MULTIPLICANDO O IMPACTO DE PROJETOS SOCIAIS: UMA PROPOSTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MULTIPLICANDO O IMPACTO DE PROJETOS SOCIAIS: UMA PROPOSTA"

Transcrição

1 1

2 MULTIPLICANDO O IMPACTO DE PROJETOS SOCIAIS: UMA PROPOSTA Sérgio G. Lazzarini Sérgio Jurandyr Machado Sandro Cabral Marcelo Barbosa 1 (maio de 2012) Nas últimas décadas, aumentou de forma marcante o interesse do setor privado em apoiar iniciativas de impacto social. Antes cerceadas unicamente no contexto do setor público, atividades diversas tais como saúde, educação, segurança, pesquisa tecnológica, saneamento básico, dentre outras, têm sido amparadas cada vez mais por meio de contribuições de empresas e investidores. A Fundação Bill & Melinda Gates, por exemplo, destina anualmente mais de um bilhão de dólares para iniciativas diversas nas áreas de saúde, educação e crédito para comunidades de baixa renda. Ainda assim, existe a percepção de que o apoio privado a atividades social é, no Brasil, muito aquém do que seria possível. Não raro, a culpa recai nos baixos incentivos tributários para doações e atividades filantrópicas, comparativamente a outros países desenvolvidos. Adotamos, aqui, uma visão distinta. Acreditamos que o principal eixo para aumentar o envolvimento privado em áreas sociais diz respeito à criação de mecanismos que multipliquem iniciativas comprovadamente de sucesso e que tragam maior confiança de que contribuições privadas irão se reverter em projetos de alto impacto. Em poucas palavras, a ideia é: selecionar projetos inovadores cujos resultados sejam medidos por meio de indicadores sociais pré-estabelecidos; de tal forma que os executores dos projetos sejam incentivados a atingir as metas propostas; e com mecanismos alavancados de captação envolvendo não apenas doações e ONGs, mas também investidores de mercado interessados em projetos sociais e dispostos até mesmo a aceitar uma menor remuneração em troca de impacto social medido e comprovado. 1 Sérgio Lazzarini e Sérgio Machado são professores do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa; Sandro Cabral é professor da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia; Marcelo Barbosa é sócio do Vieira, Rezende, Barbosa e Guerreiro Advogados e membro do conselho da Fundação Estudar. Esse texto foi elaborado para um workshop no Insper sobre investimentos de impacto no primeiro semestre de Os autores agradecem o apoio de Maria Amélia Sallum (ISMART) e discussões prévias com Alexandre Aoude, Andrea Tissenbaum, Aron Zylberman, Camila Iwasaki, Claudio Haddad, Claudio Lorenzetti, Daniela Barone, Denise Hills, Denise Nogueira, Elsom Yassuda, Fabio Akira, Fabio Fukuda, Isabel Cristina Santana, Leonardo Letelier, Luiz Norberto Pascoal, Marcos Azzi, Monica de Roure, Naercio Menezes, Renata Biselli, Renata Piazzalunga, Rodrigo Ortiz, Saulo Barreto, Valéria Riccomini e Wanda Aduan. Agradecemos também o encorajamento de Tobby Eccles, da Social Finance, e os dados fornecidos por Mariza Scalabrin, do Instituto Embraer. Eventuais erros e omissões são de nossa inteira responsabilidade. 2

3 Neste artigo, demonstramos a aplicabilidade da nossa proposta a partir de uma simulação envolvendo um caso hipotético de uma ONG do setor educacional inspirada na experiência do ISMART instituto que oferece bolsas de estudo para jovens de baixa renda estudar em boas escolas privadas do ensino médio, visando à sua futura colocação em boas universidades ou faculdades. Também examinaremos a possibilidade de captação de recursos para construção de escola própria modelo adotado pelo Instituto Embraer com o seu Colégio Engenheiro Juarez Wanderley, em São José dos Campos. São casos ilustrativos em um setor específico, mas que abrem espaço para uma discussão mais ampla envolvendo outras atividades e aplicações. Nossa proposta se insere no contexto de um amplo movimento mundial no sentido de estimular investimentos privados para projetos sociais. Em particular, uma fonte de inspiração para o nosso projeto vem do crescimento dos chamados investimentos de impacto (impact investments). A seguir, discorreremos brevemente sobre essas iniciativas internacionais, e em seguida detalharemos a nossa adaptação proposta para o contexto brasileiro utilizando a oferta de bolsas no setor educacional como caso ilustrativo. Como o caso analisado envolve apenas executores privados, com e sem fins lucrativos, também discutimos como o nosso modelo poderia envolver atores públicos (por exemplo, escolas estaduais ou municipais). Finalmente, encerraremos o relatório indicando outras possíveis aplicações do modelo além do setor de educação, em outras atividades de alto impacto social e cujos resultados sejam potencialmente replicáveis por meio da ação interdependente de investidores, ONGs e executores públicos ou privados. INVESTIMENTOS DE IMPACTO (IMPACT INVESTMENTS): UM MOVIMENTO MUNDIAL Um recente relatório do banco J.P. Morgan chamou a atenção para o que o banco considerou uma nova classe de ativos: os chamados investimentos de impacto (impact investments). Esses incentivos visam a canalizar recursos para projetos de retorno social positivo. 2 Diferem de fundos mais tradicionais que buscam, por exemplo, investir apenas em empresas socialmente responsáveis. Nesse último caso, o investimento ainda visa ao lucro, muito embora seja direcionado para empresas com ênfase social ou ambiental. Nos investimentos de impacto, diferentemente, o objetivo é alocar recursos para atividades que gerem impacto social além de considerações sobre o seu retorno financeiro. Segundo o J.P. Morgan, investimentos de impacto teriam um potencial para os próximos dez anos em torno de 400 bilhões a 1 trilhão de dólares. Embora existam investidores não dispostos a reduzir seu retorno financeiro esperado, aparentemente há uma classe de investidores que aceitam trocar parte do retorno por impacto social comprovado. São investidores pacientes que podem até alocar parte da sua carteira para projetos sociais, se eles confiarem que tais projetos irão, efetivamente, resultar em impacto relevante. 3 Logo, um aspecto crítico para a atração desses investimentos é garantir que o resultado social da alocação será medido, e que os executores do projeto terão incentivos para atingir as metas estabelecidas. Uma experiência inovadora que caminha no sentido de garantir esse tipo de avaliação é o projeto dos Social Impact Bonds idealizado pela ONG inglesa Social Finance. Um Social 2 J.P. Morgan, Impact investments: an emerging asset class. Global Research, November 29, Kennedy, R. e Novogratz, J. Innovation for the BoP: the patient-capital perspective, In: London, T. e Hart, S. L. Next generation business strategies for the base of the pyramid. FT Press, Upper Saddle River, 2011, pp

4 Impact Bond é um instrumento financeiro que capta recursos de investidores sociais com vistas a patrocinar projetos de impacto. O resultado desses projetos é medido e comparado a grupos de controle definidos. São estabelecidas metas de desempenho e, uma vez atingidas as metas, os investidores são remunerados ou bonificados pelos investimentos que fizeram no projeto. O agente de bonificação, no modelo inglês, é o governo. O primeiro projeto-piloto envolvendo Social Impact Bonds foi uma prisão envolvendo cerca de presos. A medida de desempenho escolhida foi a taxa de reincidência dos presos, isto é, o percentual de presos que praticam crimes após serem soltos e, logo, retornam à prisão. Dado que manter um preso em custódia traz custos substanciais ao governo, se o projeto resultar em uma redução na taxa de reincidência há uma economia esperada para o setor público. Logo, parte dessa economia pode ser repassada aos investidores sociais caso eles contribuam para uma redução na taxa de reincidência. 4 Nesse estudo optamos por adaptar essa ideia para um contexto onde somente atores privados, com e sem fins lucrativos, são envolvidos. Embora não se descarte a participação do governo trataremos desse ponto em seção mais à frente consideramos que um projeto piloto pode ser conduzido primeiramente no âmbito do setor privado, podendo ser posteriormente adaptado para situações onde atores públicos são também atrelados ao processo de execução ou bonificação. A NOSSA PROPOSTA, APLICADA AO CONTEXTO DE BOLSAS DE ESTUDO Faremos uma proposição concreta de adaptação ao Brasil dentro do contexto de bolsas de estudos oferecidas para jovens de baixa renda. A nossa simulação é inspirada pelo caso do ISMART (Instituto Social Para Motivar, Apoiar e Reconhecer Talentos). O ISMART foi criado em 1999 por um grupo de empresários doadores e iniciou suas atividades ajudando jovens a ingressar em boas escolas técnicas (federais) no Rio de Janeiro. Posteriormente, o ISMART expandiu suas atividades para outras cidades como São Paulo, Sorocaba, Cotia e São José dos Campos. A operação do programa passou a ter foco na seleção de jovens talentosos de baixa renda e no estabelecimento de parcerias com boas escolas privadas de ensino médio. Mais especificamente, o ISMART faz uma pré-capacitação e seleção de jovens de baixa renda, por cerca de dois anos, de forma a suportar seus estudos em uma fase posterior, no ensino médio, a partir da concessão de bolsas de estudos. Os alunos são então direcionados a escolas privadas de qualidade do ensino médio, sendo que algumas delas proporcionam ao ISMART desconto na mensalidade para os alunos bolsistas. Espera-se, com isso, que os alunos bolsistas tenham desempenho destacado nos exames vestibulares e consigam ingressar em uma boa universidade ou faculdade no futuro, ao término dos seus estudos. Em 2012, cerca de 700 alunos serão beneficiados com as bolsas pagas pelo ISMART. Como então a ideia de investimento de impacto poderia ser aplicada a esse contexto? Relembre que a nossa proposta se resume em três pilares: indicadores (metas) de desempenho social, incentivos aos executores do projeto com base nesses indicadores e alavancagem do 4 Veja Social Finance, Towards a new social economy: blended value creation through Social Impact Bonds. March 2010; e Liebman, J. B., Social Impact Bonds: a promising new financing model to accelerate social innovation and improve government performance. Center for American Progress, February

5 projeto por meio de captação no mercado. Assim, embora diversos institutos como o ISMART já adotem metas e indicadores de desempenho, há espaço para avançar com os dois últimos pilares. Em particular, no novo modelo a remuneração ao executor isso é, a bolsa concedida ao aluno e paga à escola privada poderia ser condicional ao seu desempenho. Por exemplo, se a escola atingir metas, poderá receber um bônus atrelado ao valor da mensalidade. Além disso, o novo modelo pressupõe a entrada de capital externo para aumentar o impacto e o alcance do projeto. Assim, o instituto central executor da atividade não ficará sobrecarregado financeiramente. A Figura 1 ilustra esquematicamente a nossa proposta. Além dos dois atores centrais a organização não-governamental (ONG) focada na atividade-fim do projeto (caso do ISMART) e escola privada inserimos três novos participantes: outras ONGs parceiras, que podem se interessar a atuar junto à ONG focal no pagamento ao executor de acordo com as metas; um centro de avaliação, criado para avaliar, de forma independente, o alcance ou não das metas pela escola; e uma instituição financeira que irá captar recursos de investidores interessados em impacto social e eventualmente dispostos a reduzir parte do seu retorno financeiro esperado caso o projeto traga efetivamente resultado (isso é, caso a escola atinja as metas). ESCOLA PRIVADA Empréstimo Retorno (com base nas metas) INSTITUIÇÃO FINANCEIRA Investidor Investidor Investidor Investidor Avaliação e verificação das metas Pagamento à escola (com base nas metas) CENTRO DE AVALIAÇÃO ISMART ONG E E ONGs PARCEIRAS Doador Doador Doador Doador Auditorias independentes Figura 1 Proposta aplicada ao contexto de bolsas de estudo para jovens carentes O centro de avaliação é fundamental para o sucesso desse modelo, uma vez que as partes envolvidas deverão ter confiança de que os indicadores serão verificados de forma acurada e independente. Esse centro pode, também, contar com o apoio de auditorias especializadas. O centro de avaliação pode ser estabelecido em alguma faculdade, 5

6 universidade ou instituto com tradição em pesquisa sobre avaliação de desempenho em projetos sociais. 5 No caso da instituição financeira, a ideia é que ela faça um empréstimo diretamente à escola por exemplo, para investimentos em salas, equipamentos, laboratórios, etc. que permitam aumentar o seu desempenho pedagógico. A diferença entre a instituição financeira e as ONGs é que os investidores não farão doações a fundo perdido. O empréstimo deverá ser retornado aos investidores muito embora, como dito anteriormente, a uma taxa menor que aplicações de mercado caso o executor atinja as metas. No caso das ONGs, o pagamento das bolsas e do bônus à escola será a fundo perdido, a partir de doações recebidas. Dada a presença dos investidores apoiando ampliação e/ou modernização da escola, o impacto social do projeto aumenta, o que favorece a atividade das ONGs. Antes de prosseguirmos, vale aqui fazer um paralelo dessa ideia com o modelo inglês dos Social Impact Bonds, discutido anteriormente. Naquele modelo, os investidores sociais recebem um bônus caso apoiem o projeto. Aqui, de forma inversa, os investidores reduzem a sua remuneração caso o projeto tenha impacto social. A diferença é que, no modelo inglês, a bonificação é paga pelo governo em função das economias esperadas com um menor contingente de presos nas unidades carcerárias. Em outras palavras, o projeto das prisões resulta em valor economizado, que pode então ser dividido entre os apoiadores da iniciativa. Isso não acontece no setor educacional, uma vez que o impacto social do projeto se atrela um aumento esperado do capital humano no país, ao invés de economias diretas pelo governo muito embora se espere que um aumento de capital humano se reverta em geração de renda futura. Com base nesse modelo, e utilizando parâmetros baseados em dados fornecidos por institutos atuantes no setor educacional. faremos a seguir algumas simulações financeiras mostrando essas ideias em números. SIMULAÇÕES Analisaremos quatro cenários: 1. Base, isso é, o modelo envolvendo apenas a ONG e as escolas privadas; 2. Com incentivos (pagamento condicional ao desempenho), isso é, com bonificação à escola caso atinja a meta de impacto social, envolvendo outras ONGs parceiras; 3. Com incentivos e captação no mercado financeiro, correspondendo ao caso onde investidores sociais apoiam investimentos de melhoria nas escolas existentes; e 4. Captação no mercado para construção de escola própria, descrevendo uma situação onde as ONGs obteriam recursos de investidores para investir em uma nova escola, a ser gerida por empresas educacionais especializadas. Esse último modelo é realizado, no Brasil, pelo Instituto Embraer, por meio do seu Colégio Eng. Juarez Wanderley. Esse colégio abriga cerca de 600 alunos de baixa renda e tem obtido ótimos resultados tanto em termos de exames de avaliação do governo 5 Sobre a importância de medidas de desempenho na área social, consulte também Kaplan, R. S; e Grossman, A. S. The emerging capital market for nonprofits, Harvard Business Review, October

7 (ENEM), quanto em termos da colocação dos seus alunos (todos eles acabam sendo aprovados em alguma boa universidade). O Quadro 1 resume esses cenários e apresenta os resultados das simulações em termos de custo total por aluno. O Anexo apresenta a planilha de cálculo em detalhe, mostrando as premissas e a estrutura financeira considerada. Quadro 1 Resumo dos cenários analisados Cenário Descrição 1 Base: o modelo envolvendo apenas a ONG e as escolas privadas. 2 Incentivos (pagamento condicional ao desempenho): bonificação à escola caso atinja a meta estabelecida. 3 Incentivos e captação no mercado financeiro: instituição financeira, captando de investidores sociais, suporta investimentos de melhoria nas escolas existentes, atrelados a aumento de meta. 4 Captação no mercado para construção de escola própria: as ONGs obteriam recursos de investidores para investir em uma nova escola, a ser gerida por empresas educacionais especializadas. Resultados esperados 80% dos alunos colocados em boas universidades.* Meta: 90% dos alunos colocados em boas universidades. Se atingir meta, escola é bonificada com 15% a mais da mensalidadebase do Cenário 1. Se não atingir meta (80% dos alunos colocados em boas universidades), paga-se à escola 5% abaixo da mensalidadebase do Cenário 1. Meta: 95% dos alunos colocados em boas universidades. Se atingir meta, escola é bonificada com 15% a mais da mensalidadebase do cenário 1, e o dinheiro emprestado retorna ao investidor social apenas com correção monetária. Se não atingir meta (80% dos alunos colocados em boas universidades), paga-se à escola 5% abaixo da mensalidade-base do cenário 1, e o dinheiro emprestado retorna ao investidor com juros reais de 5% ao ano. Meta: 100% de aprovação em boas universidades. Dado que a escola própria permite maior controle dos processos, assume-se que a taxa de aprovação caso a meta não seja atingida será também maior que nos cenários anteriores: 85%. O pagamento de juros ao investidor social se dá como no cenário 3. * Escolas classificadas com 4 ou 5 estrelas no Guia do Estudante. A mensalidade-base inclui um período de dois antes da entrada na escola privada, quando o aluno recebe um treinamento prévio ( cursinho ). Cenário 1: Atual Nesse caso, partimos de um contingente inicial de 500 alunos. Assumimos que o aluno recebe um treinamento prévio ( cursinho ) de dois anos antes do ingresso na escola do ensino médio. Com base em dados fornecidos, o custo mensal por aluno nos dois anos de 7

8 cursinho (incluindo alimentação e materiais) é assumido como R$ 846, ao passo que nos três anos subsequentes passa a R$ Desse último valor, R$ 983 referem-se à mensalidade (média) cobrada pelas escolas privadas, e o restante (R$ 335) a gastos com alimentação e materiais do aluno. Essa é a mensalidade-base que usaremos como referência nos cálculos posteriores. Vale notar que esse valor já inclui casos de escolas privadas que têm concordado dar um desconto na mensalidade pelo fato do projeto ter objetivo de inclusão social. Cenário 2: Incentivos Aqui, a escola privada deverá receber um bônus futuro caso uma determinada meta de desempenho seja atingida. Utilizaremos, para fins didáticos, um indicador simples de desempenho: o percentual de alunos que ingressam em boas faculdades ou universidades. No caso do ISMART, por exemplo, um dos critérios para definir se a escola é boa ou não baseiase na avaliação da revista Guia do Estudante. São buscadas escolas classificadas pela revista com pelo menos quatro estrelas (a pontuação máxima é cinco estrelas). Utilizando um valorbase de 80% desse indicador, propomos uma meta de 90%, acima da qual a escola receberá bonificação. Dada a existência de bonificação futura e a possibilidade da ONG reduzir seus gastos caso a escola não tenha bom desempenho, também propomos que, nesse tipo de arranjo, a escola reduza a sua mensalidade base em 5%. Ou seja: a ONG pagaria 5% a menos, por mês, do que é feito atualmente de acordo com a mensalidade-base do Cenário 1. Porém, no futuro, após três anos o ciclo do aluno no ensino médio a escola teria uma bonificação de 15% a mais da mensalidade-base caso atinja a meta. Esse bônus é computado considerando-se a soma das mensalidades durante os três anos de permanência do aluno na escola. Considere, por exemplo, uma escola que cobre uma mensalidade de R$ e aceite uma redução de 5% nessa mensalidade. Logo, a ONG pagará, por mês, R$ 950. Ao final de três anos, caso atinja a meta, a escola receberá um bônus equivalente a 15% da mensalidadebase (isso é, a mensalidade original, sem redução) calculado para os três anos de mensalidade. Ou seja: 15% R$ meses = R$ por aluno. Esse bônus é equivalente a 5,4 mensalidades-base por aluno. 6 Dado que ocorre pagamento da mensalidade-base com desconto de 5%, e bonificação de 15% a mais da mensalidade-base, a bonificação líquida acaba girando em torno de 10%. Para não sobrecarregar a ONG focal na sua necessidade de financiamento, uma vez que o pagamento do bônus exigirá caixa adicional, sugerimos que outras ONGs parceiras se encarreguem desse pagamento condicional. Assim, a ONG original absorveria o pagamento da mensalidade e as suas parceiras pagariam o bônus ao final do ciclo, caso a escola atinja as metas. Cenário 3: Incentivos e captação no mercado Nesse cenário, mantemos o arranjo de incentivos do cenário 2. Porém, introduzimos uma instituição financeira que irá captar de investidores sociais para suportar investimentos de ampliação ou melhoria na escola que permitam aumentar a meta de desempenho. Utilizamos como parâmetro um valor total de investimento de R$ 600 mil para cerca de Esse valor é, aqui, definido a valor presente. Como o pagamento ocorrerá três anos após a entrada do aluno, ao final do ciclo, deverá ser feito um ajuste de acordo com o custo de capital do empresário da escola. 8

9 alunos distribuídos nas diversas escolas do programa. Dado esse aporte, e as melhorias resultantes nas escolas, consideramos ser possível aumentar a meta para 95%. O executor a escola privada irá contrair o empréstimo diretamente. Como já destacamos, o investidor também será rentabilizado de acordo com o desempenho da escola. Dado o caráter social do projeto, e o movimento de investimento em impacto social descrito anteriormente, assumimos que a instituição financeira consiga captar de investidores dispostos a sacrificar parte do retorno que obteriam no mercado caso o projeto demonstre impacto social. Especificamente, assumimos que, no caso da meta ser atingida, a escola pagará ao investidor o equivalente à correção monetária do investimento, e o intermediário financeiro (banco) absorverá os custos de processamento da operação. Se a meta não for atingida, por outro lado, assumimos que a escola remunerará o investidor de acordo com uma taxa real de juros de 5% ao ano. 7 Cenário 4: Construção de escola própria Nesse último cenário, ao invés de pagar bolsas de estudo para alunos se matricularem em escolas privadas já existentes, a ONG irá coordenar a construção de uma escola própria, cuja gestão será terceirizada para empresas especializadas na área de educação. Isso é feito no caso do Colégio Eng. Juarez Wanderley do Instituto Embraer. Visto que, nesse caso, haverá mais controle na operação, a meta de colocação dos alunos deverá ser elevada para o teto máximo, 100%. Segundo dados do próprio Instituto Embraer, o investimento total será bem maior, de R$ 5,5 milhões. Assim, a necessidade de captação no mercado financeiro aumentará. As premissas de remuneração ao investidor social permanecem as mesmas do Cenário 3. Comparação entre os cenários A Figura 2 apresenta os resultados comparativos de cada cenário. Como base de comparação, indicamos na figura o custo por aluno aprovado em cada cenário, e como esse custo deve variar em função da meta ser atingida ou não. O custo por aluno é tomado durante todo o ciclo na escola, incluindo o cursinho preparatório. Na figura, é possível ver também o resultado esperado de cada cenário em termos de percentual de aprovação de alunos em boas universidades. É possível observar que os cenários 2, 3 e 4 representam uma progressiva redução de custos por aluno em relação ao cenário 1 (atual), caso a meta seja atingida. Isso ocorre fundamentalmente porque, mesmo com a bonificação repassada à escola, o custo por aluno cai em função do maior volume de alunos aprovados. Como o custo por aluno aprovado é simplesmente a razão entre os custos totais e o número de alunos aprovados, ainda que o numerador aumente em função da bonificação, o efeito pode ser mais que compensado por um aumento no denominador, isto é, no volume de alunos que ingressam em boas universidades. 7 Um aspecto curioso desse modelo é que o investidor terá maior retorno financeiro se a meta não for atingida. Relembre, entretanto, que serão buscados investidores com preocupação social, que irão aceitar uma redução na sua rentabilidade em troca de impacto social comprovado. 9

10 Gasto por aluno aprovado (R$) $ % $ $ % $ % $ % $ $ Meta não atingida Meta atingida Percentual de alunos aprovados (se atingir meta) Cenário 1 (atual) Cenário 2 (incentivos) Cenário 3 (incentivos e captação no mercado) Cenário 4 (escola própria) Figura 2 Resultados dos cenários simulados Os cenários 3 e 4 permitem uma redução no custo por aluno ainda maior devido à elevação da meta o que acreditamos ser possível pois, no cenário 3, as escolas recebem aporte financeiro extra para investir em melhorias na sua infraestrutura e, no cenário 4, a operação tem infraestrutura totalmente própria sob maior controle gerencial. Logo, em linha com nossa discussão anterior, o investimento permite alavancar o impacto do projeto. Porém, relembre que nesse cenário o custo do investimento é dependente do resultado obtido. Assim, se a escola não atingir a meta, os maiores juros do empréstimo atrelados a um menor volume de alunos aprovados causam um aumento no custo por aluno em relação ao cenário 2. Obviamente, esses resultados são apenas ilustrativos e dependem fortemente dos parâmetros utilizados. Por exemplo, mencionamos anteriormente que, na mensalidade-base cobrada pelas escolas privadas, já há algum desconto aceito pelo empreendedor privado como forma de contribuição a um projeto de impacto social. Assim, de certa forma, alguns executores privados podem entrar como financiadores implícitos de parte do projeto. Além disso, pode ser que algumas dessas escolas tenham capacidade ociosa ou oportunidades de expansão que resultem em um custo mais baixo por aluno adicional. Assim, pode ser possível encontrar escolas privadas que aceitem entrar no projeto a um custo (mensalidadebase) ainda inferior ao utilizado nas nossas simulações. Vale aqui um comentário adicional sobre a questão de meta de desempenho a ser escolhida. Seria desejável ter uma meta que permita obter o retorno social do projeto, isso é, o quanto a sociedade ganha (ou perde) com o investimento. Como vimos, apesar do custo maior associado ao cenário 4 (escola), espera-se um maior impacto em termos de alunos aprovados. Sob um ponto de vista social, espera-se que uma maior aprovação em boas universidades aumente a renda do jovem no futuro. Assim, idealmente, seria importante ter 10

11 algum indicador que permita estimar o ganho futuro de renda esperado do aluno e verificar se esse ganho é superior ou não ao custo do projeto. 8 Mais ainda, seria desejável que a meta fosse comparada a algum grupo de controle. Por exemplo, é possível que iniciativas como as do ISMART e do Instituto Embraer já selecionem ótimos alunos, ainda que carentes, para os seus programas. De que forma o apoio a esses alunos aumentou de fato as suas chances de ingressar em uma boa universidade? O ISMART já realiza alguns estudos para comparar os seus alunos a um grupo de controle de alunos não selecionados, mas que ficaram próximos de ser aprovados no seu programa. A própria iniciativa dos Social Impact Bonds avalia o desempenho do projeto com base em um grupo de controle de prisões não apoiada pelo seu programa. No Brasil, a Fundação Itaú Social realiza regularmente treinamentos sobre como estabelecer metas sociais e avaliar seus resultados usando grupos de controle. ASPECTOS JURÍDICOS DO MODELO O modelo proposto baseia-se em arranjo jurídico-contratual multilateral, do qual participarão no mínimo três e no máximo quatro partes ou grupos de partes, dado que a ONG focal pode se fazer acompanhar por outras instituições congêneres. E, como a própria nomenclatura utilizada para este tipo de projeto indica (investimento de impacto), os participantes que aportam os recursos necessários são atraídos pelo impacto esperado. Embora não haja, evidentemente, qualquer promessa de impacto, há dois compromissos importantes que são firmados. Em primeiro lugar, os critérios de escolha das escolas participantes devem não apenas ser adequados, mas também transparentes aos doadores e investidores. E a adequação de cada escola contemplada aos critérios deve se dar da mesma forma. Em segundo lugar, a verificação dos indicadores em relação a cada escola participante, por parte do centro de avaliação, deve ser um procedimento absolutamente preciso, independente e transparente. Portanto, embora não se possa assegurar aos doadores e investidores, em momento algum, que o impacto esperado de fato ocorrerá, até porque depende da atuação dos responsáveis pelas escolas e também dos alunos, tanto as instituições financeiras quanto as ONGs devem ter garantias contratuais no sentido de que os compromissos acima são juridicamente efetivos, ou seja, as partes a quem incumbe cumpri-los estão obrigadas por meio de regras claras e eficazes. O centro de avaliação deve ser instituição sobre a qual não haja influência relevante seja de qualquer das escolas participantes, seja das instituições financeiras envolvidas ou das ONGs. Esta independência deverá ser verificável por meio de simples consulta aos documentos organizacionais do centro de avaliação, bem como das identidades de seus dirigentes. Qualquer alteração nas características do centro de avaliação que possa comprometer sua independência deve ensejar a possibilidade de sua substituição por instituição adequada. 8 Veja, por exemplo, o estudo de Andréa Zaitune Curi e Naércio Menezes Filho, The relationship between school performance and future wages in Brazil, Insper Working Paper, Os autores estimam o efeito das notas dos alunos no SAEB (uma prova para avaliar o ensino básico) sobre a sua renda posterior. 11

12 A estruturação contratual da operação será feita, portanto, levando-se em conta a necessidade de garantia de conforto aos doadores e investidores que aportarão os recursos necessários. Isto implica em divulgação, desde o primeiro momento, dos indicadores e das regras a que se sujeitará o centro de avaliação, sendo que este deverá figurar como parte do acordo entre as escolas e as ONGs, e também do contrato de empréstimo entre as instituições financeiras e as escolas (que deverá, dentre outros, indicar a garantia a ser oferecida aos credores). Haverá, naturalmente, um acordo geral envolvendo escola, centro de avaliação, instituição financeira e ONGs, o qual servirá para refletir as obrigações e os direitos de cada parte envolvida. OPORTUNIDADES NO SETOR PÚBLICO Em que pese os benefícios sociais decorrentes da aplicação do modelo em escolas privadas voltadas ao público de baixa renda, é evidente que o emprego do modelo em unidades educacionais operadas pelo setor público pode abarcar um número maior de beneficiários, gerando um impacto muito expressivo para a sociedade. De fato, os fundos captados no mercado financeiro poderiam, de um lado, alavancar o investimento em infraestrutura física de escolas públicas e municipais, colocando-as em patamares compatíveis com as principais escolas de referência. Pode-se, além disso, pensar em uma bonificação aos professores e funcionários das escolas públicas, como forma de reconhecimento ao seu esforço de buscar indicadores de desempenho superiores em relação ao quadro atual. Os benefícios parecem ser incontestes. No entanto, as possibilidades de aplicação do nosso modelo podem ser constrangidas por diversos fatores. Em primeiro lugar, verifica-se uma resistência por parte do setor privado em promover aportes de capital em serviços operados pelos governos em geral. Há um sentimento generalizado de que a atuação de alguns governos é caracterizada por pouca transparência, pelo excesso de burocracia no agir e pela falta de mecanismos para assegurar que os resultados pactuados serão efetivamente entregues. Focos de resistência em relação ao modelo podem emergir também do lado do governo e na opinião pública em geral. Na verdade, ao longo dos últimos anos as notícias de arranjos ilícitos envolvendo ONGs e agentes públicos têm sido relativamente recorrentes, o que faz com que haja uma aversão intrínseca por parte de muitos a soluções que contemplem organizações não governamentais na provisão de serviços públicos. Além disso, de outra parte, há também uma desconfiança em relação ao papel de agentes financeiros, na medida em que paira a crença generalizada de que eles visam primariamente ao lucro e que dificilmente abririam mão dessa prerrogativa em prol de causas sociais de maior abrangência. O modelo de pagamento atrelado ao desempenho também pode ser visto com reserva por parte de setores do funcionalismo público, uma vez que tende a expor profissionais que não estejam devidamente preparados para exercer sua função ou até mesmo que não queiram exercer um nível de esforço compatível com indicadores de excelência. Nesse caso, críticos poderão argumentar que o modelo rompe com o princípio de isonomia entre funções similares. Muito embora tais considerações não mereçam ser ignoradas, acreditamos que esses fatores negativos podem ser atenuados por meio de algumas ações a serem tomadas pelos agentes envolvidos. Primeiramente, é preciso empreender uma escolha cuidadosa do parceiro público a ser apoiado. Será necessário que os agentes públicos envolvidos possuam conduta 12

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Resultados. sitawi. resumo 2009. www.sitawi.com.br

Resultados. sitawi. resumo 2009. www.sitawi.com.br Resultados sitawi resumo 2009 www.sitawi.com.br Carta do CEO Amigos, Este relatório é um 'resumo' do ano que passou. O ano de 2010 já começou com 2009 foi um ano especialmente importante e maior visibilidade

Leia mais

12. Como é o caso de pensão por morte de quem ainda está contribuindo para a previdência?

12. Como é o caso de pensão por morte de quem ainda está contribuindo para a previdência? Tel: 0800 941 7738 1 Educação Financeira Esta Cartilha tem como abjetivo mostrar a importância da educação financeira e previdenciária aos advogados participantes da OABPrev-RJ para que possam organizar

Leia mais

O Instituto Social Maria Telles

O Instituto Social Maria Telles O Instituto Social Maria Telles Criado em 1999, o ISMART tem como principal objetivo o desenvolvimento integral de talentos de baixa renda, garantindo aos seus beneficiados acesso a ensino formal de alta

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento

Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Longo prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

Aula 11 O Efeito Pigmalião

Aula 11 O Efeito Pigmalião Aula 11 O Efeito Pigmalião Objetivos da aula: Conhecer o chamado Efeito Pigmalião. Compreender a importância do conhecimento do Efeito Pigmalião pelo líder,l quando ele está envolvido no desenvolvimento

Leia mais

Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do ensino médio pode aumentar em 1 ano

Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do ensino médio pode aumentar em 1 ano SP quer ampliar ensino técnico estadual Data:10/05/2011 Veículo: O ESTADO DE S. PAULO SP Mariana Mandelli Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Um futuro sossegado para curtir

Um futuro sossegado para curtir PREVIDÊNCIA Aposentadoria privada: como, quanto, quando, onde e por que aplicar PLANEJAR A APOSENTADORIA É GARANTIR UMA QUALIDADE DE VIDA FUTURA, MAS É IMPORTANTE INVESTIR NUM PLANO QUE SE ADEQUE AO ESTILO

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS CETESC - CENTRO DE ENSINO E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS Campinas/SP Sumário 1 - APRESENTAÇÃO... 1 2 - DO PROGRAMA... 1 3 - INSCRIÇÃO... 1 4 - DO ANDAMENTO...

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 8 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.513, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014 ITG 2002 Introdução e Principais

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ASSOCIADOS, CLIENTES E COMUNIDADE: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM buscando contribuir

Leia mais

Instrumentos de Gestão Ambiental

Instrumentos de Gestão Ambiental Instrumentos de Gestão Ambiental Instrumentos Econômicos: Instrumentos econômicos alteram o preço (ou o custo) de utilização dos recursos naturais. = Fundos Socioambientais: Intermediários financeiros

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012

Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012 Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012. Operadora: Boa tarde e bem-vindos a áudio conferência de Comunicado ao Mercado da BM&FBovespa. Neste momento todos os participantes

Leia mais

COLÉGIO SETE DE SETEMBRO

COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Paulo Afonso, 01 de novembro de 2008. CARTA ABERTA AOS PAIS OU RESPONSÁVEIS Prezado pai / mãe ou responsável, Ao longo do ano letivo de 2008 estivemos juntos na parceria para a educação de seu(s) filho(s)

Leia mais

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE.

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE. PROUNI O Programa O Prouni - Programa Universidade para Todos tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.209-E DE 2011

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.209-E DE 2011 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.209-E DE 2011 Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONA- TEC; altera as Leis nºs 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

como instrumento de desenvolvimento

como instrumento de desenvolvimento OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e social Rita Valente* 1. Introdução A experiência do Banco do Nordeste com o programa de crédito popular CrediAmigo, implementado

Leia mais

2.1. VALORAÇÃO BASEADA NO CUSTO DE DESENVOLVIMENTO --------------------------------------------------- 4 2.4. TEORIA DE OPÇÕES REAIS

2.1. VALORAÇÃO BASEADA NO CUSTO DE DESENVOLVIMENTO --------------------------------------------------- 4 2.4. TEORIA DE OPÇÕES REAIS 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------ 3 2. METODOS DE VALORAÇÃO ---------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes RELATÓRIO da ADMINISTRAÇÃO - 2012 SENHORES ACIONISTAS A Administração do Banco Luso

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 1 BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 Antônio Eugênio Cunha* O brasileiro vai investir 13,5% a mais com educação em 2012 relativo ao ano anterior. Este é o levantamento divulgado

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem?

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem? FIES + P ROUNI A UNA, uma Instituição que faz diferença no tempo e no espaço que está inserida, que participa da comunidade e sabe da sua importância na formação de profissionais e de cidadãos, oferece

Leia mais

Mapeamento do campo de Negócios Sociais / Negócios Inclusivos. Resultados: Categoria Desenvolvedores e Investidores

Mapeamento do campo de Negócios Sociais / Negócios Inclusivos. Resultados: Categoria Desenvolvedores e Investidores Mapeamento do campo de Negócios Sociais / Negócios Inclusivos Resultados: Categoria Desenvolvedores e Investidores Conteúdo 1. Objetivos, parceiros, metodologia e públicos 2. Mapeamento de abrangência

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados do 1T12 26 de abril de 2012

Transcrição da Teleconferência Resultados do 1T12 26 de abril de 2012 Operadora: Bom dia, senhoras e senhores e obrigada por aguardarem. Sejam bem vindos à áudio-conferência da Contax para discussão dos resultados referentes ao 1T12. O áudio e os slides dessa conferência

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo. Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo. Consulta Pública de Lâmina de Fundo 1 de 6 11/06/2015 10:39 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FICFI REFERENCIADO DI LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Fonte: O Globo Data: 16/09/2015 Seção: Economia Versão: Impresso (página 25) e Online Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Retomada de cobrança

Leia mais

O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS

O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS O desenvolvimento crescente da utilização de meios de pagamento alternativos nas operações dos supermercados coloca mais uma vez em evidência a necessidade

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Relatório de Seguridade

Relatório de Seguridade Re Relatório de Seguridade Relatório de Seguridade Relatório Maio/2015 O relatório da área de seguridade tem por finalidade apresentar as principais atividades desenvolvidas no mês, informando os números

Leia mais

Sumário ( ) Carta do Presidente... 03. Fundo Jovem... 05. Resultados 2014... 06. Incentivos para investimentos... 08

Sumário ( ) Carta do Presidente... 03. Fundo Jovem... 05. Resultados 2014... 06. Incentivos para investimentos... 08 Balanço ocial 2014 umário ( ) Carta do Presidente... 03 Fundo Jovem... 05 Resultados 2014... 06 Incentivos para investimentos... 08 Parceiros, Associados e Mantenedores... 13 Ano de desafios... 16 Há 10

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

Microcrédito, inclusão social e desenvolvimento local: a experiência do Banco do Povo Crédito Solidário em Santo André e Mauá

Microcrédito, inclusão social e desenvolvimento local: a experiência do Banco do Povo Crédito Solidário em Santo André e Mauá Santo André e Mauá - Brasil Microcrédito, inclusão social e desenvolvimento local: a experiência do Banco do Povo Crédito Solidário em Santo André e Mauá Jorge Luiz Gouvêa1 I. O contexto: a reestruturação

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional

Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional Chiaki Kobayashi Kobayashi.Chiaki@jica.go.jp Agência de Cooperação Internacional do Japão(JICA) 1 O que é a Agência de Cooperação

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques

Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques Depois de vencer, aja como se não tivesse vencido. (Sun Tzu. A Arte da Guerra) Muitos empreendedores, quando conseguem vencer, sentem-se

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar pág. 08 DOUGLAS DUEK COMO AS EMPRESAS PODEM CHEGAR À BOLSA? pág. 12 TRENDS O QUE PODE ATRAPALHAR A BOLSA EM 2011 A REVISTA DO INVESTIDOR NA BOLSA ANO 3 MAR 11 #36 R$ 12,00 9 771982 835003 0 3 0 3 6 EXEMPLAR

Leia mais