Este ano, a BioGene está

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este ano, a BioGene está"

Transcrição

1

2 xxxx EDITORIAL 02/03 BioGene Informa EXPEDIENTE BioGene Informa 2ª Edição Distribuição gratuita para clientes da BioGene Tiragem: exemplares Editor: Waldir Franzini Coordenação: João Roberto Dreher Jornalista Responsável: Melissa Bulegon - MTB Editoração e Arte: Nakao Marketing e Comunicação As solicitações de recebimento do BioGene Informa deverão ser feitas para: A/C de Marketing BioGene Rod. BR 471, km 49 CEP Cx. Postal 1009 Santa Cruz do Sul RS Fone (51) Ou entre em contato pelo Não é de responsabilidade dos autores nenhum dano direto ou indireto, relacionado ou proveniente de qualquer ação ou omissão, resultante de qualquer informação contida neste material. Todas as consequências advindas de qualquer medida com base neste material são, única e exclusivamente, de responsabilidade do leitor. Todos os direitos reservados. Esta publicação não poderá ser reproduzida ou transmitida, no todo ou em parte, de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou impresso, incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo de sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da DuPont do Brasil S/A. Este ano, a BioGene está completando seu quarto ano de vida e ao mesmo tempo se preparando para um novo ciclo de crescimento ainda mais agressivo a partir de Continuaremos aumentando os investimentos para torná-la uma marca cada vez mais forte e presente não só no mercado brasileiro de sementes, mas também em outros países da América Latina. & Vamos aumentar nossa força de vendas e gerencial para melhor entender e atender as necessidades de nossos clientes e, dessa forma, continuar levando maior valor a toda cadeia de produção de milho. Tecnologia faz parte da origem da BioGene e como tal, estaremos fazendo lançamentos de produtos cada vez mais competitivos e de maior relação custo/benefício. A partir de 2012 Tecnologia de proteção contra insetos Herculex I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex I e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroScience LCC. Liberty Link é a marca registrada e utilizada sob licença da Bayer Agroscience. YieldGard é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. Roundup Ready é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. Optimum intrasect é marca registrada pela Pioneer Hi-Bred. BioGene é Marca Registrada da Pioneer Hi-bred.

3 xxxx Crescimento com tecnologia qualidade Por Roberto de Rissi Diretor Executivo serão lançados quatro novos produtos: BG7032, BG7046, BG7061 e BG7065 que irão reforçar e aumentar a oferta de produtos de alta performance na marca BioGene. Além disso, também estaremos adicionando a tecnologia Optimum Intrasect em sua linha de produtos que irá potencializar e aumentar o espectro de controle de pragas do milho, através da combinação das duas tecnologias Bts mais testadas, plantadas e aprovadas do mundo: Herculex I e YieldGard. Também iremos oferecer produtos com maior flexibilidade para utilização de herbicidas, combinando a tecnologia Optimum Intrasect com a Roundup Ready, permitindo o uso tanto do Glufosinato de amônio como do Roundup. Novas formulações de tratamentos de sementes serão oferecidas ajudando o melhor estabelecimento da cultura e consequente aumento da produtividade e rentabilidade do produtor. Tudo isso, aliado ao alto padrão de qualidade das sementes BioGene e as orientações técnicas de nossa equipe, farão da BioGene uma marca cada vez mais presente no dia a dia de um maior número de produtores, ajudando a aumentar a produção de grãos e contribuindo assim para o crescimento da nossa agricultura e de nosso país. Quero terminar reforçando o nosso compromisso de continuar investindo fortemente na geração de desenvolvimento de produtos inovadores, de alta qualidade e de alto retorno ao produtor. Quero também mais uma vez agradecer a todos nossos produtores e clientes pela crescente e rápida aceitação de nossos produtos e serviços. Obrigado! Comunicado - Março/2014 *Observou-se redução na susceptibilidade à certas tecnologias em algumas populações de Spodoptera frugiperda, o que pode resultar em redução da eficácia da tecnologia. Por favor, entre em contato com o Representante de Vendas de produtos BioGene para verificar se foi detectada a resistência de insetos na sua área e informar-se sobre quais são as melhores práticas de manejo.

4 DESENVOLVIMENTO DE ODUTO O caminho até um novo híbrido Dantas Carneiro Jr. - Diretor de Produto e Tecnologia Ivo Lersch Jr. - Gerente de Informações Técnicas BioGene Informa Para a BioGene, a semente de milho não é apenas um meio de propagação ou multiplicação. A semente é vista como o mais importante veículo para a introdução e adoção de tecnologia. Basta olharmos com um pouco mais de detalhe tudo o que uma semente contém. É nela que está todo o potencial produtivo, a capacidade de resposta ao uso de tecnologia, a tolerância às pragas e doenças, a capacidade de adaptação a diferentes regiões e tipos de solos, de suportar adversidades ambientais como a seca ou o excesso de chuvas ou, ainda, extremos de temperatura. A semente é o veículo dos produtos utilizados no tratamento de sementes e, mais recentemente, por meio da biotecnologia, a semente tem sido o veículo de tolerância a determinados herbicidas e da resistência a algumas espécies de insetos, facilitando e melhorando os processos operacionais na propriedade rural, a qualidade de vida do produtor e a proteção do meio ambiente. O melhoramento genético do milho pode ser considerado como um processo contínuo de geração de novos híbridos. Um excelente híbrido deve ter alta produtividade e estabilidade nos mais variados ambientes (anos, solos, altitudes, regime de chuvas, etc.) possíveis. A estabilidade é conferida pela introdução de resistência às doenças e insetos, e pela introdução de características agronômicas especiais como arquitetura de plantas, tolerância a solos fracos, penetração profunda das raízes e alta qualidade fisiológica das sementes. Assim, permite à planta tolerar os fatores adversos que comprometem a produção e que se diferenciam de ano para ano, de propriedade para propriedade e de talhão para talhão. Um excelente híbrido deve ter alta produtividade e estabilidade nos mais variados ambientes possíveis Para chegar ao desenvolvimento de híbrido é preciso primeiro desenvolver linhagens. Essas são obtidas após sucessivas autofecundações de um híbrido, onde o pólen de cada planta é coletado da parte masculina (pendão) e depositado sobre a parte feminina (os estigmas, ou cabelos do milho) da mesma. Em geral, após seis a sete autofecundações, que levam em torno de 3 a 4 anos, dependendo de como estão localizados os centros de pesquisa, obtém-se uma nova linhagem, sendo esse o método tradicional e, ainda hoje, o mais aplicado pelos melhoristas. Após inicia-se a segunda fase do melhoramento de milho, onde as linhagens são cruzadas em numerosas combinações e os híbridos resultantes avaliados nos 5 anos seguintes, onde apenas uma pequena parte é selecionado ano após ano, como demonstra a imagem ao lado com as fases da pesquisa e desenvolvimento do produto. 04/05 Tecnologia de proteção contra insetos Herculex I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex I e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroScience LCC. Liberty Link é a marca registrada e utilizada sob licença da Bayer Agroscience. YieldGard é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. BioGene é Marca Registrada da Pioneer Hi-bred.

5 DESENVOLVIMENTO DE ODUTO a biotecnologia contribui substancialmente para a economia e a comodidade Funil de Fases de Pesquisa E Desenvolvimento de Produtos A utilização das modernas técnicas usadas no melhoramento genético (biotecnologia e engenharia genética), como marcadores moleculares e transformação de plantas, são importantes ferramentas na introdução de novas características e no processo de seleção de cultivares superiores. Estas técnicas aliadas aos mais de 50 locais de ensaios implantados pela pesquisa nas diferentes regiões produtoras do Brasil asseguram grande confiabilidade nos híbridos comercializadas pela BioGene. A adoção da Biotecnologia está contribuído substancialmente para a economia e a comodidade do produtor, uma vez que, independente do local ou época onde a lavoura foi plantada, a dose certa do inseticida, a proteína letal aos insetos alvos estará distribuída por toda planta e durante todo ciclo. % BT no mercado de sementes híbridas de milho

6 xxxx LANÇAMENTO BG7065H lançamento BG7065H: Superprecocidade para grãos e silagem BioGene Informa 06/07 Buscando diversificar ainda mais as opções na sua linha de produtos, nesta safrinha a BioGene está lançando mais um híbrido. É o BG 7065H. Aliando potencial produtivo e superprecocidade no florescimento com tolerância às principais doenças foliares, o BG7065H é a sua melhor escolha para os plantios de fevereiro. Compare e comprove. PONTOS FORTES ÉPOCA DE PLANTIO POP. DE PLANTAS Potencial Produtivo Superprecocidade Tolerância à P. polissora RECOMENDAÇÕES Ajustar a população de plantas de acordo com a época de plantio, fertilidade e adubação utilizada Evitar plantio tardio e em áreas com histórico de Phaeosphaeria Responsivo ao uso de fungicidas para o controle de Cercospora e E. turcicum Cedo Normal Tardio RESULTADOS BG7065H CLIENTE MUNICÍPIO ESTADO KG/HA SCS/HA SCS/ALQ Wolfgang e Alexandre Graf Moacir Nuto de Lacerda Anderson Schmitt Claudinei Corbari Joel Berta Ademir Paludo Eronei Salvalaggio Aristides Heleno Ferri Irmãos Zanin Marcio Marx Viro Pletsch Aldecir Terol Adilson Marzuskuwicz Marcio Marques Eliseu Salvalaggio Luis Carlos Boito Orlando Meazza Edmilson Vicensi Engenheiro Beltrão Ubiratã São Miguel do Iguaçu Medianeira Medianeira Palotina São Miguel do Iguaçu Campo Verde Engenheiro Beltrão Toledo Itaipulândia Maracaju Santa Helena Assis Chateaubriand São Miguel do Iguaçu Ponta Porã Rio Brilhante Maracaju MT MS MS MS MS ,4 126,4 126,1 124,0 119,0 117,8 116,0 112,0 109,1 108,8 108,3 104,0 103,7 103,3 102,2 99,9 91,0 80,2 330,0 306,0 305,2 300,0 288,0 285,0 280,6 271,0 264,0 263,0 262,0 251,7 251,0 250,0 247,2 241,8 220,3 194,0 Tecnologia de proteção contra insetos Herculex I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex I e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroScience LCC. Liberty Link é a marca registrada e utilizada sob licença da Bayer Agroscience. BioGene é Marca Registrada da Pioneer Hi-bred.

7 ENTREVISTA Nunca colhi tanto Anderlex Trento Marechal Cândido Rondon / Anderlex Trento, morador do distrito de Novo Horizonte, interior de Marechal Cândido Rondon, é um produtor que conhece como poucos os híbridos da BioGene. Produtor adepto ao uso de tecnologia, sempre está disposto a conhecer novos produtos através de ensaios realizados na sua propriedade. Assim começou a sua história com a BioGene em setembro de 2008 quando plantou o BG7049 na safra de verão daquele ano e de lá para cá não deixou mais de plantá-lo tanto no verão quanto na safrinha. No primeiro ano que plantei o BG7049 na safra de verão, tivemos um período prolongado sem chuvas entre novembro e dezembro que coincidiu com o florescimento dos híbridos. Naquele ano as produtividades foram baixas devido a falta de chuva, mas o BG7049 foi muito bem o que me fez plantá-lo todos os anos seguintes. As áreas do Sr. Anderlex ficam no Extremo Oeste paranaense, próximo ao Lago de Itaipu, com uma altitude variando de 250 a 350 metros. É fundamental para regiões como esta a utilização de híbridos que toleram altas temperaturas diurnas e noturnas e períodos prolongados de estresse hídrico, caso do BG7049. No plantio da safrinha 2009 novamente a seca castigou os híbridos e Anderlex conseguiu fechar 13 alqueires que tinha plantado com o BG7049 em 181 sacas. Foi uma das áreas mais produtivas da região naquele ano. No verão de 2009 com a inserção da biotecnologia e com as condições de clima mais favoráveis começaram a surgir as boas produtividades. Plantei BG7049Y no verão de 2009 e na safrinha de 2010 e colhi 375 e 283 sacas por alqueire respectivamente. O verão 2010 foi o auge da produtividade de milho alcançada pelo produtor com 406 sacas por alqueire. Para a região é um resultado fantástico em vista das condições de ambiente. Nunca colhi tanto milho, foi um recorde. Na safrinha deste ano novamente teve bons resultados com a BioGene, alcançando 270 sacas em algumas áreas, em um ano problemático por conta das geadas. Também nesta safrinha o produtor plantou o BG7065H, híbrido superprecoce que servirá para áreas de plantios mais tardios de safrinha. Gostei do BG7065H pela sua precocidade e qualidade de grão. Será uma excelente opção para a próxima safrinha. E a história de sucesso entre Anderlex Trento e a BioGene não termina por aí. O produtor se prepara para fazer o plantio desta safra de verão onde novamente terá o BG7049H, de quem não abre mão, e junto com ele conhecerá o BG7046, o lançamento da BioGene para o verão. Questionado sobre o que faz consolidar esta parceria, o produtor é objetivo. Planto BioGene pois a empresa possui excelentes híbridos que são posicionados de forma correta pela sua equipe técnica, o que tem aumentado a minha produtividade de milho ao longo dos anos. Tecnologia de proteção contra insetos Herculex I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex I e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroScience LCC. Liberty Link é a marca registrada e utilizada sob licença da Bayer Agroscience. YieldGard é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. BioGene é Marca Registrada da Pioneer Hi-bred.

8 RESULTADOS Os híbridos BioGene têm se destacado pela qualidade, estabilidade e alta produtividade que apresentam desde o lançamento da marca. A cada safra estes resultados ficam mais evidentes e mostram que a BioGene é uma marca preocupada em oferecer ao mercado híbridos de milho com a mais alta tecnologia. Tanto na safrinha quanto nos plantios tardios do sul a BioGene também alcançou ótimos resultados, com híbridos adaptados para estes mercados. Os depoimentos e resultados a seguir comprovam a satisfação dos produtores com a BioGene. Resultados BioG na safrinha e nos plantios tardios do Sul BioGene Informa 08/09 RESULTADOS PLANTIO TARDIO SUL - SILAGEM CLIENTE MUNICÍPIO ESTADO HÍBRIDO Nelson Bedin Fabio Imisch Fritz Kurth Antonio Dallgnol Paulo Cezar Correia Astor Luiz Wallauer Ralf Bauer Odair Schefer CLIENTE Sidini Dagnese Valmi Rogoni Valdir Barth Filho Alvim Moretti Ademar Albino Ramos Nova Bassano Lajeado Braço do Trombudo Nova Bassano Atalanta Cachoeira do Sul Agrolândia Pantano Grande RESULTADOS PLANTIO TARDIO SUL - GRÃOS MUNICÍPIO Nova Bassano Anta Gorda Alfredo Wagner Ituporanga Ituporanga ESTADO HÍBRIDO KG/HA SCS/HA RS RS SC SC SC RS RS SC RS SC RS SC RS BG7049H BG7049H BG7049Y BG7049Y BG7049Y BG7049Y BG7049H BG7049Y BG7049Y BG7049Y BG7049H BG7049Y BG7049H Matéria verde KG/HA ,5 155,1 150,0 145,0 138,0 CLIENTE RESULTADOS BG7049H - SAFRINHA MUNICÍPIO Lázaro e Dionifer Alexandre Caiapônia Walter Divino Cruvinel Montividiu Jaime de Sá Campo Verde Idalino Ebani Planaltina Jair Fonseca Palotina Antonio Carlos de Sá Campo Verde Jeferson Luiz Ebani Planaltina Aristides Heleno Ferri Campo Verde Taigy Romeu Capelari Santa Helena Irmãos Fritsch Jaciara Leomir Antonello Dom Aquino Vitor Gallo Santa Helena Luis Carlos Boito Ponta Porã Algacir Provin São Miguel do Iguaçu Odacir J. da Silva Darold Lucas do Rio Verde Airton Heldt Darold Lucas do Rio Verde Diego Borin Francisco Alves Jean Atillio Seron St. Ant. de Leverger ESTADO GO GO MT DF MT DF MT MT MT MS MT MT MT KG/HA SCS/HA 140,5 138,0 136,0 135,0 120,7 120,0 120,0 118,0 115,8 115,0 115,0 107,5 107,3 106,7 106,0 104,0 103,3 102,0 SCS/ALQ 340,0 334,0 329,1 326,7 292,0 290,4 290,4 285,6 280,3 278,3 278,3 260,2 259,7 258,1 256,5 251,7 250,0 246,8 Tecnologia de proteção contra insetos Herculex I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex I e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroScience LCC. Liberty Link é a marca registrada e utilizada sob licença da Bayer Agroscience. YieldGard é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. BioGene é Marca Registrada da Pioneer Hi-bred.

9 RESULTADOS DEPOIMENTOS SAFRINHA Com 135 ha plantados com o BG7049H neste ano, o Sr. Rosalino Chaparin tem conseguido excelentes resultados com a BioGene nos últimos anos. O Sr. Charles Pagnocelli, de Maracajú/MT, cultiva mais de 230 ha de milho, onde 137 ha são plantados com o BG7049H. A BioGene já faz parte da lavoura nesta propriedade desde o seu lançamento, em O milho BioGene é muito bom. Já planto há 3 anos e gostei muito dele. Desde o primeiro ano vem se destacando na minha propriedade. ROSALINO CHAPARIN Maracajú / MT Já planto BioGene faz 3 anos e todos os anos me surpreende. Este ano, mesmo com geada, ele teve uma produtividade muito satisfatória. CHARLES PAGNOCELLI Maracajú / MT Gene DEPOIMENTO PLANTIO TARDIO O Sr. Zilirio Peron possui hoje uma área de 31 ha em Linha Encruzilhada, interior de Constantina/RS e arrenda mais 10,00 ha. Planta soja, pastagem, milho para silagem (5,00 ha) e grão (10,00 ha). A produtividade na silagem com o BG7049H no plantio do tarde foi de 80 ton/ha e do BG7051H no cedo para grão fechou com média de 152 sc/ha. Os híbridos da BioGene são superiores pois ficam mais tempo no ponto de silagem onde a espiga fica no ponto certo e a planta está verde até o chão. A rentabilidade foi excelente com alta palatabilidade e pouca fibra e os animais limpam o cocho. Na hora da escolha dos híbridos compro os que possuem uma boa relação massa/grão e palatibilidade para que eu tenha uma silagem de alta qualidade. Já experimentei vários materiais de outras marcas, mas vou plantar novamente os híbridos BioGene, pois estou muito satisfeito com eles. ZILIRIO PERON Constantina/RS

10 CAPA Investimentos em tecnolog e seus benefícios 10/11 BioGene Informa

11 CAPA gias Eng. Agr. Cláudio de Miranda Peixoto Diretor de Marketing e Regulatórios A cultura do milho é a que oferece maiores possibilidades de resposta ao uso de tecnologia. Como resultado da adoção de tecnologia, o agricultor aumenta a possibilidade de alcançar maior estabilidade produtiva, produtividade e, consequentemente, melhora a rentabilidade. Entende-se por tecnologia todo o conjunto de técnicas, conhecimentos, processos, ferramentas, máquinas, matéria-prima e insumos que visam solucionar problemas, reduzir riscos e aumentar as possibilidades de sucesso. Portanto, tecnologia não é sinônimo apenas de colocar mais adubo, usar mais defensivo ou usar mais insumos. Tecnologia é, acima de tudo, usar de maneira correta os recursos disponíveis. Este artigo tem como proposta mostrar a evolução das tecnologias, o quanto elas reduzem os riscos nas lavouras, bem como alertar para o fato de que a resposta ao uso de tecnologia depende não só da própria tecnologia, mas principalmente da forma como ela é usada. E quando uma tecnologia é mal selecionada e aplicada, ela não proporciona o resultado esperado e, assim, os investimentos se transformam em despesas ou pior, são questionados. Investimentos ou despesas Todas as vezes que se fala em uso de tecnologia é feita uma correlação direta com investimentos. Quando falamos em investimentos ou custos fica intrínseco que haverá um benefício claro e mensurável. Quando não há, ele passa a ser uma despesa. Nem sempre o tamanho ou a complexidade do investimento tem uma ligação direta com os resultados alcançados. Os investimentos podem ser pequenos e simples e com grandes reflexos no aumento da produtividade e na rentabilidade da atividade como é o caso de investimentos na manutenção de uma máquina de plantio ou colheita ou até mesmo no treinamento da mão de obra da propriedade. Mas nem sempre é visto desta forma. A melhor investimentos planejados visam aumentar a eficiência, garantir benefícios e reduzir riscos Nós temos o que chamamos de tecnologia custo zero. As tecnologias custo zero são todas aquelas que não alteram o custo ou investimento feito. Não dependem da produtividade, mas podem e interferem de maneira significativa no rendimento e rentabilidade da cultura. Por exemplo: plantio eficiência operacional resultante de uma máquina em plenas condições de operar e uma equipe treinada proporciona ganhos. Os ganhos podem ser em tempo, qualidade, eficiência no plantio ou colheita ou controle de pragas ou plantas daninhas. Eles podem garantir que o calendário agrícola e o planejamento do sistema produtivo seja cumprido ou que a lavoura não sofra nenhum estresse, possibilitando ganhos de rendimento e rentabilidade pela maior resposta da cultura aos insumos aplicados. Mas os investimentos podem ser maiores e mais complexos, como por exemplo, o aumento de adubação, mas com pequenos reflexos no rendimento devido ao uso inadequado da tecnologia. em época inadequada. Plantio sem qualidade com muitas falhas. Aplicação de ureia em condições e de forma inadequada que implicará em perdas. E muitos outros exemplos poderiam ser listados. O que queremos dizer é que os investimentos custo zero só dependem de você. a maior parte das perdas de eficiência são decorrentes do uso inadequado das tecnologias Comunicado - Março/2014 *Observou-se redução na susceptibilidade à certas tecnologias em algumas populações de Spodoptera frugiperda, o que pode resultar em redução da eficácia da tecnologia. Por favor, entre em contato com o Representante de Vendas de produtos BioGene para verificar se foi detectada a resistência de insetos na sua área e informar-se sobre quais são as melhores práticas de manejo.

12 xxxx CAPA Porque investir em tecnologia Uma antiga discussão é quanto ao uso ou não de determinadas tecnologias. Talvez nem tanto quanto a adoção, mas o quanto o uso de tecnologia assegurará melhores resultados e não ficará dependente de fatores não controlados. Em resumo, questiona-se a relação custo-benefício. Seria quase que um balanço entre riscos e garantias. Estes questionamentos sempre ocorrem sob a alegação que a resposta ao uso de tecnologias está sob a condicionante que tudo de bom e de correto deve ocorrer, para que o resultado seja como o planejado. Então, se ocorrer uma seca ou outro problema qualquer, os investimentos foram jogados pelo ralo. Mas não é bem assim. A primeira coisa que temos que pensar é que o conjunto de tecnologia atualmente disponível foi desenvolvido exatamente para solucionar ou amenizar estes problemas. Veja alguns exemplos ao lado. 12/13 BioGene Informa

13 CAPA 01 > Híbridos de milho 02 > BIOTECNOLOGIA 03 > SERVIÇOS Os híbridos de milho atualmente são o maior veículo de tecnologia e que apresentam a maior capacidade de resposta ao uso de tecnologia. As sementes respondem ao aumento do nível de adubação, população de plantas, redução de espaçamento e a uma gama de outras práticas de manejo. Elas também concentram a maior fonte de tolerância ao estresse hídrico, tolerância à seca, adaptação a diferentes regiões, tipo de solo e época de plantio. Os híbridos são muito seguros, estáveis, principalmente quando combinados e manejados adequadamente, respeitando-se as suas características e o seuposicionamento. A semente é o maior veículo de tecnologia. Nel a está concentrada a maior fonte e combinação de tecnologia e resposta ao manejo O agricultor hoje tem à sua disposição as tecnologias mais modernas na área da biotecnologia. Uma delas é o milho Bt, que tem como um dos principais exemplos a tecnologia Herculex, hoje, disponível também combinada com outras tecnologias como Roundup Ready e YieldGard, proporcionando maior espectro de controle de pragas e plantas daninhas, além da maior comodidade. A Herculex é atualmente a tecnologia Bt mais utilizada no mundo e no Brasil e com a maior taxa de adoção, pois foi testada e aprovada pelos agricultores. Ela veio como uma forte ferramenta no auxílio ao combate as principais pragas da cultura do milho. A BioGene por meio de sua rede de representantes comerciais e distribuidores, hoje possui informações regionalizadas sobre as práticas de manejo que propiciam melhores respostas para os híbridos marca BioGene. Assim, além da seleção dos melhores híbridos para uma determinada região e época de plantio, o agricultor terá informações complementares com relação à população de plantas, espaçamento, à adubação, além de outras, que permitem o correto posicionamento dos híbridos. Além da tecnologia propriamente dita, temos que analisar os custos. Dentro dos custos totais, existem os fixos e os variáveis. Os custos fixos são aqueles que permanecem os mesmos e não dependem de produtividade e nível de tecnologia adotada. Por exemplo: operação de plantio, pulverização, aplicação de ureia. Se uma lavoura produziu bem ou mal, este custo está ali. Por isso plantar bem ou realizar qualquer outra atividade operacional de maneira adequada é importante, pois o custo é fixo independente do resultado. Você gastará o mesmo valor independente da produtividade. A única diferença é que, se usar de maneira inadequada, você obterá um menor resultado e, consequentemente, um menor retorno sobre o investimento feito. Existem também, dentro dos custos totais, os custos variáveis. Como o próprio nome já diz, são aqueles que alteram conforme o emprego de tecnologia visando uma maior produtividade. Por exemplo: aumento da adubação. Como eles impactam diretamente nos custos é muito importante que sejam bem utilizados para que alcancem a resposta desejada. ao contrário do que a maioria pensa, os custos fixos são os de maior peso no custo total de uma lavoura Gráfico mostrando a relação de custos x tecnologia Tecnologia de proteção contra insetos Herculex I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex I e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroScience LCC. Liberty Link é a marca registrada e utilizada sob licença da Bayer Agroscience. YieldGard é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. Roundup Ready é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. BioGene é Marca Registrada da Pioneer Hi-bred.

14 CAPA futuro O hoje e o As tecnologias disponíveis atualmente e no futuro são e serão cada vez mais seguras, como também são e serão as responsáveis pelo aumento da possibilidade de sucesso na atividade, principalmente pela menor exposição a riscos ou geradoras de estabilidade. Isso já vem acontecendo e, um bom exemplo disto, é a tecnologia Herculex que vem proporcionando excelente nível de controle às principais pragas do milho gerando segurança. Assim, tecnologia é sinônimo de segurança. 14/15 BioGene Informa

15 CAPA tecnologia é sinônimo de segurança Entretanto, as tecnologias cada vez mais serão complementares e deverão ser adotadas de maneira integrada. Assim, não adiantará nada optar por um híbrido de alta qualidade se não adubá-lo, ou não garantir a população final de plantas por meio de um adequado controle de pragas, ou respeitar a época ideal de plantio do híbrido para a região, por exemplo. As tecnologias irão funcionar mais ou menos como itens de segurança na condução de um veículo. Não se consegue tirar o maior proveito da segurança existente nos veículos atualmente (como ABS, tecnologia existente nos pneus, facilidade no acesso aos controles do veículo, air bag e outras tecnologias), se o condutor não mantiver o carro em dia com pneus em condições, andar dentro do limite de velocidade, colocar o cinto de segurança, respeitar as leis de trânsito, estar com a sua saúde em dia como, por exemplo exame de visão. O que queremos dizer e afirmar é que as tecnologias deverão andar sempre alinhadas e combinadas de maneira coerente com a região, agricultor, fatores limitantes, histórico da região, etc. A adoção de tecnologia hoje é a maneira mais eficiente de melhorar os processos dentro da propriedade, reduzir riscos e assegurar maiores possibilidades de sucesso, transformando seus investimentos em resultados e não em despesas.

16 PLANTIO Tudo se define no plantio Itavor Nummer Filho Gerente de Produtos e Tecnologia / Reg. Sul A 16/17 BioGene Informa queles que estão realmente familiarizados com a agricultura moderna sabem que não existem fatores isolados que sejam responsáveis ou que possam ser responsabilizados por resultados bons ou ruins em termos de produtividade. Mas, sem dúvida alguma, quando se trata da cultura do milho a instalação da lavoura pode, associada a boas práti- cas de manejo, determinar a obtenção do máximo potencial genético existente nos bons híbridos de milho existentes no mercado. Por outro lado, mesmo com excelente manejo e com boas condições climáticas, é possível obter rendimentos insatisfatórios em uma lavoura por não proporcionarmos uma condição de emergência, desenvolvimento, espigamento e enchimento de grãos iguais para todas as plantas que formam a lavoura. A seguir, tentaremos chamar sua atenção para os aspectos envolvidos nas operações de plantio com o único intuito de melhorarmos as condições de instalação de sua lavoura. Desta forma, assegurar que o que cabe ao produtor neste processo seja feito de forma correta, com atenção a detalhes importan- tes e possibilidade de tomada de decisões que corrijam a tempo eventuais distorções que impactam negativamente na produtividade. operações de plantio são determinantes para bons resultados

17 PLANTIO Importância de um bom plantio e o conceito de planta útil Vários pesquisadores e estudiosos da cultura do milho, ao longo de muitos anos, são unânimes em afirmar que o sucesso de um cultivo passa obrigatoriamente pela perfeita distribuição das sementes e por consequência das plantas de milho no solo. Esta característica vem atrelada ao processo de evolução da cultura desde seu ancestral mais antigo, o Teosinto, passando pelas variedades de polinização aberta, os híbridos duplos, triplos e simples que, se por um lado nos permitem semear mais plantas por área, por outro exigem um melhor arranjamento espacial. Minimizar a competição entre as plantas de milho e implantar uma populção de plantas por metro quadrado ou por hectare, de acordo com o que é estabelecido para o híbrido que está sendo plantado e o nível tecnológico aplicado, é o desafio imposto ao produtor e ao técnico recomendante. Existe um grupo de ações que interferem diretamente no número de plantas úteis, ou seja, uma planta que se desenvolve e produz uma espiga com tamanho padrão das demais, e como explicado acima, na maioria das vezes ocorre durante a operação de plantio. Diferentemente das plantas de soja, a planta de milho apresenta uma capacidade maior de compensação de eventuais erros de distribuição de plantas nas linhas de plantio (falhas ou duplas). Mas esta capacidade tem um limite e deixa de ser suficiente quando se trata de lavouras de alto potencial de rendimento como as que hoje são implantadas no Brasil pelos produtores mais profissionalizados. Se só isto não fosse suficiente, vale lembrar que imediatamente após a passagem de uma plantadeira distribuindo sementes e fertilizantes, cerca de 60 a 65% dos recursos necessários para implantação e condução da lavoura foram aplicados no solo e que este custo não muda caso tenhamos feito a operação com qualidade ou não.

18 PLANTIO Aspectos envolvidos na obtenção de um bom plantio a dessecação/preparo do solo A antecipação destas operações, no Plantio Direto ou sistemas convencionais, permitem trabalhar sob condições mais adequadas. Nas operações de preparo, em condições inadequadas de umidade, podem provocar a presença de torrões e/ou desuniformidade na umidade do solo. Já nos sistemas de plantio direto, a falta de antecipação da dessecação ou baixa qualidade na sua realização, não permitirão uma correta operação de corte de É importante esclarecer que TODOS os fatores aqui listados sofrem ou podem sofrer ações por parte dos produtores e que a antecipação no planejamento da operação de plantio pode ser determinante nos resultados obtidos, e que serão facilmente visualizados por qualquer agricultor ou técnico mais experimentado, nas fases inciais de desnvolvimento da lavoura (até o estádio de desenvolvimento V6 6 folhas verdadeiras). Em resumo, o que queremos dizer é que a lavoura é o reflexo, o atestado da qualidade do plantio realizado. TEMPERATURA do solo palhada pelas plantadeiras e em alguns casos o encestamento da semente que sem um correto contato com o solo, não emergirão ou emergirão mais tarde, provocando a desuniformidade da lavoura ou queda no número de plantas úteis. Vale frisar que dessecações muito próximas ao plantio também colaboram para aumento de insetos passíveis de provocar danos ao estabelecimento da lavoura (percevejos, lagartas de solo e superfície, etc..) De maneira geral, temperaturas do solo abaixo de 10ºC não permitem a embebição e consequente germinação da semente de milho. Considera-se 10 C a temperatura basal da cultura e isto significa que, abaixo desta temperatura nenhum processo fisiológico acontece. É muito comum, na tentativa de antecipar a colheita, antecipar também a data de semeadura, o que em determinadas regiões do Brasil significa plantar em solos frios, ou seja com temperaturas abaixo de 10 C. Até o estágio de desenvolvimento V4 (4 folhas verdadeiras) é a temperatura do a alteração na profundidade de semeadura, estas variações na umidade podem determinar diferenças na velocidade de emergência oriundas da diferença de conteúdo de água do solo nestas áreas. Este fator também é muito negativo nos chamados plantio no pó, onde sob a intenção de an- tecipar operações, submetemos as sementes a uma invariável desuniformidade de precipitações e, por conseguinte, germinação. Não raro, os problemas oriundos desta desuniformidade de germinação são atribuídos erroneamente a qualidade de semente (% de vigor e germinação). solo que determina o crescimento da plântula e, quanto mais tempo a semente levar para germinar ou a plântula atingir V4, mais sujeita a fungos e insetos de solo ela ficará e maiores reduções no número de plantas úteis teremos. Assim sendo, entender o comportamento da temperatura do solo na profundidade de semeadura que se está operando dá a dimensão do que podemos enfrentar, especialmente sob plantio direto e em áreas mais altas ao sul do Brasil, onde a antecipação de 4 dias de plantio, na média, significa apenas um dia de antecipação de colheita. 18/19 BioGene Informa UMIDADE DO SOLO Este fator recebe grande influência, uma vez que sua uniformidade na lavoura pode determinar desuniformidade na emergência. Não é difícil encontrar pontos mais baixos ou mais altos nas lavouras, mais bem drenados e mais mal drenados e como não se promove Tecnologia de proteção contra insetos Herculex I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex I e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroScience LCC. Liberty Link é a marca registrada e utilizada sob licença da Bayer Agroscience. YieldGard é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. Roundup Ready é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company. Optimum intrasect é marca registrada pela Pioneer Hi-Bred. BioGene é Marca Registrada da Pioneer Hi-bred.

19 PLANTIO plantadeiras Plantar milho com qualidade é manter a maior quantidade de sementes possíveis dentro da distância entre plantas desejada e na profundidade mais uniforme possível. Não cabe aqui listar todos os pontos que devem ser checados para que se regule uma plantadeira, mas indicar que aspectos dentro deste item podem interferir negativamente no objetivo de aumentar o número de plantas úteis por hectare. Podemos começar pela distribuição das plantas na linha, principal função de uma boa plantadeira. Estamos falando de sistemas de distribuição (no Brasil, a vácuo e a disco principalmente) e de duas dimensões, obrigatoriamente (espaçamento entre sementes e profundidade de deposição). Discos e anéis errados, pressões de vácuo inadequadas, falta de manutenção em raspadores ou eliminadores de duplas, folgas nas mesas das caixas de semente, velocidades de plantio incompatível com as condições do solo, falta de substituição de tubos de queda, dentre outros, são fatores determinantes de erros em alguma das duas dimensões, não raro nas duas, implicando diretamente na redução do número de plantas úteis, por aumentar significativamente o número de duplas e falhas. Velocidades elevadas por ocasião do plantio, agravam substancialmente estes erros. Quando falamos da distribuição de fertilizantes, precisamos atentar para a uniformidade da dose por metro (no que diz respeito a quantidade), na profundidade e posição em relação a semente (abaixo e ao lado, em relação a semente) obtida pelo desalinhamento da linha do fertilizante com a linha da semente. Em regiões onde a CTC do solo (capacidade de troca de cátions) é baixa (<5,0), áreas de plantio direto onde se usam discos desencontrados no fertilizante, lavouras onde altas concentrações de N e KCl são aplicadas por ocasião do plantio e solos mais arenosos, estes aspectos são fundamentais, e têm como objetivo reduzir perdas de plântulas ou o que é pior, gerando plantas vencidas, diminuindo o número de plantas úteis por salinização. Outro ponto que deve ser considerado por ocasião do plantio e por consequência na regulagem da plantadeira é a qualidade de abertura e fechamento do sulco de plantio. Eficiência ao promover o contato solo/semente é fundamental, pois de nada adiantará ter uma excelente distribuição espacial de plantas (plantas por metro linear e em profundidade uniforme) se não houver a deposição da semente no fundo do sulco de plantio e seu correto fechamento. Este item é agravado em solos de textura mais argilosa e com conteúdo e umidade elevado. Disto dependerá a embebição e a germinação uniforme da semente, diminuindo a competição entre plantas, aumentando o número de plantas úteis. Como obter MELHOREs stands: transfira o conhecimento 05 km/h VELOCIDADE IDEAL Se você não sabe por onde começar, comece por reduzir a velocidade de plantio para menos de 5km por hora, isto ajuda muito! Apesar dos conceitos serem bem conhecidos, na grande maioria das vezes eles não são de domínio das pessoas envolvidas nas operações, na execução do plantio. Como sugestão, faça com que estas pessoas tenham o mesmo conhecimento e que elas saibam a importância técnica e econômica envolvida nesta que é considerada a operação mais importante na cultura do milho. Dessecação ou preparo de solo antecipados e com qualidade, manutenção de plantadeiras no que se refere a mangueiras, folgas alinhamento de adubo e semente, regulagem de rodas compactadoras, uso de hastes no plantio (plantio direto) velocidade adequada, uso de tratamento de sementes e de grafite, revisão de tubos de queda de semente são procedimentos de galpão, extremamente simples e de grande impacto na qualidade do plantio. Não raro, gasta-se 2 dias na regulagem de plantadeiras e planta-se por 10 dias a fio. Se houvesse inversão no gasto de tempo, teríamos operações melhores. Monitore diariamente o plantio e reaja! Caso necessário refaça as regulagens. Ao produtor ou técnico cabe auxiliar na realização de uma boa operação e não forçar o erro, demandando dos operadores, rendimento de plantio por área (hectares plantado por dia, por exemplo) o que induz os operadores a realizar o plantio com baixa qualidade. Lembre-se que a velocidade potencializa os erros. Se precisares plantar mais área por dia, não corra, contrate mais máquinas.

20 SILAGEM Boa silagem reduz custo com alimentação Com a alta nos preços dos grãos, os derivados, como cascas e farelos, também ficaram mais caros. Isso torna mais onerosa a suplementação alimentar do rebanho com concentrados. Essa deve ser a razão para o aumento dos investimentos dos pecuaristas na produção de volumosos de qualidade. A cultura do milho é a mais utilizada em todo o mundo na produção de silagem. O cereal produz uma grande quantidade de energia digestível por hectare de lavoura. É o produto ideal para transformação em carne ou leite. O investimento na máxima produtividade da lavoura plantada é altamente recompensado na qualidade do volumoso colhido. A produção eficiente de silagem de milho começa pela lavoura bem conduzida. Depois vem o corte, o transporte, a descarga, a compactação e a vedação do silo. Todas as etapas têm de ser efetuadas corretamente para permitir o desenvolvimento dos micro-organismos específicos. São estes que, na ausência de oxigênio, fermentam rapidamente o milho picado, produzindo ácidos orgânicos, o que permite o armazenamento da silagem por longo período. Prof. Dr. João Ricardo Alves Pereira Professor - Adjunto do Depto. de Zootecnia, curso de Zootecnia da UEPG - Castro/ 20/21 BioGene Informa

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira % 60 50 40 30 20 10 0 Prof. Thiago Bernardes DZO/UFLA Ciclo de Palestras em Bovinocultura de Leite e Corte Terra Jr Consultoria 31 de Janeiro de 2013 Utilização

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente Marcio Pelegrini Engenheiro Agrônomo, Ms. Tecnologia de Sementes. Consultor de silagem da Santa Helena Sementes. 1 Os avanços tecnológicos cada vez mais presentes

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Circular Técnico nº 20 No acompanhamento da cultura do milho 2ª safra de Mato Grosso do Sul foram visitadas 52 propriedades entre os dias 22 e 25 de abril de 2013

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Guia de Produtos 2014. Região Sul

Guia de Produtos 2014. Região Sul Guia de Produtos 2014 Sul Eleita em 2013 a melhor empresa brasileira de sementes * *Revista Globo Rural Supervisores regionais Índice Mato Grosso do Sul Nicolas Alves Cornacioni (67) 8118 6043 nicolas.cornacioni@coodetec.com.br

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 56 Setembro de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 98 Cultivares de Soja

Leia mais

Questão Resposta Argumentação

Questão Resposta Argumentação Questão Resposta Argumentação "Pequena propriedade" tem diversas interpretações. E de acordo com o Novo Código Florestal (Lei Lei 12.651, de 25 de maio de 2012 e Lei 11.326, de 24 de julho de 2006), associa-se

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição Agricultura Página 2 O Dragão está em xeque? Prezados

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E SAÚDE DAS VACAS Elinton Weinert Carneiro Méd.

Leia mais

Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem

Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem Renato SOARES OLIVEIRA¹; Antônio Augusto ROCHA ATHAYDE²; Felipe EVANGELISTA PIMENTEL 3 ; Fabíola Adriane CARDOSO SANTOS 4 1 Estudante

Leia mais

Projeto Agrisus 1084-13

Projeto Agrisus 1084-13 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Projeto Agrisus 1084-13 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OCUPADA COM SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo Sorgo de alta biomassa E( )pert em sorgo E( )periência de uma empresa sólida e focada. Com sede em Campinas/SP, a linha de produtos é comercializada sob a marca Blade, que tem autoridade quando o assunto

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 Aildson Pereira Duarte (IAC, Campinas) Luiz Gustavo Nussio (USP/ESALQ, Piracicaba) Solidete

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InFover Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VIII Nº 76 Junho de 2015 Universidade Federal de

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA???

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA??? Conservação de Forragem Silagem Sistema de Produção de Carne Terminados a pasto aproximadamente 90 % Terminados em confinamentos aproximadamente 10% Produção de forragem > Quantidade Forragem > Qualidade

Leia mais

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO SETOR DE APOIO A LOGÍSTICA E GESTÃO DE OFERTA ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato R elato de Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável Meneguetti, Gilmar Antônio* Girardi, Jordano Luís** Reginatto, João Carlos*** 1. Introdução Afirmar que o uso de variedades crioulas ou melhoradas

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO José Eloir Denardin Jorge Lemainski Embrapa Trigo A ABORDAGEM PROPOSTA Histórico da evolução das tecnologias de produção de soja. Consequências

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

SEMEADORAS NEW HOLLAND PARA MÚLTIPLOS GRÃOS

SEMEADORAS NEW HOLLAND PARA MÚLTIPLOS GRÃOS SEMEADORAS NEW HOLLAND PARA MÚLTIPLOS GRÃOS SAM SHM Personalle Drill SSM 2 3 LINHA DE SEMEADORAS NEW HOLLAND. A parceria entre a New Holland e a Semeato veio para render frutos ao produtor. Líder no mercado,

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Tdos estáticos dias de campo com suas maçantes palestras técnico comercias, o Field

Tdos estáticos dias de campo com suas maçantes palestras técnico comercias, o Field AGRO REGIONAL campofert FIELD TOUR: sentindo a produtividade numa visita ao campo Campofert inova levando o agricultor para ver lavouras reais que adotaram a Solução Integrada rilhando sua saga de vanguarda

Leia mais

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA REUNIÃO TÉCNICA SOBRE A CULTURA DO MILHO CAMPINAS - Junho 2014 Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14 Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Leia mais

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado II Fórum Nacional de Produtividade De Soja CESB Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado Leandro Zancanaro Brasília Agosto de 2011 Temas Indicados

Leia mais

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela!

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA A Estrela é uma plantadora pneumática articulada, ágil, de grande porte e com rodado de plantio posicionado entre as linhas. A Estrela trabalha

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM 2014-2015 é a identificação das cultivares produzidas pela Embrapa. Elas são desenvolvidas visando alta produtividade e qualidade de grãos aliadas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de 2013 1 Objetivo do trabalho 2 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais