MANUAL DE ARQUIVO. Por:Leila P. de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE ARQUIVO. Por:Leila P. de Oliveira arquivologya@gmail.com"

Transcrição

1 MANUAL DE ARQUIVO Por:Leila P. de Oliveira Eunápolis,agosto 2015

2 SUMÁRIO 1-APRESENTAÇÃO 3 2-FINALIDADE 3 3-DEFINIÇÃO 3 4-TABELA DE TEMPORALIDADE 5 5-PRAZO DE GUARDA DE DOCUMENTOS 6 6-DESCARTE DE DOCUMENTOS 7 7-TRANSFERÊNCIA DE DOCUMENTOS 10 8-SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 11 9-INFORMAÇÕES ÚTEIS ARQUIVAMENTO ANEXOS 19

3 1-APRESENTAÇÃO Lei nº8.159,de 08 de janeiro de 1991-dispõe sobre a política de arquivos públicos e privado Art.1º-é dever do poder público a gestão documental e a proteção especial a documentos de arquivo, como instrumento de apoio a cultura, ao desenvolvimento científico e como elemento de prova e informação. 2-FINALIDADES Para uma maior transparência nas atividades do arquivo geral, padronizar os procedimentos e informar o método correto de uma gestão documental eficaz. 3-DEFINIÇÃO 3.1 O QUE É ARQUIVO?.Conjunto de documentos, móvel para guarda de documento;.local onde o acervo documental deverá ser conservado;.órgão governamental ou institucional cujo objetivo seja o de guardar e conservar a documentação. OBSERVAÇÃO A principal finalidade dos arquivos é servir a administração, constituindo-se com o decorrer do tempo, em base do conhecimento da história; A função básica do arquivo é tornar disponível as Informações contidas no acervo documental sob sua guarda. Fonte: arquivo: teoria e prática;paes,marilena leite;rj O QUE É ARQUIVO CORRENTE, INTERMEDIARIO E PERMANENTE? Corrente: documentos consultado frequentemente

4 .Intermediário: documentos que deixaram de ser consultados frequentemente mas ainda podem ser solicitados para tratar de assunto administrativo..permanente: documentos que perderam todo valor de natureza administrativa,que se conservam em razão do seu valor histórico e que constituem os meios de conhecer o seu passado e sua evolução. OBSERVAÇÃO Arquivo corrente não deve ficar junto do intermediário. Para os documentos que não estão sendo consultados com frequência é indicado armazenar em caixas. Fonte:lei nº8.159,de 08 de janeiro de 1991-dispõe sobre política nacional de arquivo publico e privado 3.3 QUAIS ATRIBUIÇÕES DE UMA ARQUIVISTA?.É realizar a gestão da documentação de uma instituição;.orientar quanto a organização documental, método de arquivamento para que assim um documento seja localizado o mais rápido possível ao ser solicitado;.contribuir com a longevidade/durabilidade do documento de valor histórico preservando assim a memória da instituição; Fonte:lei nº 6.546,de 04 de julho de 1978-dispõe sobre profissão de arquivista 3.4 O QUE É ARQUIVO GERAL? Setor responsável em receber os documentos oriundos dos vários setores integrantes de uma instituição. Serve para atenuar um pouco o problema de espaço existente nos órgãos que fazem parte da estrutura organizacional, acumulando e administrando toda massa documental Fonte:arquivo:teoria e prática;paes,marilena leite;rj-1991

5 3.5 ARQUIVO SETORIAL Atua junto a cada setor de trabalho, próximo a produção de documentos nas unidades administrativas da instituição. Fonte:arquivo:teoria e prática;paes,marilena leite;rj O QUE É GESTÃO DOCUMENTAL? Lei federal nº 8.159,de 08 de janeiro de 1991-dispõe sobre política nacional de arquivo público e privado:.consideram-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes a sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária,visando sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente. Fonte:Lei nº 8.159, de 08 de janeiro de TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 O QUE É UMA TABELA DE TEMPORALIDADE? Modelo de documento utilizado nas instituições determinando o prazo de guarda dos documentos, indicando também quando o documento pode ser descartado. É indicado que toda empresa tenha sua tabela de temporalidade, pois resulta em benefícios positivos mantendo um arquivo organizado. Fonte:analise de assunto-teoria e prática/dias,eduardo wense.ed.thesaurus 4.2 QUAIS BENEFICIOS DE UMA TABELA DE TEMPORALIDADE?.Racionalização de espaço físico, garantia da preservação dos documentos;.racionalização dos custos de armazenagem documental;

6 .Agilidade na localização dos documentos; Fonte:Análise de assunto-teoria e prática/dias,eduardo Wense.ed.thesaurus 4.3 COMO SERÁ A TABELA DE TEMPORALIDADE DO IFBA-EUNÁPOLIS? Para documentos da atividade-meio de acordo com a tabela de temporalidade do CONARQ e para os documentos da atividade-fim será utilizado a tabela do SIGA/MEC de uso obrigatório para os IFES conforme determinado na Portaria MEC nº 1.261, de 23 de dezembro de PRAZO DE GUARDA DE DOCUMENTOS 5.1 QUAL PRAZO DE GUARDA DE UM DOCUMENTO? POR QUANTO TEMPO DEVO GUARDAR O MEMORANDO? O que vai determinar o prazo de guarda de um documento é a experiência dos servidores envolvidos com a documentação junto com a pesquisa na legislação. Se um documento tem valor histórico, jurídico, administrativo, legal, contábil e informativo não pode ser descartado. Fonte:análise de assunto-teoria e prática/dias,eduardo wense.ed.thesaurus 5.2 DETERMINAR O PRAZO DE GUARDA DE UM DOCUMENTO SE APLICA APENAS EM EMPRESA PRIVADA? Não, se aplica em todos os tipos de instituições, em empresa pública também. Alguns institutos federais e diversas outras em presas possuem a tabela de temporalidade. Fonte:lei nº 8.159,de 08 de janeiro de 1991-dispõe sobre a politica de arquivos públicos e privados 5.3 QUAL PRAZO DE GUARDA DOS DOCUMENTOS NAS INSTITUIÇÕES

7 PÚBLICAS? DEVEM SER GUARDADOS POR 20 ANOS? Como foi citado anteriormente o que determina o prazo de guarda é a lei que rege o documento e outros fatores. A depender do documento, pode ter o prazo de guarda de 1 ano, 5 anos, 40 anos etc. 5.4 QUAL PRAZO DE GUARDA DA GUIA DE TRANSFERÊNCIA? De acordo com a tabela de temporalidade do CONARQ é de guarda permanente. 6- DESCARTE DE DOCUMENTOS 6.1 POSSO DESCARTAR DOCUMENTO DE VALOR HISTÓRICO? Não,é ilegal. Documento de valor histórico é de guarda permanente protegido pela lei nº8.159,de 08 de janeiro de 1991.Documentos de valor histórico devem ser divulgados para o público conhecer a história. 6.2 POSSO DESCARTAR DOCUMENTO DO MEU SETOR? Se um documento possui valor legal, contábil, jurídico, informativo, histórico e administrativo não pode ser descartado. O correto é realizar o descarte se baseando na tabela de Temporalidade aprovada e assinada pela instituição. Fonte: lei nº8.159,de 08 de janeiro de O QUE A LEI INFORMA SOBRE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS? Lei nº8.159,de 08 de janeiro de 1991-dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados:.consideram-se permanentes os conjuntos de documentos de valor histórico, probatório e informativo que devem ser definitivamente preservados;

8 .A eliminação de documentos produzidos por instituições públicas e de caráter público será realizada mediante autorização da instituição arquivística pública, na sua específica esfera de competência;.considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes a sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária visando sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente.(determinar quais serão objeto de arquivamento permanente e quais deverão ser eliminados através de uma avaliação por terem perdido seu valor de prova e de informação para a instituição). Fonte:lei nº8.159,de 08 de janeiro de 1991 Fonte:Arquivologia para concursos/renato Valentini-4.ed-rio de janeiro:elsevier NÃO PRETENDO DESCARTAR NUNCA UM DETERMINADO DOCUMENTO DO MEU SETOR NA MINHA OPNIAO ESSE DOCUMENTO NAO VER SER ELIMINADO. Como foi informado anteriormente o que vai determinar o prazo de guarda de um documento é a vivência dos servidores envolvidos com a documentação junto com a observação da lei.se um servidor determinar que um documento deve ser guardado por 10,20 anos essa informação deve ser levado em consideração também. OBSERVAÇÃO Lei nº de 1987 Dispõe sobre a eliminação de autos findos nos órgãos da justiça do trabalho. ART.1º fica facilitado aos tribunais do trabalho determinar a eliminação por incineração, destruição mecânica ou por outro meio adequado de autos findos ha mais de 05 anos..visto que essa lei permite o descarte de documento referente a processo encerrado há mais de 05 anos. 6.5 O QUE É UM TERMO DE ELIMINAÇÃO? Modelo de documento constando a relação dos documentos a serem eliminados mediante assinatura.

9 6.6 É IMPORTANTE REALIZAR O DESCARTE DE DOCUMENTO? O QUE ACONTECE SE NUNCA DESCARTAR DOCUMENTOS SEM VALOR? Haverá um aumento de consumo de verbas aplicada ao arquivo de forma desnecessária resultando em prejuízos financeiros..o arquivo exigirá uma quantidade maior de estantes, caixas.a localização de um documento se torna cada vez mais difícil..exigirá também uma área/espaço físico cada vez mais amplo para armazenar o arquivo;.vai contra a economia da empresa/desperdício de verbas;.haverá muito mais consumo de papel, impressão;.exigirá muito mais tempo na organização do arquivo;.exigirá uma quantidade maior do pessoal para a organização do documento, uma quantidade maior de pessoas envolvida no arquivo. No arquivo só é adequado guardar documento de valor histórico, administrativo, jurídico, informativo.se um documento não possui nenhum desses valores porque continuar guardando? porque consumir verbas com o que não tem valor algum? Lembrando que a lei nº8.159,de 08 de janeiro de 1991 art.1º afirma que é dever do poder publico a gestão documental..eliminar documento que não tem valor faz parte da gestão documental. A instituição não deve de forma alguma aplicar verbas em documentos que jamais vão ser utilizados, com documentos que não tem necessidade mais de continuar sendo guardados.é antieconômico. Fonte:Arquivo:Teoria E Prática;Paes,Marilena Leite;RJ-1991 Fonte: Lei nº8.159,de 08 de janeiro de TRANSFERÊNCIA DE DOCUMENTO

10 7.1 QUANDO DEVO TRANSFERIR O DOCUMENTO DO MEU SETOR AO ARQUIVO GERAL? Inicialmente, enquanto não há uma política de descarte de documentos e não tem uma tabela de temporalidade, quando o documento não for consultado com muita frequência e o setor não dispor de espaço para guardar o documento. O tamanho da área do arquivo geral e quantidade de estantes precisam estar proporcional a quantidade dos documentos que recebe dos diversos setores. Fonte:Analise de assunto-teoria e prática/dias,eduardo Wense.ED.Thesaurus 7.2 COMO TRANSFERIR DOCUMENTO DO MEU SETOR AO ARQUIVO GERAL? Deverá colar etiqueta impressa na frente da caixa identificando o setor que produziu o documento, assunto, ano e preencher a guia de transferência. Lembrando que antes de transferir a documentação já deve estar organizada em sequência numérica em ordem crescente, ordem alfabética, cronológica, etc. OBSERVAÇÃO Sempre que houver transferência de documentos de um setor para outro deverá ser mediante preenchimento da guia de transferência. Fonte: Castro, Astrea de Moraes e Arquivos: físicos e digitais-brasília:thesaurus,2007 OBSERVAÇÃO Lembrando que a ordem numérica, alfabética, etc continua sendo mantida após a transferência.quando um documento é transferido ao arquivo geral o responsável pelo recebimento desses documentos não tira da ordem alfabética, numérica, cronológica. A ordem do número de processo é mantida.

11 7.3 O QUE É UMA GUIA DE TRANSFERÊNCIA? Modelo de documento aplicado nas instituições utilizado quando os setores pretendem transferir documento ao arquivo geral. Fonte: Castro, Astrea de Moraes e Arquivos: físicos e digitais-brasilia:thesaurus, PRETENDO QUE OS DOCUMENTOS PERMANEÇAM NO MEU SETOR SEM TRANSFERIR AO ARQUIVO GERAL, É INDICADO? Se o setor possui espaço para armazenar arquivo corrente e intermediário não há problema. Com a tabela de temporalidade o setor pode gerir seu próprio documento que produziu sem necessitar transferir. 8- SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 8.1 O QUE É UM RECIBO DE EMPRÉSTIMO E DEVOLUÇÃO DE DOCUMENTOS? Modelo de documento utilizado quando um documento precisa sair do setor para empréstimo..sempre que um documento precisa sair do setor para empréstimo precisa ser registrado. Fonte:arquivo:teoria e prática;paes,marilena Leite;RJ GUIA DE TRANSFERÊNCIA Como foi informado anteriormente a guia de transferência é utilizado quando os setores pretendem transferir documentos ao arquivo geral/intermediário/permanente por falta de espaço para continuar

12 armazenando os documento ou por outros motivos. 8.3 COMO MANTER EM SEGURANÇA ARQUIVO SIGILOSO?.Possuir armário para guarda de documento com chave ou código/senha;.permitir a consulta apenas pessoa autorizada;.verificar se as caixas estão numeradas e se o método de arquivamento, organização estão corretos;.aplicar, se possível, o método numérico, isto é, não escrever nas caixas o assunto documental para dificultar dessa foma a localização do documento de pessoas não autorizadas;.instalação de câmera de segurança;.bloquear no sistema com senha a tabela que permite a localização documento;.emprestar mediante recibo de empréstimo e devolução de documento;.ter cuidado em não guardar documento em caixa ao qual não pertence o documento. Fonte:Coleção conservação preventiva em biblioteca e arquivos OBSERVAÇÃO Um arquivo organizado de forma correta, a depender de tais situações pode levar minutos para ser localizado; ao contrário se um documento não for classificado de acordo com a técnica correta pode levar dias, semanas ou mês para ser localizado. 8.4 O DOCUMENTO SOLICITADO NAO FOI ENCONTRADO, O QUE PODERIA TER ACONTECIDO? PROCUREI O DOCUMENTO EM MAIS DE 05 CAIXAS E NAO ENCONTREI..Nesse caso pode ser que o documento tenha sido guardado na caixa errada. Ex: o documento que era para ser arquivado na caixa 01 foi arquivado na caixa 03;.Pode ser porque as caixas não estejam numeradas ou documento não organizado de acordo com a técnica correta;.documento não digitalizado;

13 .Sem recibo de empréstimo e devolução de documentos;.sem guia de transferência. Fonte:arquivo:teoria e pratica;paes,marilena leite;rj-1991 OBSERVAÇÃO Outro aspecto que envolve segurança dos arquivos diz respeito a consulta e empréstimo. Documentos de arquivo só podem ser consultados ou cedidos por empréstimo aos órgãos que receberam ou produziram, aos órgãos encarregados das atividades a que se referem os documentos e as autoridades superiores, na mesma linha hierárquica. Fonte:arquivo:teoria e prática;paes,marilena Leite;RJ COMO PROCEDER EM CASO DE O DOCUMENTO NÃO SER LOCALIZADO? É indicado fazer um memorando direcionado ao arquivo geral informando a data que o documento não foi localizado, o número de processo, assunto do documento, ano ou enviar essa ocorrência no OBSERVAÇÃO É importante que todos os setores tenham sua documentação digitalizada através de uma tabela informando a localização dos documentos, assunto, ano etc. Se um documento for transferido ao arquivo geral/intermediário os setores poderão estar inserindo uma observação na tabela de quais encontram-se no arquivo geral. 9- INFORMÇÕES ÚTEIS 9.1 O QUE É UMA MAPOTECA? Móvel utilizado no arquivo para guardar documentos de grandes formatos, tais como: mapas, plantas referente a construção da instituição, etc

14 Armazenado em mapoteca evita que o documento seja danificado, impedindo a quebra da fibra de papel. Fonte:multimeios:seleção,aquisiçao,processamento,empréstimo/maria lures rocha perota-4. 4d.ed.edufes,1997 OBSERVAÇÃO Um arquivo organizado, gerido de acordo com a técnica correta garante:.localização imediata do documento solicitado;.clientes satisfeitos pela agilidade no atendimento em decorrência da rápida localização do documento;.garante que o arquivo esteja guardado em segurança;.empresa se torna-se mais competitiva;.contribui para a economia na empresa, eliminando desperdícios desnecessários;.agilidade na tomada de decisões em decorrência da localização imediata do documento. 9.2 É CORRETO UTILIZAR O TERMO ARQUIVO MORTO? Os profissionais da área arquivística não utilizam o termo arquivo morto, pois é inadequado, uma vez que os documentos de valor histórico devem ser preservados em caráter definitivo, devido ao seu valor histórico, probatório e informativo representam a matéria prima da história, sendo muito importantes podendo ser consultados pelos pesquisadores, administradores a qualquer tempo em face do seu uso científico, cultural e social. O termo utilizado pelo arquivista é arquivo permanente ou histórico, pois morto da ideia de algo sem vida e,se assim fosse seria ilógico guardar documentos irrelevantes. Fonte:arquivologia para concursos/renato valentini-4.ed-rio de janeiro:elsevier-2013

15 9.3 QUAIS AS ATIVIDADES DE UM ARQUIVO?.Realizar a publicação/divulgação dos documentos de valor históricos;.realizar o empréstimo e devolução dos documentos;.receber a documentação transferida dos diversos setores;.contribuir para que um arquivo seja localizado de imediato ao ser solicitado;.preservar documento de valor histórico;.atendimento ao publico quanto a consulta de documentos..organizar os documentos de uma forma que seja localizado de imediato ao ser solicitado OBSERVAÇÃO No momento da organização no arquivo a arquivista não separa os documentos que estão anexados.os documentos permanecem anexados. 9.4 COMO FAZER A ETIQUETA DA CAIXA DE ARQUIVO? É CORRETO ESCREVER DIRETAMENTE NA CAIXA? O adequado é fazer a etiqueta impressa porque da mais visibilidade e dura mais tempo.se escrever diretamente na caixa com piloto a informação vai ser apagada com facilidade além de a informação não ficar tao visível, principalmente se a cor do piloto for a mesma que a cor da caixa. 9.5 AS ESTANTES DE UM ARQUIVO DEVEM ESTAR NA POSIÇAO HORIZONTAL OU VERTICAL? Adequado que fique disposto em posição vertical, pois na posição horizontal impede circulação de ar, claridade, localização do documento. 9.6 UTILIZO ESTANTE DE MATERIAL DE MADEIRA OU DE AÇO NO ARQUIVO? Por motivo de preservação da documentação histórica as estantes de madeira não são adequadas por liberar substâncias tóxicas e atrair insetos.

16 9.7QUE FALHAS, DEVERÃO SER DETECTADAS NO ARQUIVO PARA UMA SOLUÇÃO?. Se um documento leva muito tempo para ser localizado, como dias, semanas;.se não esta organizado de acordo com método de arquivamento correto;.se as caixas estão numeradas;.se possui guia de transferência e recibo de empréstimo e devolução de documento;.se esta realizando o descarte de forma correta de acordo com a lei;.se possui a tabela de temporalidade;.se toda documentação da instituição esta digitalizada para fins de controle/localização;.se o documento de valor histórico esta sendo publicado, preservado;.se a documentação esta em ordem alfabética, numérica, geográfica;.se o documento esta sendo arquivado de forma correta, pois guardar um documento na caixa o qual não pertence é documento perdido;.se a mobília é adequada para armazenar documento;.o problema de espaço físico 9.8- COMO CONTROLAR O EXCESSO DE PAPEIS PRODUZIDOS NA INSTITUIÇÃO PARA CONTRIBUIR NA ECONOMIA? Verificar se tem necessidade de imprimir armazenando em suporte de papel. Ex: uma empresa pede para que candidatos a uma vaga de emprego envie o curriculum por , logo essa empresa não imprimiu o curriculum, pois armazenou no meio digital;..verificar a necessidade de continuar produzindo, guardando cópias;..durante a produção documental procurar elaborar documento que não tenha excesso de páginas;..verificar se um setor produz documentos iguais a dos outros setores

17 10- ARQUIVAMENTO 10.1 COMO ORGANIZO O DOCUMETO DO MEU SETOR? QUE MÉTODO DE ARQUIVAMENTO DEVO APLICAR PARA QUE O DOCUMENTO SEJA LOCALIZADO DE IMEDIATO AO SER SOLICITADO? Para saber deve fazer a seguinte pergunta: como o documento vai ser solicitado?.se o documento vai ser solicitado pelo nome da pessoa, então arquiva em ordem alfabética;.se vai ser solicitado pelo número de processo, então arquiva na sequência numérica. fonte:arquivo:teoria e prática;paes,marilena leite;rj COMO É A ORGANIZAÇÃO/ LOCALIZAÇÃO DE UM DOCUMENTO NO ARQUIVO GERAL? Como o arquivo geral é responsável por receber documentos das diversas unidades administrativas da instituição então é organizado por setores, além de estar arquivado de acordo como cada documento vai ser solicitado COMO É A ORGANIZAÇAO DE UM ARQUIVO CORRENTE-ARQUIVO SETORIAL QUE ESTA SENDO CONSULTADO COM FREQUÊNCIA? Organizado em armário de 4/5 gavetas arquivado por assunto, método numérico, alfabético, enfim fica a critério do setor. de acordo como um documento vai ser solicitado. OBSERVAÇÃO É necessário muito cuidado em não guardar o documento que deveria ser arquivado em caixa 01 e por engano foi guardado na caixa 03.documento guardado na caixa errada é documento perdido.

18 Quando guardar o documento na caixa é necessário ter atenção em seguir a ordem numérica, alfabética e verificar se o documento pertence a tal caixa. ANEXOS

19 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia- Eunápolis Av. David Jonas Fadini, S/N Rosa Neto Eunápolis BA CEP: Telefax: (73) / Recibo de empréstimo e devolução de documentos Documento: Solicitado por: Data: Encaminhado por: Recebido por: Devolvido em:

20 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia- Eunápolis Av. David Jonas Fadini, S/N Rosa Neto Eunápolis BA CEP: Telefax: (73) / Guia de transferência de documentos Data: Quantidade total de caixas: Ramal/Setor: Caixa Nº processo/ documento Suporte Assunto Ano Observação Responsável pela transferência carimbo e assinatura Responsável pelo recebimento carimbo e assinatura

21 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia- Eunápolis Av. David Jonas Fadini, S/N Rosa Neto Eunápolis BA CEP: Telefax: (73) / Número de processos referente ao documento do setor... entregue ao arquivo no dia...para conferência (anexo a guia de transferência) Responsável pela transferência carimbo e assinatura Responsável pelo recebimento carimbo e assinatura

22 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia- Eunápolis Av. David Jonas Fadini, S/N Rosa Neto Eunápolis BA CEP: Telefax: (73) / Lista dos alunos referente ao documento ficha de matrícula do setor... entregue ao arquivo no dia...para conferência 01.Ana Santos souza 02.Carla Cerqueira Santos (anexo a guia de transferência) Responsável pela transferência carimbo e assinatura Responsável pelo recebimento carimbo e assinatura

23 SUGESTÃO DE MODELO DE ETIQUETA AS ETIQUETAS DEVEM SER IMPRESSAS E COLADAS NA FRENTE DA CAIXA. CADA CAIXA DEVERÁ IDENTIFICAR O SETOR QUE PRODUZIU O DOCUMENTO, UM ASSUNTO(FOLHA DE PONTO) E ANO PARA QUE DESSA FORMA O DOCUMENTO POSSA SER LOCALIZADO AO SOLICITADO. NÃO É INDICADO FAZER ETIQUETA ESCREVENDO DIRETAMENTE NA CAIXA COM A UTILIZAÇÃO DE PILOTO..EM ORDEM ALFABÉTICA JÁ QUE VAI SER SOLICITADO PELO NOME..CAIXAS NUMERADAS-OPCIONAL RH F.PONTO A/B RH F. PONTO C/D RH F. PONTO JAN. A FEV. RH F. PONTO MARÇO JAN. FEVEREIRO JANEIRO A A A 2004.CONTROLE DE SAÍDA DE MATERIAL.ORDENADO POR MÊS. ALMOXARIFADO ALMOXARIFADO ALMOXARIFADO ALMOXARIFADO C.SAÍDA DE MATERIAL C.SAÍDA DE MATERIAL C. SAÍDA DE MATERIAL C. SAÍDA DE MATERIAL JAN. A MAR. JAN.A FEV. DEZEMBRO JANEIRO CX 01 CX A

24 DEPEN MEMORANDO- RECEBIDO SETOR PROVAS SETOR PROVAS SETOR PROVAS JANEIRO (VESTIBULAR) (VESTIBULAR) (VESTIBULAR) CX 01 CX A ETIQUETAS NUMERADAS-UTILIZA UMA TABELA NO SISTEMA PARA LOCALIZAR /05 02/05 03/

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental do Ministério Público do Estado do Paraná Curitiba 2015 P223g Paraná. Ministério Público. Departamento de Gestão Documental Guia prático para a mensuração do

Leia mais

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010 : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento e desarquivamento dos autos processuais findos oriundos das Unidades Organizacionais (UO s) do TJ/AM Área-Fim. 2. Campo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS Abril/2015 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 5 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL Edna Maria da Silva Matte 1 ; Graziela Boreck Rosa 2 ; Josilda Rodrigues Souza 3 ; Marcia Correia de Souza 4 ; Marizete Aparecida Schulz de Souza5 Agente Universitária vinculada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGJUR-043 00 1 de 16

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGJUR-043 00 1 de 16 Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Diretor da Divisão de Gestão de Documentos (DIGED) Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Diretor-Geral da Diretoria Geral de Apoio

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos 1/7 2. Técnicas de atendimento (presencial e a distância) ao cliente interno e externo: técnicas de triagem, organização e registro fluxo documental; planejamento e organização do ambiente de trabalho/

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos O software DataDoc 4.0 tem como finalidade automatizar a gestão de acervos documentais, englobando todas as fases da documentação. Totalmente desenvolvido em plataforma

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Noções de Arquivologia. www.concurseiro24horas.com.br. Aula Inaugural. Prof. Kátia Quadros. Prof. Kátia Quadros 1 14

Noções de Arquivologia. www.concurseiro24horas.com.br. Aula Inaugural. Prof. Kátia Quadros. Prof. Kátia Quadros 1 14 Aula Inaugural 01 Noções de Arquivologia Prof. Kátia Quadros www.concurseiro24horas.com.br Prof. Kátia Quadros 1 14 AULA INAUGURAL DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PÓS EDITAL 1. OBSERVAÇÕES INICIAIS... 3 2.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento do Arquivo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 8 5 Diretrizes... 8 6

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA TRANSFERÊNCIA OU ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS

GUIA RÁPIDO PARA TRANSFERÊNCIA OU ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS MINISTÉRIO DA SAÚDE GUIA RÁPIDO PARA TRANSFERÊNCIA OU ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS Brasília DF 2014 coleção arquivo MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Subsecretaria de Assuntos Administrativos GUIA RÁPIDO

Leia mais

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012.

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012. 001/20 - Providenciar o Arquivamento, : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento, desarquivamento e encaminhar os autos processuais findos oriundos das Unidades

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA:

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA: PÁGINA: 1/12 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD CÓDIGO POP.066010004/001 TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB ELABORADO EM: 24/06/2011 RESP. PELA UF: LUIZ CARLOS MARTINS ASSINATURA: VERIFICADO EM:

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários Ministério Público (Paraná). Departamento de Gestão Documental. Levantamento

Leia mais

Art. 2º A referida tabela e os procedimentos de que tratam o artigo anterior passam a fazer parte, em anexos de 1 a 6, da presente Resolução.

Art. 2º A referida tabela e os procedimentos de que tratam o artigo anterior passam a fazer parte, em anexos de 1 a 6, da presente Resolução. RESOLUÇÃO N o 005, de 5 de julho de 2010. Aprova Tabela de Temporalidade e Procedimentos de Eliminação dos Documentos das Atividades-Fim da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ. O PRESIDENTE DO

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 10 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes a Guarda de Documentos de Terceiros. 2. APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se aos processos da guarda de documentos de terceiros,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

ORGANIZAÇÃ ÇÃO DE ARQUIVOS. Parte 7

ORGANIZAÇÃ ÇÃO DE ARQUIVOS. Parte 7 ORGANIZAÇÃ ÇÃO DE ARQUIVOS Parte 7 É o acesso à informação o contida nos arquivos: seja aquela que é imprescind í vel para a tomada de decisões es e para o funcionamento da administração o de instituiçõ

Leia mais

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Nota 27 Logística Documental

Nota 27 Logística Documental Nota 27 Logística Documental Tipos de serviços de documentos para DVII: ) Requisição: Armazenagem de caixas box; Armazenagem de mídias digitais; Armazenagem de plantas de engenharia; Realização de digitalização

Leia mais

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal LEI Nº 1381/2015 Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Municipal de Rubineia, define as diretrizes da política municipal de arquivos públicos e privados e cria o Sistema Municipal de Arquivos SISMARQ.

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

OFICINA DE PRÁTICAS ARQUIVISTICAS

OFICINA DE PRÁTICAS ARQUIVISTICAS OFICINA DE PRÁTICAS ARQUIVISTICAS Objetivo Promover a gestão documental eficiente, através da capacitação dos servidores da Uneb a fim de que estes atuem junto aos Arquivos Setoriais. COMO ORGANIZAR UM

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos

Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos Gestão Documental Gestão Documental Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos em fase corrente e intermediária, visando

Leia mais

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte)

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO PTJAM 61 Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA ARQUIVO HISTÓRICO DA UFJF CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Versão do dia 14/11/07. gad.pdf Prof. Galba Ribeiro Di Mambro

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público.

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. BENEFICIADOS: Administração Estadual. Pesquisadores. Entidades científicas brasileiras. Demais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Cerejeiras CNPJ/MF: 04.914.925/0001-07 Avenida das Nações, 1919 Centro CEP: 76.997-000 Cerejeiras Rondônia L E I

Prefeitura Municipal de Cerejeiras CNPJ/MF: 04.914.925/0001-07 Avenida das Nações, 1919 Centro CEP: 76.997-000 Cerejeiras Rondônia L E I LEI MUNICIPAL Nº.1.834/2010 Cerejeiras - RO, 23 de Novembro de 2010. Dispõe sobre a Criação do Arquivo Público Municipal, na estrutura Administrativa do Município de Cerejeiras dá outras providências.

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE

TABELA DE TEMPORALIDADE TABELA DE TEMPORALIDADE E-mail: luiz@lacconcursos.com.br 1 2 Instrumento que define os PRAZOS DE GUARDA e DESTINAÇÃO FINAL dos documentos. O Prazo de Guarda dos Documentos é um termo técnico da arquivologia

Leia mais

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Profa. Dra. Sonia Troitiño Depto. de Ciência da Informação UNESP-Marília, Brasil Objetivos: 1. Discutir formas e condições de incorporação

Leia mais

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como criar um Arquivo Público Municipal Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como

Leia mais

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que:

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que: ORDEM DE SERVIÇO N o 003/2014 Em 16 de janeiro de 2014, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições, tendo em vista a ampliação da eficácia e da eficiência

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002. Estabelece normas e procedimentos para o arquivamento de processos e documentos administrativos. 1 - FINALIDADE

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS a. ARQUIVAMENTO DIÁRIO e ANUAL ORIENTAÇÕES GERAIS

PROCEDIMENTOS RELATIVOS a. ARQUIVAMENTO DIÁRIO e ANUAL ORIENTAÇÕES GERAIS PROCEDIMENTOS RELATIVOS a ARQUIVAMENTO DIÁRIO e ANUAL ORIENTAÇÕES GERAIS Francisca Deusa Sena da Costa 2 APRESENTAÇÃO Com o processo de redemocratização do país, iniciado ainda no final da década de 1970,

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS O que é preciso para autuar um processo? Para atuar processo é necessário que o documento seja original ou cópia, desde que autenticada

Leia mais

Eliminação de Documentos: saiba como...

Eliminação de Documentos: saiba como... Eliminação de Documentos: saiba como... Ano 2, edição 6, Setembro de 2014 O Centro de Recrutamento e Seleção realiza sua primeira eliminação documental com acompanhamento do Centro de Documental. O Centro

Leia mais

Analisado por: (SECAM) (DECCO) intranet

Analisado por: (SECAM) (DECCO) intranet Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Chefe de Serviço de Diretor do Departamento de Diretor da Diretoria-Geral de Catalogação, Classificação e Gestão e Disseminação do Comunicação e de Difusão do

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 5 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao Gerenciamento Acervo Documental Departamento de Estradas de Rodagem Esta Espírito Santo. 2. APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO PERMAMENTE DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE LISTAGENS DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO PERMAMENTE DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE LISTAGENS DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO PERMAMENTE DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE LISTAGENS DE ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS JUNHO 2015 O decreto n 4.073, de 3 de janeiro de 2002, em seu

Leia mais

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop.

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP PARANÁ. CONSELHO ADMINISTRATIVO SESCOOP PARANÁ RESOLUÇÃO No. 06 de 14 de fevereiro de 2000 ORIENTA E NORMATIZA O CONTROLE DE BENS PERMANENTES

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, da

Leia mais

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA 2015 ESTUDOS DE ARQUIVO Informação Documentos Documentos de Arquivo Arquivo Arquivos Públicos Conjunto de documentos produzidos

Leia mais

Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas. Grupo de Estudos / 2012

Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas. Grupo de Estudos / 2012 Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Grupo de Estudos / 2012 Gestão de Bibliotecas Públicas com ênfase em Qualidade Unidades Gerenciais Básicas UGB Biblioteca Municipal Dr. Abelardo de Cerqueira César

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI 2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 PORTARIA Nº 970/PRES, de 15.08.2013 de agosto de 2013 Institui a Política de Gestão Documental da Fundação Nacional do Índio Funai.

Leia mais

Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos. ATENÇÃO: Cópia não controlada SUMÁRIO

Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos. ATENÇÃO: Cópia não controlada SUMÁRIO Proposto por: Diretor da Divisão de Gestão de Documentos Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos Aprovado por: Diretor da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento SUMÁRIO

Leia mais

MOVIMENTAR DOCUMENTOS NO DEGEA 1 OBJETIVO

MOVIMENTAR DOCUMENTOS NO DEGEA 1 OBJETIVO Proposto por: Divisão de Operações (DIOPE) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Comunicação e de Difusão do Conhecimento (DGCOM)

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

1. Conceito Arquivo Biblioteca- Museu

1. Conceito Arquivo Biblioteca- Museu Arquivo 1. Conceito Arquivo é o conjunto de documentos oficialmente produzido e recebido por um governo, organização ou firma, no decorrer de suas atividades, arquivados e conservador por si e seus sucessores

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ KALINE DA SILVA CASSEMIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ KALINE DA SILVA CASSEMIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ KALINE DA SILVA CASSEMIRO RELATÓRIO DA REESTRUTURAÇÃO DE ARQUIVO DA EMPRESA FUKUSHIMA & ADVOGADOS ASSOCIADOS CURITIBA 2013 KALINE DA SILVA CASSEMIRO RELATÓRIO DA REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS AVULSOS Setembro/2013 1 PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS

Leia mais

EDITAL 02/15 SELEÇÃO PARA ALUNO ESPECIAL

EDITAL 02/15 SELEÇÃO PARA ALUNO ESPECIAL 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Ciências Contábeis Programa de Pós-Graduação em Contabilidade Curso de Mestrado Acadêmico em Ciências Contábeis EDITAL 02/15 SELEÇÃO

Leia mais

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS 1 Divisão de Arquivo está subordinada à Coordenação de Documentação e Arquivo Atividades Arquivar e desarquivar documentos/processos; Dar orientação

Leia mais

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA APRESENTAÇÃO 1 Essa é a primeira de uma série de aulas de Arquivologia voltadas para o concurso do TSE/TRE s, mas que certamente serão aproveitadas em diversos concursos de nível médio que cobrem Arquivologia,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 Estabelece normas e procedimentos visando à arrecadação, recolhimento e cobrança das multas previstas no Código Eleitoral

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para o registro e publicação dos acórdãos das Turmas Recursais.

Estabelecer critérios e procedimentos para o registro e publicação dos acórdãos das Turmas Recursais. Proposto por: Equipe da Secretaria das Turmas Recursais (SETRE) REGISTRAR E PUBLICAR ACÓRDÃOS Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS) Aprovado por: Juiz Coordenador 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

POP Organização de Documentos Administrativos;

POP Organização de Documentos Administrativos; PÁGINA: 1/18 ELABORADO POR: Luciana Lott de Almeida Cunha APROVADO POR: Luciana Lott A. Cunha 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO: Este documento tem o objetivo de estabelecer a metodologia de a ser utilizada por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Formulário para Cadastro no Banco Nacional de Projetos do CNMP

Formulário para Cadastro no Banco Nacional de Projetos do CNMP Formulário para Cadastro no Banco Nacional de Projetos do CNMP Nome da Iniciativa/Projeto: Digitalização da Massa Documental do Ministério Público do Estado de Goiás Área Responsável: Departamento de Gestão

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SGD - Sistema de Gestão de Documentos Agosto/2012 SGD - Sistema de Gestão de Documentos Manual do Módulo Documentos Características Orientações de utilização do Módulo Documentos. Apresentação das funcionalidades. Telas explicativas e passo

Leia mais

Dicas de manuseio do Processo Físico para transformação em Processo Eletrônico.

Dicas de manuseio do Processo Físico para transformação em Processo Eletrônico. Rua D. Manuel, 37 Sala 501 - Lâmina III Centro CEP: 20.010-090 Rio de Janeiro / RJ Dicas de manuseio do Processo Físico para transformação em Processo Eletrônico. Rua D. Manuel, 37 Sala 501 - Lâmina III

Leia mais