O setor Marinou? Muitos estão perplexos com a mudança CÁ ENTRE NÓS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O setor Marinou? Muitos estão perplexos com a mudança CÁ ENTRE NÓS"

Transcrição

1 1

2 2 Agosto 2014

3 CÁ ENTRE NÓS O setor Marinou? Visita de Marina na Fenasucro em Sertãozinho Muitos estão perplexos com a mudança abrupta no cenário político brasileiro desde a morte, em 13 de agosto, de Eduardo Campos (PSB), candidato à presidência do Brasil. Eduardo ocupava a terceira colocação nas pesquisas de intenção de voto, pouco ameaçava Aécio Neves (PSDB) e menos ainda a supremacia de Dilma Rousseff (PT). O cenário era de um possível segundo turno entre Dilma e Aécio, isso se a candidata do PT não levasse no primeiro. Com a morte de Eduardo, Marina Silva, que era vice, assumiu a vaga e, em menos de um mês, passou a ser cotada como a futura presidente do Brasil. Deixou Aécio comendo poeira e, segundo pesquisas, empata no primeiro turno com Dilma e ganha da candidata do governo no segundo. E, assim, o rumo do setor sucroenergético mudou de uma hora para outra. A tendência do setor era claramente Aécio Neves, que foi ovacionado em sua participação no TOP Etanol, realizado em junho pelas entidades do setor Aécio navegava tranquilamente nas águas do agronegócio. Não se sabia se o agronegócio, ou principalmente o sucroenergético o mais prejudicado pelo gover- no Dilma, era Aécio desde criancinha, ou se estava Aécio porque era a esperança de mudança no Planalto. Parece que é a segunda opção, pois com a elevação de Marina à condição de futura presidente do Brasil, a sensação é de que o setor marinou. A presença da candidata na Fenasucro, em 28 de agosto, teve status de presidente eleita. E, no dia seguinte, no jantar com líderes sucroenergético e do agronegócio na casa de Plínio Nastari, presidente da Datagro, a UNICA entregou à Marina um documento com os pontos para a recuperação do setor e um compromisso com a sustentabilidade. Mesmo nesse clima de amores, há quem lembre que Marina sempre se posicionou contra o agronegócio e lutou contra as mudanças no Código Florestal. Mas a necessidade de mudança, e o fato de Plínio Nastari ser o assessor da candidata do PSB nos temas sucroenergéticos, empurram o setor na direção de Marina. Porém, como essa campanha eleitoral está cheia de surpresas, tudo pode acontecer até o resultado das urnas. Clivonei Roberto Luciana Paiva 3

4 ÍNDICE Capa A energia que o setor precisa Holofote - O setor sucroenergético e os presidenciáveis Tendências - Cenário para a carne bovina na segunda metade do ano Coluna Datagro - Brasil registra retração no mercado de GNV Mecanização - Tecnologia de ponta do céu ao solo Insectshow - R$ 40 milhões Pesquisa & Desenvolvimento - Motivando o aumento de produtividade

5 Gestão de Pessoas - Desafios da liderança: trilhando caminhos - Usinas carecem de gestores para Inovação Herbishow - Raio-x do canavial Insectshow - Indústria busca o máximo do mínimo Fenasucro - Uma feira heroica - Marina defende novo marco regulatório para o setor Tecnologia - O que fazer na entressafra? Economia - A origem da dívida Cana Substantivo Feminino - A Fenasucro pode mais Editores: Luciana Paiva Clivonei Roberto Redação: Alexandre Carolo Jornalista Leonardo Ruiz Estagiário de jornalismo Marketing Regina Baldin Aproveite melhor sua navegação clicando em: Vídeo Fotos Áudio Entre em contato: Opiniões, dúvidas e sugestões sobre a revista CanaOnline serão muito bem-vindas: Redação: Rua João Pasqualin, 248, cj 22 Cep Ribeirão Preto, SP Telefones: (16) CanaOnline é uma publicação digital da Paiva& Baldin Editora Link Comercial Anderson Siqueira Editor gráfico Thiago Gallo

6 HOLOFOTE 6 Agosto 2014

7 Se não houver mercado, não há investimento em inovação Não adianta os candidatos à presidência da República prometerem um monte de coisas para o setor e, depois, o eleito não cumprir. É preciso incentivar o mercado, porque se não tiver, ninguém vai investir em inovação. É uma cadeia. Uma empresa só vai investir se ver o mercado na frente. Como o mercado sucroenergético está quebrado desde 2008, o que temos que fazer é incentivá-lo. Eu apresentei um trabalho feito pelos especialistas do BNDES logo após a crise. Eles fizeram um levantamento de mercado, apresentando as necessidades do álcool e do açúcar até Chegaram à conclusão que precisa ter mais usinas, só que esse estudo foi arquivado, o governo não deu bola. Precisa ativar esse estudo para que o setor possa crescer novamente. Tarcisio Mascarim, presidente do Simespi (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, de Material Elétrico, Eletrônico, Siderúrgicas e Fundições de Piracicaba, Saltinho e Rio das Pedras) Aécio ou Marina O setor vai votar ou no Aécio ou na Marina, pois são candidatos que têm compreensão da importância que o setor representa para o Brasil. Por outro lado, o setor tem que se mobilizar no sentido de negociar no lugar certo, ou seja, com os distribuidores de petróleo. Precisamos de um acordo que seja bom para ambos. O interlocutor deve ser o Sindicom (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes). O correto é bater nessa porta e não no Governo Federal. Luiz Biagi, empresário Não podemos esperar que, passada a eleição, uma solução caia do céu Acho que o setor sucroenergético passa um pouco ao largo dessa discussão de presidente. Independente de qual seja eleito, o importante é que a gente tenha uma perspectiva de governo e que o setor sucroenergético tenha suas necessidades entendidas. É preciso uma discussão mais ampla do que estamos discutindo hoje. Precisamos pegar todos os ângulos do problema e traçar uma política de longo prazo. Não podemos esperar que, passada a eleição, uma solução caia do céu. Independente de quem seja eleito, precisamos primeiro nos autoentender e, depois, propor soluções 7

8 HOLOFOTE de forma mais ativa. É preciso abranger todos os elementos da sociedade para que se entenda a importância do setor e para que se encontre uma solução que seja aceitável para a sociedade como um todo, senão nós continuaremos remando contra a correnteza como temos feito atualmente. Eu tenho insistido muito em uma nova visão do setor, onde se envolva todos os elos da cadeia, para que possamos encontrar uma solução que seja aceitável para todos e não só para alguns agentes presentes no setor. Fernando Perri Consultor da área empresarial A experiência administrativa associada à consciência de sustentabilidade têm que estar juntas Independente do setor que o profissional esteja ligado, ele tem que estar preocupado com o Brasil, que precisa de alguém que faça com que toda energia latente existente se torne em energia sensível. Ou seja, precisamos reunir as forças vivas da sociedade de forma a fazer o país voltar a crescer, pois estamos em um momento turbulento e de economia ruim, refletindo no setor sucroenergético, que está sofrendo muito com isso. Ao mesmo tempo, temos que pensar que não estamos preparando um planeta para a eleição, mas para as próximas gerações. Portanto, precisamos de alguém que tenha consciência que sustentabilidade é importante, mas alguém que, além disso, também tenha prática e gramática na condução das forças da união. Eu acho que a experiência administrativa associada à consciência de sustentabilidade têm que estar juntas. Hoje, temos um candidato que possui bastante noção administrativa. A outra candidata tem muita ideologia de sustentabilidade, porém, não tem prática executiva. Já a atual provou que não serve. Então, devemos ter em mente que precisamos de alguém que nos gerencie muito bem e que nos coloque novamente num ciclo de desenvolvimento, unindo toda energia latente e transformando-a em sensível, fazendo o País crescer. José Américo Rubiano Consultor e diretor da Consultoria J. A Rubiano É fundamental que escolhamos os candidatos que enxerguem o país de uma maneira estratégica Eu acho que é fundamental que o setor se una, se tornando mais politicamente expressivo e forte, e coloque suas demandas para poder reverter o atual quadro. Existem muitas possibilidades que estão somente na decisão política. É fun- 8 Agosto 2014

9 damental também que escolhamos os candidatos que enxerguem o país de uma maneira estratégica, ou seja, de uma forma em que todos os setores ganhem. O que não pode é ficar prejudicando, consequentemente, alguns setores com a atual política de combate à inflação. Usa-se de ferramentas artificiais para conter a inflação, prejudicando tanto a estatal mais importante do Brasil, a Petrobras, e também o setor sucroenergetico, através dos preços que temos hoje dos combustíveis. Nós temos que enxergar aquele que realmente veja isso. Felix de Castro, diretor da FCN Tecnologia O fator mais importante dentro da política é a renovação Em minha opinião, o fator mais importante dentro da política é a renovação. O PT (Partido dos Trabalhadores) já teve 12 anos de governo. Dessa forma, é fundamental que possamos trazer outro grupo de pessoas para trazer novas ideias, nova postura e uma nova maneira de conduzir o País. A morte do Eduardo Campos e a vinda da Marina Silva como candidata mudou completamente as pesquisas de intenção de voto. Ela se colocou com uma fortíssima candidata e agora conseguimos ver que existe alguém que pode brigar com a possível reeleição da Dilma. Marcelo Maia, diretor comercial da Coremal e direto da Prosugar Não podemos ficar sem o etanol na matriz energética brasileira A fala de Marina Silva durante a Fenasucro 2014 foi uma forma de dar mais gás pra gente. Mas independente de quem ganhe as eleições presidenciais desse ano, tem que haver reconhecimento das externalidades do setor. Marina está fazendo um bom discurso nesse sentido. Mas todos os candidatos têm que perceber isso, senão vai chegar um momento em que não será possível mais respirar esse ar de tanta poluição, não podemos ficar sem o etanol na matriz energética brasileira. Caso Dilma Rousseff seja reeleita, temos que mostrar pra ela todas as vantagens do etanol. O setor precisa fazer a sua parte que é investir em tecnologia e marketing. Pedro Mizutani, vicepresidente de açúcar, etanol e bioeletricidade da Raízen 9

10 COLUNA DATAGRO O consumo de Gás Natural Veicular (GNV) no Brasil anda em baixa Brasil registra retração no mercado de GNV 10 Agosto 2014

11 11

12 COLUNA DATAGRO DATAGRO Consultoria Ao contrário do desempenho crescente do mercado de combustíveis do ciclo Otto, o consumo de Gás Natural Veicular (GNV) no Brasil anda em baixa. De janeiro a maio, o consumo médio diário de GNV atingiu ³ m³/dia, 2,3% a menos do que em mesmo período de 2013 ( ³ m³/dia). A retração do setor de GNV decorre do maior foco do governo em atender o mercado termoelétrico. Quase a totalidade dos investimentos recentes esteve centrada em terminais ligados à infraestrutura para a geração de energia elétrica, preterindo, portanto, as distribuidoras de combustíveis. Não é à toa que há atrasos em licitações para construções de gasodutos previstas pelo Plano de Expansão da Malha de Transporte (PEMAT). O consumo de Gás Natural pelas termoelétricas subiu 11,8% em um ano para m³/dia na média de janeiro a maio. A queda do consumo de GNV responde também ao aumento do preço ao consumidor, fruto direto do mercado elétrico mais aquecido. Em São Paulo, o GNV hoje é negociado a R$ 1,76/m3, alta de 5,4% desde o início do ano. Quanto ao hidratado, o consumo sofreu uma leve redução no mês de maio para 981,16 milhões de litros, 1,3% a menos que no mês anterior, porém 24,2% acima do volume consumido em maio de De janeiro a maio, portanto, a demanda de hidratado somou 5,08 bilhões de litros, 24,5% a mais que em mesmo período do ano passado. Diante da demanda mais aquecida, os preços do etanol ao produtor pararam de cair, sobretudo por conta da maior proporção de ATR sendo direcionada à fabricação de açúcar. Desde o início de junho o valor médio do hidratado em São Paulo subiu 2,6% para R$ 1,2251/ litro (ex-mill), enquanto o anidro é hoje negociado a R$ 1,3405/litro. Já o consumo de gasolina A no acumulado de janeiro a maio alcançou 13,55 bilhões de litros, aumento de apenas 3,4% sobre idêntico período de 2013, variação proporcionalmente menor ao registrado pelo consumo de hidratado. Dessa forma, a participação do etanol na matriz de consumo de combustíveis do ciclo Otto subiu para 35,8% na média parcial do ano, contra 33,7% em todo o ano de 2013, e 31,8% em Agosto 2014

13 13

14 MECANIZAÇÃO 14 Agosto 2014

15 Tecnologia de ponta do céu ao solo NA DINÂMICA DE TECNOLOGIA, REALIZADA NA FEACOOP, NOS CAMPOS DE EXCELÊNCIA TECNOLÓGICA DA COOPERCITRUS, PRODUTORES CONFERIRAM AS INOVAÇÕES DO MUNDO RURAL 15

16 MECANIZAÇÃO Luciana Paiva O pôr-do-sol dava um colorido especial ao céu que encobria o campo de excelência tecnológica na área de cana da Coopercitrus, em Bebedouro, SP, em 6 de agosto, durante a Feacoop, feira de tecnologia realizada pela entidade, de 5 a 7 agosto. Produtores de cana, profissionais de usinas e até proprietários participavam de uma dinâmica de campo, mas não era uma dinâmica comum, era de tecnologia de ponta. A Coopercitrus preparou dois campos de excelência contemplando as culturas de grãos e cana-de-açúcar. Nos campos, desfilaram novas práticas de agricultura de precisão em grãos, a biotecnologia em sementes, diagnósticos de precisão para nutrição do milho e o plantio de mudas de cana com taxa variável e controle de segmento das linhas de plantio com dinâmicas envolvendo o plantio de mudas pré-brotadas (MPB) em uma área irrigada por Pivot Central. Drone agrícola Investimento em tecnologia é a melhor forma para aumentar a produtividade. E, hoje aqui, não faltam inovações, diz Carlos Eduardo Prudente Corrêa, produtor de cana e laranja na região de Terra Roxa e Viradouro. E não faltava mesmo. No céu, enquanto o sol se recolhia, um pequeno objeto, semelhante a uma miniatura de nave espacial, passeava sobre as li- Investimento em tecnologia é a melhor forma para aumentar a produtividade, diz Carlos Eduardo Prudente Corrêa 16 Agosto 2014

17 17

18 MECANIZAÇÃO Drone sobrevoa o campo de excelência tecnológica da Coopercitrus nhas de cana, atraindo os olhares curiosos dos profissionais do campo. Era um drone agrícola pequeno aparelho de voo não tripulado. O dispositivo foi desenvolvido e utilizado para fins militares por anos, filmando e fotografando as regiões por onde passa. O nome que se usa para identificá-lo vem do inglês: drone, que na tradução quer dizer zangão. Os drones agrícolas ajudam na preservação e monitoramento de grandes lavouras e florestas, facilitando a identificação de pragas ou danificações. Carregando uma ou mais câmeras de vídeo, é controlado do chão, mas mostra do alto tudo o que está acontecendo em todos os cantos da propriedade. A câmera que carregam tira fotos e faz filmagens de alta definição. Pode voar a até 60 metros de altura e, dependendo das condições, tem autonomia para ficar até 40 minutos no ar, período em que daria para documentar 40 hectares. Uma estação meteorológica também serve de antena para facilitar a comunicação com o drone. Equipado com computador de bordo e GPS, que recebe sinais de oito satélites, é possível fazer um sobrevoo milimetricamente preciso. Os dados são transmitidos para uma central onde outros técnicos analisam as informações e geram um mapa para se fazer o controle, por exemplo, de pragas como a saúva. A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) 18 Agosto 2014

19 19

20 MECANIZAÇÃO Produtores rurais, profissionais de usinas e empresários sucroenergético conferem exibição de tecnologia de ponta na Feacoop anunciou que até novembro sai a regulamentação do uso desses equipamentos. Tecnologia sobre rodas Ao espionar lá do céu, os drones registraram as tecnologias sobre rodas em ação no campo de excelência tecnológica da Coopercitrus. Tratores e pulverizadores se exibiam sob olhar atento dos produtores que conferiam o desempenho das máquinas e ouviam um locutor que explanava as vantagens e as ferramentas embarcadas nos equipamentos. Trator de última geração traciona a transplantadora de mudas de cana da Roster 20 Agosto 2014

21 Em outra área havia um pivot para irrigação utilizado em linhas de plantio de mudas de cana. Imagem ainda pouco comum no interior paulista, a adoção da irrigação por essas bandas começa a ser pensada, após a estiagem no último ano. Enquanto a maioria ainda analisa se a irrigação é viável nas terras paulistas, para Carlos Eduardo Prudente Corrêa irrigação por pivot já é ultrapassada. Para ele, o melhor é gotejamento. Dos 900 hectares que cultiva com cana, 118 recebem irrigação por gotejo e apresentam média de produtividade de 160 toneladas/hectare. Mudas pré-brotadas Está em seus planos aumentar a área com cana irrigada, principalmente as que Transplantadora Roster para o plantio de Plene da Syngenta 21

22 MECANIZAÇÃO Profissionais de usinas e produtores conferem de perto plantadora de mudas AgMusa da BASF vão receber as mudas de cana pré-brotadas para a formação de viveiros, que é outra tecnologia apresentada na dinâmica de campo da Feacoop. Ele vai investir na formação de viveiros de mudas sadias. No evento, a BASF apresentou as mudas AgMusa, e a Syngenta apresentou as tecnologias Plene Evolve (mudas desenvolvidas para viveiros pré-primários) e Plene PB (mudas pré-germinadas para usinas que não têm viveiros). Para o plantio das mudas Plene, a Syngenta levou à dinâmica a transplantadora que desenvolve em parceria com a Roster e que apresenta um inovador sistema de plantio Direto de Mudas. Realiza subsolagem, destorramento, adubação e plantio, e aplicação de pré-emergente na mesma operação. Contém mecanismo de distribuição que simula a mão humana. Distribuição uniforme e regulagem de profundidade de mudas. 22 Agosto 2014

23 Já a Basf apresentou a plantadora desenvolvida pela empresa e criada especialmente para atender à cultura canavieira, respeitando todas as exigências das Normas Regulamentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho (NRs). A plantadora funciona com o sistema de pinças, abre o sulco, distribui os defensivos químicos, coloca a muda na profundidade certa e faz a cobertura para que não ocorra o tombamento da muda. Carlos Eduardo vai investir na produção de viveiros de cana com mudas sadias, conta que pesquisou muito as alternativas que estão no mercado e chegou à conclusão que a AgMusa é a melhor delas, e vai fechar negócio. Gustavo Zanini Sverzut, diretor da Caldeagro Agríco- la (usina Uberaba), também participou da dinâmica da Feacoop. É um defensor da adoção da agricultura de precisão e diz que vem acompanhando a evolução das pesquisas de muda sadia e que optou pela AgMusa. Enquanto os dois produtores vão iniciar a prática das mudas sadias, a Usina São José da Estiva, de Novo Horizonte, SP, já a adotou. Segundo seu gerente agrícola, Júlio Vieira de Araújo, a Estiva plantou 12 hectares com mudas AgMusa e Plene. A cana resultante dessas tecnologias vai cobrir a área de renovação da Usina que realizará a prática de meiosi com amendoim. Vamos plantar amendoim e após colhê-lo, em 2015, entramos com a cana, salienta Júlio, que dá uma dica importan- Gustavo Zanini Sverzut já fechou negócio com a BASF para aquisição das mudas AgMusa 23

24 MECANIZAÇÃO Na dinâmica de tecnologia de ponta na Feacoop: Fábio Araújo (BASF), Roberto Holland (Usina São José da Estiva), Marcelo Bassi (AGCO), Sandro Cabrera (São José da Estiva), Francisco Verza (BASF), Júlio Araújo (São José da Estiva) e Fernando Degob (Coopercitrus) te para quem está iniciando essa prática. Para o bom desenvolvimento dessas mudas, é fundamental que haja umidade. Alguns profissionais da Estiva compareceram à dinâmica da Feacoop. Tecnologia para todos Durante a feira e as ações no campo, a equipe técnica do departamento de máquinas e implementos agrícolas da Coopercitrus esclareceu dúvidas dos agricultores. Segundo o diretor comercial de máquinas e implementos agrícolas da Coopercitrus, José Geraldo Mello, durante a feira os cooperados encontraram preços, prazos e financiamentos diferenciados pelos maiores agentes financeiros do país para a aquisição de novas máquinas. Só se produz mais com tecnologia, com agricultura de precisão, com índice de biomassa na cana, vendo por satélite o índice de fotossíntese da planta e as falhas. Os recursos disponíveis para a obtenção dessas tecnologias só chegam aos grandes produtores, mas a cooperativa vai ajudar os pequenos e médios a ter acesso a elas, ressalta José Geraldo. A Feacoop 2014 contou com 160 expositores, aproximadamente 10 mil visitantes e faturamento superior a R$ 200 milhões. Confira vídeo sobre o Plantio de mudas AgMusa em dinâmica de campo na Feacoop 24 Agosto 2014

25 25

26 TENDÊNCIAS Cenário para a carne bovina na segunda metade do ano Lara Moraes 1 e Luiz Albino Barbosa 2 Os bons fundamentos do mercado global de carne bovina, somados ao cenário positivo para o setor no Brasil, animam pecuaristas e frigoríficos brasileiros, que esperam bons retornos ainda em Essa visão sobre o desempenho da bovinocultura de corte é um consenso entre os especialistas do setor. Para entender essa tendência e conhecer mais a fundo o que está acontecendo no mercado, é interessante analisar o desempenho esperado para 2014 dos 26 Agosto 2014

27 maiores produtores mundiais de carne bovina. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), cinco países representam 66% da produção de bovinos no mundo: Estados Unidos (20%), China (15%), Brasil (15%), União Europeia (12%) e Índia (4%). Estados Unidos Os Estados Unidos já anunciaram uma possível diminuição da oferta doméstica de boi gordo. O país vem reduzindo a produção de bovinos nos últimos anos e, em 2014, deve registrar a menor produção de carne bovina nas últimas duas décadas. Essa queda foi agravada pela forte seca que atingiu o país em Na época, os custos de produção se elevaram em virtude do aumento dos preços dos grãos, e o rebanho norte-americano diminuiu e ainda não foi totalmente recuperado. União Europeia Tudo indica que a oferta também será menor na União Europeia, mas o motivo deve ser a preferência dos pecuaristas pela produção de leite. O aumento do preço do leite e o fim das quotas de pro- Cinco países representam 66% da produção de bovinos no mundo 27

28 TENDÊNCIAS dução (sistema implantado em 1984 para reduzir a oferta do produto na Europa) estimularam os produtores a investir no rebanho leiteiro. China A demanda por carne bovina está aquecida no País, e a produção doméstica da China nesse segmento continuem crescendo, mas em ritmo menor. Índia A produção está crescendo de forma contínua desde 2008, o que aumentou a participação do País no comércio internacional. Pela sua localização privilegiada, Exportações brasileiras registraram o recorde de US$ 2,7 bilhões não é suficiente para atender o seu mercado consumidor. Isso abre grandes oportunidades para os países produtores abastecerem o mercado chinês. Segundo o USDA, de 2012 a 2013 as importações chinesas de carne bovina aumentaram 316%. Em 2014, espera-se que as importações perto de importantes mercados consumidores, como Sul da Ásia e Oriente Médio, a Índia se tornou uma importante fornecedora de carne bovina para os países dessas regiões. Além disso, o País segue o princípio islâmico halal (que determina se um alimento é permitido ou não para 28 Agosto 2014

29 consumo) observado em muitos países da Ásia e do Oriente Médio. Brasil O País vem se beneficiando desse cenário mundial de forte demanda e oferta interna restrita. Dos cinco maiores produtores de carne bovina, três (Estados Unidos, União Europeia e China) apresentam queda na produção. Isso aumentou a demanda internacional pela carne brasileira. As exportações no primeiro semestre do ano, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), registraram o recorde de US$ 2,7 bilhões, 15% acima do mesmo período do ano anterior. Além do melhor preço, a desvalorização do real frente ao dólar foi crucial para esse resultado. No mercado interno, a seca no início do ano levou à redução da oferta de animais. Além disso, com o intuito de ampliar o rebanho, os pecuaristas retiveram vacas, o que limitou ainda mais a oferta. Com isso, o preço da carne bovina, que iniciou o ano a R$ chegou a quase R$ na segunda quinzena de março o maior patamar de toda a série histórica do Indicador Esalq/BM&FBovespa. Apesar do temor de que a inflação possa conter o consumo de carne bovina, especialistas ainda mantêm uma visão positiva, em virtude do alto consumo e das exportações elevadas do primeiro semestre, que têm contribuído para pressionar a oferta. A expectativa é que ela continue apertada, o que pode resultar em bons preços até o fim do ano. 1 Analista Sênior do Centro PwC de Inteligência em Agronegócio e Bacharel e Mestre em economia pela UNESP/Araraquara 2 Gerente do Centro PwC de Inteligência em Agronegócio, Mestre em Agroenergia pela Esalq-USP/Embrapa/FGV e Bacharel em Relações Internacionais pela FAAP 29

30 INSECTSHOW Dos R$ 40 milhões gastos por safra, 2/3 são voltados para o controle de duas pragas específicas: Broca e o Sphenophorus Levis DIVULGAÇÃO RAÍZEN R$ 40 milhões ESSE É O VALOR GASTO POR SAFRA PELA RAÍZEN PARA CONSEGUIR CONVIVER COM O COMPLEXO DE PRAGAS QUE HABITAM OS CANAVIAIS DO GRUPO Leonardo Ruiz Você leu certo. Essa bela cifra é gasta, anualmente, pelo maior grupo sucroenergético do país para apenas conviver com as pragas. Apesar disso, o sentimento atual da empresa é o de estar perdendo essa briga. E tudo isso pode ficar ainda pior. Caso não sejam feitas boas estratégias de controle, esse número pode subir em até 12%. Esse é um tema em que colocamos muita energia, mas, infelizmente, ainda não conseguimos chegar ao ponto ideal. Isso porque algumas estratégias adotadas não estão causando os efeitos esperados, conta o gerente de planejamento agrícola da empresa, Rodrigo Vinchi. Olhando os números da Raízen, que conta com 24 unidades que produzem cerca 30 Agosto 2014

31 de dois bilhões de etanol e quatro milhões de toneladas de açúcar por ano, fica claro que qualquer problema pode tomar proporções assustadoras. Uma infestação de pragas, por exemplo, pode dizimar a produtividade e jogar a lucratividade no ralo. Dessa forma, se um problema é multiplicado por dez, o mesmo acontece com as formas de combate. Somente na safra 2013/14, foram monitorados 265 mil hectares de broca, 190 mil ha de pragas de solo e 330 mil de Cigarrinha-das-raízes. A partir desses números dá, portanto, para imaginar o quanto de mão de obra será gasta para realizar esses procedimentos. Por isso, que, na empresa, a base do modelo de gestão de manejo de pragas começa na capacitação da equipe. Dentro de uma sala de aula, o colaborador passa a entender qual praga estará sendo monitorada e qual o papel dele nesse processo. Após isso, ele vai para o campo, aonde irá aprender a reconhecer e identificar corretamente a praga, afirma Vinchi. Mas não adianta um levantamento bem feito se essa informação não chega às mãos corretas. Através de coletores, que têm capacidade de georreferenciar os pontos de amostragem, os dados são, rapidamente, enviados aos escritórios. Após coletados, a equipe agrícola conseguirá tomar decisões acertadas sobre a melhor forma de controle. Experimentações Embora existam 24 unidades, a Raízen, de forma corporativa, utiliza um padrão comum de recomendações. Assim, os mesmos critérios para controle de pragas utilizados em determinada usina, são DIVULGAÇÃO FMC De forma corporativa, a Raízen utiliza um padrão comum de recomendações, visando facilitar a gestão da área de suprimentos e o acompanhamento e efetividade dos mecanismos de combate 31

32 INSECTSHOW replicados para as outras. Isso visa facilitar a gestão da área de suprimentos e o acompanhamento e efetividade dos mecanismos de combate. E para que esses procedimentos sejam os mais corretos possíveis, todas as recomendações técnicas são embasadas em cima das experimentações realizadas por profissionais do Grupo, que, além de testar a eficiência de um experimento de broca que correlaciona a chuva com os picos populacionais da praga. Com isso, conseguimos identificar claramente que, se eu não estiver atento a esses momentos no meu monitoramente, com adoção de estratégias de controle, o dano será causado. Todo esse trabalho acontece, portanto, para tentar combater o grande núme- ARQUIVO CANAONLINE Segundo o gerente de planejamento agrícola, a briga da Raízen com a broca está, praticamente, ganha inseticidas ou do controle biológico, focam, também, em levantamentos que visam entender a dinâmica e a flutuação populacional das principais pragas. O gerente de planejamento agrícola afirma que esse trabalho de base é extremamente importante para um bom direcionamento das estratégias de controle. Em Araçatuba, SP, por exemplo, fizemos ro de pragas que infestam os canaviais do Grupo. Lembra-se da cifra do título? Pois é, desse montante, 2/3 são gastos para o controle de duas pragas específicas: Broca e o Sphenophorus levis. Broca Dentre as unidades com os piores problemas relacionados a essa praga, des- 32 Agosto 2014

33 tacam-se as regiões de Araçatuba e as unidades Junqueira, localizada em Igarapava, e Zanin, de Araraquara. Nessas duas últimas, a empresa acredita que, em alguns anos, os níveis de infestação diminuam. Já as unidades da região de Araçatuba, devido às condições climáticas, que favorecem o surgimento de pragas, irão precisar de grandes esforços para manter a infestação em níveis aceitáveis. Podemos afirmar que a briga com a broca está sendo ganha. Na unidade de Destivale, por exemplo, há sete anos, cerca de 30% da área continha intensidade de infestação acima de 10%. Com muito trabalho e diversas estratégias, conseguimos diminuir esse número. Isso refletiu, inclusive, na qualidade da matéria-prima, afirma Vinchi. Para o levantamento dessa praga, o gerente conta que, embora a metodologia broca/hectare seja mais precisa, o broca/hora/homem acaba sendo uma melhor alternativa, devido à sua agilidade. Como possuímos um grande volume de áreas, se não tivermos agilidade, perdemos a corrida para a praga. Segundo ele, em períodos de safra, é alocada uma pessoa para cada hectares. Porém, ressalto que só irei conseguir fazer todo o monitoramento necessário se eu setorizar minhas usinas, determinando os setores e alocando os recursos humanos necessários em cada um. Para o manejo da broca, a empre- DIVULGAÇÃO RAÍZEN Evolução da % de intensidade de infestação da broca nas unidades da Raízen 33

34 INSECTSHOW sa privilegia o controle biológico. Por safra, são produzidos mais de um milhão e meio de copos de Cotesia flavipes. Mas, o controle biológico só vai funcionar e dar um retorno esperado se investirmos na qualidade do material que estamos produzindo. Hoje, temos tentado melhorar as nossas estruturas, saindo das improvisadas, que diminuem a eficiência e pioram a qualidade, para estruturas melhores, já pensadas como laboratórios. Estas possuem ambientes controlados para que os níveis de infecção do material sejam os menores possíveis. Outro ponto importante desse tipo de controle é a forma que esse material é levado para o campo e liberado. Para isso, utilizamos um material bem acondicionado, acomodado em caixa de isopor, além DIVULGAÇÃO RAÍZEN ARQUIVO CANAONLINE As piores infestações de Sphenophorus Levis se encontram no Polo de Piracicaba, onde 25,57% das áreas possuem a praga, em nível alto de infestação, e 37,12% em nível médio 34 Agosto 2014

35 Para o manejo da broca, a Raízen privilegia o controle biológico. Por safra, são produzidos mais de um milhão e meio de copos de Cotesia Embora utilize o controle biológico, o gerente afirma que o controle químico não é esquecido, sendo necessário para que a estratégia de manejo seja mais completa e efetiva. de sacos vazados para evitar aquecimento dos copinhos, afirma Vinchi. Ele aponta, ainda, que os copos devem estar com Cotesia nascida, já que não adianta liberar material apenas com massa no campo. Outro ponto que monitoramos e usamos para fazer gestão são as condições ambientais da região em que fazemos o controle biológico. Não adiantará nada, por exemplo, eu liberar cotesia em Araçatuba, às 11h da manhã, com 29 graus e umidade em 40%. Não será eficiente. Portanto, temos tentado entender quais as janelas que podemos utilizar para fazer essa liberação. Sphenophorus levis Se a briga com a broca está, praticamente, ganha, o mesmo não pode ser dito do Sphenophorus levis. Muito pelo contrário. Ela está sendo perdida. E de lavada. Para se te uma ideia, em 2005/06, a Raízen registrou quase 57 mil hectares com infestação da praga, totalizando 18% da área total da empresa. Em 2014/15, esse número saltou para 195 mil hectares, equivalente a 43% da área total. As piores infestações se encontram no Polo de Piracicaba, onde 25,57% das áreas possuem a praga em nível alto de infestação e 37,12% em nível médio, seguido do Polo de Araraquara, que possui 10,96% de áreas com alta infestação. Essa curva de crescimento tem assustado os gestores da empresa. Segundo eles, por ano, são aplicados inseticidas em mais de 100 mil hectares. Sendo que essa aplicação é apenas para conviver com o Sphenophorus, sem controlá-lo. Infeliz- 35

36 INSECTSHOW mente, não estamos conseguindo controlar esse bicho. Em função disso, decidimos tomar medidas mais radicais. Uma delas é a destruição mecânica, que, até então, não utilizávamos devido a deficiências estruturais e ao fato de a operação ser chata e difícil, pois o equipamento quebra constantemente e o rendimento não é dos melhores, relata Vinchi. Porém, esse método, extremamente eficiente para o controle de larvas, não será a solução dos problemas da empresa. Os adultos remanescentes nas áreas são identificados, através de monitoramento com iscas tóxicas pós erradicação, e combatidos com o uso de inseticidas incorporados no preparo de solo. Temos que ter cuidados, também, na diferenciação da forma de aplicação x época do ano. Em um período seco, os inseticidas, quando aplicados cortando a soqueira, são mais eficazes. Porém, em época úmida, quando constatamos uma população maior de insetos adultos, percebemos melhor eficiência na aplicação em drench, completa o gerente. Segundo ele, todas essas novas estratégias visam, acima de tudo, mudar o rumo daquela curva de crescimento. Essa é uma praga muito importante e que consome um volume expressivo de dinheiro. Na verdade, fingimos que controlamos o Sphenophorus. Porém, não estamos nem controlando ou manejando, mas, meramente, convivendo, de uma forma que está melhor para ele do que para nós, finaliza. DIVULGAÇÃO RAÍZEN Histórico de áreas (ha) com infestação de Sphenophorus Levis 36 Agosto 2014

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

1º Encontro de Comunicação do Setor Sucroenergético de Minas BELO HORIZONTE 08/10/09

1º Encontro de Comunicação do Setor Sucroenergético de Minas BELO HORIZONTE 08/10/09 1º Encontro de Comunicação do Setor Sucroenergético de Minas Gerais BELO HORIZONTE 08/10/09 . Jornal Canavial SIAMIG-SINDAÇÚCAR-MG EVOLUÇÃO DA COMUNICAÇÃO. Criação do Boletim Eletrônico. Criação do Site

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

BASF Cana Crescer a cada desafio

BASF Cana Crescer a cada desafio BASF Cana Crescer a cada desafio Pag. 1 Pag. 2 Soluções integradas por todo o ciclo da cana-de-açúcar. Pag. 3 Cada dia nos desafia a crescer. Pag. 4 Buscar oportunidades para produzir mais, melhor e com

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/consumidor-parte-para-gerar-apropria-energia-1.1203880 Em um ano

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Mercado global. vive momento de mudanças

Mercado global. vive momento de mudanças DATAGRO Mercado global vive momento de mudanças A indústria mundial de açúcar e etanol, setor no qual o Brasil figura como um dos principais líderes, vive um cenário de transformações. Enquanto no país

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015 ROTEIRO Safra 2014/2015 Bioeletricidade Políticas Públicas e Setoriais 1 - SAFRA 2014/2015 SAFRA 2014/2015 REGIÃO CENTRO-SUL Condições agrícolas e operacionais

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2014 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM. Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18 Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.BR Agronegócio Brasileiro: Cana-de-açúcar O que será do Brasil

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

Gestão do Controle de Pragas no Grupo Raízen. Ribeirão Preto 24/07/2014

Gestão do Controle de Pragas no Grupo Raízen. Ribeirão Preto 24/07/2014 Gestão do Controle de Pragas no Grupo Raízen Ribeirão Preto 24/07/2014 Números da Raízen Monitoramento de Pragas (Safra13/14): V Broca: 265.000 ha Pragas de Solo: 190.000 ha Cigarrinha: 330.000 ha M Q

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Abril de 2012 Expectativa de expansão da safra 2012/13 do complexo sucroalcooleiro no Brasil poderá ser afetada pelo clima seco Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil O Panorama brasileiro e mundial Diego Nyko - Departamento de Biocombustíveis Rio de Janeiro, 07-04-2015 // 1 1 Agenda 1. Contexto setorial: produtividade

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

Renda agropecuária dos Estados Unidos deve cair 13,8% em 2014, di... Página 1 de 10

Renda agropecuária dos Estados Unidos deve cair 13,8% em 2014, di... Página 1 de 10 Renda agropecuária dos Estados Unidos deve cair 13,8% em 2014, di... Página 1 de 10 RuralBR Agricultura Pecuária Canal Rural Tempo Cotação Blogs Especiais Últimas Notícias C2Rural Lance Rural Agricultura

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO 1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO Atualizado em 07-abr-2014 Este documento refere-se às instruções de preenchimento do cadastro de usinas para o levantamento de custos de produção de cana-de-açúcar,

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*)

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*) CANA-DE-AÇÚCAR Período: Janeiro/2016 Quadro I - PREÇO NA USINA EM SÃO PAULO (Em R$/unidade*) Produtos Unidade 24 12 1 Mês Mês Atual Açúcar Cristal Cor ICUMSA 130 a 180 Saco/50 kg 50,20 51,05 80,57 83,75

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios...

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios... Conteúdo Aviso Legal...6 Sobre o autor... 7 Prefácio... 8 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11 2. Importação Seus Mistérios... 14 2.1 Importar é Legal?... 15 2.2 Por Que Importar?... 15 2.3

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Desafios e alternativas para o setor elétrico. 8 KPMG Business Magazine

Desafios e alternativas para o setor elétrico. 8 KPMG Business Magazine Desafios e alternativas para o setor elétrico 8 KPMG Business Magazine Concessionárias enfrentam o dilema de elevar receitas em um cenário de alta concorrência e redução de tarifas O consumo nacional de

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais