LOGÍSTICA INTEGRADA: EVOLUINDO DA VANTAGEM COMPETITIVA PARA OS ELEMENTOS CONTROLÁVEIS DE CRIAÇÃO DE VALOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA INTEGRADA: EVOLUINDO DA VANTAGEM COMPETITIVA PARA OS ELEMENTOS CONTROLÁVEIS DE CRIAÇÃO DE VALOR"

Transcrição

1 LOGÍSTICA INTEGRADA: EVOLUINDO DA VANTAGEM COMPETITIVA PARA OS ELEMENTOS CONTROLÁVEIS DE CRIAÇÃO DE VALOR Cleon Gostinski RESUMO Bacharel em Comunicação Social, Mestre em Administração de Empresas pela UFRGS; Docente dos Cursos de Comunicação Social e Administração de Empresas da FACCAT/ Faculdades de Taquara. Procurando auxiliar no estabelecimento de parâmetros para a geração de fluxos logísticos mais eficientes e que representem ganhos de valor, este artigo discute a logística integrada em perspectiva sistêmica com outras teorias correlacionadas: vantagem competitiva, criação de valor e alianças estratégicas, além de uma visão particular dos quatro componentes controláveis pelos processualmente envolvidos: TIC s (Tecnologias da Comunicação e Informação), Expertise, Gerenciamento Logístico e Sinergia Humana. Palavras-chave: alianças estratégicas; criação de valor; expertise; logística integrada; vantagem competitiva Ao fazer citações deste artigo, utilize esta referência bibliográfica: GOSTINSKI, Cleon. Logística integrada: evoluindo da vantagem competitiva para os elementos controláveis de criação de valor. Intelecto C. n. 2, abr-jun 2008 Novo Hamburgo: Catânia. p Disponível em: <http://intelectoc.com.br/betas/files/artigos/logistica_integrada_evoluindo_da_vantagem_competitiva_para_os_ele mentos_controlaveis_de_criacao_de_valor_intelecto_c.pdf> ABSTRACT Trying to help to establish parameters for the generation of more efficient and logistics flows, representing value gains, this article discusses the integrated logistics in a systemic perspective correlated with other theories: competitive advantage, value creation and strategic alliances, besides a particular vision of the four components controllable by the procedural involved ICTs (Information and Communication Technologies), Expertise, Logistics Management and Human Synergy. Keywords: strategic alliances; value creation; expertise; integrated logistics; competitive advantage 72

2 Um Conceito Adequado de Logística A logística integrada é uma das áreas de estudo que mais tem evoluído na área de administração de empresas nos últimos anos. Muito se tem escrito, muito se tem refletido sobre suas possibilidades e muito se tem conseguido obter através de uma vasta experienciação realizada por gestores logísticos. Contudo, não se poderia promover um novo ciclo de ganhos de valor se, primeiramente, fossem redimensionados os conceitos tecnicistas, rígidos, que acabam por contrariar a natural sistematicidade da logística? Ao se examinar os meandros conceituais que lhe dão referência, não parece haver um grande contracenso com o pensamento sistêmico? Christopher 1 (2007) propõe um significado: logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados (além dos fluxos de informação relacionados) por parte da organização e de seus canais de marketing, de tal modo que a lucratividade atual e futura sejam maximizadas mediante a entrega de encomendas com o menor custo associado. envolve: Por sua vez, Kotler e Keller 2 (2006) consideram que logística (de mercado) o planejamento, a implementação e o controle dos fluxos físicos de materiais e de produtos finais entre os pontos de origem e os pontos de uso, com o objetivo de atender as exigências dos clientes e lucrar com esse atendimento. Moura 3 (2006) posiciona-se indicando que logística: é o processo de gestão dos fluxos de produtos, de serviços e da informação associada, entre fornecedores e clientes (finais ou intermediários) ou vice-versa, levando aos clientes, onde quer que estejam, os produtos e serviços de que necessitam, nas melhores condições. Ballou 4 (1993) afirma que a logística: trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição de matéria-prima até ao ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os 1 CRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: criando redes que agregam valor. São Paulo: Thomson Learning, KOTLHER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. São Paulo: Pearce Prentice Hall, MOURA, Benjamim. Logística: conceitos e tendências. Lisboa: Centro Atlântico, BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas,

3 produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. Tixier, Mathe e Colin 5 (1986) fornecem a definição da Association Française des Logisticiens d Entreprises: a logística é o conjunto de atividades que tem por fim a colocação, com um custo mínimo, duma quantidade de produto no local e no momento em que existe procura. A logística abarca, pois, todas as operações que condicionam o movimento dos produtos, tais como: localização das fábricas e entrepostos, abastecimentos, gestão física de produtos em processo de fabricação, embalagem, formação e gestão de estoques, manutenção e preparação das encomendas, transportes e circuitos de entregas. Magee 6 (1977) constata que logística é: a arte de administrar o fluxo de materiais e produtos, da fonte ao consumidor. O sistema logístico inclui o fluxo total de materiais, desde a aquisição da matéria-prima até a entrega dos produtos acabados aos consumidores finais, apesar de, tradicionalmente, as empresas isoladas controlarem, diretamente, somente uma parte do sistema total de distribuição física do seu produto. Um conceito de logística menos compartimentado e que indicasse, acima de tudo, a dinamicidade da atividade, não possibilitaria uma visão mais abrangente e totalizante de uma série de variáveis intervenientes, para as quais não tem sido dada a devida atenção? Neste sentido, acredita-se que logística deve ser encarada diretamente como a atividade que intervém sistemicamente no ambiente da administração dos diferentes fluxos de bens e serviços e na informação pertinente que os põe em movimento. O entendimento inicial da dimensão deste conceito precisa passar pela avaliação de uma vantagem competitiva aplicada. 5 TIXIER, Daniel; MATHE, Hervé; COLIN, Jacques. A logística na empresa. Porto: Rés Editora, MAGEE, John Francis. Logística industrial: análise e administração dos serviços de suprimento e distribuição. São Paulo: Pioneira,

4 Vantagem Competitiva Aplicada A vantagem competitiva é obtida pela diferenciação em relação aos concorrentes, sob o ponto de vista dos clientes, e pela realização de operações a baixo custo, visando lucros crescentes. A teoria de Porter 7 (1992) funda e desenvolve as implicações desta perspectiva, proporcionando às mais diversas áreas, abrangidas pela administração de empresas, um referencial básico para a determinação de seus direcionamentos competitivos. No âmbito da logística integrada, que deve ser a expressão de uma logística sistêmica, uma análise da complexidade dos componentes intervenientes em favor do equacionamento de vantagem competitiva, fornece uma visão fundamental sobre a perspectiva de fluxo logístico, que pode ser visualizado através da figura a seguir: Figura 1 Uma visão dos componentes de um determinado fluxo logístico. 7 PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus,

5 Um determinado fluxo logístico não prescinde de componentes usuais como os integrantes da cadeia empresarial: fornecedores, industriais, formas de comércio atacadista e varejista e de empresas responsáveis por uma enorme variedade de serviços. Contudo, o que difere de caso para caso é a complexidade das relações existentes entre os integrantes no conjunto de empresas em análise. Em algumas configurações encontram-se organizações verticalizadas para frente e/ou para trás, o que já, de antemão, significa grande desequilíbrio concorrencial, fazendo com que muitas delas tenham dificuldade em obter lucro acima da média de mercado ou real vantagem competitiva. Não basta, então, adotar uma determinada estratégia competitiva como sentencia Porter 8 (1992): 1. liderança em custos ofertando benefícios equivalentes ao da concorrência a preços baixos; 2. diferenciação benefícios singulares com preços acima da média. Num contexto, onde a capacidade de equiparação de oferta é quase que imediata, uma simples opção por uma determinada estratégia competitiva é insuficiente para dar conta de um mercado em constante ebulição. Assim, surge a necessidade de se alcançar uma vantagem competitiva sustentável, desenvolvendo-se a consciência sobre o modo de lidar com as forças competitivas. Porter (1992) recomenda que é preciso ficar atento a entrada de novos concorrentes; a ameaça de produtos substitutos; ao poder de negociação dos compradores e a rivalidade entre os concorrentes. 8 PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus,

6 Apesar de estes serem aspectos importantes, ainda não se caracterizam em fatores de profundidade para uma análise legitimamente sistêmica, mesmo que se agreguem as proposições sobre criação de valor. Alianças Estratégicas e Cadeia de Valor Outro caminho significativo que busca este objetivo diz respeito à formação de alianças estratégicas: um desafio até para as empresas mais bem preparadas, que enfrentam dificuldades em superar as barreiras impostas por suas culturas organizacionais. Ao avaliar-se, seja a historicidade mercadológica nas quais as alianças estratégicas floresceram (FAULKNER 9, 1995), sejam através das estratégias competitivas (PORTER 10, 1992) e evolutivas de mercado que auxiliam na sua formação, seja nos engendramentos possíveis em prol da formação de cadeias de valor (DOZ e HAMEL 11, 1998) pode-se constatar fragilidade dos modelos oriundos para um reposicionamento competitivo. a partir da 2ª guerra mundial Década de 40 rigidez organizacional crescimento das multinacionais Anos 50 organizações multi-divisionais processos organizacionais realizados pelas empresas internamente Histórico onda de terceirização das atividadesmeio das empresas Final dos 70 e Anos 80 intenso crescimento das alianças estratégicas formação de blocos econômicos Final da década de existência de acordos de cooperação 80 e Década de 90 dentro e fora dos territórios nacionais Quadro 1 Resumo da evolução histórica das alianças estratégicas. Adaptado de Faulkner (1995). Alianças Estratégicas como meio de obtenção de Reposicionamento Competitivo 9 FAULKNER, David. International Strategic Alliances: co-operating to compete. Londres: McGraw-Hill International, PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, DOZ, Yves L.; HAMEL, Gary. Alliance advantage: the art of creating value through partnering. Massachusetts: Harvard Business School Press,

7 Alianças Estratégicas como meio de obtenção de Reposicionamento Competitivo Ajudam a definir estratégias competitivas Coalizões Mercado hipercompetitivo acordos de longo prazo entre empresas ampliação do escopo da empresa licenças de tecnologia acordos de fornecimento acordos de marketing sociedade em cota de participação empresas não detêm competência para dominar todas as atividades da cadeia de valor Quadro 2 Questões intervenientes na definição de estratégias competitivas. Adaptado de Porter (1992). 78

8 Alianças Estratégicas como meio de obtenção de Reposicionamento Competitivo Cadeia de Valor Abordagens de fomento de valor entre empresas Processos para obtenção de maximização de valor Áreas de Ação Cooptação Co-especialização Aprendizagem Internalização Investigação Desintegração (desagregação de atividades de relevância estratégica) Reconfiguração Inter-relações de infra-estrutura Inter-relações tecnológicas Inter-relações de aquisição Inter-relações de produção Inter-relações de mercado transformar concorrentes em aliados ou fornecedores estratégicos - massa crítica combinação de recursos e competências diferenciados reconhecimento de conhecimentos de valor assimilação de conhecimentos de valor aos processos da empresa compreensão do comportamento dos custos e suas fontes atendem necessidades comuns às empresas envolvidas conduzem a possibilidades de redução de custos avaliação dos potenciais de diferenciação favorecem a diferenciação de produtos/serviços atividade-alvo da estratégia representa uma fração importante dos custos operacionais atividade-alvo é singular e tem seu custo reduzido atividade-alvo tem a sua singularidade ampliada definir nível de interferência das empresas parceiras apurar o quanto a aliança irá agregar valor ao produto/serviço da empresa gerência de recursos humanos desenvolvimento projetos de interface aquisição logística interna operações atividades indiretas logística externa marketing & vendas serviços Quadro 3 Elementos intervenientes na cadeia de valor. Adaptado de Doz e Hamel (1998). 79

9 Análise Sistêmica Entretanto, todas estas possibilidades apresentadas de pouco valem se não forem adequadamente colocadas em uma mentalidade sistêmica. Desta forma, é preciso deixar de encarar as ações procedimentais como simples módulos seqüenciais. Baseando-se nos entendimentos de Checkland e Scholes 12 (1999), é salutar compreender que a logística integrada deve ser entendida como um conjunto de elementos interativos e relacionados entre si e com o ambiente, que tem um objetivo, forma e um todo e é caracterizada por suas partes interdependentes e por suas interações. Mas para que ela passe a ser dimensionada sistemicamente é fundamental passar a contemplar as variáveis, os objetos abstratos que podem ou não ter uma correspondência mensurável no mundo real. Nyhuis e Wiendahl 13 (2008) afirmam que não se pode compreender um dado sistema sem que se avaliem suas relações intercambiáveis, as interdependências, as forças e os efeitos sinérgicos no contexto das fronteiras organizacionais. Resgatando Forrester 14 (1968) pode-se equacionar esta posição através de diagramas sistêmicos. Eles são capazes de representar relações físicas, como um sistema de distribuição de materiais ou relações lógicas, como as reações de pessoas em situações organizacionais. Tudo confluindo para a construção de complexos arquétipos abertos para arranjos não-lineares. Klir 15 (1991) esclarece que os arquétipos podem ser associados a comportamentos, podendo envolver diferentes tipos de variáveis. Há os reforçadores: 12 CHECKLAND, P.; SCHOLES, J. Soft systems methodology in action. Chichester, West Sussex: John Wiley & Sons, NYHUIS, Peter; WIENDAHL Hans. Fundamentals of production logistics. Nova Iorque: Springer Verlag, FORRESTER, J. Principles of systems. Cambridge: Wrigth-Allen Press, KLIR, G. Facets of systems sciences. Nova Iorque: Plenum Press,

10 que se constituem de variáveis não-limitadas e os equilibradores, compostos por variáveis estáveis. De acordo com a situação, a concepção sistêmica envolve equações matemáticas e distribuições de probabilidade. Mas de que forma o redimensionado conceitual de logística apresentado, inicialmente, contribui para incrementar o atual quadro evolutivo? Componentes Controláveis pelos Processualmente Envolvidos A logística percebida sob um ponto de vista legitimamente sistêmico necessita contemplar uma apurada ponderação do que pode ser denominado como componentes controláveis pelos processualmente envolvidos. São eles: as TIC s, o expertise, o gerenciamento logístico e a sinergia humana. Relacioná-los aos processualmente envolvidos significa percebê-los sob a ótica da intervenção humana nas múltiplas dimensões interativas, tanto no âmbito interno de uma determinada empresa como nas cadeias de relacionamento externo, estabelecidas pelas alianças estratégicas. É, neste ínterim, que deverão ser promovidas as intervenções para um novo dimensionamento da logística integrada. Parece uma discussão redundante, mas, na realidade, a informalidade interna nas organizações é uma árdua fronteira a ser desbravada, não apenas em função da necessidade de eliminação de toda sorte de desperdícios, mas sim de se passar a considerar uma postura de enfrentamento de questões não-lineares habitualmente tidas como normais e aceitáveis. TIC s As TIC s têm sido consideradas a principal força unificadora da logística integrada, pois é através delas que se estabelecem toda a estratégia integrativa, permitindo que se instalem sistemas de informação para a adequada utilização da informática, comunicação, automação e técnicas de administração e gestão. 81

11 Para Laudon e Laudon 16 (1999) um sistema de informações que gera real valor necessita considerar as dimensões organizacionais e humanas, coadunando-as com a tecnologia. Ele deve fundir-se a elas de modo a atender as necessidades dos sistemas organizacionais, incluindo todo e qualquer tipo de problema que se apresente. Figura 2 A inter-relação dos fatores intervenientes do sistema de informações. Adaptado Laudon e Laudon (1999). Para que isso possa ser operacionalizado, é fundamental compreender que o sistema de informações não pode assumir um simples papel de transmissor e retransmissor de dados e informações. Ele precisa ser gerador de conhecimento. Moura 17 (2006) elucida que: a utilização de conhecimento tem sido, desde sempre, a principal fonte de progresso da humanidade. Esse conhecimento, acumulado 16 LAUDON, K. C. e LAUDON, J. P. Sistemas de informação. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, MOURA, Benjamim. Logística: conceitos e tendências. Lisboa: Centro Atlântico, 2006, p

12 tem um efeito reprodutivo, aumentando a capacidade (individual e coletiva) de adquirir, gerar e distribuir novos conhecimentos. Vizer 18 (2007) coloca com propriedade possibilidades de se construir caminhos de análise e pesquisa para que se gere conhecimento e, conseqüentemente, se criem novos meios de criar valor, através da promoção de evolutivas interfaces entre as questões tecnológicas e a interação comunicativa entre os processualmente envolvidos. Então, se a tecnologia caminha a passos largos, ofertando sistemas como o EDI (Electronic Data Interchange) e o APS (Advanced Planning System), porque não investir, no mesmo nível, nas interfaces humanas e organizacionais para criar valor? Antes disso, contudo, seria importante responder as seguintes questões para que se verificassem as reais possibilidades evolutivas: Aspectos da Concorrência: - Como o mercado e mais especificamente a concorrência direta está estruturada em termos de TIC s? - Qual a forma utilizada pela empresa na área de TIC s para superar a concorrência? Aspectos de Interfaces com fornecedores e compradores (clientes): - Quais os níveis de interação existentes com clientes e fornecedores com o atual perfil de TIC s da empresa? - Quais as exigências atuais e futuras dos fornecedores e compradores para a formação e aperfeiçoamento de redes integradas de informática? - Como as TIC s têm atuado na negociação com fornecedores e compradores? Alianças Estratégicas: - De que maneira a empresa tem estruturada suas TIC s de forma a integrar-se em suas alianças estratégicas? Aspectos de Criação de Valor: - Como as TIC s têm contribuído para a redução nos custos nas diferentes fases do fluxo logístico da empresa? - De que forma a empresa incorpora conhecimento gerado pelas TIC s, através das organizações integradas, transformando-o em aprendizagem para a ação da empresa no mercado? 18 VIZER, Eduardo A. Estratégias y aportes críticos para la investigación sociocultural. (não publicado),

13 Aspectos Operacionais: - As TIC s são fatores em constante aprimoramento na empresa? Existe um cronograma de reavaliação/ampliação da ação de TIC s na empresa? Como está estruturado? - Como a empresa considera a adoção de novas abordagens de TIC s? - Qual a contribuição do EDI nas ações da empresa no mercado? - De que forma as TIC s têm contribuído para a implementação de um processo sistêmico na empresa? - De que forma as TIC s integram as diferentes áreas da empresa como marketing e finanças? - De que forma as TIC s contribuem para a gestão e apoio às decisões na empresa? Expertise Este é, usualmente, um componente desconsiderado no equacionamento da logística integrada, pois sua intervenção é, ao mesmo tempo, tão inerente e se expressa de forma tão não-linear e intangível em relação aos outros elementos, que pode ser encarado como fator extrínseco ao processo. Extrínseco porque ele se dá mentalmente nos indivíduos e não é passível de programação. Expertise pode ser reconhecida pelo arcabouço intelectual singular que cada indivíduo possui e, através do qual, cria novas formas de engendrar a realidade, sistematizando-a, solucionando problemas e propondo novos arranjos para assimilar e relacionar as variáveis que se contrapõem no ambiente ou, conforme Lewin 19 (1965), no seu mundo físico. É fonte geradora de inovações e o meio utilizado para superar configurações sistêmicas, consideradas impróprias para o cumprimento de necessidades emergentes, marcadas pela grande incidência de incertezas. Não deveriam, então, as concepções de logística integrada considerar o conjunto de expertises dos processualmente envolvidos para desencadear novas maneiras de criar valor? Para reconhecer esta necessidade, seria importante, primeiramente, responder as seguintes questões: 19 LEWIN, Kurt. Teoria de campo em ciência social. São Paulo: Pioneira,

14 Vantagem Competitiva: - Podería-se afirmar que a empresa possui uma liderança com capacidades singulares para superar problemas? Que exemplos poderiam ilustrar esta realidade? - Como a empresa reage frente às ações agressivas da concorrência? - Qual a atitude da empresa frente ao poder de negociação dos compradores? - Como é no caso dos fornecedores? Criação de Valor: - Como são obtidas soluções inovadoras para os problemas complexos vivenciados na concepção da logística integrada da empresa? - No momento de estabelecer alianças estratégicas, que requisitos de compatibilidade e diversidade a empresa normalmente considera essenciais? - Em função de alianças estratégicas estabelecidas, como é o procedimento de reconfiguração de processos de trabalho da empresa para a criação de valor? - Quais são as grandes lições que a empresa tem tirado de suas experiências com alianças estratégicas? Análise Sistêmica: - A partir de que parâmetros fundamentais a empresa desenvolve sistemas complexos de logística integrada? - Como a empresa equaciona problemas cercados por grande número de incertezas? - Como a empresa desenvolve seu planejamento estratégico? - A empresa utiliza análise sistêmica para estruturar sua ação e decisões de mercado? Gerenciamento logístico Christopher 20 (2007) argumenta que a missão do gerenciamento logístico é planejar e coordenar todas as atividades necessárias para atingir os níveis desejados de qualidade e de serviços prestados ao menor custo possível. Aparentemente, esta é a área da logística integrada que tem apresentado o maior quadro evolutivo. Contudo, por detrás desta visão, percebe-se que o gerenciamento logístico é conduzido por diretrizes cartesianas, quando deveria seguir um paradigma que fosse de encontro aos processos sistêmicos que se propõe a orientar. 20 CRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: criando redes que agregam valor. São Paulo: Thomson Learning, 2007, p

15 Christopher 21 (2007) aponta uma trajetória ao afirmar que o desafio de qualquer empresa é tornar-se uma organização responsiva em todos os sentidos da palavra. Isto significa possuir um gerenciamento inteligente, além dos preceitos do business intelligence, onde as tendências e indícios possam se fundir a ação de gerenciamento e, ao atingirem determinado nível crítico, promover evoluções. Não estariam, então, as empresas processualmente envolvidas, gerenciando a margem os poderosos sistemas das TIC s e utilizando o expertise apenas com propósitos aceptivos? Porque gerenciar dentro de uma ordem tecnicista se os sistemas se constituem de inúmeras facetas não-lineares? a outras perguntas: Para se enfrentar estas questões, seria importante responder, primeiramente, Vantagem Competitiva: - Em que nível está a rentabilidade da empresa, comparando-a ao desempenho da concorrência? - Como a empresa gerencia a sua rivalidade com os concorrentes? - Em termos de planejamento estratégico e seu gerenciamento, qual é a visão da empresa para os próximos anos? Criação de Valor: - Como a empresa lida com a necessidade de obter competências nas diversas atividades da cadeia de valor? - Como a empresa se propõe a maximizar rentabilidade na configuração de procedimentos logísticos ligados à infra-estrutura e marketing, por exemplo? - Como é feita a comunicação com fornecedores e clientes no que se diz respeito a gerenciamento? - Como se dá o gerenciamento logístico frente ao conceito de Supply Chain Management ou Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos? - Como é feito o gerenciamento das equipes de trabalho? Análise Sistêmica: - Existe um gerenciamento integrado para os principais departamentos da empresa? Como eles interagem? 21 CRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: criando redes que agregam valor. São Paulo: Thomson Learning, 2007, p

16 - A empresa possui equipes pré-determinadas para cada tipo de processo ou isso depende do momento e da situação? - Como a empresa promove ações que aperfeiçoam sua estrutura operacional sistêmica a fim de atender as exigências de mercado? - O gerenciamento da empresa prevê a análise sistêmica das diversas contingências de mercado? Sinergia humana Este é o componente de onde podem resultar os mais significativos índices de criação de valor dentro da logística integrada, pois lida com pessoas, ao mesmo tempo, o capital mais volátil da organização e possuidoras de quase infinito potencial evolutivo. Além desta dualidade, é fundamental considerar que os indivíduos vivem em espaços organizacionais sujeitos a relações de poder. Seus efeitos implicam em cisões, desigualdades e desequilíbrios, que se configuram de acordo como a gestão se estrutura. Assim, é preciso entender que o ambiente organizacional é a configuração de artefatos culturais, onde está implícito o controle, o poder e a dominação e as pessoas não produzem de forma adequada sem assimilar sua dominação. Então, cabe aos gestores entender, primeiramente, que esta dominação produz saber sobre os dominados e que no ambiente interativo da empresa, os indivíduos se submetem a uma ordem que os examina, desarticula e os recompõe. Ao mesmo tempo, é preciso compreender que as empresas são constituídas de arranjos simbólicos, constituídos de valores e crenças exercitados. Deste ponto de vista, a implantação de uma filosofia de sinergia humana acarreta em uma séria conversão de valores de comportamento, podendo ser moldada pelos seguintes preceitos: 87

17 1. estabelecer uma postura cultural de sucesso (Aktouf 22, 1994); 2. reconhecer a importância do convívio interpessoal (Chanlat 23, 1994); 3. determinar claramente regras de convivência (Kets de Vries e Miller 24, 1994) para construir processos de trabalho sinérgicos; 4. compartilhar todos os processos e promover a permanente interação (Lapierre 25, 1994) em torno do fenômeno informacional; 5. oportunizar a satisfação com o trabalho (Csikszentmihalyi 26, 1990); 6. proporcionar o reconhecimento de autoridade, classificações, individualidades e combinações de poder (Fischer 27, 1994). Isto quer dizer que não há TIC s, expertise e gerenciamento capazes de equacionar a complexidade da natureza instável das relações humanas na organização. Não estaria na hora de se entender que um passo significativo a ser dado na direção de uma legítima logística integrada seria buscar, em primeiro lugar, o desencadeamento de um processo de sinergia humana na organização, para, em seguida caminhar de encontro ao nível interorganizacional, obtendo uma sinergia das sinergias? Para encarar esta questão de frente, entretanto, é importante responder de antemão as seguintes questões: 22 AKTOUF, Omar. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas, CHANLAT, Jean-François. O ser humano, um ser estrangeiro para o outro. In: CHANLAT, Jean- François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. III. São Paulo: Atlas, KETS DE VRIES, Manfred F. R.; MILLER, Danny. Relações de transferência na empresa: confusões e atritos no processo decisório. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas, LAPIERRE, Laurent. Interioridade, gestão e organização da realidade psíquica como fundamento da gestão. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas, CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. Flow: the psychology of optimal experience. Nova Iorque: Harper Perennial, FISCHER, Gustave-Nicolas. Espaço, identidade e organização. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas,

18 Vantagem Competitiva: - Os grupos de trabalho na empresa são formados a partir da união de capacidades singulares ou este processo não tem critérios definidos? - A empresa realiza constantes mudanças, com trocas e/ou remanejo de funcionários em busca de melhores resultados? - Como a empresa está estruturada em termos de controle, normas de trabalho e avaliação de desempenho de funcionários? - Qual a visão que os funcionários têm sobre a capacidade de sucesso da empresa? Criação de Valor: - Como a empresa promove momentos de troca de experiências entre os funcionários? - Como a empresa procura fazer parcerias em que existam semelhanças de interesses e complementaridades de diferenças? - As parcerias formadas pela empresa entre organizações são baseadas na confiança e colaboração? É possível exemplificar uma situação? - Como a empresa procura criar uma visão compartilhada entre seus colaboradores e parceiros? - Como os funcionários são preparados para atuar em alianças estratégicas? - Como é medida a satisfação das pessoas com o trabalho na organização? Análise Sistêmica: - A empresa identifica habilidades e competências específicas em seus colaboradores para a formação dos grupos de trabalho? - A empresa aproveita de alguma forma os recursos tecnológicos para fazer conexões entre pessoas e aumentar a união e comprometimento? - Os funcionários são estimulados a pensar sistemicamente? Referências 1. AKTOUF, Omar. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, CHANLAT, Jean-François. O ser humano, um ser estrangeiro para o outro. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. III. São Paulo: Atlas,

19 4. CHECKLAND, P.; SCHOLES, J. Soft systems methodology in action. Chichester, West Sussex: John Wiley & Sons, CRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: criando redes que agregam valor. São Paulo: Thomson Learning, CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. Flow: the psychology of optimal experience. Nova Iorque: Harper Perennial, DOZ, Yves L.; HAMEL, Gary. Alliance advantage: the art of creating value through partnering. Massachusetts: Harvard Business School Press, FAULKNER, David. International Strategic Alliances: co-operating to compete. Londres: McGraw-Hill International, FISCHER, Gustave-Nicolas. Espaço, identidade e organização. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas, FORRESTER, J. Principles of systems. Cambridge: Wrigth-Allen Press, KETS DE VRIES, Manfred F. R.; MILLER, Danny. Relações de transferência na empresa: confusões e atritos no processo decisório. In: CHANLAT, Jean- François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas, KOTLHER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. São Paulo: Pearce Prentice Hall, KLIR, G. Facets of systems sciences. Nova Iorque: Plenum Press, LAPIERRE, Laurent. Interioridade, gestão e organização da realidade psíquica como fundamento da gestão. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. II. São Paulo: Atlas, LAUDON, K. C. e LAUDON, J. P. Sistemas de informação. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, LEWIN, Kurt. Teoria de campo em ciência social. São Paulo: Pioneira, MAGEE, John Francis. Logística industrial: análise e administração dos serviços de suprimento e distribuição. São Paulo: Pioneira, MOURA, Benjamim. Logística: conceitos e tendências. Lisboa: Centro Atlântico,

20 19. NYHUIS, Peter; WIENDAHL Hans. Fundamentals of production logistics. Nova Iorque: Springer Verlag, PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, TIXIER, Daniel; MATHE, Hervé; COLIN, Jacques. A logística na empresa. Porto: Rés Editora, VIZER, Eduardo A. Estratégias y aportes críticos para la investigación sociocultural. (não publicado),

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

POSSIBILIDADES NA AÇÃO DIAGNÓSTICA PARA PESQUISA EXTERNA EM RELAÇÕES PÚBLICAS

POSSIBILIDADES NA AÇÃO DIAGNÓSTICA PARA PESQUISA EXTERNA EM RELAÇÕES PÚBLICAS POSSIBILIDADES NA AÇÃO DIAGNÓSTICA PARA PESQUISA EXTERNA EM RELAÇÕES PÚBLICAS Cleon Gostinski RESUMO Bacharel em Comunicação Social, Mestre em Administração de Empresas pela UFRGS; Docente da Faculdade

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CEPE/UNICENTRO, DE 3 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Estratégica e da Inovação, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais