Interatividade: um estudo conceitual do termo 1. Amanda Almeida Antunes 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interatividade: um estudo conceitual do termo 1. Amanda Almeida Antunes 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 Interatividade: um estudo conceitual do termo 1 Amanda Almeida Antunes 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro RESUMO As práticas viabilizadas pelos meios digitais, em especial a Internet, têm acarretado significativas alterações nos processos de comunicação da atualidade. Campanhas publicitárias que utilizam estratégias comunicacionais ditas interativas para divulgar suas mensagens a partir de um relacionamento mais próximo de seu público estão se tornando cada vez mais comuns em todo o mundo. Este artigo é parte de uma pesquisa que tem por objetivo analisar o conceito de interatividade termo frequentemente utilizado na atualidade com especial atenção às práticas publicitárias na internet. Nele, será problematizada a terminologia interatividade, com seus termos correlatos interação e interativo, a fim de tentar compreender seu conceito para posteriormente utilizá-lo como base de análise de campanhas selecionadas. PALAVRAS-CHAVE: interatividade; interação; mídias interativas; publicidade. 1. Introdução Os frequentes e contínuos avanços da tecnologia digital somados ao advento da Internet, principalmente em sua segunda fase, chamada web 2.0, têm provocado significativas mudanças nos processos comunicacionais contemporâneos. A revolução digital significou não apenas a facilidade de distribuição de informações e mensagens, mas também uma reconfiguração no papel e comportamento do receptor. O modelo tradicional da comunicação de massa, baseado na transmissão de um número restrito de mensagens para um público considerado homogêneo composto por indivíduos indistintos, está 1 Trabalho apresentado no GT Publicidade de Práticas de Consumo do VIII Seminário de Alunos de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio. 2 Mestranda em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Orientadora: Cláudia Pereira. Pós-graduada em Docência do Ensino Superior pela Universidade Cândido Mendes e Gestão Estratégica de Marketing Digital pela Faculdades Integradas Hélio Alonso, Rio de Janeiro. Graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Faculdades Integradas Hélio Alonso.

2 perdendo espaço para um novo sistema com diferentes padrões de produção, distribuição e consumo de informação e produtos culturais diversos. A comunicação mediada por computador viabiliza um modelo comunicacional de mão dupla alicerçado na interação, com processos nos quais todos os envolvidos atuam ativamente. As possibilidades abertas pela internet estimulam a troca de mensagens pelos dois pólos, reduzindo consideravelmente a superioridade do emissor e transformando o receptor em um interagente 3. Emerge, com isso, no contexto das novas mídias, a necessidade da interatividade, termo largamente difundido e apropriado, na atualidade, pelos mais diversos mercados e produtos midiáticos. A interatividade parece promover constantes mudanças no fluxo da comunicação, favorecendo a concepção de novas linguagens e estratégias de negócios. A publicidade se apresenta neste cenário absorvendo rapidamente o discurso da interatividade, na tentativa de estabelecer uma nova forma de comunicação com seu público, baseada no potencial de forte sedução, grande envolvimento e construção de relacionamento entre anunciante e consumidor. Viabilizadas pelas possibilidades tecnológicas e interativas intrínsecas à Internet, recentes campanhas têm se apresentado com novas propostas e formatos adequando-se às transformações recorrentes nesse espaço dinâmico, de trocas simultâneas e cultura participativa. Diante das potencialidades interativas inerentes às novas mídias e as sedutoras propostas apresentadas pelos diversos mercados midiáticos, é importante questionar o que é efetivamente interatividade ou mera reatividade (MACHADO, 1990). Muitas propostas permanecem baseadas no modelo estímulo-resposta, sem ceder espaço para que o receptor possa agir e participar ativamente da construção da mensagem. Conforme ressalta Alex Primo e Márcio Cassol (1999), tal modelo pode ser compreendido como um tipo de 3 Termo sugerido por Alex Primo (2008) para substituição tanto de receptor como de usuário. O autor entende que estes últimos transmitem a ideia de subordinação, limitando o sujeito à mera recepção de mensagem transmitida, no primeiro, e agente manipulador de dados disponibilizados no sistema, no segundo, ambos sem participação ativa.

3 interação 4 (uma ação, apesar de limitada, entre os envolvidos). No entanto, não se deve supor que o retorno reativo diante de opções preestabelecidas seja suficiente para o estabelecimento de uma comunicação plena. Sendo assim, é possível dizer que a publicidade, ao se limitar à mera incitação ao consumo de produtos, não explora todo o potencial interativo das novas mídias. Para isso é necessário permitir a participação do receptor na produção e propagação das mensagens propagadas, como forma de estimular a aproximação do consumidor e o envolvimento do mesmo com a marca. Diante do exposto, torna-se fácil perceber que a compreensão do conceito de interatividade e seus termos correlatos, interação e interativo revela-se de fundamental importância para a análise das recentes transformações ocorridas no âmbito da cultura e comunicação da sociedade ocidental contemporânea. Centra-se nessa questão a proposta deste artigo, com o objetivo de tentar esclarecer o terreno conceitual e buscar uma definição que contribua para a análise das práticas publicitárias na atualidade. 2. Interatividade: um termo, diversas definições Ao fazer uma revisão teórica do termo interatividade, é possível encontrar distintas conceituações apresentadas por importantes autores que se dedicam à análise do tema. Pode-se supor que parte da dificuldade em estabelecer uma definição em consenso encontra-se no fato de que compreender interatividade envolve tanto instâncias mais tangíveis, que podem ser a simulação e o manuseio de objetos em uma máquina, por exemplo o computador, quanto aspectos mais complexos de se analisar e mensurar, tais como as diversas afetações nos sujeitos participantes da interação em níveis cognitivos, pessoais e interpessoais, além da investigação do que se dá no próprio processo entre os envolvidos. Muitos teóricos apontam a interatividade, com seu potencial de viabilizar a ação do receptor de forma mais instantânea e dinâmica, como um dos principais elementos na 4 No artigo, Alex Primo e Márcio Cassol utilizam os termos interação e interatividade sem definir uma distinção entre ambos.

4 transformação dos processos cognitivos e sociais, fruto das tecnologias digitais. Com o intenso surgimento, em pequenos espaços de tempo, de novas mídias dotadas de tecnologias interativas e o acelerado processo de inserção destas nas atividades cotidianas, muitas vezes, das mais simples e corriqueiras, tornam-se impreteríveis estudos que possam dar conta de um referencial basilar para análise dos fenômenos comunicacionais diretamente relacionados ao tema na atualidade. Em geral, interatividade é associada às novas tecnologias de informação e comunicação, tendo, muitas vezes, sua ocorrência condicionada às mesmas, ou seja, sob esta visão, só há interatividade quando há presente no processo de interação as modernas interfaces humano-computador, as mídias interativas. Tal entendimento parece decorrente do que se sabe sobre o surgimento do termo. Conforme esclarece Suely Fragoso, a palavra interatividade, derivada do neologismo inglês interactivity, foi cunhada para denominar uma qualidade específica da chamada computação interativa (interactive computing) (FRAGOSO, 2001: s/n). A utilização de teleimpressoras e máquinas de escrever como unidades de entrada/saída (Input/Output) na Unidade Central de Processamento foi considerada uma primeira forma de diálogo entre humano e máquina e denominada utilização conversacional ou interativa 5. Ainda segundo a autora: A denominação 'computação interativa' era, no entanto, insuficiente para deixar clara a qualidade da modificação na relação usuário-computador implicada pela incorporação de periféricos de entrada e enunciação de dados que permitem acompanhar, em tempo real, os efeitos das intervenções do usuário e o desenvolvimento dos processos. Afinal, a computação sempre fora interativa, pois também através dos cartões perfurados e controladores elétricos o usuário e o sistema efetivamente interagiam. Tudo indica que foi justamente para enfatizar essa diferença qualitativa que surgiu a expressão 'interatividade'. (FRAGOSO, 2001: s/n) De acordo com Jens Jensen (1998), interatividade passou a ser associada ao crescente surgimento de tecnologias interativas, em especial computadores, sistemas de rede, Internet, entre outros. O autor afirma que o termo é, não surpreendentemente, uma 5 Quando os Computadores Não Falavam Museu Virtual de Informática, Universidade do Minho. Disponível em:

5 extensão de interação, um conceito que, apesar de encontrado em diferentes contextos e campos de saber (medicina, engenharia, linguística...) com definições variadas, geralmente significa troca, influência mútua. A derivação do termo, portanto, parece sugerir uma analogia entre as trocas realizadas entre humanos e aquelas realizadas entre humano e máquina. Primo (2008) observa que muitos pesquisadores preferem diferenciar interação de interatividade, mas considera tal empreitada uma cilada. Em muitos de seus estudos, o autor utiliza ambos os termos indistintamente, mas deixa claro que prefere interação, por considerar que interatividade tem apresentado um uso elástico, pouco claro e muito tecnicista. Sua preocupação está voltada para a compreensão do processo que ocorre entre as partes envolvidas, entendendo interação com espectro amplo, desde um clique em um ícone na interface até uma conversação na janela de comentários de um blog, concentrando-se na necessidade de diferenciá-las qualitativamente (PRIMO, 2008:13). Primo (2008) lembra que, no final da década de 80, Sheizaf Rafaeli já advertia para a falta de uma definição do termo interatividade, apesar do uso excessivo do mesmo. E acrescenta citando apontamentos de Arlindo Machado (1997): o uso elástico que se tem dado atualmente ao conceito de interatividade, buscando abarcar uma grande gama de fenômenos (desde salas de cinema em que as cadeiras sacodem até programas de televisão em que o telespectador pode votar por telefone em alguma alternativa apresentada), corre o risco de nada mais representar. (PRIMO, 2008:28) Não é raro encontrar nas definições do conceito de interatividade a associação ao potencial multimídia do computador e suas sofisticadas capacidades técnicas de programação. Muitos autores, orientados por uma perspectiva tecnicista, parecem depositar seu foco de atenção sobre a tecnologia e a mídia que a abriga. Suas definições tendem a postular características de mensuração de grau de permissão, por parte do sistema informático, de atuação do usuário, enfatizando as capacidades da máquina e atribuindo pouca importância às relações sociais. Nesta via segue Jensen, ao conceituar interatividade como medida de uma habilidade potencial de uma mídia em permitir que o usuário exerça uma influência sobre o

6 conteúdo e/ou forma da comunicação mediada (JENSEN, 1998:201). Este autor propõe um modelo de análise que classifica os meios de acordo com suas características técnicas e, com isso, deixa evidente a falta de atenção com o processo entre sujeitos, dando ênfase apenas à performance da máquina e as formas de transmissão da mensagem, com foco voltado para a relação homem-máquina. Interatividade entendida como ferramenta de poder do usuário final para controlar o conteúdo e o fluxo da informação é a visão de Tay Vaughan (apud PRIMO, 2008:33) na compreensão do termo. Com entendimento similar, Nicoletta Vittadini (apud FRAGOSO, 2001: s/n) define o vocábulo como a propriedade de instrumentos informáticos específicos que permitem que o usuário oriente o desenvolvimento das operações, de etapa em etapa e quase instantaneamente, ou seja, em tempo real. Percebe-se, aqui, grande ênfase no potencial da tecnologia de programação com a previsão de resultados possíveis. É importante ressaltar que, conforme aponta Fragoso o maior problema das conceituações desse tipo é a facilidade com que conduzem à equiparação da ampla gama de possibilidades combinatórias viabilizadas pelo potencial quantitativo das tecnologias digitais à liberdade criativa. (FRAGOSO, 2001: s/n) As explicações baseadas na tecnologia, observa Rafaeli (1988), geram conclusões equivocadas ao apontar, por exemplo, o processo de bidirecionalidade e a possibilidade combinatória 6 como característica da interatividade. Pensando em sentido oposto, Gianfranco Bettetini e Fausto Colombo (apud FRAGOSO, 2001: s/n), apesar de reconhecerem que o usuário interatua com o sistema segundo possibilidades preordenadas e predefinidas, [...] definem interatividade como um diálogo homem-máquina, que torna possível a produção de objetos textuais novos, não completamente previsíveis a priori. No entanto, é preciso lembrar que a autoria da ação do usuário de um sistema, nesta relação humano-máquina, limita-se à combinação da grande quantidade de dados armazenados. Os eventos provenientes de uma máquina serão sempre fruto de uma programação anterior 6 De acordo com Rafaeli (1988), a bidirecionalidade, ou seja, o fluxo de mensagens em mão dupla, não pode ser confundida com interação social, assim como a variedade de possibilidades combinatórias disponibilizadas ao usuário também não acarreta respostas autônomas, imprevisíveis e criativas Não são, portanto, características da interatividade.

7 com resultados limitados, finitos e previsíveis. A seleção de inúmeras informações em um banco de dados e, consequentemente, a ampla gama de possibilidades combinatórias dos mesmos não passam de uma mera ilusão de potencial criativo, além de representarem não mais que um estímulo à reação. Cabe aqui ressaltar criticamente outro ponto chave da análise: a compreensão de alguns autores da relação humano-máquina como um diálogo, sendo este mais dotado de interatividade quanto mais próximo do modelo face a face. Rafaeli (1988) rejeita o ideal conversacional na medida em que entende o diálogo humano como uma relação não automática, nem previsível, não podendo, portanto ser comparada a qualquer utilização do computador. José Luiz Braga complementa: O que caracteriza fundamentalmente a interação mediatizada é dispormos (à diferença do modelo conversacional) de uma produção objetivada e durável, que viabiliza uma comunicação diferida no tempo e no espaço, e permite a ampliação numérica e a diversificação dos interlocutores. (BRAGA, 2000:8) Primo argumenta que a compreensão da interação reduzida a aspectos meramente tecnológicos, em qualquer processo interativo, significa não dar a devida atenção para a complexidade da interação mediada. E acrescenta: é preciso que se estude não apenas a interação com o computador, mas também a interação através da máquina. (PRIMO, 2008:31). Os pensamentos de Braga parecem seguir no mesmo sentido. O autor salienta que os pesquisadores não deveriam se preocupar em verificar se determinado produto ou meio é interativo ou não, mas [...] verificar como a interatividade está sendo operada (BRAGA, 2000:6). Nesta linha de reduzir a importância da máquina, claramente notada nas perspectivas tecnicistas que compõem, inclusive, o senso comum e os mercados, parecem seguir as reflexões de Rafaeli (1988), quando apresenta suas conclusões sobre interatividade. O autor ressalta, entre outros apontamentos, que as mídias não são condições suficientes para a interatividade, mas sim potenciais para que níveis desta ganhem forma. Sendo assim, interatividade não é uma característica do meio. Além disso, sua definição deveria se basear em um modelo cujo foco está na natureza da resposta. Modelo este que o autor denomina responsivo. Nele, há uma dependência e reaproveitamento de mensagens

8 anteriores em sequência e do conteúdo trocado. Desta forma, uma comunicação do tipo dupla-via (quando não acontece a dependência), como classifica o autor, não é interativa, mas sim reativa. Como exemplo, Rafaeli propõe considerar a comunicação que ocorre entre uma pessoa e uma máquina de refrigerante e destaca que, apesar da troca que o próprio autor admite haver não há interatividade, trata-se de um processo bidirecional. Primo (2008) considera que as contribuições de Rafaeli (1988) são de grande valia para os estudos do tema, pois ultrapassam o deslumbre tecnológico e chamam a atenção para a progressão do intercâmbio e a inter-relação entre as mensagens trocadas. No entanto discorda do autor no que diz respeito à falta de interação nos processos reativos. Segundo Primo, estes se tratam de uma interação (inter + ação), mas de forma limitada (PRIMO, 2008:51). É necessário diferenciar os sistemas interativos dos reativos, conforme ressalta Machado (1990). Primo acrescenta chamando a atenção para as considerações de Raymond Williams: a questão da interatividade deveria abarcar a possibilidade de reposta autônoma, criativa e não prevista da audiência. Dessa forma, poderia se chegar a um novo estágio onde as figuras dos pólos emissor e receptor seriam substituídas pela idéia mais estimulante de agentes intercomunicadores. Tal termo nos chama a atenção para o fato de que os envolvidos na relação interativa são agentes, isto é, ativos enquanto se comunicam. E se comunicação pressupõe troca, comunhão, uma relação entre os comunicadores ativos é estabelecida com possibilidade de verdadeiro diálogo, não restrito a uma pequena gama de possibilidades reativas planejadas a priori (PRIMO, 2000:6). Conforme já mencionado anteriormente, a relação que se estabelece entre os interagentes, e não as partes isoladas que compõem o sistema, ocupa lugar central nas reflexões de Primo (2008). Sua linha de abordagem tem como base a comunicação interpessoal para investigar o que se dá entre os envolvidos. Para tanto, o autor apresenta dois tipos de interação que considera fundamentais para a compreensão qualitativa da interação mediada por computador. São eles: interação reativa e interação mútua. Os sistemas de interação reativa são baseados no modelo de estímulo-resposta, onde ocorre uma ação, uma troca, porém simples e limitada; dispõem de uma interface potencial

9 com cenário e programação pré-determinados na qual acontecem trocas rígidas, padronizadas e imutáveis; fundamentam-se na previsibilidade e automatização e podem se repetir indefinidamente. Já na interação mútua, há a participação ativa do interagente em uma constante negociação e relação contínua e processual com outros interagentes. Nas palavras do autor, a interação mútua não se define apenas pela simples troca ou intercâmbio. [...] Vai além da ação de um e da reação de outro. Tal automatismo dá lugar ao complexo de relações que ocorrem entre os interagentes (onde os comportamentos de um afeta os do outro). Vai além do input determinado e único, já que a interação mútua leva em conta uma complexidade global de comportamentos (intencionais ou não e verbais ou não), além de contextos sociais, físicos, culturais, temporais, etc. Por outro lado, os sistemas reativos, por trabalharem no automatismo, não podem perceber (ou o fazem com grandes limitações) a maioria das informações dessa complexidade, nem tampouco elementos meta-comunicacionais (PRIMO, 2000:12). Apesar da divisão sistemática, Primo e Cassol esclarecem que em muitos momentos os tipos de interação coexistem no mesmo processo, concretizando o que os autores chamam de multi-interação (PRIMO & CASSOL, 1999:78). Em um bate papo na internet, por exemplo, simultaneamente há uma conversa entre pessoas e uma interação com o software, assim como com o mouse e o teclado, exemplifica o autor. Compartilhando da mesma visão de Marco Silva (apud PRIMO, 2008:54), Primo sugere que os estudos da interatividade se afastem dos discursos totalizantes, separações maquineístas e debate simplificador para buscar valorizar a complexidade dialógica do processo. Sem se deixar levar pelo encantamento da técnica ou, no outro extremo, sem exagerar na apresentação dos malefícios causados por ela, é preciso direcionar o olhar para os impactos sociais dessas tecnologias que parecem trazer novas formas de comunicação que potencializam o diálogo. 3. Finalizações não conclusivas Percebe-se diante das reflexões aqui apresentadas que a interatividade depende fundamentalmente de algum tipo de troca, em maior ou menor grau quantitativo ou

10 qualitativo (dependendo do posicionamento conceitual de cada autor) que se estabeleça entre partes ativas de um processo comunicacional. Entende-se, porém, que há abordagens com diferentes pontos de observação nesses processos. Muitos autores centram-se na compreensão das características do meio como ferramenta fundamental para as práticas interativas, enquanto outros ressaltam a necessidade de análise voltada para a relação que se estabelece entre humano e máquina, humano e produto midiático e entre humanos, mediada pela tecnologia. Estas propostas parecem conseguir abarcar, com mais precisão, a complexidade inerente a qualquer atividade interativa. Um apanhado dos estudos realizados até o momento é de extrema importância para a busca de uma maior compreensão dos diferentes sistemas, e os respectivos processos que eles introduzem, presentes na atualidade. Distinguir qualitativamente as possibilidades interativas que tais mecanismos apresentam contribui para a construção de uma visão mais crítica diante de um mercado que de tudo se apropria com um único objetivo de ofertas mais envolventes e vendáveis. Para não se deixar seduzir e cair nas garras dos diversos mercados (informático, midiático, entre outros) que atualmente têm se apropriado do termo interatividade como argumento de venda, calcando-se somente nas novidades encantadoras do potencial tecnológico, é importante distinguir onde há de fato possibilidades criativas e de participação do interagente humano nos processos de construção e distribuição das mensagens. Analisar o que ocorre no entre, na tentativa de qualificar os processos e seus resultados, parece ser um caminho de valiosa contribuição para o estudo da questão. Neste cenário, é possível verificar campanhas publicitárias que se apresentam dotadas de interatividade, mas que, de fato, apenas exploram a relação humano-máquina criando aplicativos que estimulam o sujeito a ações meramente reativas. Seu objetivo é produzir aproximação com seu público buscando, para isso, um maior envolvimento do mesmo. É preciso, no entanto, conforme ressalta Primo, clarear o que se entende por esse termo (PRIMO, 2000:12-13). Envolvimento visto como forma de seduzir, atrair ou encantar é admitir que uma interação plena pode se dar ao prender o receptor/usuário frente a uma tela que envolve e encanta seus diversos sentidos, muitas vezes simultaneamente, em uma cadeia de informações pré-definidas. Uma análise não muito profunda poderia levar à

11 conclusão que tal modelo já é predominante na linguagem publicitária há tempos, com seu potencial mágico e envolvente. Para uma perfeita noção de uma interatividade plena, envolvimento deve ser compreendido como tomar parte, onde o interagente pode participar da construção do processo. Isto é, necessita-se ultrapassar a noção de mero encantamento e trabalhar para que a participação ativa e recíproca 7 se torne regra e não exceção (PRIMO, 2000:13). Fragoso destaca que a interatividade veio dar forma e concretude ao processo interpretativo existente também na comunicação até então entendida como não interativa, ressaltando o papel fundamentalmente ativo do receptor presente em qualquer processo midiático. Além disso, por ser baseada em um número finito de opções, a interatividade torna evidente a arbitrariedade de toda produção midiática. A autora acrescenta: talvez a maior promessa da interatividade resida justamente em sua capacidade de evidenciar aquelas mesmas interações sociais para quaisquer processos midiáticos, inclusive aqueles nos quais sua presença de fato não se verifica (FRAGOSO, 2001: s/n) Diante disto, é possível avançar ainda mais a reflexão e pensar se está correto entender interatividade como privilégio exclusivo dos processos mediados pelas mídias digitais. Talvez seja mais sensato dizer que ela sempre existiu, embora com pouca força e evidência, apesar do grande potencial, e agora se faz mais presente com as ferramentas disponíveis. Todavia, é o uso qualitativamente distinto de tais ferramentas que pode fazer emergir esse potencial. Primo lembra que a interação não deve ser vista como uma característica do meio, mas um processo que é construído pelos interagentes. (PRIMO, 2008:39) Pode-se dizer que, na publicidade, um alto grau de interatividade é a participação do consumidor na confecção de produtos e ações estratégicas de comunicação da empresa anunciante. O desafio é justamente liberar o controle garantido pelo modelo broadcast e permitir que o receptor interfira e construa mensagens. A principal questão é se os publicitários estão cumprindo com excelência esse novo papel. 7 Grifos do autor.

12 REFERÊNCIAS BRAGA, José Luiz. Interatividade & Recepção. IX Compós Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Porto Alegre, FRAGOSO, Suely. De interações e interatividade. X Compós Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Brasília, Disponível em: Acessado em: 19/09/2011 JENSEN, Jens F. Interactivity. Tracking a new concept in media and communication studies Disponível em <http://www.nordicom.gu.se/common/publ_pdf/38_jensen.pdf. Acessado em: 10/09/2011 MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas: Papirus, PRIMO, Alex; CASSOL, Márcio. Explorando o conceito de interatividade: definições e taxonomias. Informática na Educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 2, n. 2, Disponível em: Acessado em: 15/09/2011 PRIMO, Alex. Interação mediada por computador: comunicação, cibercultura, cognição. Porto Alegre: Sulina, Interação mútua e reativa: uma proposta de estudo. Revista da Famecos, n. 12, p , jun Disponível em: Acessado em: 15/09/2011 RAFAELI, Sheizaf. Interactivity: From new media to communication. In: Sage Annual Review of Communication Research: Advancing Communication Science, vol. 16 Beverly Hills: Sage, Disponível em: Acessado em: 10/09/2011

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

REDE DE INTERCÂMBIO ENTRE ESTUDANTES: UMA NOVA PROPOSTA DE INTERATIVIDADE E COMUNICAÇÃO PARA O ENSINO À DISTÂNCIA

REDE DE INTERCÂMBIO ENTRE ESTUDANTES: UMA NOVA PROPOSTA DE INTERATIVIDADE E COMUNICAÇÃO PARA O ENSINO À DISTÂNCIA 1 REDE DE INTERCÂMBIO ENTRE ESTUDANTES: UMA NOVA PROPOSTA DE INTERATIVIDADE E COMUNICAÇÃO PARA O ENSINO À DISTÂNCIA Indaial - SC Abril/2011 Francieli Stano Torres UNIASSELVI chellystano@yahoo.com.br Luis

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS Autor Júnior Alves Feitosa Faculdades Integradas de Patos Alvesjunior338@gmail.com coutora Prof.ª Ms.Maria do

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho Sumário Conhecimento introdução EGC estudo Mídias conceito teoria Cibercultura processo Inovação mídias Temas seminários

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ANTOUN, H. (Org.) Web 2.0: Participação e Vigilância na Era da Comunicação Distribuída. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008. AUDELE, C. Minidicionário contemporâneo da língua portuguesa.

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

3 Acrescentar Recursos

3 Acrescentar Recursos 2010 1 publicar o nome, sua descrição, a data de publicação, a duração e sua repetição. Funcionará como a agenda do professor, a qual os estudantes não terão acesso. Para finalizar, selecione o Tipo de

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA BEATRIZ RENEIS LUIS¹, FELIPE DE PAULA RUI² e LUCIENE APARECIDA GOUVÊA NOGUEIRA³ biareneis@gmail.com,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Tecnologia em. Design Gráfico

Tecnologia em. Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico CARREIRA O Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico oferece oportunidade para o trabalho profissional em diversas profissões relacionadas

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REALIDADE AUMENTADA APLICADA A PUBLICIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

Educação virtual em Freire:

Educação virtual em Freire: Educação virtual em Freire: autonomia na relação alunoprofessor Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Bethalmeida@pucsp.br Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF GOOGLE APPS EDUCATION: FERRAMENTA DE EDIÇÃO, COMUNICAÇÃO E PESQUISA

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF GOOGLE APPS EDUCATION: FERRAMENTA DE EDIÇÃO, COMUNICAÇÃO E PESQUISA GOOGLE APPS EDUCATION: FERRAMENTA DE EDIÇÃO, COMUNICAÇÃO E PESQUISA Módulo de Acolhimento UAB/UFJF 2008 PrezadoCursista, Baseado na perspectiva de que você terá que se familiarizar com alguns recursos

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional Tiago Mainieri 1, Universidade Federal de Goiás Eva Ribeiro 2, Universidade Federal de Goiás Resumo: O artigo apresenta a comunicação organizacional

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Manual do Ambiente Virtual Moodle

Manual do Ambiente Virtual Moodle Manual do Ambiente Virtual Moodle versão 0.3 Prof. Cristiano Costa Argemon Vieira Prof. Hercules da Costa Sandim Outubro de 2010 Capítulo 1 Primeiros Passos 1.1 Acessando o Ambiente Acesse o Ambiente Virtual

Leia mais

Manual para uso do HELPDESK

Manual para uso do HELPDESK EXACTUS Suporte e Atendimento - versão 1.0 Página 1 de 14 Manual para uso do HELPDESK Visão Cliente EXACTUS Suporte e Atendimento - versão 1.0 Página 2 de 14 Introdução O serviço possui um pacote com todas

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica As empresas podem crescer de três maneiras diferentes. Os métodos

Leia mais

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DELIBERAÇÃO Nº 04

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DELIBERAÇÃO Nº 04 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DELIBERAÇÃO Nº 04 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Requisitos para usar o Office 365: Ter instalado pelo menos a versão 7 do Internet Explorer, Mozilla Firefox 15, Google Chrome 21 ou Safari no Mac. O que é

Leia mais

O ser humano é comunicação

O ser humano é comunicação O ser humano é comunicação Sem. Andrey Nicioli anicioli@hotmail.com Catequese Arqudiocesana Pouso Alegre 14/11/2015 Primeira certeza O termo comunicação é abrangente e não se restringe aos meios midiáticos.

Leia mais