Função do 2 o Grau. Uma aplicação f der emr

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Função do 2 o Grau. Uma aplicação f der emr"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA. Dfinição Uma aplicação f dr mr rc o nom d função quadrática ou do o grau quando associa a cada o lmnto (a + + c) R, m qu a,, c são númrosrais dados a 0. Função do o Grau f ( ) = a + + c (a 0) Prof.: Rogério Dias Dalla Riva 4 Função do o Grau. Dfinição.Dfinição.Gráfico 3.Concavidad 4.Forma canônica 5.Zros 6.Máimo mínimo 7.Vértic da paráola 8.Imagm 9.Eio d simtria 0.Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico Emplos d funçõs quadráticas a) f ( ) = 3 + m qu a =, = 3, c = f a c ) ( ) = m qu =, = 4, = 3 f a c c) ( ) = m qu = 3, = 5, = f d) ( ) = 4 m qu a =, = 0, c = 4 ) f ( ) = + 5 m qu a =, = 5, c = 0 f = a = = c = f) ( ) 3 m qu 3, 0, 0 5 Função do o Grau. Gráfico.Sinal da função quadrática.inquação do o grau O gráfico da função quadrática é uma paráola. 6

2 . Gráfico. Gráfico Emplos o ) Construir o gráfico d = = (0,) (-,0) (,0) (-,-3) (,-3) (-3,-8) -8 (3,-8) Gráfico. Gráfico 9 (-3,8) 8 (3,8) (-,3) 3 (,3) 0 (-,0) - (,0) (0,-) - Ercício : Dtrminar uma função quadrática f tal qu f(-) = -4, f() = f() = Gráfico 3. Concavidad Emplos o ) Construir o gráfico d = - +. A paráola rprsntativa da função quadrática = a + + c pod tr a concavidad voltada para cima ou voltada para aio = S a > 0, a concavidad da paráola stá voltada para cima. S a < 0, a concavidad da paráola stá voltada para aio. 9

3 3. Concavidad 4. Forma canônica a > 0 a < 0 Rprsntando c por, tamém chamado discriminant do trinômio do sgundo grau, tmos a forma canônica. f ( ) = a + a Forma canônica A construção do gráfico da função quadrática = a + + c com o auílio d uma tala d valors, como foi fito no itm antrior, torna-s às vzs um traalho imprciso, pois na tala atriuímos a alguns valors intiros pod acontcr qu m dtrminada função quadrática os valors d ascissa (valors d ), m qu a paráola intrcpta o io dos ou a ascissa do ponto da paráola d maior ou mnor ordnada, não são intiros. Zros ou raízs Os zros ou raízs da função quadrática f() = a + + c são os valors d rais tais qu f() = 0, portanto, as soluçõs da quação do sgundo grau. a c + + = Forma canônica Para iniciarmos um studo analítico mais dtalhado da função quadrática, vamos primiramnt transformá-la m outra forma mais convnint, chamada forma canônica. c c f ( ) = a + + c = a + + a a a = = a a c c = a + + a = + a a a Utilizando a forma canônica, tmos: + + = 0 + = 0 a a c a + 0 a = + = a ± + = ± = a a a 5 8 3

4 Númro d raízs Osrv qu a istência d raízs rais para a quação do sgundo grau a + + c fica condicionada ao fato d sr ral. Assim, tmos três casos a considrar: Significado gométrico das raízs Intrprtando gomtricamnt, dizmos qu os zros da função quadrática são as ascissas dos pontos ond a paráola corta o io dos. Emplo Construindo o gráfico da função = podmos notar qu a paráola corta o io dos nos pontos d ascissas 3, qu são as raízs da quação = 0. 9 o ) > 0, a quação aprsntará duas raízs distintas, qu são: (-,8) (5,8) + = = a a o ) = 0, a quação aprsntará duas raízs iguais, qu são: (0,3) (4,3) = = a (,0) (,-) (3,0) 3 o ) < 0, sando qu nss caso R, dirmos qu a quação não aprsnta raízs rais. 0 3 Rsumo + > 0 = ou = a a + + = = a < 0 não istm raízs rais a c 0 Ercício : Dtrmin o zro ral das funçõs aaio. a) f ( ) = + ) f ( ) = c) f ( ) = + 4

5 Ercício 3: Rsolva o sistma aaio. 7 + = = Ercício 6: Dtrminar os valors d m para qu a quação do o grau f() = (m + ) + (3 m) + (m ) = 0 tnha raízsrais. 8 Ercício 4: Dtrminar os zros rais das funçõs. 4 a) f ( ) = ) f ( ) = c) f ( ) = d) f ( ) = 3 Ercício 7: Dtrminar os valors d m para qu a função f() = m + (m + ) + (m + ) tnha um zro ral duplo. 9 Ercício 5: Dtrminar os valors d m para qu a função quadrática f() = (m ) + (m + 3) + m tnha dois zros rais distintos. Ercício 8: Dtrminar os valors d m para qu a quação f() = + (3m + ) + (m + m + ) = 0 tnha duas raízs rais iguais

6 Ercício 9: Dtrminar os valors d m para qu a função f() = (m + ) + (m + 3) + (m - ) não tnha zros rais. Ercício : Na quação do o grau 5 = 0 d raízs, calcular: ( ) ( ) + + a) d) ) ) + c) + f) + ( ) ( ) Ercício 0: Dtrminar os valors d m para qu a quação f() = m + (m - ) + (m - ) = 0 não tnha raízs rais. Ercício 3: Mostr qu uma quação do o grau d raízs é a quação S + P = 0, ond S = + P = Ercício : Mostr qu na quação do o grau a + + c = 0, d raízs rais, tmos para a soma S das raízs S = + = -/a para produto P das raízsp =. = c/a. Ercício 4: Otr uma quação do o grau d raízs a) 3 d) 3 ) ) c)0,

7 6. Máimo mínimo Ercício 5: Dtrminar m na quação m (m - ) + m = 0 para qu s tnha / + / = 4, ond são as raízs da quação. Dizmos qu o númro M Im(f) é o valor máimo da função = f() s, somnt s, M para qualqur Im(f). O númro M D(f) tal qu M = f( M ) é chamado ponto d máimo da função Máimo mínimo 6. Máimo mínimo Dizmos qu o númro m Im(f) é o valor mínimo da função = f() s, somnt s, m para qualqur Im(f). O númro m D(f) tal qu m = f( m ) é chamado ponto d mínimo da função. Valor máimo M V M Ponto d máimo Im(f) Máimo mínimo 6. Máimo mínimo Im(f) I. S a < 0, a função quadrática = a + + c admit o valor máimo M = para. M = a Ponto d mínimo m II. S a > 0, a função quadrática = a + + c admit o valor mínimo m = para. m = a m Valor mínimo V

8 6. Máimo mínimo 6. Máimo mínimo Dmonstração I. Considrmos a função quadrática na forma canônica: Dmonstração II. Prova-s d modo análogo = a + a Sndo a < 0, o valor d srá tanto maior quanto mnor for o valor da difrnça (I) + a Máimo mínimo 6. Máimo mínimo Nssa difrnça, é constant (porqu não dpnd d ; só dpnd d a,, c) + 0 a para todo ral. Então a difrnça assum o mnor valor possívl quando + = 0, ou sja, quando a = a 44 Aplicaçõs o ) Na função ral f() = 4 4 8, tmos: a = 4, = -4, c = -8 = Máimo mínimo 6. Máimo mínimo Para =, tmos na prssão (I): a = a + a 0 a a = = Como a = 4 > 0, a função admit um valor mínimo: 44 m = =, isto é: m = m m 4 = =, isto é: m = a

9 6. Máimo mínimo 7. Vértic da paráola Aplicaçõs o ) Na função ral f() = ¾, tmos: a = -, =, c = ¾ = 4. Ercício 6: Dtrminar o valor máimo ou o valor mínimo, o ponto d máimo ou ponto d mínimo das funçõs aaio. a) = 3 + ) = Máimo mínimo 7. Vértic da paráola Como a = - < 0, a função admit um valor máimo: M m M 4 = =, isto é: M = 4 ( ) = =, isto é: M = a ( ) Ercício 7: Dtrminar o valor d m na função ral f() = m para qu o valor mínimo sja 5/ Vértic da paráola 7. Vértic da paráola O ponto V, é chamado vértic da a paráola rprsntativa da função quadrática. Ercício 8: Dtrminar o valor d m na função ral f() = -3 + (m ) + (m + ) para qu o valor máimo sja. 5 9

10 7. Vértic da paráola 7. Vértic da paráola Ercício 9: Dtrminar o valor d m na função ral f() = m + (m - ) + (m + ) para qu o valor mínimo sja. Ercício : Dntr todos os númros rais z tais qu + z = 8 dtrmin aquls cujo produto é máimo. 7. Vértic da paráola 7. Vértic da paráola Ercício 0: Dtrminar o valor d m na função ral f() = (m ) + (m + ) - m para qu o valor mínimo sja. Ercício 3: Dntr todos os rtângulos d prímtro 0 cm, dtrmin o d ára máima. 7. Vértic da paráola 7. Vértic da paráola Ercício : Dntr todos os númros rais d soma 8 dtrmin aquls cujo produto é máimo. Ercício 4: Dntr todos os númros d soma 6 dtrmin aquls cuja soma dos quadrados é mínima. 0

11 7. Vértic da paráola 7. Vértic da paráola Ercício 5: Dtrmin o rtângulo d ára máima localizado no primiro quadrant, com dois lados nos ios cartsianos um vértic na rta = Ercício 8: Num triângulo isóscls d as 6 cm altura 4 cm stá inscrito um rtângulo. Dtrmin o rtângulo d ára máima sando qu a as do rtângulo stá sor a as do triângulo. 7. Vértic da paráola 7. Vértic da paráola Ercício 6: É dado uma folha d cartolina como na figura aaio. Cortando a folha na linha pontilhada rsultará um rtângulo. Dtrminar ss rtângulo sando qu a ára é máima. Ercício 9: Dtrminar os vértics das paráolas aaio a) = 4 ) = Vértic da paráola 8. Imagm Ercício 7: Dtrmin o rtângulo d maior ára contido num triângulo quilátro d lado 4 cm, stando a as do rtângulo num lado do triângulo. Para dtrminarmos a imagm da função quadrática, tommos inicialmnt a função na forma canônica: ou sja, f ( ) = a + a a + a 66

12 8. Imagm 8. Imagm Osrvmos qu + 0 para qualqur a R; ntão tmos qu considrar dois casos: Rsumindo: a > 0, a < 0, Imagm 8. Imagm o caso: a > 0 a + 0,, portanto: a = a + a ou ainda: a > 0 Im(f) = / a < 0 Im(f) = / Imagm 8. Imagm o caso: a < 0 a + 0,, portanto: a = a + a Emplos o ) Otr a imagm da função f drmrd- finida por f ( ) =

13 8. Imagm 8. Imagm Na função f ( ) = 8 + 6, tmos: a =, = -8 c = 6 5 Na função f ( ) = +, tmos: 3 3 a = -/3, = c = -5/3 logo: logo: = c = (-8) = 6 6 portanto: = = 4 Como a = > 0, tmos: { R } Im( f ) = / 73 = c = 4. (-/3). (-5/3) = 6/9 6 4 portanto: = 9 = 4 ( ) 3 3 Como a = -/3 < 0, tmos: 4 Im( f ) = / Imagm 8. Imagm 8 6 4/ Imagm 8. Imagm Emplos o ) Otr a imagm da função f drmrd- finida por 5 f ( ) = Ercício 30: Dtrminar a imagm das funçõs dfinidas m R. a) = + 4 ) =

14 8. Imagm 9. Eio d simtria Ercício 3: Dtrminar m na função f() = m dfinida m R para qu a imagm sja Im = { R / }. A M B r a a v + r a 8 8. Imagm 0. Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico Ercício 3: Dtrminar m na função f() = - /3 + m / dfinida m R para qu a imagm sja Im = { R / 7 }. Para fazrmos o soço do gráfico da função quadrática f() = a + + c, uscarmos, daqui para a frnt, informaçõs prliminars qu são: o ) O gráfico é uma paráola, cujo io d simtria é a rta. = a prpndicular ao io dos o ) S a > 0, a paráola tm a concavidad voltada para cima. S a < 0, a paráola tm a concavidad voltada para aio Eio d simtria 0. Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico O gráfico da função quadrática admit um io d simtria prpndicular ao io dos qu passa plo vértic. Os pontos da rta prpndicular ao io dos qu passa plo vértic da paráola odcm à quação =, pois todos os pontos dssa rta a têm ascissa. a 8 3 o ) Zros da função. S > 0, a paráola intrcpta o io dos m dois pontos distintos. + P, 0 P, 0 a a S = 0, a paráola tangncia o io dos no ponto. P, 0 a 84 4

15 0. Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico 0. Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico S < 0, a paráola não tm pontos no io dos. Ercício 34: Fazr o soço do gráfico = otr: 4 o ) O vértic da paráola é o ponto d coordnadas V,, qu é máimo s a < 0 ou a é mínimo s a > 0. Sgum os tipos d gráficos qu podmos Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico 0. Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico a > 0 > 0 a > 0 = 0 a > 0 < 0 Ercício 35: Fazr o soço do gráfico = / + +. P P V V V V P P V V a < 0 > 0 a < 0 = 0 a < 0 < Informaçõs qu auiliam a construção do gráfico Ercício 33: Fazr o soço do gráfico = Considrmos a função quadrática f() = a + + c (a 0) vamos rsolvr o prolma: para qu valors d tmos: a) f() > 0 ) f() < 0 c) f() = 0? Na dtrminação do sinal da função quadrática, dvmos comçar plo cálculo do discriminant, quando três casos distintos podm aparcr: a) < 0 ) = 0 c) >

16 Vjamos como prossguir m cada caso. o caso: < 0 S < 0, ntão - > 0. Da forma canônica, tmos: a f ( ) = a + + a f ( ) > 0, a não ngativo positivo positivo Emplos o ) f ( ) = + aprsnta = ( ) 4 = 4 < 0, como a = > 0, concluímosqu: f ( ) > 0, 9 94 Isso significa qu a função f() = a + + c, quando < 0, tm o sinal d a para todo R, ou mlhor: a > 0 f ( ) > 0, a < 0 f ( ) < 0, Emplos o ) f ( ) = + aprsnta = 4 ( ) ( ) = 3 < 0, como a = - < 0, concluímosqu: f ( ) < 0, 9 95 A rprsntação gráfica da função f() = a + + c, quando < 0, vm confirmar a ddução algérica. f() > 0 f() < 0 positivo o caso: = 0 Da forma canônica, tmos: a f ( ) = a + + a + a a não ngativo zro 0 ntão a f ( ) 0,

17 Isso significa qu a função f ( ) = a + + c, { } quando = 0, tm o sinal d a para todo, sndo zro duplo d f(), ou mlhor: = a a > 0 f ( ) 0, a < 0 f ( ) 0, 97 Emplos o ) f ( ) = aprsnta = 8 4 ( ) ( 8) = 0 ntão f() tm um zro duplo para a = =, como a = - < 0, concluímos: { } f ( ) < 0, f ( ) = 0, s = 00 A rprsntação gráfica da função f() = a + + c, quando = 0, vm confirmar a ddução algérica. = f() > 0 f() > 0 f() < 0 f() < 0 = 98 3 o caso: > 0 Da forma canônica, tmos: ( ) a a a a a a Lmrmos qu a fórmula qu dá as raízs d uma quação do sgundo grau é: a f ( ) = a + a = ± a = isto é a + = a 0 Emplos o ) f ( ) = + aprsnta = ( ) 4 = 0 ntão f() tm um zro duplo para a = =, como a = > 0, concluímos: { } f ( ) > 0, f ( ) = 0, s = 99 fica vidnt qu a forma canônica s transforma m: + a f = a = a a a ( ) ( ) ( ) O sinal d a. f() dpnd dos sinais dos fators ( ) ( ). Admitindo <, tmos qu: 0 7

18 I) s <, tmos: < 0 < < a f ( ) a ( ) ( ) 0 = > < Isso significa qu: ) O sinal d f() é o sinal d a para todo, tal qu <, ou > ; ) O sinal d f() é o sinal d -a para todo, tal qu < <. Em rsumo: = = < < < > f() tm o sinal d a f() tm o 0 sinal d -a 0 f() tm o sinal d a II) s < <, tmos: O gráfico da função f() = a + + c, quando > 0, vm confirmar a ddução algérica. > 0 < < a f ( ) a ( ) ( ) 0 = < < f() > 0 f() > 0 f() < 0 f() > 0 f() < 0 f() < III) s >, tmos: > 0 > > a f ( ) a ( ) ( ) 0 = > > Emplos o ) f ( ) = 6 aprsnta = ( ) 4 ( 6) = 5 > 0 ntão f() tm dois zros rais distintos: = = = = = = 3 a a

19 . Inquação do º grau, como a = > 0, concluímosqu: f ( ) > 0, para < ou > 3 f ( ) = 0, para = ou = 3 f ( ) < 0, para < < 3 09 S a 0, as inquaçõs a + + c > 0, a + + c < 0, a + + c 0 a + + c 0 são dnominadasinquaçõs do o grau. Rsolvr, por mplo, a inquação a + + c > 0 é rspondr à prgunta: ist ral tal qu f() = a + + c sja positiva? A rsposta a ssa prgunta s ncontra no studo do sinal d f(), qu pod, inclusiv, sr fito através do gráfico da função. Assim, no nosso mplo, dpndndo d a d, podmos tr uma das sis rspostas sguints:. Inquação do º grau Emplos o ) f ( ) = aprsnta a > 0 > 0 a > 0 = 0 a > 0 < 0 = 3 4 ( ) = 5 > 0 logo f() tm dois zros rais distintos: S = { R / < ou > } = S = { / } S =R = = = = = = a 4 a 4 = 0 a < 0 > 0 S = { R / < < } a < 0 = 0 S = a < 0 < 0 S = 3. Inquação do º grau, como a = - < 0, concluímosqu: Ercício 36: Rsolvr a inquação + > 0. f ( ) < 0, para < ou > f ( ) = 0, para = ou = f ( ) > 0, para < < 4 9

20 . Inquação do º grau. Inquação do º grau Ercício 37: Rsolvr a inquação + 0. Ercício 40: É dada a função ( 9 5 ) ( ) = + Dtrminar: a) os pontos d intrscção do gráfico da função com o io das ascissas. ) o conjunto dos valors d para os quais Inquação do º grau. Inquação do º grau Ercício 38: Rsolvr a inquação Ercício 4: Rsolvr m R as inquaçõs a) = > ) = Inquação do º grau. Inquação do º grau Ercício 39: Rsolvr m R as inquaçõs ( ) ( ) a) 6 + > 0 3 ) Ercício 4: Rsolvr as inquaçõs a)4 < 4 ) < <

21 . Inquação do º grau Ercício 43: Rsolvr os sistmas d inquaçõs ) + > 3 < 0 a 0 ) Inquação do º grau Ercício 44: Rsolvr m R as inquaçõs 4 a) < 0 4 ) < 0

Derivada Escola Naval

Derivada Escola Naval Drivada Escola Naval EN A drivada f () da função f () = l og é: l n (B) 0 l n (E) / l n EN S tm-s qu: f () = s s 0 s < < 0 s < I - f () só não é drivávl para =, = 0 = II - f () só não é contínua para =

Leia mais

Adriano Pedreira Cattai

Adriano Pedreira Cattai Adriano Pdrira Cattai apcattai@ahoocombr Univrsidad Fdral da Bahia UFBA, MAT A01, 006 3 Suprfíci Cilíndrica 31 Introdução Dfinição d Suprfíci Podmos obtr suprfícis não somnt por mio d uma quação do tipo

Leia mais

3. Geometria Analítica Plana

3. Geometria Analítica Plana MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSITICA APOSTILA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PLANA PROF VINICIUS 3 Gomtria Analítica Plana 31 Vtors no plano Intuitivamnt,

Leia mais

- Função Exponencial - MATEMÁTICA

- Função Exponencial - MATEMÁTICA Postado m 9 / 07 / - Função Eponncial - Aluno(a): TURMA: FUNÇÃO EXPONENCIAL. Como surgiu a função ponncial? a n a n, a R n N Hoj, a idia d s scrvr. ² ou.. ³ nos parc óbvia, mas a utilização d númros indo

Leia mais

1 - RECORDANDO 2 - INTERSEÇÃO ENTRE RETA E CIRCUNFERÊNCIA. Exercício Resolvido 1: Frente III. na última equação, tem-se:

1 - RECORDANDO 2 - INTERSEÇÃO ENTRE RETA E CIRCUNFERÊNCIA. Exercício Resolvido 1: Frente III. na última equação, tem-se: Matmática Frnt III CAPÍTULO 23 POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE RETA E CIRCUNFERÊNCIA 1 - RECORDANDO Na aula passada, nós vimos as quaçõs da circunfrência, tanto com cntro na origm ( ) como a sua quação gral (

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2 Eam Nacional d 0 (. a fas) Prova Escrita d Matmática. o no d Escolaridad Prova 3/Vrsõs GRUPO I Itns Vrsão Vrsão. (C) (). () (C) 3. () (C). (D) (). (C) (). () () 7. () (D) 8. (C) (D) Justificaçõs:. P( )

Leia mais

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P 26 a Aula 20065 AMIV 26 Exponncial d matrizs smlhants Proposição 26 S A SJS ntão Dmonstração Tmos A SJS A % SJS SJS SJ % S ond A, S J são matrizs n n ", (com dt S 0), # S $ S, dond ; A & SJ % S SJS SJ

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

UFJF ICE Departamento de Matemática Cálculo I Terceira Avaliação 03/12/2011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: x é: 4

UFJF ICE Departamento de Matemática Cálculo I Terceira Avaliação 03/12/2011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: x é: 4 UFJF ICE Dpartamnto d Matmática Cálculo I Trcira Avaliação 0/1/011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: Instruçõs Grais: 1- A prova pod sr fita a lápis, cto o quadro d rspostas das qustõs d múltipla scolha,

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

III Integrais Múltiplos

III Integrais Múltiplos INTITUTO POLITÉCNICO DE TOMA Escola uprior d Tcnologia d Tomar Ára Intrdpartamntal d Matmática Anális Matmática II III Intgrais Múltiplos. Calcul o valor dos sguints intgrais: a) d d ; (ol. /) b) d d ;

Leia mais

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b Considr uma população d igual númro d homns mulhrs, m qu sjam daltônicos % dos homns 0,% das mulhrs. Indiqu a probabilidad d qu sja mulhr uma pssoa daltônica slcionada ao acaso nssa população. a) b) c)

Leia mais

O teorema da função inversa para funções de várias variáveis reais a valores vetoriais

O teorema da função inversa para funções de várias variáveis reais a valores vetoriais Matmática O torma da função invrsa para funçõs d várias variávis rais a valors vtoriais Vivian Rodrigus Lal Psquisadora Prof Dr David Pirs Dias Orintador Rsumo Est artigo tm como objtivo aprsntar o Torma

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%)

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%) Distribuição das 0 Qustõs do I T A 9 (8,6%) 66 (,99%) Equaçõs Irracionais 09 (0,8%) Equaçõs Exponnciais (,09%) Conjuntos 9 (,6%) Binômio d Nwton (,9%) 0 (9,%) Anális Combinatória (,8%) Go. Analítica Funçõs

Leia mais

10. EXERCÍCIOS (ITA-1969 a ITA-2001)

10. EXERCÍCIOS (ITA-1969 a ITA-2001) . EXERCÍCIOS (ITA-969 a ITA-) - (ITA - 969) Sjam f() = + g() = duas funçõs rais d variávl ral. Então (gof)(y ) é igual a: a) y y + b) (y ) + c) y + y d) y y + ) y - (ITA -97) Sjam A um conjunto finito

Leia mais

a) 1. b) 0. c) xnw. d) q (Espm 2014) Se a matriz 7. (Pucrs 2014) Dadas as matrizes A = [ 1 2 3] a) 18 b) 21 c) 32 d) 126 e) 720 Se a matriz M=

a) 1. b) 0. c) xnw. d) q (Espm 2014) Se a matriz 7. (Pucrs 2014) Dadas as matrizes A = [ 1 2 3] a) 18 b) 21 c) 32 d) 126 e) 720 Se a matriz M= Dtrminant. (Upg 4) Considrando as matrizs abaixo, sndo dt A = 5, dtb= dtc=, assinal o qu for orrto. x z x y x A =,B= 4 5 x+ z y C= ) x+ y+ z= 4 ) A C= 4) B C= 4 8) y = x 6) 6 4 A+ B= 6 5 T. (Uds 4) S A

Leia mais

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1 5 MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 5 Introdução: Considrmos os sguints nunciados: Quais são as dimnsõs d uma caia rtangular sm tampa com volum v com a mnor ára d supríci possívl? A tmpratura

Leia mais

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período Rsolução da Prova d Física Tórica Turma C2 d Engnharia Civil Príodo 2005. Problma : Qustõs Dados do problma: m = 500 kg ; v i = 4; 0 m=s ;! a = 5! g d = 2 m. Trabalho ralizado por uma força constant: W

Leia mais

Módulo II Resistores e Circuitos

Módulo II Resistores e Circuitos Módulo Claudia gina Campos d Carvalho Módulo sistors Circuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. Como o rsistor é um condutor d létrons, xistm aquls

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1.

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. DEFINIÇÃO... GRÁFICO... ZEROS ou RAÍZES... 3 DISCUSSÃO DAS RAÍZES... 5 RELAÇÕES ENTRE COEFICIENTES E RAÍZES... 8 VÉRTICE... CONCAVIDADE... MÁXIMO OU MÍNIMO... IMAGEM... 3 FORMA CANÔNICA... 8 CONSTRUÇÃO

Leia mais

r = (x 2 + y 2 ) 1 2 θ = arctan y x

r = (x 2 + y 2 ) 1 2 θ = arctan y x Sção 0: Equação d Laplac m coordnadas polars Laplaciano m coordnadas polars. Sja u = ux, y uma função d duas variávis. Dpndndo da rgião m qu a função stja dfinida, pod sr mais fácil trabalhar com coordnadas

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1 ) Dtrmin dmíni das funçõs abai rprsnt- graficamnt: z + z 4.ln( ) z ln z z arccs( ) f) z g) z ln + h) z ( ) ) Dtrmin dmíni, trac as curvas d nívl sbc gráfic das funçõs: f (, ) 9 + 4 f (, ) 6 f (, ) 6 f

Leia mais

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é:

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é: nrgia no MHS Para studar a nrgia mcânica do oscilador harmônico vamos tomar, como xmplo, o sistma corpo-mola. A nrgia cinética do sistma stá no corpo d massa m. A mola não tm nrgia cinética porqu é uma

Leia mais

Escola Básica Tecnopolis Matemática - PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºano

Escola Básica Tecnopolis Matemática - PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºano DGEstE Dirção-GraL dos Establcimntos Escolars DSRAI Dirção d Srviços da Rgião Algarv AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JÚLIO DANTAS LAGOS (145415) Escola Básica Tcnopolis Matmática - PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºano 2013-2014

Leia mais

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Questão 01 - (FUVEST SP)

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Questão 01 - (FUVEST SP) Matmática Profssor: Marclo Honório LISTA: 04 2ª séri Ensino Médio Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Sgmnto tmático: GEOMETRIA ESPACIAL DIA: MÊS: 05 206 Pirâmids Cilindros Qustão 0 - (FUVEST SP) Três das arstas

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

f x x x f x x x f x x x f x x x

f x x x f x x x f x x x f x x x Página 1 de 7 I. FUNÇÃO DO º GRAU (ou QUADRÁTICA) 1. Definição Chama-se função do º grau (ou função quadrática) a toda função do tipo onde a, e c são números reais e a 0. São exemplos: f ( x) ax x c =

Leia mais

. A é uma matriz linha se m=1, A é uma matriz coluna se n=1, A é uma matriz quadrada se m=n, e neste caso diz-se que A é uma matriz de ordem n.

. A é uma matriz linha se m=1, A é uma matriz coluna se n=1, A é uma matriz quadrada se m=n, e neste caso diz-se que A é uma matriz de ordem n. Apontamntos d álgbra Linar 1 - Matrizs 11 - Dfiniçõs A é uma matriz linha s m=1 A é uma matriz coluna s n=1 A é uma matriz quadrada s m=n nst caso diz-s qu A é uma matriz d ordm n 12 - Opraçõs com matrizs

Leia mais

Exercícios de Cálculo Numérico - Erros

Exercícios de Cálculo Numérico - Erros Ercícios d Cálculo Numérico - Erros. Cosidr um computador d bits com pot máimo ( a rprstação m aritmética lutuat a bas. (a Dtrmi o mor úmro positivo rprstávl sta máquia a bas. (b Dtrmi o maior úmro positivo

Leia mais

Calor Específico. Q t

Calor Específico. Q t Calor Espcífico O cocint da quantidad d nrgia () forncida por calor a um corpo plo corrspondnt acréscimo d tmpratura ( t) é chamado capacidad térmica dst corpo: C t Para caractrizar não o corpo, mas a

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALCÁCER DO SAL. 11º Ano. MATEMÁTICA Exercícios de Exames e Testes Intermédios. Ano Letivo de 2012/2013

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALCÁCER DO SAL. 11º Ano. MATEMÁTICA Exercícios de Exames e Testes Intermédios. Ano Letivo de 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALCÁCER DO SAL MATEMÁTICA Exrcícios d Exams Tsts Intrmédios 11º Ano Ano Ltivo d 2012/2013 Trigonomtria 1 Na figura stá rprsntado o quadrado é a amplitud m radianos do ângulo Mostr

Leia mais

Guias de ondas de seção transversal constante

Guias de ondas de seção transversal constante Guias d ondas d sção transvrsal constant Ants d considrarmos uma aplicação spcífica, suponhamos um tubo rto, oco infinito, fito d matrial condutor idal, com sção transvrsal constant. Vamos considrar qu

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA PARTE 1

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA PARTE 1 DEFINIÇÃO... GRÁFICO... ZEROS ou RAÍZES... 4 DISCUSSÃO DAS RAÍZES... 5 RELAÇÕES ENTRE COEFICIENTES E RAÍZES... 8 VÉRTICE... CONCAVIDADE... 3 MÁXIMO OU MÍNIMO... 3 IMAGEM... 4 FORMA CANÔNICA... 9 CONSTRUÇÃO

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS Sistma d Numração - Litura scrita sistma d numração indo-arábico

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9 AULA 9 EXPRESSÕES LÓGICAS 9.1 Lógica proposicional Lógica é o studo do raciocínio 1. Em particular, utilizamos lógica quando dsjamos dtrminar s um dado raciocínio stá corrto. Nsta disciplina, introduzimos

Leia mais

PARTE 6 DERIVADAS PARCIAIS

PARTE 6 DERIVADAS PARCIAIS PARTE 6 DERIVADAS PARCIAIS 6.1 Introdução Vamos falar agora das drivadas parciais d uma função ral d várias variávis rais, f : Dom(f) R n R. Para simplificar, vamos comçar com uma função m R, para só dpois

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

POTÊNCIAS EM SISTEMAS TRIFÁSICOS

POTÊNCIAS EM SISTEMAS TRIFÁSICOS Tmática ircuitos Eléctricos apítulo istmas Trifásicos POTÊNA EM TEMA TRÁO NTRODÇÃO Nsta scção studam-s as potências m jogo nos sistmas trifásicos tanto para o caso d cargas dsquilibradas como d cargas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Limite Escola Naval. Solução:

Limite Escola Naval. Solução: Limit Escola Naval (EN (A 0 (B (C (D (E é igal a: ( 0 In dt r min ação, do tipo divisão por zro, log o não ist R par q pod sr tão grand qanto qisrmos, pois, M > 0, δ > 0 tal q 0 < < δ > M M A última ha

Leia mais

Módulo de Probabilidade Condicional. Probabilidade Condicional. 2 a série E.M.

Módulo de Probabilidade Condicional. Probabilidade Condicional. 2 a série E.M. Módulo d Probabilidad Condicional Probabilidad Condicional. a séri E.M. Módulo d Probabilidad Condicional Probabilidad Condicional Exrcícios Introdutórios Exrcício. Qual a probabilidad d tirarmos dois

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

S = evento em que uma pessoa apresente o conjunto de sintomas;

S = evento em que uma pessoa apresente o conjunto de sintomas; robabilidad Estatística I ntonio Roqu ula 15 Rgra d ays Considrmos o sguint problma: ab-s qu a taxa d ocorrência d uma crta donça m uma população é d 2 %, ou sja, o númro d pssoas da população com a donça

Leia mais

30/09/2015. Distribuições. Distribuições Discretas. p + q = 1. E[X] = np, Var[X] = npq DISTRIBUIÇÃO BINOMIAL. Contínuas. Discretas

30/09/2015. Distribuições. Distribuições Discretas. p + q = 1. E[X] = np, Var[X] = npq DISTRIBUIÇÃO BINOMIAL. Contínuas. Discretas Dstrbuçõs Dscrtas Dstrbuçõs 30/09/05 Contínuas DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Dscrtas DISTRIBUIÇÃO BIOMIAL Bnomal Posson Consdramos n tntatvas ndpndnts, d um msmo prmnto alatóro. Cada tntatva admt dos rsultados:

Leia mais

18-04-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Conceito de campo

18-04-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Conceito de campo Sumário Unidad II Eltricidad Magntismo 1- - Noção d campo létrico. - Campo létrico criado por uma carga pontual stacionária. - Linhas d campo. APSA 21 Campo létrico. Campo létrico uniform. Concito d campo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V 172431 ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º 3º CICLOS D. JOÃO V Ensino Rgular Ára Disciplinar d Matmática Planificaçõs 2014/15 Ciclo 5.º ano Manual scolar adotado: Matmática 5.º ano,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M6 Função quadrática. 1 Dada f(x) 3x 2 2x 2, obtenha:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M6 Função quadrática. 1 Dada f(x) 3x 2 2x 2, obtenha: Resolução das atiidades complementares Matemática M6 Função quadrática p 50 Dada f(), otenha: a) f() 6 c) f() ) f(0) d) tal que f() f() 5 a) f() 5 () () 5 6 f() 5 6 ) f(0) 5 0 0 5 f(0) 5 c) f() 5 5 f()

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE 2ª ORDEM

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE 2ª ORDEM Caítulo II EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ª ORDEM Caítulo II Equaçõs Difrnciais Linars d ª Ordm Caítulo II Até agora já conhcmos uma séri d quaçõs difrnciais linars d rimira ordm Dfinirmos considrarmos

Leia mais

Pelo gráfico, temos: f(x) 5 0 x 5 23 ou x 5 21 f(x). 0 x, 23 ou x. 21. f(x) Pelo gráfico, temos: Pelo gráfico, temos: f(x) 5 0 x 5 22

Pelo gráfico, temos: f(x) 5 0 x 5 23 ou x 5 21 f(x). 0 x, 23 ou x. 21. f(x) Pelo gráfico, temos: Pelo gráfico, temos: f(x) 5 0 x 5 22 Resolução das atividades complementares Matemática M7 Função do o grau p. 0 Estude os sinais da função quadrática ƒ dada por: a) 5 x 8x c) 5 x 4x 4 b) 5 x x d) x x a) zeros de f: x 8x 5 0 x 4x 5 0 (x )?

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ERRATA (capítulos 1 a 6 CAP 1 INTRODUÇÃO. DADOS ESTATÍSTICOS Bnto Murtira Carlos Silva Ribiro João Andrad Silva Carlos Pimnta Pág. 10 O xmplo 1.10 trmina a sguir ao quadro 1.7,

Leia mais

ALUNO(A): Prof.: Andre Luiz 04/06/2012

ALUNO(A): Prof.: Andre Luiz  04/06/2012 1. FUNÇÃO 1.1 Definição A função dada por ( ), com a, b, c reais e a 0. Vejamos alguns exemplos: a) ( ) ( ) b) ( ) ( ) c) ( ) ( ) d) ( ) ( ) e) ( ) ( ) Vamos a outro exemplo: Ex2.: Um objeto que se desloca

Leia mais

= 80s. Podemos agora calcular as distâncias percorridas em cada um dos intervalos e obtermos a distância entre as duas estações:

= 80s. Podemos agora calcular as distâncias percorridas em cada um dos intervalos e obtermos a distância entre as duas estações: Solução Comntada da Prova d Física 53 Um trm, após parar m uma stação, sor uma aclração, d acordo com o gráico da igura ao lado, até parar novamnt na próxima stação ssinal a altrnativa qu aprsnta os valors

Leia mais

ˆ y. Calcule x e y. B P C 14. Na figura, o quadrilátero ABCD está circunscrito na circunferência de centro O. Sendo

ˆ y. Calcule x e y. B P C 14. Na figura, o quadrilátero ABCD está circunscrito na circunferência de centro O. Sendo LIST 02 XRÍIOS GOTRI PLN PROF. ROGRINHO 1º nsino édio (Tangência ângulos na circunf. quadrilátros pontos notávis do torma d Tals smlhança d a) Nom: n turma 08. No rtângulo da figura ao lado tm-s qu: ˆ

Leia mais

Funções Crescentes e Funções Decrescentes

Funções Crescentes e Funções Decrescentes UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções Crescentes

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 9: Transistor como amplificador

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 9: Transistor como amplificador IF-UFRJ lmntos d ltrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mstrado Profissional m nsino d Física Aula 9: Transistor como amplificador st matrial foi basado m liros manuais xistnts na litratura (id

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

VI - ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

VI - ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS VI - ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 6.1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas

Leia mais

NÚMEROS RACIONAIS E SUA REPRESEN- TAÇÃO FRACIONÁRIA

NÚMEROS RACIONAIS E SUA REPRESEN- TAÇÃO FRACIONÁRIA NÚMEROS RACIONAIS E SUA REPRESEN- TAÇÃO FRACIONÁRIA. FRAÇÕES Com crtza todos nós já ouvimos frass como: d xícara d açúcar; d frmnto m pó tc. Basta pgar uma rcita,d bolo qu lá stão númros como sts. Ests

Leia mais

Análise em Frequência de Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo

Análise em Frequência de Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo Anális m Frquência d Sistmas Linars Invariants no Tmpo Luís Caldas d Olivira Rsumo. Rsposta m Frquência 2. Sistmas com Função d Transfrência Racional 3. Sistmas d Fas Mínima 4. Sistmas d Fas Linar Gnralizada

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores GERADORES E RECEPTORES Stor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Call Gradors São sstmas qu convrtm um dtrmnado tpo d nrga, m nrga létrca. Cram mantém nos sus trmnas, uma dfrnça d potncal. São xmplos d gradors

Leia mais

Projetos de um forno elétrico de resistência

Projetos de um forno elétrico de resistência Projtos d um forno létrico d rsistência A potência para um dtrminado forno dpnd do volum da câmara sua tmpratura, spssura condutividad térmica do isolamnto do tmpo para alcançar ssa tmpratura. Um método

Leia mais

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema Força cntral 3 O problma das forças cntrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA Uma força cntralé uma força (atrativa ou rpulsiva) cuja magnitud dpnd somnt da distância rdo objto à origm é dirigida ao longo

Leia mais

Função Inversa. 1.Função sobrejetora 2.Função injetora 3.Função bijetora 4.Função inversa

Função Inversa. 1.Função sobrejetora 2.Função injetora 3.Função bijetora 4.Função inversa UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Função Inversa Prof.: Rogério

Leia mais

Módulo III Capacitores

Módulo III Capacitores laudia gina ampos d arvalho Módulo apacitors apacitors: Dnomina-s condnsador ou capacitor ao conjunto d condutors dilétricos arrumados d tal manira qu s consiga armaznar a máxima quantidad d cargas létricas.

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas qustõs

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Variáveis aleatórias Conceito de variável aleatória

Variáveis aleatórias Conceito de variável aleatória Variávis alatórias Muitos primtos alatórios produzm rsultados ão-uméricos. Ats d aalisá-los, é covit trasformar sus rsultados m úmros, o qu é fito através da variávl alatória, qu é uma rgra d associação

Leia mais

Gabarito - Colégio Naval 2015/2016 Matemática Prova Amarela

Gabarito - Colégio Naval 2015/2016 Matemática Prova Amarela Gabarito - Colégio Naval 05/06 Profssors: Carlos Eduardo (Cadu) André Flip Bruno Pdra Rafal Sabino Gilbrto Gil QUESTÃO Dada a inquação, podmos rscrvê-la, a partir do Torma d Bolzano, concluímos: 5 0 0

Leia mais

Resolução comentada de Estatística - ICMS/RJ Prova Amarela

Resolução comentada de Estatística - ICMS/RJ Prova Amarela ICMS-RJ 007: prova d Estatística comntada Rsolução comntada d Estatística - ICMS/RJ - 007 - Prova Amarla 9. Uma amostra d 00 srvidors d uma rpartição aprsntou média salarial d R$.700,00 com uma disprsão

Leia mais

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 47 6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Na figura abaixo, seja a reta r e o ponto F de um determinado plano, tal que F não pertence a r. Consideremos as seguintes questões: Podemos obter,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Estatística I - Licenciatura em MAEG 2º Ano PADEF Junho 2005 Parte teórica Prova Nome: Nº

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Estatística I - Licenciatura em MAEG 2º Ano PADEF Junho 2005 Parte teórica Prova Nome: Nº Estatística I - Licnciatura m MAEG º Ano PADEF Junho 5 Part tórica Prova 753519 Nom: Nº 1. Prguntas d rsposta fchada ( valors) Para cada afirmação, assinal s sta é Vrdadira (V) ou Falsa (F). Uma rsposta

Leia mais

FUNÇÕES(1) FUNÇÃO POLINOMIAL DO 2º GRAU

FUNÇÕES(1) FUNÇÃO POLINOMIAL DO 2º GRAU FUNÇÕES(1) FUNÇÃO POLINOMIAL DO º GRAU 1. (Uece 015) Se a função real de variável real, definida por f(1) =, f() = 5 e f(3) =, então o valor de f() é a). b) 1. c) 1. d). f(x) = ax + bx + c, é tal que.

Leia mais

Arcos e ângulos Adote π=3,14 quando necessário.

Arcos e ângulos Adote π=3,14 quando necessário. Prof. Liana Turmas: 1C17/27/37 Sgundo trimstr Ângulos Complmntars Suplmntars 1. Qual é o ângulo qu xcd o su suplmnto m 66? 2. Dtrmin um ângulo sabndo qu o su suplmnto xcd o próprio ângulo m 70. 3. Qual

Leia mais

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica Sumáio Unidad II Elticidad Magntismo 1- - Engia potncial lética. - Potncial lético. - Supfícis quipotnciais. Movimnto d cagas léticas num campo lético unifom. PS 22 Engia potncial lética potncial lético.

Leia mais

Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Função Crescente. Função Decrescente

Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Função Crescente. Função Decrescente UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Definição de Função

Leia mais

TEORMA DA FUNÇÃO INVERSA. Teorema 2. Dada f : Ω ab

TEORMA DA FUNÇÃO INVERSA. Teorema 2. Dada f : Ω ab TEORMA DA FUNÇÃO INVERSA Torma Dada f : Ω ab R n R n (n função com drivadas parciais contínuas m P Ω Suponhamos qu dt(jf((p Então xist ɛ > uma bola abrta B B(P ɛ uma função g : B R n (B f(ω com todas as

Leia mais

Controle Modal e Observador de Estado - Estabilizador 1

Controle Modal e Observador de Estado - Estabilizador 1 Capítulo 3 Control Modal Obsrvador d Estado - Estabilizador 1 O principal objtivo dst capítulo é dfinir o concito d obsrvador d stado d control modal, como pré-rquisitos d projto d stabilizadors 31 Princípio

Leia mais

FUNÇÃO DO 2º GRAU. Chama-se função de 2.º grau ou quadrática, toda função definida, de f:

FUNÇÃO DO 2º GRAU. Chama-se função de 2.º grau ou quadrática, toda função definida, de f: FUNÇÃO DO 2º GRAU 1. DEFINIÇÃO Chama-se função de 2.º grau ou quadrática, toda função definida, de f:, por f (x) = ax 2 + x + c com a,, c e a 0. Exemplos: a) f(x) = 3x 2 5x + 6 ( a = 3, = -5 e c = 6 )

Leia mais

Matemática A Intensivo V. 1

Matemática A Intensivo V. 1 Intensivo V Eercícios ) V F F F F V V V ) D a) Verdadeiro Zero é elemento do conjunto {,,, 3, } b) Falso Neste caso temos {a} como subconjunto de {a, b} logo a relação correta seria a} {a, b} c) Falso

Leia mais

FUNÇÃO DO 2º GRAU. Chama-se função de 2.º grau ou quadrática, toda função definida, de f:

FUNÇÃO DO 2º GRAU. Chama-se função de 2.º grau ou quadrática, toda função definida, de f: FUNÇÃO DO 2º GRAU 1. DEFINIÇÃO Chama-se função de 2.º grau ou quadrática, toda função definida, de f:, por f (x) = ax 2 + x + c com a,, c e a 0. Exemplos: a) f(x) = 3x 2 5x + 6 ) g(x) = x 2 5x c) h(x)

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

1 Axiomatização das teorias matemáticas 30 2 Paralelismo e perpendicularidade de retas e planos 35 3 Medida 47

1 Axiomatização das teorias matemáticas 30 2 Paralelismo e perpendicularidade de retas e planos 35 3 Medida 47 ÍNDICE Números e operações Geometria e medida Relação de ordem em R 4 Intervalos de números reais 8 Valores aproimados de resultados de operações Eercícios resolvidos 6 Eercícios propostos 0 Eercícios

Leia mais

DE EXERCÍCIOS DE VARIÁVEIS COMPLEXAS

DE EXERCÍCIOS DE VARIÁVEIS COMPLEXAS Cálculo Avançado A - Variávis Complas LISTA DE EXERCÍCIOS DE VARIÁVEIS COMPLEXAS ) Encontr todas as singularidads das funçõs abaio, aprsntando-as m forma algébrica: a) f ( ) sc() b) j 5 + j f () 5 + 7

Leia mais

1º SIMULADO DE 2015 Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio

1º SIMULADO DE 2015 Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio 1 Ministério da Educação Scrtaria d Educação Profissional Tcnológica Instituto Fdral d Educação, Ciência Tcnologia do Nort d Minas Grais Campus Januária 1º SIMULADO DE 2015 Técnicos Intgrados ao Ensino

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares

Equações Diferenciais Lineares Equaçõs Diriais Liars Rordmos a orma gral d uma quação dirial liar d ordm a d d d d a a a, I d d m qu as uçõs a i são idpdts da variávl. S, a quação diz-s liar homogéa. Caso otrário, diz-s liar omplta.

Leia mais

IFSP - EAD _nº 5 FUNÇÃO POLINOMIAL DE PRIMEIRO GRAU, OU FUNÇÃO DE PRIMEIRO GRAU :

IFSP - EAD _nº 5 FUNÇÃO POLINOMIAL DE PRIMEIRO GRAU, OU FUNÇÃO DE PRIMEIRO GRAU : IFSP - EAD _nº 5 FUNÇÕES CONSTANTE, DE PRIMEIRO E DE SEGUNDO GRAUS. DEFINIÇÕES : FUNÇÃO CONSTANTE : Uma função f: R R é chamada constante se puder ser escrita na forma y = f() = a, onde a é um número real

Leia mais

APLICAÇÕES DO PEQUENO TEOREMA DE FERMAT

APLICAÇÕES DO PEQUENO TEOREMA DE FERMAT Encontro d Ensino Psquisa Extnsão Prsidnt Prudnt 20 a 23 d outubro 2014 1 APLICAÇÕES DO PEQUENO TEOREMA DE FERMAT APPLICATIONS OF THE FERMAT'S LITTLE THEOREM Vanssa d Fritas Travllo 1 ; Luana Batriz Cardoso¹;

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Modelagem Matemática de Sistemas Elétricos. Analogias Eletromecânicas

Modelagem Matemática de Sistemas Elétricos. Analogias Eletromecânicas 08 Modlagm Matmática d Sistmas Elétricos nalogias Eltromcânicas INTODUÇÃO Os sistmas létricos são componnts ssnciais d muitos sistmas dinâmicos complxos Por xmplo, um controlador d um drivr d disco d um

Leia mais

Capítulo 15. Oscilações

Capítulo 15. Oscilações Capítulo 5 Oscilaçõs O Movinto Harônico Sipls MHS O Sista Massa-Mola Enrgia no Movinto Harônico Sipls O Pêndulo Sipls O Pndulo Físico O Monto d nércia O tora dos Eios Parallos O Movinto Circular Unifor

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS

FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS INTRODUÇÃO FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS Uma ganda ísica pod dpnd d divsas outas gandas Po mplo: a vlocidad do som m um gás idal dpnd da dnsidad do gás d sua pssão Muitas unçõs dpndm d mais d uma vaiávl

Leia mais