BUROCRATIZAÇÃO DAS ESCOLAS: ESCRITURAÇÃO E GUARDA DE ARQUIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BUROCRATIZAÇÃO DAS ESCOLAS: ESCRITURAÇÃO E GUARDA DE ARQUIVOS"

Transcrição

1 BUROCRATIZAÇÃO DAS ESCOLAS: ESCRITURAÇÃO E GUARDA DE ARQUIVOS Sibeli Colere 1 Universidade Federal do Paraná Resumo: A Ditadura Civil-Militar influenciou a administração pública e também as escolas no panorama administrativo. Essa característica do governo é expressa por influência do próprio Estado Burocrático Autoritário. Buscando uma forma de entender como, além das políticas públicas em relação à educação, esse período também influenciou o contexto escolar no sentido da organização administrativa, parte-se do Ato Institucional nº 8, de 1969, que estabeleceu uma reforma administrativa neste período. Ficou atribuído (...) aos Municípios de população superior a duzentos mil habitantes, competência para realizar, por decreto, a respectiva Reforma Administrativa, observados os princípios fundamentais adotados para a Administração Federal. (BRASIL, 1968) Assim, no governo de Jaime Lerner, como prefeito de Curitiba, isso se refletirá na municipalidade com o Decreto n. 941 de 1973, quando essa reforma administrativa chega por meio deste nas unidades escolares municipais, com uma nova estrutura organizacional do Departamento do Bem Estar Social. Neste mesmo Decreto é criada em cada Unidade Escolar Municipal de Ensino, uma Coordenação Administrativa responsável pelo processo nesta perspectiva burocrática da escrituração e guarda dos documentos/fontes para a História da Educação. Palavras-chave: Ditadura Civil-Militar; Escolas Municipais; Administração; escrituração. 1 Aluna do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR na linha de pesquisa em História e Historiografia da Educação

2 Introdução Este artigo propõe elucidar como as legislações juntamente com as fontes provenientes das práticas da administração escolar podem revelar um olhar sobre os arquivos e documentação escolar no Município de Curitiba no período da Ditadura Civil-Militar. Pois no momento em que o historiador se depara com a organização dos documentos nestas instituições, seu olhar deverá ser diferente do que está acostumado a observar nos arquivos históricos públicos. Sendo que a escola está diretamente influenciada pelos aparatos administrativos, que atribuem uma historicidade à organização da escrituração na escola. Os arquivos institucionais que estão no ambiente escolar ainda guardam aos historiadores (...) não apenas sonhos. Corporificam na sua existência e na sua organização um poder multifacetado, quer individual (do titular, do doador), quer institucional, com o qual medimos nossa força de intervenção. 2 Com as palavras de Clarice Nunes, observamos que as relações entre o que é guardado e o que é disponibilizado para o historiador salientam a interlocução entre a pesquisa da História da Educação com a administração escolar. Escrituração e guarda de arquivos ( ) Ao pensamos a História da organização administrativa das escolas, devemos observar o que Clarice Nunes já apontou como um equívoco na Historiografia da Educação. Para ela até a década de 1970, a forma de apresentar essa História era de maneira cronológica, atentando-se ao político, com recortes definidos por ele e sem observar as práticas escolares. Com o crescimento dos cursos de Pós-graduação na área, abandona-se esse viés e descola a História da Educação do político, também questionada por ela como monolítica, como se extraíssem a educação do resto da história. 3 Neste sentido, a História política que poderia contemplar a administração, é abandonada trazendo um problema para os historiadores: o de não possuir a 2 NUNES, C. História da Educação: espaço do desejo. Em aberto. Brasília: INEP/MEC, v. IX, n.47, p.37-45, p NUNES, C. Ensino e historiografia da educação: Problematização de uma hipótese. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, Jan/Fev/Mar/Abr, n. 1, p

3 capacidade de produzir uma concepção abrangente e complexa da Educação e de sua História como coloca Ragazzini, Em outros termos, a história da escola se escreve também, a partir da analise dos debates parlamentares, da legislação, das normas e da jurisprudência, da administração pública, dos balanços econômicos, enfim, do conjunto de fontes que provém muito mais da história legislativa, do direito, da administração pública, da economia do estado, dos partidos, políticos, que da história da escola e da educação. 4 Também segundo Jorge Nagle, questões administrativas escolares podem ser constituintes de uma riqueza de fontes e objetos para a História da Educação: a administração escolar e todas as práticas ligadas a ela compreendem o processo educativo por outra ordem, a burocrática, implicando escrever a história a partir dos debates sobre as normas, legislações e jurisprudência da administração pública. (...) é na administração escolar aonde se encontram os grandes elos dificultores ou facilitadores da passagem dos ideais, dos valores, dos fins para a prática educacional. Se assim é, não existe nenhuma razão para situá-la num segundo ou terceiro plano das preocupações dos estudiosos da educação. Torna-se difícil, por isso mesmo, entender porque praticamente inexistem trabalhos sobre os suportes institucionais da área da educação escolar, tipologias de órgão e serviços. 5 Nesta perspectiva, atentamos ao conjunto de ações que dentro do ambiente escolar são aplicadas para o funcionamento desta, como as influências das decisões administrativas e polícias juntamente com as práticas individuais. Contextualizamos a década de 1960 no Brasil, quando a LDB 6 foi publicada em 1961, o ensino encontrou-se em meio às mudanças no quadro da administração. Com relação às escolas sobre a sistematização da guarda de documentos, ainda que precária, tiveram nessa Lei Federal certa direção, já que ela estabeleceu a busca da característica administrativa nos moldes de como as encontramos hoje nos arquivos escolares ou em outros sistemas administrativos. 4 RAGAZZINI, D. Para quem e o que testemunham as fontes da História da educação? EDUCAR. Curitiba, n.18, p Editora UFPR, p NAGLE, J. A trajetória da pesquisa em História da Educação no Brasil. In.: MONARCHA, C; NÓVOA A. História da educação brasileira. Rio Grande do Sul: UNIJUÍ, p BRASIL. Lei n 4.024, de 20 de dezembro de Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 244

4 Também pela LDB, no artigo 7.º, cria-se o Conselho Federal de Educação (CFE) 7, para Baía Horta o conselho, era um órgão técnico, com o papel de estabelecer normativas e tomar decisões no âmbito do MEC. Constituído por 24 membros, com mandatos de 6 anos, nomeados pelo presidente da República dentre pessoas de notável saber e experiência em matéria de Educação, o CFE está dividido em Câmaras, para deliberar sobre assuntos pertinentes aos diferentes níveis de ensino, e se reúne em plenário, para deliberar sobre os pronunciamentos das Câmaras e discutir sobre matéria de caráter geral. 8 Um Parecer deste conselho de 1965, seguindo as determinações que a própria LDB atribuiu no parágrafo 3.º do artigo 16 9, apresentou o que vinha sendo discutido até então sobre a escrituração e arquivo no âmbito escolar. Couberam as Câmaras do Ensino Primário e Médio, juntamente com a apresentação de um documento pelo Grupo de Trabalho de representantes das diretorias do ensino secundário, comercial, industrial e agrícola aos pedidos dos Conselhos Estaduais, o estabelecimento de normas sobre a escrituração. Atendendo essa demanda, o Parecer 903 de 14 de outubro de 1965 instituiu os princípios fundamentais a qualquer resolução que deseja manter-se no espírito e na sistemática da LDB 10 quanto a essa questão. Definindo os documentos que constituíam um arquivo: como os que se encontravam guardados em satisfatórias condições de segurança ; ou apresentavam-se classificados e ordenados de modo a tornar fácil e rápida sua localização e consulta 11, recomendavam aos estabelecimentos de ensino que atentassem ou fixassem as rotinas administrativas com normas, instalações e pessoas adequadas, citando o artigo 43 da LDB onde dispunha que cada estabelecimento de ensino médio disporá em regimento ou estatutos sobre a sua organização, a constituição dos seus cursos, e o seu regime administrativo, disciplinar e didático Em outubro de 1994, o Conselho Federal de Educação foi transformado em Conselho Nacional de Educação. 8 HORTA, José Silvério Baía. Liberalismo, tecnocracia e planejamento educacional no Brasil. São Paulo, Cortez/Autores Associados, p (...) escrituração escolar e arquivo que assegurem a verificação da identidade de cada aluno, e da regularidade e autenticidade de sua vida escolar; 10 MEC/CFE. Documenta. Rio de Janeiro. N. 42, out p Ibid., p BRASIL, op. cit

5 Segundo o documento, as escolas foram obrigadas a organizar a escrituração escolar, de modo a registrar os fatos relativos à vida escolar do estabelecimento e de cada aluno, e manter um arquivo para guardar os documentos concernentes a esses fatos. 13 Também por esse parecer, os estabelecimentos de ensino deveriam incluir dispositivos no seu regimento ou estatuto quanto aos registros da documentação exigida, expedida e guardada: Fatos escolares, documentos escolares (individuais e coletivos) e relatórios (do ano em curso, do ano anterior). Partindo do pressuposto de que a escola constitui um órgão público, como parte da administração pública, não se pode deixar de relacionar a legislação com a produção da administração escolar na instituição, pois segundo Faria Filho, textos oriundos da administração pública (...) são produzidos em observância da legislação em vigor, ou em outros casos, representam a própria legislação. 14 Assim as Leis assinalam diretrizes e normas que são importantes para a organização do Estado nas questões técnicas administrativas, na organização deste Sistema de Ensino que a LDB trazia como atribuições do Ministério da Educação e Cultura. A forma da organização dos documentos nas escolas traz um dado entender sobre a relação entre eficiência dos serviços exigidos e a ação neste espaço que compreende uma dimensão da cultura escolar assim como coloca Dominique Julia: Normas e práticas não podem ser analisadas sem se levar em conta o corpo profissional dos agentes que são chamados a obedecer a essas ordens (...) Mas, para além dos limites da escola, pode-se buscar identificar em um sentido mais amplo, modos de pensar e de agir largamente difundidos no interior de nossas sociedades (...) 15 Como os estabelecimentos gozavam pela LDB da liberdade de organização do arquivo e da escrituração, poderiam adotar modelos próprios, e quando os órgãos encarregados da inspeção do ensino achassem oportuno, complementavam com normas e circulares principalmente quanto aos relatórios MEC/CFE. op. cit. p FARIA FILHO, L. M. de. (org.) Educação, modernidade e civilização. Belo Horizonte: Autêntica, p JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-44, 2001.p MEC/CFE. op. cit. p

6 Outra questão que se revela é que no espaço escolar não há a presença do profissional capacitado para o trato do arquivo, o que vemos desde o início da instrução no Brasil são diversos tipos de profissionais a quem coube esse cuidado ou responder: inspetores, professores, diretores, auxiliares administrativos. Supomos que a cada passo em direção à oficialização da profissão dos secretários pelos órgãos privados e pelo surgimento do curso nesta área 17, tarefas foram incorporadas também à função do secretário escolar, mesmo aos que não possuíam formação específica, de executar as técnicas secretariais básicas, frente a uma maior exigência da burocracia administrava, pelas regras e normas ao atendimento ao público e à instituição, além da seleção e arquivamento dos documentos. Gerando nas escolas uma burocratização que impõe uma exagerada dependência dos regulamentos e padrões quantitativos e, também, uma resistência à mudança. 18 Já a Prefeitura de Curitiba diante do artigo 29 da LDB de 1961, que definiu que cada município fará, anualmente, a chamada da população escolar de sete anos de idade, para matrícula na escola primária. 19 assume no ano de 1963 o Grupo Escolar da Vila Leão (Estadual), no mandato de Ivo Arzua Pereira. Neste espaço já havia um Centro Comunitário Municipal 20 com atividades para a comunidade. Seu nome passou ser Centro Experimental Papa João XXIII 21 na jurisdição Municipal. No que tange à organização do próprio Centro neste período, a LBD, em seu artigo 20 estabeleceu que a organização do ensino primário e médio, a lei federal ou estadual atenderá, destacanos que apesar das escolas se tornarem municipais, muitas orientações provinham de outras instancias. Assim, o CFE, com o Parecer 903 já citado, estipulou documentos sobre as atividades escolares exigidos nos estabelecimentos do Ensino Primário Municipais. O conjunto de papéis que documentam e comprovam os fatos relativos á vida 17 Em 1969 é criado na Universidade Federal da Bahia o primeiro curso de Secretariado Executivo do Brasil, mas primeira a regulamentação da profissão só aconteceu com a assinatura da Lei nº 7.377, em 30/09/ ZAIA, I. B. Escrituração escolar: produção, organização e movimentação de papéis nas escolas públicas paulistas. 613f. Tese (Doutorado em História da Educação) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo p BRASIL, op. cit Era um local de que oferecia clubes, biblioteca comunitária, educação sanitária e iniciação profissional. 21 Primeira escola municipalizada de Curitiba. 247

7 escolar: Admissão de aluno, matrícula, rendimento escolar, aprovação, reprovação, promoção, frequência, execução de programas, além de informações sobre a data do início das aulas, o número de dias realmente letivos e a indicação de livros didáticos. 22 Segundo Ribeiro 23, entre o princípio de descentralização administrativa, os Conselhos Estaduais de Educação também deveriam criar normas para o arquivo, regulamentando os prazos de guarda e a eliminação de documentos. Porém não é o que ocorre no âmbito da legislação estadual e municipal, pois o primeiro parecer sobre a documentação escolar do Paraná data somente de 04 de dezembro de 1986, remetendo ainda a Lei Federal 5433/68 24 como orientadora da eliminação de documentos e um ao Parecer CFE 420/83, em que relata que a eliminação é necessária, pois alguns documentos não passam de mero papelório inútil de que as escolas devem se livrar. 25 Cabia também ao município, como parte do Sistema Estadual de Ensino, pedir orientações à Secretaria da Educação e Cultura: Art. 34 À Secretaria de Educação e Cultura do Estado cabe colaborar e orientar, quando solicitada pelas administrações municipais, nos processos de criação de novos estabelecimentos de ensino e cursos a serem mantidos pelos municípios, para um perfeito entrosamento entre a iniciativa estadual e a municipal, relativamente ao ensino oficial em cada município. 26 Elucidamos a questão da guarda dos documentos nas escolas para a instrumentalização e contextualização do trabalho do historiador, é necessário o máximo de informações sobre as tipologias dos órgãos, organogramas e serviços 27 que se modificaram no Município de Curitiba no período anterior a criação da Secretaria de Educação em Na gestão de Ivo Arzua Pereira em 1963, articulando as leis anteriores, aprimorou o Sistema de Administração, com a Lei Municipal , por meio de uma reorganização dos departamentos, todos possuindo Assistência Administrativa. 22 RIBEIRO, M. V. T. Os arquivos das escolas. In: NUNES, C. Guia preliminar de fontes para a história da educação brasileira. Brasilia: INEP, p RIBEIRO. op. cit. p BRASIL, Lei n , de 8 de maio de 1968 que regula a microfilmagem de documentos oficiais e dá outras providências. 25 MEC/CFE. Documenta. Brasília. N. 224, p PARANÁ. Lei n de 05 de dezembro de 1964 que estabelece o sistema estadual de ensino. 27 NAGLE. Op.cit. p CURITIBA. Lei n de 01 de outubro de 1963a. 248

8 Evidentemente mais consolidado, esses departamentos passaram a orientar os setores da prefeitura, os funcionários e também as escolas no âmbito da administração. Com a Lei Municipal , do mesmo ano, cria-se o Instituto de Administração Municipal (IAM) 30, com finalidades de aperfeiçoamento dos funcionários e de provimento de cursos, pois com essa lei houve uma nova organização dos cargos do serviço público municipal e muitos não possuíam qualificação necessária. No mesmo ano, o Departamento Educação, Cultura e Turismo passa a se chamar Departamento de Educação e Recreação Pública 31 possuindo Diretoria e Assistência Administrativa como todos os outros departamentos. É criado em 1º de dezembro de o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, (IPPUC), que passa, juntamente com o IAM, a Colaborar com os órgãos da Administração Municipal, para a ordenação e racionalização do Planejamento Integrado do Município. Também um novo nome é atribuído ao Departamento de Educação, Saúde e Recreação Pública que passa a ser denominado Departamento do Bem estar Social 33. Na década de 1970, a reponsabilidade dos planos de desenvolvimento do Departamento do Bem Estar Social ficou a cargo do IPPUC, uma vez que a aplicação do Plano Diretor de 1965 cabia a esse instituto, e ao IMAP coube a capacitação dos funcionários municipais. Na Ditadura Civil-Militar 34, com a Reforma Administrativa Federal instituída pelo Decreto Lei 200/67 35, buscou-se entre seus princípios 36 a descentralização. Para Wahrlich 37, além da descentralização das atribuições, houve uma 29 CURITIBA. Lei n de 18 de dezembro de 1963b. 30 CURITIBA. Decreto nº 877 de 08 de junho de 1965, apresenta o Regimento Interno do IAM e que mais tarde será chamado de IMAP. 31 CURITIBA. Op.cit. 1963a. 32 CURITIBA. Lei n de 01 dezembro de 1965b. 33 CURITIBA. Lei n de 08 de maio de 1965a. 34 Segundo Gonçalves, essa designação decorre de várias discussões que vêm sendo realizadas por pesquisadores deste contexto histórico, que alertam que a expressão Ditadura Militar constitui simplificação e dicotomização deste período, que foi muito mais complexo. GONÇALVES N. G. A Escola Superior de Guerra e a Lei 5692/71: Discursos Governamentais e Implementação da Lei no Paraná. In.: GONÇALVES N. G. RANZI, S. M. F. Educação e Ditadura civil-militar; Políticas, ideários e práticas (Paraná ). Curitiba: Ed. UFPR, p.7 35 BRASIL. Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de Princípios citados no artigo 6º da lei. 37 WAHRLICH, B. M. S. Reforma administrativa Federal brasileira: passado e presente. Revista de Adm. Pública.Rio de Janeiro: Editora FGV, abr./jun p

9 racionalização de rotinas para um desemperramento da burocratização até o ano de 1969, quando o Ato Institucional nº 8 afirmou as questões da reforma administrativa influenciando a Administração Pública Municipal e também as escolas em sua dimensão administrativa. Art. 1º - Fica atribuída ao Poder Executivo dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios de população superior a duzentos mil habitantes, competência para realizar, por decreto, a respectiva Reforma Administrativa, observados os princípios fundamentais adotados para a Administração federal. 38 Assim, no governo de Jaime Lerner, isso se refletirá no Decreto Municipal 941/73 39, esta reforma administrativa chega nas unidades escolares municipais. Art.1 A nova estrutura organizacional do Departamento do Bem Estar Social e a respectiva codificação é a seguinte: (...) Diretoria de Educação Assistência Administrativa (...)Escolas de Emergência, Divisão de Ensino Fundamental, Serviço de Controle Administrativo, Seção de Cadastramento e Inspeção, Seção De Assistência Ao Educando, Serviço de Supervisão Pedagógica, Seção de Orientação Técnico Pedagógica, Seção de Formação Especial, Seção de Classes Especiais, Seção de Orientação Educacional, Divisão de Estudos e Pesquisas, Serviço de Currículos e Programas, Serviço de Psicologia Aplicada, Serviço de Avaliação e Treinamento, Seção de Documentação e Divulgação (...) Neste mesmo Decreto é criada em cada Unidade Escolar Municipal de Ensino, uma Coordenação Administrativa responsável pela rotina da secretaria. Costa 40 destaca que com a administração do Departamento do Bem Estar Social por Coriolano Caldas Silveira da Mota houve uma estruturação deste. Segundo depoimento de Ana Maria Lopes de Sousa Miranda 41 : A diretoria contava com uma assistência administrativa, seções, serviços e divisões de caráter pedagógico. Os setores administrativos se referiam à lotação e movimentação de professores, apoio às secretarias escolares e documentação escolar. (...) As escolas, construídas pelo Departamento de Obras, eram entregues ao Bem Estar Social, que tratava de equipá-las BRASIL. Ato Institucional n. 8, de 2 de abril de CURITIBA. Decreto nº 941 de 3 de setembro de COSTA, V. A. A. Memória da Rede Municipal de Ensino de Curitiba ( ). Boletim Casa Romário Martins. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 30, n. 133, mar., Depoimento cedido a Costa. 42 COSTA, op. Cit. p

10 Em 1976, as escolas municipais passam a se denominar Escolas de 1.º Grau, cumprindo uma determinação do Conselho Estadual de Ensino do Estado do Paraná. 43 Assim passaram a responder à Diretoria de Serviços Administrativos, dentro do Departamento de Educação. Essas normas demostram a ação da Prefeitura de Curitiba quanto as mudanças administrativas, porém, o que não encontramos nestas leis, somente nas escolas, são atos menores, os documentos correntes, que também ajudam à contemplar essa legislação, a organização do espaço da escola e administração dos serviços. É que os sujeitos presentes na prática escolar administrativa, mesmo tendo o contato com as leis na íntegra, geralmente receberão outros elementos no sentido de explicação ou adaptações do próprio texto. É de 1985 a primeira norma encontrada referente aos arquivos das escolas do município, segundo a Portaria 19 do Departamento de Educação, é estipulada a temporalidade dos documentos nas escolas. Essa normatização regia somente os documentos administrativos, cabendo a cada setor das outras instâncias da escola averiguar a guarda ou não destes. A ultima fase da documentação foi tratada como arquivo morto, que, após triagem e incineração que era estipulada pelo Regimento Escolar averiguava-se os documentos que trouxessem informações importantes, acesso a informação, preservação de documentos oficiais e com valor histórico. Em o Departamento de Educação passou a chamar de Secretaria Municipal de Educação, com apenas uma subdivisão no âmbito administrativo: o Departamento Administrativo, como parte do organograma do município essa nomenclatura se estende até os dias atuais. Considerações finais O tema dos arquivos escolares já vem sendo tratado por diversos pesquisadores que apontaram questões sobre a situação precária dos arquivos escolares, a tabela de temporalidade que indica os prazos administrativos do que deve ser eliminado e do que deve ser recolhido como arquivo permanente. Questões sobre os locais físicos em que estes arquivos são armazenados. Locais 43 PARANÁ. Decreto n. 573 de 01 de setembro de Artigo 1º da Lei. CURITIBA. Lei n de 02 de Janeiro de

11 inadequados, úmidos, caixas sem os devidos cuidados, é o que o historiador provavelmente irá encontrar: um Arquivo Morto. Além de todos estes problemas o arquivo faz notar as diferentes demonizações e as diversas secretarias a que pertenceu, principalmente com a descentralização proposta pela LBD e as reformas administrativas no Município de Curitiba no período da ditadura Civil-Militar, que demarcaram um processo de criação e revisão de departamentos e secretarias. No que confere à administração escolar no período de 1963 a 1986, são raras as documentações fora das escolas que tragam como essa organização e tarefas eram realizadas, como todo esse aparato administrativo, e essas mudanças chegavam para os funcionários para serem devidamente cumpridas. Sendo de grande valia recolhimento de depoimentos de participantes deste processo, dentro da cultura escolar na dimensão administrativa. Referências BRASIL. Lei n 4.024, de 20 de dezembro de BRASIL. Lei n , de 8 de maio de BRASIL. Ato Institucional n. 8, de 2 de abril de BRASIL. Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de COSTA, V. A. A. Memória da Rede Municipal de Ensino de Curitiba ( ). Boletim Casa Romário Martins. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 30, n. 133, mar., CURITIBA. Lei n de 01 de outubro de 1963a. CURITIBA. Lei n de 18 de dezembro de 1963b. CURITIBA. Lei n de 08 de maio de 1965a. CURITIBA. Decreto nº 877 de 08 de junho de 1965b. CURITIBA. Lei n de 01 dezembro de 1965c. CURITIBA. Decreto nº 941 de 3 de setembro de CURITIBA. Lei n de 02 de Janeiro de FARIA FILHO, L. M. de. (org.) Educação, modernidade e civilização. Belo Horizonte: Autêntica,

12 GONÇALVES N. G. A Escola Superior de Guerra e a Lei 5692/71: Discursos Governamentais e Implementação da Lei no Paraná. In.: GONÇALVES N. G. RANZI, S. M. F. Educação e Ditadura civil-militar; Políticas, ideários e práticas (Paraná ). Curitiba: Ed. UFPR, HORTA, José Silvério Baía. Liberalismo, tecnocracia e planejamento educacional no Brasil. São Paulo, Cortez/Autores Associados, JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-44, MEC/CFE. Documenta. Rio de Janeiro. n. 42, p. 50. MEC/CFE. Documenta. Brasília. n. 224, p NAGLE, J. A trajetória da pesquisa em História da Educação no Brasil. In.: MONARCHA, C; NÓVOA A. História da educação brasileira. Rio Grande do Sul: UNIJUÍ, NUNES, C. História da Educação: espaço do desejo. Em aberto. Brasília: INEP/MEC, v. IX, n.47, p.37-45, NUNES, C. Ensino e historiografia da educação: Problematização de uma hipótese. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, Jan/Fev/Mar/Abr, n. 1, PARANÁ. Lei n de 05 de dezembro de PARANÁ. Decreto n. 573 de 01 de setembro de RAGAZZINI, D. Para quem e o que testemunham as fontes da História da educação? EDUCAR. Curitiba, n.18, p Editora UFPR, RIBEIRO, M. V. T. Os arquivos das escolas. In: NUNES, C. Guia preliminar de fontes para a história da educação brasileira. Brasilia: INEP, WAHRLICH, B. M. S. Reforma administrativa Federal brasileira: passado e presente. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro: Editora FGV, abr./jun ZAIA, I. B. Escrituração escolar: produção, organização e movimentação de papéis nas escolas públicas paulistas. 613f. Tese (Doutorado em História da Educação) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO

O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO LEANDRA PAULISTA DE CARVALHO * Silma do Carmo Nunes ** Resumo: A Inspeção Escolar é uma função que merece especial atenção no cenário da educação brasileira.

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 44 São Paulo, 123 (94) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I terça-feira, 21 de maio de 2013 Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 Dispõe sobre pedidos de reconsideração e recursos referentes aos resultados

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2

PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2 PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2 DECRETO Nº 52.514, DE 25 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre a reorganização da, antigo Centro de Formação e Desenvolvimento dos Trabalhadores da Saúde - CEFOR, da Secretaria

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA.

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. Luciane C. G. Ribeiro 1, Fátima Maria Neves 2, UEM/PR Eixo temático nº 2 - História da profissão docente e das instituições escolares

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA SECRETARIA DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA SECRETARIA DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA SECRETARIA DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 62/1999 Aprova o Regulamento e a Estrutura Curricular

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

PESQUISA SOBRE VALIDAÇÃO DE DISCIPLINA/APROVEITAMENTO DE ESTUDOS NOS CURSOS SUPERIORES

PESQUISA SOBRE VALIDAÇÃO DE DISCIPLINA/APROVEITAMENTO DE ESTUDOS NOS CURSOS SUPERIORES PESQUISA SOBRE VALIDAÇÃO DE DISCIPLINA/APROVEITAMENTO DE ESTUDOS NOS CURSOS SUPERIORES Adriane Stroisch De acordo com pesquisa realizada elaboramos a síntese a seguir com as informações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003/99 RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RESOLUÇÃO Nº 003/99 RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESOLUÇÃO Nº 003/99 Fixa normas para a Educação Infantil no âmbito do Sistema Municipal de Educação de São José. O PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO JOSÉ no uso de suas atribuições, de

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005.

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. Dispõe sobre a organização do Sistema Municipal de Defesa do Consumidor, institui o Departamento de Defesa do Consumidor e o Fundo Municipal de Defesa

Leia mais

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI 1 NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Normatiza o Estágio Probatório de Docentes no âmbito da Universidade Federal de Itajubá. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N 324, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO N 324, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO N 324, DE 2005 Regulamenta o exercício da profissão de Relações Públicas, revogando a Lei nº 5.377, de 11 de dezembro de 1967, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

Elaboração do Plano Municipal de Educação

Elaboração do Plano Municipal de Educação Universidade Federal da Bahia (UFBA) Centro de Estudos Interdisciplinares para o Setor Público (ISP) Rede Nacional de Formação de Professores da Educação Básica Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

LEI N 13, DE 31 DE OUTUBRO DE 1985

LEI N 13, DE 31 DE OUTUBRO DE 1985 LEI N 13, DE 31 DE OUTUBRO DE 1985 Sumula: Estabelece a Estrutura Administrativa da Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais e dá outras providências. A CAMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSE DOS PINHAIS, ESTADO

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE 1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Capítulo I Da Instituição Capítulo II Dos Objetivos Capítulo III Da Autonomia TÍTULO

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 07/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES Rosilene Lagares PET Pedagogia/Campus de Palmas/Pedagogia/Mestrado em Educação/UFT/Capes roselagares@uft.edu.br

Leia mais

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Roberlayne de Oliveira Borges Roballo Assunto: Quadro Técnico

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007 RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007 APROVA O REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO 026/2009, 22 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO 026/2009, 22 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO 026/2009, 22 DE NOVEMBRO DE 2009 Aprova as normas e critérios para a oferta e o funcionamento de componentes curriculares semi-presenciais nos cursos de graduação presenciais

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 396/2005

RESOLUÇÃO Nº 396/2005 RESOLUÇÃO Nº 396/2005 Dispõe sobre Nucleação de Escolas Públicas Estaduais e Municipais do Ceará e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará, no uso de suas atribuições legais e considerando

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009.

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009. O Conselho Municipal de Educação fixa normas aprovadas em 09/12/09, de funcionamento do Ensino Fundamental de 09 (nove) anos no Sistema Municipal de Ensino de Jequié-BA. Clique no Leia Mais e confira as

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p.

DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p. DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p. 4 Altera dispositivos dos Decretos nos 5.622, de 19 de dezembro de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA Av. Mamoré, nº 1520, Bairro Três Marias CEP: 78919-541 Tel: (69) 3733-5000 Porto Velho - RO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE 2012 Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. O MINISTRO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI-POA)

Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI-POA) Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI-POA) Depto. de Inspeção de Produtos de Origem Animal Secretaria de Defesa Agropecuária Situação Atual Aderidos: Situação Atual 4 Estados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS Art. 1º. A Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, instituída pela Lei

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. Institui a Política de Acessibilidade do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso das competências que lhe foram conferidas pelo art. 98, inciso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 15/03/2004 (*) Portaria/MEC nº 553, publicada no Diário Oficial da União de 15/03/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 03/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas prestadoras de serviços de Recrutamento e Seleção de Pessoal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais