SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ARTHUR RAMOS PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL. João Victor Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ARTHUR RAMOS PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL. João Victor Santos"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ARTHUR RAMOS PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL João Victor Santos Inclusão Educativa Trajetos para uma educação inclusiva Pilar 2016

2 RESUMO Visando verificar se as escolas estão realmente preparadas para receber e preparar pessoas com necessidades especiais e tentando identificar as dificuldades encontradas no processo de inclusão dos alunos com deficiências, a fim de provocar meios para a construção de uma proposta inclusiva que garanta a todos os alunos educação acessível e com uma boa qualidade. JUSTIFICATIVA Sabendo que as características humanas dependem do convívio social, é preciso observar que a plenitude do desenvolvimento do indivíduo também depende da satisfação de suas necessidades sociais através da interação com outras pessoas, dentro, e fora da escola, pois tais fatores implicam não somente na sobrevivência física, mas inclusive, na sobrevivência psicológica de cada pessoa. Como citado por MONTOAN, M. T. E. (2003): A inclusão é uma inovação que implica um esforço de modernização e de reestruturação das condições atuais da maioria de nossas escolas (especialmente as de nível básico), ao assumirem que as dificuldades de alunos não são apenas deles, mas resultam, em grande parte, do modo como o ensino é ministrado e de como a aprendizagem é considerada e avaliada. Assim é necessário que haja uma melhor conscientização com o todo para que haja uma interação do aluno na escola tornando a inclusão mais próxima. Já diz REGO (1995), A Escola deve ser um espaço para as transformações, para as diferenças, para as contradições e para a colaboração mutua e para a criatividade. OBJETIVO GERAL Debater a inclusão do aluno com deficiência física ou mental no convívio escolar e social, provocando desafios para a construção de uma proposta inclusiva que garanta a todos os alunos uma educação acessível, e satisfatória. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

3 Identificar as necessidades que ainda persistem no processo de inclusão do aluno deficiente nas aulas de escolas regulares. Reconhecer os procedimentos de inclusão utilizados na inserção de alunos portadores de deficiência na escola. Colaborar com a redução do preconceito em relação aos casos que existem dentro das instituições de ensino INTRODUÇÃO Tendo em vista que a escola é um espaço educativo de construção de personalidades humanas autônomas, na qual buscam constituir seres pensantes, críticos, questionadores, criativos, desenvolvendo seus talentos e preparando-os para serem cidadãos melhores, ver-se a necessidade de analisar como está decorrendo a inclusão da mesma. Para isso, parte-se do questionamento: o que é inclusão? Como a inclusão se dá na escola? quem precisa ser incluído? Essas perguntas são importantes para que se faça aplicada na prática a verdadeira inclusão. Assim como citado no decreto 3.298/199, deve ser incluído todo aquele que apresente: [...] perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para desempenho de atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano. Sendo assim, toda pessoas que apresente alguma dessas características precisam ser incluídas, para que possam acompanhar e evoluir na aprendizagem. ATIVIDADES PREVISTAS Promover palestras com convidados especialistas no assunto; Confeccionar cartazes de conscientização; Conscientizar todos da necessidade de participar da inclusão do próximo; Organização de brincadeiras e jogos visando trabalhar os movimentos; Dinâmicas que envolvam o aluno e trabalhe com a autoestima do mesmo; Leituras compartilhadas sobre a superação de dificuldades; Reforçar solicitações de acompanhamento especializado, junto a Gerência Regional de Ensino; Confecção de jogos educacionais (com a participação de professores) voltados para a realidade de cada um; Buscar parcerias junto a Secretária se Saúde e Secretaria de Ação Social. RECURSOS

4 Data show Note book Microfone Caixa amplificadora Internet Piloto Cartolina Tesoura Cola Emborrachados Fitas Botões Caneta Lápis Cartazes (buscar junto à secretaria de saúde e de ação social) CRONOGRAMA AÇÃO PERÍODO Levantamento das necessidades dos alunos; Produção de cartazes; Buscar parcerias com os gestores, professores e funcionários; Buscar parcerias com Secretarias de Saúde Setembro e de Ação Social; Promover reuniões com os membros do Grêmio estudantil e os representantes de turma; Palestra de conscientização Outubro Confeccionar jogos didáticos Desenvolver atividades dinâmicas Conforme combinados com os professores e demais colegas Fazer levantamento dos resultados Janeiro 2017 Adaptar a melhorias Fevereiro CONSIDERAÇÕES A inclusão é a oposição à prática da exclusão, desta forma é necessário que a sociedade acorde para a inclusão não apenas no nome, mas também no real sentido da palavra. Incluir não é uma tarefa fácil, mas depende de todos fazendo a sua parte para que um dia tenhamos uma sociedade inclusiva.

5 Hoje se fala em inclusão nas escolas, mas será que colocar alunos com necessidades especiais em salas regulares, sem as devidas melhorias e preparação de todo o corpo escolar é inclusão? È necessário que seja instituído a obrigatoriedade de profissionais especializados para o acompanhamento dos alunos especiais, de adaptação do espaço físico desde o primeiro dia de aula, é preciso que as faculdades coloquem nos seus currículos disciplinas tais como que facilitem a convivência entre os diferentes, que os profissionais da educação recebam treinamento para se comunicar com os mesmos. REFERÊCIAS: RUFINO, B. N. disponível em: < acessado em 12/09/2016 DECRETO Nº DE 20 DE DEZEMBRO DE Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos, disponível em: < acesso 10/09/2016. MONTOAN, M. T. E. Inclusão escolar; O que é? Como fazer? São Paulo: Moderna Home Instituto Rodrigo Mendes, disponível em: < acessado em 09/09/2016 EDUCANDO PRAR A CIDADANIA: inclusão em sala de aula, disponível em: < acessado em 10/09/2016.

IIª EXPOSIÇÃO DE JOGOS DE MATEMÁTICA

IIª EXPOSIÇÃO DE JOGOS DE MATEMÁTICA IIª EXPOSIÇÃO DE JOGOS DE MATEMÁTICA A Matemática não mente. Mente quem faz mau uso dela. Albert Einstein Projeto elaborado pelo: Professor Especialista Mário César Castro Planaltina, maio de 2015. PROJETO

Leia mais

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Kátia Valéria C.T.Peressinotto Marilda Suzani Gonçalves Realização: Foco Desenvolver competências e habilidades

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR Débora Rebeca da Silva Santos 1 Rennan Andrade dos Santos 2 Bárbara Amaral Martins 3 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus do

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE PAIS E FILHOS

PROJETO ESCOLA DE PAIS E FILHOS PROJETO ESCOLA DE PAIS E FILHOS EMEF-I Prof. Manoel Ignácio de Moraes Professor(es) Apresentador(es): Sônia Maria Romano Rosemary de Almeida Teixeira Oliveira Realização: Foco do Projeto A programação

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1.

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1. INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE REGULAR DE ENSINO DA CIDADE DE CATALÃO: ANÁLISE E ESTÍMULO DA PRODUÇÃO COLABORATIVA DE PRÁTICAS CORPORAIS INCLUSIVAS

Leia mais

PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017

PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017 1 PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017 Alunos: João da Silva Parcerias: MEDIANEIRA KARATÊ CLUBE MEDIANEIRA - PR 2017 2 PROJETO DE KARATÊ JUSTIFICATIVA Este projeto justifica-se, pela vontade do Medianeira Karatê

Leia mais

PRAÇA SARAIVA, CENTRO CEP.: TERESINA - PIAUÍ Página 1

PRAÇA SARAIVA, CENTRO CEP.: TERESINA - PIAUÍ Página 1 AVALIAÇÃO DIFERENCIADA PARCIAL 2 II TRIMESTRE 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL PROFª TÁCIA/ DEYLLEN/ ANA LÚCIA/ CLÁUDIA/ LUCIANA/ SILVIA PROJETO FESTAS JUNINAS - AVALIAÇÃO PARCIAL Apresentação: A Avaliação

Leia mais

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. 16 TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

Leia mais

Alunos, professores, demais profissionais da educação e de outras áreas interessadas nos temas.

Alunos, professores, demais profissionais da educação e de outras áreas interessadas nos temas. A Educação Especial é definida pela LDBEN 9394/96 como modalidade de educação escolar que permeia todas as etapas e níveis do ensino. As escolas especiais assumem um papel importante, no sentido de apoiar

Leia mais

PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO COM SÍNDROME DE DOWN EM UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DA CIDADE DE REMÍGIO.

PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO COM SÍNDROME DE DOWN EM UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DA CIDADE DE REMÍGIO. PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO COM SÍNDROME DE DOWN EM UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DA CIDADE DE REMÍGIO. Lidiane Rodrigues Diniz; Universidade Federal da Paraíba lidiany-rd@hotmail.com Ana Cristina

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

Reunião por Tutoria E.E. Profª Olga Benatti Sala 6 / 1ª. Sessão

Reunião por Tutoria E.E. Profª Olga Benatti Sala 6 / 1ª. Sessão Reunião por Tutoria E.E. Profª Olga Benatti Sala 6 / 1ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Rodrigo Alves de Barros Suzilei Aparecida Crepaldi Realização: Foco A reunião de pais/responsáveis por tutor

Leia mais

GRÊMIO ESTUDANTIL ESCOLA ESTADUAL ALFREDO PAULINO

GRÊMIO ESTUDANTIL ESCOLA ESTADUAL ALFREDO PAULINO GRÊMIO ESTUDANTIL ESCOLA ESTADUAL ALFREDO PAULINO Professor(es) Apresentador(es): Juliana Passos Rosangela Yarshell Realização: Foco do Projeto Seguindo as orientações da Secretaria Estadual da Educação,

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS COMO INSTRUMENTO ESTRATÉGICO NA CAPTAÇÃO E INSERÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (PCDs) NO MERCADO DE TRABALHO

A GESTÃO DE PESSOAS COMO INSTRUMENTO ESTRATÉGICO NA CAPTAÇÃO E INSERÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (PCDs) NO MERCADO DE TRABALHO A GESTÃO DE PESSOAS COMO INSTRUMENTO ESTRATÉGICO NA CAPTAÇÃO E INSERÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (PCDs) NO MERCADO DE TRABALHO Prof. Sérgio Silveira de Santana MINI-CURRÍCULO Prof. Sérgio Silveira Diretor

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS INTRODUÇÃO SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Thialy Thaís da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) thialy_thais@hotmail.com As Salas de Recursos Multifuncionais (SRMF) foram instituídas pelo Programa

Leia mais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais Apresentação e Justificativa A exclusão é parte do convencional na coletividade humana. A discriminação tem origem em preconceitos antigos gerados

Leia mais

Percurso Formativo e Mercado de Trabalho

Percurso Formativo e Mercado de Trabalho Percurso Formativo e Mercado de Trabalho E.E Profº Antonio Alves Cruz Professor(es) Apresentador(es): Raquel Rodrigues Débora Mariana Ribeiro Realização: Foco do Projeto Auxiliar o jovem a desenvolver

Leia mais

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade Antônio Lidio de Mattos Zambon Coordenador Geral de Políticas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Capoeira - menino Pé no Chão

Mostra de Projetos 2011. Capoeira - menino Pé no Chão Mostra Local de: Dois Vizinhos Mostra de Projetos 2011 Capoeira - menino Pé no Chão Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação Casa

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8 GRUPO 5.1 MÓDULO 8 Índice 1. O Processo de Organização Escolar...3 1.1. Pensando para a Prática... 3 2 1. O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR O processo de organização escolar dispõe de etapas a fim de que

Leia mais

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE PROJETO BRINCANDO SE APRENDE COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR EDGARD SANTOS APRESENTAÇÃO A Matemática e a Língua Portuguesa são vistas como disciplinas de difícil aprendizagem, muitas vezes até rejeitada pelos

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009 UNIVERSIDADE DANTA CECÍLIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL É preciso avaliar para mudar RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO ANO LETIVO DE 2009 PERÍODO FEVEREIRO

Leia mais

DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA

DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Universidade Federal de Campina Grande robsonsfr@hotmail.com) Ailanti de Melo Costa Lima (Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL DIDÁTICO COM VISTAS À INCLUSÃO

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL DIDÁTICO COM VISTAS À INCLUSÃO O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL DIDÁTICO COM VISTAS À INCLUSÃO Ms. Márcia Valéria Azevedo de Almeida Ribeiro IFFluminense/ISECENSA/UCAM/CEJN mvaleria@censanet.com.br

Leia mais

Sala de Jogos da matemática à interdisciplinaridade

Sala de Jogos da matemática à interdisciplinaridade Sala de Jogos da matemática à interdisciplinaridade Orientadora: Eliane Lopes Werneck de Andrade Matrícula SIAPE: 1697146 Orientada: Vitória Mota Araújo Matrícula UFF: 000105/06 Palavras-chave: Interdisciplinaridade,

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO

O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO 2016 1. JUSTIFICATIVA O Projeto de Educação no Trânsito O despertar para um trânsito mais seguro, vem conscientizar que é possível ser reduzido o número de acidentes

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 001/2014

NOTA TÉCNICA No 001/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA NOTA TÉCNICA No 001/2014 Assunto: Recuperação Contínua e Recuperação Paralela

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança

Leia mais

3. Formação Acadêmica. 4. Quais motivos levaram você a escolher as Faculdades INTA como local de trabalho? Mestrado (em andamento): 40 %

3. Formação Acadêmica. 4. Quais motivos levaram você a escolher as Faculdades INTA como local de trabalho? Mestrado (em andamento): 40 % 3. Formação Acadêmica Doutorado (Concluído): 40 % Mestrado (em andamento): 40 % Doutorado (em andamento): 0 % Mestrado (Concluído): 20 % 4. Quais motivos levaram você a escolher as Faculdades INTA como

Leia mais

DEPARTAMENTO LEGISLATIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE fortaleza, em iç" de ckr~uj. de 2011.

DEPARTAMENTO LEGISLATIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE fortaleza, em iç de ckr~uj. de 2011. INDICAÇÃO No02 5/_1_2_~ 11~ "Dispõe sobre a criação do Cargo de Coordenador de Creches no Município de Fortaleza e dá outras providências." o Vereador abaixo signatário, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Algumas discussões relacionadas à educação inclusiva no contexto social e principalmente o escolar

Algumas discussões relacionadas à educação inclusiva no contexto social e principalmente o escolar 1 Introdução Sabe-se que a educação inclusiva é uma modalidade extremamente relevante para o processo de educação do Brasil, já que, deve oferecer muitos benefícios relacionados ao ensino aprendizagem

Leia mais

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS Presidência da República PAINEL ECOLOGIA HUMANA E FORMAÇÃO NA DIVERSIDADE RELAÇÃO ENTRE O PROGRAMA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS- PNDH-3 E O ESTATUTO DO IDOSO UNIVERSALIZAR

Leia mais

Atividades executadas durante o mês de Janeiro:

Atividades executadas durante o mês de Janeiro: INSTITUTO NOROESTE DE BIRIGUI RELATÓRIO PEDAGÓGICO REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO DE 2016 Atividades executadas durante o mês de Janeiro: EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL I Atendimento a pais (novas

Leia mais

TÍTULO: PARADOXO DO TRABALHO - DEFICIENTE VISUAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: PARADOXO DO TRABALHO - DEFICIENTE VISUAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO 16 TÍTULO: PARADOXO DO TRABALHO - DEFICIENTE VISUAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): WELLINGTON PEREIRA DA SILVA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Projeto: O CANTO E O BATUQUE QUE VEM DE DENTRO DE MIM. OBJETIVO GERAL REFERENTE A INSTRUMENTAÇAO PEDAGÓGICA

Projeto: O CANTO E O BATUQUE QUE VEM DE DENTRO DE MIM. OBJETIVO GERAL REFERENTE A INSTRUMENTAÇAO PEDAGÓGICA Projeto: O CANTO E O BATUQUE QUE VEM DE DENTRO DE MIM. Profissional: Erick Luiz Vilela de Souza Atividade: Educação Musical Período de realização: fevereiro a dezembro de 2010 Setor: NAC Coordenadora:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 01. Segundo o eca, Artigo 36, a tutela será deferida, nos termos da lei civil, a pessoa de até: (A) 12 anos incompletos. (B) 14 anos incompletos. (C) 16 anos incompletos.

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Circuito Ayrton Senna de Juventude Orientações para a Comissão de Líderes

Circuito Ayrton Senna de Juventude Orientações para a Comissão de Líderes Circuito Ayrton Senna de Juventude 2014 Orientações para a Comissão de Líderes Parabéns, jovens líderes! Vocês foram os escolhidos para fazer parte da Comissão de Líderes Representantes de Turma! Esse

Leia mais

Quando dizemos a margem referimos ao analfabetismo e o baixo nível de escolaridade.

Quando dizemos a margem referimos ao analfabetismo e o baixo nível de escolaridade. O IFNMG Campus Arinos, localiza-se ao noroeste do estado de Minas Gerais, a 250 km de Brasília e a 700 km de Belo Horizonte. Abrange uma circunscrição constituída por 11 municípios, atendendo uma população

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO POLÍCIA MILITAR CENTRO DE CAPACITAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE.

ESTADO DE MATO GROSSO POLÍCIA MILITAR CENTRO DE CAPACITAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE. PLANO DE ENSINO ESTADO DE MATO GROSSO POLÍCIA MILITAR CENTRO DE CAPACITAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE. GRUPO DE PRODUÇÕES ACADÊMICAS CURSO CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO Edital de Seleção CURSO DE APERFEIÇOAMENTO: A DIVERSIDADE EM SALA

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

NÚCLEO DE ATENDIMENTO AO DISCENTE - NAD

NÚCLEO DE ATENDIMENTO AO DISCENTE - NAD FACULDADE DE TECNOLOGICA SENAI ÍTALO BOLOGNA - FATECIB NÚCLEO DE ATENDIMENTO AO DISCENTE - NAD (APOIO AO DISCENTE E DOCENTE) Goiânia, Maio de 2010. EQUIPE DE ELABORAÇÃO: Elizete Lucilana Soares Liliane

Leia mais

Diversidade na Natação

Diversidade na Natação Diversidade na Natação Luis Gustavo Oliveira 1 Resumo A demanda por vagas em instituições e/ou escolas para inserção de alunos com síndromes e/ou deficiências nos últimos anos tornou-se fenômeno nacional.

Leia mais

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas Instrumento para acompanhar o uso coletivo do conjunto de material TRILHAS, as práticas de leitura realizadas e o acesso das crianças aos livros. Verificar a circulação dos materiais na escola, o planejamento

Leia mais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais AVANÇOS DO CAMPO MUSEAL BRASILEIRO Formação Profissional Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico Organização e Participação dos Profissionais Revisão

Leia mais

PROVA ESCRITA ESTUDO DE CASO

PROVA ESCRITA ESTUDO DE CASO PROVA ESCRITA ESTUDO DE CASO CESPE CEBRASPE TRERS Aplicação: 2015 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os

Leia mais

Aprendizagem em Comércio de Bens e Serviços. Senac Jundiaí

Aprendizagem em Comércio de Bens e Serviços. Senac Jundiaí Aprendizagem em Comércio de Bens e Serviços Senac Jundiaí Aprendizagem em Comércio de Bens e Serviços Senac Jundiaí 1997 Início do Programa de Aprendizagem em Jundiaí (1 turma) 2000 Parceria com Secretaria

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO- SEXUAL E REPRODUTIVA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO- SEXUAL E REPRODUTIVA PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO- SEXUAL E REPRODUTIVA Tema: Relações interpessoais e sexualidade 4º Ano- EB1/JI DE SA Turma-1 Objetivos Conteúdos Atividades Reconhecer sentimentos: amor familiar; amizade;

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância da Lezíria Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Jardim de Infância do Centro Escolar de Porto Alto Jardim de Infância

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS para EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA e a CULTURA - UNESCO. CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO 46 a. Sessão

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS para EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA e a CULTURA - UNESCO. CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO 46 a. Sessão Distribuição: limitada ED/BIE/CONFINTED 46/6 Genebra, 8 de setembro 2001 Original: francês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS para EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA e a CULTURA - UNESCO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Plano anual de atividades

Plano anual de atividades Plano anual de atividades Ano lectivo: 2014-2015 A Direção Pedagógica da Escola Profissional de Tecnologia e Eletrónica ESTEL, perseguindo o seu objetivo fundamental de contribuir para a educação, formação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM RECURSOS

Leia mais

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS Atividade CRONOGRAMA Período Divulgação no Site 24/07/2016 Prazo para cadastro de currículos 24 à 31/07/2016 Publicação da relação de candidatos habilitados para realização da prova Até 05/08/2016 Aplicação

Leia mais

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Formulário de Registro Anual do Plano de AEE I - Dados referentes ao estudante

Leia mais

Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia (SEC/BA)

Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia (SEC/BA) EDUCAÇÃO INCLUSIVA E A FAMÍLIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ANÁLISE DOS ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO PERÍODO DE 2000 A 2016. Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO

PLANO DE AÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO-SEDUC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESPORTE CULTURA TURISMO E LAZER-SEMECETEL ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA DEPUTADO RENÊ BARBOUR- MUNICIPIO DE NOVA OLIMPIA-MT

Leia mais

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL No processo ensino-aprendizagem Rio de Janeiro 2005 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE DINÂMICA GRUPAL OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Reuniões de Turma As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário) ou com

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO

ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO - 088 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC PAULO GUERREIRO FRANCO Código: 092 Município: VERA CRUZ Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais.

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.639, DE 9 DE JANEIRO DE 2003. Mensagem de veto Altera a Lei n o 9.394,

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN UM ESTUDO DAS MULTIPLAS CAPACIDADES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FISICA Lilian Ravazzi Universidade Estadual de Londrina RESUMO Quando se fala em Paralisia Cerebral,

Leia mais

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato Programa FIC+Feliz Maio/2016 Belo Horizonte - MG Maria Lúcia Rezende Milhorato CONTEXTO A Credicom foi piloto no projeto do Índice de Felicidade Interna do Cooperativismo FIC, promovido pelo SESCOOP Nacional

Leia mais

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos OFICINA DAS CORES Professor Eduardo Dias Mattos Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP DER-Santos 2016 Artes Visuais Introdução O Projeto foi criado em 2006 pelo Arte Educador, Professor Eduardo

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

Atividades executadas durante o mês de Maio

Atividades executadas durante o mês de Maio RELATÓRIO PEDAGÓGICO REFERENTE AO MÊS DE MAIO DE 2016 Atividades executadas durante o mês de Maio EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL I Acompanhamento e orientação do processo pedagógico. Acompanhamento

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Gratidão e celebração Mês: Dezembro Habilidade Sócio emocional: Este projeto visa promover o encerramento do ano de 2016, em que os alunos terão a oportunidade de resgatar

Leia mais

MAS QUE SOCIEDADE É ESTA?

MAS QUE SOCIEDADE É ESTA? O Professor Gestor Vivemos em um mundo de transformações, um mundo acelerado, com características diferentes da sociedade ou época em que uma grande maioria, dos professores atuais foi formada. Em consequência

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR:

PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR: PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR: NOS CAMINHOS DA ALFABETIZAÇÃO E DO LETRAMENTO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO: NOS CAMINHOS DA ALFABETIZAÇÃO E DO LETRAMENTO JUSTIFICATIVA: Produzir bons leitores é o grande desafio

Leia mais

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares;

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares; Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 16.718 DE 11 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre a instituição e organização dos Complexos Integrados de Educação, no âmbito

Leia mais

ATENA CURSOS GREICY AEE E O DEFICIENTE AUDITIVO. Passo Fundo

ATENA CURSOS GREICY AEE E O DEFICIENTE AUDITIVO. Passo Fundo ATENA CURSOS GREICY AEE E O DEFICIENTE AUDITIVO Passo Fundo 2015 1 1. TEMA Deficiência auditiva e o Atendimento Educacional Especializado. 2. PROBLEMA A escola deve ser ante de mais nada uma representação

Leia mais

REGULAMENTO DA CEPA. Regulamentação da Comissão Escolar de Prevenção de Acidentes Revisão. 03

REGULAMENTO DA CEPA. Regulamentação da Comissão Escolar de Prevenção de Acidentes Revisão. 03 REGULAMENTO DA CEPA SUMÁRIO Regulamentação Centro Integrado SESI/SENAI Dona Nenem Scariolli/ETFG... 3 CEPA Comissão Escolar De Prevenção de Acidentes... 3 Objetivo:... 3 Da Constituição:... 3 Da Organização:...

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Relatório de Avaliação às Unidades Curriculares 1.º semestre /2016

Escola Superior de Educação João de Deus. Relatório de Avaliação às Unidades Curriculares 1.º semestre /2016 Licenciatura em EDUCAÇÃO BÁSICA às Unidades Curriculares 1.º semestre - 2015/2016 1. Introdução A avaliação está intimamente ligada ao processo de qualidade, de desenvolvimento e de aperfeiçoamento organizacional.

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

Avaliação das condições de ensino - UFPE

Avaliação das condições de ensino - UFPE Avaliação das condições de ensino - UFPE Editar este formulário Prezado(a) professor(a), Considerando o ensino como uma das dimensões da docência na universidade (Ensino, pesquisa, extensão, gestão), este

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES FEIRA DE CIÊNCIAS NA ESCOLA: O PRAZER DE DEMONSTRAR OS CONHECIMENTOS IPEZAL-DISTRITO DE ANGÉLICA/MS

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES FEIRA DE CIÊNCIAS NA ESCOLA: O PRAZER DE DEMONSTRAR OS CONHECIMENTOS IPEZAL-DISTRITO DE ANGÉLICA/MS ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES FEIRA DE CIÊNCIAS NA ESCOLA: O PRAZER DE DEMONSTRAR OS CONHECIMENTOS IPEZAL-DISTRITO DE ANGÉLICA/MS MAIO/2012 ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES FEIRA DE CIÊNCIAS NA

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. As Diretrizes Curriculares Nacionais para EJA (CNE,2000) preconizam princípios norteadores da ação pedagógica da escola: (A) éticos, políticos e estéticos; (B)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM IMAGEM E SOM REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR São Carlos, dezembro de 2014. 1 Regulamento de estágio obrigatório do curso de Bacharelado em Imagem

Leia mais

Rede Empresarial de Inclusão Social

Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social Maio Junho Julho Agosto Realização e avaliação do 26º Fórum de Empregabilidade Decisão por ser uma Rede de Empresas Privadas Elaboração, revisão e aprovação do Regimento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Sustentável da Escola (PDSE) Instituto Brasil Solidário

Programa de Desenvolvimento Sustentável da Escola (PDSE) Instituto Brasil Solidário Apresentação Neste ano, sua escola e comunidade receberão diversas atividades com a chegada do Programa de Desenvolvimento Sustentável da Escola (PDSE) no seu município, com o Instituto Brasil Solidário

Leia mais

Rede Empresarial de Inclusão Social

Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social O que fizemos 2 de Maio 4 de Maio 11 de Maio 18 de Maio 25 de Maio 1º de Junho 26º Fórum de Empregabilidade Avaliação do 26º Fórum

Leia mais

Deficiência Intelectual

Deficiência Intelectual Deficiência Intelectual Nicoly Siqueira JOÃO PESSOA-PB COMO ACONTECE Causas de deficiência intelectual no período pré-natal: PERÍODO PRÉ-NATAL BIOMÉDICOS SOCIAIS COMPORTAMENTAIS EDUCACIONAIS Cromossômicas

Leia mais