam por uma análise de custo-benefício, para o arquiteto a questão é bastante diferente (LAMBERTS, DUTRA E PEREIRA, 2004). A tarefa assume outra magnitude, exigindo uma reavaliação dos métodos e 20

21 estratégias de projeto. Isso exige a retomada de um conhecimento básico necessário para o resgate da função perdida de projetista integrador. Ainda que as fundamentais decisões pautadas com o desempenho da edificação sejam tomadas pelo projetista, o trabalho deste profissional vem apontado para seu descuido para com o desempenho térmico e energético. A principal causa é a falta de entendimento do impacto das decisões sobre os fenômenos físicos que ocorrem entre as condições de contorno, a edificação e o seu usuário. A partir daí, observa-se o não comprometimento com o atendimento às condições térmicas e fatores climáticos favoráveis ao usuário no ambiente construído, implicando na perda do bem-estar físico e mental, em baixa produtividade, ou até mesmo no comprometimento da saúde dos usuários das edificações projetadas. Os fatores climáticos atuam de forma intrínseca na natureza. A ação simultânea das variáveis climáticas terá influência no espaço arquitetônico construído. Segundo Lamberts, Dutra e Pereira (2004), as variações climáticas são atribuídas a elementos de controle, tais como: proximidade à água (pois a água se aquece ou esfria mais rapidamente que a terra), altitude (a temperatura do ar tende a diminuir com o aumento da altitude), barreiras montanhosas e correntes oceânicas. As cidades estão crescendo em ritmo cada vez mais acelerado e com elas as indústrias e atividades urbanas proliferam. A cobertura vegetal dá lugar a inúmeros tipos de materiais, com diferentes comportamentos térmicos, tornando a paisagem cinzenta e agravando cada vez mais a situação climática. Dessa forma, a área urbana se torna mais quente que a área rural durante parte do dia e a maior parte da noite. Nas noites de verão, pouca diferença é percebida na temperatura, mesmo após as áreas periféricas já terem dispersado grande parte do calor do dia. Santamouris, em pesquisas de 2001 em 30 cidades e áreas suburbanas próximas a Atenas, encontrou diferenças de temperatura de até 15ºC e em média de 10ºC (SANTAMOURIS apud WILLIAMSON, 2001). 21

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS Luis Fernando Malluf Sanchez Faculdade de Engenharia Civil CEATEC luis.fms1@puccampinas.edu.br Claudia Cotrim Pezzuto Faculdade

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Construção Metálica Escola de Minas Universidade Federal de Ouro Preto arquitetura bioclimática e desempenho térmico t de edificações Henor Artur de Souza

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. Adeildo Cabral da Silva, Professor-Pesquisador, Construção Civil, Centro Federal de

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES POPULARES NO MUNICÍPIO DE AMORINÓPOLIS GO: período de inverno. 1

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES POPULARES NO MUNICÍPIO DE AMORINÓPOLIS GO: período de inverno. 1 AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES POPULARES NO MUNICÍPIO DE AMORINÓPOLIS GO: período de inverno. 1 Valdir Specian¹; Priscilla Daiane Soares Martins²; Elis Dener Lima Alves³ ¹Orientador, docente

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR 1 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR RESUMO Tiago Arent Longo (1); Luiz César de Castro (2) UNESC Universidade

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas As definições de clima e tempo frequentemente são confundidas. Como esses dois termos influenciam diretamente nossas vidas, é preciso entender precisamente o que cada um significa e como se diferenciam

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO Angelina D. L. Costa (1); Eduardo R. V. de Lima (2); Joel S. dos Santos (3); Neusa Paes Leme (4); Rayssa A. de Lira (5); Caroline M. Cevada

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conceito mais atual de conforto térmico é aquele que relaciona

Leia mais

PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO

PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO Arq. MSc. Eduardo Grala da Cunha Universidade de Passo Fundo/RS, Unochapecó/SC, e-mail: egcunha@terra.com.br.

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL José Eduardo Castro de Almeida (1); Ricardo C. Cabús (2) (1) Universidade Federal de Alagoas, Rua José de Alencar, 318 Farol Maceió/AL,

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 10

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 10 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 10 PSICROMETRIA PSICROMETRIA PSICROMETRIA CARTA PSICROMÉTRICA ESTUDOS CLÁSSICOS Olgyay Givoni, Fanger PREOCUPAÇÃO COM O EDIFÍCIO E SEU DESEMPENHO

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG

IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG TAVARES, Laura Resende (1); AMORIM, Cláudia Naves David (2) (1) Departamento de Tecnologia Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DE HABITAÇÃO EM CLIMA QUENTE-ÚMIDO COM CONDICIONAMENTO PASSIVO

ANÁLISE DE MÉTODOS DE PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DE HABITAÇÃO EM CLIMA QUENTE-ÚMIDO COM CONDICIONAMENTO PASSIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO Bianca de Abreu Negreiros ANÁLISE DE MÉTODOS DE PREDIÇÃO DE CONFORTO

Leia mais

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br TELHADO VERDE E A INFLUÊNCIA NO CONFORTO TÉRMICO EM UMA EDIFICAÇÃO DE MADEIRA NO IFC CAMPUS RIO DO SUL Karla Fünfgelt 1 ; Alexandra Goede de Souza 2 ; Eduardo Augusto Tonet 3 ; Samuel Fachini 4. 1 Professora

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590

COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590 COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590 QUESITOS PROPOSTOS PELA PROMOTORIA: 1) O que é Tbu Tbs TG UR e var fl. 6 Tbu temperatura de bulbo úmido Tbs temperatura de bulbo seco TG

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA Ricardo Dias Silva (1); Admir Basso () (1) DAU/UEL, e-mail: rdsilva@uel.br () EESC/USP, e-mail: admbasso@sc.usp.br RESUMO Este

Leia mais

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA "Escola Professor Edgar Albuquerque Graeff" CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA Prof. António Manuel C. P. Fernandes maio - 2002 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

O conceito do conforto. térmico humano

O conceito do conforto. térmico humano O conceito do conforto 1 térmico humano Projeto FEUP 2014/2015 MIEQ Equipa Q1FQI04_1 Supervisor: José Inácio Martins Monitor: Helder Xavier Nunes 2 1.INTRODUÇÃO Como ocorre a regulação da temperatura corporal

Leia mais

Iluminação e Sustentabilidade

Iluminação e Sustentabilidade e s p e c i a l Foto: NASA Iluminação e Sustentabilidade Por Daniela Cardoso Laudares Pereira e Cecília Mattos Mueller A integração entre luz natural e artificial EM FEVEREIRO DE 2007 FORAM DIVULGADAS

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Massas de Ar no Brasil Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min33seg Habilidades: H.7 (Ensino Fundamental)

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC

DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC JEFFE, Ana Paula Magalhães (1); Westphal, Fernando Simon (2) (1) Universidade Federal de Santa Catarina, e-mail:

Leia mais

Como as Novas Tecnologias "Inteligentes" de Controle de Temperatura Reduzem o Consumo de Energia nas Residências

Como as Novas Tecnologias Inteligentes de Controle de Temperatura Reduzem o Consumo de Energia nas Residências Como as Novas Tecnologias "Inteligentes" de Controle de Temperatura Reduzem o Consumo de Energia nas Residências por Eszter Körtvélyesi Sumário executivo Dependendo da localização física de uma residência,

Leia mais

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Douglas Vaciliev Vacilikio 1 ; Luciano Fleischfresser 2 1 Aluno de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Tecnológica

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO VENTILAÇÃO E CLIMA CLIMA CLIMA QUENTE E SECO regiões desérticas próximas ao equador. Médias de temperatura muito altas e grande amplitude térmica, umidade baixa, a radiação solar é direta, quase sem a

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA: RECOMENDAÇÕES APROPRIADAS PARA PALMAS/TO Djean da Costa BARBOSA (1); Mariana Brito de LIMA (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do TO, AE 310 SUL, Avenida

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIS TÉRMICOS URBANOS EM MACEIÓ - AL

ANÁLISE DE PERFIS TÉRMICOS URBANOS EM MACEIÓ - AL ANÁLISE DE PERFIS TÉRMICOS URBANOS EM MACEIÓ - AL RESUMO BARBIRATO, Gianna Melo (1); BARBOSA, Ricardo Victor Rodrigues (2); FERNANDES, Emanoel Farias (3); MORAIS, Caroline Santana de (4). (1) Universidade.

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO A DINÂMICA ATMOSFÉRICA CAPÍTULO 1 GEOGRAFIA 9º ANO Vanessa Andrade A atmosfera é essencial para a vida, porque além de conter o oxigênio que respiramos, ela mantém a Terra quente,

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Aluno: Maria Samara Nascimento Amorim Orientador: Álvaro de Lima Veiga Filho 1. Introdução Geral Energia fotovoltaica

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO ABRAVA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO, VENTILAÇÃO E AQUECIMENTO - APRESENTAÇÃO DA ABRAVA - APRESENTAÇÃO DE CASE - ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO - ENGENHARIA DE SISTEMAS TÉRMICOS

Leia mais

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA NA ILHA DE SANTA CATARINA Projeto Integrador

Leia mais

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL ECO-EFICIÊNCIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS EDIFICAÇÕES - Versão Revisada e Resumida

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO SAZONAL NAS CIDADES DE MACAPÁ-AP E SANTARÉM-PA NA REGIÃO AMAZONICA BRASILEIRA-ANO-2009.

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO SAZONAL NAS CIDADES DE MACAPÁ-AP E SANTARÉM-PA NA REGIÃO AMAZONICA BRASILEIRA-ANO-2009. ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO SAZONAL NAS CIDADES DE MACAPÁ-AP E SANTARÉM-PA NA REGIÃO AMAZONICA BRASILEIRA-ANO-2009. MAGANO JÚNIO, H. 1 ; ANTÔNIO C. LÔLA DA COSTA 2 ; JOÃO DE A. SILVA JUNIOR 3 ; INGRID M.

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS De Fonseca da Silva e José Ivaldo B. Brito 2 RESUMO A intensidade e direção do vento são variáveis de grande interesse

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO ALEXANDRE GOMES DE OLIVEIRA PROPOSTA DE MÉTODO PARA AVALIAÇÃO DO

Leia mais