Pós-Graduação a Distância

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pós-Graduação a Distância"

Transcrição

1 Pós-Graduação a Distância Marketing Estratégico Sílvio Bertoncello 1

2 2

3 SUMÁRIO Programa da Disciplina Ementa Carga Horária Total Objetivos Metodologia Critérios de Avaliação Bibliografia Recomendada Currículo 4 OUTROS: 5 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES EXERCIDAS: 5 CAPÍTULO 1 6 Conceitos de marketing 6 Condicionantes da Orientação Empresarial no Brasil 7 Classificação de Produtos 9 Composto de Marketing ou Marketing MIX 10 Ciclo de Vida do Produto 11 CAPÍTULO 2: Comportamento do consumidor organizacional e final 12 Comportamento do consumidor organizacional (BtoB) 12 Comportamento do consumidor final (BtoC) 14 Capítulo 3: Segmentação de mercado 15 Critérios de segmentação do consumidor Organizacional (BtoB): 15 Critérios de segmentação do consumidor Final (BtoC): 17 Capítulo 4: Análise da Concorrência 17 Capítulo5: Posicionamento de Mercado 17 Capítulo 6: A Comunicação Integrada de Marketing 18 O processo de comunicação 18 O conceito de Comunicação Integrada de Marketing, CIM 20 O planejamento da Comunicação 21 Capítulo 7: Sistema de Informação de Marketing - SIM 22 Capítulo 8: Pesquisa de Marketing 23 Tipos de dados em Pesquisa de Marketing 24 Planejamento da Pesquisa 25 Escolha do Método de Pesquisa 25 Como apresentar os resultados da Pesquisa 25 Capítulo 9: Gerenciamento de Marca 25 3

4 PROGRAMA DA DISCIPLINA 1.1 Ementa Orientar os participantes a desenvolver um plano mais avançado de Marketing, alargando seus horizontes de análise e tentando demonstrar a metodologia adotada em muitas empresas, onde o processo de definição dos objetivos deixou de ser empírico ou intuitivo para tornar-se sistemático e parte da rotina dos seus executivos. 1.2 Carga Horária Total 20 Horas 1.3 Objetivos - Estudar e discutir as modernas práticas do marketing na estrutura das empresas, com foco no planejamento, comunicação e formação de marca, atendimento e relacionamento com o cliente. - Capacitar o profissional a conhecer e aplicar os fundamentos de marketing que permitam estabelecer estratégias voltadas para o desenvolvimento de negócios, a conquista e manutenção de clientes. - Conhecer a utilização da pesquisa mercadológica, suas possibilidades, métodos, e saber, quando e como ela deve ser feita. 1.4 Metodologia Leitura de todo o material disponibilizado e da bibliografia auxiliar recomendada. 1.5 Critérios de Avaliação Fórum, testes, avaliação dissertativa e chat. GRÖNROOS, Chistian. Marketing: Gerenciamento e Serviços. Rio de Janeiro: Elsevier, KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Editora Atlas, KOTLER, Philip, ARMSTRONG, Gary, Princípios de Marketing, 12.ª ed. São Paulo, Prentice Hall, Lupetti, Marcelia, Gestão da Comunicação Mercadológica Ed. Thonson Pioneira, Lupetti, Marcelia, Planejamento da Comunicação, Ed. Futura, MALHOTRA, N., Pesquisa de Marketing, Prentice Hall, SAMARA, Beatriz Santos - Pesquisa de Marketing: Conceitos e Metodologia Prentice Hall, OGDEN, James, Comunicação Integrada de Marketing, 2 ed., Ed. Pearson, Currículo Professor Dr. Silvio Bertoncello FORMAÇÃO: Doutorado em Administração de Empresas FEA-USP, São Paulo, SP, tese: O processo de desenvolvimento do planejamento estratégico em modelos organizacionais de empresas tipo empreendedora, máquina, profissional e inovadora: um estudo de casos múltiplos. Mestrado em Administração com concentração em Marketing e Planejamento - PUC SP, dissertação: A Ferramenta Benchmarking em Administração: aplicabilidade e tendência de utilização no Brasil. Mestrado em Comércio Exterior e Economia Internacional - Universidade de Barcelona. Pós - Graduação em Administração de Marketing FAAP. Pós - Graduação em Administração Industrial ISES. Engenharia Metalúrgica. 1.6 Bibliografia Recomendada BERTONCELLO, Silvio et al, Marketing Operacional, São Paulo, Ed. DVS, FGV-EAESP, Gestão de Marketing, São Paulo, Ed. Saraiva,

5 OUTROS: Artigo Científico, Comportamento do consumidor jovem mediante as diversas alternativas de Mídia, publicado em Outubro de 2009, revista PMKT, ISSN Artigo Científico, The development of strategic planning at the organizational models, será submetido para publicação, Jornal of Management. Livro, Internacionalização, Estratégia e Estrutura, Vasconcellos et al, cap. ref. Estudo de caso da Vivo. Artigo Científico, A importância da Responsabilidade Social Corporativa como fator de diferenciação, publicado em 2007, Revista Facom, ISSN Artigo Científico, Vertical Integration and Corporate Diversification Strategies, BALAS, Madri, Artigo Científico, Responsabilidade Social Empresarial, um estudo do público interno de um hotel, ENEGEP, PA, Artigo Científico, Study based on Brazilian Industry, Vertical Integration, ANPAD, RJ, Artigo Científico, A busca da competitividade através do Benchmarking Estratégico, Revista Estratégica, ISSN , Livro, Marketing Operacional, Ed. DVS, São Paulo, SP, Livro, O mercado de Varejo de Materiais de Construção, Ed. DVS, São Paulo, SP, Artigo Científico, A importância dos sistemas de informação das empresas orientadas para o mercado, Revista Facom, ISSN , Seminário Anual COREF/COAÇO, de 1982 a 1997 (ABM), com trabalho editado sob o título, Pós Fluxantes para lingotamento de aço via indireta, exposto entre 22 a 26 de Novembro, 1982 em Vitória ES. Seminário Anual 9º Sports & Fitness, 1997(MF Prom.), com palestra ministrada sobre o tema, Planejamento Estratégico para pequenas e médias empresas, São Paulo SP. Simpósio de Marketing Esportivo, 2000(Instituição Moura Lacerda), com palestra ministrada sobre o tema, Planejamento e Administração Estratégica, ferramenta gerencial e de competitividade, Ribeirão Preto, SP. Artigo, Marketing invade o esporte, Diário Popular, 14/ 05/ 2000, São Paulo SP. Seminário Anual, 2001 (ABRAMGE-SP), com palestra ministrada sobre o tema, Marketing de relacionamento e CRM, São Paulo SP. Seminário Anual, 2002 (Unimed), com palestra ministrada sobre o tema, Marketing de serviços e atendimento, Ribeirão Preto, SP. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES EXERCIDAS: 27 anos de vivência no desenvolvimento de produtos, marketing, assistência técnica, vendas, comercial, atuando dentro e fora do Brasil. Tutor do Projeto PESC da USP, ajuda à ONG s na elaboração de Planejamento Estratégico e projetos de Gestão. 2 anos como Presidente de uma das comissões para normalização da ABNT. 14 anos de magistério nos cursos de MBA, Pós Graduação e Graduação. 14 anos como consultor de empresas de vários setores, com especialidade na área de Marketing e Planejamento Estratégico. 5

6 CAPÍTULO 1 Conceitos de marketing Prezado participante sou o Professor Dr. Silvio Bertoncello e vou orientá-lo neste módulo. Espero que possa aproveitar e após este tempo de dedicação e estudo consiga ter uma base sólida para emitir sua opinião sobre questões de marketing, tomando decisões que ajudem sua organização a se destacar no atual mercado. Para o início de nossos trabalhos necessitamos no mínimo saber o que é marketing, pois sem esse entendimento nada faremos em relação a esta abordagem. Afinal temos de compreender esta ciência. Existem muitas definições para o que é marketing dentre elas podemos citar algumas: Philip Kotler; É o processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm aquilo que desejam e de que necessitam, criando e trocando produtos e valores uns com os outros American Marketing Association; Marketing é o processo de planejamento e execução quanto à concepção, preço, promoção e distribuição de idéias, bens e serviços, organizações e eventos para criar trocas que venham a satisfazer objetivos dos indivíduos e organizações. Raimar Richers; Marketing é compreender e atender o mercado. Com estas definições podemos dizer que marketing é satisfazer e atender as necessidades e desejos de seus clientes, organizacionais (BtoB, business to business), ou finais (BtoC, business to consumer), de uma maneira mais eficaz que seus concorrentes. Não importa qual a definição escolhida, mas sim que a essência esteja presente em nossas mentes para a aplicação correta das ferramentas disponíveis. Já o professor Theodore Levitt, de Harvard, estabeleceu um contraste claro entre os conceitos de venda e de marketing: A venda focaliza-se nas necessidades do vendedor; marketing nas necessidades do comprador. A venda está preocupada com a necessidade do vendedor em transformar seu produto em dinheiro; marketing com a idéia de satisfazer às necessidades do consumidor por meio do produto e de um conjunto de valores associados com a criação, a entrega e finalmente, seu consumo. Segundo Philip Kotler o conceito de marketing fundamenta-se em quatro pilares: mercado-alvo, necessidades dos consumidores, marketing integrado e rentabilidade. a) Mercado-Alvo: As empresas conseguem um resultado melhor quando define em quais mercados-alvo irá atuar e preparam programas e ações de mercado feitas sob medida para cada ocasião. b) Necessidades dos Consumidores: Embora marketing seja atender às necessidades de forma rentável, entender essas necessidades nem sempre é tarefa simples. Alguns consumidores têm necessidades que nem mesmo eles estão plenamente conscientes de sua existência ou podem expressá-las. Quando o fazem, usam palavras que exigem alguma interpretação. Para facilitar o nosso entendimento podemos considerar cinco tipos de necessidades: - Necessidades declaradas: o consumidor deseja um carro barato; - Necessidades reais: o consumidor deseja um carro cuja manutenção seja baixa e não o preço inicial; - Necessidades não declaradas: o consumidor espera bons serviços do revendedor; - Necessidades de prazer: o consumidor compra o carro e recebe um mapa rodoviário para poder viajar e aproveitar sua nova aquisição; - Necessidades secretas: o consumidor deseja ser visto pelos amigos como inteligente e orientado para o valor do produto. Mas tome cuidado, pois responder às necessidades declaradas do consumidor pode subestimá-lo. O pensamento orientado para o consumidor exige que a empresa defina as necessidades do mesmo a partir do seu ponto de vista (do consumidor). Todas as decisões de compra envolvem compromissos e a administração não pode saber qual são elas sem pesquisar os consumidores. Em geral, uma empresa pode responder às exigências dos consumidores oferecendo-lhes o que desejam ou necessitam realmente. A chave para o marketing profissional é entender as necessidades reais dos clientes melhor do que qualquer concorrente. Algumas empresas fazem distinção entre marketing responsivo e marketing criativo. Uma empresa responsiva encontra uma necessidade declarada e a atende. Uma criativa descobre e produz soluções que os clientes não 6

7 declaram, mas respondem entusiasticamente. Também temos as empresas inativas que não fazem absolutamente nada e depois ficam preocupadas em entender porque não atingem seus objetivos. a) Marketing Integrado: Quando todos os departamentos da empresa trabalham em conjunto para atender aos interesses dos clientes, o resultado é o marketing integrado. Infelizmente, nem todos os funcionários são treinados e motivados a trabalhar para o cliente. O marketing integrado ocorre em dois níveis. Primeiro, as várias funções de marketing como força de vendas, propaganda, administração de produto, pesquisa de mercado e assim por diante, devem operar juntas. Segundo o marketing deve ser bem coordenado com os outros departamentos da empresa. Marketing não funciona quando é meramente um departamento; funciona apenas quando todos os funcionários valorizam seu impacto sobre a satisfação do cliente. a) Rentabilidade: O propósito final do conceito de marketing é ajudar as organizações a atingir suas metas. No caso de empresas privadas, a principal meta logicamente é o lucro. Já nas organizações que não visam lucro e nas públicas a meta é sua sobrevivência e atração de recursos suficientes para desempenharem seu trabalho. Uma empresa que melhor satisfaz as necessidades dos clientes ganha mais dinheiro do que suas concorrentes, isto nada mais é do que seu prêmio pela competência e lisura nas transações. Condicionantes da Orientação Empresarial no Brasil Para entender melhor a evolução do mercado no Brasil será utilizada uma breve retrospectiva do cenário econômico dos últimos 40 anos em uma análise dos condicionantes da orientação empresarial. Vamos analisar a evolução da economia brasileira e seus principais impactos para utilização dos conceitos de Marketing. Condicionantes da Orientação Empresarial: 1970 Devido à conjuntura econômica da época, ou seja, mercado fechado, alta demanda, e escassez de alguns produtos a orientação das nossas empresas era puramente para produção. A orientação de produção sustenta que os consumidores dão preferência a produtos fáceis de encontrar e de baixo custo. Gerentes de empresas orientadas para a produção concentram-se em alcançar alta eficiência de produção, baixos custos e distribuição em massa. Eles supõem que os consumidores estão interessados principalmente em disponibilidade de produtos e preços baixos. Essa orientação faz sentido em países em desenvolvimento, onde os consumidores estão mais interessados em obter os produtos do que em suas características. Esse conceito também é utilizado quando uma empresa deseja expandir o mercado Com a criação do over night e open market, alta inflação, as organizações tinham uma grande parte de suas receitas provenientes de aplicações financeiras, este cenário fez com que as pessoas e as empresa dessem uma grande atenção a este perfil. Na maioria das empresas tínhamos mais funcionários no departamento financeiro do que no comercial. Instituições financeiras cresceram e adquiriram experiência em determinadas operações, que criaram vantagens competitivas até hoje Forte queda do PIB no Brasil, em torno de 4%, gerando recessão fez com que as organizações tivessem que desovar seus estoques e produtos, direcionando seus esforços para vendas. A orientação para vendas parte do princípio de que os consumidores e as empresas, por vontade própria, normalmente não compram os produtos da organização em quantidade suficiente. A organização deve, portanto, empreender um esforço agressivo de vendas e promoção. Esse conceito pressupõe que os consumidores normalmente demonstram uma inércia ou resistência em relação à compra e devem ser persuadidos a comprar Plano cruzado, nesta época foi instituído o CIP, Conselho Interministerial de Preço, que liberava os preços corrigidos todo dia 25 de cada mês, herança presente até hoje, que caracteriza a correria das organizações para querer vender mais nos últimos dias do mês Com a implementação do Plano Real, o Brasil pela primeira vez, controla a inflação e estabiliza de certa forma sua economia, o movimento pela abertura de mercado já foi estabelecido no Governo anterior, e alguns setores já sofrem com a falta de competitividade. Entram 7

8 em cena ferramentas que visa cortar custos, melhorar competências, alinhamento com organizações internacionais e geração de Receita. O ganho no floating (aplicação financeira), já não sustenta parte da organização. Estas ferramentas são: Terceirização, Qualidade Total (ISO 9000), Reengenharia de Processos. O termo Globalização começa a fazer parte do dia a dia das empresas A hipercompetição faz com que todas as organizações alterem seu foco para o mercado. O cliente passa a ser o maior objetivo, principalmente os melhores e os potenciais Têm-se uma orientação para o podemos chamar de Marketing Holístico de acordo com a Figura 1. Figura 1: Marketing Holístico O Marketing Interno está voltado à valorização dos colaboradores, pois se trata de um ativo intangível difícil de ser copiado e transferido. O Marketing Integrado considera o entrosamento da comunicação com os produtos e alternativas de distribuição, um ajuste fino entre as variáveis controláveis de Marketing. O Marketing de Relacionamento visa o entendimento das necessidades em toda a cadeia produtiva, entender necessidades dos clientes, do cliente do meu cliente e dos parceiros fornecedores ou complementadores da organização. O Marketing Socialmente Responsável leva em consideração a utilização ótima dos recursos naturais sem comprometer as gerações futuras, ética nos relacionamentos e co-responsabilidade em suprir demandas sociais, principalmente no entorno das comunidades próximas à organização A crise no final deste ano fez com que muitos consumidores organizacionais e finais repensassem seus gastos em um movimento para o que podemos chamar de frugalidade, ou seja, parcimônia e cautela em investimentos Com a volta do crédito e ajustes, principalmente nos países mais afetados pela crise, o cenário macroeconômico dá sinais de recuperação Tudo indica que o crescimento deverá ser continuo com tendências para dois dígitos 8

9 em algumas indústrias. A orientação do mercado sustenta que a chave para alcançar as metas organizacionais está no fato da empresa ser mais efetiva que a concorrência na criação, entrega e comunicação de valor para o cliente de seus mercados-alvo selecionados. Deverá desenvolver um sistema de informação atual, monitorando a empresa no ambiente competitivo. O lucro deverá ser equilibrado com o volume e a potencialização de negócios a orientação mais importante. Classificação de Produtos Inicialmente vamos analisar o mercado voltado ao relacionamento entre empresas ou BtoB. Dentre os clientes do mercado BtoB três categorias têm maior relevância, relacionamentos com órgãos do Governo, instituições e a grande maioria que se pode considerar empresas comerciais. Nas empresas comerciais encontram-se subdivisões como usuários, produtores originais de equipamentos e revendedores e distribuidores. Para classificar os produtos no BtoB têm-se que responder à questão: Como o produto ou serviços do relacionamento BtoB entra no processo de produção e na estrutura de custos da empresa? Para Hutt e Speh uma boa alternativa para classificar os produtos no mercado BtoB é dividi-los em: Produtos de composição (fazem parte do produto acabado). - Matérias-primas processadas apenas até o nível requerido de manuseio e transporte. Exemplo bauxita da Vale. - Materiais e peças manufaturadas que requerem maior processamento inicial. Exemplo arames de aço do Gerdau ou telas e monitores da LG. Produtos de fundação (compõe itens de capital). - Instalações, investimento de longo prazo, como prédios, terrenos e equipamentos de ativo fixo. Exemplo infraestrutura para sistemas da Siemens. Produtos facilitadores (suprimentos e serviços). - Suprimentos, utilizados por um grande número de usuários na empresa. Exemplo: papel da Suzano ou cartuchos de tinta da HP. - Serviços, como de manutenção e reparos ou consultoria com grande ênfase para a transferência de atividades que não agregam valor para as empresas passando para terceiros. Exemplo, gestão de saúde da empresa ou gerenciamento de atividades financeiras para o Bradesco. O relacionamento com o consumidor final ou BtoC utiliza o seguinte critério de classificação de acordo com a Figura 2: 9

10 Figura 2: Classificação de produtos para o consumidor final Quanto ao grau de tangibilidade os produtos voltados ao consumidor final podem ser: bens - Duráveis, exemplo um carro. - Não duráveis, exemplo alimentos. - Serviços, exemplo corte de cabelo. Composto de Marketing ou Marketing MIX A adaptação da empresa ao mercado é realizada a partir do que conhecemos como estratégias controláveis de Marketing ou Composto Mercadológico ou ainda, Marketing Mix. O Composto de Marketing foi desenvolvido pelo professor McCarthy que definiu um conjunto de ferramentas que a empresa usa para perseguir seus objetivos de marketing. McCarthy classificou essas ferramentas em quatro grupos amplos que denominou os 4Ps do marketing: produto, preço, praça ou canal de distribuição e promoção ou divulgação. A Figura 3 mostra o que representa cada ferramenta e o importante é que o responsável por esta adaptação pense em alterar cada componente como um composto, ou seja, se a organização resolve subir o preço terá que compensar com um produto melhor ou facilitar a entrega. Normalmente as organizações não pensam nas ferramentas como um composto e as desenvolvem separadamente acarretando em um desequilíbrio mercadológico. Figura 3: Composto de Marketing ou Marketing MIX. 10

11 Produto: deve-se levar em consideração a solução para o consumidor. Composto por características do produto, qualidade, embalagem, variedade, garantias, marca e outros atributos do produto. Preço: qual o custo que o consumidor estará disposto a ter. Composto por preço básico, descontos, prazos, financiamentos e outras formas de preço. Promoção: alternativas de comunicação, divulgação. Composta por venda pessoal, propaganda, promoções, realções públicas, marketing direto, marketing digital e outras alternativas. Pela sua importancia veremos no capítulo 5 a CIM. Ponto de Venda: como o produto ou serviço chegará até o consumidor final ou organizacional. Composto por variedades ou formatos de canais de distribuição, transporte,armazenamento, estoques, localização. Ciclo de Vida do Produto Ciclo de vida do produto é uma variável dependente, determinada pelas ações de marketing, não é, portanto, uma variável independente pela qual as empresas devem adaptar seus programas de marketing. A Figura 4 exemplifica o Ciclo de Vida do Produto. Figura 4: Ciclo de Vida do Produto Cada fase tem suas características e estratégias de acordo com a seguinte seqüência: - Introdução: - Objetivos; criar conhecimento do consumidor, estimular a experimentação. - Estratégia; investir em propaganda, distribuição, restrição de variações de produto, na maioria dos casos o preço é mais alto. - Crescimento: - Objetivos; aumentar participação de mercado, fortalecer posição competitiva. - Estratégia; propaganda: estimular demanda seletiva (benefícios), mudança no produto (qualidade), expansão da distribuição, garantir recompra - Maturidade: - Objetivos; manter a participação de mercado via diferenciação, buscar novos compradores. - Estratégia; diversificar marcas e modelos, enfatizar diferenças/benefícios da marca, adequar preço x concorrência, aumentar promoção de vendas. 11

12 - Declínio: - Objetivos; reduzir gastos, otimizar ganhos - Estratégia; descontinuação, selecionar distribuição, reduzir comunicação/promoção, buscar oportunidades de rejuvenescimento. - Abandono: - Objetivo; retirar o produto do mercado ou deixar que mesmo o faça. O conceito de CVP, ou Ciclo de Vida do produto nos ajuda para elaborar boas estratégias de Marketing. A organização deve perceber que não é interessante ter todos os produtos na maturidade ou na introdução, faz-se necessário ter produtos na introdução, no crescimento, na maturidade e mesmo não querendo teremos produtos no declínio e abandono. Uma boa proporção é em torno de 10% na introdução, 20% no crescimento, 60% na maturidade e no máximo 10% no declínio ou abandono. CAPÍTULO 2: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR ORGANIZACIONAL E FINAL Comportamento do consumidor organizacional (BtoB) O consumidor organizacional segue as características do relacionamento BtoB, as organizações compram quantidades de matérias-primas, componentes manufaturados, instalações e equipamentos, suprimentos e serviços. Somente no Brasil, existem perto de 4,2 milhões de organizações compradoras (Simonsen Associados). A compra no relacionamento BtoB é definida por Webster e Wind como: O processo de tomada de decisão por meio do qual as organizações estabelecem a necessidade da compra de produtos e serviços, além de identificar, avaliar e escolher, entre as marcas e os fornecedores disponíveis, qual a melhor opção. O relacionamento BtoB possui diversas características que o torna muito diferente do relacionamento BtoC: - Número de compradores o relacionamento BtoB lida geralmente com muito menos comprador que o BtoC, empresas como ABB e GE dependem muitas vezes do Governo ou poucos compradores empresariais. - Compradores de maior porte um pequeno número de compradores é responsável pela maior parcela das vendas em setores como o de turbinas ou grandes geradores atômicos. - Relacionamento estreito entre fornecedor e cliente por se tratar muitas vezes de compras técnicas, cria-se um forte vínculo entre fornecedor e cliente. - Concentração geográfica dos compradores grandes pólos industriais como Camaçari, São José dos Pinhais, Zona franca de Manaus, ajudam a reduzir custos de vendas. - Demanda derivada do relacionamento BtoB é derivada do relacionamento BtoC, não diretamente proporcional, mas depende do consumidor final Demanda inelástica não é muito afetada pela variação de preços, conforme Figura. 4, diferente do BtoC da Figura - Demanda oscilante um crescimento de 10% na demanda de consumo pode causar um aumento de 200% na demanda de BtoB, porém uma queda de 10% também pode causar o colapso da demanda empresarial. - Compra profissional um dos aspectos mais importantes na diferença do comportamento com comprador BtoB, é que este tende a uma compra racional e profissional, diferente do comprador do BtoC, que muitas vezes é levado a uma compra por impulso. 12

13 Figura 4: Características da demanda Elástica (BtoC) 13

14 Figura 5: Características da demanda inelástica (BtoB) Mesmo com as diferenças entre BtoB e BtoC muitas vezes têm-se produtos que podem ser comercializados nos dois relacionamentos. Comportamento do consumidor final (BtoC) Segundo Schiffman e Kanuk, o comportamento do consumidor final (BtoC) é o estudo de como os indivíduos tomam decisões de gastar seus recursos disponíveis (tempo, dinheiro, esforço) em itens relacionados ao consumo. Solomon define este tópico como: O estudo dos processos envolvidos quando indivíduos ou grupos selecionam, compram, usam ou dispõem de produtos, serviços, ideias ou experiências para satisfazer necessidades e desejos. 14

15 Já Engel; Blackwell e Miniard o definem como um processo decisório que antecede e sucede as ações de consumo, de obtenção e de disposição de produtos e serviços. Para entender esse estudo de uma maneira mais clara e objetiva, é importante considerar o modelo de estímulo e resposta de Kotler e Keller. Os estímulos de marketing (produto, praça, preço e promoção) em conjunto com os estímulos ambientais econômicos, tecnológicos, políticos e culturais, devem penetrar no consciente do comprador. As características desse comprador sejam elas culturais, sociais, pessoais ou psicológicas, levarão os consumidores a decidir a escolha dos produtos, da marca, do revendedor, a freqüência e o montante da compra. Por isso, é importante que os profissionais de marketing consigam entender as características que afetam o comportamento do consumidor e o que se passa na cabeça destes, entre o momento dos estímulos externos e a decisão de compra. Atualmente existem diversos estudos analíticos que descrevem o processo decisório que leva os indivíduos a executarem uma compra. Segundo Engel existem cinco fases importantes no comportamento de decisão do consumidor, a saber: reconhecimento do problema; busca; seleção das alternativas; escolha e resultados. Com o entendimento desse processo e da obtenção das informações relevantes, os profissionais de marketing conseguem planejar as estratégias necessárias para tomar decisões mais assertivas e atrair a atenção de seu público-alvo ou potencial. CAPÍTULO 3: SEGMENTAÇÃO DE MERCADO A segmentação de mercado tem como objetivo determinar diferenças entre grupos de compradores, separando-os em estratos, de forma que a empresa possa desenvolver seus esforços para a escolha daqueles onde sua atenção se concentrará, determinando, conseqüentemente, uma política competitiva. Objetivos, maior capacidade para o delineamento das oportunidades de MKT. Alocação mais adequada dos recursos de MKT da empresa. Ajustamento mais eficiente dos produtos e programas de MKT da empresa ao mercado. Qualificação de um segmento empresarial: - Deve ser caracterizado por um conjunto de requisitos comuns aos clientes; - Deve ter características mensuráveis; - Deve ter concorrente identificável; - Deve ser pequeno o suficiente para reduzir a concorrência ou defender uma posição contra a concorrência; - Deve ser atendido por um canal comum de distribuição ou vendas. Critérios de segmentação do consumidor Organizacional (BtoB): Pode-se adotar o modelo de Bonoma e Shapiro para segmentar o relacionamento BtoB de acordo com a Figura 6 15

16 Figura 6: Modelo de segmentação de Bonoma e Shapiro Camadas externas (1) e (2) são denominadas macrossegmentação, altamente visíveis, mais abrangentes, estáveis permanentes, custo menor, pouca intimidade com o cliente, mais simples. Camadas internas (3), (4) e (5) são denominadas microssegmentação, pouco visíveis, mais específicas, temporários instáveis, alto custo, muita intimidade com o cliente, mais complexas. Não se tem uma pesquisa para provar que a maioria das empresas no Brasil não utiliza a ferramenta segmentação da maneira correta. A partir de dados exploratórios, pode-se verificar uma tendência para a macrossegmentação ou camadas externas, deixando de aproveitar características do mercado muitas vezes de importância diferenciada, podendo gerar vantagens competitivas sustentáveis para as organizações. 16

17 Critérios de segmentação do consumidor Final (BtoC): são: Para o consumido final (BtoC) os critérios mais usados - Variável Geográfica: Região, tamanho da cidade, densidade ou número de pessoas por determinada área. - Variável Demográfica: Gênero, idade, estado civil, etnia, ciclo de vida familiar, tamanho da família, classe econômica, renda, ocupação, geração, religião, nacionalidade. - Variável Psicográfica: Estilo de vida, personalidade, valores gregário, compulsivo, inovador. CAPÍTULO 4: ANÁLISE DA CONCORRÊNCIA Figura 7: Comportamento da maioria das empresas no mercado. Para cada posição tem-se uma estratégia adequada, por exemplo: - Estratégia de Líder de mercado; - Expandir o mercado Total - Proteger a participação de mercado - Expandir a participação de mercado - Estratégia de Desafiante; - Ataque frontal direto - Ataque indireto - Estratégia de seguidora; - Seguir de perto - Seguir à distância - Estratégia de Ocupante de nicho; - Por cliente, mercado, - Qualidade/preço e serviço - Ocupação de nichos múltiplos Para um bom trabalho de marketing deve-se conhecer profundamente: - A própria empresa, suas potencialidade e debilidades ou pontos fortes e pontos fracos. - Seus concorrentes diretos, empresas que competem na mesma indústria, com preços similares e para o mesmo público-alvo. Análise de potencialidade e debilidades ou pontos fortes e pontos fracos. - Concorrentes indiretos, empresas de outras indústrias que fabriquem produtos substitutos. Análise de potencialidade e debilidades ou pontos fortes e pontos fracos. Outro fato importante é classificar as empresas de acordo com o papel que elas desempenham no mercadoalvo, a Figura 7 exemplifica como a maioria se comporta. Estas estratégias podem ser complementadas com outras previamente escolhidas e devem refletir como a organização e seus produtos desejam ser entendidos e vistos pelo mercado. Este mecanismo é o que chamamos em Marketing de Posicionamento. CAPÍTULO5: POSICIONAMENTO DE MERCADO Posicionamento é o ato de desenvolver a oferta da empresa para ocupar uma posição única e valorizada na mente dos clientes ou consumidores-alvo. Em mercados competitivos, a empresa tem de diferenciar a sua oferta em relação a dos seus concorrentes Diferentes estratégias disponíveis para o posicionamento do produto: - Benefício específico esperado: associar produto ao benefício esperado pelo consumidor, exemplo, regula o intestino. - Uso ou aplicação do produto: associar produto ao uso ou aplicação, exemplo, limpa e protege os dentes. - Usuário ou classe de usuário: associar produto ao usuário ou classe de usuário, exemplo, para pele negra. - Concorrente: identificar produto comparativamente à concorrência, exemplo, similar ao BMW. 17

18 - Categoria de produto: associar produto com outros de uma classe de produtos similares, exemplo, Nescafé com leite. - Qualidade/preço: qualidade refletida em mais características. Preço usado como argumento, exemplo, caneta Mont Blanc. As seguintes questões são básicas para diferenciar e posicionar a oferta da empresa: - Quais as vantagens competitivas atuais e potenciais? - Quais os principais atributos de diferenciação disponíveis? - Qual o melhor posicionamento possível? - Como comunicar o posicionamento mais eficazmente ao mercado? Uma forma para resumir o posicionamento pode ser encontrada na Figura 8. Figura 8: Atributos para o posicionamento. Outros fatores que podem compor a diferenciação do produto ou empresa estão relacionados a: - Produto - desempenho, padrão, design, manutenção, durabilidade, confiabilidade. - Serviços - facilidade, rapidez, entrega, treinamento, orientação ao cliente. - Pessoas - competência, cortesia, credibilidade, prontidão, comunicação. - Canal de distribuição - cobertura, experiência. - Imagem - símbolos, personalidade, mídia. Caso a empresa não posicione corretamente seus produtos poderemos ter problemas de posicionamento confuso ou não posicionamento, levando os fatores de diferenciação para o preço, o que pode ser muito perigoso. CAPÍTULO 6: A COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING O processo de comunicação O processo de comunicação se faz a partir da interação entre duas ou mais pessoas. No caso de uma organização, o relacionamento entre o ambiente interno e o externo são os principais pólos do processo. De fato, observou-se a todo o momento pessoas falando no telefone, conversando, participando de reuniões, enviando fax ou , pesquisando na Internet, analisando circulares, observando comunicados e assim por diante. Todas essas atividades têm total ligação com o processo de comunicação. Na organização, permitem que os colaboradores relacionem-se tanto internamente como com clientes, fornecedores, financiadores, investidores, órgãos sindicais e outras instituições externas com quem a empresa mantém relações. Assim tanto para pessoas quanto para organizações o modelo não foge ao padrão, ficando sempre vinculado a um sistema genérico, considerado como pilar de sustentação para qualquer meio de comunicação. 18

19 De acordo com o Arantes e Thompson todo o sistema de Comunicação é composto por quatro elementos básicos; Emissor (ou fonte), Receptor (ou retentor), Mensagem e Veículo (ou meio). A interação entre eles é que faz o fluxo e processo de comunicação acontecer, cabendo a empresa sempre adotar o processo que melhor se adapte ao mercado onde atua: Emissor: é o início do processo em que vai tomar a iniciativa de promover a comunicação para que outras pessoas ou organizações realizem ações a fim de alcançar positivamente seu objetivo e conseqüentemente suas satisfações. A credibilidade do emissor é requisito mínimo para um bom processo de comunicação. Envolve em primeiro lugar a coerência, ou seja, a consistência entre o discurso e a prática. A experiência do emissor, o conhecimento profundo sobre o assunto, é de total necessidade do emissor. Sem esta o processo já se inicia corrompido. Receptor: é o destinatário, ou seja, o público para quem a comunicação será direcionada. Dele espera-se uma resposta e ações beneficiárias ao emissor. Neste caso é importante destacar que nem sempre se chega a tratar diretamente com o receptor final, mas é preciso garantir que a mensagem chegue até ele e da melhor maneira possível. Conforme Arantes várias características do receptor influem no êxito da comunicação; suas crenças, valores, padrões de comportamento e também seus estereótipos e preconceitos. Para Thompson e com base neste estudo o receptor é o interprete. As espécies de decisão tomadas por ele e sua maneira de mudar de atitude são medidas da eficiência da comunicação. A mensagem representa a essência do processo; aquilo que será comunicado. De acordo com os dois autores Arantes e Thompson, a mensagem é composta pelo conteúdo, significado e forma. O conteúdo representa o que será transmitido e é definido em função dos objetivos pretendidos pelo emissor. Observa-se que os significados residem nos receptores e não na mensagem. Para o sucesso e eficácia da mensagem tanto o emissor quanto o receptor devem possuir o mesmo entendimento com relação ao que se pretende comunicar e resultados a esperar. Na questão da forma existem dois módulos: verbal com comunicação oral e escrita, palavras, letras, símbolo; e não verbais com gestos corporais, sons e figuras. Não existindo parâmetro de comparação, já que sua escolha vem do ambiente e circunstâncias que serão selecionadas e aplicadas, como: rapidez requerida, quantidade de receptores e suas respectivas localizações geográficas, complexidade do assunto, situações em que serão inseridas, entre outros. O veículo ou meio, sintetiza o recurso a ser utilizado pelo emissor para transmitir a mensagem ao receptor. É a conexão ou cadeia de canais por onde haverá o contato entre os dois pólos. Objeto principal de estudo, e sob a análise de Thompson cada veículo exerce sua influência suas próprias peculiaridades sobre a mensagem e, neste sentido, torna-se parte da própria mensagem. Veículo e mensagem são inseparáveis. Ou seja, ele levanta a questão de que é preciso cautela na decisão do meio a ser utilizado com o intuito de evitar interferências ( ruídos ) que prejudiquem a recepção e o entendimento (significado) da mensagem pelo receptor. Altos níveis de ruídos impedem o fluxo de informações necessário para atingir o comportamento visado. É importante mencionar que existem outros elementos que dão sustentação ao processo de comunicação, e que são de suma importância, como é o caso do tempo: considerando que o objetivo do sistema é a resposta do receptor, o tempo envolve desde o momento em que o emissor está definindo os objetivos até a ação realizada pelo receptor e feedback em tempo hábil novamente ao emissor; e os custos: em que no processo de comunicação os investimentos e despesas são na maioria das vezes exorbitantes e devem ser manuseados de maneira a gerar um grande retorno, ou significativo custo-benefício. Já para Solomon, o modelo de comunicação ocorre da seguinte maneira: começa na fonte, onde a comunicação se origina, seguindo para a mensagem a qual pode ser desenvolvida de diferentes maneiras de acordo com qual efeito que deseja que ela provoque, a mensagem é transmitida através dos diferentes meios de comunicação que temos atualmente no mercado, e por fim ela é interpretada pelo consumidor que gera um feedback para a empresa e com base nestas informações podem-se realizar eventuais ajustes necessários para alcançar maior sucesso da mensagem. Há inúmeras razões, motivos e maneiras para se estabelecer um processo de comunicação: transmitir informações ou decisões, coletar dados importantes do mercado, identificar necessidades e mudanças. Mas o que se pretende realmente neste sistema é assegurar o 19

20 conhecimento, mudar as atitudes e o comportamento de alguém. Como relatado e conforme exemplificado por Arantes, a comunicação não é portanto apenas um processo de transmissão de informações; é um processo de interação humana, em que alguém procura estabelecer determinada influência no comportamento de outros. A figura 8 resume o processo de comunicação. Figura 8: O processo de comunicação. O conceito de Comunicação Integrada de Marketing, CIM O conceito de comunicação integrada é definido por Schultz como um processo diferenciado dos utilizados tradicionalmente pelas empresas anunciantes, que antigamente desenvolviam produtos ou serviços, e utilizavam a publicidade de massa para descobrir potenciais consumidores. Atualmente com as informações obtidas no banco de dados e em pesquisas realizadas, as empresas sabem de fato quem são seus consumidores, utilizando a publicidade de fora para dentro. Busca também reunir todas as mensagens que afetam os consumidores potenciais de uma maneira mais especializada, divididas em subcategorias, como promoções de venda, relações públicas, marketing direto, eventos e embalagem. Barnes enfatiza a CIM como a importância de reforçar a marca e utiliza a expressão, integrated brand communication, como fator de diferenciação principalmente no varejo. Para Kotler, CIM é composto por seis formas indispensáveis para a comunicação, representadas pela propaganda, promoção de vendas, eventos e experiências, relações públicas e publicidade, vendas pessoais e marketing direto. Além disso, Kotler também descreve uma diferenciação nos processos de comunicação de antigamente com os dos dias atuais, em que as empresas procuravam apenas se comunicarem através das mídias tradicionais, como televisão, jornais, rádios e revistas, diferente de hoje em dia que com o avanço da tecnologia permite também se comunicar através da Internet, telefones celulares e etc. Dias et al (2005) definem CIM como o P de promoção do composto de marketing, abrangendo então o conjunto de ações integradas de comunicação e promoção. Este conceito tem como objetivo a fixação do produto na cabeça do consumidor, a transmissão clara do conceito e imagem da marca fazendo com que estes consumidores sejam influenciados a adquirir o produto ou serviço. Entre a estratégia de CIM e a estratégia de identidade da marca, Madhavaram introduz o conceito de conexões da identidade da marca, que significa todas as interações da marca, internas e externas, individuais e em grupos que interagem com clientes, fornecedores e outros públicos. Assim como o conceito de conexões do valor da marca, para criar ou manter associações fortes e favoráveis com todos os públicos interessados. 20

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração Mercadológica II Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6 1 - Ementa (sumário, resumo) Administração dos canais

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO PLANO DE ENSINO CURSO: Administração PROF. Luis Guilherme Magalhães SÉRIE: 7º e 8º Período TURNO: Matutino DISCIPLINA: Gestão Mercadológica CARGA

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais