UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Período: Dezembro/2012 a Fevereiro/2013 ( X ) PARCIAL ( ) FINAL RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto de Pesquisa: Sistemas e dispositivos para comunicações na banda Óptica e milimétrica. Nome do Orientador: João Crisóstomo Weyl Albuquerque Costa Titulação do Orientador: Doutorado em Engenharia Elétrica UNICAMP Faculdade: Faculdade de Engenharia da Computação Unidade: Instituto de Tecnologia Laboratório: Laboratório de Eletromagnetismo Aplicado LEA Título do Plano de Trabalho: Automação de Simulações do Software VPItransmissionMaker para sistemas com aplicações em redes de altas velocidades. Nome do Bolsista: Alexandre van der Ven de Freitas Tipo de Bolsa: ( ) PIBIC/CNPq (x) PIBIC/UFPA ( ) PIBIC/INTERIOR ( ) PIBIC/FAPESPA ( ) PARD ( ) PARD renovação ( ) Bolsistas PIBIC do edital CNPq 001/2007

2 INTRODUÇÃO As redes de computadores são um dos maiores avanços no ramo de telecomunicações do século passado a qual manteve o mundo mais unido, possibilitando a troca de informações de maneira mais rápida e eficiente. A demanda para telecomunicações é incessante, sempre exigindo meios mais eficientes e baratos com alta qualidade. Com o advento da internet, países e continentes foram se interligando através de grandes redes. Tais interligações foram feitas, a nível físico, através de grandes cabos Ópticos submarinos, os quais a fibra Óptica, o material utilizado, possui um desempenho excelente para transmissão de dados. O sucesso da fibra é tão grande que já há tecnologias que as empregam cada vez menores e local. Para que tais avanços continuem, faz-se necessário o estudo de novas metodologias que supram esta demanda para o projeto de redes que sejam capazes de se adaptar aos novos paradigmas que são maior capacidade de transferência de dados e maior velocidade. Estas metas serão alcançadas também com o surgimento de novos componentes que possibilitam a realização destas novas metodologias. JUSTIFICATIVA As redes WDM-PON (Wavelength Division Multiplexing Passive Optical Network) estão cada vez mais presentes no cotidiano devido a seu grande sucesso. Estas podem ser empregadas em todos os tipos de redes de computadores, sendo que atualmente são mais comumente empregadas em grandes redes, mas cada vez mais estão ganhando espaço entre as LANs, redes de chão de fábrica, sensores e outros. Tudo graças a larga capacidade de banda e imunidade a interferências eletromagnéticas que a fibra Óptica possui. Algumas soluções e propostas de redes estão presentes sejam em fase de estudo ou consolidadas como produtos no mercado. Entretanto, a busca por soluções mais práticas, versáteis e de fácil instalação e funcionamento é constante. Soluções exploradas neste projeto apresentam como vantagens o monitoramento em tempo real dessas redes, como já citados a larga capacidade de banda e material imune a interferência eletromagnética, material de baixo custo, baixa atenuação o que caracteriza a mínima necessidade de componentes repetidores, altamente seguro contra espionagem indesejada de sinal, ausência interferências Crosstalk entre fibras em um mesmo cabo, pouca distorção de sinal, baixo consumo de energia e grande resistência elétrica, podendo ser seguramente utilizadas perto de equipamentos com grande voltagem. A proposta do projeto é de criar, simular e testar diversos protótipos de Redes WDM-PON inserindo e avaliando diversas técnicas e tecnologias, é bastante relevante uma vez que necessita de várias áreas de conhecimentos dentro de Engenharia da Computação e Elétrica, tornando-se um projeto multidisciplinar além de ter um caráter prático muito importante, pois visa uma realidade no mercado de telecomunicações.

3 OBJETIVOS Os objetivos iniciais do projeto são: Fundamentar uma base teórica acerca do estudo sobre redes WDM-PON. Fundamentar uma base teórica acerca da linguagem de programação Tcl. Automatizar simulações do software VPItransmissionMaker. MATERIAIS E MÉTODOS A metodologia empregada nesse trabalho inclui o estudo de literatura científica acerca dos fundamentos relacionados a redes WDM-PON e linguagem de programação Tcl (Tool Control Language). Pretende-se automatizar as simulações através do próprio VPItransmissionMaker e possivelmente incluindo o MATLAB e IDEs de Tcl e Python. O bolsista de iniciação científica será supervisionado por um doutorando que trabalha na mesma área de interesse. TEORIA E RESULTADOS Incialmente fui responsável em auxiliar nos projetos em geral de todos os pesquisadores do LEA que trabalham com o VPItransmissionMaker. Durante os estudos inicias utilizando a documentação do software, informações sobre um script de controle e automação para o software fora referenciados, e após ter reportado sobre a existência do mesmo para o orientador, devido a grande demanda de automação de simulações para que o processo seja agilizado, fiquei responsável sobre o estudo do mesmo. O estudo da linguagem Tcl, a qual é usada na automação do VPItransmissionMaker, inclui as seguintes etapas de subprojeto: estudar a aplicação de Tcl no VPItransmissionMaker (1), escrever um manual de utilização que ajudará a aplicação desta automação nas simulações de maneira fácil e rápida (2), automatizar qualquer projeto necessário baseado em todos os conhecimentos adquiridos (3). Durante a primeira etapa, foram estudadas diversas aplicações para os scripts. Essas aplicações seguem listadas: Uma simulação pode ser executada até que um objetivo seja atingido. Dados das simulações podem ser extraídos e enviados para um arquivo externo. Em forma de arquivo de texto ou de banco de dados. Dados podem ser extraídos de arquivos externos e inseridos nas simulações.

4 Parâmetros podem ser varridos de todas as formas. Rotinas de otimização podem ser implementadas a uma simulação. Dados de simulações podem ser manipulados. Programas externos podem ser chamados, por exemplo, a já conhecida cosimulação. Diálogos interativos podem ser criados para controlar e prover retorno de informações sobre os estados de simulações de múltiplas execuções. O exemplo mais básico de automação de simulações e o primeiro a ser estudado, foi o controle do comando run através de seus parâmetros e loops. O comando run é o mais básico possível encontrado nesses scripts, pois ele é o gatilho de toda uma simulação. Por padrão, todo esquemático construído possui um comando run 1, o qual se traduz executar simulação somente uma vez. É obrigatório que toda simulação possua pelo menos este comando em seu script. A sintaxe geral do comando run é a seguinte: run n i m Onde i é o número atual da rodada, n é o número de execuções nesta rodada e m é o número total de rodadas. Deve-se lembrar que todos os parâmetros a, excluindo-se o parâmetro n, são opcionais. Aplicando o comando run em um loop for para obter o controle completo da execução da simulação temos a seguinte sintaxe, por exemplo: #Isto e um comentario. for {set i 0 {$i < 5 {incr i 1 { run 1 $i 5 Onde o comando set é utilizado para atribuir um valor a uma variável independentemente do tipo de dado atribuído. Para acessar o valor atribuído a variável, colocamos $ em frente ao nome da variável. incr neste caso significa incremento da variável i de uma unidade. Tipicamente um loop incluiria um comando setstate para mudar um parâmetro da simulação, além de outras estruturas de controle de script e da simulação em si. Sua sintaxe é definida a seguir: setstate nome-do-módulo setstatename valor

5 Este comando muda valores de um módulo presente na simulação. Podemos usar um sufixo init no final de sua sintaxe para parâmetros voláteis e também para reinicializar um módulo. Para alterarmos um parâmetro global de uma simulação, basta trocar o parâmetro nomedo-módulo por this, o qual referencia o universo atual da simulação em que o comando está sendo aplicado. Porém, antes que um parâmetro global possa ser acessado, o mesmo deve ser inicializado através do comando a seguir: intialize this statename Mais uma vez this está referenciando uma variável global no universo atual da simulação. Durante uma simulação, vários valores diferentes de parâmetros são recalculados, e muitas vezes esta sincronia é perdida na relação entre módulos destas simulações ou na relação com o script de controle. Para solucionar este problema se tem o comando calcstate o qual possui duas formas: a primeira para recalcular o estado de um parâmetro global, e outra para recalcular o estado de um parâmetro em um módulo. As sintaxes são ilustradas a seguir: calcstate parâmetro calcstate módulo parâmetro Muitas vezes na automação de simulações se faz necessário a leitura de arquivos externos. Um comando simples para ler um código no formato.tcl encontrado em algum lugar no sistema de diretórios é ilustrado abaixo: source path/file Outra sintaxe importante para a execução de um script Tcl fluir são as estruturas de controle. Em Tcl também é usado a estrutura padrão de controle de fluxo. Seguem exemplos bem básicos devido a pequenas diferenças de sintaxe em comparação com a maioria das outras linguagens de programação: while {$var < 5 { <código> if {$var > 1 { <código1> else if {$var < 0 { <código2> else { <código3>

6 Muitas vezes na automação de simulações é necessário que no processo de manipulação de dados haja a leitura de entrada de dados, mais comumente neste caso de estudo os parâmetros, provenientes de arquivos externos e de criar e escrever dados em arquivos externos que terão diversas utilidades mais tarde. Estes dados podem ser lidos ou escritos em diversos formatos de arquivos, tendo como os mais recomendados e frequentemente utilizados.txt para documentos de texto e.dat para banco de dados. Abaixo, seguem um exemplo de como se escreve dados em um arquivo externo, e outro de como se lê arquivos de uma fonte externa respectivamente: set var 3 set filename c:/vpi/file.dat set fileid [open $filename w] puts $fileid $var close $fileid O arquivo é aberto no modo de escrita, o qual indica que todos os seu conteúdo prévio e descartado. Se o usuário quiser somente adicionar dados deve usar o modo a. A variável é referenciada entre aspas simples indicando que deve ser escrito uma string do dado contido nela. set filename c:/vpi/file.txt set var 0 set fileid [open $filename r] gets $fileid var close $fileid O arquivo acima é aberto no modo r para leitura. Um mecanismo importante que deve ser citado é como o script checa se chegou ao fim do arquivo lido através do comando eof, do inglês End of file, ou fim do arquivo. if {[eof $fileid] { close $fileid A cosimulação como já foi citada neste documento, é uma ferramenta essencial para a análise das simulações feitas no VPItransmissionMaker. Podemos assim, também chamar um software externo ao VPItransmissionMaker através de um simples comando do script: exec aplicação $file -?sync? Obs: estruturas entre? dos comandos aqui exemplificados são consideradas opcionais. -sync define em qual regime esta aplicação será executada. Se for especificada no modo síncrono o script espera para a aplicação externa terminar sua execução e depois continuar

7 a sua rotina. Mas se omissa, no modo assíncrono, o script continua rodando paralelamente com a aplicação externa. A seguir segue um exemplo: exec matlab /r mfile /automation exec python c:/vpi/vpi_script.py Para acessar arquivos anexados em um esquemático usamos o comando: path expand path/filename O comando converte o arquivo de referência codificado para futuramente ser usado junto com outros comandos a exemplo de open, souce, visualize, etc. Todos as técnicas de programação foram testadas em exemplos do VPItransmissionMaker e comprovadas que aplicadas de maneira devida funcionam com excelência. CONCLUSÃO Baseado nesses estudos sobre o script em linguagem Tcl do VPItransmissionMaker, podemos concluir que possui todas as tecnologias possíveis para obter resultados satisfatórios no processo de automatização de simulações de redes Ópticas. Sendo assim podendo alterar parâmetros, controlar quantas vezes uma simulação pode ser executada, inserir dados através de arquivos externos ou escrever os resultados obtidos durante a noite, por exemplo, para poder analisa-los no outro dia. Além de poder executar scripts do MATLAB e Python de maneira síncrona ou assíncrona, fazendo o trabalho de pesquisa muito mais fácil e prático com o auxílio da automação dos diversos processos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] VPItransmissionMaker/VPIcomponentMaker Developer Guide VPIphotonics [2] Optical WDM Networks Optical Network Series 1 st edition Springer Biswanath Mukherjee, University of California, Davis PARECER DO ORIENTADOR DATA: 23 / 02 /_2013 ASSINATURA DO ORIENTADOR ASSINATURA DO ALUNO

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos 1 Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos Prof. Valdemir Carrara www.valcar.net www.carrara.us 2 1 INTRODUÇÃO Na introdução deve-se descrever os objetivos principais do trabalho

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores:

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 1 do modelo OSI (continuação) 2 1 Camada 1 do modelo OSI Continuação 3 Sinais Analógicos e Digitais Os sinais são uma voltagem elétrica, um padrão de

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015

MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015 EVENTO MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015 MikroTiK PoE Automation APRESENTAÇÃO MikroTiK PoE Automation TÍTULO: Desenvolvimento de Soluções de Automação Comercial e Residencial através

Leia mais

2 echo "PHP e outros.";

2 echo PHP e outros.; PHP (Hypertext Preprocessor) Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é o PHP: O PHP(Hypertext Preprocessor) é uma linguagem interpretada gratuita, usada originalmente apenas para o desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA Foi inventada em 1989 por um engenheiro da Bell Labs. O seu uso começou no final da década de 1990 como forma de acesso à internet de banda larga. TECNOLOGIAS DSL

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC Tiago Menezes Xavier de Souza¹, Igor dos Passos Granado¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí- PR- Brasil tiago_x666@hotmail.com,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet.

Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet. Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet. Para acessar os dados dos monitores de temperatura da linha Comet utilizando a solução open source ScadaBR, basta seguir a rotina abaixo.

Leia mais

Introdução à Linguagem

Introdução à Linguagem Introdução à Linguagem Curso de Nivelamento do PPGMNE Janeiro / 2011 Juliano J. Scremin jjscremin@jjscremin.t5.com.br Um pouco de história Um pouco de história: Nascimento do Python Um pouco de história:

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 1 Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 por Victory Fernandes Na internet estão disponíveis diversos componentes para geração e impressão de Código de Barras utilizando o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software Marcelo Fantinato CPqD Telecom & IT Solutions UNICAMP Instituto de Computação Campinas SP Agenda Motivação Objetivo Automação

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Igo Romero Costa de Souza 1, Icaro Ramires Costa de Souza 1, Mailson Sousa Couto 1 1 Instituto Federal da Bahia (IFBA) - Campus

Leia mais

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de saída, biblioteca, funções matemáticas intrínsecas Criar e usar arquivos para mostrar resultados da

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS

Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de entrada, arquivo interno, arquivo texto, arquivo binário, dispositivo e nome de arquivo genéricos Comandos

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado Na parte final da demonstração, Jan, nossa testadora, usará o IBM Rational Functional Tester ou RFT para registrar um novo script de teste. O RFT está integrado ao IBM Rational Software Delivery Platform

Leia mais

Nome N Série: Ferramentas

Nome N Série: Ferramentas Nome N Série: Ferramentas Competências: Identificar e utilizar técnicas de modelagem de dados; Habilidades: Utilizar ferramentas de apoio ao desenvolvimento de software; Bases Tecnológicas: Metodologias

Leia mais

MasterTool Extended Edition

MasterTool Extended Edition Descrição do Produto O software MasterTool Extended Edition é a ferramenta de configuração e programação de equipamentos ALTUS (Série Grano, Série Ponto, Série PX e AL-2004), incluindo CPs e remotas. Esta

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Organização de Computadores Software

Organização de Computadores Software Organização de Computadores Software Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Objetivos: Entender

Leia mais

Python. Introdução à Programação SI1 - BSI

Python. Introdução à Programação SI1 - BSI Python Introdução à Programação SI1 - BSI Conteúdo História Instalação Apresentação da Interface Comandos Básicos Exercícios 07/06/2013 2 História Criada em 1989 pelo holandês Guido van Rossum no Centrum

Leia mais

Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200

Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 julho/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460

Leia mais

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

Leia mais

Índice: Nitgen do Brasil www.nitgen.com.br

Índice: Nitgen do Brasil www.nitgen.com.br Índice: CAPÍTULO 3. PROGRAMAÇÃO EM DELPHI...2 3.1 INICIALIZANDO E FECHANDO O MÓDULO...2 3.1.1 Inicializando o módulo...2 3.1.2 Fechar o módulo após o uso...2 3.2 RELACIONANDO OS SENSORES NA PROGRAMAÇÃO...2

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM Nas aulas anteriores tivemos a oportunidade de discutir dois diferentes níveis presentes na maioria dos computadores atuais. Nesta aula dedica-se a outro nível que também

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

A Linguagem Python: Uma visão geral. Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python

A Linguagem Python: Uma visão geral. Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python A Linguagem Python: Uma visão geral Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python Python é a linguagem do interpretador Python e daqueles que são capazes de conversar com ele. Um indivíduo que fala Python

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Curso Técnico em Redes

Curso Técnico em Redes Curso Técnico em Redes Prof. Airton Ribeiro - 2012 Histórico das Linguagens de Programação O que é? É um método padronizado para expressar instruções para um computador. É um conjunto de regras sintáticas

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis 2

Controladores Lógicos Programáveis 2 Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Automação e Controlo Industrial Ano Lectivo de 2004/2005 Controladores

Leia mais

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui.

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3 Tecnologia FPGA Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3.1. FPGA: Histórico, linguagens e blocos Muitos dos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 Informática Prof. Macêdo Firmino Introdução a Informática Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 O Que é um Computador? É uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e

Leia mais

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO AULA 1 Conceitos muito básicos 1 Introdução O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

FAdC Frauscher Advanced Counter

FAdC Frauscher Advanced Counter FAdC Frauscher Advanced Counter PT FAdC FRAUSCHER Advanced Counter A detecção de via livre do futuro O Frauscher Advanced Counter (FAdC) é a mais nova geração de sistemas de contagem de eixos com base

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01 Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01-1 - Rev01 1. INTRODUÇÃO Aplicações com redes sem fio vêm se tornando bastante comuns. De aplicações industriais a projetos específicos, criou-se

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

TUTORIAL: AQUISIÇÃO DE SINAIS USANDO LABVIEW E MATLAB

TUTORIAL: AQUISIÇÃO DE SINAIS USANDO LABVIEW E MATLAB TUTORIAL: AQUISIÇÃO DE SINAIS USANDO LABVIEW E MATLAB Autor: Breno Ebinuma Takiuti Revisão: Gabriela Alexandra A. Ferreira Ilha Solteira, Janeiro de 2013. 1. Introdução Um dos instrumentos amplamente utilizados

Leia mais

e shutdown -a sao formas de desligamento forçados sendo -a o anulador do shutdown -s

e shutdown -a sao formas de desligamento forçados sendo -a o anulador do shutdown -s Page 1 of 7 Batch ou arquivos de lote (também conhecidos por.bat ou ponto-bat são arquivos de computador utilizados pra automatizar tarefas, é regularmente confundido com o modo de processamento de dados

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE SOFTWARE LIVRE NAS INSTITUIÇÕES DO ESTADO DE GOIÁS E A INCLUSÃO DIGITAL Daniel Seabra 1,4 e Ly Freitas Filho 1,4 RESUMO Este estudo tem o intuito de auxiliar os gestores organizacionais

Leia mais

Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey

Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey Muitos processos de negócio dependem de aplicativos de terceiros que assumem a presença de um operador humano para executar determinadas rotinas.

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Fábio Luiz P. Albini 1 Departamento de Informática, Instituto Federal do Paraná (IFPR) Curitiba, Paraná 81520-000, Brazil. fabio.albini@ifpr.edu.br

Leia mais

11 Conclusão. 11.1 Descobertas

11 Conclusão. 11.1 Descobertas 97 11 Conclusão 11.1 Descobertas Nesse trabalho apresentamos o McCloud Service Framework, um arcabouço para implementação de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo na nuvem, disponibilizamos duas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT.

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ Curso de Bacharelado em Ciência da Computação UNIOESTE - Campus de Cascavel MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 5 SELECT * FROM Minha_memoria Revisando Sintaxes SQL e Criando programa de Pesquisa Ano:

Leia mais

COMO PROGRAMAR SEU TIME

COMO PROGRAMAR SEU TIME COMO PROGRAMAR SEU TIME 1) INSTALAÇÃO: Instale o simulador da categoria SIMUROSOT da FIRA. O simulador é gratuito e está disponível para download no site da FIRA (www.fira.net) ou no site da competição

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores: 12,167 mil EMPRESA

Leia mais

1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela?

1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela? Exercícios sobre Linguagem PHP: 1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela? 2) Considere a linguagem de programação PHP e seus operadores. A execução da sentença:

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais